O MATERIAL DIDÁTICO NO ENSINO DE LÍNGUAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O MATERIAL DIDÁTICO NO ENSINO DE LÍNGUAS"

Transcrição

1 O MATERIAL DIDÁTICO NO ENSINO DE LÍNGUAS Marcos Gustavo Richter 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Boas práticas docentes no ensino de línguas exigem que se pense em diversas variáveis didáticas ao planejar, implementar e aperfeiçoar cursos. Professores em geral já estão familiarizados com este conjunto de decisões que se impõem em todo trabalho de educação lingüística a ser levado a sério: análise de necessidades, objetivos, seleção e organização de conteúdo, elaboração, escolha e/ou modificação de materiais didáticos, critérios de avaliação. Há quem acrescente a variável recursos e limitações, embora seja argumentável que ela compareça dispersa e diluída nas demais já mencionadas. Neste artigo, daremos destaque a uma delas: a elaboração, adoção e modificação de materiais didáticos, tomando por base os trabalhos de Cunningsworth (1995) e Ellis (1997). Os princípios em que se baseiam as considerações a seguir referemse fundamentalmente ao ensino de segunda língua (ou seja, L2 em situação de imersão), porém estamos convencidos de que, no estado atual da questão, há suficientes aproximações entre as premissas pedagógicas de segunda língua e as de língua materna para que o professor de L1 proceda com razoável segurança às adaptações que se fizerem necessárias a seu contexto (Richter, 2000). Antes, porém, vale lembrar que a adoção e/ou uso de material didático reflete, explícita ou implicitamente, um conjunto de saberes, crenças e pressupostos sobre ensino-aprendizagem de línguas bem como eventuais dúvidas. Uma das mais típicas, e que merece ser dirimida, é: Devo ou não ensinar gramática? Ellis (1997) aborda esta questão, sem dá-la por resolvida, propondo uma série de recomendações. Ele esclarece que os preceitos sugeridos, ainda que resultantes de investigações sérias sobre aquisição da linguagem, em diversos casos conflituam entre si e por vezes são pouco mais que especulativos. Sendo assim, não constituem regras que pretendam engessar a educação lingüística, e sim um conjunto de princípios para o professor interpretar o que observa no seu ambiente de trabalho e, com base nessas interpretações, tomar decisões as mais adequadas possíveis. Os resultados auferidos da prática constante da pesquisa-ação colaborativa, metodicamente conduzida, ainda são para Ellis a fonte mais confiável de conhecimentos pedagógicos à disposição do docente. As sugestões que o autor apresenta são: 1. Professores devem, salvo algumas exceções bem determinadas, ensinar gramática no sentido de focalizar seletivamente elementos formais da língua-alvo e trabalhá-los criteriosamente, associando forma e sentido(s) nas tarefas propostas. 1

2 2. O ensino da gramática dá melhores resultados quando o aluno estiver num nível de desenvolvimento compatível com os itens lingüísticos a ensinar. Este nível deve ser determinado pelo professor (ou por uma equipe docente) por meio de recursos de investigação em sala de aula (por exemplo, pesquisa-ação educacional). 3. A seleção e seqüenciamento dos elementos gramaticais a ensinar ou, pelo menos, a trabalhar de forma explícita e/ou contínua também deve ser uma decisão do profissional responsável (ou sua equipe), determinada preferenciamente por meio de recursos de investigação em sala de aula (cabe assinalar, de passagem, a importância do assim-chamado professor reflexivo, particularmente clara nesses dois pontos). 4. Dentre os elementos gramaticais a ensinar, os seguintes critérios de preferência podem ser empregados, ao menos como hipótese inicial de trabalho (a ser reajustada sempre que necessário): a) A gramática deve focalizar preferencialmente os traços gramaticais que correspondam a propriedades privativas da norma padrão, deixando em segundo plano os traços que sejam comuns a todos ou quase todos os registros e dialetos da língua-alvo. b) A instrução deve incidir preferencialmente sobre itens não-salientes, ou seja, que não sejam óbvios diante de um exame superficial da forma. c) Os traços redundantes, ou seja, aqueles que não contribuem em si mesmos para o sentido da mensagem em que ocorrem, devem ser trabalhados ativamente. d) Os traços marcados, ou seja, que correspondem a uma morfossintaxe particular, mais específica, se beneficiam de um trabalho didático mais focalizado, sem que se descuidem, claro, dos não-marcados. e) Em se tratando do ensino de regras gramaticais, convém priorizar as regras poderosas, isto é, sem ou com raras exceções. Já quando uma propriedade gramatical se expressar singularmente (como em regência verbal), pode ser oportuno deter-se nela como uma particularidade relevante. 5. É aconselhável empregar não uma técnica didática apenas, mas um leque de opções, cuja pertinência e eficácia também devem ser avaliadas por investigação em sala de aula. Vale aqui lembrar que princípios (ou paradigmas de educação lingüística) são uma coisa; métodos ou técnicas, outra, muito diferente. Podemos ilustrar com um exemplo: um psicólogo pode adotar um entre vários paradigmas (ser freudiano, junguiano, maslowiano etc.); mas tem à sua disposição, como os demais profissionais da sua área, o Teste de Rorschach, que pode empregar se ou quando quiser, a seu critério. 6. Algumas considerações ainda merecem ser feitas com relação às opções metodológicas que o professor venha a adotar no uso do material selecionado: a) O feedback do processo de ensino-aprendizagem, ou seja, dar ao aluno a noção de estar se aproximando em maior ou menor grau dos objetivos estabelecidos, decididamente melhora o aprendizado, sendo que isto vale tanto para o explícito quanto para o implícito. b) O feedback pode ir-se tornando gradativamente implícito à medida que o nível de desempenho do aluno vai aumentando. c) Elaborar atividades centradas em itens gramaticais específicos é tarefa mais difícil para fins de produção textual do que para fins de compreensão. 2

3 d) Instruções explícitas (o professor emprega metalinguagem gramatical) e implícitas (o aluno manipula reflexivamente itens gramaticais) são, ambas, proveitosas para o ensino de línguas, cada uma a seu modo. Instrução explícita é mais eficaz se a regra a ser aprendida é complexa e a informação fornecida é ilustrada com exemplos. e) Com respeito ao ensino indutivo (dos casos ou exemplos à regra ou generalização) ou dedutivo (da regra ou generalização aos casos ou exemplos), empiricamente não se provou que um desses processos cognitivos seja i- nerentemente superior ao outro. O trabalho com ambos, acompanhado de uma correta atitude investigativa para optar convenientemente, é ainda a melhor opção. f) A estratégia de insumo intensivo (expor o aluno massivamente a material contendo as estruturas focalizadas) funciona melhor quando se centraliza em estruturas relativamente simples e que não se achem já erroneamente representadas na interlíngua dos alunos. Em conseqüência, isoladamente empregada contribui para o aprendizado de estruturas novas, mas não para a erradicação de incorreções estruturais já existentes. Para obter este segundo resultado, é recomendável agregar instrução explícita. 2. A ADOÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO Geralmente se admite que a função do livro didático é estar a serviço de professores e alunos sem exercer uma função tirânica como árbitro do conteúdo do curso ou dos métodos de ensino. O relacionamento entre professor e livro é algo importante a considerar e o melhor papel deste último consiste em uma parceria que compartilhe objetivos comuns, cada lado trazendo sua contribuição especial. Livros têm múltiplos papéis em ensino de línguas e podem servir como: Recurso para apresentação de material (falado e escrito) Fonte de atividades para prática do aluno e interação comunicativa Fonte de referência para alunos em gramática, vocabulário, pronúncia, etc. Fonte de estímulo e idéias para atividades de língua em sala de aula Programa (em que esses materiais refletem os objetivos da aprendizagem que já tenham sido determinados) Recurso para uma aprendizagem direcionada ao eu ou o trabalho de acesso ao eu Apoio para professores menos experientes que tenham ainda que ganhar confiança Há muitos critérios que podem ser usados para avaliar livros. Contudo, para propósitos práticos será necessária uma lista manejável dos critérios mais importantes. Como critérios diferentes aplicam-se em diferentes circunstâncias, é melhor que o professor identifique suas próprias prioridades e prepare sua própria lista, talvez usando alguns dos critérios aqui expostos e adicionando outros pessoais. 3

4 Um livro (ou pacote ou coleção didática) para ensino de línguas será tanto melhor quanto mais satisfizer aos requisitos abaixo: 1. Os objetivos coadunam-se ao programa de ensino, às necessidades dos alunos e ao contexto de utilização. 2. O livro cobre a maioria dos itens necessários ao curso, é adequadamente organizado quanto a estruturas, funções, conteúdos, habilidades para alunos e professores, apresenta-se consistentemente seqüenciado (complexidade dos itens, exigências de aprendizagem, utilidade etc.) e inclui material e ocasiões para trabalhar habilidades integradas. 3. A proposta didática amolda-se a diferentes estilos de ensino e aprendizagem sendo desejável que algo do material seja direcionado para estudo personalizado. 4. O livro distribui adequadamente os itens gramaticais segundo níveis compatíveis de competência lingüística e compatibiliza-os com as necessidades dos alunos, focaliza formas, funções e usos além do nível da sentença (baseia sua racionalidade didática em textos e gêneros), trabalha variedades sociolingüísticas, estilo, fatores sócio-culturais e contextuais. 5. O vocabulário é bem selecionado e dosado, com ênfase no desenvolvimento de vocabulário e nas estratégias para a aprendizagem individual do léxico. 6. Atividades de leitura englobam material suficiente, são adequadas para o nível e interesses de seus estudantes, procuram otimizar estratégias de leitura e habilidades correlatas. 7. Atividades de escrita orientam e controlam os processos de produção textual em suas várias etapas, inclusive fornecendo apoio à organização de pedaços mais longos de escrita (como parágrafos), equilibram correção e adequação, sensibilizam o aluno aos diferentes estilos. 8. Os conteúdos temáticos são variados, de interesse genuíno para os aprendizes, abordados numa perspectiva intercultural, ou seja, grupos são representados e/ou problematizados com referência a gênero, etnia, classe social, profissão, faixa etária, deficiências etc e ensejam debate suficientemente sofisticado, respeitando, porém, o nível lingüístico dos aprendizes. 9. A metodologia é cientificamente consistente, envolve ativamente o aprendiz embora respeitando os estilos de aprendizagem de seus alunos e suas expectativas, emprega estratégias adequadas para explicitação e assimilação de fatos lingüísticos, inclui conselhos ou tutoramentos para os estudantes quanto ao emprego de estratégias metacognitivas e habilidades de aprendizagem e predispõe os aprendizes a assumirem certo grau de responsabilidade por sua própria aprendizagem e êxito. 10. Os autores (designers) apresentam e justificam as premissas e princípios básicos que fundamentam o material, orientam os professores que estarão usando o livro e seus materiais auxiliares, fornecendo-lhes apoio que englobe técnicas de ensino e itens de linguagem tais como regras de gramática e informação específica sobre cultura. A avaliação do livro pode acontecer antes, durante ou depois de seu uso, dependendo das circunstâncias e os propósitos para os quais está sendo realizada. A avaliação de pré-uso, embora provavelmente a mais comum, é também a modali- 4

5 dade mais difícil, uma vez que não há experiência real de uso do livro para ajudar nas decisões. Neste caso, estamos olhando para o futuro ou para a realizaçãoapresentação potencial do livro, e, de certa forma, qualquer decisão sobre o material acaba se tornando uma espécie de aposta. Já a avaliação em uso diz respeito à avaliação do livro enquanto está sendo empregado nas aulas, e ocorre quando se torna necessário decidir sobre alguma adoção ou mudança no início ou no transcorrer do curso como no monitoramento probatório ou na reavaliação por defasagem parcial. Por último, a avaliação de pós-uso fornece avaliação retrospectiva da pilotagem já realizada e considerada completa ou suficiente de um livro, permitindo identificar vantagens e desvantagens manifestas durante um período de uso constante e tomar decisões sobre a continuidade do uso do material. Pacotes didáticos fechados geralmente se avaliam desta maneira. Não convém adotar um livro ou coleção sem antes verificar se o perfil da clientela é condizente com a proposta dos autores do material didático, através de uma a- nálise de necessidades e de recursos, como a que segue: Qual é o status e o papel da língua-alvo para a clientela? Quais são as principais razões da clientela para aprender a língua-alvo? Que carga horária está prevista? Que tempo para atividades complementares ou extra-classe é disponível? O programa é extensivo ou intensivo? Qual é o tamanho da turma? As turmas são homogêneas com respeito à idade, nível, habilidades (e outros fatores) dos alunos? Que recursos se acham disponíveis para o trabalho didático, incluindo espaço físico apropriado, recursos tecnológicos (tevê e vídeo-cassete, computadores e Internet, laboratório de línguas), materiais complementares, acesso a fotocópia? A infraestrutura se acha em boas condições para se trabalhar? Quais as idades, níveis, expectativas, motivação da cientela? Quais são seus interesses, tabus, valores, background cultural? Qual é a experiência prévia da clientela em aprender uma língua? Em aprender a língua-alvo? Quais são os estilos de aprendizagem preferidos pelo alunado? No caso da língua materna, que experiência os aprendizes tiveram e têm com relação à leitura, à escrita, à norma padrão em seu ambiente familiar e social? 3. ADOÇÃO. ADAPTAÇÃO. CRIAÇÃO. O lugar ocupado pelos livros didáticos na educação lingüística pode variar consideravelmente, refletindo o tipo de relação mediadora que o material estabelece entre o professor e o processo de ensino-aprendizagem, ou melhor, o maior ou menor grau em que o professor se subordina ao livro variável esta até certo ponto influenciada pela abordagem básica do sistema educacional em que o profissional está inserido. Em um dos pólos adoção do livro e subordinação irrestrita a ele o conteúdo é ministrado com fidelidade e na ordem exata de apresentação: cada texto, cuidadosamente estudado; cada exercício, meticulosamente trabalhado. Essa aborda- 5

6 gem escolar é típica de países em que a elaboração do programa é centralizada e um livro tem aprovação e prescrição oficial. Mas uma situação semelhante se observa em cursos intensivos ou com equipes docentes de pouca experiência. Nestes casos, uma maior expectativa de êxito repousa sobre o mito da infalibilidade da planificação do trabalho, restringindo drasticamente as opções técnicas e prescrevendo instruções claras e diretas ao professor. Por um lado, esse engessamento metodológico resolve aceitavelmente a escassez de equipes qualificadas; mas, por outro lado, transfere ao livro muito da responsabilidade pela qualidade do ensino. Esta dependência acentuada do professor em relação ao material didático apresenta diversas desvantagens, das quais se destacam: Falta de variedade nos procedimentos de ensino. Reduzida adaptação às necessidades e problemas.individuais do estudante. Falta de espontaneidade na interação professor-aluno e aluno-aluno. Drástica redução da criatividade na técnica de ensino e no uso da língua. Redução da importância das contribuições que bons professores são capazes de fazer em todos os níveis no processo de aprendizagem. Apesar disso, em casos específicos, a adoção de programas, materiais e procedimentos rígidos pode ser a alternativa de eleição, sacrificadas algumas vantagens, como as já mencionadas. Um relacionamento mais balanceado entre professor e livro se observa em contextos de adaptação de materiais, ou seja, onde professores são capazes de selecionar material de uma escala de cursos alternativos, ou onde, apesar da existência de um livro básico, este é apoiado por uma variedade de materiais complementares (que o professor pode produzir, corrigindo lacunas). Em situações desse tipo, mesmo que haja um livro principal escolhido pelos próprios professores ou pela instituição para servir de roteiro básico de seqüenciamento, ele é usado seletivamente, complementado por outro material na medida do desejável. Uma abordagem deste tipo apresenta diversas vantagens: Assenta-se sobre uma estrutura comum digamos, pré-seqüenciamento de literatura e gramática normativa fornecida pelo livro. Estabelece limites para a criatividade de professores menos experientes e ao mesmo tempo lhes dá oportunidade para desenvolverem-se profissionalmente, uma vez que se tornam menos dependentes de livros e ganham confiança para experimentar materiais alternativos, inclusive criados por eles próprios. Viabiliza a recombinação de partes mais fracas do livro padrão com partes de outros livros ou o emprego de material próprio produzido para se adequar ao contexto específico de ensino. Contribui para uma maior variedade de atividades e técnicas, diminuindo a desmotivação dos alunos. Propicia uma resposta mais flexível às necessidades individuais, contribuindo assim para personalizar mais a relação professor-aluno. 6

7 Por fim, no outro pólo da relação professor-material, podemos encontrar escolas com um programa, mas nenhum livro estabelecido. Os professores, trabalhando dentro de um programa global e eventualmente em parcerias, constroem suas próprias aulas e seqüências de aulas a partir de um grande conjunto de materiais publicados, internos e produzidos individualmente. Alguns docentes podem achar tal liberdade e responsabilidade assustadora, enquanto outros podem revelar seu talento profissional nela. Trata-se de uma abordagem potencialmente muito gratificante, na medida em que abre espaço à criatividade, flexibilidade e originalidade dos professores. É, contudo, exigente, desgastante e grande consumidora de tempo. 4. PARÂMETROS DE QUALIDADE NO LIVRO DIDÁTICO 4.1. O Conteúdo Lingüístico Parte-se de um princípio: uma análise de necessidades, ou se quisermos, de perfil de alunos, permite estabelecer o que os estudantes precisam aprender e esperam aprender. Será em função disso que avaliaremos o conteúdo lingüístico de um livro, isto é, o que ele, de modo mais ou menos manifesto, se dispõe a ensinar em termos de gramática aqui entendida não apenas como normativa, mas também como descritiva ou descritivo-reflexiva, esta última denominada por alguns foco na forma e vocabulário aqui incluída fonética-fonologia, principalmente em língua estrangeira ou segunda língua, quando faz parte das habilidades áudioorais. Mas há toda uma diversidade de aspectos da língua-alvo apta a fazer parte da educação lingüística, e que se entrelaçam de maneira complexa: funções, tópicos, estratégias comunicativas, gêneros, questões culturais, entre outros. É um fato incontroverso que um programa de curso, salvo exceções muito específicas, não pode ser planejado exceto dividindo-se o sistema lingüístico em unidades didaticamente discretas para o ensino e a aprendizagem efetivos ocorrerem. Porém vale lembrar que é decididamente complicado separar aspectos individuais da língua encarada como um todo sistêmico, que opera em vários níveis simultânea e integradamente e isolá-los sem comprometer ou mesmo perder a autenticidade e naturalidade do processo comunicativo natural. Mais precisamente, em um uso autêntico, os falantes têm de expressar o que querem dizer através dos sistemas gramatical, lexical e fonológico da língua ao mesmo tempo e também precisam selecionar estratégias discursivas apropriadas para o tópico, o contexto e o propósito desejados enquadrar-se em um ou mais dos diferentes gêneros vigentes como práticas sócio-culturais. Os usuários devem igualmente interpretar o que está sendo dito a eles, usando estes mesmos processos, mas de um modo reverso. Claramente, o todo da língua em funcionamento é maior e mais complexo do que a mera soma de suas partes tomadas em si mesmas. Isto até certo ponto explica por que projetar materiais é um problema complexo no ensino de línguas. 7

8 Decorre disso que uma das questões mais fulcrais para professores e designers de materiais é o quanto uma língua pode ser analisada e fragmentada sem perder sua natureza e identidade ou ao menos sem impedir que as atividades didáticas focais impeçam professor e aluno de re-ligarem as partes entre si e as partes com o todo. Passaremos a examinar, num primeiro momento, o problema da gramática incluída no curso e, num segundo momento, o do vocabulário Gramática Ao introduzir novos itens gramaticais, é possível ensinar a forma de um novo item gramatical de forma mecânica, sem seu significado embora isso seja desaconselhável na maioria dos casos. Porém é possível e agora recomendável de modo geral apresentar um novo item da gramática com ênfase em seu uso, minimizando ou adiando os problemas apresentados por sua forma. Mas tanto a estratégia expositiva forma uso quanto sua simétrica uso forma não cobrem isoladamente todos os contextos de ensino-aprendizagem previsíveis, devendo o professor estar atento ao nível do aluno e à natureza do item a ser aprendido. Para ilustrar, na aquisição de língua materna escrita (letramento), quando o aluno já ultrapassou a fase de aquisição mecânica da leitura e da escrita fase esta na qual os mecanismos de decodificação tomam a maior parte da memória operacional e já pode ler e escrever preocupado com o conteúdo é mais indicado privilegiar a direção uso forma; mas em séries iniciais ou em letramento de adultos quando o processo de leitura e escrita é automonitorado e ainda não se automatizou o inverso (forma uso) pode ser a melhor tática. É, contudo, indiscutível que ambos, forma e uso, devem ser aprendidos tão próximos quanto possível no programa de curso. Em certos casos, a forma a ensinar não é tanto um problema enquanto forma, mas seu uso pode ser particularmente difícil de assimilar porque envolve conceitos abstratos. Por exemplo, em português como língua materna, itens de conceituação mais complexa incluem papéis temáticos das expressões nominais, aspecto verbal, nominalizações, conectores lógico-semânticos, operadores argumentativos. Em outros casos, o problema pode ser resolvido, em boa parte, ao verificar se a entidade que está sendo referida já é conhecida e identificável ao ouvinte, ou seja, se faz parte de seu conhecimento prévio ou não, como é o caso das expressões estereotipadas da língua-alvo Vocabulário O ensino do vocabulário tem resgatado seu devido reconhecimento nas últimas décadas, na medida em que não só a comunicação sustentada quanto os processos cognitivos mais refinados tornam-se tarefas virtualmente impossíveis sem a- cesso a um vocabulário relevante e razoavelmente amplo (Garcia,1988). A seleção de vocabulário a ensinar não é assunto tão simples quanto se poderia imaginar. Um critério básico, digamos freqüência ou utilidade, é insuficiente para sele- 8

9 cionar uma gama operacionalizável de vocabulário para programas de ensino ou livros. Diga-se de passagem que estes raramente esclarecem como foi feita a seleção-inclusão do vocabulário para além de declarações genéricas relativas à freqüência e à utilidade; e, para agravar o quadro, em materiais de português como língua materna, nem mesmo essas considerações rudimentares costumam aparecer. Uma estimativa otimista para um curso seria de umas 1000 novas palavras ensinadas em cada estágio de horas de trabalho em um curso multiestagiado ou seja, em um curso de 3 horas semanais, ao redor de 20 a 25 palavras novas semanalmente. Freqüentemente atividades adicionais são fornecidas no livro de exercícios dos estudantes, mesmo que essa aprendizagem venha a acontecer fora da sala de aula haja vista que, do gigantesco acervo lexical da língua-alvo, só mesmo uma pequena fração pode estar presente em qualquer livro didático. Além de ampliar o vocabulário, materiais didáticos bem formulados podem fornecer aos alunos ferramentaria cognitiva apta para enriquecimento de vocabulário a posteriori por exemplo, os alunos poderão seguir pistas da relação palavracontexto e/ou decompor palavras em seus morfemas e testá-los no entorno textual. Caso esses livros se esmerem em a) sensibilizar os estudantes ao sistema de vocabulário da língua-alvo visto inclusive em termos de reconhecimento de classes e funções das palavras ; b) encorajar habilidades de emprego inteligente do dicionário de definições, de sinônimos, analógico, etimológico ; e, finalmente, c) levar a refletir sobre técnicas efetivas de aprendizagem lexical, então teremos uma obra meritória voltada ao desenvolvimento da autonomia discente. É desabonador para um material didático propiciar meramente listas de palavras ou definições do dicionário de novas palavras. Um agravante disso seria fornecer, em cada texto de uma unidade de leitura, listas de palavras pré-procuradas, que passivizam o aluno ao desestimulá-lo ao uso do dicionário sem falar nas palavras ensinadas em isolamento ou fora de contexto, que desestimulam o uso de pistas contextuais. Ao contrário, um aprendizado reflexivo e profícuo deve incluir atividades destinadas a sensibilizar os estudantes para: a) a estrutura do léxico e para as várias relações gramaticais, funcionais e morfêmicas nele embutidas, isto é, os relacionamentos de forma ou composicionais das palavras; b) as relações semânticas que grupos de palavras podem contrair de acordo com a rede de significado sinônimos, hipônimos, hiperônimos, oposições; c) as relações contextuais, ou seja, conjuntos de palavras associadas a situações particulares, como esporte, alimentação, habitação etc.; d) as expressões estereotipadas, ou seja, palavras comumente encontradas em associação sintagmática e funcional fixa, como: por via das dúvidas..., o objetivo deste trabalho é... etc.; e) a distinção proveitosa entre vocabulário ativo e passivo, que consiste, no ensino de leitura, em abordar estrategicamente o vocabulário da unidade didática em termos de palavras para reconhecer e palavras para empregar Discurso 9

10 Além das regras da gramática normativa e das propriedades da sentença, o livro didático apresenta, conscientemente ou não, alguns modelos de discurso, cujas regularidades refletem determinações sócio-histórico-culturais que regem os usos da língua e as convenções que estruturam a comunicação efetiva. Essas regularidades, equacionadas em termos da relação entre traços lingüísticos, padrões contextuais e atividades sociais orientadas, constituem os gêneros textuais. Neste domínio diretamente relevante para a abordagem comunicativa estão incluídas áreas tais como relações interfrásticas, coesão e coerência textual, paragrafação, estruturação do texto, relações entre marcas gramaticais e condições sociais de produção, análise da conversação, entre outras. O melhor modelo para o aluno é o texto autêntico. Mesmo tendo em mente que um texto pode ser trabalhado em vários níveis de complexidade, dependendo do nível de competência gramatical e comunicativa dos alunos, ele deve exibir algumas características verossímeis para um determinado gênero regularidades dentre as quais, em um nível mais formal da língua, estruturação coerente de conteúdo, paragrafação e uso apropriado de instrumentos coesivos, aqui incluídos pronomes para referência anafórica e conectivos diversos associados a uso semântico-pragmático natural. Os instrumentos organizadores de texto merecem particular atenção, na medida em que agem como instrumentos de sinalização dos sentidos e ajudam os leitores e ouvintes a fazerem seu percurso cognitivo ao longo de uma seqüência discursiva, relacionando sentenças umas com as outras a fim de fazer sentido com o que já foi lido ou ouvido e prever o que está vindo a seguir. Quanto à relação entre idéias em nível local e entre partes do todo, estratégias e práticas sobre escrita de parágrafos e estruturação de um texto mais longo em parágrafos e segmentos maiores é fundamental. Esta é uma área em que não há regras rígidas como as da gramática normativa, entrando em cena regularidades de desenvolvimento macrossemântico e argumentativo Uma dosagem combinada de explicação e aconselhamento graduais ilustrados por exemplos pode contribuir para um ensino mais ágil e produtivo. Já em um nível mais discursivo, convém que o livro apresente material sobre a organização de diferentes tipos de produção escrita, tais como narrativas, relatórios, cartas e outros, cada qual com seus propósitos, estilo, conteúdos viáveis, público-alvo, contextos de funcionamento. Convenções de gêneros diferentes devem ser adequadamente explicitadas. Visto que entendemos aqui a linguagem como prática social, e queremos que nossos alunos também o façam, uma dupla tarefa aparece diante deles: perceber e entender a natureza das situações sociais em que se encontram e selecionar e usar os níveis de linguagem apropriados. Um aspecto da tarefa é não lingüístico e o outro lingüístico, mas estes tal como ocorre com língua e cultura estão tão intimamente conectados que não é possível negligenciar nenhum. Com efeito, a língua é muito sensível ao seu contexto de uso e é estilisticamente variável. Nós devemos examinar livros do ângulo da adequação para ver até que ponto preparam alunos para usarem estilos apropriados em situações variadas. Falantes fazem uso de estilos diferentes da língua para comunicar em um modo que complementa o significado mais literal das palavras e sentenças. Por exemplo, a ado- 10

11 ção de um estilo informal de discurso ou escrita é uma declaração sobre o relacionamento que existe entre as pessoas que estão se comunicando umas com as outras. No livro didaticamente bem elaborado, o designer procura chamar a atenção para diferenças estilísticas materializadas em traços de construção gramatical, escolha de vocabulário, estrutura do discurso e eventualmente pronúncia. Ninguém ignora, por exemplo, que, em termos de discurso, a estrutura de um pronunciamento formal é muito diferente daquela de uma conversa entre amigos, ou que, similarmente, uma carta informal é estruturada e proposta diferentemente de uma carta de negócios. Como norma geral, recomenda-se: a) em um nível elementar, principalmente foco na forma gramatical, podendo também significar ênfase na microestrutura (processos ascendentes); b) em um nível intermediário, maior ênfase tanto no uso a- propriado dessas formas para a construção dos sentidos quanto no desenvolvimento de vocabulário, encarado como um conjunto de estratégias cognitivas (processos ascendentes e descendentes balanceados); c) em um nível avançado, a- bordagem aprofundada da estrutura textual e dos gêneros e suas variáveis (processos descendentes) Seleção, Classificação e Gradação do Conteúdo Premissas da organização do conteúdo Embora um programa possa ser conceituado no sentido amplo como um conjunto de especificações sobre o trabalho a ser realizado durante um período de tempo delimitado, há duas premissas fundamentais que servirão como ponto de partida: a) O programa é visto em termos de processo e não como um encadeamento controlado de produções discentes. Essa é uma concepção alternativa de design baseada, não em uma lógica de conteúdo, mas sim em conceitos e proposições atinentes a processos de aquisição e aprendizagem. Quando eventualmente esse programa é adotado em estado puro, conteúdo e objetivos, ao invés de serem préespecificados, são determinados e negociados com os alunos no contexto, ao longo do curso, e a seqüenciação é conseqüência desse mútuo entendimento. Digase de passagem que livros didáticos não participam da elaboração e desenvolvimento do programa-processo exceto como fontes ad hoc de tarefas isoladas e de alguns recursos específicos visto que, mesmo com o seqüenciamento não obedecido, seus conteúdos permanecem ainda preestabelecidos. b) O programa é concebido da maneira oposta à anterior: o output do aluno é a base da organização do curso. Trata-se da maneira mais usual de planejar. Neste caso, o conteúdo de língua será organizado de alguma forma, sendo seqüenciado de acordo com certos princípios básicos ou teorias, tácitos ou explicitados. Eventualmente, o designer pode especificar o tempo gasto em cada atividade ou seção. 11

12 Hoje, entretanto, já existem no mercado materiais adaptáveis ao contexto, prédirecionados para conferir certa flexibilização no uso, inclusive sem fixar rigidamente pontos de partida e de chegada no conteúdo. Programas de aprendizagem sob medida para as necessidades do aluno, atividades de auto-acesso ou ainda adaptação a cursos de diferentes dimensões são alguns dos benefícios que um programa pré-flexibilizado pode oferecer. Passamos a examinar as opções de programas baseados no conteúdo (de conteúdo preestabelecido). O conteúdo no design do programa pode basear-se predominantemente em: a) Forma (base estrutural) b) Função (base nocional/funcional) c) Situação (base contextual) d) Tópico ou Tema (base informacional) Quando dizemos predominantemente, isso significa que o conteúdo baseia-se em uma combinação desses quatro fatores, cada qual em maior ou menor grau, balanceados de múltiplas maneiras, o que explica de certo modo uma certa heterogeneidade das propostas. Programa estrutural Abordagem tradicional Preocupação em esgotar os fatos gramaticais da língua-alvo Ênfase na estrutura gramatical, secundarizada pelo léxico dicionarizado Seleção e seqüenciamento baseados no roteiro expositivo da gramática normativa Escassa consideração dada ao significado ou ao uso das formas Ausência de teorias lingüísticas ou de aquisição como suporte pedagógico Programa nocional-funcional Abordagem pragmática (atos de fala ou funções comunicativas) Seqüenciação conforme a utilidade para o aluno (de acordo com a maior ou menor necessidade nas situações de uso) Objetivos gerais de aprendizagem podem ser identificados em termos que fazem sentido para os alunos Curso com resultados práticos e imediatos, já que os estudantes podem usar e praticar fora da sala de aula mais precocemente o que aprenderam Critérios de inclusão em grande parte subjetivos, pois as funções não formam um sistema finito inter-relacionado, nem têm sido completa e compreensivamente descritas Programa baseado em funções, porém escassamente centrado em estratégias, que não se deixam inventariar de modo objetivo e finito 12

13 Quando, num programa, comparecem as perspectivas estrutural e funcional conjuntamente, mostram-se complementares e não opostas, pois o curso estabelece os nexos entre forma e função na medida em que mostra como as funções comunicativas, correspondentes às necessidades comunicativas dos alunos, são realizadas através das formas gramaticais apropriadas propiciando, desta forma, aos alunos, um acervo de unidades de comunicação associadas a unidades formais. Programa situacional Situações do mundo real (padrões contextuais da cultura) constituem um princípio organizador para selecionar e classificar o insumo lingüístico-comunicativo, ou seja, as formas são situadas e praticadas em contextos norteadores Fatores geralmente considerados são: a) participantes (papéis); b) situação (contexto imediato); c) objetivos ou propósitos comunicativos cultura no sentido amplo (tradições, história, mitos, identidades etc.) geralmente não recebe ênfase Situações selecionadas, assim como a língua ensinada, tendem a ser geralmente restritas e previsíveis deixando de fornecer as bases para uso posterior da língua em situações francamente diversas das abordadas Gramática, vocabulário e outros elementos formais derivam das situações selecionadas e não são critério de seleção. Em decorrência, o programa, por ser muito atado a situações específicas, não assegura que as estruturas sejam trabalhadas com suficiente abrangência Programa temático Baseado no princípio de que estudantes podem aprender melhor uma língua quando estão focalizando o conteúdo (informação) apresentado ao invés de abordar a língua em si mesma Temas geradores constituem fundo organizador de um programa multidimensional (gêneros, funções, formas) e mantêm o interesse e a motivação na medida em que dizem respeito à vida real e às expectativas e problemas dos alunos Tópicos ajudam a criar uma sensação de consistência dentro das unidades de curso individuais consistência esta que certos materiais de ensino do português-língua materna não apresentam, por trabalharem as habilidades de forma fragmentária Tópicos permitem interdisciplinaridade e integração com a vida real dos alunos na verdade embutem um currículo implícito, representando explicita ou implicitamente valores sócio-culturais, identidades, atitudes desde que os assuntos sejam desafiadores e condizentes com a idade dos alunos e suas questões relevantes Programa de curso e ensino comunicativo Uma abordagem genuinamente comunicativa é aquela que não somente objetiva ensinar os recursos e as estratégias de comunicação na língua-alvo, mas também 13

14 estimula a comunicação efetiva a respeito de tópicos relevantes e promove a interação genuína entre seus usuários. Infere-se disso que não há como separar o ensino genuinamente comunicativo do ensino sócio-interacionista: podem até ser considerados, de certa forma, sinônimos. Para tanto, interatividade e autenticidade de material entram em relação sinérgica, apoiando-se mutuamente. A interatividade didática coloca o aluno em melhores condições de, em longo prazo, desenvolver na língua-alvo opiniões bem formadas e expressá-las adequadamente; formar e comunicar com eficácia suas próprias inferências e conclusões; problematizar e discutir pontos polêmicos, fundamentando seus pontos de vista; influenciar e receber influência dos outros. Os benefícios da autenticidade de material estão em criar condições efetivas (embora haja outros fatores em jogo) para um output também autêntico: informar, desafiar, estimular e enriquecer a experiência, encorajar a curiosidade, desenvolver julgamentos. Porém ressalvamos que o conteúdo não precisa necessariamente ser abstrato ou intelectual, pois o relato de casos exemplares, o humor, a literatura também fazem parte da cultura ordinária ou cultivada, e portanto têm seu lugar no programa como parte de um amplo leque de gêneros a serem trabalhados integradamente Critérios de Seqüenciamento do Conteúdo Uma vez que o designer tenha estabelecido o centro gerador do seu programa forma gramatical, função comunicativa, situação norteadora da prática lingüística ou assunto para o qual as práticas lingüísticas são um meio trata-se de seqüenciar as unidades de trabalho. O seqüenciamento conceitua-se como a ordem em que novos itens são ensinados, como os componentes se entrelaçam e como a língua ensinada se desenvolve progressivamente. Embora, o seqüenciamento seja inerente ao programa e à maioria dos livros, há poucos princípios reconhecidos para orientação de designers, e estes se baseiam em critérios heterogêneos, incluindo tradição e intuição. Geralmente os elementos lingüístico-comunicativos abordados se distribuem em: Forma Gramática e Vocabulário Função Noção acrescida como base semântica Contexto Situações e Tópicos Habilidades destaque variado à Oralidade em L2 De acordo com a preocupação maior ou menor do designer em revisar, reciclar e ampliar a complexidade de unidades de curso, este pode se subdividir (tendencialmente) em linear e cíclico. Um curso com progressão linear adota uma ordem de apresentação que lida com cada item de língua exaustivamente antes de passar para o próximo. Compartimenta estanquemente cada parte, não se preocupando com revisão e integração em unidades posteriores. Não nos referimos aqui à revisão como simples recordação no final de um ano ou semestre, e sim como retomada integrativa posterior do item em níveis e usos lingüísticos mais complexos. 14

15 Já uma progressão cíclica implica, num primeiro momento, passar ágil e superficialmente de um item de língua para outro e, num segundo momento, efetuar movimentos metódicos de retorno para cada componente numa espiral crescente de complexidade, ampliando a compreensão do mesmo e entrelaçando-o com um número cada vez maior de elementos adjacentes. Esta opção é mais condizente com o conceito de língua como sistema. Outra maneira de classificar a arquitetura geral de curso (Dubin e Olshtain, 1990), que não se choca com os critérios antes mencionados, é a seguinte: FORMATO ESTRUTURAL Tradicional, acompanha o formato de uma gramática normativa e tem como objetivo tácito fazer saber o conjunto de regras e formas contidas naquela. É basicamente não-comunicativo, pois o saber-o-quê prevalece sobre o saber-como (ou seja, a ênfase na metalinguagem sufoca o desenvolvimento das habilidades). FORMATO CÍCLICO Especialmente recomendado para a construção de conceitos e habilidades de forma gradativa. Combina muito bem a pedagogia centrada no processo com a centrada no produto. Quando a situação não é a de curso livre (ensino oficial), precisa em geral mesclar-se com outros formatos. FORMATO MATRICIAL Recomendado para tópicos multiperspectivados e/ou que privilegiem o enfoque intercultural, é apto para criar espaços de debate. Opção de escolha quando o programa procura basear-se em tópicos e gêneros sem, porém, perder de vista as formas e funções. Pode ser combinado com o formato cíclico, a critério do designer. FORMATO STORY-LINE Baseado em uma série de episódios narrativamente ligados entre si. Por inserir um fio de continuidade contextual ao curso, este formato é recomendável para alunos que se beneficiam de contextualização dos tópicos e ativação de processos identificatórios. É facilmente hibridizável, ou seja, mescla-se com uma ampla variedade de abordagens didáticas. FORMATO MODULAR Espécie de caixa preta negociada, equivale metodologicamente à pedagogia de projeto de médias ou grandes proporções. Quando na sua forma pura, é totalmente negociado com o aluno e centrado neste o que o torna inadequado para currículos pré-fixados, porém excelente opção para a pedagogia centrada no processo Criação de material didático em leitura e produção A criação de material didático original é um assunto vasto e complexo, que mereceria um outro artigo em separado ou mesmo um livro para ser abordado em profundidade. Aqui trataremos somente de alguns princípios gerais, que podem ser aplicados a quase todas as propostas genuinamente comunicativas de ensino de línguas em situação de imersão, com exceção do programa-processo puro (que é, por conceituação, um programa singularmente determinado). O esquema a seguir opera uma síntese dos preceitos de Aebersold e Field (1997) para a leitura e de White e Arndt (1995) para a produção textual, unindo-os numa mesma perspectiva. 15

16 Nosso ponto de partida será o jovem ou adulto com razoável automatização dos processos psicomotores e cognitivos da leitura e da escrita, ou seja, um aprendiz adolescente ou mais velho que pode se preocupar em processar significado diretamente, no nível de competência em que se encontra. A partir dessa fase, com a lateralização completa do processamento lingüístico e cognitivo, dois mecanismos básicos participam integradamente da construção dos sentidos: processos descendentes do todo para as partes e ascendentes das partes para o todo. Aqueles, de natureza global, esquemática, também chamados de processos topdown, dependem do contexto e/ou do conhecimento prévio; estes, de natureza linear, serial, também chamados de processos bottom-up, dependem de regras sintagmáticas aplicadas às unidades processadas. Algumas tarefas cognitivas ou fases de tarefa (ou ainda outras variáveis, dentre as quais os estilos de aprendizagem) se caracterizam pela predominância de processamento descendente, enquanto que outras privilegiam mecanismos ascendentes. Quando dizemos predominância, isto obviamente significa que os mecanismos complementares, ainda que em segundo plano, não ficam excluídos. Cabe ao professor, pois, estabelecer um roteiro de atividades didáticas que mobilize os processamentos descendente e ascendente de forma adequada. A esse respeito, é sabido que o conhecimento, a rigor, é um re-conhecimento que se modifica e se amplia constantemente (Santaella, 1998). Em outras palavras, não há processamento cognitivo sem conhecimento prévio, ou se quisermos, sem esquemas mentais prévios onde apoiar o que ingressa na mente pela percepção. Ora, se o conhecimento prévio e o contexto jogam um papel inicial fundamental na construção dos sentidos, e por sua vez estes dois fatores caracterizam o processamento descendente (top-down), deduzimos que o passo inicial em uma seção de leitura ou produção é um conjunto de atividades de natureza top-down, ou seja, trabalhar o conhecimento prévio e o contexto na relação que venham a ter com um texto já existente (leitura) ou que está para ser elaborado (produção). Mais a- diante, o peso proporcional das atividades ascendentes ou bottom-up vai aumentando progressivamente, até que, a certa altura, as atividades estarão deslocadas agora da macroestrutura (o todo com suas partes mais imediatas) para a microestrutura (cada parte, examinada em função da maneira como os componentes intra e interfrásticos se organizam localmente para sinalizar os efeitos de sentido). Em ainda mais uma etapa, um trabalho de síntese e refinamento final leva de volta ao todo, mas um todo enriquecido por toda uma rede de padrões e metapadrões conectores, mais complexo do que se apresentava ao usuário (de forma real, ao leitor; virtual, ao escritor). Os esquemas abaixo ilustram as aplicações desse princípio básico: ESQUEMA A: 1. PRÉ-ATIVIDADE DO TODO PARA AS PARTES 1.1. Levantamento de idéias q Brainstorming (fluxo de idéias) pelo professor ou pelos alunos 16

17 q Inventário reflexivo de questões centrado em conhecimento prévio pelo professor ou pelos alunos q Fazendo pesquisa bibliográfica ou tomando notas q Usando informação icônica tabelas, diagramas q Usando role-play (dramatizações e assemelhados) 1.2. Delimitação de idéias e parâmetros discursivos q Delimitando a idéia principal do texto e as idéias secundárias a partir do inventário anterior q Estabelecendo o objetivo geral do texto q Estabelecendo a imagem do leitor-alvo q Levantando a estrutura básica do texto, incluindo a relação verbal-icônico, a diagramação, o suporte ou veículo, o contexto q Estabelecendo a ordenação e articulação de idéias principais 2. ATIVIDADE CENTRAL DAS PARTES ENTRE SI E DAS RELAÇÕES IN- TERNAS ÀS PARTES 2.1. A estruturação das idéias principais, suas idéias-suporte, as mútuas relações lógico-semânticas entre as idéias 2.2. O desdobramento das funções principais, suas funções-suporte, as mútuas relações entre as funções 2.3. As relações entre idéias, funções e formas inclusive na articulação explícito-implícito 2.4. A construção dos sentidos na microestrutura textual, inclusive coesiva e lexical 3. PÓS-ATIVIDADE DAS PARTES PARA UM TODO MAIS COMPLEXO 3.1. Para a leitura trabalhando reflexivamente q Estratégias retóricas q Interfaces sócio-culturais q Perspectivas ideológicas 3.2. Para a produção revendo criticamente q Relações texto-contexto q Subdivisões textuais q Coesão lógica e referencial e coerência q Modalizações e posicionamentos q Adequação de norma e de convenções gráficas ESQUEMA B: LEITURA INTENSIVA 1. PRÉ-LEITURA q Mobilização de conhecimento prévio q Geração de expectativas 17

18 q Construção de conceitos-chave e seu vocabulário 2.LEITURA PROPRIAMENTE DITA 1º NÍVEL top-down (i) [ênfase na superestrutura] Idéia central e objetivo global Idéias secundárias e seus blocos semânticos Vocabulário q separar palavras a conhecer e palavras a aprender q estratégias contexto palavra 2º NÍVEL top-down (ii) [ênfase na macroestrutura] Idéias-suporte evidências, desenvolvimentos [item recursivo] Vocabulário q estratégias multinível de guessing [gramática e estruturas] q uso do dicionário se todas as estratégias de guessing falharem q testagem de hipótese de significado 3º NÍVEL bottom-up [ênfase na microestrutura] organização gramatical segmentação das sentenças 3.PÓS-LEITURA REVISÃO E CONSOLIDAÇÃO DAS INFORMAÇÕES sumário, outline, mapa semântico DISCUSSÃO DAS INFERÊNCIAS implícitos, modalizações, fato-opinião AVALIAÇÃO DO TEXTO ideologia, estereótipos, pontos de vista, tom, registro, ironias ATIVIDADES INTERTEXTUAIS marcas lingüísticas, relações gênero-cultura RETROSPECTO DAS ESTRATÉGIAS DE LEITURA (METACOGNIÇÃO) VOCABULÁRIO promoção de atividades para a criação de redes léxicoconceituais q aplicação de palavras em atividades de paráfrase q construção de textos próprios do mesmo gênero q criação de textos de outros gêneros q atividades de multicontextualização das palavras (poucas) para fixação na memória de longo termo q atividades para uso de dicionários especiais (analógico, de sinônimos) ESQUEMA C: ESCRITA-PROCESSO ETAPAS 1. PRODUÇÃO DE IDÉIAS o que poderia ser escrito 2. DELIMITAÇÃO o que exatamente vai ser escrito 3. ESTRUTURAÇÃO superestrutura e macroestrutura 4. ESBOÇO microestrutura 5. AVALIAÇÃO controle de qualidade 18

19 6. REVISÃO aperfeiçoamento A Escrita-Processo pode ser subdividida em: Etapa 1 Pré-Produção Textual Etapas 2, 3 e 4 Produção Textual Etapas 5 e 6 Pós-Produção Textual Na prática, essas etapas não são rigidamente lineares: cada uma delas retroage sobre as demais e, nos casos particulares, pode haver refluxos, saltos, retornos cíclicos, atalhos. A linearidade se coaduna mais com a organização das atividades didáticas do que com a maneira de proceder de um escritor em situação real de produção. Em um processo gerador de textos, essas etapas fazem parte, mais precisamente, de um processo recursivo que perdura até que a versão definitiva tenha sido concluída. Nesse sentido, a pós-produção, a rigor, não se situa depois da produção do texto, mas sim depois de concluída uma das várias versões pelas quais ele passa. Também pode ser feita uma subdivisão da escrita com base não nos processos cognitivos envolvidos, como acima, e sim em termos da tarefa de composição em si: planejamento e execução. Neste caso, do esboço em diante teríamos a escrita propriamente dita. BIBLIOGRAFIA: AEBERSOLD, J. A; FIELD, M. L. From Reader to Reading Teacher. Cambridge University Press, CUNNINGSWORTH, A. Choosing Your Coursebook. Oxford: Heinemann, DUBIN F.; OLSHTAIN, E. Course Design. Cambridge: Cambridge University Press, ELLIS, Rod. SLA Research and Language Teaching. Oxford: Oxford University Press, GARCIA, O. M. Comunicação em prosa moderna. 14ed. Rio de Janeiro: Ed. FGV, RICHTER, M. G. Ensino do Português e Interatividade. Santa Maria: Ed. UFSM, SANTAELLA, L. A Percepção: uma teoria semiótica. São Paulo: Experimento, WHITE, R.; ARNDT, V. Process Writing. Longman,

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É com satisfação que apresentamos este

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

Colégio Internato dos Carvalhos

Colégio Internato dos Carvalhos Grupo Disciplinar de Línguas Românicas aøväxé wé XÇá ÇÉ fxvâçwöü É Matriz do Teste Intermédio de Português do 12.º ano Ano letivo 2014-2015 Objeto de avaliação INFORMAÇÃO-TESTE de Português 12.º ano (a

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec:Paulino Botelho/ Professor E.E. Arlindo Bittencourt (extensão) Código: 092-2 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação

Leia mais

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC A história da construção do conhecimento pessoal é a história da vida de cada um de nós, pois construímos esse conhecimento de uma maneira específica e individual. A teoria a respeito dos Mapas Conceituais

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Ronei Ximenes Martins (Trabalho apresentado no II Colóquio Regional EAD Edição Internacional Outubro/2010 Juiz de Fora/MG) Introdução Um

Leia mais

O curso de italiano on-line: apresentação

O curso de italiano on-line: apresentação O curso de italiano on-line: apresentação Índice Porque um curso de língua on-line 1. Os cursos de língua italiana ICoNLingua 2. Como é organizado o curso 2.1. Estrutura geral do curso 2.2. Andamento e

Leia mais

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007)

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) Disciplina: Seminário de Leituras Orientadas em Linguística Aplicada Professoras: Graciela Hendges e Désirée Motta-Roth

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

MAPAS CONCEITUAIS E APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA. MOREIRA, Marco Antonio. Mapas Conceituais e Aprendizagem Significativa. São Paulo: Centauro, 2010.

MAPAS CONCEITUAIS E APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA. MOREIRA, Marco Antonio. Mapas Conceituais e Aprendizagem Significativa. São Paulo: Centauro, 2010. MAPAS CONCEITUAIS E APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA MOREIRA, Marco Antonio. Mapas Conceituais e Aprendizagem Significativa. São Paulo: Centauro, 2010. OBJETIVO Abordar mapas conceituais essencialmente como

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

AMERICAN ASSOCIATION OF SCHOOL LIBRARIANS PARÂMETROS PARA O APRENDIZ DO SÉCULO 21

AMERICAN ASSOCIATION OF SCHOOL LIBRARIANS PARÂMETROS PARA O APRENDIZ DO SÉCULO 21 AMERICAN ASSOCIATION OF SCHOOL LIBRARIANS PARÂMETROS PARA O APRENDIZ DO SÉCULO 21 CONVICÇÕES COMPARTILHADAS A leitura é uma janela para o mundo. A leitura é uma competência fundamental para a aprendizagem,

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH,

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH, BORBA, Valquíria C. Machado. Resenha de Cohesion in English, de Halliday & Hassan. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 4, n. 6, março de 2006. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. RESENHA DE

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO)

Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO) Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSÃO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Área de conhecimento: LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: LÍNGUA ESTRANGEIRA

Leia mais

Fundamentação Teórica

Fundamentação Teórica Atividades Estruturadas 1 Fundamentação Teórica Atividades Estruturadas, embasadas no Art. 2º, item II da Resolução CNE/CES nº 3, de 2 de julho de 2007, implicam a construção de conhecimento, com autonomia,

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) DE PEDAGOGIA (LICENCIATURA) 1. COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO A leitura como vínculo leitor/texto, através da subjetividade contextual, de atividades de

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha MODERNA.COMPARTILHA: INTEGRAR TECNOLOGIA E CONTEÚDOS A FAVOR DO APRENDIZADO. Os alunos deste século estão conectados com novas ideias, novas

Leia mais

português língua não materna (a2) Dezembro de 2013

português língua não materna (a2) Dezembro de 2013 Informação prova final / Exame Final Nacional português língua não materna (a2) Dezembro de 2013 Prova 63/93/739 2014 6.º Ano, 9.º Ano ou 12.º Ano de Escolaridade O presente documento divulga as características

Leia mais

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames.

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames. C U R S O S ESPECIAIS I n s t i t u t o C e r v a n t e s d e B r a s i l i a CURSOS ESPECIAIS O Instituto Cervantes de Brasília dispõe de uma ampla oferta de cursos especiais para se adaptar as necessidades

Leia mais

INFORMAÇÃO- EXAME EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO 2012

INFORMAÇÃO- EXAME EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO 2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PINHEIRO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA INFORMAÇÃO- EXAME EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO 2012 1. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar

Leia mais

mhtml:file://c:\a\espaço PEDAGÓGICO online\smec\avaliação Formativa.mht

mhtml:file://c:\a\espaço PEDAGÓGICO online\smec\avaliação Formativa.mht Page 1 of 5 e seu sentido de melhoria do processo de ensino-aprendizagem Para que Avaliar? Para conhecer melhor o aluno/a Para julgar a aprendizagem durante o processo de ensino Para julgar globalmente

Leia mais

8 Considerações finais

8 Considerações finais 8 Considerações finais Neste trabalho, propusemo-nos a elaborar uma ferramenta epistêmica de apoio ao design de SiCo s, fundamentada na EngSem, que ajude o designer a elaborar seu projeto da comunicação

Leia mais

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo Perfil de Competências de Gestão Nome: Exemplo Data: 8 maio 2008 Perfil de Competências de Gestão Introdução Este perfil resume como é provável que o estilo preferencial ou os modos típicos de comportamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

Taxonomia da aprendizagem

Taxonomia da aprendizagem Taxonomia da aprendizagem Taxonomia de Bloom Desde 1948, um grupo de educadores assumiu a tarefa de classificar metas e objetivos educacionais. Eles propuseram-se a desenvolver um sistema de classificação

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (Área de Língua Portuguesa)

FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (Área de Língua Portuguesa) 1 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Universidade de Brasília Proposta NNS/FUB n.º 017/2006. Referência: Edital de Licitação SEB/MEC Processo n.º 23.000005051/2006-27 Programa de Incentivo à Formação Continuada

Leia mais

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Encontro 2 Coordenadores Pedagógicos CEFOR 05 de Junho 2013 Pauta Acolhimento Leitura deleite Apresentação / entrevista

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS GAROPABA Aprovação do curso e Autorização da oferta

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA SPADA, Nina. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Estrangeira: uma entrevista com Nina Spada. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. Tradução de Gabriel de Ávila Othero.

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo Ministério da Educação Primavera 2014 Atualização do Redesenho do Currículo Em 2010, o Ministério da Educação começou a transformar o sistema educacional de British Columbia, Canadá, Ensino Infantil Médio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º LE733- COMPREENSÃO E PRODUÇÃO DE TEXTO EM LÍNGUA PORTUGUESA Fórmula: LE003 LE003- LINGUA PORTUGUESA 3 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS. ANÁLISE DE ESTRUTURAS BÁSICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA. SINTAXE

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza

Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza Após a entrega do exercício D (folha síntese do projeto de pesquisa, vamos rever o projeto de pesquisa e a introdução da tese. Após a aula, além do exercício D

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

PESQUISA QUALITATIVA

PESQUISA QUALITATIVA PESQUISA QUALITATIVA CONHECIMENTO É o processo pelo qual as pessoas intuem, apreendem e depois expressam. Qualquer ser humano que apreende o mundo (pensa) e exterioriza, produz conhecimento. PESQUISA É

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Ano letivo 2014/2015 Ensino Secundário - 1ª e 2ª Fase Disciplina de ESPANHOL (INICIAÇÃO BIENAL) - 375 Informação Prova de Equivalência à Frequência 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 JOGOS COMPUTACIONAIS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÕES DAS PESQUISAS E DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Regina Célia Grando Universidade São Francisco regina.grando@saofrancisco.edu.br Resumo: No presente

Leia mais

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia PAOLA GENTILE Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia A forma como se lê um texto varia mais de acordo com o objetivo proposto do que com o gênero, mas você pode ajudar o aluno a entender

Leia mais

PROVA DE REDAÇÃO NO VESTIBULAR DA UFSM 2014

PROVA DE REDAÇÃO NO VESTIBULAR DA UFSM 2014 1 PROVA DE REDAÇÃO NO VESTIBULAR DA UFSM 2014 Prova de redação na perspectiva de gênero textual Com o propósito de avaliar a proficiência dos candidatos na leitura e na escrita pelo uso da língua portuguesa

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ COLEGIADO DE BIOLOGIA EaD LICENCIATURA EM BIOLOGIA EaD

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ COLEGIADO DE BIOLOGIA EaD LICENCIATURA EM BIOLOGIA EaD UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ COLEGIADO DE BIOLOGIA EaD LICENCIATURA EM BIOLOGIA EaD ATIVIDADE INTEGRADORA ASSOCIADA A PRÁTICA DE ENSINO Módulo IV Desenvolvimento e Crescimento Estudo do desenvolvimento

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Engenharia da Computação RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA Agrupamento de Escolas do Viso Porto Prova de Equivalência à Frequência Espanhol (LE II) Prova 15 3º- Ciclo do Ensino Básico Informação-Prova de Equivalência à Frequência Tipo de Prova: Escrita e Oral

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

PRODUÇÃO DE ARTIGOS TÉCNICO-CIENTÍFICOS - uma exigência permanente

PRODUÇÃO DE ARTIGOS TÉCNICO-CIENTÍFICOS - uma exigência permanente 1 PRODUÇÃO DE ARTIGOS TÉCNICO-CIENTÍFICOS - uma exigência permanente Os integrantes da comunidade acadêmica - professores-pesquisadores, técnicos especializados e estudantes devem produzir artigos técnico-científicos

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

Manual do aluno. Curso Master

Manual do aluno. Curso Master Manual do aluno Curso Master Sumário A escola... 3 Inglês por nível... 3 Material Didático Interchange Fourth Edition... 4 Série complementar pós-interchange:... 5 Metodologia do curso Master:... 5 Em

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 3º PERÍODO - 5º MÓDULO AVALIAÇÃO MP1 DATA 05/03/2009 ENGENHARIA DE SOFTWARE Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

PROVA ESCRITA. As informações sobre a prova apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina.

PROVA ESCRITA. As informações sobre a prova apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina. INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESPANHOL (LE II) Abril de 2015 Prova 15 2015 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Tipo de Prova: Escrita e Oral Duração: 90

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS ARACAJU 2012 2 PREFÁCIO A apresentação dos trabalhos acadêmicos

Leia mais

A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA

A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA Jeferson Luiz Appel Dar-se-ia mais significação aos conteúdos conceituais a serem aprendidos pelos alunos pela necessidade de esses adquirirem um novo conhecimento

Leia mais

Elaboração do programa das disciplinas

Elaboração do programa das disciplinas Elaboração do programa das disciplinas Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Questões fundamentais O que pretendo alcançar? Uma disciplina

Leia mais

Técnicas e Instrumentos Utilizados na Pesquisa Científica Cavalcanti

Técnicas e Instrumentos Utilizados na Pesquisa Científica Cavalcanti Técnicas e Instrumentos Utilizados na Pesquisa Científica Técnicas de Pesquisa Técnica: Conjunto de preceitos ou processos de que se serve uma ciência. Toda ciência utiliza inúmeras técnicas na obtenção

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE.

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Joelma Carvalho Vilar(UFS) 1 Cleverton dos Santos(UFS) 2 Érica Santos de Jesus(UFS) 3 Vera Lúcia Mendes de Farias(UFS)

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Informação-Prova de Equivalência à Frequência Informação-Prova de Equivalência à Frequência ENSINO SECUNDÁRIO PROVA ESCRITA E ORAL Prova de Equivalência à Frequência de Espanhol, 11º ano (Iniciação) Prova 375 (ter como referência quadro III do Desp.Norm.5/2013)

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20K Ingresso a partir de 2011/1 Fundamentos dos Estudos Literários Codicred: 12224-04 NÍVEL I Ementa: Funções da literatura. Discurso

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação.

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação. Karen Alves de Andrade 1 RESUMO A inserção dos gêneros textuais no ensino vem mudando a dinâmica da educação em língua portuguesa em nosso país. A importância de se trabalhar a língua em uso, através de

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos)

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) http://www.dges.mcies.pt/bolonha/ ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) A razão de um novo sistema de créditos académicos Um dos aspectos mais relevantes

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

ANO 2014. As provas do DELE são compostas por seis níveis. Cada um deles é obtido após a aprovação do mesmo.

ANO 2014. As provas do DELE são compostas por seis níveis. Cada um deles é obtido após a aprovação do mesmo. REGULAMENTO PARA A INSCRIÇÃO EM PROVA DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA ESPANHOLA PARA PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA DE MOBILIDADE ACADÊMICA INTERNACIONAL UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL 1. ABERTURA ANO 2014 A Universidade

Leia mais