Plano Ar Clima Energia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano Ar Clima Energia"

Transcrição

1 Plano Ar Clima Energia UMA ESTRATÉGIA TERRITORIAL INTEGRADA PACE Inventário das emissões de gases de efeito estufa do Rio Grande do Sul Setembro 2010 Rio Grande do Sul FASEP 845: ESQUEMA REGIONAL CLIMA AR ENERGIA DO RIO GRANDE DO SUL Beneficiário: FEPAM (Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luiz Roessler) Principal(ais) autor(es): Olivier Decherf (1), Alexis Goybet (2), Mario Saffer (4), Marion Thill (1), Etienne Vernet (2), Léo Genin (1), Eglantine Gavoty (3), Olivier Gilbert (1), Benoit Bulliot (1), Laurent Vassalo (2), Charlotte Raymond (1) (1) Enviroconsult; (2) Voltalia; (3) Asconit Consultants; (4) Engebio

2 ÍNDICE A. Enquadramento metodológico...4 B. Inventário...6 B.1. Energia...6 B.1.1. Utilização da energia...6 B.1.2. Zoom sobre a eletricidade...7 B.1.3. Emissões de GEE ligadas à utilização da energia...7 B.1.4. Emissões fugitivas...16 B.1.5. Emissões da Biomassa...20 B.2. Processos Industriais e Uso dos Produtos B.2.1. Procedimentos da indústria química...22 B.2.2. Procedimentos dos produtos minerais...23 B.2.3. Procedimentos da produção de metais...25 B.2.4. Utilização de solventes e produtos derivados...26 B.2.5. Produção e Consumo de gás fluorados...27 B.2.6. Outras produções...28 B.3. Agricultura, Florestas e Outros Usos do Solo B.3.1. Solos Agrícolas...30 B.3.2. Pecuária...36 B.3.3. Cultivo do arroz...39 B.4. Uso do Solo e Mudanças no Uso do Solo B.4.1. Uso do solo no Rio Grande do Sul...41 B.4.2. Evolução do uso do solo...44 B.4.3. Variação dos estoques de carbono...44 B.4.4. Florestas plantadas: pinho e eucalipto...45 B.4.5. Desmatamento da Mata Atlântica...46 B.5. Resíduos B.5.1. Resíduos sólidos urbanos...48 B.5.2. Efluentes...49 C. Síntese...53 C.1. Resultados C.2. Recomendações C.3. Implicação dos atores D. Bibliografia e referências...56 D.1. Metodologias D.2. Dados D.3. Inventário Brasil Relatórios de referência D.4. Outros Inventários D.5. Resíduos... 57

3 PREÂMBULO Uma quantidade relevante de dados e de informações foi coletada pelos consultores a fim de preparar este relatório. Diversas pessoas de diferentes setores de atividades do RS foram consultadas a fim de reunir estas informações. Os consultores, infelizmente, não conseguiram avaliar a qualidade e a pertinência de todas as informações coletadas; motivo pelos quais os consultores não podem assumir a responsabilidade ligada a estas informações e sua utilização futura. Os consultores confirmam que os dados e as informações reunidas não são confidenciais e são de domínio público. Qualquer pessoa ou organização pensando que seus direitos não foram respeitados é convidada a entrar em contato com os consultores. A utilização dos dados e resultados apresentados neste relatório é autorizada sob a condição de mencionar sua fonte.

4 A. Enquadramento metodológico No âmbito do inventário de emissões de GEE do RS, seguiremos a metodologia preconizada pelo GIEC 1, que é reconhecida no plano internacional, principalmente utilizada no Brasil. Os inventários nacionais repousam sobre alguns conceitos chaves que permitem, entre outros, garantir uma comparação possível entre os países e evitar as contas duplas ou omissões. Em nível regional é, portanto, necessário recorrer a algumas adaptações metodológicas permitindo, especialmente, levar em consideração as emissões de GEE que são de responsabilidade do território e não todas as emissões geradas no território. No âmbito do inventário GEE do RS, os parâmetros principais são os seguintes: Ano do inventário: os inventários contêm estimativas para o ano durante o qual as emissões na atmosfera (ou as absorções) ocorrem. O ano de 2005 corresponde ao ano de entrada em vigor do Protocolo de Kyoto e pode ser considerado como o ano de referência dos inventários. No Brasil, vários Estados já realizam seus inventários de emissões de GEE utilizando como ano base Assim, tomaremos este ano como referência para o inventário das emissões de GEE do RS. Regra de contabilização: podemos distinguir duas abordagens para a contabilização e, sobretudo, a atribuição das emissões: a abordagem produtor ou territorial que é baseada na produção e a abordagem consumidor, que é baseada na responsabilidade do território. No âmbito deste inventário, optaremos pela abordagem consumidor, que é mais representativa na responsabilidade do RS. Em particular, as emissões de GEE das centrais térmicas a carvão produzindo eletricidade não serão contabilizadas na fonte, mas serão levadas em consideração ao nível do consumo final de eletricidade no território. Fatores de emissão: A fim de ser coerente com a metodologia usada para os inventários realizados no Brasil, os fatores de emissão adotados para o Inventário a seguir são, conforme os casos, aqueles preconizados pelo IPCC, o Ministerio Brasileiro de Ciência e Tecnologia (responsável pela elaboração do Inventário Nacional do Brasil) e os outros Estados brasileiros que já realizaram inventários territoriais. Por exemplo, o cálculo das emissões de GEE devidas ao consumo final de energia considerará o fator de emissão por KWh produzido igual à media do Brasil. Isso significa, em particular, que as emissões de GEE das centrais térmicas à carvão que produzem eletricidade no território do RS não serão contabilizadas na fonte. Gases do Efeito estufa: segundo as Linhas diretrizes de 2006 do GIEC, os GEE principais são: dióxido de carbono (CO 2 ), metano (CH 4 ), óxido nitroso (N 2 O), hidrofluorocarbonos (HFC), perfluorcarboneto (PFC), hexafluoreto de enxofre (SF 6 ). Encontramos também informações para considerar gases precursores do efeito estufa: óxidos de nitrogênio (NO x ), amoníaco (NH 3 ), compostos orgânicos voláteis não metânicos (COVNM), monóxido de carbono (CO) e dióxido de enxofre (SO 2 ). No âmbito do inventário do RS, consideraremos unicamente os seguintes gases: CO 2, CH 4, N 2 O e HFC, que são os principais contribuidores. Potencial de Aquecimento Global (PAG): O PAG é um índice de comparação associado a um gás do efeito estufa (GEE), que quantifica sua contribuição 1 Linhas diretrizes de 2006 para os inventários nacionais de gases do efeito estufa, GIEC 2006

5 marginal ao aquecimento global, comparativamente àquela do dióxido de carbono, isso sobre certo período escolhido. Por definição, o PAG do CO 2 é sempre idêntico a 1 e utilizamos de forma geral o PAG de 100 anos para os outros gases, que são: 21 para o CH 4, 310 para o N 2 O e 1300 para o HFC 134. O conjunto destes valores é informado no site do UNFCCC. Setores e categorias: as estimativas de emissão e de absorção de GEE são divididas em setores principais, que agrupam os procedimentos, fontes e poços aferentes, a saber: Energia, Processos Industriais e Uso dos Produtos (PIUP), Agricultura, Exploração Florestal e Outros Usos do Solo e Resíduos. Método de estimativa: a abordagem metodológica simples, mais geral, consiste em combinar as informações sobre a extensão das atividades humanas (chamados dados sobre as atividades ou DA) com os coeficientes que quantificam as emissões ou as absorções pela atividade de unidade. Estes são chamados fatores de emissões (FE). A equação de base de estimativa das emissões é, portanto, a seguinte: Emissões = DA * FE Por exemplo, no setor de energia, o consumo de combustível constituiria um dado sobre as atividades e a massa de dióxido de carbono emitida por unidade de combustível consumido seria um fator de emissão. Incertezas: As estimativas das incertezas são necessárias para todas as categorias de fontes e dados pertinentes e aos fatores de emissões. Neste relatório, não apresentamos qualquer avaliação caso a caso das incertezas dos diferentes setores inventariados. Entretanto, podemos desde já, mencionar as grandes incertezas existentes no que diz respeito às emissões de N 2 O e as discussões internacionais que estão em curso sobre o assunto. Por outro lado, um trabalho mais preciso de avaliação poderá ser efetuado em uma segunda parte e será necessária a publicação oficial dos resultados do inventário. Qualidade do inventário: o GIEC definiu um conjunto de boas práticas que permitem desenvolver inventários coerentes, comparáveis, exaustivos, exatos e transparentes. No âmbito deste relatório, nosso esforço foi o de respeitar estas diretrizes, tanto em prazos de transparência da metodologia, quanto de exaustividade e de exatidão dos cálculos realizados. Nota-se aqui que a ferramenta de contabilização (formato Excel) será colocada à disposição da FEPAM, especialmente a fim de atualizar e de melhorar a qualidade do inventário. Finalmente, é importante lembrar que este inventário corresponde a uma primeira estimativa das emissões e absorções de GEE no RS. Este relatório precisará ser consolidado, seguindo especialmente as recomendações propostas nas diferentes partes.

6 B. Inventário B.1. Energia Este capítulo trata das emissões de GEE provenientes da utilização de energia nos centros de transformação de energia, nas indústrias, nos transportes e também no setor residencial/terciário e na agricultura. É preciso acrescentar as emissões ditas fugitivas que provêm, de um lado, da elaboração dos produtos petrolíferos e de outro da extração e distribuição dos combustíveis (minas, postos de gasolina, etc.). As emissões para cada setor correspondem ao consumo de combustíveis fósseis, que é expresso em tonelada equivalente petróleo (tep). As emissões totais do Setor Energia totalizaram teqco 2 em A Figura 1 apresenta uma síntese das emissões por setor de atividades. Figura 1 Emissões de GEE do setor Energia em 2005 no RS (Fonte : Enviroconsult, 2010) O CO 2 é o principal gás responsável pelas emissões do setor, com uma participação de 96%, seguido pelo CH 4 e do N 2 O. No âmbito deste inventário, utilizaremos uma abordagem baseada no consumo final de energia no território. Os resultados apresentados levam em consideração somente as emissões que são de responsabilidade do RS e não todas as emissões que ocorrem em seu território. Por conseguinte, as emissões ligadas à transformação dos combustíveis fósseis em eletricidade não serão contabilizadas. Uma análise mais detalhada sobre a produção e o consumo de eletricidade é apresentada neste relatório. Além disso, as emissões fugitivas que decorrem do refino, do transporte e da distribuição do petróleo, gás natural e carvão serão levadas em consideração. B.1.1. Utilização da energia O contexto energético gaúcho foi apresentado de forma detalhada no relatório de Diagnóstico, com base nos resultados do Balanço Energético anual do RS [CEEE, 2008].

7 Este Balanço indica particularmente as grandes tendências do Estado em matéria de consumo energético. O consumo total de energia final foi de tep em 2005, dos quais cerca de 40% oriundos do setor dos Transportes. Como especificado no enquadramento metodológico, a abordagem consumidor foi privilegiada para realizar este inventário, na medida em que isto permite ter uma visão mais representativa da responsabilidade do RS em termos de emissões de GEE. B.1.2. Zoom sobre a eletricidade Na seção do Diagnóstico relativa ao tema da Energia, apresentamos uma análise detalhada sobre o tema da eletricidade, a saber, a produção e o consumo deste recurso no território. Fica evidenciado em particular que, em 2005, o consumo de eletricidade no território era amplamente superior à produção. Estas considerações são pistas de reflexão, que permitem efetuar escolhas no que diz respeito ao fator de emissão de CO 2 (tco 2 /kwh) ligado ao consumo de eletricidade. Tendo em vista o caráter nacional ligado à produção, ao transporte e à distribuição de eletricidade no Brasil, optamos por fazer a escolha de adotar, no âmbito deste inventário, o fator de emissão médio preconizado pelo MCT, que corresponde ao fator do SIN Sistema Interligado Nacional. Este fator é muito variável de um ano para outro e em 2005 era de 0,351 tco 2 /tep. B.1.3. Emissões de GEE ligadas à utilização da energia A partir dos dados de consumo ilustrados anteriormente, as emissões de GEE são estimadas aplicando fatores de emissões por tipo de combustível e por modo de consumo. Os fatores de emissões para o CO 2 indicados no Quadro 1 correspondem aos fatores utilizados em nível nacional para realizar o inventário de GEE do Brasil [MCT, 2010]. Quadro 1 Fatores de emissões de CO 2 (Fonte: MCT 2010) No que tange aos fatores de emissões para o CH 4 e N 2 O, os dados padrão do GIEC foram adotados. Após, as emissões de cada GEE são calculadas, multiplicando o consumo de combustíveis pelo fator de emissão correspondente, seguindo a fórmula abaixo: Emissões = Consumo * Fator de emissão Combustíveis, GEE

8 Em 2005, o consumo de energia no RS gerou a emissão de teq CO 2. A Figura 2 indica os resultados das emissões de GEE, convertidos em teqco 2, para o conjunto dos setores consumidores de energia. O setor dos Transportes aparece como o principal emissor, totalizando por si só 65% das emissões, seguido pelos setores industrial com 20% e residencial com 9%. Os outros setores têm contribuições muito mais baixas: 2% para os setores comercial e agrícola e 1% para os setores Energético e Público. Figura 2 Emissões de GEE (em TeqCO 2) do setor Energia por setores de atividades (Fonte : Enviroconsult, 2010) Do ponto de vista das fontes de emissões, a Figura 3 indica a parte de cada fonte de energia nas emissões totais: a utilização de Diesel (principalmente no setor rodoviário) contribui por 44% das emissões totais, seguido pela Gasolina (22%) e pelo GLP (8%). Figura 3 Emissões de GEE do setor Energia por fontes de emissões (Fonte: Enviroconsult, 2010) Finalmente, a Figura 4 indica a distribuição das emissões de GEE por setores de atividades e por fontes de emissões.

9 Figura 4 Emissões de GEE do setor Energia por setores de atividades e por fontes de emissões (Fonte : Enviroconsult, 2010) Nos setores Residencial e de Agricultura, as emissões de GEE são relativamente pequenas, uma vez que o consumo de madeira é muito importante. Apesar da combustão da madeira, como fonte de energia, gerar emissões de CO 2, estas não são de fato contabilizadas, uma vez que a quantidade de CO 2 liberada pela combustão da madeira foi compensada pela captura de uma mesma quantidade de CO 2 quando do crescimento da árvore. Esta hipótese é válida unicamente se a exploração da madeira conduz a uma quantidade de madeira produzida pelo menos equivalente àquela consumida. As emissões de GEE devidas à combustão da madeira indicadas na Figura 4 correspondem, portanto, às emissões de CH 4 e N 2 O. Nestes setores, os consumos de energia por uso e por tipo de energia não são ainda conhecidos. Em 2005, os consumos de energia no setor Agricultura geraram a emissão de teqco 2 e no setor Residencial, elas foram de teqco 2, dos quais 75% são originários da combustão do GLP. No que diz respeito aos setores Industrial e Transporte, apresentamos de forma mais detalhada os resultados obtidos nas seções seguintes. B.1.3.a) B.1.3.a.a. Zoom sobre o setor dos Transportes Transporte aéreo Segundo as regras internacionais da Convenção sobre as mudanças climáticas, o perímetro das atividades do transporte aéreo corresponde ao transporte aéreo nacional (dito também doméstico), isto é, em nosso caso, entre dois aeroportos brasileiros. Isto inclui: O transporte comercial e não comercial;

10 As emissões do ciclo LTO Landing & Take-Off (ciclo padrão que corresponde às fases de abordagem, de taxeamento no solo, de decolagem e de subida até 912 m de um avião) e as emissões ditas cruzeiro (acima de 1000 m) dos vôos nacionais. Tendo em vista o aspecto global ligado à problemática das emissões de GEE, as emissões do setor não correspondem a um inventário das emissões localizadas no território do Estado, mas das contribuições do Estado às emissões de GEE nacionais. No âmbito deste inventário, nos limitaremos a uma primeira estimativa das emissões que se apoia sobre os consumos de Querosene (95%) e de Gasolina recenseados em 2005, a saber, tep. As emissões são depois estimadas a partir de fatores de emissões nacionais, que são também utilizados como referência no recente relatório 2 da ANAC Agência Nacional de Aviação Civil, e que concerne às emissões de GEE do setor aéreo brasileiro. O transporte aéreo no RS gerou a emissão de teqco 2 em A título indicativo, o Quadro 2 indica o número de viagens de avião e o número de passageiros que transitaram pelos 4 aeroportos internacionais do RS, e que estão sob a responsabilidade da INFRAERO. Isto nos permite deduzir o número de ciclos LTO, isto é, o número de decolagem/aterrissagem para cada aeroporto, o que é uma primeira etapa para estimar as emissões de GEE deste setor de forma mais precisa. Quadro 2 Rotação de aviões nos aeroportos do Rio Grande do Sul em 2005 (Fonte : INFRAERO) Recomendação: Consolidar estes resultados utilizando uma metodologia mais detalhada (Tier 2 do GIEC) e se apoiando sobre o relatório da ANAC publicado no âmbito do 2 o inventário de GEE do Brasil. B.1.3.a.b. Transporte rodoviário Tendo em vista a importância do transporte rodoviário no RS, apresentamos uma primeira análise dos dados a nossa disposição a fim de avaliar a pertinência da informação. A partir do registro de veículos em trânsito do DETRAN/RS, que especifica o tipo de combustível utilizado por cada veículo e o consumo total de combustíveis do setor em 2005, podemos estimar particularmente a contribuição do transporte de passageiros e de mercadorias. Havia, em 2005, veículos que tinham uma licença de trânsito no RS, dos quais 2/3 são veículos particulares. 2 Emissões de Gases de Efeito Estufa no Transporte Aéreo, ANAC 2010

11 Figura 5 Composição da frota de veículos em trânsito em 2005 no Rio Grande do Sul (Fonte: DETRAN/RS) No que diz respeito aos combustíveis utilizados por estas grandes tipologias de veículos, a Figura 6 indica, entre outras coisas, que a maioria dos veículos particulares funciona com Gasolina (88%), o que não é o caso dos veículos utilitários, dos quais mais de um terço funciona com óleo Diesel. Veículos particulares Veículos utilitários Figura 6 Composição das frotas de veículos particulares e utilitários no Rio Grande do Sul em 2005 (Fonte: DETRAN/RS) No que se refere aos caminhões e aos ônibus, eles funcionam quase todos com óleo Diesel, enquanto os veículos de duas rodas funcionam todos com gasolina. O Quadro 3 apresenta o número de veículos por tipo de combustível.

12 Quadro 3 Número de veículos em trânsito em 2005 classificados por categoria e tipo de combustível utilizado (Fonte: DETRAN/RS) Observa-se que veículos a Diesel estavam em trânsito em 2005 no território, dos quais 55% de caminhões e 31% de veículos utilitários. No que tange aos veículos a gasolina, havia deles rodando em 2005, dos quais cerca de 2 milhões de veículos particulares e mais de motos. Veículos a Diesel Veículos a Gasolina Figura 7 Composição das frotas de veículos a Diesel e a Gasolina em 2005 (Fonte: DETRAN/RS) Finalmente, a Figura 8 indica que o consumo de Diesel é relativamente importante nos municípios do Sudoeste do Estado e em proximidade dos grandes pólos industriais e urbanos, o que nos permite tecer várias hipóteses: Municípios em proximidade da Fronteira com o Uruguai e a Argentina: a região do Sudoeste é caracterizada por uma agricultura muito desenvolvida, em particular a cultura do arroz. Tendo em vista que uma grande parte deste arroz é exportada, parece lógico observar um consumo relevante de Diesel pelos veículos de transporte de mercadorias. Entretanto, pela proximidade da fronteira e a diferença de políticas tarifárias entre o Brasil, Uruguai e Argentina, é possível do que uma parte importante dos veículos brasileiros se abasteçam nos países vizinhos. Neste caso, significaria que as emissões reais imputáveis ao RS sejam maiores às que foram estimadas neste relatório. Grandes pólos urbanos e industriais: RMPA (Região Metropolitana de Porto Alegre) e Caxias são centros de produções e de consumo que necessitam de uma contribuição relevante de mercadorias, enquanto Rio Grande corresponde ao ponto principal de exportação das mercadorias produzidas no RS.

13 Figura 8 Consumo de Diesel por município do Rio Grande do Sul em 2007 (Fonte: CEEE 2008) Estas hipóteses deverão ser aprofundadas na medida em que o consumo de Diesel contribui de forma significativa às emissões de GEE do Estado. Quanto ao transporte rodoviário, duas abordagens podem ser adotadas: Abordagem baseada nos dados de consumo de combustíveis do Balanço energético do ano de 2005; Abordagem baseada na metodologia desenvolvida pelo IEMA Instituto de Energia e do Meio Ambiente, que realizou o primeiro inventário nacional das emissões de poluentes atmosféricos das fontes móveis 3 e que se baseia em uma estimativa da frota circulante dos diferentes veículos do RS em operação no ano de 2005, a distância média percorrida por tipo de veículo, o consumo médio por tipo de veículo, etc. Podemos também utilizar como suporte o relatório 4 das emissões de GEE das fontes móveis do Brasil [MCT, 2006] que propõe uma metodologia de inventário similar. 3 Inventário Nacional de Emissões Atmosféricas por veículos automotores rodoviários, MMA Emissões de gases de efeito estufa por fontes móveis, no setor energético, MCT 2006

14 A combinação das duas abordagens poderá permitir verificar as hipóteses anteriores sobre o consumo de energia nos transportes. Neste relatório, nós apresentaremos unicamente as emissões de GEE baseadas nos consumos de combustíveis recenseados no Balanço energético Em 2005, o transporte rodoviário gerou a emissão de teqco 2. Conforme indicado na Figura 9, a combustão de Diesel representa quase 2/3 das emissões de GEE do setor ( teqco 2 ). Figura 9 Distribuição das emissões de GEE do transporte rodoviário por fonte (Fonte : Enviroconsult, 2010) Recomendação: Confrontar os resultados do estudo realizado pelo Grupo PCPV no que tange às emissões de GEE do setor dos transportes no RS em 2005 e aprofundar os conhecimentos sobre os consumos de Diesel (e outros combustíveis) por tipo de veículos, bem como sobre os fluxos de veículos (mercadorias, passageiros) a partir de contagem rodoviária. B.1.3.a.c. Transporte Ferroviário Existem ferrovias no RS e uma atividade regular na RMPA. A metodologia desenvolvida para determinar as emissões de GEE do ano 2005 do transporte ferroviário se apóia sobre os consumos de combustíveis, aos quais aplicamos os fatores de emissões nacionais. Em 2005, o transporte ferroviário gerou a emissão de teqco 2, unicamente ligado à combustão de Diesel. Por outro lado, pode-se também procurar aprofundar os conhecimentos deste setor fazendo a cartografia das infra-estruturas ferroviárias do Estado (ex: número de quilômetros das vias férreas) e avaliando a tráfego anual de passageiros e de mercadorias (em passageiros.km ou toneladas.km). B.1.3.a.d. Transporte Marítimo e Fluvial Segundo as regras internacionais da Convenção sobre as Mudanças Climáticas, as emissões de GEE induzidas pelo trânsito marítimo internacional não são contabilizadas. Dentro deste setor, dois sub-setores são distinguidos: o transporte marítimo;

15 a navegação fluvial (navegação interna de transporte de mercadorias e navios de passeio). A metodologia desenvolvida para determinar as emissões de GEE do ano 2005 do transporte marítimo e fluvial se apóia sobre os consumos de combustíveis, aos quais são aplicados os fatores de emissões nacionais. Em 2005, os transportes marítimo e fluvial emitiram teqco 2, unicamente ligado à combustão de Diesel e Óleo Combustível. B.1.3.b) Zoom sobre o setor das Indústrias As emissões deste setor correspondem às emissões das caldeiras, das turbinas a gás, dos motores fixos, da combustão dos processos (forno das usinas de cimento, das usinas de vidro, etc.) e das máquinas móveis na indústria. As emissões de descarbonatação proveniente dos fornos de certos processos, tais como as usinas de vidro ou as usinas de cimento, que são contabilizadas na parte seguinte. Em 2005, o consumo de energia no setor industrial gerou a emissão de teqco 2. A Figura 10 indica a distribuição destas emissões por setor de atividade e por fonte. Observa-se, particularmente, que a combustão do carvão contribui de maneira significativa às emissões de GEE nos setores Química e Papel e Celulose. Figura 10 Distribuição das emissões de GEE do setor industrial por atividade e por fonte (Fonte : Enviroconsult, 2010) A fim de desagregar as informações do nível do Estado ao nível das macrorregiões ou dos municípios, cálculos poderão ser realizados em função da localização das indústrias. Uma análise mais precisa de tipo bottom up está em curso para o cruzamento das informações do BERS com as informações indicadas nas licenças de operação da base de dados FEPAM. Particularmente, a realização de um cadastro preciso das fontes fixas de combustão permitirá consolidar os resultados apresentados no âmbito deste inventário.

16 Recomendação: Prosseguir a análise dos consumos de energia no setor industrial no RS, utilizando como base o banco de dados da FEPAM, bem como a FIERGS já solicitada. B.1.4. Emissões fugitivas As emissões fugitivas correspondem a todas as emissões de GEE, intencionais ou não, que decorrem da extração, do processamento, da estocagem ou do transporte dos combustíveis fósseis sólidos (carvão) ou líquidos (petróleo e gás) até o ponto de consumo final. Neste relatório, serão levadas em consideração as seguintes emissões fugitivas: Exploração, preparação, processamento e transporte do carvão: trata-se de uma atividade muito importante no RS, que possui as maiores reservas do Brasil. Transporte, Processamento e Distribuição do petróleo e do gás natural: o RS importa a totalidade destes combustíveis em seu território, que são depois transformados e distribuídos em todo o Estado. B.1.4.a) Extração, Distribuição do Carvão Os resultados apresentados neste relatório incluem as emissões fugitivas de CH 4 das minas de carvão, bem como as emissões de CO 2 ligadas à combustão de resíduos de carvão. Eles correspondem a uma extração dos resultados apresentados no relatório 5 da ABCM, cujos resultados serão integrados no 2 o inventário de GEE do Brasil. De um ponto de vista metodológico, as linhas diretrizes do GIEC 1996 foram adotadas e um trabalho de pesquisa foi também efetuado a fim de melhorar o conhecimento sobre os fatores de emissões das minas de carvão brasileiras. O Laboratório de Química Analítica Ambiental, ligada à Faculdade de Química da Universidade Católica do RS PUCRS, efetuou este trabalho, que consistia principalmente em realizar campanhas de medição de emissões de CH 4 de diferentes minas de carvão, no RS (a céu aberto) e em Santa Catarina (subsolo). Os resultados indicam particularmente que o carvão do Sul do Brasil apresenta um fator de emissões de CH 4 relativamente baixo, muito inferior aos fatores de emissões mínimos propostos pelas linhas diretrizes do GIEC Quadro 4 Fatores de emissões de CH 4 das minas de carvão no Brasil (Fonte: MCT) Os fatores de emissões apresentados no Quadro 4 foram adotados de maneira arbitrária, a fim de não apresentar emissões nulas, particularmente para as minas de céu aberto. As emissões de CH 4 da atividade mineira (seja a céu aberto ou subterrânea) são depois calculadas utilizando a seguinte fórmula: 5 Emissões Fugitivas na Mineração e Beneficiamento do Carvão Mineral, ABCM 2010

17 Emissões (CH 4 ) = Produção de Carvão (t) * Fator de Emissão (kg CH 4. t -1 ) Por outro lado, o carbono contido no carvão pode ser convertido em emissões de CO 2 na combustão espontânea dos resíduos de carvão (produzido no processamento e da preparação do carvão Run-of-Mine ). As emissões de CO 2 são depois estimadas a partir da produção anual e do teor em carbono deste carvão. Os dados utilizados no âmbito deste estudo foram os do Departamento Nacional de Produção de Minerais DNPM, que é vinculado ao Ministério das Minas e da Energia (MME). No RS, cinco empresas de extração de minerais de carvão foram levadas em consideração, como o indica o Quadro 5. Quadro 5 Minas em atividade no Rio Grande do Sul em 2005, (Fonte: MCT) A maioria das minas do RS são, portanto, minas a céu aberto. Em 2005, a produção de carvão de tipo Run-of-Mine (carvão produzido por explorações mineiras, antes da peneiragem, britagem ou preparação) foi de toneladas em 2005, proveniente unicamente de minas a céu aberto [ABCM, 2010]. A aplicação da metodologia descrita anteriormente, utilizando os dados de produção de carvão Run-of-Mine, permite obter uma estimativa das emissões de CH 4 na extração e na preparação do carvão: Exploração de carvão (a céu aberto): 854 tch 4 Preparação, processamento, transporte do carvão: 142 tch 4 No que diz respeito às emissões de CO 2 ligadas à combustão espontânea dos resíduos de carvão, em 2005 eram consideradas como sendo nulas. No total, as emissões fugitivas devidas à extração do carvão em 2005 foram de 996 tch 4, ou seja, t CO 2.

18 B.1.4.b) Refino do Petróleo Uma vez que a totalidade do petróleo e do gás natural é importada no RS, não levaremos em consideração as emissões ligadas à exploração e a produção destes combustíveis. Existem duas refinarias de petróleo no território: Ipiranga e REFAP. O Quadro 6 apresenta a capacidade nominal de refino no RS, que corresponde a 10,2% da capacidade total do país. Quadro 6 - Capacidade nominal de Refino no Rio Grande do Sul (Fonte: CEEE 2008) Em 2005, o volume de petróleo processado nas refinarias do Estado foi de m 3, o que representa 7% do petróleo processado nas refinarias do país ( milhões de m 3 em 2005 [PETROBRAS, 2010]). Os resultados apresentados neste relatório incluem emissões fugitivas de CO 2, CH 4 e N 2 O ligadas aos diferentes procedimentos de processamento e refino do petróleo. Eles correspondem a uma extração dos resultados apresentados no relatório 6 da PETROBRAS, cujos resultados serão integrados no 2 o inventário de GEE do Brasil. Em uma primeira aproximação, consideraremos que as emissões fugitivas de GEE ligadas à atividade de refino de petróleo no RS representam 7% das emissões nacionais (unicamente ligado ao Refino e ao Transporte). O Quadro 7 apresenta as emissões de GEE nacional e a estimativa para o RS: Quadro 7 Emissões de GEE devidas à atividade de Refino do Petróleo no Brasil e estimativa para o Rio Grande do Sul Estima-se, portanto, que em 2005, as emissões de GEE devidas ao refino do petróleo no RS foram de teqco 2. Recomendação: Aprofundar estes resultados trabalhando em parceria com as refinarias do Estado e baseando-se no Relatório da PETROBRAS, no que tange às emissões fugitivas na indústria do petróleo e do gás, publicado no âmbito do 2 o inventário de GEE do Brasil. 6 Emissões Fugitivas de Gases de Efeito Estufa na indústria de petróleo e gás natural, PETROBRAS 2010

19 B.1.4.c) Transporte e Distribuição do Petróleo e do Gás natural A totalidade do petróleo importado no RS é processada nas refinarias e depois distribuída no território sob forma de derivados. Consideraremos, portanto, que as emissões fugitivas ligadas ao transporte e à distribuição do petróleo representam também 7% do total nacional. No que se referem à distribuição do gás natural, as emissões de CH 4 provêm dos vazamentos no nível das canalizações da rede de transporte e de distribuição do gás. A entrega de gás natural no RS era efetuada em 2005 por intermédio de um gasoduto proveniente da Bolívia, operado pela empresa TBG Transportadora Brasileira Gasoduto Bolívia-Brasil S.A. Este gasoduto de 16 polegadas tem uma capacidade de transporte de 2,3 milhões de m 3 /dia. Este gás, que chega a Canoas, é depois distribuído pela companhia SULGAS por intermédio de pequenas redes de distribuição, destinados aos setores industrial, comercial, residencial, mas também ao transporte e à produção de energia elétrica. Figura 11 Infraestruturas de transporte de Gás da companhia Sulgas no Rio Grande do Sul (Fonte: CEEE 2008)

20 Conforme o Quadro 8, as vendas de Gás natural no RS foram de milhões de m 3 em 2005, o que representa 6,87% das vendas do país. Quadro 8 Vendas de Gás natural no Brasil (Fonte: CEEE 2008) De um ponto de vista metodológico, as emissões são normalmente calculadas a partir do comprimento da rede de transporte e distribuição e dos fatores de emissões nacionais. Entretanto, consideraremos novamente, em uma primeira aproximação, que as emissões de GEE ligadas à atividade de transporte e Distribuição do Petróleo e Gás natural representaram 7% das emissões totais do país. O Quadro 9 apresenta as emissões de GEE nacionais e a estimativa para o RS. Quadro 9 Emissões de GEE devidas à atividade de transporte e distribuição do Petróleo e do Gás natural no Brasil e estimativa para o Rio Grande do Sul Estima-se, portanto, que em 2005 as emissões de GEE devidas ao transporte e à distribuição do petróleo e do gás natural no RS foram de teqco 2. Recomendação: Aprofundar estes resultados trabalhando em parceria com as companhias de distribuição de gás natural e baseando-se no relatório da PETROBRAS no que tange às emissões fugitivas na indústria do petróleo e do gás, publicado no âmbito do 2 o inventário de GEE do Brasil. B.1.5. Emissões da Biomassa Segundo as linhas diretrizes do GIEC, a biomassa renovável, que é utilizada como fonte de energia, deve ser levada em consideração e as emissões de CO 2 associadas devem ser informadas no inventário, sob forma de uma nota informativa no setor de Energia. Estas emissões de CO 2 não serão contabilizadas na síntese das emissões do setor Energia, na medida em que o CO 2 emitido na combustão corresponde ao CO 2 absorvido durante a fase de crescimento da biomassa.

21 Em contrapartida, as emissões de CH 4 e N 2 O foram contabilizadas e incluídas nas emissões totais. No âmbito deste inventário, as seguintes emissões foram contabilizadas: Combustão da madeira para produzir energia (sob forma de calor ou eletricidade) e do carvão de madeira; Combustão de carvão vegetal para produzir energia; Combustão dos resíduos de cana-de-açúcar; Combustão de cascas de arroz; Combustão das lixívias negras; Combustão de álcool de etanol nos veículos particulares. Os fatores de emissões de CO 2, no que tange à combustão da biomassa e utilizados no âmbito deste inventário, foram informados no Quadro 1 relativo às emissões de GEE ligadas à utilização da energia. A Figura 12 apresenta as emissões de GEE ligadas à combustão da biomassa por setor de atividades e fonte. As emissões de CO 2 ligadas à combustão da madeira representam 72% das emissões totais. Após vêm as emissões ligadas à combustão de cascas de arroz (13%) no setor industrial e o álcool incorporado à gasolina (9%). Figura 12 Distribuição das emissões de GEE ligadas à combustão da biomassa por setor de atividades e fontes (Fonte: Enviroconsult, 2010) As emissões devidas à combustão da biomassa foram de tco 2 em 2005.

22 B.2. Processos Industriais e Uso dos Produtos Este capítulo trata das emissões de GEE provenientes dos procedimentos industriais, da utilização dos GEE nos produtos e das utilizações não energéticas do carbono de combustível fóssil. As emissões de GEE são produzidas por uma grande variedade de atividades industriais. As principais fontes de emissões provêm de procedimentos industriais que transformam os materiais quimicamente ou fisicamente, (como por exemplo, os altos fornos da indústria siderúrgica, o amoníaco e outros produtos químicos fabricados a partir de combustíveis fósseis, utilizados como matérias químicas intermediárias e a indústria do cimento, que são exemplos indicados de procedimentos industriais que produzem uma quantidade importante de CO 2 ). Nestes procedimentos, numerosos GEE de diferentes tipos, especialmente o CO 2, o CH 4, o N 2 O, os HFC e os PFC podem ser produzidos. Além do mais, os GEE são muitas vezes utilizados em outras aplicações como nas geladeiras, nas espumas e nos aerossóis. Por exemplo, os HFC são utilizados no lugar das substâncias que empobrecem o ozônio em diversos tipos de aplicações de produtos. As emissões totais do Setor PIUP totalizaram teqco 2 em A Figura 13 apresenta uma síntese das emissões por setores inventariados. Figura 13 Emissões de GEE (em TeqCO 2) do setor PIUP (Fonte : Enviroconsult, 2010) Pode-se ressaltar, desde já, que esta seção contém numerosas recomendações para aprofundar e consolidar os resultados apresentados. B.2.1. Procedimentos da indústria química O setor da química comporta numerosas atividades que implementam ou produzem múltiplos produtos através diferentes processos. As atividades emissoras de gases de efeito estufa são as seguintes: produção de amoníaco, de ácido nítrico, de ácido adípico, de ácido glioxílico (e outras fabricações com origem de N 2 O), de carboneto de cálcio, de negro de carbono, de etileno e de propileno. No RS, apesar do fato de que a indústria da química é fortemente desenvolvida, não recenseamos qualquer atividade deste tipo. Notam-se, entretanto, os elementos seguintes, que poderão permitir aprofundar as emissões deste setor.

23 O carboneto de cálcio, que é obtido em um forno elétrico a uma temperatura muito elevada (2200 C) através da redução da cal por carbono, é especialmente utilizado na fabricação de adubos, que é um setor importante do Estado. Sua utilização provoca emissões de CO 2. A indústria petroquímica é presente no RS e dá lugar à produção de diversos produtos e especialmente o polietileno e o polipropileno. Entretanto, estas informações são consideradas como sendo confidenciais. Recomendação: Consolidar e aprofundar os resultados trabalhando em parceria com SINDIQUIM Sindicato das Indústrias Químicas no Estado do Rio Grande do Sul ou a FIERGS e apoiando-se nos relatórios de referência que serão publicados no âmbito do 2 o inventário GEE do Brasil. B.2.2. Procedimentos dos produtos minerais Esta seção diz respeito às diversas atividades que produzem produtos minerais e materiais de construção. Uma grande parte destas atividades concerne os setores emissores de CO 2 pelo fenômeno de descarbonatação. É o caso dos setores estudados no âmbito deste inventário, a saber: a produção de cimento, de cal, de vidro e de cerâmica. B.2.2.a) Produção de cimento Esta seção concerne às emissões de CO 2 ligadas ao fenômeno de descarbonatação nas instalações de produção de cimento. A parte relativa às emissões provenientes da combustão nas instalações de produção de cimento é tratada no capítulo Energia. O CO 2 da descarbonatação tem uma proveniência química proporcional a do clínquer produzido. Ele provém da transformação do carbonato de cálcio em óxido de cálcio (cal aérea) ou do carbonato duplo de cálcio e de magnésio constituindo a dolomita em cal magnesiano: No RS, em 2005, existiam alguns locais de produção de cimento. Em um primeiro momento, a quantidade de clínquer produzida anualmente no território pode ser estimada graças às informações disponíveis na FEPAM. O fator de emissão, que é determinado a partir da reação química anterior, foi elaborado pelos profissionais do setor: 536 kg CO 2 / t clínquer produzido [SNIC, 2010]. A produção anual de clínquer no RS é da ordem de toneladas [FEPAM]. Assim, deduzimos que a indústria do cimento gera a emissão de tco 2 em média. Adotaremos este valor para o ano B.2.2.b) Produção de cal Esta seção concerne unicamente às emissões de CO 2 ligadas ao fenômeno de descarbonatação nas instalações de produção de cal. A parte relativa às emissões provenientes da combustão nas instalações de produção de cal é tratada no capítulo Energia. No setor da produção de cal, dois tipos de produção devem ser distinguidos:

24 A produção de cal aérea, também chamada cal cálcica e de cal magnesiana. A cal aérea é principalmente constituída por óxido de cálcio que endurece lentamente ao ar sob o efeito do CO 2 presente na atmosfera. A cal magnesiana é constituída integralmente por óxido de cálcio e por magnésio e resulta da descarbonatação da dolomita. A produção de cal hidráulica: é produzida pela descarbonatação de um calcário mais ou menos argiloso e silicioso, com redução em pó por extinção (com ou sem esmagamento). O fator de emissão de CO 2 é diferente para cada tipo de cal e depende da proporção de óxidos de cálcio e de magnésio. Os fatores de emissões utilizados neste inventário são apresentados no Quadro 10 e trasladados do relatório 7 publicado pelo MCT em 2010: Quadro 10 Fator de emissão de CO 2 para os diferentes tipos de cal (Fonte: MCT) A base de dados FEPAM nos fornece uma informação sobre a capacidade de produção mensal máxima para as empresas que produzem cal, o que nos permite quantificar as emissões de GEE associadas. A produção anual estimada no RS é de toneladas de cal viva e toneladas de cal hidráulica. Tendo em vista que não dispomos de informações sobre o tipo de cal aérea produzida, adotaremos um Fator de Emissão médio de 0,85 tco 2 / t cal aérea. No que diz respeito à cal hidratada, admite-se que uma tonelada de cal aérea permite produzir 1,27 tonelada de cal hidráulica [MCT, 2010]. Assim, deduz-se que a indústria da cal no RS gera a emissão de tco2 em média. Adotaremos este valor para o ano Recomendação: Afinar os resultados, avaliando de forma mais precisa a produção anual em 2005, para cada tipo de cal. B.2.2.c) Produção de vidro Este setor concerne unicamente às emissões de CO 2 no fenômeno de descarbonatação nas instalações de produção de vidro. A metodologia para determinar estas emissões de CO 2 é baseada na quantidade de vidro produzida no RS. Segundo a Base de dados FEPAM, estima-se que a produção anual média de vidro é de toneladas. O fator de emissão da utilização de calcário no procedimento de fabricação do vidro é de 0,44 tco 2 / t Calcário [MCT, 2010]. Por outro lado, é considerado que o calcário representa 10% dos componentes do vidro de origem [MCT, 2010]. 7 Emissões de Gases de Efeito Estufa nos processos industriais - Produção de cal, outros usos de Calcário e Dolomita, Produção e uso de barrilha, MCT 2010

25 Pode-se, portanto, estimar que a indústria da produção de vidro no RS gera a emissão de tco 2 em média. Adotaremos este valor para o ano Recomendação: Afinar os resultados avaliando de forma mais precisa a produção anual em B.2.2.d) Produção de cerâmica Observa-se que a quantidade de energia consumida pelo setor é relativamente relevante. Entretanto, não dispomos de informações detalhadas sobre o tipo de produtos, tais como cerâmicas, porcelanas, telhas ou tijolos. As emissões de CO 2 são determinadas mediante a produção de produto e de um fator de emissão médio, de 40 kg CO 2 t de telhas e tijolos produzidos por exemplo [MCT, 2010]. Recomendação: Aprofundar os conhecimentos sobre este setor, detalhando particularmente a produção anual no RS por tipo de produto. B.2.2.e) Consumo de carbonato de sódio Em primeiro lugar, não existe nenhum local de produção de carbonato de sódio no Brasil [MCT, 2010]. O carbonato de sódio é utilizado na indústria do vidro, na indústria dos detergentes como agente de branqueamento e na indústria química. Não dispomos de informações sobre a quantidade consumida nestes diferentes setores, mas estes dados podem ser informados na Base de dados da FEPAM. As emissões poderão depois ser calculadas mediante um fator de emissão (415 kg CO 2 / t Na 2 CO 3 [GIEC, 2006]) relacionado à quantidade utilizada. Recomendação: Aprofundar os conhecimentos sobre este setor, detalhando particularmente a produção anual no Rio Grande do Sul. B.2.3. Procedimentos da produção de metais B.2.3.a) Metalurgia dos ferrosos As atividades envolvidas com este setor são os altos fornos, as aciarias com oxigênio ou elétricas, os laminadores e a produção de ligas de ferro. No RS, em 2005, existiam várias oficinas siderúrgicas, cujo procedimento de fabricação repousava sobre fornos elétricos a arco (FEA). Trata-se, portanto, de aciarias integradas elétricas que utilizam principalmente as sucatas e a gusa como matérias-primas (sem produção no lugar), a fim de produzir o aço bruto e chapas. Para as aciarias elétricas, o fator de emissão do CO 2 tem base nos consumos de gusa, os consumos de combustíveis, o conteúdo em carbono dos eletrodos e os consumos destes mesmos eletrodos. Ele varia, portanto, todos os anos e nos é fornecido pelos profissionais do setor: 80 kg CO 2 / t aço produzido [MCT, 2010].

26 Por outro lado, deve-se notar que as aciarias elétricas emitem também CH 4 e N 2 O, cujos valores são os seguintes [EMEP/CORINAR, Guidebook]: 10 g CH 4 / t aço produzido 0,6 g N 2 O/ t aço produzido A produção anual de aço no RS é da ordem de toneladas. Assim, deduzimos que a indústria siderúrgica gera a emissão de teqco 2 em média. Adotaremos este valor para o ano Recomendação: Afinar os resultados avaliando de forma mais precisa a produção anual em B.2.3.b) Metalurgia dos não ferrosos As atividades envolvidas são: a produção de alumínio, níquel, chumbo, zinco, cobre e magnésio. Nenhum local de produção dos produtos recenseados anteriormente é recenseado no RS. Em contrapartida, existem várias empresas de galvanização e de fabricação de peças metálicas fazendo uso do aço como matéria-prima. B.2.4. Utilização de solventes e produtos derivados O setor industrial do RS, que é fortemente orientado para a indústria de transformação, comporta numerosas empresas que fazem uso de solventes. Particularmente, os setores de automóveis, de extração de óleos vegetais e a química poderão ser estudados mais detalhadamente, motivo pelo qual os mencionamos neste relatório. Entretanto, tendo em vista a complexidade do cálculo do número relevante de empresas e da escolha metodológica, esta categoria não foi tratada no âmbito deste inventário. A utilização de solventes fabricados utilizando combustíveis fósseis como intermediários pode levar a emissões de evaporações de diversos COVNM (Componentes Orgânicos Voláteis Não Metânicos), que são posteriormente oxidados na atmosfera. Um exemplo de sólido se dissolvendo em um líquido: os combustíveis fósseis utilizados como solventes são, particularmente, o white spirit e a querosene (óleo de parafina). Na Europa ocidental, aproximadamente 60 % do consumo total de white spirit é utilizado nas pinturas, nas lacas e nos vernizes. O white spirit é o solvente mais amplamente empregado na indústria da pintura. Esta seção diz respeito, portanto, às atividades industriais que utilizam produtos contendo solventes, a saber: a aplicação de pintura e especialmente no setor automobilístico, a construção e a utilização doméstica; o desengorduramento e a limpeza a seco, através da utilização de percloroetileno; a fabricação e a implementação de produtos químicos: fabricação de pinturas, tintas, colas e adesivos e o acabamento de têxteis as outras utilizações de solventes na indústria e especialmente a indústria da impressão, extração de graxas e de óleos, utilização de colas e de adesivos, preservação da madeira.

27 Metodologias para a estimativa de emissões de COVNM podem ser encontradas no Guia de Inventários de emissões EMEP/CORINAR [EEA, 2005]. As emissões de CO 2 traduzem a transformação do carbono contido nas emissões de COVNM em CO 2 último, na base de um conteúdo médio em carbono de 85%. Recomendação: Contabilizar e integrar no inventário as emissões de GEE ligadas à utilização de solventes e produtos derivados, que se baseiam nas metodologias do GIEC, bem como nos resultados que serão apresentados no 2 o inventário de GEE do Brasil. B.2.5. Produção e Consumo de gás fluorados Distinguem-se, de maneira geral, três vias de emissão dos gases fluorados (HFC, PFC, SF 6 ): Emissões provenientes da produção dos gases fluorados. Estas emissões são tratadas na categoria da indústria manufatureira e não existia local de produção de gases fluorados no RS em Emissões provenientes da utilização dos gases fluorados. Estas emissões são distribuídas entre várias categorias IPCC. A metodologia geral de cálculo das emissões ligadas ao consumo destes gases é apresentada abaixo. Emissões provenientes de atividades particulares. Por exemplo, a produção de alumínio de primeira fusão produz PFC por efeito de ânodo. Não se recenseou emissões deste tipo no RS em As emissões são distribuídas entre: as emissões na carga que correspondem aos vazamentos na carga dos equipamentos; as emissões no banco que correspondem aos vazamentos ligados ao uso, à manutenção e às emissões ao uso segundo a natureza e a utilização do equipamento; as emissões em fim de vida: as emissões para a destruição ou a reciclagem. Segundo a publicação preliminar de 30 de novembro de 2009 sobre os resultados do 2 o inventário brasileiro de emissões de GEE 8, nota-se que as emissões de HFC-134a ligadas ao consumo nos equipamentos de refrigeração foram de toneladas em 2005 para o Brasil, ou seja, teqco 2. Trata-se de uma primeira estimativa, que deveria ser consolidada na publicação de um relatório temático sobre o assunto, até setembro de A fim de obter uma primeira estimativa das emissões de HFC e PFC no RS em 2005, o método que adotamos no âmbito deste inventário consiste em efetuar uma estimativa em relação às emissões nacionais, se baseando na população do Estado, que representava 5,7% da população nacional em Assim, deduz-se que o consumo de HFC-134a nos equipamentos de refrigeração no RS gerou a emissão de teqco 2 em Inventário Brasileiro das emissões e remoções antrópicas de gases do efeito estufa, informações gerais e valores preliminares, MCT, 24 de novembro de 2009

28 Entretanto, tendo em vista a importância de atividades bastante consumidoras em equipamentos de refrigeração no RS, especialmente o setor agro-alimentar, tais como, os matadouros e as indústrias do vinho, entre outros, será interessante aprofundar a análise do setor Frio industrial. Os outros setores que poderão ser aprofundados são: a Refrigeração doméstica, a Refrigeração comercial, a Climatização embarcada e o transporte frigorífico. Recomendação: Consolidar os resultados apresentados neste inventário trabalhando em parceria com a ASBRAV, a ABRAVA e a UFRGS, por exemplo, se baseando nos resultados que serão apresentados no 2 o inventário de GEE do Brasil, bem como a metodologia que está se desenvolvendo em São Paulo. B.2.6. Outras produções A título indicativo, lembraremos que outros setores de atividades, fortemente presentes no RS, são também emissores de COVNM. Particularmente citam-se a produção de Papel e Celulose, a indústria Alimentar (e especialmente a produção de pão) e as indústrias ligadas à produção de bebidas alcoólicas (Vinho, Cervejas). Estes setores de atividade são importantes no RS, motivo pelo qual os mencionamos neste relatório. Particularmente, a produção de vinho foi de 325 milhões de litros em 2005 e representa mais de 90% da produção nacional [EMBRAPA, 2010]. Entretanto, tendo em vista a complexidade do cálculo e da escolha metodológica adotada no âmbito deste relatório, esta categoria não foi levada em consideração. Recomendamos contabilizá-los no âmbito de uma atualização futura, onde poderemos nos basearmos nos trabalhos conduzidos pelo MCT no âmbito do 2 o inventário de GEE do Brasil. Recomendação: Contabilizar as emissões de GEE ligadas às outras produções, se baseando sobre as metodologias do GIEC, bem como sobre os resultados que serão apresentados no 2 o inventário de GEE do Brasil.

Energia e Processos Industriais. Estimativas Emissões GEE 1970-2013

Energia e Processos Industriais. Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Energia e Processos Industriais Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Energia Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Equipe Técnica André Luís Ferreira David Shiling Tsai Marcelo dos Santos Cremer Karoline Costal

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

INVENTÁRIO BRASILEIRO DAS EMISSÕES E REMOÇÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA. INFORMAÇÕES GERAIS E VALORES PRELIMINARES (30 de novembro de 2009)

INVENTÁRIO BRASILEIRO DAS EMISSÕES E REMOÇÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA. INFORMAÇÕES GERAIS E VALORES PRELIMINARES (30 de novembro de 2009) INVENTÁRIO BRASILEIRO DAS EMISSÕES E REMOÇÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA INFORMAÇÕES GERAIS E VALORES PRELIMINARES (30 de novembro de 2009) INFORMAÇÕES IMPORTANTES O Inventário Nacional de Emissões

Leia mais

V I S Ã O GERAL D AS DIRETRIZES DO IPCC

V I S Ã O GERAL D AS DIRETRIZES DO IPCC V I S Ã O GERAL D AS DIRETRIZES DO IPCC Este documento é um dos volumes das Diretrizes Revisadas do IPCC de 1996 para Inventários Nacionais de Gases de Efeito Estufa. A série é composta por três livros:

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE - DMA/FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP

DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE - DMA/FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP Inventário GEE- São Paulo MAIO - 2014 Sumário - Base Legal Inventário - Sugestão para elaboração de inventário 2/40 Base Legal Lei 13.798 de 09 de

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009 ÍNDICE 1. A Empresa 03 2. Objetivo 03 3. Inventário segundo a ISO 14.064-01 03 4. Identificação dos

Leia mais

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) AMBIENTAL JÚNIOR Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br

Leia mais

A importância da eficiência energética para redução de consumo de combustíveis e emissões no transporte de cargas e passageiros

A importância da eficiência energética para redução de consumo de combustíveis e emissões no transporte de cargas e passageiros A importância da eficiência energética para redução de consumo de combustíveis e emissões no transporte de cargas e passageiros Brasíli, 05 de junho de 2013 1 Consumo Final Energético por Queima de Combustíveis

Leia mais

JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO

JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO Agenda Introdução Definição dos limites de um inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa Limites Operacionais Identificando e Calculando emissões

Leia mais

INVENTÁRIO RIO DE JANEIRO DE EMISSÕES DE DE GASES DO EFEITO ESTUFA DA CIDADE DO RESUMO EXECUTIVO

INVENTÁRIO RIO DE JANEIRO DE EMISSÕES DE DE GASES DO EFEITO ESTUFA DA CIDADE DO RESUMO EXECUTIVO INVENTÁRIO DE EMISSÕES IN DE DE GASES DO EFEITO ESTUFA DA CIDADE DO DO EFEIT RIO DE JANEIRO RESUMO EXECUTIVO RI Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa da Cidade do Rio de Janeiro Prefeito da

Leia mais

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa Inventário de de Gases de Efeito Estufa Projeto Coral Vivo Priscila G. C. Sette Moreira CREA 49.354/D Inventário de de Gases de Efeito Estufa 1 Introduça o A variação do clima é um fenômeno natural que

Leia mais

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima HISTÓRICO UNFCCC IPCC Comunicação Nacional do Brasil Política Nacional sobre

Leia mais

estufa para setores agropecuários

estufa para setores agropecuários Simpósio de Mercado de Carbono pós COP15 e Código Florestal para o Sistema Cooperativista Inventário de gases de efeito fi estufa para setores agropecuários Inventário de gases de efeito estufa para setores

Leia mais

ANÁLISE DAS EMISSÕES ATUAIS DE CO 2 POR FONTE DE ENERGIA E POR ATIVIDADES PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO (ANO BASE 1996)

ANÁLISE DAS EMISSÕES ATUAIS DE CO 2 POR FONTE DE ENERGIA E POR ATIVIDADES PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO (ANO BASE 1996) ANÁLISE DAS EMISSÕES ATUAIS DE CO 2 POR FONTE DE ENERGIA E POR ATIVIDADES PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO (ANO BASE 1996) CÉLIA MARIA PAIVA PROFA. DEPTO METEOROLOGIA/UFRJ celia@meteoro.ufrj.br 1. Introdução

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO COMUNICAÇÃO ESTADUAL EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN)

SUMÁRIO EXECUTIVO COMUNICAÇÃO ESTADUAL EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN) COMUNICAÇÃO ESTADUAL 1º INVENTÁRIO DE EMISSÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA DIRETOS E INDIRETOS DO ESTADO DE SÃO PAULO EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN) SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS, PROGRAMA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS DO ESP - PROCLIMA

MUDANÇAS CLIMÁTICAS, PROGRAMA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS DO ESP - PROCLIMA MUDANÇAS CLIMÁTICAS, PROGRAMA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS DO ESP - PROCLIMA Josilene Ticianelli Vannuzini Ferrer PROCLIMA - CETESB, 2010 SP, a Agenda Climática e a CETESB 40 milhões de habitantes 18 milhões

Leia mais

Gases de Efeito Estufa na Aviação Civil

Gases de Efeito Estufa na Aviação Civil Relatório de Emissões Relatório Nacional de Emissões de Gases de Efeito Estufa na Aviação Civil Alexandre Filizola NEPA/SAR São José dos Campos, Junho de 2010 Objetivo Apresentar o trabalho que tem sido

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

Novas Instalações CELE no período 2013-2020 Procedimento de Recolha, Registo e Verificação de Informação

Novas Instalações CELE no período 2013-2020 Procedimento de Recolha, Registo e Verificação de Informação Novas Instalações CELE no período 2013-2020 Procedimento de Recolha, Registo e Verificação de Informação (DACAR) Divisão de Poluição Atmosférica e Alterações Climáticas (DPAAC) Índice N.º 2 do Artigo 9.º-A

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

Fração. Página 2 de 6

Fração. Página 2 de 6 1. (Fgv 2014) De acordo com dados da Agência Internacional de Energia (AIE), aproximadamente 87% de todo o combustível consumido no mundo são de origem fóssil. Essas substâncias são encontradas em diversas

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Companhia Energética de São Paulo - CESP 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira

Leia mais

Padrões de produção e consumo

Padrões de produção e consumo INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 113 Padrões de produção e consumo Recicloteca da COMLURB - Gávea 114 INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO ÁGUA ATMOSFERA SOLO BIODIVERSIDADE

Leia mais

A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas

A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas A Indústria Papeleira no Contexto das Alterações Climáticas Luís Costa Leal Director-Geral CELPA, Associação da Indústria Papeleira CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no Papel Nesta

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

De onde vêm as lágrimas?

De onde vêm as lágrimas? De onde vêm as lágrimas? É toda substância que, em solução aquosa, sofre dissociação, liberado pelo menos um cátion diferente de H + e um ânion diferente de OH -. a) Presença de oxigênio b) Sal não oxigenado

Leia mais

SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL

SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL II ENCONTRO BRASILEIRO DE SILVICULTURA Campinas, Abril 2011 SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL JOSÉ OTÁVIO BRITO Professor Titular jobrito@usp.br CONJUNTURA MUNDIAL CONSUMO MUNDIAL

Leia mais

Metodologia de Inventário de. Federativo -Energia e Transportes-

Metodologia de Inventário de. Federativo -Energia e Transportes- Metodologia de Inventário de Emissões de GEE DO Estado Federativo -Energia e Transportes- Alexandre d Avignon davignon@lima.coppe.ufrj.br Curitiba, 21 de novembro de 2007 Emilio La Rovere Professor PPE

Leia mais

Relatório de Emissões de Gases de Efeito Estufa da TKCSA

Relatório de Emissões de Gases de Efeito Estufa da TKCSA Relatório de Emissões de Gases de Efeito Estufa da TKCSA 2010 Preparado Por ThyssenKrupp CSA Siderúrgica do Atlântico Avenida João XXIII, Santa Cruz Rio de Janeiro, RJ CEP 2356-352 Tel (21) 2141-2550 Thyssenkrupp-csa.com.br

Leia mais

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos;

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos; 1 ANEXO XIII Limites de Emissão para Poluentes Atmosféricos gerados nas Indústrias Siderúrgicas Integradas e Semi-Integradas e Usinas de Pelotização de Minério de Ferro 1. Ficam aqui definidos os limites

Leia mais

Aula 6 Balanço Energético

Aula 6 Balanço Energético AULA Fundação 6 BALANÇO Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 6 Balanço Energético Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG / Engenharia Elétrica Campo Grande MS 2

Leia mais

Inventário Municipal de Emissões e Remoções Antrópicas de Gases de Efeito Estufa (GEE) e outros Produtos no Município de São Paulo

Inventário Municipal de Emissões e Remoções Antrópicas de Gases de Efeito Estufa (GEE) e outros Produtos no Município de São Paulo Inventário Municipal de Emissões e Remoções Antrópicas de Gases de Efeito Estufa (GEE) e outros Produtos no Município de São Paulo Apoio Organização Realização Política de clima e inventário de GEE de

Leia mais

Relatório de Neutralização das emissões de gases do efeito estufa

Relatório de Neutralização das emissões de gases do efeito estufa 2011 Inventário de GEE Relatório de Neutralização das emissões de gases do efeito estufa Evento: -Super 9k Montevérgine -Prova Ciclística 9 de Julho 0 Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2007 ano base 2006

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2007 ano base 2006 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 27 ano base 26 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME Usina Hidrelétrica de Funil Resende RJ FURNAS Centrais Elétricas S/A Autor: Vicente Correa 2 Oferta e Demanda de Energia por

Leia mais

Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática.

Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática. Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática. Marcelo Pereira Bales (1) ; Cristiane Dias (1) ; Silmara Regina da Silva (1) (1) CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Leia mais

MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial

MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial Seminário de Oportunidades para Financiamento de Projetos de Eficiência Energética e MDL Fundação Getúlio Vargas MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial F U N D A Ç Ã O B R A S I

Leia mais

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA 2º. DEBATE SOBRE MINERAÇÃO TJ/PA e PUC/SP Tribunal de Justiça do Pará - Belém, 30/09/2011 Gestão Estratégica

Leia mais

Relatório de Emissões de Gases de Efeito Estufa da TKCSA

Relatório de Emissões de Gases de Efeito Estufa da TKCSA Relatório de Emissões de Gases de Efeito Estufa da TKCSA 2011 Preparado Por ThyssenKrupp CSA Siderúrgica do Atlântico Avenida João XXIII, Santa Cruz Rio de Janeiro, RJ CEP 2356-352 Tel (21) 2141-2550 Thyssenkrupp-csa.com.br

Leia mais

EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010)

EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010) EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010) Sumário Executivo De acordo com a Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), adotada em 1992, as mudanças

Leia mais

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas:

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas: Relatório de Emissões de Carbono Camarote Expresso 2222 Carnaval Salvador 2010 Introdução As atividades da humanidade têm aumentado como nunca visto a concentração de gases poluidores na atmosfera. Alguns

Leia mais

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos 18 1. Introdução Nos últimos anos, o crescimento econômico dos países desenvolvidos provocou o aumento da demanda mundial por energia. Com esta também veio um forte aumento da dependência do petróleo e

Leia mais

Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte. João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com

Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte. João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com Sobre a WayCarbon 7 anos no mercado sul-americano de consultoria em mudanças climáticas Portifólio de projetos

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Utilização de óleo diesel e emissões de CO 2 por veículos rodoviários pesados

Utilização de óleo diesel e emissões de CO 2 por veículos rodoviários pesados Utilização de óleo diesel e emissões de CO 2 por veículos rodoviários pesados Brasília, 9 de abril de 2013 Milhões de tep Uso de energia fóssil no transporte rodoviário Título do Gráfico 60 50 GNV 40 2011

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2014

Balanço Energético Nacional 2014 Balanço Energético Nacional 2014 Relatório Síntese ano base 2013 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ Maio de 2014 BEN 2014 Relatório Síntese ano base 2013 Ministério de Minas e Energia

Leia mais

Sumário Executivo do Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa do Estado do Espírito Santo

Sumário Executivo do Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa do Estado do Espírito Santo Sumário Executivo do Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa do Estado do Espírito Santo sumário 05 07 1. Introdução 2. Setor Energia 3. Setor Processos industriais e uso de produtos 4. Setor Agricultura,

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2013 Ford Nome fantasia: Ford - CNPJ: 03.470.727/0001-20 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico: C. Indústrias de transformação

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Quimicryl S/A] [2013]

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Quimicryl S/A] [2013] Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Quimicryl S/A] [2013] INVENTÁRIO: X Completo INVENTÁRIO VERIFICADO POR: X Terceira parte Data: 10/03/2014 Preparador de Relatório: EGGEE/Quimicryl Simone

Leia mais

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005 Total... 147 358 6 443 364 1 255 903 923 1 233 256 750 157 359 927 105 804 733 1 192 717 909 681 401 937 511 315 972 C Indústrias extrativas... 3 019 126 018 38 315 470 32 463 760 4 145 236 2 657 977 35

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014. Inventário Parcial

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014. Inventário Parcial Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 1. Dados do inventário Banco Santander S.A. (Brasil) Tipo de preenchimento: 1.1 Responsável pela elaboração do inventário

Leia mais

Definição do gás natural. Desenvolvimento do mercado de gás natural no Brasil. O uso do gás natural. Sobre a ANP. O uso do gás natural

Definição do gás natural. Desenvolvimento do mercado de gás natural no Brasil. O uso do gás natural. Sobre a ANP. O uso do gás natural Definição do gás natural. Desenvolvimento do mercado de gás natural no Brasil. O gás natural é uma mistura de hidrocarbonetos gasosos, dentre os quais se destacam o metano, o etano e o propano, resultantes

Leia mais

Yushiro Kihara. Prof Dep. Geociëncia USP Gerente de Tecnologia ABCP. O grande desafio:

Yushiro Kihara. Prof Dep. Geociëncia USP Gerente de Tecnologia ABCP. O grande desafio: Concreteshow 2012 1 Mudanças Climáticas e Sustentabilidade Cenário e Desafios da Indústria Brasileira de Cimento Yushiro Kihara Prof Dep. Geociëncia USP Gerente de Tecnologia ABCP DESAFIOS DA INDÚSTRIA

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Versão resumida BANCO BRADESCO S.A.

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Versão resumida BANCO BRADESCO S.A. INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Versão resumida BANCO BRADESCO S.A. 2008 1 Inventário de GEE O Inventário de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) permite que uma

Leia mais

Empresas brasileiras emitiram 85,2 milhões de toneladas de gases de efeito estufa no ano passado

Empresas brasileiras emitiram 85,2 milhões de toneladas de gases de efeito estufa no ano passado Empresas brasileiras emitiram 85,2 milhões de toneladas de gases de efeito estufa no ano passado (Dados divulgados hoje no lançamento do programa Empresas pelo Clima, do GVCes, estão disponíveis em www.fgv.br/ces/epc

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS

LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS E S C O L A P O L I T É C N I C A DA U N I V E R S I D A D E DE S ÃO P A U L O - D E P A R T A M E N T O DE E N G E N H A R I A M E T A L Ú R G I C A E DE M A T E R I A I S - - L A B O R A T Ó R I O DE

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS O que é biomassa? - É toda matéria orgânica proveniente das plantas e animais. Como se forma a biomassa? - A biomassa é obtida através da fotossíntese realizada pelas plantas.

Leia mais

Inventário de emissões de gases do efeito estufa da cidade do Rio de Janeiro- resumo executivo

Inventário de emissões de gases do efeito estufa da cidade do Rio de Janeiro- resumo executivo ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Inventário de emissões de gases do efeito estufa da cidade do Rio de Janeiro- resumo executivo Nº 20100801 Agosto - 2010 Coordenação: SMAC/Prefeitura

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 UNIDADE DE NEGÓCIO CARBONO - UNICAR Efluentes e Resíduos Inventários

Leia mais

Estimativas de Emissõ es e Remõçõ es de Gases de Efeitõ Estufa dõ Estadõ de Minas Gerais - Anõ base 2010

Estimativas de Emissõ es e Remõçõ es de Gases de Efeitõ Estufa dõ Estadõ de Minas Gerais - Anõ base 2010 Estimativas de Emissõ es e Remõçõ es de Gases de Efeitõ Estufa dõ Estadõ de Minas Gerais - Anõ base 2010 Gerência de Energia e Mudanças Climáticas Fundação Estadual do Meio Ambiente LISTA DE FIGURAS Figura

Leia mais

Fique ligado na energia!

Fique ligado na energia! A U A UL LA 3 Fique ligado na energia! Todos os processos vitais do planeta - circulação das águas e dos ventos, a fotossíntese, entre outros - dependem de energia. A principal fonte de energia na Terra

Leia mais

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais.

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Robson

Leia mais

Objetivo: Desenvolver percepção para as questões ambientais numa empresa.

Objetivo: Desenvolver percepção para as questões ambientais numa empresa. EXERCÍCIO 3 Módulo 3 Questões ambientais de uma empresa Objetivo: Desenvolver percepção para as questões ambientais numa empresa. Muitos gerentes têm difi culdades em reconhecer as questões ambientais

Leia mais

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Inventário Corporativo de Gases do Efeito Estufa 2011 Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Gerente do Projeto: Iris Gobato Gercov Consultora: Adriane Elise de Assunção Flausino Consultor:

Leia mais

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Gesmar Rosa dos Santos Antenor Lopes Conteúdo Características gerais da Oferta Interna

Leia mais

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras Emilio Lèbre La Rovere Coordenador, CentroClima/LIMA/PPE/COPPE/UFRJ 2º Encontro dos Secretários

Leia mais

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS:

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: CIDADES SUSTENTÁVEIS OU COLAPSO ANUNCIADO? Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Cidades são parte do Problema Atividades

Leia mais

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação Resultados Agosto 2012 Principais Indicadores Indústrias de Transformação JUN JUL AGO

Leia mais

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013 INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013 A liberação de gases de efeito estufa (GEE) associada às atividades humanas em todo o mundo é reconhecida como a principal causa das mudanças climáticas que vem sendo observadas

Leia mais

INVENTÁRIO E CENÁRIO DE EMISSÕES DOS GASES DE EFEITO ESTUFA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

INVENTÁRIO E CENÁRIO DE EMISSÕES DOS GASES DE EFEITO ESTUFA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO INVENTÁRIO E CENÁRIO DE EMISSÕES DOS GASES DE EFEITO ESTUFA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Março de 2011 Inventário e Cenário de Emissões dos Gases de Efeito Estufa da Cidade do Rio de Janeiro Resumo Técnico

Leia mais

O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul. Ivan De Pellegrin

O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul. Ivan De Pellegrin O Carvão Mineral e sua Importância Estratégica para o Estado do Rio Grande do Sul Ivan De Pellegrin Comparação dos Recursos e Reservas Energéticas Brasileiras Não Renováveis em 2012 4% 12% 19% 65% Fonte

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014 Outubro/2014 VERSÃO 01 AUTOR Guilherme Pacheco Schuchter Belo Horizonte, MG Brasil guilherme@waycarbon.com COLABORADORES Jussara Utsch Belo Horizonte, MG Brasil jussara.utsch@scdcbrasil.com.br

Leia mais

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações WORKSHOP ASPECTOS RELEVANTES DA PRÁTICA EMPRESARIAL EM GESTÃO AMBIENTAL CAMPINAS, 17 DE ABRIL 2010 As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações Profa. Josilene T.V.Ferrer Estado de São

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

(material embargado até 19.11.2015 às 10hs)

(material embargado até 19.11.2015 às 10hs) (material embargado até 19.11.2015 às 10hs) SEEG 3.0 Sistema de Estimativa de Emissões de Gases de Efeito Estuda Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa no Brasil 1970-2014 DESTAQUES: Emissões

Leia mais

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Projeto Nobrecel de Troca de Combustível na Caldeira de Licor Negro (Nobrecel fuel switch in black liquor boiler Project) Introdução: O objetivo deste relatório é o

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2015

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2015 Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2015 Nome da instituição: De Angeli Feiras & Eventos Tipo de instituição: Evento Setor econômico: Turismo Endereço: Edifício

Leia mais

A POLUIÇÃO DO AR POR NAVIOS

A POLUIÇÃO DO AR POR NAVIOS A POLUIÇÃO DO AR POR NAVIOS A crescente preocupação da comunidade internacional com a proteção do meio ambiente tem trazido à baila a poluição do ar causada pelas embarcações. Em conseqüência, o Anexo

Leia mais

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação Resultados Outubro 2012 Principais Indicadores Indústrias de Transformação AGO SET OUT

Leia mais

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE 1 Wanderlei David Pereira, 2 João Lages Neto 1 Gerente de Recuperação e Utilidades Fibria Unidade Aracruz. 2 Especialista de Meio

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Grupo de Trabalho: Fernanda - Solvay Lorena Oxiteno Luis

Leia mais

Proposta metodológica para cálculo de emissões de gases de efeito estufa e de plano de mitigação em eventos realizados no estado de Minas Gerais

Proposta metodológica para cálculo de emissões de gases de efeito estufa e de plano de mitigação em eventos realizados no estado de Minas Gerais Nota Técnica Nº 1/2013 GEMUC/DPED/FEAM Proposta metodológica para cálculo de emissões de gases de efeito estufa e de plano de mitigação em eventos realizados no estado de Minas Gerais Maio 2013 Carolina

Leia mais

d) Faz parte de Grupo empresarial:

d) Faz parte de Grupo empresarial: IDÉIA DE PROJETO PROGRAMA IBEROEKA Projetos em colaboração com empresas dos seguintes países: Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, El Salvador, Equador, Espanha, Guatemala, Honduras,

Leia mais

Seminário Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Banco Mundial Brasília. 08 e 09 de Junho 2010

Seminário Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Banco Mundial Brasília. 08 e 09 de Junho 2010 Seminário Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Banco Mundial Brasília 08 e 09 de Junho 2010 No Programa de Governo Gestão 2009-2012 está previsto o Programa Biocidade e neste o Plano

Leia mais

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 XIV Simpósio Nacional de Auditoria de Obras Públicas (SINAOP) Centro de Eventos do Pantanal - Cuiabá 1 Novembro 2011 Nome do Evento: XIV SINAOP 2011 Cuiabá

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2013

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2013 Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2013 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. GHG PROTOCOL... 2 2.1 Premissas... 3 2.1.1 Definições... 3 2.1.1.1. Período... 3

Leia mais

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Paulo Canaveira Seminário Tecnicelpa Bioenergias. Novas Tendências 30 Março 2007 CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no

Leia mais

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Proposta de Plano de Trabalho Plano Setorial de Mitigação e Adaptação às Mudanças Climáticas OBJETIVOS Ministério das Cidades Estimar as emissões de gases de efeito estufa (GEEs) e os locais (GELs) produzidos

Leia mais

Emissões de gases de efeito estufa durante o ciclo de vida das fachadas de edifícios comerciais

Emissões de gases de efeito estufa durante o ciclo de vida das fachadas de edifícios comerciais Emissões de gases de efeito estufa durante o ciclo de vida das fachadas de edifícios comerciais Vanessa Montoro Taborianski, Racine T. A. Prado Laboratório de Sistemas Prediais da Escola Politécnica da

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor.

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor. Entre no Clima, Faça sua parte por um MUNDO melhor. Aquecimento Global Conheça abaixo os principais gases responsáveis pelo aquecimento global: MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O AQUECIMENTO GLOBAL Desde a revolução

Leia mais

Inventário de Emissões das Fontes Estacionárias do Estado de São Paulo Dados Preliminares

Inventário de Emissões das Fontes Estacionárias do Estado de São Paulo Dados Preliminares Inventário de Emissões das Fontes Estacionárias do Estado de São Paulo Dados Preliminares Apresentado por Engº Eduardo Luís Serpa eduardols@cetesbnet.sp.gov.br Baseada em apresentação elaborada por Engªs.

Leia mais

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Confederação Nacional da Indústria Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Edição revisada Brasília, 2008 Nota técnica Os gráficos desta cartilha foram elaborados a partir

Leia mais

Demandas e escalas para a contabilidade de emissões de Gases de Efeito Estufa - GEE

Demandas e escalas para a contabilidade de emissões de Gases de Efeito Estufa - GEE Demandas e escalas para a contabilidade de emissões de Gases de Efeito Estufa - GEE Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento X Convenção do Clima UNFCCC é um tratado ambiental

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL. I Relatório Síntese I ano base 2012

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL. I Relatório Síntese I ano base 2012 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2013 I Relatório Síntese I ano base 2012 Brasil. Empresa de Pesquisa Energética. Balanço Energético Nacional 2013 Ano base 2012: Relatório Síntese Rio de Janeiro: EPE, 2013

Leia mais

Conceitos e definições do setor de gás natural

Conceitos e definições do setor de gás natural Conceitos e definições do setor de gás natural O que é o gás natural O gás natural é um combustível fóssil que se encontra na natureza, associado ou não ao petróleo, formado por hidrocarbonetos com predominância

Leia mais

Estimativas anuais de emissões de gases de efeito estufa no Brasil

Estimativas anuais de emissões de gases de efeito estufa no Brasil Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento SEPED Coordenação Geral de Mudanças Globais de Clima CGMC anuais de emissões de gases

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa RL Sistemas de Higiene Ltda. 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

Leia mais