IGEPRI. Monografias. Conselho Editorial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IGEPRI. Monografias. Conselho Editorial"

Transcrição

1

2 IGEPRI Monografias Monografias IGEPRI é uma publicação bimestral do Instituto de Gestão Pública e Relações Internacionais (IGEPRI). Sua missão é servir de espaço alternativo à publicação de pesquisas científicas elaboradas por jovens acadêmicos dedicados ao estudo e ao debate de temas relativos à Gestão Pública e às Relações Internacionais no Brasil e no mundo. Com potencial de influenciar e intervir no processo decisório governamental nas suas diversas esferas, contribuindo com novas propostas para a elaboração de políticas públicas, efetivação de controle social, suporte à advocacia de idéias e a busca de transparência no trato dos assuntos públicos. Conselho Editorial Cristina Soreanu Pecequilo (UNIFESP - Osasco) Heloísa Pait (UNESP Marília) Janina Onuki (USP Instituto de Relações Internacionais) José Blanes Sala (UFABC) Karina Lilia Pasquarielo Mariano (UNESP Araraquara) Lidia Maria Vianna Possas (UNESP Marília) Luis Antônio Francisco de Souza (UNESP Marília) Luis Francisco Corsi (UNESP Marília) Marcelo Fernandes de Oliveira (UNESP Marília) Editor Marcelo Passini Mariano (UNESP Franca) Miriam Cláudia Simoneti Lourenção (UNESP Marília) Tullo Vigevani (UNESP Marília)

3 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA ALINE TEDESCHI DA CUNHA BAXI GUANXI: PERSPECTIVAS DA PARCERIA ESTRATÉGICA BRASIL-CHINA NO ÂMBITO DA COOPERAÇÃO SUL-SUL NO INÍCIO DO SÉCULO XXI Marília SP 2011

4 ALINE TEDESCHI DA CUNHA BAXI GUANXI: PERSPECTIVAS DA PARCERIA ESTRATÉGICA BRASIL-CHINA NO ÂMBITO DA COOPERAÇÃO SUL-SUL NO INÍCIO DO SÉCULO XXI Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à banca examinadora da Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista para obtenção do título de Bacharelado em Relações Internacionais. Orientador: Marcos Cordeiro Pires. Marília SP 2011

5 ALINE TEDESCHI DA CUNHA BAXI GUANXI: PERSPECTIVAS DA PARCERIA ESTRATÉGICA BRASIL-CHINA NO ÂMBITO DA COOPERAÇÃO SUL-SUL NO INÍCIO DO SÉCULO XXI Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à banca examinadora da Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista para obtenção do título de Bacharelado em Relações Internacionais. Banca examinadora: Orientador: Dr. Marcos Cordeiro Pires Faculdade de Filosofia e Ciências UNESP 2º Examinador: Dr. José Marangoni Camargo Faculdade de Filosofia e Ciências UNESP 3º Examinador: Dr. Mauri Silva Faculdade de Filosofia e Ciências UNESP Marília, 6 de dezembro de 2011

6 Aos meus pais, energias sublimes.

7 AGRADECIMENTOS Agradeço imensamente a todos aqueles que direta ou indiretamente contribuíram para a concretização deste trabalho. Em especial, agradeço: À Faculdade de Filosofia e Ciências FFC/UNESP, pelo apoio institucional e formação acadêmica. Ao Professor Doutor Marcos Cordeiro Pires, por quem tenho grande admiração e carinho, por ter aceitado ser o professor orientador deste projeto, pela atenção dedicada em guiar meus estudos e repassar conhecimentos, e, acima de tudo, por acreditar em nosso potencial. Aos professores José Marangoni Camargo e Mauri Silva, pela disposição em participar da banca avaliadora deste trabalho e pela contribuição com valiosos apontamentos para a realização deste. Ao Grupo de Estudos BRICS, por ter instigado em meu processo de estudos a ânsia pelo conhecimento do tema tratado no presente trabalho e por promover profícuas discussões sobre diversos textos, cujo resultado foi a agregação de material e conhecimento aos meus estudos. Ao Instituto Confúcio no Brasil, nas pessoas do Professor Doutor Luis Antônio Paulino e de 林 翠 華 (Elena), por ter me proporcionado, além das bem-humoradas e dinâmicas aulas de mandarim, uma viagem de estudos incrível à China, na qual pude aprender muito da formidável cultura deste país e de seu povo. À Sage Empresa Júnior de Relações Internacionais, onde pude desenvolver diversas habilidades necessárias à minha formação enquanto profissional de Relações Internacionais, e aprender a trabalhar em grupo com colegas qualificados em prol de intenções comuns. À 李 镟 (Margaret) e 石 方 玉 (Sheri), amigas que me mostraram que a distância geográfica e cultural não impõe falta de sintonia, e que contribuíram grande parte para o meu entendimento sobre o guanxi chinês. Ao meu namorado Carlos Roberto Staine Prado Filho (Peh), por ter me dado apoio especial, conforto, e carinho, fundamentais para o meu equilíbrio interior e por cultivar em mim o bem e o encontro com minhas próprias prioridades, mostrando-se um companheiro magnífico em minha caminhada. Aos meus queridos pais Alexandre Alves da Cunha e Edilene Emília Tedeschi da Cunha, para quem não tenho palavras que expressem meu amor, por todo ensinamento de

8 vida, apoio incondicional e carinho profundo. Sou infinitamente grata por serem estes o meu porto seguro, sempre. À minha alma-gêmea Laís Tedeschi da Cunha, meu presente divino, a quem devo muito de meus sorrisos, minhas alegrias, com quem compartilho anseios e posso contar sempre. Obrigada por aquecer meu coração e me encher de orgulho, mini-mim. À toda minha família, por serem a base mais sólida de minha formação enquanto ser humano. Agradeço pela compreensão, pelo afeto, por terem me dado forças e me incentivado em todos os momentos. A cada um dos meus estimados amigos, pelo compartilhamento de idéias, experiências, pelo divertimento e descontração e, sobretudo, pelo apoio e incentivo aos meus projetos pessoais.

9 大 學 之 道 : 在 明 明 德, 在 親 民, 在 止 於 至 善 大 學 Sabendo reconhecer as prioridades, estarás ao alcance da Via Da xue

10 RESUMO O presente trabalho tem por escopo investigar quais os fatores do fortalecimento das relações entre os novos Global Players China e Brasil sob a apreciação do termo parceria estratégica, já que a agenda de ambos os países priorizam relações de cooperação e integração no âmbito Sul-Sul. Pretende-se, assim, compreender as estratégias políticas sino-brasileiras de inserção na primeira década do século XXI, e buscar apreender suas complementaridades dentro de novos standards da arena internacional, em reestruturação rumo a um modelo multipolar. Para tais análises, foram utilizados material bibliográfico referente ao tema em questão, fontes primárias de documentação, coleta de dados de fontes oficiais utilizadas pertinentes às circunstâncias analisadas e publicações de imprensa como base factual de conjuntura internacional. Além disso, valeu-se de técnicas de análise de conjuntura como modelo para o estabelecimento de nexos causais entre acontecimentos do cenário internacional e os ensejos político-econômicos dos países ora estudados. Assim, aspira-se agregar coerência e permitir o entendimento da manipulação político-econômica sino-brasileira, tendo em vista a consecução dos objetivos recíprocos pretendidos. Palavras-chave: Parceria Estratégica. Cooperação Sul-Sul. Brasil. China. Política Externa.

11 ABSTRACT This paper s scope is investigate the factors of strengthening relations between the new Global Traders China and Brazil under the egis of the term strategic partnership, taking account that both countries agendas give priority to relations of cooperation and integration within South-South. The aim is to understand the political strategies of Sino-Brazilian integration in the first decade of this century, and seek to seize their complementarities within the new standards from the international arena in restructuring towards a multipolar model. For such analysis, we used bibliographic material on the topic in question, primary sources of documentation, data collection from official sources to be used relevant to the circumstances analyzed, and press releases as factual basis of the international situation. In addition, it relied on analysis techniques juncture as a model for establishing causal links between events in the international arena and the politic-economic good points of the countries studied herein. Therefore, the aim of the research is to add consistency and to allow the understanding of Sino-Brazilian political and economic manipulation, with a view to achieving mutual goals pursued. Keywords: Strategic Partnership. South-South Cooperation. Brazil. China. Foreign Policy.

12 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 - Produto Interno Bruto (PIB) Taxa de Crescimento Real (%) Figura 2 - Reservas Internacionais da China (em US$ 100 milhões) e Taxas de Crescimento (%) Figura 3 - Corrente de Comércio China-África (importação + exportação) (US$ bilhões) Figura 4 - Taxa de Crescimento Médio Anual do Comércio com a China (%) Figura 5 - Despesas militares como Porcentagem do Produto Interno Bruto (PIB) Figura 6 - Corrente de Comércio (US$ Bilhões F.O.B) Figura 7 - Balança Comercial Brasil-China (exportações importações) (US$ F.O.B) Figura 8 Estrutura das Exportações da China (%) Figura 9 Balança Comercial Brasil-China (Em US$ bilhões) Figura 10 Participação do Brasil nas importações chinesas (%)

13 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Evolução das exportações, importações e corrente de comércio da China valor (em US$ corrente) e participação mundial (%) Tabela 2 Comércio Brasil-China (US$ F.O.B) Tabela 3 Exportação Brasileira à China Principais Produtos jan/dez

14 SUMÁRIO 1 Introdução A Nova Ordem Internacional Globalização e Mundialização do Capital Cooperação Sul-Sul, Multipolaridade e a Questão da Governança Global Deflação da Credibilidade Norte-Americana e o Dissenso de Washington China redesenhando a Nova Ordem Internacional 改 革 开 放 Gaige Kaifang Reforma e Abertura Descentralização: o Central e o Local Revisão de impostos e do sistema fiscal A reforma empresarial A economia de mercado socialista com características chinesas O aprofundamento da política de Portas Abertas e as Zonas Econômicas Especiais (ZEEs) Fatores Internacionais: Investimento Estrangeiro Direto (IED) e o comércio dos chineses de ultramar A inserção internacional e o desenvolvimento pacifico chinês A Parceria Estratégia Sino-Brasileira A inserção internacional de China e Brasil e o estabelecimento das relações diplomáticas A construção da parceria estratégica A parceria estratégica no início do século XXI A vertente econômico-comercial A vertente política A vertente científico-tecnológica Breves prospecções: desafios e oportunidades Considerações Finais Referências Anexos

15 12 1 Introdução O sistema de relações internacionais, finda a confrontação bipolar da Guerra Fria, abriu um novo período histórico marcado por uma cadeia de transformações que reestruturaram o cenário internacional. Esta crise tangente ao centro mundial de poder do começo dos anos 90 trouxe perplexidade quanto ao direcionamento da ordem internacional. A primeira conseqüência decorrente desse novo quadro colocou os Estados Unidos, com sua pretendida superioridade global, como líder capaz de prover uma nova ordem de caráter ocidental identificada em bases do pluralismo democrático e na concepção unificadora do modelo anglo-americano. A respeito desta liderança, o economista ítalo-americano Giovanni Arrighi emprega o conceito de hegemonia, que provém do notório referencial gramsciano, para revelar a capacidade de um grupo, durante um determinado período, de afirmar-se como portador do interesse geral de um sistema interestatal (ARRIGHI; SILVER, 2001, p. 27). A segunda conseqüência foi a reordenação da economia mundial sob a égide de um mercado globalizado, o que reafirmou mudanças nos padrões internacionais de atividades econômicas. A relação produtiva capitalista se expandiu, propiciando com ela a expansão do mercado mundial. Ao facilitar a introdução e difusão de recursos tecnológicos na economia mundial, a globalização também acelerou o movimento de capital, e com isso aumentaram sobremaneira os investimentos estrangeiros. Uma terceira conseqüência foi o deslocamento do eixo do antagonismo político para o mancal Norte-Sul. No sentido de se tentar criar uma ordem internacional mais inclusiva, foram criadas regras e diretrizes que modelam as relações interestatais, institucionalizadas nos organismos de Bretton Woods 1. Devido ao grande fluxo de recursos financeiros e de capitais especulativos internacionais, pode ser creditado ao sistema financeiro um papel relativamente positivo na formação da poupança necessária ao deslocamento do processo de industrialização, o que viria a determinar a emergência de novos pólos econômicos e de novos centros de poder internacional que rediscutissem o balanço de poder. A existência dos Estados Unidos como estado que concentra o poder bélico sem rival, mas não detém mais a credibilidade mundial, vistas às malogradas investidas unilaterais político-militares, completa um cenário internacional o qual Arrighi (2008, p. 175) denominou de dominação sem hegemonia. 1 A saber: Fundo Monetário Internacional (FMI), Organização Mundial do Comércio (OMC) ex GATT - e Banco Mundial. As diretrizes das políticas institucionais, sobretudo financeiras, eram ditadas pelos países centrais, mormente pela onipresente liderança norte-americana, garantindo a imposição do status quo e a Pax Americana.

16 13 Na nova ordem mundial, países que antes tinham pouca influência sistêmica revelamse como prováveis atores num realinhamento das relações de poder da economia-mundo. Dois países em especial vêm mostrando nas três últimas décadas serem respeitáveis Global Players no redesenho da geopolítica mundial: China e Brasil. A China é hoje a maior força motriz do crescimento econômico mundial. No período entre 2000 e 2010, a República Popular da China (RPC) duplicou seu PIB, passando de trilhões de yuanes para trilhões 2. Face à dimensão e ao peso estratégico da China, o impacto da projeção dessa economia nas próximas décadas instiga análises de alguns observadores interessados no abalo do status quo na política internacional. Crescendo a taxas em torno de 10% ao ano por duas décadas, a República Popular da China surpreende a comunidade internacional principalmente por ter realizado uma bemsucedida revisão de suas estruturas, escapando da crise que se abateu sobre o conjunto dos países socialistas com a queda da URSS. Depois da Reforma e da Abertura da China Popular a partir do Plenário do XI Comitê Central em 1978, a China re-inaugurou sua dimensão internacional. Baseados na concepção desenvolvida pelo arquiteto geral da modernização, Deng Xiaoping, os dirigentes chineses centraram sua linha de atuação principal na construção econômica nacional. Em 1984, o Comitê Central do Partido Comunista Chinês (PCC) propôs a implantação de um sistema misto, onde coexistissem o planejamento central e o mercado, chamado posteriormente de economia socialista de mercado. Ao reintegrar-se ao mercado mundial, e com a paulatina substituição de exportações na direção de bens de capital e de consumo de maior valor agregado e a industrialização acelerada, a demanda total de minério de ferro, carvão, aço e alumínio da China passou a exceder sua capacidade de produção, cumprindo elevada pressão nos mercados mundiais. Assim, a RPC passou a ter em conta em sua perspectiva estratégica as relações com regiões onde sua presença era pequena, como a África e a América Latina e Caribe. Tal processo se vinculou à necessidade de se assegurar o abastecimento de energia, minerais e insumos alimentícios no longo prazo (SHIXUE, 2006, p. 4). Além da importação de matérias-primas para alimentar sua indústria, também era imperativo que alimentasse sua colossal população, e em função da crescente necessidade de produção local de proteínas (frango e carne), o país teve de importar basicamente alimentação animal (soja e milho). Assim, o aumento da demanda chinesa propiciou crescimento para a economia brasileira, sendo o país grande produtor e exportador de minério de ferro e soja. No 2 China GDP up 11.1% in 1st half of China Daily JUL/2010. Disponível em: Acesso em 10/08/2011.

17 14 que tange às importações brasileiras, produtos manufaturados e componentes eletrônicos são majoritários na pauta comercial vinda da China esta já no patamar de fábrica do mundo. Nesse sentido, à medida que ela se dinamiza e se especializa em produtos manufaturados, é mantido ou ampliado o interesse na importação de produtos básicos do Brasil. Não obstante as iniciais investidas, no âmbito das relações comerciais, os primeiros 25 anos de relações diplomáticas entre Brasil e China não foram muito expressivos, sendo relevantes cooperações científico-tecnológicas 3. Nesta ocasião ( ), o comércio exterior brasileiro foi afetado de maneira aguçada em vista de a economia brasileira ter enfrentado fortes crises, como a energética, a da dívida externa, a crise fiscal e o árduo ajuste liberalizante da década de 1990 (PIRES; PAULINO, 2010, p. 5). A partir deste período, houve uma mudança de paradigma estruturador da economia nacional. Conquanto o modelo de desenvolvimento baseado na substituição de importações tenha sido suplantado, o êxito do crescimento econômico havia proporcionado a organização de setores dinâmicos, o que gerou uma estrutura industrial dentro dos moldes das características do liberalismo econômico. No que tange à política externa brasileira, a conjuntura internacional pós Guerra Fria contribuiu para a ascensão, dentro do Itamaraty, da corrente autonomista 4 da diplomacia brasileira, a qual se esteava em uma perspectiva que identificava a ordem internacional como cenário de polaridades indefinidas (LAFER; FONSECA JR., 1994, p ). Partindo desta perspectiva, o Brasil delineou políticas de caráter terceiro-mundista. Dentro deste ínterim, com forte atuação nos fóruns multilaterais, a reaproximação com a China que em decorrência de seu desenvolvimento acelerado não era mais somente um ator político, mas igualmente um forte mercado consumidor e fornecedor - foi fundamental para dar credibilidade e legitimidade à ação brasileira. A conjuntura internacional da década de 2000 estimulou os laços de cooperação de tipo Sul-Sul entre os gigantes emergentes. O primeiro deles encontra-se na afirmação da agenda pacífica da não-intervenção por ambos os lados, especialmente depois dos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 e das guerras do Afeganistão e do Iraque, feitios unilaterais norte-americanos dentro dos ideais da guerra contra o terror. Outro ponto foi o ingresso da China na Organização Mundial do Comércio (OMC) em 11 de dezembro de Exemplo disto foi o trabalho conjunto para o desenvolvimento de satélites de sensoriamento remoto (CBERS - Satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres), tendo sido lançado, em 1999, o primeiro satélite e em 2003, o segundo. Em setembro de 2000 os esforços demonstrados no sentido de intercambiar experiências foi firmado no Protocolo entre os Governos da China e do Brasil sobre a Cooperação na Área de Tecnologia Espacial. 4 Tal corrente defende uma projeção mais autônoma do Brasil na política internacional; tem preocupações de caráter político-estratégico dos problemas Norte/Sul; dá maior destaque à perspectiva brasileira de participar do Conselho de Segurança das Nações Unidas; e busca um papel de maior liderança brasileira na América do Sul. O destaque que dá para a cooperação com países do Sul é evidente.

18 15 Também foi realizada a reunião ministerial de Cancun (setembro de 2003), na formação do G- 20 comercial 5, um grande instrumento de barganha de países interessados no fim dos subsídios internos e das subvenções às exportações de produtos agrícolas e em um maior acesso aos mercados dos tradicionais protegidos do Norte. E por último, as relações comerciais entre Brasil e China no âmbito BRIC também se tornaram especiais, na medida em que ambos os países de certa forma resistiram a uma convulsão econômica com os efeitos da crise financeira relacionada às hipotecas sub prime norte-americanas, em 2008 De fato, considerando-se o potencial de aprofundamento das relações em longo prazo, não só a expressão parceria estratégica, cunhada em 1993 pelo Primeiro Ministro Chinês, Zhu Rongji, como também seus preceitos têm sido amplamente utilizados na medida em que o potencial de ambos os países para agregarem esforços e alicerçarem uma nova geografia política e econômica ganha dinamismo factual. Percebe-se que o raciocínio desenvolvido no tangente ao relacionamento sino-brasileiro é de que ele esteve (e ainda está) alicerçado na percepção mútua da importância que a estratégia de cooperação Sul-Sul apresenta para ambos os países e suas respectivas políticas externas. Assim, esta pesquisa propõe-se ao seguinte questionamento: Quais são os motores - fatores conjunturais adversos e/ou fatores oriundos de genuíno interesse nacional - do fortalecimento das relações sino-brasileiras sob a apreciação de parceria estratégica, tendo ambos os países agendas que priorizam relações de cooperação e integração no âmbito Sul-Sul? Este tipo de questionamento, centrado na percepção de que as políticas externas de China e Brasil vêem como vantajosas em suas relações, é permeado por um bloco de questões, como por exemplo, o direcionamento a ser dado aos mais diversos setores de desenvolvimento no país e quais princípios firmar numa conjuntura mundial que já está sendo identificada como o Consenso de Pequim. Destarte, presume-se que um comportamento adequadamente referido como estratégico deve possuir visão de futuro, para o que é indispensável ter em conta a conduta, os objetivos e os planos de ação dos atores que estão entrando em cena (CASTRO, 2007, p. 56). Pretende-se, com o aprofundamento dos estudos acerca dos reais ensejos sinobrasileiros de clamar por uma mais bem delineada parceria estratégica, compreender e revelar um fenômeno que, apesar de se fazer cada vez mais visível à opinião pública, ainda é muito recente, e carece da apreensão detalhada de suas especificidades. 5 A criação inicial de 1999 estabelecia um G-20 como fórum consultivo em termos de sistema financeiro internacional. A partir de 2008 estabeleceu-se que o G-20 seria um conselho internacional permanente de cooperação econômica entre os países em desenvolvimento no âmbito da OMC, e em suas reuniões participariam não só os ministros das finanças dos países-membros, como também os respectivos chefes de Estado.

19 16 Um dos principais objetivos desta pesquisa é lançar novas conjeturas quanto às características da chamada parceria estratégica entre Brasil e China e suas potencialidades, buscando uma visão perspectiva sobre o desenvolvimento destas relações no fim do século XX e no início do século XXI, a qual procure ir além das explicações mais conhecidas e que busque, na História recente, pistas para compreender o sentido do processo de estreitamento de laços, considerando-se as muitas variáveis negativas e positivas que ainda hoje influenciam a consolidação desta parceria. A adequada compreensão destas características e o seu ordenamento ao longo da década de 2000 é proveitosa para determinar quão específicos são os fatores desta aproximação, quais artifícios foram utilizados para tal e quais os possíveis cenários que daí se desdobram. Nesse sentido, além desta introdução, a pesquisa se divide em mais quatro partes, dada tal disposição. A segunda sessão está focada na análise de elementos a priori exógenos e conjunturais, e que possibilitaram o encontro das similaridades entre os países emergentes. São eles os postulados diretos do novo cenário internacional advindo do fim do confronto bipolar da Guerra Fria: a globalização e mundialização do capital de forma mais intensa, a multipolaridade enquanto paradigma de solução de problemas sistêmicos no âmbito de instituições de governança global e a firmação do mancal Norte-Sul, e o relativo decréscimo da potência outrora hegemônica, os Estados Unidos. A terceira sessão se atém aos perpasses da consolidação da China como uma potência emergente enquanto fator endógeno da materialização da parceria estratégica entre este país e o Brasil. Isto porque é a partir da necessidade de suprir suas demandas domésticas que a China volta sua atenção a tal reservatório de matérias-primas. Sendo assim, a sessão apresenta as particularidades da reforma e abertura da RPC na década de 1970, a concretização de sua extraordinária economia e os princípios primados pelo país em sua ascensão pacífica, ou, como preferido pelo governo do PCC, desenvolvimento e coexistência pacífica. A quarta sessão trata especificamente do desenvolvimento e da caracterização do relacionamento bilateral sino-brasileiro até e após a nomeação deste como uma parceria estratégica. Dessa forma, pretende-se demonstrar como uma vigorosa sinergia políticodiplomática, econômico-comercial e científico-tecnológica possibilitou a evolução, o aprofundamento e a construção de uma parceria estratégica entre Brasil e China, sobretudo através da maximização de vantagens recíprocas, além de contribuir com breves prospecções latentes nesses três elementos no final desta década de Enfim, a título de considerações finais, a quarta parte propõe-se a uma síntese dos capítulos anteriores, retomando a proposta de análise de lançar conjeturas quanto às

20 17 características da chamada parceria estratégica entre Brasil e China e suas potencialidades, buscando uma visão perspectiva sobre o status desta relação.

21 18 2 A Nova Ordem Internacional Este item tem por intenção demarcar e esclarecer fatores exógenos e conjunturais do engendro internacional propício para a alavancagem tanto da potência econômica chinesa, quanto da relação e sinergia entre países em desenvolvimento, de forma a guiar a nova ordem pós Guerra Fria à multipolaridade. Discute-se primeiramente a forte onda globalizante e de mundialização do capital permissiva da transnacionalização de processos produtivos, cujo direcionamento se deu grande parte à China, seja por suas políticas de abertura, seja por seu potencial mercado consumidor e mão-de-obra barata. Em seguida, apresenta-se de que maneira inicialmente é estabelecido um diálogo entre países até então desigualmente inseridos no jogo estratégico internacional no que tange à concertação político-econômica, e que a partir dos fenômenos correlatos da Nova Ordem Internacional, tornam-se system affecting states. Por último a sessão discorre acerca da descontinuidade da hegemonia norte-americana, tendo em vista o crescente descrédito político devido às empreitadas unilaterais pregadas em prol da guerra ao terror, e ao descrédito relativo econômico graças ao aumento vertiginoso das dívidas estadunidenses, mormente com relação à China. 2.1 Globalização e Mundialização do Capital Grande parte devido à corrida armamentista e aos investimentos em tecnologia bélica empreendidos na Guerra Fria, após o término desta, viu-se a necessidade por parte das potências capitalistas, maiormente dos Estados Unidos, da manutenção de taxas de valorização do capital. Ainda durante a Segunda Guerra Mundial, houve uma acumulação de capital-dinheiro tamanha, que esta se foi paulatinamente descolando do capital produtivo. Dado o fim da Segunda Guerra Mundial, a expansão do capital ocorreu, orientada pelas políticas neoliberais, de maneira verdadeiramente substancial e intensa, e com relativo consenso internacional na busca de tal valorização, de forma a fazer frente aos desafios colocados pela conjuntura. Faz-se relevante apontar que desde a sua origem, o capitalismo integrou o mundo numa única economia, com as grandes navegações, a descoberta de novas rotas e terras e o colonialismo. No entanto, demarca-se o período pós Segunda Guerra Mundial para indicar o processo relativamente recente da internacionalização das relações econômicas capitalistas, apoiado em novas tecnologias de transporte e telecomunicações e na ampliação da capacidade

22 19 produtiva. Essa internacionalização se tornará mais intensa e generalizada, ou propriamente mundial, com o fim da Guerra Fria, a desagregação do bloco soviético e as mudanças políticoeconômicas nas nações de regimes socialistas. Desta forma, iniciou-se o processo de mundialização do capital, que por sua vez ocorreu no âmbito da igualmente intensiva internacionalização do processo produtivo baseada no desenvolvimento e diversificação do que se convencionou chamar de fábrica global 6. Somando-se a estes dois fatores o grande fluxo transfronteiriço de informações, designou-se o fenômeno com o termo sintetizado globalização 7. Para David Held e Anthony McCrew (2011, p. 11): Não existe uma definição única e universalmente aceita para a globalização. Como acontece com todos os conceitos nucleares das ciências, seu sentido exato é contestável. A globalização tem sido quando os altos dos agentes sociais de um lugar podem ter conseqüências significativas para terceiros distantes ; como compreensão espaço temporal (numa referencia ao modo como a comunicação instantânea vem desgastando as limitações da distância e do tempo na organização e na interação social); como interdependência acelerada entendida como a intensificação do entrelaçamento entre economias e sociedades nacionais, de tal modo que os acontecimentos de um país têm impacto direto em outros; como um mundo em processo de encolhimento (erosão das fronteiras e das barreiras geográficas a atividade socioeconômica); e, entre outros conceitos, como integração global, reordenação das relações de poder inter-regionais, consciência da situação global e intensificação da interligação inter-regional. Assim sendo, dita grosso modo, a globalização denota a escala crescente, a magnitude progressiva, a aceleração e o aprofundamento do impacto dos fluxos e padrões inter-regionais de interação no cenário internacional, ampliando também a disputa pelo mercado internacional. Tal disputa requisitou grandes investimentos tanto em processos produtivos quanto em tecnologias que viessem a dotar as potências interessadas de um diferencial dentro deste novo contexto de forte viés concorrencial. Intencionando-se a ampliação substancial da produtividade do capital permitida pelo robustecimento do próprio capital no decorrer da corrida armamentista -, foram desenvolvidas e aplicadas novas tecnologias ao processo 6 A expressão indica que a produção e o consumo se mundializaram de tal forma que cada etapa do processo produtivo é desenvolvida em um país diferente, de acordo com as vantagens e as possibilidades de lucro que oferece. Fonte: <http://www.alca-bloco.com.br/apresentacao.htm>. Acesso em: 15 abr Termo surgido das escolas de administração e negócios dos Estados Unidos e que rapidamente ganhou o discurso jornalístico, empresarial e político em meados dos anos 1980.

23 20 produtivo, como robotização e informatização acelerada, além de alterações gerenciais 8. Colocou-se como pós-fordismo 9 o cenário empresarial caracterizado pelo deslocamento espacial e o desmantelamento progressivo da grande indústria promovido pela ofensiva do capital, ou seja, o capital, pela inversão em novas tecnologias, redefine o perfil do mundo do trabalho, direcionando-o a um momento favorável à desterritorialização do capital (DEL ROIO, 1999). O novo complexo de reestruturação produtiva imprime uma dinâmica de fragmentação e de certa flexibilidade das atividades produtivas e dos mecanismos de produção em diferentes territórios. Há uma espécie de dispersão geográfica das etapas do processo produtivo e das próprias forças produtivas em escala mundial - mundialização da produção, da circulação e do consumo, ou seja, de todo o ciclo de reprodução do capital - que se orienta no sentido da fuga dos pesados encargos operacionais e sociais e do pagamento dos altos salários conquistados pelos trabalhadores dos países capitalistas tradicionais, e na busca por barateamento de custos, graças ao emprego de mão-de-obra bem mais barata, menos encargos sociais e incentivos fiscais propiciados grandemente pelas políticas neo-liberais de certa desregulamentação da economia do final dos anos Tal diferenciação na geoeconomia em moldes mais ou menos independentes dos Estados Nacionais propiciou uma nova Divisão Internacional do Trabalho 10, na qual se estabeleceu um parâmetro de terceirização e expansão técnico-científica decisivo no modo pelo qual o capital se produz e reproduz em âmbito mundial. Para atender a este movimento intenso de novas necessidades as empresas organizamse de forma a ter uma maior produtividade e competitividade no mercado internacional. Com isso, a Divisão Internacional do Trabalho se modificou de forma [...] que deixou de se realizar exclusivamente mediante a articulação de quadros nacionais e passou, nos seus aspectos mais importantes, a operar-se no âmbito das grandes companhias transnacionais. 8 Segundo Manuel Castells e Alejandro Portes a grande empresa, com estrutura vertical nacional e separação das funções entre pessoal administrativo e operários não parece mais ser o último estágio da evolução necessária rumo ao gerenciamento industrial racionalizado. (apud ARRIGHI, 2010, p. 179). 9 Palmeira e Tenório (2002) observam que o pós-fordismo ou modelo flexível de gestão organizacional, caracteriza-se pela diferenciação integrada da organização da produção e do trabalho sobre a trajetória de inovações tecnológicas, em direção à democratização das relações sociais nos sistemas empresa-colaboradores. Os paradigmas que se apresentam neste aspecto, além de serem ligados à informação (TI), também se mostram ligados às teorias da flexibilização do trabalho. De acordo com Tenório (2004), podem-se observar os seguintes tópicos paradigmáticos centrais:a) a informação é a matéria-prima do novo paradigma; b) a lógica das redes envolvendo diversos tipos de relações usando as novas tecnologias de informação (TIs); c) o paradigma tecnológico da informação baseado na flexibilidade; e d) a tendência de convergência de tecnologias específicas para um sistema altamente integrado. 10 No princípio, a Divisão Internacional do Trabalho funcionava através do chamado pacto colonial, segundo o qual a atividade industrial era privilégio das metrópoles que vendiam seus produtos às colônias.

24 21 (BERNARDO, 2000, p. 39). Devido ao quadro mundializado das ações das empresas transnacionais, a natureza dos elos entre os fluxos de produção e os seus spill-overs variaram, de forma a dissociar a relação imediata entre a localidade da produção e a dos rendimentos. Em outras palavras, os fluxos de rendimentos não necessariamente se fixam no espaço nacional onde há o processo produtivo. Estas transnacionais foram, durante o período da Guerra Fria, a maior fonte de capital externo para os países tidos como subdesenvolvidos, na medida em que controlavam, excetuando os anos do Plano Marshall, a maior parte do fluxo de capitais do mundo. Ao fim da débâcle, empresários estadunidenses controlavam cerca de 35% das empresas transnacionais do mundo. Para a coordenação e o aprovisionamento das atividades empresariais transnacionais, foi de fundamental importância o aperfeiçoamento de componentes físicos (eletrônicos, metálicos, físicos) e de serviços de comunicações. Além disso, diferentemente das grandes empresas saídas da 2ª Revolução Industrial, as empresas transnacionais possibilitam condições de aquisições e fusões entre si, boa parte devido à dimensão global que atingiram e ao subseqüente fácil acesso a recursos volumosos, propiciado e mobilizado enormemente pelo sistema financeiro. As estratégias globais das transnacionais envolviam investimentos externos diretos (IED) em quantidades relativas superiores vis-à-vis as trocas de mercadorias e serviços - desempenhados pelas mesmas e pelos governos de seus países de origem, visto a formidável gama de possibilidades de investimentos e a facilidade de deslocamento dos capitais, cada vez mais livres. Aponta-se que, a partir de 1985, os investimentos praticamente triplicaram com relação ao início da década de Não obstante, a grande virada das relações econômicas supracitadas, em grande medida, deu-se devido à busca da reversão dos resultados negativos da taxa de lucro num momento contextual imediatamente anterior de relativa crise de superprodução 11 (BRENNER, 1999). Concretamente, o início dos anos 1970 mostrou que a tendência à queda da taxa geral de lucro se confirmava drasticamente, preconizando um período marcado por instabilidade e estagnação. Todavia, o perfil cíclico da dinâmica capitalista sofreria sérias modificações quando do lançamento das bases para a busca de melhores condições competitivas e da própria ofensiva valorativa do capital através da intensa reestruturação produtiva e da especialização produtiva flexível, da adoção de novas formas de organização das empresas e, 11 Giovanni Arrighi (2010, p. 93) coloca que A noção de crise de superprodução baseia-se em pressupostos contrários relativos à capacidade do salário real de acompanhar o aumento da produtividade da mão-de-obra, mais que à noção de crise de superacumulação, ou seja, as crises de superprodução ocorrem porque os possuidores de capital alcançam tão bom êxito em passar a pressão competitiva para a mão-de-obra que o salário real deixa de acompanhar o aumento da produtividade do trabalho, impedindo assim que a demanda agregada efetiva possa se expandir de par com a oferta agregada.

25 22 como importante escopo estratégico, da liberalização dos fluxos de comércio exterior. Tais elementos tangeram ao surgimento das estratégias de economia de mercado associadas a uma racionalização da produção. Devido ao fato de a disseminação dos fluxos de IED terem sido acompanhados e impulsionados pela globalização das instituições bancárias e financeiras, das três dimensões mais importantes da internacionalização, a saber, o intercâmbio comercial, o investimento produtivo no exterior e os fluxos de capital monetário ou capital financeiro, esta última ganha maior relevância por ter-se expandido de forma mais intensa e ter caracterizado a mais recente mundialização do capital de acumulação predominantemente financeira (CHESNAIS, 1994, p. 52). Tal acumulação predominantemente financeira designa o domínio do capital financeiro como força plenamente autônoma diante do capital industrial, que possibilita o abrolho de capital especulativo (smart money ou hot money) e, subseqüentemente, de volatilidade cambial. Com isso, surgem também operadores financeiros de um tipo qualitativamente novo podem ser instituições financeiras não-bancárias como maiores beneficiários da mundialização do capital financeiro. Um dos mecanismos de transferência de riqueza do setor produtivo para o mercado financeiro baseia-se nos Títulos da dívida pública, que para Alves (1999) são a pedra angular dos mercados financeiros contemporâneos. Esta títularização da dívida pública dos governos capitalistas buscava novas formas de financiar déficits públicos sem excessivo sofrimento político, e possibilitaram reaplicações aos fundos de pensão privados. No entanto, posteriormente viabilizaram também, através da compra de parte dos Títulos da dívida pública de um país por outro, uma relativa fragilidade das economias nacionais em termos de suas próprias políticas econômicas. Como um todo referente às modificações econômicas referenciadas acima, relata-se, bem como aponta Ianni (1997a), uma metamorfose qualitativa e não apenas quantitativa, uma vez que o capital passou a adquirir novas condições e possibilidades de reprodução. Com relação a tais modificações, Arrighi (2010, p. 94) recorre a Karl Marx para descrever o processo concebido como destruição criativa, no qual a tendência de redução da taxa de lucro devido à acumulação de capital ao longo do tempo não se constitui obstáculo insuperável. Adversamente, como bem coloca o autor, a queda de lucro e a intensificação da luta competitiva não terminam no estado estacionário. Ao contrário, levam à destruição do arcabouço social no qual a acumulação está embutida e à criação de um novo arcabouço. De fato, tal destruição criativa se revelou nos anos 1970 em formas de aumento de volume de capitais e reorganização empresarial, de nova divisão internacional do trabalho e

26 23 da origem de novos e maiores centros de acumulação de capital. Também na teoria de Harvey (2005) do ajuste espaciotemporal, devido à concorrência, há a necessidade de promoção simultânea de mudanças na configuração espacial da produção e nas misturas tecnológicas, de reestruturação de relações de valor e de mudanças temporais na dinâmica geral de acumulação. Posto o imperativo do redirecionamento do fluxo de capital, a produção de espaço torna-se característica essencial do capitalismo enquanto destruidor criativo. Na visão de Alves (1999), tal processo de desenvolvimento do capital a destruição criativa representa uma descontinuidade posta no interior de uma continuidade plena, e repõe, num patamar mais elevado, o processo de modernização capitalista. Outrossim, o processo de mundialização do capital, e a globalização em geral, encerra um cenário paradoxal: ainda que tenha realizado um processo pretensiosamente homogeneizante - de integração e universalização econômicas através do aumento das trocas comerciais, do acesso mais fácil ao capital e da difusão dos princípios da Economia de Mercado tem, por outro lado, aprofundado a clivagem entre países que buscam ingressar na arena do capital com algum poder de negociação, dadas as forças centrífugas da alta competitividade e das relações de mercado. Nesta visão, Ianni (1997a) reforça a idéia de que ao mesmo tempo em que a globalização vem impulsionar a homogeneização, equalização ou integração, vêm provocar fragmentações, rupturas e contradições. Concomitantemente, com a disputa por mercados se acirrando internacionalmente têm-se uma concentração de capital cada vez maior em pólos de influência econômicos, ainda que tais pólos não se adolesçam entre países imediatamente próximos. Martins (1999, p. 148) aponta que Enquanto acontece este processo de globalização e integração transnacional, o protecionismo econômico e as alianças entre Estados e empresas também se expandem rapidamente. Estas alianças econômicas estão sendo usadas para influenciar e, em alguns casos, determinar relações de mercado e resultados econômicos. Destarte, esta movimentação leva não só a um maior ordenamento e a uma institucionalização crescente das relações econômicas internacionais como também, em alguns casos, a um processo gradual de integração e cooperação política. De acordo com Magnoli e Araújo (2005, p. 371), globalização e regionalização representam dimensões complementares do espaço mundial: os blocos regionais funcionam como plataformas para integração das economias nacionais na economia mundo. Assim, tais blocos constituídos

27 24 por acordos ou tratados representam uma forma pretensiosamente conciliatória de atender aos interesses tanto dos países quanto da economia-mundo 12. Isto que dizer que as novas questões relacionadas à economia globalizada fazem parte de um contexto mundial no qual soluções dos grandes impasses refletidos por este mesmo contexto dependem de medidas tomadas pelo grande conjunto de países, responsáveis por gerar novas propostas de regulamentação maiormente do sistema financeiro internacional e foros de debate sobre a Nova Ordem Internacional que ora se apresenta e se constrói. Dessa forma, a integração dos países em blocos ou regiões assume também um relativo direcionamento às ações políticas, visto o descongelamento das discussões em termos de governança tangentes a ações geradoras de uma ordem político-econômica. 2.2 Cooperação Sul-Sul, Multipolaridade e a Questão da Governança Global Diante das mudanças impulsionadas pelo incessante movimento dos capitais internacionais face à competição internacional - geradora de mercados de diversas magnitudes e potencialidades - e do abstruso cenário político, as relações internacionais incumbiram-se de dinâmica tal cuja lógica imediata cominou aos países que cumprissem arranjos preferenciais, majoritariamente em âmbito econômico, para que estabelecessem novos standards frente à instabilidade dos fluxos econômicos internacionais. Para aquém do período pós Guerra Fria de tais arranjos preferenciais, já se verificava uma peculiar regionalização em termos situacionais no que diz respeito à população e a economia, ou ainda, semelhanças na formação sócio-econômica-espacial. Ainda na ordem da Guerra Fria, foram designados conceitos de conotação e divisão geopolítica de forma a melhor visualizar os lócus de poderes e blocos de influência durante o período, posteriormente acoplados pela Teoria dos Mundos formulada por pesquisadores franceses na década de Resumidamente Arrighi (2010, p. 21) assim descreve os três componentes distintos: O mais próspero (América do Norte, Europa ocidental e Austrália), além do Japão, passou a constituir o Primeiro Mundo. Um dos menos prósperos (União Soviética e 12 A economia-mundo capitalista que foi ganhando contornos mundiais com uma superestrutura política formada por Estados nacionais independentes e extremamente competitivos, na constante busca pela acumulação de capital (ARRIGHI, 2001). O conceito também corrobora a idéia do centro de gravidade mundial de Braudel (1996). Para estudo mais aprofundado, ver também Wallerstein (1979). 13 SACHS, I. O cinqüentenário do Terceiro Mundo. Desafios do Desenvolvimento, Brasilia, ano 2, n. 2, mar Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/desafios/edicoes/8/artigo php>. Acesso em: 29 mar

28 25 Europa Oriental) passou a constituir o Segundo Mundo; e o outro (América Latina) uniu-se ao mundo não ocidental para constituir o Terceiro Mundo. Com o fim da Guerra Fria e o desaparecimento do Segundo Mundo, as expressões Primeiro e Terceiro Mundos tornaram-se anacrônicas e foram substituídas pelas expressões Norte e Sul globais, respectivamente. Doravante, o conceito Norte-Sul, como ficou conhecido durante a década de 1970, foi usado para descrever as discrepâncias entre os países industrializados (Norte) e suas antigas colônias e outros novos países (Sul), que lograram sua independência política formal. Debates acerca de tal conceito versam essencialmente sobre quais mudanças políticoeconômicas permitiriam o Sul global a rapidamente atingir um crescimento econômico autosustentável e certo grau de industrialização. Ainda para Arrighi (2008, p ), a acumulação de capital e a intensa competição entre Estados por este capital móvel provocaram uma polarização espacial do processo de destruição criativa numa zona de predominância de prosperidade, que acabou sendo o Norte global, e uma zona de predominância de depressão, que acabou sendo o Sul global. Neste sentido de busca pelo foco nos processos de crescimento econômico e vias de industrialização, muitos teóricos, como o economista Joseph Alois Schumpeter 14 iniciaram o uso dos termos desenvolvidos e subdesenvolvidos para designarem, respectivamente, países capitalistas tradicionais (ricos) e países ainda em via de consolidação de seus campos econômicos (pobres) e que apresentam estado de depressão crônica e/ou estagnação estrutural, ou seja, termos de maior conotação econômica, ao invés de geopolítica, para identificarem o Norte e o Sul Globais 15. Não obstante, encontram-se termos altamente contributivos no sentido de entendimento de uma embrionária regionalização no que tange à interdependência econômica dos países. Rosa de Luxemburg (1983) e Raul Prebisch (1949) defenderam uma proposta de regionalização cunhada na divisão dos países em centrais e periféricos. Segundo esta concepção, cada país ocupa um espaço e desempenha seu papel no mundo capitalista, e há o conflito desigual entre os países centrais e os periféricos de tal forma que não há espaço para que os periféricos alcancem uma forma de progresso satisfatória. 14 Schumpeter propôs o conceito de desenvolvimento econômico condicionado às idéias de inovação tecnológica e da ruptura do fluxo circular. Assim estabeleceu a divisão do mundo entre aqueles que se desenvolveram e os que supostamente poderiam se desenvolver. Ver The Theory of Economic Development (SCHUMPETER, 1911) e Capitalismo, Socialismo e Democrazia (SCHUMPETER, 1934). 15 Os termos surgiram após a Segunda Guerra Mundial, nos documentos dos organismos internacionais, como a ONU e a UNESCO, principalmente. A "descoberta" do subdesenvolvimento deu-se com a descolonização e com a publicação pelos organismos internacionais de dados estatísticos dos diversos países do mundo (índice de mortalidade, salário, formas de alimentação, habitação, consumo, distribuição de renda, etc.). Esses dados revelaram um verdadeiro "abismo" entre o conjunto dos países desenvolvidos e o dos subdesenvolvidos.

29 26 Em alinhamento ao paradigma estruturalista, apresentam-se as propostas teóricas de Braudel (1992) e Wallerstein (1998b, 1999a). A noção de Sistema-mundo (World-System) de Wallerstein corresponde à determinada idéia de sistema social com estruturas definidas em bases materiais. Essa base constitui a economia-mundo (économie-monde) de Braudel, que é entendida por Wallerstein (2004, p. 23) como uma zona geográfica extensa, na qual existe uma divisão do trabalho e, conseqüentemente, significativo intercâmbio interno de bens básicos e essenciais assim como fluxos de capital e trabalho. A divisão existente implica desigualdade e tentativa de exploração dos diferentes trabalhos com o intuito de se obter mais valor excedente, levando a um cenário no qual a gama de tarefas econômicas não está distribuída uniformemente por todo o sistema mundial (WALLERSTEIN, 1999a, p. 339) e estabelecendo certa hierarquia definida no Sistema-Mundo. Assim, na Análise de Sistemasmundo (World-Systems Analysis) de Wallerstein, verifica-se nova conceitualização da dicotomia centro-periferia, transformada num conceito relacional e apontando o termo semiperiferia aprimoramento teórico no sentido de um padrão tri-modal de estrutura do Sistema-Mundo - para países que abrangem dois tipos de cadeias de mercadorias (centrais e periféricas) em proporções semelhantes. Ainda que os termos supracitados sejam utilizados conforme conveniência, de forma geral, a idéia de Sul passou a ser mais aplicada nos debates teóricos, principalmente a partir dos anos 1980, a fim de se evitar o emprego das cargas de atraso e de entendimento bipolar Leste-Oeste do mundo presentes nas noções de subdesenvolvimento e Terceiro Mundo, respectivamente. Nesse sentido, os países do Sul puderam perceber que a grande promessa pós-guerra liberalização progressiva do comércio mundial que permitisse a estes países maior autonomia para perseguir políticas internas não aceleraria a realização de seus objetivos a menos que os países do Norte, em sua grande parte líderes das instituições internacionais (como o General Agreement on Tariffs and Trade GATT) e que em dado momento iniciaram políticas domésticas de protecionismo, tomassem medidas específicas no sentido de minimizar os gaps entre Norte e Sul Global. Pode-se dizer que o engendro de interesses do Sul teve início em meados da década de À época, no âmbito da Assembléia Geral das Nações Unidas, muitas nações do Sul afirmaram que suas relações de troca estavam se deteriorando ao longo de tempo, argumentando não ser vantajoso em longo prazo exportar matéria-prima, enquanto dependiam de importações para obter bens tecnológicos e de capital. Também observaram que os mecanismos internacionais eram necessários para estabilizar os preços das commodities para que pudessem evitar crises em momentos de queda vertiginosa dos preços mundiais de suas

30 27 principais culturas. Portanto, seus esforços nesta frente levaram à adoção de uma Resolução da Assembléia Geral, objetivando centrar a atenção do Conselho Econômico e Social das Nações Unidas (ECOSOC) sobre questões relacionadas à commodity. Além disso, sinais embrionários de cooperação entre os países do Terceiro Mundo foram evidentes fora dos auspícios da Organização das Nações Unidas (ONU). A Conferência Afro-Asiática de cunho anti-colonial locada em Bandung, Indonésia, em 1955, foi uma das instâncias proeminentes deste fenômeno. Vinte e nove países - representando mais de metade da população mundial - enviaram delegados. O consenso atingido, visando autodeterminação e maior autonomia, foi o de que o colonialismo em todas as suas manifestações seria condenado, implicitamente censurando a União Soviética, bem como as influências ocidentais, além de objetivar maior cooperação econômica e cultural. Sneyd (2005, p. 1) aponta: Participants advocated self-determination and autonomous government for peoples in the Asian-African region, and sought for the first time to build a collective voice that would command respect amongst the former colonial powers and within the United Nations organization. In a spirit of cooperation and respect for national sovereignty, participants debated the issue of alignment with either of the Cold War blocs. Assim, a Conferência de Bandung, justamente por colocar em pauta o escopo de alinhamento aos blocos antagônicos da Guerra Fria enfatizando sua essência de papel ativo no cenário internacional ao formular suas próprias ações de forma a refletir os interesses de seus membros, foi antecedente imediato à origem do Movimento dos Países Não-Alinhados, bem como da autorização para a criação da Conferência das Nações Unidas para Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), e, no ínterim da UNCTAD em Genebra, em 1964, da Declaração Conjunta do G Muitos dos princípios da Conferência de Bandung melhorar os fluxos de capitais para os países em desenvolvimento, melhorar e estabilizar os termos do comércio de produtos primários, liberalizar os mercados para suas exportações e fornecer acesso preferencial para tais mercados numa base não-discriminatória - foram adotados posteriormente como principais metas e objetivos da política de não alinhamento. O Movimento dos Países Não-Alinhados, apesar da heterogeneidade ideológica, política, econômica, social e cultural dos países, reuniu um grande número de nações (Chefes 16 International Trade Centre UNCTAD/WTO (ITC) and Commonwealth Secretariat, Business Guide to the World Trading System, 2. ed., 1999.

31 28 de Estado de 25 nações e observadores de outros três países) em torno de questões como não interferência em assuntos internos, independência nacional, soberania e integridade territorial, reestruturação do sistema econômico e democratização das relações internacionais. Especificamente nas décadas de 1970 e 1980, o MNA desempenhou papel fundamental nos esforços para o estabelecimento de uma Nova Ordem Econômica Internacional 17, proporcionando uma plataforma ampla para uma mudança econômica, principalmente no âmbito da ação dos membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), que elevaram unilateralmente o preço do petróleo, ajudando a criar uma atmosfera de certa alavancagem do Terceiro Mundo aos olhos dos países de Primeiro Mundo 18. Com o colapso da União Soviética ao fim da Guerra Fria, o MNA teve perde relativa das luzes da ribalta do cenário mundial, uma vez que aquele era o contexto de origem ideológica fundamental do Movimento. Ainda assim, seus preceitos continuaram a permear os ensejos de cooperação entre os países do Sul, e novas atenções voltaram-se ao MNA em decorrência da XIV Cúpula, que reuniu representantes de 118 países em setembro de 2006 e tinha como um dos pontos de pauta a discordância e insatisfação frente às ações unilaterais dos Estados Unidos no cenário internacional. Além do MNA, a existência do G-77 aliança econômica de nível global sob os auspícios das Nações Unidas foi articulada sobre os desequilíbrios da Ordem Econômica do período da crise do petróleo entre os países do Sul e os do Norte, e sobre a introdução desta Nova Ordem Econômica Internacional com base em princípios de justiça, igualdade e equilíbrio 19. Destarte, percebe-se que o fórum dos países do G-77, iniciado em 1963, também promoveu uma janela fundamental de interações para a cooperação Sul-Sul. O conceito de cooperação Sul-Sul refere-se a atividades de cooperação entre novos países industrializados e outras nações menos desenvolvidas do Sul do hemisfério. Tais atividades incluem o desenvolvimento de relações comerciais, tecnológicas e de serviços mutuamente benéficas. Além disso, tal cooperação clama pela promoção da auto-suficiência entre tais nações e o fortalecimento de laços econômicos entre as mesmas, dado que o poder de mercado entre elas é de certa forma mais similar do que nas relações de simetria Norte-Sul. 17 Neste mesmo contexto já estava sendo desenvolvida a sétima Rodada de negociações do GATT em Tóquio ( ). 18 Reduções de ajuda externa nas décadas 1980 e 1990 por parte dos países do Norte, particularmente da Inglaterra, geraram uma maior conscientização entre os países do Sul da necessidade e da viabilidade de cooperação mútua ao invés da dependência daqueles. 19 Joint Declaration of the Seventy-Seven developing countries made at the Conclusion of the United Conference on Trade and Development, Disponível em: <http://www.g77.org/doc/joint%20declaration.html>. Acesso em: 15 ago

32 29 Nesse sentido, uma vez que os fluxos habituais de ajuda econômica se orientavam do Norte para o Sul global, a cooperação Sul-Sul foi vista como uma alternativa ao eixo tradicional. Conseqüentemente, a cooperação Sul-Sul é relevante para estas nações por dois motivos primordiais: ela contribui para os avanços econômicos nos países do Sul, especialmente na África, na Ásia oriental e na América do Sul, além de se desvencilhar dos encargos hegemônicos culturais, políticos e econômicos relacionados com o tradicional auxílio Norte-Sul dos Estados Unidos, da Rússia e da Europa Ocidental. Não obstante, incluem a promoção de interesses comuns nas áreas de comércio, militar, estratégica e de questões ambientais, ainda que a maior parte das atividades se dê através de relações bilaterais ou triangulares, colaborando para definir o atual papel dos key players (atores-chave) no âmbito da cooperação Sul-Sul, como China, Índia ambas anteriormente consideradas receptoras de auxílio e atualmente emergindo como auxiliadoras -, Brasil e África do Sul. Em 1979, foi estabelecida pelas Nações Unidas a Unidade para Cooperação Sul-Sul, a fim de promover o comércio e a colaboração entre tais países sob os auspícios de suas agências. Acrescidas de tais incentivos, as atividades de cooperação Sul-Sul lograram êxito tanto na diminuição da dependência e da pressão em relação aos programas de auxílio vindos dos países desenvolvidos, quanto em promover uma alteração na balança de poder internacional, na medida em que as potências capitalistas tradicionais não puderam mais contar com o acesso irrestrito às matérias-primas e aos mercados consumidores nos países do Sul onde agora cresce a influência de parceiros de hemisfério, particularmente a China. De tal modo, nota-se que o empenho destes países em focar assistências de desenvolvimento econômico para si mesmos tem trazido certos desafios para as nações do Norte global. O antigo Secretário-Geral da ONU, Kofi Annan, por exemplo, observou que cerca de 40% das exportações dos países em desenvolvimento estão sendo direcionados para outros países também em desenvolvimento. Economistas prevêem que as taxas de crescimento econômico dos países do Sul irão superar as do Norte nos próximos anos 5-8% ao ano em comparação com 2-3% dos países do Norte global. Tal fluxo de comércio é possível em grande medida pelos efeitos da tendência já citada a certa regionalização 20 aliada a fluxos de capital internacionais quase ilimitados por barreiras comerciais. Além do Movimento dos Países Não-Alinhados, do G-77 e da agenda Terceiromundista, diversos outros blocos e foros econômicos, políticos e financeiros 20 Vale lembrar que a conotação de regionalização aqui tida em pauta não se refere somente à aproximação geográfica entre países, mas igualmente à aproximação no que tange a interesses mútuos tanto em âmbito econômico, quanto político e social.

33 30 emergem na arena internacional como importantes pólos e atores rumo à Nova Ordem Internacional. Enquanto blocos podem ser citados a Associação dos Países do Sudeste Asiático (Asean), originada em 1967, tem como membros fundadores Indonésia, Malásia, Filipinas, Singapura e Tailândia, e tem como base principal esforços no sentido de aprimorar uma Nova Ordem Econômica Mundial. A Cooperação Econômica da Ásia e do Pacífico (Apec), datada como efetivo bloco econômico desde 1994, e que objetiva redução de taxas e barreiras alfandegárias da região Pacífico-asiática 21. O Mercado Comum do Sul (Mercosul), estabelecido em 1991 por Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai, e posteriormente Venezuela, atende aos interesses de busca por maior integração na região. A União Européia (EU), pioneira na união supranacional econômica e política dos Estados-membros. E a Área de Livre Comércio das Américas (Alca), proposta pelos Estados Unidos visando também a supressão de barreiras comerciais. Diversos outros blocos surgiram no mainstream internacional, ainda que não nos caiba analisá-los profundamente dentro do escopo desta pesquisa. Além de tais blocos, contribuem para o cenário ainda em construção de multipolaridade a difusão dos Gs, ou seja, uma diversidade de grupos de países orientados por interesses convergentes, maiormente em aspectos econômicos, a fim de discutir questões relacionadas à estabilidade da economia global e as possíveis maneiras de fortalecer o comércio e seus investimentos. Ao final de uma década marcada por turbulências na economia (no México em 1994, na Ásia em 1997 e na Rússia em 1998), foi criado em 1999 o G-20 financeiro. Além de uma forma de resposta a tais crises, a criação do grupo proporcionou maiores visibilidade e reconhecimento dos países tidos como emergentes num cenário no qual se mostraram capazes de ameaçar os mercados mundiais com suas instabilidades. O G-7+1 ou G-8, bloco das nações tradicionais capitalistas mais a Rússia, em vista dos distúrbios da década de 1990, passou a considerar e a abrir discussões mais amplas com tais países, formando assim o bloco do G-20 financeiro 22. Doravante, outro grupo formado apenas por nações emergentes também se denomina G20, ainda que contemple factualmente mais de vinte membros. Batizado de G20 comercial, já que seu foco são as relações comerciais entre países ricos e emergentes, o grupo nasceu em 21 A Apec conta com 21 membros: Austrália, Brunei, Canadá, Chile, China, Hong Kong, Indonésia, Japão, Coréia do Sul, Malásia, México, Nova Zelândia, Papua-Nova Guiné, Peru, Filipinas, Rússia, Singapura, Taiwan, Tailândia, Estados Unidos e Vietnã. 22 Ministros da área econômica e presidentes dos bancos centrais de 19 países fazem parte do grupo: os que formam o G8 e ainda 11 emergentes. No G8, estão Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão, Reino Unido e Rússia. Os componentes do G20 são: Brasil, Argentina, México, China, Índia, Austrália, Indonésia, Arábia Saudita, África do Sul, Coréia do Sul e Turquia. A União Européia, em bloco, é o membro de número 20, representado pelo Banco Central Europeu e pela presidência rotativa do Conselho Europeu.

34 , numa reunião ministerial da Organização Mundial do Comércio (OMC) realizada em Cancún, no México, no âmbito nas negociações da Agenda Doha de Desenvolvimento. Liderado pelo Brasil, o grupo procura defender os interesses agrícolas dos países em desenvolvimento frente às nações capitalistas tradicionais, que fazem uso de subsídios (protecionismo) para sustentar a sua produção. Exceto pela Austrália, Arábia Saudita, Coréia do Sul e Turquia, todas as nações emergentes do G20 financeiro estão no G20 comercial 23. No tangente aos foros de discussão internacionais, faz-se mister apontar aqueles dos quais fazem parte os países emergentes de grande relevância no cenário mundial enquanto novos Global Players: o IBAS e o BRICS. O primeiro diz respeito ao Fórum de Diálogo Índia Brasil - África do Sul formalmente estabelecido em junho de Os objetivos do IBAS se resumem na aproximação de posições dos três países em instâncias multilaterais, no desenvolvimento da cooperação comercial, científica e cultural no âmbito Sul-Sul e na democratização de esferas de tomada de decisão internacional. No Memorando de Entendimento entre os Governos da República Federativa do Brasil, o Governo da República da Índia e o Governo da República da África do Sul sobre Cooperação no Campo da Administração Pública e Governança (2007, p. 1) constavam brevemente as metas, entre as quais: Recognizing the emergence and consolidation of IBSA initiatives and collaboration at regional and global level for promoting good governance and wishing to strengthen South-South co-operation [ ] Desiring to strengthen South-South cooperation amongst the three countries and promote trilateral co-operation in the field of public administration and governance in seeking to achieve the Millennium Development Goals and sustainable development. Neste mesmo ínterim de valorização das relações de cooperação no âmbito Sul-Sul, a Cúpula do BRICS 24 Brasil, Rússia, Índia, China, e após o III encontro da Cúpula em 2011, na cidade de Sanya, China, o ingresso da África do Sul -, veio a acoplar metas de coordenação internacional semelhantes. O bloco, oficializado em sua I Cúpula em 2009, trazia em pauta inicialmente termos de cunho econômico e relacionados ao desenvolvimento, tais como os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, tendo em vista que o comércio total entre os países do mesmo passou de US$ 38 bilhões em 2003 para US$ 143 bilhões em 2009 e para 23 Também fazem parte deste grupo Bolívia, Chile, Cuba, Egito, Filipinas, Guatemala, Nigéria, Paquistão, Paraguai, Tanzânia, Tailândia, Uruguai, Venezuela e Zimbábue. 24 O anagrama conceitual que virou um grupo foi criado pelo economista Jim O'Neill, do banco Goldman Sachs, em um estudo de 2001 ( Dreaming with the BRICs ) em que previa que as quatro economias emergentes teriam um PIB superior ao do G7 até 2050.

35 32 US$ 220 bilhões em Assim, entre 2003 e 2010, o crescimento dos países do BRIC (em formação original sem a participação da África do Sul) representou cerca de 40% da expansão do PIB mundial, e seu PIB, calculado pela paridade de poder de compra, atingiu US$ 19 trilhões, correspondente a 25% da economia mundial 25. Doravante, considerando que a estruturação das relações econômicas internacionais não será efetuada pelos mercados em si, necessitando também da intervenção do domínio político (WEI, 2009, p. 302), o bloco logrou um giro em importância também como fórum no pleito por mais voz aos países emergentes em organismos multilaterais ainda influenciados enormemente pelos países capitalistas tradicionais, como a Organização das Nações Unidas (ONU), o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI). Neste ano de 2011, todos os membros do BRICS integram o anacrônico Conselho de Segurança da ONU, e apesar de grandes investidas por parte do Brasil e da Índia em impetrar o poder de veto, somente a China se consagra como membro permanente. A representatividade crescentemente abalizada dessas nações de peso econômico-comercial relevante em fóruns internacionais, principalmente do gigante China, revela uma vontade mútua, e mais do que isso também uma capacidade mútua, dos países do Sul global em manter os preceitos perseguidos por uma Nova Ordem Econômica Internacional, e viabilizar e engendrar uma ordem internacional em políticas globais mais democratizada e em moldes factualmente multilaterais 26. Nesse sentido, a revisão de conceitos e categorias dos paradigmas que estruturam e norteiam o cenário internacional devem necessariamente abranger um diálogo com países até o momento desigualmente inseridos no jogo estratégico internacional no que tange à concertação político-econômica, mas que agora se tornam system affecting states 27, ou seja, a evolução do crescimento econômico dos novos protagonistas internacionais os reveste de certa quota em termos de política global. Tais políticas são vistas num âmbito de esforços por compreensão destes novos atores internacionais contribuintes de uma Nova Ordem 25 Ingresso da África do Sul no BRIC reforçará busca pela reforma do sistema financeiro mundial. Portal Brasil Os países do BRICS também clamam pela reestruturação da regulamentação financeira mundial, focando o FMI, de forma a tentar prevenir a recorrência dos fatores que causaram a crise financeira no segundo semestre de 2008, originada pelo estouro da bolha especulativa nos Estados Unidos. Na agenda da cimeira está a proposta de realização de trocas comerciais em suas próprias moedas, não mais dependendo do intermédio do dólar estadunidense. Los países BRICS llegaron a un acuerdo bajo el cual sus propias monedas pueden utilizarse para otorgar créditos y donaciones entre sí, sorteando el dólar., diz o diplomata indiano Shyam Saran à entrevista concedida ao IPS Notícias. Inquietud colectiva, acción individual. Disponível em <http://www.ipsnoticias.net/nota.asp?idnews=98035>. Acesso em: 3 out Segundo a conhecida definição de Keohane (1969), nesta categoria estão aqueles países que dispondo de recursos e capacidades relativamente limitadas, comparativamente às potências, mas com perfil internacional assertivo, valorizam as arenas multilaterais e a ação coletiva entre países similares de forma a exercer alguma meta de poder e influenciar nos resultados internacionais.

36 33 Internacional multipolar e de um cenário internacional matizado pelo processo de globalização no qual se consolidou a idéia de governança global como um atraente mecanismo para a solução de problemas coletivos. A despeito de o conceito de governança global fazer parte de circunstâncias pertencentes ao século XX, e também a partir de certas iniciativas observadas a partir da paz de Westphalia, percebe-se que o escopo do mesmo integra-se de maneira satisfatória no entendimento usado para qualificar a idéia de governança global no início do século XXI. Portanto, seu estabelecimento se mostra, de acordo com a Comissão sobre Governança Global, como um amplo, dinâmico e complexo processo interativo de tomada de decisão que está constantemente evoluindo e se ajustando às novas circunstâncias. Mesmo tendo que atender às exigências específicas de diferentes áreas de ação meio-ambiente, direitos humanos, segurança coletiva, finanças mundiais, conflitos globais e locais, cooperação e competição globais, etc. a Governança deve ter uma visão integrada das questões relativas à sobrevivência e à prosperidade humanas. 28 Destarte, e a despeito das controvérsias ainda existentes acerca de seu conceito 29, a idéia de governança fortaleceu-se nos últimos anos como um elemento capaz de proporcionar aos policymakers a compreensão de muitos dos desafios contemporâneos, assumindo posição de destaque no mainstream internacional. E embora o cenário não se mostre perfeitamente equilibrado, não se poder negar a existência e a atuação de muitas estruturas já existentes de governança global, maiormente da ONU e da OMC. Muito embora haja pouca dúvida de que tais estruturas favoreçam o poder de influências dos países capitalista tradicionais, e ainda em maior medida o poder dos Estados Unidos e esta é a principal razão pela qual também se mostra imprescindível a implementação da reforma e do aprimoramento de tais estruturas -, o desenvolvimento de questões de governança as coloca como um dos mecanismos através dos quais seja possível a 28 Tradução livre de the sum of many ways individuals and institutions, public and private, manage their common affairs. It is a continuing process through which conflicting or diverse interests may be accommodated and co-operative action taken. It includes formal institutions and regimes empowered to enforce compliance, as well as informal arrangements that people and institutions either have agreed to or perceive to be in their interest. Report of the Commission on Global Governance, Our Global Neighborhood, Published by Oxford University Press, 1995 apud IRACHANDE, A. M. Direito e Intervenção e a Governança Global, Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, Instituto de Relações Internacionais, Brasília, Fazendo breve distinção entre governança e governo, James Rosenau (1992) aponta que ambos os conceitos referem-se a um comportamento visando a um objetivo, a atividades orientadas para metas, a sistemas de ordenação; no entanto, governo sugere atividades sustentadas por uma autoridade formal, pelo poder de polícia que garante a implementação das políticas devidamente instituídas, enquanto governança refere-se a atividades apoiadas em objetivos comuns, que podem ou não derivar de responsabilidades legais e formalmente prescritas e não dependem, necessariamente, do poder de polícia para que sejam aceitas e vençam resistências

37 34 arquitetura de um novo arranjo na ordem e na agenda internacional, de forma a dar maior representatividade aos novos atores internacionais, que são justamente aqueles a partir dos quais se configuram as condições de governança. Não obstante, problemas sistêmicos como mudanças climáticas, pandemias, crises financeiras, subsídios agrícolas, desequilíbrios nos fluxos de comércio, conflitos localizados inter e intraestatais, entre outros, além de constatarem a necessidade de uma idéia multidimensional de governança, apresentam-se como elementos fundamentais a serem equacionados no entendimento dos rumos futuros da Ordem Internacional. Ao longo das últimas décadas, países de todo o mundo vêm experimentando taxas de crescimento elevada. De acordo com Zakaria (2008, p. 12), em 2006 e 2007, 124 países cresceram a uma taxa de 4% ou mais. Esse número inclui mais de trinta países da África, dois terços do continente. Certos teóricos, como Väyrynen (2003, p. 127) 30, chegam a discorrer inclusive sobre formas híbridas de governança, em vista da multiplicidade de atores e de temas que interagem no sistema internacional, por sua vez matizado, sobretudo, pelo impacto das chamadas polaridades indefinidas para a ordem mundial (LAFER; FONSECA JR., 1997, p.74). A título de compêndio, pode-se constatar que em vista de tais polaridades indefinidas, ou na melhor das hipóteses inconsistentemente definidas, o maior poder econômico alcançado pelos novos system-affecting states poderia alterar de forma substancial também o equilíbrio de poder político nas mesas de barganha dos principais órgãos de governança global, e por estes ser continuamente alterado. Ações direcionadas e implementadas de forma coordenada devem ser discutidas com um número maior de países, com o objetivo de obter propostas e políticas que satisfaçam também o interesse emergente dos países em franco crescimento, ou seja, a ascensão do resto. Em outras palavras, futuros acordos sobre questões internacionais e multilaterais relevantes exigirão alcance mais amplo para atingir um consenso internacional verdadeiro. Logo, nações que tradicionalmente lideravam as decisões sistêmicas de cenário internacional, sobretudo os Estados Unidos, poderão ver suas prioridades contrabalançadas pelos novos global players. Zakaria (2008, p. 13) contribui neste aspecto sugerindo o fato de que estamos nos dirigindo para um mundo pós-americano, definido e dirigido a partir de muitos lugares e por muita gente. Doravante, ele propõe as seguintes questões: Como os Estados Unidos se portarão mediante um mundo em que outros países avançaram? Pode Washington realmente 30 VÄYRYNEN, R. Regionalism: Old and New, University of Notre Dame and Helsinki Collegium for Advanced Studies, University of Helsinki. International Studies Review, v. 5, n. 1, p , mar Disponível em: < Acesso em: 2 nov

38 35 aceitar um mundo com diversidade de vozes e pontos de vista? (ZAKARIA, 2008, p. 228). É neste sentido que se faz necessário o aclaramento das características hegemônicas em declínio do referido país na transformação do cenário internacional. 2.3 Deflação da Credibilidade Norte-Americana e o Dissenso de Washington Dado o fim da confrontação bipolar, mas ainda sob o espectro residual de uma ameaça comunista, consolidou-se a crença das políticas norte-americanas de que a nova ordem mundial era a única garantia contra o caos seguido de revolução e que a segurança do mundo tinha de se basear no poder norte-americano, exercido por meio de sistemas internacionais 31, além da crença de que o New Deal deveria ser levado a cabo nas esferas internacionais, de forma a disseminar e garantir o bem-estar do mundo. Acerca da estrutura que propiciou aos Estados Unidos condições de se aplicarem como vencedores do conflito bipolar, Saraiva (2007, p. 200) aponta: [...] a formulação de doutrinas políticas para a contenção dos soviéticos na esfera global, os planos econômicos de reconstrução das áreas atingidas pela guerra mundial e considerados vulneráveis à influência soviética, assim como a constituição de uma grande aliança militar ocidental, foram, assim, partes de um único objetivo dos Estados Unidos. Liderando um dos lados do condomínio, a superpotência ocidental procurava assenhorar-se de mais espaços econômicos, políticos e ideológicos no cenário internacional pós-guerra. Beneficiados por um arcabouço sistêmico organizado no que Samuel P. Guimarães (1999, p ) chama de estruturas hegemônicas de poder político e econômico 32, estas constituídas ao longo do século XX maiormente por meio dos acordos de Bretton Woods e pela implementação do keynesianismo militar-, os Estados Unidos puderam-se elencar no 31 SCHURMANN, F. The Logic of World Power: Na Inquiry into the Origins, Currents, and Contradictions of World Politics, p In: ARRIGHI, G. Adam Smith em Pequim: origens e fundamentos do século XXI. São Paulo: Boitempo, Para Guimarães (1998, p. 113) o conceito de estruturas hegemônicas é preferível ao de Estado hegemônico. Por Estado hegemônico se pode entender aquele Estado que, em função de sua extraordinária superioridade de poder econômico, político e militar em relação aos demais Estados, está em condições de organizar o sistema internacional, em seus interesses de toda ordem, de modo que sejam assegurados e mantidos, se necessário pela força, sem potência ou coalizão de potências que possa impedi-lo de agir [...] o conceito de estruturas hegemônicas de poder é o mais apropriado para abarcar os complexos mecanismos de dominação. É o mais flexível e inclui vínculos de interesse e de direito, organizações internacionais, múltiplos atores públicos e privados, a possibilidade de incorporação de novos participantes e a elaboração permanente de normas de conduta. Ainda que Guimarães dê preferência ao conceito de estruturas, o presente trabalho parte do pressuposto de que a incorporação de novos participantes e a elaboração permanente de normas de conduta não são ainda consolidados, e que, ainda que a potência utilize das estruturas hegemônicas, ela não deixa de ter como características elementos de uma hegemonia nos termos de Arrighi (2008).

39 36 sistema internacional sob a rubrica de hegemonia. Tal termo, de referencial gramsciano 33, revela basicamente a capacidade de um grupo, durante um determinado período, de afirmar-se como portador do interesse geral de um sistema interestatal, vide importância crescente dos órgãos de governança mundiais desproporcionalmente influenciados pelos Estados Unidos e por seus aliados mais próximos. Neste momento, as políticas norte-americanas preocupavamse em manter o mundo seguro para a livre empresa de caráter ocidental identificada em bases do pluralismo democrático e na concepção unificadora do modelo anglo-americano, e buscavam o sucesso econômico de tais aliados e concorrentes como base para a consolidação política da ordem capitalista do pós-guerra (BRENNER, 2003). No entanto, esta configuração de ajuda em escala maciça a diversos países principalmente Japão e Europa Ocidental-, propiciada pela extrema centralização da liquidez mundial nos Estados Unidos após as guerras mundiais, precipitou uma crise no sistema monetário norte-americano no início da década de Isto devido a três motivos essenciais: o acirramento do que Brenner (1998) chama de desenvolvimento desigual, a intensificação da concorrência, e a empreitada militar no Vietnã. Ambos os primeiros denotam que a expansão da oferta mundial de dólares e crédito não foi acompanhada pela possibilidade de reciclar com segurança e lucratividade tal liquidez. Gilpin (1981 apud ARRIGHI, 2008, p. 112) aponta que o primeiro feito se dá quando um Estado dominante torna-se o modelo a ser imitado por outros e, com isso, os atrai para sua própria via de desenvolvimento [...] Mas, na medida em que essa imitação obtém algum sucesso, ela tende a contrabalançar e, portanto, a deflacionar em vez de inflacionar o poder da nação hegemônica, fazendo surgir concorrentes e reduzindo o caráter especial que ela tem. Deste cenário, e diante da perda de competitividade dos industriais norte-americanos, sobretudo diante dos japoneses e alemães, a drástica desvalorização do dólar foi usada como resposta à deterioração da balança de pagamentos dos Estados Unidos. Além disso, faz-se mister destacar que as políticas monetária e fiscal norte-americanas neste período de crise tendiam a repelir capitais que buscavam se acumular através de canais financeiros, o que criou condições de acumulação em escala mundial, primordialmente nos mercados financeiros de 33 Arrighi (2008, p. 159) utiliza-se da definição de Gramsci de forma diversa do puro domínio, colocando que [...] hegemonia é o poder adicional que advém a um grupo dominante em virtude de sua capacidade de guiar a sociedade numa direção que não só serve aos interesses do grupo dominante como também é percebida pelos grupo subordinados como a serviço de interesses mais gerais.

40 37 eurodólares. O crescimento destes mercados proveu aos especuladores cambiais um meio de manobra para jogar contra o sistema de câmbio fixo controlado pelos Estados Unidos 34. Portanto, o que se pode denotar é o caráter paradoxal da política estadunidense, sobre o qual Arrighi (2008, p ) diz que [...] o sucesso na equiparação cria novos concorrentes e a concorrência intensificada exerce pressão de baixa sobre o lucro das principais empresas. Na medida em que foi um resultado imprevisto do projeto da Guerra Fria, isso não constituiu apenas uma limitação, mas também uma contradição da política norte-americana. Não obstante, à crise de lucratividade somaram-se os efeitos da Guerra do Vietnã ( ) no balanço de pagamentos dos Estados Unidos. O custo da guerra com a mobilização de equipamento militar e as despesas públicas a fim de superar a oposição interna à guerra por meio do programa Grande Sociedade - contribuiu fundamentalmente para o arrocho do lucro e a pressão inflacionária do país. Em termos da geopolítica do sistemamundo, a Guerra do Vietnã representou relativa rejeição, por parte das populações do que na época era rotulado de Terceiro Mundo, do status quo decretado por Yalta. E, sumariamente, o Vietnã tornou-se um símbolo tão importante não só por ter representado um golpe econômico contra a capacidade dos Estados Unidos em se estabelecerem como um poder economicamente dominante 35, como também representou fundamental impacto sobre o prestígio norte-americano de peso político-militar, sendo que o resultado foi que os Estados Unidos perderam boa parte de sua credibilidade política como polícia do mundo [...] (ARRIGHI, 2008, p. 165). O declínio do prestígio norte-americano atingiu ponto crítico no fim da década de 1970, com a Revolução Iraniana, o aumento do preço do petróleo, a invasão soviética do Afeganistão e a séria crise de confiança em relação ao dólar americano 36. O primeiro ponto 34 Além do crescimento do mercado de eurodólares, com a crise de lucratividade houve também uma crise das empresas com integração vertical e administração burocrática, propiciando o surgimento de formas híbridas de negócios empresariais, ou seja, descentralizou-se a produção fora do domínio organizacional de forma que as empresas [...] deixaram em nível mínimo os empregos permanentes ( centrais ) e deslocaram o máximo possível dos contingente ( periféricos ) para os extremos da rede, muitas vezes em localização geográficas diferentes (ARRIGHI, 2008, p. 181). Tal transbordamento se deu principalmente para países do Leste Asiático, onde os custos de produção e de mão-de-obra eram mais baratos. 35 De acordo com Hobsbawn (1996), quando a Guerra Fria terminou, restava tão pouco da hegemonia econômica americana que mesmo a hegemonia militar não podia mais ser financiada com os recursos do próprio país. 36 Tais empreendimentos provocaram um ataque especulativo devastador à moeda americana, que ameaçou a posição do dólar como moeda de reserva internacional. Entretanto, acrescenta-se que no fim da década de 1970, o euro ainda não havia sido estabelecido, o marco alemão e o iene japonês estavam em rápida valorização e não tinham peso econômico suficiente, portanto, havia pouca alternativa viável ao dólar como moeda internacional. Arrighi (2008, p. 211) aponta que a situação, hoje, é bem diferente. Os governos importantes ainda podem se

41 38 desgastou de forma significativa o governo Carter, devido à ação de fundamentalistas xiitas em Teerã, inclusive com a invasão da embaixada americana e a falha de tropas americanas em resgatar funcionários tomados como reféns. Quanto ao segundo, pode-se dizer que a continuidade intensificada da concorrência entre capitalistas e do esforço dos países de baixa e média renda no sentido da industrialização já haviam provocado aumento considerável no preço das matérias-primas antes de No entanto, diante da derrota dos Estados Unidos no Vietnã e da Guerra do Yom Kippur, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) impuseram um aumento, em poucos meses quadruplicado, no preço do petróleo bruto, objetivando proteger seus membros contra a depreciação do dólar. Obviamente, este primeiro choque do petróleo aprofundou a crise de lucratividade estadunidense, ajudada pelos gastos com a invasão do Afeganistão 37. Diante da crise de superprodução - que para Chesnais (1998) e Brenner (2003) se tornou crônica - e do que foi chamada de estagflação estadunidense, em houve a reestruturação do sistema com a chamada contrarrevolução monetarista (de 1979 a 1982), ou seja, a reversão súbita da política monetária norte-americana, dada pelo abandono do sistema de taxas de câmbio fixas estabelecidas em Bretton Woods a favor do padrão dólar-flexível. Tal troca deu novo ímpeto à financeirização do capital, na medida em que parou de suprir o sistema com liquidez e passou a competir de forma mais agressiva pelo capital através de políticas de altas taxas de juros somadas a incentivos fiscais. Assim, a valorização forçada do dólar provocou o redirecionamento maciço do fluxo de capital para os Estados Unidos, o que fez com que os Estados Unidos passassem de maior fonte de liquidez mundial e de investimentos externos diretos, como nas décadas de 1950 e 1960, para a maior nação credora e absorvedora de liquidez do mundo, desde a década de (ARRIGHI, 2008, p. 155). Era senso comum nos Estados Unidos a interpretação de que o ciclo de crescimento dos anos 1990, comparado ao desequilíbrio da União Européia e à estagnação do Japão, constituía-se prova irrefutável da reversão do processo de decadência e da recomposição da hegemonia econômica dos Estados Unidos. Em verdade, apesar de tal justificativa ter servido aos propósitos expansionistas da Casa Branca e em que pese o desenvolvimento desigual aparentemente ter beneficiado os Estados Unidos, dada a falsa exuberância, o declínio da dispor, em grande medida, a cooperar com o governo dos Estados Unidos para preservar o padrão-dólar. Mas essa boa vontade tem bases diferentes e menos favoráveis aos Estados Unidos das da década de O governo elevou os gastos militares vinculados à guerra no Afeganistão e no Iraque em 6% em 2001 e 10% em 2002 (BRENNER, 2006, p. 131 apud CORSI, 2009). 38 Política iniciada no último ano do governo Carter e implantada com vigor no governo Reagan.

42 39 liderança econômica continuou em curso e as causas deste processo, em vez de suavizadas ou removidas, foram aprofundadas 39. Arrighi e Sylver (2001, p. 285) apontam: [...] a vitória na Segunda Guerra Fria transformou os Estados Unidos na maior nação devedora. Desde então, a liberdade de ação dos Estados Unidos como principal protagonista da política mundial ficou sujeita a atemorizantes restrições financeiras, que a pretensa retomada econômica financeira norte-americana da década de 1990 pouco contribuiu para aliviar. Alia-se a isto o fato de que a prosperidade recém-descoberta baseava-se na transferência da crise de um conjunto de relações para outro. Era apenas questão de tempo até que a crise ressurgisse de forma mais problemática, portanto, o pior ainda estava por vir 40. De fato, os Estados Unidos reduziram os juros e ampliaram os créditos. Devido à baixa remuneração no centro do sistema, os capitais ávidos por valorização a sustentaram - boa parte por meio de especulação com ações, títulos e moedas das próprias economias periféricas - em certos mercados periféricos que passavam por um processo de reestruturação de dívidas externas e de abertura das economias nacionais ao encontro do receituário do Consenso de Washington 41. Em curto prazo, expansões como estas tendem a estabilizar a ordem existente porque permite o repasse do fardo da intensificação da concorrência. Entretanto, em longo prazo, as expansões tendem a desviar o poder de compra do investimento para a acumulação e especulação, desestabilizando a ordem em vigor. Destarte, tal quadro de dominância do capital financeiro delineou paulatinamente uma dinâmica econômica instável pautada em bolhas especulativas, cujas origens já haviam sido evidenciadas no âmbito da crise nas bolsas de valores em 1989 e do estouro da bolha imobiliária e financeira no Japão, que conduziram a recessão de (CORSI, 2009). A valorização fictícia do dólar não resistiu por muito tempo, e a bolha especulativa da Nasdaq estourou em fins de A desvalorização do dólar que se seguiu entre 2001 e 2004, em vez de reduzir o déficit comercial norte-americano 42, fez com que batesse novo recorde de 617,7 39 A retomada econômica norte-americana da década de 1990, e a constante dependência da economia mundial em relação ao crescimento econômico dos Estados Unidos, basearam-se num aumento do endividamento externo norte-americano sem precedentes na história do mundo (ARRIGHI, 2008, p. 173). 40 ARRIGHI, G. The Long Twentieth Century. In: ARRIGHI, G. Adam Smith em Pequim: Origens e fundamentos do século XXI. Tradução Beatriz Medina. São Paulo: Boitempo, p Vale lembrar o tipo de política dos anos 1930 de "beggar-thy-neighbor" ("empobrece teu vizinho"), que tinha por instrumento usar tarifas alfandegárias a fim de aumentar a competitividade de produtos nacionais de exportação e, assim, reduzir os déficits da balança de pagamentos. 42 Em 2002, o déficit era de US$158 bilhões (GREESNPAN, 2008, p. 226).

43 40 bilhões de dólares. Nesse sentido pode-se referir que o déficit estadunidense em transações correntes aumentou desde 1990, quer em seus momentos de valorização, quer quando de desvalorização (ARRIGHI, 2008, p. 209). Ainda assim, houve recuperação de certo dinamismo a partir de 2003 da economia norte-americana, que se deu graças à formação de uma nova bolha especulativa imobiliária a partir da atuação do FED em reduzir também os juros norte-americanos de longo prazo. Já entre 2000 e 2003, as taxas de juros de longo prazo vinham despencando os juros dos títulos do Tesouro de dez anos caíram de 7% para menos de 3,5% (GREENSPAN, 2008, p. 221). Com a queda dos juros cobrados sobre as hipotecas, a demanda por imóveis se elevou principalmente pelo segmento subprime 43. Como bem aponta Greenspan (2008, p. 223) booms atraem bolhas, e mesmo que o incremento do consumo tenha alavancado o crescimento da economia, deu-se a crise de liquidez (retração do crédito) no sistema financeiro em 2007, devido à alta taxa de inadimplência e às aversões ao risco, que levam investidores em ações a sair das Bolsas. Para Costa (2007) e Chesnais (2007) a crise aberta em agosto de 2007 foi uma crise anunciada 44. Em vista de não ter havido uma crise de proporções mais profundas, boa parte devido ao fato de processos, até então pouco visíveis, estarem tornando a dinâmica da economia mundial mais complexa - a emergência da China como um dos pólos de crescimento da economia mundial - Arrighi (2008, p. 212) disserta corretamente sobre a questão ao dizer que Na verdade, a queda do dólar na década de 2000 é a manifestação de uma crise muito mais grave da hegemonia norte-americana do que a queda do dólar na década de Seja ela gradual ou violenta, é a manifestação (e o fator) da perda relativa e absoluta da capacidade dos EUA de manter a centralidade no interior da economia política global. Para aquém das dificuldades monetárias, na tentativa de manter sua posição em relação à acumulação de capital, os Estados Unidos também expandiram e intensificaram militar e politicamente seu poder desde o decorrer da retração e da pretendida belle époque, quando a capacidade militar global concentrou-se de forma consolidada nas mãos do país. A partir de tal concentração como cenário internacional, os Estados Unidos promoveram longa série de confrontos militares depois da derrota no Vietnã, como a fuga do Líbano, depois do bombardeio da base de Fuzileiros Navais em Beirute. Também travaram guerras por 43 Também chamado de crédito de segunda linha, o subprime refere-se ao segmento que engloba pessoas com histórico de inadimplência e que, por conseqüência, podem oferecer menos garantia de pagamento. 44 Apud Corsi (2009, p. 31).

44 41 procuração (Nicarágua, Camboja, Angola, Afeganistão e apoio ao Iraque na guerra contra o Irã) contra inimigos insignificantes (Granada e Panamá) ou em área em que a alta tecnologia do aparato norte-americano tinha vantagem absoluta (Líbia) (ARRIGHI, 2008, p. 189). Ainda, o país liderou a invasão militar a partir de tropas e aviões na Arábia Saudita na Guerra do Golfo ( ) e, no âmbito da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), envolveu-se no Conflito do Kosovo ( ). Além de a invasão do Kwait por Saddam Hussein, na Guerra do Golfo 45, ter criado a oportunidade para a mobilização dos Estados Unidos a fim de testar seu poder de fogo, Arrighi (1008, p. 190) denota que o Conflito do Kosovo pretendeu mostrar que [...] o endosso prévio da ONU às ações policiais que os Estados Unidos resolvessem realizar era bem-vindo, mas dispensável. Bastava o endosso mais confiável da Otan. Tais características militares unilaterais estadunidenses foram reforçadas com a reação do governo George W. Bush ( ) aos ataques ao World Trade Center e ao Pentágono, estes fortuitamente oferecidos como casus belli para o público norte-americano. Era a oportunidade esperada para que fosse implementada uma nova estratégia imperial, a qual Cheney, Rumsfeld e Wolfowitz 46 vinham elaborando e apoiando havia muito tempo: o Projeto para o Novo Século Norte-Americano 47. Tal projeto abriu caminho para promoção de uma política externa de equilíbrio do terror, na qual as invasões do Afeganistão e do Iraque ( ) pretendiam ser os primeiros movimentos táticos dentro de uma estratégia de longo prazo que visava utilizar o poderio militar para impor o controle norte-americano sobre os principais centros de petróleo e, posteriormente, sobre a economia global durante outros cinqüenta anos ou mais. Sendo assim, Osama Bin Laden lhes deu o poder de mobilização popular e os alvos 48. Sobre o aspecto da política para o Novo Século Norte-Americano, Vigevani e Oliveira (2001, p. 71) assinalam que [...] este novo perfil unilateral, agressivo e ofensivo na condução da política externa americana tem transformado a forma de os Estados Unidos exercerem sua liderança, 45 A Guerra do Golfo, em que resgatou um pouco da autoconfiança que os EUA haviam perdido na Indochina, no Irã e no Líbano -, foi inteiramente custeada por outros países [...] demonstrou que os EUA já não dispunham dos recursos para financiar uma guerra que terminou em alguns dias. (HOBSBAWM, 1994, p. 242). 46 Dick Cheney era running mate de George W. Bush nas eleições de 2000, e foi eleito como 46º vicepresidente dos Estados Unidos. Donald Rumsfeld foi Secretário da Defesa dos Estados Unidos da América durante o primeiro mandato de George W. Bush. Paul Wolfowitz foi presidente do Banco Mundial entre 2005 e 2007, e é considerado, junto aos políticos supracitados, arquiteto da política externa dos Estados Unidos no governo Bush. 47 Para detalhes sobre o Projeto para o Novo Século Norte-Americano, ver o site: <www.newamericancentury.org>. Acesso em: 15 out MANN, M. Incoherent Empire. London: Verso, p. 9.

45 42 tem gerado cada vez mais dificuldades para a manutenção de seu soft power e elevado a necessidade de intervenção através do hard power. Mesmo com a afirmação cada vez maior do poderio militar dos Estados Unidos, já em 2005, não só o exército do país parecia incapaz de finalizar a empreitada no Iraque, como também passou a enfrentar uma falência de qualidade moral semelhante ao ocorrido no Vietnã. Arrighi (2008) fala numa persistência da Síndrome do Vietnã, na medida em que, mesmo com a enorme força coativa estadunidense, pouca credibilidade internacional foi dada aos empreendimentos unilaterais norte-americanos. Em discurso, George W. Bush (2007) proferiu palavras que corroboraram com a sensação de síndrome em ter dificuldades de superar a resistência de um adversário militar comparativamente insignificante: Ao contrário do que aconteceu no Vietnã, se retirássemos antes de o trabalho estar feito, o inimigo seguir-nos-ia até casa. E isso é porque, para a segurança dos Estados Unidos da América, temos de derrotá-los lá fora, para que não os tenhamos de enfrentar nos Estados Unidos da América 49. Tal pronunciamento se deu num momento em que a deflação de credibilidade das políticas norte-americanas atingia seu clímax devido não só às investidas militares que para Arrighi (2008, p. 199) longe de ser o primeiro ato de um novo século norte-americano, muito provavelmente será o último ato do primeiro e único século norte-americano, o longo século XX -, mas também à escalada do déficit nas transações correntes do seu balanço de pagamentos. Este reflete a deterioração da posição competitiva das empresas norteamericanas em termos internacionais, as diversas recessões financeiras com repercussões globais 50 e a queda de credibilidade do dólar enquanto moeda de reserva internacional. Adicionalmente, as políticas econômicas ditadas pelo fundamentalismo de mercado neoliberal da década de estabelecidas na cartilha do Consenso de Washington President Bush Attends Veterans of Foreign Wars National Convention, Discusses War on Terror. Kansas City Convention and Entertainment Center, 22 ago Disponível em: <http://georgewbushwhitehouse.archives.gov/news/releases/2007/08/ html>. Acesso em: 20 abr Somam-se no mínimo seis crises: recessão de , México-1994, Sudeste Asiático-1997, Rússia/Brasil/Argentina-1998 e 1999, recessão e crise da bolha imobiliária em O que se convencionou chamar de Consenso de Washington resultou de conclusões de uma reunião na capital dos Estados Unidos, em novembro de 1989, com a presença de funcionários do governo americano e dos organismos internacionais ali sediados: FMI, BID e Banco Mundial, todos especializados em assuntos latinoamericanos. O encontro, convocado pelo Institute for International Economics, sob o título Latin American Adjustment: How Much Has Happened?, contou, também, com a presença de economistas da região, e tinha como objetivo avaliar os resultados das reformas econômicas já sendo executadas em alguns dos países representados.

46 43 falharam no Sul global, uma vez que o redirecionamento maciço do fluxo de capital para os Estados Unidos, provocado pela contrarrevolução monetária, reverteu o fluxo de capital que estava sendo recebido pelo Sul global, projetando-os num cenário de empréstimos, renegociações de altas dívidas e insolvência. Tal fato também colocou em xeque as políticas desenvolvimentistas, sobretudo na América do Sul, e implicou uma dependência crescente destes países em relação a instituições financeiras internacionais. No sentido da percepção das contradições do que então se tornou um Dissenso de Washington, houve ascensão paulatina de governos considerados de esquerda na América Latina 52 o chamado Giro a La Izquierda -, dotados de discursos progressistas, próintegração latino-americana e de certa contraposição aos interesses dos Estados Unidos. Segundo Russel e Tokatlian (2008, p. 8): No final dos anos 1990, mudanças profundas na política venezuelana mostraram a vontade de um novo líder, Hugo Chávez, de ressuscitar uma estratégia de oposição aos Estados Unidos. Ao mesmo tempo, sem tanta estridência, outros países ampliaram seus espaços de resistência no que diz respeito às preferências norteamericanas, combinando diferentes formas de acomodamento e de oposição que colocaram em evidência uma diversidade regional em grande parte oculta nos anos 90. Em contrapartida, certas regiões Ásia, particularmente a China - puderam se beneficiar do redirecionamento do fluxo de capital, na medida em que apresentavam boa vantagem na concorrência pela participação na expansão da demanda norte-americana por produtos industriais de baixo preço. Isto se deu porque a melhora do balanço de pagamentos destas regiões reduziu a necessidade de competir com os Estados Unidos no mercado financeiro mundial e chegou a transformar algumas delas, inclusive, em credoras dos mesmos 53. De acordo com Arrighi (2008, p. 213), tal fato talvez pareça em retrospecto, o maior fracasso do projeto imperial neoconservador: permitir que a China se torne o possível novo centro da economia política global. Nesse sentido, pode-se apontar que o sucesso dos Estados Unidos como potência hegemônica criou as condições para seu próprio declínio paulatino. Ao pressupor a liderança associada à hegemonia, repousada sobre a capacidade do grupo dominante de apresentar-se como portador de um interesse geral e de ser percebido assim, visualiza-se um cenário 52 Fazem parte deste hall países como Brasil, Venezuela, Bolívia, Equador, Argentina, Paraguai e Uruguai. 53 Os financiadores mais importantes do déficit norte-americano em transações correntes foram os governos da Ásia oriental, que se dedicaram a compras maciças de títulos do Tesouro norte-americano e a acumular reservas em dólar.

47 44 internacional no qual falta ao pretendido hegemón norte-americano a credibilidade de se fazer percebido pela comunidade internacional como um bom condutor do sistema de Estados. Arrighi (2008, p. 160) utiliza-se do termo crise de hegemonia para designar a situação em que falta ao Estado hegemônico dominante os meios ou a vontade de continuar conduzindo o sistema de Estados numa direção em geral considerada capaz de expandir não só seu poder, como também o poder coletivo dos grupos dominantes do sistema. Para o autor, a crise de lucratividade, a estagflação, e os resultados da investida falha no Vietnã na década de 1970 figuraram como uma crise sinalizadora do declínio da hegemonia norte-americana. Dado que tais crises não foram de todo solucionadas, mas remediadas e até mesmo aprofundadas, pode-se ver atualmente os desdobramentos do que ele denota como crise terminal ( ) de sua hegemonia. Ainda assim, os Estados Unidos permanecem dominantes no que tange ao poder político-militar do sistema internacional, configurando seu papel na arena internacional de dominação sem hegemonia (GUHA, 1992a, p apud ARRIGHI, 2008, p. 160). Tal situação é possível devido a uma originalidade geopolítica conjuntural: a centralização de capacidades sistêmicas, ou seja, houve a bifurcação das capacidades político-militares e financeiro-econômicas concentradas em diferentes atores do cenário mundial. Assim, o controle dos meios coativos globalmente eficazes concentrou-se no ventre da hegemonia em declínio, e os meios econômicos e de trocas comerciais está cada vez mais concentrado em agentes de menor relevância militar e distantes dos centros tradicionais de poder do sistema mundial moderno. Como bem aponta Arrighi (2001, p. 287): [...] diversamente das crises hegemônicas anteriores, a atual crise da hegemonia norte-americana concentrou ainda mais os recursos militares globais nas mãos do líder hegemônico em declínio e de seus aliados mais próximos. Tal como as crises anteriores, no entanto, ela deslocou os recursos financeiros globais para novos centros, dotados de uma vantagem competitiva decisiva nos processos de acumulação de capital em escala mundial. O centro hegemônico em declínio, portanto, fica na situação anômala de não enfrentar nenhum desafio militar digno de crédito, mas de não dispor dos meios financeiros necessários pra resolver problemas de nível sistêmico que exigem soluções de nível sistêmico.

48 45 Wallerstein (2011) também está de acordo com tal preposição quando aponta que [...] os Estados Unidos são hoje uma das menos estáveis entidades políticas no sistema-mundo [...] O declínio dos Estados Unidos não é o resultado de más decisões do seu presidente, mas de realidades estruturais no sistema-mundo 54. De fato, quando se aponta para o modelo de Wallerstein quanto aos processos estruturais distintos que caracterizam as crises hegemônicas, a saber: a intensificação da concorrência interestatal e interempresarial; a escalada dos conflitos sociais; e o surgimento intersticial de novas configurações de poder, percebe-se que estes estão sendo completados devido às transformações na política econômica do sistema mundial. A intensificação da concorrência interestatal e interempresarial se dá através do desenvolvimento desigual dos novos system-affecting states e sua maior voz nas mesas de barganha internacional, e através da ação crescente e cada vez mais relevante de novos atores transnacionais no direcionamento da economia-mundo, sobretudo após a fragmentação da forma organizacional tradicional de empresas multinacionais. A escalada de conflitos sociais é ilustrada basicamente pelas empreitadas unilaterais norte-americanas na Ásia Ocidental, e suas interferências internacionais em prol da Guerra ao Terror e da disseminação de bases democráticas. Já a emergência de regiões da Ásia oriental, maiormente da China como essencial Global Player nas esferas da economia política internacional, e de países do Sul global a exemplo dos BRICS-, consagra o surgimento de novas configurações de poder. No que tange a esta possível nova configuração da Ordem Mundial, Arrighi (2001, p. 298) declara que: Se o sistema vier a entrar em colapso será, sobretudo, pela resistência norteamericana à adaptação e à conciliação. E, inversamente, a adaptação e a conciliação norte-americana ao crescente poder econômico da região do Leste da Ásia é condição essencial para uma transição não catastrófica para uma nova ordem mundial Nesse sentido, Kissinger (2005) também concorda que é do interesse dos norteamericanos cooperar com a China na busca de um sistema internacional estável, e que os Estados Unidos precisam entender que o tom intimidador evoca na China lembranças de uma arrogância imperialista e isso não é apropriado [...] 55, além do fato de os Estados Unidos 54 WALLERSTEIN, I. As consequências para o mundo do declínio dos Estados Unidos. Diário Liberdade, 13 set Disponível em: <http://diarioliberdade.org/index.php?option=com_content&view=article&id=19499:as-consequencias-para-omundo-do-declinio-dos-estados-unidos&catid=100:outras-vozes&itemid=21.>. Acesso em: 12 set KISSINGER, H. China: Containment Won t Work. The Washington Post, 13 jun

49 46 poderem confiar nos mecanismo político-econômicos de caráter ocidental fundados por eles no pós-segunda Guerra Mundial. Num outro extremo, e partindo do pressuposto de que a emergência da China como grande potência se chocará com os interesses norte-americanos, Kaplan (2005) elabora uma estratégia para conter o poder chinês através de uma coalizão de equilíbrio sob o codinome Comando Norte-Americano do Pacífico (Pacon), estabelecida entre os Estados Unidos e diversos países interessados em neutralizar a emergência chinesa, de forma a arremeter à série de impasses no estilo da Guerra Fria 56. Para Arrighi (2008, p. 315) muitas das estratégias propostas para determinar uma política externa estadunidense tangente à emergência da China, ignoram completamente a história chinesa e baseiam-se numa leitura bastante simplista da História ocidental. É claro que é necessário fazer uma leitura seletiva do passado para abrir caminho na grande muralha de incógnitas que cerca as possíveis conseqüências da ascensão da China. Claramente, o renascimento da China é tanto produto de seu esforço particular em direção ao crescimento econômico aproveitando as contradições da liderança hegemônica-, quanto da herança geo-histórica do Leste da Ásia. Considerando que a disseminação do renascimento econômico para a República Popular da China acrescenta uma dimensão desafiante à Nova Ordem Internacional, faz necessário o estudo do processo de reforma político-econômica pelo qual a China esteve incumbida durante os últimos 33 anos. 56 KAPLAN, R. D. How We Would Fight China. The Atlantic Monthly, jun

50 47 3 China redesenhando a Nova Ordem Mundial Esta sessão tem por escopo a descrição e a investigação das transformações internas aplicadas pela China enquanto elementos endógenos de sua posterior inserção internacional, bem como discutir os princípios basilares da ascensão chinesa no que se convencionou denominar desenvolvimento pacífico chinês. Primeiramente, analisa-se os ensejos e o processo da reforma de suas estruturas, focando em direção à descentralização administrativa, à revisão dos impostos e do sistema fiscal, à reforma empresarial estratégia de reter as grandes, soltar as pequenas, à firmação do país enquanto uma economia de mercado socialista com características chinesas, à política de portas abertas e a instituição das Zonas Econômicas Especiais (ZEEs) e, finalmente, aos elementos internacionais da reforma, fluxos de Investimento Estrangeiro Direto (IED) e o comércio baseado nas redes de relacionamentos (guanxi) dos chineses ultramar. Em seguida, apontam-se perspectivas da inserção internacional da China tanto enquanto potência regional quanto potência global, de forma a averiguar seus interesses e discursos domésticos numa provável e bem quista reformulação do cenário internacional, através da articulação chinesa com outros países em desenvolvimento no âmbito de foros multilaterais. Analisa-se, desta forma, a intenção chinesa em divulgar e realizar um mundo harmonioso no qual a própria China e seus países parceiros, possam coexistir pacificamente, rumo à uma cooperação mútua. 3.1 改 革 开 放 Gaige Kaifang Reforma e Abertura Com a morte de Mao Zedong em setembro de 1976 e a posterior prisão dos seus principais apoiantes, deu-se um impacto inverso no destino dos dirigentes chineses que, de uma forma ou de outra, tinham sido atingidos pela turbulência da Revolução Cultural. Um dos mais proeminentes, Deng Xiaoping 57 voltou a assumir as funções de Vice-Primeiro Ministro em 1977, enquanto o pouco conhecido sucessor de Mao, Hua Guofeng, dirigia o governo. A influência de Deng aumentou sobremaneira, já que àquelas funções juntou as de Vice- Presidente do Partido Comunista Chinês (PCC) e de Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas. Este fato foi determinante para a sua chegada à suprema liderança, em 1978, na III 57 Em 1966, Deng Xiaoping foi criticado e acusado de defender a estatização da economia à moda soviética. Por também abrir inquéritos contra funcionários do partido, Deng foi expurgado de suas funções no PCC (MITTER, 2011).

51 48 Sessão Plenária do XI Comitê Central do Partido Comunista Chinês, e conseqüente capacidade de implementação das reformas econômicas que transformaram a face da China desde então. O líder caracterizou-se por assumir uma atitude pragmática e que se sintetizava na frase Pouco importa a cor do gato, contanto que cace ratos, ou seja, qualquer medida que permitisse o crescimento econômico devia ser promovida pelo governo e ser rapidamente difundida, o contrário seria feito àquelas medidas que não conduzissem ao crescimento e gerassem instabilidade. Deng lançou as Quatro Modernizações, que foram direcionadas aos seguintes setores, indústria, agricultura, forças armadas e tecnologia e se desdobraram em medidas, tais como, a redução e controle do Estado sobre as províncias, a privatização de empresas estatais, a desregulamentação da atividade econômica e a reforma agrária. Na prática, sua política se definiu não por um caráter capitalista ou socialista das medidas, mas sim em termos do crescimento econômico e do incremento do nível de vida da população. Assim, a retórica da Revolução Cultural fora relegada, pois a idéia de uma revolução contínua perdeu seu ímpeto devido aos conflitos entre a facção conservadora do Partido Comunista Chinês (PCC) e a burocracia partidária que atrasavam o desenvolvimento econômico e impediam o avanço do ideal socialista no país 58. Deng adotou como lema pessoal o slogan Procure a verdade dos fatos, que já havia sido utilizado por Mao na década de 1930, e que serviu para que o novo dirigente indicasse ao povo chinês que a verdade e os fatos haviam estado ausentes da cena política durante as empreitadas do antigo dirigente (MITTER, 2011, p. 72). Para ele, o anti-intelectualismo e a xenofobia da Revolução Cultural estavam sendo nocivos para o país em termos econômicos. Wan Hui (2006) aponta que, muito provavelmente, a origem das reformas deve-se à reação, aprovada dentro e fora do Partido Comunista da China 59, contra lutas faccionais e o caráter caótico da política nos últimos anos da Revolução Cultural. E ainda que a Revolução Cultural tenha sido relegada, o PCC não repudiou a Revolução Chinesa, nem os valores socialistas, nem a essência do pensamento de Mao Tsé-Tung 60. Também para Arrighi (2008, p. 379), [...] desse ponto de vista, por mais 58 Spence (2000) aponta que a Revolução Cultural chinesa foi um movimento complexo que durou de 1966 a 1976 e afetou a China devido aos conflitos entre Mao Zedong e outros altos dirigentes do Partido Comunista Chinês. 59 No que tange à aceitabilidade, Arrighi (2008, p. 379) diz que a Revolução Cultural não só ameaçou o poder das autoridades estatais-partidárias e as conquistas sociais e políticas da Revolução Chinesa, como ameaçou também todo o componente modernista da tradição revolucionária. Assim, o repúdio daquela em favor das reformas econômicas foi apresentado e aceito como essencial para a retomada do componente modernista. 60 WANG, H. Depoliticized Politics, From East to West. New Left Review, v. 2, n. 41, p , Disponível em: <http://www.newleftreview.org/a2634>. Acesso em: 15 ago

52 49 dolorosa que tenha sido a experiência para as autoridades e os intelectuais urbanos, a Revolução Cultural consolidou as bases rurais da Revolução Chinesa e lançou os alicerces para o sucesso das reformas econômicas. Além de que sem a revolução industrial da era de Mao, os reformadores econômicos que emergiram à proeminência na era pós-maoísta teriam pouco para reformar. 61 De fato, a combinação da base produtiva construída durante a época de Mao com os incentivos oferecidos pela reforma agrícola através do sistema de Responsabilidade Familiar 62, permitiu um boom da produção agrícola entre 1979 e Já no início dos anos 1950, as comunas ampliaram enormemente as terras agrícolas irrigadas, além de difundir tecnologias relacionadas à produtividade (como fertilizantes) 63. Tal produtividade então aumentou de forma extraordinária, o que, posteriormente, permitiu que os agricultores chineses realizassem negócios fora de suas aldeias natais, nas novas Empresas de Aldeia e de Municípios (EAMs) de propriedade coletiva (ARRIGHI, 2008, p. 366). Segundo Pei Changhong (2004), a produção de grãos aumentou de 304,77 milhões de toneladas em 1978 para 508,38 milhões em 1999, de modo que o padrão de vida melhorou nas áreas rurais. Além disso, oportunidades de emprego maiores para o habitante do campo foram dadas pela industrialização rural com as EAMs, com o valor da produção da indústria coletiva rural alcançando bilhões de reminbis (RMBs) em 1998, o equivalente a 38,4% do valor da produção da indústria nacional. Tais EAMs 64, empresas de propriedade coletiva, eram fonte de riqueza tributária rural para o governo e, além de aliviar o fardo fiscal sobre os camponeses, também promoveram pressão competitiva de forma a direcionar todas as empresas, não apenas as estatais, no sentido de melhora de desempenho e também a reinvestir os rendimentos localmente de acordo com tal desempenho. Elas beneficiavam-se de grande flexibilidade, fruto da ausência de sindicatos e de encargos trabalhistas, e do baixíssimo custo da mão de obra, além de se 61 MEISNER, M. Mao s China and After. A History of the People s Republic, 1999, p O sistema de Responsabilidade Familiar envolvia uma multiplicidade de maneiras de organizar o trabalho rural e distribuir suas rendas, de forma a responsabilizar os locais pelas operações mediante o contrato familiar. Este atribuía a cada família a posse de um lote de terras, mas não o direito de comercializá-lo, em troca do pagamento pelo grupo das taxas oficiais e entregas de cereais (FISHMAN, 2006). 63 O sistema da comuna popular foi abolido e o deconcessão de terras reformulado. Estabeleceu-se a prática do sistema de contrato com a unidade familiar, enquanto a organização coletiva provia o sistema de apoio para a família agricultora. A reforma rural inclui ainda a liberdade de circulação para produtos agrícolas, tendo sido estabelecido um sistema de mercado próprio. Foi dada orientação ao mercado no tocante a preços de compra e venda de produtos agrícolas, possibilitando a organização do próprio agricultor no tocante ao mercado em geral e ao surgimento do mercado rural (PEI, 2004). 64 Também referenciadas como Empresas de Vilas e Municípios (EVMs) ou Township and Village Enterprises (TVEs). Para Arrighi (2008, p. 369) Apesar ou talvez por causa de sua variedade organizacional, as EAMs podem ter desempenhado papel fundamental na ascensão econômica chinesa, assim como as empresas com integração vertical e administração burocrática na ascensão norte-americana um século atrás.

53 50 beneficiaram também do apoio dos governos locais, fundamental para o acesso ao financiamento 65. Estas empresas são talvez o melhor exemplo nas condições de transição em que se encontrava a China, na medida em que se encontravam em posição intermediária entre as empresas de propriedade estatal, próprias da antiga ordem, e as empresas privadas, próprias da economia de mercado. Neste sentido, são empresas capazes de aproveitar as vantagens de ter caráter público e incentivo estatal e ao mesmo receber o impulso de serem regidas por um sistema de preços competitivos 66. Desta primeira experiência reformista, retira-se que a nova estrutura econômica não alteraria a natureza política do sistema socialista, pois a essência das reformas seria a construção da base material através da abertura econômica, porém com a manutenção da ditadura democrática popular, centralizada pelas decisões do PCC. Assim sendo, a construção do socialismo chinês pressupunha um mercado sujeito às regras e ao controle das atividades macroeconômicas pelo Estado socialista, cuja função principal seria a distribuição dos recursos através da conjugação dos interesses do povo. Nesse sentido, em uma economia onde se predominava o sistema de planejamento central, as regras do jogo institucional foram resultado das iniciativas pioneiras. Num período de transição, foi cauteloso que as antigas regras não fossem descartadas, e sim que continuassem representando um rol importante na medida em que as novas regras fossem ganhando espaço. Assim, mediante este processo gradual e sem fortes rupturas, as velhas estruturas foram sendo substituídas somente em alguns setores 67. Tal estratégia de transição é pré-condição para que se pense no sucesso e na manutenção das reformas de abertura. Enquanto outras economias asiáticas, como Rússia e República Checa, centralmente planificadas buscaram diretamente suas estratégias de desenvolvimento dentro de um contexto capitalista de mercado a partir de um quase tratamento de choque, a China utilizou-se - emprestando um termo de Teoria Econômica - de uma estratégia learning-by-doing, implementando a abertura econômica paulatina de forma a analisar seus retornos e falhas. Além da reforma industrial rural e do desenvolvimento 65 Kynge (2007) destaca o caráter espontâneo e pouco planejado desse processo 66 [...] boa parte do crescimento econômico chinês pode ser atribuída à contribuição das EAMs para o reinvestimento e a redistribuição do lucro industrial nos circuitos locais e para o seu uso em escolas, clínicas e outras formas de consumo coletivo. Além disso, nas EAMs em que há distribuição de terras relativamente igualitária entre as famílias [...], os moradores podiam ganhar a vida combinando o cultivo intensivo em lotes minúsculo com o trabalho na indústria e em outras atividades não agrícolas. (ARRIGHI, 2008, p. 369). 67 Devido à característica de sequenciamento das políticas modificadas, a estas se estabeleceu o caráter de reforma incremental - zengliang gaige 怎 两 改 革. (QUIAN; WU, 2000, p. 5).

54 51 do empreendimento municipal supracitados, o sucesso da economia chinesa deve-se também à descentralização administrativa (CAI, 2006). Segundo Gall e Fang (1995, p. 6): A descentralização tem sido o principal traço da reforma desde 1978, mudando o funcionamento da economia chinesa. Ela criou mais economias locais poderosas à medida que as decisões no setor público foram dispersadas. [...] Uma definição estreita de descentralização, que se aplica à China de hoje, significa a transferência da tomada de decisões para os governos locais, empresas de propriedade do Estado (EPEs) e bancos estatais. Trata-se de uma descentralização dentro do setor público, sem mudança de propriedade. Essa definição-restrita de descentralização difere da liberalização econômica, que é a remoção das restrições governamentais à atividade econômica privada Descentralização: o Central e o Local A questão central-local foi questão-chave na reforma econômica da China. O objetivo da descentralização foi delegar parte do poder econômico central para os governos locais, aliviando as possíveis tensões acerca da abertura econômica entre o governo central e o local em longo prazo. Assim, os governos locais passam a ter maior autonomia para aprovar projetos de investimento estrangeiro e taxas para as empresas estrangeiras, alocar recursos, e ampliar o mercado local em favor da própria economia local (SHIRK, 1994, p. 31). Ainda assim, mesmo com a descentralização das decisões e ações econômicas, o processo de mudanças continua sendo dirigido pelo próprio Estado, ou seja, o governo central é responsável pela segurança nacional e pela coordenação regional, e o governo local lidera as experiências institucionais e de desenvolvimento. Tal processo de descentralização se alargou a outros domínios. Gall e Fang (1995, p. 7) esclarecem que ela tem abrangido quase todas as decisões sobre produção, preços, investimentos, comércio exterior, distribuição de renda, tributação e crédito. Concedeu-se autonomia a ministérios, governos locais de vários níveis, empresas e bancos estatais. Um importante domínio foi a transferência para as empresas públicas de parte das responsabilidades sobre elas até então detidas pelos órgãos governamentais de gestão, iniciando-se assim um processo de descentralização de tomada de decisões e de maior responsabilização das empresas pelos resultados econômicos e financeiros obtidos. A estratégia consistia em ampliar o papel das forças de mercado, ao mesmo tempo em que a preservação do planejamento central dava ao governo, que controlava setores estratégicos 68, maior capacidade de conduzir o processo. Constituiu-se assim um sistema de dual track, em que as empresas estatais, ainda submetidas ao Plano, obtiveram o direito de 68 Setores de energia, recursos naturais, metalurgia e telecomunicações.

55 52 vender o excedente no mercado. Tomando as obrigações do Plano como um tipo de imposto, as empresas passaram a se orientar pelos sinais de mercado. A contrapartida foi a retenção por estas de uma parte dos lucros alcançados devido ao sistema fiscal, além do fato de que a alta discrição dos gerentes das estatais ampliava as chances de corrupção. O grande desafio era encontrar formas de monitorar as empresas e impedir que a maior autonomia fosse acompanhada pela privatização da propriedade pública. Como outro contraponto, tem-se que as reformas introduziram estruturas de renda e de emprego mais diferenciadas e estratificadas, muito menos igualitária. As disparidades regionais de renda entre as regiões costeira e do interior, as desigualdades entre as áreas urbanas e as rurais, assim como a disparidade entre as próprias regiões rurais, estavam se ampliando simultaneamente ao crescimento acelerado da economia chinesa e à reforma descentralizadora do sistema fiscal. Sobre tal sistema fiscal, Pei (2004, p. 1) aponta que: Em termos práticos, os indicadores de planejamento foram transferidos da posição de comando para a referencial, pela qual o Estado prossegue com a meta econômica através da aplicação de diferentes ferramentas econômicas. Essas ferramentas incluem os meios de política fiscal, tais como despesa, taxação, subsídios e transferência de pagamento, e o controle da política monetária, como o índice de fundos preparatório para depósitos, o índice de redesconto e a performance do mercado público. Assim, os esforços no sentido de criar um sistema de controle da economia promoveram o progresso do sistema de planejamento fiscal e financeiro Revisão de impostos e do sistema fiscal Com as reformas de abertura, os instrumentos de arrecadação tributária concentraramse nos governos subnacionais, ou seja, havia grande descentralização da arrecadação, que, posteriormente, era transferida para o governo central. Entre estas esferas, um contrato era estabelecido de forma a esclarecer quais impostos cada uma arrecadaria e como seriam partilhados os recursos. Tal arranjo constitucional gerava conflitos, na medida em que os governos locais tinham a possibilidade de omitir receitas arrecadadas e não transferi-las ao governo central 69, ou seja, a descentralização dentro do setor estatal também pode gerar a assim chamada privatização espontânea, com a disseminação da corrupção e do roubo de ativos do Estado. (GALL; FANG, 1995, p. 6). 69 Estratégia realizada através da criação de tributos locais de contabilização extra-orçamentária e pelo baixo esforço de arrecadação dos tributos que deveriam ser enviados ao governo central.

56 53 O referido contrato encontrava-se dentro de um Sistema de Contratação Orçamentária (SCO), que foi o principal instrumento para remodelar as relações fiscais entre o governo central e os governos locais (GALL; FANG, 1995, p. 10), na medida em que era usado para transferir a carga fiscal do governo central para o local, de forma a estimular as autoridades locais a promover o desenvolvimento de suas economias. Assim, o governo central encarregase de fornecer recursos constituídos por impostos e remessas de lucros das empresas aos governos locais. O sistema é baseado na coleta de receitas sobre bases tributárias separadas por ambas as esferas governamentais 70. Este mecanismo dual track estabelecia que os preços locais estavam livres para variar dentro de uma margem, enquanto os preços centralmente planejados eram mantidos congelados durante certo tempo (WU; ZHAO, 1987; LAU; QUIAN; ROLAND, 2000 apud QUIAN; WU, 2000). Cada autoridade provincial assina o SCO com o governo central sobre uma quantidade fixa de receita a ser remetida durante um determinado período, sendo que os governos locais estão autorizados a reter o excedente, após a remessa do montante contratado, a fim de equilibrar seu próprio orçamento. Apesar do sucesso visto no que tange à realocação de recursos, o procedimento levava não só à relativa queda da arrecadação tributária - que caiu de 31,6% do PIB, em 1978, para 11,2%, em como também impedia que o governo central tivesse, em suas mãos, instrumentos de gestão macroeconômica. Muito embora A descentralização no setor estatal e a liberalização das atividades econômicas privadas podem estar interligadas. Quando têm poder para perseguir seus interesses próprios, os governos locais podem querer promover e proteger os negócios locais privados para aumentar a receita local. (GALL; FANG, 1995, p. 6). Também gerava um sistema tributário confuso, no qual cada província tinha seus tributos 71, implicando grande custo às empresas sediadas em mais de uma província. Havia, inclusive, negociações diretas entre as autoridades fiscais e as empresas sobre o montante de impostos a pagar, o que significava distinta carga fiscal para empresas de características semelhantes, com grande variação, também, entre províncias. Devido ao fato de a ampla descentralização ter trazido percalços tangentes á tributação, a partir de 1994, o governo 70 Este sistema foi chamado de eating in separated kitchens - fenzao chifan 分 灶 吃 饭 (KELLEE, 2004). 71 Eram estabelecidas a Câmara Nacional de Impostos e as Câmaras locais de imposto, cada uma responsável pelo recolhimento de suas próprias taxas locais. Os impostos foram divididos em três partes: os impostos do governo central, usados para a manutenção da habilidade de macrocontrole em escala nacional; os impostos regionais, referentes às necessidades locais; e impostos compartilhados, direcionados a dar suporte direto ao desenvolvimento econômico tanto em âmbito central quanto local (QIAN, 1999).

57 54 central reengendrou parte de suas políticas no sentido de trazer novamente para si o poder decisório, inclusive abolindo o mecanismo dual track de preços. Enquanto no momento imediato da reforma, as próprias províncias coletavam os impostos e enviavam a quantia estabelecida no contrato para o governo central, a partir daquele ano, o próprio governo central recolhia os impostos e posteriormente os realocava nas províncias. Gall e Fang (1995, p. 10) denotam que A principal idéia por trás disso é recentralizar os recursos. De acordo com esse novo arranjo, 75% do imposto sobre valor adicionado, que se tornaria uma fonte essencial de receita tributária, iriam para o governo central, ao passo que os governos locais esperariam pelas transferências dos cofres federais. Agora, as autoridades centrais decidem o quanto será transferido do governo central para os locais A reforma empresarial Devido às mudanças institucionais que foram sendo operadas a partir da reforma e o fato de que as empresas agora eram direcionadas a jogar pelas regras estabelecidas de um mercado aberto, instalou-se certa pressão de forma que elas deveriam, de acordo com as suas vantagens comparativas, alcançar uma alocação mais eficiente dos recursos, e, nesse sentido, configurar uma estrutura industrial que atendesse a esses novos requisitos. O que houve então foi uma transformação gradual das empresas sob bases experimentais. No setor da indústria estatal, houve a promoção de maior autonomia e o impulso a um sistema de empresas moderno. Numa economia planificada, as empresas estatais estavam sujeitas às diretrizes e aos objetivos do Estado. Dadas as novas condições, a conotação de mercado significou para as mesmas que, ainda que fossem dominantes, teriam que obter seu desempenho sob as competências exigidas pelo mercado, ou seja, seriam praticamente obrigadas a manter mecanismos econômicos flexíveis, e, nesse sentido, estabelecer um sistema moderno de empresas que as fizessem mais eficientes e competitivas. Já em 1984 acelerou-se o crescimento das empresas industriais privadas. Meza Lora (2007, p. 303) aponta que en un periodo de apenas tres años casi se duplicó el número de empresas industriales privadas rurales al pasar de 3.76 millones en 1985 a 6.39 millones para el año de Doravante, a partir de 1992, uma série de políticas econômicas foi emitida no sentido de promover as reformas das empresas públicas. As primeiras 14 estipulações foram emitidas pelo Conselho de Estado em julho deste mesmo ano, e versavam sobre a

58 55 legitimidade da nova autonomia das empresas estatais, a qual abrangia, dentre outros assuntos, contratações, demissões e alocação de capital de investimento (QUIAN, 1999). No entanto, se o Estado havia aplicado políticas para induzir à privatização das pequenas e médias empresas estatais, não poderiam fazer exatamente o mesmo com as empresas de grande porte, dado que tais empresas captavam os maiores níveis de emprego no setor urbano, eram a fonte mais importante de rendimentos auferidos pelo governo, produziam bens estratégicos para o crescimento industrial, além de que muitas delas produziam com eficiência e eram altamente competitivas. Eram, portanto, suporte essencial para o crescimento econômico e o desenvolvimento industrial. Logo, a importância estratégica destas empresas dificultava à autoridade governamental induzir políticas de privatização a curto prazo, tal como haviam feito para as pequenas empresas, sob pena de ocasionar desequilíbrios econômicos e sociais. Adiciona-se o fato de que alguns líderes do governo não tinham se desvencilhado completamente dos velhos conceitos ideológicos, tornando os custos potenciais da privatização destas empresas muito altos. Apesar disso, tais líderes estavam conscientes de que tampouco poderiam ficar inertes ante ao cenário em transição, onde a eficiência e a competitividade começavam a ser a norma para as transições em um quase-ambiente-de-mercado cada vez mais vigoroso (SAICH, 2001). Daí proveio a atitude assumida pelas autoridades, em março de 1994, de "reter" as grandes empresas e aplicá-las novos critérios de governança, sem a pretensão a curto prazo de modificar e diversificar abruptamente a estrutura da propriedade vigente. Com a aplicação desta política Reter as grandes e soltar as pequenas 72 -, o Estado poderia angariar todo o apoio necessário para melhorar sua posição econômica, mediante o estabelecimento de políticas preferenciais, subsídios, créditos acessíveis, entre outros. Reter o controle dessas empresas permitiria ao governo não só concentrar esforços para apoiá-las e aplicá-las uma maior supervisão, como também continuar com uma presença dominante no setor industrial. 72 Zhuada fangxiao 抓 大 放 小. O governo abre mão de pequenas empresas, que são assumidas ou por unidades sub nacionais da administração pública, ou por cooperativas de trabalhadores ou mesmo por proprietários individuais. Além disso, é estimulada a conglomeração de empresas estatais com o objetivo de formar grandes grupos econômicos, capazes de alcançar autonomia financeira e tecnológica. Trata-se assim de criar empresas holding com capacidade de realizar investimentos fora das fronteiras chinesas, o que começa a ser praticado com dimensões que garantam a capacidade de concorrer com as grandes multinacionais no mercado mundial. O impacto da estrutura em forma de conglomerado sobre a eficiência das empresas é a principio favorável. As empresas organizadas dessa forma, muitas escolhidas como campeões nacionais, apresentaram maior crescimento em termos de vendas, ativos e gastos em P&D, além de maior propensão a possuírem centros de P&D (MEDEIROS, 2006, p. 386).

59 56 Assim, enquanto grandes empresas estatais continuariam mantidas sob controle estatal, empresas de pequeno e médio porte, supervisionadas por municípios e províncias, seriam transformadas em uma variedade de empresas não-estatais, através da expansão do sistema de participação (shareholding), de joint ventures e/ou da venda para interessados privados 73. (SAICH, 2001, p. 234; WU, 1999b, p. 1061). Nesse sentido Meza Lora (2007, p. 380) assinala que La pretensión de no modificar ni diversificar abruptamente la estructura de la propiedad vigente, en el contexto de una economía de mercado con características chinas, significaba admitir explícitamente la posición dominante de la propiedad pública en industrias consideradas como el alma de la economía nacional y dejar en claro el carácter socialista de la economía A economia de mercado socialista com características chinesas Do referido acima se tem que o governo central chinês empenhou políticas no sentido de criar um ambiente favorável a que a concorrência mercantil fosse mais dinâmica e fértil, ao invés de se utilizar da rígida interferência na administração e nas atividades de produção das empresas. Arrighi (2008, p. 361) coloca que: A desregulamentação e a privatização foram bem mais seletivas e avançaram em ritmo bem mais lento do que nos países que seguiram a receita neoliberal. Na verdade, a principal reforma não foi a privatização, mas a exposição das empresas estatais à concorrência de umas com as outras, com as grandes empresas estrangeiras e, acima de tudo, com uma cesta de empresas privadas, semiprivadas e comunitárias recém-criadas. Retrospectivamente, depois da Revolução Cultural, a reversão a um sistema centralmente planificado ao estilo soviético estava fora de cogitação. O debate então se seguiu unicamente no escopo do mercado em relação ao planejamento central e qual seria o grau de extensão desta abertura. À época, as informações chegadas dos vizinhos chineses o bom índice de desenvolvimento econômico do Japão e dos Quatro Tigres Asiáticos Hong Kong, Taiwan, Singapura e Coréia do Sul - forneceram forte evidências a favor do aumento do papel do mercado e da abertura 74. Referindo-se ao sucesso de Hong Kong, Deng teria dito que, 73 Meza Lora (2007, p. 285) acredita que no fue sino hasta enero de 1987 cuando apareció por primera vez en un documento del Partido el término empresas privadas, sin embargo, no fue sino hasta abril de 1988 cuando la industria basada en La propiedad privada fue aceptada oficialmente al ser modificado el artículo 11 de La Constitución en la que se estipulaba que se autorizaba la economía privada de acuerdo a la estructura provista por la ley. 74 Percebe-se que a vontade política do Partido também foi moldada pelos encalços da geopolítica. Em meados dos anos 1990, a pressão para a abertura econômica sobre os países do Leste Asiático foi crescendo, boa parte devida à percepção de um Milagre do Leste Asiático e ao aumento de investimento estrangeiro na região.

60 57 embora não tivesse muito conhecimento sobre Economia, ele poderia reconhecer uma boa economia quando a visse (citado em QIAN; WU, 2000, p. 13). Em 1992, Deng Xiaoping realizou o seu famoso Tour pelo Sul a fim de mobilizar suportes locais para estender as reformas. Um grande avanço ideológico se deu na publicação do documento Decisões sobre Questões Relativas à Criação da Estrutura da Economia de Mercado Socialista, no âmbito do Terceiro Plenário do XIV Congresso do PCC, realizado em setembro de daquele ano, quando o Partido, pela primeira vez, endossou o termo economia de mercado socialista como meta de reforma da China, e propôs-se que fosse aberta, competitiva, unificada e integrada, baseada na competência 75. Em outubro de 1993, o Congresso Nacional do PCC homologou o termo economia de mercado socialista, logo referendado pela Assembléia Popular Nacional, através de emenda constitucional, conferindolhe força de lei. O referido documento foi considerado divisor de águas na política econômica chinesa, na medida em que representou uma factível mudança estratégica no curso da reforma do país. Na concepção de Zemin (2002) a construção do socialismo chinês contemplaria a China reunificada através da idéia de Um país, dois sistemas 76, isto é, o princípio de uma só China, no sistema socialista, mantendo o regime de mercado atualmente existente em Hong Kong, Macau e Taiwan. Medeiros (2006, p. 2) aponta que a China perseguia através de sua estratégia de crescimento liderada pelos investimentos públicos um modelo parecido com o coreano ou de Taiwan combinando a duas vias de desenvolvimento observadas na Ásia. Portanto, o conceito de economia de mercado socialista com características chinesas pressupõe um sistema econômico onde coexistem e interagem, num mesmo momento histórico, duas instituições fundamentais: o mercado e o Estado. Nesta lógica, reconhece-se que o Estado e o mercado podem desempenhar um papel complementar nas atividades de coordenação industrial. Assim sendo, Além disso, tanto os países da Europa Oriental quanto os países da ex- União Soviética iniciaram, neste época, a transição radical da economia direcionada para o mercado. O Partido então sentiu que seu poder poderia ficar comprometido se estas economias recém-democratizadas atingissem a China em termos de desenvolvimento econômico. 75 O conteúdo do documento foi concebido pelo Grupo de Liderança Financeira e Economica do PCC. Chefiados pelo então Secretário Geral Jiang Zemin, o grupo trabalhou juntamente a economistas a fim de preparar uma grande estratégia de transição para um sistema de mercado. Várias equipes de pesquisa foram formadas para estudar diversos aspectos da transição, que vão desde a tributação, o sistema fiscal, o sistema financeiro, a reestruturação de empresas, até o comércio exterior (CHINA DAILY, 1993). 76 Yi guo liang zhi - 一 国 两 制.

61 58 [...] la presencia del Estado en la economia presupone la continuidad y permanencia de las actividades de coordinación. Los planes quinquenales, por ejemplo, como legados del sistema centralizado, siguieron siendo uma guía para las actividades de planeación con relación a las prioridades establecidas por La autoridad central. Su establecimiento reconocía la necesidad del Estado de guiar la acción del mercado hacia una dirección determinada. (MEZA LORA, 2007, p. 368). E, ainda que fossem comuns queixas no sentido de que tal sistema torna difícil a identificação da distinção usual entre forças de mercado e políticas do governo, na prática, ele realizou dupla função na reforma chinesa: de um lado, representou um consenso entre as vertentes liberais e conservadoras dentro do PCC e, assim, ajudou a manter a legitimidade do Partido, o que conseqüentemente fez reduzir os riscos e custos das mudanças institucionais; por outro lado, também se engendrou as necessidades do mercado internacional através desta adaptação institucional, de forma a aliar e a servir-se das forças externas a fim de criar um melhor ambiente para a reforma interna. Keohane e Nye (2001) afirmam que a China obteve rápido crescimento econômico a partir de sua abertura, pois o país capitalizou os ganhos da globalização financeira das décadas de 1980 e Qian e Wu (2000, p. 6) ainda ressaltam que China's market development was also pushed by its fast expansion of foreign trade. Due to the opening policy, both export and import increased much faster than GDP. For example, export to GDP ratio increased from less than 5% in 1978 to more than 20% by the early O aprofundamento da política de Portas Abertas e as Zonas Econômicas Especiais (ZEEs 78 ) O governo central tinha por consciência que somente mediante a extensão e a intensificação das políticas preferenciais e dos ajustes institucionais de mercado, que induzem ao fortalecimento dos vínculos com o exterior, permitiriam que as mudanças na estrutura econômica e industrial interna se potencializassem e continuassem com o crescimento econômico percebido até então. Nesse sentido, a política de portas abertas, mais que uma 77 Diferentemente da China, o Brasil como a maioria dos países em desenvolvimento, ao longo da década de 1980, imergiu numa crise econômica motivada pelo rompimento relativo do diálogo Norte-Sul. Isto porque na Rodada do Uruguai do GATT, em 1981, os países em desenvolvimento propuseram uma reforma econômica visando a reversão dos termos de troca, o acesso aos mercados dos países industrializados e a redução do protecionismo. Tal proposta não foi aceita pelos países desenvolvidos que romperam o diálogo com os países em desenvolvimento e as decisões da agenda internacional foram centralizadas na tríade EUA, Japão e Alemanha. Além disso, a decisão unilateral dos Estados Unidos em aumentar a taxa de juros desestruturou financeiramente os países em desenvolvimento e deflagrou uma crise generalizada de endividamento. Dessa forma, a década de 1980 foi considerada como a década perdida para esses países. 78 Jing ji te qu 经 济 特 区.

62 59 ruptura com as velhas instituições e a aplicação de políticas orientadas ao mercado, buscava principalmente romper com a concepção ideológica das antigas políticas de portas fechadas, muito fortes no período anterior às reformas (MEZA LORA, 2007). As mudanças realizadas no âmbito da política de portas abertas foram graduais e experimentais, portanto, as novas regras de mercado foram limitadas, inicialmente, a quadro Zonas Econômicas Especiais (ZEEs), espaços limitados geograficamente cuja característica fundamental era a aplicação de políticas preferenciais e adaptações institucionais de mercado com quintuplo propósito: atrair capital externo para o desenvolvimento agrícola e industrial; viabilizar a transferência da tecnologia mais avançada possível; promover as exportações chinesas; absorver métodos ocidentais de administração comercial e industrial e aumentar a demanda por bens e serviços produzidos por outras regiões do país. As ZEEs foram instaladas geograficamente nas proximidades dos portos estratégicos do litoral chinês, sendo consideradas como unidades administrativas autônomas e com tratamento diferenciado no âmbito da política econômica internacional (OLIVEIRA, 1990). Segundo Cunha e Acioly (2009), nada mais eram do que Zonas de Processamento de Exportações (ZPE) 79, porém numa escala de operação muito superior as outras experiências asiáticas, que representou a delegação de parte do poder de decisões econômicas da autoridade central para as autoridades locais As primeiras ZEEs foram estabelecidas em Shantou, Shenzhen, e Zhuhai, todas na Província de Guangzhou e em Xiamen, na Província de Fujian bem como a ilha inteira que constitui a Província de Hainan. Com o êxito na aplicação das medidas e dos ajustes institucionais, deu-se o reconhecimento explícito destas políticas e suas experiências bem sucedidas, ocasionando sua difusão até outras regiões. Estabeleceram-se ainda 22 cidades costeiras abertas 80, 13 cidades abertas de fronteira, além de 52 Zonas de Desenvolvimento Tecnológico e 13 Zonas de Cooperação Econômica (MEZA LORA, 2007, p. 362). Após a implementação destas áreas ter sido consolidada, dado o sucesso das empresas locais, houve um relativo declínio do planejamento central sobre o regional em favor da 79 Arrighi (2008, p. 362) assim divide as Zonas de Processamento de Exportações (ZPEs): [...] três conglomerados industriais básicos, cada um com sua própria especialização: o delta do rio Pérola é especializado em indústrias que fazem uso intensivo de mão de obra, em produção e montagem de peças de reposição; o delta do rio Yang-Tsé é espcializado em setores que fazem uso intensivo de capital e em produção de carros, semicondutores, celulares e computadores; e Zhongguan Cun, em Pequim, é o vale do Silício da China. 80 Zonas que poderiam negociar novos incentivos para atrair capital estrangeiro. Dentre as quais: Dalian, Qinhuangdao, Tianjin, Yantai, Qingdao, Lianyungang, Nantong, Xangai, Ningbo, Wenzhou, Fuxhou, Guangzhou, Zhanjiang, e Beihai - todas em 1984; Península de Liaodong, Província de Hebei, Península de Shandong, Delta do Rio Yangtze, Triângulo Xiamen-Zhangzhou-Quanzhou no Sul da Província de Fujian, Delta do Rio das Pérolas, e Guangxi - todas entre 1985 e 1990.

63 60 estratégia de desenvolvimento costeiro que beneficiou ainda mais a introdução de mecanismo de mercado para promover o fluxo de capital estrangeiro e aumentar o comércio. Meza Lora (2007, p. 309) enfatiza: El rol declinante del plan en el desarrollo regional contrasta con la aplicación de una estrategia de desarrollo costero que privilegiaba la introducción de mecanismos de mercado para promover los flujos de capitales del exterior e incrementar El comercio. Habría que precisar, que la reducción del plan no significaba um debilitamiento del Estado, dado que ha sido éste quien de manera explícita proveyó de políticas para el desarrollo de esta región, por otro lado, gracias a La descentralización, fueron los gobiernos locales los que promovieron de manera activa el desarrollo de sus localidades. As diversas formas de interação com o mercado externo possibilitaram extraordinária atração de investimentos e assimilação de tecnologias e métodos de gestão e administração empresarial dos países desenvolvidos. A crescente ampliação da abertura para o exterior e o acelerado desenvolvimento da região litorânea impulsionaram energicamente a reforma e abertura, assim como a construção econômica em outras regiões do país a partir da Marcha para o Oeste 81. De fato, se bem instalados os investimentos, o fortalecimento da complementaridade leste-oeste e a racional distribuição de forças produtivas no país elevarão em grande medida seu nível de socialização da produção, sua receita financeira e sua competitividade, abrindo margem para concentrar suas forças na competição internacional Fatores Internacionais: Investimento Estrangeiro Direto (IED) e o comércio dos chineses de ultramar 81 A grande divergência econômica entre um litoral rico e um interior pobre é uma importante barreira com a qual a China tem de lidar, e enfrentar o desafio de desenvolver o centro-oeste do país é chave para a formação de uma economia continental consolidada. Nesse sentido, políticas como a Marcha para o Oeste foram instituídas na crença que o desenvolvimento do centro-oeste chinês proporcionaria numerosas oportunidades de investimento, impulsionando o crescimento econômico; a exploração dos recursos predominantes do oeste e a transferência destes para o leste apoiariam energicamente seu desenvolvimento; e que a elevação de renda dos camponeses criaria enorme demanda mercantil. As inversões em ativos fixos e sua porcentagem no oeste e grandiosas obras como as usinas de Três Gargantas e Ertan, a ferrovia Qinghai-Tibet, a transferência de energia elétrica oeste-leste, estradas e auto-estradas de primeira e segunda classes, o gasoduto oeste-leste e o desenvolvimento da Municipalidade de Chongqing ilustram o novo patamar de crescimento chinês.

64 61 Geralmente atribui-se o sucesso econômico do Leste Asiático - o milagre do Leste Asiático - ao que foi chamado modelo dos gansos voadores 82 (flying geese paradigm) ou ao sistema econômico internacional. Tal afirmação pode ser verídica para outras economias do Leste Asiático, mas não é de forma completa aplicável à China devido às suas especificidades. Diferentemente de outras economias da região Japão, Tailândia, Filipinas, Coréia do Sul, Singapura e até mesmo Taiwan -, que perseguiram suas estratégias no contexto do mercado capitalista desde o término da Segunda Guerra Mundial e se aliaram à economia dos Estados Unidos, a China não só teve de empreender a transição de uma economia planificada para uma economia de mercado somente no âmbito da reforma e abertura em 1978, como também aprender a lidar politicamente com os Estados Unidos após sua abertura. O país, de fato, perdeu o processo manifestado no modelo dos gansos voadores do qual os principais países da ASEAN se aproveitaram. Entretanto, isto não significa que as forças internacionais foram insignificantes na transição e no crescimento econômico da China, especialmente no contexto da globalização e da política de portas abertas. Na verdade, forças internacionais como IED, comércio externo e instituições internacionais contribuíram mais, em dados momentos e processos, do que forças domésticas para o desenvolvimento de indústrias como, por exemplo, os setores têxtil, automobilístico e eletrônico. É inerente a uma economia de mercado a integração a um sistema de mercado aberto e houve, certamente, a indução do governo central chinês ao reforço dos vínculos do mercado doméstico com o mercado internacional. Além do governo em suas múltiplas instâncias, há mais dois fatores interligando a nova rede de investimentos na economia chinesa: o capital financeiro internacional e os chineses de ultramar. Neste sentido, a adoção da economia de mercado foi seguida rapidamente por iniciativas de novas políticas, tais como a unificação do tipo de câmbio 83, a promulgação de novas leis e maior abertura no comércio externo, modernização do sistema bancário, abertura do setor financeiro a bancos do exterior, negociações para o ingresso da China na OMC, entre outras. 82 Modelo de desenvolvimento econômico pensado para o leste Asiático baseado na divisão internacional do trabalho e nas teorias das vantagens comparativas. As economias da região seriam consideradas alinhadas sucessivamente atrás das nações industriais avançadas na ordem dos seus diferentes estágios de crescimento, seguindo um padrão análogo ao do vôo dos gansos selvagens (OZAWA, 2005, p. 9). O termo se tornou popular a partir de uma publicação de Kaname Akamatsu no Journal of Developing Economies na década de Em 1 de janeiro de 1994, o sistema de câmbio em dual-track foi abolido, e em dezembro de 1996 um passo adiante foi tomado para promover a conversibilidade da moeda, sem liberalização da conta de capital. Devido a esta política, não só as exportações e os investimentos estrangeiros diretos aumentaram dramaticamente durante este período, como também ajudou a China a passar pela crise financeira asiática em 1997 (QIAN, 1999).

65 62 O investimento estrangeiro direto desempenhou papel-chave consolidação da abertura econômica chinesa. Isto se deu de duas maneiras: primeiro porque trouxe implicações políticas significantes para que esta se integrasse à economia mundial. Ainda em 1977, a imprensa chinesa insistia no fato de que o país jamais receberia empréstimos estrangeiros e nunca permitiria a intromissão estrangeira em assuntos de empresas nacionais, entretanto, a falta de tecnologia avançada e capital se tornou um ponto de estrangulamento para o desenvolvimento econômico. A fim de ultrapassar tal dilema, o governo central instaurou políticas atrativas de capital estrangeiro, como as Zonas Econômicas Especiais anteriormente citadas. A criação das ZEEs representou um meio de reduzir a resistência a novas políticas de abertura por parte das burocracias financeiras e industriais, além de ir ao encontro do interesse por capital e tecnologia (SHIRK, 1995, p. 36). Segundo porque através dos investimentos estrangeiros a abertura pôde fornecer capital direto necessário ao crescimento econômico chinês. No momento em que a reforma econômica mudou o foco da agricultura de áreas rurais para a indústria em áreas urbanas em 1984, a atração de investimento estrangeiro direto se tornou prioridade devido, grande parte, à ineficiência e aos déficits de algumas estatais. E, muito embora a década de 1990 tenha sido marcada pela concentração geográfica do IED em países desenvolvidos, o dinamismo econômico chinês despontava o país como um forte receptor de investimentos externos, tornando-o o principal destino dos investimentos estrangeiros a partir de 1994 (HIRST; THOMPSON, 1998). Além disso, ao privilegiar o investimento direto externo, a China pôde estabelecer controles de capitais e operar com baixo nível de endividamento externo. O acúmulo de reservas de divisas alavancou política monetária favorável á expansão do crédito interno, que ainda hoje é operado com baixas taxas de juros por bancos estatais especializados, garantindo assim altas taxas de investimentos internos 84. Aponta-se que desde 1997, a China tem recebido uma média anual de US$ 40 bilhões de investimentos externos 85. Em 2002, segundo a Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico, os investimentos na China foram contabilizados em US$ 52,7 bilhões - sem contar Hong Kong (mais US$ 13,7 bilhões), 84 Nota-se que, com um mercado potencial superior a 1 bilhão de habitantes, a passagem para um crescimento endógeno é perfeitamente plausível. 85 Vale a pena notar que no final da década de 1980, início da década de 1990, os investimentos eram dirigidos para empresas das quais cerca de 95% eram envolvidas em simples processo de fabricação, principalmente em setores de infra-estrutura como energia, transporte, comunicação e de exportação (YABUKI, 1995, p. 56). No entanto, o fluxo de IED foi-se dirigindo para áreas de maior capital intensivo a partir de meados de 1990, como o setor automobilístico.

66 63 bem como Macau e Taiwan -, tornando-se o maior país receptor de IED, e situando-se pela primeira vez acima dos EUA 86. Basicamente divididos por setores, os investimentos se localizam em: (a) contratos de infra-estrutura, obras públicas e compras governamentais; e (b) setores de indústria leve intensivos em mão-de-obra: indústrias eletrônicas, químicas orientadas para a produção de bens de consumo (plásticos, velas, incensos, etc.), alimentícias e têxteis. Ressalta-se que a mão-de-obra rural exerce grande participação nesses setores, desenvolvidos ou aproveitados - pelas redes de investimentos. As regiões mais favorecidas pelos investimentos são, precisamente, aquelas com maior disponibilidade de mão-de-obra flexível e disposta a aceitar trabalhos pouco remunerados 87 (SANTILLÀN; SILBERT, 2004). Tais regiões mais favorecidas, sobretudo as do Leste da China, também atraem investimentos, segundo Hendrischke e Krug (2007), devido ao clima generalizado de investimento, baseado num alto PIB per capita; na alta concentração de empresas modernas de pequeno e médio porte; no alto nível educacional; na avançada infra-estrutura de transporte; na proximidade com conexões de transporte marítimo e com portos internacionais como o de Shangai e Hong Kong, por exemplo. Além disso, muitas empresas estrangeiras de capital intensivo como automobilísticas e de eletrônicos conseguem explorar o enorme mercado doméstico chinês através da transferência de tecnologias obsoletas (out-of-date) no processo de joint venture como forma de introduzir seus produtos nesse mercado interno e, simultaneamente, garantir a primazia de sua produção no mercado internacional. Uma manifestação disso é que poucos automóveis feitos na China são exportados para o mercado internacional. Entretanto, a rotulação generalizada das empresas chinesas como copiadoras de marcas tradicionais está sendo alterada desde o início da década de 2000, na medida em que elas souberam aproveitar do know how passado pelas empresas estrangeiras para iniciar, e 86 Faz-se mister ressaltar que com os grandes fluxos de IED, a estrutura setorial das exportações na China também mudou: em 1985, os produtos primários e manufaturados baseados em recursos naturais respondiam por 49% do total; em 2000 essa participação era de apenas 12%, sendo que as exportações de manufaturas não baseadas em recursos naturais subiram para 89%. A participação das exportações intensivas em tecnologia partiu de 3% em 1985 para 22% em 2000, e os dez principais produtos de exportação do país em 2000 (42% do total exportado) corresponderam a produtos dinâmicos no comércio internacional (UNCTAD, 2002, p. 162). 87 A mão-de-obra chinesa também não deixa de ser qualificada. As políticas governamentais no campo da educação dotaram a China de um reservatório de recursos humanos que, ao lado da enorme oferta de operários alfabetizados e industriosos, inclui um suprimento de engenheiros, cientistas e técnicos em rápida expansão [...] Além disso, nos últimos doze anos os gastos da China com pesquisa e desenvolvimento cresceram ao ritmo de 17% ao ano, contra 4% a 5% nos EUA, no Japão e na União Européia. (ARRIGHI, 2008, p. 373).

67 64 agora consolidar, suas próprias marcas. Arrighi (2008, p. 361) ilustra o fato muito bem ao lembrar que As empresas automobilísticas chinesas conseguiram a proeza de realizar joint ventures simultâneas com empresas estrangeiras rivais, como, por exemplo, a Guangzhou Automotive com a Honda e a Toyota, algo que esta última sempre se recusou a fazer. Esse acordo permitiu ao parceiro chinês aprender as melhores práticas de ambos os concorrentes e ser o único, na rede tripartite, a ter acesso aos outros dois. Ainda tendo como exemplo o setor automobilístico, a China consegue unir baixos preços e maior número de itens de série, fatores que impulsionam a entrada de suas novas marcas no mercado global e imputá-lo de maior competitividade no setor. Marcas como Chery, JAC Motors, Lifan, Hafei, Haima, Brilliance, Chana e Effa Motors conquistam credibilidade cada vez maior no mercado internacional 88. Tal fato explana e resume que Graças ao tamanho continental e à imensa população do país, essas políticas permitiram ao governo chinês combinar as vantagens da industrialização voltada para a exportação, induzida em grande parte pelo investimento estrangeiro, com as vantagens de uma economia nacional centrada em si mesma e protegida informalmente pelo idioma, pelos costumes, pelas instituições e pelas redes, aos quais os estrangeiros só tinham acesso por intermediários locais. (ARRIGHI, 2008, p. 362). De fato, diversas redes de investimentos determinam e direcionam o fluxo de IED na China 89. Essas redes constituem-se tanto por fatores econômicos como por políticos e culturais, sendo que o aspecto político, ligado e guiado pelos burocratas do PCC em relação às operações econômicas, investe-se de uma lógica específica (SANTILLÀN; SILBERT, 2004). A fim de incrementar a margem de manobra de certas instâncias do Estado e dotá-las de maior personificação, tais como o Exército Popular de Libertação (EPL) e as empresas estatais, tanto os dirigentes do EPL como os gerentes de tais empresas têm aumentado sobremaneira sua influência no setor econômico através de investimentos em joint ventures, 88 Quanto à concorrência aos produtos brasileiros, o diretor de assuntos corporativos e governamentais da Ford Brasil, Rogélio Golfarb afirma: Os chineses já estão aqui. E eles vêm com uma posição muito clara: mudar o patamar de preço e de competitividade. Então, eles impõem um padrão de competitividade que nós nunca imaginamos que deveríamos ter. In: Com metas ambiciosas, nove marcas chinesas estão no Salão de SP, Revista Eletrônica G1, 3 nov Disponível em: <http://g1.globo.com/carros/noticia/2010/11/com-metas-ambiciosas-nove-marcaschinesas-estao-no-salao-de-sp.html >. Acesso em: 12 set Em 2006, um plano de regulação do investimento estrangeiro foi aprovado, incluindo direções voltadas a proteger a economia nacional, a estimular o avanço tecnológico, a prevenir o monopólio pelo capital estrangeiro e a promover maior equilíbrio entre as regiões. Argumentos como a presença de setores sensíveis e de setores de segurança nacional são invocados para justificar as direções (CUNHA; ACIOLY, 2009).

68 65 realizando contratos de infra-estrutura e obras públicas, tornando-se deste modo ao que Castells chama de empresários burocráticos. 90 Destarte, os governos locais também se convertem em atores-chave, cujas políticas as empresas estrangeiras devem considerar quando intencionam conhecer e investir no ambiente local. Logo, acometer boas relações com os governos locais constitui-se numa estratégia necessária para construir uma rede de contatos (network) e para reduzir os custos de transação e facilitar a aquisição de informações sobre o mercado chinês. A respeito da criação de alianças, utiliza-se tradicionalmente no país a prática do guanxi 91, palavra chinesa que significa, basicamente, rede de relacionamento inter-pessoal e rede de reciprocidade e ajuda mútua 92. No sentido empresarial de investimentos, o guanxi se manifesta como um tipo informal de relacionamento para os negócios. Questões como confiança, fluxo de informações, lealdade, espírito de harmonia e obrigatoriedade dos laços são alguns dos aspectos que propiciam o desenvolvimento dos negócios chineses. De acordo com Pinheiro-Machado (2007, p. 12) as redes de negócio chinesas tem dupla característica: (a) são relações informais estabelecidas por atores econômicos e são comumente redes morais por excelência; (b) são também redes pessoais fortes, e se sobressaem em relação às instituições econômicas fracas, ou à falta de base legal. Assim, dado que muitas vezes o ambiente formal é rodeado por instituições de funcionamento deficitário, o guanxi é decisivo para que os investidores estrangeiros adquiram conhecimento sobre as regras locais, fortaleçam os negócios comerciais e melhorem a eficiência nas trocas privadas, fatores bem colocados anteriormente por Arrighi (2008) como intermediários locais 93. De acordo com Hendrischke e Krug (2007), o conhecimento do ambiente local ajuda as empresas a entenderem e conseqüentemente reagirem ao ambiente institucional de modo a reduzirem os custos de transação. Segundo Redding (1993, p ) em O Espírito do Capitalismo Chinês: 90 CASTELLS, M. Era da informação, v. 3. Fim do milênio, 1999, p e p apud Santillán e Silbert (2004). 91 Guanxi - 关 系. 92 Hoje [ ] é consenso que as guanxi são uma das principais características do espírito do capitalismo chinês e há um reconhecimento do papel das redes pessoais para o desenvolvimento de certos setores produtivos chineses (PINHEIRO-MACHADO, 2007, p. 4). 93 Segundo Pinheiro-Machado (2007), muitas vezes, esse tipo de conexão social acaba se assemelhando às práticas de clientelismo, as quais se destacam em muitos países em desenvolvimento, especialmente quando as instituições jurídicas e econômicas não são consolidadas. Arrighi (2008, p. 358) aponta que os chineses ultramarinos podiam contornar a maioria dos regulamentos, graças à familiaridade com o idioma, os costumes e os hábitos locais, à manipulação de vínculos comunitários e de parentesco [ ]. Kynge (2007) dá inúmeros exemplos de empreendedores que usavam as relações pessoais para obter financiamento, iam atrás da tecnologia e, através da pirataria, obtinham o conhecimento necessário.

69 66 Talvez a mais significante coisa a ser entendida sobre China hoje é que ela ainda mostra muitos elementos de uma sociedade pré-moderna. Ela é ainda, em essência, patrimonialista [...] China é dependente da oficialização personalizada. Sem usar guanxi, nada significante acontece [...] Guanxi é tão importante quanto sempre foi. De fato, como resultado da política consciente governamental aliada às práticas do guanxi chinês, os investimentos da região overseas da China são a principal fonte de influxos de IED no país desde o final dos anos 80 e início dos anos 90 (FUNG et al., 2002). As redes de financiamento foram, desde esta época, promovidas inicialmente pelos investidores chineses de ultramar (overseas chinese), que começaram a organizar negócios no continente auxiliados por suas redes de relacionamentos (guanxi) e sua disponibilidade de capital e acesso ao financiamento externo (SANTILLÀN; SILBERT, 2004). Tem-se que o IED teve papel fundamental na decolagem econômica da China, no entanto, a maior parte do fluxo de IED na década de 1990 veio diretamente de, ou através deste tipo de rede de negócios ultramar 94. No mundo todo, estima-se que os chineses de ultramar possuam US$ 2 trilhões em ativos líquidos, excluindo os títulos, e desde meados de 1980 três quartos das 28 mil empresas chinesas com capital estrangeiro significativo são financiadas por chineses que não vivem na República Popular da China, e que suas contas de financiamento atingem até quatro quintos do IED no país. Precisamente, de 1979 a 1997, 68.34% do capital estrangeiro na China era originário de chineses de ultramar (LI, 2000 apud PENG, 2002, p. 432). Mesmo no final de 1998, o IED atingiu o pico de US$ 45.5 bilhões, sendo que mais de 60% vieram de Taiwan e Hong Kong (SAICH, 2001, p. 286). Nesse sentido, além de trazer capital para a China, as redes de negócios chineses ultramar fornecem expertise de negócios e acesso à comercialização, dado o fato de que a China foi, guardadas proporções, um país de desenvolvimento tardio na economia mundial e não era de certa forma familiarizada com conexões de marketing e regulamentações internacionais. Logo, as atividades dos chineses de ultramar, aliadas às reformas institucionais do governo e aos fluxos de IED, contribuíram factualmente para a reinserção chinesa à economia mundial. 94 Na fase inicial das reformas de abertura chinesas, as redes de negócios ultramar podiam facilmente transpassar barreiras políticas e não-tarifárias e entrar na China continental a fim de investir nas EAMs por conta de características como pequena escala, vínculos de parentesco e étnicos, eficiência elevada, e informações precisas através de rede de negócios globais. Doravante, com a volta de milhares de estudantes chineses de ultramar voltando à China continental, seja para investir seja para estabelecer empresas intensivas em tecnologia, as redes chinesas de negócios de ultramar têm-se reforçado em paralelo a grandes corporações multinacionais.

70 67 Em suma, os eventos domésticos ocorreram e se vincularam simultaneamente às transformações que vinham ocorrendo a nível mundial, como o crescimento do papel das corporações no sistema de Estados e na economia-mundo, e a maior integração entre os países no mercado mundial, vide inserção da China na Organização Mundial do Comércio (OMC) no final de Os dados (Figura 1) referentes à evolução do PIB chinês em comparação a outras economias de peso mundiais, deixam claro o quanto a entrada de IED, somada às reformas implementadas e às atividades ultramarinas, influenciou o posicionamento da China na economia mundial, sobretudo a partir de Figura 1 Produto Interno Bruto (PIB) Taxa de Crescimento Real (%) Fonte: CIA World Factbook, jan/2011. Elaborada pela autora. De acordo com Story (2004), este processo de transição da economia chinesa é, resumidamente, embutido de quatro facetas: a mudança de uma economia centralizada para uma de mercado, de uma sociedade rural para uma sociedade urbana, de uma autarquia para a interdependência, de filiação rígida ao sistema comunista para a participação na sociedade global. Participação esta que deverá delinear a tessitura de diversas questões na arena internacional, particularmente no início do século XXI. 95 Guthrie (2006) aponta que tanto o governo quanto as empresas reconheceram a necessidade de capital estrangeiro, experiência organizacional avançada e tecnologia. Assim, aliada às intenções da reforma, a entrada de IEDs e de corporações globais na China exerceram significativa pressão na evolução da organização dos negócios chineses para se adaptar às regras do mercado global.

71 A inserção internacional e o desenvolvimento pacifico chinês De acordo com Guthrie (2006), o projeto de transformação da China tem sido fundamentalmente um projeto global. Desde a visita de Deng Xiaoping aos Estados Unidos em 1979, a orientação tem sido em direção à economia global 96. Hendrischke e Krug (2007) também apontam que a política de abertura chinesa de 1978 derrubou a barreira que separava a China do mundo ocidental. E também para Arrighi (2008, p. 377): Ainda que o propósito da busca do poder nacional tenha sido a transformação do mundo na direção do socialismo, o PCC tinha pouca opção além de entrar no jogo da política mundial e obedecer às regras capitalistas já existentes, como o próprio Mao sempre soube muito bem. Quando a derrota iminente no Vietnã obrigou os EUA a readmitir a China na relação comercial e diplomática normal com o restante da Ásia oriental e com o mundo em geral, a China comunista tinha todo o interesse em aproveitar a oportunidade oferecida por essa relação para promover a riqueza e o poder nacionais. Já na década de 1990, a ascensão da China ganhou ímpeto próprio, fazendo com que o capital japonês, norte-americano e europeu se direcionassem para o país com forte intensidade. O fluxo de IED, que totalizou somente US$ 20 bilhões durante a década de 1980, aumentou para US$ 200 bilhões em 2000, chegou a US$ 450 bilhões nos três anos seguintes, e somente teve um refreio no final da década devido à crise da bolha subprime dos Estados Unidos, somando no final de 2010 US$ bilhões, quantia que na verdade representou a recuperação dos investimentos, dado o aumento em 17,4% ao número registrado no ano anterior (XINHUA, 2011). Os IEDs chineses têm evoluído não apenas em tamanho, como também em termos de distribuição geográfica e setorial ao longo do tempo, em resposta as estratégias do governo, das condições da economia chinesa e das relações econômicas bilaterais (IMF, 2010). No sentido deste crescimento, Arrighi (2008, p. 359) aponta que mesmo o capital estrangeiro (principalmente o dos Estados Unidos) precisava mais da China do que a China precisava de capital estrangeiro, dada a contribuição do crescimento chinês para o crescimento da economia mundial em 15,2% de crescimento do PIB global em dólares correntes entre os anos de 2001 e A dinâmica do produto chinês, na década de 2000, veio acompanhada do aumento da sua importância para a evolução do comércio mundial que apresentou um crescimento 96 A estratégia americana de isolamento e desgaste da ex-urss teve como um dos seus elementos a aproximação do governo americano com o governo comunista chinês, patrocinada por Richard Nixon a partir de International Monetary Fund: World Economic Outlook. Database, Outubro 2010.

72 69 elevado entre 2000 e 2009 (Tabela 1). Tal período foi marcado por mudanças significativas no processo de integração comercial tanto no que tange ao seu volume quanto à orientação dos seus fluxos, grande parte devido ao boom das exportações (de US$ 249 bilhões em 2000 para US$ bilhões em 2009) e das importações (de US$ 225 bilhões em 2000 para US$ bilhões em 2009) chinesas (Tabela 1). Crescimentos estes superiores à elevação das taxas de exportações e importações mundiais, gerando assim uma mudança significativa na participação da China no comércio mundial. Tabela 1 Evolução das exportações, importações e corrente de comércio da China valor (em US$ corrente) e participação mundial (%) Exportações Importações Corrente de Comércio Valor % Valor % Valor % ,4 35 1,6 66 1, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,8 2010* , , ,7 * Acumulado dos três primeiros semestres do ano Fonte: Direção de Estatísticas Comerciais/FMI. Compilado por Ipea. Elaborada pela autora.

73 70 Os dados da Tabela 1 evidenciam a surpreendente mudança de posição chinesa em curto período de tempo, dado o fato de que a China passou à condição de maior país exportador e de segundo maior importador mundial. Em 2000, 3,9% e 3,4% das exportações e importações de bens, respectivamente, originavam-se da China, ao passo que em 2008 essa participação saltou para 8,9% e 6,9%. Cabe observar que, após a crise internacional de 2008, essa tendência se acelerou, pois a participação chinesa nas exportações e importações mundiais saltou de 9,7% em 2009 para 10,4% em 2010 e de 7,9% em 2009 para 9,0% em 2010, respectivamente. Além do impressionante desempenho econômico da China ter alterado sua própria participação mundial, a elevação das importações e das exportações chinesas também transformou a corrente de comércio mundial, não apenas em matéria de volume de comércio, mas também com efeitos significativos na intensidade tecnológica exportada 98, incluindo seus parceiros asiáticos 99. O comércio entre a China e os cinco países da Ásia Central - Cazaquistão, Quirguistão, Tadjiquistão, Turcomenistão e Uzbequistão por exemplo, totalizaram US$ 25,9 bilhões em 2009, um aumento considerável em relação aos US$ 527 milhões em 1992, segundo estatísticas do Ministério do Comércio 100. A criação da Organização de Xangai (com a Rússia, o Cazaquistão, o Kirguistão, o Tadjiquistão e o Usbequistão) em abril de 2001, comprova seus objetivos comerciais (entre os quais o abastecimento de hidrocarbonetos), sendo que a iniciativa adquiriu contornos muito políticos depois da guerra no Afeganistão. Ademais, durante os últimos anos, a China lançou as fundações para um novo relacionamento com as nações do Sudeste Asiático 101. A dimensão da complementaridade 98 Recentemente, a China começou a competir com as economias mais avançadas em setores como os equipamentos de telecomunicações. Empresas como a Huawei e ZTE fabricam produtos que competem diretamente com fabricantes do porte da Motorola, Ericsson, Siemens e Nokia. A China tem ocnseguido especializar-se na produção de bens avançados com um alto grau de produtividade, atípicos de um país relativamente pobre, dotado de uma abundante mão-de-obra. (ARIAS, 2008, p. 84). Segundo a OCDE e o Comtrade, a China exportou US$ 343,9 bilhões em produtos de alta tecnologia, ante US$ 323,8 bilhões dos Estados Unidos. (REDHER, 2008 apud PAULINO; PIRES, 2008, p. 210). Isto se dá também graças ao processo já referenciado de transnacionalização do capital e Divisão Internacional do Trabalho, bem como das técnicas vindas através dos contratos das joint ventures. 99 Arrighi (2008, p. 215) aponta que a combinação entre o sucesso econômico chinês e os problemas de Washington da Ásia ocidental se refletiram em suas relações mútuas, bem como em suas posições diante de terceiros. Às vésperas da reunião de 2003 da Apec, em Bangcoc, o New York Times noticiou que líderes políticos e empresariais da Ásia viam a hegemonia norte-americana erodir de forma sutil, mas inconfundível, enquanto os países asiáticos [viam] a China como potência regional cada vez mais importante. 100 As autoridades chinesas vêem a Ásia Central como uma fronteira crucial para a segurança energética, a expansão do comércio, a estabilidade étnica e a defesa militar de seu país. As empresas estatais foram fundo na região, com dutos de energia, ferrovias e rodovias, enquanto o governo abriu recentemente inúmeros Institutos Confúcio para ensinar mandarim nas capitais da Ásia Central. (WONG, 2011, p. 1). 101 O Acordo sobre o Comércio de Bens, assinado, em novembro de 2004, ao final da X Reunião de Cúpula da Asean, representa proposta de um Framework Agreement on Comprehensive Economic Cooperation entre a

74 71 produtiva com seus vizinhos foi amplamente explorada pelo governo chinês, especialmente após 2002 com a firmação de diversos acordos de preferência comercial com esses países, no âmbito da Área de Livre Comércio entre a Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) e a China (ALCAC). Arrighi (2008, p. 309) enfatiza que na cúpula da Asean realizada nas Filipinas em janeiro de 2007, a China ocupou o centro do palco, assinou um novo acordo de comércio de serviços e, o que foi mais importante, participou integralmente dos vários acordos que visam transformar a associação numa entidade semelhante à União Européia. Segundo Baumann (2010), essa maior aproximação regional permitiu um processo de convergência do dinamismo econômico da China com o Leste Asiático, homogeneizando as taxas de crescimento com os países menores da região. Assim sendo, tal fenômeno regional é um fator fundamental para explicar o elevado grau de competitividade das exportações chinesas, na medida em que a complementaridade regional aumentou significativamente a eficiência da produção da região como um todo, não somente dos produtos made in China. Esse processo de integração produtiva articulado com a política cambial chinesa estabilidade do yuan em relação ao dólar também contribuíram para impulsionar o crescimento das exportações e importações da China, bem como a elevação de seus superávits nas transações correntes e na conta capital e financeira. Nesse contexto de superávits do balanço de pagamento, o governo chinês, para manter sua política cambial, vem acumulando reservas estrangeiras (de US$ 168,3 bilhões em 2000, passando para US$ 106,63 bilhões em 2006, e saltando para US$ 2.847,3 bilhões em 2010), como mostra a Figura 2, sobretudo na forma de títulos do Tesouro americano 102. Asean e a China e é apenas parte de um maior engajamento da RPC na região (CHENG-GHWEE, 2005, p ). 102 Entre dezembro de 2001 e novembro de 2010, verificou-se um crescimento de 1.039% (de US$ 78,6 bilhões para US$ 895,6 bilhões) no estoque de títulos do Tesouro americano em poder dos chineses. Essa evolução gerou uma significativa elevação da participação do total de títulos em poder do governo chinês (de 7,6% para 20,6%) (PINTO, 2011).

75 72 Figura 2 - Reservas Internacionais da China (em US$ 100 milhões) e Taxas de Crescimento (%) Fonte: Statistical Communiqué of the People's of China, Elaborada pela autora. Ao final de 2010, as reservas estrangeiras tinham aumentado em US$ 448,1 bilhões em comparação ao final do ano anterior. No final deste mesmo ano, a taxa de câmbio RMB foi 6,6227 para 1 US$, uma valorização de 3% em relação ao final de Tal consideração ilustra o fato de que a articulação entre a política cambial chinesa e os títulos do Tesouro dos Estados Unidos reforça ainda mais os elos da conexão entre a economia chinesa e americana. Relação esta que, a despeito das diversas tensões geopolíticas 103, foi caracterizada pelo presidente dos Estados Unidos, Barack H. Obama, como uma concorrência amistosa (ROSSI, 2011, p. A10). Em relação ao plano comercial, a relação sino-americana, ao longo da década de 2000, foi marcada principalmente pelo aumento da corrente de comércio (exportações + importações), pelo endividamento externo cada vez maior dos Estados Unidos 104, e pelo 103 Inúmeros fatores contribuem para o aumento dessas tensões, cujas causas não serão desenvolvidas neste espaço. Como exemplo, pode-se fazer referência ao conhecido e tênue equilíbrio de poderes na Bacia do Pacífico, região tradicionalmente marcada por tentativas expansionistas por praticamente todos os principais Estados na primeira semana de dezembro de 2010, a China estava simbolicamente cercada por tropas americanas, sul coreanas e japonesas devido ao exercício militar conjunto no Mar do Japão (DREGUEZ, 2011) 104 Muito se enfatiza sobre o perigo da queda rápida do dólar americano e do desenvolvimento do vício de compra de dólares pelos chineses. Segundo Krugman (2005), os dolorosos sintomas da abstinência virão, e Fishman (2005 apud ARRIGHI, 2008, p. 312) acrescenta que tal fato pode jogar os Estados Unidos na armadilha da dívida em que sofreu durante muito tempo [...] a América Latina.

76 73 aumento explosivo da participação de produtos de maior valor agregado das exportações chinesas para os mesmos e também para o mundo. Nesse sentido, se, por um lado, os Estados Unidos desempenharam um papel de grande consumidor do mundo (aumento do seu déficit em transações correntes), por outro, a China - como um dos principais supridores de bens para demanda americana e capitais para o mercado de títulos do Tesouro dos Estados Unidos - desempenhou um papel de elo de transmissão de efeitos positivos para outras regiões, sobretudo para Ásia, África e América Latina. O relatório Modernização da China , feito pela Academia Chinesa de Ciências Sociais (CASS), sublinha que a RPC só deve investir em relações com países que tenham alguma das seguintes características: ser inovador, ter muitos recursos, ter uma grande população, ter cultura, ser amigável, ou estar nos arredores da China. Os recursos naturais e a população do Sul global são, assim, fatores explicativos da consolidação progressiva da presença chinesa na África e na América Latina. Além da já referida aproximação e cooperação na própria região asiática, maiormente com os membros da Asean, a China vislumbra no continente africano um ótimo parceiro, na medida em que aquele está ganhando cada vez mais importância como uma fonte de matériasprimas necessárias para a industrialização contínua deste. Focados no abastecimento das demandas da China por produtos primários, os investimentos chineses no continente africano são direcionados ao óleo e aos setores de energia, de minerais e de construção (infraestrutura). De acordo com a publicação do China-Africa Economic and Trade Cooperation 106, desde o ano de 2000 o comércio sino-africano têm mostrado ótimo desempenho, como mostra a Figura 3. Neste ano, o comércio bilateral atingiu a marca de US$ 10 bilhões, em 2008 o volume de comércio ultrapassou os incríveis US$ 100 bilhões, dos quais US$ 50.8 bilhões são exportações chinesas para a África e US$ 56 bilhões são importações chinesas vindas deste continente. Assim, a taxa media de crescimento do comércio sino-africano entre 2000 e 2008 atingiu 33,5%, com sua proporção no volume de comércio exterior total da China subindo de 2,2% para 4,2%; e representando um aumento na proporção no volume de comércio exterior total da África de 3,8% para 10,4%. Embora o volume do comércio bilateral tenha caído para US$ 91.7 bilhões em resultado da crise financeira internacional - a China se tornou, naquele ano, o maior parceiro 105 Chinese Academy of Social Sciences. China s modernization 2008, jan The People's Republic of China. China-Africa Economic and Trade Cooperation. Information Office of the State Council. Dec. 2010, BeijingContents. Disponível em: <http://www.gov.cn/english/official/ /23/content_ _3.htm>. Acesso em: 22 ago

77 74 comercial da África 107. Dada a relativa recuperação da economia mundial, o comércio sinoafricano também logrou uma recuperação favorável e dinâmica de desenvolvimento, sendo que já no período entre janeiro e novembro de 2010, o volume de comércio atingiu os US$ bilhões, ou seja, um crescimento anual de 43,5%. Figura 3 Corrente de Comércio China-África (importação + exportação) (US$ bilhões) Fonte: China-Africa Economic and Trade Cooperation. Elaborada pela autora. O volume de comércio chinês com a América Latina, conforme a Figura 4, é tão intenso quando com a África: no ano de 2000, o comércio sino-latinoamericano totalizou US$ 10 bilhões, saltando para US$ 100 bilhões no final da década, em Neste período, as exportações da América Latina para a China aumentaram 82 vezes (de US$ 0,5 bilhão para US$ 40,2 bilhões), enquanto as importações foram multiplicadas por 187 (de US$ 0,5 bilhão para US$ 92,6 bilhões). 107 Neste mesmo ano se tornou também o principal parceiro comercial do Brasil. A corrente de comércio brasileira com o país atingiu os US$ 36.1 bilhões, dos quais US$ bilhões são exportações e US$ são importações (MDIC, 2010).

78 75 Figura 4 - Taxa de Crescimento Médio Anual do Comércio com a China (%) Fonte: Economic Commission for Latin America and the Caribbean (ECLAC), Elaborada pela autora Nesse sentido, Paulino e Pires (2008, p. 205), referindo-se à série de estudos do economista-chefe do Centro de Desenvolvimento da OCDE, Javier Santiso, a respeito das relações de comércio entre a América Latina e a República Popular da China, aponta que: A China tem agido mais como um anjo comercial que oferece um amplo mercado para as commodities da região do que como la bête noir que rouba empregos e rebaixa a lucratividade dos concorrentes ocidentais [ ] pela primeira vez na história, o crescimento econômico da região deixa de estar acoplado apenas à dinâmica econômica das EUA e da Europa, como ocorreu até o final do Século XX, e passa a contar com uma terceira turbina propulsora, o mercado asiático, e particularmente o mercado chinês. Além da já sabida demanda por matérias-primas 108, a diplomacia chinesa investe no discurso de pertencimento comum ao Terceiro Mundo e invocação de relações tanto 108 A China aumentou suas importações dos países em desenvolvimento em função das necessidades que emergiram de seu acelerado crescimento econômico e da maior diversificação de sua estrutura produtiva. Essas importações têm concentrado em bens primários e insumos industriais oriundos dos países asiáticos em desenvolvimento e da América Latina, fabricantes de commodities e de peças e componentes. Porém suas importações de máquinas e equipamentos oriundas dos países desenvolvidos têm-se mantido ao longo do tempo. Ou seja, conforme a indústria foi-se desenvolvendo e aumentando sua capacidade de produzir e exportar, a China passou requer a importação de máquinas e equipamentos num menor grau do que a importação de commodities, tais como petróleo e minério de ferro concentradas nos países em desenvolvimento. Medeiros (2006) aponta que a China se apresenta como um duplo pólo na economia mundial devido a tal dinâmica.

79 76 bilaterais quanto multilaterais com base na cooperação Sul-Sul 109 num âmbito de Pós- Consenso de Washington (SANTILLÁN, 2009, p. 221), sendo relevante o fato de que a China aumentou seu envolvimento multilateral na região tornando-se um membro pleno do Banco de Desenvolvimento Inter-Americano (BID) em 2008 (CEPAL, 2010). Assim, o rápido crescimento da economia chinesa requer um maior ingresso de recursos naturais e matériasprimas e a América Latina, neste sentido, constitui um sócio adequado (JIANG, 2003 apud SANTILLÁN, 2009, p. 221). Durante a última década, o comércio entre as duas regiões apoiou-se nesta complementaridade de seus recursos: a China tem escassos recursos naturais, enquanto a América Latina - e também o Caribe - contam com abundância desses recursos. Isso levou a uma troca já há muito conhecida de commodities por bens manufaturados. Embora tal dinâmica comercial tenha trazido ganhos para ambos os atores, os benefícios foram para poucos setores e um número limitado de países da América Latina e Caribe. Produtos de mineração representam quase metade das exportações da região para a China, seguidos pelos produtos agrícolas, com uma participação de 35%. Cerca de 90% das exportações da região para a China vinham de apenas quatro países: Brasil (41%), Chile (23,1%), Argentina (15,9%) e Peru (9,3%) (IDB, 2010). O interesse chinês nestas regiões também se reveste de uma dimensão política. Por um lado, a maioria dos países que reconhecem Taiwan como Estado soberano são africanos ou latino-americanos. Consumada a reunificação dos territórios de Hong Kong e de Macau (em 1997 e 1999, respectivamente), Taiwan permaneceu como o objetivo último da política de reunificação nacional chinesa, usada para fins nacionalistas. Aumentando os laços de dependência com a África e a América Latina, Pequim procura reduzir as bases de apoio de Taipei na cena internacional. Por outro lado, a crescente cooperação com as duas regiões permite à China aumentar o número de aliados em foros internacionais, sobretudo na ONU, obtendo apoio não só em relação a Taiwan e à política da China única, mas também na recusa de interferências externas relativamente às questões do Tibete, Xinjiang 110 e violações 109 Para Santillán (2009), essa invocação de inter-regionalismo dado pelo conceito de cooperação Sul-Sul foi utilizada para demarcar uma zona compartilhada de interesses entre América Latina e o Leste Asiático sustentada, do lado latino-americano, na necessidade de aprofundar a diversificação como objetivo estratégico da política exterior e, do lado do Leste Asiático, como meio para aprofundar o desenvolvimento econômico, o comércio e o investimento (o qual é perfeitamente consistente com o sustentado por diplomatas e acadêmicos chineses). (SANTILLÁN, 2009: p. 221). 110 O Tibete (Xizang - 西 藏 ) é uma região autônoma da China com importante tradição budista e que reivindica governo próprio. Xinjiang (Xinjiang - 新 疆 quer dizer nova fronteira ) é uma província autônoma da RPC, no extremo-oeste do território chinês, onde separatistas islâmicos lutam pela independência há mais de dois séculos.

80 77 de direitos humanos. Por fim, todas estas manobras diplomáticas e a presença chinesa na África e na América Latina contribuem para a crescente afirmação da RPC como potência mundial 111. A despeito desta crescente afirmação, a expansão industrial e os baixos custos de trabalho praticados na China vêm implicando dificuldades para a indústria e perda de empregos em vários países. A consolidação de uma economia mundial integrada transformouse, com a entrada da China, em ameaça aos avanços sociais obtidos pelos países ocidentais e em desafios para os países em desenvolvimento, já que mesmo com as proibições da OMC ao governo chinês de imposição de transferência tecnológica para os investimentos estrangeiro, o [...] governo chinês segue utilizando mecanismos de política industrial para distorcer preços de mercado de modo a favorecer o crescimento de empresas e setores previamente escolhidos, dado que as leis e regulamentações na China ainda estimulam a transferência de tecnologia, os subsídios à exportação e o uso de insumos locais (CUNHA e ACIOLY, 2009, p. 364). Nesse ínterim, há uma crescente onda de sanções contra a China. Além de medidas ligadas à política externa, há o fortalecimento das pressões para a valorização do câmbio 112 e para a redução da pirataria, acopladas à adoção de barreiras comerciais 113. A tais receios, para autores como Kaplan (2005), soma-se que a emergência econômica e política chinesa teria, como resultado, intensa disputa por recursos energéticos com os Estados Unidos e o Japão. Haveria, também, a concorrência acirrada da RPC com outros países em desenvolvimento, por investimentos externos. Tendo em conta, ainda, o crescente poderio militar chinês, resultante de seu programa de modernização das forças armadas, seriam inevitáveis conflitos intra e extra-regionais (BRIC POLICY CENTER, 2011) Ainda que conflitos de interesses comerciais possam de fato ocorrer, quanto a este último receio, infere-se distância com a realidade estratégica, na medida em que 111 É importante enfatizar que a China estabeleceu com a África o Fórum de Cooperação Sino-Africana (FOCAC), em Em relação à América Latina, o país possui status de observador na CEPAL e no Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) participando como acionista deste último desde 2008, na Associação Latino-Americana de Integração (ALADI) e na Organização dos Estados Americanos (OEA), além de participar da Comissão de Diálogo Mercosul-China desde 1997 e de estabelecer um mecanismo de consulta e cooperação com a Comunidade Andina desde 2002 (CORNEJO e GARCÍA, 2010). 112 Uma pressão americana exerce-se essencialmente contra a centralização cambial e a política de compra de reservas do Banco Central chinês que impedem que o yuan se valorize com o acúmulo dos fluxos líquidos de capitais. 113 Vide projeto brasileiro recente de aumento do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para carros importados. Ainda que a justificativa da medida seja a de "preservar os empregos no Brasil" e "fortalecer a indústria nacional", a mesma tem repercussões negativas diretas nas pretensões das novas montadoras chinesas, como a JAC (O ESTADO DE S. PAULO, 2011).

81 78 Até na melhor das estimativas, o orçamento militar chinês é menos de 20% do orçamento norte-americano [...], mal supera, se é que supera, o do Japão e [é] bem menor que o orçamento de Japão, Índia e Rússia somados, todos na fronteira com a China sem falar da modernização militar de Taiwan, sustentada por decisões norteamericanas tomadas em [...] Muito provavelmente, o desafio futuro da China a médio prazo será político e econômico, não militar. (KISSINGER, 2005 apud ARRIGHI, 2008, p. 298). De fato, como mostra a Figura 5, os gastos com despesas militares nos Estados Unidos têm crescido desde 2001, ao passo que a China mantém seus gastos como porcentagem relativamente invariados. Figura 5 Despesas militares como Porcentagem do Produto Interno Bruto (PIB) Fonte: Banco Mundial. Indicadores do Desenvolvimento Mundial, Elaborada pela autora. Não obstante, quaisquer proposições alarmistas de cunho negativo são notadamente incompatíveis com a doutrina chinesa de surgir precipitada e pacificamente 114. Tal doutrina pressupõe que a China evitará o expansionismo e as agressões promovidos pelas potências anteriores no momento de sua ascensão ao utilizarem da violência para angariar recursos e 114 Heping jueqi 和 平 崛 起. Doutrina apresentada no Fórum de Boao para a Ásia em Segundo Arrighi (2008: p. 299), com base em estudos históricos encomendados pelo Politburo sobre experiências passadas de ascensão de potências e as reações que provocaram, ela foi apresentada como refutação da idéia de ameaça chinesa e como ofensiva atraente para contrabalançar a estratégia norte-americana de cercar a China com um sistema de bases militares e relações de segurança.

82 79 buscar hegemonia mundial. Ao contrário, utilizar-se-ão de avanço que beneficie também os demais países com os quais a China mantém relações políticas e/ou econômicas, adequando os mesmo princípios fundadores aos novos contextos de abertura e globalização. É assim que as fontes oficiais enquadram o acionar diplomático chinês nos princípios de coexistência pacífica, respeito mútuo à soberania e à integridade territorial, não agressão, não intervenção, igualdade e benefício recíproco, e coexistência pacífica propriamente dita. (ZHOU, 2004, p. 6). De fato, a China tem reiterado que sua condição atual de potência emergente deve ser entendida como uma nova fase histórica, marcada pela ascensão pacífica do país, destinada a beneficiar seu entorno imediato e relações com o exterior, deixando clara sua preferência pela atuação internacional através de um soft power 115. A referência à ascensão ainda que com a qualificação de pacífica - reforçou preocupação de setores de opinião alarmados a cerca das intenções chinesas quanto ao almejo da hegemonia mundial. Sendo assim, tal expressão foi sendo paulatinamente abandonada em favor de desenvolvimento pacifico ou coexistência pacífica, mesmo que a doutrina, em sua essência, tenha permanecido inalterada. Já em 1953, os Cinco Princípios para Coexistência Pacífica respeito mútuo pela soberania e integridade territorial, não agressão mútua, não ingerência nos assuntos internos, igualdade e benefício mútuo, e coexistência pacífica - foram colocados pelo então Premiê Zhou Enlai em seu discurso à delegação indiana no início das negociações sobre as relações entre os dois países no Tibete. Desde então, tais princípios têm sido aceitos como constituintes de uma totalidade de ações que envolve um novo conceito de cooperação, de segurança, de relações do tipo ganha-ganha (win-win), e de um tipo de sociedade harmoniosa 116. A importante filosofia da sociedade harmoniosa e do mundo harmonioso, colocada até hoje pelo presidente Hu Jintao, é revestida de significado teórico 117 e que na 115 Soft power se dá basicamente pela influência cultural e capacidade de negociar com outros países com base na cooperação. Ao contrário, o hard power se caracteriza pelo uso da força coativa baseada no poder bélico. 116 Em 1956, a Finlândia, a Dinamarca, a Suécia, a França e a Bélgica introduziram os Cinco Princípios em documentos relacionados. Após a década de 1970, o Japão, a Grã-Bretanha, a Holanda, a Alemanha, a Austrália e os Estados Unidos aceitaram os Cinco Princípios e os introduziram em acordos de amizade ou comunicados conjuntos assinados com a China. Durante meio século, os Cinco Princípios têm sido incluídos em mais de 160 documentos internacionais (CONSULATE-GENERAL OF THE PEOPLE'S REPUBLIC OF CHINA IN HOUSTON, 2004). Since then, the Five Principles of Peaceful Co-existence have been recognized and accepted by more and more nations, international organizations and international meetings, and have been incorporated into a series of major international documents, including declarations adopted by the United Nations General Assembly (XINHUA, 2005, p. 1). 117 De acordo com Yu (2006: p. 9), harmony is a higher goal than peace. In terms of peace, it means neither to be ready to use force against each other, nor to threaten to use force, while in terms of harmony, it means on the basis of peaceful coexistence to help each other, advance together and finally reach a realm of human community.

83 80 prática serve como um princípio orientador no que tange à política interna da China e sua estratégia externa, indicando a orientação que procura o país num sistema internacional em transformação, reduzindo incertezas e aumento previsibilidades. Ainda assim, muitos policy-makers preocupam-se com o incompleto entendimento acerca da grande muralha de incógnitas 118 que é a China, apostando num momento internacional de ameaça chinesa ou de mito do milagre asiático 119. Ao contrário, o governo da RPC anuncia com a doutrina do mundo harmonioso que o desenvolvimento chinês proverá de novas e abrangentes oportunidades a arena internacional, e que a China está disposta a buscar interesses de cooperação com países individuais e compartilhar prosperidades dentro, como é de se prever, do escopo de seus interesses nacionais. Yu (2006, p. 8, grifo nosso) aponta que Suppose China s thinking on foreign policy used to stress mutual respect, equality and mutual benefits and non-interference, today it should stress to take the initiative to ease contradictions and promote consensus through coordination. To construct harmonious society internally and to promote harmonious world externally are completely of the similar objective and complement each other. Como reforço a tal doutrina, que prima pela construção de consenso através de coordenação, a nova geração no poder construiu uma diplomacia estratégica em torno dos quatro nãos enunciados pelo presidente Hu Jintao (2004): Não à hegemonia, não à política da força, não a uma política de blocos, não à corrida armamentista. Trata-se de construir a confiança, atenuar as dificuldades, desenvolver a cooperação, e evitar os confrontos 120. Consciente das implicações de suas políticas, Pequim aposta numa postura relativamente flexível, que privilegia as relações bilaterais ao mesmo tempo em que participa ativamente das organizações regionais e multilaterais, e que abrange as relações econômicas em todos os sentidos, reduzindo ao mesmo tempo possíveis tensões geopolíticas e apresentando alternativas comerciais aos países parceiros. Além disso, Hu reiterou o compromisso da China com o desenvolvimento pacifico durante visita à ONU, em Nova York, em setembro de 2005, destacando os desafios envolvidos na administração e no aumento da prosperidade dos habitantes chineses. Isto mostra elementos da mudança política empreendida por Hu Jintao e Wen Jiabao - primeiro- 118 Termo empregado por Arrighi (2008: p. 309). Ver também Samuelson (2004). 119 KRUGMAN, P. The Myth of Asia s Miracle. Foreign Affairs, v.73, n. 6, p , nov/dez Discurso de abril de 2004, citado por RAMO, J. C. O Consenso de Beijing. Londres: The Foreign Policy Center, p , Disponível em:< Acesso em 12 jun.2011

84 81 ministro chinês - e da maior preocupação destes líderes com questões não só comerciais, mas também sociais, ilustradas pelas campanhas constantes contra a corrupção para expurgar a estrutura do partido de seguidores de Jiang Zemin e reforçar a capacidade do Partido e do Politburo de implementar efetivamente a mudança da linha política (ARRIGHI, 2008) Doravante, no início da segunda década do século XXI (06. Set. 2011) e por ocasião do 90º aniversário da fundação do Partido Comunista da China (PCC), o país declarou novamente que o desenvolvimento pacífico é a escolha estratégica chinesa rumo à modernização e à prosperidade, dada a publicação do Livro Branco sobre o desenvolvimento pacifico da China (White Paper on China s Peaceful Development 121 ). O documento, que foi divulgado pelo Departamento de Comunicação do Conselho de Estado chinês, versa essencialmente sobre o caminho do desenvolvimento pacífico, o que o país pretende alcançar através dele, a política externa a ser empreendida e tenta elucidar o que o desenvolvimento pacífico da China significa para o resto do mundo. Tendo em vista que seus objetivos com relação ao desenvolvimento doméstico acelerar a mudança do modelo de crescimento, explorar ainda mais os recursos internos do país e os pontos fortes de seu mercado, acelerar a construção de uma sociedade harmoniosa 122 e implementar a estratégia de abertura com benefício mútuo dependem não só do esforço interno, como também da criação de um ambiente internacional pacifico e de condições externas favoráveis, a RPC pressupõe igualmente a construção de um mundo harmonioso através de etapas e apreciam uma visão de mundo de "unidade sem uniformidade" (unity without uniformity). Tal reconhecimento da importância de ajustar o desenvolvimento às necessidades de cada país em específico 123 constitui-se um elemento dentro do que Ramo (2004) e Halper (2010) chamaram de Consenso de Pequim, cujos preceitos diferem essencialmente da receita única do tradicional Consenso de Washington. Dos Santos (2005, p. 1) enfatiza que trata-se de definir o final do Consenso de Washington que Joseph Stiglitz tão bem 121 Em Anexo. 122 A construção de uma sociedade harmoniosa tem ênfase na melhoria da vida das pessoas através da aceleração da reforma dos sistemas sociais, da melhora dos serviços públicos básicos, do desenvolvimento de novos mecanismos de gestão social, tornando-a mais eficiente, da melhora na distribuição de renda e do sistema de segurança social. O objetivo da RPC é garantir que todas as pessoas tenham o direito de educação, emprego e remuneração, serviços médicos e de habitação, de modo que todos compartilhem a responsabilidade de criar uma sociedade harmoniosa e aproveitar a vida e os benefícios do desenvolvimento em tal sociedade (WHITE PAPER ON CHINA S PEACEFUL DEVELOPMENT, 2011) 123 In the ever-changing world of today, all doctrines, systems, models and paths are subject to the test of the times and practice. As national conditions vary from country to country, there is no such thing as a fixed mode of development which claims to be the only effective one and applicable to all. A path of development is viable only when it suits the national conditions of a country. (WHITE PAPER ON CHINA S PEACEFUL DEVELOPMENT, 2011, p. 6)

85 82 prognosticou. O pós-consenso de Washington será, sobretudo, um Consenso de Pequim. Patamar importante deste Consenso é o reconhecimento da importância da cooperação entre os Estados na construção de uma nova ordem mundial com base na interdependência econômica e no multilateralismo, este colocado pelo Livro Branco como irresistível (2011, p. 13): The global trend towards multipolarity is irresistible. Para Ramo (2004) a ascensão chinesa já está reformulando a ordem internacional, introduzindo uma nova física de desenvolvimento e poder. Assim, o Consenso representa o surgimento, liderado pela China, de um caminho para os outros países do mundo se desenvolverem e se encaixarem na ordem internacional, de modo a permitir que sejam verdadeiramente independentes, protejam seu modo de vida e suas opções políticas 124. Percebe-se que tal política é fortemente voltada aos países em desenvolvimento, orientando suas ações no sentido de desempenhar protagonismo nas relações baseadas na cooperação Sul-Sul. Como apontado no próprio Livro Branco sobre o desenvolvimento pacifico chinês (2011, p. 14, grifo nosso): We will increase strategic dialogue with the developed countries to promote strategic mutual trust, deepen mutually beneficial cooperation, handle differences properly, explore ways to establish and develop a new type of relationship among the major countries and promote long-term, steady and sound growth of China's relations with these countries [ ] We will enhance unity with other developing countries, deepen traditional friendship, expand mutually beneficial cooperation, sincerely help the other developing countries achieve independent development by providing aid and making investment and uphold their legitimate rights and interests as well as their common interests. Embora Ramo (2004) conclua que o caminho para o desenvolvimento chinês não possa ser repetido por qualquer outra nação e que esse caminho ainda continue repleto de contradições, muitos elementos desta ascensão têm engajado fortemente os países em desenvolvimento através de diálogos estratégicos, sobretudo nos âmbitos comercial e financeiro 125. Esta força de atração da economia chinesa impõe aos países que pensem em meios para aproveitar as vantagens e afastarem-se dos pontos negativos a fim de engendrar um bom momento para seu próprio desenvolvimento e salvaguarda de sua economia. 124 China is marking a path for other nations around the world who are trying to figure out not simply how to develop their countries, but also how to fit into the international order in a way that allows them to be truly independent, to protect their way of life and political choices in a world with a single massively powerful centre of gravity (RAMO, 2010: p. 3). 125 Arrighi (2001: p. 296) aponta que o fator crítico de sucesso da mudança de equilíbrio de poder rumo à China nesta nova ordem mundial consiste-se no fato de os principais centros da civilização sinocêntrica reemergente conseguirem satisfatoriamente fornecer soluções sistêmicas para os problemas sistêmicos deixados pela hegemonia norte-americana.

86 83 É nesse ínterim de estabelecer e reforçar parcerias com os países em desenvolvimento que o grande colosso econômico oriental China volta sua atenção para o expoente econômico de peso da América Latina: o Brasil. Também para este país, configurar um novo padrão de inserção e relacionamento internacional passava pela expressão estratégica representada pelo Leste Asiático com conteúdo tanto econômico quanto político. É nesta parceria que a seção seguinte se concentra.

87 84 4. A Parceria Estratégia Sino-Brasileira O Brasil e a China são atualmente atores políticos que exercem um papel fundamental no âmbito internacional. Durante quase metade do século passado, embora de forma diferente, seguiram modelos econômicos que primavam pela autosuficiência, e através dela aumentariam a autonomia e a influência internacional. Contemporaneamente, seus interesses passaram a ser buscados por meio da integração ao contexto internacional, em demanda de mercados, tecnologia e recursos para investimento. Tal foi o grau de inserção internacional que, hoje, o cenário exerce enorme influência na estabilidade e no desenvolvimento econômico de suas respectivas regiões. Tal como a China, o Brasil apresenta objetivos internacionais relacionados à quatro elementos principais: 1) luta contra o possível e indesejado neocolonialismo, imperialismo e exploração capitalista dos países do Terceiro Mundo; 2) defesa dos direitos à autodeterminação dos povos e à soberania estatal; 3) defesa da paz e do progresso social e econômico; 4) cooperação voltada para a modernização e desenvolvimento científico e tecnológico. Além disso, o Brasil e a China possuem fatores comuns determinantes de suas políticas externas, como a busca pelo desenvolvimento, autonomia e segurança nacional. Assim, ao longo da segunda metade do século XX e da primeira década do século XXI, o Brasil e a China buscaram colocar em prática seus projetos desenvolvimentistas, afirmar-se regional e mundialmente e manter relações com os países do Sul, levando em consideração suas próprias relações bilaterais. Da passagem de uma formulação retórica para o estabelecimento de ações estratégicas, muitas questões se impõem. Logo, nesta sessão pretende-se demonstrar como uma vigorosa sinergia político-diplomática, econômico-comercial e científico-tecnológica possibilitou a evolução, o aprofundamento e a construção de uma parceria estratégica sinobrasileira, sobretudo através da maximização de vantagens recíprocas, além de contribuir com breves prospecções latentes nesses três elementos no final desta década de Para uma completa investigação e o entendimento da evolução do relacionamento sino-brasileiro, faz-se necessária uma retomada histórico-analítica das relações bilaterais entre os países de forma a demonstrar como foram orientadas as respectivas políticas externas, tendo em vista a influência de fatores endógenos e exógenos para a execução destas.

88 A inserção internacional de China e Brasil e o estabelecimento das relações diplomáticas A China, que já havia ingressado na comunidade internacional como membro do Sistema Internacional de Westphalia, em 1949, passou por um período de construção do Estado comunista, liderado por Mao Zedong e baseado na matriz ideológica marxista, após a vitória militar frente aos nacionalistas. O líder nacionalista Chiang Kai-Chek e a elite chinesa então se refugiaram na província insular de Taiwan protegidos pelos Estados Unidos. A partir deste momento, passaram a coexistir a República Popular da China (RPC), no continente, e a República da China, na ilha de Taiwan. Devido ao fato de que a maior parte dos Estados ocidentais incluindo Brasil - seguiu os preceitos dos Estados Unidos no não reconhecimento diplomático da RPC, a representação na Organização das Nações Unidas (ONU) e o assento no Conselho de Segurança desta instituição foram dadas a Taiwan. Na intenção de estabelecer uma cooperação que pudesse fornecer bases para o processo de recuperação econômica e levando em conta a preocupação com a segurança estratégica e econômica do país, a RPC tentou aproximação com a URSS. Esta, no entanto, com a crise de sua própria economia, a partir de 1960 interrompeu a ajuda financeira e técnica que fornecia àquele e acirrou tensões existentes entre os dois países, que culminaram com a ameaça de intervenção soviética para destruir a capacidade nuclear chinesa 126 e com o posicionamento de tropas soviéticas ao longo da fronteira. Tal fato consolidou um cenário extremamente desfavorável à China: além do acirramento das tensões sino-soviéticas, a RPC estava contida e isolada pelos norte-americanos e demais Estados que se opunham aos ideais revolucionários de Mao; deparava-se com a hostilidade de Taiwan, a inimizade com a Índia 127, e a Guerra do Vietnã. Desta forma, e no âmbito das tensões bipolares, a China [ ] começou a sentir-se cercada pelo seu isolamento internacional exigido pelos Estados Unidos da América e, em seguida, pelo rompimento entre a China e a União Soviética (PINTO, 2000, p. 69). Frente a este cenário desfavorável, o país redirecionou sua política externa, desenvolvendo uma estratégia de abertura ao ocidente que previa, primeiramente, a aproximação com os Estados Unidos como uma forma de conter a URSS. Em seguida, a RPC 126 As divergências entre a China e a URSS foram agravadas em 1958 pelo desentendimento sobre a intenção chinesa em construir um arsenal atômico independente através do programa atômico chinês. Na década de 1960 ainda houve a suspensão de programas de cooperação antes patrocinados por Moscou que orientavam a construção de mais de 170 projetos industriais chineses, comprometendo o projeto de crescimento acelerado no país o Grande Salto para Frente ( ). 127 Os desentendimentos entre China e Índia se deram devido aos interesses de demarcação de fronteira no Himalaia, com relação ao Tibete, e devido ao fato da Índia ter concedido asilo ao Dalai Lama.

89 86 passou a buscar também a intensificação de relações com os países em desenvolvimento, o que ia ao encontro das expectativas que estes países em desenvolvimento ou recentemente descolonizados apresentavam na busca de um cenário internacional multipolar no qual pudessem exercer uma política externa mais independente e não alinhada às duas superpotências 128. Neste ínterim é que se deu a Conferência de Bandung, e em 1955 foram explicitados os Cinco Princípios da Coexistência Pacífica citados na seção anterior. Adicionalmente, a partir do princípio de uma só China e do estabelecimento de relações diplomáticas entre Pequim e Washington, a RPC passou a contar com reconhecimento diplomático, tomando assento na ONU como um dos membros permanentes do Conselho de Segurança, no lugar da República da China (Taiwan), em 25 de outubro de 1971, na ocasião da 26ª sessão da Assembléia Geral das Nações Unidas 129. Como aponta Oliveira (2004, p. 12): A China, por sua vez, buscava igualmente por um lugar próprio na política mundial. Deng Xiaoping, em 1972, anunciava o fim do Campo Socialista e identificava a China como pertencendo ao Terceiro Mundo, e Mao Zedong, em 1974, desenvolvia a Teoria dos Três Mundos. Os princípios tratados então pelos países em desenvolvimento em Bandung transformaram-se ao longo da década de 1970 em instrumentos de barganha frente aos países desenvolvidos, e o debate por uma nova ordem econômica que privilegiasse a inserção internacional dos países em desenvolvimento se instituiu em diversos foros mundiais. Nesta mesma década, o Brasil era considerado fundamentalmente um país em desenvolvimento e seu status em termos econômicos ainda não era destaque no âmbito internacional 130. Do ponto de vista político, já a partir de 1964, com o regime militar em vigência e sob a área de influência dos EUA, o desafio para o Brasil era tentar redesenhar seu discurso e buscar autonomia, principalmente diante de uma ordem econômica desigual e predominantemente vantajosa para as potências tradicionais. Nesse sentido de busca por 128 Momento coincidente com o Movimento dos Países Não-Alinhados já explicitado nesta pesquisa. 129 Vale lembrar que na votação, a RPC contou com 76 votos a favor, 35 contra, 17 abstenções e 3 ausências, sendo que o Brasil, juntamente com os Estados Unidos, manteve posição contrária ao reingresso de Pequim na ONU. Entretanto, os votos consolidavam o reconhecimento da RPC e dava legitimidade ao governo de Pequim. (PINHEIRO, 1993). 130 O Brasil, além de outros países latino-americanos, passou a perceber a RPC como um Estado capaz de desempenhar um papel positivo em caso de dificuldades ou de crises internacionais, já que era então membro permanente do Conselho de Segurança. Ao mesmo tempo, a China delegou-se o papel de principal defensora dos interesses dos países do Terceiro Mundo na ONU, tomando parte em favor dos latino-americanos em controvérsias de cunho Norte-Sul, próprios a desencorajar tentativas hegemônicas das superpotências.

90 87 maior autonomia, uma expressiva iniciativa diplomática o destacou no início da década de 1960: Ao liderar a Conferência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento UNCTAD que resultou na criação dos 77, contribuindo de modo decisivo para criar uma atmosfera favorável ao debate sobre a cooperação e o intercâmbio entre os países meridionais. Esta conferência, realizada em Genebra em 1964, serviu de base a todos os esforços de criação de uma nova ordem econômica internacional, dando início a uma nova etapa na cooperação Sul-Sul. (CABRAL, 2000, p. 37) Deste quadro pode-se inferir que, até a década de 1970, apesar de pertencerem a um conjunto de países cuja problemática do desenvolvimento econômico era comum, as relações bilaterais não avançaram frente ao jogo de forças antagônicas existentes na cena mundial. Assim sendo, a ação política desses atores até então era relativamente limitada. (VELASCO e CRUZ, 2002, p. 61) A despeito desta limitação, já a partir da política externa independente 131 do governo Jânio Quadros houve a aproximação do Brasil com a China através da missão comercial àquele país, em 1961, liderada pelo Vice-Presidente João Goulart. Doravante, o pragmatismo responsável da política externa do governo Geisel, que quando assumiu o governo em 15 de março de 1974 se deparou com elementos conjunturais específicos a crise do petróleo (1973) no âmbito externo 132 e o processo de esgotamento do milagre econômico no âmbito doméstico -, trouxe uma estratégia de estreitamento de laços com os países em desenvolvimento, em contraposto ao alinhamento ideológico da Guerra Fria, consagrando [ ] o não isolamento diplomático do país, sobretudo em foros multilaterais, onde as afinidades com as teses terceiro-mundistas eram essenciais para a obtenção de ganhos políticos (FONSECA, 1996, p. 330). Lima e Moura (1982, p. 351) afirmam ainda que o caráter universalista da política de Geisel [ ] deu continuidade à idéia de força do pragmatismo, qual seja o não-alinhamento automático e a inexistência de aliados preferenciais. Já na visão de Oliveira (2004, p. 11), mesmo com as aproximações dadas da missão comercial, conclui-se que 131 Cervo e Bueno (1992) distinguem a Política Externa Independente como a mundialização das relações internacionais do Brasil, enfatizando a segmentação do mundo no mancal Norte-Sul econômico e não do conflito bipolar e sistêmico originário da Guerra Fria. Praticadas pelos chanceleres Afonso Arinos de Melo Franco e San Tiago Dantas, tal política reivindicava liberdade de escolha de parceiros e mercados, colocandose como critério primordial o desenvolvimento econômico do país. 132 O choque do petróleo em 1973 fez com que as economias industriais ingressassem em um período de recessão, assim, os países em desenvolvimento tiveram de repensar suas estratégias de inserção internacional e, nesse sentido, identificaram necessidade de diversificar suas alianças políticas e parcerias comerciais de forma mais pragmática.

91 88 Nas décadas de 1950 a 1970, não se pode pensar propriamente num relacionamento Brasil-Ásia. Apesar de presente em discursos, principalmente a partir da política externa independente no governo Jânio Quadros, constata-se, na realidade, somente uma interação, no plano multilateral, de construção de uma agenda política comum a países em desenvolvimento, no processo de defesa de instauração de uma nova ordem econômica internacional. De fato, ainda que as relações sino-brasileiras sejam datadas desde o século XIX com contatos em sua maior parte não oficiais 133, o restabelecimento das relações diplomáticas somente ocorreu em 15 de agosto de 1974, quando do reconhecimento pelo Brasil da República Popular da China. O governo procurou enfatizar a questão econômica apenas para tornar palatável o reconhecimento. [...] A intenção era política (SILVEIRA apud PINHEIRO, 1993, p. 260). Na ocasião da assinatura do Comunicado Conjunto sobre o Estabelecimento das Relações Diplomáticas entre o Brasil e a China, os discursos dos interlocutores demonstraram que os distintos interesses nacionais estariam focados na soberania e na independência: Os dois governos concordam em desenvolver as relações amistosas entre os dois países com base nos princípios de respeito recíproco à soberania e à integridade territorial, não-agressão, não-intervenção nos assuntos internos de um dos países por parte do outro, igualmente e vantagens mútuas e coexistência pacífica 134. Assim, a existência de princípios comuns fundamentaria a base do relacionamento sino-brasileiro. De acordo com o Vice-Ministro do Comércio Exterior da República Popular da China, Chen Chieh (1974): A China e o Brasil, como países em vias de desenvolvimento, defrontam-se com a mesma tarefa de salvaguardar a independência e a soberania nacionais, desenvolver a economia nacional, e lutar contra o hegemonismo e a política de força das superpotências. Nós, os países em desenvolvimento, temos mil e uma razões para nos unirmos ainda mais estreitamente e nenhuma razão para nos afastarmos uns dos outros Pires e Paulino (2011, p. 1) apontam que as relações sino-brasileiras remontam ao período em que o Brasil era colônia de Portugal, servindo os portos brasileiros como escala no trajeto Lisboa-Macau. Os reflexos desse contato podem ser encontrados na botânica, na arquitetura, nos costumes e na culinária. Pelas caravelas portuguesas se fazia o intercâmbio entre o Oriente e o Ocidente, tornando as relações entre os povos anteriores à relação entre os Estados. 134 Resenha de Política Exterior do Brasil. Ministério das Relações Exteriores, Brasília: ano I, n. 2, Set Disponível em: <http://www.itamaraty.gov.br/divulg/documentacao-diplomatica/publicacoes/resenha-depolitica-exterior-do-brasil/resenhas/resenha-n77-2sem-1995>. Acesso em: 22 jun Discurso do Vice-Ministro do Comércio Exterior da República Popular da China, Chen Chieh, quando da assinatura do Comunicado Conjunto sobre o Estabelecimento das Relações Diplomáticas entre o Brasil e a China, no Palácio do Itamaraty, em 15 de agosto de 1974 (CHEN apud CABRAL, 1999, p. 8-9).

92 89 Concomitantemente, o estabelecimento das relações diplomáticas conjurava as intenções particulares de cada país. A política externa brasileira estava apoiada nos conceitos de pragmatismo, responsabilidade e ecumenismo. O primeiro relacionado à eficiência exigida de acordo com a visão realista da conjuntura em que o país se inseria, buscando [...] vantagens no cenário internacional, independente de regime e ideologia ; o segundo relacionado à não contaminação ideológica da política externa; e o terceiro correspondia ao caráter universalista da política externa, de forma a ampliar parcerias no sistema (VIZENTINI, 2004, p. 208). O estabelecimento de relações diplomáticas com um país que também primava pela independência de política externa e pelo respeito à soberania veio a fortalecer o discurso brasileiro 136. Além de compartilharem posições semelhantes frente aos temas da agenda internacional, e a despeito das diferenças ideológicas e do desempenho cumprido por cada um na política mundial, a aproximação entre ambos foi impulsionada pelo encaminhamento da conjuntura internacional, que trouxe a ambos os governos, em diferentes intensidades e por razões diversas, a necessidade de promover um melhor posicionamento político e econômico no sistema global a RPC necessitava rescindir o isolamento e se reaproximar do ocidente, e o Brasil necessitava reagir para empreender e manter o desenvolvimento do país. E foi a partir do estabelecimento das relações diplomáticas entre Brasil e China que foram alicerçados os pilares do relacionamento rumo ao progressivo estabelecimento da parceria estratégica. Da perspectiva comercial, as relações sino-brasileiras apresentaram considerado impulso, refletindo a gradual consolidação e desenvolvimento dos laços estabelecidos em Em 1978 foi efetuada assinatura de um Acordo Comercial 137, de forma a institucionalizar o crescente fluxo de comércio que já se observava entre os dois países. Assim, já em 1979, as exportações brasileiras para a China somaram mais de US$ 118 milhões, um valor seis vezes maior do que o registrado apenas cinco anos antes. No mesmo 136 Na verdade, o Brasil manteve uma estratégia de dupla inserção do sistema internacional, na medida em que mesmo focando no discurso ecumênico, o governo convergia em muitos momentos com as potências tradicionais, nomeadamente os Estados Unidos, dependendo da pauta dos interesses nacionais. Exemplo disto foi o fomento externo do processo de industrialização do país por meio do II PND (Plano Nacional de Desenvolvimento), lançado em setembro de 1974, o que acabou por incrementar substancialmente o endividamento externo brasileiro. (VIZENTINI, 2004). De acordo com Bueno e Cervo (2002, p ) o pragmatismo haveria de guiar-se pelas circunstâncias, sem admitir dicotomias e camisas-de-força. Sem opções exclusivistas pelo bilateralismo ou multilateralismo, pelo Ocidente ou Terceiro Mundo, pelo alinhamento ou divergência, por essa ou aquela ideologia. 137 Acordo Comercial Brasil República Popular da China. Ministério das Relações Exteriores. Disponível em: <http://www2.mre.gov.br/dai/b_chin_04_1098.htm.>. Acesso em: 15 ago

93 90 período, as importações provenientes da China passaram de US$ 560 mil a US$ 83 milhões, crescendo mais de 140 vezes 138. Da pauta comercial referente ao período , destacaram-se os seguintes produtos: algodão, açúcar, soja, sisal, cacau, madeira e celulose, minérios e produtos siderúrgicos, fibras têxteis sintéticas, óleo de soja em bruto - dentre os produtos exportados pelo Brasil - e produtos químico-farmacêuticos e petróleo - dentre os importados da China. Destaca-se o alto grau de concentração na pauta comercial, sendo que, em 1979, mais de 99% das importações relacionavam-se a produtos de apenas quatro setores. Destes 99%, mais de 95% relacionaram-se apenas às vendas de petróleo. Coincidentemente ou não, atualmente as exportações brasileiras de petróleo para a China dispararam para atender o voraz apetite do gigante asiático por matérias-primas. No ano de 2010 até outubro -, segundo a Secretaria de Comércio Exterior (Secex), considerados os embarques diretos, o país asiático, que comprou 179,5 mil barris de petróleo por dia, é o principal cliente do Brasil e já recebe mais petróleo brasileiro que os Estados Unidos, que importou 157 mil barris por dia, 5% a menos que a China 139. A década de 1980, a seguir, representou um momento paradoxal do relacionamento sino-brasileiro. Por um lado, o fim da Revolução Cultural de Mao Zedong, as reformas estruturais modernizadoras sob liderança de Deng Xiaoping que propiciaram maior abertura do país -, o fim do confronto bipolar da Guerra Fria, o processo de abertura econômica sob o ímpeto da globalização, e o restabelecimento da democracia no Brasil, demarcavam grandes oportunidades de uma maior inserção internacional do Brasil e do fortalecimento das relações com a RPC. Por outro lado, o Brasil como a maioria dos países em desenvolvimento, ao longo da década de 1980, imergiu numa crise econômica motivada pelo rompimento do diálogo Norte- Sul. A vulnerabilidade financeira do Brasil foi potencializada diante dos conflitos de interesses comerciais com as potências tradicionais e pelas injunções norte-americanas nos âmbitos bilateral e multilateral mormente com o posterior receituário de Washington e no âmbito das prescrições do Fundo Monetário Internacional (FMI)-, o que motivou o governo brasileiro a uma inserção no mundo com o objetivo de superar a crise de endividamento externo, sobretudo privilegiando o regionalismo sul-americano. Em meio ás incertezas 138 China: intercâmbio comercial, tarifas aduaneiras, barreiras em bens e serviços e compromissos na acessão à OMC. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Siscomex. Disponível em <http://www.mdic.gov.br/arquivos/dwnl_ pdf.> Acesso em: 12 out China lidera importação de petróleo brasileiro, Revista Veja Online, 29 nov Disponível em: <http://veja.abril.com.br/noticia/economia/china-lidera-importacao-de-petroleo-brasileiro> Acesso em: 15/09/2011.

94 91 políticas geradas pelos efeitos da década perdida, houve [ ] forte perda da capacidade de negociação do Brasil, que se tornou indisfarçavelmente vulnerável ás preces dos países industrializados e dos organismos multilaterais (SENNES, 2003, p. 67). Assim, pode-se inferir as diferentes trajetórias do Brasil e da RPC naquele momento: Enquanto o primeiro amarga um longo período de estagnação, a segunda apresenta um vigoroso crescimento no mesmo intervalo de tempo. [...] No Brasil, a crise da dívida externa e a conseqüente crise fiscal que a acompanhou, entre 1981 e 1994, em conjunto com a adoção de políticas inadequadas, foram responsáveis pela estagnação; na China, a política de modernização implementada pelo Partido Comunista Chinês e acelerada sob a liderança de Deng Xiaoping, a partir de 1978, pode ser responsabilizada pelo vigoroso crescimento. [...] No primeiro, foi aplicado o receituário conhecido como o Consenso de Washington ; no segundo, uma estratégia de liberalização sob controle do Estado, um modelo recém batizado Consenso de Pequim. 140 Ainda assim, em 1984 ano em que comemorou o décimo aniversário de estabelecimento das relações diplomáticas entre Brasil e RPC-, o Presidente João Baptista Figueiredo visitou a China e diversos acordos foram firmados, tais como: Acordo para a Cooperação nos Usos Pacíficos da Energia Nuclear; Convênio sobre Transportes Marítimos; Acordo para Criação de Consulados em São Paulo e em Xangai; Memorando sobre Cooperação em Matéria Siderúrgica; e Acordo de Cooperação Científica e Tecnológica. A visita foi destaque na história das relações sino-brasileiras, já que após dois séculos de intercâmbio, aquela foi a primeira visita de um Presidente brasileiro àquele país (HANWU, 1991). Na ocasião, Figueiredo afirmou que as relações entre ambos os países estavam baseadas na convergência no plano mais alto da política internacional, bem como em projetos e realizações de caráter econômico-comercial, de cooperação científica e de intercâmbio cultural (FIGUEIREDO apud CABRAL, 1999, p. 1-2) 141. Doravante, no governo de José Sarney ( ), outros entendimentos se seguiram, dentre os quais dois de maior relevância: o Memorando de Entendimento relativo a Consultas sobre Assuntos de Interesse Comum e o Acordo de Cooperação para o Satélite de Recursos Terrestres China-Brasil. O primeiro cunhou mecanismos para trocas políticas bilaterais em temas da ordem mundial, ou seja, um maior diálogo entre os dois países em questões referentes ao desenvolvimento dos países periféricos em foros internacionais, 140 PIRES, M. C.; PAULINO, L. A. Metamorfoses nas relações Brasil x China: do comércio ao investimento direto. In: Congreso Nacional ALADAA - Argentina, Buenos Aires, Congreso Nacional de la Asociación Latinoamericana de Estudios de Asia y África. Argentina 2010: Asia y África en Argentina: Caminos hacia una sociedad intercultural. Buenos Aires: Mnemosyne, v. 1. p , Com relação ao intercâmbio bilateral e à cooperação econômica entre os dois países, neste ano registrou-se significativa expansão do intercâmbio comercial, tornando-se a China o 10º parceiro comercial do Brasil.

95 92 maiormente na ONU. Como frisou Sarney ao presidente chinês Yang Shangkun ( ), em visita à China em 1988: A nossa identidade de pontos de vista é demonstrada pela coincidência de nossos votos nos foros internacionais. As questões que aí são submetidas, em 95% dos casos são vistas da mesma maneira pelos nossos países. [...] Estou seguro de que o futuro das relações entre o Brasil e a China será assinalado por grandes realizações. Temos uma contribuição a dar para o aperfeiçoamento da ordem internacional. (SARNEY apud CABRAL, 1999, p. 2) O segundo inaugurou o Programa Espacial Sino-Brasileiro 142 de lançamento de satélites de rastreamento terrestre, que constituiu o caso mais emblemático da cooperação Sul- Sul por ocorrer num sistema internacional oligopolista, demonstrando ser um paradigma de cooperação que estabelece uma nova moldagem entre os países em desenvolvimento, além de um símbolo da parceria estratégica a ser construída (FUJITA, 2003). No âmbito econômico, a década de 1980 também trouxe certos entraves à expansão do comércio bilateral. Além da desregulamentação do sistema monetário internacional e da segunda crise do petróleo (1979) que elevou os custos de aquisição deste - em fins da década de 1970, deu-se uma crise econômica internacional, nomeadamente nos países latinoamericanos, e deram-se as reformas na política econômica chinesa. O governo chinês então impôs um corte drástico nas compras externas, que passaram de US$ bilhões para US$ 9.92 bilhões, refreando também as importações brasileiras. Fator creditado também à limitação do comércio bilateral foi a distância e o desconhecimento de hábitos e realidades da China. Visitas oficiais, comissões mistas de comércio 143 e feiras comerciais foram promovidas ao longo da década na tentativa de superar tal estranhamento. Em 1984 realizou-se em Pequim a III Reunião da Comissão Mista Comercial Brasil- China. Nesta reunião, as delegações analisaram a situação econômica e comercial de seus países, e a fim de concretizar as metas de intercâmbio bilateral, ambas as partes apresentaram 142 Sobre o Programa CBERS (China-Brazil Earth Resources Satellites/ Satélites Sino-Brasileiros de Recursos Terrestres) foi a primeira ação concreta, na área de cooperação, entre os dois países. O programa foi elaborado por uma equipe conjunta de ambos os países, sendo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) a representação brasileira, e a Academia Chinesa de Espaço e Tecnologia (CAST), pelo lado chinês. De acordo com Barbosa (1999: p. 118), a cooperação internacional possibilitou ao programa brasileiro ter acesso operacional aos dados desses novos sistemas, denominados satélites de aplicação. Até então, as informações coletadas por satélites estrangeiros de cunho científico chegavam ao país de forma esporádica e quase sempre na base do relacionamento pessoal entre cientistas brasileiros e seus parceiros no exterior. Assim, em outubro de 1999 foi lançado o primeiro satélite sino-brasileiro (CBERS-1) e, em outubro de 2003, foi lançado o segundo satélite (CBERS-2). 143 Como exemplo tem-se a II Reunião da Comissão Mista Comercial Brasil-China, que corroborou esforços para aumentar os laços comerciais bilaterais através da inauguração de escritórios de representação de um grupo de empresas brasileiras em Pequim.

96 93 uma relação tentativa de produtos que estes se dispunham a exportar e a importar. A delegação brasileira manifestou disposição de intensificar o comércio nos setores de mineração e metalurgia, papel e celulose, além de intensificar a cooperação nos setores petrolífero (pelo estabelecimento de joint ventures) agrícola e madeireiro (por meio de investimentos diretos), hidrelétrico (por meio de prestação de serviços e assessoria na construção de usinas 144 ) e de informática (por meio da associação entre empresas e cooperação em áreas de interesse mútuo) 145. Já em 1983, minérios e siderurgia despontaram como molas-mestras de exportação, tendo o valor das vendas majorado mais de 13 vezes com relação ao ano anterior, passando a representar 57,4% das exportações naquele ano. A partir de então, a RPC transformou-se no segundo maior mercado asiático para as exportações brasileiras. O volume total do comércio, nas duas direções, passou de cerca de US$ 134 milhões, em 1978, para aproximadamente US$ 775 milhões, em Ainda assim, após os valores recordes atingidos em 1985, quando a corrente de comércio atingiu índice superior a US$ 1,2 bilhão, graças às vendas de petróleo chinês (US$ 400 milhões) e minérios e produtos siderúrgicos brasileiros (US$ 640 milhões), o comércio sino-brasileiro experimentou significativa queda, conforme Tabela 2. Tabela 2 Comércio Brasil-China (US$ F.O.B) Ano Exportação Importação Saldo Corrente TOTAL Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Siscomex. Elaborada pela autora. 144 Que de fato ocorreu com a transferência de know how tecnológico brasileiro na área de manutenção de turbinas da Usina de Itaipu para a Usina Três Gargantas, megaprojeto iniciado em 1993 sobre o rio Yang-Tsé na China. Ver: Itaipu negocia transferência de tecnologia para usina chinesa. Curitiba: Itaipu Binacional, 28 abr Disponível em: <http://www.itaipu.gov.br/sala-de-imprensa/itaipunamidia/itaipu-negociatransferencia-de-tecnologia-p-usina-chinesa>. Acesso em: 12 ago PROTOCOLO ADICIONAL AO ACORDO DE COMÉRCIO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA POPULAR DA CHINA. Ministério das Relações Exteriores. Disponível em: <http://www2.mre.gov.br/dai/b_chin_14_1497.htm.> Acesso em: 03/11/2011.

97 94 Não obstante tais iniciativas bilaterais, Oliveira (2004, p. 15) conclui que a perspectiva brasileira delineou um padrão de política externa e assim, de comércio bilateral - [...] muito mais reativo a fatores conjunturais ou a iniciativas asiáticas do que propriamente derivado de um ativismo. Em decorrência do fim da Guerra Fria, o sistema internacional entrou em um período de transição, que num momento imediatamente posterior postulou a unipolaridade e a hegemonia norte-americana, para então seguir em direção que perdura até o momento à multipolaridade; o eixo do antagonismo político foi deslocado para o mancal Norte-Sul; e a economia mundial sofreu um reordenamento traduzido pela globalização dos mercados, como explicitado em seção anterior. Nesse sentido, as alterações ocorridas na estrutura do sistema internacional intensificaram o anseio no sentido de permitir maior participação dos países em desenvolvimento 146 e minimizar as sujeições incididas da estrutura hegemônica, sobretudo nos foros econômicos e políticos multilaterais, em que pese o momentum neoliberal difundido por Reagan e Tatcher (GUIMARÃES, 2002). Nesse contexto, o logradouro cursado pelo Brasil na década de 1990 foi caracterizado por Cervo (2002) como a dança dos paradigmas 147, que se deu entre o governo Fernando Collor de melo e Fernando Henrique Cardoso. Segundo o autor, no momento pós Guerra Fria foi estabelecido um consenso, que pode ser definido como globalização, nova interdependência ou neoliberalismo. Neste consenso neoliberal global, que representava em dado alcance um triunfo do centro capitalista, estavam preconizadas certas condutas de governo e medidas tais como: liberalização do comércio, disciplina fiscal, desregulamentação das atividades econômicas, reforma tributária, taxa de juros positivas, taxas de câmbio conforme as leis de mercado, entre outras. A implementação das recomendações deste Consenso de Washington, elaborado por tecnocratas das instituições financeiras internacionais, Federal Reserve Board e think tanks, em larga aceitação e de forma acrítica pelos dirigentes latino-americanos consolidou a 146 Em termos produtivos, a transnacionalização progressiva foi agente catalisador desse processo. O peso do avanço tecnológico como variável da produção criou um abismo ainda maior entre os países mais e os menos desenvolvidos. O novo cenário multilateral modificou a inserção internacional dos países menos desenvolvidos com geometrias variáveis na composição dos grupos de atuação na esfera internacional. 147 Cervo (2002: p. 6) aponta que o Brasil imprimiu desde 1990 orientações confusas, até mesmo contraditórias, à política exterior. Identificamos três linhas de força da ação externa que definimos com auxílio do conceito de paradigma: o Estado desenvolvimentista, o Estado normal e o Estado logístico. A coexistência de paradigmas, inadmissível nas ciências exatas e naturais, embora paradoxal, é possível nas ciências humanas e sociais, onde eles adquirem a função metodológica de organizar a matéria e de dar-lhe inteligibilidade orgânica mediante uma visão compreensiva dos fatos.

98 95 presença de Estados normais 148. Assim sendo, o Brasil, enquanto Estado normal, afastou-se da função de empresário e regulador das transações domésticas e internacionais. A modernização, nesse sentido foi concebida como abertura do mercado de bens e de valores e privatização das empresas públicas, e o paradigma do Estado desenvolvimentista das décadas anteriores fora considerado inadequado para o processo de globalização, ainda que a experiência brasileira na prática tenha sido mista, situada entre ambos os paradigmas (CERVO, 2002). Doravante, o governo Itamar Franco reviu a política externa brasileira e o paradigma foi adaptado à conjuntura internacional, de forma que o caminho seria percorrido por meio do multilateralismo 149, da universalização da política externa e da autonomia em relação à potência estadunidense 150. Dessa forma, adotou uma postura crítica e ativa nos foros multilaterais 151 e procurou assegurar mecanismos que impelissem a consecução de projetos de desenvolvimento (CANANI, 2004). Nesse ínterim, o Brasil buscou aprofundar suas relações com países potenciais como Índia, Rússia, África do Sul e principalmente, a China, na [...] crença de que similaridades do Brasil com estes países os converteriam em parceiros privilegiados em uma economia globalizada. (HIRST e PINHEIRO, 1995, p. 20). Destarte, ainda que as relações com as potências tradicionais tenham sido privilegiadas em boa parte e apesar dos constrangimentos na Praça da Paz Celestial em 1989 (Tian anmen Guangchang - 天 安 门 广 场 ) 152, a China 153 foi identificada como uma das 148 O termo foi empregado pelo argentino Domingo Cavallo, em 1991, como forma de reconhecer os governos latino-americanos que se instalaram em na Argentina, Brasil, Peru, Venezuela, México e outros países menores. Tal paradigma envolveria três parâmetros de conduta do Estado: 1) subserviência às imposições do centro hegemônico; 2) caráter destrutivo, já que dissolve o núcleo central substanciado da economia nacional e transfere renda ao exterior; e 3) caráter regressivo, pios reserva para a nação as funções da infância social (CERVO, 2002). 149 A atuação brasileira foi ampliada inclusive no terreno ambiental, tendo o país já durante a primeira metade da década de 1990 sido escolhido para ser anfitrião da Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e Desenvolvimento de 1992 (Rio-92). Naquela e em outras ocasiões, o Brasil logrou incluir o tema do desenvolvimento ao debate sobre meio ambiente, conduzindo os trabalhos de modo a substituir os impasses pela cooperação ambiental no diálogo Norte-Sul. 150 Bandeira (2004: p. 56) considera que a inserção do Brasil na economia internacional foi feita de forma impulsiva e unilateral, sem exigir contrapartidas dos outros Estados, sem exigência de reciprocidade ou sem precaução de salvaguardas, sem garantir às empresas nacionais ou estrangeiras, estabelecidas no Brasil, condições de competir com os produtos importados. 151 Destaca-se a atuação brasileira na Comissão de Direitos Humanos da ONU, quando o país apoiou o governo chinês, votando contra a proposta de punição por violação dos direitos humanos feita pelos Estados Unidos. Tal fato mostra a convergência do princípio de não intervenção nos assuntos internos de ambos os países. Ver: Full Text of Human Rights Record of the United States in 2010, China s Information Office of the State Council, Disponível em: <http://news.xinhuanet.com/english2010/china/ /10/c_ htm> Acesso em: 2 out Em 4 de junho de 1989 o exército chinês encerrou com um massacre o protesto em massa por liberdade e democracia na Praça da Paz Celestial, em Pequim. 153 A China buscava, pro sua vez, o fortalecimento e o prestígio de sua imagem internacional, objetivando criar condições favoráveis de atuação nos âmbitos global e regional, uma vez que [...] o objetivo principal da

99 96 prioridades da diplomacia brasileira devido à sua posição de importante parceiro político dadas posições similares nos fóruns multilaterais, parceiro econômico, como forte mercado consumidor, fornecedor e investidor -, como parceiro na cooperação científico-tecnológica, além da identificação partilhada de países em desenvolvimento, de agenda terceiromundista, que buscam por maior engajamento e autonomia na arena internacional. A partir desta percepção de convergência de interesses, as visitas de alto nível entre os países foram intensificadas. Em março de 1993, o chanceler Qian Qichen esteve em visita oficial ao Brasil e acordou dois importantes documentos bilaterais nos setores espacial e de energia elétrica: o Protocolo Suplementar sobre Aprovação de Pesquisa e Produção de Satélite de Recursos da Terra 154 e o Ajuste Complementar ao Acordo de Cooperação Econômica e Tecnológica 155. O primeiro sinalizou o novo patamar de entendimento alcançado na área espacial e a possibilidade de expansão da cooperação científica e tecnológica para outros setores como a energia nuclear para fins pacíficos. O segundo detalhava aspectos importantes de cooperação em matéria de energia elétrica antes previstos de forma mais generalizada no Acordo sobre Cooperação Econômica e Tecnológica. Na ocasião, o chanceler chinês afirmou que seu país atribuía uma atenção especial para suas relações com o Brasil e declarou a vontade do governo chinês em fazer das relações sino-brasileiras um exemplo de cooperação de sucesso entre países em desenvolvimento (SHANG, 1999). Tal fato demonstrava a avaliação positiva do relacionamento bilateral baseada na convergência de interesses, na sintonia entre os países e no processo de aproximação e complementaridade econômica. Em maio de 1993, na ocasião da visita do então Primeiro-Ministro Li Peng e do Vice- Primeiro-Ministro Zhu Rongji ao Brasil visando orientar as tratativas que antecederam a visita do Presidente Jiang Zemin, o relacionamento sino-brasileiro foi qualificado por Zhu Rongji como uma parceria estratégica, na medida em que se fortalecia [...] uma relação sinérgica entre o maior país em desenvolvimento do hemisfério oriental com o maior país em desenvolvimento no hemisfério ocidental (ZHU apud FUJITA, 2003, p. 64). política externa chinesa [era] manter um ambiente pacífico para o desenvolvimento econômico e sua estratégia internacional [era] alcançar esse objetivo. (YAQUIN, 1996: p. 33). A importância adquirida pelos fatores econômicos no cenário internacional com a intensificação da transnacionalização abriu novas possibilidades de manobra a uma China em processo de rápido crescimento. 154 PROTOCOLO SUPLEMENTAR SOBRE APROVAÇÃO DE PESQUISA E PRODUÇÃO DE SATÉLITE DE RECURSOS DA TERRA. Ministério das Relações Exteriores. Disponível em: <http://www2.mre.gov.br/dai/b_chin_39_1524.htm> Acesso em 24/10/ AJUSTE COMPLEMENTAR AO ACORDO DE COOPERAÇÃO ECONÔMICA E TECNOLÓGICA ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA POPULAR DA CHINA. Ministério das Relações Exteriores. Disponível em: <http://www2.mre.gov.br/dai/b_chin_38_2994.htm> Acesso em 24/10/2011.

100 A construção da parceria estratégica A partir do momento de sua concepção, a expressão parceria estratégica passou a caracterizar o relacionamento sino-brasileiro, e o reconhecimento mútuo desta traduziu a proximidade de interesses e deu novo alento às relações bilaterais. No que tange ao termo parceria, Meza (2002, p. 40) declara, considerando que a construção de parcerias ocorreu entre os países em desenvolvimento dadas identificações de posições políticas comuns em foros internacionais, que este pode ser entendido como [...] aproximações específicas (eleitas como opção) que permitem alcançar objetivos comuns com potências regionais semelhantes, tirar proveito de oportunidades e enfrentar desafios. De fato, a construção de parcerias pode ser considerada como um instrumento para o estabelecimento e a viabilização no plano externo de interesses pautados em relações preferenciais, mesmo que não desconsidere outros parceiros potenciais. Logo, a ação externa brasileira estaria igualmente voltada para [...] uma política exterior assertiva do ciclo desenvolvimentista que manipulava a relação bilateral e a construção de parcerias estratégicas como uma linha de força da política externa. (CERVO, 2002, p. 21) Quanto ao termo estratégia, Aron (2002, p. 72) considera que tanto a própria estratégia, quanto a diplomacia, estariam subordinadas à política: [...] chamemos de estratégia o comportamento relacionado com o conjunto das operações militares, e de diplomacia a condução do intercâmbio com outras unidades políticas. Todavia, Lafer (1992, p. 44) reconsidera que a [...] estratégia ajustou-se, também, àquilo que se pode chamar de realismo político, que considera os fins da política internacional., ou seja, o termo se investiu de cunho político e, de certa forma, econômico, passando a orientar os interesses dos Estados. A partir de então, o termo estratégia pode ser também considerado enquanto Temas políticos e as questões sociais, econômicas, tecnológicas e culturais, incluem também a consideração das interações dos temas externos e internos; e a articulação de visões prospectivas. [...] Estratégia passou a ser no Brasil a disciplina que estuda essas diferentes interfaces, sob a ótica de seu desdobramento de longo prazo. (SARDENBERG, 1998, p. 217) Assim sendo, o termo parceria estratégica empregado na caracterização do relacionamento sino-brasileiro tem sentido na formulação de planos de ações encadeados em diferentes esferas, maiormente política, comercial e científico-tecnológica, por ambos os países, e de contorno gradual, de forma que também as autoridades chinesas [...] analisam o Brasil a partir de uma perspectiva promissora, de mais longo prazo, que vai além da visão de

101 98 conjuntura que se limita às dificuldade econômicas e sociais que ainda prevalecem. (ABDENUR, 1997, p. 41) Como forma de dar continuidade ao estreitamento de laços, seis meses após a missão do Vice-Primeiro-Ministro Zhu Rongji, o Presidente da RPC Jiang Zemin fez visita oficial ao Brasil. Em discurso proferido na ocasião, o Presidente Itamar Franco fez um balanço dos principais pontos de realizações conjuntas dos quase vinte anos de relações sino-brasileiras: Evoluímos de uma relação de trocas para um verdadeiro entrelaçamento das duas economias em direção ao estabelecimento de uma efetiva parceria. Vemos com satisfação a associação entre empresas brasileiras e chinesas para a construção de obras de grande porte na China e no Brasil. Desenvolvemos intensa atividade de cooperação em ciência e tecnologia. Estamos construindo em conjunto dois satélites de monitoramento de recursos da Terra. Muito me alegra ter meu Governo podido dar impulso decisivo a esse empreendimento. Esperamos poder ampliar esta cooperação para compreender outros setores de ponta, como o da biotecnologia, o da química fina e o dos novos materiais 156. Nesta mesma ocasião, Jiang Zemin formulou breves princípios no sentido de nortear e estender a cooperação bilateral, dando sentido ao caráter estratégico da parceria sinobrasileira: a) aprofundar as relações comerciais para promover a prosperidade mútua e consolidar um exemplo de cooperação Sul-Sul; b) estender a comunicação inter-pessoal e efetivar a cooperação em diversos campos, como na cultura e na educação; c) efetuar consultas bilaterais nos organismos multilaterais e sobre os assuntos da agenda internacionais, objetivando fortalecer a coordenação e o apoio mútuo, para salvaguardar os interesses dos países em desenvolvimento e contribuir para o estabelecimento de uma nova ordem política mundial baseada na paz, estabilidade e justiça; d) estender os contatos diretos e o diálogo entre os dirigentes para efetivar o mecanismo de consulta política e expandir a cooperação em todos os níveis e campos, no sentido de aprofundar o entendimento e a confiança mútua e construir uma relação bilateral estável e mutuamente benéfica (SHANG, 1999). Além de reforçar o caráter temporal de entendimento mútuo de longo prazo, conforme Fujita (2003), tal configuração de parceria estratégica continha elementos principais que formavam três vertentes de cooperação: política, econômico-comercial, e científicotecnológica. De fato, se se considerar desde o período de estabelecimento das relações diplomáticas, em 1974, até poucos meses depois da caracterização das relações sinobrasileiras como parceria estratégica, em 1994, o relacionamento registrou saltos qualitativos nestas vertentes. 156 Visita Oficial do Presidente da China ao Brasil. Resenha de Política Exterior do Brasil, n. 73, 2º semestre, p. 97-8, 1993.

102 99 Os avanços na cooperação política foram mensurados pela amplitude da interlocução entre os países, a convergência de posições 157 e de interesses e a freqüência das visitas de alto nível. No início da década de 1990, o Brasil e a China buscaram a superação dos constrangimentos externos, tendo em vista que o cenário internacional sinalizava a probabilidade de uma maior participação de novos atores que até então estavam à margem da arquitetura bipolar do poder. Vizentini (1999, p. 136) aponta para as coincidências de atuação conjunta Brasil-China no âmbito da ONU: A participação das duas nações na ONU foi, igualmente, bastante semelhantes, sobretudo no tocante aos temas da ordem mundial e da luta contra os constrangimentos econômicos e diplomáticos que limitavam as possibilidades de pleno desenvolvimento e inserção internacional de países periféricos de grande porte, como era o caso do Brasil e da China. Não obstante, nesta década consolidaram-se outras possibilidades em que a agenda externa comum entre o Brasil e a China pudesse se aprofundar. Uma delas foi a criação, em 1998, do Foro de Cooperação América Latina - Ásia do Leste (FOCALAL), com o intuito de congregar política e economicamente os países em desenvolvimento destas regiões 158. Oliveira (2004) enfatiza o fato de que tal foro poderá aprofundar o relacionamento entre as duas regiões, sem a presença dos Estados Unidos, aumentando assim as possibilidades de cooperação entre a Ásia e a América Latina. Outra iniciativa por parte dos países em desenvolvimento foi a criação do G20 comercial junto à Conferência de Cancún, coordenada pela OMC. O grupo, liderado pelo Brasil, agrega os principais produtores agrícolas entre os países em desenvolvimento, inclusive a China. Para Fernandes (2003, p. 1), a presença do Brasil no G20 é considerada fundamental, já que [...] trata-se, sem dúvida da mais importante articulação dos países em desenvolvimento para a defesa de seus interesses na regulamentação do comércio 157 Merecem destaque os princípios compartilhados de política: a autodeterminação dos povos, o respeito à soberania nacional e à integridade territorial, a não aceitação da interferência externa nos assuntos internos, a resolução pacífica dos conflitos internacionais e os princípios do livre comércio. Segundo Hengmin (1999), tanto a China quanto o Brasil consideram que as questões de Direitos Humanos referem-se à política doméstica de cada país e opõem-se à diplomacia intervencionista dos EUA na questão. Vale lembrar também que o princípio do livre comércio pressupõe o reconhecimento por parte do governo brasileiro do status de economia de mercado à China, muito embora o Brasil, até hoje, não tenha regulamentado a declaração. 158 O Foro de Cooperação América Latina Ásia do Leste (FOCALAL) reúne quinze países latino-americanos: Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, El Salvador, Equador, México, Panamá, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela; e quinze asiáticos: Austrália, Brunei Darussalam, Camboja, China, Cingapura, Coréia, Filipinas, Indonésia, Japão, Laos, malásia, mianmar, Nova Zelândia, Tailândia e Vietnã.

103 100 internacional desde a criação da Conferência das Nações Unidas para o Comércio e Desenvolvimento. Nesse sentido, Fujita (2003, p. 69) também considera ações comuns articuladas entre Brasil e China em direção aos países em desenvolvimento, na medida em que Os dois países poderiam prestar cooperação coordenada em países da África, Ásia e América Latina, no âmbito de uma iniciativa de se relançar uma Agenda para o Desenvolvimento Internacional com base em esforços principalmente Sul-Sul. Além disso, as visitas de alto nível entre os dois países tornaram-se eminentes e trouxeram inúmeros benefícios mútuos como o fortalecimento dos laços políticos, a promoção de um maior conhecimento entre ambas as culturas e a celebração de diversos acordos. Ainda assim, durante as duas gestões do Presidente Fernando Henrique Cardoso ( e ), as prioridades do governo foram, maiormente, de cunho econômico. Consciente do limitado poder relativo de negociação brasileiro no plano estratégico e econômico o presidente FHC buscou exercer uma liderança discreta. Nesse sentido, o Brasil apresentou intenção, como candidato não-insistente 159, em ocupar uma cadeira como membro permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas, em 1992, buscando inclusive cooperação por parte da China. A cooperação no setor científico-tecnológico foi um dos campos em que mais se desenvolveram contatos e onde mais se avançou na tessitura de acordos em diversos níveis. O desenvolvimento maior nesta área se deu em conseqüência do reconhecimento do potencial de colaboração existente em vista de certas similitudes de condições de desenvolvimento e da existência de considerável margem de complementaridade entre as estruturas industriais e de pesquisa, sendo que os setores mais beneficiados pela celebração desses acordos foram os de geociências, exploração de petróleo, aeronáutica e aeroespacial, transportes, medicina e saúde 160, fontes de energia, tecnologia da informação 161, recursos hídricos 162, indústria química, biotecnologia, energia nuclear e agropecuário Termo usado por Paulo Roberto de Almeida em Uma nova arquitetura diplomática? Interpretações divergentes sobre a política externa do Governo Lula ( ). Revista Brasileira de Política Internacional, v. 49, n. 1, Como exemplo, em abril de 1994 foi estabelecido o Ajuste no Setor de Medicina Tradicional Chinesa e Fitofármacos, complementar ao Acordo de Cooperação Científica e Tecnológica, entre o Brasil e a China, com o objetivo do aperfeiçoamento e utilização da medicina tradicional e da fitofarmácia e a divulgação de técnicas de medicina. 161 Segundo Li (1999) tanto o Brasil quanto a China são países que apresentam condições favoráveis para a troca de Tecnologias da informação e desenvolvimento da indústria de software. Numa comparação de ambos, observa-se que as companhias de software chinesas começaram seus investimentos com relativo atraso tecnológico, que seria compensado na cooperação com o Brasil, uma vez que as empresas brasileiras do setor apresentam experiência sistêmica, especificamente no gerenciamento da qualidade, exportação de softwares e

104 101 Tais acordos contribuíram, do lado brasileiro, para a modernização tecnológica, tendo em vista a escassez de recursos para a pesquisa e desenvolvimento (P&D) no país (OLIVEIRA, 1993). Para a China, a cooperação científico-tecnológica serviu como instrumento para viabilizar o desenvolvimento das forças produtivas no país, promovendo a continuidade do seu vigoroso crescimento econômico, fundamentalmente através de esforços em setores estratégicos como de infra-estrutura, energético e, em certa medida, agrícola (ZEMIN, 2002). A vertente econômico-comercial evoluiu de forma gradativa, à medida que a vertente política se aprofundava. Durante a década de 1990, devido à plenitude da implementação das reformas da Era Deng, a China alcançou grande crescimento econômico, impulsionando a economia de todo o bloco asiático, não obstante a crise financeira asiática em 1997, que causou fuga generalizada de capitais da região 164. Já o Brasil, conforme dados do World Bank (2003) não apresentou o mesmo dinamismo que a economia chinesa nesta década, apesar de exibir um potencial de crescimento significativo 165. Nesse sentido, ao longo da década de 1990, a fim de reduzir sua vulnerabilidade externa, o governo brasileiro orientou suas estratégias econômicas para a abertura comercial e buscou a geração de superávits para obter um maior equilíbrio em seu balanço de pagamentos. À medida que, então, o país consolidava a abertura comercial, este passou a ser considerado um relevante global trader no cenário internacional. Já na segunda metade da década de 1990 internet. Araújo e Garcia (1999) esclarecem que a criação do Programa SOFTEX 2000 (Sociedade para a Promoção da Excelência do Software Brasileiro) coordenado pelo Conselho Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento (CNPQ) e sua promoção através de um escritório em Pequim possibilitaram a inserção do software brasileiro na China, por meio de uma parceria com o Institute of Scientific and Technology Information of China. 162 Hengmin (1999) destaca que a cooperação sino-brasileira na área de energia hidroelétrica tem grande potencial de crescimento, pois ambos os países possuem abundantes recursos hídricos, além do fato de que a China tem buscado alternativas para solucionar seus problemas de oferta de energia e diversificar a produção de energia doméstica através de fontes renováveis e da busca por mercados alternativos de energia em regiões como América Latina, África e Rússia. 163 Em abril de 1994, foi assinado o Ajuste no Setor de Biotecnologia Aplicada à Agricultura, complementar ao Acordo de Cooperação Científica e Tecnológica de 1982, que objetivava principalmente a promoção de cooperação e joint ventures sino-brasileiras voltadas para a pesquisa, beneficiamento e comercialização de produtos agrícolas (como arroz irrigado, soja e batata), além da promoção do intercâmbio de pesquisadores para capacitação em biotecnologia aplicada à agricultura, e avaliação e troca de material genético de microorganismos para controle de insetos e pragas. 164 Ressalta-se que, em plena crise, a economia chinesa manteve seu crescimento a taxas expressivas, mantendo sua moeda estável e superando a crise devido às suas reservas cambiais. Oliveira (2001, p. 40) coloca que a China, [...] ao desvalorizar o renminbi e ao declarar que não o faz como uma contribuição para a segurança regional, candidata-se a ocupar um espaço político que naturalmente seria do Japão. 165 De acordo com o United Nations Conference on Trade and Development (2003), as disparidades tangentes às performances dos países em desenvolvimento refletem diferenças em suas condições domésticas. Em relação à diferença existente entre o grande crescimento econômico dos países do Leste Asiático, maiormente da China, e o fraco crescimento dos países da América Latina, o relatório aponta que as estruturas produtivas, instituições e políticas domésticas da América Latina não apresentam a flexibilidade e o poder de recuperação necessários para responder a choques externos como apresentam os países do Leste Asiático.

105 102 Brasil e China se tornaram parceiros estratégicos também no campo econômico-comercial, sobretudo após o ajuste complementar ao Acordo de Cooperação Econômica Sino-Brasileira em 1995, quando a corrente de comércio entre os países passou a ter maior expressão. Apesar das tentativas de superávits, o Brasil teve de desvalorizar sua moeda devido à crise cambial e financeira que atingiu o país em 1999, que levou à elevação dos preços dos produtos chineses e, desta forma, agravou a balança comercial brasileira em relação à China e passou a apresentar déficits nesse período. Após a visita do Presidente Jiang Zemin ao Brasil e à constituição de uma parceria estratégica, a vertente comercial cresceu em importância relativa, e apresentou resultados expressivos a partir de 1995, quando a corrente de comércio totalizou cerca de US$ 2,25 bilhões, um crescimento de 107% em relação a 1993 (Figura 6). Ainda que o fluxo comercial apontasse dados muito aquém do potencial existente entre os dois países, pode-se dizer que a evolução da vertente comercial desde o estabelecimento de uma parceria estratégica é significante. Figura 6 Corrente de Comércio (US$ Bilhões F.O.B) Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Secretaria de Comércio Exterior. Elaborada pela autora. No período entre 1994 e 1995, o Brasil aumentou suas exportações para a China e apresentou superávits, grande parte em função do aumento da venda do minério de ferro para este país. A assinatura do acordo bilateral de intenção sobre o comércio e promoção de

106 103 exploração do minério de ferro em 1993 promoveu o aumento das exportações do minério para a RPC, a fim de atender ao desenvolvimento da sua indústria siderúrgica e metalúrgica que apresentava demandas crescentes. Entre 1996 e 2000, os déficits crescentes na balança comercial brasileira (Figura 7) em relação à China refletiram a abertura econômica resultante no fluxo crescente de importações principalmente após a renegociação da dívida externa que levou ao ingresso de capitais de curto prazo no país 166. Figura 7 Balança Comercial Brasil-China (exportações importações) (US$ F.O.B) Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Secretaria de Comércio Exterior. Elaborada pela autora. Em suma, ao longo da primeira metade da década de 1990, a preferência inicialmente dada a países desenvolvidos foi cedendo espaço para as relações com países com grande potencial cooperativo. Assim, frente ao retorno das diretrizes brasileiras de busca por autonomia e aumento de ganhos pela diversificação de parcerias assim como ao poder de atração de determinados países no campo da ciência e da tecnologia e das trocas comerciais as relações com a Ásia voltaram a ser incentivadas. 166 Ao contrário da China, que praticou uma moderada liberalização na balança de transações correntes com uma taxa de câmbio desvalorizada, o Brasil ampliou sua liberalização comercial, e a partir de 1994 até o início de 1999, valorizou sua taxa de câmbio (MEDEIROS, 1999).

107 104 Dentre as razões para a diminuição da corrente comercial sino-brasileira no período , encontram-se: a aproximação crescente entre China e parceiros competitivos da região como a Coréia do Sul, Japão e Hong Kong logo após crise financeira asiática de 1997; a contenção das compras chinesas devido a ajustes no programa de reforma econômica do país; a substituição de produtos siderúrgicos brasileiros por produção chinesa; o preço pouco competitivo do petróleo chinês; e a escassa presença tanto de tradings quanto de empresas exportadoras brasileiras. Tanto o Brasil quanto a China tiveram dificuldades também de criar medidas eficazes para diversificar a pauta de exportação concentrada na venda brasileira de minério de ferro, produtos siderúrgicos e óleo de soja -; e de importação baseada na venda de produtos chineses pertencentes a quatro setores: petróleo e carvão, produtos químicos e farmacêuticos, têxteis e máquinas e material elétrico. Apesar das dificuldades, sobretudo no campo econômico, a distensão global e o auge do processo de globalização que caracterizaram a década de 1990 revelaram-se um marco propício para a expansão das relações sino-brasileiras. Para Duqing (1999, p. 15) a globalização propiciaria uma aproximação cada vez maior entre os dois países, pois [ ] países emergentes, de certo peso, devem ficar juntos, e cabe ao Brasil e à China e aos outros países de certo peso, exercer o papel que a história lhes atribuiu. Também para Shixue (1999), a globalização tem sido fundamental para ambos os países, na medida em que tem possibilitado minimizar riscos comuns quando compartilhados com as respectivas vantagens comparativas. Neste contexto, Brasil e China apreenderam com maior lucidez a possibilidade de explorar complementaridades para alargar o intercâmbio comercial e inversões econômicas, satisfazendo simultaneamente a necessidade de sustentar o desenvolvimento e de diminuir assimetrias de poder no âmbito Norte-Sul. Frente aos ganhos obtidos por ambas as partes, percebem-se os primeiros anos do século XXI como o início de uma nova etapa desta parceria estratégica. 4.3 A parceria estratégica no início do século XXI Neste início de século XXI, China e Brasil buscaram desenvolver as relações em todas as suas esferas com vistas a fomentar os mais diversos mecanismos de diálogo: nas áreas econômica, comercial, política e diplomática; nos planos bilateral e multilateral, envolvendo organizações governamentais, empresas e sindicatos; no âmbito dos partidos e parlamentos; entre outros atores.

108 105 Tradicionalmente presentes nas políticas externas do Brasil e da China, o multilateralismo e o terceiro-mundismo mantiveram-se como noções centrais da alocução diplomática dos dois países, acreditando-se colaborarem para a existência de um ambiente internacional pacífico favorável para o desenvolvimento, para a abertura econômica e para a própria inserção no mundo em termos de igualdade. Os organismos internacionais também continuaram a ser vistos como foro ideal para o exercício da diplomacia. Basicamente, a estratégia da China para o Brasil centrou-se em cinco elementos essenciais: a) fortalecer os laços comerciais e obter recursos para o desenvolvimento nacional; b) expandir os negócios asiáticos, seja através da venda de produtos com alto valor agregado, seja através da realização de investimentos diretos voltados para os mercados regional e continental; c) garantir presença em mercados regionais cada vez mais competitivos e restritivos, sobretudo diante da tendência de aprofundamento de processos regionais como o Mercosul e União Européia e de formação de novas áreas de livre mercado como a proposta de criação da ALCA; d) aumentar seu poder relativo pela via da promoção da multipolaridade e da democratização das relações internacionais, tendo a agenda de cooperação Sul-Sul como respaldo político no âmbito dos organismos multilaterais; e e) arrefecer as influências de Taiwan e conter seus interesses de independência (OLIVEIRA, 2004). Da parte brasileira, orientada na primeira década do novo século pela política de universalização e de diversificação das parcerias, a ampliação dos laços com a RPC voltou-se especialmente para o cumprimento dos seguintes intuitos: a) aumentar a margem relativa de manobra no plano externo frente aos principais parceiros internacionais; b) atrair um maior número de investimentos externos e adquirir novas tecnologias de ponta; c) abrir mercados de alta capacidade de consumo com vistas e uma maior inserção de produtos brasileiros; d) aproveitar dos efeitos desenvolvimentistas advindos das relações com países asiáticos altamente competitivos; e e) explorar as similaridades existentes entre o Brasil e a China enquanto países em desenvolvimento sobretudo aquelas ligadas à necessidade de reestruturação do Sistema Internacional -, permitindo um aumento do poder de barganha nos fóruns multilaterais e ampliação dos espaços ocupados pelo Brasil nos negócios internacionais (OLIVEIRA; MASIERO, 2005). Nota-se que, apesar de os fatores políticos e diplomáticos estarem presentes, foi o terreno da economia que ditou os passos das relações da China com o Brasil, sobretudo pelo fato deste ser considerado como reservatório de recursos naturais, matérias-primas e

109 106 alimentos, tidos como essenciais para sustentar o modelo de desenvolvimento adotado pela China, em processo de impressionante aceleração A vertente econômico-comercial Desde sua abertura econômica na década de 1970, o governo chinês atribui grande importância ao desenvolvimento de seu comércio exterior, bem como o Brasil tanto com as políticas desenvolvimentistas, quanto com as diretrizes neoliberais. Wang (2003, p. 476) acredita que: A condução do comércio exterior não é apenas um meio importante pelo qual os diferentes países podem aproveitar as vantagens comparativas de uns e de outros e promover o desenvolvimento de suas respectivas economias nacionais, mas também uma maneira efetiva de desenvolver relações amistosas entre si e resguardar a paz e a estabilidade mundiais. No sentido então de desenvolver sua economia doméstica, interessava à RPC ganhar maior acesso a recursos como petróleo, cobre, ferro, aço, soja, óleo de soja, e a máquinas elétricas. Tal intenção foi satisfeita através do aumento do comércio e de investimentos com os países da América Latina em geral, sendo que o comércio da China com a região somente no período dos primeiros cinco anos da década foi notável e saltou de US$ 15 bilhões em 2000 para US$ 50 bilhões em 2005, atingindo extraordinários US$ 183 bilhões em A pauta comercial adotada pela China, não diversa das décadas anteriores, reflete principalmente o interesse na obtenção de minérios (Peru e Chile), minério de ferro e aço (Brasil), produção de alimentos (Brasil, Chile, Argentina e Peru) e pesca e petróleo (Argentina e Venezuela). O Brasil participou com US$ 15 bilhões em 2005, sendo o principal parceiro da China na região 168. Chacon (1999) aponta que a China tende a ver o Brasil, por análoga extensão territorial, populacional e potencialidades de vários tipos, como desejável aliado preferencial na América do Sul, desconsiderando aproximações como o México, localizado na área de 167 Cooperação comercial China-América Latina obtém resultados positivos apesar de desafios, dizem especialistas.. China Radio Internacional Online, 30 mai Disponível em: < Acesso em: 19 jun A maior parte do comércio com a China concentrou-se em poucos países, sendo que os sete principais parceiros comerciais Brasil, México, Chile, Argentina, Panamá, Peru e Venezuela absorveram mais de 80% do total de intercâmbios (MDIC, 2010).

110 107 influência direta dos Estados Unidos, o que em parte corrobora com os princípios de desenvolvimento pacífico chinês 169. O modelo de desenvolvimento adotado pela China supõe a necessidade de diversificar as fontes energéticas e de assegurar o fornecimento confiável de combustíveis fósseis. Em decorrência disso, a variável energética tornou-se presente na relação da China com grande parte dos países da região, nomeadamente o Brasil, iniciando estudos de viabilidade de operações conjuntas para exploração, refino e construção de oleodutos. Assim, para garantir o acesso a estes recursos naturais, a RPC tem buscado adquirir participação acionária em empresas mineradoras de ferro no Peru, de níquel em Cuba e de cobre no Chile, por exemplo. No caso do minério de ferro, a China é abastecida pela Austrália (Rio Tinto e BHP), Índia e Brasil (Vale). No caso do petróleo, a China encontrou uma forma de garantir o fornecimento ao fechar, em maio de 2009, contrato de fornecimento de 10 anos com a Petrobrás 170, num molde similar ao que já possui com a Rússia: o China Development Bank - tipo de versão chinesa do BNDES brasileiro - concedeu empréstimo para a empresa petrolífera a juros baixos para ser quitado com os recursos da venda do petróleo à empresa petrolífera chinesa, cotado pelo valor da data da entrega 171. Graças ao acerto entre Petrobrás e Sinopec, o ritmo de crescimento das vendas de petróleo para a China foi exponencial. Em 2004, os chineses estavam na sexta colocação entre os clientes do Brasil, atrás de países como Chile e Portugal. Em 2003, sequer apareciam nas estatísticas. Já no final da década, em 2010, a China passou a liderar a importação de petróleo do Brasil 172. Em que pese o fato de o Brasil ainda ser um fornecedor irrelevante para os chineses e ainda não produzir petróleo o suficiente para exportar volumes significativos para a China, o país conta com reservas promissoras, atraindo investimentos chineses no sentido de maior exploração do setor. 169 Com o seu habitual viés macro, os chineses tendem a ver o Brasil, por análoga extensão territorial e populacional e potencialidades de vários tipos, como possível e desejável aliado preferencial na América do Sul propriamente dita, em vez vagamente de América Latina, com o México na direta área de influência dos Estados Unidos e o Caribe e América Central fora da brasileira. O crescimento do comércio, da cooperação política internacional e inclusive militar entre Brasil e China, demonstra e comprova a procedência da constatação. (CHACON, 1999, p. 315). 170 Com base no financiamento chinês de US$ 10 bilhões e venda de até 200 mil barris de petróleo por dia à estatal chinesa Sinopec. 171 Banco chinês financiará US$ 10 bi para Petrobrás. BBC Brasil, 19 mai Disponível em: <http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2009/05/090519_china_lula_dg.shtml> Acesso em: 02/09/ Vale lembrar que em 1985, a China encontrava-se na posição de quarto maior fornecedor de petróleo pra o Brasil. Contudo, ao longo dos anos este quadro foi sendo alterado, tanto em função da crescente necessidade chinesa de consumo de energia, setor em que se tornou deficitária, como pela melhoria da sua economia, que cada vez mais se industrializava. Como resultado, tem-se que nos últimos anos o Brasil tornou-se um importador de equipamentos industrializados e exportador de commodities.

111 108 Outro projeto de grande magnitude é o da Wuhan Iron & Steel Company que participará com US$ 3,5 bilhões do projeto da siderúrgica Porto de Açu (Rio de Janeiro) para ter 70% da operação que será realizada em conjunto com a MMX Mineração e Metálicos 173. Outra companhia chinesa de tecnologia, a ZTE, tem apoio de US$ 2 bilhões do China Development Bank para financiar as compras de operadoras brasileiras de telefonia fixa e celular, bem como a Huawei, que anunciou a produção local de celulares, em parceria com a Flextronic em Sorocaba (SP), parte de um investimento de US$ 250 milhões. 174 Com relação à pauta comercial, em 2000, verifica-se uma alteração do perfil das exportações chinesas para o Brasil, passando a predominar as exportações de produtos manufaturados (89% das exportações totais), aumentando a proporção de bens associados à mão de obra qualificada e insumos tecnológicos. Nas exportações chinesas como um todo, vêse, conforme Figura 8, que a proporção de bens primários caiu de mais de cerca de 50% nos anos 1980 para pouco mais de 10% em no início da década de 2000, ao passo que os bens associados a mão-de-obra altamente qualificada e insumos tecnológicos haviam-se elevado numa proporção de mais de 30% do total em Wuhan envia equipe ao Brasil para lançamento de usina. Época Negócios, 23 fev Disponível em: < WUHAN+ENVIA+EQUIPE+AO+BRASIL+PARA+LANCAMENTO+DE+USINA.html> Acesso em: 24 out Brasil vira 'negócio da China': ZTE e Huawei farão aparelhos aqui. O Globo, 15 set Disponível em: <http://oglobo.globo.com/tecnologia/mat/2011/09/15/brasil-vira-negocio-da-china-zte-huawei-farao-aparelhosaqui asp> Acesso em: 20 set

112 109 Figura 8 Estrutura das Exportações da China (%) Fonte: China Statistical Yearbook, Elaborada pela autora. Com relação às importações, se em 1985 os produtos primários representavam 12,5% do total, no primeiro ano do novo século esse montante subiu para 20,7% do total, ao passo que a importação de produtos manufaturados em que pese sua tradicional majoração em relação aos produtos primários caiu de 87,5% em 1985, para 79,2% em A RPC, devido ao seu extraordinário crescimento econômico e contingente populacional na casa dos 1,3 bilhões, necessitava de meios para alimentar sua população, suprimento de recursos energéticos e de energia e desenvolver a infra-estrutura do país. Na busca por suprir tais necessidades através do mercado internacional, a China alavancou o preço das commodities mundiais. É neste ínterim de maior necessidade de produtos primários, nomeadamente de commodities, por parte da China que o Brasil se insere fortemente enquanto mercado em potencial e parceiro estratégico e também atinge altos índices de crescimento econômico na década de A evolução do comércio externo entre Brasil e China pôde ser caracterizado por três períodos distintos nesta década, conforme evidenciado na Figura 9. O primeiro ( ) se assinalou pela intensificação dos resultados favoráveis ao Brasil, trajetória interrompida pelo segundo período, de 2004 a 2008, ano em que as importações de produtos chineses chegaram a US$ 3,5 bilhões acima das exportações brasileiras àquele país. O terceiro período

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Análise Integração Regional / Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 15 de outubro de 2003 Organização Mundial do Comércio: Possibilidades

Leia mais

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul MECANISMOS INTER-REGIONAIS BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul O que faz o BRICS? Desde a sua criação, o BRICS tem expandido suas atividades em duas principais vertentes: (i) a coordenação

Leia mais

Relatório da Cúpula de Sanya

Relatório da Cúpula de Sanya Agosto de 2011. Relatório da Cúpula de Sanya I. Introdução No dia 14 de abril de 2011, os líderes do Brasil, da Rússia, da Índia, da China e da África do Sul se reuniram em Sanya, na província de Hainan,

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

A visita da presidente Dilma à China

A visita da presidente Dilma à China A visita da presidente Dilma à China Análise Ásia Déborah Silva do Monte 02 de Julho de 2011 A visita da presidente Dilma à China Análise Ásia Déborah Silva do Monte 02 de Julho de 2011 A presidente Dilma

Leia mais

BRICS e o Mundo Emergente

BRICS e o Mundo Emergente BRICS e o Mundo Emergente 1. Apresente dois argumentos favoráveis à decisão dos países integrantes da Aliança do Pacífico de formarem um bloco regional de comércio. Em seguida, justifique a situação vantajosa

Leia mais

PROGRAMA DE GEOGRAFIA DO PROCESSO SELETIVO CESUPA 2014

PROGRAMA DE GEOGRAFIA DO PROCESSO SELETIVO CESUPA 2014 PROGRAMA DE GEOGRAFIA DO PROCESSO SELETIVO CESUPA 2014 EIXO TEMÁTICO I MUNDO 1. ESPAÇO MUNDIAL CONTEÚDOS HABILIDADES COMPETÊNCIAS 1. A reestruturação mundial: modos de produção, suas especificidades e

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento

Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento Análise Ásia Raysa Kie Takahasi 17 de Março de 2012 Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento Análise Ásia Raysa Kie

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO DEFINIÇÃO

GLOBALIZAÇÃO DEFINIÇÃO DEFINIÇÃO O termo globalização surgiu no início dos anos 80, nas grandes escolas de administração de empresas dos Estados Unidos (Harvard, Columbia, Stanford, etc.), como referência às oportunidades de

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 OBJETIVOS Consolidar a percepção de que a formação de recursos humanos qualificados é essencial para fortalecer

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

Brasil-China: Uma Agenda de

Brasil-China: Uma Agenda de Brasil-China: Uma Agenda de Colaboração Jorge Arbache BNDES Palácio do Itamaraty, Rio de Janeiro, 17 de junho de 2011 1 China Principal parceiro comercial do Brasil Um dos principais investidores estrangeiros

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro , Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro São Paulo-SP, 08 de novembro de 2008 Centrais, Senhoras e senhores ministros das Finanças e presidentes

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país.

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país. Fonte: http://www.portaldaindustria.org.br 25/02/2015 PRONUNCIAMENTO DO PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO NACIONAL (CDN) DO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE), NA SOLENIDADE

Leia mais

Inovar para competir. Competir para crescer.

Inovar para competir. Competir para crescer. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 sumário Plano Brasil Maior...7 Dimensões do Plano...8 Dimensão Estruturante...11

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

O Desafio da Soberania do Estado Nacional pela União Monetária Européia

O Desafio da Soberania do Estado Nacional pela União Monetária Européia O Desafio da Soberania do Estado Nacional pela União Monetária Européia XIX Simpósio Transnacional de Estudos Científicos Aracaju 21 de Setembro de 2009 Prof. Dr. Antony Mueller UFS Soberania do Estado

Leia mais

Luiz Augusto de Castro Neves

Luiz Augusto de Castro Neves Luiz Augusto de Castro Neves A República Popular da China é hoje, certamente, o país que mais mobiliza as atenções no mundo: governos de outros países, a comunidade financeira internacional, cientistas

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS ESTUDOS REGIONAIS, TEMAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS E TÓPICOS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS 2 /2015 TURNO MANHÃ

EMENTAS DAS DISCIPLINAS ESTUDOS REGIONAIS, TEMAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS E TÓPICOS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS 2 /2015 TURNO MANHÃ EMENTAS DAS DISCIPLINAS ESTUDOS REGIONAIS, TEMAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS E TÓPICOS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS 2 /2015 TURNO MANHÃ Temas em Relações Internacionais I 4º Período Turno Manhã Título da

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 04/06/2011 Nota: Professor: Edvaldo Valor da Prova: 40 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Ana Carolina Rosso de Oliveira Bacharel em Relações Internacionais pela Faculdades Anglo-Americano, Foz do Iguaçu/PR Resumo:

Leia mais

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira GE GRAFIA A ascensão dos subdesenvolvidos Geografia Professor Daniel Nogueira Os grupos econômicos são grupos de países com comportamento econômico específico. Geralmente economias com aspectos semelhantes.

Leia mais

Resenha do Livro The Future of Power, de Joseph Nye, por Gustavo Resende Mendonça.

Resenha do Livro The Future of Power, de Joseph Nye, por Gustavo Resende Mendonça. Resenha do Livro The Future of Power, de Joseph Nye, por Gustavo Resende Mendonça. No campo das Relações Internacionais, Joseph Nye dispensa apresentações. Um dos fundadores da teoria liberal, Nye ajudou

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

18 de maio, 19h30. Minhas primeiras palavras são de saudação ao colega Ministro Gao Hucheng, que

18 de maio, 19h30. Minhas primeiras palavras são de saudação ao colega Ministro Gao Hucheng, que PALAVRAS DO MINISTRO ARMANDO MONTEIRO POR OCASIÃO DO JANTAR OFERECIDO PELO CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL - CHINA, COM A PRESENÇA DO MINISTRO DO COMÉRCIO DA CHINA, GAO HUCHENG 18 de maio, 19h30. Minhas primeiras

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2

INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2 INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2 INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL HAROLDO LOGUERCIO CARVALHO * A nova ordem internacional que emergiu com o fim da

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial BRICS Monitor A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial Outubro de 2011 Núcleo de Desenvolvimento, Comércio, Finanças

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Bonfim

Agrupamento de Escolas do Bonfim Escola Secundária Mouzinho da Silveira Departamento de Ciências Sociais e Humanas Grupo de Recrutamento - 420 Ano Letivo de 2014 / 2015 Curso LINGUAS E HUMANIDADES Planificação Anual da disciplina de GEOGRAFIA

Leia mais

01. Com freqüência os meios de comunicação noticiam conflitos na região do Oriente Médio.

01. Com freqüência os meios de comunicação noticiam conflitos na região do Oriente Médio. 01. Com freqüência os meios de comunicação noticiam conflitos na região do Oriente Médio. Sobre essa questão, leia atentamente as afirmativas abaixo: I. Em 11 de setembro de 2001, os EUA sofreram um violento

Leia mais

ECEME 12 de junho de 2013 XII Ciclo de Estudos Estratégicos Geopolítica Internacional até o fim da Guerra Fria

ECEME 12 de junho de 2013 XII Ciclo de Estudos Estratégicos Geopolítica Internacional até o fim da Guerra Fria ECEME 12 de junho de 2013 XII Ciclo de Estudos Estratégicos Geopolítica Internacional até o fim da Guerra Fria Professor Doutor GUILHERME SANDOVAL GÓES Chefe da Divisão de Assuntos Geopolíticos e de Relações

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

São Paulo, 25 de abril de 2013.

São Paulo, 25 de abril de 2013. São Paulo, 25 de abril de 2013. Discurso do diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania, Luiz Edson Feltrim, na SME Banking Conference 2013 1 Dirijo saudação especial a Sra. Ghada Teima, IFC Manager

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Capitalismo na China é negócio de Estado e no Brasil é negócio de governo*

Capitalismo na China é negócio de Estado e no Brasil é negócio de governo* Capitalismo na China é negócio de Estado e no Brasil é negócio de governo* Carlos Sidnei Coutinho** Cenário Mundial na primeira década do século XXI Os Estados soberanos se destacam como garantidores,

Leia mais

O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável

O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável por Cláudia Cristina 1 O NOVO CONTEXTO GLOBAL E O DESAFIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL As profundas transformações econômicas, sociais e políticas

Leia mais

II - Desenvolvimento. 1. O primeiro mundo. 2. Sociedades de consumo

II - Desenvolvimento. 1. O primeiro mundo. 2. Sociedades de consumo I - Introdução Consideram-se como Norte os países ricos ou industrializados: o primeiro Mundo ou países capitalistas desenvolvidos, em primeiro lugar e também os países mais industrializados do antigo

Leia mais

RELATÓRIO Nº, DE 2013

RELATÓRIO Nº, DE 2013 RELATÓRIO Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre a Mensagem nº 10, de 2013 (nº 28, de 1º de fevereiro de 2013, na origem), da Presidente da República, que submete à apreciação

Leia mais

ADAM SMITH EM PEQUIM: ORIGENS E FUNDAMENTOS DO SÉCULO XXI

ADAM SMITH EM PEQUIM: ORIGENS E FUNDAMENTOS DO SÉCULO XXI http:///br/resenhas.asp?ed=10&cod_artigo=172 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DO IDE E PRODUÇÃO INTERNACIONAL

OS BENEFÍCIOS DO IDE E PRODUÇÃO INTERNACIONAL OS BENEFÍCIOS DO IDE E PRODUÇÃO INTERNACIONAL Mara Janaina Gomes de Oliveria 1 ¹Mestre em Economia pela Unesp Professora do IMMES RESUMO O investimento direto estrangeiro tornou-se, desde o inicio de 90,

Leia mais

SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp.

SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp. SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp. 31-50 2º Ano ASE Sociologia do Desenvolvimento e da Mudança

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2012

Brasília, 9 de maio de 2012 Brasília, 9 de maio de 2012 Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento no Sebrae para lançamento do Plano de Ação para Fortalecimento do Ambiente Institucional para a Adequada Inclusão Financeira

Leia mais

Agenda 21 e a Pedagogia da Terra

Agenda 21 e a Pedagogia da Terra Agenda 21 e a Pedagogia da Terra A Carta da Terra como marco ético e conceito de sustentabilidade no século XXI Valéria Viana - NAIA O que está no início, o jardim ou o jardineiro? É o segundo. Havendo

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 93 Exposição na abertura do encontro

Leia mais

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a "modernização" da vida política.

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a modernização da vida política. Apesar dos problemas associados à má distribuição de renda, o Brasil- ingressa no século XXI com uma das maiores economias do mundo e um compromisso com a paz mundial e o sistema democrático e sem conflitos

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA

PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 9º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- O desenvolvimento

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 81 Discurso no jantar oferecido pelo

Leia mais

Geografia: ROCHA Globalização A globalização é a mundialização da economia capitalista que forma o aumento do processo de interdependência entre governos, empresas e movimentos sociais. Globalização Origens

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais Autor(a): João Corcino Neto Coautor(es): Suzana Ferreira Paulino Email: jcn1807iop@gmail.com Introdução As relações comerciais entre

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 28 DE MAIO GRANDE PALÁCIO DO POVO

Leia mais

Destaques do Plano de Trabalho do Governo Chinês para 2015

Destaques do Plano de Trabalho do Governo Chinês para 2015 INFORMATIVO n.º 25 MARÇO de 2015 Esta edição do CEBC Alerta lista os principais destaques do Plano de Trabalho do governo chinês para 2015, apresentado pelo Primeiro-Ministro Li Keqiang e divulgado pela

Leia mais

A RELAÇÕES ECONÔMICAS ENTRE O BRASIL E A CHINA NOS ANOS 2000

A RELAÇÕES ECONÔMICAS ENTRE O BRASIL E A CHINA NOS ANOS 2000 A RELAÇÕES ECONÔMICAS ENTRE O BRASIL E A CHINA NOS ANOS 2000 ELENA SOIHET* RESUMO: Este artigo tem como objetivo central compreender a inserção da China no comércio mundial bem como analisar a evolução

Leia mais

MUNDIALIZAÇÃO E CAPITAL FINANCEIRO: a perspectiva de François Chesnais

MUNDIALIZAÇÃO E CAPITAL FINANCEIRO: a perspectiva de François Chesnais 1 MUNDIALIZAÇÃO E CAPITAL FINANCEIRO: a perspectiva de François Chesnais Cristiano Vieira Montenegro * RESUMO O presente trabalho objetiva caracterizar, a partir das análises desenvolvidas por François

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

MINUTA DE DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

MINUTA DE DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS 1 MINUTA DE DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS O Presidente da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação, no uso de suas atribuições

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil)

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil) TERCEIRA REUNIÃO DE MINISTROS E AUTORIDADES DE OEA/Ser.K/XXXVII.3 ALTO NÍVEL RESPONSÁVEIS PELAS POLÍTICAS DE REDMU-III/INF. 4/05 DESCENTRALIZAÇÃO, GOVERNO LOCAL E PARTICIPAÇÃO 28 outubro 2005 DO CIDADÃO

Leia mais

Aumentar a fonte Diminuir a fonte

Aumentar a fonte Diminuir a fonte 1 de 6 31/01/2014 23:46 Aumentar a fonte Diminuir a fonte SOMOS CINCO - Líderes dos países integrantes dos Brics em reunião na China, em 2011, que marcou a entrada da África do Sul Crédito: Roberto Stuckert

Leia mais

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. OBS: EM NEGRITO OS ENUNCIADOS, EM AZUL AS

Leia mais

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Carlos Henrique R. Tomé Silva 1 Durante dez dias, entre 13 e 22 de julho de

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES

UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES Uma reflexão sobre a rede mundial de computadores 549 UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES por Guilherme Paiva de Carvalho * CASTELLS, Manuel. A galáxia da Internet: reflexões sobre a Internet,

Leia mais

Síntese Dinamizando Sistemas Nacionais De Inovação

Síntese Dinamizando Sistemas Nacionais De Inovação Síntese Dinamizando Sistemas Nacionais De Inovação Overview Dynamising National Innovation Systems As Sínteses constituem-se em excertos de publicações da OCDE. Elas são disponíveis livremente na biblioteca

Leia mais

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE UFMG, BELO HORIZONTE, BRASIL 16 a 19 de setembro de 2007.

Leia mais

SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 O MODELO CAPITALISTA BRASILEIRO E A NOVA ORDEM INTERNACIONAL

SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 O MODELO CAPITALISTA BRASILEIRO E A NOVA ORDEM INTERNACIONAL SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 O MODELO CAPITALISTA BRASILEIRO E A NOVA ORDEM INTERNACIONAL Como pode cair no enem Leia o trecho abaixo e responda: A propriedade do rei suas terras e seus tesouros se

Leia mais

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior A ALCA E OS INTERESSES BRASILEIROS Thomas Benes Felsberg Agnes Borges O Brasil no Mercado Internacional Respondemos hoje por menos de 1% do comércio mundial. Exportações brasileiras não superam a marca

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO Planeta em mutação

GLOBALIZAÇÃO Planeta em mutação GLOBALIZAÇÃO Planeta em mutação GLOBALIZAÇÃO: O QUE É. A globalização é o estágio supremo da internacionalização. O processo de intercâmbio entre os países, que marcou o desenvolvimento do capitalismo.

Leia mais

Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008

Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008 Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008 1. Nós, os Ministros da Fazenda e Diretores dos Bancos Centrais do G-20, realizamos nossa décima reunião anual

Leia mais

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 INDICADORES ETHOS De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 Instrumento de avaliação e planejamento para empresas que buscam excelência e sustentabilidade em seus negócios Abril/2000

Leia mais

Sistema de Comércio Exterior Brasileiro: análise das políticas dos setores público e privado

Sistema de Comércio Exterior Brasileiro: análise das políticas dos setores público e privado ASSUNTO em pauta A Sistema de Comércio Exterior Brasileiro: análise das políticas dos setores público e privado Razões e diferenças das políticas públicas e privadas no contexto do Sistema de Comércio

Leia mais

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL *

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * Lúcio Alcântara ** Durante o dia de hoje estaremos dando continuidade aos debates que vêm sendo realizados desde o início do governo Lula sobre a reestruturação

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 A Dinâmica dos espaços da Globalização. (9º ano) *Estudaremos a difusão do modo capitalista de produção, ou seja, do modo de produzir bens e

Leia mais

Uma Política Industrial para o Brasil

Uma Política Industrial para o Brasil Uma Política Industrial para o Brasil 11 Os marcos históricos do desenvolvimento industrial brasileiro são o ponto de partida para reflexões sobre os desafios enfrentados pela indústria brasileira nos

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

UniCuritiba Diagrama das Áreas de Concentração Monografia. Ciência Política

UniCuritiba Diagrama das Áreas de Concentração Monografia. Ciência Política Ciência Política Prof. MSc. Marlus Vinícius Forigo Política e Ideologia na Contemporaneidade. Política e Ideologia. Regimes autoritários. Cultura e Poder. Poder, ideologia e meios de comunicação. Aspectos

Leia mais

Universidade Eduardo Mondlane Faculdade de Economia

Universidade Eduardo Mondlane Faculdade de Economia Universidade Eduardo Mondlane Faculdade de Economia ECONOMIA INDUSTRIAL Aula 01 e 02: 04/03/2008 e 06/03/2008 Docentes: Carlos Nuno Castel-Branco; Carlos Vicente; Nelsa Massingue. Conceito de Industrialização

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA

PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= 01- Observe a figura

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

Conferência das Nações Unidas Para o Comércio E o Desenvolvimento

Conferência das Nações Unidas Para o Comércio E o Desenvolvimento NAÇÕES UNIDAS TD Conferência das Nações Unidas Para o Comércio E o Desenvolvimento Distr. GERAL TD/405 12 de junho de 2004 PORTUGUÊS Original: INGLÊS Décima Primeira Sessão São Paulo, 13 18 de junho de

Leia mais