UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA. Relações Internacionais PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA. Relações Internacionais PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Relações Internacionais A CLÁUSULA SOCIAL NA OMC: EVIDÊNCIAS DA INCOMPATIBILIDADE ENTRE DIREITOS HUMANOS E COMÉRCIO INTERNACIONAL Autora: Cecilia Alves Viana Orientadora Geral: Profª Dra.Tânia Maria Pechir Gomes Manzur Orientador Específico: Profº MSc. Daniel Domingos de Souza Paes Scott BRASÍLIA Novembro/ 2007

2 CECÍLIA ALVES VIANA A CLÁUSULA SOCIAL NA OMC: EVIDÊNCIAS DA INCOMPATIBILIDADE ENTRE DIREITOS HUMANOS E COMÉRCIO INTERNACIONAL Monografia apresentada ao Curso de Relações Internacionais da Universidade Católica de Brasília como parte dos requisitos para a obtenção do Título de Bacharel em Relações Internacionais. Orientador Geral: Profª Dra.Tânia Maria Pechir Gomes Manzur Orientador Específico: Profº MSc. Daniel Domingos de Souza Paes Scott Brasília DF 2007

3 TERMO DE APROVAÇÃO A CLÁUSULA SOCIAL NA OMC: EVIDÊNCIAS DA INCOMPATIBILIDADE ENTRE DIREITOS HUMANOS E COMÉRCIO INTERNACIONAL CECILIA ALVES VIANA Monografia analisada e aprovada:... Brasília DF, de de Presidente: Profº... Orientador Geral: Profª. Dra.Tânia Maria Pechir Gomes Mazur Orientador Específico: Profº. MSc.Daniel Domingos de Souza Paes Scott Brasília DF 2007

4 RESUMO A cláusula social, que é a associação entre direitos trabalhistas e comércio internacional tem sido um dos temas mais polêmicos discutidos no âmbito da Organização Mundial do Comércio. Este estudo pretende apresentar a maneira como a cláusula social vem sendo inserida no contexto comercial internacional, as posições a favor e contrárias à imposição de tais direitos no sistema multilateral e os efeitos que podem surgir dessa relação. Os países-membros da OMC entendem que a organização não deve discutir temas que não possuam conexão direta ao comércio, como é o caso dos diretos trabalhistas. Desse modo, fica confirmada a competência da Organização Internacional do Trabalho para administrar esses direitos. Além disso, o sistema internacional acredita que a cláusula social não deve ser inserida nos acordos da OMC porque é uma medida protecionista e obstruiria o comércio dos países em desenvolvimento que seriam os mais atingidos pela mesma. Palavras-chave: cláusula social; protecionismo; comércio internacional; e direitos trabalhistas.

5 ABSTRACT The social clause which is the association between labor rights and international trade has been one of the most polemical subjects discussed in the scope of the World Trade Organization (WTO). This study aims to present the insertion of this clause in the international trade context, the positions in favor and against the imposition of these rights in the multilateral system as well as the effects that might come from this relation. The WTO s members understand that the Organization shouldn t discuss subjects that are not directly related to trade, like labor rights. In this manner, the system confirms the competence of the International Labor Organization to administrate these rights. Besides, the international system believes that the social clause must not be included in the WTO s Agreements because is a protectionist measure and would obstruct the trade of the developing countries, which would be the most harmed by the clause. Keywords: social clause; protectionism; international trade; and labor rights.

6 Dedico este trabalho a minha família, por todo apoio e compreensão, em especial a meus pais que são o pilar de minha vida.

7 Porque o Senhor vela pelos caminhos dos justos (Sl. 1) Agradeço pela Tua mão que me guiou e me orientou no desenvolvimento deste estudo. Obrigada pela força e por ter me segurado em Teus braços quando estava cansada e me sentia incapaz. Quero Te agradecer, meu Deus, por ser quem sustenta minha vida.

8 [ ] Poverty, not trade, is the main cause of bad working conditions, and it must be met by expanding commerce, not imposing sanctions. World Trade Organization Director-General Mike Moore ( ).

9 Lista de Tabelas e Quadros Tabela 1 Tabela 2 Tabela 3. Reuniões Ministeriais do GATT Assinatura das Convenções fundamentais da OIT por Países Tabela comparativa da média salarial por hora Quadro 1 Quadro 2 Temas propostos acerca da Cláusula Social Resumo dos argumentos a favor e contra a Cláusula Social

10 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS BIRD Banco Mundial CLC Comission on Labour Cooperation CE Comunidade Européia ETUC European Trade Union Confederation FMI Fundo Monetário Internacional GATT General Agreement on Tariffs and Trade ICFTU International Confederation of Free Trade Unions IOE International Organization of Employers LRS Labour Research Service da África do Sul NAALC North American Agreement on Labor Cooperation ou Acordo de Cooperação no Trabalho da América do Norte NAFTA North American Free Trade Agreement ou Tratado Norte-Americano de Livre Comércio NAO National Administration Office do NAFTA OIC Organização Internacional do Comércio OIT Organização Internacional do Trabalho OMC Organização Mundial do Comércio ONG Organização Não Governamental ONU Organização das Nações Unidas OSC Órgão de Solução de Controvérsias da OMC SDN Sociedade das Nações SGP Sistema Geral de Preferência UE União Européia UGT Union General de Trabajadores da Espanha

11 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO O problema e sua Importância 1.2 Hipótese 1.3 Objetivos Objetivo Geral Objetivo Específico 1.4 Metodologia 2. REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 Marco Teórico Teoria Liberal Teoria das Vantagens Comparativas Teoria do Desenvolvimento Econômico Cláusula Social 3. RESULTADOS E DISCUSSÕES 3.1 Direitos Humanos, em matéria trabalhista, no âmbito do comércio internacional Histórico da inserção dos Direitos trabalhistas no Comércio Internacional : da OIC à OMC OMC ou OIT: competência para julgar os casos de infração aos direitos trabalhistas numa possível adesão da cláusula social aos contratos internacionais de comércio Motivações dos Países Desenvolvidos na implementação da Cláusula Social e o posicionamento dos Países em Desenvolvimento quanto à mesma temática Cláusula Social como política protecionista Posicionamento dos Países desenvolvidos e países em vias de desenvolvimento Dumping social Posições a favor da inclusão da Cláusula Social Posições contrárias à inclusão da cláusula social Cláusula Social seria um entrave ao desenvolvimento econômico Possíveis efeitos da Cláusula Social nos países desenvolvidos e em vias de desenvolvimento Exemplos da União Européia UE e do North American Free Trade Agreement NAFTA...

12 4. CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS... Anexo 01...

13 1. INTRODUÇÃO 1.1 O problema e sua Importância O comércio internacional tem o poder de criar oportunidades e recursos para sobrevivência e tem o poder de destruí-los. A produção para exportação pode gerar receita, emprego e a troca estrangeira que países pobres necessitam para seu desenvolvimento. O impacto do comércio sobre as relações humanas, no âmbito nacional e internacional, depende de como as mercadorias são produzidas, quem controla a produção e a comercialização, como a riqueza é gerada e distribuída, e dos termos nos quais os países comercializam. 1 Segundo Gilpin 2 comércio internacional é o mais antigo e o mais importante vínculo econômico entre as nações. O sistema de trocas entre países é usualmente visto como fator de crescimento e é fundamental para que uma nação atinja status internacional e melhor posição entre as economias globais. Com a ânsia de melhorar o desempenho na área econômica, muitos países exploram os fatores de produção (terra, mão-de-obra, capital e capacidade de gerenciamento) para atingir maior nível de produtividade e, conseqüentemente, vantagens com relação aos demais do sistema econômico internacional. Uma das relações que emergem dessa corrida capitalista é entre os direitos humanos e o comércio internacional. O vínculo entre essas matérias reside na ligação cada vez mais perceptível entre as vantagens comparativas em matéria comercial e as discrepâncias de regimes trabalhistas entre os países 3. A cláusula social que é, em linhas gerais, a relação entre os padrões trabalhistas e o comércio internacional é um dos mais polêmicos que está sendo discutido no âmbito da Organização Mundial do Comércio, devido a suas causas e conseqüências e principais argumentos dos que advogam contra ou a favor da implementação dela. 1 OLIVEIRA, Silvia Menicucci de. Barreiras não Tarifárias no Comércio Internacional e Direito ao Desenvolvimento. Rio de Janeiro: Renovar, GILPIN Roberto apud AMARAL JÚNIOR, Roberto do. Cláusula Social e Comércio Internacional. Política Externa, v.7, n. 3, Dez., p , AMARAL JÚNIOR, Roberto do. Cláusula Social e Comércio Internacional. Política Externa, v. 7, n. 3, Dez., 1998.

14 Os direitos humanos têm sido objeto de relevantes discussões nas rodadas comerciais. Desde o sistema GATT até a OMC o tema é discutido nas negociações internacionais de comércio. Essa relação parece inconsistente, mas segundo Jubilut (2002) 4 o comércio internacional precisa buscar valores diferentes dos comerciais tradicionais para justificar eticamente as suas regras e os direitos humanos compõem o núcleo destes valores pois são universais e visam garantir a própria sobrevivência da humanidade. A partir do final da 2ª Guerra Mundial, o homem passou a ser cada vez mais enfocado pelos teóricos como um ator no sistema internacional. O advento do nazismo produziu a mudança na percepção da questão dos direitos humanos. O mundo havia visto os horrores da guerra e por esse motivo passou a dar maior importância para o homem, transformando-o num sujeito de Direito, relativizando a preponderância da figura do Estado nas relações internacionais. 5 Em 1948, ao final da Segunda Guerra, foi elaborada pela Assembléia Geral das Nações Unidas a Declaração Universal dos Direitos do Homem. O objetivo da declaração era servir como um ideal comum a ser atingido por todos os povos e todas as nações a fim de que todos os indivíduos se esforçassem para desenvolver o respeito aos direitos e liberdades 6. A Declaração tornou-se, então, uma espécie de manual para respeitar os direitos fundamentais do homem, e especificamente aos relacionados com este estudo que estão contemplados no artigo XXIII que são os referentes ao direito do trabalhador (anexo 1). 7 Por isso a relação entre os direitos humanos (com ênfase na causa trabalhista) e comércio internacional está cada vez mais inseparável, e se tornaram matérias interdependentes. Essa relação desperta atenção de diversos atores do sistema internacional, principalmente porque se discute no fórum multilateral mais importante do comércio internacional a OMC e porque reflete os efeitos negativos da globalização. Jubilut (2002) 8 afirma que o advento da globalização levou a uma 4 JUBILUT, Liliana Lyra. Os Direitos Humanos como Paradigma do Comércio no Direito Internacional. In: AMARAL JÚNIOR, Alberto Amaral. Direito do comércio internacional. São Paulo: Juarez de Oliveira, GONÇALVES, Williams. Relações internacionais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, DHNET. Declaração Universal dos Direitos Humanos [1966]. Disponível em: Acesso em: 2 de abril de DHNET. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Disponível em: Acesso em: 06 de março de JUBILUT, Liliana Lyra. Os Direitos Humanos como Paradigma do Comércio no Direito Internacional. In: AMARAL JÚNIOR, Alberto Amaral. Direito do comércio internacional. São Paulo: Juarez de Oliveira, 2002.

15 interpenetração das esferas nacional e internacional e acentua a necessidade de mesclar vários níveis de conhecimento para entender esse fenômeno. Nesse sentido, as Relações Internacionais e o Direito têm seguido a mesma lógica na análise de temas que antes pareciam diametralmente opostos, como é o caso dos direitos humanos e do comércio internacional. De modo geral se evidencia na relação entre os direitos humanos e comércio internacional certa incompatibilidade, objeto de estudo desta Monografia, principalmente devido ao fato de que as Relações Internacionais não compreendem somente Estados, mas também a maneira como este interage com o cidadão. Dommen (SURJOURNAL, 2007) 9 sinaliza que as normas comerciais, inclusive as elaboradas e aplicadas por meio da OMC constituam um apoio e não uma ameaça aos direitos humanos, o que pode ser feito através da inclusão de tais direitos nos textos da organização. É importante submeter à crítica o real interesse dos países desenvolvidos na imposição de uma cláusula social nos contratos internacionais de comércio e as possíveis perdas e ganhos que teriam os agentes de comércio internacional dos países em desenvolvimento estes potencialmente os que seriam mais atingidos pela cláusula. O objetivo deste estudo é analisar pontos de divergência e convergência existentes entre direitos humanos e comércio internacional, à luz da possibilidade de implementação de uma cláusula social nos contratos internacionais de comércio. 1.2 Hipótese A cláusula social tem sido alvo de diversas discussões no âmbito da Organização Mundial do Comércio. Uma vez incorporada aos contratos internacionais de comércio beneficiará apenas os países desenvolvidos, funcionando como medida protecionista e prejudicando o comércio internacional dos países em desenvolvimento. 1.3 Objetivos Objetivo geral 9 DOMMEN apud SURJOURNAL. Comércio e Direitos Humanos: Rumo à coerência. Disponível em: Acesso em: 06 de março de 2007.

16 Analisar a viabilidade da implementação da cláusula social na Organização Mundial do Comércio e a relação das compatibilidades e incompatibilidades entre Direitos Humanos e Comércio Internacional Objetivos específicos - Analisar a relação dos Direitos Humanos, em matéria trabalhista, no âmbito do comércio internacional; - Apresentar as motivações dos países desenvolvidos na implementação da cláusula social e o posicionamento dos países em desenvolvimento quanto à mesma temática; - Demonstrar os possíveis efeitos da cláusula social nos países desenvolvidos e subdesenvolvidos. 1.4 Metodologia A pesquisa é de natureza descritiva e analítica, pois utiliza referencial teórico e histórico para analisar do universo estudado. O desenvolvimento deste estudo deu-se, a priori, por meio de pesquisas e fichamentos de fontes secundárias como livros, artigos científicos, monografias, teses, dissertações, legislação além de jornais e revistas. Foram analisadas também fontes primárias como a Declaração Universal dos Direitos do Homem (1948), o Acordo Constitutivo da Organização Mundial do Comércio e do General Agreement on tariffs and trade GATT. Foram pesquisados sítios da internet que apresentem textos relacionados ao tema, assim como sítios oficiais da Organização Mundial do Comércio - OMC e da Organização Internacional do Trabalho - OIT. Foram estudados alguns relatórios das reuniões da OMC como meio de busca de dados e informações, além de textos de autores que já escreveram sobre o assunto. Para a realização deste estudo, foram realizadas visitas às bibliotecas do Senado Federal, e, também da Universidade Católica de Brasília para coleta de dados e fontes secundárias.

17 2. MARCO TEÓRICO 2.1 Teoria liberal O liberalismo nas relações internacionais tem sua origem no pensamento iluminista do século XVIII. Tem como principais fontes as obras de Adam Smith - A riqueza das Nações (1776); John Locke Segundo tratado sobre o governo civil (1690) e de Imannuel Kant A paz perpétua (1795/96). O liberalismo é um conjunto de idéias sobre economia, política e sociedade que tem como elemento central o indivíduo. Faz parte das concepções liberalistas a difusão do princípio de tutela internacional dos direitos do homem. 10 Segundo Gonçalves (2002) a realidade liberal passou a ter maior relevância na década 1920, após a apresentação dos quatorze pontos de Woodrow Wilson, que propunham democracia, livre-comércio, desarmamento, respeito à autodeterminação dos povos e ao direito internacional, caracterizando os ideais liberalistas. Bobbio (1992) 11, em A era dos direitos, afirma que o reconhecimento e a proteção dos direitos do homem estão na base das constituições democráticas e declara também que a preocupação sobre os direitos do homem deriva de uma radical inversão de perspectiva, ocorrida ainda no Estado moderno, caracterizado pela relação homem - Estado. Segundo o autor, os direitos do homem são direitos naturais e históricos. Afirma também que esses direitos nascem do início da Idade Moderna, juntamente com a concepção individualista da sociedade e que se tornarão um dos principais indicadores de progresso histórico. Para Bobbio (1992) 12, a Declaração Universal dos Direitos do Homem favoreceu a emergência do indivíduo em um espaço antes reservado exclusivamente aos Estados soberanos. O sistema econômico é também extremamente importante para os liberalistas e é requisito para atingir status hegemônico, por isso se sustenta o desenvolvimento e o crescimento pela via do comércio internacional. Para isso, Vieira (2005) 13 atesta que os Estados nacionais devem abrir-se aos princípios determinados pelas 10 GONÇALVES, Williams. Relações Internacionais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. Ed BOBBIO, Norberto. A Era dos Direitos. Rio de Janeiro: Campus, IDem 13 VIEIRA, Maria Margareth Garcia. A globalização e as Relações de trabalho. 2ª ed. Curitiba: Juruá, 2005.

18 organizações internacionais: o livre-comércio, a iniciativa privada e a liberdade econômica. A autora afirma que não é mais possível a aceitação do Estado protecionista que atende todas as necessidades sociais. Enfim, o welfare state corresponde a um passado atrasado e atualmente o Estado é regrado apenas pela economia internacional. Não obstante, o liberalismo apresenta um sistema internacional mais humanizado, haja vista a diversidade da agenda dessa corrente teórica, que propõe temas como direitos humanos. Contudo, Amaral Júnior (1998) alerta para que a humanização do sistema internacional não se traduza em novas barreiras a importações de bens produzidos por países com padrões trabalhistas menos desenvolvidos. Levando em consideração que a economia possui um papel importante na teoria liberalista, pode-se concluir que essa corrente teórica é adequada a este estudo pelo fato de que a cláusula social, como medida protecionista, seria um entrave à economia internacional e, assim, iria de encontro aos princípios liberalistas de livre-comércio, autodeterminação e liberdade econômica. 2.2 Teoria das Vantagens Comparativas Antes de David Ricardo conceber a teoria das vantagens comparativas, o sistema econômico internacional havia sido explicado pelas regras da teoria das vantagens absolutas de Adam Smith. Entre os séculos XV e XVIII, a prática de comércio adotada era o mercantilismo, que enunciava que a riqueza de uma nação se baseava na quantidade de metais que ela possuía. Os governos na época acreditavam que deveriam estimular ao máximo as exportações e dificultar as importações para que os metais preciosos ficassem no poder do Estado 14. Em 1776, Adam Smith publicou a obra A riqueza das nações: Investigação sobre sua natureza e suas causas, em que demonstra que a falha do mercantilismo estava em não perceber que a troca entre as nações poderia beneficiar as duas partes sem que isso incorresse em prejuízo para outra. A teoria de Smith deixava claro que a riqueza de uma nação era mais adequadamente medida em termos de 14 CARVALHO, Maria Auxiliadora de. Economia Internacional. 2ª. ed. São Paulo: Saraiva, 2002.

19 produção e consumo de sua população e não na quantidade de metais preciosos em seu poder. 15 Quando, em 1817 David Ricardo publicou Princípios de Economia Política e Tributação e apresentou a teoria das vantagens comparativas foi considerada uma das mais importantes abordagens do comércio internacional. A teoria de Smith se tornara obsoleta por não conseguir abarcar a realidade econômica. A teoria das vantagens comparativas pressupõe que cada país deve se especializar na produção daquela mercadoria em que é relativamente mais eficiente, exportando essa mercadoria. Por outro lado, esse mesmo país deve importar aqueles bens cuja produção implicar num custo relativamente maior. 16 Esse modelo é baseado na hipótese de que os países devem se especializar na exportação de produtos nos quais eles possuam vantagens comparativas. Para Ricardo, os capitalistas desempenham papel fundamental no desenvolvimento. O liberalismo econômico ricardiano se justifica pela teoria das vantagens comparativas e que todos os países envolvidos no comércio mundial obterão lucro, se seguirem o modelo ricardiano 17. Uma das bases deste estudo está nessa teoria que acolhe a idéia de que os países em desenvolvimento possuem vantagens comparativas importantes que não devem ser confundidas com procedimentos ilegais no comércio internacional. 2.3 Desenvolvimento Econômico A teoria do desenvolvimento surgiu nos anos seguintes a Segunda Guerra Mundial. 18 Na verdade, não há uma teoria única sobre desenvolvimento. O que há é um conjunto de diferentes teorias que encontram elementos comuns, e por isso, muitas vezes compõe um paradigma das Relações Internacionais. Economistas de inspiração clássica como Meade (1907) e Solow (1924) consideram crescimento como sinônimo de desenvolvimento. Economistas de inspiração keynesiana como Harrod (1900), Domar (1914) e Kaldor (1908) entendem 15 Idem. 16 BAUMANN, Renato; CANUTO, Otaviano e GONÇALVES, Reinaldo. Economia Internacional: Teoria e experiência brasileira. Rio de Janeiro: Elsevier, SOUZA, Nali de Jesus. Desenvolvimento Econômico. São Paulo: Atlas, OLIVEIRA, Silvia Menicucci de. Barreiras não tarifárias no Comércio Internacional e Direito ao Desenvolvimento. Rio de Janeiro: Renovar, 2005.

20 que o crescimento é indispensável para o desenvolvimento, mas não consideram as duas coisas sinônimas. 19 Autores como Rostow (1956), Rosenstein-Rodan (1943) e Nurske (1953) se preocuparam em discutir se os recursos (fatores de produção) deveriam ser concentrados em alguns setores ou se deveriam ser pulverizados em diversos setores. 20 Na América Latina, após a Segunda Guerra Mundial, com a ascensão dos Estados Unidos e da União Soviética como superpotências, alguns intelectuais começaram a se preocupar com o fato de haver no mundo países desenvolvidos e outros não desenvolvidos. Por isso, autores como Furtado (1964), Prebisch (1950) e Singer (1950) se preocuparam em enfatizar as limitações da disponibilidade de recursos para financiar o processo de desenvolvimento, com particular ênfase na capacidade de geração de divisas 21. Os países periféricos, entre eles os latino-americanos, não dominaram o mercado interno e internacional e não foram capazes de render dividendos para a superação da pobreza; os economistas supracitados efetuaram diversos estudos para entender a dependência dessas nações sobre as grandes economias. Souza (1999) apresenta uma maneira de simplificar o conceito de desenvolvimento que é pela existência da relação entre o crescimento econômico(g) e o ritmo demográfico (g*) numa proporção de (g>g*). O crescimento econômico precisa superar o demográfico para expandir o nível de emprego e arrecadação pública. Essa definição simples do desenvolvimento ajuda a entender uma das razões pelas quais as nações periféricas não conseguiram atingir a quantidade suficiente de divisar para diminuir a pobreza. Os países mais atingidos pela cláusula social seriam os países em desenvolvimento que ainda não atingiram maturidade econômica para dissipar a pobreza. A economia subdesenvolvida, outro estudo dos economistas, caracterizase pela instabilidade e pela dependência econômica, tecnológica e financeira em relação aos países desenvolvidos. Os debates acerca do desenvolvimento econômico, acirrados durante a década de 1950 e nos anos subseqüentes, indicam que essa questão liga-se à 19 SOUZA, Nali de Jesus. Desenvolvimento Econômico. São Paulo: Atlas, Idem 21 OLIVEIRA, Silvia Menicucci de. Barreiras não tarifárias no Comércio Internacional e Direito ao Desenvolvimento. Rio de Janeiro: Renovar, 2005.

21 própria evolução cultural das nações, aos anseios de progresso e de melhoria das condições de vida de cada população. 22 Consoante os economistas keynesianos, nesse estudo, se defende a concepção de que o desenvolvimento é mais facilmente atingido por meio do crescimento econômico. Partindo do pressuposto de que o desenvolvimento advém do crescimento econômico, as teorias sobre o desenvolvimento se tornam importantes na elaboração esse estudo Direitos Humanos As primeiras discussões acerca dos Direitos Humanos datam do período medieval da história européia. Na era moderna, ganharam amplitude e profundidade com as obras filosóficas de Hugo Grotius e John Locke 23. No âmbito das Relações Internacionais é relativamente recente. Até a Segunda Guerra Mundial eram considerados de ação exclusiva do Estado, ou seja, cabia somente a ele a proteção dos direitos humanos, pois não havia nenhuma organização ou documento que os tornasse internacionais. A inclusão dos direitos humanos na Organização das Nações Unidas (ONU) mostrou que sua defesa era de grande relevância. Para Pierre Dupuy, a Carta de São Francisco fez dos direitos humanos um dos axiomas da nova organização, conferindo-lhes idealmente uma estatura constitucional no ordenamento do direito das gentes 24. Uma fonte do estudo dos direitos humanos é a Declaração Universal dos Direitos do Homem de 1948 que apresenta normas substantivas, isto é, ela não institui qualquer órgão internacional para garantir a eficácia de seus princípios, nem abre ao ser humano vias concretas de ação 25. Os Direitos Humanos colocam-se como uma das previsões absolutamente necessárias a todas as Constituições, no sentido de consagrar o respeito à 22 SOUZA, Nali de Jesus. Desenvolvimento Econômico. São Paulo: Atlas, GONÇALVES, Williams. Relações Internacionais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. Ed Idem. 25 REZEK, José Francisco. Direito internacional público: curso elementar. São Paulo: Saraiva, 1995.

22 dignidade humana, garantir a limitação de poder e visar o pleno desenvolvimento da personalidade humana. 26 Para este estudo é importante ressaltar os direitos ao trabalho, à igualdade salarial e a organização sindical que estão estabelecidos no artigo XXIII da Declaração e considerados direitos de segunda geração Cláusula Social A discussão sobre a incorporação de padrões trabalhistas no sistema multilateral de comércio remonta à Conferência de Havana em meados da década de 40, quando se discutia sobre a criação de um órgão responsável pelo comércio internacional, que seria a Organização Internacional do Comércio OIC. A cláusula social seria a imposição de normas em tratados internacionais de comércio que objetivam assegurar a proteção ao trabalhador, estabelecendo padrões mínimos a serem observados pelas normas que regulam o contrato de trabalho nos processos de produção de bens destinados a exportação. 28 A idéia da cláusula social vem do conceito de dumping social, que seria segundo Pires, citado por Di Sena Júnior (2003) a venda incentivada pelo baixo nível salarial vigente, bem como pela escassa assistência social colocada à disposição do trabalhador no país de exportação. 29 Derivando dos problemas da globalização está a cláusula social, que é diretamente relacionada ao fator trabalho e as relações que este tem com o comércio internacional, através da vinculação entre comércio e normas trabalhistas. 30 Amaral Júnior (1998) 31 confirma que o reflexo das disparidades de regimes trabalhistas no comércio internacional passou a merecer atenção em virtude do entrelaçamento do mercado facilitado pelo fenômeno da globalização econômica. 26 MORAES, Alexandre de. Direitos humanos fundamentais: teoria geral, comentários aos arts. 1º a 5º da Constituição da República Federativa do Brasil, doutrina e jurisprudência. 7 ed. São Paulo:Atlhas, REZEK, José Francisco. Direito internacional público: curso elementar. São Paulo: Saraiva, ROCHA, Dalton Caldeira apud BARRAL Welber. Clausula Social : o Brasil e a OMC. (org.) 2ª ed.curitiba Juruá, DI SENA JUNIOR, Roberto. Comércio Internacional e Globalização: A cláusula social na OMC. Curitiba: Juruá, VIEIRA, Maria Margareth Garcia. A globalização e as Relações de Trabalho. 2ª ed. Curitiba: Juruá, AMARAL JÚNIOR, Roberto do. Cláusula social e Comércio Internacional. Política Externa. v. 7, n. 3, Dez., 1998, p

23 As altas taxas de desemprego no mundo desenvolvido e o desconforto moral provocado pela obtenção de vantagens comparativas graças a condições de trabalho indignas são combustíveis para a discussão da adoção da cláusula social. Para Vieira (2005) há dois aspectos importantes a serem lembrados na discussão da cláusula social. O primeiro diz respeito a não-intervenção dos países desenvolvidos nas políticas nacionais dos países em desenvolvimento e o segundo diz respeito à necessidade da imposição da cláusula social na OMC para encobrir o interesse das grandes economias. Por fim, a cláusula social é um tema que tem conseqüências políticas, econômicas e sociais e por estes motivos é de grande relevante para o sistema multilateral do comércio. Por meio da cláusula social inserir-se-ia em tratados comerciais a imposição de padrões trabalhistas, assegurando uma existência minimamente digna ao trabalhador. Em contrapartida, causaria efeitos negativos, visto que a medida pode ser considerada uma barreira não-tarifária ao livre-comércio, como será apresentado no decorrer deste estudo.

24 3. RESULTADOS E DISCUSSÕES 3.1 Direitos Humanos, em matéria trabalhista, no âmbito do Comércio Internacional Histórico da inserção dos direitos trabalhistas no Comércio Internacional- da OIC à OMC A discussão sobre direitos trabalhistas no comércio internacional ampliou-se do plano interno dos Estados para o plano internacional em 1947,como se verá em seguida. Contudo, já em 1919, na Conferência de Versalhes debateu-se entre os países, ainda que de forma incipiente a inserção de cláusulas específicas sobre direitos humanos e trabalhistas no sistema internacional. O cenário internacional era o pós-primeira Guerra Mundial e os países estavam reunidos na França para estabelecer uma nova ordem mundial, na qual prevaleceria a independência política e econômica das nações, e dar-se-iam às classes trabalhadoras garantias de ordem moral e material, relativas ao direito de associação, horas de trabalho e proteção, a fim de resguardá-las contra ataques oriundos da competição internacional capitalista. 32 Os princípios declarados em Versalhes relativos aos direitos trabalhistas demonstravam haver vontade política entre os Estados, mas como não se encontravam sanções descritas no texto, não se geravam obrigações entre os países. O período entre-guerras ( ) apresentou uma série de mudanças nas relações internacionais. As guerras motivaram a tomada de medidas protecionistas os países por diversos países que com o final dos conflitos, sentiram a necessidade da criação de uma organização com princípios multilaterais e de livre-comércio que dinamizasse, ditasse e controlasse o comércio internacional. Em Bretton Woods, no ano de 1944, delegados de várias nações resolveram que para reconstruir o capitalismo era necessário criar um ambiente econômico baseado na cooperação. Dessa reunião, nasceu a idéia de criar o Fundo Monetário Internacional, o Banco Mundial e a Organização Internacional do Comércio. 32 SÜSSEKIND, Arnaldo. Direito Internacional do trabalho. 2ª ed. São Paulo. Ltr, 1987.

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Análise Integração Regional / Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 15 de outubro de 2003 Organização Mundial do Comércio: Possibilidades

Leia mais

OMC: suas funções e seus acordos de comércio

OMC: suas funções e seus acordos de comércio OMC: suas funções e seus acordos de comércio Prof.Nelson Guerra Surgiu para combater o protecionismo criado pelos países no período entreguerras. O GATT (Acordo Geral de Tarifas e Comércio) surgiu em 1947

Leia mais

OMC: estrutura institucional

OMC: estrutura institucional OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 Enquanto o GATT foi apenas

Leia mais

DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO

DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Considerando que a criação da OIT procede da convicção de que a justiça social é essencial para garantir uma paz universal e permanente;

Leia mais

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Nós, representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores que participaram da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, reunidos

Leia mais

ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO

ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO ACORDO SOBRE MEDIDAS DE INVESTIMENTO RELACIONADAS AO COMÉRCIO Os Membros, Considerando que os Ministros acordaram em Punta del Este que "em seguida a um exame da operação dos Artigos do GATT relacionados

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio

Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio Especial Perfil Wesley Robert Pereira 08 de setembro de 2005 Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral

Leia mais

TRABALHO DECENTE NA CONSTRUÇÃO CIVIL VANTAGENS, REQUISITOS E RESPONSABILIDADES. VI Seminário de Obras Públicas. SINDUSCON-ES e SINDICOPES

TRABALHO DECENTE NA CONSTRUÇÃO CIVIL VANTAGENS, REQUISITOS E RESPONSABILIDADES. VI Seminário de Obras Públicas. SINDUSCON-ES e SINDICOPES TRABALHO DECENTE NA CONSTRUÇÃO CIVIL VANTAGENS, REQUISITOS E RESPONSABILIDADES VI Seminário de Obras Públicas SINDUSCON-ES e SINDICOPES Vitória, 19 de setembro de 2012 Dagoberto Lima Godoy Representante

Leia mais

AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS * NEGÓCIOS INTERNACIONAIS: Definição: Por negócios internacionais entende-se todo negócio realizado além das fronteiras de um país.

Leia mais

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992)

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e desenvolvimento, Tendo-se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 21 de junho de

Leia mais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais A Cooperação Internacional tem por objetivo conduzir o conjunto de atores que agem no cenário

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

OMC reabre a Rodada de Doha. Análise Economia & Comércio

OMC reabre a Rodada de Doha. Análise Economia & Comércio OMC reabre a Rodada de Doha Análise Economia & Comércio Celeste Cristina Machado Badaró 30 de março de 2007 OMC reabre a Rodada de Doha Análise Economia & Comércio Celeste Cristina Machado Badaró 30 de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Código: CONS AI01/2008. Nº de vagas: 01

TERMO DE REFERÊNCIA. Código: CONS AI01/2008. Nº de vagas: 01 TERMO DE REFERÊNCIA Denominação: Consultor(a) para atuação na área de desenvolvimento, aprofundamento e ampliação de ações e estudos relacionados à análise de tratados de direito econômico internacional

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global Os 10 Princípios Universais do Pacto Global O Pacto Global advoga dez Princípios universais, derivados da Declaração Universal de Direitos Humanos, da Declaração da Organização Internacional do Trabalho

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

Capitulo 5: O Comércio Internacional

Capitulo 5: O Comércio Internacional Capitulo 5: O Comércio Internacional O comércio nacional é regido por leis e diretrizes que regulamentam as negociações de bens e serviços entre duas ou mais pessoas, sejam físicas ou jurídicas. Dessa

Leia mais

Organização Mundial do Comércio I. Histórico

Organização Mundial do Comércio I. Histórico Organização Mundial do Comércio I Histórico No final da Segunda Guerra Mundial, diversos países resolveram reunir- -se, sob a influência norte-americana, para formular as diretrizes do sistema econômico-financeiro

Leia mais

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino ED/2003/CONV/H/1 Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino Adotada a 14 de dezembro de 1960, pela Conferência Geral da UNESCO, em sua 11ª sessão, reunida em Paris de 14 de novembro

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

OMC Organização Mundial do Comércio

OMC Organização Mundial do Comércio OMC Organização Mundial do Comércio CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004. SILVA, Luiz

Leia mais

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 O Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007 é um instrumento chave para a cooperação internacional em matéria de café, e participar dele

Leia mais

PRESIDÊNCIA GRUPO DE MULHERES PARLAMENTARES DAS AMÉRICAS DO FIPA

PRESIDÊNCIA GRUPO DE MULHERES PARLAMENTARES DAS AMÉRICAS DO FIPA RELATÓRIO 2009-2011 PRESIDÊNCIA GRUPO DE MULHERES PARLAMENTARES DAS AMÉRICAS DO FIPA Linda Machuca Moscoso Membro da Assembléia Nacional do Equador RESUMO EXECUTIVO DO RELATÓRIO 2009-2011 Este resumo executivo

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. N o 02/01 ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N o 38/95 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA Tarciso Dal Maso Jardim 1 A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável,

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 10 janeiro 2007 Original: inglês P

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 3.034,DE 2011 Dispõe sobre a assistência internacional prestada pelo Brasil sobre matéria de valoração aduaneira e dá outras

Leia mais

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial,

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial, 192 Assembleia Geral 39 a Sessão suas políticas internas e exteriores segundo as disposições básicas da Convenção, Tendo em mente o fato de que a Convenção está sendo implementada em diferentes condições

Leia mais

Análise de conflitos entre Direitos Humanos de primeira dimensão: A dignidade da pessoa humana e multiculturalismo

Análise de conflitos entre Direitos Humanos de primeira dimensão: A dignidade da pessoa humana e multiculturalismo 1 Análise de conflitos entre Direitos Humanos de primeira dimensão: A dignidade da pessoa humana e multiculturalismo Aluno: RAFAEL ATANAZIO Orientadora: DANIELA BUCCI UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

O MERCOSUL E A REGULAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: UMA BREVE INTRODUÇÃO

O MERCOSUL E A REGULAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: UMA BREVE INTRODUÇÃO O MERCOSUL E A REGULAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO: UMA BREVE INTRODUÇÃO Ricardo Barretto Ferreira da Silva Camila Ramos Montagna Barretto Ferreira, Kujawski, Brancher e Gonçalves Sociedade de Advogados São

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras adotada em 12 de novembro de 1997 pela Conferência Geral da UNESCO

Leia mais

Reabilitação Profissional e Emprego de Pessoas Deficientes

Reabilitação Profissional e Emprego de Pessoas Deficientes 1 CONVENÇÃO N. 159 Reabilitação Profissional e Emprego de Pessoas Deficientes I Aprovada na 69ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1983), entrou em vigor no plano internacional em

Leia mais

PROTEÇÃO DOS BENS AMBIENTAIS: PELA CRIAÇÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE (OME). Brasília, 20/04/2012 Sandra Cureau

PROTEÇÃO DOS BENS AMBIENTAIS: PELA CRIAÇÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE (OME). Brasília, 20/04/2012 Sandra Cureau XII CONGRESSO BRASILEIRO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE MEIO AMBIENTE PROTEÇÃO DOS BENS AMBIENTAIS: PELA CRIAÇÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE (OME). Brasília, 20/04/2012 Sandra Cureau FUNDAMENTOS

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial

COMÉRCIO INTERNACIONAL Políticas Comerciais. Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Políticas Comerciais, Barreiras e Medidas de Defesa Comercial Prof.Nelson Guerra Políticas Comerciais Conceito: São formas e instrumentos de intervenção governamental sobre o comércio exterior, e sempre

Leia mais

regulamentadores dos negócios internacionais

regulamentadores dos negócios internacionais 1.1 Operações e órgãos regulamentadores dos negócios internacionais DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTES: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo:

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar

Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar Introdução O International Accreditation Forum (IAF) é uma associação mundial de Organismos de Acreditação, Associações de Organismos de Certificação e outras

Leia mais

RODADA DE NEGOCIAÇÕES COMERCIAIS MULTILATERAIS: RODADA DO URUGUAI

RODADA DE NEGOCIAÇÕES COMERCIAIS MULTILATERAIS: RODADA DO URUGUAI RODADA DE NEGOCIAÇÕES COMERCIAIS MULTILATERAIS: RODADA DO URUGUAI Andréia Nádia Lima de Sousa 1 RESUMO: O trabalho tem por objeto estudar a origem da Organização Mundial do Comércio dentro do cenário econômico

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA 16 a 20 de junho de 2014 CE154.R17 Original: inglês RESOLUÇÃO CE154.R17 ESTRATÉGIA PARA COBERTURA UNIVERSAL DE SAÚDE A 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO,

Leia mais

O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados pela imprensa escrita.

O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados pela imprensa escrita. Câmara dos Deputados Centro de Formação e Treinamento CEFOR Programa de Pós-Graduação Nara Lucia de Lima O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara

Leia mais

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD INTRODUÇÃO O REDD (Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação) é o mecanismo que possibilitará países detentores de florestas tropicais poderem

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

REACH. Andamento das discussões sobre o REACH na OMC. Rodrigo Carvalho Secretaria de Tecnologia Industrial

REACH. Andamento das discussões sobre o REACH na OMC. Rodrigo Carvalho Secretaria de Tecnologia Industrial REACH Andamento das discussões sobre o REACH na OMC Rodrigo Carvalho Secretaria de Tecnologia Industrial Brasília, 07 de Abril de 2009 Andamento das Discussões sobre o REACH na OMC 1. Visão geral do Acordo

Leia mais

Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011

Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011 Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011 Breve referência aos acordos da OMC OTC e SPS Sumário GATT Origem dos acordos OTC e SPS OMC funções e acordos Propósitos

Leia mais

"A POLEMICA SOBRE "OS CRITÉRIOS TÉCNICOS" NA RESTRIÇÃO DE SEGUROS"

A POLEMICA SOBRE OS CRITÉRIOS TÉCNICOS NA RESTRIÇÃO DE SEGUROS "A POLEMICA SOBRE "OS CRITÉRIOS TÉCNICOS" NA RESTRIÇÃO DE SEGUROS" Contribuição de Dr Rodrigo Vieira 08 de julho de 2008 Advocacia Bueno e Costanze "A POLEMICA SOBRE "OS CRITÉRIOS TÉCNICOS" NA RESTRIÇÃO

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

DIPLOMACIA Introdução

DIPLOMACIA Introdução DIPLOMACIA Introdução Ao longo dos tempos, o pensamento político e o pensamento jurídico sempre foram o reflexo das relações entre os homens, os povos, os Estados e as Nações. Foram se operando constantemente

Leia mais

O que são normas internacionais?

O que são normas internacionais? APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos pelas mudanças climáticas Maria Teresa de Jesus Gouveia Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Leia mais

A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ

A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ FOLHETO Marko Kokic/CICV DISPONIBILIDADE DE ARMAS: O CUSTO HUMANO Todos os anos, devido à disponibilidade generalizada

Leia mais

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido ICC 114 8 10 março 2015 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido Memorando de Entendimento entre a Organização Internacional do Café, a Associação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 3 DE OUTUBRO DE 1975 ABERTURA DO

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Tendo em vista a resolução sobre a eliminação do trabalho infantil adotada pela Conferência Internacinal do Trabalho, em sua 83 a Reunião, em 1996;

Tendo em vista a resolução sobre a eliminação do trabalho infantil adotada pela Conferência Internacinal do Trabalho, em sua 83 a Reunião, em 1996; CONVENÇÃO Nª 182 CONVENÇÃO SOBRE PROIBIÇÃO DAS PIORES FORMAS DE TRABALHO INFANTIL E AÇÃO IMEDIATA PARA SUA ELIMINAÇÃO Aprovadas em 17/06/1999. No Brasil, promulgada pelo Decreto 3597de 12/09/2000. A Conferência

Leia mais

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Preâmbulo O Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs (FIP) foi criado em outubro de 2008, em Paris, pelo conjunto de 82 plataformas

Leia mais

Painel: LIMITES DA AUTONOMIA E DO CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Painel: LIMITES DA AUTONOMIA E DO CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Gestão Encontro do 1º Ciclo de Debates Direito e Gestão Pública Núcleo Regional de São Paulo São Paulo-SP 23.10.09 Painel: LIMITES DA AUTONOMIA

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

&RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV

&RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV &RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV 3RU 'HQLV &RUWL] GD 6LOYD $QGHUVRQ 1RYDHV 9LHLUD 5RGROIR )DUDK 9DOHQWH )LOKR 'DQLHO5XGUD)HUQDQGHV,QWURGXomR A criação da OMC (Organização Mundial do Comércio) foi um grandioso

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 15 Discurso em almoço oferecido ao

Leia mais

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL 3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL Os fundamentos propostos para a nova organização social, a desconcentração e a cooperação, devem inspirar mecanismos e instrumentos que conduzam

Leia mais

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO DO DIRETOR PRESIDENTE Brasília-DF, 29 de outubro de 2015 Para as partes

Leia mais

Contaminação do Ar, Ruído e Vibrações

Contaminação do Ar, Ruído e Vibrações 1 CONVENÇÃO N. 148 Contaminação do Ar, Ruído e Vibrações I Aprovada na 63ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1977), entrou em vigor no plano internacional em 11.7.79. II Dados referentes

Leia mais

Policy Brief. Os BRICS e a Segurança Internacional

Policy Brief. Os BRICS e a Segurança Internacional Policy Brief Outubro de 2011 Núcleo de Política Internacional e Agenda Multilateral BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS Policy Brief Outubro de 2011 Núcleo de Política Internacional

Leia mais

Convenção n.º 87 CONVENÇÃO SOBRE A LIBERDADE SINDICAL E A PROTECÇÃO DO DIREITO SINDICAL

Convenção n.º 87 CONVENÇÃO SOBRE A LIBERDADE SINDICAL E A PROTECÇÃO DO DIREITO SINDICAL Convenção n.º 87 CONVENÇÃO SOBRE A LIBERDADE SINDICAL E A PROTECÇÃO DO DIREITO SINDICAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, convocada em S. Francisco pelo conselho de administração

Leia mais

Os sistemas global e americano de proteção dos direitos humanos parte I. A Declaração Universal dos Direitos Humanos

Os sistemas global e americano de proteção dos direitos humanos parte I. A Declaração Universal dos Direitos Humanos Os sistemas global e americano de proteção dos direitos humanos parte I Camila Bressanelli* A Declaração Universal dos Direitos Humanos Antes mesmo da análise dos sistemas global e americano de proteção

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007 Dispõe sobre medidas de suspensão e diluição temporárias ou extinção de da proteção de direitos de propriedade

Leia mais

Decreto nº 77.374, de 01.04.76

Decreto nº 77.374, de 01.04.76 Decreto nº 77.374, de 01.04.76 Promulga a Convenção sobre a Proibição do Desenvolvimento, Produção e Estocagem de Armas Bacteriológicas (Biológicas) e à Base de toxinas e sua Destruição. O PRESIDENTE DA

Leia mais

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai, a República Oriental do Uruguai, a República Bolivariana

Leia mais

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central A autonomia do Banco Central Amanutenção da política de elevadas taxas de juros reais conduzida pelo Copom - Comitê de Política Monetária - reacendeu

Leia mais

Oportunidades e Riscos

Oportunidades e Riscos 2.4b INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004. 1 MOTIVOS (ou VANTAGENS)

Leia mais

Nações Unidas A/RES/64/236. 31 de março de 2010

Nações Unidas A/RES/64/236. 31 de março de 2010 Nações Unidas A/RES/64/236 Assembleia Geral Sexagésima quarta sessão Agenda item 53 (a) Resolução adotada pela Assembleia Geral [sobre o relatório do Segundo Comitê (A/64/420/Add.1)] Distr.: Geral 31 de

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

Sumário executivo. From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento

Sumário executivo. From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento Access the complete publication at: http://dx.doi.org/10.1787/9789264175877-pt Sumário executivo

Leia mais

1. O Comitê de Promoção, presidido pelo Dr. Ernesto Illy, reuniu-se pela nova vez sob a égide do Convênio de 2001 em 25 de maio de 2006.

1. O Comitê de Promoção, presidido pelo Dr. Ernesto Illy, reuniu-se pela nova vez sob a égide do Convênio de 2001 em 25 de maio de 2006. PC 37/06 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café 5 junho 2006 Original: inglês P Decisões e Resoluções

Leia mais

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Carlos Henrique R. Tomé Silva 1 Durante dez dias, entre 13 e 22 de julho de

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya Documento em construção Declaração de Aichi-Nagoya Declaração da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Nós, os participantes da Conferência Mundial da UNESCO para a Educação para o Desenvolvimento

Leia mais

O SR. VANDER LOUBET (PT-MS) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e. Senhores Deputados, a Conferência Internacional da OIT,

O SR. VANDER LOUBET (PT-MS) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e. Senhores Deputados, a Conferência Internacional da OIT, O SR. VANDER LOUBET (PT-MS) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, a Conferência Internacional da OIT, realizada em junho de 2004, aprovou a Recomendação nº. 195,

Leia mais

educação ambiental: estamos caminhando... EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTAMOS CAMINHANDO...

educação ambiental: estamos caminhando... EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTAMOS CAMINHANDO... EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTAMOS CAMINHANDO... RAQUEL DA SILVA PEREIRA raquelspereira@uol.com.br universidade municipal de são caetano do sul O livro escrito pelos professores e pesquisadores José Carlos Barbieri

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

Acordo sobre o Aquífero Guarani

Acordo sobre o Aquífero Guarani Acordo sobre o Aquífero Guarani A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai e a República Oriental do Uruguai, Animados pelo espírito de cooperação e de integração

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SEÇÃO IV. MEIOS DE IMPLEMENTAÇÃO CAPÍTULO 33

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SEÇÃO IV. MEIOS DE IMPLEMENTAÇÃO CAPÍTULO 33 CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SEÇÃO IV. MEIOS DE IMPLEMENTAÇÃO CAPÍTULO 33 RECURSOS E MECANISMOS DE FINANCIAMENTO INTRODUÇÃO 33.1. A Assembléia Geral, em sua resolução

Leia mais

Código de Conduta da Dachser

Código de Conduta da Dachser Código de Conduta da Dachser 1. Introdução A fundação de todas as atividades na Dachser é a nossa adesão a regulamentos juridicamente vinculativos em nível nacional e internacional, assim como a quaisquer

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO (Tradução não oficial 1 ) Recomendação 202 RECOMENDAÇÃO RELATIVA AOS PISOS NACIONAIS DE PROTEÇÃO SOCIAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Leia mais