CORRELAÇÕES ENTRE VARICELA E HERPES ZOSTER: INFECÇÕES CAUSADAS PELO VÍRUS VZV

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CORRELAÇÕES ENTRE VARICELA E HERPES ZOSTER: INFECÇÕES CAUSADAS PELO VÍRUS VZV"

Transcrição

1 CORRELAÇÕES ENTRE VARICELA E HERPES ZOSTER: INFECÇÕES CAUSADAS PELO VÍRUS VZV Alisson Geraldo Carvalho 1 Betânia Tedesco 2 Daniele Pereira Aragão 3 Janaina Aparecida de Lima Gomes 4 Thalita Faraco 5 Ester Rita Nunes Paiva 6 Resumo: O vírus varicela zoster (VZV) é causador da varicela (catapora) e, com recidiva o herpes zoster (cobreiro). A varicela é uma doença altamente contagiosa, porém leve, já o zoster é uma doença esporádica. O objetivo deste estudo foi realizar um levantamento bibliográfico sobre estas infecções correlacionando-as entre si, bem como propor uma assistência de enfermagem direcionada ao paciente infectado pelo vírus. Trata-se de um estudo de caráter analítico, descritivo e qualitativo. Realizou-se uma busca de dados em livros, periódicos e internet acerca do assunto. Após análise dos dados encontrados concluiu-se que cabe ao profissional de saúde reconhecer o mais rápido possível a infecção e prestar assistência adequada e eficaz ao paciente portador de qualquer que seja a infecção (varicela ou herpes zoster). Palavras chave: VZV, Varicela, Herpes zoster, Assistência de Enfermagem Abstract: The virus chicken pox zoster (VZV) is causer from the chicken pox (catapora) and, along recidiva the one herpes zoster (copper). The one chicken pox that's an ailment highly addictive porém slight, already the one zoster that's an ailment sporadic. The one objetivo of this I study he went accomplish um lifting bibliographical on the subject of these infections correlated - the amidst si, as well as to come up with an assistance as of sickbay direcionada to the patient infecting by the virus. Trata - in case that by one I study as of character analytic, descriptive and qualitative. Attained - in case that a he picks of data in books, periodic and Internet he nears from the affair. After analysis of data encountered concluded that - in case that than it is to cabe to the health professional acknowledge the fastest feasible the infection and tusk assistance suited and effective to the patient bearer as of whatever the infection (chicken pox or herpes zoster). Words - key : VZV, Chicken pox, Herpes zoster, Assistance as of Sickbay 1 Acadêmico de Enfermagem no UNIFESO - Teresópolis/ RJ, 2 Acadêmica de Enfermagem no UNIFESO Teresópolis/ RJ, 3 Acadêmica de Enfermagem no UNIFESO Teresópolis/ RJ, 4 Acadêmica de Enfermagem no UNIFESO Teresópolis/ RJ, 5 Acadêmica de Enfermagem no UNIFESO Teresópolis/ RJ, 6 Docente das disciplinas: DIP (Doenças Infecciosas e Parasitárias), Pediatria e Neonatologia no Centro Universitário Serra dos Órgãos.

2 I CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1.1 O vírus Varicela Zoster (VZV) O vírus varicela zoster (VZV) pertence à subfamília Alphaherpesvirinae do grupo herpes vírus humano. Distingue-se dos demais herpes vírus através de algumas características como estrutura do genoma, tropismo tecidual, efeito citopatológico e local de infecção latente 1. Causador da varicela (catapora) e, com recidiva o herpes zoster ou cobreiro 2, o vírus VZV é disseminado predominantemente por via respiratória. Sua infecção é comum e seus vírus são ubíquos 2. A FDA (U. S. Food and Drug Administration) aprovou uma vacina com vírus vivo contra o Vírus varicela zoster. No Brasil, a varicela não é uma doença de notificação compulsória, embora os surtos devam ser notificados às secretarias municipais e estaduais de saúde. Dados do Sistema de Informações Hospitalares (SIH-SUS) e do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) apontam dois estudos: Um estudo realizado em 1997 avaliou a prevalência da infecção pelo vírus Varicela zoster em 975 amostras de soro de adultos jovens de anos, doadores de sangue de cinco capitais brasileiras (Fortaleza, Salvador, São Paulo, Curitiba e Porto Alegre). A soroprevalência global de anticorpos antivaricela zoster foi de 94% e a soroprevalência nas regiões de clima tropical (Fortaleza e Salvador, 89%) foi significativamente menor que nas regiões de clima temperado (97%) 4. Outro estudo, conduzido no período de 1992 a 1994 em escolas públicas do município de São Paulo, indica que o contato com o vírus Varicela-zoster ocorre nos primeiros anos da infância. Cerca de 40% das crianças com um ano apresentaram anticorpos antivaricela zoster, proporção que aumentou rapidamente até o 3º ano, manteve se ascendente e alcançou 90% aos 10 anos. No período de 1998 a 2002, foram registradas no SIH-SUS internações por varicela, com média anual de casos (desvio padrão=546) (Figura 1). O maior número de hospitalizações concentra-se na faixa etária de 1 a 4 anos, seguido dos menores de 1 ano e de 5-9 anos. Embora o maior número absoluto de hospitalizações seja observado entre crianças, grupo em que se espera o maior número de casos da doença, proporcionalmente os adultos apresentam maior risco de evoluir com complicações, hospitalização e óbito na qual se vê que a taxa

3 de letalidade entre os casos hospitalizados aumenta com a idade, chegando a 5% na faixa etária de 50 anos ou mais e 3% na faixa etária de 15 a 49 anos 4. Em virtude disso, essa pesquisa tem como objetivos: Realizar um estudo bibliográfico sobre as infecções causadas pelo VZV; Correlacionar essas infecções entre si; Propor uma assistência de enfermagem direcionada a clientes infectados pelo vírus VZV; Estúdios dessa natureza podem ajudar no entendimento e compreensão da patologia, possibilitando uma atuação mais eficaz e imediata por parte do profissional de saúde. II METODOLOGIA UTILIZADA O presente artigo constitui-se como pesquisa bibliográfica. Trata-se de um estudo de natureza analítica, descritiva e qualitativa. A escolha do método deve-se aos mesmos serem apropriados quando o fenômeno em estudo é complexo, de natureza social e não tende à quantificação. Normalmente, são usados quando o entendimento do contexto social e cultural é um elemento importante para a pesquisa. Para aprender métodos qualitativos é preciso aprender a observar, registrar e analisar interações reais entre pessoas, e entre pessoas e sistemas 5. Foi realizada uma busca em livros, periódicos e internet sobre varicela, herpes zoster e suas correlações. Limitou-se um período de tempo entre setembro e novembro de 2008 para o levantamento dos dados, assim como toda análise dos mesmos. III REVISÃO DE LITERATURA 3.1 O vírus varicela zoster

4 A varicela (catapora) e o herpes zoster (cobreiro) são infecções causadas pelo mesmo vírus, o vírus varicela zoster (VZV). A varicela é uma doença leve e altamente contagiosa, afetando principalmente crianças, onde a mesma pode ser grave em adultos e crianças imunocomprometidas, já o zoster é uma doença esporádica e incapacitante de adultos ou indivíduos imunocomprometidos 2. O vírus varicela zoster (VZV) é altamente contagioso, com taxas maiores de 90%. Sua disseminação é principalmente pela via respiratória, mas também pode ser através do contato com as vesículas cutâneas 3. Nos países desenvolvidos, mais de 90% dos adultos apresentam anticorpos contra o VZV. 3.2 A varicela e o Herpes zoster A via de administração da varicela é a mucosa das vias aéreas superiores ou conjuntiva, onde o vírus circula no sangue, sofre numerosos ciclos de replicação e, localiza-se na pele 2. Ocorre viremia secundária entre 11 e 13 dias, aparecendo corpúsculos de inclusão eosinófilos no núcleo das células infectadas. Conseqüentemente após a infecção primária o vírus torna-se latente na raiz dorsal ou gânglios dos nervos cranianos, onde o mesmo pode ser reativado em indivíduos idosos ou em pacientes com imunidade celular prejudicada. Essa reativação é conhecida como herpes zoster ou cobreiro. Assim no herpes zoster o vírus se replica e é liberado ao longo das vias neuronais para a pele, causando uma erupção vesicular ao longo de todo dermátomo. A varicela subclínica é rara. A doença típica possui período de incubação entre 14 e 21 dias 3. Geralmente é uma doença branda da infância e sintomática, caracterizada por febre exantema maculopapular que aparece após seu período de incubação. Em poucas horas, a lesão maculopapular forma vesículas de parede delgada em base eritematosa ( gota de orvalho em uma pétala de rosas ). Esta vesícula é o aspecto característico da varicela 1. As lesões cutâneas do zoster são idênticas às da varicela 2, verificando-se também inflamação aguda dos nervos e gânglios sensoriais, onde com freqüência apenas um gânglio pode ser afetado. Quanto à imunidade, acredita-se que a infecção anterior ao vírus da varicela possa conferir imunidade permanente à varicela, portanto pode ocorrer zoster na presença de níveis elevados de anticorpos neutralizantes contra varicela 2.

5 O diagnóstico diferencial para células infectadas pelo vírus VZV é do tipo laboratorial, podendo ser através de citologia, sorologia e isolamento do vírus 1. O tratamento pode ser apropriado para adultos e pacientes imunocomprometidos com infecção por VZV, assim como pacientes com cobreiro, todavia nenhum tratamento é necessário para crianças com catapora. Alguns medicamentos como antivirais são utilizados entre eles aciclovir, valaciclovir, fanciclovir (interferem na replicação viral), ainda para controle da dor utiliza-se aspirina, acetaminofeno, AINES e narcóticos. Assim, como a zoster é a reativação do vírus que já está no organismo, quem tem zoster já curou sua varicela (com ou sem sintomas) e quem ainda não teve varicela pode pegá-la pelo vírus que se encontra na lesão do zoster. Contudo não se desenvolve zoster por contato com varicela, mas pode se desenvolver varicela em contato com o zoster. IV Discutindo a temática investigada Diante de todo contexto analisado e descrito observou-se a gravidade do problema. A varicela pode propagar-se com muita rapidez entre os pacientes. Como a varicela constitui uma séria ameaça para crianças imunossuprimidas, é necessário evitar a exposição das mesmas à doença. Pode-se utilizar a imunoglobulina antivaricela zoster para modificar a doença nessas crianças que foram expostas à varicela, devendo ser administrada antes da doença se manifestar 2. A infecção primária geralmente é mais grave em adultos que nas crianças, onde pode ocorrer pneumonia intersticial em 20 a 30%dos pacientes adultos 1. Como observado antes, o herpes zoster representa uma ativação da infecção latente por varicela adquirida anteriormente na vida do paciente. Os defeitos da imunidade celular nesses pacientes aumentam o risco de disseminação do vírus para o pulmão, cérebro e fígado, o que pode ser fatal. A doença pode ocorrer em resposta a uma exposição primária à varicela ou devido uma recidiva. De acordo com o objetivo desta pesquisa, a seguir serão enumerados alguns cuidados de enfermagem a ser dispensados ao paciente portador de infecções causadas pelo vírus varicela zoster (VZV). Administrar medicamentos antivirais e aplicar pomadas antibacterianas;

6 Ensinar paciente a aplicar compressas úmidas para efeitos suavizantes; Ensinar paciente a usar a técnica de lavagem das mãos, a fim de se evitar a disseminação do vírus; Orientar paciente a não furar as bolhas, prevenindo infecção secundária e formação de cicatrizes; Controlar a dor, medicando de acordo com a prescrição e observar efeitos colaterais dos medicamentos analgésicos. V CONSIDERAÇÕES FINAIS Por fim, conclui-se que o vírus é encontrado no mundo inteiro, e não há incidência sazonal. Ainda não existe nenhuma medida disponível para prevenção ou controle da varicela e do zoster na população em geral. Uma vacina viva atenuada para o VZV foi licenciada para uso nos Estados Unidos e é administrada depois de dois anos de idade, assim como esquema vacinal contra sarampo, caxumba e rubéola. Essa vacina induz imunidade celular, sendo eficaz como tratamento profilático mesmo após a exposição ao vírus. Desta forma cabe ao profissional de saúde em particular o enfermeiro, reconhecer e prestar assistência integral e eficaz ao paciente portador do vírus (VZV), evitando complicações futuras que possam até mesmo ser fatais.

7 REFERÊNCIAS 1. Murray et al. Microbiologia Médica. 4ª Ed. Guanabara Koogan, RJ, Jawetz et al. Microbiologia Médica. 20ª Ed. Guanabara Koogan. RJ, Alterthum, F; Trabulsi, LR. Microbiologia. 4ª Ed. Atheneu, São Paulo, BRASIL. Ministério da Saúde. Guia de Vigilância Epidemiológica. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Brasília DF, 6ª edição, Liebscher, Peter. Quantity with quality? Teaching quantitative and qualitative methods in a LIS Master s program. Library Trends, v. 46, n. 4, Spring 1998.

Inclusão de cinco vacinas no calendário do SUS é aprovada pelo Senado 3

Inclusão de cinco vacinas no calendário do SUS é aprovada pelo Senado 3 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2011(6). Edição 41. Antônia Cristina Batista Lira 1 Cláudia Fernanda De Sousa Oliveira 1 Daniela Batista de Sousa 1 Janiel Ferreira

Leia mais

Nota Técnica Varicela 2012

Nota Técnica Varicela 2012 Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014:

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: O Estado de São Paulo reforça a recomendação para que todos os GVE mantenham os municípios de sua área de abrangência em TOTAL ALERTA

Leia mais

Rede Pública ou Particular?

Rede Pública ou Particular? Vacinar seu filho na feito com carinho para você ganhar tempo! Rede Pública ou Particular? guia rápido das vacinas e principais diferenças Um guia de utilidade pública com as fichas de 10 vacinas para

Leia mais

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes Sarampo Introdução O sarampo é uma doença infecciosa aguda de alta transmissibilidade, causada por um vírus da família Paramixoviridae, gênero Morbillivirus A transmissão ocorre através de secreções e

Leia mais

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica Estado de São Paulo, Maio 2014:

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica Estado de São Paulo, Maio 2014: ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica Estado de São Paulo, Maio 2014: Definição de caso suspeito de sarampo: Todo paciente que, independente da idade e da situação vacinal, apresentar febre

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA VARICELA. Condutas Aplicação da Vacina e Imunoglobulina Situação Epidemiológica

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA VARICELA. Condutas Aplicação da Vacina e Imunoglobulina Situação Epidemiológica Oficina de Capacitação das Doenças Imunopreveníveis Extremo Sul VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA VARICELA Condutas Aplicação da Vacina e Imunoglobulina Situação Epidemiológica Enfa. Euma Fraga Marques Colaboração:

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Página 1 / 8 1. Situação Epidemiológica do Sarampo Diferentes regiões do mundo estão definindo metas para a eliminação do sarampo e da rubéola até o ano de 2015. No entanto, surtos recentes de sarampo

Leia mais

Fernanda Valdameri Scapinello Médica Infectologista

Fernanda Valdameri Scapinello Médica Infectologista VACINA PARA HPV F d V ld i S i ll Fernanda Valdameri Scapinello Médica Infectologista HPV Doença Sexualmente Transmissível mais comum no mundo Período de 12 meses: homem sexualmente ativo adquirir um

Leia mais

Informe Técnico - SARAMPO nº2 /2010 Atualização da Situação Epidemiológica

Informe Técnico - SARAMPO nº2 /2010 Atualização da Situação Epidemiológica 1 SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC Av. Dr. Arnaldo, 351-6º andar SP/SP CEP: 01246-000 Fone: (11)3082-0957 Fax:

Leia mais

Serviço de Pediatria. Varicela

Serviço de Pediatria. Varicela Varicela O que é a Varicela? É uma doença da infância muito frequente, das mais contagiosas, que surge principalmente no Inverno e na Primavera afectando todos os anos em Portugal milhares de crianças.

Leia mais

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4.

Vacinação em massa contra febre amarela na África 4. Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2010 (1). Edição 17 Shirley da Luz Gomes 1 Rômulo Luis de Oliveira Bandeira 2 Selonia Patrícia Oliveira Sousa 3 Otacílio Batista

Leia mais

Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral

Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral Disciplina: Semiologia Doenças Infecciosas que Acometem a Cavidade Oral PARTE 2 http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 FAMÍLIA HHV Alfaherpesvirinae HHV1(herpes bucal)

Leia mais

II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013

II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013 1 INDICADORES MUNICIPAIS DE SAÚDE II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013 Ago/2013 2 INTRODUÇÃO A Vigilância em Saúde tem como objetivo a análise permanente da situação de saúde

Leia mais

Nota Técnica de Caxumba

Nota Técnica de Caxumba Nota Técnica de Caxumba Isabella Ballalai Membro do comitê de Saúde Escolar da SOPERJ e presidente da SBIm Tânia Cristina de M. Barros Petraglia Presidente do comitê de Infectologia da SOPERJ e vice presidente

Leia mais

Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 15

Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 15 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 15 Ariane Guerra Fernandes 1 Layanne Kelly Lima de Carvalho Rego 1 Liessia Thays de Araújo 1 Selonia Patrícia Oliveira

Leia mais

Traduzido por: Edson Alves de Moura Filho e-mail: edson.moura@saude.gov.br

Traduzido por: Edson Alves de Moura Filho e-mail: edson.moura@saude.gov.br A Doença Do Boletim Epidemiológico, Vol 22, nº 3, setembro de 2001 Influenza: Aspectos Epidemiológicos Básicos para o Desenvolvimento de Vacinas A influenza (a flu ) é uma dos mais notórios achaques (doença

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório Ambulatório O Ambulatório do Colégio Albert Sabin dispõe de uma médica, uma enfermeira e uma auxiliar de enfermagem para oferecer o primeiro atendimento aos alunos e funcionários. O primeiro atendimento

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Nesta Edição: 1. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2. Intensificação das Ações

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO 2013 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS RECURSOS E SERVIÇOS PRÓPRIOS 20 de outubro de 2012 Centro de Vacinação SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO

Leia mais

ALERTA SARAMPO nº 11 Retorno das férias de julho, 2012

ALERTA SARAMPO nº 11 Retorno das férias de julho, 2012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC DIVISÃO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório 2015 Orientações gerais para as famílias Ambulatório Orientações gerais para as famílias O Ambulatório do Colégio Albert Sabin dispõe de uma médica, uma enfermeira e uma auxiliar de enfermagem, para oferecer

Leia mais

AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS ALUNOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SOBRE O HERPES SIMPLES

AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS ALUNOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SOBRE O HERPES SIMPLES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS ALUNOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SOBRE O HERPES SIMPLES 1 Diego

Leia mais

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE SARAMPO

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE SARAMPO MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE SARAMPO 25 de março de 2014 Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Conteúdo Contexto atual Objetivos Manifestações clínicas e definições utilizadas Diagnóstico diferencial

Leia mais

Oficina Integrada de Vigilância das Doenças Imunopreveníveis da Macrorregional Leste Diretoria de Vigilância Epidemiológica DIVEP

Oficina Integrada de Vigilância das Doenças Imunopreveníveis da Macrorregional Leste Diretoria de Vigilância Epidemiológica DIVEP Oficina Integrada de Vigilância das Doenças Imunopreveníveis da Macrorregional Leste Diretoria de Vigilância Epidemiológica DIVEP VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA VARICELA Euma Fraga Marques CEI / COVEDI JUL,

Leia mais

Caso Clínico. Lucas de Araujo Aquino

Caso Clínico. Lucas de Araujo Aquino Caso Clínico Lucas de Araujo Aquino Identificação - A.M.P. - 17 anos - Sexo masculino - Branco - Estudante secundário Queixa Principal - Alergia no rosto há 10 dias, que não fica boa História da Doença

Leia mais

É uma infecção viral causada pelo Vírus Humano do Herpes Foram identificados 8 tipos desse vírus: Vírus Herpes Simples- I (Herpes labial) - HSV I

É uma infecção viral causada pelo Vírus Humano do Herpes Foram identificados 8 tipos desse vírus: Vírus Herpes Simples- I (Herpes labial) - HSV I Trabalho de Biologia Herpes Turma: 211 Alunos: - Antônio Rodolpho, nº:1 - Caio Sagae, nº:3 - Felipe Diogo, nº:9 - Hudson Pabst, nº:17 - João Pedro Roma Martins, nº:20 - Pedro Henrique Mansur, nº:29 - Raí

Leia mais

IMPACTO DA VACINAÇÃO CONTRA ROTAVÍRUS NO ATENDIMENTO DE DIARRÉIAS NO MUNICÍPIO DE CURITIBA Autores: Cléa Elisa Lopes Ribeiro, Lílian Yuriko Uratani, Marion Burger, Angela Kikomoto Instituição: Secretaria

Leia mais

Etiologia. Infecciosa Auto-imune Traumática. DCP / APN Dulce Cabelho Passarelli / André Passarelli Neto. Tratamento. Depende: Origem Diagnóstico

Etiologia. Infecciosa Auto-imune Traumática. DCP / APN Dulce Cabelho Passarelli / André Passarelli Neto. Tratamento. Depende: Origem Diagnóstico Infecciosa Auto-imune Traumática Evidência Clínica Inicialmente, vesículas ou bolhas, na pele ou mucosa, podendo ocorrer concomitantemente nessas regiões. Dulce Cabelho Passarelli / André Passarelli Neto

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

2. ETIOLOGIA CITOMEGALOVIRUS

2. ETIOLOGIA CITOMEGALOVIRUS 3 1. INTRODUÇÃO Este trabalho tem como objetivo abordar as manifestações clínicas do citomegalovírus, assim como seu tratamento, transmissão e seu contato direto com as gestantes. O citomegalovírus (CMV)

Leia mais

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES DÚVIDAS MAIS FREQUENTES O Departamento Médico da FAPES selecionou as perguntas mais frequentes sobre a Vacinação contra a Gripe, visando minimizar as dúvidas dos participantes da campanha 2016. SOBRE AS

Leia mais

A Herpes. O destruidor celular

A Herpes. O destruidor celular A Herpes O destruidor celular A herpes e os seus dois tipos: O herpes simples é uma doença infecciosa muito contagiosa,causada por dois vírus da família do herpesviridae, o hsv-1 e o hsv-2.infectam algumas

Leia mais

Pernambuco (62), Santa Catarina (01) e Paraíba (02). O genótipo D8 foi identificado em 50 amostras e o D4 em uma amostra.

Pernambuco (62), Santa Catarina (01) e Paraíba (02). O genótipo D8 foi identificado em 50 amostras e o D4 em uma amostra. ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE GERÊNCIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Informe Epidemiológico Sarampo - Setembro/2013 O sarampo é uma doença altamente transmissível e que pode evoluir

Leia mais

HEPATITES. Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO

HEPATITES. Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO HEPATITES Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO Hepatites virais: agentes etiológicos A B C D E Vírus hepatotrópicos G TT Herpes vírus EBV CMV Enterovírus Adenovírus Febre

Leia mais

1. Aspectos Epidemiológicos

1. Aspectos Epidemiológicos 1. AspectosEpidemiológicos A influenza é uma infecção viral que afeta principalmente o nariz, a garganta, os brônquiose,ocasionalmente,ospulmões.sãoconhecidostrêstiposdevírusdainfluenza:a,b e C. Esses

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA Regina Lúcia Dalla Torre Silva 1 ; Marcia helena Freire Orlandi

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. Pág. 01 A varicela é a infecção que resulta do contacto pela primeira vez de um ser humano susceptível com o vírus

Leia mais

Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS

Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS Lucia Mardini DVAS Hepatites Virais Hepatite: inflamação do fígado. As hepatites podem

Leia mais

TRABALHO DE GRUPO HERPES

TRABALHO DE GRUPO HERPES TRABALHO DE GRUPO HERPES Integrantes: Alan Allex André Bruno Célio Igor João Carlos HERPES Índice 1 O que é 2 Histórico da doença no Brasil 3 Agente causador 4 Ciclo biológico 5 Modos de contaminação 6

Leia mais

TROCANDO IDEIAS XIX HERPES NA GESTAÇÃO COMO CONDUZIR

TROCANDO IDEIAS XIX HERPES NA GESTAÇÃO COMO CONDUZIR TROCANDO IDEIAS XIX HERPES NA GESTAÇÃO COMO CONDUZIR Profª Filomena Aste Silveira HERPES GENITAL (origem grega significa alastrar-se) DNA virus - Alfaherpes viridae Dupla hélice PERÍODO de incubação 7

Leia mais

Vigilância epidemiológica da infecção

Vigilância epidemiológica da infecção Vigilância epidemiológica da infecção Maria Teresa Neto UCIN, Hospital de Dona Estefânia CCIH, Hospital de Dona Estefânia Coordenadora do Programa Nacional de Vigilância Epidemiológica das Infecções em

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA INFECÇÃO As infecções são doenças que envolvem bactérias, fungos, vírus ou protozoários e sua proliferação pode ser vista quando o paciente tem os sintomas,

Leia mais

Herpesvírus Humanos (HHV)

Herpesvírus Humanos (HHV) Herpesvírus Humanos (HHV) Subfamília Propriedades que Distinguem os Herpesvírus Vírus Alphaherpesvirinae Herpesvírus humano 1 Herpesvírus humano 2 Herpesvírus humano 3 Gammaherpesvirinae Herpesvírus humano

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Vírus da Rubéola Togavirus Vírus de RNA fita simples Principal epítopo dominante:

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Página 1 / 10 1. Situação Epidemiológica do Sarampo Diferentes regiões do mundo estão definindo metas para a eliminação do sarampo e da rubéola. No entanto, surtos recentes de sarampo em países como o

Leia mais

Gripe por Influenza A H1N1 *

Gripe por Influenza A H1N1 * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, maio de 2009. Gripe por Influenza A H1N1 * Informações básicas O que é Gripe por Influenza A H1N1? A gripe por Influenza A H1N1 (Suína) é uma doença

Leia mais

Diagnóstico Laboratorial das Infecções Virais

Diagnóstico Laboratorial das Infecções Virais Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic/diaadia Diagnóstico Laboratorial das Infecções Virais Introdução A análise

Leia mais

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica

Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue NS1 Antígeno: Uma Nova Abordagem Diagnóstica Dengue é uma doença endêmica que afeta mais de 100 países, incluindo as regiões de clima tropical e subtropical da África, Américas, Leste do Mediterrâneo,

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis Coordenação de Dengue e Febre Amarela Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios

Leia mais

Informe Técnico Sarampo nº 9 - ALERTA SARAMPO. Novos casos confirmados de sarampo (Genótipo D4), residentes no Estado de São Paulo.

Informe Técnico Sarampo nº 9 - ALERTA SARAMPO. Novos casos confirmados de sarampo (Genótipo D4), residentes no Estado de São Paulo. INFORME TÉCNICO Nº 9 (Outubro) ALERTA SARAMPO 2011 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Doenças Sexualmente Transmissíveis são aquelas que são mais comumente transmitidas através da relação sexual. PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE

Leia mais

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Central de Atendimento: (61) 3329-8000 Calendário de Vacinação do Prematuro Vacinas BCG ID (intradérmica) Hepatite B (HBV) Pneumocócica conjugada Recomendações

Leia mais

Adultos e idosos também precisam se vacinar

Adultos e idosos também precisam se vacinar ANO VII N.º 10 Abril 2013 Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Adultos e idosos também precisam se vacinar Na hora de cuidar da própria saúde, muitos adultos e idosos não dão importância

Leia mais

Distrito Estadual de Fernando de Noronha Processo Seletivo Simplificado 2006 COMPONENTE 1

Distrito Estadual de Fernando de Noronha Processo Seletivo Simplificado 2006 COMPONENTE 1 COMPONENTE 1 Não consta, como propósito basilar da Portaria 1395/1999, do Ministério da Saúde, que aprova a Política Nacional do Idoso: A) a promoção do envelhecimento saudável. B) a manutenção e a melhoria,

Leia mais

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ,

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ, VACINAÇÃO DE GESTANTES Isabella Ballalai (MD) Diretora Médica da VACCINI - Clínica de Vacinação Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ Edimilson Migowski (MD, PhD, MSc) Professor Adjunto de

Leia mais

ENSAIOS IMUNOLÓGICOS NAS ENFERMIDADES VIRAIS ANTICORPOS MONOCLONAIS GENÉTICA MOLECULAR CITOMETRIA DE FLUXO

ENSAIOS IMUNOLÓGICOS NAS ENFERMIDADES VIRAIS ANTICORPOS MONOCLONAIS GENÉTICA MOLECULAR CITOMETRIA DE FLUXO ENSAIOS IMUNOLÓGICOS NAS ENFERMIDADES VIRAIS I - INTRODUÇÃO *NOVAS TECNOLOGIAS ANTICORPOS MONOCLONAIS GENÉTICA MOLECULAR CITOMETRIA DE FLUXO *DECISÃO DIAGNÓSTICA CONFIRMAÇÃO TRATAMENTO MONITORAMENTO PREVENÇÃO

Leia mais

MARCADORES SOROLÓGICOS DE HEPATITE B EM GESTANTES DE UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA

MARCADORES SOROLÓGICOS DE HEPATITE B EM GESTANTES DE UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA MARCADORES

Leia mais

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h.

Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Informe Epidemiológico CHIKUNGUNYA N O 03 Atualizado em 24-11-2014, às 11h. Vigilância Epidemiológica de Febre Chikungunya No Brasil, a febre chikungunya é uma doença de notificação compulsória e imediata,

Leia mais

vacina varicela (atenuada)

vacina varicela (atenuada) 1 vacina varicela (atenuada) Forma farmacêutica e apresentação: Pó liofilizado injetável. Cartucho contendo um frasco-ampola com 1 dose liofilizada + frasco-ampola com 0,7 ml de diluente. A vacina deve

Leia mais

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção A gripe é uma doença causada pelo vírus da Influenza, que ocorre predominantemente nos meses mais frios do ano. Esse vírus apresenta diferentes subtipos que produzem a chamada gripe ou influenza sazonal.

Leia mais

DESAFIOS NO DIAGNOSTICO LABORATORIAL DO SARAMPO NA FASE DE ELIMINAÇÃO. Marta Ferreira da Silva Rego

DESAFIOS NO DIAGNOSTICO LABORATORIAL DO SARAMPO NA FASE DE ELIMINAÇÃO. Marta Ferreira da Silva Rego DESAFIOS NO DIAGNOSTICO LABORATORIAL DO SARAMPO NA FASE DE ELIMINAÇÃO Marta Ferreira da Silva Rego Diagnostico Laboratorial Fase de Eliminação Diagnostico Clinico menos confiável. Com baixa prevalência

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006.

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Prof. Alexandre Vranjac NOTA TÉCNICA 2 Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados

Leia mais

ZIKA VÍRUS INFORMAÇÕES SOBRE A DOENÇA

ZIKA VÍRUS INFORMAÇÕES SOBRE A DOENÇA ZIKA VÍRUS INFORMAÇÕES SOBRE A DOENÇA E INVESTIGAÇÃO DE SÍNDROME EXANTEMÁTICA NO NORDESTE Wanderson Kleber de Oliveira Coordenação Geral de Vigilância e Resposta às Emergências de Saúde Pública Departamento

Leia mais

PROTOCOLO DE VARICELA

PROTOCOLO DE VARICELA GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA e PROTEÇÂO A SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILANCIA EPIDEMIOLOGICA AMBIENTAL E SAUDE DO TRABALHADOR DIRETORIA DE

Leia mais

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA Janete Lane Amadei 1 ; Deborah Cristiny Dantas Moreti 2 ; Diego Montanhei 2 ; Dennis Armando

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: PORTARIA Nº 486, DE 16 DE MAIO DE 2.000 O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: Art. 1º - Expedir a edição revisada e atualizada das orientações e critérios relativos

Leia mais

Nova Associação Reduz Herpes Labial Recorrente

Nova Associação Reduz Herpes Labial Recorrente Nova Associação Reduz Herpes Labial Recorrente Associação Inteligente: Reduz Replicação Viral e Minimiza a Inflamação Local Boa Tolerabilidade em Adolescentes Eficácia no Tratamento do Herpes Simples Tipo

Leia mais

DESIRÉE BRAUN CHAVES. OS BENEFÍCIOS DA IMPLEMENTAÇÃO DA VACINA DA VARICELA NO DF: uma abordagem do enfermeiro epidemiologista

DESIRÉE BRAUN CHAVES. OS BENEFÍCIOS DA IMPLEMENTAÇÃO DA VACINA DA VARICELA NO DF: uma abordagem do enfermeiro epidemiologista CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA-UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE - FACS CURSO: ENFERMAGEM DESIRÉE BRAUN CHAVES OS BENEFÍCIOS DA IMPLEMENTAÇÃO DA VACINA DA VARICELA NO DF: uma abordagem do enfermeiro

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

Proposta de Vigilância Epidemiológica da Paracoccidioidomicose

Proposta de Vigilância Epidemiológica da Paracoccidioidomicose MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA CORDENAÇÃO GERAL DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS UNIDADE DE VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIAS

Leia mais

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico:

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico: Questionário de avaliação para vacinação de [ Endereço Nome da criança Nome do pai/mãe/responsável M F ポルトガル 語 版 Formulário 2 ] (bebês/crianças em idade escolar) Temperatura corporal antes da entrevista

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada.

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada. Influenza A H1N1 /GRIPE SUÍNA PERGUNTAS E RESPOSTAS: PERGUNTA 1. Quanto tempo o vírus da gripe suína permanece vivo numa maçaneta ou superfície lisa? 2. O álcool em gel é útil para limpar as mãos? 3. Qual

Leia mais

Interação Vírus Hospedeiros

Interação Vírus Hospedeiros Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic/diaadia Interação Vírus Hospedeiros Introdução Os vírus são microrganismos

Leia mais

Informativo Empresarial Especial

Informativo Empresarial Especial Informativo Empresarial Especial Gripe Suína Plano de Contingência Empresarial A Gripe Influenza A H1N1 e o Transporte Rodoviário A gripe que ficou conhecida como gripe suína é causada por vírus que se

Leia mais

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose DOENÇAS DE FELINOS Sindrome respiratória felina Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose RINOTRAQUEÍTE Agente etiológico: Herpesvírus felino Conhecida como "a gripe do gato", pois os sintomas são parecidos

Leia mais

Introdução. A varicela é causada pelo vírus da varicela-zóster (VVZ). A doença acomete

Introdução. A varicela é causada pelo vírus da varicela-zóster (VVZ). A doença acomete 1 1 INTRODUÇÃO A varicela é causada pelo vírus da varicela-zóster (VVZ) A doença acomete apenas humanos e alguns primatas superiores A infecção primária resulta no surgimento de lesões exantemáticas pápulo-vesiculares,

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante,

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante, Seleção de Temas Prezado Participante, Gostaríamos de contar com a sua contribuição para a elaboração dos próximos materiais educativos. Cada questionário desenvolve um assunto (temas) específico dentro

Leia mais