FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CLAUDIANO SALES DE ARAUJO JUNIOR USO DO MÉTODO HoQ NA DEFINIÇÃO E PRIORIZAÇÃO DOS REQUISITOS PARA UM NOVO SERVIÇO: ESTUDO DE CASO: HOTELZINHO CASA DA VOVÓ São José dos Campos São Paulo 2013

2 i CLAUDIANO SALES DE ARAUJO JUNIOR USO DO MÉTODO HoQ NA DEFINIÇÃO E PRIORIZAÇÃO DOS REQUISITOS PARA UM NOVO NEGÓCIO: ESTUDO DE CASO: HOTELZINHO CASA DA VOVÓ Isnard Marshall Júnior, D Sc. Coordenador Acadêmico Luciano Miguel Salamacha, M. Sc Professor Orientador Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso MBA em Gestão Empresarial de Pós-Graduação lato sensu, Nível de Especialização, do Programa FGV Management como pré-requisito para obtenção do título de Especialista. TURMA: MBA EM GESTAO EMPRESARIAL: GE - 37 São José dos Campos São Paulo 2013

3 ii MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL Coordenador Acadêmico: Isnard Marshall Junior, D Sc. O Trabalho de Conclusão de Curso - TCC USO DO MÉTODO HoQ NA DEFINIÇÃO E PRIORIZAÇÃO DOS REQUISITOS PARA UM NOVO NEGÓCIO: ESTUDO DE CASO: HOTELZINHO CASA DA VOVÓ elaborado por: Claudiano Sales de Araujo Júnior, e aprovado pela Coordenação Acadêmica, foi aceito como pré-requisito para a obtenção do MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL, Curso de Pós-Graduação, lato-sensu, Nível de Especialização, do programa FGV Management. Data da aprovação:... de...de.... Luciano Miguel Salamacha, M. Sc

4 iii TERMO DE COMPROMISSO O aluno Claudiano Sales de Araujo Junior, abaixo-assinado, do Curso de MBA em Gestão Empresarial, do Programa FGV Management, realizado nas dependências da instituição conveniada Paulista, localizada em São José dos Campos, SP, no período de 03/11/2011 a 18/09/2013, declara que o conteúdo do TCC TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO intitulado USO DO MÉTODO HoQ NA DEFINIÇÃO E PRIORIZAÇÃO DOS REQUISITOS PARA UM NOVO NEGÓCIO ESTUDO DE CASO: HOTELZINHO CASA DA VOVÓ, é autêntico, original, e de sua autoria exclusiva. São José dos Campos, 12 de junho de 2013 Claudiano Sales de Araujo Júnior

5 iv v DECLARAÇÃO O aluno Claudiano Sales de Araujo Junior, abaixo-assinado, do Curso de MBA em Gestão Empresarial, do Programa FGV Management, realizado nas dependências da instituição conveniada Paulista, localizada em São José dos Campos, SP, no período de 03/11/2011 a 18/09/2013, AUTORIZA a divulgação de informações e dados apresentados na elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso TCC, intitulado USO DO MÉTODO HoQ NA DEFINIÇÃO E PRIORIZAÇÃO DOS REQUISITOS PARA UM NOVO NEGÓCIO ESTUDO DE CASO: HOTELZINHO CASA DA VOVÓ, com objetivos de publicação e/ou divulgação em veículos acadêmicos. São José dos Campos, 12 de junho de 2013 Claudiano Sales de Araujo Júnior

6 v Agradecimentos Em primeiro lugar a Deus, que tudo provê, que dá sentido às coisas, e que me deu todas as forças, disposição e inspiração nessa longa jornada. Agradeço também à minha família: A Diovana, pela paciência, apoio e carinho, e aos meninos Filipo e Danilo, por entenderem e amarem o papai mesmo estando distante por tantas noites, seja em aulas ou elaborando o PIN e esse TCC.

7 vi Dedicatória À minha falecida e querida mãe, Ledes Simões de Araujo. Ela ficaria muito feliz e orgulhosa por ter alcançado mais esse objetivo. Saudades de você, minha Mãe!

8 vii RESUMO O presente trabalho aborda a aplicação do método HoQ (Casa da Qualidade), uma das ferramentas da metodologia QFD (Quality Function Deployment), na análise, identificação e priorização dos requisitos e atributos necessários ao desenvolvimento de um novo serviço de hospedagem infantil, denominado Casa da Vovó: Hotelzinho e Day Care. O resultado obtido na aplicação do método permitiu a priorização dos esforços, a melhoria considerável da comunicação interna na equipe, e, principalmente, no foco da equipe para o desenvolvimento de uma solução que atendesse os reais anseios e necessidades dos clientes, eliminando-se assim visões e percepções parciais do serviço. O estudo conclui que o método pode ser adotado com sucesso no desenvolvimento de serviços dessa natureza, o que confirma resultados apresentados na literatura de utilização do método no desenvolvimento de outros tipos de produtos e serviços.

9 viii ix ABSTRACT This report presents and discusses the application of the method HoQ (House of Quality), one of the tools that composes the methodology QFD (Quality Function Deployment), in the analysis, identification and prioritization of requirements and attributes needed to develop a new accommodation service for young children, called Casa da Vovó: Hotelzinho e Day Care. The result obtained in the application of the method allowed not only the prioritization of efforts, and a substantial improvement of internal communication in the team, but also allowed the team to focus on the key issues needed to develop a solution that meets the real needs and desires of customers, thus eliminating partial visions and perceptions. The study concludes that the method may be used successfully in the support for project teams involved in the development of this sort of services, which confirms results reported in the literature for use of the method in the development of other types of products and services. x xi

10 ix LISTA DE QUADROS Quadro 1: Sumário das necessidades dos clientes Quadro 2: Peso de cada uma das necessidades na opinião do cliente Quadro 3: Análise da concorrência e benchmark Quadro 4: Tabela completa de planejamento do serviço Quadro 5: Requisitos definidos para o serviço Hotelzinho Casa da Vovó Quadro 6: Tabela de relacionamento: necessidades vs requisitos Quadro 7: Casa da Qualidade (HoQ) completo, para o desenvolvimento de um serviço de hospedagem infantil Quadro 8 - Sugestões e opiniões dos participantes... 62

11 x LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1: Passos do Processo QFD Figura 2: Representação conceitual da Casa da Qualidade (HoQ) Figura 3: Representação e elementos típicos da Casa da Qualidade Figura 4: Exemplo simplificado de HoQ preenchido Figura 5: Tipos de necessidades a serem identificadas e atendidas (serviços) Figura 6: Necessidades do cliente transcritas em cartões Figura 7: Necessidades dos clientes agrupadas em categorias Figura 8: Exemplo de formulário para ranqueamento relativo das necessidades Figura 9: Exemplo de questionário utilizado para comparação entre Figura 10: Exemplo de Tabela HoQ de Planejamento de Satisfação dos Consumidores Figura 11: Exemplo preenchido da tabela de requisitos do método HoQ.. 31 Figura 12: Exemplo de tabela de relacionamento entre necessidades e requisitos Figura 13: Detalhe do telhado da HoQ, mostrando o relacionamento entre os requisitos Figura 14: Exemplo de determinação da prioridade dos requisitos Figura 15: Exemplo de análise de competidores na HoQ Figura 16: Resultado da aplicação da HoQ: Metas estabelecidas para cada requisito do produto Figura 17: Logomarca Casa da Vovó, Hotelzinho e DayCare Figura 18: Principais requisitos identificados e priorizados Figura 19: Definição do cliente típico para o empreendimento Hotelzinho Casa da Vovó Figura 20: Modelo de previsão de demanda diária de hospedagem Figura 21 - Cadeia de valor Hotelzinho 24 Horas Figura 22: Organograma do Hotelzinho Figura 23 - Website criado para a Pesquisa de Necessidade de Cliente... 61

12 xi GLOSSÁRIO QFD: Quality Funcion Deployment (Desdobramento da Função Qualidade) HoQ: House of Quality (Casa da Qualidade) PIN: Plano Integrado de Negócio TCC: Trabalho de Conclusão de Curso

13 xii SUMÁRIO Introdução House of Quality (HoQ): Referencial Teórico HISTÓRIA DO QFD ADOÇÃO DO QFD NOS EUA UTILIZAÇÃO E EVOLUÇÃO DO QFD NO BRASIL ADOÇÃO DO QFD NO SETOR DE SERVIÇOS DESENVOLVIMENTO DE SERVIÇOS: TIPOS DE REQUISITOS MODELO DE KANO VANTAGES E DESVANTAGENS DA ADOÇÃO DO MÉTODO ELABORAÇÃO DO HOQ PASSO A PASSO Descrição do Caso: Hotelzinho Casa da vovó HOTELZINHO CASA DA VOVÓ: SUMÁRIO Aplicação do método House of Quality(HOF) ao caso DEFINIÇÃO DO CLIENTE ALVO PARA O SERVIÇO DEFINIÇÃO DAS NECESSIDADES DO CLIENTE; DEFINIÇÃO DOS PESOS DAS NECESSIDADES DOS CLIENTES AVALIAÇÃO DA CONCORRÊNCIA E BENCHMARKING DEFINIÇÃO DOS REQUISITOS E ATRIBUTOS DO SERVIÇO HOQ: TABELA DE INTER-RELACIONAMENTOS HOQ: TELHADO DE RELACIONAMENTO ENTRE REQUISITOS HOQ: TABELA DE METAS E PRIORIDADES RESULTADO DA APLICAÇÃO DO MÉTODO Conclusões LIMITAÇÕES E CONSIDERAÇÕES DESSE ESTUDO: SUGESTÃO DE ADOÇÃO EM PLANOS DE NEGÓCIO (PIN) FGV FUTUROS Referências Bibliográficas Apêndice 1 - Pesquisa Necessidades dos Clientes-Alvo.. 61

14 13 INTRODUÇÃO Como consequência do aumento da competitivade global em todos os setores industriais e de serviços, ao longo das últimas décadas empresas e pesquisadores têm trabalhado conjuntamente para desenvolver e testar uma grande quantidade de novos conceitos, metodologias, ferramentas e soluções, para auxílio e suporte a basicamente e todos os aspectos e processos do negócio, incluíndo os processos essenciais de desenvolvimento de novos produtos (e.g., (GRANER e MIßLER-BEHR, 2012), (KAHN, 2004), etc.) e serviços (e.g., (WILD, 2009); (ALONSO-RASGADO, THOMPSON e DANNEMARK, 2004); (ZHOU, 2008) e (NYSVEEN e PEDERSEN, 2007) etc.). Entre as metodologias mais disseminadas das e adotadas pela industria para a melhoria do desenvolvimento de produtos encontra-se o Desdobramento da Função Qualidade, mais conhecido simplesmente como QFD (do inglês Quality Function Deployment - (CHENG, 1996)). Basicamente o QFD permite traduzir de forma sistemática a voz do cliente, exatamente como expresso por esses, em requisitos priorizados, de produto, serviço ou negócio, levando-se ainda em consideração a performance da concorrência e as restrições e objetivos estratégicos internos. Esses requisitos de produtos são então desdobrados novamente, formando requisitos para partes e sistemas, para o processo produtivo, e finalmente para a manufatura, em um cascateamento como mostrado na Figura 1 a seguir. Figura 1: Passos do Processo QFD Implementação completa Fonte: Autor adaptado de (CHENG, 1996)

15 Desde a sua introdução por Akao e Muzuno no Japão nos anos 60 (CHENG, 1996), inicialmente nte como metodologia de suporte ao desenvolvimento e melhoria de produtos, o método se espalhou rapidamente pelo mundo, e tem sido adotado por empresas dos mais diversos setores industriais e de serviços (e.g., (MAZUR, 2010). Como consequência da sua larga adoção, em especial desde os anos 80 e 90, uma grande quantidade de esforço acadêmico tem sido devotada ao tema, como reportado, por exemplo, por Chan & Wu (CHAN e WU, 2002). Esse amplo corpo de literatura inclui desde contribuições de natureza prescritiva (que buscam responder porquê e como o QFD deve ser implementado), como de natureza descritiva, incluíndo aqui estudos de caso acerca da experiência e resultados de empresas na aplicação do método. A Casa da Qualidade,, ou simplesmente HoQ (do inglês, House of Quality), representa o primeiro passo, ou ferramenta, dentro da metodologia QFD, sendo a ferramenta do QFD mais conhecida e adotada, em especial devido a sua simplicidade de aplicação e ótimos resultados obtidos com seu emprego. Nota-se que em muitos casos o termo Casa da Qualidade é usado para ser referir ao método completo do QFD, e vice-versa. A HoQ (detalhada na Seção 1.7) é apresentada como uma matriz no formato de um casa (daí o nome Casa da Qualidade), onde são relacionadas as necessidades do cliente (lado esquerdo da casa), com os requisitos do produto ou serviço necessários para atender esses desejos (parte de cima da casa). A Figura 2 ao lado mostra uma ilustração conceitual dessa matriz. A casa inclui ainda o estudo e ponderação da percepção dos clientes sobre os concorrentes (parte direita), e, finalmente, a definição e priorização das metas a serem atingidas para cada um dos requisitos do produto, serviço ou negócio (parte inferior da casa). Figura 2: Representação conceitual da Casa da Qualidade (HoQ) Fonte: Autor (adaptado de (HAUSER e CLAUSING, 1988)) 14

16 Escopo e objetivos desse trabalho Esse trabalho apresenta um estudo de caso onde o método Casa da Qualidade (HoQ) foi implementado como uma das ferramentas metodológicas cruciais para o desenvolvimento de um novo negócio na área de hospedagem e daycare infantil, denominado Casa da Vovó: Hotelzinho e Day-Care (ARAUJO, SILVA, et al., 2013). O trabalho tem como objetivo principal demonstrar a aplicabilidade e benefícios da utilização da HoQ como ferramenta auxiliar ao processo de desenvolvimento de novos negócios baseados em serviços, apresentando ainda as dificuldades e limitações de sua adoção. Dessa forma a contribuição desse trabalho se enquadra como estudo de caso da aplicação prática do método HoQ, via pesquisa participativa (onde o autor participou diretamente do esforço como membro da equipe). O empreendimento Casa da Vovó representou um projeto conduzido por uma equipe multidisciplar de 5 pessoas, como objeto do trabalho de conclusão de Mestrado em Bussiness Administration (MBA), na área de Gestão Empresarial, pela Fundação Getúlio Vargas, turma 57, São José dos Campos, SP. Esse projeto teve a duração de cerca de 1 ano, e foi concluído em fevereiro de 2013 com a elaboração e apresentação do Plano de Negócios. O Capítulo 2 desse estudo sumariza esse plano de negócios. O resultado da implementação do método no desenvolvimento desse negócio foi o claro estabelecimento e priorização dos requisitos, desdobrados diretamente da perspectiva dos clientes. A partir dessa definição e priorização todo o trabalho de desenvolvimento do novo negócio fluiu de forma mais suave, com redução perceptível dos conflitos e desentendimentos entre os membros da equipe sobre o que deveria ou não ser priorizado, o que confirma o grande valor da HoQ como ferramenta útil e aplicável ao desenvolvimento de novos negócios baseados em serviços. 15

17 16 1 HOUSE OF QUALITY (HOQ): REFERENCIAL TEÓRICO Conforme apresentado na Figura 3 abaixo, a Casa da Qualidade, ou simplesmente HoQ (do inglês House of Quality), pode ser entendido como uma matriz ou diagrama, em forma de uma casa, usada para definir o relacionamento entre os desejos do cliente, exatamente como expressados por esses (voz do cliente), e os requisitos que deverão ser implementados entados no produto, serviço ou negócio, de forma atender os desejos e necessidades expressos pelo cliente (também chamados requisitos do produto ou serviço). Figura 3: Representação e elementos típicos da Casa da Qualidade Fonte: Autor (adaptado de (CHENG, 1996)) A HoQ é parte mais conhecida e utilizada do método Quality Function Deployment (QFD) (CHENG, 1996), e é utilizada como uma matriz de planejamento que permite o relacionamento sistemático entre O QUE os clientes desejam (necessidades do cliente, ou voz do cliente tabela da esquerda), com o COMO a empresa irá atender esses desejos por meio de requisitos e/ou atributos dos seu produto, serviço ou negócio (tabela de cima). Duas partes adicionais são normamente incluídas: À direita, a tabela de planejamento, que ajuda a entender os PORQUÊS (associado a uma pesquisa de mercado) e, embaixo, os QUANTO, que nos diz a quantidade necessária de qual requisito.

18 A Figura 4 abaixo apresenta um exemplo simples de HoQ complementamente preenchido, e será usado como referência para a apresentação da descrição do passo-a-passo do preenchimento da HoQ, apresentado na Seção Figura 4: Exemplo simplificado de HoQ preenchido Fonte: (QFD Tutorial: Webducate) Nas seções a seguir investiga-se um pouco da história do QFD, sua introdução e status de aplicação nos EUA, Europa e Brasil, bem como as vantagens e desvantagens tipicamente associadas à sua adoção, conforme literatura. Na última parte do capítulo apresentamos o detalhamento do método HoQ (passo-a-passo). 1.1 Breve História do QFD De acordo com Akao (AKAO, 1997),...a metodologia QFD foi desenvolvida no Japão ao longo dos anos 60, debaixo do guarda-chuvas do movimento de Total Quality Management (TQM). É importante ressaltar que, conforme notado por Mazur

19 (MAZUR, 2010), nessa mesma época os métodos de controle estatístico da qualidade já haviam sido introduzidos e fincado importantes raizes na indústria Japonesa, e que diversas iniciativas de melhoria da qualidade estavam sendo integradas com os ensinamentos de estudiosos notáveis como Juran, Ishikawa e Feigenbaum, todos esses enfatizando a importância de fazer da qualidade uma parte relevante da gestão dos negócios. Essa foi a origem da revolução da qualidade, de onde nasceram conceitos como TQC (Total Quality Control) e TQM (Total Quality Management), e onde a metodologia QFD se insere. Segundo Akao (AKAO, 1997), a idéia inicial era desenvolver um método que assegurasse a qualidade desde o projeto inicial (design) do produto, bem antes dele ter sido manufaturado, comercializado ou suportado. De fato, os métodos disponíveis até então, dentro do movimento TQM, tratavam de evitar e/ou corrigir erros e problemas de qualidade na manufatura e/ou demais etapas do ciclo de vida do produto, com pouca ou nenhuma enfâse na fase inicial do ciclo de vida do produto. De acordo com o Akao (AKAO, 1997), já em 1966, Kiyoka Oshiumi, da empresa Bridgestone Tire, no Japão, apresentou um método onde os engenheiros usaram diagramas de espinha de peixe para identificar cada um dos requisitos do cliente ( efeito ) e identificar as caracteristicas de projeto, e fatores de manufatura (causas), necessárias para controlar e medir o atendimento desses requisitos. Ainda segundo Akao, foi essa tabela que sistematizou a verdadeira qualidade (necessidades dos clientes) em termos de funções, e então mostrou o relacionamento entre essas funções e as caracteristicas de qualidade, que eram as características substitutas da qualidade. Sabe-se também que em 1972 a Mitsubishi Heavy Industry utilizou uma variação dos diagramas de espinha de peixe adotados pela Bridgestone, simplificando-os, e trazendo para um formato próximo do QFD atual para o desenvolvimento de um navio super-petroleiro (MAZUR, 2010). A partir desse ponto o método passou por mais algumas transformações e adequações, de acordo com a sua utilização específica, sendo que a conversão das diversas possibilidades de implementação existentes na época acabou por trazer o método ao seu formato atual, tornando-se um método essencial no sistema de produto, seja de um novo produto, ou mesmo de um novo negócio. 18

20 Adoção do QFD nos EUA Graças ao seu sucesso nas aplicações japonesas, o método foi rapidamente adotado, já a partir de 1983, nos EUA, em sequência da publicação dos trabalhos de Akao pela American Society for Quality Control, e de palestras por esse proferidas, a convite do Cambridge Research Institute (atualmente denominado de Kaizen Institute). Seguiram-se a essas vários cursos de QFD dados pelo próprio Akao nos EUA, eventos esses organizados por Bob King and GOAL/QPC de Bostom, MA, EUA, conforme reportado por Mazur (MAZUR, 2010). Deve-se somar aqui o impacto causado, em especial nos meios educacionais e de pesquisa, pelo artigo publicado em 1988 pelo Professor Don Clausing (HAUSER e CLAUSING, 1988), a partir da sua experiência na aplicação do método na empresa Xerox. Como resultado do interesse despertado por essas audiências pelo método, foram publicados nos EUA, em 1990, o livro Quality Function Deployment: Integrating Customer Requirements into Product Design (AKAO, 1990) e, na sequência, em 1994, QFD: The Customer-Driven Approach to Quality Planning and Deployment (AKAO e MIZUNO, 1994). Com essas duas publicações o método QFD ganhou fôlego e chamou a atenção de uma ampla variedade de empresas nos Estados Unidos e na Europa as quais, na época, buscavam justamente formas de enfrentar a competição dos japoneses. O primeiro seminário específico sobre QFD que se tem conhecimento, fora do Japão, foi realizado em 1989 nos EUA pelo então recém criado QFD Institute (INSTITUTE, QFD, 1989). Nesse seminário foram apresentados diversos trabalhos versando sobre a implementação do método em diferentes segmentos de negócio, desde a industria automotiva até a indústria de dispositivos médicos. Desde então muitos outros seminários, congressos e conferências têm sido realizadas sobre o método, não apenas pelo QFD Institute, mas também por outras entidades focalizadas nas áreas de novos negócios, desenvolvimento de produtos, qualidade e engineering design, entre outras, expandido assim o envelope de aplicação do método para outras áreas e diferentes ramos de atividades. 1.3 Utilização e Evolução do QFD no Brasil Não existem informações precisas sobre as primeiras utilizações práticas do metódo QFD no Brasil, sendo que o primeiro artigo a esse respeito foi publicado

21 somente em 1994, reportanto a utilização do método no desenvolvimento em de um implemento agrícola (ARAUJO e BACK, 1994). Já o primeiro livro publicado no Brasil sobre o assunto foi escrito pelo Professor Cheng, da UFMG, em 1995 (CHENG, 1995). Em 1997, Damante, citado por Carnevalli et al (CARNEVALLI, SASSI e MIGUEL, 2004), publicou os resultados de uma pesquisa de campo, formada por empresas, onde observou que somente cerca de 15% das empresas que responderam a pesquisa utilizavam o método. As seguintes dificuldades foram apontadas por essas empresas: falta de técnicas para pesquisar o mercado; dificuldades de trabalhar em equipe (falta cultura de times); resistência dos departamentos a mudanças, e dificuldade na empresa por não ter uma cultura voltada para a qualidade. Esse mesmo estudo concluiu que o método ainda era pouco utilizado no Brasil, tendo baixo impacto percebido pelos seus usuários no atendimento das necessidades dos clientes, quando comparado a outras ferramentas de gestão. Entretanto, em alguns setores que o utilizavam, o método mostrava-se cada vez mais importante para atender às exigências dos clientes. Ainda segundo o autor do estudo original, o QFD só seria eficiente quando utilizado em uma empresa que trabalhasse em sistema gerencial integrado com qualidade total. Em 1999 um novo estudo foi conduzido, também reportado por Miguel & Carpinetti (MIGUEL e CARPINETTI, 1999), incluíndo cerca de 110 empresas. Deste total, 32% afirmaram que utilizavam o QFD. Nessa pesquisa verificou-se que o uso do método ainda era relativamente recente no País, sendo que a maior parte das empresas estudadas só começou a implementá-lo a partir de 1996/97. Desse modo, as empresas que constavam na amostra ainda não tinham experiências consolidadas. A partir dos resultados dessa pesquisa, os autores constatarem que as empresas iniciaram o uso do QFD buscando, principalmente, a melhoria no processo de desenvolvimento de produto e o aumento da satisfação dos clientes. Os principais benefícios apontados foram: melhoria da qualidade e da confiabilidade e melhoria das equipes de trabalho e da prática de engenharia simultânea. As principais dificuldades apontadas por esse estudo foram: 20

22 21 atribuição de peso e interpretação dos requisitos dos clientes; conflitos de opiniões nos grupos, e falta de treinamento. Sobre os efeitos do QFD, esse estudo concluiu que a grande maioria das empresas acreditava que ele é "neutro", ou seja, o QFD não gerava nenhum resultado positivo ou negativo na sua aplicação, sento que apenas 30% consideravam seus efeitos nos projetos como "bom" e/ou "sucesso". Os autores desse estudo atribuíram isso à falta de experiência com o uso do método, e não ao método propriamente dito. Finalmente, um estudo ainda mais recente sobre a adoção do QFD no Brasil foi conduzido por Miguel (MIGUEL, 2003), desta vez com o convite de participação enviado às 500 maiores empresas do Brasil em faturamento, para o qual obteve uma taxa de retorno de 21%. Esse estudo concluiu que o QFD era ainda pouco usado no Brasil, e que sua implementação era relativamente recente, sendo que a maioria das empresas participantes do estudo iniciaram seu uso após 1995, somente. Entre as razões para a adoção da metodologia, destacou-se a busca do aperfeiçoamento do processo interno de desenvolvimento do produto nessas empresas. O estudo concluiu ainda a importância de uma avaliação criteriosa das empresas interessadas na adoção do QFD, que, segundo o autor, deveria ser feita como forma de esforço projetizado (um projeto de adoção do QFD ), onde as ações necessárias a essa implantação fossem projetizadas, e os riscos e resistências idenficados e mitigados no processo. Entre os principais fatores de sucesso da adoção do método nas empresas, os autores desse estudo idenficaram: ter apoio da alta gerência; analisar e interpretar as informações e resultados adequadamente; conduzir pesquisa de mercado eficaz, e proporcionar treinamento adequado. 1.4 Adoção do QFD no Setor de Serviços Conforme discutido anteriormente, o método QFD foi inicialmente desenvolvido e promovido como ferramenta de suporte às fases iniciais do processo de desenvolvimento de novos produtos (AKAO, 1990). Em função da sua

23 simplicidade e flexibilidade, o método foi rapidamente adotado e modificado também para o desenvolvimento e melhoria de serviços e negócios. De acordo com Akao (AKAO, 1997) as primeiras aplicações que se tem notícia do método em serviços foram no Japão para o desenvolvimento de um shopping center, um complexo esportivo e lojas no setor de varejo. Algumas publicações dessa fase mostram também a integração do método QFD em atividades associadas à melhoria da qualidade de shopping centers e hoteis (e.g. (KANEKO, 1990), (KANEKO, 1990), (KANEKO, 1991) e (KANEKO, 1992)) Nos EUA é rápido observar, por exemplo, nos anais dos simpósios promovidos pelo QFD Institute desde 1986, centenas de publicações apresentando estudos de caso associados à implementação do método nos mais diversos setores de serviços e negócios, demonstrando, com pouco espaço para dúvidas, a flexibilidade do método na aplicação em situações diversas de produto. No Brasil, o primeiro caso publicado sobre a utilização do QFD em serviços foi reportado em 1995, por Ferreira & Ribeiro (FERREIRA e RIBEIRO, 1995), onde foi descrito a aplicação do método no gerencialmento de projetos no setor de serviços. Um outro artigo, publicado em 2002 por Sassi & Miguel (SASSI e MIGUEL, 2002), identifica e sumariza várias publicações no Brasil acerca de estudos de caso da utilização desse método no desenvolvimento de serviços, incluíndo aplicações no ramo hoteleiro, no projeto de bibliotecas, no projeto de páginas de internet, na avaliação do processo de desenvolvimento de uma empresa prestadora de serviços, entre vários outros Desenvolvimento de Serviços: Tipos de Requisitos Modelo de Kano Um aspecto que difere o desenvolvimento de serviços, do desenvolvimento de um produtos, e que portanto merece destaque nessa seção de referencialmento bibliográfico, é a questão do levantamento e definição dos requisitos, que, no caso de serviços, possui, via de regra, um maior grau de abstração que no caso de produtos. De acordo com Kano (Kano, et al, 1984, citado em (MAZUR, 1993)), de forma a satisfazer as necessidades de um cliente com um novo serviço, nós precisamos compreender como o atendimento dos requisitos definidos para o serviço irá efetivamente afetar a sua satisfação.

24 Kano propõe três categorias específicas de necessidades a serem considerados: As necessidades declaradas : Essas são tipicamente as necessidades que iremos conseguir capturar quanto perguntamos aos clientes o que eles desejam. Essas necessidades satisfazem (ou desagradam) na proporção da sua presença (ou ausência) no serviço entregue. A rapidez no atendimento é um bom exemplo desse tipo de necessidade. Por exemplo, quanto mais rápido (ou mais lento) a velocidade da internet oferecida pelo provedor, mais o cliente ficará satisfeito (ou insatisfeito); As necessidades assumidas : São necessidades tão básicas, e portanto assumidas como óbvias, que os clientes muitas vezes simplesmente esquecem de declará-las, pelo menos até que deixemos de atendê-las. Essas necessidades estão associadas a atributos básicos dos clientes, sem as quais o serviço deixa de ter valor para o cliente. Sua ausência é sempre considerada como muito insatisfatória. Por outro lado, o atendimento dessas necessidades normalmente não será sequer notado pela maior parte dos clientes. Por exemplo, a higiene adequada no preparo da alimentação oferecida por uma creche às crianças raramente será notada pelos pais. Porém, uma má higiene no preparo dos alimentos será prontamente um motivo para grande insatisfação por parte dos pais. Necessidades assumidas precisam obrigatoriamente ser identificadas, entendidas e prontamente atendidas pelo serviço; Necessidades surpreendentes (Uau!): Essas são necessidades difíceis de serem descobertas diretamente por pesquisas. Elas estão além das expectativas dos clientes. Sua ausência não torna o cliente insatisfeito. Sua presença nos serviços, por outro lado, tem poder de emocionar e/ou surpreender o cliente. Por exemplo, se em um determinado vôo nacional uma compania aérea decidir servir champagne e caviar na classe econômica, a maior parte dos passageiros certamente ficaria encantada. Se, por outro lado, o serviço de bordo fosse o básico de sempre, pouquíssimos passageiros iriam se queixar. Esses são os atributos dos serviços que encantam! os clientes, e os fazem retornar. Note contudo que, como os clientes não estão normalmente aptos a declararem esse 23

25 tipo de necessidade, é uma responsabilidade e desafio das empresas realizar estudos exploratórios para identificar essas características uau!. De acordo com Mazur (MAZUR, 1993), o modelo de Kano deve ser entendido como altamente dinâmico. Isso significa que o que encanta o cliente hoje, pode virar atributo básico amanhã, já que, na maior parte das vezes, será rapidamente copiado pelos concorrentes. Um exemplo são as tarifas telefônicas interurbanas econômicas em determinados horários. Enquanto num primeiro momento chegaram a encantar muitos clientes, agora já viraram item básico em todos os planos disponíveis. A Figura 5 apresenta um gráfico que mostra o comportamento esperado de cada uma dessas categorias de requisitos. Muito satisfeito 24 Necessidade não atendida Surpreendentes (não declaradas) Declaradas Necessidade bem atendida Assumidas (não declaradas) Totalmente insatisfeito Figura 5: Tipos de necessidadas a serem identificadas e atendidas (serviços) Fonte: Kano 1984, citado em (MAZUR, 1993) Mazur observa ainda que devemos notar que, num mercado competitivo, existe pouco, ou quase nenhum, ganho diferencial em garantir que o serviço atenda as necessidades declaradas e assumidas. Por outro lado grande benefício estratégico poderá ser obtido identiciando-se, e efetivamente entregando, benefícios associados a atributos que irão surpreender o cliente à frente dos concorrentes. E é exatamente com a finalidade de garantir o lugar adequado das necessidades declaradas e esperadas, ao mesmo tempo que se identificam e priorizam os atributos uau para o novo serviço, que o QFD se coloca como excelente ferramenta.

26 Vantages e Desvantagens da Adoção do Método A motivação para a adoção do método é baseada na hipótese de que os atributos incluídos no produto, serviço ou negócio devem refletir diretamente, e de forma sistemática, as necessidades e desejos expressados pelo cliente. Diversos estudos acerca dos benefícios e desvantagens da adoção do QFD foram publicados desde a introdução. Carnevalli et al, sumarizam as seguintes vantagens com a adoção do HoQ (CARNEVALLI, SASSI e MIGUEL, 2004): Melhoria da qualidade do produto obtida através do foco maior nas reais necessidades do cliente; Melhoria da integração cross funcional entre as áreas envolvidas no desenvolvimento do produto, serviço ou negócio (marketing, pesquisa e desenvolvimento, engenharia, departamento de produção, vendas, etc.); Redução do tempo e custos de desenvolvimento do produto, serviço ou negócio; Melhoria da capacidade de responder de forma rápida e sistemática às mudanças e evolução do mercado. Por outro lado, para os mesmos autores, os aspectos negativos e dificuldades tipicamente relacionados à adoção do método podem ser sumarizados: A tabela de relacionamento (parte central da HoQ) pode ser muito complicada de ser preenchida, dependendo da quantidade de necessidades de cliente identificados e da complexidade do produto; O método não tira a subjetividade das avaliações, sejam entre as necessidades do cliente e os requisitos do produto, ou seja na avaliação dos tradeoffs entre os requisitos (telhado da casa). Falta de suporte gerencial e de comprometimento dos membros da equipe do QFD; Falta de recursos financeiros e de tempo para conduzir a consulta aos clientes; Falta de experiência com o uso do método; Longo tempo consumido com a aplicação; e Dificuldades em trabalhar com matrizes muito grandes.

27 Elaboração do HoQ Passo a Passo A literatura sobre o QFD, e em particular sobre a sua primeira fase, o método HoQ, é bastante extensa, com dezenas de publicações sobre os detalhes do método (CHAN e WU, 2002). A variação entre os detalhes apresentados nessas publicações é pequena, e considerada irrelevante para os objetivos desse trabalho. Nessa seção é apresentado o passo a passo detalhado do preenchimento da HoQ, baseado na simulação apresentada em (QFD Tutorial: Webducate). Lembramos aqui que, conforme proposto por Akao (AKAO e MIZUNO, 1994), o uso do método pode, e deve, ser adaptado para situações específicas, desde que não se perca o raciocínio essencial a ele implícito Tabela das Necessidades dos Clientes Esse é a primeira parte da matriz HoQ a ser preenchida, e provavelmente a mais importante. Aqui será documentada a lista estruturada das necessidades dos clientes descrita em suas próprias palavras ( voz do cliente ). A informação que será utilizada nessa etapa é obtida atravez da conversa e entrevistas com os clientes, ou por meio de pesquisas de mercado de larga escala, onde, de uma forma ou de outra, os clientes são encorajados a descrever suas necessidades, expectativas, problemas e/ou desejos acerca do produto, com suas próprias palavras. A lista de necessidades obtidas atravez desse estudo de mercado deverá ser estruturada antes de ser introduzida na HoQ. A aplicação de métodos complementares como diagrama ou árvore de afinidade pode ser usado para essa finalidade. De forma a construir um diagrama de afinidade, cada frase ou necessidade do cliente é transcrita em cartões separados, como na ilustração mostrada na Figura 6 abaixo. Esses cartões são então arrumados pela equipe encarregada do processo de elaboração da HoQ em grupos, por similaridade. Para cada grupo é criado um cartão título para encapsular o significado geral das necessidades apresentadas naquele grupo.

28 27 Figura 6: 6 Necessidades do cliente transcritas em cartões Fonte: Autor, adaptado de (QFD Tutorial: Webducate) Um segundo exercício, dependendo da quantidade de grupos formados, poderia ser a criação de cartões agrupadores dos títulos, títulos, formando assim grupos de grupos de necessidades. O resultado final é o diagrama de afinidade para as necessidades do cliente, como o mostrado na Figura 7 abaixo, e sua transformação no formato de entrada da HoQ. Figura 7: Necessidades dos clientes agrupadas em categorias Fonte: Autor, adaptado de (QFD Tutorial: Webducate) Tabela de Planejamento Planejamento e Benchmark A chamada Tabela de Planejamento ocupa o lado direito da HoQ, e serve para diversas funcões. Primeiro ela quantifica a importância dada pelos clientes a

29 cada necessidade, servindo ainda para avaliar a percepção dos clientes acerca dos produtos ou serviços concorrentes. Segundo permite que essas prioridades sejam ajustadas em função das questões que interessam a equipe de desenvolvimento. As medidas usadas nessa seção são geralmente coletadas dos consumidores-alvo usando questionários. A primeira medida mais importane dessa seção é a importância relativa dada pelos próprios clientes para as necessidades listadas na coluna de necessidades do cliente ( peso da necessidade ). Um questionário pode ser utilizado para se obter essa informação. Nesse questionário o consumidor é questionado sobre qual o peso ele dá para cada uma das necessidades listadas, usando-se uma escala pré-designada (ver exemplo Figura 8). Métodos que requerem um maior envolvimento, como o AHP (Analytical Hierarch Process), são também possíveis de serem utilizados nessa etapa. Esse método também emprega questionários, com a diferença que as necessidades listadas são apresentadas ao consumidores em pares, sendo que ele irá então escolher qual das duas é a mais importante, no seu ponto-de-vista, nesse par. Esses resultados serão então compilados, e listados como pesos relativos. Favor ranquear as seguintes necessidades levantadas de acordo com a sua ordem relativa de importância (5 Muito importante, 1 Pouco importante) Fácil de vestir Argolas acessíveis p/ equipos Confortável ao uso Atrativo Figura 8: Exemplo de formulário para ranqueamento relativo das necessidades Fonte: Autor, adaptado de (QFD Tutorial: Webducate) Nesse ponto é relevante observar que não deve-se misturar informações extraídas de questionários aplicados a seguimentos distintos de mercado. Do contrário, seguimentos de mercado distintos deverão ter sua própria HoQ.

30 Em se tratando de um mesmo segmento analisado, as informações de pesos médios de importância das necessidades que serão inseridas na tabela serão sempre a média simples dos valores coletados pela pesquisa. O segundo componente normalmente encontrado nessa tabela é a avaliação da satisfação atual dos consumidores em relação ao nosso produto atual, e dos concorrentes, em cada um das necessidades listadas. Isso é feito via questionário (ver Figura 9 abaixo), ou, como no caso anterior, aplicando-se o método AHP. Os dados comparativos coletados são sempre apresentados de forma ilustrada no lado direito da HoQ. Em termosde satisfação com a necessidade não atrapalha os movimentos, por favor avalie cada um dos produtos abaixo utilizando-se a escala fornecida. (5 Muito satisfeito, 1 Muito Insatisfeito) Nosso produto Produto do concorrente A Produto do concorrente B Figura 9: Exemplo de questionário utilizado para comparação entre necessidades Fonte: Autor, adaptado de (QFD Tutorial: Webducate) 29 Alguns outros indicadores que são determinados pelo time de desenvolvimento podem também ser incluídos nessa parte da matriz, de acordo com a aplicação específica, incluíndo: índice de satisfação planejado; grau de melhoria necessária; fator(res) críticos de sucesso (vendas). Esses fatores podem então ser combinados ao grau de importância conferido pelos clientes para cada necessidade, de forma a se chegar a um novo peso global para cada uma das necessidades. O Indice de satisfação planejado quantifica o objetivo de satisfação definido pela equipe do projeto para cada uma das necessidades listadas. Uma vez que o índice de satisfação planejado tenha sido definido, o Grau de melhoria necessária pode então ser calculado, subtraindo-se a nota obtida pelo produto da empresa em cada um dos atributos do índice de satisfação planejado. O

31 resultado é o número de pontos de incremento a serem melhorados no nosso produto ou serviço. Essa diferença é então multiplicada por um fator de incremento (0,2, por exemplo), e finalmente somado a 1,0, para chegarmos ao fator de melhoria. O Fator crítico de vendas pode ser usado para adicionar pontos para aquelas necessidades que, quando atendidas, representam importante fator diferencial do produto frente aos concorrentes. O novo peso global de cada um das necessidades será então obtido multiplando o peso de importância da necessidade pelo grau de melhoria necessária e o fator crítico de vendas. O resultado será como mostrado na Figura 10 abaixo. 30 Importância Nosso produto Competidor A Competidor B Índice planejado Fator de melhoria Fácil de vestir Argolas acessíveis p/ equipos Confortável ao uso Figura 10: Exemplo de Tabela HoQ de Planejamento de Satisfação dos Clientes Fonte: Autor, adaptado de (QFD Tutorial: Webducate) HoQ: Tabela de Requisitos Técnicos (Como?) Essa seção da HoQ é também conhecida como Características de Engenharia ou a Voz da Empresa. Ela irá descrever o produto/serviço conforme visão da empresa. Ela relaciona as características técnicas (preferivelmente mensuráveis) do produto/serviço que irão, na percepção da equipe de projeto, atender adequadamente as necessidades expressas pelos consumidores. Da mesma forma que as necessidades dos clientes foram elaboradas e organizadas na forma de uma árvore de necessidades, da mesma forma os requisitos definidos serão agrupados e organizados (ver Seção 1.7.1). Uma linha adicional é sempre incluída nessa seção para descrever a direção (sentido) dos requisitos o qual é necessário de forma a melhorar o produto. Uma seta para cima significa que precisamos mais desse requisito (mais velocidade, mais peso, etc). Uma seta para baixo significa que precisamos menos desse requisito (menos

32 peso, menos força para abrir uma porta, etc). Um exemplo preenchido dessa seção da HoQ é mostrado na Figura 11 abaixo. 31 Medidasde desempenho Tamanho e alcance Detalhes técnicos Atenda Padrão ISO... Peso do cineto Resistência dos olhais Número de cores Número de tamanhos Espessura enchimento Numero de fivelas Qdade encaixes p equipos Figura 11: Exemplo preenchido da tabela de requisitos do método HoQ Fonte: Autor, adaptado de (QFD Tutorial: Webducate) HoQ: Tabela de inter-relacionamentos Essa seção, normalmente chamada de tabela de relacionamento, forma a parte central da HoQ, e pode demorar um tempo considerável para ser preenchido, dependendo da quantidade de relacionamentos a serem analisados, e do tamanho da equipe. Ela propõe traduzir as necessidades dos consumidores (tabela da esquerda) nos requisitos técnicos do produto (parte superior da casa). A estrutura é de uma tabela padrão bi-dimensional, com cada célula representando um relacionamento único entre necessidade e requisito. A identificação do tipo de relacionamento entre cada uma das necessidade com cada um dos requisitos será feita pela equipe de desenvolvimento do produto. Essas combinações serão analisadas individualmente, uma a uma. O tipo de relacionamento entre uma dada necessidade com um dado requisito é normalmente medido em uma escala de 4 pontos (e.g., alto relacionamento, médio, baixo, nenhum), sendo um símbolo definido para cada um dos graus de relacionamento. A Figura 12 abaixo mostra um exemplo de tabela de relacionamento preenchida com os símbolos representativos dos diferentes tipos de relacionamentos entre necessidades e requisitos.

33 Para cada tipo de relacionamento (alto, médio e baixo) é designado um grau, em uma escala a ser pré-acordada pela equipe de desenvolvimento antes do início dos trabalhos. Por exemplo: Alto: 9; Médio: 3; Baixo: 1; Nenhum: zero. Esses valores devem ser definidos de acordo com o projeto em questão. 32 Alto relacionamento Médio relacionamento Baixo relacionamento Peso do cineto Resistência dos olhais Número de fivelas Leve Não atrapalha os movimentos Seguro Figura 12: Exemplo de tabela de relacionamento entre necessidades e requisitos Fonte: Autor, adaptado de (QFD Tutorial: Webducate) HoQ: Telhado de Relacionamento entre Requisitos A tabela triangular, na forma de telhado de uma casa, é usada para representar o tipo de dependência entre os requisitos, definindo se eles se apoiam ou se contrapõem um ao outro (tradeoffs entre requisitos). Como no caso da tabela de relacionamento necessidades vs requisitos, nesse caso também a equipe do projeto irá trabalhar com cada par de requisitos, individualmente. Para cada par de requisitos a seguinte pergunta deverá ser respondida: Se eu melhorar a performace do requisito A, a performace do requisito B será: (1) melhorada, (2) deteriorada ou (3) não têm relacionamento algum. Onde a resposta for deteriorada, considera-se que um tradeoff de engenharia foi identificado, e um simbolo apropriado é incluído na célula para representá-lo (normalmente o sinal - ). Se, por outro lado, a melhoria de um dado requisito leva à melhoria automática de um outro requisito, um símbolo apropriado deverá ser usado, normalmente um sinal de +. Em alguns casos símbolos diferentes podem ser adotados para diferenciar diferentes níveis de grau de tradeoffs encontrados entre requisitos (alto, médio, baixo). Na Figura 13 abaixo temos um exemplo desse telhado preenchido parcialmente. Nesse caso, por exemplo, quanto

34 maior a espessura de enchimento utilizada, maior será o peso do cinto, o que representa um trade-off negativo, já que buscamos também um menor peso do cinto na solução final do produto. 33 Atenda Padrão ISO... Peso do cineto Resistência dos olhais Espessura enchimento Figura 13: Detalhe do telhado da HoQ, mostrando o relacionamento entre os requisitos Fonte: Autor, adaptado de (QFD Tutorial: Webducate) A informação anotada no telhado da HoQ é usada pela equipe do projeto de várias formas diferentes. Ela identifica e destaca, por exemplo, situações em que um esforço de projeto em um requisito levará a diversos ganhos em vários outros requisitos. Da mesma forma, aponta para tradeoffs negativos importantes, e que, vistos de outra forma, podem representar oportunidades para o desenvolvimento de soluções inovativas, que consigam evitar a necessidade de solução de compromisso entre requisitos HoQ: Tabela de Metas e Prioridades Essa é a última parte da HoQ a ser preenchida, e sumariza todos os dados e informações coletados nas outras seções da HoQ. Ela é normalmente composta de três partes, ou linhas: 1. Prioridades técnicas 2. Benchmarks 3. Objetivos (metas)

35 Prioridades: A importância relativa de cada um requisito em atender a cada uma das necessidades expressadas pelos clientes poderá ser calculado apenas multiplicando-se o peso global destas necessidades (definidas na tabela de planejamento) pelo grau dado à dependência necessidade e requisito. Esses valores são então somados ao longo de cada uma das colunas, chegando-se ao valor total da prioridade (peso) de cada um dos requisitos, como ilustrado na Figura 14 abaixo. 34 Alto (9) Médio (6) Baixo (1) Peso do cineto Resistência dos olhais Número de fivelas Peso global necessidade Leve 3.0 Não atrapalha os movimentos 11.2 Seguro 6.0 Prioridade Técnica 78.6 Figura 14: Exemplo de determinação da prioridade dos requisitos Fonte: Autor, adaptado de (QFD Tutorial: Webducate) Benchmarks (competidores): Cada um dos requisitos técnicos que foram identificados podem agora ser medidos em relação ao próprio produto (quando estamos tratando de uma análise onde já exista um produto), e a cada um dos competidores principais. Isso irá mostrar a posição técnica relativa do nosso produto em atender as necessidades dos consumidores (Ver exemplo na Figura 15 abaixo). Metas para o produto/serviço: O último resultado apresentado pela HoQ é o conjunto de metas (objetivos) quantificados a serem atingidos pelo produto ou serviço em desenvolvimento (Figura 16).

36 35 Atenda Padrão ISO... Peso do cineto Resistência dos olhais Número de cores Número de tamanhos Espessura enchimento Numero de fivelas Qdade encaixes p equipos Nosso produto S 174g mm 1 4 Competidor A S 193g mm 4 5 Competidor B S 157g mm 1 3 Figura 15: Exemplo de análise de competidores na HoQ Fonte: Autor, adaptado de (QFD Tutorial: Webducate) Observe que o processo inteiro da aplicação da HoQ, até esse ponto, possibilitou que cada requisito fosse identificado e priorizado, levando-se em consideração o entendimento das reais necessidades dos consumidores, a performance dos concorrentes principais e a nossa performance atual. É a equipe do projeto que irá agora levar em consideração todas essas informações de forma a estabelecer as metas para cada um dos requisitos a serem incorporados no produto/serviço a ser desenvolvido. Atenda Padrão ISO... Peso do cineto Resistência dos olhais Número de cores Número de tamanhos Espessura enchimento Numero de fivelas Qdade encaixes p equipos Metas S 160g mm 2 4 Figura 16: Resultado da aplicação da HoQ: Metas estabelecidas para cada requisito do produto Fonte: Autor, adaptado de (QFD Tutorial: Webducate) A Figura 4, apresentada no início desse capítulo, mostra o exemplo ilustrativo da HoQ completamente preenchida em todos os seus campos, sumarizando assim todas os passos descritos acima.

37 Importante ressaltar que o preenchimento da Casa da Qualidade, dentro da filosofia do QFD, não é o fim do exercício. De fato, conforme mostrado na Introdução desse trabalho (Figura 1), essa primeira matriz (HoQ) será desdobrada sequencialmente até conseguirmos determinar os ajustes necessários nos equipamentos da planta de produção para atingirmos as metas desejadas de satisfação do consumidor. Reforçamos, porém, que no estudo de caso descrito nesse trabalho, apenas a HoQ foi aplicada. 36

38 37 2 DESCRIÇÃO DO CASO: HOTELZINHO CASA DA VOVÓ Esse TCC reporta a experiência com a adoção do HoQ, uma das ferramentas da metodologia QFD, para a análise, identificação e priorização dos requisitos necessários ao desenvolvimento de um novo serviço de hospedagem para crianças, denominado Casa da Vovó: Hotelzinho e Day Care. Nessa seção apresentaremos um resumo do plano de negócios desenvolvido para essa finalidade (ARAUJO, SILVA, et al., 2013). 2.1 Hotelzinho Casa da Vovó: Sumário Em um cenário no qual, a cada ano que se passa, eleva-se o nível de escolaridade da população brasileira e a sua qualificação profissional, aumenta-se o número de mulheres trabalhando fora de casa e a renda média das famílias no nosso país, foi desenvolvido na disciplina de Projeto Integrado de Negócio, do curso de Gestão Empresarial, um hotelzinho infantil na cidade de São José dos Campos, Estado de São Paulo, denominado Casa da Vovó Hotelzinho e Day Care, que disponibilizará o serviço de cuidados infantis noturnos e diurnos para crianças de 6 meses a 12 anos de idade. A logomarca proposta para o hotelzinho é mostrada na Figura 17. Figura 17: Logomarca Casa da Vovó, Hotelzinho e DayCare Fonte: Autoria da Equipe do Projeto (ARAUJO, SILVA, et al., 2013) São José dos Campos, no Estado de São Paulo, é uma cidade com a economia aquecida pela indústria, serviços, comércio e pesquisas tecnológicas, com mais de 30 mil empresas de grande, médio e pequeno porte. Mais de 44% da população residente não é de origem joseense, 73,10% dos domicílios do município pertencem às classes A e B (principal foco do negócio), e quase 22% da população são crianças de 0 a 14 anos, segundo o Censo demográfico 2010 (IBGE, 2010).

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA Disciplina: FATEC - IPATINGA Gestão de ISSO TQC - Controle da Total Vicente Falconi Campos ISO 9001 ISO 14001 OHSAS 18001 Prof.: Marcelo Gomes Franco Conceitos TQC - Total Quality Control Controle da Total

Leia mais

Utilização do QFD como ferramenta para hierarquizar requisitos de projeto

Utilização do QFD como ferramenta para hierarquizar requisitos de projeto Utilização do QFD como ferramenta para hierarquizar requisitos de projeto Magnos R. Klein (FAHOR) mk000856@fahor.com.br Luciano Schaedler (FAHOR) ls000859@fahor.com.br Cristiano Eich (FAHOR) ce000701@fahor.com.br

Leia mais

Projeto de Produto, QFD, FMEA e DoE Tema Projeto de Produto QFD PARTE 2 Dr. Egon Walter Wildauer

Projeto de Produto, QFD, FMEA e DoE Tema Projeto de Produto QFD PARTE 2 Dr. Egon Walter Wildauer Tema Projeto de Produto QFD Parte 2 Projeto Pós-graduação Curso Engenharia da Produção Disciplina Projeto de Produto, QFD, FMEA e DoE Tema Projeto de Produto QFD PARTE 2 Professor Dr. Egon Walter Wildauer

Leia mais

QFD: Quality Function Deployment QFD: CASA DA QUALIDADE - PASSO A PASSO

QFD: Quality Function Deployment QFD: CASA DA QUALIDADE - PASSO A PASSO QFD: CASA DA QUALIDADE - PASSO A PASSO 1 - INTRODUÇÃO Segundo Akao (1990), QFD é a conversão dos requisitos do consumidor em características de qualidade do produto e o desenvolvimento da qualidade de

Leia mais

APLICAÇÃO DO QFD NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS: LEVANTAMENTO SOBRE SEU USO E PERSPECTIVAS PARA PESQUISAS FUTURAS

APLICAÇÃO DO QFD NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS: LEVANTAMENTO SOBRE SEU USO E PERSPECTIVAS PARA PESQUISAS FUTURAS APLICAÇÃO DO QFD NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS: LEVANTAMENTO SOBRE SEU USO E PERSPECTIVAS PARA PESQUISAS FUTURAS José Antonio Carnevalli Andreza Celi Sassi Paulo A. Cauchick Miguel Núcleo de Gestão da

Leia mais

Aplicação de QFD num projeto de fórmula SAE considerando a cadeia de suprimentos

Aplicação de QFD num projeto de fórmula SAE considerando a cadeia de suprimentos Aplicação de QFD num projeto de fórmula SAE considerando a cadeia de suprimentos Maria Clara da Costa Teixeira (EESC USP) mclara@sc.usp.br Álvaro Costa Neto (EESC USP) costa@sc.usp.br Resumo Diante das

Leia mais

Introd. Engenharia de Produção. Projeto de Engenharia

Introd. Engenharia de Produção. Projeto de Engenharia Introd. Engenharia de Produção 2007 Projeto de Engenharia Prof. João A. Camarotto Projeto de Engenharia Execução de um conjunto de ações de forma coordenada para realizar a construção, a fabricação, o

Leia mais

Modelo de Maturidade Organizacional de Gerência de Projetos. Organizational Project Management Maturity Model - OPM3

Modelo de Maturidade Organizacional de Gerência de Projetos. Organizational Project Management Maturity Model - OPM3 Modelo de Maturidade Organizacional de Gerência de Projetos Introdução Organizational Project Management Maturity Model - OPM3 Um trabalho voluntário A idéia de um modelo não é novidade, as organizações

Leia mais

ANAIS APLICAÇÃO DA TÉCNICA QFD EM UMA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA

ANAIS APLICAÇÃO DA TÉCNICA QFD EM UMA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA APLICAÇÃO DA TÉCNICA QFD EM UMA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA ANA KARINA GUEDES ( akguedes@gmail.com, aninhakg@gmail.com ) UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ ÁLVARO AZEVEDO CARDOSO ( azevedo@unitau.br, aazevedocardoso@gmail.com

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves QUALIDADE II Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor

Leia mais

Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software

Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software SQFD Prof. Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Introdução A necessidade de vantagem competitiva, tem levado as empresas de desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Professor: Adriel Ziesemer Disciplina: Engenharia de Software TRABALHO ACADÊMICO Cristian Santos - nº 45671 Guilherme

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Uma fonte inédita de informação

Uma fonte inédita de informação Mensagem do Presidente Uma fonte inédita de informação Este trabalho, patrocinado pelo Sincor-SP, corresponde a uma expectativa do setor quanto aos dados relativos às corretoras de seguros, em um momento

Leia mais

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br O QUE ESTÁ POR TRÁS DA IDÉIA DE EMPRESA ENXUTA? ELIMINAÇÃO DE TODO TIPO DE DESPERDÍCIO NO SUPPLY VELOCIDADE FLEXIBILIDADE QUALIDADE

Leia mais

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Boas propostas são essenciais para que uma gestão tenha êxito, mas para que isso ocorra é fundamental que os dirigentes organizacionais

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

Gerenciamento do escopo

Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Escopo pode ser definido como a soma dos produtos de um projeto, bem como a descrição de seus requisitos. O momento de definir o escopo é a hora em que o

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES JANEIRO 2013 ÍNDICE DE CONTEÚDOS Introdução...1 Antes das Três Linhas: Supervisão do Gerenciamento

Leia mais

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009.

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. Introdução Segundo as informações disponíveis no site do

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos Práticas de Melhoria de Valor (VIP Value Improvement Practices) DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

TQC- CONTROLE DE QUALIDADE TOTAL

TQC- CONTROLE DE QUALIDADE TOTAL TQC- CONTROLE DE QUALIDADE TOTAL OLIVEIRA,Ana Paula de¹ OLIVEIRA,Dirce Benedita de¹ NERY,Miriã Barbosa¹ SILVA, Thiago² Ferreira da² RESUMO O texto fala sobre o controle da qualidade total, como ela iniciou

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management O período entre 1980 e 2000 foi marcado por grandes transformações nos conceitos gerenciais,

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

A ABORDAGEM UTILIZADA PELO GRUPO SIMUCAD: SIMULAÇÃO & CAD, NO DESENVOLVIMENTO DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS

A ABORDAGEM UTILIZADA PELO GRUPO SIMUCAD: SIMULAÇÃO & CAD, NO DESENVOLVIMENTO DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS A ABORDAGEM UTILIZADA PELO GRUPO SIMUCAD: SIMULAÇÃO & CAD, NO DESENVOLVIMENTO DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS Nilton Luiz Menegon menegon@power.ufscar.br Miguel Antonio Bueno da Costa mbcosta@power.ufscar.br

Leia mais

QFD Quality. Aplicações COMO O QUE. Function Deployment QFD. Curitiba, 05 de fevereiro de 2.004. Diagrama de. Influência em Vendas.

QFD Quality. Aplicações COMO O QUE. Function Deployment QFD. Curitiba, 05 de fevereiro de 2.004. Diagrama de. Influência em Vendas. QFD Quality Function Deployment Aplicações Desenvolvimento de Produtos Gestão da Qualidade Total Gerenciamento pelas Diretrizes Alinhamento de Estratégias Balanced ScoreCard Seis Sigma Direção ou Meta

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO

AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO 1 AUÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 O QUE É UM PROJETO?... 2 2.1 PROJETO DE PESQUISA... 2 3 CLASSIFICAÇÃO DAS PESQUISAS... 4 4 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Gerência da Qualidade

Gerência da Qualidade Gerência da Qualidade Curso de Engenharia de Produção e Transportes PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Temas Abordados Qualidade Ferramentas da Qualidade 5 Sensos PDCA/MASP Os Recursos Humanos e o TQM

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

APLICAÇÃO DO QFD EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS

APLICAÇÃO DO QFD EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS ! "#$%%" &('*)+'-,.0/ 13204+'658709*'316:0,;70?70@A4+5B?70KA:0,;7ML;'NHO7F'6E?4-ENHO'?)IHJ1-G0/ D /

Leia mais

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Guia Fundamental para Gestão de Qualidade em Serviços Objetivo Capacitar os participantes a interpretarem os requisitos da Norma ISO 9001:2008, relacionados aos

Leia mais

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) De um modo geral, o mercado segurador brasileiro tem oferecido novas possibilidades de negócios mas,

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

BOA NOITE! Gerenciamento de Escopo em Projetos. Trabalho (2,0 pontos) 30/11/2012. Fabio Bahia. Informações Gerais. Avaliação:

BOA NOITE! Gerenciamento de Escopo em Projetos. Trabalho (2,0 pontos) 30/11/2012. Fabio Bahia. Informações Gerais. Avaliação: Fabio Bahia BOA NOITE! Gerenciamento de Escopo em Projetos Fabio Bahia Iniciou carreira na Embratel em 1985. Foco na área de viabilidade econômica de novos serviços. Em 1992 (após 2 anos estudando nos

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Gestão da qualidade. Conceito e histórico da qualidade. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento

Gestão da qualidade. Conceito e histórico da qualidade. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Gestão da qualidade Conceito e histórico da qualidade Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Como é vista a qualidade Redução de custos Aumento de produtividade Conceito básico de qualidade Satisfação

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1 2 Seminário de Engenharia Química Silvia Binda 1 Inter-relação entre o conceito de qualidade, gestão da qualidade e elementos que a compõem QUALIDADE Gestão da Qualidade Habilidade de um conjunto de características

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO: PROCESSOS DE TRABALHOS

TERCEIRIZAÇÃO: PROCESSOS DE TRABALHOS TERCEIRIZAÇÃO: PROCESSOS DE TRABALHOS Aline Cachadare BROGGIO 1 - RGM 072128 Gabriela de Cassia BRAGA¹ - RGM 073270 Jaqueline Macedo PERIN¹ - RGM 073967 Natali de Fatima SILVA¹ - RGM 069900 Renato Francisco

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

O QUE ESTÁ MUDANDO NA GESTÃO E NOS CONCEITOS

O QUE ESTÁ MUDANDO NA GESTÃO E NOS CONCEITOS O QUE ESTÁ MUDANDO NA GESTÃO E NOS CONCEITOS O desenvolvimento econômico e as novas formas de administração impulsionam mudanças de profundidade na área da qualidade. Armand V. Feigenbaum 1 Nas viagens

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO!

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! Como deixar seu negócio on-line Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! A palavra de ordem das redes sociais é interação. Comparando a internet com outros meios de comunicação em massa como

Leia mais

4 Metodologia e estratégia de abordagem

4 Metodologia e estratégia de abordagem 50 4 Metodologia e estratégia de abordagem O problema de diagnóstico para melhoria da qualidade percebida pelos clientes é abordado a partir da identificação de diferenças (gaps) significativas entre o

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: Agosto de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 25/05/2015 Término das aulas: Maio de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Qualidade de Software Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Ementa Conceitos sobre Qualidade Qualidade do Produto Qualidade do Processo Garantida da Qualidade X Controle da Qualidade Conceitos

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS 1 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS São Carlos SP Abril 2011 Euro Marques Júnior USP eurojr@uol.com.br Educação Universitária Serviços

Leia mais

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO O presente artigo, mostra de forma clara e objetiva os processos da ferramenta Just in time, bem como sua importância para a área de produção.

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

ETAPA 1 DISTRIBUIÇÃO DOS CONTEÚDOS

ETAPA 1 DISTRIBUIÇÃO DOS CONTEÚDOS Planejamento de 2011.1 ETAPA 1 DISTRIBUIÇÃO DOS CONTEÚDOS Disciplina 7oPe/PRD8026 Informaçõs Gerenciais Integradas Professor Alessandro Martins Mês/Semana Conteúdos Trabalhados Estratégias e Recursos Textos

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Como Selecionar Projetos Seis Sigma

Como Selecionar Projetos Seis Sigma Como Selecionar Projetos Seis Sigma Cristina Werkema Etapas do processo de seleção A definição dos projetos a serem desenvolvidos pelos Black Belts e Green Belts é uma das atividades mais importantes do

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo Perfil de Competências de Gestão Nome: Exemplo Data: 8 maio 2008 Perfil de Competências de Gestão Introdução Este perfil resume como é provável que o estilo preferencial ou os modos típicos de comportamento

Leia mais

DESDOBRAMENTO DA FUNÇÃO QUALIDADE (QFD) APLICADO NA DIVISÃO DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO DA ESALQ/USP

DESDOBRAMENTO DA FUNÇÃO QUALIDADE (QFD) APLICADO NA DIVISÃO DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO DA ESALQ/USP TRABALHO ORAL EMPREENDEDORISMO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS Qualidade dos serviços e foco no usuário DESDOBRAMENTO DA FUNÇÃO QUALIDADE (QFD) APLICADO NA DIVISÃO DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO DA ESALQ/USP

Leia mais

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores O Planejamento Estratégico deve ser visto como um meio empreendedor de gestão, onde são moldadas e inseridas decisões antecipadas no processo

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

O que é Estratégia? ESTRATÉGIA E PRODUÇÃO 07/09/2015. Administração das Operações Produtivas. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc

O que é Estratégia? ESTRATÉGIA E PRODUÇÃO 07/09/2015. Administração das Operações Produtivas. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc ESTRATÉGIA E PRODUÇÃO Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc O que é Estratégia? Administração das Operações Produtivas Objetivos Estratégicos das Operações Recursos transformados Materiais Informações

Leia mais

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA 1. Introdução A apresentação dos Projetos de Inovação e Melhoria - PIM pelos Escalões/Divisões possui os seguintes objetivos: a. Estimular os Escalões e Divisões do Cmdo

Leia mais

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Elias S. Assayag eassayag@internext.com.br Universidade do Amazonas, Departamento de Hidráulica e Saneamento da Faculdade

Leia mais

PESQUISA GLOBAL DAS PMEs ÍNDICE DE CONFIANÇA EM TI RESULTADOS AMÉRICA LATINA

PESQUISA GLOBAL DAS PMEs ÍNDICE DE CONFIANÇA EM TI RESULTADOS AMÉRICA LATINA PESQUISA GLOBAL DAS PMEs ÍNDICE DE CONFIANÇA EM TI RESULTADOS AMÉRICA LATINA 2013 SUMÁRIO 3 4 5 6 8 11 INTRODUÇÃO METODOLOGIA ÍNDICE DE CONFIANÇA DAS PMEs EM TI CARACTERÍSTICAS DAS PMEs TOP-TIER MELHORES

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 NÚMERO DE VAGAS: 45 (Quarenta e cinco) vagas. PREVISÃO DE INÍCIO DAS AULAS Abril de 2014 APRESENTAÇÃO / JUSTIFICATIVA MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 O MBA EM CONSULTORIA & GESTÃO DE NEGÓCIOS,

Leia mais

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN Objetivo da aula Conhecer os instrumentos de coleta de dados, suas vantagens e limitações. Caminhos Para a Obtenção de Dados Pesquisa em ciências sociais

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 1. Apresentação A RiSE Reuse in Software Engineering e o Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD), com o apoio do CNPq

Leia mais

Cadastros Estatísticos de Empresas construídos a partir de Registros Administrativos

Cadastros Estatísticos de Empresas construídos a partir de Registros Administrativos Cadastros Estatísticos de Empresas construídos a partir de Registros Administrativos Maria Luiza B. Zacharias - IBGE, Brasil Segunda Reunião da Conferência de Estatística das Américas da Comissão Econômica

Leia mais

http://www.wikiconsultoria.com.br/100-motivos-implantar-crm/

http://www.wikiconsultoria.com.br/100-motivos-implantar-crm/ Dando continuidade a nossa série de artigos dos 100 motivos para implantar um CRM, chegamos a nossa quinta parte, porém como ainda faltam 32 motivos resolvemos liberar a quinta parte em duas etapas para

Leia mais

Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010)

Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010) Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010) 1) Fale a respeito de sua formação profissional e atuação. Sou engenheiro de produção pela Escola

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS Érica de Souza Rabelo 1 Helen Rita M. Coutinho 2 RESUMO Este artigo científico tem

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva Inteligência Competitiva Prof. Patricia Silva psilva@univercidade.br Aula 6 Objetivos da aula 6 n Análise SWOT n Bibliografia: Estratégia de Marketing O C. Ferrell Cap. 4 Strenghts (forças), Weaknesses

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

Treinamento de. Green Belt em Lean Seis Sigma

Treinamento de. Green Belt em Lean Seis Sigma Treinamento de Green Belt em Lean Seis Sigma Sumário 03. Nossa Empresa 05. Seis Sigma 06. Treinamento de Green Belt em Lean Seis Sigma 07. Conteúdo Programático 12. Certificados 13. Principais Instrutores

Leia mais

Qualidade total em pequenas empresas

Qualidade total em pequenas empresas Qualidade total em pequenas empresas Frederico Cezar Capoletti Curi (UFOP) fredcuri2@yahoo.com.br Zirlene Alves da Silva Santos (UFOP) santoszirlene@em.ufop.br Resumo: As pequenas empresas vivem em um

Leia mais

Análise de Construtibilidade

Análise de Construtibilidade IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO EM ENGENHARIA DE PLANEJAMENTO Turma 01 Análise de Construtibilidade Fernando Souza Cota Carvalho Melanie Deborah Cardoso de Souza Diniz Belo

Leia mais

A GESTÃO DA QUALIDADE COMO DIFERENCIAL NO DESENVOLVIMENTO DAS EMPRESAS

A GESTÃO DA QUALIDADE COMO DIFERENCIAL NO DESENVOLVIMENTO DAS EMPRESAS A GESTÃO DA QUALIDADE COMO DIFERENCIAL NO DESENVOLVIMENTO DAS EMPRESAS Laís da Silva Oliveira (G-UEM) Jéssica Moraes Andreossi (G-UEM) José Braz Hercos Junior Resumo O estudo de caso mostra a implantação

Leia mais

Terceirização da Operação Logística Estudo de caso sobre a terceirização da Logística de Distribuição de uma Indústria Farmacêutica

Terceirização da Operação Logística Estudo de caso sobre a terceirização da Logística de Distribuição de uma Indústria Farmacêutica Mariana Botelho Morais Terceirização da Operação Logística Estudo de caso sobre a terceirização da Logística de Distribuição de uma Indústria Farmacêutica Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada

Leia mais