Controle Social Democrático da Política de Assistência Social na Região. Metropolitana do Rio de Janeiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Controle Social Democrático da Política de Assistência Social na Região. Metropolitana do Rio de Janeiro"

Transcrição

1 Controle Social Democrático da Política de Assistência Social na Região 1. Introdução: Metropolitana do Rio de Janeiro Ana Paula de Carvalho Guarani 1 ; Andrea Gomes Mayer 2 ; Emilia Carvalho Teixeira 3 ; Heloisa Helena Mesquita Maciel 4 ; Herculis Pereira Toledo 5 ; Márcio Eduardo Brotto 6 ; Sandra Regina Manes Barreto 7 e Sindely Chahim de Avellar Alchorne 8 Tem havido um reconhecimento crescente da importância da discussão sobre gestão metropolitana, que considera, dentre outros, o tema da ordem urbano territorial e socioeconômica, como fenômenos da metropolização. Em maio de 2012, a CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) promoveu o Seminário Internacional A Metropolização Brasileira e os Desafios da Gestão Urbana: O Papel da Pós Graduação, que teve como um dos objetivos a indução de estudos no assunto. Tal iniciativa evidencia a relevância e urgência do tema. Durante o processo constituinte de , a questão da gestão metropolitana foi amplamente discutida, se não pela sociedade em geral, 1 Assistente Social, Especialista em Gerenciamento de Crises e em Gestão Pública, atuando na Secretaria Executiva dos Conselhos vinculados à SMDS - Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social da cidade do Rio de Janeiro, RJ/Brasil. 2 Assistente Social, Especialista em Planejamento Urbano e Regional e em Violência Doméstica contra Crianças e Adolescentes, atuando no Conselho Tutelar do Centro do Rio de Janeiro, RJ/Brasil. 3 Assistente Social, Mestre em Política Social UFF, atuando na Secretaria Executiva dos Conselhos vinculados à SMDS - Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social da cidade do Rio de Janeiro, RJ/Brasil. 4 Assistente social, doutoranda em Política Pública pela UFF Universidade Federal Fluminense, Superintendente de Proteção Social no Estado do Rio de Janeiro pela Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos- SEDASDH, RJ/Brasil 5 Cientista Social e Relações Internacionais, atuando no IBAM Instituto Brasileiro de Administração Municipal, atual presidente do CMAS Conselho Municipal de Assistência Social do Rio de Janeiro, RJ/Brasil. 6 Assistente Social, Doutor em Serviço Social, Especialista em Saúde Pública, com experiência na execução e gestão de ações profissionais em Serviço Social, com ênfase nas áreas de Assistência Social, Controle Social, Políticas Públicas e Saúde Pública. 7 Assistente Social, Especialista em Responsabilidade Social e Gestão Estratégica de Projetos Sociais, Mestre em Serviço Social pela UERJ, atuando no SIMAS Sistema Municipal de Assistência Social da SMDS - Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social da cidade do Rio de Janeiro, atual vice presidente do CMAS Conselho Municipal de Assistência Social do Rio de Janeiro, RJ/Brasil. 8 Assistente Social, Doutora em Serviço Social pela PUC/SP. Atuando na Secretaria Executiva dos Conselhos vinculados à SMDS - Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social da cidade do Rio de Janeiro, RJ/Brasil. 1

2 pelo menos no contexto das agências metropolitanas existentes ( ) Contudo, o processo constituinte foi marcado por um movimento de municipalismo a todo custo, que, no tocante à gestão metropolitana, jogou fora o bebê com a água do banho : dada a tradição de centralismo e autoritarismo que caracterizara a gestão metropolitana até então, em vez de democratizar e aprimorar a fórmula jurídico-institucional, o Congresso Constituinte não enfrentou a questão metropolitana, remetendo-a de maneira vaga para as constituições estaduais, sem definir quaisquer critérios básicos a serem cumpridos em todo o território nacional e isso no contexto mais amplo de um forte esvaziamento da esfera estadual no pacto federativo. (Gouvêa, 2005:15, grifo nosso) Nesse âmbito, o presente estudo faz parte de uma pesquisa, em andamento, sobre as principais características das cidades que compõem a Região Metropolitana do Rio de Janeiro, no que se refere ao controle social democrático na área da assistência social. Essa pesquisa objetiva conhecer e analisar similitudes, particularidades, peculiaridades e limites dessa Região. Utiliza, também, como subsídios metodológicos a experiência das Conferências Nacionais das Cidades e da Assistência Social, bem como a agenda do meio ambiente (Rio +20), no debate do direito à inclusão e acesso, na perspectiva de proteção social e pertencimento à cidade. O caminho trilhado tem por pressuposto o fato de que as políticas públicas não estão desvinculadas das pautas que envolvem os interesses comuns dos cidadãos pela melhoria de suas cidades, como também não podem perder de vista as grandes pautas nacionais e internacionais que sobre elas rebatem. O Estado do Rio de Janeiro é composto por 92 municípios e a chamada Grande Rio, ou seja, sua Região Metropolitana é ocupada por dezenove cidades: Belford Roxo, Duque de Caxias, Guapimirim, Itaboraí, Itaguaí, Japeri, Magé, Maricá, Mesquita, Nilópolis, Niterói, Nova Iguaçu, Paracambi, Queimados, Rio de Janeiro, Seropédica, São Gonçalo, São João de Meriti e Tanguá. Assim, esse estudo almeja tratar do papel do controle social e da corresponsabilidade que poder público e sociedade civil tem mediante a pactuação de suas propostas, traduzidas num planejamento com participação, que é instrumento fundamental para viabilizar e ampliar a cooperação das políticas setoriais para o desenvolvimento urbano. A integração da política urbana ocorre no 2

3 território/cidade, no local onde as políticas setoriais se concretizam e os sujeitos convivem, tanto usufruindo de ações sistemáticas como de ações pontuais, devendo ser integradas, mesmo que não sejam executadas no mesmo período de tempo. 2. Controle Social Democrático e agenda do meio ambiente Referenciar o debate sobre a existência dos Conselhos no Brasil como algo contemporâneo aos movimentos que fortaleceram a democracia no país nas décadas de 1970 e 1980, coloca-se como parcialmente verídico. Afinal, a existência dos Conselhos é antiga, embora com formatação diferente, pois se configuravam, até então, pela participação de setores tecnocráticos, beneméritos ou de personalidades notáveis, ligados aos interesses corporativos ou privados das elites (Carvalho, 1998). Contudo, o debate sobre a evolução do controle social no Brasil está visceralmente associada ao processo de redemocratização pós regime militar. Em especial, a década de 1980 foi fecunda aos movimentos populares sociais e políticos, tendo por finalidade a ampliação dos mecanismos institucionais de diálogo entre o Estado e os cidadãos. A Constituição de 1988 é considerada um marco legal pela construção de um texto constitucional bastante democrático, caracterizado pela descentralização e participação da sociedade nos processos de tomada das decisões políticas, como na elaboração das políticas públicas, inclusive o próprio orçamento. Portanto, a forte pressão da sociedade civil por meio de movimentos organizados e emenda popular influenciou na Carta Constitucional, posteriormente denominada e conhecida como Constituição Cidadã. Entre as iniciativas propostas está à instituição dos conselhos de políticas públicas, onde os cidadãos, representando a sociedade, participarão do planejamento, elaboração, monitoramento e controle dos gastos públicos, avaliando o impacto obtido com os resultados alcançados pela ação governamental. Aliás, controle social é um tema atual, sempre em pauta no debate sobre a diversidade de iniciativas realizadas tanto por instituições civis como por organismos públicos. A expressão controle social se qualifica quando é utilizado o arcabouço teórico de Gramsci para analisar a relação Estado/Sociedade. A concepção de Estado Ampliado incorpora interesses das classes subalternas quando esta se 3

4 coloca na função de mantenedora da hegemonia da classe dominante. No espaço da luta pela incorporação de tais interesses, surge a possibilidade de organizações das classes subalternas controlarem as ações do Estado e, portanto, influenciarem na alocação dos recursos públicos, a depender da correlação de forças existentes na sociedade civil. Conforme Coutinho (2002), a concepção gramsciana de sociedade civil apresenta uma dimensão claramente política, enquanto espaço de luta de classe pela hegemonia e pela conquista do poder político por parte das classes subalternas. A sociedade civil não é hegemônica, pois apresenta uma base material, a das relações sociais de produção. Logo, a heterogeneidade dos interesses que compõem a sociedade civil é reflexo da mesma heterogeneidade das classes que compõem as relações sociais de produção (Correia, 2004). Na esfera da sociedade civil se constitui o processo democrático do controle social, em especial, pela participação da população através dos Conselhos. Para Carvalho (1998), os Conselhos são espaços de interface entre o Estado e a sociedade, e instâncias de exercício da cidadania, porque abrem espaço para a participação popular na gestão pública, em forma de cogestão. A análise de Raichelis também se aproxima dessa concepção: A implantação de inúmeros conselhos em diferentes setores revela que está em funcionamento certo modelo de participação da sociedade civil na gestão pública, forjado na dinâmica das lutas sociais das últimas décadas, que busca redefinir os laços entre o espaço institucional e as práticas societárias, não como polaridades que se excluem, mas como processos conflituosos que se antagonizam e se complementam, pondo em relevo a luta pela inscrição de conquistas sociais na institucionalidade democrática. No entanto, sua multiplicação e pulverização está exigindo um debate mais profundo em termos da fragmentação das demandas sociais e da definição de estratégias que possam articular propostas e ações dos vários conselhos, em termos de reconstruir a perspectiva de totalidade da política social. (Raichelis, 1998). A Região Metropolitana do Rio de Janeiro é composta por cidades populosas, que contam com Conselhos Municipais de Assistência Social, responsáveis pelo controle social democrático, o que não significa com condições homogêneas, uma vez que Também entre os municípios constatamos diferenças significativas no que concerne às condições de institucionalização dos Conselhos, entre as quais destacamos: (a) há casos onde os membros da sociedade civil permanecem indicados pelos dirigentes governamentais, principalmente pelos secretários municipais, impedindo a representação autônoma da sociedade civil; (b) a questão orçamentária, em geral, não faz parte da agenda dos Conselhos, 4

5 constituindo-se em grave obstáculo na definição das políticas públicas; (c) verificam-se grandes desigualdades nas condições de funcionamento dos Conselhos, conforme a região analisada. (Observatório das Metrópoles, 2005: 40). Conforme já apontado, anteriormente, a partir da Constituição Federal de 1988, ampliam-se os canais institucionalizados de participação nas três esferas de governo brasileiro. Os conselhos são resultado direto da luta pela redemocratização do país e da crítica realizada pelos movimentos sociais à gestão burocrática, o que exige formular, acompanhar, implementar e fiscalizar tais políticas. É importante perceber que: A redemocratização do Estado brasileiro fez surgir uma nova institucionalidade, um novo desenho do seu sistema federativo que aponta para a descentralização e para o fortalecimento da capacidade decisória das instâncias de governo subnacionais estados e municípios - ao contrário da trajetória histórica das políticas sociais brasileiras, que, desde 1930, tiveram uma gestão centralizada pelo governo federal. (Souza, 2004: 176). Desse modo, as instâncias de controle social do sistema descentralizado e participativo são representadas pelo conselho nacional, pelos conselhos estaduais e pelo conselho do Distrito Federal, além dos conselhos municipais. Estes são, sobretudo, importantes instrumentos educativos e de controle social, e constituem meios de garantia de maior transparência e democratização, já que atuam continuamente na publicização das informações. Raichelis (1998) destaca: A prática de participação nos Conselhos não é nova no Brasil, como já apontamos, uma vez que desde as décadas de as experiências dos conselhos comunitários, populares, setoriais, vêm se desenvolvendo de variadas formas e nas diferentes esferas de governo. No entanto, os conselhos que passam a se multiplicar a partir do marco legal da Constituição de 1988 não constituem, no nosso entendimento, uma simples continuidade das experiências do passado, não apenas pelas mudanças que se observam nas suas funções, mas considerando a conjuntura sociopolítica na qual se desenvolvem hoje e as práticas dos seus protagonistas (Raichelis, 1998:180) A composição desses conselhos conta com a representação governamental e da sociedade civil. A participação da sociedade civil no controle das políticas públicas, coerentemente com a diretriz e com o conceito constitucional, foi regulamentada por meio das várias Leis Orgânicas ao longo da década de É importante reiterar que tais espaços são entendidos como loci de controle social, ou seja, é a possibilidade de a população participar mais facilmente 5

6 na elaboração das políticas públicas e na fiscalização ou controle das ações do Estado. A novidade desses espaços está justamente no seu caráter propositivo, no processo de deliberação que é de sua competência, o que não exclui o dever do Estado, pelo contrário, este deve apresentar proposta de ação no enfrentamento da pobreza, bem como garantir o direito da sociedade civil de concordar ou não com as propostas, que devem ser amplamente discutidas nos conselhos, que são instrumentos de construção da autonomia e da transparência na elaboração de políticas, na definição de prioridades, na avaliação dos serviços, e, portanto, elementos constitutivos de uma nova gestão pública orientada pela democracia e pela justiça social. Jaccoud (2005) ressalta o fato dos conselhos serem responsáveis pela formulação, implementação e controle de políticas públicas e que qualquer formato que os conselhos adquiram, eles ajudam a articular interesses e dar transparência às ações públicas por meio da discussão de prioridades e da escolha da agenda pública. Os conselhos se institucionalizaram em quase todo o país e na maioria das políticas públicas. No estado do Rio de Janeiro, isso não é diferente, isto é Os Conselhos Municipais foram institucionalizados pela totalidade dos municípios fluminenses, envolvendo principalmente as políticas sociais que tiveram incentivos do governo federal para sua descentralização. Assim, todos os municípios metropolitanos institucionalizaram os conselhos de saúde, de educação, da criança e do adolescente, e da assistência social. Além disso, constata-se a institucionalização de outros conselhos vinculados a um conjunto diverso de temáticas tais como meio ambiente, direitos da mulher, direitos do negro, direitos da pessoa portadora de deficiência, cultura, entre outros. (Observatório das Metrópoles, 2005: 38, grifo nosso) A participação popular no Brasil ganha força com a Constituição Federal de 1988 e é reiterada nas diferentes políticas, inclusive nas relacionadas ao meio ambiente e sustentabilidade, culminando com a agenda ampla em 2012, quando é retomado o movimento conhecido como Eco-92, que se denominou Rio+20: espaço de militância tanto do poder público quanto da sociedade civil que se vem se preocupando com o tema. Os conselhos, contudo, não devem ser considerados como a mais importante das experiências de gestão, mas uma experiência que traz um diferencial essencial: são legalmente constituídos e desenhados em leis específicas. 6

7 Escolhemos o histórico de conferências da assistência social 9 e da conferência das cidades, com o objetivo de aprofundar a relação do debate do direito à inclusão e acesso, na perspectiva de proteção social e pertencimento à cidade, o que se pretende analisar a partir dos temas das respectivas conferências. As conferências das Cidades e de Assistência Social convergem como espaços de acesso a direitos. EM 2003, é aprovado o SUAS Sistema Único de Assistência Social no mesmo ano é criado o Ministério das Cidades (Estatuto da Cidade/ Política Urbana) consolidando uma política de Estado e não de governo político. Alchorne e Maciel (2013) abordam o tema Controle Social e afirmam a necessidade de compreender outros temas correlacionados, tais como: participação, transparência, democratização, publicização, fiscalização. Concordamos com a proposta, que ao nosso ver, pressupõe, também, compreender a intersetorialidade entre as políticas na perspectiva de garantir direitos e qualidade de vida, uma vez que entendemos que as políticas públicas não estão desvinculadas das pautas que envolvem os interesses comuns dos cidadãos pela melhoria de suas cidades. As referidas autoras, com base num estudo sobre o estado do Rio de Janeiro, afirmam que: Em pesquisa realizada pelo CEAS Conselho Estadual de Assistência Social, tomando por base o Censo Suas , constatou-se: Na perspectiva da gestão: 89% dos Conselhos Municipais de Assistência Social foram criados por Lei específica; 87% possuem regimento interno; 67% possuem em sua Lei Orçamentária previsão de recursos para o funcionamento e manutenção dos conselhos; Considerando serem questões estruturantes do processo democrático, está posto o desafio de alcançar 100% desses indicadores. Na perspectiva da infraestrutura e recursos humanos: 62% possuem local ou sede específica para seu funcionamento; 98% estão localizados em prédios onde funcionam outras instituições ou unidades; 80% possuem secretaria executiva (unidade de apoio para o seu funcionamento); 96% tem pessoa designada para ocupar esta função. É necessário que os conselhos tenham espaços próprios e independentes para o exercício de sua missão e sejam devidamente assessorados por equipe técnica qualificada. Só assim, podem se constituir parceiro de 9 A Assistência Social é regulamentada pela Lei 8.742/93 e complementada pela Lei /2011, onde o Sistema Único de Assistência Social SUAS - é instituído, dando reconhecimento a Política de Assistência Social implementada a partir de 2004, bem como amplia a participação dos sujeitos no conselho com o redesenho de sua composição ao estabelecer no artigo 3º o perfil das entidades e organizações de assistência social. 10 Censo SUAS refere-se ao levantamento anual de informações acerca do Sistema Único de Assistência Social (SUAS). 7

8 gestão. Já na perspectiva de acompanhamento da implementação da política: 92% realizam reuniões ordinárias uma vez ao mês; 79% atuam como instância de controle do Programa Bolsa Família; 80% acompanham e fiscalizam tal Programa; 60% fizeram previsão de recursos específicos para a realização da conferência. (Alchorne e Maciel, 2013) Constata-se, assim, a premente urgência de interação constante com esses espaços na intenção de retroalimentar as ações dos gestores e reafirmar o exercício democrático, reforçando o papel do controle social e a corresponsabilidade que poder público e sociedade civil tem mediante a pactuação de suas propostas, traduzidas num planejamento, que deve ser elaborado com ampla participação. É impossível não considerar o potencial do momento democrático que vive o país, tanto para o aspecto das decisões de governança como a formulação de estratégias por parte da sociedade civil que deve se unir e pressionar os governos para que lhes assegurem condições de avançar rumo a modelos sustentáveis, movimento que deve ter o apoio dos diferentes conselhos, que deverão constituir espaços para debater, para comprometerem-se com o que se delibera e acompanhar seu rebatimento: na sustentabilidade do planeta, na integração de saneamento, habitação, regularização fundiária e mobilidade urbana, no fomento à qualificação continuada, na erradicação da extrema pobreza, no combate as desigualdades sociais, na intersetorialidade, através de sociedades democráticas e participativas principais decisões tomadas em diferentes espaços: Agenda 21, Desenvolvimento do Milênio, Rio +20, Carta da Terra, Conferências de Assistência Social e das Cidades. É possível perceber: 1. Das diferentes agendas convergem categorias comuns às políticas públicas, resguardadas as especificidades. 2. Há um fio condutor que as norteia, que é a garantia do direito fundamental à vida com qualidade, o que implica não só em fortalecer os espaços institucionais que as implementam, mas também os espaços institucionais que as deliberam. conferências 3. Existem pontos em que as propostas dialogam e, embora algumas tratem das questões na perspectiva brasileira, tais propostas se somam ao esforço e a certeza de que um mundo melhor é possível para todos e 8

9 todas. O que parece faltar ao conjunto de propostas é a orquestração que possibilite uma sinfonia afinada onde meio ambiente e os homens convivam com qualidade, com respeito aos limites, onde a prioridade seja o Homem e o Planeta em que ele habita. Assim, tais ações se intercruzam e devem ser entendidas e tratadas como complementares na efetivação de direitos que assegurem sustentabilidade com controle social, num movimento constante entre sociedade civil e governo, enquanto entes corresponsáveis nesse processo. Há a necessidade de integrar as políticas de saneamento básico, habitação, assistência social, saúde, educação, meio ambiente, segurança, regularização fundiária e transporte, o que não pode ser feito sem considerar o território de cada município, especialmente em se tratando de Região Metropolitana. 3. Região Metropolitana do Rio de Janeiro Breve Caracterização O Brasil é o maior país da América do Sul e da região da América Latina, sendo o quinto maior do mundo, com ,172 km 2, com uma população com mais de 198 milhões de habitantes. Atualmente, existem 41 Regiões Metropolitanas, que abrangem 84 milhões de pessoas, correspondendo a 46% da população do Brasil. Conforme Gouvêa (2005), considera-se Região Metropolitana a junção de municípios limítrofes, com destacada expressão nacional, em razão de elevada densidade demográfica, significativa urbanização e alto grau de diversidade nas funções urbanas e regionais. Diferentemente da maioria das metrópoles brasileiras, a metrópole fluminense vem, desde 1990, sofrendo um esvaziamento político institucional, com a saída de três municípios integrantes de sua composição original. O primeiro foi Petrópolis, que por decisão do governo local, passou a fazer parte da Região Serrana. O mesmo processo aconteceu em 2002 com a auto exclusão dos municípios de Mangaratiba, Itaguaí e Maricá, indo os dois primeiros para a Região da Costa Verde e o segundo, para a Região das Baixadas Litorâneas, ambas áreas de expansão turística. Além das 9

10 possíveis vantagens para a captação de investimentos no setor de turismo, se afastar da identificação de município periférico pode ter sido um critério relevante na estratégia territorial desses municípios, no sentido de uma mudança de status. Outro tipo de modificação na estrutura políticoadministrativa da região diz respeito às emancipações de distritos, ampliando o número de municípios. A partir da década de 90, foram emancipados os distritos de Belford Roxo, Guapimirim, Queimados, Japeri, Tanguá, Seropédica e Mesquita. (Observatório das Metrópoles, 2005: 01) Quadro 1: Composição da Região Metropolitana do Rio de Janeiro Nº Composição original 1974 Municípios emancipados Déc Municípios autoexcluídos 2002 Composição Atual Duque de Caxias Belford Roxo 2 Itaboraí Tanguá Duque de Caxias 3 Itaguaí Seropédica Itaguaí Guapimirim 4 Magé Guapimirim Itaboraí 5 Mangaratiba Mangaratiba Itaguaí 6 Maricá Maricá Japeri 7 Nilópolis Magé 8 Niterói Maricá 9 Nova Iguaçu Belford Roxo Japeri Mesquita Queimados Mesquita 10 Paracambi Nilópolis 11 Petrópolis Petrópolis Niterói 12 Rio de Janeiro Nova Iguaçu 13 São Gonçalo Paracambi 14 São João de Meriti Queimados 15 Rio de Janeiro 16 São Gonçalo 17 São João de Meriti 18 Seropédica 19 Tanguá Fonte: Observatório das Metrópoles, 2005; atualizado pelos autores, 2013 O estado do Rio de Janeiro tem habitantes e sua Região Metropolitana tem habitantes. Assim, a Região Metropolitana do Rio de Janeiro (RMRJ) possui 75% da população carioca. Não possui, contudo, uma governança metropolitana, nem mesmo um planejamento integrado das políticas públicas, o que expressa a urgência do fortalecimento da interlocução entre os municípios metropolitanos. Essa Região Metropolitana foi instituída pela Lei Complementar nº 20, de julho de 1974, após a fusão dos antigos estados do Rio de Janeiro e da Guanabara. 10

11 Com aproximadamente 12 mil habitantes é a segunda maior área metropolitana do país e a terceira da América Latina. Em 2011 foi instituído, através do Decreto Nº , o Comitê Executivo de Estratégias Metropolitanas, visando integrar suas demandas e planejar/executar as políticas públicas de interesse comum. Tal ação tem como um dos referenciais o Sistema Estadual de Governança Metropolitana. A partir da instituição do Estatuto da Cidade (Lei Federal no , de 10 de julho de 2001); da criação do Ministério das Cidades em Janeiro de 2003; da criação do Conselho das Cidades e da realização de um conjunto de conferências municipais, metropolitanas, estaduais e nacional das cidades, o movimento e a luta social de enfrentamento dos problemas urbanos ganharam novo fôlego e, conseqüentemente, foram revigorados os debates em torno da questão metropolitana. (Côrte, 2010:09) Conforme figura acima, é previsto um Conselho Metropolitano, o que reforça a pesquisa em tela, no que se refere ao controle social exercido de modo democrático entre sociedade civil e poder público, pois Se arranjo federativo é pacto, as condições de coordenação e cooperação intergovernamental passam a ser aspectos centrais na definição de condições para a execução de políticas regionais. (Côrte, 2010: 12). Na visão de Paul Singer (2002: 122,123) as grandes cidades permaneceram durante muito tempo como centro de desenvolvimento econômico. Atualmente, contudo, tornaram-se o epicentro da crise. Muitas deixaram de crescer 11

12 e a pobreza brasileira a população que vive (ou vegeta?) abaixo da linha da pobreza está se aglomerando nelas. A taxa de evolução da pobreza do Rio de Janeiro aumentou 89,11% nos últimos mandatos municipais. O índice carioca foi o que mais cresceu no país, segundo estudo do Centro de Políticas Sociais (CPS) da Fundação Getúlio Vargas, que usou como linha de pobreza o cálculo internacional, de US$ 1 por dia. O índice que era de 3,50% entre 1997 e 1999 saltou para 6,61%. No mesmo período, houve queda no país (de 7,76% para 4,80%) e nas 27 capitais pesquisadas: de 4,66% para 4,14%.O resultado coloca agora também cidade olímpica na berlinda para reagir aos indicadores sócio-econômicos nos próximos anos. O Rio hoje é mais desigual do que o Brasil. Durante os três últimos mandatos dos prefeitos, tivemos a maior queda. (Artigo Ouro em aumento da miséria Jornal do Brasil - 09/10/2009) Os municípios da RMRJ apresentam uma multiplicidade de características e especificidades: população, urbanização, riqueza, cultura, história, influência regional. Essa grande diversidade aponta a necessidade de revisão de competências, já que a Constituição Federal de 1988 não distinguiu os municípios em nenhuma variável. Suas competências administrativas, legislativas e tributárias 12

13 são exatamente as mesmas, independente do perfil demográfico e/ou dos níveis de desenvolvimento econômico e social. No caso da região metropolitana, a situação é ainda mais complexa, por não constituírem um nível de governo institucionalizado na estrutura político-administrativa do país. Boa parte dos problemas metropolitanos, no Brasil, se deve à inexistência de algum patamar de organização de governo que possa viabilizar, de forma planejada, a produção e distribuição de bens e serviços públicos no âmbito de todo o território metropolizado'' (Gouvêa, 2005:18). A institucionalização do poder metropolitano ainda não alcançou alianças políticas suficientemente fortes para alterar a concepção tradicional de município, o que dificulta o atendimento de demandas plurimunicipais, ou seja, políticas públicas de corte metropolitano. ( ) as regiões metropolitanas se tornam o loci mais notáveis de segregação espacial, exclusão social e miséria. Pode-se mesmo dizer que, em função dos fenômenos como desemprego em massa, exclusão social crescente e violência urbana, a questão social no Brasil de hoje é, acima de tudo, uma questão metropolitana. As regiões metropolitanas brasileiras concentram, de maneira paradoxal, uma produção simultânea de desemprego econômico e desigualdade social, de riqueza e miséria, de sofisticação tecnológica e degradação ambiental. (Gouvêa, 2005: 19) Tem-se estimulado uma visão municipalista para o enfrentamento dos problemas urbanos, o que evidencia a dificuldade em se equacionar questões mais abrangentes apenas no nível local. Nas metrópoles brasileiras enfrentam-se desafios em que ao mesmo tempo, mantém e aumenta as desigualdades sociais, sendo multiplicadas as questões de saneamento ambiental, moradia, pavimentação, necessidades sociais - drama das políticas públicas nas grandes cidades, o que aumenta o desafio no exercício do controle social. 4. Região Metropolitana do Rio de Janeiro e o Controle Social Democrático na Assistência Social O SUAS (Sistema Único de Assistência Social), por meio da NOB - Norma Operacional Básica (2012) afirma que o sistema democrático e participativo de gestão e de controle social dar-se-á não apenas nos conselhos, mas também nas 13

14 conferências, pela publicização de dados e informações no que se refere a demandas e necessidades, pela localização e padrão de cobertura dos serviços de Assistência Social, e pela necessária escuta dos usuários, dos trabalhadores da área e da sociedade em geral. Se há base legal para um novo padrão de controle social se instalar, não há dúvida de que o grau de autonomia, de transparência, de relação democrática a se instalar no interior dos conselhos em muito depende dos atores envolvidos no processo. No que tange à política de assistência social, o processo de descentralização e participação da sociedade civil, previsto na LOAS/93, ganha materialidade com a Política Nacional de Assistência Social de 2004 (PNAS) e a implantação, em todo o país, do Sistema Único de Assistência Social SUAS. Um dado interessante apontado na PNAS/04 diz respeito aos extremos, ou seja, 20% da população brasileira reside em metrópoles (apenas 15 cidades) e 20% em pequenos municípios. O Sistema Único de Assistência Social SUAS/2004 reforçou intensamente as mudanças na gestão da política de assistência social. O SUAS é fruto de uma intensa mobilização nacional que repercutiu de forma diferenciada nos municípios. Mister se faz apontar que essa mobilização antecede os anos 1980 e ganha força no Brasil a partir dos anos Para Sposati (1988), o reduzido poder dos municípios somado à subordinação ao poder estadual causaram o retardo da municipalização dos serviços na área da assistência social. Esse reconhecimento dos municípios ocorre apenas no final da década de 70 do século passado. De acordo com a Munic 2009, 99,9% dos municípios brasileiros possuem estrutura para tratar da política de assistência social. Em comparação ao estudo de 2005, constata-se que subiu o número de municípios com estrutura para tratar desta política, já que naquele ano o índice era de 80,0%. De acordo com o Censo SUAS 2010, 71,1% dos conselhos surgiram no período de quatro anos após a LOAS/93. 94, 5% dos conselhos são paritários, com mandato, em geral de dois anos e no país são (cinquenta) mil conselheiros ( municipais e 472 estaduais). Desses Conselhos, 68,3% possui o cargo 14

15 específico de secretário executivo, contudo, o quantitativo de funcionários à disposição dos conselhos ainda é reduzido em todo o país. Os levantamentos do Censo SUAS 2010, no tocante aos conselhos de assistência social, constataram a existência dos mesmos em quase todos os municípios brasileiros, possuindo entre 14 e 18 anos de existência, com uma infraestrutura razoável de equipamentos, mas com uma precária rede de recursos humanos o que vem prejudicando atividades que deveriam ser realizadas (...) pois o conselho não pode simplesmente existir, ele precisa ser efetivo em suas ações para que possa funcionar como mecanismo deliberativo, fiscalizador, normativo, consultivo e, antes de tudo, participativo da sociedade civil. (Censo SUAS, 2010: 114). Quadro 2: Região Metropolitana do Rio de Janeiro N Municípios População 2010 Área da unidade territorial (Km²) Densidade demográfica (hab/km²) PIB a preços correntes 1 Belford Roxo , , Duque de Caxias , , Guapimirim ,77 142, Itaboraí ,37 506, Itaguaí ,87 395, Japeri , , Magé ,5 585, Maricá ,57 351, Mesquita , , Nilópolis , , Niterói , , Nova Iguaçu , , Paracambi ,68 262, Queimados , , Rio de Janeiro , , São Gonçalo , , São João de Meriti , , Seropédica ,76 275, Tanguá ,5 211, Total , , ,66 Fonte: Elaborado pelos autores com base em dados do IBGE e MDS/SAGI, 2013 Conforme quadro acima, é possível perceber que as condições de vida da população metropolitana reúnem um conjunto de características relacionadas entre si: falta de abastecimento de água, de esgotamento sanitário e de pavimentação das ruas, insalubridade, violência urbana, entre outras. 15

16 Essa é uma pesquisa em andamento, portanto esse estudo encontra-se em construção. Cabe salientar que a metodologia a ser desenvolvida na pesquisa tem como referencial uma análise crítico reflexiva acerca do controle social exercido e/ou a ser exercido nos espaços deliberativos da política de assistência social, nos 19 municípios que compõem a RMRJ. Como esse controle social se dá, através de que meios é possível mensurar e qualificar o debate e as ações empreendidas? Qual o perfil dos conselheiros e a sistemática de reuniões, encontros e temas abordados? Desse modo, o percurso metodológico adotado se debruça sobre leitura de atas e deliberações dos conselhos municipais de assistência social, com recorte de tempo que compreenda duas conferências (2009 e 2013). Como amostra inicial foram selecionados dois municípios: Rio de Janeiro e Niterói pesquisa já em andamento, mas ainda sem resultados analíticos concretos. 5. Breves considerações A distribuição federal de recursos aos municípios não prevê verbas específicas para metrópoles, o que prejudica os grandes municípios. Há problemas fundamentais na gestão de metrópoles, como, por exemplo, descentralizar os serviços e coordenar a prestação desses serviços de forma centralizada em uma única Secretaria. A Constituição de 1988 aumentou de 11% para 18% a participação das prefeituras no bolo das transferências fiscais, boa parte das capitais conseguiu (...) ampliar significativamente suas receitas próprias. (Caccia Bava, 2002: 68). Considerando o Plano Brasil sem Miséria, que atua na perspectiva de erradicar a extrema pobreza, assegurando qualidade de vida, inclusão social, garantia de renda e acesso a serviços, busca entender como essas ações vem se desdobrando na RMRJ, especificamente, no controle social exercido na política de assistência social, como uma das diretrizes do SUAS Sistema Único de Assistência Social. 16

17 A Região Metropolitana do Rio de Janeiro, apesar das dificuldades assinaladas, vem, nas últimas décadas, ampliando sua participação na gestão da política de assistência social. Tal fato é fruto de uma trajetória permeada de embates e lutas para afiançar que a política de assistência social tenha status de política pública e dever de Estado. Assim, com base em tudo que foi exposto, concluímos reafirmando os avanços na política de assistência social no país, que vem ao longo dos anos adquirindo maior visibilidade e especificidade. Para finalizar, acreditamos que tais avanços da política de assistência social devam ser acompanhados, efetivamente, de participação popular, controle social, reforçando o importante papel dos Conselhos de Assistência Social e demais Conselhos vinculados a essa política. 6. Bibliografia ALCHORNE, Sindely Chahim de Avellar & MACIEL, Heloisa Helena Mesquita. Controle Social: o papel dos conselhos deliberativos. Revista AEMERJ (Associação Estadual de Municípios - RJ), mimeo, Sustentabilidade e Controle Social: a corresponsabilidade entre sociedade civil e poder público. Seminário Internacional Proteção Social e Cidadania Hoje: tendências e desafios. UFF, AMÂNCIO, Júlia Moretto (et all). Controle Social: dos serviços públicos à garantia de direitos. São Paulo, CEBRAP/IDS, BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, BRASIL, MDS. Censo SUAS 2010: CRAS, CREAS, Gestão Municipal, Gestão Estadual, Conselhos Municipais, Conselhos Estaduais, Rede Privada CACCIA-BAVA, Silvio (Org.). Os Desafios da Gestão Municipal Democrática. São Paulo, Editora Cortez, 2ª Edição, CARVALHO, Maria do Carmo A. Conselhos: o que são e para que servem. Instituto Pólis, Repente, nº. 4, CORREIA, Maria Valéria Costa. A relação Estado e sociedade e o controle para o debate. Revista Serviço Social e Sociedade, nº. 24, v. 77, p ,

18 CÔRTE, Paulo de Tarso de Oliveira. A Questão Metropolitana: os novos tempos impõem novos desafios e exigem novas capacidades para os atores e a nova governança. III Congresso Consad de Gestão Pública, Disponível em COUTINHO, Carlos Nelson. A democracia na batalha das idéias e nas lutas políticas no Brasil de hoje. In: FÁVERO, O. & SEMERARO, G. (orgs). Democracia e Construção do Público no pensamento educacional brasileiro. Petrópolis: vozes, GOUVÊA, Ronaldo Guimarães. A questão metropolitana no Brasil. RJ, Ed. FGV, JACCOUD, Luciana (Org.). Questão social e políticas sociais no Brasil contemporâneo. Brasília, IPEA, MUNIC, Pesquisa de Informações Básicas Municipais Perfil dos Municípios Brasileiros, realizada pelo IBGE em parceria com o MDS, OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES. Como andam as Metrópoles. Relatório final 21/12/2005. Disponível em RAICHELIS, Raquel. Esfera Política e Conselhos de Assistência Social. Cortez, RAICHELIS, Raquel & WANDERLEY, Luiz Eduardo. Desafios de uma gestão pública democrática na integração regional. Revista Serviço Social e Sociedade, Nº 78, julho de SINGER, Paul. Desafios com que se defrontam as grandes cidades brasileiras. In: CACCIA-BAVA, Silvio (Org.). Os Desafios da Gestão Municipal Democrática. São Paulo, Editora Cortez, 2ª Edição, SOUZA FILHO, Rodrigo de. Gestão pública e democracia: a burocracia em questão. Rio de Janeiro; Lumen Juris, SPOSATI, Aldaíza. Vida Urbana e Gestão da Pobreza. Cortez,

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada 1 O Projeto Litoral Sustentável 1ª Fase (2011/2012): Diagnósticos municipais (13 municípios) Diagnóstico regional (Já integralmente

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 PREMISSAS LEGAIS: CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTATUTO DA METRÓPOLE (LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015) AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE

Leia mais

Oficina. com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros, para o correto funcionamento dos conselhos.

Oficina. com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros, para o correto funcionamento dos conselhos. Oficina Gestão do SUAS e o Controle Social Ementa: Orientar a reorganização dos órgãos gestores no tocante a legislação, com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros,

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Irma Martins Moroni da Silveira FALAR DA CONTEMPORANEIDADE É REFLETIR SOBRE O TEMPO PRESENTE Falar do hoje da Assistência Social; Como

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL EIXO 1 Processo Histórico da Participação Popular no País: nossa cidade e territórios em movimento; Trajetória e

Leia mais

Estudo Estratégico n o 6. Mobilidade urbana e mercado de trabalho na Região Metropolitana do Rio de Janeiro Danielle Carusi Machado e Vitor Mihessen

Estudo Estratégico n o 6. Mobilidade urbana e mercado de trabalho na Região Metropolitana do Rio de Janeiro Danielle Carusi Machado e Vitor Mihessen Estudo Estratégico n o 6 Mobilidade urbana e mercado de trabalho na Região Metropolitana do Rio de Janeiro Danielle Carusi Machado e Vitor Mihessen PANORAMA GERAL Processo de urbanização: expansão territorial

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 Institui o Sistema Municipal de Assistência Social do Município de Santo Antônio da Patrulha e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL de Santo Antônio da Patrulha,

Leia mais

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Professores: Leonardo Martins Prudente e Adailton Amaral Barbosa Leite Brasília, Agosto de 2013 Política Nacional

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social IX Conferência Nacional de Assistência Social Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social Programação da conferência poderá incluir: 1. Momento de Abertura, que contará

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

Visa, como objetivo final, a promoção do desenvolvimento sustentável da região.

Visa, como objetivo final, a promoção do desenvolvimento sustentável da região. Agenda 21 Comperj Iniciativa voluntária de relacionamento da Petrobras para contribuir para que o investimento na região retorne para a população, fomentando a formação de capital social e participação

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Política Nacional de Participação Social

Política Nacional de Participação Social Política Nacional de Participação Social Apresentação Esta cartilha é uma iniciativa da Secretaria-Geral da Presidência da República para difundir os conceitos e diretrizes da participação social estabelecidos

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

Abordagens da Participação Social na aplicação de Recursos Públicos: A experiência do Orçamento Participativo Digital de Belo Horizonte

Abordagens da Participação Social na aplicação de Recursos Públicos: A experiência do Orçamento Participativo Digital de Belo Horizonte Abordagens da Participação Social na aplicação de Recursos Públicos: A experiência do Orçamento Participativo Digital de Belo Horizonte Belo Horizonte: aspectos demográficos e econômicos Cidade planejada

Leia mais

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Profª. Drª. Maria do Livramento Miranda Clementino (Coordenadora do Núcleo RMNatal - Observatório das Metrópoles - UFRN) Apresentação

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 2015 uma década de existência do SUAS Decisão política de priorização, na agenda federal, da atenção às populações mais vulneráveis, do

Leia mais

Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do

Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do SUAS Dados Gerais: Pesquisa das Entidades de Assistência Social Privadas sem Fins Lucrativos PEAS realizada em 2006,pormeiodeparceriaentreoMDSeoIBGE. Objeto

Leia mais

14/Mar/2013 :: Edição 31 ::

14/Mar/2013 :: Edição 31 :: 14/Mar/2013 :: Edição 31 :: Cadernos do Poder Executivo Poder Geraldo Julio de Mello Filho Executivo DECRETO Nº 26.993 DE 13 DE MARÇO DE 2013 EMENTA: Descreve as competências e atribuições dos cargos comissionados

Leia mais

A Vigilância Socioassistencial e a Implantação da NOB SUAS 2012

A Vigilância Socioassistencial e a Implantação da NOB SUAS 2012 A Vigilância Socioassistencial e a Implantação da NOB SUAS 2012 Luis Otavio Farias Coordenador Geral dos Serviços de Vigilância Social Departamento de Gestão do SUAS Secretaria Nacional de Assistência

Leia mais

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Atuação institucional na proteção dos direitos sociais B rasília-d F Nova Lei de Certificação e Acompanhamento Finalístico das Entidades ü A Constituição Federal

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ

SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ 1 1. Participação regular dos cidadãos no processo de definição das políticas públicas e definição das diretrizes para o desenvolvimento. 2. Deslocamento das prioridades

Leia mais

III CONGRESSO DE DIREITO URBANÍSTICO email: aramalho@hotlink.com.br Grupo 03 - Gestão Urbana - Democratização, integração de agendas e parcerias.

III CONGRESSO DE DIREITO URBANÍSTICO email: aramalho@hotlink.com.br Grupo 03 - Gestão Urbana - Democratização, integração de agendas e parcerias. III CONGRESSO DE DIREITO URBANÍSTICO email: aramalho@hotlink.com.br Grupo 03 - Gestão Urbana - Democratização, integração de agendas e parcerias. A PROBLEMÁTICA DA GESTÃO METROPOLITANA Ana Maria Filgueira

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL

A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL 1 O PACTO FEDERATIVO E A QUESTÃO FISCAL As dificuldades oriundas do federalismo brasileiro vêm ganhando cada vez mais espaço na

Leia mais

Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais?

Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais? Presidência da República Secretaria de Políticas para as Mulheres Seminário de Capacitação dos Mecanismos de Gênero no Governo Federal Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais? Lourdes

Leia mais

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho SOMOS TOD@S UFRB Síntese da Proposta de Trabalho Chapa SOMOS TOD@S UFRB Reitor: Silvio Soglia Vice-Reitora: Georgina Gonçalves "Aquele que quer aprender a voar um dia precisa primeiro aprender a ficar

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social PAPER DA CARTILHA DO FÓRUM INTERSETORIAL DE CONSELHOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento Carta de Joinville Os Secretários e Secretárias Municipais de Saúde, reunidos no XXIII Congresso Nacional das Secretarias Municipais de Saúde e IV Congresso Brasileiro de Saúde, Cultura de Paz e Não-Violência,

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Confere nova regulamentação ao Conselho Municipal de Segurança

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

Programa 2063 - Promoção dos Direitos de Pessoas com Deficiência

Programa 2063 - Promoção dos Direitos de Pessoas com Deficiência Programa Momento do Programa: Momento LOA+Créditos Tipo de Programa: Temático Macrodesafio Fortalecer a cidadania Eixo Direitos da Cidadania e Movimentos Sociais R$ 50.000.000 Notas de usuário para Programa

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos luziele.tapajos@ufsc.br PLANEJAR O SUAS Definir horizontes da proteção

Leia mais

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014 45ª Semana de Serviço Social OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade 14 a 16 de maio de 2014 Na Copa, comemorar o quê?. É com este mote criativo e provocativo que o Conjunto

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Avaliação da Descentralização de Programas Sociais o caso do Bolsa Família no Nordeste V Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação Campinas, 27/09/2013 Cátia Wanderley Lubambo FUNDAJ/UFPE

Leia mais

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação Cartilha para Conselhos Municipais de Educação Sistemas de ensino são o conjunto de campos de competências e atribuições voltadas para o desenvolvimento da educação escolar que se materializam em instituições,

Leia mais

REUNIÃO DA COMISSÃO DE POLÍTICA URBANA E AMBIEN 9 DE SETEMBRO DE 2015

REUNIÃO DA COMISSÃO DE POLÍTICA URBANA E AMBIEN 9 DE SETEMBRO DE 2015 DESAFIOS METROPOLITANOS À GESTÃO PÚBLICA DE APROPRIAÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO LESTE METROPOLITANO DO RIO DE JANEIRO. LUIS FERNANDO VALVERDE SALANDÍA Tese de Doutorado em Geografia - Universidade Federal

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA. Sistema Único. de Assistência Social- SUAS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA. Sistema Único. de Assistência Social- SUAS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA Sistema Único de Assistência Social- SUAS Política de Assistência Social Caracterização: - Definida constitucionalmente (CF/1988): - política pública: direito

Leia mais

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA TERRITÓRIOS RIOS DA CIDADANIA Objetivos Os Territórios TERRITÓRIOS RIOS Os Territórios Rurais se caracterizam por: conjunto

Leia mais

ANTONIO CARLOS NARDI

ANTONIO CARLOS NARDI ANTONIO CARLOS NARDI QUE DEMOCRACIA QUEREMOS? A conquista do estado democrático de direito na década de 1980 no Brasil, após longo período burocrático-autoritário, trouxe o desafio de construção de uma

Leia mais

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 1 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte tem um longo histórico de gestão democrático-popular; Existe forte determinação política para:

Leia mais

O BRASIL SEM MISÉRIA APRESENTAÇÃO

O BRASIL SEM MISÉRIA APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O BRASIL SEM MISÉRIA O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome decidiu organizar este livro por vários motivos. Um deles é evitar que o histórico da construção do Plano Brasil

Leia mais

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Brasília, 22 de novembro de 2012 É uma honra recebê-los

Leia mais

Experiências de Orçamento Participativo (OP) no Brasil: democratização da gestão pública e controle social. Por Ana Claudia Teixeira Instituto Pólis

Experiências de Orçamento Participativo (OP) no Brasil: democratização da gestão pública e controle social. Por Ana Claudia Teixeira Instituto Pólis Experiências de Orçamento Participativo (OP) no Brasil: democratização da gestão pública e controle social Por Ana Claudia Teixeira Instituto Pólis O que é? Um mecanismo (ou processo) pelo qual a população

Leia mais

MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE

MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE BRASÍLIA 2013 1 1. CAPITALISMO E A BAIXA INTENSIDADE DEMOCRÁTICA: Igualdade apenas Jurídica e Formal (DUSSEL, 2007), Forma

Leia mais

3 o A instância coordenadora da Política Nacional de Assistência Social é o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. (NR).

3 o A instância coordenadora da Política Nacional de Assistência Social é o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. (NR). PROJETO DE LEI Altera a Lei n o 8.742, de 7 de dezembro de 1993, que dispõe sobre a organização da Assistência Social. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Os arts. 6 o, 13, 14, 15, 16, 17, 20, 22 e

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades e organizações de assistência social, bem como dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL UNASUL/CMRE/RESOLUÇÃO/Nº 28/2012 MEDIANTE A QUAL É RESOLVIDO APRESENTAR PARA A APROVAÇÃO DO CONSELHO DE CHEFAS E CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA UNIÃO DAS NAÇÕES SUL-AMERICANAS A AGENDA DE AÇÕES PRIORITÁRIAS

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIAL: Uma ferramenta de gestão dos serviços sociais

VIGILÂNCIA SOCIAL: Uma ferramenta de gestão dos serviços sociais 1 VIGILÂNCIA SOCIAL: Uma ferramenta de gestão dos serviços sociais Vera Lucia Canhoto GONÇALVES 1 Vanessa Martins RAMOS 2 Helen Cristina Osório XAVIER 3 RESUMO: A Política Nacional de Assistência Social

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NITERÓI SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA FUNDAÇÃO DE ARTE DE NITERÓI

PREFEITURA MUNICIPAL DE NITERÓI SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA FUNDAÇÃO DE ARTE DE NITERÓI PREFEITURA MUNICIPAL DE NITERÓI SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA FUNDAÇÃO DE ARTE DE NITERÓI CHAMADA PÚBLICA PARA PARTICIPAÇÃO NO 1º ENCONTRO NACIONAL DE ARTE E CULTURA LGBT NA CONDIÇÃO DE PARTICIPANTE-CONVIDADO(A)

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua LOAS benefício de prestação continuada (BPC), previsto pelo art. 203 da Constituição. garantia de um salário-mínimo mensal à pessoa com deficiência

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS. Secretaria Nacional de Assistencia Social. DADOS

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009 Estabelece instruções sobre Benefício de Prestação Continuada-BPC referentes a dispositivos

Leia mais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais PROGRAMA Brasil, Gênero e Raça Orientações Gerais Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Trabalho e Emprego Luiz Marinho Secretário-Executivo Marco Antonio de Oliveira Secretário

Leia mais

Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar e representar a sociedade local, para construirmos em conjunto uma visão compartilhada

Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar e representar a sociedade local, para construirmos em conjunto uma visão compartilhada Fórum da Agenda 21 de Guapimirim Aprender a APRENDER e a FAZER. Aprender a CONVIVER, e Aprender a SER Cidadãos Participativos, Éticos e Solidários Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar

Leia mais

Objetivo da Contratação. Nosso número Antecedentes (breve histórico justificando a contratação)

Objetivo da Contratação. Nosso número Antecedentes (breve histórico justificando a contratação) Objetivo da Contratação Nosso número Antecedentes (breve histórico justificando a contratação) TERMO DE REFERÊNCIA - CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA Projeto BRA/11/008 Edital 09/2014 DADOS DA CONSULTORIA Contratar

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA Vera Alice Cardoso SILVA 1 A origem: motivações e fatores indutores O Curso de Gestão Pública

Leia mais

Ministério das Cidades MCidades

Ministério das Cidades MCidades Ministério das Cidades MCidades Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ODS São Paulo, 02 de junho de 2014 Roteiro 1. O processo de urbanização no Brasil: histórico. 2. Avanços institucionais na promoção

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2014 (Do Senhor Pedro Paulo)

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2014 (Do Senhor Pedro Paulo) PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2014 (Do Senhor Pedro Paulo) Institui a Lei da Meritocracia, através do Planejamento Estratégico da Administração Pública Brasileira e do Sistema Nacional de Gestão de

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS Seminário Internacional Planejamento Urbano em Região Metropolitana - O caso de Aracaju Aracaju,

Leia mais

III Seminário Nacional Pactuação Federativa no Brasil sem Miséria. Brasília Novembro/2015

III Seminário Nacional Pactuação Federativa no Brasil sem Miséria. Brasília Novembro/2015 III Seminário Nacional Pactuação Federativa no Brasil sem Miséria Brasília Novembro/2015 CENÁRIO DA POBREZA Fonte: IBGE. Censo Demográfico 2010 (resultados preliminares); Fundação Seade. DIRETRIZES E PRINCÍPIOS

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL: Subsídios para a Construção de uma Agenda e uma Estratégia

GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL: Subsídios para a Construção de uma Agenda e uma Estratégia GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL: Subsídios para a Construção de uma Agenda e uma Estratégia Dr. Josef Leitmann 12 de junho de 2015 Qual a Importância da Questão Metropolitana e dos Aspectos de Governança

Leia mais

Orientações sobre a realização das Conferências de Assistência Social/ 2015

Orientações sobre a realização das Conferências de Assistência Social/ 2015 Orientações sobre a realização das Conferências de Assistência Social/ 2015 Renata Nunes Portela Tema Consolidar o SUAS de vez rumo a 2016 Lema Pacto Republicano do SUAS rumo a 2026. O SUAS que temos e

Leia mais

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Elizabeth Leitão Secretária Municipal Adjunta de Assistência Social Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Março de 2012 Conceito

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

Andréa Bolzon Escritório da OIT no Brasil. Salvador, 08 de abril de 2013

Andréa Bolzon Escritório da OIT no Brasil. Salvador, 08 de abril de 2013 Andréa Bolzon Escritório da OIT no Brasil Salvador, 08 de abril de 2013 Fundada em 1919 (Tratado de Versalhes) Mandato: promover a justiça social e o reconhecimento internacional dos direitos humanos e

Leia mais

O Futuro das Megacidades. São Paulo março de 2012

O Futuro das Megacidades. São Paulo março de 2012 São Paulo março de 2012 Rede Urbana Paulista Rede Urbana Paulista O território do Estado de São Paulo caracteriza-se pela presença de várias formas espaciais e de distintas escalas de urbanização. Rede

Leia mais

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA http:///br/resenhas.asp?ed=8&cod_artigo=136 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

Lei Complementar Estadual do Maranhão nº 89, de 17 de novembro de 2005. Cria a Região Metropolitana do Sudoeste Maranhense, e dá outras providências.

Lei Complementar Estadual do Maranhão nº 89, de 17 de novembro de 2005. Cria a Região Metropolitana do Sudoeste Maranhense, e dá outras providências. Lei Complementar Estadual do Maranhão nº 89, de 17 de novembro de 2005 Cria a Região Metropolitana do Sudoeste Maranhense, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO MARANHÃO, Faço saber a todos

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO N.º 191, DE 10 DE NOVEMBRO 2005 DOU 17/11/2005

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO N.º 191, DE 10 DE NOVEMBRO 2005 DOU 17/11/2005 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO N.º 191, DE 10 DE NOVEMBRO 2005 DOU 17/11/2005 Institui orientação para regulamentação do art. 3º

Leia mais

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO.

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. Vivian Fernanda Mendes Merola vfmerola1@gmail.com Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia

Leia mais

PACTO CONSTITUINTE DE 1988: UMA FEDERAÇÃO EM CONSTRUÇÃO

PACTO CONSTITUINTE DE 1988: UMA FEDERAÇÃO EM CONSTRUÇÃO Pacto Federativo no Brasil: Coordenação Federativa das Ações de Vigilância Sanitária 2015 PACTO CONSTITUINTE DE 1988: UMA FEDERAÇÃO EM CONSTRUÇÃO DITADURA ESTADO CENTRAL X DEMOCRATIZAÇÃO DESCENTRALIZAÇÃO

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2012

Brasília, 9 de maio de 2012 Brasília, 9 de maio de 2012 Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento no Sebrae para lançamento do Plano de Ação para Fortalecimento do Ambiente Institucional para a Adequada Inclusão Financeira

Leia mais