EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO: a libertação das crianças sob o olhar da filosofia política

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO: a libertação das crianças sob o olhar da filosofia política"

Transcrição

1 EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO: a libertação das crianças sob o olhar da filosofia política Suzana Albornoz Quando profissionais da educação se reúnem em torno do tema PESQUISA EM EDUCAÇÃO E INSERÇÃO SOCIAL, que define este Seminário, expressam evidente preocupação científica, que possui também clara dimensão ética e, além disto, uma importante conotação política. As pesquisas científicas que se desenvolvem sobre as questões da inserção social distribuem-se generosamente pelos domínios das ciências biológicas da saúde, física e mental, bem como dos estudos sociais aplicados, variados como os da administração, da economia, do serviço social, do direito, e o das ciências humanas e sociais, ou seja, a história, a sociologia, a antropologia cultural. Assim, atingem muito especialmente o domínio da educação, foco comum dos que se reúnem neste encontro. Portanto, suponho que muitos dos colegas aqui presentes farão suas comunicações relatando a riqueza das pesquisas científicas que se vêm fazendo no Brasil, pesquisas de cunho teórico ou empírico, com as diversas metodologias que a ciência autoriza, sejam qualitativas, quantitativas ou mistas, ou métodos inovadores, levando a interpretações igualmente inovadoras, introduzindo no debate dados que informam e surpreendem; e com certeza, assim contribuirão para o aperfeiçoamento das práticas educativas. Tais enriquecimentos das ciências humanas a serviço da educação possuem ainda o mérito de estarem preocupados com a inserção social, de contribuir efetivamente para o bem-estar daqueles que precisam de mais atenção dos educadores, dos socialmente menos bem situados. Portanto, tais pesquisas contam com todo o meu respeito e apoio, e meu reconhecimento de seu acerto moral e político. Por outro lado, apresentando estas breves considerações neste Seminário no contexto do eixo temático FILOSOFIA E EDUCAÇÃO, sinto-me como um pescador que as correntes marítimas levaram a perder-se em alto mar e que, para retornar à enseada onde se encontram seus companheiros, tem de navegar quase sem vento nas velas de sua frágil embarcação, e com ela atravessar uma estreita passagem entre dois rochedos: de um lado, a alta montanha da tradição filosófica, da longa produção de conceitos e estudos rigorosos, que impõem disciplina ao pensamento; do outro lado, a 1

2 rocha também imponente dos estudos científicos e técnicos sobre pedagogia, com seus variados métodos e o esforço de aperfeiçoamento da arte de educar e ensinar. É, pois, com a consciência de carecer de resultados concretos de pesquisa científica de caráter empírico; e não querendo tampouco afetar uma pesquisa livresca que ameace desviar a atenção da tessitura concreta de problemas tão relevantes e complexos; ainda assim, com a esperança de contribuir para maior clareza da compreensão dos problemas envolvidos, para o encaminhamento de soluções; e apenas como introdução ao debate coletivo, peço licença para apresentar aqui um breve registro sobre o que se pode chamar a libertação das crianças, a partir de uma leitura particular no âmbito da filosofia política, apoiada em pesquisas de caráter histórico, da história da infância, sobretudo no mundo ocidental, e da história do pensamento moderno sobre a educação. Para tanto, trago comigo um livro, quase como um pretexto; este é o remo que, espero, fará avançar minha canoa, entre a filosofia e a ciência e arte da educação. Um pretexto, um livro: A libertação das crianças 1, do filósofo francês contemporâneo Alain Renaut 2, autor de várias obras de filosofia política, na descendência da filosofia política moderna e da filosofia crítica. Procurarei apresentar aqui, pois, de modo resumido, a interpretação de Renaut tal como se desenvolve na obra referida, ainda menos conhecida entre nós, no Brasil, embora traduzida para o português desde 2004, sobre a realidade atual das crianças que são, sem dúvida, o sujeito-objeto principal dos estudos e da prática dos educadores e, por outro lado, parecem constituir-se hoje em dia, mundialmente, num novo grupo em transformação, ou seja, situam-se no front da mudança, do movimento pela inserção e a emancipação social. A interpretação do referido autor movimenta-se no âmbito filosófico, partindo do ponto de vista da filosofia política, portanto, recorre, em primeiro lugar, como base para suas considerações, à história das idéias políticas, mas também se apóia muito na pesquisa historiográfica sobre a infância, que tem sido pródiga no domínio da disciplina inaugurada por Phillipe Ariès, que interessaria autores tão diversos como Michel Foucault, no outro extremo da palheta da orientação político-ideológica. 1 A libertação das crianças. Contribuição filosófica a uma história da infância. Paris: Hachette, ª ed., Paris: Calmann-Lévy e Bayard, Lisboa: Piaget, Alain Renaut é professor na Universidade Paris-IV, Sorbonne, e autor de numerosas obras de filosofi parceria com Luc Ferry. Entre suas obras se destaca A era do indivíduo(gallimard, 1989) e a organização Filosofia Política( Calmann-Lévy, 1989). 2

3 A libertação das crianças, incluindo sua atual reivindicação de maior autonomia, ou sua pouca disposição para a obediência, pode parecer lugar-comum da reflexão pedagógica contemporânea, e assim, ser entendida como uma queixa geral, sem cientificidade, dos responsáveis pela educação, na escola como na família. Para superar as reflexões ingênuas e observações simplificadoras sobre este fenômeno, que dá a pensar e desperta a opinião pública, provocando a manifestação de pessoas com os mais diversos pontos de vista, pareceme interessante considerá-lo com mais vagar à luz de pesquisas que se valem da erudição filosófica como das ciências sociais históricas, especialmente, da historiografia. Os estudos de história, mesmo depois dos primeiros tempos da modernidade até o século XIX, detinham-se quase exclusivamente nos eventos da vida política em seu sentido estrito, consistindo em relatos das ações, decisões e façanhas dos homens de governo, reis e príncipes, expedições, guerras, revoluções. É especialmente com a tradição de pesquisa que se formou pelo trabalho do grupo de historiadores ligados à Escola dos Anais, na França, quando se voltou a lente do pesquisador também sobre o âmbito _ até então quase invisível para a memória dos povos _ da vida privada, dos eventos do cotidiano, dos costumes e experiências de longa duração. Postos no interior do doméstico, da vida das famílias, no interior da economia em seu detalhe mais próximo da experiência individual, o esforço pedagógico, como a representação social das crianças e sua história real, recém no último século tornaram-se objeto de pesquisa sistematizada, esta que tem a capacidade de fazer revisar os preconceitos e as crenças que costumam idealizar o passado em detrimento do presente. Considerando as muitas e variadas investigações que se têm realizado nos últimos tempos sobre a história da infância e sobre as representações sobre a infância, desde a publicação dos primeiros trabalhos de Ariès sobre o tema 3, Renaut oferece uma instigante interpretação da atual crise da educação, convidando a considerar as mudanças operadas nas relações entre adultos e crianças, nas famílias transformadas do presente, assim como também nas demais instituições educacionais e, muito especialmente, nas escolas, como um progresso irresistível, embora de decorrências ainda imprevisíveis, que se deve compreender como parte da afirmação dos. Principalmente em seu livro de 1960: A criança e a vida familiar sob o Antigo Regime, antecipado pelo en na família, de 1948, in: História das populações francesas e de suas atitudes diante da vida depois do séc. XV 3

4 ideais políticos modernos de liberdade e de igualdade. A epígrafe que introduz o livro aqui destacado é uma citação que ainda hoje parece pertinente, do filósofo político francês do século XIX, Alexis Tocqueville: Ao mesmo tempo em que o poder escapa à aristocracia, vê-se desaparecer o que havia de austero, de convencional e de legal no poder paternal, e uma espécie de igualdade se estabelece no lar doméstico. Não sei se, tudo considerado, a sociedade perde com esta mudança, mas sou levado a crer que o indivíduo ganha com isto. Penso que à medida que os costumes e as leis são mais democráticos, as relações de pai e filho se tornam mais íntimas e mais doces; a regra e a autoridade diminuem; a confiança e a afeição freqüentemente são maiores e parece que o elo natural se fortifica, enquanto o laço social se distende. (A democracia na América, III, 8) Aberta com essa epígrafe, a obra nos remete a pesquisas históricas de detalhe sobre a história da exclusão das crianças, especialmente sobre a longa tradição do abandono dos filhos, dos antigos aos modernos; envia-nos a uma revisão do humanismo educativo, começando pelos pensadores renascentistas; convida-nos a considerar o abalo das autoridades tradicionais que na modernidade atingem em cheio a educação, na família e na escola; culmina com uma reflexão sobre as questões atuais do direito ante a criança, sobre os direitos das crianças e adolescentes, e se encerra com a proposta de uma ética da solicitude e do apoio moral. Com a exploração das pesquisas historiográficas das últimas décadas, o autor realiza uma análise própria sobre a construção histórica do sentimento paternal e a compreensão da infância, sobre as percepções novas do seu comportamento e do seu lugar social, ante um universo em que a autoridade se dilui, os valores democráticos de igualdade e liberdade se afirmam, e as famílias se transformam substancialmente, também sob a influência dos novos meios de comunicação de massa. Renaut se refere algumas vezes ao célebre ensaio de Hannah Arendt sobre a crise da educação 4, no qual detecta a marca da idealização do passado, quando a filósofa afirmava que em nossa época contemporânea 5, quando as crianças parecem ter obtido mais 4 A crise da educação, in: Crises da república, São Paulo: Perspectiva, O momento histórico que faz o cenário do ensaio de Arendt, evidentemente, não é mais presente; trata-se dos meados d 4

5 autonomia e estaria mais controlada pela lei a sua repressão e a punição, dentro das escolas e das famílias, e por causa da crise da autoridade, em conseqüência, a crise da proteção paterna, a situação das crianças seria ainda pior que antes. Esta nossa breve reflexão terá como eixo central, pois, a apresentação desenvolvida pelo autor no livro referido, que se movimenta, como mencionamos, no domínio da filosofia política, e cuja posição não se identifica nem com a já clássica interpretação de Ariès da história da infância, ancorada sobre a presunção de que o reconhecimento da peculiaridade da infância seria fenômeno surgido nos tempos modernos; nem com a compreensão de Michel Foucault, que via na atuação da modernidade antes um falso reconhecimento da infância, por sua integração repressiva dentro do sistema; mas tampouco se espelha no famoso ensaio de Hannah Arendt, sobre o qual sobrepaira a sombra do saudosismo de uma melhor época perdida, cuja existência as pesquisas não conseguem comprovar. Comecemos pela pergunta se a história das crianças deve ser contada como história de uma exclusão ou história da liberdade? A história da infância pode ser compreendida, como o foi de fato na linha das interpretações próximas à de Foucault, como história de uma exclusão; porém, também pode ser interpretada como história da liberdade, como inserida na história da afirmação dos ideais de liberdade e de igualdade próprios da era moderna. Desenvolvendo essa segunda interpretação, Renaut reflete sobre a história da infância em sua perspectiva mais longa, da Antigüidade ao final da Idade Média e aos tempos modernos, até o presente; e a partir do Renascimento, avançando pelos séculos modernos, compreende a ligação da história da infância com a da afirmação dos ideais políticos de liberdade e de igualdade, pelo que se pode dizer que é efetivamente apresentada pelo autor como parte, paradoxal e problemática, do progresso irresistível dos ideais democráticos modernos. O caminho foi longo desde a Antigüidade, quando o pátrio poder do chefe de família dava-lhe direito de decidir da vida e da morte das crianças, de seus filhos assim como dos escravos e das mulheres. Por outro lado, os costumes determinavam mais ou menos rigidamente o lugar do indivíduo em sua cidade, em seu povo, pelo que a educação tinha importância limitada, devendo apenas preparar para o destino, ou o lugar social próprio. Até há pouco na história moderna, a autoridade do poder, ou o poder da autoridade paterna, aliás, como da autoridade em geral, apoiava-se em fonte transcendente, e isto tornava 5

6 quase inquestionável a manutenção das tradições domésticas ou públicas no que se refere ao modo de tratar os menores. Uma das tradições mais tristes, que nos impede de manter ilusões sobre a situação da infância no passado, foi, ao longo dos séculos, a prática do abandono das crianças. Sendo integrada nos costumes e mesmo legal na Antiguidade, persistiu, contudo, ainda na modernidade como uma prática freqüente e tolerada, de certo modo socialmente aceita, até não muito tempo atrás. Alain Renaut refere números muito expressivos mostrados por pesquisas baseadas em registros do século XVIII que, embora não se possa afirmar a exatidão de tais registros, causam espanto, ao mostrar a sobrevivência das práticas de abandono das crianças no século das Luzes na França. 6 Também no século XIX não foram afastadas as práticas de abandono dos filhos; e o autor não deixa de apontar que ainda na segunda metade do século XX podem ser encontrados dados dolorosos sobre o abandono de crianças _ por exemplo, na China, onde, sobretudo, meninas foram abandonadas pelas famílias e entregues a instituições que vieram a constituir-se em verdadeiros morredouros, pois só a minoria dos bebês sobreviveria. Ao revisar a história moderna da educação e do pensamento sobre a infância, Alain Renaut aponta vários momentos de crise da educação, ou seja, identifica várias crises da educação na história moderna. Uma primeira crise da educação tradicional se encontra no nascimento da modernidade, no extraordinário período conhecido como Renascença, ou Renascimento, motivado pelas mudanças de visão do mundo, influenciadas pelo rompimento dos limites da visão eurocêntrica, mesmo terrocêntrica, também por efeito das descobertas da astronomia e do desenvolvimento das navegações. Associado à grande riqueza das artes e às descobertas geográficas e científicas, acontece também na época importante movimento de idéias e de mudança de valores, fortemente marcados pelo questionamento da autoridade e da hierarquia. Neste período da emergência e afirmação do humanismo moderno, da rebeldia ante a autoridade que predominara durante a Idade Média, surgem pensadores com nova percepção sobre a natureza do homem, portanto, em consequência, também com novas concepções e sugestões para a educação e da afirmação de um humanismo pedagógico. 6 Documentos de 1786 registram que, em 1700, em Paris, teriam sido recolhidas 1738 crianças; em 1750, na mesma cidade haviam sido recolhidas 3789 crianças; enquanto, em 1772, foram recolhidas 7676 (dado de pesquisa de John Boswell, 1987, referida por RENAUT, op.cit., 2002, p.142) 6

7 Entre os trabalhos que no período renascentista influenciariam as idéias sobre educação e sobre a infância, Renaut destaca Pico de la Mirandola e Erasmo de Rotterdam, 7 em cujo pensamento emerge já a modernização moderna da educação. É especialmente interessante lembrar que o humanismo de Erasmo o levou a pensar a educação como algo mais que a educação espiritual, da educação cristã tradicional, como um desenvolvimento que se deveria buscar em três níveis: 1. No nível do corpo, dever-se-ia visar a afirmação da liberdade humana em relação à tirania dos impulsos não dominados, pois a disciplina, como educação física, previne da escravização do homem por seus desejos; 2. No nível dos sentimentos, a instituição do humano consistirá na educação da sensibilidade para as artes e as letras, para o que chamamos de cultura, que nos libera da imediatidade possessiva da necessidade; 3. No nível da inteligência, enfim, será cultivada a da instrução, como educação do saber, que liberta das opiniões e das crenças cegas que conduzem ao dogmatismo e ameaçam a própria razão, em suas formas ilusórias que O elogio da loucura estigmatiza, mostrando os fanatismos de que pode ser presa. 8 Na continuidade da crise da educação inaugurada pelos humanistas da Renascença, nos primeiros séculos da era moderna, o caminho da afirmação da infância, ou da liberdade das crianças, evoluiu na proporção do enfraquecimento e do abalo da autoridade tradicional. Este processo teve causas complexas e diversas, mas Renaut defende sua interpretação como correlato da evolução dos ideais políticos, que os pensadores políticos modernos trataram: Na Inglaterra do século XVII, para Thomas Hobbes, que em geral se interpreta como um autor conservador nas questões de autoridade e liberdade, contudo, no que tange à maneira de considerar a infância, sua influência já trabalharia na direção do enfraquecimento da autoridade; pois que para Hobbes a autoridade paterna não é uma decorrência natural das situações familiais e de relação entre as idades da vida. A autoridade paterna foi compreendida por Hobbes como convencional. E quando o filósofo do Leviatã considerava a autoridade paterna como convenção, embora a defendesse, esta consideração atingia a convicção tradicional que, para Aristóteles e seus seguidores através da Idade Média, era a de ser natural a autoridade do pai sobre os filhos, sendo, mesmo, a 7 Erasmo de Rotterdam: Da educação das crianças, 1529; ou Sobre a necessidade de instruir as crianças o mais cedo possível e de modo liberal ; em latim: De pueris statim ac liberaliter instituendis, às vezes referido apenas como De pueris. 8 Conferir RENAUT, op.cit, p

8 autoridade doméstica vista como o modelo natural para a autoridade política. Na mesma Inglaterra de Hobbes, na geração seguinte que acompanha o século XVIII, a história da filosofia nos apresentaria a John Locke, outro dos filósofos contratualistas fundadores da filosofia política moderna, pensador central no processo da transformação da concepção da autoridade paterna, cujas reflexões terão consequência direta para as idéias sobre a educação, constituindo-se em degrau importante nessa evolução. 9 Para Locke, a educação, como a política, é necessária por causa do pecado e da queda, como conseqüência do pecado e para correção da natureza decaída. Por causa da decadência da natureza humana, fruto do pecado, torna-se necessário o esforço educativo, assim como a organização do estado e da sociedade civil. No pensamento de Locke continua a afirmar-se a autoridade dos adultos sobre as crianças; contudo, o direito parental, dos pais, pai e mãe, substitui o direito paternal, do pai, o que é bem novo na história das idéias sobre tais relações. Apesar de suas ambigüidades, John Locke defende que educar é formar um ser livre. Assim como era originariamente livre antes do pecado, o homem deve reencontrar pela educação a sua liberdade própria. Por isso, deve-se educar para a liberdade, e o sentido da educação é formar um ser livre, para o que convém educar pela liberdade. Uma segunda crise da educação tradicional seria aberta pelo escândalo Jean-Jacques Rousseau. Rousseau, sobretudo com a publicação do livro Emílio ou Da educação (1762), constitui-se num divisor de águas na história das idéias, assim como sobre os fundamentos do governo e da democracia, também quanto às idéias sobre a educação das crianças, sobre o tratamento das crianças pelos adultos, e sobre a parte de liberdade e a parte de destino na experiência dos homens ainda não maduros. Com o seu discurso sobre a educação das crianças, Rousseau se inseria no grande interesse do séc. XVIII pela educação, por isso é surpreendente, e é preciso investigar cuidadosamente, para entender o porquê da polêmica em torno de sua obra e de suas idéias sobre a educação das crianças expressas em seu romance filosófico, situado entre os tantos ensaios pedagógicos da época. Até hoje a pergunta permanece e Renaut a repõe: por que o escândalo dos iluministas ante O Emílio de Rousseau? É verdade que Rousseau interrogava os valores da civilização e, ainda mais do que os valores da civilização, questionava 9 Ver LOCKE: Pensamentos sobre a educação.conferir RENAUT, 2002, p.227 e ss. 8

9 a própria idéia moderna de humanidade. Porém, será isto suficiente para explicar o grande escândalo? O que haveria na concepção de natureza humana de Rousseau para tanto escandalizar a sua época? Rousseau não prezava tanto a razão como a única, talvez nem mesmo como principal característica a fazer de um homem um homem; e isso deveria ser chocante, no século em que a razão se afirmava como um dogma. Todavia, provavelmente o mais novo e escandaloso, na concepção rousseauniana de natureza humana, seja a afirmação da sua dimensão de perfectibilidade, o que dá novo peso de responsabilidade à tarefa pedagógica e educativa, ante o indivíduo e ante o povo. Jean-Jacques Rousseau afirma que o caráter da espécie não é ser racional, ou ser político, nem de ser isto ou aquilo, mas de ser perfectível. O caráter específico da humanidade é a capacidade e necessidade de receber uma educação para se aperfeiçoar conforme aos fins que o próprio homem escolhe, portanto, conforme à liberdade humana. Esta é uma idéia que tem elos com a antropologia filosófica do homem como ser em possibilidade que encontramos no pensamento de Ernst Bloch, 10 que concebe o estado de indeterminação _ ou seja, de possibilidade, quer dizer, de liberdade _ como o próprio do ser humano. É verdade que as interpretações das idéias de Rousseau são inúmeras e variadas, e requereriam nossa atenção mais paciente, mais longo estudo; Alain Renaut nos faz refletir sobre as dúvidas sobre elas, sobre quais serão as mais acertadas, quais os mal-entendidos, e sobre quais as contradições de Rousseau que também hoje ainda provocam a polêmica e o debate. No entanto, não é aqui o momento adequado para nos deixarmos enveredar por esse caminho sinuoso da polêmica sobre Rousseau, sem dúvida importante para ser revisada, especialmente pelos pesquisadores da área da educação. Rousseau apresentou avanços, mas também retrocessos, com relação a, por exemplo, as posições de Locke, no que concerne ao respeito à natureza humana, às crianças e sua liberdade. Todavia, como um fecho decisivo para a questão da importância das concepções de Rousseau, pensador que pôde (e ainda pode, talvez) ser considerado irregular, porque se expressava muitas vezes por ensaios literários, que usou mesmo o gênero do romance e o de memórias para expor suas idéias, além da contraditória notoriedade em seu tempo, aliada a incontestável influência sobre a posteridade _ nas ciências humanas, no direito, na política, vale lembrar o reconhecimento e o aplauso 10 Conferir BLOCH, Ernst: Princípio esperança _ I, II e III. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005 e Ver especialmente o artigo: O homem como ser em possibilidade, Revista Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro,

10 recebido do grande filósofo da Aufklãrung, Emmanuel Kant. Na Pedagogia (1765), e na Antropologia (1798), Kant reconhece a importância e a centralidade de Rousseau, e Renaut nos recorda o juízo kantiano de que, a partir de então, só se poderia ser contra ou a favor de Rousseau, mas não seria mais possível desconsiderá-lo, ao continuar a obra de reflexão, precisemos, sobre as realidades humanas em geral, políticas e pedagógicas em particular. Após Rousseau, na história das humanidades no horizonte ocidental, e isto com dimensão mundial, constata-se uma evolução paradoxal que pode ser dita simultaneamente como desenvolvimento das ciências sociais e como decadência ou esquecimento da filosofia política. Sacudido nesse movimento contraditório, no bojo de conflitos que fariam o eixo político da era das revoluções e da era dos extremos, 11 continuaria o progresso da afirmação dos ideais de igualdade e de liberdade. Assim, no século XIX, onde se encontram juntos Alexis Tocqueville e Karl Marx, a filosofia política cederia espaço à ciência social, à economia, bem como à filosofia da história ligada aos movimentos sociais. Desde o momento romântico e utópico do século XIX, avançando pelo XX, e apesar das vicissitudes da evolução política e do pensamento social, das ideologias e dos eventos trágicos dos totalitarismos, contudo, continuou seu caminho o progresso, descontínuo e incerto, mas irresistível, dos ideais de igualdade e liberdade. É nesse mesmo tempo, paradoxal e violento dos extremos, quando se registram conquistas legais e efetivas dos movimentos pela afirmação política de grupos oprimidos _ das classes sociais trabalhadoras, das etnias escravizadas, dos povos colonizados, das mulheres submetidas. Assim, no caminho da evolução da sociedade mundial no sentido da liberdade e da igualdade, uma terceira crise da educação emergirá a partir do centro do século passado, desde em torno de 1950 até o presente. Após a segunda guerra mundial, durante as décadas de grande desenvolvimento científico e tecnológico da segunda metade do século XX, talvez mesmo por causa do progresso científicotecnológico, o mundo continuou a desenvolver-se na direção da ainda maior queda da autoridade e da hierarquia _ na sociedade em geral, nas organizações particulares e nas relações intersubjetivas, quer dizer, também nas relações com a juventude e com a infância, entre adultos e crianças, na família e na escola. O avanço da liberdade e da igualdade nos últimos cinqüenta anos pode ser questionado, como um 11 Expressões do historiador Eric Hobsbawn, que se constituíram em títulos dos volumes de sua história da época contemporânea, referentes aos séculos XIX e o XX. 10

11 processo ainda insuficiente, incompleto, defeituoso, de um fenômeno mal distribuído, às vezes desviado, mascarado, perverso, contudo, não pode ser negado como algo irreal ou inexistente. O avanço da igualdade se dá com o avanço da afirmação do sistema democrático de organização política, em regiões do mundo em que ela não existia ou não era tradição no começo do século XX. Também na América Latina podemos constatar, e as pesquisas nas ciências sociais com certeza o poderão confirmar, embora interrompido por décadas de tensa reação em forma de ditaduras, podemos reconhecer o avanço dos ideais democráticos em nosso continente, um amplo processo de avanço embora irregular e nem sempre linear da liberdade e da igualdade. As classes populares e os grupos oprimidos em geral, como as minorias étnicas historicamente discriminadas, as mulheres historicamente submetidas, encontram também na América Latina um caminho de afirmação e reconhecimento, em busca de igualdades econômicas e sociais, além das políticas e culturais. Também pela influência dos novos meios de comunicação, sobretudo com o advento das novas tecnologias, afirmam-se formas de relacionamento inter-pessoais, e entre grupos sociais, mais igualitários, sendo bastante forte a sua associação com o amplo processo de globalização acelerada nas últimas décadas. É bem próprio de nosso último tempo a afirmação de uma variada e inovadora legislação que interfere no doméstico para proibir e coibir a repressão e a violência na escola e na família. A reivindicação coletiva, histórica, pelas mulheres, de maior liberdade e igualdade jurídica, política, se efetivou em grande parte por uma maior igualdade econômica e social, com variações conforme as regiões do planeta e os grupos determinados. De certo modo e parcialmente, foram realizadas as reivindicações das mulheres, pela conquista de direitos iguais à participação, à propriedade, ao estudo, ao trabalho, às condições de dignidade. As mulheres continuam lutando com as discriminações, as dificuldades específicas, o preconceito, a violência doméstica, mas nessa luta estão mais amparadas pela lei, pelas instituições jurídicas, e pela compreensão mais difundida na opinião pública. De modo que é recém agora quando as mulheres parecem estar criando elos com a política propriamente dita, experimentando exercer maior poder em suas cidades, em seus países. É nesse contexto, pois, do avanço paulatino dos ideais e das práticas de igualdade e liberdade, interferindo e transcendendo o domínio 11

12 doméstico, das relações do âmbito privado onde tradicionalmente viveram as mulheres, onde se situa a atual reivindicação e problemática dos direitos das crianças e dos adolescentes, ou seja, dos menores, a que se dedica especialmente a educação. Após tais mudanças evidentes, depois da perda da situação tradicional, estariam as crianças ainda pior que antes? Quando, como já vimos acima, Hannah Arendt dizia que em nossa época contemporânea, quando parecem ter obtido mais autonomia e estaria mais controlada a repressão e a punição dentro das escolas e das famílias, por causa da crise da autoridade e a crise da proteção paterna, a situação para as crianças seria pior que antes, Alain Renaut julga ter sido a filósofa, nessa reflexão, influenciada por uma idealização injustificável do passado, que seria injusto defender, ante o imenso sofrimento registrado pela história da infância, na época antiga e medieval mas também no período moderno, da realidade do abandono, do direito paterno à punição dos filhos, do direito do mestre à punição do discípulo. No século XX ocorreram as primeiras declarações internacionais dos direitos das crianças. Dois séculos depois do Iluminismo, que deu origem às primeiras declarações dos direitos do homem, começam a ser reconhecidos, pelo menos formalmente, os direitos da criança, como de um pequeno homem. Nas primeiras declarações oficiais _ a da Sociedade das Nações, em 1924, e a da ONU, de 1959_, o objetivo evidente era o de promover a proteção das crianças, expostas a tantos perigos e sofrimentos no período que vai do começo da primeira grande guerra mundial até o final da segunda. Por outro lado, a declaração da ONU de 1989, muito mais longa e explícita, registra uma transformação substancial de intenções e disposição, e já reconhece aos menores direitos ligados a liberdades. Na Declaração de 1989 misturam-se e confundem-se duas tradições de conquistas de direitos, duas espécies de direitos 12 : os direitoscréditos, ou seja, direitos sociais _ à vida, à saúde, à proteção, e direitos-liberdades, ou direitos políticos, se é que se pode dizer assim, ao nos referirmos a crianças. Nas declarações dos direitos do homem adulto também se misturaram e podem ser distinguidas essas duas ordens de direitos: uma influenciada pelo avanço das idéias modernas oriundas do liberalismo; a outra, resultado das lutas democráticas mais ligadas à corrente do socialismo e à militância sindicalista. E não só acontece certa confusão, carente de melhor esclarecimento, numas 12 Ver Norberto Bobbio, A era dos direitos. Rio de janeiro: Campus,

13 como noutras declarações, bem como, além disso, processa-se claramente uma inversão, que se torna evidente ao compararmos as Declarações dos direitos do homem referentes aos adultos, com as Declarações dos direitos das crianças. Sobretudo, há uma inversão de avaliação do que parece no presente como direito certo e inquestionável ou como direito polêmico, duvidoso, alvo de discussão. Assim, o que é tido como inquestionável para os homens adultos, ou seja, os direitos à liberdade _ de crença, de pensamento, de opinião, de expressão, de reunião, são os direitos questionados quando se trata das crianças. E o que é tido como inquestionável para as crianças, como o direito à proteção, à educação, à saúde, etc., é posto em dúvida em relação aos adultos. O direito ao trabalho, por exemplo, que é reconhecido quase como um dever para os adultos, é negado, quase como um crime, para as crianças. O inquestionável e relevante é que, de um modo ou de outro, avança o reconhecimento dos direitos humanos das crianças, como homens em todo o sentido, embora ainda não plenamente desenvolvidos e maduros, muito embora permaneçam, ante a moderna evolução do reconhecimento dos direitos infantis, algumas perguntas ainda sem resposta. A primeira pergunta que causa dúvida e discussão é se é possível pensar a criança como cidadão. Pode-se constatar a correção de que a criança seja considerada pela lei como cidadão, enquanto um cidadão em desenvolvimento, mas em que medida e a que momento deste desenvolvimento ser-lhe-ia dado o direito e a responsabilidade de participar, com sua vontade, voz e voto, na política de seu país? Em que momento deveria ser considerado um cidadão a parte inteira? Por outro lado, há que manter a consciência dos riscos de uma formalização jurídica das relações entre pais e filhos, adultos e crianças, professores e alunos, que ameaça as teias da vida em que estão imersas as crianças. Tomando este caminho, a negociação se impõe em todo tempo e lugar. E parece bem questionável se nas maneiras de convivência entre pais e filhos pequenos, por exemplo, a constante negociação seja o melhor caminho, em toda ocasião. Com certeza, esses são os dois pólos entre os quais oscila a questão da mudança consciente das formas de convívio entre adultos e crianças, pais e filhos, professores e alunos, entre mais liberdade ou mais segurança, mais liberdade ou mais proteção para as crianças. E outra pergunta difícil de responder é se as crianças podem ser consideradas como um grupo social oprimido. Mesmo no que se refere às mulheres, a linha entre a situação a superar e a situação de superação é mais clara. As mulheres declaradas plenamente adultas pela lei, cidadãs a parte inteira, podem ser consideradas como emancipadas, mesmo se 13

14 continuarão a buscar outras formas de liberdade e reconhecimento dentro das situações econômicas e sociais concretas. Quanto às crianças, uma vez que, por definição, pela idade da vida em que se encontram, estão em evolução e mudança até outra forma de ser humanos como adultos, sendo portanto sua existência mesma, enquanto crianças, provisória, e sendo o seu modo próprio de ser humano ainda não de todo maduro, as perguntas que ocorrem aos que trabalham sobre os seus direitos são muitas e não se acham ainda todas as respostas. Para além do direito, é preciso elaborar uma ética da solicitude e do apoio moral, que contemple e colabore para aperfeiçoar a atitude dos adultos diante das crianças, que se tornaram sujeitos de novos direitos. Alain Renaut sugere e recomenda que, compreendendo embora como um progresso irresistível a transformação sofrida nas relações entre pais e filhos, adultos e crianças, na ótica da história política e de conquista de reconhecimento dos ideais e das práticas da liberdade e da igualdade, contudo, não se julgue suficiente, nem veja como suficiente a passagem da ausência de lei ao plano do direito e da lei, que levaria a uma resposta formal, jurídica, às questões e conflitos trazidos pelas novas situações e expectativas. E assim, o estudo em questão termina com a proposta de busca coletiva de um aperfeiçoamento ético que pense as obrigações dos adultos diante das crianças, ou seja, com a recomendação de uma nova ética das obrigações dos adultos ante as crianças, pois que os direitos das crianças requerem correspondentes obrigações dos adultos. Para avançar nesse caminho, Renaut refere os trabalhos de Onora O Neill, estudiosa da filosofia prática kantiana que tem trabalhado sistematicamente sobre uma ética das obrigações dos adultos ante os menores, levando em conta a vulnerabilidade e a carência infantil de apoio moral, posto que os direitos das crianças requerem correspondentes e adequadas obrigações dos adultos. 13 Restam-nos desta leitura, pois, muitas sugestões, para empreendimentos futuros de pesquisa em educação, com vistas a tal desenvolvimento ético, diante das crianças a caminho da igualdade e da liberdade. Referência principal RENAUT, Alain: A libertação das crianças. Paris: Hachette, ª ed., Paris: Calmann-Lévy, Lisboa: Instituto Piaget, Na recomendação da ética da solicitude, percebemos ecos da reflexão de Paul Ricoeur; cf Rosa M.F.Martini (UNISC, ). 14

15 Referências secundárias ARENDT, Hannah: A crise na educação, in: Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, ARIÈS, Phillipe: História social da criança e da família. Rio de Janeiro: LTC, BLOCH, Ernst: Princípio esperança _ I, II e III. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005 e BLOCH, Ernst: O homem como ser em possibilidade. Revista Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, BOBBIO, Norberto: A era dos direitos. Rio de janeiro: Campus, ERASMO de Rotterdam: Educación del príncipe cristiano. Madrid: Tecnos, HOBSBAWM, Eric: Era dos extremos: o breve século XX: São Paulo: Cia. Das Letras, LOCKE, John: Pensamientos sobre la educación. Ediciones, Madrid: Akal O NEILL, Onora: Having Children. Philosophical and Legal Reflections on Parenthood. New York: Oxford University Press, RICOEUR, Paul: Soi-même comme um autre. Paris: Seuil, ROUSSEAU, Jean-Jacques: Emílio ou Da educação. São Paulo: Martins Fontes, TOCQUEVILLE, Alexis de. A democracia na América. Belo Horizonte: Itatiaia,

EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO a libertação das crianças sob o olhar da filosofia política

EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO a libertação das crianças sob o olhar da filosofia política EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO a libertação das crianças sob o olhar da filosofia política Suzana Guerra Albornoz 1 UNISC INTRODUÇÃO Quando os profissionais da educação se reúnem em torno do tema PESQUISA E INSERÇÃO

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

Gestão Pública. Ética e cidadania. Tema: Ética e Cidadania

Gestão Pública. Ética e cidadania. Tema: Ética e Cidadania Gestão Pública Profa. Márcia Velasques Ética e cidadania Seminário de políticas locais/regionais: as dimensões da ética, da cultura e dos serviços prestados ao público Tema: Ética e Cidadania Núcleo de

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS ANAIS

APRESENTAÇÃO DOS ANAIS APRESENTAÇÃO DOS ANAIS ARANHA, M.S.F.. Apresentação dos Anais. In: III Congresso Brasileiro Multidisciplinar de Educação Especial, 2002, Londrina (PR). CD-ROM do III Congresso Brasileiro Multidisciplinar

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon

Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon Soraya Vieira SANTOS; Marília Gouvea de MIRANDA (PPGE/FE/UFG) soraya_vieira@hotmail.com marília.ppge@uol.com.br Palavras-chave: Wallon;

Leia mais

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno* * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós- Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo:

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo: Resumo: Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1 Este artigo apresenta uma breve análise de como esta se desencadeando o processo de inclusão de crianças com necessidades especiais nas instituições

Leia mais

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL 3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL Os fundamentos propostos para a nova organização social, a desconcentração e a cooperação, devem inspirar mecanismos e instrumentos que conduzam

Leia mais

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO SUMÁRIO Apresentação Prefácio Introdução 1. Da história da pedagogia à história da educação 2. Três revoluções em historiografia 3. As muitas histórias educativas 4. Descontinuidade na pesquisa e conflito

Leia mais

Kant Uma Filosofia de Educação Atual?

Kant Uma Filosofia de Educação Atual? juliana_bel@hotmail.com O presente trabalho retoma as principais ideias sobre a pedagogia do filósofo Immanuel Kant dentro de sua Filosofia da Educação, através dos olhos de Robert B. Louden, professor

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é:

Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é: Atividade extra Fascículo 3 Sociologia Unidade 5 Questão 1 Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é: a. Isolamento virtual b. Isolamento físico c.

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia Sociologia Organizacional Aula 1 Organização da Disciplina Aula 1 Contexto histórico do aparecimento da sociologia Aula 2 Profa. Me. Anna Klamas A institucionalização da sociologia: August Comte e Emile

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Ciclo de formação política: os clássicos na sala de aula 1.2 Câmpus de Origem:

Leia mais

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 John Locke (1632-1704) Biografia Estudou na Westminster School; Na Universidade de Oxford obteve o diploma de médico; Entre 1675 e 1679 esteve na França onde estudou Descartes (1596-1650); Na Holanda escreveu

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS Os Direitos Humanos surgiram na Revolução Francesa? Olympe de Gouges (1748-1793) foi uma revolucionária e escritora francesa. Abraçou com destemor

Leia mais

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA Alini, CAVICHIOLI, e-mail¹: alini.cavichioli@edu.sc.senai.br Fernando Luiz Freitas FILHO, e-mail²: fernando.freitas@sociesc.org.br Wallace Nóbrega,

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais INTRODUÇÃO À sociologia Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais introdução à S Maura Pardini Bicudo Véras O CIO LO GIA Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais Direção editorial Claudiano

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Por Carlos ley Noção e Significados A expressão direitos humanos é uma forma abreviada de mencionar os direitos fundamentais da pessoa humana. Sem esses direitos a pessoa não

Leia mais

Globalização e solidariedade Jean Louis Laville

Globalização e solidariedade Jean Louis Laville CAPÍTULO I Globalização e solidariedade Jean Louis Laville Cadernos Flem V - Economia Solidária 14 Devemos lembrar, para entender a economia solidária, que no final do século XIX, houve uma polêmica sobre

Leia mais

OS SABERES DOS PROFESSORES

OS SABERES DOS PROFESSORES OS SABERES DOS PROFESSORES Marcos históricos e sociais: Antes mesmo de serem um objeto científico, os saberes dos professores representam um fenômeno social. Em que contexto social nos interessamos por

Leia mais

AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO ÉMILE DURKHEIM

AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO ÉMILE DURKHEIM AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO DE ÉMILE DURKHEIM Prof. Railton Souza OBJETO Na obra As Regras do Método Sociológico, publicada em 1895 Émile Durkheim estabelece um objeto de investigação para a sociologia

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CIÊNCIAS HUMANAS 3º ANO FILOSOFIA FILOSOFIA NA HISTÓRIA

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

O PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS VOLTADAS PARA A DEFESA DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA EDUCAÇÃO

O PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS VOLTADAS PARA A DEFESA DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA EDUCAÇÃO O PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS VOLTADAS PARA A DEFESA DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA EDUCAÇÃO Soraya Hissa Hojrom de Siqueira Diretora da Superintendência de Modalidades e Temáticas

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE Prof. Pablo Antonio Lago Hegel é um dos filósofos mais difíceis de estudar, sendo conhecido pela complexidade de seu pensamento

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL FACULDADE SETE DE SETEMBRO INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA ALUNA: NATÁLIA DE ARAGÃO PINTO ORIENTADOR: PROF. DR. TIAGO SEIXAS THEMUDO A IMPRENSA

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO RESUMO

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO RESUMO Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia - N. 6, JAN/JUN 2009 GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO Beanilde Toledo

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais

Distinção entre Norma Moral e Jurídica

Distinção entre Norma Moral e Jurídica Distinção entre Norma Moral e Jurídica Filosofia do direito = nascimento na Grécia Não havia distinção entre Direito e Moral Direito absorvia questões que se referiam ao plano da consciência, da Moral,

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO Universidade de Franca Graduação em Pedagogia-EAD Profa.Ms.Lucimary Bernabé Pedrosa de Andrade 1 Objetivos da disciplina Fornecer elementos teórico-conceituais da Sociologia,

Leia mais

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL Bruna Maria de Oliveira (¹) ; Elcione Trojan de Aguiar (2) ;Beleni Salete Grando (3) 1.Acadêmica

Leia mais

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra. Senhor Representante de Sua Excelência o Presidente da República, General Rocha Viera, Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Leia mais

Gostaria de ressaltar o papel da mulher como figura estabilizadora da família e, em decorrência, da própria vida social.

Gostaria de ressaltar o papel da mulher como figura estabilizadora da família e, em decorrência, da própria vida social. O deputado Ivo José (PT-MG) profere o seguinte discurso: Senhor Presidente, nobres colegas deputados, demais presentes, ouvintes e telespectadores da Rádio Câmara e da TV Câmara, nesta data especial, em

Leia mais

RELATIVISMO MORAL CERTO E ERRADO: QUEM DECIDE? Organizadores: Artur Bezzi Günther, Márcia Luísa Tomazzoni e Mateus Rocha da Silva.

RELATIVISMO MORAL CERTO E ERRADO: QUEM DECIDE? Organizadores: Artur Bezzi Günther, Márcia Luísa Tomazzoni e Mateus Rocha da Silva. RELATIVISMO MORAL CERTO E ERRADO: QUEM DECIDE? Artur Bezzi Günther e Márcia Luísa Tomazzoni Organizadores: Artur Bezzi Günther, Márcia Luísa Tomazzoni e Mateus Rocha da Silva. 1. Duração: 02 horas. 2.

Leia mais

DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO

DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Considerando que a criação da OIT procede da convicção de que a justiça social é essencial para garantir uma paz universal e permanente;

Leia mais

dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão.

dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão. dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão. Senso comum... aranha caranguejeira ou aranha-marrom? Epistemologia Moderna e Contemporânea EPISTEMOLOGIA investiga o conhecimento. limites. possibilidades.

Leia mais

AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES

AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES 1. Introdução. Diversas são as formas e critérios de classificação uma Constituição. O domínio de tais formas e critérios mostra-se como fundamental à compreensão

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil.

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. 1 Autora :Rosângela Azevedo- PIBID, UEPB. E-mail: rosangelauepb@gmail.com ²Orientador: Dr. Valmir pereira. UEPB E-mail: provalmir@mail.com Desde

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto de Vida MACHADO, Nilson José. Projeto de vida. Entrevista concedida ao Diário na Escola-Santo André, em 2004. Disponível em: .

Leia mais

VOLUNTARIADO E CIDADANIA

VOLUNTARIADO E CIDADANIA VOLUNTARIADO E CIDADANIA Voluntariado e cidadania Por Maria José Ritta Presidente da Comissão Nacional do Ano Internacional do Voluntário (2001) Existe em Portugal um número crescente de mulheres e de

Leia mais

SOB O DOMÍNIO DE NAPOLEÃO

SOB O DOMÍNIO DE NAPOLEÃO SOB O DOMÍNIO DE NAPOLEÃO Nível de Ensino/Faixa Etária: 8º e 9º anos do Ensino Fundamental, e todas as séries do Ensino Médio Áreas Conexas: História, Geografia, Sociologia, Ciências Consultor: Rafael

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

Os direitos das crianças e adolescentes no contexto das famílias contemporâneas. Ana Paula Motta Costa anapaulamottacosta@gmail.

Os direitos das crianças e adolescentes no contexto das famílias contemporâneas. Ana Paula Motta Costa anapaulamottacosta@gmail. Os direitos das crianças e adolescentes no contexto das famílias contemporâneas Ana Paula Motta Costa anapaulamottacosta@gmail.com Pressuposto: Direito à Convivência Familiar, um direito fundamental de

Leia mais

DIREITOS HUMANOS. Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana

DIREITOS HUMANOS. Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana DIREITOS HUMANOS Noções Gerais Evolução Histórica i Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana Positivismo e Jusnaturalismo Universalismo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA ECOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO DOS CIDADÃOS E CIDADÃS E FUTUROS TRABALHADORES

A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA ECOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO DOS CIDADÃOS E CIDADÃS E FUTUROS TRABALHADORES A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA ECOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO DOS CIDADÃOS E CIDADÃS E FUTUROS TRABALHADORES Bruna Maria Jacques Freire de Albuquerque, Universidade Católica de Pernambuco, exbolsista de Iniciação

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES Ao longo de muitos séculos, a educação de crianças pequenas foi entendida como atividade de responsabilidade

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Prof. Ms. Gleidson Salheb

Prof. Ms. Gleidson Salheb Prof. Ms. Gleidson Salheb Objetivo Geral Proporcionar conhecimentos teóricos e práticos sobre as situações didáticas, de maneira que os alunos compreendam de forma reflexiva, crítica e socialmente contextualizada

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Maria Lígia de Oliveira Barbosa Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009, 272 p. Maria Lígia de Oliveira Barbosa, que há algum tempo

Leia mais

CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito. Aula 03. Prof. Milton Correa Filho

CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito. Aula 03. Prof. Milton Correa Filho CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito Aula 03 E Prof. Milton Correa Filho 1.Motivação: O que é o que é (Gonzaguinha) -Dialógo de Antigona 2.Apresentação dos slides 3.Tira duvidas 4.Avisos

Leia mais

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda Alvarez, Lívia Sousa Anjos Objetivos:

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Tópico para o exame de admissão 2016

Tópico para o exame de admissão 2016 . INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO-ISCED/Luanda DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE FILOSOFIA Tópico para o exame de admissão 2016 1. EMERGÊNCIA DE FILOSOFIA As diversas maneiras de definir

Leia mais

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial,

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial, 192 Assembleia Geral 39 a Sessão suas políticas internas e exteriores segundo as disposições básicas da Convenção, Tendo em mente o fato de que a Convenção está sendo implementada em diferentes condições

Leia mais

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS IX Encontro Internacional do Fórum Paulo Freire Tema Geral: Caminhos de emancipação para além da crise: Resgatando temas geradores do pensamento educativo e social de Paulo Freire Eixo 2 - Educação - O

Leia mais