Instrução n.º 9/2004 Informação Estatística sobre a Actividade de Negociação por Conta Própria em Valores Mobiliários

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instrução n.º 9/2004 Informação Estatística sobre a Actividade de Negociação por Conta Própria em Valores Mobiliários"

Transcrição

1 Instrução n.º 9/2004 Informação Estatística sobre a Actividade de Negociação por Conta Própria em Valores Mobiliários A CMVM, no âmbito das suas atribuições de supervisão, necessita que os intermediários financeiros prestem informação, em tempo útil, relativamente às actividades de intermediação financeira para cujo exercício estão legalmente autorizados, visando, designadamente, o exercício da supervisão, o acompanhamento da respectiva actividade, a difusão de informações e demais actuações previstas no artigo 360.º do Código dos Valores Mobiliários. A presente Instrução define a informação que, relativamente à actividade de negociação por conta própria em valores mobiliários, deve ser remetida à CMVM, bem como a sua forma e periodicidade. A presente Instrução reformula a informação solicitada aos intermediários financeiros ao abrigo da norma n.º 2 da Instrução da CMVM n.º 2/2000, ampliando o âmbito da mesma a todas as transacções por conta própria e não apenas às executadas directamente pela entidade. Por outro lado, deixa de ser necessário reportar de forma individualizada todas as transacções, passando o reporte a ser feito de forma agregada por tipo de operação e valor mobiliário, classificando as transacções segundo as respectivas finalidades: negociação (trading), investimento ou market making, para as efectuadas em mercado a contado e negociação ou cobertura (hedging), para as realizadas em mercado a prazo. A presente Instrução foi sujeita a consulta pública. Nestes termos, a CMVM, ao abrigo do disposto no número 4 do artigo 369º do Código dos Valores Mobiliários, ouvidas a Associação Portuguesa de Bancos e a Associação Portuguesa de Sociedades Corretoras e Financeiras de Corretagem, determina o seguinte: Norma número 1: Os intermediários financeiros autorizados a exercer em Portugal o serviço de investimento de negociação por conta própria em valores mobiliários, previsto no número 2 do artigo 290º do Código dos Valores Mobiliários, prestam à CMVM, até ao terceiro dia útil do mês seguinte a que respeita, informação sobre: 1.1. O volume de transacções sobre valores mobiliários efectuadas por conta própria, independentemente de a execução ter sido assegurada pelo intermediário financeiro ou por terceiro, em cada mês; 1.2. O número de contratos e o volume de transacções sobre instrumentos financeiros derivados efectuadas por conta própria, independentemente de a execução ter sido assegurada pelo intermediário financeiro ou por terceiro, em cada mês; 1

2 1.3. A informação referida no número 1.1. é agregada pelo valor mobiliário negociado, segundo a seguinte classificação: a) De acordo com a finalidade da transacção: i) Carteira de negociação; ii) Carteira de investimento; iii) Market Making; ii) Por tipo de operação; iii) Pelo mercado ou sistema de negociação multilateral onde a operação foi executada ou, para as operações executadas fora de mercado, entre as executadas contra a carteira de clientes do intermediário financeiro (internalização) e as executadas contra a carteira de contrapartes não clientes do mesmo; iv) Pelos seguintes tipos de valores mobiliários: i) Acções; ii) Dívida pública; iii) Dívida privada; iv) Warrants autónomos; v) Outros; 1.4. A informação referida no número 1.2. é agregada pelo instrumento financeiro derivado, segundo a seguinte classificação: a) De acordo com a finalidade da transacção: i) Posição de negociação; ii) Posição de cobertura ( hedging ); b) Por tipo de operação; c) Pelo mercado ou sistema de negociação multilateral onde a operação foi executada ou, para as operações executadas fora de mercado, entre as executadas contra a carteira de clientes do intermediário financeiro (internalização) e as executadas contra a carteira de contrapartes não clientes do mesmo; d) Pelos seguintes tipos de instrumentos financeiros derivados: i) Contratos de futuros; ii) Contratos de opções; iii) Contratos financeiros por diferenças; iv) Outros instrumentos financeiros derivados; e) Pelos seguintes tipos de activos subjacentes aos instrumentos financeiros derivados: i) Acções; ii) Índices de acções; iii) Taxas de juro de curto prazo; iv) Taxas de juro de médio e longo prazo; v) Taxas de câmbio; vi) Outros instrumentos financeiros derivados; vii) Mercadorias; viii) Outros activos subjacentes; Norma número 2: A informação solicitada na presente Instrução deve ser entregue e processada pelos intermediários financeiros no domínio de extranet da CMVM, tendo por base um ficheiro informático, elaborado em conformidade com as regras de forma e conteúdo constantes dos anexos I a III, os quais são parte integrante da presente Instrução. Em caso de impossibilidade de envio através do domínio extranet, os ficheiros poderão ser remetidos através de correio electrónico ou em disquete, observando as regras destinadas a salvaguardar a segurança, a integridade e a confidencialidade da informação. O envio da informação através dos meios alternativos referidos deve ser devidamente 2

3 justificado, não dispensando, logo que tal seja possível, o seu posterior reenvio através do domínio extranet. Norma número 3: O envio da informação através do domínio de extranet fica sujeito à permissão de acesso à base de dados da CMVM, concedido a cada intermediário financeiro através da atribuição de um certificado digital e de uma palavra-chave. A emissão de novo certificado deve ser solicitada, por escrito, pelo intermediário financeiro, devendo ser levantado nas instalações da CMVM, por colaborador autorizado, após recepção da palavra-chave enviada pela CMVM. O envio da informação através de correio electrónico está sujeito à utilização de mecanismos de encriptação dos ficheiros. Norma número 4: Para efeitos do cumprimento do prazo de envio da informação à CMVM, não será reconhecida como válida a informação que não apresente um nível apropriado de qualidade. Considera-se que não apresenta um nível apropriado de qualidade a informação que, nomeadamente, não seja prestada segundo as regras de forma e de conteúdo da presente Instrução, sendo por este motivo rejeitada pelo domínio extranet aquando da sua transmissão, por erros de compatibilidade ou de coerência entre os dados. Norma número 5: Caso se verifiquem alterações na informação já reportada deve o intermediário financeiro efectuar o reenvio integral da informação, nos termos definidos na norma n.º 3. A informação inicialmente reportada só se considera substituída pela reenviada após aceitação desta última pela CMVM. A CMVM pode rejeitar as alterações à informação inicialmente reportada se o intermediário financeiro não prestar, relativamente às alterações efectuadas, todas as informações que eventualmente lhe sejam solicitadas, dentro do prazo estabelecido. Norma número 6: No âmbito da presente Instrução, é interlocutor e responsável perante a CMVM, designadamente no que respeita à qualidade da informação enviada, a pessoa que o intermediário financeiro registou nos termos do disposto no artigo 14º do Regulamento da CMVM n.º 12/2000. Norma número 7: A presente Instrução entra em vigor no dia 1 de Janeiro de Norma número 8 (Disposição transitória): A prestação da informação relativa aos meses de Janeiro e Fevereiro de 2005 deverá ocorrer entre o primeiro e o terceiro dia útil de Abril de Lisboa, 23 de Dezembro de 2004 O Vice-Presidente do Conselho Directivo, Luís Lopes Laranjo; O Vogal do Conselho Directivo, Carlos Pina 3

4 Anexo I Regras Gerais Relativas ao Conteúdo e Forma da Informação 1. São aplicáveis à informação dos Anexos II e III as seguintes regras relativas ao formato da informação: 1.1. Cada tabela deverá corresponder a um único ficheiro, em formato ASCII com os campos separados por ponto e vírgula O nome dos ficheiros deverá ter o formato "RNNNAAAAMMXXX.DAT", onde R é constante, "NNN" corresponde ao número de registo como intermediário financeiro na CMVM, "AAAA" corresponde ao ano, "MM" ao mês e XXX identifica a tabela a que se refere o ficheiro. Todos os caracteres do nome do ficheiro devem estar preenchidos Cada linha do ficheiro constitui um único registo, devendo terminar com uma mudança de linha. Os registos são compostos pelos campos discriminados para cada uma das tabelas dos Anexos II a IV Não devem ser inseridos nomes para identificar os campos dos registos Os registos para os quais o conteúdo é nulo por não existir informação a reportar não devem ser incluídos no ficheiro As propriedades dos campos utilizados são as seguintes: Campo numérico: admite exclusivamente caracteres incluídos no conjunto [0;9], devendo as casas decimais, quando aplicável, serem indicadas por uma vírgula. Não devem ser incluídos caracteres de separação dos milhares; Campo alfabético: admite apenas caracteres incluídos no conjunto [A;Z]; Campo alfanumérico: admite os caracteres referidos em e 1.6.2; Nos casos em que o campo deva ficar em branco não devem ser inseridos quaisquer caracteres, designadamente espaços O facto de não existir qualquer informação a comunicar relativamente a determinada tabela, não extingue o dever de comunicação da presente Instrução. Deve, neste caso, ser utilizada a opção «reportes nulos» da página principal da extranet, seleccionando-se a tabela respectiva e indicando-se a data de referência correspondente. 2. São aplicáveis à informação dos Anexos II e III as seguintes regras relativas ao conteúdo da informação: 2.1. A data relevante para o reporte do volume de transacções executadas é a da realização da transacção e não a de liquidação física ou financeira da mesma salvo se decorrer de expressa estipulação contratual ou de regime legal ou regulamentar aplicável que os direitos e obrigações inerentes aos valores negociados se transferem em data diferente, casos em que será esta última a data relevante As operações em moeda estrangeira devem ser reportadas pelo seu contravalor em euros efectuando-se a conversão com base nos valores de referência para as taxas de câmbio verificadas na data relevante e divulgadas pelo Banco de Portugal. 4

5 Anexo II Regras Relativas à Tabela NMC Negociação por Conta Própria de Valores Mobiliários Negociados em Mercado a Contado 1. A informação referida na norma número 1, número 1.1., da presente Instrução é prestada no formato correspondente à tabela NMC. 2. A tabela NMC é constituída pelos seguintes campos: Ref.ª do campo Nome do campo Formato e Dimensão A B C D E F G H I J N.º de Registo na CMVM 3 caracteres numérico Data referência 7 caracteres numérico Tipo de Carteira 2 caracteres alfabético Tipo de Tipo de Operação Mercado valor mobiliário 1carácter de tipo alfabético 4 caracteres alfabético 3 caracteres alfabético Código Valor Mobiliário 12 caracteres alfanumérico Designação Valor Mobiliário 40 caracteres alfanumérico Quantidade Caracteres de tipo numérico sem casas decimais Volume Caracteres numérico com duas casas decimais 3. O conteúdo dos campos que compõem a tabela NMC deve respeitar as seguintes regras: 3.1. Campo A (Número de Registo na CMVM): deve ser preenchido com o número de registo do intermediário financeiro junto da CMVM Campo B (Data de referência): deve ser preenchido com a data correspondente ao último dia de calendário do mês a que respeita a informação. A data deve ser preenchida com o seguinte formato: AAAAMMDD onde AAAA representa o ano, MM o mês e DD o dia Campo C (Tipo de Carteira): As operações devem ser classificadas com os seguintes códigos, em função da finalidade subjacente à sua realização: - CN, para as operações contabilizadas na carteira de negociação do intermediário financeiro - conta n.º 24 («Títulos negociação») do Plano de Contas para o Sistema Bancário (PCSB) aprovado pela Instrução n.º 4/96 do Banco de Portugal e que não tenham sido realizadas no âmbito de contrato de fomento de mercado ou estabilização de preços, nos termos dos artigos 348.º e 349.º do Código dos Valores Mobiliários; - CI, para operações contabilizadas na carteira de investimento, a vencimento e na rubrica de imobilizações financeiras - contas n.º 25 («Títulos investimento»), n.º 26 («Títulos a vencimento») e n.º 40 («Imobilizações financeiras») do PCSB; - MM, para operações realizadas no âmbito de contrato de fomento de mercado ou estabilização de preços, nos termos dos artigos 348.º e 349.º do Código dos Valores Mobiliários (operações de market making ) Campo D (Tipo de Operação): As operações de compra devem ser identificadas com o código C e as de venda com o código V Campo E (Mercado): o mercado (regulamentado ou não regulamentado) ou sistema de negociação multilateral (MTF) onde ocorreu a transacção deve ser preenchido utilizando os códigos identificadores definidos pela Norma ISO (código MIC). Para as transacções não efectuadas em mercado ou em MTF deverão usar-se os códigos: 5

6 - OECP para as operações executadas para a carteira própria do intermediário financeiro contra a carteira de clientes (internalização); e - OEFM para as operações executadas fora de mercado contra a carteira de contrapartes não clientes do intermediário financeiro. Para efeitos da presente Instrução excluem-se as operações de transferência entre contas de registo individualizado, independentemente de haver ou não alteração da titularidade dos valores mobiliários. A lista actual de códigos ISO consta do Apêndice A podendo as actualizações da mesma ser obtidas no endereço da Internet: Campo F (Tipo de valor mobiliário): deve ser preenchido com os seguintes códigos, em função do valor mobiliário transaccionado: - ACC, para acções; - DPU, para obrigações e outros títulos de dívida emitidos pelo Estado ou outros entes públicos e equiparados; - DPV, para obrigações e outros títulos de dívida emitidos por entidades privadas; - WAR, para warrants autónomos; - OVM, para outros valores mobiliários Campo G (Código do Valor Mobiliário): deve ser preenchido com o International Standard Identification Number (ISIN) atribuído nos termos da norma ISO Se o valor mobiliário não tiver código ISIN atribuído, dever ser utilizado um código constituído por 12 caracteres alfanuméricos de acordo com a seguinte sequência de critérios: - dois caracteres alfabéticos identificadores do país do emitente do valor mobiliário, devendo para o efeito ser usada a norma internacional ISO 3166 (Alpha-2 code); - dois caracteres alfabéticos correspondentes às duas primeiras posições do código CFI (Classification of Financial Instruments) estipulado na norma ISO A primeira posição identifica a categoria e a segunda o grupo do valor mobiliário. Os códigos admissíveis constam da Tabela 1 anexa à presente Instrução; - três caracteres numéricos identificadores do sector institucional do emitente. Deve ser usada a codificação de 3.º nível da nomenclatura dos sectores institucionais de base 95 do Sistema de Contas Nacionais Português. Os códigos admissíveis constam da Tabela 2 anexa à presente Instrução; - dois caracteres numéricos identificadores do prazo contratual da aplicação. Deverá ser usada a codificação da Tabela 3 anexa à presente Instrução; - três caracteres numéricos que devem ser preenchidos com o código Campo H (Designação do Valor Mobiliário): deve ser preenchida obrigatoriamente a designação do valor mobiliário se no campo G não tiver sido usado o código ISIN, sendo de preenchimento facultativo neste último caso. A dimensão máxima do campo é de 40 caracteres alfanuméricos, não sendo permitidos os seguintes caracteres:, * e \ Campo I (Quantidade): indica a quantidade transaccionada do valor mobiliário ou o montante nominal no caso das obrigações Campo J (Volume): o volume de operações executadas deve ser reportado em euros pelo valor efectivamente pago (compra) ou recebido (venda) pela realização da operação, excluindo-se, no caso das obrigações, os juros corridos. 6

7 Anexo III Regras Relativas à Tabela NMP Negociação por Conta Própria de Instrumentos Financeiros Derivados 1. A informação referida na norma número 1, número 1.2., da presente Instrução é prestada no formato correspondente à tabela NMP. 2. A tabela NMP é constituída pelos seguintes campos: Ref.ª do campo Nome do campo Formato e Dimensão A B C D E F G H I J K N.º de Registo na CMVM 3 caracteres numérico Data referência 7 caracteres numérico Tipo de Carteira 2 caracteres alfabético Tipo de Operação 1carácter de tipo alfabético Mercado 4 caracteres alfabético Tipo Instrum. Financ. Derivado 2 caracteres alfabético Tipo de Subjacente 3 caracteres alfabético Código Valor Mobiliário 12 caracteres alfanumérico Designação Valor Mobiliário 40 caracteres alfanumérico Quantidade Caracteres de tipo numérico sem casas decimais 3. O conteúdo dos campos que compõem a tabela NMP deve respeitar as seguintes regras: 3.1. Campo A (Número de Registo na CMVM): deve ser preenchido com o número de registo do intermediário financeiro junto da CMVM Campo B (Data de referência): deve ser preenchido com a data correspondente ao último dia de calendário do mês a que respeita a informação. A data deve ser preenchida com o seguinte formato: AAAAMMDD onde AAAA representa o ano, MM o mês e DD o dia Campo C (Tipo de Carteira): As operações devem ser classificadas com os seguintes códigos, em função da finalidade subjacente à sua realização: - CN, para as operações contabilizadas como posições de negociação; - CR, para operações contabilizadas como posições de cobertura de risco. conta n.º 24 («Títulos negociação») do Plano de Contas para o Sistema Bancário (PCSB) aprovado pela Instrução n.º 4/96 do Banco de Portugal Campo D (Tipo de Operação): As operações de compra devem ser identificadas com o código C e as de venda com o código V Campo E (Mercado): o mercado (regulamentado ou não regulamentado) ou sistema de negociação multilateral (MTF) onde ocorreu a transacção deve ser preenchido utilizando os códigos identificadores definidos pela Norma ISO (código MIC). Para as transacções não efectuadas em mercado ou em MTF deverão usar-se os códigos: - OECP para as operações executadas para a carteira própria do intermediário financeiro contra a carteira de clientes (internalização); e - OEFM para as operações executadas fora de mercado contra a carteira de contrapartes não clientes do intermediário financeiro. Para efeitos da presente Instrução excluem-se as operações de transferência entre contas de registo individualizado, independentemente de haver ou não alteração da titularidade dos valores mobiliários. A lista actual de códigos ISO consta do Apêndice A podendo as actualizações da mesma ser obtidas no endereço da Internet: Volume Caracteres numérico com duas casas decimais 7

8 3.6. Campo F (Tipo de instrumento financeiro derivado): deve ser preenchido com os seguintes códigos, em função do tipo de instrumento financeiro derivado: - FT, para contratos de futuros; - OP, para contratos de opções; - CD, para contratos financeiros por diferenças (financial contracts for diferences); - OD, para outros instrumentos financeiros derivados não especificados anteriormente e que tenham as mesmas características. Apenas deverão ser comunicados contratos derivados padronizados, admitidos ou não à negociação em mercado ou sistema de negociação multilateral Campo G (Tipo de subjacente): deve ser preenchido com os seguintes códigos, em função do tipo de subjacente do instrumento financeiro derivado: - ACC, para acções; - IND, para índices; - TJC, para taxas de juro de curto prazo (inferior a 1 ano); - TJL, para taxas de juro de médio e longo prazo; - TCB, para taxas de câmbio; - CDV, para contratos derivados; - MEC, para mercadorias; - OUT, para outros subjacentes não especificados anteriormente Campo H (Código do instrumento financeiro derivado): deve ser preenchido com o International Standard Identification Number (ISIN) atribuído nos termos da norma ISO Se o valor mobiliário não tiver código ISIN atribuído, dever ser utilizado um código constituído por 12 caracteres alfanuméricos de acordo com a seguinte sequência de critérios: - dois caracteres alfabéticos identificadores do país do emitente do valor mobiliário, devendo para o efeito ser usada a norma internacional ISO 3166 (Alpha-2 code); - dois caracteres alfabéticos correspondentes às duas primeiras posições do código CFI (Classification of Financial Instruments) estipulado na norma ISO A primeira posição identifica a categoria e a segunda o grupo do valor mobiliário. Os códigos admissíveis constam da Tabela 1 anexa à presente Instrução; - três caracteres numéricos identificadores do sector institucional do emitente. Deve ser usada a codificação de 3.º nível da nomenclatura dos sectores institucionais de base 95 do Sistema de Contas Nacionais Português. Os códigos admissíveis constam da Tabela 2 anexa à presente Instrução; - dois caracteres numéricos identificadores do prazo contratual da aplicação. Deverá ser usada a codificação da Tabela 3 anexa à presente Instrução; - três caracteres numéricos que devem ser preenchidos com o código Campo I (Quantidade): indica o número de contratos transaccionados Campo J (Volume): O volume executado deve ser reportado em euros pelo valor bruto de todas as operações contratadas durante o mês, ou seja, o valor correspondente ao produto entre o número de contratos negociados, a unidade de negociação dos mesmos e a respectiva cotação. Por exemplo, a compra de 50 contratos de futuros sobre acções XPTO (admitindo que a unidade de negociação do contrato são 100 acções), cuja cotação seja de 9,02 originaria o reporte, em termos de 8

9 volume, de (n.º contratos negociados x cotação do contrato x unidade negociação do contrato, ou seja, 50x 9,02x100). Código E ES EP EC EU EM D DB DC DW DT DY DM R RA RS RM RW O OC OP OM F FF FC TABELA 1 Códigos CFI - Categoria e Grupo Descrição Acções e Unidades de Participação Acções ordinárias Acções preferenciais Acções convertíveis Unidades de participação em OIC Outras acções ou unidades de participação Dívida Obrigações Obrigações convertíveis Obrigações com warrants Obrigações de médio prazo Instrumentos do mercado monetário Outros instrumentos de dívida Direitos Direitos de incorporação Direitos de subscrição Outros direitos Warrants Opções Opções de compra Opções de venda Outras opções Futuros Futuros financeiros Futuros de mercadorias Código TABELA 2 Nomenclatura dos Sectores Institucionais Descrição S.11 Sociedades não financeiras 110 Sociedades não financeiras S.12 Sociedades financeiras 121 Bancos Centrais 122 Outras instituições financeiras monetárias 123 Intermediários financeiros 124 Auxiliares financeiros 125 Sociedades de seguros e fundos de pensões S.13 Administrações públicas 131 Entidades da administração pública S.15 Instituições sem fim lucrativo 150 Instituições sem fim lucrativo S.21 União Europeia 211 Países membros da UE 212 Instituições da UE S.22 Países terceiros e organizações internacionais 220 Países terceiros e organizações internacionais 9

10 TABELA 3 Código Classes de Prazos Contratuais das Operações 01 À vista 02 Até 30 dias 03 De 31 a 90 dias 04 De 91 a 180 dias 05 De 181 dias a 1 ano 06 De 1 a 2 anos 07 De 2 a 5 anos 08 A mais de 5 anos 10

11 Apêndice A País Código MIC Identificação do Mercado/MTF ALBANIA XTIR TIRANA STOCK EXCHANGE ALGERIA XALG ALGIERS STOCK EXCHANGE ARGENTINA XBUE BUENOS AIRES STOCK EXCHANGE ARGENTINA XMAB MERCADO ABIERTO ELECTRONICO S.A. ARGENTINA XMEV MERCADO DE VALORES DE BUENOS AIRES S.A. ARGENTINA XMTB MERCADO A TERMINO DE BUENOS AIRES S.A. ARGENTINA XBCM BOLSA DE COMMERCIO DE MENDOZA S.A. ARGENTINA XROS BOLSA DE COMERCIO ROSARIO ARMENIA XARM ARMENIAN STOCK EXCHANGE AUSTRALIA XNEC STOCK EXCHANGE OF NEWCASTLE LTD AUSTRALIA XASX ASX OPERATIONS PTY LIMITED AUSTRALIA XSFE SYDNEY FUTURES EXCHANGE LIMITED AUSTRALIA XYIE YIELDBROKER PTY LTD AUSTRIA XNEW NEWEX AUSTRIA XOTB OESTERREICHISCHE TERMIN- UND OPTIONENBOERSE, CLEARING BANK AG AUSTRIA XWBO WIENER BOERSE AG AZERBAIJAN XIBE BAKU INTERBANK CURRENCY EXCHANGE BAHAMAS XBAA BAHAMAS INTERNATIONAL STOCK EXCHANGE BAHRAIN XBAH BAHRAIN STOCK EXCHANGE BANGLADESH XCHG CHITTAGONG STOCK EXCHANGE LTD. BANGLADESH XDHA DHAKA STOCK EXCHANGE LTD BARBADOS XBAB SECURITIES EXCHANGE OF BARBADOS BELGIUM XBRU EURONEXT BRUSSELS BELGIUM XEAS NASDAQ EUROPE BERMUDA XBDA BERMUDA STOCK EXCHANGE LTD, THE BOLIVIA XBOL BOLSA BOLIVIANA DE VALORES S.A. BOTSWANA XBOT BOTSWANA STOCK EXCHANGE BRAZIL XBVP BOLSA DE VALORES DO PARANA BRAZIL XBBF BOLSA BRASILIERA DE FUTUROS BRAZIL XRIO BOLSA DE VALORES DO RIO DE JANEIRO BRAZIL XSOM SOCIEDADE OPERADORA DO MERCADO DE ATIVOS S.A. BRAZIL XBMF BOLSA DE MERCADORIAS E FUTUROS BRAZIL XBSP BOLSA DE VALORES DE SAO PAULO BULGARIA XBUL BULGARIAN STOCK EXCHANGE CANADA XMOD MONTREAL EXCHANGE THE / BOURSE DE MONTREAL (OTIONS AND OTHER DERIVATIVES) CANADA XMOO MONTREAL EXCHANGE THE / BOURSE DE MONTREAL CANADA CANX CANNEX FINANCIAL EXCHANGE LTS. CANADA XTFE TORONTO FUTURES EXCHANGE CANADA XTOE TORONTO OPTIONS EXCHANGE CANADA XTSE TORONTO STOCK EXCHANGE CANADA XTSX TSX VENTURE EXCHANGE CANADA XTNX TSX VENTURE EXCHANGE - NEX CANADA XWCE WINNIPEG COMMODITY EXCHANGE, THE CAYMAN ISLANDS XCAY CAYMAN ISLANDS STOCK EXCHANGE CHILE XBCL LA BOLSA ELECTRONICA DE CHILE CHILE XSGO SANTIAGO STOCK EXCHANGE CHINA XDCE DALIAN COMMODITY EXCHANGE 11

12 CHINA XCFE CHINA FOREIGN EXCHANGE TRADE SYSTEM CHINA XSGE SHANGHAI FUTURES EXCHANGE CHINA XSHG SHANGHAI STOCK EXCHANGE CHINA XSHE SHENZHEN STOCK EXCHANGE CHINA XSME SHENZHEN MERCANTILE EXCHANGE CHINA XZCE ZHENGZHOU COMMODITY EXCHANGE COLOMBIA XBOG BOLSA DE VALORES DE COLOMBIA COSTA RICA XBNV BOLSA NACIONAL DE VALORES, S.A. CROATIA XZAG ZAGREB STOCK EXCHANGE, THE CYPRUS XCYS CYPRUS STOCK EXCHANGE CZECH REPUBLIC XPRA STOCK EXCHANGE PRAGUE CO. LTD, THE DENMARK XCSE COPENHAGEN STOCK EXCHANGE DOMINICAN REPUBLIC XBVR BOLSA DE VALORES DE LA REPUBLICA DOMINICANA SA. ECUADOR XGUA GUAYAQUIL STOCK EXCHANGE ECUADOR XQUI QUITO STOCK EXCHANGE EGYPT XCAI CAIRO AND ALEXANDRIA STOCK EXCHANGE EL SALVADOR XSVA EL SALVADOR STOCK EXCHANGE ESTONIA XTAL TALLINN STOCK EXCHANGE FIJI XSPS SOUTH PACIFIC STOCK EXCHANGE FINLAND XFOM FINNISH OPTIONS MARKET FINLAND XHEL THE HELSINKI STOCK EXCHANGE FRANCE XFMN SOCIETE DU NOUVEAU MARCHE FRANCE XMAT EURONEXT PARIS - MATIF FRANCE XMLI EURONEXT PARIS S.A. - MARCHE LIBRE FRANCE XMON EURONEXT PARIS - MONEP FRANCE XPAR EURONEXT PARIS S.A. GEORGIA XGSE GEORGIA STOCK EXCHANGE GERMANY XBER BERLINER WERTPAPIERBOERSE GERMANY ZOBX ZOBEX GERMANY XBRE BREMER WERTPAPIERBOERSE GERMANY XDUS RHEINISCHE-WESTFAELISCHE BOERSE ZU DUESSELDORF GERMANY XEEE EUROPEAN ENERGY EXCHANGE AG GERMANY XETR DEUTSCHER KASSENVEREIN AG GRUPPE DEUTSCHE BOERSE GERMANY XEUB EUREX BONDS GERMANY XEUR EUREX DEUTSCHLAND GERMANY XFRA DEUTSCHE BOERSE AG GERMANY XRTR RTR (REUTERS-REALTIME-DATEN) GERMANY XHAM HANSEATISCHE WERTPAPIERBOERSE HAMBURG GERMANY XHAN NIEDERSAECHSISCHE BOERSE ZU HANNOVER GERMANY XHCE WARENTERMINBOERSE HANNOVER GERMANY XMUN BAYERISCHE BOERSE GERMANY EUWX EUWAX GERMANY XSTU BADEN-WUERTTEMBERGISCHE WERTPAPIERBOERSE ZU STUTTGART GHANA XGHA GHANA STOCK EXCHANGE GREECE XADE ATHENS DERIVATIVES EXCHANGE S.A., THE GREECE XATH ATHENS STOCK EXCHANGE GUATEMALA XGTG BOLSA DE VALORES NACIONAL SA GUERNSEY, C.I. XCIE THE CHANNEL ISLANDS STOCK EXCHANGE HONDURAS XHON HONDURIAN STOCK EXCHANGE, THE HONDURAS XBCV BOLSA CENTRONA DE VALORES S.A. HONG KONG XHKF HONG KONG FUTURES EXCHANGE LTD. 12

13 HONG KONG XHKG STOCK EXCHANGE OF HONG KONG LTD, THE HUNGARY XBCE BUDAPEST COMMODITY EXCHANGE HUNGARY XBUD BUDAPEST STOCK EXCHANGE ICELAND XICE ICELAND STOCK EXCHANGE INDIA XBAN BANGALORE STOCK EXCHANGE LTD INDIA XCAL CALCUTTA STOCK EXCHANGE INDIA XDES DELHI STOCK EXCHANGE INDIA XMDS MADRAS STOCK EXCHANGE INDIA XBOM MUMBAI STOCK EXCHANGE INDIA XNSE NATIONAL STOCK EXCHANGE OF INDIA INDONESIA XBBJ JAKARTA FUTURES EXCHANGE (BURSA BERJANGKA JAKARTA) INDONESIA XJKT JAKARTA STOCK EXCHANGE INDONESIA XJNB JAKARTA NEGOTIATED BOARD INDONESIA XSUR SURABAYA STOCK EXCHANGE IRAN XTEH TEHERAN STOCK EXCHANGE IRELAND XDUB IRISH STOCK EXCHANGE IRELAND XFNX FINEX (NEW YORK AND DUBLIN) ISRAEL XTAE TEL AVIV STOCK EXCHANGE ITALY TLAB TRADINGLAB TLX ITALY XDMI ITALIAN DERIVATIVES MARKET ITALY XMIF MERCATO ITALIANO FUTURES EXCHANGE ITALY XMIL BORSA ITALIANA S.P.A. IVORY COAST XBRV BOURSE REGIONALE DES VALEURS MOBILIERES JAMAICA XJAM JAMAICA STOCK EXCHANGE, THE JAPAN XTKA TOYOHASHI KANKEN TORIHIKIJO (DRIED COCOON EXCHANGE) - CHUBU COMMODITY EXCHANGE JAPAN XFFE FUKUOKA FUTURES EXCHANGE JAPAN XFKA FUKUOKA STOCK EXCHANGE JAPAN XKGT KOBE GOMU TORIHIKIJO (RUBBER EXCHANGE) JAPAN XKKT KOBE KIITO TORIHIKIJO (RAW SILK EXCHANGE) JAPAN XCCE CHUBU COMMODITY EXCHANGE JAPAN XNGO NAGOYA STOCK EXCHANGE JAPAN XNKS NAGOYA KOKUMOTSU SATOU TORIHIKIJO (GRAIN AND SUGAR EXCHANGE) - CHUBU COMMODITY EXCHANGE JAPAN XNST NAGOYA SENI TORIHIKIJO (TEXTILE EXCHANGE) - CHUBU COMMODITY EXCHANGE JAPAN XHER NIPPON NEW MARKET - HERCULES JAPAN XKAC KANSAI AGRICULTURAL COMMODITIES EXCHANGE JAPAN XOSE OSAKA SECURITIES EXCHANGE JAPAN XOSM OSAKA MERCANTILE EXCHANGE JAPAN XOST OSAKA SENI TORIHIKIJO (TEXTILE EXCHANGE) JAPAN XSAP SAPPORO STOCK EXCHANGE JAPAN XKST KANMON SHOHIN TORIHIKIJO (COMMODITY EXCHANGE) JAPAN JASR JAPAN CROSS (PTS) JAPAN XJAS JASDAQ JAPAN XTFF TOKYO INTERNATIONAL FINANCIAL FUTURES EXCHANGE, THE JAPAN XTKO TOKYO KOKUMOTSU SHOHIN TORIHIKIJO (GRAIN EXCHANGE) JAPAN XTKS TOKYO STOCK EXCHANGE 13

14 JAPAN XTKT TOKYO KOGYOIN TORIHIKIJO (COMMODITY EXCHANGE) JAPAN XYKT YOKOHAMA COMMODITY EXCHANGE JORDAN XAMM AMMAN STOCK EXCHANGE KAZAKHSTAN XKAZ CENTRAL ASIAN STOCK EXCHANGE KENYA XNAI NAIROBI STOCK EXCHANGE KOREA, REPUBLIC OF XKFE KOREA FUTURES EXCHANGE KOREA, REPUBLIC OF KOCN KOREA ECN SECURITIES CO. LTD (ATS) KOREA, REPUBLIC OF XKOR KOREA STOCK EXCHANGE KOREA, REPUBLIC OF XKOS KOSDAQ KUWAIT XKUW KUWAIT STOCK EXCHANGE KYRGYZSTAN XKSE KYRGYZ STOCK EXCHANGE LATVIA XRIS RIGA STOCK EXCHANGE,THE LEBANON XBEY BOURSE DE BEYROUTH LITHUANIA XLIT NATIONAL STOCK EXCHANGE OF LITHUANIA LUXEMBOURG CCLX CENTRALE DE COMMUNICATIONS LUXEMBOURG S.A. LUXEMBOURG XLUX LUXEMBOURG STOCK EXCHANGE LUXEMBOURG XVES VESTIMA+ MACEDONIA XMAE MACEDONIAN STOCK EXCHANGE MADAGASCAR XMDG MARCHE INTERBANCAIRE DES DEVISES M.I.D. MALAWI XMSW MALAWI STOCK EXCHANGE MALAYSIA XKLS KUALA LUMPUR STOCK EXCHANGE, THE MALAYSIA XLOF MALAYSIA DERIVATIVES EXCHANGE BHD MALAYSIA XRBM RINGGIT BOND MARKET MALAYSIA XLFX LABUAN INTERNATIONAL FINANCIAL EXCHANGE MALTA XMAL MALTA STOCK EXCHANGE MAURITIUS XMAU STOCK EXCHANGE OF MAURITIUS LTD, THE MEXICO XEMD MERCADO MEXICANO DE DERIVADOS MEXICO XMEX BOLSA MEXICANA DE VALORES (MEXICAN STOCK EXCHANGE) MOLDOVA, REPUBLIC OF XMOL MOLDOVA STOCK EXCHANGE MONGOLIA XULA MONGOLIAN STOCK EXCHANGE MOROCCO XCAS CASABLANCA STOCK EXCHANGE MOZAMBIQUE XMAP MAPUTO STOCK EXCHANGE NAMIBIA XNAM NAMIBIAN STOCK EXCHANGE NEPAL XNEP NEPAL STOCK EXCHANGE NEW ZEALAND XNEE NEW ZEALAND FUTURES AND OPTIONS EXCHANGE NEW ZEALAND XNZE NEW ZEALAND STOCK EXCHANGE NICARAGUA XMAN BOLSA DE VALORES DE NICARAGUA NIGERIA XNSA NIGERIAN STOCK EXCHANGE,THE NORWAY XOSL OSLO BORS OMAN XMUS MUSCAT SECURITIES MARKET PAKISTAN XISL ISLAMABAD STOCK EXCHANGE PAKISTAN XKAR KARACHI STOCK EXCHANGE (GUARANTEE) LIMITED, THE PAKISTAN XLAH LAHORE STOCK EXCHANGE PALESTINIAN TERRITORY XPAE PALESTINE SECURITIES EXCHANGE PANAMA XPTY BOLSA DE VALORES DE PANAMA, S.A. PAPUA NEW GUINEA XPOM PORT MORESBY STOCK EXCHANGE PARAGUAY XVPA BOLSA DE VALORES Y PRODUCTOS DE ASUNCION SA 14

15 PERU XLIM BOLSA DE VALORES DE LIMA PHILIPPINE XPHS PHILIPPINE STOCK EXCHANGE, INC. POLAND XWAR WARSAW STOCK EXCHANGE PORTUGAL MDIP MEDIP PORTUGAL OPEX PEX-PRIVATE EXCHANGE PORTUGAL XLIS EURONEXT LISBOA QATAR DSMD DOHA SECURITIES MARKET ROMANIA XBRM ROMANIAN COMMODITIES EXCHANGE ROMANIA XBSE BUCHAREST STOCK EXCHANGE ROMANIA XRAS RASDAQ ROMANIA BMFM SC BURSA MONETAR-FINANCIERA SI DE MARFURI SIBIU RUSSIA URCE URALS REGIONAL CURRENCY EXCHANGE RUSSIA RTSX RTS STOCK EXCHANGE RUSSIA XMIC MOSCOW INTERBANK CURRENCY EXCHANGE RUSSIA XMOS MOSCOW CENTRAL STOCK EXCHANGE RUSSIA XRUS RUSSIAN EXCHANGE, THE RUSSIA NNCS NIZHNY NOVGOROD CURRENCY AND STOCKEXCHANGE CLOSE JOINT STOCK COMPANY RUSSIA XSIB SIBERIAN STOCK EXCHANGE RUSSIA XSIC SIBERIAN INTERBANK CURRENCY EXCHANGE RUSSIA XROV ROSTOV CURRENCY AND STOCK EXCHANGE RUSSIA XPET ST. PETERSBURG STOCK EXCHANGE RUSSIA XPIC SAINT-PETERSBURG CURRENCY EXCHANGE RUSSIA XSAM SAMARA CURRENCY INTERBANK EXCHANGE RUSSIA XAPI ASIA-PACIFIC INTERBANK CURRENCY EXCHANGE, THE RUSSIA XVLA VLADIVOSTOK (RUSSIA) STOCK EXCHANGE SAINT KITTS AND NEVIS XECS EASTERN CARIBBEAN SECURITIES EXCHANGE SAUDI ARABIA XSAU SAUDI ARABIA STOCK EXCHANGE SINGAPORE XSCE SINGAPORE COMMODITY EXCHANGE SINGAPORE XSES SINGAPORE EXCHANGE SINGAPORE XSIM SINGAPORE EXCHANGE DERIVATIVES CLEARING LIMITED SLOVAKIA XBRA BRATISLAVA STOCK EXCHANGE, THE SLOVAKIA XRMS SK RM-S (SLOVAK STOCK EXCHANGE) SLOVENIA XLJU LJUBLJANA STOCK EXCHANGE, INC. SOUTH AFRICA XBES BOND EXCHANGE OF SOUTH AFRICA SOUTH AFRICA XJSE JOHANNESBURG SECURITIES EXCHANGE, THE SOUTH AFRICA XSAF SOUTH AFRICAN FUTURES EXCHANGE SOUTH AFRICA XSFA SOUTH AFRICAN FUTURES EXCHANGE - AGRICULTURAL MARKET DIVISION SPAIN XBAR BARCELONA STOCK EXCHANGE SPAIN XBAV MERCHBOLSA AGENCIA DE VALORES, S.A. SPAIN XMCE MERCATO CONTINUO ESPANOL SPAIN XMEF MEFF RENTA FIJA SPAIN XMRV MEFF RENTA VARIABLE SPAIN XBIL BOLSA DE VALORES DE BILBAO SPAIN XSRM MERCADO DE FUTUROS DE ACEITE DE OLIVA, S.A. SPAIN XDPA CADE - MERCADO DE DEUDA PUBLICA ANOTADA SPAIN XDRF AIAF - MERCADO DE RENTA FIJA SPAIN XMAD BOLSA DE MADRID 15

16 SPAIN XFCM MERCADO DE FUTUROS Y OPCIONES SOBRE CITRICOS SPAIN XVAL BOLSA DE VALENCIA SRI LANKA XCOL COLOMBO STOCK EXCHANGE SUDAN XKHA KHARTOUM STOCL EXCHANGE SWAZILAND XSWA SWAZILAND STOCK EXCHANGE SWEDEN XNGM NORDIC GROWTH MARKET SWEDEN XOME OM STOCKHOLM EXCHANGE SWEDEN XOMF OM FIXED INTEREST EXCHANGE SWITZERLAND XBRN BERNE STOCK EXCHANGE SWITZERLAND XSWX SWISS EXCHANGE TAIWAN ROCO GRETAI SECURITIES MARKET TAIWAN XIME TAIWAN INTERNATIONAL MERCANTILE EXCHANGE TAIWAN XTAD TAISDAQ TAIWAN XTAF TAIWAN FUTURES EXCHANGE TAIWAN XTAI TAIWAN STOCK EXCHANGE TANZANIA, UNITED REPUBLIC OF XDAR DAR ES SALAAM STOCK EXCHANGE THAILAND XBKF STOCK EXCHANGE OF THAILAND - FOREIGN BOARD THAILAND XBKK STOCK EXCHANGE OF THAILAND THE NETHERLANDS XAMS EURONEXT AMSTERDAM THE NETHERLANDS XEUC EURONEXT COM, COMMODITIES FUTURES AND OPTIONS THE NETHERLANDS XEUE EURONEXT EQF, EQUITIES AND INDICES DERIVATIVES THE NETHERLANDS XEUI EURONEXT IRF, INTEREST RATE FUTURE AND OPTIONS TRINIDAD AND TOBAGO XTRN TRINIDAD AND TOBAGO STOCK EXCHANGE TUNISIA XTUN BOURSE DES VALEURS MOBILIERES TURKEY XIST ISTANBUL STOCK EXCHANGE UGANDA XUGA UGANDA STOCK EXCHANGE UKRAINE XKHR KHARKOV COMMODITY EXCHANGE UKRAINE PFTS FIRST SECURITIES TRADING SYSTEM - UKRAINIAN OTC UKRAINE XKIE KIEV UNIVERSAL EXCHANGE UKRAINE XUKR UKRAINIAN UNIVERSAL COMMODITY EXCHANGE UKRAINE XODE ODESSA COMMODITY EXCHANGE UKRAINE XPRI PRIDNEPROVSK COMMODITY EXCHANGE UNITED ARAB EMIRATES XADS ABU DHABI SECURITIES MARKET UNITED ARAB EMIRATES XDFM DUBAI FINANCIAL MARKET UNITED KINGDOM AIMX ALTERNATE INVESTMENT MARKET UNITED KINGDOM BTEE BROKERTEC EUROPE LTD. UNITED KINGDOM EMTS EUROMTS UNITED KINGDOM GEMX GEMMA (Gilt Edged Market Makers Association) UNITED KINGDOM IEPA INTERCONTINENTAL EXCHANGE LTD. UNITED KINGDOM OFEX OFEX UNITED KINGDOM TREU TRADEWEB EUROPE LIMITED UNITED KINGDOM XCOR ISMA TRADING SERVICE UNITED KINGDOM XEDX EDX LONDON LIMITED UNITED KINGDOM XIPE INTERNATIONAL PETROLEUM EXCHANGE UNITED KINGDOM XJWY JIWAY EXCHANGE LTD 16

17 UNITED KINGDOM XLIF LONDON INTERNATIONAL FINANCIAL FUTURES AND OPTIONS EXCHANGE UNITED KINGDOM XLME LONDON METAL EXCHANGE UNITED KINGDOM XLBM LONDON BULLION MARKET, THE UNITED KINGDOM XLON LONDON STOCK EXCHANGE, THE UNITED KINGDOM XMLX OMLX, THE LONDON SECURITIES AND DERIVATIVES EXCHANGE LIMITED UNITED KINGDOM XTFN TRADEPOINT FINANCIAL NETWORKS PLC UNITED KINGDOM XVTX VIRT-X XBOS BOSTON STOCK EXCHANGE XBOX BOSTON OPTION EXCHANGE XEUS EUREX US XOCH ONECHICAGO, LLC. THRD THE THIRD MARKET CORPORATION XCBF CBOE FUTURES EXCHANGE XCBO CHICAGO BOARD OPTIONS EXCHANGE XCBT CHICAGO BOARD OF TRADE XCCX CHICAGO CLIMATE EXCHANGE, INC XCHI CHICAGO STOCK EXCHANGE, INC. XCIS NATIONAL STOCK EXCHANGE XCME CHICAGO MERCANTILE EXCHANGE XCRC CHICAGO RICE AND COTTON EXCHANGE XIMM INTERNATIONAL MONETARY MARKET XIOM INDEX AND OPTIONS MARKET XMAC MID COMMODITY EXCHANGE XMER MERCHANTS' EXCHANGE BTEC BROKERTEC USA, LLC TRWB TRADEWEB LLC XBTF BROKERTEC FUTURES EXCHANGE XKBT KANSAS CITY BOARD OF TRADE XMGE MINNEAPOLIS GRAIN EXCHANGE ICEL THE ISLAND ECN LTD. PINX PINK SHEETS LLC (NQB) 17

18 XASE N STOCK EXCHANGE XCEC COMMODITIES EXCHANGE CENTER XCFF CANTOR FINANCIAL FURTURES EXCHANGE NEW YORK COCOA, COFFEE AND SUGAR XCSC EXCHANGE XISX INTERNATIONAL SECURITIES EXCHANGE, LLC. XNAS NASDAQ XNMS NASDAQ/NMS (NATIONAL MARKET SYSTEM) XNQL NQLX (NASDAQ LIFFE) XNYC NEW YORK COTTON EXCHANGE XNYF NEW YORK BOARD OF TRADE XNYM NEW YORK MERCANTILE EXCHANGE XNYS NEW YORK STOCK EXCHANGE, INC. XPBT PHILADELPHIA BOARD OF TRADE XPHL PHILADELPHIA STOCK EXCHANGE XPHO PHILADELPHIA OPTIONS EXCHANGE XAZX ARIZONA STOCK EXCHANGE XPSE PACIFIC STOCK EXCHANGE INC. XOTC OTC BULLETIN BOARD XPOR PORTAL URUGUAY XMNT BOLSA DE VALORES DE MONTEVIDEO UZBEKISTAN XCET UNIVERSAL COMMODITY EXCHANGE 'TASHKENT' UZBEKISTAN XCUE THE UZBEKISTAN REPUBLICAN CURRENCY EXCHANGE UZBEKISTAN XKCE KHOREZM INTERREGION COMMODITY EXCHANGE UZBEKISTAN XSTE UZBEKISTAN STOCK EXCHANGE UZBEKISTAN XUNI UNIVERSAL BROKER'S EXCHANGE 'TASHKENT' VENEZUELA XCAR CARACAS STOCK EXCHANGE VIET NAM XSTC HO CHI MINH SECURITIES TRANSACTION CENTER YUGOSLAVIA XBEL BELGRADE STOCK EXCHANGE ZAMBIA XLUS LUSAKA STOCK EXCHANGE ZIMBABWE XZIM ZIMBABWE STOCK EXCHANGE 18

Instrução n.º 3/2005 Informação Estatística sobre Operações de Day-Trading (revoga a Instrução da CMVM n.º 7/2000)

Instrução n.º 3/2005 Informação Estatística sobre Operações de Day-Trading (revoga a Instrução da CMVM n.º 7/2000) Instrução n.º 3/2005 Informação Estatística sobre Operações de Day-Trading (revoga a Instrução da CMVM n.º 7/2000) A CMVM, no âmbito das suas atribuições de supervisão, carece que os intermediários financeiros

Leia mais

Evolução da renda no Governo Lula: Cinco conclusões definitivas. Reinaldo Gonçalves 1 4 março 2011

Evolução da renda no Governo Lula: Cinco conclusões definitivas. Reinaldo Gonçalves 1 4 março 2011 Evolução da renda no Governo Lula: Cinco conclusões definitivas Reinaldo Gonçalves 1 4 março 2011 A divulgação dos dados de evolução da renda do Brasil pelo IBGE e a base de dados do FMI permitem algumas

Leia mais

Instrução da CMVM n.º 10/2011 Informação sobre Concessão de Crédito para a Realização de Operações sobre Instrumentos Financeiros

Instrução da CMVM n.º 10/2011 Informação sobre Concessão de Crédito para a Realização de Operações sobre Instrumentos Financeiros Instrução da CMVM n.º 10/2011 Informação sobre Concessão de Crédito para a Realização de Operações sobre Instrumentos Financeiros A CMVM, no âmbito e no exercício da actividade de supervisão, necessita

Leia mais

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café P CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO RELATÓRIO SOBRE O MERCADO CAFEEIRO

Leia mais

Instrução da CMVM N.º 3/2008 Informação sobre Concessão de Crédito para a Realização de Operações sobre Instrumentos Financeiros

Instrução da CMVM N.º 3/2008 Informação sobre Concessão de Crédito para a Realização de Operações sobre Instrumentos Financeiros Instrução da CMVM N.º 3/2008 Informação sobre Concessão de Crédito para a Realização de Operações sobre Instrumentos Financeiros A CMVM, no âmbito e no exercício da actividade de supervisão, entende dever

Leia mais

FAQ Obrigatoriedade do GTIN

FAQ Obrigatoriedade do GTIN FAQ Obrigatoriedade do GTIN 1. O que é o GTIN? GTIN, acrônimo para Global Trade Item Number é um identificador para itens comerciais desenvolvido e controlado pela GS1, antiga EAN/UCC. GTINs, anteriormente

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007 FaculdadedeEconomia João Salgueiro João Amador Seminário de Economia Europeia Economia Portuguesa e Europeia Exame de 1 a época 5 de Janeiro de 2007 Atenção:

Leia mais

Q: Preciso contratar um numero de empregados para solicitar o visto E2? R: Não, o Visto E2 não requer um numero de empregados como o Visto Eb5.

Q: Preciso contratar um numero de empregados para solicitar o visto E2? R: Não, o Visto E2 não requer um numero de empregados como o Visto Eb5. RE: Visto E1 O E2 Visto E1 O E2 Q :Preciso contratar um advogado para solicitar o Visto E2? R: Sim, o visto E2 requer o conhecimento especializado da legislacao migratória e a experiência de um advogado

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável EDUCAÇÃO Base do Desenvolvimento Sustentável 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais

Leia mais

Renovar Idéias: Política Monetária e o Crescimento Econômico no Brasil PSDB-ITV 16/2/2006

Renovar Idéias: Política Monetária e o Crescimento Econômico no Brasil PSDB-ITV 16/2/2006 Renovar Idéias: Política Monetária e o Crescimento Econômico no Brasil PSDB-ITV 16/2/2006 Julio Gomes de Almeida Diretor-Executivo IEDI Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial Motor do Crescimento

Leia mais

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 2700:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

Bem-vindos à Conferência de Imprensa da EMO. Dr. Wolfram von Fritsch Presidente do Conselho de Administração. 24 de Maio de 2011 no Porto.

Bem-vindos à Conferência de Imprensa da EMO. Dr. Wolfram von Fritsch Presidente do Conselho de Administração. 24 de Maio de 2011 no Porto. Bem-vindos à Conferência de Imprensa da EMO Dr. Wolfram von Fritsch Presidente do Conselho de Administração 24 de Maio de 2011 no Porto Seite 1 Feiras no mix dos meios de comunicação Global Fairs Global

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento EDUCAÇÃO Base para o desenvolvimento 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais de escolaridade.

Leia mais

A importância e desafios da agricultura na economia regional. Assessoria Econômica

A importância e desafios da agricultura na economia regional. Assessoria Econômica A importância e desafios da agricultura na economia regional Assessoria Econômica A Agricultura é importante para o crescimento e desenvolvimento econômico ou é apenas fornecedora de alimentos? Taxa Média

Leia mais

http://www.amoportugal.org/

http://www.amoportugal.org/ OBJETIVOS A promoção de eventos de âmbito nacional com recurso à mobilização de Voluntários e ao envolvimento de parcerias públicas e privadas gratuitas. O desenvolvimento da cooperação e da solidariedade

Leia mais

Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007

Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007 Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007 1. Visitações Diárias ( Y ) Visitas ( X ) Dia do mês 1.1) Janeiro 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15

Leia mais

Cenário e Oportunidade de vendas nas óticas

Cenário e Oportunidade de vendas nas óticas Cenário e Oportunidade de vendas nas óticas Claudia Bindo Gerente de Novos Negócios GfK 2013 1 Empresas de Ótica & Eyewear Pesquisa do Mercado Global feita para você TM Apresentação corporativa GfK 2013

Leia mais

Aviso n 004/2015-AMCM SUPERVISÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA - COMPOSIÇÃO DOS ACTIVOS CAUCIONADORES DAS PROVISÕES TÉCNICAS

Aviso n 004/2015-AMCM SUPERVISÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA - COMPOSIÇÃO DOS ACTIVOS CAUCIONADORES DAS PROVISÕES TÉCNICAS Aviso n 004/2015-AMCM ASSUNTO: SUPERVISÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA - COMPOSIÇÃO DOS ACTIVOS CAUCIONADORES DAS PROVISÕES TÉCNICAS 1. O n 1 do artigo 61 do Decreto-Lei n 27/97/M, de 30 de Junho, dispõe que

Leia mais

Bolsas de Valores. (Nivel II) (Nivel I) NYSE MKT (American Stock Exchange) 1,5 23 USD Apenas nível I

Bolsas de Valores. (Nivel II) (Nivel I) NYSE MKT (American Stock Exchange) 1,5 23 USD Apenas nível I Espanha Spanish Equities 4,5 23 14,5 47 EUR New York Stock Exchange 1,5 45 25 60 USD NASDAQ 1,5 23 15 76 USD Deverá estar subscrito ao nível I New York Stock Exchange (ARCA) 1,5 23 10 40 USD NYSE MKT (American

Leia mais

ED 2068/09. 16 junho 2009 Original: inglês. Obstáculos ao consumo

ED 2068/09. 16 junho 2009 Original: inglês. Obstáculos ao consumo ED 2068/09 16 junho 2009 Original: inglês P Obstáculos ao consumo 1. Cumprimentando os Membros, o Diretor-Executivo recorda-lhes que, de acordo com o Artigo 33 do Convênio Internacional do Café de 2001

Leia mais

ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras

ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras Existem muitas empresas e investimentos espanhóis no Brasil. É a hora de ter investimentos brasileiros na Espanha Presidente Lula da Silva,

Leia mais

Bolsas de Valores. (Nível I) (Nível II) Deutsche Börse (Indices & ETFs) 1 5,5 EUR Apenas nível I. New York Stock Exchange 1 50 USD Apenas nível I

Bolsas de Valores. (Nível I) (Nível II) Deutsche Börse (Indices & ETFs) 1 5,5 EUR Apenas nível I. New York Stock Exchange 1 50 USD Apenas nível I Espanha BME Spanish Exchanges 4,5 23 14,5 47 EUR Deutsche Börse (XETRA) 15 56 20 68 EUR Deutsche Börse (XETRA Stars) 15 56 20 68 EUR Deutsche Börse (Indices & ETFs) 1 5,5 EUR Apenas nível I Deutsche Borse

Leia mais

Global leader in hospitality consulting. Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2014 BRASIL

Global leader in hospitality consulting. Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2014 BRASIL Global leader in hospitality consulting Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2014 BRASIL % DE RESPOSTAS POR REGIÃO INTRODUÇÃO Américas 19% Ásia 31% A pesquisa global de opinião sobre o mercado

Leia mais

A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos

A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos Realidade Operacional e Gerencial do Poder Judiciário de Mato Grosso Na estrutura organizacional, existe a COPLAN que apoia administrativamente e oferece

Leia mais

Regiões e Blocos Multinacionais de Mercado

Regiões e Blocos Multinacionais de Mercado Regiões e Blocos Multinacionais de Mercado Cateora e Graham, 2006, Cap. 10 Prof.ª. Fernanda Ilhéu McGraw-Hill/Irwin 2005 The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved. Regiões e Blocos Multinacionais

Leia mais

Global leader in hospitality consulting. Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2015 BRASIL

Global leader in hospitality consulting. Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2015 BRASIL Global leader in hospitality consulting Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2015 BRASIL INTRODUÇÃO Europe 43% % DE RESPOSTAS POR REGIÃO Americas 9% Asia 48% A pesquisa global de opinião sobre

Leia mais

Global leader in hospitality consulting. Global Hotel Market Sentiment Survey 2 Semestre 2013 BRASIL

Global leader in hospitality consulting. Global Hotel Market Sentiment Survey 2 Semestre 2013 BRASIL Global leader in hospitality consulting Global Hotel Market Sentiment Survey 2 Semestre 2013 BRASIL 50 40 30 20 10 0-10 -20-30 -40-50 Fev 2009 Jul 2009 SENTIMENT NÍVEL GLOBAL Jan 2010 % DE RESPOSTAS POR

Leia mais

Conversores de frequência componentes ABB ACS150, 0,37 a 4 kw / 0,5 a 5 hp

Conversores de frequência componentes ABB ACS150, 0,37 a 4 kw / 0,5 a 5 hp Conversores de frequência componentes ABB ACS150, 0,7 a 4 kw / 0,5 a 5 hp Catálogo técnico PERFIL INDUSTRIAS PRODUTOS APLICAÇÕES EXPERIÊNCIA PARCEIROS SERVIÇOS Conversores de frequência componentes ABB

Leia mais

CREBi Media Kit. Site CREBI Conforme relatórios de visitas emtidos em dezembro de 2008, temos os seguintes dados médios:

CREBi Media Kit. Site CREBI Conforme relatórios de visitas emtidos em dezembro de 2008, temos os seguintes dados médios: CREBi Media Kit Atualmente, somos a mais representativa mídia eletrônica do setor de jóias e afins e também já superamos em muito as maiores médias de outras categorias de mídia. O CREBi oferece três canais

Leia mais

Longevidade e Impactos na Previdência Social Desenvolvimentos Recentes

Longevidade e Impactos na Previdência Social Desenvolvimentos Recentes Longevidade e Impactos na Previdência Social Desenvolvimentos Recentes Seminário Valor Econômico: O Futuro do Mercado de Previdência, Seguros e Resseguros Rio de Janeiro, 28 de maio de 2014 Por: Helmut

Leia mais

Artemis7. Portfolio and Project Management Solutions. Better decisions. Better results

Artemis7. Portfolio and Project Management Solutions. Better decisions. Better results Artemis7 Portfolio and Project Management Solutions Better decisions. Better results ESCRITÓÓÓORIO BRASIL Av. Dr. Guilherme Dumont Villares, 1410 6o. andar - Morumbi - 05640-003 55 11 3773-9009 REGIONAL

Leia mais

Human Capital: Education and Health in economic development.

Human Capital: Education and Health in economic development. Human Capital: Education and Health in economic development. Referências Básicas: Economic Development, Todaro & Smith, Capítulo 8 e Human Development Report 2011. Vítor Wilher www.vitorwilher.com Pontos

Leia mais

2012: Desenvolvimento Inclusivo Sustentável? Marcelo Neri -Ipea

2012: Desenvolvimento Inclusivo Sustentável? Marcelo Neri -Ipea 2012: Desenvolvimento Inclusivo Sustentável? Marcelo Neri -Ipea Evolução segundo a ótica do Relatório Stiglitz-Sen: http://www.stiglitz-sen-fitoussi.fr/documents/rapport_anglais.pdf Recomendações Enfatizarrenda

Leia mais

Protocolo Facultativo para Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis

Protocolo Facultativo para Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Protocolo Facultativo para Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Os Estados Partes no presente Protocolo, Considerando que, para melhor

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES Eduardo Augusto Guimarães Maio 2012 Competitividade Brasil 2010: Comparação com Países Selecionados. Uma chamada para a ação África

Leia mais

Exportar para Crescer. Novos Caminhos para o Mercado Externo

Exportar para Crescer. Novos Caminhos para o Mercado Externo Exportar para Crescer Novos Caminhos para o Mercado Externo Panorama Coface 30 06 2011 Denise Cortez Grupo Coface Visão Global Empresa de Origem francesa especializada no Gerenciamento de Risco de Crédito:

Leia mais

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL Súmula dos dados provisórios do Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional, IPCTN, 2007 I DESPESA 1. Despesa em I&D nacional total

Leia mais

CIESP SOROCABA Riscos Comerciais e Políticos e Seguro de Crédito à Exportação. Denise Cortez Executiva de Negocios

CIESP SOROCABA Riscos Comerciais e Políticos e Seguro de Crédito à Exportação. Denise Cortez Executiva de Negocios CIESP SOROCABA Riscos Comerciais e Políticos e Seguro de Crédito à Exportação 26 04 2012 Denise Cortez Executiva de Negocios Panorama Mundial Desta vez, a crise é realmente diferente Crescimento mundial

Leia mais

Proposta para Prestação de Serviços de Consultoria Valuation Services. Janeiro de 2013

Proposta para Prestação de Serviços de Consultoria Valuation Services. Janeiro de 2013 Proposta para Prestação de Serviços de Consultoria Valuation Services Janeiro de 2013 Deloitte Touche Tohmatsu Consultores Ltda. Rua Alexandre Dumas, 1.981 São Paulo - SP - 04717906 Brasil Tel: + 55 (11)

Leia mais

A mortalidade no Brasil no período 1980 2004: desafios e oportunidades para os próximos anos *

A mortalidade no Brasil no período 1980 2004: desafios e oportunidades para os próximos anos * Diretoria de Pesquisas DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais COPIS A mortalidade no Brasil no período 1980 2004: desafios e oportunidades para os próximos anos * Juarez de Castro Oliveira

Leia mais

A Nova Classe Média: O Seguro e o Lado Brilhante da Base da Pirâmide. Marcelo Neri mcneri@fgv.br

A Nova Classe Média: O Seguro e o Lado Brilhante da Base da Pirâmide. Marcelo Neri mcneri@fgv.br A Nova Classe Média: O Seguro e o Lado Brilhante da Base da Pirâmide Marcelo Neri mcneri@fgv.br Percentil de da Distribuição Mundial de Renda Comparando Distribuições de Renda Países Selecionados e o Mundo

Leia mais

PESQUISA GLOBAL Job:11521

PESQUISA GLOBAL Job:11521 PESQUISA GLOBAL Job:11521 1 2 GLOBAL BAROMETER ON NUCLEAR ENERGY After Japan Earthquake Global WIN Survey Amostra global de 34,122 respondentes Homens e mulheres de todas as classes sociais Entrevistas

Leia mais

GLOBAL GROUND TRANSPORTATION. Conheça-nos

GLOBAL GROUND TRANSPORTATION. Conheça-nos GLOBAL GROUND TRANSPORTATION Conheça-nos O que é DotTransfers? DotTransfers é uma plataforma inovadora que permite planejar, recrutar e gerenciar todos os serviços de terra ao redor do mundo, com alguns

Leia mais

Políticas para Inovação no Brasil

Políticas para Inovação no Brasil Políticas para Inovação no Brasil Naercio Menezes Filho Centro de Políticas Públicas do Insper Baixa Produtividade do trabalho no Brazil Relative Labor Productivity (GDP per Worker) - 2010 USA France UK

Leia mais

BRASIL. 2º Trimestre 2015 Escritórios Corporativos Classe A e A+ Economia & Mercado

BRASIL. 2º Trimestre 2015 Escritórios Corporativos Classe A e A+ Economia & Mercado Evolução do Emprego Formal (%) Taxa de Vacância (%) 2º Trimestre 215 Economia & Mercado O aumento da desaprovação do governo pelos eleitores e a crise política continuam afetando a confiança dos empresários

Leia mais

Investimentos Públicos no Brasil: desafios e oportunidades para a melhoria do gasto público

Investimentos Públicos no Brasil: desafios e oportunidades para a melhoria do gasto público Investimentos Públicos no Brasil: desafios e oportunidades para a melhoria do gasto público Fórum de Superintendentes de Planejamento, Gestão e Finanças Belo Horizonte, 27 de março de 2012 Tarsila Velloso

Leia mais

BARRAS DYWIDAG GRP Enfilagem, Pregamento e Tirantes em Fibra de Vidro

BARRAS DYWIDAG GRP Enfilagem, Pregamento e Tirantes em Fibra de Vidro BARRAS DYWIDAG GRP Enfilagem, Pregamento e Tirantes em Fibra de Vidro 2 Conteúdo Introdução... 3 Campos de Aplicação... 4 Principais Vantagens... 4 Descrição do Sistema... 4 Componentes do Sistema... 4

Leia mais

76% das empresas portuguesas prevê novas contratações em 2016

76% das empresas portuguesas prevê novas contratações em 2016 76% das empresas portuguesas prevê novas contratações em 2016 LISBOA (17 Dezembro, 2015) O Estudo Workforce+Pay 2016 lançado pela Korn Ferry (NYSE:KFY), a consultora global na gestão organizacional e de

Leia mais

e-freight Apresentação Sindicomis IATA 13 de Junho de 2011

e-freight Apresentação Sindicomis IATA 13 de Junho de 2011 e-freight Apresentação Sindicomis IATA 13 de Junho de 2011 Agenda Sobre a IATA O que é e-freight Mensagens Padronizadas Requerimentos básicos para a Aduana Conhecimento Aéreo Eletrônico (e-awb) 2 IATA

Leia mais

www.dalecarnegie.com. Programa de Treinamentos De Alta Performance

www.dalecarnegie.com. Programa de Treinamentos De Alta Performance www.dalecarnegie.com. Programa de Treinamentos De Alta Performance Copyright 2007 Dale Carnegie & Associates, Inc. 290 Motor Parkway Hauppauge, New York 11788 All rights reserved. Tabela de Conteúdos 1.

Leia mais

SISTEMAS DYWIDAG ST 85/105

SISTEMAS DYWIDAG ST 85/105 Sistemas DYWIDAG SISTEMAS DYWIDAG ST 85/105 As barras e componentes DYWIDAG excedem os limites requeridos pelas normas brasileiras. Sua rosca robusta proporciona máxima aderência aço/concreto, única no

Leia mais

Associação KNX Portugal

Associação KNX Portugal Associação KNX Portugal Organização KNX e rede de parceiros KNX Association International Page No. 3 Associações Nacionais: Membros Membros KNX Nacionais: Fabricantes: Empresas fabricantes ou representantes

Leia mais

Preçário de Produtos Financeiros Entrada em vigor: 06 de Novembro de 2014

Preçário de Produtos Financeiros Entrada em vigor: 06 de Novembro de 2014 Entrada em vigor: 06 de Novembro de 2014 Banco L. J. Carregosa, S.A. Preçário Produtos Financeiros - Pág. 1/28 Índice 1. Canal de Negócio - GoBulling 1.1 Preçário de Clientes Internet 1.2 Preçário Especial

Leia mais

Revitalização da Indústria Fonográfica no Brasil

Revitalização da Indústria Fonográfica no Brasil Revitalização da Indústria Fonográfica no Brasil Impacto Positivo de uma Redução de Tributos para Empresas e Consumidores Rio de Janeiro, 27 de maio de 2009 Em 2008, o mercado brasileiro de CDs e DVDs

Leia mais

PROJETO SERIALIZAÇÃO. Projeto Serialização DHL

PROJETO SERIALIZAÇÃO. Projeto Serialização DHL PROJETO SERIALIZAÇÃO Projeto Serialização DHL 1 Serialização SETRM 2015 DEUTSCHE POST DHL DHL Supply Chain é parte do Grupo Deutsche Post com presença global e extensivo portifólio em serviços Logísticos

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO (Impresso L) A informação deve reportar-se ao último dia do ano e ser comunicada por:

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO (Impresso L) A informação deve reportar-se ao último dia do ano e ser comunicada por: Anexo à Instrução nº 17/98 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO (Impresso L) A informação deve reportar-se ao último dia do ano e ser comunicada por: a) investidores (excepto nos casos em que essa responsabilidade

Leia mais

ANEXO VII POLÍTICA DE EXECUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ORDENS

ANEXO VII POLÍTICA DE EXECUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ORDENS ANEXO VII POLÍTICA DE EXECUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ORDENS O presente documento constitui a política de execução e transmissão de ordens da Caixa Económica Montepio Geral (doravante designada por CEMG), refletindo

Leia mais

CISCO ETHERNET PARA A FÁBRICA

CISCO ETHERNET PARA A FÁBRICA OVERVIEW CISCO ETHERNET PARA A FÁBRICA A solução Ethernet para a Fábrica (EttF) da Cisco é um componente da visão Rede Inteligente para Manufatura (INM) da Cisco. Ela elimina a distância entre o escritório

Leia mais

Original page: VISTO E1 (comerciantes do tratado) e E2 (investidores do tratado)

Original page: VISTO E1 (comerciantes do tratado) e E2 (investidores do tratado) PDF Acrobat www.drmoises.com 1 Original page: VISTO E1 (comerciantes do tratado) e E2 (investidores do tratado) Os comerciantes do tratado são Vistos E-1, investidores do tratado são Vistos E-2. Estes

Leia mais

MONTEPIO TRADER. Swiss Exchange - Blue Chip (VX) 0,10% (mínimo: 18 CHF) 0,11% (mínimo: 20 CHF)

MONTEPIO TRADER. Swiss Exchange - Blue Chip (VX) 0,10% (mínimo: 18 CHF) 0,11% (mínimo: 20 CHF) 1 CFDs MARKET MAKING MERCADO Budapest Stock Exchange (BUX) 0,25% (mínimo: 7000 HUF) 0,28% (mínimo: 7700 HUF) Euronext Amsterdam (AMS) 0,10% (mínimo: 12 EUR) 0,11% (mínimo: 1 EUR) Euronext Brussels (BRU)

Leia mais

Indicadores Ambientais

Indicadores Ambientais Indicadores Ambientais De que forma a empresa analisa seus indicadores de desempenho ambiental e desenvolve ações de produção mais limpa nos processos produtivos Valéria Soares Amorim Pereira Gerente de

Leia mais

useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior

useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior Headquarters: Rua Senhor da Paciência, 39 6200-158 Covilhã Portugal Telephone: +351 275 319 530 Fax: +351 275

Leia mais

Teléfonos para casos de emergencia en São Paulo

Teléfonos para casos de emergencia en São Paulo Teléfonos para casos de emergencia en São Paulo Números para emergencias Policía: Marcar 190 Urgencias médicas (ambulancia): Marcar 192 *Indicar si desea que lo transporten a un hospital privado. Bomberos:

Leia mais

BRASIL. 2º Semestre 2014 Escritórios Corporativos. Economia & Mercado. Oferta e Demanda. Tendências de Mercado

BRASIL. 2º Semestre 2014 Escritórios Corporativos. Economia & Mercado. Oferta e Demanda. Tendências de Mercado . m² Variação do preço pedido (%) 2º Semestre 214 Economia & Mercado Depois da definição das eleições no segundo semestre de 214, a redução das expectativas do mercado com relação ao resultado do crescimento

Leia mais

FEDERAÇÃO MUNDIAL DE BOLSAS TRADUÇÃO: BOVESPA

FEDERAÇÃO MUNDIAL DE BOLSAS TRADUÇÃO: BOVESPA FEDERAÇÃO MUNDIAL DE BOLSAS TRADUÇÃO: BOVESPA No Coração da Economia Mundial Durante toda a última década, as bolsas de valores mobiliários passaram a desempenhar um novo papel de grande importância no

Leia mais

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos.

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

Serviços de Credit Management. Câmara de Comércio e Indústria Luso-Brasileira 21 de Janeiro de 2014 - Corinthia Hotel Lisbon -

Serviços de Credit Management. Câmara de Comércio e Indústria Luso-Brasileira 21 de Janeiro de 2014 - Corinthia Hotel Lisbon - Serviços de Credit Management Câmara de Comércio e Indústria Luso-Brasileira 21 de Janeiro de 2014 - Corinthia Hotel Lisbon - O Export Pack é o primeiro conceito em Portugal a agregar numa única solução

Leia mais

Índice de Desenvolvimento Humano e Pegada Ecológica: Uma proposta de integração

Índice de Desenvolvimento Humano e Pegada Ecológica: Uma proposta de integração Índice de Desenvolvimento Humano e Pegada Ecológica: Uma proposta de integração Wagner Faria de Oliveira 1 Resumo: O presente trabalho tenta responder a uma demanda dentro da literatura sobre indicadores

Leia mais

Instrução da CMVM n.º 12/2002 Deveres de Informação dos Emitentes à CMVM

Instrução da CMVM n.º 12/2002 Deveres de Informação dos Emitentes à CMVM Instrução da CMVM n.º 12/2002 Deveres de Informação dos Emitentes à CMVM Os emitentes de valores mobiliários admitidos à negociação em bolsa estão sujeitos ao cumprimento de um conjunto de deveres de informação

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, UNIVERSIDADE DO PORTO - ANO LECTIVO 2010/2011 1G203: ECONOMIA INTERNACIONAL

FACULDADE DE ECONOMIA, UNIVERSIDADE DO PORTO - ANO LECTIVO 2010/2011 1G203: ECONOMIA INTERNACIONAL FACULDADE DE ECONOMIA, UNIVERSIDADE DO PORTO - ANO LECTIVO 2010/2011 1 1G203: ECONOMIA INTERNACIONAL 1.2 -A evolução da economia mundial: globalização dos mercados e globalização da produção comércio internacional

Leia mais

Tendências Econômicas e seu Impacto na Área Educacional

Tendências Econômicas e seu Impacto na Área Educacional Tendências Econômicas e seu Impacto na Área Educacional Antonio Delfim Netto 25/03/2009 São Paulo, SP I. A Economia de Mercado A. O que ela produziu 1. Melhoria nas condições de vida 2. Tecnologia e crescimento

Leia mais

PROPRIEDADE INDUSTRIAL

PROPRIEDADE INDUSTRIAL Dia da Propriedade Industrial PROPRIEDADE INDUSTRIAL DIREITOS TECNOLÓGICOS Vanessa Fatal Examinadora Patentes Universidade de Évora 12.10.2010 AGENDA I.Propriedade Industrial II.Inven Invenções III.Crit

Leia mais

Soluções Completas de Suspensão

Soluções Completas de Suspensão Soluções Completas Aplicações em Veículos Com mais 20 anos experiencia na indústria automóvel, a Drive-Rite tornou-se lír em fornecimento soluções suspensão pneumática. O centro produção da Drive-Rite

Leia mais

MVNO Operadoras Virtuais no Brasil. Conhecendo o usuário brasileiro. Valter Wolf 18 de Novembro de 2010

MVNO Operadoras Virtuais no Brasil. Conhecendo o usuário brasileiro. Valter Wolf 18 de Novembro de 2010 MVNO Operadoras Virtuais no Brasil Conhecendo o usuário brasileiro Valter Wolf 18 de Novembro de 2010 O estudo A&R contempla 17 países com mais de 20 mil entrevistas, agrupadas em 3 categorias: Mature,

Leia mais

ANEXO A COMPOSIÇÃO DISCRIMINADA DA CARTEIRA DE APLICAÇÕES

ANEXO A COMPOSIÇÃO DISCRIMINADA DA CARTEIRA DE APLICAÇÕES ANEXO A COMPOSIÇÃO DISCRIMINADA DA CARTEIRA DE APLICAÇÕES RUBRICA DE 1.º NÍVEL: É preenchido com as constantes A, B, C ou D consoante a informação respeite, respectivamente, à carteira de activos, ao valor

Leia mais

Fresas Interpoladoras de Rosca em Metal Duro

Fresas Interpoladoras de Rosca em Metal Duro Fresas Interpoladoras de Rosca em Metal Duro Introdução O programa de fresas de metal duro para interpolar rosca da Dormer é abrangente e as ferramentas são de alta performance oferecendo ao usuário uma

Leia mais

O Mercado de Capitais em Angola

O Mercado de Capitais em Angola O Mercado de Capitais em Angola Introdução e desenvolvimentos 16 de Julho de 2015 Objectivos Objectivos Gerais Transmitir aos colaboradores da TPA as ferramentas básicas para compreender e analisar os

Leia mais

Produto HP Duração da garantia limitada Software 90 dias Cartuchos de impressão Até que a tinta HP acabe ou até a data do fim da garantia impressa no cartucho, o que ocorrer primeiro. Esta garantia não

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE ÁGUA MINERAL NA GRÉCIA

INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE ÁGUA MINERAL NA GRÉCIA INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE ÁGUA MINERAL NA GRÉCIA Embaixada do Brasil em Atenas Setor Comercial secomgre@embratenas.gr Tel: 30 210 72 444 34 Fax: 30 210 724 47 31 http://atenas.itamaraty.gov.br MAR

Leia mais

Bra Top: BT 3331 Color: 160 Short: SH 4069 Color: 160

Bra Top: BT 3331 Color: 160 Short: SH 4069 Color: 160 Rio Collection 1 2 3 4 Bra Top: BT 3331 Color: 160 Short: SH 4069 Color: 160 5 6 Tank Top: TT 4286 Color: 477 Bra Top: BT 3331 Color: 160 Legging: LE 4069 Color: 160 Rio Collection Bra Top: BT 3331 Color:

Leia mais

Empreender em Portugal: Rumo a um Empreendedorismo Sustentado

Empreender em Portugal: Rumo a um Empreendedorismo Sustentado Empreender em Portugal: Rumo a um Empreendedorismo Sustentado Patrícia Jardim da Palma Professora Universitária no ISCSP Coordenadora do Hélios Directora do INTEC ppalma@iscsp.utl.pt Agenda O empreendedorismo

Leia mais

Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação

Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação André Portela Souza EESP/FGV Rio de Janeiro 13 de maio de 2011 Estrutura da Apresentação 1. Porque Educação? Educação e Crescimento 2. Educação

Leia mais

FISIPE a via Europeia para entrar no negócio da Fibra de Carbono. Março 2012 Instituto de Defesa Nacional 1

FISIPE a via Europeia para entrar no negócio da Fibra de Carbono. Março 2012 Instituto de Defesa Nacional 1 FISIPE a via Europeia para entrar no negócio da Fibra de Carbono Março 2012 Instituto de Defesa Nacional 1 Fibra de Carbono um negócio com fortes barreiras à entrada Precursor Custos de Operação Tecnologia

Leia mais

Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a

Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a Mobilidade de indivíduos para aprendizagem (KA1) Mobilidade de staff, em particular de pessoal

Leia mais

JOVENS, EDUCAÇÃO, TRABALHO E O ÍNDICE DE FELICIDADE FUTURA

JOVENS, EDUCAÇÃO, TRABALHO E O ÍNDICE DE FELICIDADE FUTURA JOVENS, EDUCAÇÃO, TRABALHO E O ÍNDICE DE FELICIDADE FUTURA Coordenação: Marcelo Cortes Neri 02 de Setembro de 2008 Os artigos publicados são de inteira responsabilidade de seus autores. As opiniões neles

Leia mais

Serviços de telefonia. condições de prestação

Serviços de telefonia. condições de prestação Serviços de telefonia móvel: preços e condições de prestação Audiência pública na Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal Ercio Alberto Zilli Presidente Executivo

Leia mais

Projeto GeoCONVIAS abril 2009

Projeto GeoCONVIAS abril 2009 Projeto GeoCONVIAS abril 2009 Logica 2008. All rights reserved Agenda 1 2 3 4 5 6 7 8 Instituições Participantes Objetivo do Projeto Fluxo de Trabalho de CONVIAS Benefícios Escopo do Projeto Arquitetura

Leia mais

Os desafios legais da globalização estratégica

Os desafios legais da globalização estratégica Os desafios legais da globalização estratégica 08/10/2015 Pamela Helena Borges Global Mobility Services Agenda 1) Residência Fiscal sob ótica da IN SRF208/2002 e acordos internacionais 2) Obrigações fiscais

Leia mais

Mercado das Sombras. Estudo Global de Pirataria de Software BSA 2011. Publicado em maio de 2012

Mercado das Sombras. Estudo Global de Pirataria de Software BSA 2011. Publicado em maio de 2012 Mercado das Sombras Estudo Global de Pirataria de Software BSA 2011 Publicado em maio de 2012 Conteúdo Resumo Executivo...1 Tendências Globais...2 Hábitos de Piratas Autodeclarados...2 Economias Emergentes

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro

INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro ASSUNTO: CLASSIFICAÇÃO DE PAÍSES, BANCOS MULTILATERAIS DE DESENVOLVIMENTO E ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS Havendo necessidade de se estabelecerem critérios de classificação

Leia mais

www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC

www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC Participamos do processo de escolha da Entidade Aferidora

Leia mais

Manual de Procedimentos para o Reporte de Estatísticas de Títulos Instrução 31/2005

Manual de Procedimentos para o Reporte de Estatísticas de Títulos Instrução 31/2005 Manual de Procedimentos para o Reporte de Estatísticas de Títulos Instrução 31/2005 ÍNDICE 1. Regras gerais de preenchimento dos registos... 3 2. Descrição dos ficheiros... 3 3. Estrutura dos registos...

Leia mais

Cirurgia Robótica. Enfermeiro Rodrigo Pinheiro Clinical Sales Manager

Cirurgia Robótica. Enfermeiro Rodrigo Pinheiro Clinical Sales Manager Cirurgia Robótica Enfermeiro Rodrigo Pinheiro Clinical Sales Manager Décadas de mudanças na formação cirúrgica 1950 1960 1970 1980 1990 2000 Anfiteatros Cirúrgicos Cirurgia Experimental Indústria de pesquisa

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil País Afeganistão África do Sul Albânia Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Austrália

Leia mais

Necessidade de visto para. Não

Necessidade de visto para. Não País Necessidade de visto para Turismo Negócios Afeganistão África do Sul Albânia, Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia. Argentina Ingresso permitido com Cédula de Identidade

Leia mais

Notas: Este tarifário é taxado de 30 em 30 segundos após o primeiro minuto. Após os 1500 SMS's tmn-tmn grátis ou após os 250 SMS s para outras redes,

Notas: Este tarifário é taxado de 30 em 30 segundos após o primeiro minuto. Após os 1500 SMS's tmn-tmn grátis ou após os 250 SMS s para outras redes, Notas: Este tarifário é taxado de 30 em 30 segundos após o primeiro minuto. Após os 1500 SMS's tmn-tmn grátis ou após os 250 SMS s para outras redes, passa a pagar 0,080. Notas: Este tarifário é taxado

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008 Certificação de Sistemas de Gestão ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008 Sumário 1. Certificação de Sistemas de Gestão Qualidade (ISO 9001:2000); 2. Certificação de Sistemas de Gestão Ambiental (ISO 14001:2004);

Leia mais

DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES DUAL 5%+ÁFRICA FEVEREIRO 2011 NOTES PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES DUAL 5%+ÁFRICA FEVEREIRO 2011 NOTES PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Advertências ao investidor: Remuneração não garantida DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES DUAL 5%+ÁFRICA FEVEREIRO 2011 NOTES PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Impossibilidade de solicitação de reembolso antecipado

Leia mais

PROSPECTO DO OIC/FUNDO. BPI REESTRUTURAÇÕES Fundo de Investimento Aberto de Acções

PROSPECTO DO OIC/FUNDO. BPI REESTRUTURAÇÕES Fundo de Investimento Aberto de Acções PROSPECTO DO OIC/FUNDO OIC ABERTO BPI REESTRUTURAÇÕES Fundo de Investimento Aberto de Acções Fundo Harmonizado 3 de Março de 2015 1/22 A autorização do OIC pela CMVM baseia-se em critérios de legalidade,

Leia mais