ESTILOS DE LIDERANÇA E INFLUÊNCIA EXERCIDA NOS LIDERADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTILOS DE LIDERANÇA E INFLUÊNCIA EXERCIDA NOS LIDERADOS"

Transcrição

1 ESTILOS DE LIDERANÇA E INFLUÊNCIA EXERCIDA NOS LIDERADOS DAMAZZINI, Josiane Trindade FACIAP/UNIPAN FERREIRA, Josiane Peres FACIAP/UNIPAN e PUCRS Resumo O estudo parte do princípio de que a liderança é fundamental para o desenvolvimento dos diversos tipos de grupos e que existem vários estilos de liderança como a autocrática, a permissiva e a democrática. Cada um desses estilos exerce influências diferenciadas nos integrantes do grupo e devem ser utilizados dependendo da situação encontrada. Verificar os estilos de liderança existentes entre lideres escolares, empresariais e religiosos é o propósito deste artigo que baseia-se em Minicucci e Lück para compreender os estilos de liderança e em quais situações devem ser utilizados. Uma pesquisa exploratória de abordagem qualitativa e quantitativa foi realizada com seis líderes de áreas diversas, sendo utilizado como instrumento de pesquisa um questionário que aponta o estilo de liderança predominante em cada participante. Os resultados indicaram que cada líder apresentou um percentual correspondente a cada um dos estilos autocrático, permissivo e democrático embora havia a predominância de um deles. Uns apesar de serem autocráticos demonstraram alguma parcela de líder permissivo ou democrático, ocorrendo um processo semelhante naqueles que eram mais democráticos, mesmo tendo algum indicio de postura autoritária. Na análise dos resultados se compara os dados obtidos por Kurt Lewin num estudo realizado com crianças de 11 anos, onde ele mostra a reação dos alunos diante do estilo de liderança exercido pelo professor. As conclusões obtidas com a realização deste trabalho é de que os líderes escolares, empresariais e religiosos que foram pesquisados apresentaram predominância em um dos estilos de liderança, mas tinham possibilidade de serem flexíveis dependo do contexto, exercendo um estilo de liderança situacional. Palavras-chave: liderança autocrática, liderança democrática, liderança permissiva.

2 635 Se existe algo real em todos os grupos sociais é que sempre vai existir alguém que se destaca como líder, cujas decisões vão direcionar as ações coletivas. Nem sempre o resultado do trabalho do líder é positivo, já que está relacionado ao tipo de liderança predominante. Conhecer os estilos de liderança e a influência que exercem sobre os liderados é importante a todos aqueles que de alguma forma direciona as atividades de um grupo, como um professor numa sala de aula, por exemplo. O objetivo deste artigo é fazer um estudo sobre os principais tipos de liderança, enfatizando suas características e principais influências exercidas no grupo liderado. Para atender a esta finalidade, além da pesquisa bibliográfica fundamentada em autores como Minicucci (1995), Piletti (2001) e Lück (2002), foi realizada uma pesquisa de campo com líderes que atuam em áreas diversas, como: educativa, empresarial e religiosa. E para melhor compreender o assunto em questão, é importante refletir primeiramente sobre a definição de alguns termos relacionados que são freqüentemente utilizados neste trabalho, cuja fonte utilizada é o dicionário Aurélio XXI: LÍDER: 1. Indivíduo que chefia, comanda e/ou orienta, em qualquer tipo de ação, empresa ou linha de idéias. 2. guia, chefe ou condutor que representa um grupo, uma corrente de opinião, etc. LIDERANÇA: 1. função de líder. 2. capacidade de liderar; espírito de chefia. 3. forma de dominação baseada no prestígio pessoal e aceita pelos dirigidos. LIDERADO: 1. aquele que está sob a liderança de outrem, que obedece a um líder. Nestas definições observa-se que o líder deve ser o condutor, chefiando e orientando seu grupo nas atividades. É importante destacar que a maneira que este líder conduzirá o grupo é o que fará diferença. Para Haggai (1990), liderança é o esforço de exercer conscientemente uma influência especial dentro de um grupo no sentido de levá-lo a atingir metas de permanente benefício que atendam as necessidades reais do grupo. O verdadeiro líder exerce uma influência especial e essa influência não é forçada sobre os outros, causando medo. A força do verdadeiro líder, deriva da confiança que seus seguidores depositam nele, estando convencidos de que, com ele e por meio dele, podem alcançar os objetivos. Um dos aspectos mais importantes no exercício da liderança é o tipo de relação interpessoal estabelecida entre líder e liderado. A habilidade de se relacionar com pessoas individualmente e em grupo, é elemento chave da liderança e trarão resultados eficazes na execução de tarefas, administração de recursos materiais e financeiros, e eficiência para alcançar as metas. Para Hampton (1990), a liderança refere-se ao processo interpessoal de influência através do qual os

3 636 líderes comunicam com os subordinados sobre a realização do trabalho. As atividades dadas pelo líder devem incluir a articulação e exemplificação dos valores e estilos distintos da organização. Uma liderança eficiente, em constante interação, ajudará em seu sucesso pessoal e também de seus liderados, pois estes trabalharão com maior satisfação e obterão melhores resultados. De acordo com Maxwel (2002, p.71),... os verdadeiros líderes sentem um impulso interno para assumirem as suas posições. Eles sentem um senso de responsabilidade. O verdadeiro líder tem em si o desejo de fazer algo e este desejo faz que ele tenha o impulso de declarar algo, de apontar para alguma direção, conduzir um grupo a uma atividade e o grupo o segue por reconhecer sua liderança. Outra característica importante a quem assume o papel de líder diz respeito a visão. Para Haggai (1990), a visão é como uma missão do líder, e para se cumprir esta missão é necessário seguir alguns passos, que podemos chamar de metas. É fundamental que não somente o líder tenha visão e conheça suas metas, como seus seguidores, para que estes saibam onde seu líder os levará. As metas devem ser revistas continuamente, sendo avaliadas e analisadas, quanto à conclusão e medidas de correção. Se o líder tem visão clara, e nela se dedica totalmente, já deu o primeiro passo rumo à liderança eficaz. O que diferenciará o verdadeiro líder de outros, é o fato de ele possuir uma visão. Lück (2002, p.12), ao relacionar estas ideais aos líderes escolares, destaca que Diretores eficazes têm uma visão de suas escolas e têm noção clara de que seu papel é transformar esta visão em realidade. A visão é fundamental para todo e qualquer líder que queira ter sucesso, seja um diretor, professor, ou empresário, ela é a chave para a boa liderança. Mas, a visão em si não age sozinha, e para que o líder obtenha resultados naquilo que almeja, ele precisa de colaboradores enquadrados na visão, e estes seguirão o comando do líder. Para que isto ocorra da forma desejada, o líder terá que investir em comunicação. Para Haggai (1990), a comunicação não é tão simples, ela não é simples repetição de palavras, [...] a comunicação é o modo pelo qual o líder unifica e dirige o grupo (p.130). Este autor também destaca que o bom líder é comunicativo, ele expõe suas idéias e desejos. Nota-se que não importa onde este líder esteja inserido, a comunicação é fundamental, os membros e participantes do grupo querem saber o que seus líderes esperam deles, e desejam ter o resultado sobre seu desempenho, além de entender o papel que eles devem exercer ao fazer parte deste grupo e como podem contribuir para o atendimento às metas e objetivos estabelecidos. Um bom líder pode fornecer estas informações, mas isso requer tática específica e perfil adequado para a fluência da comunicação. Esta não se trata somente de saber usar as palavras corretamente e na hora certa. Um excelente

4 637 comunicador sabe ouvir e tem o senso de percepção altamente desenvolvido, ou seja, consegue entender as mensagens por trás dos gestos faciais e corporais. Além das características vistas acima, é importante entender que cada indivíduo tem sua maneira de liderar, e esta maneira individual do líder, traz para o grupo benefícios e malefícios que podem ser alterados conforme a pré-disposição do líder em aceitar as mudanças. Em um estudo pioneiro sobre liderança, Minicucci (1995) faz uma pesquisa verificando o impacto causado por diferentes estilos de liderança e os climas sociais resultantes. Para ele, existem três tipos básicos de liderança: autocrática, permissiva ou laissez-faire e a democrática. A liderança autocrática é caracterizada por líderes que decidem, e fixam as diretrizes sem qualquer participação do grupo, determina as providências para a execução das tarefas uma por vez, à medida que se tornam necessárias e de maneira imprevisível para o grupo. Também determina qual a tarefa que cada um deverá executar e qual o companheiro de trabalho. Quanto a sua participação nas atividades, é dominador e radical nos elogios e nas críticas ao trabalho de cada membro. Para Minicucci (1995) a liderança autocrática é vista geralmente em líderes militares, em industriais que falam em família empresarial. O comportamento do grupo liderado por ele, mostra-se com forte tensão, frustração e agressividade, com pouca espontaneidade, iniciativa, e formação de grupos de amizade. Aparentemente o grupo gosta das tarefas, não demonstrando satisfação com relação a situação o trabalho somente se desenvolve com a presença física do líder, quando este sai ou se ausenta, as atividades param e os grupos expandem seus sentimentos reprimidos, chegando a explosões de indisciplina e de agressividade. Mas esse tipo de liderança agrada a liderados inseguros, que não agem sem voz do comando, ou àquele indivíduo que durante sua infância nunca tomou decisões, sempre ficando a cargo dos pais. Lück (2002) chama esta liderança de diretiva, e acrescenta que há situações que é necessário este tipo de liderança para se atingir um objetivo. No caso da liderança escolar, é necessário aplicá-la quando o corpo docente é inexperiente, visto que esta liderança proporciona orientações e segurança ao grupo. Já a liderança permissiva ou laissez faire, se caracteriza pela total liberdade dos liderado para a tomada de decisões grupais ou individuais. A participação deste líder é mínima, apresentando apenas alternativas variadas ao grupo, esclarecendo que poderia fornecer informações desde que solicitada. A divisão de tarefas e escolha dos colegas fica totalmente por conta do grupo, há falta absoluta da participação do líder. Ele não faz nenhuma tentativa de avaliar ou regular o curso das coisas. Somente faz comentários irregulares sobre as atividades, quando perguntado. Para Minicucci (1995), esta liderança produz resultados insatisfatórios, pois o grupo não promove socialização, e

5 638 suas decisões tornam-se individualistas. As atividades de grupos desta liderança tornam-se medíocre. As tarefas se desenvolvem ao acaso, com muita suscitações, perdendo-se muito tempo com discussões mais voltadas para motivos pessoais do que relacionadas com o trabalho em si. Na liderança democrática as diretrizes são debatidas e decidias pelo líder. O próprio grupo esboça as providências e técnicas para atingir o alvo, com aconselhamento técnico do líder, quando necessário. As tarefas ganham novas perspectivas com os debates. A divisão de tarefas fica a critério do próprio grupo e cada membro tem a liberdade de escolher seus colegas de trabalho. O líder procura ser um membro do grupo, sem encarregar-se muito das tarefas. É objetivo e limita-se aos fatos em seus elogios e críticas. É atuante, consultivo e orientador, em seus liderados há formação de grupos de amizade e de relacionamentos cordiais. Líder e liderados desenvolvem comunicações espontâneas, francas e cordiais. Nas atividades, o trabalho mostra um ritmo suave e seguro, sem alterações, mesmo quando o líder se ausenta. Há responsabilidade e comprometimento pessoal, além de integração grupal, dentro de um clima de satisfação. Lück (2002) afirma que o final do século XX foi marcado pelo surgimento de uma nova estrutura organizacional, sendo elas mais democráticas, criativas e produtivas, e isto ocorre em todos os meios, sejam eles, empresarial ou escolar. Mas, temos que analisar que nem sempre a liderança democrática obterá sucesso, pois existem pessoas diversificadas em cada grupo. Minicucci (1995) também acrescenta a liderança paternalista, que pode ser incluída como um tipo de liderança autocrática. Esta muito comum em governos, empresas e religiões. Este tipo de líder é amável, paternal, cordial, mas na verdade é um autocrático bom, pois cuida de seus liderados como filhos, mas na tomada de decisão a toma pelo grupo, pois pensa que outros não saberão conduzir ou decidir com tanta eficiência e dedicação como ele. É respeitado pelo grupo, por o considerarem sábio. Observando estes tipos de liderança, percebe-se que todos podem contribuir para seus meio, o importante é conhecer os liderados e se adaptar à realidade existente. Minicucci (1995) ressalta que um bom líder tem habilidade de mudar a cada situação quando necessário, é preciso ter variedade de comportamentos para se adaptar e adequar a cada situação. É preciso saber ser autocrático, democrático ou permissivo de acordo com a situação é preciso conhecer o subordinado para poder utilizar a liderança compreensivelmente. Nem todas as pessoas expressam o mesmo tipo de comportamento e a cada tipo de comportamento ou situação concomitantemente se exercerá determinado tipo de liderança. (MINICUCCI, 1995, p. 298)

6 639 Seja qual for a forma de liderança que o líder desenvolva, ele sempre deve estar certo que seu dever é envolver os liderados e conduzi-los ao cumprimento da tarefa. O dever primordial do líder é o cumprimento da tarefa que lhe foi atribuída. Lück confirma esta análise, destacando que um líder eficaz pode em diferentes momentos e circunstâncias, usar diferentes estilos de liderança. O que deve ser evidente é que a seleção do estilo adequado depende da natureza do problema, da situação, como também dos indivíduos. (LÜCK, 2002, p.54). Lembrando que as condições do grupo não são fixas, variando de momento em momento. Quanto a liderança no âmbito escolar, neste caso entendida como a função exercida pelo diretor, Lück (2002) destaca que acima de tudo o diretor deve unificar o grupo, compartilhando as metas e propósitos da escola. O sucesso da escola depende de líderes com compromisso, tendo características que incluam comunicação aberta com o grupo de professores, pais, funcionários e alunos. Para melhor entender os tipos de liderança e a influência que estes estilos exercem nos relacionamentos com os liderados, foi desenvolvida uma pesquisa de campo com seis líderes das áreas empresarial, religiosa e escolar. Foram entregues aos participantes um Teste de Liderança proposto por Minicucci (1995, p.312). O teste era composto de dez questões com três opções de respostas, onde o líder devia assinalar a alternativa que mais se identificava, revelando suas atitudes frente ao grupo. O resultado foi obtido na somatória de respostas, àquela com maior freqüência determinava o tipo de liderança. Neste teste foi acrescida uma questão aberta com o intuito de verificar a visão dos líderes quanto a seus grupos de liderados. Tais instrumentos tiveram como objetivo metodológico explorar o tema, sendo entregue em mãos aos seis líderes que tiveram um prazo de cinco dias para preencherem. A escolha destes líderes foi por afinidade e por estarem atuando em organizações diferentes, sendo eles: um líder religioso; um diretor técnico de unidade de transmissão de energia; um empresário; uma secretária de educação e cultura de uma instituição religiosa; uma diretora de escola municipal; uma professora de escola particular. Nos resultados obtidos através do questionário, observou-se que: O líder A (líder religioso), tem 40% de sua liderança liberal, 40% democrática e 20% autocrática. Este líder destacou que seu grupo é um grupo muito obediente, unido, cumpre suas tarefas, tem muito respeito a minha liderança. Com características elevadas em permissiva e democrática, este líder de acordo com minicucci (1995) não gosta de ser coagido e nem de ver os outros sofrerem coações. Para este tipo de liderança, os debates, reuniões de grupo, o consenso geral, são métodos dignos de elogios. Seus liderados costumam trabalhar sozinhos, uma vez conhecendo a tarefa, a realizam sem

7 640 a opinião do líder. Esta liderança se adapta bem a liderados que têm aversão a contatos pessoais, que tendem a trabalhar mais adequadamente sozinho. A atmosfera permissiva dada pelo líder contribui para paz de espírito e para que o seu esforço se torne mais eficiente e natural. Também adaptam-se a esta liderança, pessoas colaboradoras, que têm desejo natural de colaborar, este tipo de liderado seguirá a direção certa, com um mínimo apenas de controle. O líder B (empresário), apresentou 50% de autocrático, 30% de democrático e 20% de liberal. Este destacou que seu grupo é um grupo bem acentuado, cada um com suas falhas, mas as qualidade de cada um são bem maiores. Um grupo unido. Este líder apresenta características fortes de autocrático e com personalidade autoritária. Minicucci (1995) destaca que este líder acredita que onde vive, o que tem e aonde vai, são o que existe de melhor. Tem maneira limitada de encarar as coisas, é do tipo conservador, e na sua opinião, a liderança tem que ser forte e não pode ser transigida. Em seu grupo de liderados adaptam-se melhor a pessoas hostis, que encaram a autoridade com ressentimento. A hostilidade precisa de conforto com a autoridade para trabalhar melhor, e o método autocrático focaliza sua agressividade, orientando suas energias para fins construtivos. Também se adapta bem a esta liderança, pessoas dependentes, que sentem necessidade de uma autoridade de pulso firme. Seu senso de dependência lhe dá uma sensação de insegurança, de estar solto no ar. Uma orientação mais firme inspira-lhe confiança (MINICUCCI, 1995). O teste do líder C (secretária estadual de educação e cultura de uma instituição religiosa), apresentou 50% de democrática, 30% de permissiva e 20% de autocrática, em sua fala destacou que seu grupo é: Grupo heterogêneo no nível sócio-cultural e espiritual. Muitas pessoas que nem conheço pessoalmente, só por internet ou telefone. Apresentou sua principal característica do tipo democrática, neste tipo de liderança os membros do grupo trabalham em conjunto. E reafirma que sua fala quanto diz que seu grupo é heterogêneo no nível sócio-cultural e espiritual, pois lideres democráticos, têm como característica principal, a importância que dá ao crescimento e ao desenvolvimento de todos os seus liderados, e ela está buscando a consolidação de um grupo homogêneo. No teste do líder D (diretor técnico de unidade de transmissão de energia) destacou-se 40% democrático, 30% permissivo e 30% autocrático. Declarou sobre seu grupo: O grupo que está sob minha liderança é constituído por seis pessoas, sendo apenas uma do sexo feminino. Três possuem as características de proatividade, dois são reativos e um apresenta uma mescla entre proatividade e reatividade. Temos certa dificuldade na integração devido eu e três deles estarmos numa cidade e os outros três em cidade distante a 230 km. Mesmo assim, quanto nos reunimos para deliberarmos sobre assuntos ligados a nossa atividade percebe-se que a distancia é um obstáculo físico e age no emocional pois

8 641 se observa em ambos, colocações como, vocês aí de Cascavel, ou vocês aí de Pato Branco, parece que não se consegui enxergar que vocês aí, deveria ser nós. Como estamos juntos a mais de cinco anos isto no início foi muito mais difícil, mas precisamos ainda caminhar algumas milhas até conseguirmos a gestão participativa. Observa-se que este líder já tem uma visão mais ampla sobre a liderança e o grupo de liderados, possivelmente por ter passado por capacitação que possibilitaram o desenvolvimento dessas habilidades. O líder E (diretor de escola municipal), apresentou 70% democrática, 20 % autocrática e 10% permissiva. Destacou na questão aberta: É um grupo bom, faz as atividades com dedicação e iniciativa, participam com idéias e novas atividades para as reuniões e atividades com os alunos. São amigos, dividem os trabalhos e cooperam para o bom trabalho da escola. Esta líder mostrou conduzir seu grupo na liderança democrática, permitindo que o grupo identifique os problemas e concentre-se nas soluções. De acordo com Lück (2002) esta liderança direciona as atividades com elogio e encorajamento, sempre motivando seus liderados, após observar e considerar o interesse do grupo, toma a decisão. Na citação de Piletti ( 2001), observa-se, como em sala de aula este tipo de liderança atua: Líder democrático Tudo o que for feito será objeto de discussão e de decisão da turma. Todos são livres para trabalhar com os colegas que quiserem, cabendo a todos a responsabilidade pela condução das atividades. O líder deve discutir com todos os elementos os critério de avaliação e participar das atividades do grupo. (PILETTI, 2001, p. 251). Esta liderança promove ao grupo crescimento quando o grupo se identifica com este tipo de liderança, o que não ocorre em todos os lugares. É importante o diretor entender e conhecer o grupo para então atuar sempre da mesma forma. O líder F (professora de escola particular), apresentou em seu teste, 60% autocrático, 30% democrático e 10% permissivo. Na colocação sobre como é o grupo destacou: É uma boa classe, a maioria faz as atividades com dedicação, mas devo me colocar com autoridade para não perderem o respeito por mim e pela direção. Este líder mostrou-se claramente ser autocrático, isto destacou-se no teste e também na descrição do grupo. Piletti (2001) descreve assim este estilo de liderança: Líder autoritário Tudo o que deve ser feito é determinado pelo líder. Os grupos de trabalho também são formados pelo líder, que determina o que cada um deve fazer. O líder não diz aos liderados quais os critérios de avaliação e as notas não podem ser discutidas. O

9 642 que o chefe diz é lei. O líder não participa das atividades da turma, apenas distribui as tarefas e dá ordens. (PILETTI, 2001, p. 251). Para melhor visualizar os estilos de liderança que predominaram nos seis líderes pesquisados, apresenta-se na seqüência um gráfico que evidencia as diferenças detectadas. ESTILOS DE LIDERANÇA Lider A Líder B Lider C Lider D Lider E Lider F Autocrático Democrático Permissivo Figura 1 Estilos de Liderança Fonte: Dados Primários, Através do gráfico é possível perceber que existe uma distribuição de lideranças mais equilibradas nos líderes A e D, e que os líderes B e C têm um dos estilos mais acentuado embora contemplem também índices consideráveis dos outros tipos de liderança. A grande diferença aparece no líder E e F, ambos da área da educação. Nestes dois casos o estilo permissivo é insignificante predominando no diretor de escola pública o perfil democrático e no professor de escola particular o perfil autoritário. No caso desses profissionais da educação, qual será a influência que esses estilos podem causar nos seus alunos que estão em processo de desenvolvimento e de aprendizagem? Um estudo realizado por Kurt Lewin e citado por Piletti (2001), evidenciou que crianças de 11 anos tinham comportamento diferenciado em sala de aula dependendo do estilo de liderança adotado pelo professor. Ele percebeu que:

10 643 Na liderança autocrática, as crianças manifestaram dois comportamentos típicos apatia e agressividade. Quando o líder se afastava da sala, as crianças deixavam de lado as tarefas propostas e passavam a ter comportamentos agressivos e destrutivos, manifestando muita insatisfação com a situação. Já na liderança exercida democraticamente, os alunos mostraram-se responsáveis e espontâneos no desenvolvimento de suas tarefas. Com a saída do líder, o trabalho continuava praticamente no mesmo ritmo, como se nada tivesse ocorrido. Sob a liderança democrática foram menos freqüentes os comportamentos agressivos. Sob a liderança permissiva, observou-se que as crianças não chegavam a se organizar como grupo e se dedicavam mais tempo às tarefas propostas na ausência do líder. (PILETTI, 2001, p ). Neste caso o estilo democrático foi o que exerceu influências mais positivas nos alunos tanto na relação com os pares quanto no comprometimento com a tarefa. O estudo, porém não apresenta detalhes do grupo de alunos quanto ao perfil, contexto em que atuavam, tipo de tarefa que desempenhavam etc. Pode ser que se tratava de um grupo e de um contexto cuja liderança democrática era de fato a mais indicada. De qualquer forma, é importante considerar que, conforme Piletti (2001), o professor como líder é o grande responsável pelo bom relacionamento em sala de aula, sua influência é muito grande e possibilita a criação de um clima psicológico que favoreça ou desfavoreça a aprendizagem dos alunos. Também Haidt (1995) acrescenta que a autoridade do professor em sala de aula deve ser incentivadora e orientadora. Incentivando o aluno a continuar estudando e progredindo na aprendizagem, usando autoridade de quem orienta o esforço do aluno no sentido de alcançar os objetivos desejados, que visa a construção do conhecimento. Quanto a pesquisa realizada com os seis líderes das áreas religiosa, empresarial e educacional, reconhece-se que a amostra não representa a totalidade dos profissionais da área e sim atitudes particulares aplicadas ao seu campo de trabalho. O fato, porém, de os profissionais da educação terem apresentado maior nível de diferenciação entre os estilos de liderança indica que é preciso desenvolver essas habilidades nos educadores. Os processo de formação docente normalmente se volta para a aquisição de conhecimentos teóricos, importantes para a atuação profissional, mas o desenvolvimento de habilidades comportamentais também é necessário para que o processo de aprendizagem ocorra com maior eficiência. Sugere-se então, além de novas pesquisas na área, que os profissionais da educação e demais líderes que pretendam desenvolver o seu trabalho com qualidade, busquem compreender mais sobre os estilos de liderança, visando desenvolver essas habilidades e aplicar os estilos autocrático, democrático ou permissivo, dependo do contexto em que encontram-se inserido. No caso dos seis líderes entrevistados, mesmo tendo apresentado índices diferenciados entre os estilos de liderança, eles demonstraram que tinham a possibilidade de ser flexíveis dependo

11 644 do contexto, exercendo desta forma a liderança situacional que tem sido apontada como a mais eficaz nos relacionamentos de grupo. REFERÊNCIAS HAGGAI, Jonh. Seja um líder de verdade. Belo Horizonte: Betânia, HAIDTY, Regina C. Curso de Didática Geral. 2ª ed. São Paulo: Ática, HAMPSON, David R. Administração Contemporânea. 23ª ed. São Paulo: Makron Books, LÜCK, Heloísa et al. A Escola Participativa: o trabalho do gestor escolar. 6ª ed. Rio de Janeiro: DP&A, MAXWELL, John C. Seja o Líder Que Todos Querem Ter. 1ª ed. São Paulo: Sepal, MINICUCCI, Agostinho. Psicologia Aplicada à Administração. 5ª ed. São Paulo: Atlas, PILETTI, Claudino. Didática Geral. 23ª ed. Sao Paulo: Ática, 2001.

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

GESTÃO DE EQUIPE: LIDERANÇA A E COMUNICAÇÃO

GESTÃO DE EQUIPE: LIDERANÇA A E COMUNICAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA REITORIA DE PÓS P S GRADUAÇÃO E PESQUISA COORDENAÇÃO DE PÓS P S GRADUAÇÃO GESTÃO DE EQUIPE: LIDERANÇA A E COMUNICAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Liderança e Comunicação. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Liderança e Comunicação. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Liderança e Comunicação Professor: Roberto César Liderança O líder nasce líder ou aprende a ser líder? Liderar é conhecer a motivação humana e saber conduzir as pessoas a

Leia mais

Curso de Liderança e Gestão de Equipas. 3. A Liderança. Financiado pelo Fundo Social Europeu. www.proinov.com

Curso de Liderança e Gestão de Equipas. 3. A Liderança. Financiado pelo Fundo Social Europeu. www.proinov.com 3. A Liderança Financiado pelo Fundo Social Europeu 3. A Liderança Índice 3.1. O conceito de Liderança...03 3.2. Perfil do líder...05 3.3 Estilos de liderança...07 Bibliografia...09 2 3.1. O conceito de

Leia mais

Liderança Ciclo Motivacional Clima Organizacional Cultura Organizacional

Liderança Ciclo Motivacional Clima Organizacional Cultura Organizacional Clima Organizacional Cultura Organizacional Disciplina: Gestão de Pessoas Página: 1 Aula: 09 O líder pode ser definido como uma pessoa capaz de unir outras através de esforços combinados para atingir determinado

Leia mais

Avaliação Confidencial

Avaliação Confidencial Avaliação Confidencial AVALIAÇÃO 360 2 ÍNDICE Introdução 3 A Roda da Liderança 4 Indicadores das Maiores e Menores Notas 7 GAPs 8 Pilares da Estratégia 9 Pilares do Comprometimento 11 Pilares do Coaching

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos.

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos. Gestão de Recursos Humanos Aula 2 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Liderança Competências gerenciais Formação de equipes Empreendedor Liderança X Gerenciamento Conceito e estilos

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

Liderança e as novas gerações: um desafio insuperável? Por Arthur Diniz

Liderança e as novas gerações: um desafio insuperável? Por Arthur Diniz Liderança e as novas gerações: um desafio insuperável? Por Arthur Diniz Num passado não muito distante, os líderes nas empresas tinham uma postura profundamente autoritária, reflexo do funcionamento da

Leia mais

PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS

PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS Ganhar, nem sempre. Amadurecer, sempre. Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br www.justocantins.com.br Introdução É impossível imaginar uma empresa onde não

Leia mais

Curso de Gestão Público Legislativa Disciplina: Gestão de Pessoas Profª. Drª. Meire Cachioni TEMA 3 Liderança e o comportamento organizacional Liderança: definições e afirmações teóricas Liderança: definições

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA

FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA FACULDADE DE EDUCACAO DE COSTA RICA DISCIPLINA: MOTIVACAO E ETICA LIDERAR PESSOAS ATRAVÉS DA MOTIVAÇÃO Por que as pessoas se comportam de certos modos? Liderar - é o processo de dirigir e influenciar as

Leia mais

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

Dinâmica e funcionamento de grupos. Fundamentos teóricos e técnicos dos grupos. Processos obstrutivos nos grupos e nas instituições.

Dinâmica e funcionamento de grupos. Fundamentos teóricos e técnicos dos grupos. Processos obstrutivos nos grupos e nas instituições. Dinâmica e funcionamento de grupos. Fundamentos teóricos e técnicos dos grupos. Processos obstrutivos nos grupos e nas instituições. Mentalidade grupal e cultura de grupo. Grupo Operativo: instrumento

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Fundamentos do Comportamento de Grupo

Fundamentos do Comportamento de Grupo Fundamentos do Comportamento de Grupo 1: Motivação no trabalho e suas influências sobre o desempenho: Definir e classificar os grupos; Analisar as dinâmicas presentes nos grupos; Refletir sobre a influência

Leia mais

Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório

Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório Recursos Humanos Coordenação de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório Introdução No dia 04 de Agosto de 2011, durante a reunião de Planejamento, todos os

Leia mais

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações Prof Rodrigo Legrazie Escola Neoclássica Conceitua o trabalho como atividade social. Os trabalhadores precisam muito mais de ambiente adequado e

Leia mais

Título: LIDERANÇA. Já dizia o mestre: Tentar adquirir experiência apenas com teoria, é como tentar matar a fome apenas lendo o cardápio.

Título: LIDERANÇA. Já dizia o mestre: Tentar adquirir experiência apenas com teoria, é como tentar matar a fome apenas lendo o cardápio. APRESENTA JOSÉ HAMILTON MARIN Já dizia o mestre: Tentar adquirir experiência apenas com teoria, é como tentar matar a fome apenas lendo o cardápio. A liderança é uma poderosa combinação de estratégia

Leia mais

Associação Comercial e Empresarial de São João da Boa Vista

Associação Comercial e Empresarial de São João da Boa Vista Programa de Treinamento Contínuo Baseado nos Dvds Commit para Associação Comercial e Empresarial de São João da Boa Vista Introdução: Um programa de treinamento bem estruturado, além de qualificar os funcionários,

Leia mais

O COACHING ESTRATÉGICO A Abordagem para uma Nova Cultura Organizacional. Luiz Cláudio Binato Belo Horizonte, 12 de Maio de 2011

O COACHING ESTRATÉGICO A Abordagem para uma Nova Cultura Organizacional. Luiz Cláudio Binato Belo Horizonte, 12 de Maio de 2011 O COACHING ESTRATÉGICO A Abordagem para uma Nova Cultura Organizacional Luiz Cláudio Binato Belo Horizonte, 12 de Maio de 2011 Organização Realização O QUE É COACHING? É um PROCESSO no qual um profissional

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL LIDERANÇA

ADMINISTRAÇÃO GERAL LIDERANÇA ADMINISTRAÇÃO GERAL LIDERANÇA Publicado em 12/10/2015 LIDERANÇA A liderança é um fenômeno que ocorre exclusivamente em grupos sociais. Ela é definida como uma influência interpessoal exercida em dada situação

Leia mais

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES?

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? Andrieli Ariane Borges Avelar, UNESPAR/FECILCAM João Marcos Borges Avelar,

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL E NO TRABALHO COM AUTISTAS

A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL E NO TRABALHO COM AUTISTAS XXII Semana de Educação da Universidade Estadual do Ceará 31 de agosto a 04 de setembro de 2015 A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES.

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. Eder Gomes da Silva 1 Resumo: O presente artigo trazer um estudo teórico buscando adquirir

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

O TRABALHO EM EQUIPE: a multiplicação do talento humano

O TRABALHO EM EQUIPE: a multiplicação do talento humano UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM O TRABALHO EM EQUIPE: a multiplicação do talento humano Prof. Cassimiro Nogueira Jr Hoje, as lideranças que querem obter sucesso, formam equipes de trabalho

Leia mais

LIDERANÇA. "Um exército de ovelhas liderado por um leão derrotaria um exército de leões liderado por uma ovelha." (Provérbio Árabe)

LIDERANÇA. Um exército de ovelhas liderado por um leão derrotaria um exército de leões liderado por uma ovelha. (Provérbio Árabe) LIDERANÇA "O grande líder é aquele que está disposto a desenvolver as pessoas até o ponto em que elas eventualmente o ultrapassem em seu conhecimento e habilidade." Fred A. Manske "Um exército de ovelhas

Leia mais

JOVENS COM UMA MISSÃO JOCUM ARACAJU PROJETO INTERCESSÃO INTERCESSORES E GRUPOS DE INTERCESSÃO

JOVENS COM UMA MISSÃO JOCUM ARACAJU PROJETO INTERCESSÃO INTERCESSORES E GRUPOS DE INTERCESSÃO JOVENS COM UMA MISSÃO JOCUM ARACAJU PROJETO INTERCESSÃO INTERCESSORES E GRUPOS DE INTERCESSÃO Miss. Gustavo Lima Silva (Beréu) & Wanessa S. B. Santos Silva (Brasil) Recife, 2010. SUMÁRIO INTRODUÇÃO...

Leia mais

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr.

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr. Construindo o Conteúdo da Liderança José Renato S. Santiago Jr. Gestão Estratégica de RH Módulo 1: Alinhando Gestão de Pessoas com a Estratégia da Empresa Módulo 2: Compreendendo e Dinamizando a Cultura

Leia mais

Liderança CONCEITO DE LIDERANÇA

Liderança CONCEITO DE LIDERANÇA Tipos de Liderança Liderança CONCEITO DE LIDERANÇA LIDERANÇA é o processo de influenciar outros de modo a conseguir que eles façam o que o líder quer que seja feito, ou ainda, a capacidade para influenciar

Leia mais

Sem Mais Desculpas Treinamentos E porque? O que é vender no mundo de hoje O que você verá neste curso:

Sem Mais Desculpas Treinamentos E porque? O que é vender no mundo de hoje O que você verá neste curso: A Sem Mais Desculpas Treinamentos defende um conceito chamado Comportamento Comercial. Acreditamos que todas as pessoas, em todas as funções, necessitam ter uma visão e uma atitude comercial daquilo que

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL Autores Gerson Luiz Chaves Vandro Luiz Pezzin RGE - RIO GRANDE ENERGIA S.A. RESUMO Os riscos presentes nas atividades que envolvem a distribuição

Leia mais

Inteligência. Emocional

Inteligência. Emocional Inteligência Emocional Inteligência Emocional O que querem os empregadores?? Atualmente, as habilitações técnicas específicas são menos importantes do que a capacidade implícita de aprender no trabalho

Leia mais

Instituto Educacional Santa Catarina. Faculdade Jangada. Atenas Cursos

Instituto Educacional Santa Catarina. Faculdade Jangada. Atenas Cursos Instituto Educacional Santa Catarina Faculdade Jangada Atenas Cursos Curso de Capacitação em AEE Aluna: Ivete D. Poleto De Cezare Vanini, 01 de Maio de 2015. 1 - Tema: Deficiência Intelectual 2 - Problema:

Leia mais

TURN OVER VOLUNTÁRIO UMA BREVE ANÁLISE DOS ESTÍMULOS www.factor9.com.br/educacional.php. Eduardo Varela

TURN OVER VOLUNTÁRIO UMA BREVE ANÁLISE DOS ESTÍMULOS www.factor9.com.br/educacional.php. Eduardo Varela TURN OVER VOLUNTÁRIO UMA BREVE ANÁLISE DOS ESTÍMULOS www.factor9.com.br/educacional.php Eduardo Varela 1 Turnover Voluntário Uma breve análise dos estímulos www.factor9.com.br/educacional.php Turnover

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Marketing não Sobrevive sem Endomarketing

Marketing não Sobrevive sem Endomarketing Marketing não Sobrevive sem Endomarketing Um ótimo serviço pode se tornar ruim se os funcionários não confiam em si mesmos. Uma endoentrevista sobre endomarketing. Troquemos de lugar! O título é, sem dúvida,

Leia mais

Quatro Níveis de Avaliação de Treinamento

Quatro Níveis de Avaliação de Treinamento Quatro Níveis de Avaliação de Treinamento Resenha por Eliana Dutra KIRKPATRICK, Donald L., Evaluating Training Programs - THE FOUR LEVELS. Berrett-Koehler Publishers, Inc. 1994. De acordo com Donald Kirkpatrick,

Leia mais

Ana Beatriz Bronzoni

Ana Beatriz Bronzoni Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular da Universidade Federal de Viçosa Viçosa (MG) - CEP 36570-000 CNPJ: 07.245.367/0001-14 Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular Universidade Federal

Leia mais

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL 1.Osnei FranciscoAlves 2. Jéssica Barros 1. Professor das Faculdades Integradas Santa Cruz. Administrador, MBA Executivo em Gestão de Pessoas e

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai. Um Paradigma que Cai por Terra. Capítulo

Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai. Um Paradigma que Cai por Terra. Capítulo Capítulo 1 Um Paradigma que Cai por Terra Se for um bom negócio, faça. Entretanto, se não for, não faça. Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai quando eu ainda era uma

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR. Prof. Bento

ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR. Prof. Bento ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR Prof. Bento QUESTÕES Doc. # 1 Revisão Indique se é Verdadeira ou Falsa a seguinte afirmação UMA TEORIA É UMA EXPLICAÇÃO LÓGICA OU ABSTRACTA DE UM PROBLEMA OU CONJUNTO DE

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

Entrevista com Heloísa Lück

Entrevista com Heloísa Lück Entrevista com Heloísa Lück Heloísa Lück é doutora em Educação pela Columbia University em Nova York e tem pós-doutorado em Pesquisa e Ensino Superior pela George Washington D.C. É diretora educacional

Leia mais

Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes. Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva

Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes. Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva CONTEÚDO Porque é o trabalho de equipa importante em salas de aula inclusivas?

Leia mais

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MOTIVAÇÃO HUMANA - UM ESTUDO NA EMPRESA MAHRRY CONFECÇÕES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas.

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas. INTRODUÇÃO Você, provavelmente, já sabe que colaboradores felizes produzem mais. Mas o que sua empresa tem feito com esse conhecimento? Existem estratégias que de fato busquem o bem-estar dos funcionários

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Visão estratégica Visão estratégica está relacionada com alcançar os objetivos empresariais. Considera: Tipos psicológicos, Motivação:

Leia mais

É habilidade de influenciar pessoas para trabalharem visando atingir aos objetivos identificados como sendo para o bem comum.

É habilidade de influenciar pessoas para trabalharem visando atingir aos objetivos identificados como sendo para o bem comum. Bem-Vindos! É habilidade de influenciar pessoas para trabalharem visando atingir aos objetivos identificados como sendo para o bem comum. Fonte: O Monge e o Executivo, James C. Hunter. ... é uma noção

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES Karem Nacostielle EUFRÁSIO Campus Jataí karemnacostielle@gmail.com Sílvio Ribeiro DA SILVA

Leia mais

Gestão Empresarial. Aula 5. A Estrutura Estratégica. Modelo de Gestão. Missão da Empresa. Prof. Elton Ivan Schneider.

Gestão Empresarial. Aula 5. A Estrutura Estratégica. Modelo de Gestão. Missão da Empresa. Prof. Elton Ivan Schneider. Gestão Empresarial Aula 5 Prof. Elton Ivan Schneider tutoriacomercioexterior@grupouninter.com.br A Estrutura Estratégica Comércio Exterior Fornecedores Macro Ambiente Organizacional Ambiente Organizacional

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Eu e os outros (Competência Social)

Resumo Aula-tema 04: Eu e os outros (Competência Social) Resumo Aula-tema 04: Eu e os outros (Competência Social) Os seres humanos são, por natureza, seres sociais, que interagem a todo instante nos diferentes ambientes (familiar, escolar, profissional etc.).

Leia mais

Curso Empreendedorismo Corporativo

Curso Empreendedorismo Corporativo Curso Empreendedorismo Corporativo Todos os fatores relevantes atuais mostram que a estamos em um ambiente cada vez mais competitivo, assim as pessoas e principalmente as organizações devem descobrir maneiras

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA Aula 16/02/2012

ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA Aula 16/02/2012 FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE UNIPAC DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua Tiradentes, nº. 66 Centro Uberlândia/MG - Telefax: (34) 3291-2100

Leia mais

O QUE É PRECISO PARA SER UM GRANDE LÍDER

O QUE É PRECISO PARA SER UM GRANDE LÍDER LIDERANÇA O QUE É PRECISO PARA SER UM GRANDE LÍDER Roselinde Torres foco na pessoa 6 Por Roselinde Torres O que é preciso para ser um grande líder hoje? Muitos de nós temos a imagem de um líder como um

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Capítulo II. Treinamento & Desenvolvimento

Capítulo II. Treinamento & Desenvolvimento Capítulo II Treinamento & Desenvolvimento QUESTÃO 01. (SERPRO/2005) A respeito do diagnóstico de necessidades de treinamento e desenvolvimento, julgue os itens seguintes. Avaliação de necessidades de treinamento

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

JANELA DE JOHARI (RELACIONAMENTO INTERPESSOAL)

JANELA DE JOHARI (RELACIONAMENTO INTERPESSOAL) % ABERTURA JANELA DE JOHARI (RELACIONAMENTO INTERPESSOAL) Esta avaliação é constituída de 20 questões possíveis de ocorrer em uma empresa. Cada questão é composta por duas afirmativas. Você deve analisar

Leia mais

Como agregar valor durante o processo de auditoria

Como agregar valor durante o processo de auditoria QSP Informe Reservado Nº 55 Fevereiro/2006 Como agregar valor durante o processo de auditoria Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QSP. Este guindance paper foi elaborado

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

Agenda. Introdução. Escala de Likert. Pesquisa de clima. Monitoramento do clima

Agenda. Introdução. Escala de Likert. Pesquisa de clima. Monitoramento do clima Pesquisa de Clima Agenda Introdução Escala de Likert Pesquisa de clima Monitoramento do clima Introdução Cultura organizacional: Toda organização tem sua cultura, que é formada pelos seus valores, costumes

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR?

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? Maria Rafaela de Oliveira FECLESC-UECE Renata Leite Moura FECLESC-UECE RESUMO Este trabalho apresenta algumas reflexões acerca da Educação Escolar e dos desafios

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência)

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência) SEREI UM EMPREENDEDOR? Este questionário pretende estimular a sua reflexão sobre a sua chama empreendedora. A seguir encontrará algumas questões que poderão servir de parâmetro para a sua auto avaliação

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Liderança. Professora Tatiana Comiotto

Liderança. Professora Tatiana Comiotto Liderança Professora Tatiana Comiotto Será que você é um líder? O líder é uma pessoa que: 1. Faz com que as pessoas gostem de executar o que ele quer; 2. Consegue que funcionários queiram ajudá-lo e se

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS GOMES, Elaine Dias. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: elaineapoderosa@hotmail.com

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA MANUAL DE VISITA DE ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA Material exclusivo para uso interno. O QUE LEVA UMA EMPRESA OU GERENTE A INVESTIR EM UM ERP? Implantar um ERP exige tempo, dinheiro e envolve diversos

Leia mais

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON Antonio Henrique Neto, Discente da Faculdade Integrada de Pernambuco - FACIPE Suzane Bezerra de França, - FACIPE, SEDUC/PE docente. suzyfranca@yahoo.com.br

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS Letícia Luana Claudino da Silva Discente de Psicologia da Universidade Federal de Campina Grande. Bolsista do Programa de Saúde. PET/Redes

Leia mais

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugerimos, para elaborar a monografia de TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), que o aluno leia atentamente essas instruções. Fundamentalmente,

Leia mais