Cooperação para a Competitividade Empresarial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cooperação para a Competitividade Empresarial"

Transcrição

1 R EVISTA Cooperação para a Competitividade Empresarial N.º 3 TRIMESTRAL A COOPERAÇÃO EMPRESARIAL NA MACRO REGIÃO DO NORDESTE PENINSULAR MACRO-REGIÃO DO SUDOESTE EUROPEU RESOE A INTERIORIDADE NO TEMPO E NO ESPAÇO Pág. 8 Pág. 15 Pág. 18

2

3 NOTA DE ABERTURA Em primeiro lugar, gostaria de enaltecer e saudar a grande visão dos principais mentores desta feliz e inédita parceria promovida pelas associações empresariais dos Distritos de Bragança, Vila Real, Guarda e Castelo Branco, neste momento em que surge o terceiro número da revista Coopetir. Numa economia cada vez mais globalizada, competitiva e concorrencial, esta rede de cooperação para a competitividade empresarial, constituída no âmbito de uma candidatura apresentada ao sistema de incentivos às acções colectivas do Compete, sendo cofinancida pelo QREN E FEDER, representa uma verdadeira lufada de ar fresco pelas sinergias e pelas competências que gera para um extenso território do interior. Na verdade, não é muito comum e muito habitual agregar vontades e unir projectos, numa sociedade como a nossa, onde impera ainda uma cultura de individualismo e de pequenos interesses. Em segundo lugar, salientaria igualmente as janelas de oportunidade que se podem abrir através da criação de redes de cooperação, em matéria de dinamização e promoção das economias regionais desta importante fachada Ibérica. Esta corrida de fundo, caracterizada por desafios, estratégias e dinâmicas de desenvolvimento regional sustentável, cuja estafeta também me cabe agora a mim transportar, com o mesmo empenho e dedicação de quem me antecedeu na presidência do Nerba, terá que premiar com um lugar no pódio do sucesso, toda uma grande equipa que se encontra focada e se esforça no dia a dia em prol de um objectivo comum. Em terceiro e último lugar, sublinho aquele que deve ser o principal objectivo de qualquer rede de cooperação pública ou privada: a criação de valor. Quer dizer, sensibilizar os diversos agentes para a importância da cooperação e da criação de redes e parcerias estratégicas é fundamental, mas tal não passa de um pequeno detalhe perante o objectivo principal de em conjunto fazermos alguma coisa com impacto directo na actividade das nossas instituições e no desenvolvimento das regiões onde elas estão inseridas. S ó c o m b o a s l i d e r a n ç a s, v i s ã o e responsabilidade moral trilharemos o caminho do futuro, que há-de ser aquilo que cada um de nós quiser que seja. Camões, um dos nossos maiores poetas deixou-nos esta frase, embora lapidar e sintética, mas de grande significado e alcance, Um Rei fraco faz fraca a forte gente. Eduardo Malhão Presidente do Nerba COOP 3

4 ÍNDICE L ARTIGIANO IN FIERA 5 ENCONTRO IBÉRICO DE COOPERAÇÃO EMPRESARIAL 6 A COOPERAÇÃO EMPRESARIAL TRANSFRONTEIRIÇA NA MACRO REGIÃO DO NORDESTE PENINSULAR: POTENCIALIDADE E DESAFIOS 8 INOVAÇÃO 12 MACRO-REGIÃO DO SUDOESTE EUROPEU RESOE 15 A INTERIORIDADE NO TEMPO E NO ESPAÇO 18 FACTORY PLAY, LDA. - Bragança 23 GRANITOS RIBEIRO, LDA. - Vila Pouca de Aguiar 25 PABI - PRODUTOS ALIMENTARES DA BEIRA INTERIOR, S.A PARQUE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO 32 ROTEIRO GASTRONÓMICO 34 Edição e Coordenação: NERBA - Associação Empresarial do Distrito de Bragança Paginação e Impressão: Bringráfica - Indústrias Gráficas, Lda. COOP 4 Colaboração: NERBA - Associação Empresarial do Distrito de Bragança NERCAB - Associação Empresarial da Região de Castelo Branco NERGA - Associação Empresarial da Região da Guarda NERVIR - Associação Empresarial da Região de Vila Real Adriano Moreira ADSI José Adriano (IPB) José de Barros Silva Peneda Periodicidade: Trimestral Tiragem: 4000 exemplares Distribuição: Gratuita Depósito Legal: 99877/96

5 Associação Empresarial FEIRA DE MILÃO L Artigiano in Fiera 16º MOSTRA MERCADO INTERNACIONAL DE ARTESANATO MILÃO - ITÁLIA O NERBA - Associação Empresarial da Região de Bragança, em parceria com NERVIR Vila Real, NERGA - Guarda e NERCAB Castelo Branco, participou, no âmbito do projeto COOPETIR - Cooperação para a Competitividade Empresarial, na Feira L'Artigiano in Fiera - 16ª Mostra Mercado Internacional de Artesanato, que decorreu em Milão, Itália entre os dias 3 a 11 de Dezembro de Esta participação teve por objetivo promover o espaço geográfico do interior norte e centro de Portugal e dos seus produtos junto de mercados com elevado potencial. Foram realizadas sessões de apresentação do território, direcionadas para as suas principais produções, mostras e provas de degustação de produtos. L Artigiano in Fiera 16º MOSTRA MERCADO INTERNACIONAL DE ARTESANATO MILÃO - ITÁLIA PARCEIROS APOIO N E R V I R Núcleo Empresarial da Região de Bragança UNIÃO EUROPEIA Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional COOP 5

6 SEMINÁRIO Encontro Ibérico de Cooperação Empresarial Bragança, 16 de Novembro de 2011 Dando cumprimento a um dos objetivos traçados no encontro realizado em Bragança no mês de Maio, entre as organizações empresariais de Bragança e Léon, teve lugar no último dia 16 de Novembro, nas instalações do CEB/NERBA um Encontro Ibérico de Cooperação Empresarial. Esta ação, promovida pelo NERBA, em colaboração com a ACISB, Turismo do Porto e Norte de Portugal, Câmara Municipal de Bragança e do CEL Círculo Empresarial de León, no âmbito do projeto Coopetir Cooperação para a Competitividade Empresarial, teve como objetivo aprofundar as relações comerciais e de investimento com empresas e entidades dos sectores da indústria, comércio e turismo. Programa: 15h00 Conferência em Plenário A cooperação empresarial transfronteiriça na Macro Região do Nordeste Peninsular: potencialidades e desafios - Dr. José Albino da Silva Peneda Presidente do CES Conselho Económico e Social 16h30 Conclusões dos Grupos de trabalho - Indústria Comércio e Serviços Turismo 16h30 Encerramento Dr. Sérgio Silva Monteiro Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações O Encontro contou ainda com a presença do Presidente do Conselho Económico e Social, José Albino da Silva Peneda que fez uma abordagem às Potencialidades e Desafios da Cooperação empresarial transfronteiriça na Macro Região do Nordeste Peninsular e com o Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, Sérgio Silva Monteiro que fez o encerramento da Sessão COOP 6

7 NERBA AO SERVIÇO DAS EMPRESAS E DA REGIÃO Senhor(a) Empresário(a): Ser sócio do NERBA, é antes de mais lutar pelos seus interesses, reivindicar os seus direitos e contribuir para o desenvolvimento da sua empresa e da nossa região. No atual contexto de elevada incerteza, em que grandes desafios se levantam às empresas, só juntos poderemos ser mais fortes. Faça-se sócio. Participe e faça ouvir a sua voz! Conheça algumas das vantagens de ser sócio do NERBA: Acesso privilegiado a informação; Preferência na participação em projetos, Feiras e outras ações organizadas pelo NERBA; Integração em redes de cooperação empresarial; Apoio a projetos de internacionalização; Organização de Planos de estágios; Desenvolvimento de processos de RVC; Descontos na participação e entrada gratuita em Feiras organizadas pelo NERBA; Descontos no aluguer de instalações; Apoio em processos de recrutamento e seleção, Qualificação e Formação de RH. Ao tornar-se sócio NERBA poderá obter ainda dupla filiação na AIP Associação Industrial Portuguesa, sem qualquer custo adicional e usufruir de um vasto conjunto de regalias. Junte-se a nós! NERBA Associação Empresarial do Distrito de Bragança Alto das Cantarias Saída Sul Bragança T: F: E: W: COOP 7

8 POTENCIALIDADE E DESAFIOS A COOPERAÇÃO EMPRESARIAL TRANSFRONTEIRIÇA NA MACRO REGIÃO DO NORDESTE PENINSULAR: POTENCIALIDADE E DESAFIOS Numa região em que a hemorragia demográfica é a pior debilidade de todas, o Projeto COOPETIR Cooperação para a Competitividade Empresarial é um bom exemplo do caminho que deve ser seguido para contrariar esta tendência, para que a Região ganhe urbanidade, atratividade e notoriedade. José Albino da Silva Peneda Presidente do CES (Conselho Económico e Social) Presidente da FRAH (Fundação Rei Afonso Henriques) ideia de que os decisores políticos geriam um dado território, delimitado por fronteiras Afísicas, pertence definitivamente ao passado. Hoje, mais do que divisão o conceito de fronteira é de união. Embora a vizinhança entre os dois povos peninsulares tenha potenciado, ao longo da história, mais conflitualidade do que aproximação, isso não foi impeditivo de, em certo momento, ter existido um entendimento através dum Tratado, o de Tordesilhas, em que os dois impérios dividiram entre si o mundo em duas metades, para concretizarem as suas estratégias expansionistas. Há que reconhecer aos olhos de hoje que se tratou de uma atitude superiormente inteligente da qual beneficiaram os dois países e que de certo modo marcaram, não só as suas histórias, mas também a história do Mundo. O Tratado de Tordesilhas foi o primeiro acto de cooperação transfronteiriça. Com a adesão simultânea à União Europeia aconteceu um novo reencontro. Para além das consequências políticas que a adesão à União Europeia arrastou, nomeadamente no compromisso pela observância dos valores associados à democracia, liberdade, solidariedade, respeito pelo Estado de direito e de igualdade de tratamento perante a lei e a justiça, aconteceu também uma certa libertação das empresas, que levou a que as relações entre os dois países ganhassem um grande impulso, nomeadamente quanto ao acréscimo das relações comerciais. Evolução do peso das exportações para Espanha no total das exportações Portuguesas: Ano % 1 % 2,2 % 20,1 % 27,2 % Aconteceu o mesmo com as importações provenientes de Espanha que hoje representam 36,4% das nossas importações, quando antes da adesão esse valor não chegava sequer a 1%! Em pouco mais de trinta anos a Espanha passou de uma situação de insignificância como cliente e fornecedor de Portugal para ser hoje o maior parceiro comercial, quase duplicando as suas exportações para o nosso país, que hoje são superiores às que a Espanha coloca em toda a América Latina! Também nas regiões da raia se verifica uma notável COOP 8

9 POTENCIALIDADE E DESAFIOS evolução no relacionamento económico. As trocas comerciais nestas regiões representam actualmente mais de 40% das exportações portuguesas para a Espanha e mais de 30% das compras que Portugal faz a Espanha. Ainda como resultado da adesão dos dois países à União Europeia muitas coisas aconteceram. Assim, a nova programação financeira dos fundos estruturais da União Europeia para veio ajudar a reforçar o papel da cooperação, ao consagrar a chamada Cooperação Territorial Europeia como uma das prioridades da União Europeia. Até 31 de Maio de 2010 (últimos dados que disponho) e para a Região do Norte tinham sido aprovados, pelas instâncias oficiais competentes, 64 projetos respeitantes á área de cooperação com a Galiza no montante de cerca de 95 milhões de euros e 31 projetos na área de cooperação com Castela - Leão no valor de 37 milhões de euros. Entretanto, a União Europeia começou a incentivar a criação de Agrupamentos Europeus de Cooperação Territorial. Sobre isto quero dizer que quando se multiplicam iniciativas deste género corre-se o risco da dispersão e até muitas vezes de um tipo de competição doentia que, em vez de criar valor, destrói valor e, por isso, andaram bem as autoridades das regiões fronteiriças do Norte de Portugal ao procurar enquadrar toda a cooperação transfronteiriça, nos três agrupamentos existentes. Até aqui concluo três coisas. Primeiro, nestas regiões tem havido uma hemorragia demográfica que a não ser estancada, pode criar a m a i o r d a s d i f i c u l d a d e s a o p r o c e s s o d e desenvolvimento sustentável e duradouro. Segundo, tem havido uma dinâmica clara entre as regiões transfronteiriças marcada pela proximidade entre os dois países da Península, especialmente após a adesão à União Europeia. Terceiro, estamos perante um enorme potencial que resulta do ainda número de residentes e do nível de riqueza produzida. Portugal vende hoje mais para a Galiza do que para o Reino Unido, a Itália ou a Holanda. Se considerarmos a Galiza isoladamente esta região é o 5º maior cliente de Portugal! Um terço das empresas portuguesas que estão instaladas em Espanha optam por fazê-lo nas regiões transfronteiriças, com especial destaque para a Galiza, onde estão presentes cerca de 50 empresas portuguesas. Castela Leão conta com 15 empresas espanholas com capitais portugueses, merecendo destaque a presença da Sonae Indústria, um dos maiores produtores do mundo de painéis derivados da madeira, com quatro empresas na região. Cerca de 30% do total das empresas espanholas com capitais portugueses estão localizadas nas regiões transfronteiriças.. Quando olhamos para a produção de riqueza dos dois lados da fronteira verificamos que qualquer das regiões espanholas é mais rica que as portuguesas. Apresentam um PIB per capita superior a 20 mil euros, enquanto as regiões do lado de Portugal se situam nos 12/13 mil euros.. Em relação à média do respectivo país e ainda em termos de riqueza produzida, tanto a Galiza como Castela Leão estão mais próximas da média nacional de Espanha. A Galiza está com 86% da média nacional, enquanto Castela Leão está com 97%. As regiões Norte e Centro de Portugal estão apenas pouco acima de 80% da média nacional.. Nas quatro regiões a que nos estamos a referir residem mais de 11 milhões de pessoas, 5 milhões nas duas regiões de Espanha e um pouco mais de 6 milhões nas regiões Norte e Centro de Portugal. Trata-se de um total que é um pouco maior do que a população residente em Portugal. Nas quatro regiões vive 21% da população da Península Ibérica! Perante esta conclusão a pergunta impõe-se. O que fazer? A primeira recomendação que me apetece fazer é que se deve continuar a cooperar trabalhando soluções e metodologias que, em conjunto, possam contribuir para a criação de valor e de emprego produtivo para as regiões dos dois lados da fronteira. A segunda tem a ver com a seriedade e verdade. Sem seriedade e verdade não há cooperação que resista. A COOP 9

10 POTENCIALIDADE E DESAFIOS não haver seriedade, a confiança entre as partes vai-se deteriorando e daí até à indiferença e à ruptura é um pequeno passo. E todos sabemos que perdida a confiança num parceiro é muito difícil voltar a recuperála. Nos tempos actuais a verdade e a realidade é que podem ser factores mobilizadores para a subida dos níveis de confiança. Eu sei que trabalhar em conjunto dá mais trabalho e mais canseiras mas é a forma que possibilita ir mais longe. A terceira tem a ver com um factor que pode ajudar a uma cooperação com resultados o recato. Resistir a anúncios de projectos ou iniciativas sem se ter assegurado todos os meios que permitem a sua concretização deve ser a postura adequada porque, a não ser assim, podem surgir factores imponderáveis que fazem com que as ideias anunciadas se esboroem como castelos de areia e isso só provoca perda de credibilidade nas instituições e nas pessoas que as dirigem. A quarta é o resultado da constatação que vivemos num mundo de interdependências que são cada vez mais intensas. Interdependências financeiras, de mercados, de processos de produção, etc. A cooperação transfronteiriça não dispensa, por isso, o funcionamento em rede com outras instituições e poderes, mesmo que se localizem fora das regiões cooperantes. A quinta tem a ver com o facto dos centros de decisão política serem apenas mais um entre vários centros de decisão que com eles interagem nos processos de concepção e implementação de políticas públicas. Nos nossos dias os governos têm a noção de que a legitimidade democrática dada pelo voto precisa de ser complementada com formas de diálogo e de consulta com as várias instituições, nomeadamente de carácter regional. A cooperação com regiões dos dois lados da fronteira potencia aspectos de valorização política que têm de ser aproveitados e, no caso concreto, beneficiam de um aliado de muito peso, a Comissão Europeia. Fala-se na revisão do QREN. Ora aí está uma oportunidade para tentar modificar algum tipo de prioridades de modo a serem obtidos mais meios financeiros para as regiões transfronteiriças a serem aplicados em projectos que criem riqueza e emprego. Outro aspecto muito relevante que pode condicionar a cooperação transfronteiriça é a acção dos governos centrais, porque a acção ou a não acção dos governos centrais pode beneficiar ou prejudicar a atitude dos cooperantes. Tomemos como exemplo da acção do governo português o facto de estar previsto na Proposta de Orçamento de Estado para 2012, o fim das isenções fiscais nos investimentos feitos nas zonas do interior do país. Em termos de receita orçamental trata-se seguramente de um valor pequeno, mas esta decisão, a ir para a frente, significa acabar com o muito pouco que existe em termos de discriminação positiva a favor das terras do interior. É difícil de perceber e ainda é mais difícil de aceitar, porque uma decisão como esta transmite o pior dos sinais, o sinal do abandono, o sinal da quebra de solidariedade das regiões mais ricas para com as mais pobres e o sinal de que as políticas públicas não parecem ter nada a ver com a situação das terras do interior do país. O Conselho Económico e Social a que presido chamou no Parecer sobre o Orçamento de Estado aprovado em Novembro, sem qualquer voto contra, a atenção para este facto. N ã o s e p o d e e n c a ra r o s p r o b l e m a s d o desenvolvimento do interior sem políticas públicas orientadas para esse objectivo. A busca de mais coesão regional e social não se obtém através do funcionamento do mercado. Receio bem que esta ideia não seja hoje muito clara nos processos de decisão política. Gostaria de falar de uma ideia que é um exemplo da não acção por parte do governo central de Portugal e que penso que ganharia sentido em ir para a frente, no enquadramento da reforma do aparelho do Estado, com a anunciada eliminação e fusão de serviços públicos. A ideia tem a ver com a transferência de serviços da administração central de Lisboa para outras cidades incluindo, naturalmente, as localizadas no interior. Porque é que tudo que é sede nacional de serviço público tem de estar localizado em Lisboa? Porquê? COOP 10

11 POTENCIALIDADE E DESAFIOS A outra condicionante: O Euro Há uma condicionante que influencia a acção dos cooperantes e que não podemos ignorar. Tem a ver com a crise da zona euro. A f r a g i l i d a d e e a desorientação que os dirigentes europeus têm dado mostras na gestão dos problemas da zona euro afectam todas as economias e de forma muito mais sensível as que são mais débeis, como é o caso das regiões do Norte e Centro de Portugal, Galiza e Castela Leão. Por vezes confunde-se crise da zona euro com crise do euro como moeda. Essa comparação não é correcta. O euro, como moeda, está bem, desde logo pela estabilidade da taxa de câmbio que apresenta há muito tempo. Se analisarmos os valores médios dos principais indicadores da zona euro, como seja balança de transações correntes, dívida, deficit orçamental e taxa de desemprego a zona euro apresenta melhores resultados do que, por exemplo, os Estados Unidos o Japão e até o Reino Unido. A crise do euro não tem assim nada a ver com a moeda em si, mas com o facto de ela ter sido criada apenas na base de uma perna, a política monetária. O projecto europeu sempre se baseou na base do equilíbrio e da liberdade. Estes princípios não podem deixar de estar presentes num novo modelo de governação económica em que solidariedade e coesão devem caminhar lado a lado na base dum processo de cooperação, que tenha em atenção as diferenças entre Estados membros. Temos que pensar mais europeu e, nesse sentido, compreender que a disciplina fiscal não pode ser imposta ao ponto de por em causa o crescimento económico. Uma só ideia não mudará os nossos países nem as nossas regiões. A mudança desejável obriga à mobilização de muitas e diferentes ideias e será da interacção entre elas que as coisas poderão melhorar. A criação de novas ideias vive da colaboração saudável e sem temor e eu tenho a consciência que no nosso caso as coisas não são fáceis, desde logo porque parece que sofremos de uma espécie de falta de confiança crónica nas relações interpessoais. Esta é mais uma razão para que se reforce a cooperação transfronteiriça. A história ensina-nos que a Península Ibérica construiu o seu sucesso na base da informação. Foi o domínio da informação dos mares, das grandes massas de terra e da forma de percorrer grandes distâncias com segurança que possibilitou o sucesso dos nossos países. A história parece estar a repetir-se. COOP 11

12 INOVAÇÃO JOSÉ ADRIANO GOMES PIRES Pró-Presidente do Instituto Politécnico de Bragança para o Empreendedorismo As empresas vivem um novo paradigma de competitividade que, seguramente, vai induzir num processo selectivo, muito semelhante ao apresentado por Charles Darwin, relativamente à selecção natural das espécies. As empresas que conseguirem sobreviver no quadro do actual contexto socio-económico deverão apresentar-se no futuro muito mais fortes enquanto que, as empresas menos aptas, simplesmente, desaparecerão. Para sobreviver neste contexto competitivo, as empresas para além de eficientes Doing the right things têm, sobretudo que ser eficientes, Doing the things right, ou seja : Não basta tomar iniciativas e atingir objectivos, mas, sobretudo, concretizá-los da forma mais rápida, barata e adequada. A década de 90 realçou a noção da Qualidade. As empresas na busca da eficiência apostaram nos processos de certificação de qualidade, apoiados na família das normas ISO 9001, como forma de ganharem notoriedade junto do mercado, ao mesmo tempo que aproveitaram a oportunidade para melhorar os seus processos internos e sistematizar um conjunto de práticas eficientes. Neste momento, os desafios tendo em vista a sobrevivência no quadro do processo natural de selecção empresarial vão mais além da qualidade. A qualidade deixou de ser uma meta para passar a ser uma característica de qualquer empresa de sucesso. Hoje, a qualidade deve ser natura à empresa ou seja deve incorporar a própria génese da empresa. As empresas que não procederem desta forma deverão ter muita dificuldade de resistência ao processo de selecção natural que agora recai sobre os ambientes de negócios, como resultado da crise económica e financeira que se vive. As novas metas e os novos desafios assentam agora nos processos de Inovação. O termo Inovação tal como é apresentado na 3ª edição do Manual de Oslo, e no conjunto de normas portuguesas de IDI, a referir: a NP 4456:2007, a NP , a NP e a NP , define-se da seguinte forma: Inovação corresponde à implementação de uma nova ou significativamente melhorada solução para a empresa, novo produto, processo, método organizacional ou de marketing, com o objectivo de reforçar a sua posição competitiva, aumentar o desempenho, ou o conhecimento De acordo com a definição proposta, a Inovação pode ser encarado na perspectiva de um processo que assenta em três dimensões: 1. O objecto de inovação, que pode ser a criação de um novo produto, serviço, prática organizacional ou estratégia de marketing; 2. A tipologia de inovação: que pode ser do tipo radical ou incremental; As inovações radicais apresentam-se como algo inexistente, sem paralelo, e que surge para dar resposta a uma necessidade, antes inexistente no mercado, rompendo, desta forma, com os paradigmas vigentes. As inovações do tipo incremental, assentam, por norma, em produtos que já existem e são posteriormente subvertidos, alterados ou adaptados para fazer face a novas e específicas necessidades do mercado. 3. O processo de inovação: que assenta por norma em três grandes grupos de actividades, vulgarmente designadas por I+D+I ou, simplesmente, IDI. COOP 12

13 INOVAÇÃO Em termos lógicos, os processos de inovação s e q u e n c i a m - s e n a s fa s e s d e i nvest i ga ção, desenvolvimento e inovação. A fase de desenvolvimento constitui o momento da materialização do objecto inovador e, por norma, refere a construção de um protótipo, uma instalação piloto, um conceito de marketing ou uma nova abordagem organizacional. É nesta fase que se pretende proceder à validação do objecto de inovação, em termos operacionais e funcionais, efectuando-se a denominada prova de conceito. Qualquer que seja o objecto de inovação, este só é considerado como tal se tiver interesse comercial e for direccionado para uma determinada necessidade, latente ou eminente de mercado, não tendo, no entanto, que ser necessariamente um sucesso de vendas. O interesse do objecto inovador, independentemente do seu valor comercial, pode residir também no seu registo ou licenciamento, nomeadamente por recurso aos esquemas de patentes e modelos de utilidade tratandose de invenções no domínio Industrial. Mas, o rótulo de empresa inovadora não é algo que esteja apenas ao alcance de um grupo restrito de organizações. Qualquer empresa, pode aspirar a ser considerada inovadora, desde que se proponha estabelecer de forma sistematizada um conjunto de práticas inovadoras conforme estabelecido na Norma NP 4457:2007. De acordo com esta norma as organizações inovadoras podem ser divididas em dois grandes grupos: As que desenvolvem processos de inovação, ou seja aquelas que desenvolveram inovações por si só, em colaboração com outras firmas, ou organizações públicas de investigação, As que adoptam inovações, ou seja aquelas que incorporam resultados e práticas inovadoras desenvolvidas no exterior. A NP 4457:2007 estabelece um sistema de gestão para lidar com ambas. Contudo, a certificação de acordo com a esta norma implica que a organização demonstre que desenvolve inovação, ou seja exclui organizações que apenas demonstram que adoptam inovações. Na sequência de projectos inovadores, ou de investigação científica, surgem normalmente projectos empreendedores. O exemplo que se relata de seguida constitui um testemunho disso mesmo. No Instituto Politécnico de Bragança foi desenvolvido um processo de investigação, no âmbito da tese de doutoramento do autor, do qual resultou uma Spin-Off, denominada RuralNet e que constitui um excelente exemplo de uma Inovação Organizacional do tipo Radical. As Inovações Organizacionais resultam, por norma, em novas formas e abordagens para a concretização de um determinado serviço e são vulgarmente comercializadas sob a forma da prestação de serviços de consultoria. O Modelo de Negócio Ruralnet resultou da associação de dois conceitos do domínio empresarial, nomeadamente as Redes de Cooperação e o e- commerce com o objectivo de melhorar a competitividade dos pequenos produtores da região por via de uma revisão do seu processo comercial à luz das novas tecnologias de informação. O Projecto RuralNet, como qualquer outro projecto de e-commerce, possibilitou a prestação de um serviço misto B2B Business to Business e B2C Business to Consummer, promovendo a criação de um canal de distribuição alternativo, para a comercialização de produtos e bens alimentares de elevada qualidade e excepção. Na sequência deste projecto foram prestados serviços de consultoria a empresas congéneres e foi registada a marca RuralNet. Este projecto arrancou em Novembro de 1998 e em Dezembro de 1999, com todas as restrições existentes à data, nomeadamente pouca confiança nos meios de pagamento electrónico, poucos utilizadores de internet, já tinha satisfeito 454 encomendas para todo o território nacional, conforme demonstrado nas figuras seguintes. Enc. % Grande Porto 32 7,0% Grande Lisboa ,9% Local ,7% Nacional ,4% Internacional 23 5,1% TOTAL ,0% Nichos de Mercado Figura 1. Mercado da RuralNet, com um ano de serviço. Grande Porto Grande Lisboa Local Nacional Internacional A par da sua vertente comercial, a Spin-Off RuralNet teve, ainda, o mérito de: Promover a c o m p e t i t i v i d a d e d a s p e q u e n a s e m p r e s a s transformadoras do mundo rural, por via da abertura de novos canais para escoamento de produtos; Promover a adopção das novas tecnologias de informação ao nível das pequenas e médias empresas rurais; Evidenciar as potencialidades de um novo modelo de organização cooperativo, suportado por tecnologias de informação; Formar os empresários e quadros administrativos no âmbito dos novos serviços de comunicações, em suma: Preparar as empresas rurais para a Sociedade da Informação. COOP 13

14

15 RESOE A História da nova Macro-Região: A política europeia de desenvolvimento regional ter-seá iniciado em 1975, com a criação do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, ERDF. Esta política viria a ser reforçada com a adesão conjunta de Portugal e da Espanha à Comunidade Económica Europeia (CEE), em O Acto Único, em 1987, viria reforçar aquelas políticas procurando esbater as disparidades entre as diversas regiões e, sobretudo, reduzir as diferenças com as regiões menos favorecidas. Com o Tratado de Maastricht reforçam-se as políticas de coesão económica e social e é criado o Fundo de Coesão, do qual irão beneficiar particularmente Portugal e a Espanha. No início dos anos 90 surgia o primeiro programa INTERREG para reforçar a cooperação transfronteiriça, muito centrado em infra-estruturas. JOSÉ ANTÓNIO BARROS Presidente da AEP -Associação Empresarial de Portugal MACRO-REGIÃO DO SUDOESTE EUROPEU RESOE Em 1994 aparecia o programa INTERREG II, no qual novas formas de cooperação transfronteiriça foram incluídas. Seguiu-se o programa INTERREG III, a partir de 2000, visando fortalecer a coesão e a cooperação transfronteiriças entre a Região Norte de Portugal e a Galiza. A Xunta de Galicia e a Região Norte de Portugal constituíram uma Comunidade de Trabalho, em 31 de Outubro de Em 24 de Fevereiro de 2006 procedeu-se à adaptação dos seus conteúdos ao disposto no Tratado entre o Reino de Espanha e a R e p ú b l i c a Po r t u g u e s a s o b r e c o o p e ra ç ã o transfronteiriça entre Instâncias e Entidades Territoriais, assinado em Valência no dia 3 de Outubro de Por seu turno, a Junta de Castilla y León e a Região Norte de Portugal têm vindo a desenvolver as suas actividades de cooperação através de uma Comunidade de Trabalho constituída em Bragança, em 19 de Janeiro de Em 27 de Janeiro de 2009 procedeu-se à adaptação dos seus conteúdos ao disposto no referido Tratado de Valência. COOP 15

16 RESOE Na sequência destes acordos, e com o objectivo de favorecer e de aumentar a cooperação entre aquelas três regiões, agora na perspectiva das macro-regiões europeias, reunidos em Valladolid, em 17 de Setembro de 2010, os Presidentes da Xunta de Galicia, da Junta de Castilla y Léon e da CCDRN acordaram constituir um organismo sem personalidade jurídica, a Macro-Região Regiões do Sudoeste Europeu, adiante denominada abreviadamente por RESOE. As especiais relações, históricas, culturais e de vizinhança existentes entre Galicia, Castilla y León e a Região Norte de Portugal têm permitido estabelecer múltiplos e sólidos laços entre aquelas Comunidades de Espanha e a Região Norte de Portugal. Castilla y León, Galicia e a Região Norte de Portugal partilham a fronteira entre Espanha e Portugal e esta situação geográfica constitui um dos aspectos comuns que caracterizam as respectivas identidades regionais. Tendo sido convidados a participar nas primeiras reuniões sobre este tema, na CCDRN, em 28 de Dezembro de 2010, e em 24 e 25 de Janeiro de 2011, a Associação Industrial do Minho e a AEP deram-se de imediato conta da importância desta nova organização europeia, designadamente pela capacidade de concorrer aos fundos comunitários, no horizonte do novo Quadro Comunitário 2014 / De imediato, foi promovida uma reunião na sede da AEP, no Porto, na qual participaram os Presidentes de todas as grandes associações da Região Norte, a AEVC (Viana do Castelo), a Associação Comercial de Braga, a AIMinho (Braga e Viana), o NERBA (Bragança), o NERVIR (Vila Real) e até o NERGA (Guarda) que, apesar de formalmente estar já na Região Centro, foi por todos reconhecido como parceiro essencial e interessado, pela sua importância e localização geográfica face à região espanhola de Castilla y Léon. Nessa reunião debateram o interesse em conjugar os seus esforços para o desenvolvimento de projectos de interesse para o bem comum e deliberaram mandatar o Presidente da AEP para representar todos nos contactos subsequentes. Decidiram, ainda, passar a reunir mensalmente, por rotação, na sede de cada uma destas associações, para desenvolver o seu relacionamento e analisar os desenvolvimentos desta problemática tendo, em reunião posterior, em Viana de Castelo, deliberado constituir um grupo informal, o Fórum das Associações Empresarias do Norte FAEN, para este efeito. Recorde-se que existem já as Macro-Regiões do Báltico e do Danúbio, criadas com diferentes objectivos, mas visando a mesma finalidade, e foi recentemente criada a Macro-Região Adriático-Jónica, com idêntica finalidade. Como se verifica na figura, a nossa Macro-Região (cor violeta) é ainda muito pequena, e seria importante que ganhasse maior dimensão e escala, anexando outras regiões, as Astúrias e a Cantábria, em Espanha, a região Centro de Portugal, Pointou-Charentes, a Aquitânia do Sul, a Bretanha e até a Baixa Normandia, em França, a Irlanda e a própria Grã-Bretanha (South West). Os Presidentes das três Regiões signatárias da RESOE acordaram ainda solicitar às instâncias competentes o aumento dos fundos comunitários destinados à cooperação territorial, tendo como referência os montantes disponíveis durante a última década do século XX, visando algumas áreas onde foram já detectados interesses comuns, a saber: Economia e Indústria; Educação, Universidades e Investigação; Âmbito laboral; Ambiente; Cultura e Turismo; Transportes e Logística. Na sequência dos estudos e propostas acima referidos, resultantes da acção dos grupos de trabalho que foram constituídos para o efeito, em 21 de Fevereiro reunimos COOP 16

17 RESOE (AEP, NERBA e NERGA) com a CECALE Confederação das Organizações Empresariais de Castela-Leão, tendo constatado que o tema era bem conhecido, havia já reuniões em curso com o governo autónomo de Castela-Leão, e onde percebemos que o interlocutor mais bem posicionado na Galiza era a CEG- Confederação de Empresários da Galiza. Nesta reunião deliberámos solicitar de imediato três reuniões com os Presidentes dos governos das três Regiões subscritoras da RESOE, Juan Vicente Herrera, de Castilla y Léon, Alberto Nunes Feijó, da Galicia e Carlos Lage, da CCDRN. Em Valladolid, foi explicada a vontade da liderança política do projecto, embora acolhendo com interesse as nossas propostas e apoio. Nesta reunião ficou absolutamente claro que os 6 temas estavam já distribuídos, sem qualquer dúvida, pelas três regiões interessadas, tendo Castela Leão ficado com 1. Economia e Indústria e 2. Transportes e Logística. Finalmente, em 3 de Março, reunimos em Santiago de Compostela, com a CEG-Confederação de Empresários da Galiza. Assim, os Presidentes das Confederações Empresarias da Galiza (CEG) e de Castela Leão (CECALE), D. Antonio Fontenla e D. Jesús Maria Terciado, e o Presidente da AEP, José António Barros, foram recebidos, no dia 21 de Março, pelo Presidente da CCDRN Região Norte, Dr. Carlos Lage, acompanhado pela Vice-Presidente Professora Doutora Ana Teresa Lehmann, no Porto; no dia 30 de Março, em Valladolid, pelo Presidente da Junta de Castela Leão, D. Juan Vicente Herrera, acompanhado pelo Conselheiro Provincial da Economia; e no dia 1 de Abril, em Santiago de Compostela, pelo Presidente da Junta da Galiza, D. Alberto Nunes Feijó, acompanhado pelo Conselheiro da Presidência, D. Alfonso Rueda, e pelo Conselheiro da Economia. Em Santiago de Compostela, com o Presidente Alberto Nunes Feijó e o Conselheiro da Presidência Alfonso Rueda, foi igualmente confirmado que os 6 temas estavam já distribuídos, ficando para a Galiza o tema 3. Universidades e Investigação e 4. Emprego, Relações e Mobilidade Laboral, e, para o Norte de Portugal, os dois temas restantes, 5. Cultura e Turismo e 6. Ambiente e Energia. Nesta reunião foi, ainda, confirmada uma afirmação feita na reunião de Valladolid, que o projecto da RESOE tinha sido formalmente apresentado em Bruxelas, dois dias antes, pelo Conselheiro Alfonso Rueda, em nome e em representação das três regiões, ou seja, da RESOE, que nos relatou a reunião. O seu principal interlocutor foi um Comissário Europeu, da Letónia, que participou na elaboração do projecto da macro-região do Báltico, e, portanto, favorável ao nosso projecto. Foi referido que a nossa Macro-Região era ainda muito pequena, e seria importante que ganhasse maior dimensão e escala, anexando outras regiões, as Astúrias e a Cantábria, em Espanha, a região Centro de Portugal, Pointou-Charentes, a Aquitânia do Sul, a Bretanha e até a Baixa Normandia, em França, a Irlanda e a própria Grã-Bretanha. Foi referido que, no horizonte de os fundos comunitários centrar-se-ão fundamentalmente nas novas macro-regiões, e em grandes projectos transversais, estando fora do horizonte os apoios comunitários a pequenos projectos ou regionais, como no actual modelo. E que a Europa não teria espaço para mais de 5 ou 6 macro-regiões. Foi, ainda, discutida a situação do Arco Atlântico, em desmembramento pelo desinteresse manifesto do Reino Unido, e que a nossa macro-região poderia ser a resultante do Arco Atlântico, englobando as regiões atrás referidas, e com o peso político de quatro ou cinco estados europeus, em vez de apenas Portugal e Espanha. Assim, em todas as reuniões foi consensual a urgência do alargamento, em Portugal, à região Centro, pelas razões acima, alargamento que é bem visto pelos espanhóis. Sem este alargamento e sem a desejável adesão de outros estados membros da EU, França, Irlanda e até, talvez, o Reino Unido, o futuro da RESOE poderá estar seriamente comprometido ou, pelo menos, a sua capacidade de lobbying, na concorrência pelos fundos estruturais, no horizonte de , estará fortemente diminuída, com consequências gravosas para as três regiões até agora envolvidas, o Norte de Portugal, a Galiza e Castela Leão. COOP 17

18 DESTAQUE ADRIANO MOREIRA Presidente do Instituto de Altos Estudos da Academia das Ciências de Lisboa Presidente do Conselho Geral da Universidade Técnica de Lisboa A INTERIORIDADE NO TEMPO E NO ESPAÇO Este tema da interioridade, no tempo e no espaço, começa por exigir alguma atenção ao estatuto do próprio país, na cena internacional, antes de podermos meditar sobre os efeitos desse condicionamento nas regiões nacionais. Começando portanto pela circunstância de Portugal, agora envolvido no globalismo multifacetado dos nossos tempos, recordaremos que o qualificativo mais generalizado, que acompanhou o processo de adesão à Europa, foi o de o considerar um país periférico. Parece difícil conciliar o conceito de periferia com o de globalismo, e talvez devamos admitir que tal conceito teve mais que ver, restritiva e excessivamente, com uma visão liberal da economia europeia, do que com o fenómeno novo da interdependência global em todas as áreas do relacionamento que continuou a ser chamado internacional. Em primeiro lugar recordarei que o processo da Europa em formação, ainda hoje de contornos incertos, começou por atingir Portugal com a desmobilização do Império Euromundista, ao preço de uma guerra de catorze anos, e esgotamento do conceito estratégico nacional secular. Inevitavelmente, quando, em curto prazo, a Ordem definida juridicamente pela Carta da ONU foi substituída pela Ordem dos Pactos Militares NATO e VARSÓVIA, Portugal foi envolvido por esta nova definição em termos muito afastados do conceito de periferia, porque o Atlântico Norte se tornou o teatro estratégico geográfico principal da defesa ocidental, e as responsabilidades atlânticas portuguesas exigiram um comprometimento exigente e fundamental. Começando portanto pela circunstância de Portugal, agora envolvido no globalismo multifacetado dos nossos tempos, recordaremos que o qualificativo mais generalizado, que acompanhou o processo de adesão à Europa, foi o de o considerar um país periférico. Depois da queda do Muro de Berlim, o tufão em que se traduz a crise económica e financeira nesta entrada no III Milénio, acompanhada pelo turbilhão do Mediterrâneo e pela deslocação da COOP 18

19 DESTAQUE fronteira da pobreza para o Norte desse Mar que ameaça transformar-se em cemitério, atingiram tão severamente o nosso território e o nosso povo, que a periferia não é seguramente a definição geográfica mais apropriada. É com Portugal no centro de uma complexa soma de desafios, e não em situação periférica, que a nova interioridade tem de ser avaliada. O traço mais saliente e marcante dessa interioridade, moldada pelo turbilhão do III Milénio, é que, tratando-se de um povo que viveu longamente afastado dos padrões de vida europeia, teve certamente uma aproximação importante a tais padrões depois da Revolução de 1974, mas aconteceu-lhe estar agora abrangido pela fronteira da pobreza que, no século passado, que foi ontem, os Relatórios anuais do PNUD colocavam ao Sul do Sara, e formalmente incluíram nos Objectivos do Milénio. Não apenas considerarmos altamente comprometida a possibilidade de tais objectivos do Milénio serem cumpridos, porque o financiamento anunciado e prometido não é compatível com a crise financeira actual, como a nova fronteira exigirá razoavelmente uma redefinição de tais objectivos para considerar exigências novas dos povos mediterrânicos. É com Portugal no centro de uma complexa soma de desafios, e não em situação periférica, que a nova interioridade tem de ser avaliada. É esta condição emergente e premente da geografia da pobreza que torna evidente a necessidade de avaliar, com profundidade e criatividade, se o objectivo de uma estratégia governativa de resposta, se deve concentrar em reparar o sistema que levou à catástrofe actual, ou organizar um novo sistema que aprenda a evitar os erros do credo do mercado que levou à crise global em que nos encontramos. Até esta data, as intervenções são de ordem contabilística, colhendo recursos fiscais onde faltam recursos para o desenvolvimento sustentado, este à espera de que a ciência da economia de mercado comece a escrever um capítulo inovador da economia da pobreza, porque entre esta e interioridade existe uma coincidência de fronteiras com desvios apenas ocasionais. Uma das consequências seculares da interioridade pobre foi a emigração, quer interna que continua a dirigir-se para a orla marítima, quer externa para destinos que foram crescendo de importância: o Brasil, os EUA, a Europa designadamente durante a guerra do Ultramar, e menos a própria África quando ainda em regime colonial. Mas essa emigração foi de gente pouco qualificada, partindo de um país marcado pelo analfabetismo, e que tinha no serviço militar obrigatório um instrumento importante de alfabetização, profissionalização, e de civismo. Depois do 25 de Abril, a diversidade da rede pública e privada, universitária e politécnica, é indiscutível que cresceu exponencialmente, mas faltou aceitar o conceito de rede nacional para que a racionalização fosse integral, e para que a multiplicação de centros de ensino pelo interior tivessem uma planificação eficaz, de modo a que, agredindo a passividade local, despertasse iniciativas, fixação das criatividades, crescimento económico. Esta falta de conceito governativo, mais fiados os responsáveis no que chamaram as novas caravelas que vinham da Europa, do que na necessidade de fabricar aqui as caravelas, fez com que o despovoamento não parasse, com que o conceito estratégico de reserva alimentar nacional fosse esquecido, com que desaparecesse a frota de pesca, e definhasse a agricultura. Com a consequência inquietante e dramática de que a crise económica e financeira veio encontrar muitas das unidades de ensino em situação financeira deficitária, sem que a economia tenha correspondido ao esforço, mas ainda com uma novidade inquietante; é que a emigração, cuja última forma importante ficou chamada emigração a salto, foi substituída pela emigração dos melhores para os países mais ricos ou em crescimento visível. Este facto traduz-se em se acentuar uma ameaça ao desenvolvimento sustentado de qualquer país pobre: ter o técnico, precisar do técnico, e não ter emprego para o técnico. COOP 19

20 DESTAQUE O d e s p o voamento t ra d i c i o n a l d a interioridade, que era causado pela partida de a comunidade viveu dispersa, e o seu número é incerto. O despovoamento tradicional da interioridade, que era causado pela partida de homens com poucas habilitações e deixava o interior entregue à responsabilidade das viúvas de homens vivos que asseguravam a retaguarda, é agora fortalecido pelos melhores que procuram em diferentes paragens um futuro aceitável. Mas o que não é incerto é que ou a leitura dos livros santos assegura a paz, ou o fanatismo terá difícil convívio com a democratização. A tese do choque das civilizações, que a ONU procura remeter para os arquivos em nome do respeito recíproco, e não da simples tolerância, ganha de novo uma relevância que só agrava as condições anárquicas do Mediterrâneo, que enfraquece o projecto da Euráfrica solidária, que acentua a difícil problemática da coexistência entre os princípios da democracia ocidental e os dogmatismos muçulmanos. E que alerta os governos europeus para a eventual exigência de reorganizar os orçamentos para responder à imprevisibilidade da situação. Porque o civismo e o amor ao país e às pequenas pátrias que são as terras de origem, não admitem passividade perante uma moldura tão desafiante, tentarei enumerar algumas tarefas inadiáveis: 1) As finanças do Estado, exigem certamente uma contabilidade exigente, mas ao serviço de uma economia que saiba lutar contra a pobreza; 2) O fortalecimento do civismo, que exige uma defesa prévia dos valores da maneira portuguesa de estar no mundo, não consente c o m p l a c ê n c i a c o m o re l a t i v i s m o, confundindo tolerância com respeito; 3) Nesta questão dos valores está a urgência de implantar, entre os melhores, a decisão de ficar e não a de imigrar; 4) A implantação do conceito de reserva COOP 20

21 DESTAQUE estratégica alimentar, obriga a que todos os recursos de uma agricultura desprotegida COOP 21

22

23 EMPRESA Entrevista com PEDRO SANTOS Sócio-Gerente - Origem da empresa Como surgiu Principais produtos/serviços da empresa? Mercados? A empresa Factory Play, Lda surge em 2005 no seguimento da empresa Animalogia, Lda, que após anos de experiência em eventos tanto em Portugal como em Espanha denota a necessidade de um produto de qualidade na área dos insufláveis de diversão para o mercado Europeu Aproveitando todo o know-how da empresa Animalogia, surge o projecto de uma fábrica de Insufláveis em Bragança direcionado para a exportação de produtos insufláveis principalmente para Espanha e França. Sendo que as principais áreas de negócio são: Insufláveis diversão para empresas de eventos, feirantes e parques temáticos Insufláveis publicitários Design e concepção Parques temáticos Tematização de Parques diversões Sinalética e decoração D Quanto aos principais mercados destacamos desde logo a Espanha e a França, Itália, Alemanha, o médio oriente e o norte de África. - Qual o segredo do sucesso? Acreditamos que a nossa postura profissional, know-how e imagem forte estão na base de grande parte do nosso sucesso, de salientar que somos a marca de referência na Europa em termos de inovação e desenvolvimento de produto. Todos estes factores aliados a um atendimento personalizado de todos os nossos clientes e uma equipa de trabalho dinâmica permitiu-nos criar uma marca de elevada credibilidade e notoriedade. - No futuro, quais são os próximos passos da empresa? De momento a empresa tem em mãos uma estratégia muito ambiciosa que passa pela introdução do nosso produto em novos mercados espalhados pelos cinco continentes até 2014, projectando a nossa marca para o mundo inteiro. Essa estratégia passa ainda pela consolidação de alguns mercados no espaço europeu e pela manutenção da posição de líder em inovação na Europa. COOP 23

24 EMPRESA - É difícil ser empresário no interior? Quais os maiores problemas que as empresas enfrentam na nossa Região? Penso que para nós cidadãos transmontanos habituados desde sempre a grandes esforços e sacrifícios, ser empresário é apenas mais um desafio Obviamente que para conseguirmos competir de igual para igual temos grandes dificuldades que todos os dias enfrentamos. Desde logo gostaria de salientar a logística, que em termos de soluções de transporte para exportar o nosso produto é desajustada e muitas vezes dispendiosa. Em segundo lugar a manutenção e assistência técnica industrial não existe a nível local, tornando-se mais complexo em tempo útil solucionar problemas com que uma unidade fabril se depara diariamente. Terceiro ponto que influi bastante na competividade das nossas empresas no interior prende-se com a falta de qualificação dos nossos recursos humanos, contribuindo para o efeito a fraca eficácia das entidades competentes para a formação dos mesmos, muitas vezes verificamos que se realizam inúmeros cursos de formação que em centenas de pessoas formadas não produziram nenhuma contratação por parte das nossas empresas. - Qual a importância da Cooperação empresarial no desenvolvimento competitivo da empresa? Desde o início sempre consideramos que a cooperação estratégica entre empresas é fundamental para o sucesso e obtenção dos nossos objectivos. Procuramos continuamente protocolos e parcerias que nos permitam melhorar a produtividade e qualidade dos nossos produtos. Temos alguns exemplos de empresas de referência a nível nacional e internacional que nos apoiam nomeadamente na produção de matérias primas, desenvolvimento de produto e área comercial. Continuamos a considerar importante fomentar sinergias entre empresas locais, de áreas de negócio distintas, no sentido de em determinados contextos tais como Feiras, Exposições e prospecção de mercados conseguir reduzir o custo das operações. A criação de centros de investigação direcionados para o apoio às empresas no desenvolvimento de novos produtos, em parceria com o ensino superior local, entidades formadoras e autarquias poderia ser um factor de competividade decisivo permitindo uma investigação orientada para as necessidades de cada mercado. FACTORY PLAY Zona Industrial de Mós, Lote MÓS - Bragança COOP 24

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER AGROALIMENTAR

INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER AGROALIMENTAR INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER AGROALIMENTAR PLANO DE AÇÃO DO CLUSTER CONTATOS PARCEIROS 1 INTRODUÇÃO O desafio

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE A LINK THINK AVANÇA COM PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROFISSONAL PARA 2012 A LINK THINK,

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO MARKETING SOCIAL DESENVOLVIDO PELA CÁRITAS EM PARCERIA COM A IPI CONSULTING NETWORK PORTUGAL As virtualidades da interação entre a economia social e o empreendedorismo

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

CONCLUSÕES. A - identidade e desenvolvimento territorial

CONCLUSÕES. A - identidade e desenvolvimento territorial CONCLUSÕES Numa iniciativa inédita, Comunidades Intermunicipais (Alto Tâmega, Douro e Terras de Trásos-Montes), Associações Empresariais (ACISAT, NERVIR e NERBA) e instituições de ensino superior (UTAD

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 MENSAGEM DE ANO NOVO Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 Portugueses No primeiro dia deste Novo Ano, quero dirigir a todos uma saudação amiga e votos de boa saúde e prosperidade. Penso especialmente

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

A Engenharia Portuguesa no Mundo. Internacionalização e Exportação

A Engenharia Portuguesa no Mundo. Internacionalização e Exportação A Engenharia Portuguesa no Mundo Internacionalização e Exportação CARLOS MATIAS RAMOS, Bastonário da Ordem dos Engenheiros Começo por citar um texto da autoria do Eng. Ezequiel de Campos, que consta do

Leia mais

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional Intervenção do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 Vítor Escária CIRIUS ISEG, Universidade de Lisboa e Augusto Mateus & Associados Barreiro, 30/06/2014 Tópicos Enquadramento A Estratégia de Crescimento

Leia mais

A União Europeia vive, hoje, uma verdadeira questão social. Uma questão que é, ao mesmo tempo, económica, financeira e política. São muitas as razões:

A União Europeia vive, hoje, uma verdadeira questão social. Uma questão que é, ao mesmo tempo, económica, financeira e política. São muitas as razões: DISCURSO DE S. EXA A PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA NA CONFERÊNCIA DE PRESIDENTES DOS PARLAMENTOS DA UNIÃO EUROPEIA NICÓSIA, CHIPRE Sessão III: Coesão social em tempos de austeridade o que podem

Leia mais

Orçamento do Estado 2016 Uma Perspectiva Pessoal

Orçamento do Estado 2016 Uma Perspectiva Pessoal Aese Orçamento do Estado 2016 Uma Perspectiva Pessoal Quando o Fórum para a Competitividade me convidou para esta intervenção, na qualidade de empresário, já se sabia que não haveria Orçamento de Estado

Leia mais

O princípio da afirmação da sociedade civil.

O princípio da afirmação da sociedade civil. Dois dos Valores do PSD O Princípio do Estado de Direito, respeitante da eminente dignidade da pessoa humana - fundamento de toda a ordem jurídica baseado na nossa convicção de que o Estado deve estar

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade ACORDO DE PARCERIA Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

Apoiar Business Angels é apoiar o empreendedorismo Segunda, 17 Março 2014 12:03

Apoiar Business Angels é apoiar o empreendedorismo Segunda, 17 Março 2014 12:03 Os Business Angels são, geralmente, os primeiros investidores que o empreendedor conhece e, por isso, o seu papel é crucial nas primeiras etapas da empresa. Este é um negócio de alto risco, já que muitas

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

Reforma institucional do Secretariado da SADC

Reforma institucional do Secretariado da SADC Reforma institucional do Secretariado da SADC Ganhamos este prémio e queremos mostrar que podemos ainda mais construirmos sobre este sucesso para alcançarmos maiores benefícios para a região da SADC e

Leia mais

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A.

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A. Portugal 2020 Os Nossos Serviços Onde pode contar connosco? Lisboa Leiria Braga Madrid As Nossas Parcerias Institucionais Alguns dos Nossos Clientes de Referência Bem Vindos à Areagest Índice O QREN;

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

MINHO IN. Seminário Valorização dos Recursos Endógenos Agroalimentar & Gastronomia. 25 de Novembro de 2015, Villa Moraes, Ponte de Lima

MINHO IN. Seminário Valorização dos Recursos Endógenos Agroalimentar & Gastronomia. 25 de Novembro de 2015, Villa Moraes, Ponte de Lima MINHO IN Seminário Valorização dos Recursos Endógenos Agroalimentar & Gastronomia 25 de Novembro de 2015, Villa Moraes, Ponte de Lima O MINHO IN Estratégia de Eficiência Coletiva O Minho IN é estratégia

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 A - INTRODUÇÃO O ano de 2013 que agora termina, foi decisivo para a continuidade da Fundação do Desporto. O Governo, através do Sr. Ministro-Adjunto e dos Assuntos Parlamentares,

Leia mais

I Jornadas Galiza-Norte de Portugal Deficiência Motora e Inclusão Social Caminha, 6.Maio.2005

I Jornadas Galiza-Norte de Portugal Deficiência Motora e Inclusão Social Caminha, 6.Maio.2005 I Jornadas Galiza-Norte de Portugal Deficiência Motora e Inclusão Social Caminha, 6.Maio.2005 Nuno Miguel Ferreira CCDR-N, Comunidade de Trabalho Galiza-Norte de Portugal Localização Geográfica Galiza

Leia mais

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas.

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas. Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues; Senhor Vice-Presidente do Conselho Diretivo da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas e Presidente da Comissão Organizadora

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020

A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020 A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020 Quais os Instrumentos regionais para apoiar as empresas dos Açores? Competir + Apoios contratação de RH

Leia mais

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural: Experiências de Sucesso em Portugal e na Europa Castro Verde - 06 de Março 2013 Joaquim

Leia mais

NERSANT Torres Novas. Apresentação e assinatura do contrato e-pme. Tópicos de intervenção

NERSANT Torres Novas. Apresentação e assinatura do contrato e-pme. Tópicos de intervenção G ABINETE DO M INISTRO NERSANT Torres Novas Apresentação e assinatura do contrato e-pme Tópicos de intervenção Senhor Secretário de Estado Adjunto da Indústria e Inovação, António Castro Guerra Senhor

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO Jorge Abegão Secretário-Técnico do COMPETE Coimbra, 28 de janeiro de 2015 Estratégia Europa 2020 ESTRATÉGIA EUROPA 2020 CRESCIMENTO INTELIGENTE

Leia mais

Maputo, a sua capital, é o seu porto de mercadorias por excelência e principal centro de comércio.

Maputo, a sua capital, é o seu porto de mercadorias por excelência e principal centro de comércio. Missão Empresarial Moçambique 28 agosto 3 setembro 2014 Moçambique: porta de entrada na África Austral Moçambique é hoje um mercado em expansão com mais de 24 milhões de consumidores, que tem vindo a registar

Leia mais

Senhor Ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional, Senhor Ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia,

Senhor Ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional, Senhor Ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, ATO DE POSSE, 9 DE AGOSTO 2013 Emídio Gomes Presidente da CCDR-N Senhor Ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional, Senhor Ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, Senhor Secretário

Leia mais

Fundos europeus: Advogados exploram oportunidades do Portugal 2020

Fundos europeus: Advogados exploram oportunidades do Portugal 2020 Fundos europeus: Advogados exploram oportunidades do Portugal 2020 08 Abril 2015 Há quase três décadas que Portugal recebe fundos europeus, mas o próximo quadro comunitário de apoio está a merecer uma

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade O Futuro da Política Europeia de Coesão Inovação, Coesão e Competitividade 20 de Abril de 2009 António Bob Santos Gabinete do Coordenador Nacional da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico Desafios

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO 2. INOVAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO O objectivo está adquirido, como está adquirida a consciência da sua importância. O que não está adquirido é a forma de

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários

Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários Plano de Ação para o Desenvolvimento do Turismo em Portugal 2014-2020 Braga, 15 de janeiro 2014 Nuno Fazenda Turismo de Portugal, I.P. TURISMO Importância económica

Leia mais

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Duarte Rodrigues Vogal da Agência para o Desenvolvimento e Coesão Lisboa, 17 de dezembro de 2014 Tópicos: 1. Portugal

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas?

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas? Que Private Label na Era das Marcas? Vila Nova de Famalicão, 26 de Novembro de 2008 Manuel Sousa Lopes Teixeira 1 2 INTELIGÊNCIA TÊXTIL O Sector Têxtil e Vestuário Português e o seu enquadramento na Economia

Leia mais

as quais permitem desenvolver novos saberes e potenciar a sua utilização e difusão.

as quais permitem desenvolver novos saberes e potenciar a sua utilização e difusão. 2011- O contributo do QREN para a competitividade e a coesão da região centro Intervenção do senhor Reitor, Prof. Doutor Manuel Assunção Centro Cultural da Gafanha da Nazaré Rua Prior Guerra 14 de Dezembro

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

O Papel Central das Reformas Estruturais no Programa Economico do Portugal. por Hossein Samiei. Conselheiro, Departamento Europeu do FMI

O Papel Central das Reformas Estruturais no Programa Economico do Portugal. por Hossein Samiei. Conselheiro, Departamento Europeu do FMI O Papel Central das Reformas Estruturais no Programa Economico do Portugal por Hossein Samiei Conselheiro, Departamento Europeu do FMI Conferência Sobre Reformas Estruturais no Contexto do Programa de

Leia mais

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Programa de Acção Luis Filipe Baptista ENIDH, Setembro de 2013 Motivações para esta candidatura A sociedade actual está a mudar muito

Leia mais

AS IPSS s e a ECONOMIA SOCIAL

AS IPSS s e a ECONOMIA SOCIAL AS IPSS s e a ECONOMIA SOCIAL Numa altura em que tanto se fala de Estado social, de desenvolvimento económico, de solidariedade, de coesão social, de crise, estas jornadas sobre Economia Social podem ser

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP. 11 Setembro 2007

POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP. 11 Setembro 2007 POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP 11 Setembro 2007 Durante o 1º trimestre de 2007, o PIB cresceu 2,0% Crescimento do PIB 2,5% 2,0% 1,5% 1,5% 1,7% 2,0% 1,0% 1,1% 1,0% 0,9% 0,5% 0,5% 0,5% 0,0%

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003 Intervenção de Sua Excelência a Ministra da Ciência e do Ensino Superior, na II Reunião Ministerial da Ciência e Tecnologia da CPLP Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Rio de Janeiro, 5 de Dezembro

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

Solidariedade. Inovação. Oportunidade. Cultura. A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s. E m p r e s a s C o o p e rativa s. Inclusão Social e Emprego

Solidariedade. Inovação. Oportunidade. Cultura. A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s. E m p r e s a s C o o p e rativa s. Inclusão Social e Emprego Solidariedade A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s P a r c e r i a Oportunidade Cultura E m p r e s a s C o o p e rativa s Empreendedorismo PORTUGAL Inclusão Social e Emprego Inovação A c o r d o I

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

FrontWave Engenharia e Consultadoria, S.A.

FrontWave Engenharia e Consultadoria, S.A. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa é uma empresa criada em 2001 como spin-off do Instituto Superior Técnico (IST). Desenvolve tecnologias e metodologias de inovação para rentabilizar

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

Lei de Bases da Economia Social

Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 12 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Nos termos do Regulamento do SI Inovação, a apresentação

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

Regulamento. Preâmbulo

Regulamento. Preâmbulo Regulamento Preâmbulo As Empresas e os Empreendedores são a espinha dorsal de qualquer economia, em termos de inovação, de criação de emprego, de distribuição de riqueza e de coesão económica e social

Leia mais

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt Pedro Gomes Nunes Director Executivo Lisboa, Fevereiro 2014 RISA - Apresentação ÁREAS DE NEGÓCIO Estudos e Projectos + 20 anos de experiência + 1.500 candidaturas a Fundos Comunitários aprovadas. + 1,6

Leia mais

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179.

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179. REGULAMENTO (CE) N.º 806/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 relativo à promoção da igualdade entre homens e mulheres na cooperação para o desenvolvimento O PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido MEMO/08/79 Bruxelas, 8 de Fevereiro de 2008 Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido 1. O Programa Operacional de Cooperação Transnacional Espaço Atlântico

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos?

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Apresentação do Debate Nacional Sobre a Educação Assembleia da República, 22 de Maio de 2006 Júlio Pedrosa de Jesus, Presidente do Conselho Nacional de

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

As perspetivas de desenvolvimento da região Norte

As perspetivas de desenvolvimento da região Norte INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO FERREIRA DE BARROS, NA SESSÃO DE DEBATE, SOB O TEMA «REGIÃO NORTE QUE PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO?» NA DELEGAÇÃO

Leia mais

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News 28 PME Líder CRITÉRIOS Bloomberg News CRITÉ RIOS COMO CHEGAR A PME LÍDER Atingir o Estatuto PME Líder é a ambição de muitas empresas. É este o primeiro passo para chegar a PME Excelência. Saiba o que precisa

Leia mais