Perfil Competências EXEM (Versão PT) - 2 -

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perfil Competências EXEM (Versão PT) - 2 -"

Transcrição

1 PERFIL COMPETÊNCIAS EXEM - PT EXEM ECVET Profile for European Expert in Energy Management Grant agreement n /

2 Perfil Competências EXEM (Versão PT) Projeto financiado com o apoio da Comissão Europeia. A informação contida nesta publicação (comunicação) vincula exclusivamente o autor, não sendo a Comissão responsável pela utilização que dela possa ser feita.

3 Perfil Competências EXEM (Versão PT) ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO METODOLOGIA DE PESQUISA ESTADO DE ARTE (DESK RESEARCH) Definição nacional Legislação Educação Formal (cursos de formação existentes) Quem são os especialistas em Gestão de Energia (estatísticas nacionais) RESULTADOS DOS QUESTIONÁRIOS Perfil do entrevistado Que competências deve ter um perito em gestão de energia Competências (questão 14) RESULTADOS DAS ENTREVISTAS Visão geral dos resultados dos parceiros RESULTADOS DOS GRUPOS DE FOCO PERFIL DE COMPETÊNCIAS EXEM... 33

4 Perfil Competências EXEM (Versão PT) INTRODUÇÃO A sustentabilidade do desenvolvimento económico é hoje o principal objetivo de qualquer política de crescimento de qualquer país do mundo, com o intuito de proteger o mundo de novas alterações climáticas, do aumento da poluição, da progressiva diminuição das fontes energéticas, como o petróleo, etc. Por outras palavras, com a pretensão de preservar a continuidade da vida na Terra. A economia de energia e a eficiência energética podem ajudar na promoção de um crescimento sustentável. A necessidade de desenvolvimento e utilização de instrumentos e sistemas de gestão de energia e a preocupação na otimização do uso da energia em todos os tipos de edifícios (administrativas, industriais, residenciais), garantindo a crescente utilização de fontes de energia "limpa" na vida quotidiana e na indústria, diminuiria o consumo de energia nos processos de produção em todos os sectores económicos, ao mesmo tempo que melhoraria a qualidade dos produtos. A eficiência energética e as energias renováveis são consideradas dois pilares fundamentais das políticas energéticas sustentáveis e são as grandes prioridades na hierarquia da sustentabilidade energética. Em muitos países, a eficiência energética é também vista como tendo uma contribuição importante para na diminuição da balança comercial nacional, uma vez que reduz o nível de importações de energia e permitirá abrandar o ritmo a que os recursos energéticos domésticos se esgotam. O Perito Europeu em Gestão de Energia (EXEM) planeará, regulará e controlará o uso da energia numa organização ou instituição. O seu objetivo será a melhoraria da eficiência energética, avaliando o uso de energia e implementando novas políticas e mudanças sempre que necessário. O EXEM coordenará todos os aspetos relacionados com a gestão de energia, a eficiência energética e a redução das emissões de dióxido de carbono, contribuindo para a gestão de resíduos e para o desenvolvimento sustentável. Este documento (EXEM - Perfil ECVET do Perito Europeu em Gestão de Energia) tem como objetivo estabelecer uma descrição do perfil de competências do EXEM, de acordo com a estrutura de diretrizes ECVET, a fim de desenvolver um quadro europeu comum do perfil do Perito Europeu em Gestão de Energia, considerando a relevância desta profissão nos dias de hoje na Europa e em todo o Mundo.

5 Perfil Competências EXEM (Versão PT) METODOLOGIA DE PESQUISA A partir dos relatórios nacionais produzidos pelos sete países envolvidos no projeto - Bulgária, Chipre, República Checa, Itália, Roménia, Portugal e Espanha - o relatório global é uma compilação dos dados recolhidos por todos os parceiros. 1º passo: Desk research. Em cada país, foram recolhidos dados sobre os profissionais e associações do sector, com a finalidade de perceber se o perfil de Gestor de Energia é conhecido e definir as competências exigidas pelas organizações para ocupação deste cargo. Complementarmente, a pesquisa documental teve ainda como objetivo demonstrar uma visão geral sobre as principais políticas, legislação e dos cursos de formação disponíveis na área da gestão de energia. 2º passo: questionários nacionais. Nos países do consórcio, foram realizados cerca de 40 questionários a profissionais em gestão de energia ou a pessoas que trabalham na área do planeamento da economia de energia. De forma a garantir o anonimato, os questionários foram realizados via Google Drive. Os resultados foram processados e a descrição detalhada é fornecida na secção 4 do presente relatório. 3º passo: após a análise dos questionários, a pesquisa prolongou-se na tentativa de aprofundar a informação já existente através de cinco entrevistas. Cinco profissionais da área, com diferentes experiências e qualificações estritamente ligadas à gestão de energia, foram contactados e entrevistados, com o objectivo de perceber quais as funções de um gestor de energia, competências necessárias e qualificações necessárias. Podem ser analisados os resultados obtidos nesta fase de pesquisa na Seção 5 do presente relatório. 4º passo: por último, foi realizada uma reunião com um grupo de foco, que envolveu cinco pessoas de entidades da área da energia de cada país (num máximo de 4 horas): os resultados das etapas anteriores foram apresentados, tendo sido discutidos e chegando-se a um consenso sobre o Perfil de Competências Nacional. 3. ESTADO DE ARTE (DESK RESEARCH) 3.1 Definição nacional Legislação De acordo com as políticas europeias de energia, todos os governos dos países envolvidos no projeto consideram a energia uma prioridade fundamental, todavia, infelizmente, muitos países não estabeleceram regras ou as regras existentes não são aplicadas na sua globalidade.

6 Perfil Competências EXEM (Versão PT) Relativamente à legislação da profissão de Gestor de Energia, os normativos nacionais diferem de país para país, conforme descrição seguinte: Bulgária Os parceiros sublinham a necessidade de ações para a melhoraria da eficiência energética nos diferentes sectores da economia, porém ainda não existem regras claras ou orientações de formação identificando as funções, os conhecimentos e as capacidades do Gestor de Energia (somente incluídos em outros cursos universitários ou de especialização). A necessidade de peritos em gestão de energia é geralmente caracterizada pelo envolvimento de parceiros em discussões sobre as ações necessárias para a melhoria da eficiência energética nos diferentes setores da economia. Chipre Não existem regras específicas com uma definição de Gestão de Energia na legislação nacional do Chipre. República Checa A legislação Checa não reconhece a atividade de «gestor de energia». Isto significa que, de acordo com a legislação, não existe uma especificação formal ou definição de gestor de energia, bem como quais as suas competências. A definição parcial de um gestor de energia pode ser a considerada como estando associada à definição de equipa de gestão de energia. Tal, pode ser encontrado na norma Checa ČSN ISO , que é uma transposição para a legislação nacional Checa da norma ISO 50001: Uma equipa de gestão de energia é "conjunto de pessoas responsáveis pela aplicação efetiva das atividades do sistema de gestão de energia e proporciona condições para a melhoria de desempenho energético". Contudo, a aplicação desta norma não tem carácter obrigatório. Itália Na Itália, a legislação nacional impõe a nomeação de um gestor de energia em organizações e empresas apenas em alguns casos específicos. As empresas são obrigadas a ter um Gestor de Energia responsável quando registam um consumo de energia significativo, expresso em toneladas equivalentes de petróleo (TEP). Neste âmbito, a necessidade de nomear um gestor de energia aumenta quando os consumos são: a) mais de TEP para as empresas que pertencem à indústria transformadora;

7 Perfil Competências EXEM (Versão PT) b) mais de TEP para as entidades do sector terciário e da administração pública. (TEP = tonelada equivalente de petróleo) Roménia A partir do ano de 2005, intensificando-se a partir do ano de 2010, foram criadas algumas regras específicas sobre o consumo de energia e do papel dos gestores de energia (ver lista completa de legislação no relatório nacional). Portugal Em Portugal, a legislação nacional impõe em determinadas circunstâncias e em algumas organizações, a presença de uma pessoa responsável pela monitorização e controlo das questões energéticas. Normalmente, estas situações ocorrem em empresas com uma componente industrial fortes e em organizações públicas e privadas, onde o consumo de energia é bastante elevado. De acordo com o Decreto-Lei n.º 71/2008 de 15 de Abril a acreditação da pessoa responsável por este trabalho é obtido pela ADENE - Agência para a Energia, que certifica as competências de um indivíduo em particular para a realização desse trabalho. Espanha O perfil de Gestor de Energia não está claramente definido em qualquer normativo legal espanhol, sendo apenas possível encontrar algumas definições gerais em normativos europeus ou legislação técnica (UNE-EN ISO 50001). 3.2 Educação Formal (cursos de formação existentes) Bulgária Na Bulgária, existem cursos de formação para a aquisição de conhecimentos e capacidades do Gestor de Energia, incluídos em programas de licenciatura ou em programas de mestrado. Da pesquisa realizada, não foi identificado nenhum curso de gestão de energia e eficiência energética. Porém, são disponibilizados por universidades credenciadas programas de mestrado na área das energias. Algumas universidades disponibilizam formação, em fontes de energia renováveis como uma disciplina opcional dos programas de licenciatura e mestrado. Por exemplo, tal aplica-se nas licenciaturas de engenharia agrária, economia agrária, ecologia e protecção do meio ambiente, agricultura biológica e turismo agrícola na Universidade Agrária de Plovdiv.

8 Perfil Competências EXEM (Versão PT) Algumas universidades oferecem programas de mestrado em gestão de edifícios e auditoria, nos quais o tema da eficiência energética está incluído. Na Bulgária, existem oportunidades de formação não formais, algumas das quais merecem destaque. Em especial as disponibilizadas por empresas privadas do sector da energia, por exemplo: Schneider Electric Bulgária, com sede "Energy University by Schneider Electric", tem cursos online gratuitos em gestão de energia. O mesmo acontece noutras empresas, que disponibilizam formação em gestão de energia e auditoria interna de acordo com a ISSO 19011:2011 "Diretrizes para auditoria de sistemas de gestão '" e ISO "Sistemas de gestão de energia. Requisitos e instruções de execução". Chipre É de salientar que, atualmente, de acordo com a CYS, não existem um procedimento de certificação de entidades formativas, nem sistemas de certificação. Os programas de formação para gestores de energia no Chipre é assegurado pela Agência para a Energia do Chipre, no âmbito da implementação do EUREM (http://www.ihk-eforen.de/display/eurem/euremplus), que é cofinanciado pelo Programa "Intelligent Energy Europe". O primeiro curso teve início em abril de 2014 e está previsto para terminar em setembro de República Checa A legislação existente não reconhece a profissão de gestor de energia e, como tal, não existem requisitos para a educação formal dos gestores de energia. No entanto, qualquer empresa ou entidade pode nomear um gestor de energia. As organizações ou entidades que procuram gestores de energia, geralmente, procuram profissionais que tenham qualificações superiores, principalmente nas áreas da engenharia de energia e electrotécnico. Um conjunto largo de cursos para profissionais (gestores de energia) que trabalham em gestão de energia são organizados por empresas privadas, que cooperam com as câmaras de comércio incluindo-as na organização destes cursos de formação. Existe ainda a Associação de Gestores de Energia (AEM), não-governamental e sem fins lucrativos, que organiza conferências, seminários, exposições e outros eventos e coopera com organizações similares no estrangeiro. Podem ser membros desta associação pessoas singulares, como pessoas colectivas desde que concordem com as regras estatutárias da associação e preencham os requisitos de admissão.

9 Perfil Competências EXEM (Versão PT) Itália A legislação italiana não exige que seja designado um "Gestor de Energia" numa empresa, todavia terá que frequentar um curso de formação específico. Não existindo uma obrigatoriedade, qualquer empresa pode designar um Gestor de Energia. Existem outras formas de uma pessoa vir a ser Gestor de Energia, estas são essencialmente através da obtenção de qualificações superiores, ensino universitário (por exemplo, engenharia com especialização em energia, como aconselhado pela Circular Ministerial 219/F, 1992), eventualmente completada com um mestrado em "eficiência energética e renováveis" e/ou outros cursos de formação. É de todo importante promover o desenvolvimento profissional de cada pessoa, para o qual existem várias iniciativas a nível nacional, tais como: cursos sobre temas gerais ou específicos organizados por ENEA e FIRE. Roménia Não existem um curso específico nesta área, contudo várias organizações disponibilizam formação no domínio da energia: Universidades, Centros de Educação Continuada pertencentes à Câmara de Comércio e Indústria, e empresas privadas da ESCO. Portugal Existem dois tipos de formação, de nível superior e formação profissional, prestados por entidades públicas (universidades, institutos) e privadas (universidades, faculdades, centros de formação). De acordo com as exigências da ADENE para a certificação de um especialista na área da eficiência energética, um dos critérios é a existência de um grau superior em engenharia, associada a uma componente ambiental, eletrônica, energia ou civil. Espanha Em Espanha, a formação na área da gestão de energia é dividida, atualmente, em formação formal e não formal, embora seja difícil encontrar uma formação específica de qualificação de gestores de energia. Qualificação: Licenciatura em Engenharia de Energia. 240 créditos. Existem dois ramos de especialização que podem ser escolhidos após os dois primeiros anos: Gestão e exploração de energia; Tecnologias energéticas. Além disso, existe um vasto leque de entidades que organizam cursos de pós-graduação.

10 Perfil Competências EXEM (Versão PT) Quem são os especialistas em Gestão de Energia (estatísticas nacionais) Bulgária Habitualmente nas empresas, o responsável pelo uso eficiente da energia é o sóciogerente/administrador, que também pode ser designado como gestor energético. O responsável pela eficiência energética é o mesmo que está responsável pela gestão da energia, dependendo muito da dimensão da empresa. Estes cargos são, normalmente, ocupados por engenheiros eletrotécnicos. Os dados recolhidos pelo Instituto Nacional de Estatística sobre a empregabilidade não dispõe de informações sobre o seu posto de trabalho e a área de formação. Chipre O cargo de gestor de energia dentro de organização ou entidade são ocupados normalmente e principalmente por engenheiros, dependendo da dimensão da empresa. Geralmente, estes cargos são ocupados por engenheiros mecânicos ou eletrotécnicos. O perito em gestão de energia, como profissão não é reconhecido oficialmente, não existindo na Classificação Nacional de Profissões e Posições. República Checa Os gestores de energia são predominantemente especialistas em energia, segundo a definição atribuída pela Lei 318/2012 (citado no Capítulo 3.1). Contudo, os responsáveis das organizações públicas e privadas que lidam com as questões energéticas nem sempre detêm formação adequada ao desempenho das funções como gestor de energia. A maioria dos casos, os gestores de energia segue a definição de perito em energia, de acordo com os requisitos legais (Lei acima mencionada), existindo ainda algumas situações em que tal não é cumprido. Não existe uma obrigatoriedade no que respeita às qualificações específicas na área da energia necessárias ao desempenho destas funções. Itália Segunda dados oficiais do governo, publicado em 2013 e intitulados "A evolução do papel de gestor de energia na Itália e estatísticas sobre ocupação do cargo", mostra que, em geral, na Itália os gestores de energia são peritos que têm como função gerir tudo o que diga respeito à energia dentro de uma empresa ou de um edifício, analisando consumos de energia, otimizando e promovendo intervenções destinadas a melhorar a eficiência energética e a utilização de fontes renováveis.

11 Perfil Competências EXEM (Versão PT) Isto significa que, o gestor de energia assume um papel diferente dependendo das características dimensionais da empresa: 1. No caso de organizações complexas, o gestor de energia será líder de um grupo de pessoas, na sua maioria técnicos; 2. Caso se trate de empresas de média dimensão, este será o sócio-gerente/administrador com competência para com a gestão de energia; 3. No caso de pequenas empresas ou organizações, o gestor de energia será um consultor externo com competências técnicas; 4. Relativamente à construção, esta função será desempenhada por um conjunto de entidades de apoio (por exemplo: associações de consumidores, pontos de energia e agências de energia, etc.) ou por profissionais que têm competências para a emissão de um certificado de desempenho energético, atendendo a que a contratação de perito qualificado seria bastante dispendiosa. Este último, desempenha mais um papel de auditor energético e não de gestor de energia, desligando-se da vertente de gestão. Também, no terceiro caso, a vertente de gestão é bastante limitada, atendendo a que a análise energética e a elaboração de estudos de viabilidade, que são competências dos gestores de energia, referem-se a questões de política interna da entidade (mas raramente um consultor interfere em procedimentos internos da empresa). Considerando os últimos cinco anos, e de acordo com a lei italiana, os peritos designados como "responsáveis pela conservação e utilização racional da energia" podem ser distinguidos com base em na sua formação académica: 67% - técnicos e licenciados em economia/gestão 1% - licenciados em humanidades e línguas 28% - ensino de nível superior 1% - ensino de nível secundário 3% - não indicam Da entre os gestores de energia, 15% são consultores externos (geralmente estes têm um nível de exigência superior aos membros de equipa internas) contratados para prestar um serviço na sede de uma empresa, sendo que, apenas 6% são consultores externos contratados para desempenhar funções em escritórios.

12 Perfil Competências EXEM (Versão PT) Roménia A maioria dos peritos em energia na Roménia é formada em engenharia mecânica. Após a licenciatura necessitam de frequentar um curso adicional em auditoria energética, para poderem trabalhar em gestão de energia. Portugal A certificação de competências como gestores de energia é feita pela ADENE, através da frequência num curso específico: Curso Duração Requisitos Curso de qualificação em Sistemas de Gestão de Energia ISO horas Licenciatura em Engenharia Civil ou Arquitetura Para além deste curso, existem vários cursos de especialização (pós-graduação), que permitem a obtenção de novos conhecimentos e competências no domínio da gestão de energia, através das várias universidades e instituições de ensino públicas e privadas. A frequência deste tipo de cursos de especialização superior requer a existência de qualificações de nível superior nas áreas de engenharia e arquitetura. Espanha A maioria dos peritos em energia são engenheiros ou arquitetos, diplomados em escolas técnicas e detentores de um curso adicional em auditorias energéticas.

13 Perfil Competências EXEM (Versão PT) RESULTADOS DOS QUESTIONÁRIOS Todos os parceiros procederam à recolha de dados, através da realização de um questionário desenvolvido pelo parceiro coordenador (IT). Cada parceiro realizou este questionários segundo uma lista de 40 stakeholders: 30 profissionais nacionais (língua do parceiro); 10 contactos europeus (em inglês). 4.1 Perfil do entrevistado O perfil do entrevistado segundo a análise das respostas recolhidas pelos parceiros é o seguinte: Os entrevistados são aproximadamente metade do sexo masculino e a outra metade do sexo feminino (48% e 52%), sendo também bastante homogéneo quanto ao intervalo de idades (25/35, 35/45 e 45/60); Apenas uma pequena parte (6%) têm mais de 60 anos; Relativamente à experiência profissional, 20% têm menos de 5 anos de experiência profissional, 21% entre 5 e 10 anos, 29% entre 10 e 15 anos, e 30% mais de 15 anos de experiência profissional; A grande maioria dos inquiridos tem um elevado nível de profissionalismo e experiência profissional; A grande maioria dos entrevistados são engenheiros e arquitetos (mais de 50%); Alguns inquiridos têm formação académica científica e económica/estatística/matemática (respetivamente 15,6% e 7%), quase irrelevante é a formação académica na vertente humanística; Quanto às empresas que responderam ao questionário, em muitos casos, as respostas foram dadas por gerentes, chefes de escritório ou por diretores. É de salientar que, enquanto em Espanha a maioria dos entrevistados são investigadores em empresas (que trabalham no departamento de investigação e desenvolvimento), na Itália, o número de entrevistados que desempenha um papel semelhante não é significativo. Possivelmente, tal deve-se ao facto de não existirem departamentos de I&D nas empresas italianas.

14 Perfil Competências EXEM (Versão PT) Relativamente ao desempenho de funções técnicas, Espanha apresenta uma percentagem de 30% dos entrevistados. A grande maioria dos profissionais entrevistados tem conhecimento do papel dos gestores de energia, destacando o conhecimento pessoal de peritos em energia e em muitos casos os próprios são peritos em energia (em particular, 77% dos entrevistados italianos são gestores de energia). Todos os entrevistados consideram que o perito em energia tem um papel importante, sendo que mais de 50% considera que têm um papel crucial. Pode fim, pode afirmar-se com confiança que os entrevistados representam uma amostra significativa. 4.2 Que competências deve ter um perito em gestão de energia Sobre educação, existem várias diferenças entre os países envolvidos: No Chipre e em Portugal existem cursos de formação específicos para acreditação de peritos; Na República Checa, Itália e Espanha não existe um curso específico; Na Roménia e na Bulgária existem várias formas de acreditação de peritos. Em todos os países mais de 80% dos entrevistados consideram que um perito deve ser "acreditado" por uma terceira entidade, de acordo com regras internacionais, e a totalidade dos inquiridos considera importante estabelecer uma definição de Perito em Gestão de Energia a nível europeu. Esta afirmação confirmar a crença dos parceiros do projecto EXEM. Outro benefício importante diz respeito às oportunidades de mobilidade para os peritos em energia na UE. Cerca de 30% dos entrevistados assume que existem poucas oportunidades de empregabilidade fora do país de origem. O projeto EXEM pode assim abrir novas oportunidades de mobilidade profissional aos peritos.

15 Perfil Competências EXEM (Versão PT) Competências (questão 14) Esta parte do questionário foi concebida com o intuito de recolher dados relacionados com as competências de um gestor de energia. O objetivo das questões colocadas é perceber que atividades centrais são da competência do gestor de energia e que funções genéricas também lhe são atribuídas, a fim de descrever o perfil de competências do EXEM, e propô-lo como Perfil Europeu do Gestor de Energia. Ser um especialista em questões técnico-científicas He/She is able to choice and apply the available and appropriate technology for He/She is able to apply the techniques in order to optimize the energetic He/She has knowledge of renewable energies He/She has knowledge of techniques of energetic efficiency very important important enough important not very important not at all 0% 20% 40% 60% 80% 100% Ter conhecimento em desenho de plantas de edificações quanto à matérias de eficiência e economia energética He/she is able to plan systems and instalments to produce energetic savings performances He/she is able to analyse existing plants/systems and identify possible modification aiming at increase the energetic performance He/she has knowledge of plant design very important important enough important not very important not at all 0% 10% 20% 30% 40% 50%

16 Perfil Competências EXEM (Versão PT) Os gráficos apresentados demonstram as competências relacionadas com a capacidade de planeamento ou analisar de edifícios existentes, com o intuito de promover uma efetiva poupança de energia, sendo das competências mais relevantes para um gestor de energia. Ser conhecedor da legislação, da contratação e do mercado He/she is able prepare the plan for quality control of the energy/gas supply, taking legislative obligation into consideration He/she is able to indentify the best offer in the energy and gas market He/she is able to apply the legislation on energy savings He/she has knowledge of the market of energy and gas He/she has knowledge of rules on contracts on energy savings/efficiency very important important enough important not very important not at all He/she has knowledge of European legislation on energy savings/efficiency He/she has knowledge of the national legislation on energy savings/efficiency 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60%

17 Perfil Competências EXEM (Versão PT) Ter conhecimentos em gestão de empresas He/she is able to assess the energy saving project from both economic and technical point of views He/she is able to indentify the more suitable financial tool for each situation He/she has knowledge of methods for assessing the payback of investments in terms of energy saving efficiency He/she has knowledge of financial tools (i.e. TPF Third Part Financing) and project financing very important important enough important not very important not at all He/she has knowledge of methods for the economic assessment of energy saving projects 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% A partir do conjunto de respostas relativas aos "conhecimentos em gestão de empresas", é possível concluir-se que a gestão empresarial, quer do ponto de vista dos projectos, quer do ponto de vista orçamental não é considerada relevante quando comparada com a necessidade de competências técnico-científicas. Ainda assim, a capacidade de avaliação de um projeto do ponto de vista financeiro é muito importante e deve fazer parte do perfil EXEM.

18 Perfil Competências EXEM (Versão PT) Ter conhecimentos em sistemas de gestão de energia He/she is able to make the management control of a company He/she is able to prepare and manage a budget very important important enough important not very important not at all He/she has knowledge of the project management and of company organization 0% 10% 20% 30% 40% 50%

19 Perfil Competências EXEM (Versão PT) He/she is able to apply the rules concerning systems of energy management (i.e. ISO 50001) He/she has knowledge of systems of energy management (i.e. ISO 50001) very important important enough important not very important not at all 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% Ter conhecimentos de sistemas de gestão de energia é importante ou muito importante para a maioria dos entrevistados. Uma pequena percentagem (20%/23%) considera importante ter um nível intermédio de conhecimentos nesta área.

20 Perfil Competências EXEM (Versão PT) Ser um comunicador e um networker He/she is able to exchange knowledge and experience He/she is able to work in teams - collaborate closely with colleagues and create networks He/she is able to communicate in a clear fashion with colleagues and stakeholders very important important enough important not very important not at all He/she has knowledge of ways to establish a relationship of trust with colleagues and stakeholders 0% 10% 20% 30% 40% 50% O relacionamento com os colegas são importantes para mais de 50% dos entrevistados, de entre estes, 20% admitem ser muito importante. A colaboração entre os colegas é, certamente, uma competência relevante para qualquer profissional que trabalhe numa empresa: hoje em dia o trabalho em equipa é considerado extremamente valioso para o crescimento e para o desenvolvimento da organização. Os peritos que lidam com a economia de energia e gestão de energia consideram que o trabalho em equipa é relevante, considerando que: 77% dos inquiridos responderam que tal é pelo menos importante, e de entre estes 30% considera que é muito importante. A partilha de conhecimentos e de experiências é também muito importante, mesmo atendendo a que a percentagem dos que responderam importante e muito importante é reduzida (53% no conjunto).

21 Perfil Competências EXEM (Versão PT) Classifique os seguintes itens relativamente ao papel do perito em gestão de energia Os dados recolhidos nos últimos três itens dizem respeito a atividades não diretamente relacionadas com a execução do trabalho diário de um gestor de energia, quanto às capacidades e competências necessárias, mas podem ser importantes para o desenvolvimento pessoal e crescimento profissional. De entre estes dados, a necessidade de atualização de competências, através da frequência de cursos de formação, é considerada muito importante por 43% dos entrevistados e importante por 44% dos entrevistados. Os anos de experiência profissional é também visto como um fator relevante para a profissão, contudo as respostas são bastante heterogéneas: 37% dos entrevistados consideram muito importante, 33% e 23% importante e suficientemente importante. Apenas 7% consideram a experiência profissional não muito importante e 0% não importante. AVAILABILITY TO TRAINING/UPDATING YEARS OF WORK EXPERIENCE very important important enough important not very important not at all RESEARCH ACTIVITIES 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60%

22 Perfil Competências EXEM (Versão PT) In your opinion, should the evaluation of the results and of the payback period be carried out by a EU qualified Expert or Group of experts in Energy Management? In your opinion, how relevant is the evaluation of the results and of the payback period for the allocation of national and EU energy efficiency funding and incentives? very important important enough important not very important not at all 0% 10% 20% 30% 40% 50% A capacidade dos peritos para avaliar o período de recuperação é considerada muito importante. Com base nas entrevistas realizadas e aos resultados dos grupos foco, que na sua essência confirmam as respostas aos questionários, é possível proceder à definição do perfil do Perito em Gestão de Energia (EXEM), sendo que as competências enumeradas Serão validadas pela metodologia de check-up do Perito.

23 Perfil Competências EXEM (Versão PT) RESULTADOS DAS ENTREVISTAS A última parte da pesquisa é baseada em entrevistas semiestruturadas em profundidade, envolvendo profissionais e peritos que trabalham no sector da energia. Os membros do grupo de foco e peritos qualificados na área da gestão de energia têm uma noção clara de quais as competências que um gestor de energia deve possuir. Infelizmente, a profissão de gestor de energia não se encontra definido em muito normativos legais e, portanto, o termo gestor de energia pode não entendido em grupos não especializados. Várias pessoas consideram-se gestores de energia. Resultado disso, é a dificuldade em limitar as atividades desenvolvidas por estes gestores. A definição de gestor de energia será útil para distinguir claramente o tipo de atividades que fazem parte das funções de um gestor de energia. Os entrevistados em todos os países confirmam os resultados obtidos nos questionários. 5.1 Visão geral dos resultados dos parceiros Bulgária Os participantes nas entrevistas foram selecionadas com o objetivo de envolver os profissionais mais adequados, capazes de fornecer opiniões sobre os principais itens do questionário de diferentes pontos de vista. As entrevistas foram realizadas em diferentes cidades e com representantes de diferentes instituições e organizações - Câmara Construção em Sofia, município de Plovdiv, Universidade Técnica de Varna, Escola Profissional em Burgas e empresas de consultoria e formação da área da eficiência energética em Veliko Tarnovo. Os especialistas entrevistados possuem as seguintes posições: gestores da câmara Branch, director geral no município; um investigador e um professor que trabalha na universidade; vice-diretor da escola profissional responsável por ações de formação; consultor e formador numa empresa especializada em matéria de eficiência energética. As reações e comentários recolhidos durante as entrevistas em profundidade estão em linha com os resultados dos questionários, reforçando a necessidade de experiência em desenho de plantas de edifícios relativamente à eficiência energética e poupança. É de salientar que, a dificuldade na concretização de rankings separados entre os conhecimentos e capacidades práticas, uma vez que apenas um campo de conhecimento foi definido no questionário. Assim, todas as competências nesta área de especialização são ordenadas de acordo com o nível de importância: capacidades relacionadas com a análise de plantas/sistemas e identificação de possíveis alterações para a

24 Perfil Competências EXEM (Versão PT) melhoria do desempenho energético foram classificados em primeiro lugar, em seguida o conhecimento das plantas dos projetos conhecimento dos sistemas e instrumentos de planeamento para a produção e poupança de energia. A competência de avaliação do desempenho energético, após a intervenção técnica em plantas ou em construção, revela-se de extrema relevância entre as outras competências definidas no perfil do Gestor de Energia. Tal, encontra-se de acordo com a posição de melhoria do desempenho energético dos edifícios, sendo este um processo contínuo e de ações práticas que devem ser implementadas de forma sistemática, o que é substancial no contexto nacional. No que diz respeito aos níveis de importância das competências incluídas na especialização em "lei, contrato e mercado", os entrevistados reforçaram a prioridade dada ao conhecimento da legislação nacional sobre a economia de energia/eficiência e na capacidade de aplicação da legislação em matéria de economia de energia, seguido do conhecimento da legislação europeia no mesmo campo, o conhecimento do mercado de energia e gás, o conhecimento das regras em matéria de contratos de poupança de energia/eficiência, capacidade para a identificação da melhor oferta no mercado de energia e gás. Os entrevistados foram convidados a comentar os resultados sobre a capacidade de preparar um plano de controlo qualidade do fornecimento de gás/energia, não se identificando um nível de prevalência de importância. Todos expressaram a opinião de que estas capacidades devem ser incluídas no perfil profissional e as questões de qualidade no fornecimento de gás/energia deve-lhes ser atribuída grande importância no âmbito do controlo geral das obrigações contratuais do fornecimento de energia. Os resultados das entrevistas sobre as competências incluídas na área de especialização "gestão da empresa" demonstram a mesma opinião reflectida nos questionários. Neste ponto, também não é possível estabelecer rankings separados para os conhecimentos teóricos e capacidades práticas como os estabelecidos na área do desenho de plantas de edifícios relativamente à eficiência e economia energética devido ao mesmo motivo. A capacidade de elaborar e gerir um orçamento está em primeiro lugar, seguida da capacidade de realização de um controlo de gestão da empresa, sendo para tal necessário um conhecimento em gestão de projetos e organização de empresas. Os entrevistados propõem que o conhecimento de métodos de planeamento operacional e a capacidade para a elaboração de planos operacionais, relacionados com as funções de perito em gestão de energia, devem estar orientados com os objetivos estratégicos da empresa e ser incluídos no perfil profissional nacional. Grupo de Foco Os perfis dos peritos envolvidos no grupo de foco são os apresentados na tabela seguinte:

25 Perfil Competências EXEM (Versão PT) Entrevistado 1 Engenharia Associação de Empresas - Gestores Entrevistado 2 Engenharia Autoridade pública - Agência para o Desenvolvimento de Energia Sustentável Entrevistado 3 Universidade (Faculdade de Economia) Investigador e professor Entrevistado 4 Operador no mercado da energia Empresa de consultoria e formação na área da eficiência energética - Consultor Entrevistado 5 Engenharia Gestor A opinião coletiva do grupo de foco, em geral, é idêntica aos resultados das entrevistas em profundidade. Os comentários dos entrevistados do grupo de foco desta área de especialização confirmam que deverá ser incluído no perfil base de competências do gestor de energia as atividades relacionadas com novas especializações e o desenvolvimento de currículos. Este processo deve ser realizado com a participação de todos os parceiros. A opinião sobre a importância das competências incluídas em cada área vai ao encontro do que são os resultados obtidos nas entrevistas. É de salientar, que o grupo de foco concorda com as propostas realizadas pelos seus colegas, no que diz respeito, à inclusão de conhecimentos e competências adicionais nas áreas do desenho de plantas de edifícios quanto às matérias de eficiência e poupança energética e gestão da empresa. Os entrevistados nos grupos de foco estão de acordo com os comentários realizados pelos entrevistados relativamente à importância do desenvolvimento de atividades de investigação, tempo de experiência profissional e disponibilidade para a realização de formação inicial e contínua, para o bom desempenho do gestor de energia no local de trabalho. Chipre O grupo de foco entrevistado envolveu diversos representantes de diferentes instituições e organizações - Universidade Técnica do Chipre, Secção Científica e Técnica do Chipre, Câmara de Comércio e Indústria do Chipre, Federação da Indústria e Emprego do Chipre e Município de Aglantzia.

26 Perfil Competências EXEM (Versão PT) Com base na análise dos resultados obtidos em todas as fases de pesquisa nacional é possível retirar as seguintes conclusões: A elevada importância do papel do gestor de energia é reconhecida ao nível político e técnico pelos representantes da administração pública, universidades, entidades de formação profissional, organizações de empregadores, as empresas (75% dos inquiridos); A maioria dos inquiridos respondeu não ter frequentado nenhum curso de formação em gestão de energia, uma vez que não existe nenhum entidade ou organização a organizá-lo no Chipre; A definição do perito em gestão de energia a nível Europeu recebe igual apoio por parte de todos os entrevistados nesta pesquisa; As áreas de competência-chave, estabelecidas durante esta pesquisa, foram reconhecidas pelos entrevistados como sendo as mais importantes no perfil de competências do perito em gestão de energia; Reconhece-se a importante na capacidade do gestor de energia ter conhecimento sobre medidas de eficiência energética e tecnologias de energias renováveis; O conhecimento técnico é reconhecido como de extrema importância, bem como o conhecimento das questões financeiras e dos mecanismos de apoio. República Checa Os entrevistados do grupo de foco foram cuidadosamente escolhidos. O processo de seleção foi baseado na experiência e qualificação dos entrevistados. Estes são representantes de uma agência regional, uma universidade, um colaborador de um município cuja função é a coordenação das questões energéticas, e um auditor energético. As entrevistas foram realizadas de forma presencial. Embora os entrevistados trabalhem em diferentes organizações, as suas opiniões são em muitas matérias muito semelhantes. Os resultados das entrevistas são de seguida resumidos: O papel de um perito em gestão de energia é de elevada importância. É reconhecida a utilidade para os municípios, bem como para outras autoridades e empresas privadas de maior dimensão ter um gestor de energia, capaz de otimizar os consumos de energia num edifício e procurar maximizar a poupança de energia; É fundamental respeitar os requisitos da UE, mas também, adaptar o perfil do perito às exigências e necessidades nacionais;

27 Perfil Competências EXEM (Versão PT) Um perito em gestão de energia deve ter um conhecimento aprofundado na área da eficiência energética, de medidas de eficiência energética, de mecanismos de otimização do consumo de energia e economia de energia; O conhecimento da legislação nacional e comunitária é também considerado como essencial para um perito. Tal, é particularmente importante na interação dos peritos com os representantes dos municípios e tomadores de decisão; O conhecimento em desenho de plantas de edifícios não é considerado muito importante. Tal dever-se-á, possivelmente, ao facto de as planificações não serem um tema na moda na República Checa. Não é um procedimento habitual na implementação de tais medidas, e tem-se a percepção de que é algo bastante dispendioso; Concluiu-se que as actividades de investigação não estão diretamente relacionados com o desenvolvimento do trabalho de um perito em energia e, como tal, não tem sentido falar sobre o trabalho de um perito nesta vertente. É claro que, um perito pode todavia estar familiarizado com as atividades de investigação, porém, os entrevistados não encontram vantagens para o desenvolvimento do trabalho de um perito; Surpreendentemente, também os anos de experiência são parcialmente considerados como irrelevantes, quando um perito demonstra interesse em aprender algo novo e demonstra um certo entusiasmo e mente aberta para com novos desafios. A profissão de gestor de energia existe na República Checa, mas a legislação checa naão a reconhece, e, portanto, o termo gestor de energia pode não ser entendido na sua verdadeira amplitude no seio de um grupo não-altamente especializado de pessoas. Como consequência, pode por vezes dificultar delimitar as funções e as atividades destes gestores. A definição de gestor de energia fundamental, de forma a clarificar o tipo de atividades que fazem parte das funções de um gestor de energia e as que não fazem parte. Não é necessário, atualmente, que os gestores de energia se candidatem à frequência de um curso de formação especial. Os gestores têm diferentes tipos e níveis de formação académica. Além disso, a formação académica exigida aos gestores de energia é delimitada pelos empregadores aquando dos processos de recrutamento e seleção. Tudo isso contribui para uma delimitação clara do status dos gestores de energia. Com base na análise dos resultados da pesquisa nacional, pode concluir-se que: A definição de gestor de energia a nível nacional contribuiria para o esclarecimento de determinadas funções deste;

28 Perfil Competências EXEM (Versão PT) A profissão de gestor de energia é bastante importante na sociedade nos dias de hoje; Os profissionais desta área não têm que frequentar nenhum curso de formação específico para se tornarem gestores de energia; Os gestores de energia devem ser conhecedores de medidas de poupança de energia e da legislação nacional relacionada com a energia. Roménia O grupo de foco foi constituído na Universidade Politécnica de Bucareste. Os entrevistados provêem de entidades consultoria e formação de empresas na área da energia, de universidades e um auditor de energia. Os resultados obtidos foram os seguintes: O papel deste profissional é de extrema importância; É necessário que os gestores das organizações estejam conscientes da importância de um perito em energia; É importante a existência de um perfil EXEM, com o intuito de estabelecer os conhecimentos e as capacidades apropriados à definição do percurso de formação, tanto a nível nacional como europeu; Do ponto de vista dos entrevistados, a experiência profissional é das condições mais importantes que um perito em energia deve possuir, numa ótica de domínio das técnicas de eficiência energética; De acordo com o nível de importância, as competências na área do "desenho de plantas de edifícios relacionadas com a eficiência e economia energética" são: Capacidades relacionadas com a análise de plantas/sistemas e identificação de possíveis modificações, conduzindo à melhoria do conhecimento do projeto e das capacidades dos sistemas e instrumentos de poupança de energia e de desempenho energético; De acordo com o nível de importância das competências na área de avaliação económica/financeira dos projetos de economia de energia, junta-se o ranking de conhecimentos teóricos: o conhecimento de métodos de avaliação do retorno dos investimentos, em termos de poupança e eficiência energética, e o conhecimento de ferramentas financeiras e de financiamento dos projectos, bem como, o conhecimento de métodos de avaliação económica de projetos de economia de energia;

29 Perfil Competências EXEM (Versão PT) Quanto à importância das competências na área da planificação, conceção e construção da eficiência e economia energética: destaca-se a capacidade de controlo e gestão de uma empresa, a capacidade de elaborar e gerir um orçamento, e o conhecimento em gestão de projetos e organização de empresas; Quanto à importância das competências na área da gestão de sistemas de energia: destacase a capacidade de aplicar os conhecimentos em gestão dos sistemas de poupança de energia; Relativamente às restantes questões, os entrevistados estabeleceram a seguinte classificação: formação para aquisição de novos conhecimentos e atualizar dos já adquiridos, capacidade e competência na realização de atividades de investigação e, experiência profissional. No geral, os resultados das entrevistas podem ser agrupados da seguinte forma: Inclusão na oferta educativa das universidades, através de programas de mestrado, ou especializações em perito de energia; A necessidade de uma definição europeia de perito em energia; Clarificação das competências, agrupando-as em: competência em auditoria energética, incluindo a identificação de medidas de eficiência energética e de energias renováveis, avaliação da capacidade financeira e de risco na gestão do plano energético; capacidades na implementação de gestão de energia e na resolução de problemas; experiência na gestão de projetos; aplicação de regulamentos e directivas relacionadas com a melhoria da eficiência energética; aplicação de conhecimentos teóricos em contextos práticos; capacidade de comunicação e networking; capacidade de desenvolver soluções ecológicas e económicas relacionadas com os sistemas de gestão de energia; capacidade de organização do trabalho em equipa, promovendo de forma eficaz o trabalho em grupo. Os resultados da pesquisa nacional podem ser resumidos da seguinte forma: Deve ser dada importância à inclusão de peritos em energia em qualquer organização; Maior envolvimento das universidades em programas de aprendizagem ao longo da vida e mestrado, na vertente dos peritos de energia; Definição clara das competências e responsabilidades do perito em energia no seio de uma organização; Definição de perito em energia a nível europeu;

30 Perfil Competências EXEM (Versão PT) Estabelecer uma correlação entre as competências teóricas e práticas dos peritos em energia. Portugal O perfil dos entrevistados que foram entrevistados está diretamente relacionado com o propósito do projeto EXEM: engenheiros mecânicos, civis e eletrotécnicos, pertencente ou não a empresas. Dada a importância da energia no paradigma atual da sociedade em que vivemos, é particularmente importante o aumento do conhecimento sobre as ferramentas e metodologias na gestão dos recursos de forma eficiente e eficaz. A utilização dos recursos energéticos de forma eficiente é um fator importante na competitividade das empresas, uma vez que irá permitir uma redução dos custos de produção e aumentar a margem de lucro do produto. Os resultados da pesquisa revelam um consenso quanto ao desenvolvimento de uma definição comunitária do perfil do EXEM, levando ao reconhecimento deste profissional e do seu papel numa gestão eficiente de energia das empresas. Espanha De acordo com, os resultados das diferentes partes da pesquisa e das entrevistas, é possível concluir que: A Espanha necessita de uma definição do perfil do Gestor de Energia, incluindo as suas competências e papel profissional. É um facto que, no sector da energia existe uma confusão sobre qual o papel do Gestor de Energia, criando a necessidade de definição desta profissão. A definição de um perfil comunitário e o estabelecimento da formação necessária à obtenção deste perfil será muito importante tanto para os gestores de energia como para as empresas. O sector da energia tem uma importante influencia na economia e nas empresas sendo crucial uma política de economia de energia, sendo neste aspeto essencial o apoio deste profissional. A profissão de Gestor de Energia tem um potencial enorme e pode ser uma profissão de futuro, por esta razão a sua profissionalização vai ajudar ao seu desenvolvimento e esclarecerá o sector sobre quais as suas competências, muitas vezes confundidas como auditores energéticos para obtenção de certificados energéticos de edifícios.

31 Perfil Competências EXEM (Versão PT) Itália Os diferentes profissionais envolvidos nas entrevistas permitiram avaliar o papel do gestor de energia segundo vários pontos de vista. Também, foram destacadas as funções e as dificuldades na escolha de um perfilo de gestor de energia, ou na organização da sua formação ou na definição das actividades a que está afeto. Principais resultados: Inexistência grave de normas nacionais que visem identificar os gestores de energia, consequentemente, a não definição das competências profissionais adequadas; Baixa eficiência dos gestores de energia em todos os contextos, face à aplicação prática da lei e à não preocupação com a gestão do uso energético; Nestes casos, é habitual que as soluções propostas pelo gestor de energia não sejam adequadamente avaliadas pela gestão e, consequentemente, não sejam implementadas. Na maioria dos casos, nem sequer existe uma oportunidade para discutir as várias soluções com os tomadores de decisão. Frequentemente, os gestores de energia são escolhidos por profissionais que já trabalham na empresa. Este desempenha muitas vezes funções do administrador geral, atendendo a que este se encontra focalizado noutras actividades consideradas de maior relevo para a empresa; Destaca-se a necessidade de adaptar o discurso junto de profissionais não técnicos, o que requer a capacidade de explicar em palavras simples conceitos técnicos, atendendo a que a questão energética envolve pessoas que compram electricidade e outros combustíveis, mas também máquinas e equipamentos, profissionais responsáveis pela manutenção de sistemas, responsáveis de planeamento de edifícios e instalações, que escrevem os requisitos de concursos, responsáveis de escritórios jurídicos, etc. Inadequação frequente do sistema de gestão das empresas para aceitar e implementar soluções sugeridas pelo gestor de energia; Todos os especialistas concordaram sobre a importância da identificação e classificação a nível europeu do papel do Gestor de Energia, em particular, a relevância de uma classificação precisa através de ECVET (como o projeto pretende realizar). Por fim, considera-se essencial que uma vez identificado um perfil europeu se descreva o papel a desempenhar pelo gestor de energia e se definam as Diretrizes Europeias a este

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx SUPLEMENTO AO DIPLOMA Este Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. A finalidade deste Suplemento é fornecer dados independentes

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PÓS-GRADUAÇÃO/ESPECIALIZAÇÃO EM SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO QUALIDADE, AMBIENTE, SEGURANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO SGS ACADEMY PORQUÊ A SGS ACADEMY? Criada, em 2003, como área de negócio da

Leia mais

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx SUPLEMENTO AO DIPLOMA Este Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. A finalidade deste Suplemento é fornecer dados independentes

Leia mais

NOTA METODOLÓGICA. 1. Introdução. A presente Nota Metodológica tem como principal objetivo apresentar os seguintes pontos:

NOTA METODOLÓGICA. 1. Introdução. A presente Nota Metodológica tem como principal objetivo apresentar os seguintes pontos: NOTA METODOLÓGICA Título do trabalho: Apoio à Reflexão e Conceção de possíveis ações de Investigação e Desenvolvimento (I&D) a nível nacional e internacional do Centro das Energias Renováveis e Manutenção

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. o reforço de capacidades das organizações de acolhimento e a assistência técnica às organizações de envio,

COMISSÃO EUROPEIA. o reforço de capacidades das organizações de acolhimento e a assistência técnica às organizações de envio, C 249/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 30.7.2015 COMISSÃO EUROPEIA CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS EACEA 25/15 Iniciativa Voluntários para a Ajuda da UE: Destacamento de Voluntários para a Ajuda

Leia mais

Guião de Candidatura e de Avaliação dos Projetos para Centros de Co-Localização Portugueses a Integrar Knowledge and Innovation Communities (KIC) do

Guião de Candidatura e de Avaliação dos Projetos para Centros de Co-Localização Portugueses a Integrar Knowledge and Innovation Communities (KIC) do Guião de Candidatura e de Avaliação dos Projetos para Centros de Co-Localização Portugueses a Integrar Knowledge and Innovation Communities (KIC) do European Institute of Technology (EIT) que se apresentem

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas.

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas. Doc 5. Proposta de Projecto de Lei Sobre a Profissão, a Prática e a Formação do Urbanista A necessidade de implementar uma política consistente de Ordenamento do Território e Urbanismo, tem determinado

Leia mais

Relatório Questionário on-line

Relatório Questionário on-line Associação Portuguesa dos Gestores e Técnicos dos Recursos Humanos Seminário: Novos Caminhos, Novos Desafios da Formação Certificada Relatório Questionário on-line Relatório 1. Introdução e Objectivos

Leia mais

= e-learning em Educação Ambiental =

= e-learning em Educação Ambiental = Agência Regional de Energia e Ambiente do Norte Alentejano e Tejo = e-learning em Educação Ambiental = PRINCIPAIS RESULTADOS DO RELATÓRIO FINAL Dezembro de 2010 Título: Financiamento: Plataforma de e-learning

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

I- Matéria de fundo. N.º 14 - SG P.º 1.3/CMR/ta 2014-01-15

I- Matéria de fundo. N.º 14 - SG P.º 1.3/CMR/ta 2014-01-15 EXMO. SENHOR PRESIDENTE DO CONSELHO DIRETIVO CMVM COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES IMOBILIÁRIOS DR. CARLOS TAVARES RUA LAURA ALVES, 4 1050-138 LISBOA N.º 14 - SG P.º 1.3/CMR/ta 2014-01-15 Assunto: CNSF -

Leia mais

A 2.ª Reunião de. Acompanhamento do

A 2.ª Reunião de. Acompanhamento do Outubro de 2011 (N.º2) PeSCoS Newsletter " O projeto PeSCoS tem por objetivo a implementação de um sistema de formação personalizada para as PMEs de forma a que estas eliminem as suas ações menos sustentáveis

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD)

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) Recomenda ao Governo que utilize sistemas de teleconferência e videoconferência em substituição de reuniões presenciais I - Exposição de motivos A proposta de

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Boas práticas na utilização de plataformas de aprendizagem colaborativa como modo de incentivar a criatividade e identificar boas práticas no setor da metalúrgica Relatório

Leia mais

Comunicações e Informações

Comunicações e Informações Jornal Oficial da União Europeia C 224 A Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 58. o ano 9 de julho de 2015 Índice V Avisos PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS Serviço Europeu de Seleção do

Leia mais

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO FISCAL N.º 1/2009 JAN/FEV 2009 INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO Nuno Sampayo Ribeiro No Conselho de Ministros de 13 de Dezembro de 2008 foi aprovado um reforço do investimento público. O qual será

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PROJETO LIFE 2

INTRODUÇÃO AO PROJETO LIFE 2 INTRODUÇÃO AO PROJETO LIFE 2 O projeto LIFE2 (Competências chave para a vida) visa ajudar os jovens a desenvolver, no decurso da sua formação profissional, as competências e confiança necessárias no mundo

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Administração Educacional Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa julho de

Leia mais

Comunicações e Informações

Comunicações e Informações Jornal Oficial da União Europeia C 183 A Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 58. o ano 4 de junho de 2015 Índice V Avisos PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS Serviço Europeu de Seleção do

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

I-Ispra: Fornecimento e instalação de cablagem estruturada, instalação de sistemas de voz-dados e redes de fibra ótica 2013/S 121-206362

I-Ispra: Fornecimento e instalação de cablagem estruturada, instalação de sistemas de voz-dados e redes de fibra ótica 2013/S 121-206362 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:206362-2013:text:pt:html I-Ispra: Fornecimento e instalação de cablagem estruturada, instalação de sistemas de voz-dados

Leia mais

A Agência de Tecnologia da República Checa e os seus programas

A Agência de Tecnologia da República Checa e os seus programas A Agência de Tecnologia da República Checa e os seus programas A CRIAÇÃO E O LANÇAMENTO DAS ACTIVIDADES DA TA CR A fundação da Agência de Tecnologia da República Checa (adiante designada TA CR ) foi um

Leia mais

Suplemento ao Diploma

Suplemento ao Diploma Suplemento ao Diploma 1. INFORMAÇÃO SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO 1.1 Apelido(s): XXXXXXx 1.2 Nome(s) próprio(s): XXXXXXXXXXXXX O presente Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança)

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) 1 - Apresentação Grau Académico: Mestre Duração do curso: : 2 anos lectivos/ 4 semestres Número de créditos, segundo o Sistema

Leia mais

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com Moçambique Agenda EVENTOS 2013 NEW!! Também in Company INSCREVA-SE EM inscrip@iirportugal.com VISITE www.iirportugal.com INOVAÇÃO Estimado cliente, Temos o prazer de lhe apresentar em exclusiva o novo

Leia mais

FEDERAÇÃO EUROPEIA DOS EMPREGADORES DA EDUCAÇÃO COMITÉ SINDICAL EUROPEU DA EDUCAÇÃO

FEDERAÇÃO EUROPEIA DOS EMPREGADORES DA EDUCAÇÃO COMITÉ SINDICAL EUROPEU DA EDUCAÇÃO FEDERAÇÃO EUROPEIA DOS EMPREGADORES DA EDUCAÇÃO COMITÉ SINDICAL EUROPEU DA EDUCAÇÃO Declaração Conjunta da FEEE e do CSEE sobre a «Promoção da Autoavaliação das Escolas e dos Professores» no âmbito do

Leia mais

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08)

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) 20.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 372/31 Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, TENDO EM CONTA

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM MARKETING Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO

FACULDADE DE DIREITO FACULDADE DE DIREITO FACULDADE DE DIREITO SUMÁRIO A. Mestrado e Pós-Graduação em Direito em Língua Chinesa Língua veicular: Língua Chinesa Área de especialização: Variante em Ciências Jurídicas B. Mestrado

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

QUESTIONÁRIO Percepção de Risco

QUESTIONÁRIO Percepção de Risco O documento em PDF está pronto a ser utilizado. Por favor, lembre-se de guardar as alterações após responder à totalidade do questionário, enviando em seguida para o seguinte endereço eletrónico maria.carmona@hzg.de

Leia mais

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS Versão 1.1 Setembro 2013 1. Critérios (mínimos) de referência quanto à qualificação do corpo docente para a acreditação

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

FORMAÇÃO PARA AS RENOVÁVEIS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO

FORMAÇÃO PARA AS RENOVÁVEIS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO FORMAÇÃO PARA AS RENOVÁVEIS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO BUILD UP SKILLS PORTUGAL Reunião de projeto, 29 de Maio LNEG, Edifício Solar XXI Updated in 4 th December 2011 ÍNDICE Enquadramento

Leia mais

Sustainable Energy Technology at Work: Thematic Promotion of Energy Efficiency and Energy Saving Technologies in the Carbon Markets

Sustainable Energy Technology at Work: Thematic Promotion of Energy Efficiency and Energy Saving Technologies in the Carbon Markets Projecto: SETatWork Sustainable Energy Technology at Work: Thematic Promotion of Energy Efficiency and Energy Saving Technologies in the Carbon Markets IDMEC-Porto Porto,, 12 de Novembro 2009 Enquadramento

Leia mais

I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S. C T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais

I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S. C T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais I S A L I N S T I T UTO SUPERIOR DE A DMINISTRAÇÃO E L Í N G UA S C T e S P Cursos Técnicos Superiores Profissionais GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSOS HUMANOS GESTÃO COMERCIAL E DE MARKETING ORGANIZAÇÃO

Leia mais

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão Chegar a acordo sobre definições de qualquer tipo pode ser uma tarefa de pôr os cabelos em pé, e um desperdício de tempo. Normalmente requer compromissos por parte

Leia mais

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Centro

Leia mais

MBA especialização em GesTão De projectos

MBA especialização em GesTão De projectos MBA especialização em GESTão DE projectos FORMEDIA Instituto Europeu de Empresários e Gestores FORMEDIA e INSTITUTO EUROPEO DE POSGRADO FORMEDIA - Instituto Europeu de Empresários e Gestores A FORMEDIA

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

Barómetro das Profissões

Barómetro das Profissões Número 1T/2011 Período: 1 de Janeiro a 31 de Março Abril 2011 Realizado por Isabel Machado para IPAM Carreiras INTRODUÇÃO O presente Barómetro trimestral inserido na investigação do IPAM Carreiras pretende

Leia mais

Mestrado em Conservação e Reabilitação do Edificado uma resposta à crise vivida no sector da Construção em Portugal

Mestrado em Conservação e Reabilitação do Edificado uma resposta à crise vivida no sector da Construção em Portugal INSCRIÇÕES ABERTAS NOS SERVIÇOS ACADÉMICOS!!! Mestrado em Conservação e Reabilitação do Edificado uma resposta à crise vivida no sector da Construção em Portugal Reabilitação Urbana e do Património Edificado

Leia mais

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt Pedro Gomes Nunes Director Executivo Lisboa, Fevereiro 2014 RISA - Apresentação ÁREAS DE NEGÓCIO Estudos e Projectos + 20 anos de experiência + 1.500 candidaturas a Fundos Comunitários aprovadas. + 1,6

Leia mais

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES)

Leia mais

20000 Lead Implementer

20000 Lead Implementer ANSI Accredited Program BEHAVIOUR ISO Lead PARA IMPLEMENTAR E GERIR SISTEMAS DE GESTÃO DE SERVIÇOS (SGS) BASEADOS NA NORMA ISO Sobre o curso Este curso intensivo com duração de cinco dias, permite aos

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

Código de Conduta para as Estatísticas Europeias

Código de Conduta para as Estatísticas Europeias Código de Conduta para as Estatísticas Europeias Adotado pelo Comité do Sistema Estatístico Europeu em 28 de setembro de 2011 Tradução realizada pelo INE, IP Preâmbulo Visão do Sistema Estatístico Europeu

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:126814-2015:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:126814-2015:text:pt:html 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:126814-2015:text:pt:html Alemanha-Karlsruhe: Serviços de gestão de projetos e planeamento para projetos de construção

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Orientações para as visitas às escolas 1 Introdução As visitas às escolas realizadas segundo o modelo

Leia mais

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL Agosto de 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 ENQUADRAMENTO... 3 O IMPACTE DO SECTOR FINANCEIRO NAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS... 4 PEGADA CARBÓNICA DO SECTOR

Leia mais

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Programa de Acção Luis Filipe Baptista ENIDH, Setembro de 2013 Motivações para esta candidatura A sociedade actual está a mudar muito

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO COMITÉ DE AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PARIS 1991 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. FINALIDADE DA AVALIAÇÃO 5 III. IMPARCIALIDADE E INDEPENDÊNCIA 6 IV. CREDIBILIDADE

Leia mais

Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado

Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado Edital 4ª Edição 2012-2013 Barreiro, Julho de 2012 Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado 1 ENQUADRAMENTO A Pós-Graduação em Conservação

Leia mais

SERVIÇO EUROPEU DE SELEÇÃO DO PESSOAL (EPSO)

SERVIÇO EUROPEU DE SELEÇÃO DO PESSOAL (EPSO) 11.7.2013 PT Jornal Oficial da União Europeia C 199 A/1 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS SERVIÇO EUROPEU DE SELEÇÃO DO PESSOAL (EPSO) ANÚNCIO DE CONCURSOS GERAIS (2013/C 199 A/01) O Serviço Europeu

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais 2015 / 2016. Projeto candidato a co-financiamento pelo Fundo Social Europeu

T e S P. Cursos Técnicos Superiores Profissionais 2015 / 2016. Projeto candidato a co-financiamento pelo Fundo Social Europeu T e S P Cursos Técnicos Superiores Profissionais 2015 / 2016 Projeto candidato a co-financiamento pelo Fundo Social Europeu REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA REPÚBLICA PORTUGUESA UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

Leia mais

Parecer. Conselheiro/Relator: Maria da Conceição Castro Ramos

Parecer. Conselheiro/Relator: Maria da Conceição Castro Ramos Parecer Projeto de Decreto-Lei que procede à revisão do regime jurídico da habilitação profissional para a docência dos educadores e professores dos ensinos básico e secundário Conselheiro/Relator: Maria

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FINANCIADO PELA UE/PELO FED

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FINANCIADO PELA UE/PELO FED Divulgação limitada à Entidade Adjudicante e ao autor do documento, tendo em vista proteger os dados pessoais e a vida privada, bem como a confidencialidade de informações comerciais e industriais FORMULÁRIO

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Anúncio de concurso. Fornecimentos

Anúncio de concurso. Fornecimentos 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:239648-2014:text:pt:html Espanha-Alicante: Contratação de fornecimento de eletricidade (lote 1) e gás (lote 2) nos imóveis

Leia mais

Compras Públicas para um Estado Inteligente

Compras Públicas para um Estado Inteligente Compras Públicas para um Estado Inteligente Princípios de um Estado Inteligente Agimos de modo a assegurar um legado para as gerações futuras, através da racionalidade da gestão e proteção dos recursos

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

Gestão dos Níveis de Serviço

Gestão dos Níveis de Serviço A Gestão dos Níveis de Serviço (SLM) Os sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas empresas um papel cada vez mais importante evoluindo, hoje em dia, para níveis mais elevados de funcionamento

Leia mais

Case study. Aumentar o conhecimento, informar a decisão ÍNDICE E.VALUE ENERGIA E CO2 EM PORTUGAL EMPRESA

Case study. Aumentar o conhecimento, informar a decisão ÍNDICE E.VALUE ENERGIA E CO2 EM PORTUGAL EMPRESA Case study 2010 Aumentar o conhecimento, informar a decisão ÍNDICE E.VALUE ENERGIA E CO2 EM PORTUGAL EMPRESA A E.Value S.A. é uma empresa de consultoria e desenvolvimento, com competências nos domínios

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) - INOVAÇÃO PRODUTIVA Objectivos e Prioridades O presente concurso destina-se a apoiar investimentos

Leia mais

Case study. LX Sustentável BLOGUE SOBRE SUSTENTABILIDADE URBANA EMPRESA

Case study. LX Sustentável BLOGUE SOBRE SUSTENTABILIDADE URBANA EMPRESA Case study 2010 LX Sustentável BLOGUE SOBRE SUSTENTABILIDADE URBANA EMPRESA A Siemens está em Portugal há 105 anos, sendo líder nos seus sectores de Indústria, Energia e Saúde. Com cerca de 2 mil colaboradores,

Leia mais

COMPETIR + Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial

COMPETIR + Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada COMPETIR + Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Subsistemas Fomento da Base Económica de Exportação Desenvolvimento Local Empreendedorismo

Leia mais

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto

Leia mais

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS 1. bjectivo presente documento tem como objectivo definir o esquema de acreditação para a Certificação do Serviço proporcionado pelas várias Respostas Sociais, tendo em conta os Modelos de Avaliação da

Leia mais

Auditoria Sistemática

Auditoria Sistemática ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas Auditoria Sistemática Resumo do Relatório da Inspecção Geral do MCTES 18.Novembro.2010 Índice INTRODUÇÃO... 3 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DOS PROCEDIMENTOS...

Leia mais

Diagnóstico de Necessidades de Formação de Inglês do Corpo Docente do Instituto Politécnico de Beja

Diagnóstico de Necessidades de Formação de Inglês do Corpo Docente do Instituto Politécnico de Beja Diagnóstico de Necessidades de Formação de Inglês do Corpo Docente do Instituto PolitécnicodeBeja ServiçosdePlaneamentoeDesenvolvimentoEstratégico Maio2010 DiagnósticodeNecessidadesdeFormaçãoemLínguaInglesa

Leia mais

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL Regulamento EMAS (EC Nº. 761/2001) A organização deve estabelecer e manter um ou mais procedimento para identificar os aspectos ambientais das suas actividades, produtos

Leia mais

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Instrumentos financeiros

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Instrumentos financeiros aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Os instrumentos financeiros cofinanciados pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional são uma forma eficiente

Leia mais

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros Regulamento do Programa de Estágios Curriculares no Ministério dos Negócios Estrangeiros Preâmbulo Na sequência do acordo tripartido celebrado entre o Governo e os parceiros sociais em junho de 2008 e

Leia mais

Sumário executivo. Em conjunto, as empresas que implementaram

Sumário executivo. Em conjunto, as empresas que implementaram 10 Sumário executivo Conclusões coordenadas pela Deloitte, em articulação com os membros do Grupo de Trabalho da AÇÃO 7 Sumário executivo Em conjunto, as empresas que implementaram estes 17 projetos representam

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII A Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial EMBRAPII torna público o processo de seleção para credenciamento de Unidades EMBRAPII (UE)

Leia mais

GPPQ Gabinete de Promoção do 7º Programa-Quadro de I&DT. 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (2007-2013)

GPPQ Gabinete de Promoção do 7º Programa-Quadro de I&DT. 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (2007-2013) Sessão de Apresentação de Oportunidades de Financiamento para as PME 7º Programa-Quadro de I&DT da União Europeia Investigação para as PME Margarida Garrido margarida.garrido@gppq.mctes.pt Santarém, Escola

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP 16.12.2010 REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL

Leia mais

REGULAMENTO GERAL COMISSÃO ORGANIZADORA PATROCINADOR DE OURO CO-FINANCIAMENTO PATROCINADOR DE PRATA

REGULAMENTO GERAL COMISSÃO ORGANIZADORA PATROCINADOR DE OURO CO-FINANCIAMENTO PATROCINADOR DE PRATA REGULAMENTO GERAL COMISSÃO ORGANIZADORA PATROCINADOR DE OURO CO-FINANCIAMENTO PATROCINADOR DE PRATA PNAM REGULAMENTO GERAL VALORES E NORMAS REGULAMENTARES GERAIS DO 1. ORIGEM, OBJETIVOS E PERIODICIDADE

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE UNIDADE DE SAÚDE PUBLICA Ao nível de cada Agrupamento de Centros de Saúde (ACES), as Unidades de Saúde Pública (USP) vão funcionar como observatório de saúde da população

Leia mais

MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL (MEC) Parceria: ESTBarreiro/IPS- ISE/UAlg

MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL (MEC) Parceria: ESTBarreiro/IPS- ISE/UAlg MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL (MEC) Parceria: ESTBarreiro/IPS- ISE/UAlg OBJETIVO O objectivo do curso consiste na atribuição de uma especialização de natureza profissional, decorrente da continuação dos

Leia mais

Fundação Altran para a Inovação Prémio 2012 Portugal. Regras

Fundação Altran para a Inovação Prémio 2012 Portugal. Regras Fundação Altran para a Inovação Prémio 2012 Portugal Tecnologia e Inovação ao serviço da inclusão social Regras I/ Contexto Criada em Junho de 1996, a Fundação Altran para a Inovação (doravante denominada

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO AMBIENTE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO AMBIENTE O Ministério do Ambiente tem o prazer de convidar V. Exa. para o Seminário sobre Novos Hábitos Sustentáveis, inserido na Semana Nacional do Ambiente que terá

Leia mais