SOCIOLOGIA DAS EMOÇÕES - RELEVÂNCIA TEÓRICO- ACADÊMICA E PERSPECTIVAS DE ANÁLISE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOCIOLOGIA DAS EMOÇÕES - RELEVÂNCIA TEÓRICO- ACADÊMICA E PERSPECTIVAS DE ANÁLISE"

Transcrição

1 SOCIOLOGIA DAS EMOÇÕES - RELEVÂNCIA TEÓRICO- ACADÊMICA E PERSPECTIVAS DE ANÁLISE Aristides Ariel Bernardo 1 RESUMO: Desde o surgimento da Sociologia enquanto ciência, a categoria de análise emoções tem sido desconsiderada como fenômeno sociológico válido para a compreensão das questões sociais, ou mesmo relegada a segundo plano nas discussões clássicas. A presente proposta tem por objetivo discutir a pertinência do objeto e as perspectivas teórico-analíticas colocadas por essa nova área da Sociologia, buscando contextualizar o início dos estudos e pesquisas no âmbito da Sociologia das Emoções. Nesse contexto, diante dos autores analisados, identificamse os embates que permeiam esta vertente da Sociologia no que tange as abordagens teóricas que buscam melhor apreender os fenômenos emocionais como fenômenos sociais. PALAVRAS-CHAVE: Sociologia das emoções, Fenômenos Sociais, Fenômenos Emocionais. INTRODUÇÃO Desde o surgimento da Sociologia enquanto ciência, não se via, nem se propunha estudos em que a categoria de análise emoções fosse considerada um fenômeno sociológico válido para a compreensão dos fenômenos sociais, que por sua vez, no entanto, eram relegadas a segundo plano nas discussões teóricas clássicas, sendo vistas apenas como pano de fundo ou um fator que não interferiria significativamente na esfera social. No entanto, verifica-se uma mudança neste sentido nas últimas décadas, com a emergência de uma área conhecida como Sociologia das Emoções, enquanto campo específico do conhecimento, sobretudo a partir de Assim, tendo em vista o surgimento desta possibilidade de entendimento sociológico, a presente proposta tem por objetivo discutir a pertinência do objeto e as perspectivas teórico-analíticas colocadas por essa nova área da Sociologia. De maneira específica, busca-se contextualizar o início de estudos e pesquisas no âmbito da Sociologia das Emoções, partindo da revisão bibliográfica de autores contemporâneos brasileiros como Koury (2003, 2004, 2009), Torres (2009), Bonelli 1 Graduando do curso de Ciências Sociais e Bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul Campus de Naviraí/MS (UFMS-CPNV). 1

2 (2003), almejando um aprofundamento das várias perspectivas teórico-metodológicas que norteiam a categoria emoções como objeto de pesquisa. Este trabalho está divido de forma clara e sintética em três momentos centrais. O primeiro busca-se trazer uma breve, e possível conceitualização para o que seria a sociologia, bem como os seus possíveis objetos de investigação, seguido de um conciso panorama de seu surgimento, e os três grandes teóricos considerados clássicos desta disciplina, e como estes viam o então estudo da sociedade capitalista insurgente. O segundo momento aborda a então denominada "sociologia especial" ou "específica" conhecida como sociologia das emoções, numa tentativa de classifica-la enquanto conceito, da mesma forma em que se busca apresentar a pertinência dos estudos da sociologia acerca da categoria de analise emoções, seguida da principal dificuldade encontrada particularmente, nos estudos desta disciplina, o que se caracterizou, como um entrave para a realização do trabalho aqui proposto. Já o terceiro momento, traz em si, o foco de análise das investigações já realizadas sobre a sociologia das emoções, que é, identificar como esse objeto (emoção) é vista e trabalhada por teóricos desta sub área da sociologia, apresentados nas obras de autores contemporâneos brasileiros como Koury (2003, 2004, 2009), e Torres (2009). 1 - DA SOCIOLOGIA GERAL A UMA SOCIOLOGIA ESPECÍFICA Sabe-se que a sociologia é a ciência que busca estudar os fenômenos sociais decorrente das atividades humanas, seja ela, simplesmente tentando analisar e interpretar a influência e ação das estruturas sociais, e o comportamento dos indivíduos quanto grupo integrantes de uma sociedade, ou, por vez, buscando a manutenção e a estabilização dessas mesmas estruturas e a regularidade do comportamento social, ou ate mesmo visando entender a realidade a qual os indivíduos então inseridos, com a intenção de propor a apresentação de uma possível transformação deste estado no qual podem se encontrar. Claro que estas são definições deliberadamente vagas para classificar o conceito que temos hoje acerca da sociologia, no entanto situando-a no seu contexto de surgimento, esse novo projeto de conhecimento emerge como resultado da tentativa de se analisar com o intuito primevo de entender as grandes e marcantes mudanças sociais apresentadas pela nascente sociedade capitalista, estruturando-se basicamente nos intuitos de regulamentar a nova ordem social vigente, analisa-la de forma sistemática, ou ate mesmo tentando transforma-la. 2

3 A sociologia pode ser entendida como uma nova expressão do pensamento cientifico, que tem seu surgimento concomitantemente a transformações históricas e intelectuais expressivas no período de emergência de uma nova forma de organização política, econômica, social e ate mesmo cultural, que é o estabelecimento da organização de estrutura capitalista, marcada pela insurgência de pensadores que tentam construir elaborações que possibilitem a compreensão das novas formas ao qual o âmbito social estava sendo direcionado. Desta forma o século XVIII é um marco de extrema importância para o surgimento desta nova área do conhecimento, pois a instalação permanente do capitalismo na estrutura social, proporcionada pelas duas grandes revoluções que se deram nesse período (Revolução Industrial e Francesa) acarretaram problemas e situações que ate então eram inéditas para os indivíduos que viviam aquele período de mudanças. Estas mudanças foram tanto drásticas, quanto trágicas para a então classe trabalhadora, que num estado de calamidade enfrentavam o "aumento assustador da prostituição, do suicídio, do alcoolismo, do infanticídio, da criminalidade, da violência, de surtos de epidemias de tifo e cólera que dizimavam parte da população etc." (Martins, 1948, p.13-14). Claramente esse processo de revolução burguesa e consolidação do sistema de produção capitalista, influenciaram no surgimento de uma ciência que se propunha a analisar a sociedade e todas as transformações que nela vinham ocorrendo. No entanto o aparecimento desta nova forma de se entender o social tal qual conhecemos hoje não se deu de forma tão "bela", e fácil como se pode imaginar. As primeiras ideias de sociologia, possuiam grandes heranças das ciências naturais, que se desenvolveram de forma gloriosa durante o séc. XVIII e inicio do séc. XIX, e que eram consideradas exemplos de ciências a serem seguidas. A sociologia de Saint-Simon é um grande exemplo deste fenômeno de positivismo social, já que este pensa a ciência que estuda o social como algo fundado com bases e métodos positivos da física. Ou Augusto Conte, que visava fundar uma ciência da sociedade, ou Física Social, que seguisse os modelos das ciências naturais, ao qual destacava o processo de evolução social ou do "espírito humano", que teria passado do estado teológico ao metafísico e enfim ao ultimo estado de evolução do homem, seu estado definitivo, marcado pelo esclarecimento científico e positivo. Ou tambem a ideia de Herbert Spencer sobre a evolução social, ao qual afirmaria que as sociedades evoluem de seus estados mais simples e primitivos, para sociedades compostas e mais complexas, como a sociedade moderna. Assim as ideias dominantes devem ser agora a de ordem, reorganização e aperfeiçoamento da nova estrutura social vigente, buscando afirmar, legitimar e garantir por excelência a dominação burguesa. 3

4 No entanto, apesar da grande influencia que as ciências naturais tiveram sobre aqueles que se dedicavam ao estudo das relações sociais, elas se encontravam limitadas a ter que se adequar a outras áreas do conhecimento como a física, a biologia a astronomia e a química. Assim surge uma nova necessidade para o estudo da sociologia, o de se construir novas bases para essa ciência, e que tivesse a preocupação de possuir uma área específica constituindo métodos próprios de investigação. Pois, a sociologia por possuir um objeto e métodos de analises de um fenômenos, que se distinguem completamente daqueles estudados pelas ciências naturais, deveria tornar-se uma disciplina independente. É o caso de Émile Durkheim, e Max Weber, que buscaram criar e institucionalizar uma ciência que estudasse a sociedade e o que nela acontece. Ao contrario de Karl Marx, que não poderia deixar de ser citado, por exemplo, que, mesmo não visando construir uma ciência da sociedade, contribui de forma significativa nos estudos não somente da sociologia como tambem para a filosofia, a economia a historiografia, a geografia entre inúmeras outras áreas do conhecimento científico. No caso de Durkheim, que apesar de não se desprender completamente das ciências naturais e da ideia positivista de estudos na sociologia, buscou construir os fundamentos para essa nova ciência, fornecendo a ela procedimentos metodológicos, e criando um objeto próprio para a sociologia, os "fatos sociais". Devido ao fato de sugerir que seja aplicado nos estudos dos fenômenos sociais os mesmos métodos das ciências da natureza, as principais teses de Durkheim visam entender principalmente as causas dos fatos sociais, alegando que um efeito social, ou um fato social tem apenas uma causa, e vice e versa, visa entender e identificar uma ordem, uma lógica para todos os fenômenos sociais. Durkheim realizou diversos estudos sobre fatos sociais como a educação, o suicídio, e o que é postulado na concepção durkheimiana de representações coletivas, com o intuito de comprovar suas teses sobre a exterioridade e coercitividade dos fatos sociais. Max Weber tambem dedicou-se a construir um objeto próprio para a sociologia, que seria a "ação social", e métodos próprios de análise deste objeto que se distinguisse das ciências naturais. Assim, diferente de Durkheim, Weber defendia que era necessário se desenvolver métodos próprios para as ciências humanas, que fossem distintas das ciências da natureza, afirmando que a segunda busca encontrar leis gerais para todos os fenômenos, enquanto a primeira deve buscar compreender de forma singular os fenômenos sociais. Para compreendê-los por tanto, deve-se aplicar um método de investigação e análise, que Weber denomina de "método compreensivo", e que tem como bases de investigação e comparação, úteis na sistematização dos resultados das pesquisas o que ele denomina de "tipos ideais", 4

5 que seriam nada mais que ideais desenvolvidos pelo investigador para servir de guia, ou parâmetro na compreensão das inúmeras variações do real. Desta forma o pesquisador deve-se manter neutro diante os resultados obtidos, visando apenas estudar e entender o social, sem tomar partido em suas investigações, sendo capaz se extrair os sentidos das ações e das relações sociais. Na concepção de Weber as ações sociais são ações dotadas e providas de sentido e com uma finalidade ou propósito e sempre voltada para o outro, ou seja, o objeto de investigação nesta concepção analítica segundo coloca Koury (2009, p.25) "é a ação dos indivíduos em interação". Dentre inúmeras contribuições, ambos foram responsáveis pela delimitação de um campo especifico para a sociologia, bem como apresentaram procedimentos e métodos próprios para a investigação da sociologia, especialmente no caso de Weber, assim como o seu objeto de investigação, contribuindo significativamente para a consolidação intelectual e institucional da sociologia enquanto ciência. Marx, como já citado anteriormente, apesar de não se preocupar em delimitar, fundar e institucionalizar o campo da sociologia, tambem foi de grande relevância para a consolidação desta disciplina, pois desenvolveu inúmeras obras sobre o desenvolvimento do capitalismo, sua forma de estruturação e a situação dos trabalhadores neste novo modo de organização social. A partir das ideias fundamentais de Hegel e Feuerbah, Marx constrói o conceito de materialismo histórico, além de desenvolver a ideia de método dialético, com o intuito de se analisar a realidade a partir da própria realidade. Deste modo, Marx rompe completamente com as teses positivistas de Conte e Durkheim sobre a utilização de métodos das ciências naturais em investigações sociais, bem como mostra-se contrario a ideia de neutralidade de Weber, fato este que se mostra impossível na concepção de Marx, e tambem se opunha a abstração dos "tipos ideais" como método de compreensão da realidade, pois para ele o pesquisador deveria partir das "expressões da realidade", o que se mostra concreto e presente no real para se entender o social. O principal objeto de estudo e pesquisa, se é que podemos defini-lo desta maneira, parte da ideia de que o social se constrói a partir das "relações sociais", relações estas expressas a partir do modo de produção de uma sociedade, das suas formas de organização políticas e ideológicas. Marx neste sentido se detém em escrever sobre o modo de produção capitalista, o seu processo de exploração e produção de mais valor por meio da força de trabalho, além de sistematizar a ideia de luta de classes. Vê-se aqui um breve panorama de contextualização histórica de desenvolvimento da sociologia, e a atuação dos autores considerados clássicos nesta disciplina, e suas contribuições sejam diretamente intencionais ou não no papel de 5

6 formação e consolidação da sociologia, com o intuito de situar o principal papel desta ciência que se desenvolveu de forma significativa nos últimos séculos, que é como descreve Elias Canuto Brandão, o de estudar: as relações e as interações sociais, formas de associação, comportamento e vida social no grupo, estruturas e vida social, a cooperação, competição e conflito na sociedade e ou grupo social. A sociologia é o estudo dos grupos sociais e tudo que nele decorre em função da interação e relações sociais, sobretudo da abordagem dada pelo pesquisador direcionada às sociedades moderna e contemporânea. (BRANDÃO, 2007). Além disto, podemos ter uma breve noção da importância dos autores clássicos nas investigações realizadas pela sociologia bem como a busca pelo desenvolvimento e aperfeiçoamento nas técnicas de investigações dos fenômenos sociais, decorrentes posteriormente, das varias formações de Escolas de pensamento sociológico, que buscavam como melhor estudar os fenômenos sociais e melhor tentar "compreender como a sociedade se organiza e como seus componentes se relacionam e interagem". (BRANDÃO, 2007). A sociologia desde sua constituição passou por longas e complexas "transformações" e aperfeiçoamentos do seu pensamento, possuindo em suas varias tendências às características e contextualizações específicas de seus países, bem como ideologias políticas, e culturais predominantes, e incluía em suas pesquisas, a necessidade de se estudar fenômenos sociais e históricos específicos desses lugares e épocas dadas, que necessitavam de atenção especial para análise de seus eventos, o que proporcionou de forma geral um processo de produção e desenvolvimento de subdisciplinas dentro da própria sociologia, o que viria a ser denominado de "sociologias específicas", ou "sociologias especiais". Essas "sociologias especiais" de modo geral partem dos mesmos princípios teorico-metodológicos da sociologia geral, mais que abarcam em suas discuções algumas questões e fenômenos sociais mais específicos, como é o caso da sociologia do trabalho, da religião, da burocracia, a sociologia da família, sociologia da saúde, sociologia rural, sociologia urbana, sociologia do conhecimento, do esporte, da arte, entre outras. Uma das mais recentes subdisciplinas da sociologia geral, e de enfoque neste trabalho é a chamada "Sociologia das Emoções", que, como o próprio nome sugere, tem como encargo de suas investigações a categoria de análise "emoção", buscando identificar o caráter social de nossas emoções, quais os fatores sociais que influenciam-nos a sentir determinada emoção, bem como identificar o caráter cultural da construção destas emoções. Assim, a sociologia das emoções surge com o intuito de compreender os 6

7 fenômenos emocionais, a partir de um caráter social, como uma construção social, preocupando-se assim "com os fatores sociais que influenciam na esfera emocional" (KOURY, 2009, p. 45). 2 - SOCIOLOGIA DAS EMOÇÕES: DIFICULDADES E ENTRAVES NA ANALISE DA CATEGORIA "EMOÇÃO" A sociologia das emoções, como colocado anteriormente, se constitui em uma sub área do conhecimento da sociologia que segundo Koury (2009), tem seu processo de formação iniciado nos Estados Unidos em meados da década de 1970, como resposta a paradigmas predominantes da época, ao qual desprezava ou mantinha como pano de fundo as ações sociais individuais e os agentes sociais, bem como a subjetividade social, e as representações destes agentes acerca do plano social e sua vida emocional. A sociologia das emoções surge assim, como iniciativa de um conjunto de investigadores que encontraram nesta tendência insurgente, a capacidade explicativa e interpretativa de se compreender a influência social das emoções, bem como as expressões sociais destas emoções e sua relevância na formação do próprio indivíduo, e seu papel determinante na formação das estruturas sociais. Desse modo, pondera-se que a sociologia das emoções tem como principal objetivo, estudar ate que ponto a sociedade influência ou não no modo como vemos e sentimos o mundo ao nosso redor e a nós mesmos, pretendendo-se analisar quais os fatores históricos e culturais que regulam nossos sentimentos, e se nossas emoções são constituídas e administradas através das relações intersubjetivas da vida social, bem como se as estruturas sociais existentes e o modo pelo qual as sociedades se organizam influenciam no como sentimos e atribuímos valor, significado e sentimentos as "coisas" em nossa vida. Ou seja, tem a intenção de avaliar se nossas emoções são constituídas socialmente e se o social interfere e influência na esfera emocional, e as emoções na esfera social, ou se as emoções realmente possuem como bases apenas substratos biológicos e psicológicos derivados da constituição, respectivamente, instintiva e/ou cognitiva do ser humano. As emoções, como indica Machado (2003), em seu artigo sobre "A abordagem das emoções no âmbito das organizações", é um fenômeno que se caracteriza de forma muito complexa, tendo explicações e estudos sobre seus eventos em diversas áreas do conhecimento, principalmente no que tange as áreas da biologia, da neurociência e da psicologia, e, como aqui apresentado, tambem pela sociologia. 7

8 Todavia, sobrevale a resalva de que, "cada área, por sua vez, adota uma perspectiva, tem seus próprios pressupostos e uma forma diferente de pensar sobre o assunto" (MACHADO, 2003). Para a neurobiologia, segundo sustenta Lopes (2011) em seu artigo "As Emoções", este fenômeno pode ser descrito como: [...] respostas neurológicas e fisiológicas a estímulos (externos e internos), coordenados pelo próprio pensamento que envolve as estruturas do sistema límbico. [...]. De acordo com Vaitsman, os alicerces da vida emocional começam no cérebro e se estendem ao sistema imunológico. Pesquisas feitas pelos neurocientistas Antonio Damásio e Joseph LeDoux, indicam que a maioria das emoções - como a raiva e o medo - têm origem bioquímica.[...]. De acordo com Ballone, os sentimentos e emoções, como amor, alegria, ódio, pavor, ira, paixão e tristeza tem origem no Sistema Límbico. (LOPES, 2011). Neste sentido, percebe-se que nesta perspectiva as emoções possuem substratos de origem inteiramente derivada de processos neuroquímicos que ocorrem em nosso cérebro. No entanto, a primeira teoria que se preocupa em estudar as emoções surge com Charles Darwin em 1872, numa perspectiva evolutiva das emoções, onde Darwin se dedicou a identificar as expressões das emoções nos homens e nos animais, a fim de comprovar suas teses de que as emoções são inatas e universais a ambos os homens e os animais, estando pré-fixadas no organismo, herdadas por ancestrais através da evolução das espécies. Uma terceira perspectiva, de cunho fisiológico, afirma que nossas emoções são derivadas, originadas e sentidas, a partir das reações fisiológicas do nosso corpo em detrimento de determinada situação, ou seja, ao contrario das afirmações de Darwin de que nossas emoções surgem primeiramente em uma determinada situação nos permitindo reagir, esta tendência fisiológica vai afirmar o oposto, dizendo que primeiro reagimos a uma situação, e por essa reação é que sentimos nossas emoções. Deste modo: Eles postulam que não choramos porque estamos tristes, mas ficamos tristes porque choramos. Uma pessoa sente medo porque o seu corpo respondeu com determinadas reações fisiológicas a uma situação. [...] perante uma situação de emergência, primeiro o homem reage e foge e é por fugir que sente medo. (LOPES, 2011). Por outro lado, na psicologia, apesar de resalvarem alguns conceitos da fisiologia, tais como o pressuposto de que uma determinada situação irá provocar nos indivíduos reações fisiológicas, eles partem de uma concepção de cunho cognitivista, 8

9 onde o modo como determinada situação é interpretada conscientemente diante seu aprendizado e sua história pessoal de relação com o mundo é que será dado sentido emocional aquela situação, "que resumindo diz que as emoções produzem estados internos de excitação e nós procuramos no mundo exterior uma explicação para isso".(lopes, 2011). Já a perspectiva de cunho culturalista, ou construtivista sociocultural, colaca as emoções como sendo processos aprendidos dentro da sociedade em que pertencemos, através da interação com o outro dentro do processo de socialização. Deste modo, Pereira argumenta que: Tal como a linguagem, as emoções são uma construção social que exige aprendizagem e que, por isso, dependem da cultura em que o indivíduo está inserido e variam no espaço e no tempo. O conjunto de regras de cada cultura especifica o tipo de emoções que se manifestam em cada situação e a forma como se devem demonstrar. Em cada cultura e para cada cultura há uma linguagem da emoção específica que é reconhecida por todos aqueles que nela estão inseridos. (PEREIRA, 2010). As mais atuais tendências de estudos dentro da sociologia das emoções partem da perspectiva culturalista das emoções como explicação social para os fenômenos emocionais, na tentativa de demonstrar assim, que o modo como vemos e sentimos o mundo ao nosso redor e todos os fenômenos recorrentes de interações sociais, são constituídos no seio destas mesmas interações, que regem nosso comportamento, e que nos ensina como nos portar diante do outro. Podemos perceber com esses pequenos exemplos dos diversos olhares voltados para as emoções, a grande divergência conceitual de o que viriam a serem emoções, bem como ter uma breve noção de como este fenômeno é visto e analisado de maneiras divergentes e ate mesmo conflitantes entre si, dentre estas áreas da ciência. Contudo vale-se lembrar, como discutido anteriormente, que a sociologia não de se basear metodologicamente em outras ciências para realizar analises sobre seus objetos de estudos, mesmo que o objeto em si possa, assim como as emoções, perpassar por diversas áreas do conhecimento. Neste sentido, a sociologia das emoções deve buscar propor meios próprios para o estudo deste fenômeno. Sabemos que a sociologia trabalha em grande parte de seus estudos com conceitos, termos e expressões que visam definir e expressar um evento ou um fenômeno social, propondo uma aproximação explicativa do real através destes conceitos explicativos. Neste sentido quando se fala sobre esta nova disciplina do conhecimento sociológico, a primeira questão que nos vem à cabeça é: "qual o conceito de emoções para a sociologia?"; "o que é, ou o que significa emoções para a 9

10 sociologia?". Ao menos essas foram as primeiras e continuam sendo as principais, indagações feitas por mim, no nos estudos e pesquisas sobre esta tão "sombria" e desconhecida área da sociologia. Pode-se aclarar assim, que as principais dificuldades encontradas ao se deparar com estudos voltados para a sociologia das emoções, esta localizada a princípio, na conceitualização de o que vem a ser, ou significar a categoria de análise "emoção", que é o seu principal objeto de estudos. Constata-se deste modo que, nos inúmeros estudos sociológicos voltados para este objeto, muito pouco, ou nada, tem-se voltado a preocupação de se desenvolver uma taxonomia ou significado conceitual objetivo para o que vem a ser emoção do ponto de vista da sociologia. Obras de autores contemporâneos brasileiros, que discutem a problemática das emoções, aos quais são os principais aportes teóricos deste estudo, por exemplo, iniciam suas obras de maneira direta e objetiva na problematização e discuções por eles propostas, tais como, o que vem a ser a sociologia das emoções, como é abordada as emoções por autores clássicos da sociologia geral e da própria sociologia das emoções, bem como suas principais perspectivas analíticas, ou tambem investigações sobre emoções específicas, como o luto, o medo, a vergonha, a amizade e a ate mesmo o amor, demonstrando quais os fatores sociais e históricos que influenciam-nos a sentir e atribuir significado a estas emoções. Mas, no entanto, grosso modo, falham em um pequeno ponto, mais de total relevância para uma maior compreensão de seus estudos, o de não buscarem aplicar em seus trabalhos o que a sociologia entende por emoções, bem como não aprofundarem o que entendem, ou nos proporcionar seus entendimentos acerca da conceitualização destas mesmas emoções específicas a qual se dedicam. Desta maneira, permanece a luz do conhecimento de quem obtém um primeiro contato com a sociologia das emoções e suas principais discuções, uma vaga compreensão pautada principalmente no conhecimento do senso comum, sobre o que se entende acerca de emoções enquanto categoria sistemática de análise. 3 - PERSPECTIVAS TEÓRICO-ANALÍTICAS DA SOCIOLOGIA DAS EMOÇÕES A sociologia das emoções nas bases de sua emergência não se dá de forma harmoniosa, e foi desenvolvida a partir de conflitos e tensões entre tendências e perspectivas que tentavam formular melhores caminhos para se explicar o fenômeno emocional, e adequar suas investigações entre a relação de emoção e sociedade (KOURY, 2009). Podemos afirmar que a sociologia das emoções possuiu duas grandes tendências teóricas de análise das emoções, que divergiam significativamente 10

11 no modo como viam, construíam e analisavam o objeto, que por sinal, era o único ponto em comum que possuíam entre si. No entanto, havia modos diversos de ver as emoções mesmo dentro destas duas tendências, ou seja, dentro de si mesmas haviam diferenças de pontos de vistas e tendências particulares de se perceber o seu objeto de investigação, o que, por um lado gera o embate e o maior número da produção teórica de cada tendência devido ao processo de "concorrência", em que cada perspectiva busca se afirmar; e por outro, uma fragmentação dentro da disciplina, que pode ser considerado prejudicial para uma sistematização mais solida de teorias sociais das emoções. Em sua obra "Emoções, Sociedade e Cultura" (2009), Koury nos apresenta brevemente, segundo a concepção de Kemper (1990, p.11), estas duas grandes perspectivas teóricas como sendo, uma de cunho positivista e outra com "feições antipositivistas". Ou seja, a primeira analisa as emoções dentro da sociologia concebendo mais importância aos aspectos biológicos e fisiológicos em relação aos substratos sociais, partindo de uma concepção teórico-metodológica positivista. No entanto, a segunda, se prostraria para os aspectos socioculturais das experiências emocionais, valorizando os sentidos subjetivos que os próprios atores sociais atribuiriam aos fenômenos emocionais através das relações sociais criadas e desenvolvidas na saciedade e na cultura as quais pertencem. Desta forma para esta segunda posição as emoções são uma construção social (KOURY, 2009, p.46). Já, Torres (2009), em sua Tese de Doutorado intitulada "Hóspedes Incômodas? Emoções na sociedade norte-americana" nos apresenta, e discorre de forma mais sucinta sobre estas duas tendências utilizando-se dos termos biossocial ou universalistas para a primeira perspectiva apresentada anteriormente, de cunho positivista, por valorizarem os aspectos biológicos das emoções, e, numa releitura evolucionista darwiniana e psicanalítica afirmarem que as emoções são inatas aos seres humanos, e estão pré-fixadas no organismo, onde fatores sociais seriam apenas estímulos externos na mobilização das emoções; e socioculturalistas ou construtivistas para a segunda perspectiva, de características não positivista, por apresentarem o caráter social das emoções numa afirmativa de que, assim como a linguagem e o comportamento social, as emoções são aprendidas e mediadas através da interação com o outro no meio em que o indivíduo se apresenta. Deste modo, a concepção biossocial ou evolucionista das emoções, defendida por pioneiros da sociologia das emoções nesta perspectiva teórica como Theodore D. Kemper e Jonathan H. Turner, defendem segundo Torres (2009): [...] uma posição cientificista (segundo o modelo da ciência natural) e afirma a preponderância do substrato biológico sobre os fatores 11

12 sociais. Propõe tambem, que as emoções são indissociáveis da história evolucionária da espécie, estão pré-fixadas no organismo humano [...]. Deste modo, de forma sintética, todas as emoções, encontradas em sociedades e culturas específicas e em épocas distintas, possuem por excelência, bases biológicas, e mesmo emoções mais complexas, e que "aparentemente" possuem suas origens na construção do social, não passam de derivações e combinações das chamadas e tão discutidas "emoções primárias 2. Portanto assim, o meio apenas nos relega a significação que daremos a situação, nos dão os fatores para apresentar as emoções, que por sua vez já são pertencentes ao ser humano e aparecem e são sentidas a partir da situação dada, como se por extinto, para que possamos nos preparar para reagir. Apesar de estes pioneiros serem intitulados ou enquadrados na perspectiva universalista das emoções, ambos possuíam suas especificidades nos métodos analíticos das emoções. Assim, Torres (2009) nos aponta de forma breve a visão de Kemper ao afirmar que este teórico [...] elege o poder e o status 3 como categorias analíticas gerais aplicáveis ao longo do tempo e das sociedades. As emoções são, então, consideradas como resultados universais das relações diáticas dos indivíduos, considerando-se a posição hierárquica ocupada na estrutura de poder e status vis a vis os outros. Essas disposições relacionais dos indivíduos envolvem comportamentos e papéis padronizados quanto às obrigações e aos direitos a poder e status que cada um espera que o outro cumpra. A incongruência com relação aos direitos e deveres engendra "emoções estruturais" distintas, a depender da agencia responsável pelo resultado obtido. Há uma correspondência entre estrutura social de poder e status e a estrutura orgânica. Assim, a emoção natural produzida, como resultado dos comportamentos padronizados de poder e status, não pode ser social ou culturalmente mudada, dado que poder e status envolvem emoções fisiologicamente enraizadas no organismo humano. Qualquer manejo da emoção ocorre a posteriori. A sociedade ou a cultura não tem o poder de mudar uma emoção, 2 Emoções primárias nas discuções biossocial (evolucionista/universalistas) apesar da grande contradição entre teóricos desta tendência sobre quais emoções são consideradas primárias, pode ser entendida como emoções básicas, primordiais para a sobrevivência da espécie desde suas origens. Alguns autores colocam estas emoções primarias como sendo a raiva, o medo, a tristeza, a alegria e o afeto, mas não á um consenso sobre quantas, nem exatamente quais emoções são primárias dentre os próprios integrantes desta tendência. Desta forma as "emoções secundárias" que são de cunho mais social seriam mesclas das emoções primárias mediante a significação do indivíduo a situação social em que enfrenta. Podemos ilustrar com o exemplo das cores primarias onde as misturando, podemos obter as cores secundárias e assim por diante. 3 Torres (2009, p.19) afirma que para Kemper poder e status "estruturam todas as relações sociais humanas, [...] as quais correspondem a duas emoções específicas, fisiologicamente definidas - medo para poder, e raiva para status. 12

13 podem, porém, eliminá-la a um custo alto, mutilando o indivíduo, ou levar ao desenvolvimento de patologias. (TORRES, 2009, p ). 4 Já na concepção de Turner as emoções são analisadas a partir da interação face a face do homem, entretanto suas concepções evolucionistas são claras em sua tese central, onde: [...] a expansão da capacidade de sentir (emoções positivas), de controlar emoções (negativas), e de desenvolver a linguagem não verbal (comunicação sem emissão de grunhidos), foi condição essencial para possibilitar a vida coletiva sem a qual a espécie teria sido dizimada. Essas capacidades, decorrentes da atuação do processo evolucionário de seleção natural sobre o cérebro humanoide, são então relacionadas às intenções sociais das sociedades atuais. Assim, Turner considera que as sofisticadas emoções, encontradas na sociedade atual, são elaborações de emoções primárias e atribui a tensão permanente entre a liberdade individual e a cooperação, que caracteriza as interações, ao resultado do processo evolucionário que transformou o primata agressivo, independente e antissocial, em um ser gregário. O teórico em questão aduz tambem que há predominância da linguagem não verbal nas interações e que tal predominância ocorre em decorrência da necessidade evolucionária, sobrevivente do passado, de tornar os primatas em seres silenciosos para protegê-los dos seus inimigos e predadores. Essa é uma das suas tentativas de se contrapor a ênfase na linguagem verbal, que está no âmago das concepções culturalistas das emoções. (TORRES, 2009, p.14). 5 Apesar da breve definição exposta a partir da obra de Torres (2009), podemos ter um breve panorama de que para os dois teóricos citados acima, suas investigações partem do pressuposto de que as emoções humanas são semelhantes, independentemente dos substratos sociais e culturais, que por sua vez obtêm um caráter secundário na manifestação das emoções. Assim, "apesar da aparente diversidade com que se manifestam concretamente nas diferentes culturas e sub culturas, existe um substrato fisiológico que é inerente ao organismo da espécie". (TORRES, 2009, p.95). Entretanto, em destacável oposição, há os teóricos intitulados socioculturalistas, ou construtivistas das emoções, como Arlie Hochschild e Steven Gordon, dentre muitos outros, que partem do pressuposto de que as emoções variam 4 Para uma leitura aprofundada e de fácil compreensão sobre a visão de Kemper em relação às emoções e os conceitos de poder e status numa releitura contemporânea brasileira, ler o subcapítulo da obra Hóspedes Incômodas? de Torres (2009), intitulado "Emoções: A abordagem Biossocial-Relacional de Kemper". 5 Para uma leitura aprofundada e de fácil compreensão sobre a visão de Turner em relação às emoções e sua concepção evolucionária da espécie humana numa releitura contemporânea brasileira, ler o subcapítulo da obra Hóspedes Incômodas? de Torres (2009), intitulado "A concepção evolucionária das emoções em Turner". 13

14 de acordo com a sociedade e a cultura em que o indivíduo está inserido. Ambos são críticos vivazes do universalismo. Apesar de não negarem o fato de o biológico e o fisiológico terem atuação na manifestação das emoções, criticam o fato de atribuir-se a essas duas concepções toda atenção, numa afirmação convicta de que são suficientes para se esclarecer todas as questões da esfera emocional. Neste ponto, portanto, esta perspectiva teórica é defina por dar atenção ao processo de interação dos agentes sociais e as configurações das emoções a partir dos processos de socialização, bem como foca nos fatores sociais que influenciam a esfera emocional, assim como, a forma com que as emoções interferem na esfera social. Assim, segundo Torres (2009), para Hochschild, o que de fato importa para esta corrente teórica, não é se existem semelhanças universais entre as emoções, nem o processo evolucionário das emoções, e sim os aspectos da emoção que diferenciam os grupos sociais de seres humanos (TORRES, 2009, p. 96). Hochschild trabalha com a ideia de: "Regras de sentimento" (feeling rules) e "Trabalho emocional" (emotion work) (isto é, "administração" e "atuação profunda") são, para Hochschild, as categorias chaves de um estudo sociológico de emoções que relaciona o indivíduo e a estrutura social. Hochschild argumenta que sendo emoções acompanhadas de certas sensações mais ou menos intensas e não específicas, e dado que existem padrões sociais que prescrevem a conveniência ou não de sentir e expressar emoções e sentimentos (feelings), os indivíduos não só podem como tentam, consciente e deliberadamente, interferir sobre os seus estados internos, para adequá-los, quando em desacordo. É porque os indivíduos se esforçam o tempo todo para tentar mudar a intensidade ou a qualidade de uma emoção ou de um sentimento (feeling), quando este está em desacordo com os padrões sociais (gerais ou de grupos ou classes) evidenciados nas regras de sentimento (feeling rules), que a estrutura social se mantém". (TORRES, 2009, p.13). 6 Essa manutenção das estruturas sociais vigentes, para Hochschild se dá pelo fato das regras de sentimentos, ou seja, o modo como o indivíduo deve se portar emocionalmente na sociedade a qual pertence serem ditadas e propagadas pela ideologia social dominante (TORRES, 2009). Deste modo, a desigualdade existente na estrutura social se dá no processo de socialização das emoções, onde indivíduos tentam a todo momento 6 Para uma leitura aprofundada e de fácil compreensão sobre a visão de Hochschild em relação às emoções e suas categorias de "Regras de sentimento" (feeling rules) e "Trabalho emocional" numa releitura contemporânea brasileira, ler o subcapítulo da obra Hóspedes Incômodas? de Torres (2009), intitulado "Arlie Hochschild, interacionismo e as regras de sentimentos". E Bonelli (2003), "Arlie Russell Hochschild e a sociologia das emoções". 14

15 [...] administrar seus sentimentos nas relações interpessoais, e, sobretudo, como nas relações de troca no mercado de trabalho, a capacidade de gerenciamento das emoções se torna mercadoria valorizada, comprada e vendida em certos tipos de emprego. (TORRES, 2009, p.13). Koury (2009) nos traz uma visão um pouco mais específica ao apontar que Hochschild, assim como Candece Clark, Susan Schott, MacCarthy, dentre outros teóricos buscam analisar as emoções como fenômeno social a partir do modelo e dos métodos interacionistas e do interacionismo simbólico. Sendo assim as emoções teriam em sua essência um conjunto de significados e regras que seria produzidos a partir das interações subjetivas e de subjetividade entre os indivíduos, na construção do social (KOURY, 2009, p.52). Hochschild deste modo trabalha especificamente: [...] com a categoria de trabalho emocional ou de trabalho das emoções. Define, dentro de um modelo goffmaniano de análise, uma espécie de "ideal emocional" sobre o qual os indivíduos devem basear suas ações no exercício de uma atividade profissional (Hochschild, 1990, p.121). Ideal emocional este, construído no processo de interação social, onde os indivíduos envolvidos procuram elaborar e manusear suas emoções[...]. (Koury, 2009, p.52). Vê-se, portanto, que, assim como Hochschild, os pesquisadores das emoções que partem desta perspectiva sociológica [...] dão prioridade para os processos sociais, morais e culturais de onde as emoções emergem, e suas condições de formação e ação no social através dos indivíduos, buscando entender o jogo interrelacional entre as instâncias subjetivas e objetivas dispostas em uma interação social. (Koury, 2009, p.52). As emoções por fim, possuiriam um conjunto de regras, que coordenariam as práticas sociais, bem como indicaria as ações emocional dos indivíduos derivado de valores adquiridos no modo de vida baseado a partir de uma rede de sociabilidade específica, onde as ações sociais dos atores relacionais seriam medidas com base, dentre outros fatores relacionais, nos códigos simbólicos projetados cultural e socialmente. O segundo nome da insurgente sociologia das emoções discutido por Torres, e tambem de fundamental importância para a posição socioculturalista é Steven Gordon. Este Teórico propõe que: A sociedade desenvolve o "eu social" de cada membro, socializando os seus sentimentos. Isto significa: provê os indivíduos com "vocabulários de sentimentos" de forma a lhes capacitar a fazer o 15

16 "manejo da expressão" e o "manejo dos sentimentos". A socialização emocional, que permite aos indivíduos "saber" sobre sentimentos e consequentemente ter a habilidade de manejá-los, está, para Gordon, relacionada às funções sociais essenciais para manutenção da ordem social: a construção da solidariedade do grupo e a reprodução da estrutura de status-poder. (TORRES, 2009, p.12). Gordon não nega que as emoções possuem características sentidas pelos indivíduos no âmbito biológico e psicológico, pois, para ele, as emoções são "experimentadas pelos indivíduos como estados internos intensos, envolvendo 'alterações psíquicas' expressas por gestos corporais" (TORRES, 2009, p.104), entretanto como o indivíduo irá a partir daí se comportar e expressar essas emoções, é considerado socialmente construído e possuem um patrão já estabelecido socialmente, que regula o comportamento do indivíduo ao "modo apropriado" como deve se portar. Desta maneira os "estados emocionais revelam aspectos sociais que vão muito além do estímulo corporal imediato que dizem ser a emoção" (TORRES, 2009, p.105). Segundo Koury (2009, p.46), Gordon, assim como Randall Collins, dentre outros, vêm o inicio da sociologia das emoções constituída desde os clássicos como Marx, Weber e Simmel, considerando como precursores chaves para o nascimento esta disciplina, os clássicos da sociologia francesa, Durkheim e Mauss. Para Gordon "a estrutura social influência as esferas do comportamento e dos aspectos motivacionais das emoções, enquanto a cultura alcança os aspectos de qualidade e intensidade no processo de fixação das emoções" (Koury, 2009, p.48), onde estes seriam definidos como um "aprendizado social de sensações corporais, onde gestos e sentidos estão conectados com o processo de relações sociais e, sempre, no interior de um dado processo cultural" (Koury, 2009, p.48). É apontado assim, por Koury (2009) que: A sociologia de origem durkheimiana, [...] tem influenciado em muitos sentidos a análise de vários autores no interior da sociologia das emoções. Para estes autores, a análise sociológica desenvolvida em suas fronteiras, ajudou a aprofundar os significados da intersubjetividade, bem como as relações entre as análises macro e micro e, em certo sentido, a sociologia das emoções pode ser considerada, enquanto campo disciplinar, herdeira desta tradição. (KOURY, 2009, p.49). Apesar dos conflitos e embates teóricos diretos, tanto da perspectiva analítica construtivista, que apesar de não negarem os substratos biológicos e psíquicos das emoções, mais, no entanto criticar ferozmente a tendência biossocial, por relegar atenção exclusiva as questões neurobiológicas no desenvolvimento das emoções, 16

17 deixando os estímulos sociais e culturais à margem ou como pano de fundo no estudo das emoções, ou o contrario, de uma tendência à outra, vale resaltar que ambas foram de grande importância para a consolidação desta tão debatida disciplina. Claro que cada um com seu ponto de vista particular, e teorias várias dentro de suas tendências teórico-analícas, o que põem-se como fator enriquecedor para as mais variadas discuções realizadas desde então acerca das emoções como elemento de investigação da sociologia. Koury (2009) cita tambem outros autores, contemporâneos, que foram de suma importância para o desenvolvimento e consolidação da sociologia das emoções. É o caso de Thomas Scheff, Retzinger, Scherer, Schott dentre outros. Estes autores não viam nos clássicos da sociologia geral precursores desta disciplina em questão, pois para eles, os clássicos da sociologia, como Durkheim, não deu a devida atenção para o que chamou de "emoção social", ou George Mead, que não desenvolveu em sua psicologia social o conceito de emoções, apesar de considerar um ingrediente importante para seus estudos, e Parsons, que elege a emoção como um dos "quatro componentes básicos da ação social" em suas análises teóricas, sem dar uma atenção mais rigorosa a esta categoria. Sendo assim estes autores clássicos relegaram a relevância das emoções em suas investigações a segundo plano, e possuíam em seus esquemas teóricos apenas o papel de pano de fundo (KOURY, 2009, p.61-62). Sendo assim pode-se afirmar que: [...] os sociólogos clássicos e as diversas escolas no interior da sociologia geral, apesar de conseguirem identificar as emoções como um processo social, e até diagnosticarem a importância da temática para a análise do social, não conseguiram avançar nos estudos das emoções e suas relações com o social. (KOURY, 2009, p. 62). Para os autores desta tendência, portanto as emoções realmente ocuparam um papel de destaque nos estudos da sociologia a partir dos trabalhos de Norbet Elias, Helen Lynd e Richard Sennett. Isso porque estes três autores citados partem do pressuposto de que a sociologia das emoções deve se aprofundar em pesquisar sobre emoções específicas, que no caso dos três seria a "vergonha" (KOURY, 2009, p.62). Assim, partindo de uma emoção específica, como: A emoção vergonha e suas variantes, como o embaraço, a humilhação, a baixa autoestima, a falta de autoconfiança, entre outras, bem como os conceitos estreitamente correlacionados ao ato de envergonhar-se, como o sentimento de honra, o sentimento de orgulho, e o autorrespeito, formariam, deste modo, o centro básico, e o núcleo compreensivo da cultura emocional no social, na análise sociológica e antropológica das emoções. (KOURY, 2009, p. 62). 17

18 A partir deste modelo, se pode citar alguns autores(as) contemporâneos (as) brasileiros(as), que em seus estudos se dedicam as emoções específicas e suas variantes, como é o caso de Claudia Barcellos Rezende (2002, 2002a, 2003, 2006) que "a partir do final dos anos noventa do século passado, adota a antropologia das emoções enquanto linha de pesquisa específica para estudar a questão da amizade" (KOURY, 2009, p.74). Ou Maria Claudia Coelho (2003, 2006, 2006a, 2008), que estuda o conceito de dádiva na contemporaneidade, "onde procura compreender os princípios, as normas e as regras que norteiam a troca de presentes (Coelho, 2006), e discutir a dádiva como tática usada para a construção de identidades e demonstração de emoções" (KOURY, 2009, p.74). 7 Outro nome de suma importância para a sociologia das emoções no Brasil, é o de Mauro Guilherme Pinheiro Koury 8, que em suas discuções aborda questões sobre o sentimento de luto e sociabilidade (1993, 1999, 2002, 2003), bem como suas representações na construção do indivíduo, "onde procura compreender as mudanças e as permanências, os conflitos e as ambivalências, nos modos de vida e no imaginário urbano brasileiro, a partir dos anos setenta do século XX" (KOURY, 2009, p.76). Na antropologia visual trabalha com imagens e constituição de emoções (2001, 2002b, 2006a), onde o autor busca de forma concisa e sistemática "um aprofundamento das relações entre a imagem e as formas de sociabilidade. E, nestas relações, trabalha, principalmente, com uma análise crítica da fotografia e de suas relações com a problemática dos sentimentos" (KOURY, 2009, p.76). Koury tambem investiga a relação entre os medos vivenciados nas cidades contemporâneas brasileiras (2002a, 2002b, 2005a, 2006, 2008), onde vem realizando "uma série de investigações sobre a emoção medo no urbano brasileiro contemporâneo. Nos seus estudos parte da hipótese, [...], de que a emoção medo é uma construção social significativa para a análise do social." (KOURY, 2009, p.76). A sociologia das emoções é um campo historicamente recente, e possui uma vida mais curta ainda em âmbito nacional. No entanto nota-se um esforço dos autores previamente citados aqui, dentre inúmeros outros, que buscam consolidar esta disciplina no Brasil, apresentando a importante relevância da categoria emoção e das emoções específicas nos estudos e investigações da sociologia, nos permitindo 7 Coelho e Rezende coordenam, desde 1998, o Grupo de Pesquisa Transformações da Intimidade na UERJ. 8 Koury coordena o Grupo Interdisciplinar de Estudos em Imagem (GREI), e o Grupo de Pesquisa em Antropologia e Sociologia das Emoções (GREM) que publica tambem a Revista Brasileira de Sociologia da emoção (RBSE) desde 2002, na UFPB. 18

19 entender de forma cientifica e sistemática este fenômeno que por muito se acreditava ser algo dotado de irracionalidade, provido por instintos primitivos dos seres humanos. Todavia, estes autores buscam comprovar o oposto, demonstrando que nossas emoções possuem uma lógica social, que a certo ponto nos dita ou regula nosso comportamento emocional, na forma como sentimos, o porque sentimos, para que e para quem expressamos nossas emoções. CONCLUSÃO A presente proposta teve como objetivo marcar o inicio de estudos e pesquisas sobre a sociologia das emoções a partir de autores contemporâneos brasileiros. Deste modo tentou-se apresentar aqui um panorama geral acerca do tema e da disciplina em questão, bem como abordar na visão da autora Torres (2009) e do autor Koury (2004, 2009) as diferentes perspectivas teóricas e metodológicas que impulsionaram a sociologia das emoções no seu contexto de surgimento e as tendências a qual segue as investigações no Brasil nos dias atuais. Nesse contexto, diante dos autores analisados, pode-se identificar os embates que permeiam esta vertente da Sociologia no que tange as abordagens teóricas que buscam melhor apreender os fenômenos emocionais como fenômenos sociais. Bem como perceber que, independente dos posicionamentos, alguns mais positivistas, de cunho universalista e/ou biossocial, outros, não positivistas, que destacam aspectos socioculturais, como os construtivistas, interacionistas ou interacionistas simbólicos, o objeto de estudos da Sociologia das Emoções se concentra na análise e problematização dos fatores e fenômenos sociais que influenciam e geram as emoções nos indivíduos, assim como o porquê reagimos emocionalmente de determinada maneira diante de um evento específico. 19

20 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BONELLI, Maria da Gloria. Arlie Russell Hochschild e a sociologia das emoções. Cadernos Pagu, n. 21, p. 357 a 372, BRANDÃO, Elias Canuto. Surgimento E Importância Da Sociologia Em Diferentes Disciplinas. Paraná, Disponível em: <http://porta-dacidadania.blogspot.com.br/2007/10/surgimento-e-importncia-da-sociologia.html>. Acessado em: 22 Abr Emoção, gênero e violência: experiência em relatos de vitimização. RBSE - Revista Brasileira de Sociologia das emoções, v.5, n.13, p.39 a 57, <http://www.cchla.ufpb.br/rbse/index.html>. O valor das intenções: dádiva, emoção e identidade. Rio de Janeiro, Editora FGV, 2006a..Teorias de um mundo sem qualidade: interpretações sobre a subjetividade contemporânea. Cadernos de Psicanálise (Cículo Psicanalítico/RJ), v.21, p.317 a 322, KEMPER, T. D. Themes and Variations in the Sociology of Emotions. Albany, Sanny Press, KOURY, Mauro Guilherme Pinheiro. Sociologia das emoções. O Brasil urbano sobre a ótica do luto. Petrópolis, Vozes, Sociologia das emoções. O Brasil urbano sobre a ótica do luto. Petrópolis, Vozes, Introdução à Sociologia das Emoções. João Pessoa, Manufatura / GREM, Emoções, sociedade e cultura: a categoria de análise emoções como objeto de investigação na sociedade. Curitiba: Editora CRV, LOPES, Rosimeri Bruno. As emoções Disponível em: <http://psicologado.com/psicologia-geral/introducao/as-emocoes>. Acessado em: 09/ MACHADO, Hilka Vier. A abordagem das emoções no âmbito das organizações. Alcance - UNIVALI - Vol. 9 - n.1, p11 a 35, MARTINS, Carlos Benedito, O que é Sociologia. São Paulo: Brasiliense, (Coleção Primeiros Passos; 57). PEREIRA, Sara Silva. Processos emocionais Disponível em: <http://www.notapositiva.com/pt/apntestbs/psicologia/12_processos_emocionais.htm>. Acessado em: 09/05/2014. TORRES, Marieze Rosa. Hóspedes Incômodas? Emoções na sociedade norteamericana. Tese de Doutorado. Universidade Federal da Bahia. Programa de Pós- Graduação em Ciências Sociais. Bahia. Brasil, VIANA, Nildo. Introdução à Sociologia. Belo Horizonte: Autêntica,

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais INTRODUÇÃO À sociologia Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais introdução à S Maura Pardini Bicudo Véras O CIO LO GIA Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais Direção editorial Claudiano

Leia mais

A Sociologia de Weber

A Sociologia de Weber Material de apoio para Monitoria 1. (UFU 2011) A questão do método nas ciências humanas (também denominadas ciências históricas, ciências sociais, ciências do espírito, ciências da cultura) foi objeto

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I).

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). CCJ0001 - Fundamentos das Ciências Sociais Profa. Ivana Schnitman

Leia mais

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Rafael Beling Unasp rafaelbeling@gamil.com Resumo: os termos música e musicalidade, por sua evidente proximidade, podem

Leia mais

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Susana Lazzaretti Padilha Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) Campus Cascavel susana.lap@hotmail.com

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O surgimento do Serviço Social O serviço social surgiu da divisão social e técnica do trabalho, afirmando-se

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países

Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países Samira Santana de Almeida 1. Apresentação RELATÓRIO O presente

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes:

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes: Teoria Geral de Sistemas Uma introdução As Teorias Clássicas (Administração Científica e Teoria Clássica), a Abordagem Humanística (Teoria das Relações Humanas), a Teoria Estruturalista e a Teoria da Burocracia

Leia mais

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles)

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles) FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Curso de Bacharel em Direito Turma A Unidade: Tatuapé Ana Maria Geraldo Paz Santana Johnson Pontes de Moura Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular

Leia mais

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL INTRODUÇÃO O conceito de ação social está presente em diversas fontes, porém, no que se refere aos materiais desta disciplina o mesmo será esclarecido com base nas idéias

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO. 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores.

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO. 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores. LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores. 2. Como acontecia a aprendizagem nas escolas no período medieval? Quem era apto

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE Inicialmente faz-se necessário entender o que é grupo social, a sua importância e contribuição na vida de uma pessoa, para posteriormente

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente

Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente Aula Expositiva pelo IP.TV Dinâmica Local Interativa Interatividade via IP.TV e Chat público e privado Email e rede

Leia mais

O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL

O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL Resumo Fabiana Antunes Machado 1 - UEL/PR Rosana Peres 2 - UEL/PR Grupo de trabalho - Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: Capes Objetiva-se

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais

AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO ÉMILE DURKHEIM

AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO ÉMILE DURKHEIM AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO DE ÉMILE DURKHEIM Prof. Railton Souza OBJETO Na obra As Regras do Método Sociológico, publicada em 1895 Émile Durkheim estabelece um objeto de investigação para a sociologia

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA Luciana da Silva Catardo Acadêmica do curso de Ciências Biológicas/Licenciatura na Universidade

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana.

Tais mudanças podem ser biológicas, psicológicas e até social, todas inerentes a nossa condição humana. I - A PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO 1.1. Caracterização O desenvolvimento humano (DH) enquanto área de estudo, preocupa-se em investigar e interpretar todos os processos de mudanças pelos quais o ser humano

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO

ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO ESTRUTURALISMO 1. DEFINIÇÃO Considera-se como fundador da psicologia moderna Wilhelm Wundt, por ter criado, em 1879, o primeiro laboratório de psicologia na universidade de Leipzig, Alemanha. A psicologia

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil.

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. 1 Autora :Rosângela Azevedo- PIBID, UEPB. E-mail: rosangelauepb@gmail.com ²Orientador: Dr. Valmir pereira. UEPB E-mail: provalmir@mail.com Desde

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 MESTRADO: EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Estudos Organizacionais e Sociedade e Marketing e Cadeias

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades.

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL/INCLUSÃO ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PESQUISA-AÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DE SEUS CONTEXTOS Mariangela Lima de Almeida UFES Agência Financiadora: FAPES Num contexto

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros.

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros. INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM Fato Social - Exterioridade (o fato social é exterior ao indivíduo). - Coercitividade. - Generalidade (o fato social é geral). * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS?

HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS? HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS? Nível de Ensino/Faixa Etária: Série indicada para o Ensino Fundamental Final Áreas Conexas: Biologia, Linguística, Sociologia, Geografia, História, Artes, Gramática, Filosofia.

Leia mais

Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon

Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon Soraya Vieira SANTOS; Marília Gouvea de MIRANDA (PPGE/FE/UFG) soraya_vieira@hotmail.com marília.ppge@uol.com.br Palavras-chave: Wallon;

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

HIPERATIVIDADE E INDISCIPLINA: SEMELHANÇAS E DESSEMELHANÇAS - UMA ESCUTA DO PROFESSOR

HIPERATIVIDADE E INDISCIPLINA: SEMELHANÇAS E DESSEMELHANÇAS - UMA ESCUTA DO PROFESSOR HIPERATIVIDADE E INDISCIPLINA: SEMELHANÇAS E DESSEMELHANÇAS - UMA ESCUTA DO PROFESSOR Maria Célia Malheiros Knopp 1 Resumo Partindo do princípio que a indisciplina e a hiperatividade é um fato da realidade

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

Sociologia Organizacional

Sociologia Organizacional Sociologia Organizacional Aula 2 Organização da Aula Aula 2 - a institucionalização da sociologia: o estudo de August Comte e Emile Durkheim Prof. Me. Anna Klamas A perspectiva sociológica da análise social

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO Universidade de Franca Graduação em Pedagogia-EAD Profa.Ms.Lucimary Bernabé Pedrosa de Andrade 1 Objetivos da disciplina Fornecer elementos teórico-conceituais da Sociologia,

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

JOGOS NAS AULAS DE HISTÓRIA ATRAVÉS DO PIBID: UMA POSSIBILIDADE DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO E DE INTERAÇÃO

JOGOS NAS AULAS DE HISTÓRIA ATRAVÉS DO PIBID: UMA POSSIBILIDADE DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO E DE INTERAÇÃO JOGOS NAS AULAS DE HISTÓRIA ATRAVÉS DO PIBID: UMA POSSIBILIDADE DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO E DE INTERAÇÃO Rayssa Eutália Gurjão Coutinho Borges 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) E-mail: rayssagurjao@hotmail.com

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

Apontamentos iniciais sobre os Tipos de Movimentos

Apontamentos iniciais sobre os Tipos de Movimentos Apontamentos iniciais sobre os Tipos de Movimentos RICARDO MARTINS PORTO LUSSAC ricardolussac@yahoo.com.br (Brasil) Mestrando do Programa de Mestrado em Ciência da Motricidade Humana - Universidade Castelo

Leia mais

Ambientes Não Formais de Aprendizagem

Ambientes Não Formais de Aprendizagem Ambientes Não Formais de Aprendizagem Os Ambientes formais de aprendizagem desenvolvem-se em espaços próprios (escolas) com conteúdos e avaliação previamente determinados; Os Ambientes não formais de aprendizagem

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico Mariana Antoniuk 1 Dêivid Marques 2 Maria Angela Barbato Carneiro ( orientação) 3 Abordando as diferentes linguagens da criança neste ano, dentro do

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Objetivos da aula: Emile Durkheim. Ciências Sociais. Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia. Profa. Cristiane Gandolfi

Objetivos da aula: Emile Durkheim. Ciências Sociais. Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia. Profa. Cristiane Gandolfi Ciências Sociais Profa. Cristiane Gandolfi Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia Objetivos da aula: Compreender o pensamento de Emile Durkheim e sua interface com o reconhecimento

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2 Educação Matemática Prof. Andréa Cardoso 2013/2 UNIDADE II Tendências em Educação Matemática Educação Busca desenvolver pesquisas para inovar a prática docente adequada às necessidades da sociedade. Educação

Leia mais

Exercícios de Revisão - 1

Exercícios de Revisão - 1 Exercícios de Revisão - 1 1. Sobre a relação entre a revolução industrial e o surgimento da sociologia como ciência, assinale o que for incorreto. a) A consolidação do modelo econômico baseado na indústria

Leia mais

Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais

Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais Daniela Riva Knauth Departamento de Medicina Social PPG Antropologia e Epidemiologia UFRGS Pesquisa qualitativa Crítica ao Positivismo Todo

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: ANALISANDO ABORDAGENS DA PRIMEIRA LEI DE NEWTON EM LIVROS DIDÁTICOS DE FÍSICA

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: ANALISANDO ABORDAGENS DA PRIMEIRA LEI DE NEWTON EM LIVROS DIDÁTICOS DE FÍSICA CONTRIBUIÇÕES PARA UMA ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: ANALISANDO ABORDAGENS DA PRIMEIRA LEI DE NEWTON EM LIVROS DIDÁTICOS DE FÍSICA Andrew Stanley Raposo 1, Tayse Raquel dos Santos 2, Katemari Rosa 3 Unidade

Leia mais

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos.

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos. Psicoterapia comportamental infantil Eliane Belloni 1 A psicoterapia comportamental infantil é uma modalidade de atendimento clínico que visa propiciar mudanças no comportamento da criança a partir de

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista www.infanciaeadole scencia.com.br O desenvolvimento social ocorre ao longo de todas as etapas do ciclo vital. Entretanto,

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA Rouseleyne Mendonça de Souza NEVES Mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG Órgão financiador: CAPES

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais