INTRODUÇÃO. 1 Interessante notar que o próprio Superior Tribunal de Justiça que objetiva, dentre outras missões, a

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTRODUÇÃO. 1 Interessante notar que o próprio Superior Tribunal de Justiça que objetiva, dentre outras missões, a"

Transcrição

1 OS JUROS MORATÓRIOS E OS JUROS REMUNERATÓRIOS NAS SÚMULAS 379 E 382 DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA A TUTELA DA ATIVIDADE BANCÁRIA OU A PROTEÇÃO AO CONSUMIDOR? Elcio Nacur Rezende Graduado em Administração e Direito. Mestre e Doutor em Direito Privado pela PUCMinas. Professor do Centro Universitário UNA e da Escola Superior Dom Helder Câmara. Procurador da Fazenda Nacional. Cimon Hendrigo Burmann de Souza Mestre e Doutor em Direito Privado pela PUCMinas. Professor do Centro Universitário UNA, da PUCMinas e da Faculdade Novos Horizontes. Advogado. INTRODUÇÃO Em 05 de maio e 08 de junho de 2009, o Superior Tribunal de Justiça, objetivando pacificar o entendimento sobre a fixação dos juros remuneratórios e moratórios em contratos onde exista outorga de crédito, editou duas súmulas. A primeira, sob o número 379, estipula que Nos contratos bancários não regidos por legislação específica, os juros moratórios poderão ser convencionados até o limite de 1% ao mês. A segunda, de número 382, dispõe: A estipulação de juros remuneratórios superiores a 12% ao ano, por si só, não indica abusividade.. O presente trabalho tem por objetivo analisar o conteúdo jurídico e econômico das súmulas para que se infira se possuem um escopo de tutelar da a atividade empresária, mormente a bancária, ou se o Superior Tribunal de Justiça com a sua edição vislumbrou a proteção ao cidadão 1. 1 Interessante notar que o próprio Superior Tribunal de Justiça que objetiva, dentre outras missões, a pacificação da jurisprudência brasileira em questões infra-constitucionais, se auto-denomina Tribunal da Cidadania conforme constata-se do seu site oficial: acesso em 21/07/2009, o que nos faz

2 O CONCEITO DE JUROS REMUNERATÓRIOS E MORATÓRIOS Juros 2, sob a ótica do Direito Civil, é a denominação dada aos frutos do capital. Isto é, a propriedade de numerário, extremamente desejada nos países capitalistas, que propicia aquele que tem a sua posse fruir de um rendimento também em dinheiro, a que se denominam juros. Por similitude grosseira, ocorre uma espécie de geração espontânea que multiplica o capital de uma pessoa pelo fato de ter sido transferida a posse de seu dinheiro, transitoriamente, a outrem. Assim, diante da privação do uso de recursos e do risco inerente ao fato da transferência da posse de capital a outrem, os juros surgem como forma de remunerar e compensar aquele que transferiu o recurso, bem como de impelir aquele que tomou o dinheiro a cumprir a avença no que concerne à restituição do numerário cedido. Pela exposição acima, conclui-se que existem dois tipos de juros. O primeiro se refere ao simples fruto do capital, denominado juros remuneratórios ou compensatórios. O segundo, denominado moratórios, são os juros que ocorrem devido ao inadimplemento do devedor. 3 crer que seu principal escopo é tutelar o cidadão diante de eventuais injustiças perpetradas pelo Estado ou pelo Poder Econômico. 2 Segundo Adair J. Longuini: A rigor, portanto, juros significa a usurados romanos. E por esta razão é que também era denominado de fenus, originado de fetus, de que adveio a terminologia de frutos. In Limitação Constitucional dos Juros: análise judiciária e legislativa. Texto colhido do site 3 Os juros ainda podem ser classificados em convencionais ou legais e simples e compostos, conforme ensina Adair J. Longuini: JUROS CONVENCIONAIS - É a denominação dada aos juros que se estabelecem ou se estipulam em contratos, para que sejam cumpridos pelo devedor, enquanto vigente a obrigação. (...) JUROS LEGAIS - Exprime a expressão: os juros que podem ser exigidos em virtude da imposição ou determinação legal, embora não convencionados ou contratados. Em regra, os juros moratórios são legais, pois que a exigência deles decorre de norma jurídica. (...). JUROS ORDINÁRIOS - É a expressão que designa os juros simples, ou seja, aqueles que não se acumulam ou não se capitalizam. (...) Opõem-se, assim, aos juros capitalizados ou compostos, que vão integrando periodicamente (ano ou semestre) ao capital, para produzir novos juros.(...). JUROS MORATÓRIOS - São juros decorrentes da mora, isto é, os que se devem, por convenções ou legalmente, em virtude do retardamento no cumprimento da obrigação(...) JUROS COMPENSATÓRIOS - Assim se entendem os frutos naturais do capital empregado. Representam, pois, a justa compensação, que se deve tirar dos dinheiros aplicados nos negócios, notadamente de empréstimos. (...) De Plácido e Silva -ob. cit., p.470). Texto colhido do site acessado em 21/07/2009.

3 Sob a ótica econômica, juros são nada mais que a remuneração paga em razão da transferência do numerário, seguindo, portanto, a lógica da Teoria Econômica que estabelece que quanto maior o risco do empreendimento maior deverá ser a remuneração (ou prejuízo) a ser auferido ou suportado pelo empreendedor. Voltando a concepção jurídica do termo, observamos que a legislação civil brasileira não se preocupou e, de fato, não é de sua incumbência conceituar o que sejam os juros. Por outro lado, o Código Civil em vários dispositivos trouxe a lume o estudo e a aplicação dos juros em diversas relações jurídicas, regulando na Parte Geral a sua ocorrência em abstrato e na Parte Especial determinando a sua incidência em situações fáticas. Vejamos alguns dispositivos: a) No artigo 206, parágrafo 3º ficou estipulado o prazo prescricional de três anos para a cobrança de juros pagáveis em períodos não superiores a um ano; b) O artigo 280, determina que todos os devedores solidários arcarão com juros de mora ainda que a ação tenha sido proposta somente contra um; c) No artigo 297, o Código fixou o entendimento que o cedente de um crédito responde perante o cessionário pelos juros que recebeu do devedor; d) Se ocorreu pagamento do capital, presume-se, nos termos do artigo 323, que os juros foram pagos, em homenagem ao Princípio da Gravitação Jurídica 4, uma vez que os juros são frutos (bem acessório) do capital (bem principal); e) Com o mesmo entendimento do item anterior, o artigo 354 determina que em princípio, ocorre a imputação do pagamento aos juros e, posteriormente, no capital; f) Nos artigos 389, 395 e 404, consagrando a existência natural dos juros de mora, a lei, imperativamente, determinou que o inadimplente arcasse com as perdas e danos que causou mais os juros; g) Na tentativa de estipular parâmetros legais de fixação de juros moratórios, o Código Civil, no artigo 406, dispôs que quando os juros moratórios não forem convencionados, ou o forem sem taxa estipulada, serão fixados segundo a taxa 4 O Princípio da Gravitação Jurídica foi consagrado com a máxima de que o acessório segue o principal.

4 que estiver em vigor para a mora do pagamento de impostos devidos à Fazenda Nacional. 5 h) Quando tratou do mútuo feneratício (empréstimo oneroso de capital), o Código Civil no artigo 591 prescreveu que existe a presunção da ocorrência dos juros remuneratórios, limitando-os à taxa prevista no artigo 406; i) O artigo 670 impõe ao mandatário o pagamento ao mandante de juros em razão do atraso em entregar recursos daquele ou do valor que recebeu para despesas e as utilizou em proveito próprio; j) Na mesma linha de raciocínio, comitente e comissário devem juros recíprocos pela posse de recursos que são de propriedade da outra parte, nos termos do artigo 706; k) O segurador, conforme ditames do artigo 772, deve pagar juros moratórios ao segurado em razão da demora entre o sinistro e o valor da indenização; l) O fiador que pagar a dívida do devedor principal pode, conforme prevê o artigo 833, cobrar juros por ocasião do ressarcimento do afiançado; 5 Apesar da clara intenção do legislador em delimitar a cobrança dos juros, sobretudo os moratórios, esse dispositivo legal acabou despertando grande polêmica, tanto na doutrina quanto no âmbito dos nossos tribunais. A discussão se deve, principalmente, ao fato de o legislador não estabelecer uma taxa precisa de juros, como fez, por exemplo, o Código Civil de 1916, o qual estabeleceu como taxa legal dos juros 6% ao ano, em seu art Ao contrário, o citado dispositivo preferiu fazer menção aos juros devidos à Fazenda Nacional. Mas, qual seria, então, essa taxa de juros? Na verdade, a Fazenda Pública Nacional há muito vem aplicando, em caso de mora nos tributos que lhes são devidos, a taxa estipulada pelo comitê de política econômica do Banco Central, denominada SELIC. Muitos juízes, contudo, sob o argumento de que essa taxa é sempre variável, dificultando, portanto, o conhecimento prévio do percentual a ser fixado a título de juros, vêem adotando a taxa estipula no art. 161, 1, do CTN, o qual dispõe que: Se a lei não dispuser de modo diverso, os juros de mora são calculados à taxa de 1% ao mês. Convenhamos, porém, que, nos termos do citado artigo, a interpretação mais consentânea com o texto legal seria, sem dúvida alguma, a que pugnasse pela aplicação da taxa SELIC, mesmo porque, como dito, é esta que vem sendo aplicada pela Fazenda Pública Nacional. Curiosamente, no entanto, não é esta tese que vem prevalecendo nos nossos tribunais. A esse respeito, importa acrescentar que mesmo aqueles que adotam a taxa SELIC para a fixação dos juros moratórios, costumam sustentar o entendimento de que esta traz implícita a correção monetária. Tal posição, porém, vem perdendo força a cada dia que passa, prevalecendo cada vez mais a taxa de 1% ao mês prevista no CTN, o que se deve, sobretudo, às recentes reduções realizadas na taxa básica de juros pelo BACEN, o qual, a partir de julho de 2009, fixou a taxa de juros em 8,75% ao ano, até então a mais baixa da história. A título de curiosidade, importa ressaltar que a taxa SELIC, de acordo com o Banco Central do Brasil é: É a taxa apurada no Selic (sistema especial de liquidação e custódia), obtida mediante o cálculo da taxa média ponderada e ajustada das operações de financiamento por um dia, lastreadas em títulos públicos federais e cursadas no referido sistema ou em câmaras de compensação e liquidação de ativos, na forma de operações compromissadas. Esclarecemos que, neste caso, as operações compromissadas são operações de venda de títulos com compromisso de recompra assumido pelo vendedor, concomitante com compromisso de revenda assumido pelo comprador, para liquidação no dia útil seguinte (...) Conforme explicação colhida do site oficial do Banco Central: acessado em 21/07/2009.

5 m) Na gestão de negócios, o gestor pode cobrar do favorecido os juros do capital despendido, conforme o artigo 869; n) No Direito Empresarial, o Código Civil, no artigo 1094, prevê o pagamento de juros ao sócio pelas cooperativas em razão de operações realizadas; o) Nos direitos reais, estipula-se como dever dos condôminos em edifícios o pagamento de juros moratórios em razão do inadimplemento da contribuição, nos termos do parágrafo primeiro do artigo 1336; p) O artigo 1404 determina que o usufrutuário pague ao proprietário os juros que ocorrerem em razão de despesas ordinárias de conservação ou que aumentarem o rendimento da coisa; q) O credor pignoratício pode, nos termos do artigo 1454, cobrar juros remuneratórios estipulados no contrato que deu origem ao penhor; r) No Direito de Família, o artigo 1753 determina que os tutores paguem aos tutelados juros legais em razão da demora da aplicação dos recursos a eles devidos. Conclui-se com esta exposição do direito positivo a insofismável importância do estudo dos juros nas relações jurídicas. Todavia, indubitavelmente, o que gera a maior celeuma nos tribunais não é a ocorrência dos juros, e sim os valores máximos que podem ser fixados pelos contratantes nas diversas relações jurídicas. A dicotomia que se forma entre o abusivo e o que é devido àquele que cedeu seus recursos a outrem, abarrota as cortes brasileiras, sendo mister, urgentemente, a fixação pelos tribunais superiores (ou pelo legislador) de critérios que impeçam o ajuizamento constante de demandas que objetivem a redução daquilo que foi pactuado. Por outro lado, deve-se atentar para que não se construa uma tese protetiva consumerista que acarrete a estagnação da economia, uma vez que não se pode discutir a gigantesca importância das instituições financeiras na economia de um país, afinal, desestimular a atividade financeira significa reduzir o crescimento econômico 6. 6 Vale registrar que uma das teses mais defendidas pelo vice-presidente e empresário José Alencar é a redução da taxa de juros no Brasil, fundamentando que o crescimento econômico depende de sua imediata

6 Justamente com este pensamento, o Superior Tribunal de Justiça editou duas súmulas, tentando limitar a incidência de juros, mormente nos contratos de mútuo feneratício que ordinariamente são realizados por instituições financeiras. O CONTEÚDO DAS SÚMULAS 379 E 382 DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA A TORMENTOSA LIMITAÇÃO DE JUROS PELO PODER JUDICIÁRIO A TUTELA DA ATIVIDADE BANCÁRIA OU A PROTEÇÃO AO CONSUMIDOR? Há muitos anos o Poder Judiciário busca estipular regras limitativas de juros nas relações creditícias (,) no Brasil, tentando conciliar o interesse das instituições financeiras e dos cidadãos, sem, contudo, descuidar do aspecto econômico de suas decisões. Como foi dito no parágrafo anterior, não se trata simplesmente de tutelar um interesse privado (quer dos banqueiros quer dos mutuários), mas também de se verificar os impactos econômicos da decisão judicial. Afinal, todos sabem que a atividade econômica de um país está intimamente ligada à oferta de crédito proporcionada pelas instituições financeiras, quer públicas 7 ou particulares, bem como ao preço (leia-se: taxa de juros) cobrado por estas instituições. Com esta difícil missão, ou seja, conciliar o interesse da atividade creditícia, evitar a abusividade em detrimento do mutuário/consumidor hipossuficiente 8 e incrementar a economia brasileira, o Judiciário tentou, novamente, através das Súmulas 379 e 382 do Superior Tribunal de Justiça fixar limites aos juros. redução, conforme informação colhida do site acessado em 21/07/ No Brasil, o Estado oferta comumente linhas de crédito a baixo custo para incrementar setores da economia através de instituições como o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), o Banco do Brasil, o BDMG (Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais), entre outros. 8 Sobretudo diante das normas protetivas previstas no Código de Defesa do Consumidor (lei 8.078/90) em especial no seu artigo 51.

7 A Súmula 379 do Superior Tribunal de Justiça Dispõe a súmula 379 do STJ: Nos contratos bancários não regidos por legislação específica, os juros moratórios poderão ser convencionados até o limite de 1% ao mês. Algumas observações iniciais podem ser explicitadas pela simples leitura do texto: a) A súmula não abrange os contratos civis onde uma instituição financeira 9 não seja a mutuante. Assim, nos contratos que um consumidor celebre o financiamento de um produto, v.g., eletrodoméstico, diretamente com o comerciante para seu uso, não há de se observar tal entendimento. Nem tampouco, caso dois amigos celebrem um mútuo haverá esta limitação prevista na súmula, aplicando-se, enfim, outras limitações legais, doutrinárias e jurisprudenciais; a) O texto ainda exclui de seu escopo os contratos, ainda que pactuados por bancos, que sejam regidos por lei específica, tais como os contratos que envolvam cédula rural, comercial, bancária e industrial, os contratos com cooperativas de crédito, do SFH (Sistema Financeiro de Habitação) e os de crédito consignado; b) Os juros a que se refere a súmula são exclusivamente os moratórios convencionais não incluindo, desse modo, os compensatórios e nem os moratórios legais). Isto é, são os juros fixados no contrato entre o banco e o consumidor por ocasião do mútuo e cobrados apenas no caso de eventual inadimplemento (mora) por parte do mutuário; c) A opção do Superior Tribunal de Justiça foi fixar o limite mensal em 1%, pois a taxa normalmente é fixada com o parâmetro mensal, muito embora, vale dizer, nada obsta que os juros sejam diários, anuais ou sob qualquer outro padrão temporal. Ressalte-se, ainda, que existe um inconveniente na fixação mensal em detrimento da diária, pois, obviamente, se o consumidor-mutuário atrasar o pagamento por tempo inferior a 30 dias, deverá ser feita uma operação aritmética para que se calcule o percentual de juros de mora a serem aplicados sobre o valor da dívida. 9 Pela leitura dos precedentes que deram origem à súmula, seria melhor se o STJ alterasse a denominação bancos por instituições financeiras, uma vez que operações com cartão de crédito ou mútuos diretos ao consumidor, nem sempre são realizados por bancos em sentido estrito.

8 Algumas questões, porém, suscitam dúvidas quando da análise da súmula. A primeira decorre da possibilidade de que sejam cumulados os juros moratórios previstos (1% ao mês) com os juros compensatórios também fixados contratualmente. A melhor resposta parece-nos positiva. Afinal, sem maiores elucubrações, se o mutuário suporta o valor dos juros remuneratórios caso não estivesse em mora não faz sentido que agora, inadimplente, se exonere deste encargo. Por conclusão, por ocasião do pagamento deverá incidir sobre o valor da dívida os juros remuneratórios e, separadamente, os juros moratórios. Importantíssimo ressaltar que não deve a operação aritmética ser cumulativa, ou seja, fazer com que incida juros moratórios sobre o valor obtido após a incidência de juros compensatórios, sob pena de ocorrer um bis in idem. Ademais, os juros não devem ser compostos ou capitalizados, ou seja, veda-se a incidência de juros sobre juros, o que se denomina anatocismo 10. Ressalte-se que o Supremo Tribunal Federal, por ocasião da Súmula 121, proclamou: É vedada a capitalização de juros, ainda que expressamente convencionada fundamentando-se no artigo 4º do Decreto / Todavia, nos últimos anos, o STJ, em alguns julgados 12, permitiu nas relações jurídicas que figure instituição financeira como mutuante a utilização de anatocismo, com fulcro no artigo 5º da MP 2.170/01, como no REsp /RS cujo Relator foi o Ministro Aldir Passarinho Junior (j. 18/12/07 DJU, 18/02/08): A MP n /2000, republicada sob o n /2001 (de garantida vigência em razão do art. 2º da EC n. 32/2001), é direcionada às operações realizadas pelas instituições integrantes do Sistema Financeiro Nacional, daí sua especificidade, a fazê-la prevalecer sob o novo Código Civil. Dessarte, depois de 31/3/2000, data em que entrou 10 O termo anatocismo vem do grego ana, que significa repetição, e tokos, que corresponde a juros. 11 Veja também recentíssimos julgados: AI / AL ALAGOAS, Relator(a): Min. CÁRMEN LÚCIA, Julgamento: 29/05/2009; AI / RS - RIO GRANDE DO SUL, Relator(a): Min. CÁRMEN LÚCIA, Julgamento: 29/05/2009; AI / SE SERGIPE, Relator(a): Min. MENEZES DIREITO, Julgamento: 26/08/ Inclusive no Resp / RS que foi um dos precedentes da súmula.

9 em vigor o art. 5º da referida MP, as instituições financeiras, se expressamente pactuado, fazem jus à capitalização dos juros em periodicidade inferior à anual em contratos não regulados por lei específica, direito que não foi afastado pelo art. 591 do CC/2002, dispositivo aplicável aos contratos civis em geral. No caso, cuidou-se de contrato de financiamento garantido por alienação fiduciária, firmado após a vigência do novo Código Civil. Como se observa no julgado, é mister que exista no contrato a expressa permissão da cumulação de juros para que se admita tal fórmula aritmética 13. Não obstante, ressalte-se que a súmula ora em estudo não permitiu expressamente o anatocismo. Foi apenas nos julgados que a originaram que o STJ entendeu não existir óbice a tal operação, conforme acima explicado. Finalmente, pergunta-se: A súmula foi positiva ou negativa para o consumidor? E para as instituições financeiras? A resposta não é simples. De fato, ao limitar os juros moratórios a 1% ao mês, conclui-se em uma primeira leitura que o STJ objetivou proteger o consumidor inadimplente de uma eventual cláusula no contrato de mútuo que, potestativamente, estipulasse um percentual abusivo, conduzindoo, ainda mais, a uma situação de penúria, que redundaria em algo eventualmente impagável, sobretudo porque, conforme acima explicado, tem-se admitido a capitalização de juros (anatocismo) quando o mutuante for instituição financeira (bancos, empresas de cartão de crédito, financeiras, etc.) e houver expressa cláusula contratual neste sentido. Naturalmente, um consumidor que inadimpliu com sua obrigação de pagar, quando se encontrar obrigado a suportar a multa moratória em um percentual de 2% sobre toda a 13 Nesse sentido: AgRg no REsp n /RS, relator Ministro Hélio Quaglia Barbosa, DJ de 9/4/2007; REsp n , relator Ministro Fernando Gonçalves, DJ de 2/8/2004.

10 dívida, os juros remuneratórios pactuados (sem limite legal), o anatocismo e outras taxas 14, muito provavelmente terá diminuída sua possibilidade de adimplir diante da majoração significativa do valor da dívida. Assim, analisando exclusivamente pelo aspecto da limitação da taxa de juros moratórios, o Superior Tribunal de Justiça propiciou uma maior tutela do consumidor, delineando um entendimento 15 para que os demais juízos, diante de ações de revisão contratual movidas contra os bancos, determinem a redução dos juros moratórios para o percentual máximo de 1% ao mês. Mas, como dito, a questão não é simplória, como a primeira vista aparenta. Explica-se: o percentual fixado pelo STJ como limite, pode, eventualmente incentivar a inadimplência, o que é deveras negativo. De fato, um consumidor que estiver em crise financeira e for optar por adimplir apenas parte de suas obrigações, as analisará e cumprirá inicialmente aquelas que maiores ônus lhe trouxerem. Como o percentual de 1% ao mês não é alto para os padrões brasileiros 16, caso o mutuário possua outras dívidas com maiores ônus, inadimplirá com o banco. Seguindo esta linha de raciocínio, os bancos, receosos de sofrerem com um aumento significativo no nível de inadimplência, podendo gerar desequilíbrio no seu fluxo orçamentário, poderão tentar compensar os juros moratórios relativamente baixos com o 14 É comum as instituições financeiras cobrarem diversas taxas, como: comissão de permanência, emissão de boletos, repactuação contratual, etc. Deve ser ressalvado, todavia, que o Poder Judiciário, comumente tem afastado a cobrança destes valores por serem abusivos, como pode ser constatado na sentença prolatada pela Juíza Isabela Sampaio Alves, nos autos do processo que José Severino Vicente moveu contra Banco HSBC, requerendo a revisão contratual de várias cláusulas em um contrato de financiamento de automóvel. A sentença pode ser colhida pela leitura do site https://www.tj.se.gov.br/scp/consultas/internet/sentenca.wsp?tmp.cmpt=900&tmp.npro= &TMP.DTMOV= &TMP.SEQ=2&TMP.CODMOV=371 acesso em 22/07/ Trata-se, apenas, de uma súmula, portanto, sem qualquer natureza imperativa. 16 Os juros no Brasil estão entre os mais altos do mundo como já reconhece o próprio Ministro da Fazenda Guido Mantega e o Presidente Luís Inácio Lula da Silva. Veja o site aceessado em 23/07/2009. Deve, todavia, ser ressaltado que estão em queda, inclusive, em 22/07/2009 a taxa SELIC foi fixada em 8,75% ao ano, que a menor da série histórica.

11 aumento dos juros remuneratórios, uma vez que estes não possuem qualquer limite legal ou sumular 17. O raciocínio econômico expendido no parágrafo anterior poderá acarretar um aumento do spread bancário, ou seja, na diferença da taxa cobrada pelos bancos ao conceder um mútuo em relação ao valor captado por eles. Não se pode ser inocente em relação a questões que envolvem um aspecto de grande magnitude econômica e jurídica como o que ora tratamos. Se por um lado a súmula visou proteger o consumidor, certamente, por outro lado, eventualmente, poderá acarretar um maior nível de inadimplência gerando a redução da oferta de capital no mercado, reduzindo o crescimento econômico, diminuindo a produção de riquezas, a geração de empregos, enfim, sendo prejudicial à economia brasileira. Frise-se, contundentemente, que não se critica a posição do Superior Tribunal de Justiça, pelo contrário, apenas não se pode admiti-la sem qualquer reflexão como uma simples jurisprudência de proteção ao hipossuficiente, sem, contudo, fazermos uma digressão às conseqüências no mercado financeiro e na economia do país. Inexoravelmente, desestimular a oferta de capitais acarreta redução no crescimento econômico, extremamente necessário ao Brasil neste momento. Ademais, muito embora estejamos em um período de estabilização inflacionária, nada obsta que voltemos a ter, infelizmente, níveis altos de inflação. Destarte, com o Poder Judiciário fixando parâmetros máximos de taxas de juros, traria ao mercado financeiro uma insegurança diante de eventual volatilidade econômica. Desta forma, ainda que por idealismo, a fixação dos juros, tanto remuneratórios quanto moratórios, é tarefa muito mais intimamente ligada ao mercado financeiro e à economia do que à imperatividade do Judiciário. 17 Ressalte-se que o STJ editou a súmula 382 com os seguintes dizeres: A estipulação de juros remuneratórios superiores a 12% ao ano, por si só, não indica abusividade

12 Afinal, a taxa de juros deve acompanhar muito mais o mercado com suas nuances, tais como o controle de meio circulante, a oferta de capitais, os índices inflacionários, a necessidade de entrada de capital estrangeiro, a balança comercial, a parafiscalidade tributária, dentre outros aspectos, do que simplesmente, como pensam alguns juristas, a tutela da relação banco-consumidor. Outrossim, não pode o Judiciário, e de fato não o tem feito 18, olvidar dos reclames do consumidor que comumente se encontram em manifesta hipossuficiência diante de cláusulas abusivas que o colocam em manifesta desvantagem perante os bancos, fazendo com que estes se locupletem diante do poder do capital em detrimento do cidadão que se encontrara em situações de risco como, v.g., a necessidade de dinheiro para fazer uma cirurgia. Não obstante, também se faz mister, sobretudo ao Poder Público, a conscientização da população no que se refere ao uso de recursos bancários, evitando-se, como comumente observa-se, a aquisição de veículos novos ou outros bens de consumo através de financiamentos bancários, quando melhor seria a aquisição de tais bens, muitas vezes supérfluos, com recursos próprios, evitando-se, posteriormente, que se busque no Judiciário uma proteção a que não faz jus. A Súmula 382 do Superior Tribunal de Justiça Por sua vez, a súmula 382 do STJ dispõe que: A estipulação de juros remuneratórios superiores a 12% ao ano, por si só, não indica abusividade. Como se percebe, essa última súmula se ocupa somente dos juros compensatórios, também denominados remuneratórios, não fazendo qualquer menção aos juros moratórios, objeto da súmula anterior. De todo modo, é possível, a partir de uma rápida leitura das duas súmulas acima mencionadas, perceber a diferença entre a postura adotada pelo STJ no que tange às 18 Conforme Resp , relatado pela ministra do STJ Nancy Andrighi, colhido do site acessado em 23/07/2009.

13 duas modalidades de juros. Como se viu, os juros moratórios, ainda que convencionados, não podem exceder a 1% ao mês (12% ao ano), diferentemente do que se passa com os juros compensatórios, cuja estipulação acima de 12% ao ano, por si só, não acarreta abusividade. É importante ressaltar, porém, que essa última posição adotada pelo STJ há muito está consolidada tanto na doutrina como no âmbito dos nossos tribunais. Mesmo porque, o art. 406 do Estatuto Civil, ao fazer menção aos juros que não foram convencionados, ou o foram sem taxa estipulada, se refere, claramente, aos juros legais, não restringindo, portanto, a estipulação (convenção) de taxa de juros superior à legal, seja esta a taxa SELIC, ou a taxa de 1% ao mês do CTN. O problema, portanto, não é saber se é possível estipular ou não taxa de juros compensatórios superior à legal, mas sim fixar limites para essa estipulação. Nesse sentido, é importante frisar que o STJ, na Súmula inicialmente analisada (Súmula 379), procurou delimitar apenas os juros moratórios, não se preocupando em estabelecer qualquer limite para a cobrança dos juros compensatórios. Por isso mesmo, surge a dúvida: qual o limite para a estipulação de juros remuneratórios? Como visto, o Código Civil de 2002, assim como o Estatuto de 1916, não se preocuparam em estabelecer parâmetros para a estipulação dos juros compensatórios. Na verdade, foi somente o Decreto /33 (Lei da Usura), que, visando reprimir a usura, se preocupou em delimitar a cobrança de juros, seja a título de mora (juros moratórios), seja a título de remuneração pelo capital emprestado. De acordo com o art. 1 do aludido decreto, É vedado, e será punido nos termos desta lei, estipular em quaisquer contratos taxas de juros superiores ao dobro da taxa legal (Código Civil, art. 1062). É importante frisar, ainda, que o referido Decreto vedou também o chamado anatocismo, isto é, a cobrança de juros sobre juros, sendo permitida apenas a capitalização anual, que significa a acumulação de juros vencidos aos saldos líquidos em conta corrente de ano a ano. Desse modo, à falta de outro limite legal para a estipulação dos juros em face do atual ordenamento jurídico, deve prevalecer o disposto na Lei da usura, sendo possível,

14 portanto, convencionar a taxa de juros, pelo menos os compensatórios, desde que não exceda ao dobro da taxa legal. Cumpre ressaltar, no entanto, que a partir de 1965, com a entrada em vigor da Lei 4.595/65, que criou o Conselho Monetário Nacional e dispôs sobre a política e as instituições monetárias, bancárias e creditícias surgiu uma nova celeuma no meio jurídico. Isso porque, a referida Lei atribuiu ao mencionado Conselho a prerrogativa de limitar, sempre que necessário, as taxas de juros e outras formas de remuneração de operações e serviços bancários ou financeiros (art. 4, IX). Daí, a controvérsia: qual a legislação irá regular as operações realizadas pelas instituições financeiras? Aplica-se a elas o Dec /33 ou a legislação própria criada para regular suas operações? A questão foi parar no Judiciário, prevalecendo o entendimento de que para as operações realizadas pelas instituições financeiras, públicas ou privadas, deve prevalecer sua legislação própria, sendo afastada, portanto, a Lei da Usura. Nesse sentido, cumpre trazer a lume a Súmula 596 do STF: As disposições do Decreto /33 não se aplicam às taxas de juros e aos outros encargos cobrados nas operações realizadas por instituições públicas ou privadas, que integram o Sistema Financeiro Nacional. Sendo assim, as instituições financeiras, públicas ou privadas, estão livres para cobrar taxas que excedam ao dobro da legal, observando critérios e limites estabelecidos apenas pelo Conselho Monetário Nacional. Com a promulgação da Constituição da República de 1988, porém, outra acirrada controvérsia surgiu no meio jurídico. Mesmo porque, em seu art. 192, 3º, a Constituição, em seu texto originário, dispôs que: As taxas de juros reais, nelas incluídas comissões e quaisquer outras remunerações direta ou indiretamente referidas à concessão de crédito, não poderão ser superiores a doze por cento ao ano; a cobrança acima deste limite será conceituada como crime de usura, punido, em todas as suas modalidades, nos termos que a lei determinar. Com isso, voltou à tona mais uma vez a discussão. Com base na nova ordem Constitucional, teria sido recepcionada, sobretudo na parte que atribui ao CMN prerrogativa para estabelecer a taxa de juros, a Lei 4595? A controvérsia se intensificou e o STF acabou fixando entendimento no sentido de que o art. 192, 3, não seria autoaplicável. Isso se deve ao fato de o caput desse dispositivo dispor que: O sistema

15 financeiro nacional, estruturado de forma a promover o desenvolvimento equilibrado do País e a servir aos interesses da coletividade, será regulado em lei complementar, que disporá, inclusive, sobre [...] (grifamos) Essa posição, inclusive, acabou ensejando a criação de uma súmula. Trata-se da Súmula 648 do Supremo Tribunal Federal, segundo a qual: "A norma do 3º do art. 192 da Constituição, revogada pela EC 40/2003, que limitava a taxa de juros reais a 12% ao ano, tinha sua aplicabilidade condicionada à edição de lei complementar". Em 29/05/2003, porém, o Constituinte derivado acabou revogando o citado dispositivo do Texto Constitucional, o que ocorreu por meio da EC n. 40. Tal fato, sem dúvida alguma, corrigiu um grande equívoco. Mesmo porque, em um país capitalista como o nosso, onde vigora o princípio da livre iniciativa, apesar das limitações, não faz nenhum sentido ter taxa de juros estabelecida em sua Lei maior. A esse respeito, é importante ressaltar que a Constituição brasileira, como a maioria das Constituições do mundo ocidental, é uma Constituição rígida, o que significa que ela pressupõe um quorum de aprovação para suas Emendas bem superior ao previsto para aprovação de Lei ordinária. De todo modo, apesar da citada manifestação do Supremo, muito ainda se discute sobre a recepção ou não da Lei 4595 a partir do atual Texto Constitucional. Nesse sentido, importa destacar que o art. 48, XIII, atribui ao Congresso Nacional, com a sanção do Presidente da República, a prerrogativa de dispor sobre matéria financeira, cambial e monetária, instituições financeiras e suas operações. Sendo assim, não poderia um órgão vinculado ao executivo, como o Conselho Monetário Nacional, dispor sobre a matéria sem que ela fosse primeiro objeto de um projeto legislativo. Ante o exposto, é fácil perceber que nenhuma contribuição trouxe a súmula 382 do STJ. Ora, há muito se sabia (e ninguém questionava esse fato) que juros compensatórios superiores a 12% ao ano não implicam, por si só, nenhuma abusividade. Na verdade, o Superior Tribunal de Justiça, ao dispor sobre o problema dos juros, acabou perdendo uma grande oportunidade de realmente dar um passo além, pacificando algumas questões que há muito atormentam os juristas. Assim, por exemplo, a qual taxa se refere o art. 406 do Código Civil, aos 12% ao ano, previsto no CTN, ou à taxa Selic? Esta, sim, desponta como uma questão extremamente relevante, que, caso tivesse sido abordada na aludida súmula, teria trazido inegável contribuição para o meio jurídico. Ou ainda, seria excelente

16 sabermos se o Judiciário pode fixar um parâmetro do que seria abusivo no que concerne aos juros remuneratórios. CONCLUSÃO Com esta exposição podemos concluir que a Súmula 379 do Superior Tribunal de Justiça foi positiva na medida em que trouxe maior certeza quanto à limitação dos juros moratórios para os devedores, sem conduzi-los, porém, a uma situação de maior penúria. Por outro lado, a citada Súmula 382, ao se pronunciar de forma lacunosa sobre os limites para a incidência dos juros compensatórios, além de não ter trazido nenhuma contribuição significativa para o tema, deixou claro que não existe entendimento pacífico quanto à delimitação dessa modalidade de juros. Da mesma forma, tampouco existe óbice ao anatocismo por parte das instituições financeiras, permitindo a estas maior liberdade na fixação das taxas que lhes convierem em operações rotineiras como as de cartão de crédito, financiamento de veículos, cheque especial, etc. Assim, o conceito do que é abusivo em detrimento do devedor e, por conseqüência, a taxa de juros que deve ser rechaçada pelo Poder Judiciário, continua incerto nos tribunais brasileiros, cabendo, portanto, ao mutuário que se sentir usurpado diante de juros remuneratórios exagerados, buscar a tutela jurisdicional para amenizar sua situação. Outrossim, a limitação dos juros moratórios pela Súmula 379 propicia aos bancos uma maior certeza nas suas relações rotineiras, devendo, pois, disponibilizar recursos e contabilizar suas operações com a limitação imposta, restando, assim, aos juros remuneratórios a fonte de seu lucro. Não obstante, ainda que haja argumentos de que a súmula prejudicou os bancos e incentivará o inadimplemento, não acreditamos que haja procedência em tais colocações, pois, como se sabe, além dos juros moratórios existem outros meios de impelir o adimplemento contratual, como, por exemplo, a inclusão do nome do devedor nos cadastros de proteção ao crédito.

17 Referências BRASIL. Banco Central do Brasil. Acesso pelo site BRASIL. Ministério da Fazenda. Acesso pelo site BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Acesso pelo site BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Acesso pelo site BRASIL. Tribunal de Justiça de Sergipe. Acesso pelo site LONGUINI. Adair J. Limitação Constitucional dos Juros: análise judiciária e legislativa. Acesso pelo site

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. Veda a utilização do sistema francês de amortização, ou tabela Price, nos empréstimos e financiamentos de qualquer natureza.

Leia mais

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes UNISEB Centro Universitário 17/5/2013 Módulo 6.2 Unidade 5 UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil em Processos Bancários 3 A PERÍCIA BANCÁRIA

Leia mais

Novély Vilanova da Silva Reis. Juiz Federal em Brasília. novely@df.trf1.gov.br

Novély Vilanova da Silva Reis. Juiz Federal em Brasília. novely@df.trf1.gov.br JUROS E CORREÇÃO MONETÁRIA DECORRENTES DE SENTENÇA Novély Vilanova da Silva Reis. Juiz Federal em Brasília. novely@df.trf1.gov.br Qualquer débito decorrente de decisão judicial, incide juros ainda que

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.423, DE 2009 Acrescenta dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, estabelecendo

Leia mais

Av. Tabajaras, 1.411, Centro, CEP: 17600-360, Fone: (14) 3491-5540, Tupã/SP.

Av. Tabajaras, 1.411, Centro, CEP: 17600-360, Fone: (14) 3491-5540, Tupã/SP. REVISÃO NO CONTRATO DE CONSUMO. EQUILIBRIO CONTRATUAL E A POSIÇÃO DO STJ. No atual cenário econômico brasileiro, aonde a oferta pelos bens de consumo alcança cada vez mais todas as classes, as instituições

Leia mais

Número do processo: 1.0024.04.257745-2/001(1)

Número do processo: 1.0024.04.257745-2/001(1) Número do processo: 1.0024.04.257745-2/001(1) Relator: ALVIMAR DE ÁVILA Relator do Acordão: ALVIMAR DE ÁVILA Data do Julgamento: 28/05/2008 Data da Publicação: 07/06/2008 Inteiro Teor: EMENTA: AÇÃO DE

Leia mais

Juros - Aspectos Econômicos e Jurídicos

Juros - Aspectos Econômicos e Jurídicos 48 Juros - Aspectos Econômicos e Jurídicos Débora Maria Barbosa Sarmento 1 I - CONCEITO DE JUROS Define-se juros como o rendimento auferido pela utilização de capital alheio, isto é, o preço pelo uso do

Leia mais

JUROS NA INCORPORAÇÃO

JUROS NA INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA JUROS NA INCORPORAÇÃO Inicialmente, é importante esclarecer de forma bastante sintética, que os juros na incorporação imobiliária, consistem na remuneração do capital que os incorporadores

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL \d \w1215 \h1110 FINCLUDEPICTURE "brasoes\\15.bmp" MERGEFORMAT PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL Processo n. 001.08.020297-8 Ação: Ação Civil Pública Autor: Ministério

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa APELAÇÃO E RECURSO ADESIVO N. 2001997051712-0/001 Relator Des. José Di Lorenzo Serpa 1 Apelante Banco do Nordeste do Brasil

Leia mais

Maria Regina R Avelar Contadora, Auditora, Perita. Tel. 11 3167 5144 R 126

Maria Regina R Avelar Contadora, Auditora, Perita. Tel. 11 3167 5144 R 126 1 DO TRABALHO PERICIAL Tomando por base os dados constantes da planilha apresentada pelo Banco, a perita reconstituiu as condições contratuais, a seguir: Em 22/11/1999 a Sra. WALKYRIA STORER e o HSBC BANK

Leia mais

EMPRÉSTIMO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 579 a 592 do CC. 2. Conceito de empréstimo

EMPRÉSTIMO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 579 a 592 do CC. 2. Conceito de empréstimo 1. Referência legal do assunto Arts. 579 a 592 do CC. 2. Conceito de empréstimo EMPRÉSTIMO Negócio jurídico pelo qual uma pessoa entrega uma coisa a outra, de forma gratuita, obrigando-se esta a devolver

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Guilherme Campos) Dispõe sobre juros de mora e atualização monetária dos débitos judiciais. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta lei disciplina os juros de mora

Leia mais

INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015. Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural. Sem Reciprocidade

INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015. Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural. Sem Reciprocidade INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015 Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural Produtor, a, atenta a diversos relatos de produtores quanto a insistência de agentes bancários

Leia mais

ARTIGO - A AÇÃO REVISIONAL DE CONTRATOS NO DIREITO BRASILEIRO

ARTIGO - A AÇÃO REVISIONAL DE CONTRATOS NO DIREITO BRASILEIRO ARTIGO - A AÇÃO REVISIONAL DE CONTRATOS NO DIREITO BRASILEIRO *Maraísa Santana No mês passado (abril/2014) escrevi artigo (AÇÃO REVISIONAL DE FINANCIAMENTO DE VEÍCULOS É GARANTIDA POR LEI), que foi publicado

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECLAMAÇÃO Nº 14.696 - RJ (2013/0339925-1) RELATORA : MINISTRA MARIA ISABEL GALLOTTI RECLAMANTE : BANCO BRADESCO FINANCIAMENTOS S/A ADVOGADO : JOSÉ ANTÔNIO MARTINS E OUTRO(S) RECLAMADO : TERCEIRA TURMA

Leia mais

Ação Revisional Bancária

Ação Revisional Bancária Ação Revisional Bancária Em relação as taxas de juros a jurisprudência do STJ fixou que a limitação dos juros a 12% a.a prevista na Lei da Usura não se aplica as instituições financeiras. No entanto aquela

Leia mais

Breves Considerações sobre o Superendividamento

Breves Considerações sobre o Superendividamento 116 Breves Considerações sobre o Superendividamento Luiz Eduardo de Castro Neves 1 O empréstimo de valores é realizado com a cobrança de juros, de forma a permitir uma remuneração pelo valor emprestado.

Leia mais

Plano de Saúde - O Envelhecimento e o Reajuste por Faixa Etária Impacto da Lei 9.656 e o Estatuto do Idoso (Lei nº 10.741/2003)

Plano de Saúde - O Envelhecimento e o Reajuste por Faixa Etária Impacto da Lei 9.656 e o Estatuto do Idoso (Lei nº 10.741/2003) Série Aperfeiçoamento de Magistrados 6 Judicialização da Saúde - Parte I 393 Plano de Saúde - O Envelhecimento e o Reajuste por Faixa Etária Impacto da Lei 9.656 e o Estatuto do Idoso (Lei nº 10.741/2003)

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro.

Excelentíssimo Senhor Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Excelentíssimo Senhor Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro., vem, auxiliado pela Amaerj Associação dos Magistrados do Estado do Rio de Janeiro, com fulcro na jurisprudência e legislação

Leia mais

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde 254 Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde Luiz Eduardo de Castro Neves 1 Nos dias atuais, em que há cada vez mais interesse em bens de consumo, é, sem dúvida, nos momentos em que as pessoas se

Leia mais

ACÓRDÃO. Belo Horizonte, 04 de dezembro de 2007. DES. GUILHERME LUCIANO BAETA NUNES - Relator NOTAS TAQUIGRÁFICAS

ACÓRDÃO. Belo Horizonte, 04 de dezembro de 2007. DES. GUILHERME LUCIANO BAETA NUNES - Relator NOTAS TAQUIGRÁFICAS Número do processo: 1.0024.04.256872-5/001(1) Relator: GUILHERME LUCIANO BAETA NUNES Relator do Acordão: GUILHERME LUCIANO BAETA NUNES Data do Julgamento: 04/12/2007 Data da Publicação: 17/12/2007 Inteiro

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.154.988 - MT (2009/0168081-6) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO SIDNEI BENETI : BANCO DO BRASIL S/A : FRADEMIR VICENTI DE OLIVEIRA E OUTRO(S) : FRANCISCO XAVIER

Leia mais

O Advogado-Geral do Estado, Dr. Marco Antônio Rebelo Romanelli, proferiu no Parecer abaixo o seguinte Despacho: Aprovo. Em 28/12/2010 RELATÓRIO

O Advogado-Geral do Estado, Dr. Marco Antônio Rebelo Romanelli, proferiu no Parecer abaixo o seguinte Despacho: Aprovo. Em 28/12/2010 RELATÓRIO 1 O Advogado-Geral do Estado, Dr. Marco Antônio Rebelo Romanelli, proferiu no Parecer abaixo o seguinte Despacho: Aprovo. Em 28/12/2010 Procedência: Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social - SEDESE

Leia mais

EXCELENTÍSSIMA SENHORA MINISTRA NANCY ANDRIGHI DA COLENDA SEGUNDA SEÇÃO DO EGRÉGIO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA.

EXCELENTÍSSIMA SENHORA MINISTRA NANCY ANDRIGHI DA COLENDA SEGUNDA SEÇÃO DO EGRÉGIO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA. EXCELENTÍSSIMA SENHORA MINISTRA NANCY ANDRIGHI DA COLENDA SEGUNDA SEÇÃO DO EGRÉGIO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Recursos Especiais nºs 1.063.343/RS e 1.058.114/RS INSTITUTO BRASILEIRO DE DEFESA DO CONSUMIDOR

Leia mais

A Fixação de Juros Remuneratórios pelas Instituições Financeiras e os Preceitos Constitucionais da Livre Iniciativa e da Livre Concorrência

A Fixação de Juros Remuneratórios pelas Instituições Financeiras e os Preceitos Constitucionais da Livre Iniciativa e da Livre Concorrência 16 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 5 A Fixação de Juros Remuneratórios pelas Instituições Financeiras e os Preceitos Constitucionais da Livre Iniciativa e da Livre Concorrência Adriana Therezinha

Leia mais

Comissão de Permanência.

Comissão de Permanência. Comissão de Permanência. Ilan Goldberg 1 Úrsula Santos de Ávila Goulart 2 EMENTA: (i) (ii) Considerações quanto à legalidade da cobrança da comissão de permanência promovida por instituições financeiras;

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.036.818 - RS (2008/0046457-0) RECORRENTE : BANCO GE CAPITAL S/A ADVOGADO : MÁRIO DE FREITAS MACEDO FILHO E OUTRO(S) RECORRIDO : ADROALDO KLAUS DOS SANTOS ADVOGADO : EDUARDO CESTARI

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Vícios Da Execução Fundada Em Nota Promissória[1] Waldemir Banja[2] Sabemos todos que a nota promissória, possivelmente o mais popular e o mais utilizado dos títulos de crédito entre

Leia mais

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1.

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1. Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Anotações de Aula 1. ANOTAÇÕES DE AULA DIREITO TRIBUTARIO NO CTN Art. 155-A CTN.

Leia mais

Excertos. Código Comercial. Carta de Lei de 28 de junho de 1888. TÍTULO I Disposições gerais. Artigo 96.º Liberdade de língua nos títulos comerciais

Excertos. Código Comercial. Carta de Lei de 28 de junho de 1888. TÍTULO I Disposições gerais. Artigo 96.º Liberdade de língua nos títulos comerciais Excertos do Código Comercial Carta de Lei de 28 de junho de 1888 Livro Segundo Dos Contratos Especiais de Comércio TÍTULO I Disposições gerais Artigo 96.º Liberdade de língua nos títulos comerciais Os

Leia mais

AÇÃO CIVIL PÚBLICA CONSUMERISTA com pedido de liminar

AÇÃO CIVIL PÚBLICA CONSUMERISTA com pedido de liminar Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito da Empresarial da Comarca da Capital Vara Banco Bradesco Cartão de crédito Cobrança dos juros de mora duas vezes, em patamares superiores ao limite legal O MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

VOTO Nº : 13821 APEL.Nº : 991.08.054479-8 COMARCA : SÃO JOSÉ DO RIO PRETO : BANCO FININVEST S/A : HILDA SOUZA LOPES (JUST GRAT)

VOTO Nº : 13821 APEL.Nº : 991.08.054479-8 COMARCA : SÃO JOSÉ DO RIO PRETO : BANCO FININVEST S/A : HILDA SOUZA LOPES (JUST GRAT) VOTO Nº : 13821 APEL.Nº : 991.08.054479-8 COMARCA : SÃO JOSÉ DO RIO PRETO APTE. APDO. : BANCO FININVEST S/A : HILDA SOUZA LOPES (JUST GRAT) CRÉDITO - Legalidade da cobrança de juros que englobem o custo

Leia mais

V AL R Qualificação do Microempreendedor

V AL R Qualificação do Microempreendedor V AL R Qualificação do Microempreendedor Data: Nome Completo: CPF/CNPJ: Nº Identidade: Órgão Emissor : Sexo: Data de Nascimento: Estado Civil: Naturalidade: Nome do Pai: Nome da Mãe: Endereço: Bairro:

Leia mais

PATRIMÔNIO DE AFETAÇÃO. Advogado: Marcelo Terra

PATRIMÔNIO DE AFETAÇÃO. Advogado: Marcelo Terra PATRIMÔNIO DE AFETAÇÃO Advogado: Marcelo Terra 1. Objetivo do patrimônio de afetação O patrimônio de afetação se destina à consecução da incorporação correspondente e entrega das unidades imobiliárias

Leia mais

Estado da Paraíba Poder Judiciário Tribunal de Justiça

Estado da Paraíba Poder Judiciário Tribunal de Justiça Estado da Paraíba Poder Judiciário Tribunal de Justiça DECISÃO APELAÇÃO CÍVEL N 200.2001.026206-7/001 CAPITAL RELATOR: Miguel de Britto Lyra filho, Juiz de Direito Convocado, APELANTE: Maria Betânia de

Leia mais

STJ00098028. Luiz Antonio Scavone Junior I I I I. 5 a edição revista, atualizada e ampliada RIO DE JANEIRO

STJ00098028. Luiz Antonio Scavone Junior I I I I. 5 a edição revista, atualizada e ampliada RIO DE JANEIRO Luiz Antonio Scavone Junior I I I I 5 a edição revista, atualizada e ampliada RIO DE JANEIRO A EDITORA FORENSE se responsabiliza pelos vicios do produto no que concerne à sua edição (impressão e apresentação

Leia mais

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 ATRFB (ÁREA GERAL) -DIREITO TRIBUTÁRIO

RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON PROVA 2 ATRFB (ÁREA GERAL) -DIREITO TRIBUTÁRIO RECURSOS DIREITO TRIBUTÁRIO- ALEXANDRE LUGON QUESTÃO 1 1 - Responda às perguntas abaixo e em seguida assinale a opção correta. I. É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios cobrar

Leia mais

COMPENSAÇÃO NO DIREITO TRIBUTÁRIO

COMPENSAÇÃO NO DIREITO TRIBUTÁRIO COMPENSAÇÃO NO DIREITO TRIBUTÁRIO Rafael da Rocha Guazelli de Jesus * Sumário: 1. Introdução 2. O Instituto da Compensação 3. Algumas legislações que tratam da compensação 4. Restrições impostas pela Fazenda

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.237.894 - MT (2011/0026945-1) RELATOR : MINISTRO SIDNEI BENETI RECORRENTE : BANCO DO BRASIL S/A ADVOGADO : NAGIB KRUGER E OUTRO(S) RECORRIDO : SUSSUMO SATO E OUTRO ADVOGADO : GILMAR

Leia mais

A sistemática dos financiamentos sujeitos à TJ-462 será a mesma vigente para a TJLP, inclusive no que se refere à:

A sistemática dos financiamentos sujeitos à TJ-462 será a mesma vigente para a TJLP, inclusive no que se refere à: Capítulo II CONDIÇÕES GERAIS 1. SISTEMÁTICA DE CÁLCULO DOS JUROS. Os juros, aí considerados o Custo Financeiro, a Remuneração do BNDES e a Remuneração do Agente Financeiro, serão calculados sobre o saldo

Leia mais

SEGUNDA TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

SEGUNDA TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ Processo nº 200870510053441 Recorrente: Fernando dos Santos Lima Recorrido: Caixa Econômica Federal Relatora: Juíza Federal Ivanise Corrêa Rodrigues Perotoni V O T O I Relatório Trata-se de ação em que

Leia mais

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL Nº DA CÉDULA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) (S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL RENAVAN CHASSI PLACA NOTA FISCAL (CASO VEÍCULO

Leia mais

A jurisprudência da Lei de Falências e Recuperação de Empresas e a

A jurisprudência da Lei de Falências e Recuperação de Empresas e a A jurisprudência da Lei de Falências e Recuperação de Empresas e a Lei Complementar 147/14 Impactos para o mercado de crédito. Glauco Alves Martins Objetivo geral: aperfeiçoamento do SIMPLES e modificações

Leia mais

Limitações na ação de consignação em pagamento. Sumário: 1 Conceito. 2 Sua disciplina legal. 3 Limites da ação em consignação em pagamento.

Limitações na ação de consignação em pagamento. Sumário: 1 Conceito. 2 Sua disciplina legal. 3 Limites da ação em consignação em pagamento. Limitações na ação de consignação em pagamento Kiyoshi Harada* Sumário: 1 Conceito. 2 Sua disciplina legal. 3 Limites da ação em consignação em pagamento. 1 Conceito O que significa consignação em pagamento?

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 65, DE 2003

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 65, DE 2003 COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 65, DE 2003 Altera o inciso IX do art. 4º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964. Autor: Deputado FEU ROSA Relator: Deputado CORIOLANO

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnica n.º 8, de 2015. Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Subsídios acerca da adequação orçamentária e financeira da Medida Provisória nº 670, de 10 de março de 2015. Núcleo da Receita

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Contratos Mercantis Prof.: Alexandre Gialluca Data: 19/04/2007 RESUMO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Contratos Mercantis Prof.: Alexandre Gialluca Data: 19/04/2007 RESUMO RESUMO 1) Alienação fiduciária 1.1) Alienação fiduciária de bens móveis (Dec-Lei 911/69) Na doutrina há quem diga que se trata de contrato acessório e a quem diga que se trata de contrato incidental. Na

Leia mais

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE compilações doutrinais RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE Carlos Barbosa Ribeiro ADVOGADO (BRASIL) VERBOJURIDICO VERBOJURIDICO

Leia mais

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro fls. 375 SENTENÇA Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro Requerente: Luiz Eduardo Possagnolo Requerido: Gafisa Spe-127

Leia mais

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Regulamenta o oferecimento e a aceitação do seguro garantia judicial para execução fiscal e seguro garantia parcelamento administrativo fiscal para

Leia mais

O que é desconto? O que é factoring? Cessão de crédito Quando um banco precisa transferir créditos e débitos? Quando um banco cede créditos? Empréstimos sindicalizados Securitizações Quando clientes cedem

Leia mais

DIREITO CIVIL. 5. A simples interpretação de cláusula contratual não enseja recurso especial.

DIREITO CIVIL. 5. A simples interpretação de cláusula contratual não enseja recurso especial. SÚMULAS DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA - STJ DIREITO CIVIL 5. A simples interpretação de cláusula contratual não enseja recurso especial. c Art. 105, III, da CF. c Art. 257 do RISTJ. 16. A legislação

Leia mais

DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO

DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO Inovações trazidas pela Lei Federal n.º 12.810 de 15 de maio de 2013. João Pedro Lamana Paiva* 1 Desde o advento da Lei

Leia mais

Introdução Origem e Utilização

Introdução Origem e Utilização Precatórios Introdução Origem e Utilização PRECATÓRIOS: ORIGEM E UTILIZAÇÃO Descrição e Histórico Precatórios: são ordens judiciais de pagamento objeto de decisões finais proferidas contra entidades governamentais

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 593.196 - RS (2003/0164484-3) RELATOR : MINISTRO HÉLIO QUAGLIA BARBOSA EMENTA RECURSO ESPECIAL. SEGURO. ATRASO NO PAGAMENTO DOS VALORES DEVIDOS PELA SEGURADORA. LUCROS CESSANTES. OCORRÊNCIA.

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE SÃO CAETANO DO SUL FORO DE SÃO CAETANO DO SUL 2ª VARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE SÃO CAETANO DO SUL FORO DE SÃO CAETANO DO SUL 2ª VARA CÍVEL fls. 137 CONCLUSÃO Em 24 de outubro de 2014, faço estes autos conclusos ao (à) Doutor(a) Ana Lucia Fusaro Juiz(a) de Direito. Rafael Nigoski Lopes, Assistente Judiciário. Processo nº: 1002710-42.2014.8.26.0565

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Determinada pessoa jurídica declarou, em formulário próprio estadual, débito de ICMS. Apesar de ter apresentado a declaração, não efetuou o recolhimento do crédito

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador LUIZ HENRIQUE

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador LUIZ HENRIQUE PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 244, de 2011, do Senador Armando Monteiro, que acrescenta os arts. 15-A, 15-B e 15-C à Lei nº 6.830, de 22 de

Leia mais

NA IMPORTAÇÃO POR NÃO CONTRIBUINTE DO IMPOSTO ESTADUAL APÓS A EMENDA CONSTITUCIONAL N. 33 DE 11.12.01, CONTINUA NÃO INCIDINDO O ICMS.

NA IMPORTAÇÃO POR NÃO CONTRIBUINTE DO IMPOSTO ESTADUAL APÓS A EMENDA CONSTITUCIONAL N. 33 DE 11.12.01, CONTINUA NÃO INCIDINDO O ICMS. NA IMPORTAÇÃO POR NÃO CONTRIBUINTE DO IMPOSTO ESTADUAL APÓS A EMENDA CONSTITUCIONAL N. 33 DE 11.12.01, CONTINUA NÃO INCIDINDO O ICMS. Elaborado em 07/2008 Gerson Tarosso Advogado. Sócio fundador do escritório

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS O BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A., com sede na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 2041 e 2235, Bloco A, Vila Olímpia, São Paulo/SP, CEP 04543-011, CNPJ/MF sob n.º 90.400.888/0001-42, disponibiliza

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.088, DE 31 DE OUTUBRO DE 1990. Mensagem de veto Dispõe sobre a atualização do Bônus do Tesouro Nacional e dos depósitos de

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO PUBLICAÇÕES JUDICIAIS I - INTERIOR SP E MS SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SAO CARLOS 2ª VARA DE SÃO CARLOS

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO PUBLICAÇÕES JUDICIAIS I - INTERIOR SP E MS SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SAO CARLOS 2ª VARA DE SÃO CARLOS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO PUBLICAÇÕES JUDICIAIS I - INTERIOR SP E MS SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SAO CARLOS 2ª VARA DE SÃO CARLOS Processo nº 0001312-86.2014.403.6115 RCO IND., COM., EXPORT. E

Leia mais

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Direito Empresarial II Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Contratos Aula 18 Contratos: Teoria Geral; Classificação; Requisitos; Objetos; Elementos; Contratos em Espécie: Compra

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em ação de indenização, em que determinada empresa fora condenada a pagar danos materiais e morais a Tício Romano, o Juiz, na fase de cumprimento de sentença, autorizou

Leia mais

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CONVÊNIO DESCONTO

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CONVÊNIO DESCONTO CCB CONV DESC VJ 04/2011 (540) CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CCB Nº VIA: Negociável (CREDOR) Não Negociável (EMITENTE) I - EMITENTE Nome/Razão Social CPF /CNPJ Banco Agência Conta Corrente nº II TERCEIROS

Leia mais

O CONTRATO DE MÚTUO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

O CONTRATO DE MÚTUO NO NOVO CÓDIGO CIVIL O CONTRATO DE MÚTUO NO NOVO CÓDIGO CIVIL EDUARDO ANTÔNIO KLAUSNER Juiz de Direito do TJ/RJ. Professor de Direito Comercial da Universidade Estácio de Sá-UNESA. Instrutor da Escola Superior de Administração

Leia mais

OBSERVAÇÕES E EFEITOS DA MODULAÇÃO DAS ADIS 4357 E 4425 NO CÁLCULO DOS ATRASADOS EM AÇÕES CONTRA A FAZENDA PÚBLICA SEM PRECATÓRIO EXPEDIDO.

OBSERVAÇÕES E EFEITOS DA MODULAÇÃO DAS ADIS 4357 E 4425 NO CÁLCULO DOS ATRASADOS EM AÇÕES CONTRA A FAZENDA PÚBLICA SEM PRECATÓRIO EXPEDIDO. OBSERVAÇÕES E EFEITOS DA MODULAÇÃO DAS ADIS 4357 E 4425 NO CÁLCULO DOS ATRASADOS EM AÇÕES CONTRA A FAZENDA PÚBLICA SEM PRECATÓRIO EXPEDIDO. Bernardo Rücker No último dia 25 de maio de 2015, o Plenário

Leia mais

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 Regulamento do Plano de Empréstimo 2015 Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 1. Dos Objetivos a) Estabelecer os direitos e obrigações da Previplan - Sociedade de Previdência Privada (aqui designada como Sociedade

Leia mais

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 ASPECTOS HISTÓRICOS Em passado remoto, o Estado de São Paulo tentou instituir a cobrança do ICMS na importação de mercadorias e o fez por decreto.

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA Capítulo I Da Finalidade Artigo 1 - O presente Regulamento de Empréstimo Pessoal, doravante denominado Regulamento, tem por finalidade definir normas

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECLAMAÇÃO Nº 14.424 - PE (2013/0315610-5) RELATORA : MINISTRA MARIA ISABEL GALLOTTI RECLAMANTE : SANTANDER LEASING S/A ARRENDAMENTO MERCANTIL ADVOGADO : ANTÔNIO BRAZ DA SILVA E OUTRO(S) RECLAMADO : SEXTA

Leia mais

Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO

Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO GESTÃO TRIBUTÁRIA NOTÍCIAS - 2013 Lei 12.865 reabre Refis da crise e institui novos programas /ROTEIRO E CONDIÇÕES PARA ADESÃO A presidente Dilma Rousseff sancionou o projeto de lei de conversão resultante

Leia mais

PARCELAMENTO TRIBUTÁRIO

PARCELAMENTO TRIBUTÁRIO PARCELAMENTO TRIBUTÁRIO Depósitos Judiciais (REsp. 1.251.513/PR) e a conversão do depósito pela Fazenda Pública José Umberto Braccini Bastos umberto.bastos@bvc.com.br CTN ART. 151 o depósito é uma das

Leia mais

10 de Setembro 2013 Contencioso de Cobrança

10 de Setembro 2013 Contencioso de Cobrança DAS OPERAÇÕES DE CRÉDITOS, JUROS REMUNERATÓRIOS, CAPITALIZAÇÃO DE JUROS E MORA DO DEVEDOR O Decreto-Lei n.º 58/2013, de 8 de Maio estabelece as novas normas aplicáveis à classificação e contagem dos prazos

Leia mais

STJ00085281 NOTA À 9." EDIÇÃO... OBRAS DO AUTOR... 1.2 Operações bancárias... 18. 1.4 Natureza dos contratos de crédito bancário...

STJ00085281 NOTA À 9. EDIÇÃO... OBRAS DO AUTOR... 1.2 Operações bancárias... 18. 1.4 Natureza dos contratos de crédito bancário... STJ00085281 SUMÁRIO NOTA À 9." EDIÇÃO.................. OBRAS DO AUTOR................... 5 7 1. CRÉDITO BANCÁRIO........ 17 1.1 Atividade creditícia dos bancos.............. 17 1.2 Operações bancárias..........................

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.380.635 - RS (2013/0127200-1) RELATOR : MINISTRO LUIS FELIPE SALOMÃO RECORRENTE : BV FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO ADVOGADOS : EDUARDO MARIOTTI BRUNA GONÇALVES

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em 2003, João ingressou como sócio da sociedade D Ltda. Como já trabalhava em outro local, João preferiu não participar da administração da sociedade. Em janeiro

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Desembargadores LUIS MARIO GALBETTI (Presidente sem voto), MIGUEL BRANDI E RÔMOLO RUSSO.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Desembargadores LUIS MARIO GALBETTI (Presidente sem voto), MIGUEL BRANDI E RÔMOLO RUSSO. fls. 300 Registro: 2015.0000529177 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1106882-72.2014.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante ANA LIGIA PAES NASCIMENTO, é apelado

Leia mais

Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora

Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora . Teoria e Prática 1ª edição (2004) ISBN 978-972-592-176-3 2ª edição (2007) ISBN 978-972-592-210-1 3ª edição (2009) ISBN 978-972-592-243-9. Exercícios Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-233-0.

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 163 SENTENÇA Processo nº: 1020203-79.2015.8.26.0053 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Anulação de Débito Fiscal Requerente: Comercial Móveis das Nações Sociedade Ltda. (Lojas Marabraz) Requerido:

Leia mais

União estável e a separação obrigatória de bens

União estável e a separação obrigatória de bens União estável e a separação obrigatória de bens Quando um casal desenvolve uma relação afetiva contínua e duradoura, conhecida publicamente e estabelece a vontade de constituir uma família, essa relação

Leia mais

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação Processo : 2013.01.1.151018-6 Classe : Procedimento do Juizado Especial Cível Assunto : Contratos de Consumo Requerente : CELSO VIEIRA DA ROCHA JUNIOR Requerido : EMPRESA EBAZAR Sentença 1. Relatório Relatório

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986.

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. Regulamenta a concessão de financiamento para compra de ações pelas Sociedades Corretoras e Distribuidoras. O Presidente da Comissão de Valores Mobiliários

Leia mais

O índice de atualização monetária e a taxa de juros nas condenações impostas à Fazenda Pública

O índice de atualização monetária e a taxa de juros nas condenações impostas à Fazenda Pública O índice de atualização monetária e a taxa de juros nas condenações impostas à Fazenda Pública Jair Cortez Montovani Filho 1 Introdução O caminho trilhado pelo constituinte e pelo legislador infraconstitucional,

Leia mais

DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO NA RECUPERAÇÃO E NA FALÊNCIA DE EMPRESÁRIO OU SOCIEDADE EMPRESÁRIA

DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO NA RECUPERAÇÃO E NA FALÊNCIA DE EMPRESÁRIO OU SOCIEDADE EMPRESÁRIA DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO NA RECUPERAÇÃO E NA FALÊNCIA DE EMPRESÁRIO OU SOCIEDADE EMPRESÁRIA José da Silva Pacheco SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Da nova lei sobre recuperação judicial e falência. 2.1. Da referida

Leia mais

Contrato de Empréstimo para Cliente Pré- Selecionado - Crédito Citibank

Contrato de Empréstimo para Cliente Pré- Selecionado - Crédito Citibank Contrato de Empréstimo para Cliente Pré- Selecionado - Crédito Citibank CONSIDERANDO QUE: i) A empresa para a qual o MUTUÁRIO trabalha ( EMPREGADOR ) celebrou com o MUTUANTE (BANCO CITIBANK S.A.) Convênio

Leia mais

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição Contratos 245 Conceito A A Lei de Licitações considera contrato todo e qualquer ajuste celebrado entre órgãos ou entidades da Administração Pública e particulares, por meio do qual se estabelece acordo

Leia mais

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2012.0000382774 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0001561-08.2012.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que é apelante PLANO DE SAÚDE ANA COSTA LTDA, é apelado

Leia mais

Época de Anormalidade, Inadimplência, Mora: Encargos*** O que se pode cobrar Fundamento

Época de Anormalidade, Inadimplência, Mora: Encargos*** O que se pode cobrar Fundamento Política de Juros: Tendo em vista algumas dúvidas geradas ante a política de juros nas cooperativas, esta Assessoria Jurídica elaborou o seguinte esquema, baseado na lei e no entendimento Jurisprudencial

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador WALTER PINHEIRO I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador WALTER PINHEIRO I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 167, de 2011, que altera o inciso III do art. 18 da Lei nº 4.380, de 21 de agosto de

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO PARA FINANCIAMENTO DE VEÍCULOS

CONDIÇÕES GERAIS DA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO PARA FINANCIAMENTO DE VEÍCULOS CONDIÇÕES GERAIS DA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO PARA FINANCIAMENTO DE VEÍCULOS As Condições Gerais abaixo se aplicam à operação de Financiamento de Veículos, contratada pelo EMITENTE junto ao BANCO TOYOTA,

Leia mais

Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS

Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS SUMÁRIO CAPÍTULO I - DA FINALIDADE...3 CAPÍTULO II - DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS...3 CAPÍTULO III - DOS CRITÉRIOS PARA CONCESSÕES...4 CAPÍTULO IV - DOS

Leia mais

A COBRANÇA DE TARIFAS ADMINISTRATIVAS EM CONTRATOS DE CONCESSÃO DE CRÉDITO

A COBRANÇA DE TARIFAS ADMINISTRATIVAS EM CONTRATOS DE CONCESSÃO DE CRÉDITO A COBRANÇA DE TARIFAS ADMINISTRATIVAS EM CONTRATOS DE CONCESSÃO DE CRÉDITO Moisés da Silva Advogado Pós-graduando em Direito Processual e em Direito do Estado 59 EXCERTOS Se a instituição financeira presta

Leia mais

Contatos RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS. Conectando Oportunidades em Fusões & Aquisições LEI DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS (LEI Nº 11.101, DE 09/02/2005).

Contatos RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS. Conectando Oportunidades em Fusões & Aquisições LEI DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS (LEI Nº 11.101, DE 09/02/2005). A nova legislação brasileira destinada às empresas em dificuldades econômico-financeiras. Lei de Recuperação de Empresas disciplina a recuperação judicial, a recuperação extrajudicial. Aspectos legais.

Leia mais

SÚMULAS. Nas ações da lei de falências o prazo para a interposição de recurso conta-se da intimação da parte.

SÚMULAS. Nas ações da lei de falências o prazo para a interposição de recurso conta-se da intimação da parte. SÚMULAS Súmula: 5 A simples interpretação de clausula contratual não enseja recurso especial. Súmula: 8 Aplica-se a correção monetária aos créditos habilitados em concordata preventiva, salvo durante o

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG.

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG. Como amplamente noticiado nestes últimos dias, o Supremo Tribunal Federal, em decisão

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo. Voto nº 23951

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo. Voto nº 23951 10ª Câmara Seção de Direito Privado Apelação com Revisão n 4002213-20.2013.8.26.0562 Comarca: Santos Ação: Compromisso de Venda e Compra e Repetição de indébito Apte(s).: API Assessoria Consultoria e Intermediação

Leia mais

Apresentação. Material de apoio. Jurisprudência 1 - SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL 2 - SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA:

Apresentação. Material de apoio. Jurisprudência 1 - SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL 2 - SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA: Apresentação Caros Defensores (as) Públicos (as): Apresentamos a quinta edição do Informativo do Núcleo Especializado de Defesa do Consumidor, que vem sendo editado com periodicidade, a princípio, mensal.

Leia mais

RELATÓRIO. Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL

RELATÓRIO. Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Órgão: TURMA REGIONAL DE UNIFORMIZAÇÃO DE JURISPRUDÊNCIA N. Processo: 0500029-74.2008.4.05.8103 Origem: Primeira Turma Recursal do Estado do Ceará Recorrente: João Ferreira

Leia mais