NECESSIDADES DE REDES DE ESGOTO EM ÁREAS COM GRANDE CONCENTRAÇÃO DE POPULAÇÃO CARENTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NECESSIDADES DE REDES DE ESGOTO EM ÁREAS COM GRANDE CONCENTRAÇÃO DE POPULAÇÃO CARENTE"

Transcrição

1 ALFREDO COSME AMENDOLA NECESSIDADES DE REDES DE ESGOTO EM ÁREAS COM GRANDE CONCENTRAÇÃO DE POPULAÇÃO CARENTE Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Anhembi Morumbi no âmbito do Curso de Engenharia Civil com ênfase Ambiental. SÃO PAULO 2005

2 ALFREDO COSME AMENDOLA NECESSIDADES DE REDES DE ESGOTO EM ÁREAS COM GRANDE CONCENTRAÇÃO DE POPULAÇÃO CARENTE Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Anhembi Morumbi no âmbito do Curso de Engenharia Civil com ênfase Ambiental. Orientador: Prof. Dr. Sidney Lazaro Martins SÃO PAULO 2005

3 iii AGRADECIMENTOS Gostaria de agradecer aos meus pais, irmãos e amigos pela força que me deram no decorrer de todo este árduo trabalho, deixando muitas vezes de compartilhar a minha presença. Agradecer aos meus professores Jane e Sidney pelo incentivo e ajuda para realização deste trabalho. Agradecer a Deus por me proporcionar condições físicas e emocionais que permitem viver este momento tão importante na minha vida.

4 iv RESUMO A falta de infra-estrutura de saneamento básico, com destaque às redes coletoras de esgoto e destinação adequada dos efluentes acarreta danos à saúde, bem como desconforto às populações. Com o crescimento de áreas com grandes concentrações de construções irregulares, principalmente na Região Metropolitana de São Paulo RMSP, é necessário a implantação das redes coletoras de esgotos e suas respectivas disposições finais adequadas. Os problemas decorrentes da falta de um sistema de coleta, tratamento e disposição final do esgoto sanitário agravamse quando existe fornecimento de água tratada à população. O Programa de Mananciais da SEHAB tem por objetivo fundamental a conservação das Represas Guarapiranga e Billings, para garantir o abastecimento de água do município de São Paulo. Para isso, deverá controlar a ocupação desordenada nas áreas de mananciais e desenvolver ações de recuperação social e ambiental nos bairros. É necessário cessar a ocupação ilegal dos mananciais e o ponto que é debatido é o do congelamento da situação atual. Para que isso ocorra, tem que haver um cadastramento da população local e não se permitir à construção em área de mananciais. O desenvolvimento sustentado nas áreas de mananciais não depende apenas das melhorias físicas conseguidas com as obras de urbanização. Depende também da inclusão social da população, através do acesso à regularização fundiária da moradia, segurança saúde educação, cultura, lazer e capacitação profissional. Palavras Chave:Esgoto, Construções Irregulares

5 v ABSTRACT Poor sanitary conditions lack of drain systems and adequate disposal of sewages have caused problems for population health in urbain areas. Over the years, the population has increased very fast in São Paulo city, demanding a better town planning and new projects of channels, collecting drains and sawage sustems. These systems are specially important where drinking water is supplied. SEHAB Program for urban development of the Guarapiranga And Billings reservoirs intends to this guarantee the water supply for São Paulo city. In order to do this, it is necessary to control the use of land around the reservoirs and to develop some social and envinronmental programs. It is also essencial to stop the illegal ocupation on the reservoirs verges and to register the local population. The sustainable development of these areas no only depends on improving urban planning and land rights, but also requires more social inclusion through education, helth, leisure and professional training programs.

6 vi LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 5.1 Localização do Programa Mananciais da SEHAB...34 Figura Mancha Urbana com Redes de Esgoto Instaladas na Bacia do Guarapiranga...35 Figura 5.3 Loteamentos Irregulares Localizados na Bacia do Guarapiranga...36 Figura 5.4 Bairro dos Pinheiros terá estação de tratamento de esgoto e urbanização...37 Figura 5.5 Recuperação Urbana e Saneamento Ambiental...37 Figura 5.6 Córrego de Fundo de Vale em Favela que Recebe Contribuição Direta de Esgoto e Lixo Doméstico...38 Figura 5.7 Ocupação em Fundo de Vale Moradias Sobre as Margens do Córrego...39 Figura 5.8 Esgoto sendo Lançado a Céu Aberto...40 Figura 5.9 Situação Precária que se Encontra a População...41 Figura 5.10 Recuperação Urbana e Saneamento Ambiental...41 Figura Poço de Visita de Esgoto ao Lado do Cavalete do Hidrômetro...44 Figura Interligação de Esgoto na Rede Executada na Viela...44 Figura Poço de Visita de Esgoto Localizado à Margem do Córrego de águas Pluviais...45 Figura Lixo Depositado no Córrego de Águas Pluviais...45 Figura Falta de Infra-Estrutura Local...48 Figura Lançamento de Esgoto a Céu Aberto na Rua Lucilo Varejão...48 Figura Construções no Declive Gerando Soleira Negativa...49 Figura Tubos de Concreto Armazenados na Rua...49 Figura Obras de Adequação dos Poços de Visita de Esgoto...50 Figura Incompatibilidade Entre a Cota de Tampa do Poço de Visita de Esgoto e o Piso...50 Figura Casa Populares Construídas Pela PMSP...51 Figura Separação da Rede de Esgoto e Águas Pluviais...51 Figura Canaleta de Águas Pluviais e Caixas de Inspeção de Esgoto...52

7 vii LISTA DE TABELAS Tabela Variação da População Total e Condições de Moradia...23 Tabela Obras Realizadas nos Bairros da Capela do Socorro...27 Tabela Obras Realizadas nos Bairros do Campo Limpo...28 Tabela 5.4 Localização do Programa Mananciais da SEHAB...33

8 viii LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS BNDES CONSEMA CDHU FUNASA RIMA RMSP SABESP SEHAB SMA Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Conselho Estadual do Meio Ambiente do Estado de São Paulo Companhia do Desenvolvimento da Habitação Urbana Fundação Nacional de Saúde Relatório de Impactos ao Meio Ambiente Região Metropolitana de São Paulo Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Secretaria da Habitação Secretaria do Meio Ambiente

9 9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivo Específico METODOLOGIA DO TRABALHO JUSTIFICATIVA CONTEÚDO Situação Geral da População Abastecimento de Água e Coleta de Esgoto Poluição Difusa Saúde e Saneamento Compromisso com o Saneamento Captação de Esgoto de Áreas Irregulares OCUPAÇÃO DESORDENADA Como Desmobilizar a População que Reside em Áreas de Mananciais REPRESA GUARAPIRANGA Localização Histórico da Ocupação Ocupação Urbana Dados Gerais Adequação as Normas de Infra-Estrutura às condições da Intervenção em Favelas Separação das Redes de Esgoto e Águas pluviais no Interior das Moradias...26

10 Sistema de Esgotos Sanitários REPRESA BILLINGS O Trabalho que está sendo realizado Como Preservar os Mananciais Moradores vão tratar esgoto em área de manancial Calçadas Verdes PROGRAMA DE MANACIAIS DA SEHAB Inclusão Social Metas Previstas Localização do Programa Mananciais da SEHAB ESTUDO DE CASO Panorama Geral das Redes de Esgoto em Relação ao Programa Guarapiranga Programa Guarapiranga Favela Jardim Esmeralda Programa Guarapiranga Favela Jardim Iporanga/Vila Cliper Programa Guarapiranga Favela Jardim Ipanema CONCLUSÃO...58 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...60

11 11 1 INTRODUÇÃO Além do fornecimento de água potável, o sistema de captação, coleta e tratamento de esgoto também é fundamental para garantir a qualidade de vida e saúde da população. A falta de infra-estrutura de saneamento básico, com destaque às redes coletoras de esgoto e destinação adequada dos efluentes acarreta danos à saúde, bem como desconforto às populações. Com o crescimento de áreas com grandes concentrações de construções irregulares, principalmente na Região Metropolitana de São Paulo RMSP, é necessário a implantação das redes coletoras de esgotos e suas respectivas disposições finais adequadas. Uma das medidas emergenciais é parar a ocupação dos mananciais, ou pelo menos mantê-lo na da situação atual. Para que isso ocorra, tem que haver um cadastramento da população local e não se permitir à construção em áreas protegidas como dos mananciais. Uma vez que a situação de fiscalização é falha, faz com que essa ação seja contínua, não pare (Bacui, 2005).

12 12 2 OBJETIVOS Segue abaixo os objetivos do trabalho 2.1 Objetivo Geral Apresentar as áreas carentes com grande concentração de construções irregulares na RMSP, o panorama geral dos melhoramentos nestas áreas e as necessidades para população carente face a esta situação. Além dos danos causados diretamente à população, existe também os causados ao meio ambiente, quer seja pela degradação do espaço físico ou pela ocupação irregular. 2.2 Objetivo Específico Apresentar a situação atual e seus impactos futuros à população e ao meio ambiente, quanto ao aspecto de falta de infra-estrutura de saneamento básico, e redes coletoras de esgoto em regiões carentes com grande concentração de construções irregulares na RMSP que são deficitárias no aspecto de redes coletoras de esgoto, tomando como base as áreas das proximidades das represas Billings e Guarapiranga.

13 13 3 METODOLOGIA DO TRABALHO O trabalho está sendo desenvolvido buscando informações de empresas de saneamento, em sites da internet, onde serão obtidas informações, funcionamento e também dados de crescimento populacional em áreas de construções irregulares que necessitam de redes de esgoto, em livros técnicos, dos quais serão extraídos os conceitos básicos em relação ao tema apresentado, Normas Técnicas, que especificam os parâmetros e condições a serem utilizadas no tema, visita técnica ao local em discussão, para elaboração de relatório fotográfico e melhor verificação quanto aos processos de funcionamento.

14 14 4 JUSTIFICATIVA Esta pesquisa apresenta propostas para encontrar alguma solução para a problemática da captação de esgoto sanitário gerados em áreas de grandes concentrações de construções irregulares na RMSP, mais especificamente das regiões no entorno da represa Billings e Guarapiranga, que causam grande proliferação de doenças e danos ao meio ambiente. Segundo a Fundação Nacional de Saúde - FUNASA (1999), os investimentos em saneamento têm um efeito direto na redução dos gastos públicos em serviços de saúde.

15 15 5 CONTEÚDO 5.1 Situação Geral da População O crescimento econômico não é mais encarado como solução para a pobreza e os demais problemas que afetam a população. O desenvolvimento passou a envolver questões sociais, culturais ambientais e político-institucionais de uma forma interligada. A bandeira do desenvolvimento sustentável é definida entre os países com potencial de crescimento. O desafio é elevar o nível geral de riqueza e qualidade de vida da população em sintonia com a eficiência econômica, a equidade social e a conservação dos recursos naturais (Passeto,1999) No Brasil ainda há um longo caminho para se atingir o desenvolvimento sustentável, a seguir são apresentados os caminhos que englobam (Passeto, 1999): A concentração de renda é uma das maiores em todo o mundo; A pobreza registra índices alarmantes; A maior parte da população não tem acesso a bens e serviços culturais; Muitas instituições ainda não funcionam em sua plenitude; O meio ambiente continua sendo intensamente agredido; A situação do saneamento á alarmante. Na questão específica do saneamento básico, o IBGE de 1998 aponta os dados abaixo: Mais de 10 milhões (24,8%) dos 41,8 milhões de domicílios não eram atendidos por rede de abastecimento d água. 23,2 milhões (55,5% do total) de domicílios não tinham acesso a sistema de esgoto sanitário. Na zona urbana, 11,4% não dispunham de água tratada e 48,9 não eram atendidos por redes de esgoto sanitário.

16 16 Cerca de 88 milhões de brasileiros vivem em domicílios desprovidos de sistema de coleta de esgoto sanitário. Isso não significa, porém, que o restante da população conta com serviço de saneamento adequado (Passeto,1999). Segundo dados do Governo Federal apenas 3,4% do esgoto sanitário coletado nos domicílios brasileiros recebe tratamento e só uma pequena parcela tem destinação final sanitariamente adequada no meio ambiente (Passeto,1999) A coleta, o tratamento e a disposição ambientalmente adequada do esgoto sanitário são fundamentais para a melhoria do quadro de saúde da população do Município (Passeto,1999). Segundo a FUNASA (1999), vale salientar que os investimentos em saneamento têm um efeito direto na redução dos gastos públicos em serviços de saúde. Para cada R$1,00 investido no setor de saneamento, economiza-se R$4,00 na área de medicina curativa. (Manual de Saneamento para Municípios, Fundação Nacional da Saúde,2005) Abastecimento de Água e Coleta de Esgoto Os problemas decorrentes da falta de um sistema de coleta, tratamento e disposição final do esgoto sanitário agravam-se quando existe fornecimento de água tratada à população, explica Passeto (1999), porque: Cada metro cúbico de água utilizada produz, pelo menos outro metro cúbico de esgoto sanitário.; Ao levar a rede de abastecimento d água a população o poder público está implantando mini-fábricas de esgoto sanitário nos domicílios atendidos;

17 17 Números do IBGE (1998) indicam que há no Brasil 12,8 milhões de domicílios atendidos por redes de abastecimento d água, mas desprovidos de sistemas de coleta de esgoto sanitário produzido pela utilização dessa água; Conforme Passeto (1999) é possível resumir: Todos os 41,8 milhões de domicílios brasileiros produzem esgoto sanitário; Desse total 31,5 milhões produzem esgoto sanitário de forma mais intensiva, e são mini-fábricas de esgoto sanitário; Dessas mini-fábricas de esgoto sanitário 12,8 milhões despejam diariamente o esgoto sanitário à céu aberto Poluição Difusa A poluição difusa é diferente da poluição de esgoto, aquele que vem do ralo, da cozinha, do banheiro da casa, isto é, poluição difusa é tudo aquilo que existe no ambiente, da graxa do automóvel, passando por resíduos, como veneno para rato e garrafas de plástico. Quando chove, tudo isso vai parar dentro da represa, inclusive o lixo. Todo o tipo de resíduo não orgânico, que acaba sendo levado para a represa forma essa poluição difusa. São produtos que estão numa área de manancial por causa da presença do homem. Por isso dissemos que a ocupação dos mananciais é totalmente contrária à qualidade ambiental da área. Sempre que há um homem numa área de manancial ele vai levar para esse local produtos que vão formar a poluição difusa. (Bacui, 2005)

18 Saúde e Saneamento Esta situação do setor de saneamento no Brasil tem conseqüências graves para a qualidade de vida da população, principalmente aquela mais pobre, residente na periferia das metrópoles ou nas pequenas e médias cidades do interior. Da população diretamente afetada, as crianças são as que mais sofrem; 65% das internações hospitalares de crianças menores de 10 anos estão associadas à falta de saneamento básico (BNDS, 1998); A falta de saneamento básico é a principal responsável pela morte por diarréia de menores de 5 anos no Brasil (Jornal Folha de São Paulo, 1999); Em 1997, morreram 50 pessoas por dia no Brasil vitimadas por enfermidades relacionadas à falta de saneamento básico. Destas, 40% eram crianças de 0 a 4 anos de idade (DATASUS Base de dados do Ministério da Saúde, 2005) A eficácia dos programas federais de combate à mortalidade infantil esbarra na falta de saneamento básico. Os índices de mortalidade infantil em geral caem 21% quando são realizados investimentos em saneamento básico (Jornal Folha de São Paulo, 1999); A utilização de soro caseiro é uma das principais armas para evitar a diarréia (Jornal Folha de São Paulo, 1999) Uma criança de 0 a 4 anos morre a cada 72 minutos em nosso país por falta de saneamento básico, mais precisamente, por falta de esgoto sanitário (DATASUS, 2005) Compromisso com o Saneamento O Brasil está na lista dos 176 países que assumiram o compromisso de implementar a chamada Agenda 21, documento definido durante a Conferencia da Nações Unidas para o meio Ambiente e o Desenvolvimento Rio 92, com o objetivo de mudar o padrão de desenvolvimento ao longo do século 21. (Passeto, 1999)

19 19 Para honrar este compromisso, o governo brasileiro criou, em fevereiro de 1997, a Comissão de Políticas de Desenvolvimento Sustentável e Agenda 21 Nacional, sob a coordenação de Ministério do Meio Ambiente. Essa comissão, formada por representantes de vários setores da sociedade civil, escolheu grupos de trabalho para desenvolver estudos sobre um conjunto de seis áreas temáticas. Segundo Passeto (1999) para cada uma dessas áreas foram formuladas estratégias e propostas de ações específicas. O saneamento e, particularmente, o esgoto sanitário, é abordado como uma questão fundamental para a promoção do desenvolvimento sustentável nos documentos finais de 4 dos 6 grupos de trabalho Captação de Esgoto de Áreas Irregulares Em geral o traçado dos loteamentos irregulares desprezam ruas e avenidas, sobrando vielas e picadas onde o sistema oficial de transporte não consegue chegar. Em grande parte não há água potável, o que leva os moradores a perfurarem poços em terrenos muitas vezes infiltrados por fossas negras. Em número significativo de loteamentos irregulares, o esgoto corre a céu aberto, e é a causa da proliferação de doenças. Segundo dados do Governo Federal, 90% das mortes de crianças são provocadas pela falta de saneamento urbano. (Resolo, 2003).

20 OCUPAÇÃO DESORDENADA Segundo Bacui (2005) ambientalista e membro do Conselho Estadual do Meio Ambiente do Estado de São Paulo - Consema, a ocupação desordenada de áreas de mananciais pode comprometer a qualidade da água utilizada para consumo de grandes metrópoles, como a Capital Paulista. Por onde passa, o ser humano acaba deixando lixo não orgânico que, quase sempre, é levado para os reservatórios. Todos sofrem com esse tipo de poluição, até mesmo quem mora em bairros do centro da cidade. (Bacui, 2005) Bacui (2005) ainda acrescenta que nas represas Billigs e Guarapiranga a situação em que se encontram hoje os reservatórios, o primeiro aspecto que tem que se discutir é o da potabilidade da água, se ela atende ou não a população de São Paulo. Ou seja, se essa água poderia ser oferecida à população. Do ponto de vista químico, certamente ela não atende aos padrões de potabilidade. O que nós precisamos fazer é não permitir mais a ocupação dos mananciais para que se tenha uma situação de poder controlar a qualidade dessa água.(bacui, 2005) Como Desmobilizar a População que Reside em Áreas de Mananciais O primeiro passo é cessar a ocupação ilegal dos mananciais e o ponto que é debatido é o do congelamento da situação atual. Para que isso ocorra, tem que haver um cadastramento da população local e não se permitir a construção em área de mananciais. Uma vez que a situação de fiscalização é falha, faz com que essa ação seja contínua, não pare (Bacui, 2005).

21 21 O sentimento de impunidade pode ser retratado nas ocupações, por exemplo: meu primo construiu ali, a casa valia dez e hoje vale cinqüenta bem como outras que dizem Como não aconteceu nada com ele eu vou construir também. É preciso coibir esse processo de ingovernabilidade, de falta de punição para quem constrói em área ilegal (Bacui, 2005). O segundo passo é o planejamento da recolocação dessas pessoas. Inicialmente, das que ocupam áreas de risco e fundos de vale, de onde não é possível retirar esgoto e as pessoas chegam a correr risco de vida. Estão ali e se cair uma chuva forte, podem até morrer. Depois, é preciso dar solução para as pessoas que residem em áreas que recebem águas pluviais, nas cabeceiras de drenagem (Bacui, 2005). Assim, através de um processo prioritário de manutenção dos sistemas que existem ao lado dos reservatórios, vamos trabalhando para conseguir retomar o mínimo da capacidade de produção de água desses locais. (Bacui, 2005) 5.3 REPRESA GUARAPIRANGA A Bacia do Guarapiranga é responsável pelo abastecimento de água de aproximadamente 3,8 milhões de paulistanos. A capacidade de produção do manancial está comprometida devido a degradação ambiental, segundo informações do ISA Instituto Sócio Ambiental (1996). As condições dessas águas são de potabilidade, mas a qualidade futura não está garantida, porque depois de gastar 550 milhões de reais, se conseguiu muito pouco com o Programa Guarapiranga. Segundo Bacui (2005), isso ocorreu porque a sociedade não teve a mobilização de cortar o processo de ocupação daquela área.

22 22 Toda vez que eu vou à Guarapiranga, e faço isso a cada 15 dias, eu encontro mais 40, 50 casas construídas em algum local que eu já conheço e que a gente está observando, principalmente em fundos de vales. O estado de ingovernabilidade é brutal. As pessoas continuam construindo sem nenhuma fiscalização ou controle. Então, o estado da Guarapiranga tende a se agravar, pela poluição difusa. Parte do esgoto foi retirado, mas a poluição difusa continua a assolar o reservatório e também a poluição pelo esgoto. (Bacui, 2005) Localização Segundo o Comitê de Preservação Ambiental SOS Água (2005), a Bacia Hidrográfica do Guarapiranga está localizada no Brasil, ao Sul da Região Metropolitana do Estado de São Paulo, ocupa uma área de 643 km². A Bacia do Guarapiranga abrange as áreas dos municípios de São Paulo, Embu, Itapecerica da Serra, Embu Guaçu, Cotia São Lourenço da Serra e Juquitiba. No município de São Paulo, ocupa uma área de 229 km², o que representa 36% da área total da bacia, afirma o Comitê SOS Água (2005) Histórico da Ocupação Segundo França (2000) a área onde situa-se a represa era, nas primeiras décadas do século, virtualmente isolada da malha urbana consolidada. A represa foi construída para regularizar as vazões do Rio Tietê em Parnaíba, a jusante da cidade, e seu imenso lago se prolongava em direção ao alto da serra. Como São Paulo dispunha de poucos atrativos naturais, esta represa, e posteriormente a Billings, funcionavam, num primeiro momento, como pólo de atração de atividades recreativas e de lazer da população paulistana, afirma França (2000). Na década de 1940, São Paulo sofria um forte adensamento populacional, com o crescimento da parcela de população de baixa renda, constituída por trabalhadores das indústrias que se instalaram próximo ao perímetro urbano.

23 23 Segundo França (2000), esta população não possuía condições econômicas que permitisse habitar áreas nobres e centrais e, portanto, passou a buscar terrenos mais distantes e com preços mais acessíveis. Neste processo de ocupação periférica a zona sul começou a receber a classe trabalhadora. Na década de 1960, a implantação das vias marginais, ao lado do canal do Rio Pinheiros, reforçou o direcionamento da expansão urbana para a zona sul, afirma França (2000). A partir da década de 1970 a desordem se instala nas áreas próximas a represa. Novos empreendimentos, sem regularização na Prefeitura e desprovidos de projetos detalhados, representados pelos loteamentos e favelas, vão ocupando áreas no entorno da Bacia do Guarapiranga, conclui França (2000). Devido ao avanço de loteamentos próximos as margens das represas, o lançamento de efluentes não acompanhou o desenvolvimento ocupacional da cidade, acarretando lançamentos clandestinos de efluentes, tornando as águas que recebem estes efluentes, poluídas e contaminadas, conclui França (2000) Ocupação Urbana A população total da Bacia do Guarapiranga, conforme dados do instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE (2005), acrescidos de projeções baseadas em estudo demográfico da Emplasa Empresa Metropolitana de Planejamento S/A, aproxima-se dos 600 mil habitantes, dos quais 450 mil localizados na porção do território do Município de São Paulo. É importante destacar que o perfil econômico da região caracteriza-a como uma das mais pobres de São Paulo, onde se verifica que aproximadamente 70% das famílias da região recebem até cinco salários mínimos, conclui o IBGE (2005). Na Tabela 5.1 pode-se observar o crescimento da população, principalmente de domicílios improvisados e encortiçados, estando esta situação atrelada à questão de ocupações irregulares e a exclusão social que estão sujeitas estas famílias.

24 24 Tabela 5.1 Variação da População Total e Condições de Moradia Crescimento % População Total Favelados Encortiçados Domicílios improvisados Moradores de Rua (Fonte: IBGE, 1991 e 2000) Dados Gerais Segundo um estudo do Instituto Sócio Ambiental ISA (2005), pode-se considerar que cerca de 40% do território da bacia está comprometido com algum tipo de urbanização descontrolada e irregular e segundo dados do PDPA Plano de Desenvolvimento de Proteção Ambiental (2005), aproximadamente 80% da população da bacia ocupa 40% do território, com densidades que chegam até 500 hab/ha. No Município de São Paulo, segundo dados da PMSP (2005), a densidade populacional média fica em torno de 150hab/ha. Conforme dados da Secretaria do Meio Ambiente SMA (2005), identificam-se, no território do reservatório da Guarapiranga, aproximadamente: 200 processos jurídicos referentes a loteamentos clandestinos; 180 favelas, correspondendo à cerca de 18% da população da bacia do reservatório; Invasões e loteamentos irregulares (17,3%).

25 Adequação as Normas de Infra-Estrutura às condições da Intervenção em Favelas. A argumentação das concessionárias e demais órgãos encarregados da implantação e operação da infra-estrutura prende-se as necessidades de padronização de componentes, de garantia de condições de manutenção e, em alguns casos, da garantia de condições de segurança dos usuários na operação dessas redes. (França, 2000) As duas posições são relevantes, pois é necessário, por um lado, que a implantação de infra-estrutura da favela seja técnica e economicamente viável e, por outro, que se garantam condições de operação e manutenção das redes que posicionem uma vida útil similar à das redes implantadas em assentamentos urbanos normais. (França, 2000) Inicialmente a Sabesp exigia um mínimo de quatro metros de largura para a passagem de qualquer rede pública de esgotamento sanitário. Essa exigência se devia à necessidade de acesso para manutenção mecânica, desejável em função da economia da operação das redes. Conseguiu-se, observando a configuração das favelas e considerando-se a capacidade do equipamento mecânico de limpeza, chegar a um critério de análise de projeto que separa a questão do acesso para manutenção, da questão largura mínima para passagem da rede de esgoto. (França, 2000) Passaram-se a admitir larguras mínimas de vielas de até 1,20m para passagem das redes de esgoto, contando que os poços de inspeção necessários para limpeza das tubulações tivessem acesso por via de veículos com quatro metros de largura. (França, 2000) No aspecto social a realidade da favela implica em maior agressão às redes de esgoto pelo uso e certa dificuldade, que vem sendo identificada nas áreas já urbanizadas, em se garantir a integridade das faixas de passagem das redes de esgoto vielas, faixas de servidão, leito viário frente à pressão de novas ocupações e ampliação de moradias existentes. (França, 2000)

26 26 Consolidou-se a idéia de que a intervenção em favelas não deve necessariamente prender-se ao mais barato, e sim o que é mais adequado pode significar um investimento maior do que seria o previsto em assentamentos urbanos normais. (França, 2000) Separação das Redes de Esgoto e Águas pluviais no Interior das Moradias. Inicialmente as obras licitadas compreendiam execução das redes de esgoto sanitários internos às favelas, somente até as caixas de ligação, devendo ser atribuição dos moradores, a conexão destas, aos ramais existentes. Em geral, em virtude da compacta implantação das moradias e da falta de espaços para o caminhamento das redes, as instalações domiciliares tendem a não obedecer a uma separação rígida entre as águas pluviais e os esgotos sanitários. Verifica-se assim, um conflito entre o padrão de instalações domiciliares existente na favela, e o bom funcionamento das novas redes concebidas, dentro dos padrões da concessionária. São freqüentes as conexões, no ramal de esgoto, de ralos e sumidouros precários de águas pluviais ou que as águas servidas (tanque de roupa, pias) sejam lançadas nas ruas em direção aos córregos. (França, 2000) Na medida que se conectam esses ramais domiciliares inadequados às redes implantadas pelo Programa Guarapiranga, concebidas segundo o princípio da separação entre águas pluviais e águas servidas, estas novas redes passam, então, a receber uma contribuição significativa de águas pluviais no caso das redes de esgotos e/ou de esgotos, no caso das redes de águas pluviais, se a separação não é feita no interior das moradias. (França, 2000) Assim, o procedimento de conexão dos ramais domiciliares às novas redes executadas pelo Programa Guarapiranga, bem como supressão da contribuição de águas pluviais à rede de esgotos ou de esgotos a rede de drenagem, casa a casa vem sendo adotado pelas próprias construtoras, a partir de orientações da Coordenação do Programa. (França, 2000)

27 Sistema de Esgotos Sanitários A maior parte da poluição transportada para o reservatório, cerca de 80%, tem origem nos esgotos domésticos. O sistema de esgotamento sanitário nas margens esquerda e direita da Bacia atende apenas 45% da população. Somem-se a isso as deficiências nos sistemas de drenagem, cuja decorrência são as erosões e o carreamento de sedimentos e resíduos sólidos que causam o assoreamento de córregos contribuintes e conseqüentemente da própria represa. (França, 2000) O sistema de esgotamento sanitário da bacia do Guarapiranga é fundamentado em redes coletoras, coletores tronco, estações elevatórias e respectivas linhas de recalque. Os esgotos são, portanto, exportados pela bacia do Rio Pinheiros para a Estação de Tratamento de Barueri, perfazendo uma trajetória de aproximadamente 47 km. Ao longo dos talvegues e córregos das diversas sub-bacias, os coletores tronco recebem a rede coletora e contribuem para as diversas estações elevatórias implantadas pela Sabesp na bacia do reservatório. (França, 2000) Com relação à população da margem direita, 180 mil moradores, cerca de 85% já havia sido contemplada com o sistema de reversão de esgotos que conduz os efluentes para a Estação de Tratamento de Barueri. Os 30 mil até então não atendidos encontram-se distribuídos em loteamentos e favelas, que tem condições de esgotamento, e são objeto das obras realizadas pela PMSP e pela Sabesp. Também de acordo com o RIMA Relatório de Impactos ao Meio Ambiente, a população da margem esquerda em 1992 correspondia a aproximadamente 128 mil pessoas. Destas, eram consideradas esgotáveis apenas 90 mil, das quais 56% já tinham seus efluentes adaptados ao sistema de reversão para a bacia do Córrego Ponte Baixa, que contribui para o canal do Rio Pinheiros. A previsão era de que as obras contratadas pelo Programa Guarapiranga irão permitir o atendimento de mais 8 mil moradores.

28 28 As redes e ligações implantadas até agosto de 1999, pela PMSP em favelas e loteamentos na Bacia do Guarapiranga, correspondem a ,00 metros na margem direita do reservatório e ,00 metros em sua margem esquerda. (França, 2000) A Tabela 5.2 apresenta um panorama geral das obras realizadas nos bairros da Capela do Socorro, situada no entorno da represa do Guarapiranga. Tabela 5.2 Obras Realizadas nos Bairros da Capela do Socorro Bairro Rede Distribuidora de Água (m) Ligações Domiciliares de Água Rede Distribuidora de Esgoto Ligações Domiciliares Esgoto (m) Dezenove 1.746, , Jd. Manacás 1.136, , Vila Eda 1.927, , Jd. Imbuias I 1.059, , Jd. Floresta 700, , Jd. Esmeralda 704, ,00 58 Jd. Iporanga 799, ,90 78 Jd. Beatriz ,40 22 Jd. Imbuias II 296, ,08 31 Vila Natal ,69 0 Balneário S , ,37 0 José (Fonte: França, 2000)

29 29 A Tabela 5.3 apresenta um panorama geral das obras realizadas nos bairros do Campo Limpo, situada no entorno da represa do Guarapiranga. Tabela 5.3 Obras Realizadas nos Bairros do Campo Limpo Bairro Rede Ligações Rede Ligações Distribuidora Domiciliares Distribuidora Domiciliares de Água (m) de Água de Esgoto Esgoto (m) Parque Amália / 745, , Santa Margarida Jd. Dionísio I, II e 1.932, , Vila Sta. Lúcia Jd. Copacabana 2.345, , Jd. Aracati 1.830, , Ângelo Tarsini 1.081, , Viela do Colégio 102, ,00 27 Jd. Boa Sorte 572, , Jd , , Alexandria/Gustavo Jd. Kagohara I 282, , Parque Boulogne Jd. Nakamura 793, , Jararaú I 655, ,00 60 Vista Alegre (Fonte: França, 2000)

30 REPRESA BILLINGS Na Represa Billings, a situação é muito parecida com a Represa Guarapiranga. Por ser grande em área e volume, com 900 quilômetros de margem, tem ainda 70% de sua área de mananciais preservada. São áreas mais distantes da metrópole. A ocupação urbana foi se expandindo e parou às margens da represa. Do lado da metrópole é mais difícil. Na outra margem, ainda é possível fazer um trabalho para conter essa ocupação. (Bacui, 2005) O Trabalho que está sendo realizado Segundo Bacui (2005), não está sendo realizado nenhum trabalho pois, o Governo do Estado não tem vontade política para isso. Há um setor que cuida do uso e ocupação do solo que deveria ter, segundo declarou a Secretaria do Meio-Ambiente em 1997, 85 fiscais para fiscalizar efetivamente os mananciais de São Paulo. Atualmente são apenas 7 fiscais. Na época em foram feitas as queixas da quantidade de fiscais, havia 17 pessoas. Ou seja, o número diminuiu. Por outro lado, o Estado diz que essa é uma responsabilidade conjunta com os municípios. (Bacui, 2005) O município é que deve fazer essa fiscalização. Mas ao invés de assumir seu papel de responsabilidade concorrente ele é também co-irresponsável. Não cumpre o seu papel, porque tem todo aquele clientelismo. O setor de obras dessas prefeituras não atua em mananciais. Muitas vezes, uma obra no centro da cidade é embargada e, ao mesmo tempo, nasce um bairro em área de manancial e a prefeitura não atua por lá. (Bacui, 2005)

31 Como Preservar os Mananciais Os grandes ausentes nessa discussão são os bairros centrais, estabelecidos legalmente. E eles serão os mais atingidos no futuro. Quando se fala em água, estamos falando do maior insumo para se manter a vida numa metrópole como São Paulo. Aquela população que tem uma qualidade de vida razoável, nos bairros menos pobres, ela está, de certa forma, divorciada da luta pela preservação das áreas de entorno. (Bacui, 2005) Mas elas também serão vitimadas, de várias formas. Primeiro, pela pior qualidade da água que vão receber. Segundo Bacui (2005), pela falta de ventilação da cidade, por causa da destruição do cinturão verde da metrópole, que causa inclusive o aquecimento. Ou seja, de alguma forma, todos na cidade serão vítimas da ocupação desordenada das áreas de mananciais. (Bacui, 2005) 5.5 Moradores vão tratar esgoto em área de manancial Moradores de loteamento clandestino na Billings assinaram acordo pelo qual vão pagar pela instalação de Estação de Tratamento no bairro. Um acordo assinado entre a comunidade do Jardim Pinheiro, a Prefeitura de São Bernardo do Campo e o Ministério Público Estadual permitirá a construção da primeira estação de tratamento, na área de mananciais da RMSP, financiada pelos próprios moradores. (Campanili, 2002) Localizado às margens da represa Billings, o loteamento clandestino possui cerca de três mil famílias, que vivem completamente sem infra-estrutura urbana e jogam o esgoto diretamente na represa. Segundo a promotora Staurenghi (2002), o Termo de Ajustamento de Conduta é o primeiro em que as pessoas se comprometem a bancar parte dos custos. (Campanili, 2002)

32 32 Conforme dito por Staurenghi, (2002) o importante no processo é que a comunidade só chega nesse consenso, de concordar em pagar, quando entende que está em área de manancial, que foi enganada e que precisa se comprometer com a recuperação. Para chegar a esse acordo, os moradores criaram, com apoio da PMSP, uma Sociedade Amigos de Bairro, que será responsável pela compra e instalação da estação de tratamento de esgoto, para os 816 lotes do bairro. (Campanili, 2002) A estação vai custar 20 parcelas de R$ 28,00 (Vinte e Oito Reais) por mês para cada família, cuja renda média fica entre três e cinco salários mínimos. À prefeitura, caberá instalar a rede coletora do esgoto, assim como a colocação de guias, sarjetas e asfalto ecológico no local (tipo de asfaltamento que permite a absorção de água). Em sistema de parceria, moradores e Prefeitura se comprometem a reflorestar as margens da represa e criar uma área de lazer no bairro. (Campanili, 2002) José Oliveira da Silva (2002), presidente da Sociedade Amigos de Bairro dos Pinheiros, diz Vivemos com esgoto a céu aberto e no meio do lixo e tudo isso vai acabar. Em muito pouco tempo, teremos nossas casas e nossas crianças protegidas. A preocupação de Silva (2002), no momento, é garantir que todos os proprietários de lotes assinem e cumpram com o compromisso. (Campanili, 2002) O acordo dá um prazo de quatro meses para a construção da estação de tratamento de esgoto e 18 meses para a Prefeitura fazer a urbanização. A tecnologia escolhida para o tratamento dos efluentes é a mesma utilizada pelo Departamento de Água e Esgoto de Niterói, no Rio de Janeiro, considerada pela Prefeitura e pelos moradores moderna e econômica.

33 33 A estação de tratamento de esgoto terá capacidade para receber 360 m³/dia de efluentes e permitirá um índice de pureza de 96% à água, que será represada em um lago artificial, onde haverá criatórios de peixes para controle ambiental. (Campanili, 2002) Calçadas Verdes Segundo Staurenghi (2002), promotora de Meio Ambiente, a Ação Civil Pública continua correndo contra os responsáveis pelo loteamento. Sabemos que o tratamento de esgoto é uma forma de compensação ambiental, e é importante que os moradores arquem com ela, mas não é suficiente. Vamos cobrar uma área de compensação dos outros réus da ação, disse. Outro ponto positivo da negociação, na visão da promotora Staurenghi (2002), é o compromisso dos moradores de plantar grama nas calçadas. (Campanili, 2002) As calçadas verdes já foram implantadas em cerca de 40 bairros do município, para aumentar a permeabilidade do solo. Mas, além de sua funcionalidade, ao quebrar o cimento e plantar grama na frente de casa, é como se cada morador estivesse dizendo tenho um compromisso com a represa. (Campanili, 2002) 5.6 PROGRAMA DE MANACIAIS DA SEHAB O programa tem por objetivo fundamental a conservação das Represas Guarapiranga e Billings, para garantir o abastecimento de água do município de São Paulo. Para isso, deverá controlar a ocupação desordenada nas áreas de mananciais e desenvolver ações de recuperação social e ambiental nos bairros.

34 Inclusão Social O desenvolvimento sustentado nas áreas de mananciais não depende apenas das melhorias físicas conseguidas com as obras de urbanização. Depende também da inclusão social da população, através do acesso à regularização fundiária da moradia, segurança saúde educação, cultura, lazer e capacitação profissional Metas Previstas As metas previstas no programa para a Bacia do Guarapiranga são: Urbanização de favelas Doze Mil Famílias Recuperação de Loteamentos Seis Mil Famílias As metas previstas no programa para a Bacia Billings são: Urbanização de favelas Cinco Mil Famílias Recuperação de Loteamentos Doze Mil Famílias Localização do Programa Mananciais da SEHAB Conforme indicado na Tabela 5.4, é possível verificar os dados apresentados para as áreas do Programa. Tabela 5.4 Localização do Programa Manaciais da SEHAB Bacia do Guarapiranga 1 Bacia Billings 2 Bacia Capivari/Monos 3 Área Total 163 km² 229 km² 131 km² Captação 11 m³/s 4 m³/s 1 m³/s para Abastecimento População Residente hab hab. hab. Domicílios em Favelas Lotes Urbanos Irregulares (Fonte: PMSP, 2000)

35 35 Conforme indicado na Figura 5.1, é possível visualizar a Localização do Programa Figura Localização do Programa Mananciais da SEHAB (Fonte: PMSP, 2000)

36 36 Na Figura 5.2 observa-se o mapa com o traçado das redes coletoras de esgoto na região da Bacia do Guarapiranga. Apresenta também a localização das estações elevatórias e respectivo destino dos efluentes. Figura Mancha Urbana com Redes de Esgoto Instaladas na Bacia do Guarapiranga (Fonte: França, 2000)

37 37 Na Figura 5.3 observa-se o mapa com as densidades populacionais no entorno da Bacia do Guarapiranga. A ocupação se torna mais intensa nas margens da represa e a Leste onde passam vias de tráfego expressas. Figura Loteamentos Irregulares Localizados na Bacia do Guarapiranga (Fonte: França, 2000)

38 38 Na Figura 5.4 observa-se uma vista geral da local onde será instalado a estação de tratamento de esgoto do Bairro dos Pinheiros. Figura Bairro dos Pinheiros terá estação de tratamento de esgoto e urbanização (Fonte: PMSP, 2000) Na Figura 5.5 observa-se a recuperação urbana e Saneamento Ambiental. Figura Recuperação Urbana e Saneamento Ambiental (Fonte: PMSP, 2000)

39 39 Na Figura 5.6 observa-se uma vista geral do Córrego localizado no Parque Amália que recebe Contribuição direta de esgoto e lixo da favela. Figura Córrego de Fundo de Vale em Favela que Recebe Contribuição Direta de Esgoto e Lixo Doméstico (Fonte: França, 2000)

40 40 Na Figura 5.7 observa-se uma vista geral da ocupação desordenada das favelas e o contato direto da população com esgoto lançado a céu aberto. Figura Ocupação em Fundo de Vale Moradias Sobre as Margens do Córrego (Fonte: França, 2000)

41 41 Na Figura 5.8 observa-se uma vista geral da ocupação desordenada das favelas, lixo e esgoto sendo com esgoto lançado a céu aberto. Figura 5.8 Esgoto Sendo Lançado a Céu Aberto (Fonte: França, 2000)

42 42 Na Figura 5.9 observa-se uma vista geral na Sub Bacia Guaravituba II, a ocupação desordenada das favelas, lixo e esgoto sendo com esgoto lançado a céu aberto. Figura Situação Precária que se Encontra a População (Fonte: PMSP, 2000) Figura Recuperação Urbana e Saneamento Ambiental (Fonte: PMSP, 2000)

43 43 6 ESTUDO DE CASO 6.1 Panorama Geral das Redes de Esgoto em Relação ao Programa Guarapiranga Conforme entrevista realizada na Sabesp com a engenheira Lyuko (2005), responsável pela manutenção das redes de esgoto da Sabesp nas áreas onde foi concluído o Programa Guarapiranga em 1997, Lyuko (2005) sugere que haja uma estudo voltado a Gestão e Planejamento Urbano, além de ações educativas da população destes locais, pois devido a algumas falhas no projeto de reurbanização das favelas, temos como exemplo o serviço de coleta de lixo, que muitas vezes fica longe das residências, fazendo com que os moradores jogue todo o lixo de sua residência nos poços de visita de esgoto, ocasionando entupimento das redes. Lyuko (2005) ainda complementa que, embora o custo inicial seja elevado, os problemas posteriores a um processo de urbanização é maior e permanente. Logo após a conclusão do Programa Guarapiranga a ocupação desordenada continua, dia a dia a ocupação irregular avança, esgoto sendo lançado a céu aberto e falta de infra-estrutura, porém segundo Lyuko (2005) para as famílias que ali estão se instalando não há outra solução além da desmobilização das mesmas, pois as áreas ocupadas estão em áreas de mananciais e com riscos de desmoronamento. 6.2 Programa Guarapiranga Favela Jardim Esmeralda A Favela Jardim Esmeralda é um local que houve intervenção do Programa Guarapiranga, conforme entrevista realizada na Favela Jardim Esmeralda a líder comunitária Pereira (2005) informou que é moradora na favela Jardim Esmeralda há 40 anos, isto é, desde o inicio da ocupação do local.

44 44 Segundo Pereira (2005), as primeiras redes de esgoto foram executadas vinte anos após a ocupação do local, estas executadas na forma de mutirão pelos moradores, as redes foram executadas com tubos de PVC Branco comum com diâmetro de quatro polegadas, com algumas caixas de inspeção ao longo da tubulação, estas redes eram conduzidas até a galeria de águas pluviais. Conforme Pereira (2005), com a crescente ocupação do local as redes executadas passaram a não atender a demanda, gerando assim esgoto á céu aberto, o que ocasionava um terrível mau cheiro e muitas pessoas doentes. Segundo Pereira (2005), com o Programa Guarapiranga, foram executadas redes novas de acordo com a demanda local, atendendo toda a população. Para as redes foram utilizados tubos de concreto, PVC Reforçado e Manilhas de Barro. As redes de esgoto foram executadas próximas às redes de água de forma a preservar ao máximo as moradias existentes, isto é, nas vielas entre as casas, conforme Figuras e Segundo Pereira (2005), foram criados também, Poços de Visita na rede paralela ao córrego de águas pluviais, conforme Figura 6.2.3, sendo que todo esgoto atualmente está sendo lançado em rede exclusiva, isto é com separação das águas pluviais, e a disposição final das redes de esgoto é na Estação de Tratamento Guarapiranga. Conforme Pereira (2005), está difícil disciplinar a população quanto à disposição final do lixo, embora haja serviço de coleta pública no local, algumas pessoas lançam lixo no córrego de águas pluviais conforme Figura Pereira (2005) salienta que ocorre constante entupimento das redes, a Sabesp atende prontamente aos chamados, solucionando os problemas, porém os problemas decorrentes à falta de redes de esgoto foram sanados (Pereira 2005).

45 45 Na Figura observa-se um poço de visita de esgoto ao lado do cavalete do hidrômetro, localizados na viela. Figura Poço de Visita de Esgoto ao Lado do Cavalete do Hidrômetro (Fonte: Amendola, 2005) Na Figura observa-se tubulação de esgoto de interligação à rede pública ao lado do cavalete do hidrômetro nas vielas. Figura Interligação de Esgoto na Rede Executada na Vilela (Fonte: Amendola, 2005)

46 46 Na Figura observa-se um poço de captação de esgoto localizado à margem do Córrego de águas pluviais. Figura Poço de Visita de Esgoto a Margem do Córrego de Águas Pluviais (Fonte: Amendola, 2005) Na Figura observa-se o lixo depositado no córrego de águas pluviais. Figura Lixo Depositado no Córrego de Águas Pluviais (Fonte: Amendola, 2005)

47 Programa Guarapiranga Favela Jardim Iporanga/Vila Cliper A Favela Jardim Iporanga é um local que houve intervenção do Programa Guarapiranga, conforme entrevista realizada na Favela Jardim Iporanga a líder comunitária Leme (2005) informou que é moradora da favela há 23 anos, isto é, desde o inicio da ocupação do local. Conforme Leme (2005) a ocupação do local se deu de forma rápida, embora sem infra-estrutura, os barracos de madeira e até mesmo algumas casas em alvenaria de blocos foram construídas no local sem falta de infra-estrutura de asfalto, iluminação pública, coleta de lixo e esgoto, conforme apresentado na Figura Segundo Leme (2005), o esgoto era lançado à céu aberto em via pública, conforme apresentado na Figura , após várias solicitações de instalação de redes públicas de esgoto junto a Sabesp, esta alegava dificuldades para execução das obras pois as casa já estavam construídas em áreas de relevo acentuado, causando assim o problema de soleira negativa, conforme apresentado na Figura Conforme Leme (2005), em 1997 foi iniciada a execução das obras de implantação das redes públicas de esgoto por parte da Sabesp, isto é, anteriormente ao Programa Guarapiranga. O material necessário para a execução da obra era armazenado na rua, conforme apresentado na Figura 6.3.4, o que muitas vezes havia atraso na execução das obras em função de furto dos mesmos. Posteriormente o Programa Guarapiranga foi necessária a adequação por parte da Sabesp no tocante de cotas de níveis, pois com o arruamento foi necessária a adequação das cotas de tampas dos poços de visita, conforme apresentados na Figura Atualmente ainda há nas vielas alguns poços de visita de esgoto que ainda apresentam incompatibilidades entre as cotas de níveis de tampa e o pavimento, conforme apresentados na Figura

48 48 Com o Programa Guarapiranga, foram removidas várias famílias que se encontravam em áreas de risco, porém a demolição das casas não era imediata, causando assim novas famílias ocupando as casas vazias. Por se tratar de casas em áreas de risco, estas não são dotadas de ligação à rede pública de esgoto, com isso o esgoto ainda corria a céu aberto, causando assim doenças e terrível mau cheiro, porém no mês de setembro de 2005 essas famílias foram mais uma vez removidas e as casa demolidas, solucionando o problema. Segundo Leme (2005), no mês de janeiro de 2005, houve novas ocupações no local, são casas populares, executadas pela PMSP, de famílias desmobilizadas de áreas de risco, conforme Figura Segundo Leme (2005), atualmente as redes de esgoto e águas pluviais são totalmente independentes, o esgoto conduzido a Estação de Tratamento Guarapiranga e as águas pluviais lançadas no córrego, conforme Figuras e Devido à deficiência de áreas de lazer no local, atualmente Leme (2005) está em negociação junto a SEHAB, para a implantação de uma área de lazer, contudo além da questão verba, neste local o solo se encontra muito comprometido em termos de contaminação, pois era a local onde o esgoto escoava a céu aberto, porém até o momento o pedido não foi atendido.

49 49 Na Figura observa-se a barracos de madeira e até mesmo algumas casas em alvenaria de blocos foram construídas em local sem falta de infra-estrutura, asfalto, iluminação pública, coleta de lixo e esgoto. Figura Falta de Infra-Estrutura Local (Fonte: Leme, 2005) Na Figura observa-se os barracos de madeira e o lançamento de esgoto a céu aberto na via pública. Figura Lançamento de Esgoto à Céu Aberto na Rua Lucilo Varejão (Fonte: Leme, 2005)

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp COSEMA - FIESP Programas e Ações A da Sabesp para os grandes problemas da RMSP Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Evolução Populacional - RMSP Reversão da centrifugação Menor pressão

Leia mais

Programa Paraisópolis

Programa Paraisópolis Programa Paraisópolis Identificação das Comunidades Cemitério Getsemani Jd. Colombo Paraisópolis Porto Seguro Cemitério do Morumbi Colégio Visconde de Porto Seguro Programa Paraisópolis Caracterização

Leia mais

ESTUDO SOBRE O PLANO INTEGRADO DE MELHORIA AMBIENTAL NA ÁREA DE MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS Relatório Final

ESTUDO SOBRE O PLANO INTEGRADO DE MELHORIA AMBIENTAL NA ÁREA DE MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS Relatório Final 32 PROJETO DE EXECUÇÃO DAS OBRAS 32.1 Cronograma de execução e estimativa do custo das obras (1) Cronograma de execução O cronograma de execução da obra, tal como apresentado na Figura 32.1.1, terá início

Leia mais

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO ASSEMAE VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO Título do trabalho O SEMASA E O TRATAMENTO DE ESGOTO NA CIDADE DE SANTO ANDRÉ Nome do Autor ISABEL CRISTINA ALEIXO DIAS CURRÍCULO DO AUTOR

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL Juliana Maria Medrado de Melo (1) Graduanda em Engenharia Agrícola

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura.

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura. VI-039 - SANEAMENTO BÁSICO: UMA ANÁLISE ESTRUTURAL DO BAIRRO PEDRA DO LORDE EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL. Roberta Daniela da

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I 1. O presente Regulamento objetiva estabelecer regras gerais de uso do sistema de abastecimento

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PROBLEMÁTICA POSSÍVEIS SOLUÇÕES ETAPAS OPORTUNIDADES - Ampliação do atendimento (75% de cobertura);

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP fabio.vieirageo@hotmail.com

Leia mais

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O V o l u m e V R E L A T Ó R I O D O S P R O G R A M A S, P R O J E T O S E A Ç Õ E S P A R A O A L C A N C E D O C E N Á R I O R E F E R

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

DOSSIÊ Sistema Rio Grande

DOSSIÊ Sistema Rio Grande Espaço das Águas Fundação Patrimônio Histórico da Energia e Saneamento Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Sabesp DOSSIÊ Sistema Rio Grande Fevereiro 2009 1. Histórico do Sistema Rio

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

Profa. Ana Luiza Veltri

Profa. Ana Luiza Veltri Profa. Ana Luiza Veltri EJA Educação de Jovens e Adultos Água de beber Como está distribuída a água no mundo? A Terra, assim como o corpo humano, é constituída por dois terços de água; Apenas 1% da quantidade

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO NO INTERIOR PAULISTA PARALELO ENTRE PRESIDENTE EPITÁCIO E BIRIGUI

SANEAMENTO BÁSICO NO INTERIOR PAULISTA PARALELO ENTRE PRESIDENTE EPITÁCIO E BIRIGUI 427 SANEAMENTO BÁSICO NO INTERIOR PAULISTA PARALELO ENTRE PRESIDENTE EPITÁCIO E BIRIGUI Daiane dos Santos Esquevani¹, Camila Augusta Florindo¹, Mayara Pissutti Albano² Yeda Ruiz Maria² ¹ Discentes do curso

Leia mais

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Segurança hídrica - Declaração Ministerial do 2o Fórum Mundial da Água, 2001 Acesso físico e econômico à água em quantidade e qualidade suficiente

Leia mais

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Inaugurada há pouco mais de 3 anos, Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) garante melhorias na qualidade da água do córrego Lucas, que

Leia mais

Esgotamento Sanitário

Esgotamento Sanitário CAPÍTULO 14 Esgotamento Sanitário Impacto socioambiental das práticas de esgotamento sanitário 14. 1 Soluções de esgotamento sanitário 14. 2 Modelo de gestão para o saneamento integrado 14. 3 245 14. 1

Leia mais

ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014

ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 CULTURA: Pólo do Projeto Guri: O Projeto Guri tem como objetivo resgatar a auto-estima dos adolescentes, utilizando a música como agente transformador. Pólo Rua

Leia mais

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp III Pré-ENCOB - RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - Sabesp 5ª Maior

Leia mais

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA Diretoria de Tecnologia, Empreendimentos e Meio Ambiente - T Sistema Produtor de Água Mambu - Branco REUNIÃO DO COMITÊ TÉCNICO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira) PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira) Institui o Programa Nacional de Conservação, Uso Racional e Reaproveitamento das Águas. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A presente lei tem por

Leia mais

DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7)

DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7) DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7) Rede de capitação, tratamento e distribuição de água Rede de drenagem de águas pluviais Rede de coleta e tratamento de esgoto Serviço de coleta e tratamento de resíduos

Leia mais

Amplia-se a rede de esgoto na capital da República

Amplia-se a rede de esgoto na capital da República Distrito Federal Água e Esgoto Amplia-se a rede de esgoto na capital da República Com a proclamação da República, em 1889, a Inspetoria Geral de Obras Públicas passou a se chamar Inspeção Geral das Obras

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br

Leia mais

Apoio PROJETO TRATA BRASIL NA COMUNIDADE. Saneamento é saúde!

Apoio PROJETO TRATA BRASIL NA COMUNIDADE. Saneamento é saúde! Apoio PROJETO TRATA BRASIL NA COMUNIDADE Saneamento é saúde! Ordem na casa! Proteger o meio ambiente é dever de todos. E começar pelo saneamento pode ser uma boa alternativa Você já deve ter ouvido falar

Leia mais

PLANO DIRET O DIRET R O DE MACR MA ODRENA CR GEM ODRENA DA BACIA DO ALTO TIETÊ

PLANO DIRET O DIRET R O DE MACR MA ODRENA CR GEM ODRENA DA BACIA DO ALTO TIETÊ PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA BACIA DO ALTO TIETÊ MAPA DE LOCALIZAÇÃO A ANÁLISE E O ENCAMINHAMENTO DE SOLUÇÕES PARA AS QUESTÕES DE DRENAGEM URBANA TÊM SIDO UM DOS

Leia mais

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES, AÇÃO URBANA E FUNDAÇÃO BENTO RUBIÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO: POLÍTICAS PÚBLICAS E O DIREITO À CIDADE O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro Ana

Leia mais

Desafios e metas do Estado de São Paulo

Desafios e metas do Estado de São Paulo 1º Seminário Saneamento Básico Universalização do Saneamento: Desafios e Metas para o Setor 07 de novembro de 2011 Desafios e metas do Estado de São Paulo Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos

Leia mais

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável nos núcleos rurais com mais de 10 economias nas áreas quilombolas nas áreas indígenas Planilha de Objetivos, Indicadores e Ações Viabilizadoras GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: "Que até

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

Índice de 11,6% é maior do que 11,4% registrado no último dia de fevereiro. Outros 5 sistemas também subiram,mas São Paulo ainda vive crise hídrica.

Índice de 11,6% é maior do que 11,4% registrado no último dia de fevereiro. Outros 5 sistemas também subiram,mas São Paulo ainda vive crise hídrica. PROJETO ATUALIZAR 2015 TEMA SISTEMA CANTAREIRA DATA DE APLICAÇÃO 09 a 13/03/2015 PROFESSORES RESPONSÁVEIS Cristiane e Felipe 1. SUGESTÕES DE PONTOS QUE PODEM SER ABORDADOS 1.1. A importância da água 1.2.

Leia mais

Paulo Massato Yoshimoto. Diretor Metropolitano - Sabesp

Paulo Massato Yoshimoto. Diretor Metropolitano - Sabesp Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp O papel da SABESP no ciclo de vida da água Redução do volume produzido. Preservação e despoluição dos mananciais. Água de reúso Controle de Perdas

Leia mais

SANED CUMPRINDO COM SUA RESPONSABILIDADE NA DESPOLUIÇÃO DA REPRESA BILLINGS EM DIADEMA

SANED CUMPRINDO COM SUA RESPONSABILIDADE NA DESPOLUIÇÃO DA REPRESA BILLINGS EM DIADEMA SANED CUMPRINDO COM SUA RESPONSABILIDADE NA DESPOLUIÇÃO DA REPRESA BILLINGS EM DIADEMA ENG JORGE KIYOSHI MASSUYAMA Cargo atual: Diretor de Operações da SANED, cargo atual Formação: Engenheiro Civil, formado

Leia mais

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG BRENO FURTADO LIMA 1, EDUARDO OLIVEIRA JORGE 2, FÁBIO CHAVES CLEMENTE 3, GUSTAVO ANDRADE GODOY 4, RAFAEL VILELA PEREIRA 5, ALENCAR SANTOS 6 E RÚBIA GOMES

Leia mais

PLANO DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL E URBANIZAÇÃO

PLANO DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL E URBANIZAÇÃO As ocupações irregulares em áreas de Manancial configuram o principal problema ambiental da Região Metropolitana de Curitiba. A problemática ambiental que envolve o município de Campo Magro é complexa.

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: A elevatória apresenta três conjuntos moto-bombas (Foto 3), dos quais dois operam em paralelo, ficando um de reserva, cada um associado a um motor elétrico de 150 cv de potência e recalcando uma vazão

Leia mais

SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA CIDADE DE PASSO FUNDO/RS

SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA CIDADE DE PASSO FUNDO/RS SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA CIDADE DE PASSO FUNDO/RS Giovani Meira de Andrade (*), Jennifer Domeneghini 2, Alcindo Neckel 3, Aline Ferrão Custodio Passini 4, Andreia do Nascimento 5 * Faculdade

Leia mais

1 Abastecimento de água potável

1 Abastecimento de água potável Índice de atendimento urbano de água Planilha de Objetivos, Indicadores e GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: Que até 2020 Santa Maria esteja entre os melhores Municípios do Rio Grande do Sul,

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda PAC/BNDES BACIA D-E Vila Olinda Parque Universitário Sinalização ao longo das

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade)

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) IDEIA FORÇA Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) DETALHAMENTO: Mobilidade humana (trabalhador precisa respeito); Melhorar a qualidade e quantidade de transporte coletivo (Lei da oferta

Leia mais

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I CONTRATO N.º ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO DO RESIDENCIAL SANTA MÔNICA A INFRAESTRUTURA DE IMPLANTAÇÃO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL SANTA MONICA OBEDECERÁ

Leia mais

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários;

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários; PROJETO DE: EMENDA À LEI ORGÂNICA LEI COMPLEMENTAR LEI ORDINÁRIA RESOLUÇÃO NORMATIVA DECRETO LEGISLATIVO ( X ) Nº /2013 AUTOR/SIGNATÁRIO: Ver. GILBERTO PAIXÃO EMENTA: Dispõe sobre os serviços e obras para

Leia mais

tratamento e disposição final adequados dos esgotos sanitários, desde as ligações prediais até o lançamento final no meio ambiente (BRASIL, 2007).

tratamento e disposição final adequados dos esgotos sanitários, desde as ligações prediais até o lançamento final no meio ambiente (BRASIL, 2007). II-156 - AVALIAÇÃO DO ESGOTAMENTO SANITÁRIO NOS BAIRROS JARDIM NOVO ENCONTRO, MARIA GORETTI E PIRANGA EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL - UNIVASF Julliana Melo

Leia mais

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E/OU ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE EMPREENDIMENTOS ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. PROCEDIMENTOS... 3 3. APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS...

Leia mais

INFRA-ESTRUTURA PARA PROGRAMAS DE SANEAMENTO INTEGRADO: O Caso Mangueira e Mustardinha Recife, PE

INFRA-ESTRUTURA PARA PROGRAMAS DE SANEAMENTO INTEGRADO: O Caso Mangueira e Mustardinha Recife, PE INFRA-ESTRUTURA PARA PROGRAMAS DE SANEAMENTO INTEGRADO: O Caso Mangueira e Mustardinha Recife, PE SÍNTESE A despeito das doenças relacionadas a ambientes insalubres, não há, na Cidade do Recife, registro

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO, OBRAS, VIAÇÃO E TRANSPORTE COMISSÃO DO MEIO AMBIENTE. PROJETO DE LEI Nº 237/2012 Com o Substitutivo n o 1

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO, OBRAS, VIAÇÃO E TRANSPORTE COMISSÃO DO MEIO AMBIENTE. PROJETO DE LEI Nº 237/2012 Com o Substitutivo n o 1 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO, OBRAS, VIAÇÃO E TRANSPORTE COMISSÃO DO MEIO AMBIENTE PROJETO DE LEI Nº 237/2012 Com o Substitutivo n o 1 RELATÓRIO: De autoria do Vereador Amauri Cardoso, este projeto

Leia mais

CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS

CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS Brasília 30 de agosto de 2011 Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos O processo de urbanização brasileiro não considerou a necessidade de prover habitação

Leia mais

SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS

SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS SISTEMA DE COLETA DE ESGOTOS SANITÁRIOS REDES DE ESGOTO NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE REDE DE ESGOTO SANITÁRIO Deverão ser obedecidas as normas NBR 9649, 8160 e 9648 da ABNT sobre o assunto

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Manual de Loteamentos e Urbanização

Manual de Loteamentos e Urbanização Manual de Loteamentos e Urbanização Juan Luis Mascaró ARQ 1206 - Urbanização de Encostas - Análise Prof Sônia Afonso segundo trimestre 2003 Adriana Fabre Dias 1. Retículas Urbanas e Custos 1.1. Aspectos

Leia mais

ZL VÓRTICE A ZONA LESTE DE SÃO PAULO SITUAÇÕES CRÍTICAS

ZL VÓRTICE A ZONA LESTE DE SÃO PAULO SITUAÇÕES CRÍTICAS ZL VÓRTICE A ZONA LESTE DE SÃO PAULO SITUAÇÕES CRÍTICAS ZL Vórtice é um projeto de investigação e práticas urbanas experimentais. Reúne pesquisadores, arquitetos, engenheiros e artistas, junto com as comunidades

Leia mais

Laudo de Vistoria Ambiental ÁREA DE ESTUDO

Laudo de Vistoria Ambiental ÁREA DE ESTUDO Laudo de Vistoria Ambiental I Identificação da Propriedade: Associação Condomínio Parque Primavera CNPJ 60.549.656/0001-90 Rua Eurico Gaspar Dutra 255 - Carapicuíba CEP 06342-200 ÁREA DE ESTUDO II Característica

Leia mais

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente MEDIDAS DE SANEAMENTO BÁSICO OU RUAS CALÇADAS? Angela Maria de Oliveira Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Márcia Finimundi Barbieri Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Resumo Este

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRASIL PREFEITURA DE ESTRELA Rua Julio de Castilhos, 380 Centro Estrela/RS Fone: 39811000

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRASIL PREFEITURA DE ESTRELA Rua Julio de Castilhos, 380 Centro Estrela/RS Fone: 39811000 PROJETO DE LEI Nº 044-02/2014 Acrescenta dispositivos à Lei Municipal nº 1.621, de 28 de dezembro de 1979, que dispõe sobre os loteamentos e dá outras providências. Art. 1º Além dos dispositivos constantes

Leia mais

TERRA ROXA. OBRAS E AÇÕES Gestão 2007-2010 2010 R$ 6.020.000,00

TERRA ROXA. OBRAS E AÇÕES Gestão 2007-2010 2010 R$ 6.020.000,00 TERRA ROXA OBRAS E AÇÕES Gestão 2007-2010 2010 R$ 6.020.000,00 AGRICULTURA: Distribuição de leite: distribuídos 37.474 litros de leite, no período de Jan/2007 a Jul/2009 Custo: R$ 47 mil, beneficiando

Leia mais

VÁRZEA PAULISTA OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 37.530.000,00

VÁRZEA PAULISTA OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 37.530.000,00 VÁRZEA PAULISTA OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 37.530.000,00 AGRICULTURA: Distribuição de Leite: distribuídos 59.550 litros de leite de Jan/2007 a Mar/2009 - Custo: R$ 75 mil, beneficiando 150 famílias

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PERCEPÇÕES SOBRE SANEAMENTO BÁSICO

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PERCEPÇÕES SOBRE SANEAMENTO BÁSICO PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PERCEPÇÕES SOBRE SANEAMENTO BÁSICO MARÇO DE 2012 JOB2178 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL Entender como a população brasileira percebe questões relacionadas

Leia mais

30 AVALIAÇÃO DO EMPREENDIMENTO

30 AVALIAÇÃO DO EMPREENDIMENTO 30 AVALIAÇÃO DO EMPREENDIMENTO Quanto ao projeto de melhoria ambiental da bacia do reservatório Billings, os 5 projetos seguintes foram propostos como projetos prioritários: Obras de São Bernardo do Campo

Leia mais

USO ADEQUADO DOS SISTEMAS DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS - ENFOQUE AMBIENTAL

USO ADEQUADO DOS SISTEMAS DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS - ENFOQUE AMBIENTAL USO ADEQUADO DOS SISTEMAS DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS - ENFOQUE AMBIENTAL Leane Chamma Barbar Przybysz (1) Engenheira Química formada pela Universidade Estadual de Maringá em 1984. Possui

Leia mais

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS Autores: Rita de Cássia Junqueira: Cargo atual: Tecnóloga Sanitarista Formação: Tecnologia Sanitária Universidade de Campinas -

Leia mais

Página 61 de 95. Figura 75 e Figura 76: Oficina adolescentes (produção audiovisual / documentário) no Bairro Primavera e Beira Rio

Página 61 de 95. Figura 75 e Figura 76: Oficina adolescentes (produção audiovisual / documentário) no Bairro Primavera e Beira Rio Figura 73 e Figura 74: Oficina crianças (quebra cabeça e brinquedos) no Bairro Primavera e Beira Rio 05/05/12 Escola Municipal Primavera Figura 75 e Figura 76: Oficina adolescentes (produção audiovisual

Leia mais

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP Armando Perez Flores (1) Bacharel em Química pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras

Leia mais

Falta de água e excesso de água

Falta de água e excesso de água Falta de água e excesso de água Quando era aluno na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, o professor doutor José Meiches era Secretário de Obras Públicas do Estado de São Paulo em seu primeiro

Leia mais

MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA

MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA Silvio Roberto Magalhães Orrico Jennifer Conceição Carvalho Teixeira de Matos Ricardo Silveira Bernardes Patrícia Campos Borja Cristiane

Leia mais

PROGRAMAS HABITACIONAIS DE INTERESSE SOCIAL

PROGRAMAS HABITACIONAIS DE INTERESSE SOCIAL PROGRAMAS HABITACIONAIS DE INTERESSE SOCIAL PROGRAMAS HABITACIONAIS URBANOS IMPLEMENTADOS PELA COHAPAR A REALIDADE PROGRAMAS HABITACIONAIS URBANOS 1. PMCMV com recursos do OGU/OGE 1.1. FAR PMCMV FAR 1.2

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Consultor do Banco Mundial São Paulo 4 a 6 de dezembro de 2012 1 Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento

Leia mais

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano Nossa Realidade 57% da população brasileira não possui coleta de esgoto (SNIS 2008) O Brasil é o 9º

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

Título do trabalho: Pesquisa para Elaboração do Diagnóstico do Recreio da Borda do Campo, Município de Santo André

Título do trabalho: Pesquisa para Elaboração do Diagnóstico do Recreio da Borda do Campo, Município de Santo André Título do trabalho: Pesquisa para Elaboração do Diagnóstico do Recreio da Borda do Campo, Município de Santo André Autores: Departamento de Gestão Ambiental SEMASA Serviço Municipal de Saneamento Ambiental

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

Parcelamento do Solo. Projeto de Loteamentos

Parcelamento do Solo. Projeto de Loteamentos Introdução Parcelamento do Solo Projeto de Loteamentos Prof. Mário Barreiros O parcelamento e a estruturação da cidade O parcelamento do solo é o principal instrumento de estruturação do espaço urbano

Leia mais

recuperação ambiental de áreas rurais e periurbanas - Projeto Piloto da Câmara Técnica de Comunidades

recuperação ambiental de áreas rurais e periurbanas - Projeto Piloto da Câmara Técnica de Comunidades Uso de efluentes de tratamento de esgotos para a recuperação ambiental de áreas rurais e periurbanas - Projeto Piloto da Câmara Técnica de Comunidades Isoladas VI SEMINÁRIO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

Leia mais

1 Abastecimento de água potável

1 Abastecimento de água potável Objetivo Indicador Métrica Propostas Prazo Entraves Índice de atendimento urbano de água Planilha de Objetivos, Indicadores e GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: Que até 2020 Santa Maria esteja

Leia mais

Programa Consumo Responsável. Julho 2015

Programa Consumo Responsável. Julho 2015 Programa Consumo Responsável Julho 2015 PORTO ALEGRE - BRASIL População (2014): 1.472.482 habitantes PIB Brasil (2014): R$ 5,52 trilhões PIB Brasil (2012) per capita: R$ 22,6 mil PIB Rio Grande do Sul

Leia mais

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP 361 MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP Andressa Mastroldi Ferrarezi, Arlete Maria Francisco Curso de Arquitetura e Urbanismo; Departamento de Planejamento,

Leia mais

DOSSIÊ Sistema Alto Tietê

DOSSIÊ Sistema Alto Tietê Espaço das Águas Fundação Patrimônio Histórico da Energia e Saneamento Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Sabesp DOSSIÊ Sistema Alto Tietê Fevereiro 2009 1. Histórico da Implantação

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Entenda quais são os Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana que serão revistos Revisão Participativa

Leia mais

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta Núcleo União Pró-Tietê Água : O ouro azul do planeta Água A água é um mineral, elemento químico simples (H 2 O) fundamental para o planeta. Forma oceanos, geleiras, lagos e rios. Cobre ¾ da superfície

Leia mais

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

Saneamento Básico: Pobreza, Saúde e Meio Ambiente

Saneamento Básico: Pobreza, Saúde e Meio Ambiente Saneamento Básico: Pobreza, Saúde e Meio Ambiente Antonio Rocha Magalhães CGEE Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. Ex-membro da CJP de Brasilia. A Campanha da Fraternidade Ecumênica, de 2016, elegeu

Leia mais

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO 3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Em Visconde de Rio Branco, o sistema público de abastecimento de água é operado e mantido pela

Leia mais

Saneamento Básico Municipal

Saneamento Básico Municipal Saneamento Básico Municipal Apresentação COMISSÃO INTERNA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Componentes da Comissão Instituídos pela Portaria N 019/2015 e 031/2015. Carina Aparecida

Leia mais

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos Palavras chave: rede urbana; São Paulo; disparidades regionais; Censo Demográfico 2000. Resumo O objetivo do trabalho é mostrar

Leia mais

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP R. R. Chahin a a. Companhia de Saneamento Básico do Estado de

Leia mais

Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014

Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014 Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014 INTRODUÇÃO Reconhecendo a importância da oferta de saneamento para a melhoria da infraestrutura

Leia mais

Lei nº 10200 DE 08/01/2015

Lei nº 10200 DE 08/01/2015 Lei nº 10200 DE 08/01/2015 Norma Estadual - Maranhão Publicado no DOE em 12 jan 2015 Dispõe sobre a Política Estadual de Gestão e Manejo Integrado de Águas Urbanas e dá outras providências. O Governador

Leia mais

Vulnerabilidade em área de Risco: O que fazer? - CBCS 08/03/2010. CBCS - Vulnerabilidade em área de risco: O que fazer?

Vulnerabilidade em área de Risco: O que fazer? - CBCS 08/03/2010. CBCS - Vulnerabilidade em área de risco: O que fazer? CBCS - Vulnerabilidade em área de risco: O que fazer? PREFEITO GILBERTO KASSAB SECRETARIA DAS SUBPREFEITURAS 11.500 funcionários zelando pela cidade 31 subprefeituras ATUAÇÃO: Uso e ocupação do solo Obras

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE AUDIÊNCIA PÚBLICA - ESTUDOS TÉCNICOS MACRODRENAGEM E APP S EM ÁREAS URBANA CONSOLIDADA PROPOSTA DE CONDICIONANTES E RESTRIÇÕES

Leia mais

Caixa d Água. Materiais necessários. Anotações. 0800 771 0001 odebrechtambiental.com odebrecht.amb

Caixa d Água. Materiais necessários. Anotações. 0800 771 0001 odebrechtambiental.com odebrecht.amb Materiais necessários Separe todo o material que será utilizado para a limpeza do seu reservatório. Anotações Papai, precisamos separar o material de limpeza. Claro, filha! Caixa d Água SAIBA COMO LIMPAR

Leia mais

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO

Leia mais