NESTOR DOS SANTOS LIMA E A EDUCAÇÃO NORTE-RIO-GRANDENSE NO PERÍODO DE RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NESTOR DOS SANTOS LIMA E A EDUCAÇÃO NORTE-RIO-GRANDENSE NO PERÍODO DE 1911-1923 RESUMO"

Transcrição

1 2011 NESTOR DOS SANTOS LIMA E A EDUCAÇÃO NORTE-RIO-GRANDENSE NO PERÍODO DE Sara Raphaela Machado de Amorim 1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte RESUMO Esta é pesquisa é vinculada ao projeto Gênero, Representações e Práticas de Leitura /CNPq que analisa as contribuições de Nestor dos Santos Lima à educação Norte-Rio-Grandense no período de , época em que por designação oficial, foi nomeado Diretor da Escola Normal de Natal, onde denota-se de maneira concreta o ideário de modernidade que movia sua prática. Ele nasceu em Assu, no Rio Grande do Norte, em 01 de agosto de 1887, filho de Galdino dos Santos Lima e Ana Souto Lima. Foi um intelectual atuante, exercendo diversos cargos como o de diretor do Departamento de Educação do Estado, e neste cargo implantou uma nova organização no sistema de ensino, criando regimentos internos para grupos escolares, escolas isoladas, escolas rudimentares e conselhos de educação. Sua atuação no ensino remonta a participação num movimento de educadores e políticos, que viam na educação uma das vias de formação de identidade nacional e uma abertura para o mundo civilizado, introduzindo no ensino novos métodos didático-pedagógicos. Outro aspecto presente na renovação escolar empreendida por Nestor Lima é a reformulação das instalações físicas das escolas. Desse modo, as idéias reformistas tinham a preocupação de estabelecer nas escolas uma nova organização, seja no seu sentido físico ou metodológico. A visão inovadora de Nestor dos Santos Lima é revelada pela consideração histórica do processo educativo que lhe é pertinente. Em um de seus livros, denominado Um século de Ensino Primário (1927), é notória sua dedicação à educação, quando ele discorre sobre o grande avanço que o Decreto Imperial de 15 de outubro de 1827 constituiu para a educação pública do país. A lei determinava que em todas as cidades, vilas e lugares mais populosos haveria escolas de primeiras letras que fossem necessárias. Nestor Lima tece importantes comentários acerca da Lei Imperial, ressaltando seu aspecto renovador, uma vez que este documento representou a consagração de princípios educativos adiantados, servindo ainda, como norma para muitas escolas, nas quais só resultados positivos produziriam a observância rígida dos seus preceitos. É possível observar, ainda, a visão deste educador em relação à condição da mulher no processo educativo, quando analisa e defende o celibato pedagógico feminino, publicado numa série de teses especiais, oferecidas pela revista pedagogium. Este texto trata acerca da participação feminina na educação uma vez que esta participação feminina era cercada de preconceitos, e quando exercida, era regida por uma série de restrições. Neste contexto, a mulher só poderia ser professora se fosse solteira ou viúva sem filhos. A metodologia utilizada nesta pesquisa é a análise das obras de Nestor Lima encontradas no Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte, onde exerceu o cargo de presidente por 32 anos seguidos; documentos de ordem escolar, encontrados no Arquivo Público do Estado, acervos particulares, e em outras instituições que possuam expressões do trabalho desse educador. A importância de Nestor Lima tem relação com as características reformistas da educação, que resultam, portanto, numa contribuição social viabilizada pelo avanço do ensino. Esta visão histórica privilegiada garante a Nestor Lima a categorização como um educador que ultrapassou as limitações do tempo, lançando-se em direção à renovação. Desenvolveu uma prática educativa com respaldo de revolucionária, marcando as mudanças no ensino primário do Rio Grande do Norte e perpetuando um avanço significante para o complexo processo educacional. 1 Bolsista de Iniciação Científica / CNPq

2 2012 TRABALHO COMPLETO 1. Apresentando a trajetória da pesquisa Esta pesquisa é parte do projeto Gênero, representações e práticas de leitura /CNPq, o qual vincula-se à Base de Pesquisa Gênero e práticas Culturais: abordagens históricas, educativas e literárias/ufrn, coordenada pela Profª Drª Maria Arisnete Câmara de Morais. O presente estudo analisa as contribuições de Nestor dos Santos Lima à Educação Norte-Rio- Grandense, durante o período de 1910 a A metodologia utilizada é a análise das obras de suas obras encontradas no Instituto Histórico do Rio Grande do Norte, onde exerceu o cargo de presidente por 32 anos seguidos ( ), sendo reverenciado como presidente perpétuo desta instituição cultural. O estudo também se estende a documentos de ordem escolar, encontrados no APE (Arquivo Público do Estado), acervos particulares e em outras instituições que possuam expressões do trabalho deste educador. É vasta a sua atuação educacional, mas neste trabalho analiso a sua prática durante as décadas de 1910 a 1920, em especial o período em que permaneceu como diretor da Escola Normal de Natal. Ele nasceu em Assu, no Rio Grande do Norte, em 01 de agosto de 1887, filho de Galdino dos Santos Lima e Ana Souto Lima. Foi iniciado nos estudos primários por sua mãe, e concluiu os Preparatórios no Liceu Paraibano, em No ano seguinte matriculou-se na Faculdade de Direito do Recife, onde recebeu o título de Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais, em 16 de março de Casou-se com Helena Cicco dos Santos Lima, em 14 de outubro de 1944 e faleceu no apartamento do pavilhão sul do Hospital Miguel Couto, aos 72 anos de idade, sem deixar filhos. Homem de hábitos metódicos, estudioso, organizado, dedicado ao trabalho, assim foi conhecido. Sua seriedade e determinação lhe valeram o reconhecimento e respeito como educador, jurista, administrador e historiador. Sua atuação no ensino remonta à participação num movimento de educadores e políticos que viam na educação uma das vias de formação de identidade nacional e uma abertura para um mundo civilizado e, de acordo com essa concepção, introduzia novos métodos didático-pedagógicos. Em 1911, com sua nomeação como diretor da Escola Normal de Natal, obteve a possibilidade de iniciar modificações no cenário educativo, buscando uma melhor qualificação dos professores para que assim, o nível do ensino primário pudesse evoluir. No ano de 1913, por mando do governador do Rio Grande do Norte, Alberto Maranhão, Nestor Lima visitou a Escola Normal de São Paulo e as Escolas Profissionais de Artes e Ofícios, o que reforçou suas idéias reformadoras em parte já implantadas na Escola Normal de Natal. Foi um intelectual atuante, exercendo diversos cargos como o de diretor do Departamento de Educação do Estado, no período de 1924 a 1929, onde recebeu total apoio do então governador José Augusto Bezerra de Medeiros ( ). Reformou o ensino primário com a introdução de novos métodos didático-pedagógicos, criando e fazendo adotar Regimentos Internos para Grupos Escolares, Escolas Isoladas, Escolas Rudimentares e Conselhos de Educação. Esses regimentos abrangiam desde a organização do espaço físico da sala de aula até os procedimentos dos funcionários da instituição. No decreto nº 178 de 29 de abril de 1908, quando foi restabelecida a diretoria geral da instrução pública, consta que: Considerando que o estudo das questões didáticas e as providências administrativas deste importante ramo do público serviço, para os efeitos da reforma, exigem um estabelecimento de uma repartição distinta, presidida por um profissional competente. Considerando que as funções de Diretor Geral da Instrução Pública, a quem incumbe a visita e a fiscalização pessoal das escolas em todo o Estado estão sendo exercidas por autoridades de jurisdição limitada e

3 2013 permanente na capital, qual é um dos lentes e diretor do ensino secundário. (RN, p.46) No ano de 1930 ocupou ainda o cargo de Secretário-Geral da Educação do Estado. Segundo ele, colocar em prática os propósitos do ensino reformado dependia, porém do pessoal que devia executar; se fosse o professorado existente, sem a necessária preparação técnica nos métodos e processos de ensino contemporâneo, havia de falhar (1927, p.167). O cuidado com a preparação dos mestres primários denota o teor de sua linha de ação, o que pretendia fortalecer este âmbito. Outro aspecto presente na renovação escolar empreendida por Nestor Lima é a reformulação das instalações físicas das escolas. Desse modo, as idéias reformistas tinham a preocupação de estabelecer uma nova organização em ambos os sentidos: físico e metodológico. Em 1924 foi decisiva sua participação para a aprovação do Regulamento Geral do Departamento de Educação. Acerca dessa reforma, em entrevista o educador declara: Estou certo de que não precisamos de reformas integrais. Necessitamos, sim, realizar a aparelhagem de que dispomos, completando-a com os institutos de que carecemos e tornando eficiente e verdadeiro o trabalho das nossas escolas, por meio da fiscalização imediata daquilo que já estamos fazendo cerca de quinze anos (A Republica, 26 de julho de 1923) 2. Um século de Ensino primário: concretizando um ideário moderno. A visão de Nestor dos Santos Lima é revelada pela consideração histórica de sua prática educativa. Durante os meses de julho a outubro do ano de 1927, eram publicados no Jornal A Republica textos de Nestor Lima, inicialmente na forma de artigos semanais, e depois diários, que foram condensados em um único volume, intitulado Um século de Ensino Primário. Nele, delineia-se de maneira concreta o ideal de modernidade que movia sua prática, onde é notória sua dedicação à educação, quando ele discorre sobre diversos fatores que julgava importantes para a criação e manutenção das escolas, tais como: edifícios apropriados para o ensino, a contratação de professores, as matérias do currículo escolar, a remuneração dos docentes, entre outros, destacando também o avanço que a Lei-Geral de 15 de outubro de 1827 constituiu para a educação pública no país. Esta lei era constituída pelo ideal republicano, que tinha a escola como um meio de divulgação de seus pensamentos de incentivo à democracia. A proclamação da República, instituindo no Brasil, o regime democrático representativo, veio encher de esperanças os espíritos apaixonados pelo problema da educação, que descobriam na nova forma de organização e de governo a solução do magno assunto. Que tão íntimo e visceralmente interessam à coletividade nacional nos seus fundamentos essenciais. (LIMA, 1927, p. 133) Nestor Lima acentua a importância da celebração do centenário da Instrução Primária Pública, definindo como de incontestável importância, por ser este centenário dentre os muitos já relembrados ou

4 2014 comemorados, indiscutivelmente um dos mais ligados à base da verdadeira organização social e cultural da nossa nacionalidade. (Lima, 1927 p.6) A Lei foi assinada por Dom Pedro I e referendada pelo Visconde de São Leopoldo, Ministro do Império, onde em seu artigo 1º determinava que em todas as cidades, vilas e lugares mais populosos houvesse escolas de primeiras letras, quantas fossem necessárias. A respeito do Decreto Nestor Lima afirmou que: Se tratava de uma grande e notável promessa ou fundamento, que se fez sentir por todos os recantos do território brasileiro, onde ela mandava criar tantas cadeiras de primeiras letras, para meninos ou para meninas, quantas fossem necessárias. Era incontestavelmente um grandioso passo para a construção consciente de nossa nacionalidade; era a base segura em que repousaria melhor o futuro da nova pátria (LIMA, 1927, p. 3) De acordo com os dispositivos da Lei de 15 de outubro de 1827, o ensino primário que até então era livre e não oficializado, passou a ser tarefa do governo. Dentre as disciplinas encontravam-se: leitura, escrita, as quatro operações matemáticas, noções de geometria, gramática da língua nacional, princípios de moral cristã e doutrina católica e a leitura da Constituição de Império e da História do Brasil. Nestor Lima ainda ressalta a importância do Ato Adicional na constituição da educação: Quero crer que, se não fora o Ato Adicional de 1834, federalizando as antigas províncias, para elas transferindo todas as iniciativas e encargos concernentes ao ensino primário e desinteressando disso o poder central, a situação do ensino nacional seria outra, atualmente. É certo que as províncias se desaperceberam do elevado encargo do ensino primário e, somente nos últimos anos da Monarquia, se verificou algum interesse por esse assunto (1927, p. 5) Segundo o artigo 6º da lei de 1827, os professores deveriam ensinar a ler, escrever, as quatro operações de aritmética, prática de quebrados, decimais e proporções, as noções mais gerais de geometria prática, a gramática de língua nacional, e os princípios de moral cristã e da doutrina da religião católica e apostólica romana, proporcionados à compreensão dos meninos; preferindo para as leituras a Constituição do Império e a História do Brasil. (LIMA, 1927, p. 8) A Educação feminina não foi esquecida. Desta maneira, o artigo 11 da lei de 1827 diz que haveriam escolas de meninas nas cidades e vilas mais populosas, em que os presidentes, em conselho, julgarem necessário este estabelecimento (Lima, 1927 p. 9). O artigo 12 deste documento assinala que as mestras poderiam ensinar, e quais dentre elas estavam aptas à docência. As mestras, além do declarado no artigo 6º, com exclusão das noções de geometria e limitando a instrução da aritmética, só as quatro operações, ensinarão também as prendas que servem à economia doméstica; e serão nomeadas pelos Presidentes em Conselho, aquelas mulheres que, sendo brasileiras e de reconhecida honestidade, se mostrarem com mais conhecimentos nos exames feitos na forma do artigo 7º. (LIMA, 1927 p. 10)

5 2015 Nesse momento histórico, a estratégia utilizada visava facilitar o acesso da população pelo menos à educação básica. As escolas passaram, então, a preocupar-se em formar intelectuais, preparar quadros para atender às necessidades da sociedade moderna e dar-lhes uma formação cívica e moral. O Governo Brasileiro, após o aparecimento da República, visando construir uma sociedade letrada passou a incentivar a educação dado que a instrução passou a servir como indício do desenvolvimento de um país. Por conseguinte, a escola passou também a ser tida como uma forma de transmitir à população os valores culturais e morais necessários à consolidação do Estado Moderno. Além disso, buscavam obter novas formas de trabalho e perspectivas de vida. A educação feminina representava uma vitória, visto que a instrução significava a ampliação de seus direitos. A educação destinada à mulher nesta época deveria ser o suficiente apenas para torná-la instrumento de transmissão de conhecimento aos futuros regentes da nação e não para enriquecimento intelectual das educandas. Com a influência dos ideais positivistas, a mulher passou a ser vista como responsável pela beleza e bondade que deveriam estar presentes na sociedade, por possuírem características como a moralidade, o patriotismo, a maternidade, a pureza, a doçura, etc. Com a divulgação sobre qualidades morais da mulher, era reforçado o mito da inferioridade biológica feminina. O acesso ao ensino era direcionado aos homens para que se educassem nas artes do falar e do escrever, de forma que mesmo tendo conquistado um acesso restrito à educação, a situação das mulheres, pouco se alterava haja vista que, apesar de terem obtido o direito às primeiras letras, raramente conseguiam ir, além disso. Mesmo que recebessem na maioria das vezes um ensino diferenciado, no Rio Grande do Norte tal fato representou um avanço uma vez que já no ano de 1850, as cinco escolas de primeiras letras para o sexo feminino foram freqüentadas pó 96 meninas. (Lima, 1927 p. 68). A educação como função social é o meio pelo qual o individuo se torna parte de uma dada sociedade. Assim o ensino acadêmico para a sociedade brasileira, até a proclamação da República e divulgação dos ideais positivistas, era tido como necessário apenas para o sexo masculino que tinha a possibilidade de trabalhos em espaços privados e públicos utilizando dessa forma, os conhecimentos científicos e técnicos aos quais tinha acesso por meio da educação. Nestor Lima tece importantes comentários acerca da Lei Imperial, ressaltando sua insatisfação com o estado da instrução primária e os problemas como a ausência de alunos e persistência em conserválos, bem como a inabilidade do professorado existente. Enfocou também seu aspecto renovador, uma vez que esse documento representou a consagração de princípios educativos adiantados, e de oficialização do ensino. Segundo ele: O que tudo quer dizer, que há cem anos, já havia uma noção, mais ou menos segura, do valor da profissão ensinante, que mereceria a consagração legal, e especiais prerrogativas que hoje, um século após, ainda não existem alguns departamentos da União Brasileira, não obstante os avanços que se tem realizado nesse particular. (LIMA, 1927, p. 4) 3. A condição da mulher na educação: o celibato pedagógico feminino. Dentre os inúmeros registros que relatam a participação de Nestor Lima na educação, é possível observar, a visão deste educador na Revista Pedagogium. A primeira edição desta revista se deu no ano de 1921, sob direção do professor Nestor dos Santos Lima, que se encontrava na posição de Diretor da Escola Normal. Este veículo de informação possibilitou inúmeras considerações intelectuais e se constituiu referência no âmbito educacional. A Associação de Professores do Rio Grande do Norte (APRN), expôs as estratégias de condução do movimento dos educadores, sistematizando as ações do todo no sentido de suprir as necessidades da classe a qual faziam parte. Segundo este autor:

6 2016 A Associação dos Professores está reservada uma grande e importante missão no futuro do Rio Grande do Norte, onde se desenvolverá um vasto programa de combate ao analfabetismo, publicando-se o Boletim Pedagógico com o intuito de levar aos colegas do interior do estado tudo quanto interessar ao ensino.(revista Pedagogium, Jul.1921, p.27) Nesta revista, Nestor Lima analisa o celibato feminino, com um texto publicado numa série das teses especiais oferecidas pela Revista Pedagogium. Em seu texto, analisa a condição da mulher no processo educativo. É muito mais grave e seria do que a primeira vista parece a questão do celibato pedagógico feminino ou da condição de mulher casada, em face da educação e do ensino, como profissão habitual [...] A recente lei da reforma primária em Minas Gerais só dá acesso ao magistério às professoras solteiras ou viúvas sem filhos[..] A Baviera impõe o celibato às professoras. De mais a mais, contra o magistério das professoras já se manifestaram as Sociedades de Professoras Católicas Alemãs e a Sociedade Bávara de Professoras Católicas. (.Jul. 1921, p Nestor Lima demonstra a sua preocupação com as divergências existentes no âmbito educacional em relação às mulheres que almejassem a profissão de educadora, e que fossem casadas ou tivessem filhos. Também é possível observar sua visão ampla, quando faz alusão a situação do Brasil em relação à Alemanha, citando a região da Baviera, onde era imposto o celibato pedagógico às professoras da educação primária. Faz referência, também, às sociedades de professoras católicas que se manifestaram frente a esta questão educacional. O texto escrito por Nestor Lima, trata acerca da participação feminina na educação, uma vez que esta participação era cercada de preconceitos e, quando exercida, era regida por uma série de restrições. Neste contexto, a mulher só poderia ser professora se fosse solteira ou viúva sem filhos. Estou informado de que outros Estados brasileiros proíbem terminantemente às professoras publicas o casamento, sob pena de perda da cadeira, ou disponibilidade forçada... A ser verdadeira a informação, está declarada guerra ao matrimônio das educadoras oficiais, enquanto que aos profissionais do outro sexo ninguém se lembrou de pôr-lhes restrições, quanto menos a proibir-lhes as justas núpcias. (LIMA, 1921) Reforçando seus argumentos acerca do celibato, Nestor Lima faz referências as disposições gerais da Reforma do Ensino no artigo 224, da lei 405/1916, na qual evidencia as conseqüências da aplicação desta lei nos meios escolares. O referido artigo registra que à professora publica em estado de gravidez será concedida, com todos os vencimentos, uma licença especial de dois meses correspondente ao ultimo mês que precede e ao primeiro que sucede ao parto. A condição feminina na profissão docente foi uma temática amplamente discutida. Inicialmente no Congresso Estadual de Professores no Rio Grande do Norte, promovido pela Associação dos Professores do Rio Grande do Norte, realizado em Natal, em 23 de janeiro de Em continuidade a

7 2017 essa discussão, em 1927 o professor Nestor dos Santos Lima encaminha sua tese intitulada O Celibato Pedagógico Feminino, à Primeira Conferência Nacional de Educação realizada em Curitiba. Na ocasião, o educador incluiu a introdução elaborada em 1921, acrescentando a preocupação com os problemas decorrentes das licenças autorizadas às professoras, concedidas através da lei 677/1927. Tal lei concedia mais um benefício às professoras ao instituir a licença especial que em sua opinião vinha resultando francamente desfavorável ao ensino público, sempre voltado com as ausências das suas regentes, em virtude das licenças especiais e a seguir das comuns que se requerem para completar a cura ou estabelecimento da puerpéra. (Lima, 1927 p. 5). O debate empreendido sobre o celibato pedagógico na Primeira Conferência Nacional de Educação, resultou em um artigo publicado no jornal A República, um dos impressos de maior circulação no Rio Grande do Norte, em março de 1928 com o título: Interdição do trabalho à mulher casada, de autoria de Orminda Bastos, advogada, feminista e jornalista. Neste artigo a jornalista se posiciona contrária à defesa do celibato pedagógico. A importância de Nestor Lima tem relação com as características reformistas da educação, que resultam, portanto, numa contribuição social viabilizada pelo avanço do ensino. Esta visão histórica privilegiada garante a Nestor Lima a categorização como um educador preocupado com questões sociais, o que contribuiu diretamente para o desenvolvimento do País, e em especial do Rio Grande do Norte. Desenvolveu uma prática educativa com respaldo revolucionário, marcando as mudanças no ensino primário do Estado e perpetuando historicamente um avanço significante para a educação. Na criação da APRN (Associação dos professores do Rio Grande do Norte), em 04 de dezembro de 1920, Nestor Lima se fez presente onde:... fora especialmente convidado, fez então, uma bela conferência, magistral na forma e nos conceitos, estudando o ensino publico no Rio Grande do Norte desde os tempos coloniais até aquela data. A sessão especifica com a finalidade de definição do 1º Estatuto e Eleição da Primeira Diretoria, ocorreu sob a presidência do Prof. Anfilóquio Câmara. Como orador oficial: Propôs e foi unanimemente aprovado, que se lançasse na ata da sessão um voto de louvor e agradecimento ao prof. Nestor Lima que, convidado para efetuar uma conferência sobre a história do movimento escolar do estado, o fizera com real brilho e maestria, escrevendo um importante trabalho pedagógico. (1985, p.21) Atualmente, existe na Cidade do Natal, mais precisamente na Rua São José, bairro de Lagoa Seca, uma escola estadual com o nome deste educador, o que denota mais uma marca de sua atuação, do reconhecimento dos contemporâneos, e da sociedade pelo trabalho que Desenvolveu. Ao visitar esta instituição, fui em busca de tudo o que nela existisse sobre Nestor dos Santos Lima, e dentre os materiais existentes, havia quadros e folhetos, dentre eles um que me chamou muito a atenção; era um poema que descrevia a vida do professor Nestor Lima, citando suas atividades e sua participação na educação Norte-Rio-Grandense, homenageando-o na data de seu aniversário: Uma Homenagem ao inesquecível Dr. Nestor dos Santos Lima quando se comemora a data de seu aniversário Neste primeiro de agosto / È dia do aniversário / De Nestor dos Santos Lima / Um homem extraordinário

8 2018 Foi consagrado patrono / Deste educandário. / Em oitocentos e oitenta e sete / A data em que ele nasceu Em um primeiro de agosto / Este gênio apareceu / Para o bem do nosso estado / Esta luz resplandeceu. A cidade do Açu / Foi sua terra natal / Onde viveram seus pais / Nobre, ilustre casal Que encaminharam seus passos / Para um brilhante ideal. / Galdino dos Santos Lima / Respeitável coronel Era o pai de Nestor / Que sempre honrou seu papel / E dona Ana dos santos / A sua esposa fiel. Continuou seus estudos / Ainda muito criança / Sua mãe lhe ensinava / Com amor, e confiança. E assim fez o primário / Com muita perseverança. / Depois outros professores / Deram continuidade Tudo ele aprendia / Com muita facilidade / Tinha bom comportamento / E muito boa vontade. E assim continuou / Sem nunca perder um ano / Fez o curso preparatório / No Liceu Paraibano O sonho de uma formatura / Não lhe fugia dos planos / Na faculdade de Recife / Ele se matriculou E em ciências jurídicas / Em que mais se dedicou / Em novecentos e nove / Nestor Lima se formou. Durante sua vida publica / Provou sua lealdade / Sempre cultivava o bem / Em favor da humanidade. Foram diversos encargos/ Que ele administrou / Do Departamento de Educação / Ele foi diretor Todo ensino do Estado / Bem perfeito organizou. / Dr. Nestor dos Santos Lima / Foi um homem preparado Dos muitos encargos seus / Foi também advogado / Finalmente ele provou / Ser exemplo no Estado. Gozou muito do conceito / Nos cargos que exerceu / Importantes elogios / Ele sempre recebeu E com sessenta e três anos /Nestor Lima faleceu /Foi grande batalhador /Ao bem do nosso estado Quem combateu com justiça / Naqueles tempos passados / Já morreu, mas o seu nome / Ficou imortalizado. Encerro minhas estrofes / Mesmo sem belezas mil / Tenho prazer de oferecer / A toda classe estudantil Sigam o exemplo de Nestor / Vamos estudar com amor / Para a grandeza do Brasil. Autor: Antônio Nogueira Bessa 3. Considerações: A atuação de Nestor dos Santos Lima refletiu na reforma do Ensino Primário no Rio Grande do Norte, onde é possível perceber sua contribuição à educação, a partir de seu ideal de modernidade que possibilitou a revelação de uma face do processo educacional até então desconhecida; uma educação representadora de avanços relacionados à qualificação dos mestres, aos espaços destinados ao ensino e a instituição de novas práticas, proporcionando em um desenvolvimento social, por parte dos docentes e discentes, cumprindo a proposta de formação da sociedade moderna. Nos diversos cargos que exerceu, dentre estes o de diretor da Escola Normal de Natal, denota-se sua preocupação com a consideração histórica da educação, buscando garantir o aceso pa população ao ensino, tendo esta como via de transformação social e de progresso nacional. Além disso, publicou vários trabalhos como: Lições de metodologia (1911); Hino do Centenário do Ensino Primário (1927); A Matriz de Natal (conferência apresentada a 25 de dezembro de1909 e que lhe mereceu ingresso no Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte/IHGRN). Em todas as suas atuações públicas demonstrou afinco. Entretanto, a que perdurou por maior tempo foi sua participação como membro do IHGRN a partir de fevereiro de 1910, quando tornou-se sócio

9 2019 efetivo, e nos anos que esteve nessa sociedade atuou como orador, secretário da revista publicada por esta instituição e presidente. Nesta pesquisa que realizo, busco evidenciar a importância de Nestor dos Santos Lima para a Educação Norte-Rio-Grandense, traçando seu perfil biográfico, bem como desvelando sua atuação na educação do Estado a partir da análise de seus escritos, observando suas idéias sobre os vários aspectos da educação e em conseqüência disso, a sua presença na Historiografia da Educação do Rio Grande do Norte. Devido a sua participação ativa nas questões educacionais do Estado, seus trabalhos tiveram ampla repercussão, resultando nas marcas que denotam sua importância, e que se refletem nas estruturas atuais de ensino. São várias as alusões ao trabalho realizado por este educador, e alguns exemplos disso são: a Biblioteca Nestor dos Santos Lima, situada no IHGRN; a Escola Estadual Nestor Lima situada na cidade do Natal, bem como as várias publicações de pesquisas acadêmicas de cunho historiográfico e educacional, desenvolvidas sobre este educador. Uma importante fonte para esta pesquisa é a Tese de Doutorado do Professor Antônio Basílio Novais Thomaz de Menezes, intitulada Nestor dos Santos Lima e a modernidade educacional: uma história e um discurso, onde o autor analisa a participação de Nestor Lima no processo educacional, em especial, no Rio Grande do Norte. Referências: Livros: ALMEIDA, Jane Soares de. Mulher e educação: a paixão pelo possível. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, BURKE, Peter. (org.). A Escrita da História: novas perspectivas. Tradução por Magda Lopes. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, CAMBI, Franco. História da Pedagogia. Traduzido por Álvaro Lorencini. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, CHARTIER, Roger. A Historia Cultural: entre práticas e representações. Tradução por Maria Manuela Galhardo. Lisboa: Difel, DUARTE, José Haroldo Teixeira. História da Associação dos Professores do rio Grande do norte. Natal: Companhia Editora do Rio Grande do Norte, LIMA, Nestor dos Santos. O Celibato Pedagógico. Pedagogium, Natal, ano 1, n.1, p.44-47, jul Da organização do ensino Normal, profissional e primário do sul do Brasil e no rio prata. Natal: Tipografia da Republica, Unificação do magistério nacional. Natal: Comercial, Um século de ensino primário. Natal: A República, 1927.

10 2020 MORAIS, Maria Arisnete Câmara de. Isabel Gondim: uma nobre figura de mulher. Natal: Terceirize,2003. Leituras de Mulheres no século XIX. Belo Horizonte: Autêntica, Educação, Gênero e Literatura na pesquisa histórico- educacional. In:Escola, Culturas e Saberes. Libânia Nacif Xavier.(Org.). Rio de Janeiro: Editora FGV, MORAIS, Maria Arisnete Câmara de; OLIVEIRA, Caio Flávio Fernandes de. Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte. História e acervo. Natal: Departamento Estadual de Imprensa, PINHEIRO, Rosanália de Sá Leitão. Sinhazinha Wanderley: professora em Assu/RN. In: MORAIS, Maria Arisnete Câmara de (Org.). A Mulher em Nove Versões. Natal: EDUFRN, Documentos: RIO GRANDE DO NORTE. Tipografia da República, Regimento Interno dos Grupos Escolares do Estado. Natal:. Atos e Decretos do governo. Natal: Tipografia d O Século, Dissertações: HOLLANDA, Walkley Teixeira de. A expansão do ensino no RN ( ): Presença de professoras. Natal, 2002, 106 p. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, SILVA, Maria da Conceição. Reconstruindo Práticas: significações do trabalho de professoras na década de Natal, 2004, 133p. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, Teses: MENEZES, Antônio Basílio Novais Thomaz de. Nestor dos Santos Lima e a modernidade educacional: uma história e um discurso ( ). Natal: [s.n], 2003.

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. A realização de um sonho

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. A realização de um sonho 1 de 5 A realização de um sonho Natalino Salgado Filho É do poeta Paulo Leminski a frase: Haja hoje para tanto ontem. Ela se encaixa com perfeição na realização de um sonho embalado por tantos anos e agora

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A lei de 15 de outubro de 1827 Vicente Martins O Decreto Federal nº 52.682, em 1963, criou, oficialmente, o Dia do Professor. O dia 15 de outubro não foi escolhido à toa. A data

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

PROJETO ESCOLA PARA PAIS

PROJETO ESCOLA PARA PAIS PROJETO ESCOLA PARA PAIS Escola Estadual Professor Bento da Silva Cesar São Carlos São Paulo Telma Pileggi Vinha Maria Suzana De Stefano Menin coordenadora da pesquisa Relator da escola: Elizabeth Silva

Leia mais

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG Juliana Diniz Gutierres FURG Stephany Sieczka Ely FURG Maria Renata Alonso Mota FURG Suzane da Rocha Vieira FURG Resumo: Esse estudo apresenta parte dos

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

Eixo Temático 1 Instrução e Cult uras Escola res

Eixo Temático 1 Instrução e Cult uras Escola res 97 A INSTRUÇÃO NOS JORNAIS, RELATÓRIOS E MENSAGENS DOS PRESIDENTES DE PROVÍNCIA E DE ESTADO NA PARAÍBA (1889-1910). Algumas palavras iniciais: Michelle Lima da Silva Bolsista CNPQ/PIBIC/UFPB (graduanda)

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão Identificação da Ação Proposta Área do Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas Área Temática:

Leia mais

CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA

CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA Neire Oliveira de Castro Souza 1 Lorrainy Dias Mendes 2 Airson José de Moraes Júnior 3 Neusa Elisa Carignato Sposito (Orientador) 4 RESUMO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 12/05/2008 (*) Portaria/MEC nº 561, publicada no Diário Oficial da União de 12/05/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ Revista Eventos Pedagógicos v.5, n.4 (13. ed.), número regular, p. 115-121, nov./dez. 2014 SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES NA CIDADE DE GOIÂNIA

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES NA CIDADE DE GOIÂNIA PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES NA CIDADE DE GOIÂNIA APRESENTAÇÃO Toda proposta educacional cujo eixo do trabalho pedagógico seja a qualidade da formação a ser oferecida aos estudantes

Leia mais

Metodologia Para a realização desse trabalho foi analisado o Documento orientador

Metodologia Para a realização desse trabalho foi analisado o Documento orientador FORMAÇÃO CONTINUADA: UMA ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO SISMÉDIO NA ESCOLA PROFESSOR JOSÉ SOARES DE CARVALHO- GUARABIRA-PB Gyslâynne Mary dos Santos Hermenegildo Rodrigues EEEFM Professor José Soares de Carvalho

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL De 1999 até o ano de 2011 o Instituto Adventista de Ensino do Nordeste (IAENE) congregava em seu espaço geográfico cinco instituições de ensino

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Moysés Kuhlmann :A educação da criança pequena também deve ser pensada na perspectiva de

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

GD5 História da matemática e Cultura. Palavras-chave: Ensino de Matemática. Escola Normal. Cultura Escolar.

GD5 História da matemática e Cultura. Palavras-chave: Ensino de Matemática. Escola Normal. Cultura Escolar. Curso de Formação de Professores Primários da Escola Normal de Caetité Ba no Período de 1925 a 1940: Análise das Transformações Curriculares do Ensino de Matemática. Márcio Oliveira D Esquivel 1 GD5 História

Leia mais

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927)

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) Pereira, Tatiana Aparecida Universidade Federal de Juiz de Fora tatianapereira_2009@yahoo.com.br

Leia mais

UMA ANÁLISE DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DA UFPB

UMA ANÁLISE DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DA UFPB UMA ANÁLISE DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DA UFPB Amanda dos Santos Souza (Licencianda em Matemática/UFPB) Carla Manuelle Silva de Almeida (Licencianda em Matemática/UFPB)

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

Tendências Pedagógicas. Formação de Professores. Contextualização. Tendências Não Críticas

Tendências Pedagógicas. Formação de Professores. Contextualização. Tendências Não Críticas Formação de Professores Teleaula 2 Prof.ª Dra. Joana Paulin Romanowski tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Críticas Não críticas Pedagogia Formação de Professores (SAVIANI, 2002) Contextualização Aprender

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO.

AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO. AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO. Autor: José Marcos da Silva Instituição: MIDS/Macaé E-mail:mzosilva@yahoo.com.br. RESUMO Na atualidade, é preciso que se crie novos métodos

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu. ISSN 2316-7785 A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.br Resumo O artigo é resultado da análise de

Leia mais

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO ISSN 2177-9139 OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO André Martins Alvarenga - andrealvarenga@unipampa.edu.br Andressa Sanches Teixeira - andressaexatas2013@gmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE EDUCAÇÂO E HUMANIDADES FACULDADE DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTE DE ESTUDOS APLICADOS AO ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE EDUCAÇÂO E HUMANIDADES FACULDADE DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTE DE ESTUDOS APLICADOS AO ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE EDUCAÇÂO E HUMANIDADES FACULDADE DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTE DE ESTUDOS APLICADOS AO ENSINO Limites e possibilidades do curso de pedagogia como lócus de

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 29 Discurso na cerimónia de premiação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO UNIVERSIDADE EM REDE

ASSOCIAÇÃO UNIVERSIDADE EM REDE Como Associação que abarca as instituições de educação superior públicas tendo como finalidade o desenvolvimento da educação a distância, a UniRede apresenta abaixo as considerações relativas aos três

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 O ensino, como a justiça, como a administração, prospera e vive muito mais realmente da verdade e da moralidade, com que se pratica do

Leia mais

6D Estúdio. promessa de ir além das 3 dimensões. Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso

6D Estúdio. promessa de ir além das 3 dimensões. Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso 6D Estúdio promessa de ir além das 3 dimensões Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso ao design em movimento, em vídeo ou internet. Eles unem diferentes conhecimentos técnicos

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

O COLÉGIO ESTADUAL PRESIDENTE VARGAS DE DOURADOS E O SEU LABORATÓRIO

O COLÉGIO ESTADUAL PRESIDENTE VARGAS DE DOURADOS E O SEU LABORATÓRIO O COLÉGIO ESTADUAL PRESIDENTE VARGAS DE DOURADOS E O SEU LABORATÓRIO (1958-1971) Inês Velter Marques Mestranda em Educação /Linha História, Memória e Sociedade/Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)/Programa

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 I RELATÓRIO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 I RELATÓRIO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 Regulamenta o exercício da profissão de Supervisor Educacional, e dá outras providências. Autor: Deputado ADEMIR CAMILO Relator: Deputado ARTUR BRUNO

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA Art. 1º - O Núcleo Docente Estruturante do Curso de Graduação em Odontologia, instituído pela Portaria IMMES nº 010, de 15 de

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

A GENÉTICA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES

A GENÉTICA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES A GENÉTICA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES Edson Klug Bartz (Acadêmico de Licenciatura em Ciências Biológicas Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense/IFSul Bolsista

Leia mais

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a A FORMAÇÃO CONTINUADA E O CONHECIMENTO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE O TEMA DA INCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS LIMA, Lana Ferreira de UFG GT-15: Educação Especial Introdução

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP Alunos apontam melhorias na graduação Aumenta grau de formação dos professores e estudantes mostram que cursos possibilitam

Leia mais

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA Familiares, amigos, técnicos administrativos, estudantes, professores, grupo gestor da UNEB, autoridades civis, militares, políticas

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 37 Discurso na cerimónia de assinatura

Leia mais

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei:

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1512/2009 SÚMULA: Cria o Conselho Municipal da Educação. Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte

Leia mais

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes > Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), inicialmente, tinha como objetivo avaliar o desempenho

Leia mais

ESCLARECIMENTOS SOBRE OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

ESCLARECIMENTOS SOBRE OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA ISSN 2238-300X ESCLARECIMENTOS SOBRE OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Francisco Pitanga 1 A Educação Física passa por momento bastante difícil no Estado da Bahia e precisamos

Leia mais

Geocassia de Fátima Souza (UERN) Marta Jussara Frutuoso da Silva (UERN)

Geocassia de Fátima Souza (UERN) Marta Jussara Frutuoso da Silva (UERN) AS CONTRIBUIÇÕES DO PIBID-ESPANHOL PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE LÍNGUA ESPANHOLA: UMA EXPERIÊNCIA EM DUAS ESCOLAS DA CIDADE DE PAU DOS FERROS-RN Geocassia de Fátima Souza (UERN) Marta Jussara

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

PRONUNCIAMENTO DO DEPUTADO BERNARDO SANTANA DE VASCONCELLOS, EM HOMENAGEM PÓSTUMA. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, o

PRONUNCIAMENTO DO DEPUTADO BERNARDO SANTANA DE VASCONCELLOS, EM HOMENAGEM PÓSTUMA. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, o PRONUNCIAMENTO DO DEPUTADO BERNARDO SANTANA DE VASCONCELLOS, EM HOMENAGEM PÓSTUMA AO DR. CARLOS PINTO COELHO MOTTA Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, o Estado de Minas Gerais e o Brasil

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1201 RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1202 RESUMOS DE PROJETOS ENSINO, APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LETRAS: IDENTIDADES E CRENÇAS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes Imagens de professores e alunos Andréa Becker Narvaes Inicio este texto sem certeza de poder concluí-lo de imediato e no intuito de, ao apresentá-lo no evento, poder ouvir coisas que contribuam para continuidade

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 24/12/2003 (*) Portaria/MEC nº 4.035, publicada no Diário Oficial da União de 24/12/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

A CITOLOGIA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES

A CITOLOGIA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES A CITOLOGIA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES Tailene Kommling Behling(Acadêmica de Licenciatura em Ciências Biológicas Universidade Católica de Pelotas/UCPEL Bolsista PRONECIM) Viviane Barneche Fonseca

Leia mais

FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Caracterização A elaboração do Trabalho de Curso fundamenta-se nas Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição,

Leia mais

SÍNTESE DA 5ª REUNIÃO DE REESTRUTURAÇÃO DO PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FCT/PRESIDENTE PRUDENTE. 16\10\14 das 8h30 às 11h30

SÍNTESE DA 5ª REUNIÃO DE REESTRUTURAÇÃO DO PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FCT/PRESIDENTE PRUDENTE. 16\10\14 das 8h30 às 11h30 Câmpus de Presidente Prudente SÍNTESE DA 5ª REUNIÃO DE REESTRUTURAÇÃO DO PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FCT/PRESIDENTE PRUDENTE. Presentes: 16\10\14 das 8h30 às 11h30 DOCENTES: Cinthia

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO nº 026 / 94 Aprova o Regulamento Específico do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis em Nível de Mestrado, com área de Concentração em Contabilidade Financeira, Contabilidade Gerencial

Leia mais

O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES

O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES TIERRE OTIZ ANCHIETA 1 MÔNICA HEITLING 2 TAINAN SILVA DO

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO CURSO DE DIREITO As Atividades complementares serão desenvolvidas especialmente a partir da extensão universitária.

Leia mais

A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA COMO MEDIADOR DIDÁTICO CONCEITUAL NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA DOS ANOS INICIAIS

A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA COMO MEDIADOR DIDÁTICO CONCEITUAL NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA DOS ANOS INICIAIS 1 A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA COMO MEDIADOR DIDÁTICO CONCEITUAL NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA DOS ANOS INICIAIS Lúcia Helena Bezerra Ferreira Universidade Federal do Piauí luchbf@gmail.com RESUMO

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais