Capacidade de alimentar-se de pastagem ou forragem.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capacidade de alimentar-se de pastagem ou forragem."

Transcrição

1 FISIOLOGIA DIGESTIVA DOS RUMINANTES Capacidade de alimentar-se de pastagem ou forragem. - Possibilidade de degradar os glúcidos estruturais da forragem como celulose, hemicelulose e pectina. - A degradação do alimento realiza-se maioritariamente por digestão fermentativa e não por acção de enzimas digestivas Processos fermentativos por acção de diferentes microrganismos alojados nos seus reservatórios gástricos. 1

2 FISIOLOGIA DIGESTIVA DOS RUMINANTES 2

3 FISIOLOGIA DIGESTIVA DOS RUMINANTES A digestão fermentativa requer o desenvolvimento adaptativo do estômago do ruminante. O estômago no ruminante adulto chega a ocupar cerca de 75% da cavidade abdominal e está dividido em: - RETÍCULO (BARRETE); - RÚMEN (PANÇA); - OMASO (FOLHOSO); - ABOMASO (COAGULADOR) Componente glandular. 3

4 FISIOLOGIA DIGESTIVA DOS RUMINANTES O ruminante nasce com um aparelho digestivo que estrutural e funcionalmente se assemelha a um não ruminante. Goteira esofágica estrutura que liga o esófago com o abomaso. O seu encerramento desvia o leite directamente para o abomaso. Adaptado de 4

5 Capacidades relativas das divisões do estômago do vitelo, em função da idade, expressas em % da capacidade gástrica total IDADE RETÍCULO- RÚMEN % OMASO % ABOMASO % Recémnascido semanas semanas Adulto Adaptado de Relling & Matiolli (s/d) 5

6 DESENVOLVIMENTO DOS RESERVATÓRIOS GÁSTRICOS COMPREENDE 3 PERÍODOS : 1. Entre o nascimento e as 3 semanas de vida O animal é lactante. 2. Entre as 3 e as 8 semanas de vida Período de transição. Início da ingestão de alimento sólido. 3. A partir das 8 semanas de vida Os reservatórios gástricos estão bem desenvolvidos e permitem uma digestão própria do ruminante adulto. 6

7 FISIOLOGIA DIGESTIVA DO LACTANTE O vitelo nasce com a capacidade de digerir o leite e só através de enzimas. O encerramento da goteira esofágica é responsável do comportamento digestivo do recém-nascido. O seu encerramento corresponde a um reflexo que se origina em resposta a estímulos nervosos. Ex: O acto de mamar (teto) ou na tetina; observar a preparação do alimento iniciam o reflexo de encerramento. Os componentes químicos do leite (lactose, proteínas e minerais) e a temperatura na faringe, também estimulam o encerramento. 7

8 FISIOLOGIA DIGESTIVA DO LACTANTE No abomaso o leite coagula por acção da enzima renina. RENINA Leite formação do coágulo ao converter a caseína (proteína) solúvel em paracaseinato de cálcio. Este coágulo retrai-se e segrega vários componentes que constituem o soro do leite. Este soro transporta lactose e proteínas solúveis para o intestino. 8

9 FISIOLOGIA DIGESTIVA DO LACTANTE Lactose do soro Iintestino (enterócitos) - lactase Glucose e galactose Proteínas do soro Aminoácidos Intestino ((enterócitos) - peptidases 9

10 FISIOLOGIA DIGESTIVA DO LACTANTE O coágulo retido no abomaso sofre a acção proteolítica da renina que lentamente vai libertando péptidos que passam para o intestino onde são digeridos. Cada coágulo leva cerca de 12h a ser completamente degradado. A lipase salivar actua sobre os lípidos Monoglicéridos e ácidos gordos livres Absorvidos no intestino 10

11 FISIOLOGIA DIGESTIVA DO LACTANTE O colostro possui componentes não nutricionais que complementam a composição do leite no momento do parto. IMUNOGLOBULINAS Absorvidas pela mucosa intestinal Transferência passiva de imunidade 11

12 VARIAÇÃO DA % DE IMUNOGLOBULINAS (Ig) NO PLASMA DO VITELO, EM FUNÇÃO DO TEMPO QUE LEVA A INGERIR O COLOSTRO PELA 1ª VEZ HORAS DESDE O NASCIMENTO Ig NO PLASMA (%) Adaptado de Relling & Matiolli (s/d) 12

13 FISIOLOGIA DIGESTIVA NA TRANSIÇÃO DE LACTANTE A RUMINANTE O desenvolvimento do aparelho digestivo é variável e depende do tipo de dieta mais sólida ou mais líquida. A estrutura física (forragem / ração) do alimento estimula o desenvolvimento do retículo-rúmen e da sua parede muscular. O desenvolvimento das papilas ruminais depende da concentração em AGV, como mecanismo adaptativo para aumentar a superfície para a sua absorção. 13

14 PAPILAS RUMINAIS Fraco desenvolvimento das papilas Dieta pouco energética Grande desenvolvimento das papilas Dieta energética 14

15 FISIOLOGIA DIGESTIVA NA TRANSIÇÃO DE LACTANTE A RUMINANTE Desenvolvimento da flora microbiana. Capacidade de ruminação aumenta. A principal fonte energética deixa de ser a glucose e passa a ser os Ácidos Gordos Voláteis (AGV) ácido acético, ácido propiónico, ácido butírico, ácido láctico. 15

16 FISIOLOGIA DIGESTIVA DO RUMINANTE ADULTO A digestão fermentativa (microbiana) depende do normal desenvolvimento dos microrganismos que a realizam. Condições ao nível do retículo rúmen 1. Aporte de nutrientes; 2. Anaerobiose; 3. ph 5,5 a 6,9; 4. Temperatura 38 a 42 0 C; 5. Fácil acesso dos microrganismos ao alimento; 16

17 FISIOLOGIA DIGESTIVA DO RUMINANTE ADULTO 6. Eliminação dos produtos do metabolismo ruminal: Composição de gás eructado em % GÁS % Média - Ácidos Gordos Voláteis (AGV) absorvidos pela parede do rúmen. - Gases (CO 2 e metano) eliminados através da eructação. Hidrogénio Oxigénio Azoto Metano 0,2 0,5 7,0 25 Dióxido Carbono 65 17

18 FISIOLOGIA DIGESTIVA DO RUMINANTE ADULTO O peso específico do conteúdo do retículo rúmen determina a sua estratificação. Gases Forragem grosseira Forragem de menor tamanho Estrato líquido Estrato gasoso Estrato sólido Estrato semi - líquido Conteúdo finamente triturado 18

19 FISIOLOGIA DIGESTIVA DO RUMINANTE ADULTO A MOTILIDADE DO RETÍCULO-RÚMEN PERMITE: - A mistura do conteúdo facilita o contacto entre o alimento e os microrganismos; promove a absorção de AGV e ajuda à fragmentação do alimento; - Progressão do alimento para o omaso; - Expulsão de gases através da eructação; - Ruminação. 19

20 RUMINAÇÃO 1. Ânus 7. Retículo 2. Recto 8. Esófago 3. Ceco 9. Abomaso 4. Cólon 10. Omaso 5. Duodeno 11. Intestino delgado 6. Rúmen 1ª MASTIGAÇÃO RUMINAÇÃO A ruminação reduz o tamanho das partículas de alimento e favorece o ataque microbiano 20

21 CONDIÇÕES NECESSÁRIAS À RUMINAÇÃO Rúmen suficientemente cheio; Dieta alimentar deve conter alimentos grosseiros; Os alimentos devem encontrar-se num meio suficientemente líquido (insalivação insuficiente inibe a ruminação); A ruminação só acontece quando o animal está em repouso; A ruminação é inibida quando o animal está doente. A RUMINÇÃO É O TERMÓMETRO INDICADOR DA SÁUDE NUM ANIMAL RUMINANTE. 21

22 PROCESSOS FERMENTATIVOS NO ESTÔMAGO DOS RUMINANTES Ecossistema microbiano para a digestão fermentativa inclui: Protozoários 100 mil/ml de suco ruminal Bactérias; Protozoários; Fungos. Bactérias 100 milhões/ ml de suco ruminal 22

23 PROCESSOS FERMENTATIVOS NO ESTÔMAGO DOS RUMINANTES As bactérias são a fracção da população ruminal imprescindível à vida do ruminante. O recém-nascido adquire esta flora por contacto directo com outros bovinos ou através da forragem ou água de bebida. 23

24 Grupo de bactérias Celulolíticas Amilolíticas Característica funcional Fermentam celulose, hemicelulose, pectinas Fermentam amido Principais produtos finais do metabolismo AGV (especialmente ácido acético) AGV (especialmente ácido propiónico) Sacarolíticas Fermentam hidratos de carbono simples AGV (especialmente ácido butírico) Lactolíticas Metabolizam o lactacto AGV (especialmente ácido propiónico) Lipolíticas Metabolizam os lípidos Ácidos gordos livres e AGV (especialmente ácido propiónico) Proteolíticas Degradam as proteínas AGV e amoníaco (NH 3 ) Adaptado de Relling & Matiolli (s/d) 24

25 BACTÉRIAS (10 10 a / g de líquido ruminal) - São responsáveis da maior parte da actividade celulolítica do rúmen; - São capazes de sintetizar as suas proteínas a partir de compostos azotados não proteicos especialmente amoníaco (NH 3 ). PROTOZOÁRIOS ((10 4 a 10 6 / ml de líquido ruminal) - Requerem ph superior a 6; - Não são imprescindíveis para a função ruminal. - Moderam a fermentação amilolítica. FUNGOS (representam cerca de 8% da biomassa ruminal) - Importante actividade celulolítica. 25

26 O ph do rúmen deve regular-se para efectivar a degradação ruminal do alimento. Os glúcidos representam o componente mais abundante na dieta do ruminante. O tipo de glúcidos predominante na dieta, condiciona o desenvolvimento do tipo de flora adequada para a sua fermentação e o ajuste do ph para o seu valor ideal. Uma dieta rica em amido flora amilolítica (ph 5,5-6) Uma dieta rica em forragem (conteúdo elevado em celulose, hemicelulose e pectinas) flora celulolítica (ph 6-6,9). 26

27 FERMENTAÇÃO RUMINAL FLORA LACTOGÉNICA Flora celulolítica Flora amilolítica 27

28 ADEQUAÇÃO DO ph DO RÚMEN À DIETA 1. SALIVA A secreção salivar dos ruminantes é abundante e contínua (100 a 180 litros/dia num bovino adulto). A secreção salivar é composta por água, muco e sais de bicarbonato e fosfato que funcionam como neutralizadores dos ácidos produzidos durante as fermentações microbianas. A SECREÇÃO SALIVAR É UMA SOLUÇÃO TAMPÃO 28

29 2. PRODUÇÃO DE AGV (ÁCIDOS GORDOS VOLÁTEIS) Quanto maior a produção de AGV mais baixo é o ph ruminal. A produção de AGV é alta em dietas ricas em grãos de cereais (amido) e menor nas dietas ricas em forragens maduras. 3. ABSORÇÃO DE AGV A velocidade de absorção dos AGV está em relação directa com a sua produção e inversa com o ph, evitando a acumulação no rúmen. 29

30 INTERACÇÃO DOS FACTORES REGULADORES DO ph DO RÚMEN Ração rica em forragem grosseira (alto conteúdo em glúcidos estruturais) Ração rica em cereais (alto teor em amido) Longo tempo de ruminação Curto tempo de ruminação Elevada produção saliva Baixa produção saliva ph ruminal elevado (6-6,8) flora Celulolítica ph ruminal baixo (5,5-6) flora Amilolítica Concentração e velocidade de absorção de AGV baixas Concentração e velocidade de absorção de AGV altas 30

31 PRODUÇÃO DE AGV NO RÚMEN EM FUNÇÃO DO ph Passagem para a Conversão do ác. láctico a ác. propiónico fermentação láctica Âmbito favorável para a flora celulolítica 31

32 FERMENTAÇÃO / DIGESTÃO DOS GLÚCIDOS NÃO RUMINANTE RUMINANTE Glúcidos no Alimento Enzimas Digestivas Fermentação Microbiana Glucose no Intestino Delgado Ácidos Gordos Voláteis no Rúmen Fornecem 80% de energia Absorção para a corrente sanguínea 32

33 DIGESTÃO MICROBIANA DA PROTEÍNA PROTEÍNA DA DIETA + AZOTO NÃO PROTEICO Degradação Microbiana Amoníaco (NH 3 ) Incorporação do azoto pela população microbiana Absorção através da parede do rúmen Síntese Proteína Microbiana Omaso 33

34 BIBLIOGRAFIA Frandson, R.D., Lee Wilke, W., Anna Dee Fails (2006) Physiology of Digestion in Anatomy and Physiology of Farma Animals. Cap.21, pág. 329, 6ª Edição. Blakwell Publishing. Relling & Matiolli (2002) FISIOLOGIA DIGESTIVA Y METABOLICA DE LOS RUMIANTES. 34

Anatomia e fisiologia do sistema digestivo

Anatomia e fisiologia do sistema digestivo Anatomia e fisiologia do sistema digestivo Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura e Bovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Classificação do hábito alimentar

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Digestivo - RUMINANTES

Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Digestivo - RUMINANTES Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Digestivo - RUMINANTES Ruminantes: Animais que mastigam e regurgitam o alimento ingerido Dividido em 2 subordens: 1-) Ruminantia: veado, alce, rena, antílope, girafa,

Leia mais

SISTEMA DIGESTIVO. Ciências Naturais 9º ano

SISTEMA DIGESTIVO. Ciências Naturais 9º ano SISTEMA DIGESTIVO Ciências Naturais 9º ano Digestão e Sistema Digestivo A digestão é o processo através do qual moléculas complexas dos alimentos são desdobradas, em moléculas mais simples que podem ser

Leia mais

A DIGESTÃO DE ALIMENTOS PELOS ANIMAIS

A DIGESTÃO DE ALIMENTOS PELOS ANIMAIS A DIGESTÃO DE ALIMENTOS PELOS ANIMAIS O que é digestão? A digestão de alimentos é um processo pelo qual os alimentos ingeridos, na maioria bastante complexos, são quebrados em formas mais simples para

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Introdução

SISTEMA DIGESTÓRIO. Introdução SISTEMA DIGESTÓRIO Introdução Os animais não encontram no meio, em forma imediatamente utilizável, todos os alimentos ou nutrientes de que necessitam. A absorção direta de nutrientes ocorre, excepcionalmente,

Leia mais

Trato Digestivo do Suíno

Trato Digestivo do Suíno Trato Digestivo do Suíno Monogástrico onívoro com limitada fermentação pós-gástrica Estômago simples, incapaz de utilizar dietas ricas em forragem Incapaz de digerir algumas substâncias presentes em grãos,

Leia mais

Fazendo a digestão. A voz do professor. A voz do professor. De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis?...

Fazendo a digestão. A voz do professor. A voz do professor. De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis?... A U A UL LA Fazendo a digestão Atenção De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis? Nosso corpo é semelhante a um carro. Como você acha que conseguimos energia para viver? Um corpo

Leia mais

é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos.

é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos. SISTEMA DIGESTIVO Digestão Digestão mecânica: é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos. Digestão química é a transformação das moléculas mais complexas em moléculas

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Boca Glândulas salivares Esófago Fígado Vesícula biliar. Faringe. Estômago Pâncreas Intestino grosso. Intestino delgado.

SISTEMA DIGESTÓRIO. Boca Glândulas salivares Esófago Fígado Vesícula biliar. Faringe. Estômago Pâncreas Intestino grosso. Intestino delgado. SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO O sistema digestivo tem a função de realizar a digestão, ou seja, fraccionar os alimentos e transformar as macromoléculas em micromoléculas. SISTEMA DIGESTÓRIO Boca

Leia mais

Funções do sistema digestório

Funções do sistema digestório Sistema digestório Funções do sistema digestório Ingestão Digestão Absorção dos nutrientes Eliminação dos restos não-digeridos ou não absorvidos Processos Físicos Digestão Processos Químicos língua Cavidade

Leia mais

Sistemas do Corpo Humano

Sistemas do Corpo Humano Sistemas do Corpo Humano Sistema Digestório consegue energia e matéria prima. Cada órgão tem uma função específica no processo de transformação dos alimentos O QUE É UM SISTEMA????? Sistema Digestório

Leia mais

OS ALIMENTOS COMO VEÍCULO DE NUTRIENTES

OS ALIMENTOS COMO VEÍCULO DE NUTRIENTES Página1 OS ALIMENTOS COMO VEÍCULO DE NUTRIENTES Importância dos alimentos Todos os animais, incluindo o homem, precisam de se alimentar para sobreviver. Porque são tão importantes os alimentos? Os alimentos

Leia mais

FISIOLOGIA DIGESTIVA

FISIOLOGIA DIGESTIVA EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA DIGESTIVA 01. Na digestão, a redução dos alimentos a partículas através de processos mecânicos tem por finalidade: a) facilitar a eliminação de substâncias inúteis

Leia mais

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa SISTEMA DIGESTÓRIO SALIVA A saliva é um líquido claro, viscoso, alcalino (ph entre 6 e 7), que contém em sua composição: 95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. Além disso, também

Leia mais

Sistema Digestivo - Função

Sistema Digestivo - Função Sistema Digestivo Fome Saciedade Sistema Digestivo - Função O organismo humano recebe os nutrientes através dos alimentos. Estes alimentos têm de ser transformados em substâncias utilizáveis, envolvendo

Leia mais

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa SISTEMA DIGESTÓRIO SALIVA A saliva é um líquido claro, viscoso, alcalino (ph entre 6 e 7), que contém em sua composição: 95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. Além disso, também

Leia mais

Tipo de itens. O sangue é o principal fluído que circula no organismo humano.

Tipo de itens. O sangue é o principal fluído que circula no organismo humano. Tipo de itens O sangue é o principal fluído que circula no organismo humano. 1. Quais são as suas principais funções? Transporte de nutrientes, defesa, regulação térmica e controlo 2. Quais os seus constituintes?

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO HUMANO. Definição Nutrição Alimentos Anatomia Fisiologia www.infopedia.pt/$sistema-digestivo,2

SISTEMA DIGESTÓRIO HUMANO. Definição Nutrição Alimentos Anatomia Fisiologia www.infopedia.pt/$sistema-digestivo,2 SISTEMA DIGESTÓRIO HUMANO Definição Nutrição Alimentos Anatomia Fisiologia www.infopedia.pt/$sistema-digestivo,2 Digestão É o conjunto de transformações fisioquímicas ou físico-químicas que os alimentos

Leia mais

Sistema Digestório - Estômago

Sistema Digestório - Estômago Sistema Digestório - Estômago Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional III juliana.pinheiro@kroton.com.br O Estômago é um alargamento do canal alimentar em forma de saco entre o esôfago e o duodeno

Leia mais

Prof Weber Ciências 7ºANO

Prof Weber Ciências 7ºANO Prof Weber Ciências 7ºANO O que é a digestão? É a transformação dos alimentos em moléculas menores para que possam ser absorvidos pelo nosso corpo. Acontece em um tubo chamado TUBO DIGESTÓRIO. O tubo digestório

Leia mais

Intestino delgado. Intestino grosso (cólon)

Intestino delgado. Intestino grosso (cólon) As fibras alimentares estão presentes nos alimentos de origem vegetal, englobando um conjunto de compostos que não podem ser digeridos pelas enzimas do nosso sistema gastrointestinal, não sendo por isso

Leia mais

Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes

Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes PROFESSORA NAIANE Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes dos alimentos, chegam às células do

Leia mais

DIGESTÃO HUMANA. Sistema Digestório. Professor: Fernando Stuchi. Enzimas Caminho da digestão Etapas da digestão

DIGESTÃO HUMANA. Sistema Digestório. Professor: Fernando Stuchi. Enzimas Caminho da digestão Etapas da digestão DIGESTÃO HUMANA 1. 2. 3. Enzimas Caminho da digestão Etapas da digestão Sistema Digestório Professor: Fernando Stuchi Dúvidas sobre Digestão Afinal o que é digestão? Conjunto de transformações físico-químicas

Leia mais

1. Introdução. Digestão, Absorção e Transporte:

1. Introdução. Digestão, Absorção e Transporte: 1. Introdução Todas as células do corpo necessitam de nutrição tendo este que lhe ser fornecido. O aparelho digestivo, com a colaboração importante do aparelho circulatório, forma como que uma refeição

Leia mais

Aula 9 Sistema digestório

Aula 9 Sistema digestório Aula 9 Sistema digestório Os alimentos fornecem nutrientes para construção de estruturas celulares e, ainda, liberação de energia para as atividades celulares. A função da digestão é converter os alimentos

Leia mais

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo?

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo? A U A UL LA Por que as vacas mastigam o tempo todo? Nos sítios e fazendas que têm criação de gado, os bois e vacas se espalham pelo pasto e têm hora certa para ir ao cocho receber o trato. O trato pode

Leia mais

Digestão extra-celular

Digestão extra-celular Digestão extra-celular Na maioria dos seres heterotróficos multicelulares a digestão realiza-se fora das células, digestão extracelular, podendo ocorrer fora do corpo, digestão extracorporal, como nos

Leia mais

Palestrante: Nelson Backes Supervisor Técnico Comercial Tortuga Cia Zootécnica Agrária Teutônia 21 de maio de 2010

Palestrante: Nelson Backes Supervisor Técnico Comercial Tortuga Cia Zootécnica Agrária Teutônia 21 de maio de 2010 Palestrante: Nelson Backes Supervisor Técnico Comercial Tortuga Cia Zootécnica Agrária Teutônia 21 de maio de 2010 Introdução Fase monogástrica da Terneira; Base nutricional é o leite; Imunidade passiva;

Leia mais

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe)

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Proteína: digestibilidade e sua importância na produção Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Introdução Evolução das estimativas protéicas a partir da década de 80 Método fatorial Manutenção Produção Sistemas

Leia mais

18/02/2011. Introdução. Biologia. Tipos de alimentos. Tipos de alimentos. Colesterol... Tema:

18/02/2011. Introdução. Biologia. Tipos de alimentos. Tipos de alimentos. Colesterol... Tema: Biologia Tema: Nutrição e Sistema Digestório Módulo 01: Anatomia e fisiologia Marcos Vinícius Introdução É um conjunto de órgãos responsáveis pelas transformações mecânicas e químicas dos alimentos, tornando

Leia mais

Co C mo m o é cons n tituído o aparel e ho di d ge g sti e vo v? Sistema Digestivo - Helena Carreiro 2010 1

Co C mo m o é cons n tituído o aparel e ho di d ge g sti e vo v? Sistema Digestivo - Helena Carreiro 2010 1 Como é constituído o aparelho digestivo? 1 Morfologia do aparelho digestivo Glândulas salivares Boca Faringe Esófago Fígado Vesícula biliar Estômago Intestino delgado pâncreas Apêndice Recto Intestino

Leia mais

Fonte: Disponível em: http://veja.abril.com.br. Acesso em: 25 set. 2014.

Fonte: Disponível em: http://veja.abril.com.br. Acesso em: 25 set. 2014. 1. (Ufsm 2015) O consumo exagerado de sódio está associado a uma serie de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), como as cardiovasculares. Essas moléculas são responsáveis por 72% das mortes no Brasil,

Leia mais

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões:

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: Recuperação Capítulo 01 - Níveis de organização Células tecidos órgãos sistemas - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: A- Membrana Plasmática - Revestimento da célula;

Leia mais

Para quê precisamos comer?

Para quê precisamos comer? Para quê precisamos comer? Para a reposição de água, substratos energéticos, vitaminas e sais minerais. O TUBO DIGESTIVO E SUAS PRINCIPAIS ESTRUTURAS O Trato Gastrointestinal (TGI) Digestive System (Vander,

Leia mais

BIOLOGIA 7B-AULA 19 E 20. Sistema Digestório

BIOLOGIA 7B-AULA 19 E 20. Sistema Digestório BIOLOGIA 7B-AULA 19 E 20 Sistema Digestório DIGESTÃO Processos mecânicos e químicos sofridos pelos alimentos para serem convertidos em moléculas muito pequenas possíveis de serem absorvidas e transportadas

Leia mais

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal 1 Introdução: Brasil exportador - carne e leite ; Saltos de produtividade; Ganhos em escala;

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL. Aula 1.2 Conteúdo: Sistema Digestório

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL. Aula 1.2 Conteúdo: Sistema Digestório Aula 1.2 Conteúdo: Sistema Digestório 2 Habilidades: Conhecer o sistema digestório humano, compreendendo o papel de cada um de seus órgãos e glândulas anexas no processo de digestão. 3 4 Comendo insetos

Leia mais

Aula 4: Sistema digestório

Aula 4: Sistema digestório Aula 4: Sistema digestório Sistema digestório As proteínas, lípideos e a maioria dos carboidratos contidos nos alimentos são formados por moléculas grandes demais para passar pela membrana plasmática e

Leia mais

Responda as questões usando caneta azul ou preta. Respostas a lápis ou com rasuras não serão consideradas.

Responda as questões usando caneta azul ou preta. Respostas a lápis ou com rasuras não serão consideradas. Universidade Comunitária da Região de Chapecó UNOCHAPECÓ Curso de Agronomia Disciplina: Anatomia e Fisiologia dos animais domésticos Prova G2 Nome: Data: 27/11/2013 Responda as questões usando caneta azul

Leia mais

14 Aproveitamos tudo o que comemos?

14 Aproveitamos tudo o que comemos? A U A UL LA Aproveitamos tudo o que comemos? Nas Aulas 1 e 5 vimos a importância de carboidratos, proteínas e gorduras para o bom funcionamento do corpo e o quanto é fundamental uma alimentação saudável,

Leia mais

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO 05/08/2013

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO 05/08/2013 CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO 05/08/2013 FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA DIGESTÓRIO A função do sistema digestório é retirar dos alimentos ingeridos os nutriente necessários para o desenvolvimento

Leia mais

Prof. Admilson Toscano. IFSP_Campus Cubatão e-mail: Prof_toscano@hotmail.com

Prof. Admilson Toscano. IFSP_Campus Cubatão e-mail: Prof_toscano@hotmail.com Prof. Admilson Toscano IFSP_Campus Cubatão e-mail: Prof_toscano@hotmail.com 1ª Parte: Princípios e Bases para a Nutrição Animal Anatomia Geral Monogástricos x Ruminantes Secreções Digestivas Estômagos

Leia mais

SISTEMA DIGESTIVO. Digestão dos alimentos e absorção dos nutrientes Digestão uma simplificação molecular Absorção dos nutrientes

SISTEMA DIGESTIVO. Digestão dos alimentos e absorção dos nutrientes Digestão uma simplificação molecular Absorção dos nutrientes SISTEMA DIGESTIVO Digestão dos alimentos e absorção dos nutrientes Digestão uma simplificação molecular Absorção dos nutrientes A Alimentação A nossa alimentação deve ser variada, proporcionando ao organismo

Leia mais

Fisiologia da Digestão. Deise Maria Furtado de Mendonça

Fisiologia da Digestão. Deise Maria Furtado de Mendonça Fisiologia da Digestão Deise Maria Furtado de Mendonça Função Geral O sistema ou aparelho gastrintestinal é a porta de entrada do organismo a todos os nutrientes necessários: carboidratos, lipídios, proteínas,

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Quitéria Paravidino

SISTEMA DIGESTÓRIO. Quitéria Paravidino SISTEMA DIGESTÓRIO Quitéria Paravidino PROCESSOS DIGESTÓRIOS Ingestão:captar alimento pela boca; Mistura e movimentação do alimento:contrações musculares misturam o alimento e as secreções e movimentam

Leia mais

FISIOLOGIA DA DIGESTÃO MONOGÁSTRICOS AULA 1

FISIOLOGIA DA DIGESTÃO MONOGÁSTRICOS AULA 1 Programa de Pós-Graduação em Zootecnia Produção Animal FISIOLOGIA DA DIGESTÃO MONOGÁSTRICOS AULA 1 Profa. Dra. Cinthia Eyng FCA/UFGD OBJETIVOS DA AULA: Importância da digestão; Estrutura do sistema digestório;

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA

ANATOMIA E FISIOLOGIA ANATOMIA E FISIOLOGIA SITEMA DIGESTÓRIO Enfª Renata Loretti Ribeiro 2 3 SISTEMA DIGESTÓRIO Introdução O trato digestório e os órgãos anexos constituem o sistema digestório. O trato digestório é um tubo

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

Biologia I. Sistema Digestório. Módulos 3 e 4: Digestão Humana I e II. Prof a. Fabíola Martins

Biologia I. Sistema Digestório. Módulos 3 e 4: Digestão Humana I e II. Prof a. Fabíola Martins Biologia I Sistema Digestório Módulos 3 e 4: Digestão Humana I e II Prof a. Fabíola Martins 1- Sistema digestório humano 1.1-Tubo digestório: Cavidade bucal faringe esôfago estômago Intestino delgado Intestino

Leia mais

S I S T E M A A D I G E S T Ó R I O P r o f º Fe r n a n d o B e l a n - B I O L O G I A M A I S

S I S T E M A A D I G E S T Ó R I O P r o f º Fe r n a n d o B e l a n - B I O L O G I A M A I S SISTEMA DIGESTÓRIO Profº Fe r n a n d o Belan - BIOLOGIA MAIS DIGESTÃO INTRACELULAR DIGESTÃO INTRACELULAR DIGESTÃO EXTRACELULAR DIGESTÓRIO INCOMPLETO Cnidários Platelmintos DIGESTÓRIO COMPLETO Nematelmintos

Leia mais

FISIOLOGIA ANIMAL COMPARADA

FISIOLOGIA ANIMAL COMPARADA FISIOLOGIA ANIMAL COMPARADA Prof. André Maia 1 - Fisiologia É à parte da Biologia que estuda as funções das células, órgãos, sistemas, etc. 1.1 Sistema É um conjunto de órgãos e estruturas, responsável

Leia mais

Organismos autótrofos - produzem o próprio alimento (ex: bactérias, cianobactérias, algas e plantas).

Organismos autótrofos - produzem o próprio alimento (ex: bactérias, cianobactérias, algas e plantas). INTRODUÇÃO Alimentos - fonte de matéria e energia Organismos autótrofos - produzem o próprio alimento (ex: bactérias, cianobactérias, algas e plantas). Organismos heterótrofos - obtém alimentos de forma

Leia mais

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente.

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente. Conceitos aplicados a alimentação animal Introdução Produção animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Genética Sanidade Nutrição Alimento Susbstância que, consumida por um

Leia mais

C.S.F.X - BIOLOGIA- 3ºANO (A,B,C,D e E) PROFª.: JUCIMARA RODRIGUES BIOLOGIA I: SISTEMA DIGESTÓRIO

C.S.F.X - BIOLOGIA- 3ºANO (A,B,C,D e E) PROFª.: JUCIMARA RODRIGUES BIOLOGIA I: SISTEMA DIGESTÓRIO C.S.F.X - BIOLOGIA- 3ºANO (A,B,C,D e E) PROFª.: JUCIMARA RODRIGUES BIOLOGIA I: SISTEMA DIGESTÓRIO Digestão é o processo de transformação de macromoléculas, por hidrólise enzimática, liberando unidades

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CN

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CN SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CN Título do Podcast Área Segmento Duração Sistema Digestório Ciências da Natureza Ensino Médio 4min 45seg Habilidades: (H30) Identificar a função dos órgãos e

Leia mais

Metabolismo de Lipídios PEDRO LEONARDO DE PAULA REZENDE

Metabolismo de Lipídios PEDRO LEONARDO DE PAULA REZENDE Universidade Federal de Goiás Escola de Veterinária Depto. De Produção Animal Pós-Graduação em Ciência Animal Metabolismo de Lipídios PEDRO LEONARDO DE PAULA REZENDE Zootecnista Especialista em Produção

Leia mais

Ingestão; Secreção; Mistura e propulsão; Digestão; Absorção; Defecação; Ingestão de Alimento. Processo Digestivo. Processo Absortivo.

Ingestão; Secreção; Mistura e propulsão; Digestão; Absorção; Defecação; Ingestão de Alimento. Processo Digestivo. Processo Absortivo. Ingestão; Secreção; Mistura e propulsão; Digestão; Absorção; Defecação; Ingestão de Alimento Processo Digestivo Processo Absortivo Defecação Grandes moléculas Moléculas menores Utilização Resíduos Trato

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS SOMA. Ficha de trabalho Sistema digestivo

CENTRO DE ESTUDOS SOMA. Ficha de trabalho Sistema digestivo Ficha de trabalho Sistema digestivo Grupo I 1- Faz a legenda da figura. 1-2- 3-4- 5-6- 7-8- 9-10- 11-12- 1.1. Diz o que entendes por Digestão. 1.2. Dos órgãos que legendaste indica: a. Os que fazem parte

Leia mais

E OS SEUS BENEFÍCIOS

E OS SEUS BENEFÍCIOS E OS SEUS BENEFÍCIOS A principal função do leite é nutrir (alimentar). Além disso, cumpre as funções de proteger o estômago das toxinas e inflamações e contribui para a saúde metabólica, regulando os processos

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015.

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 8 Compostagem Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março de 2015.

Leia mais

Professor Fernando Stuchi M ETABOLISMO DE C ONSTRUÇÃO

Professor Fernando Stuchi M ETABOLISMO DE C ONSTRUÇÃO M ETABOLISMO DE C ONSTRUÇÃO P ROTEÍNAS P ROPRIEDADE BÁSICA São grandes moléculas (macromoléculas) constituídas por aminoácidos, através de ligações peptídicas. É o composto orgânico mais abundante no corpo

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CAVALOS ATLETAS

ALIMENTAÇÃO DE CAVALOS ATLETAS ALIMENTAÇÃO DE CAVALOS ATLETAS Prof. Dr. ALEXANDRE AUGUSTO de OLIVEIRA GOBESSO Departamento de Nutrição e Produção Animal Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia/USP Campus de Pirassununga/SP gobesso.fmvz@usp.br

Leia mais

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H +

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Sistema tampão Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Quando se adiciona um ácido forte na solução de ácido fraco HX X - + H + HA A - H + X - H + H + HA A

Leia mais

Nutrição Normal: Carboidratos. Histórico. Monossacarídeos. Características químicas Estrutura química

Nutrição Normal: Carboidratos. Histórico. Monossacarídeos. Características químicas Estrutura química Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública Departamento de Nutrição Nutrição Normal: Carboidratos Daniela Saes Sartorelli Histórico Principal fonte de energia utilizada pelos seres vivos. Seres

Leia mais

Sistema Digestório. Prof. MSc. Leandro Felício

Sistema Digestório. Prof. MSc. Leandro Felício Sistema Digestório Prof. MSc. Leandro Felício INTRODUÇÃO Alimentos - fonte de matéria e energia Organismos autótrofos - produzem o próprio alimento (ex: bactérias, cianobactérias, algas e plantas). Organismos

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA DIGESTÓRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA DIGESTÓRIO Função retirar dos alimentos as substâncias necessárias para o desenvolvimento e manutenção do organismo. Alimento é digerido e transformado

Leia mais

Saúde da Mulher. Rede Mundo Verde - Ano 1 Livro 1

Saúde da Mulher. Rede Mundo Verde - Ano 1 Livro 1 Guia Saúde da Mulher Uma queixa constante de mulheres é a prisão de ventre, flatulência, distensão abdominal. Muitas se habituam ao problema como se fosse normal e convivem com essa situação, muitas vezes

Leia mais

BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO

BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO Professor: CRISTINO RÊGO Disciplina: CIÊNCIAS Assunto: FUNDAMENTOS DE GENÉTICA Belém /PA BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO 1. A importância da digestão para o nosso corpo é: a) desenvolver nosso organismo.

Leia mais

MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS. Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso

MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS. Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso 1 2 3 4 5 6 Características Anatômicas Características Fisiológicas mastigação e salivação eructação e regurgitação velocidade de trânsito

Leia mais

Hidratos de Carbono. Monossacarídeo (Glicose) Polissacarídeo (Glicogénio) Dissacarídeo (Frutose + Glicose = Sacarose)

Hidratos de Carbono. Monossacarídeo (Glicose) Polissacarídeo (Glicogénio) Dissacarídeo (Frutose + Glicose = Sacarose) Hidratos de Carbono Os hidratos de carbono são compostos orgânicos, constituídos por carbono (C), hidrogénio (H) e oxigénio (O). São a principal fonte de energia para o movimento, trabalho e realização

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação ANATOMIA HUMANA I Sistema Digestório Prof. Me. Fabio Milioni Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação Sistema Digestório 1 Órgãos Canal alimentar: - Cavidade oral

Leia mais

Hormonas e mensageiros secundários

Hormonas e mensageiros secundários Hormonas e mensageiros secundários Interrelação entre os tecidos Comunicação entre os principais tecidos Fígado tecido adiposo hormonas sistema nervoso substratos em circulação músculo cérebro 1 Um exemplo

Leia mais

Alimentação da vaca leiteira

Alimentação da vaca leiteira Alimentação da vaca leiteira A exploração leiteira consiste em atividade de converter recursos alimentares em leite, cujo valor agregado é superior a matéria-prima original. Recursos alimentares: Volumosos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS Prof. Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE VACAS SECAS E PERÍODO DE TRANSIÇÃO ponto de vista tecnológico = alimentar

Leia mais

Processamento do Iogurte Gordo Sólido

Processamento do Iogurte Gordo Sólido Escola Superior Agrária De Coimbra Processamento Geral dos Alimentos Processamento do Iogurte Gordo Sólido Trabalho realizado por: Pedro Sá nº20603025 Ana Oliveira nº 20603030 Lénia Belas nº 20603031 Elisabete

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS

COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS COMPOSTOS INORGÂNICOS Não apresentam Carbono em sua estrutura DOIS TIPOS: Água e Sais Minerais ÁGUA:

Leia mais

PERSPECTIVA. ciências. Sugestão de avaliação. Coleção Perspectiva

PERSPECTIVA. ciências. Sugestão de avaliação. Coleção Perspectiva PERSPECTIVA Coleção Perspectiva ciências 8 Sugestão de avaliação Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao segundo bimestre escolar ou às Unidades 3 e 4 do Livro do Aluno. Avaliação Ciências

Leia mais

Sistema Digestório Características Saliva e peristaltismo GLÂNDULAS SALIVARES Saliva ptialina amilase salivar Glândula parótida

Sistema Digestório Características Saliva e peristaltismo GLÂNDULAS SALIVARES Saliva ptialina amilase salivar Glândula parótida Sistema Digestório O tubo digestivo apresenta as seguintes regiões; boca, faringe, esôfago, estômago, intestino delgado, intestino grosso e ânus. A parede do tubo digestivo tem a mesma estrutura da boca

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

FISIOLOGIA SISTEMA DIGESTÓRIO

FISIOLOGIA SISTEMA DIGESTÓRIO FISIOLOGIA SISTEMA DIGESTÓRIO Prof. André Maia O sistema ou aparelho digestivo (também chamado sistema digestório) é o sistema que, nos animais, é responsável por obter dos alimentos ingeridos os nutrientes

Leia mais

1. O esquema ao lado representa uma seção do tubo digestivo humano com alguns anexos. Observe as indicações e resolva os itens

1. O esquema ao lado representa uma seção do tubo digestivo humano com alguns anexos. Observe as indicações e resolva os itens Biologia - revisão 301 1. O esquema ao lado representa uma seção do tubo digestivo humano com alguns anexos. Observe as indicações e resolva os itens a) Cite o nome do substrato digerido pela principal

Leia mais

Animais Monogástricos. Digestão Monogástricos. Animais Monogástricos. Digestão Monogástricos 28/08/2012

Animais Monogástricos. Digestão Monogástricos. Animais Monogástricos. Digestão Monogástricos 28/08/2012 Animais Monogástricos Digestão e Absorção de Carboidratos Animais monogástricos e ruminantes Prof. Dr. Bruno Lazzari de Lima Principais fontes de glicídeos: Polissacarídeos. Amido. Glicogênio. Dextrinas.

Leia mais

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS Ciclo de Krebs Considerações Gerais Esta denominação decorre da homenagem ao bioquímico Hans Krebs, a qual lhe valeu o Prémio Nobel de Fisiologia

Leia mais

LICENCIATURA EM ENGª DA PRODUÇÃO ANIMAL ENDOCRINOLOGIA MECANISMO DE ACÇÃO HORMONAL DOCENTE RESPONSÁVEL PAULA AZEVEDO paula.azevedo@esa.ipsantarem.pt 1 MECANISMO DE ACÇÃO HORMONAL Glândula endócrina glândula

Leia mais

Escola da Apel Técnicas Laboratoriais de Biologia II

Escola da Apel Técnicas Laboratoriais de Biologia II Escola da Apel Técnicas Laboratoriais de Biologia II Trabalho elaborado por: Objectivos No âmbito da disciplina Técnicas Laboratoriais de Biologia, foi-nos proposto a realização de um estudo da digestão,

Leia mais

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Ficha de trabalho de Biologia - 12º Ano Fermentação e actividade enzimática Nome: N º: Turma: Data: 1. A figura 1 representa um tipo de fermentação. Figura

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi)

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi) Ficha técnica CHÁ VERDE COM CÓLAGENO, VITAMINA C E POLIDEXTROSE Pó para Preparo de Bebida a Base de Chá Verde, com Colágeno hidrolisado, vitamina C e polidextrose Sabor Abacaxi e frutas vermelhas REGISTRO:

Leia mais

BIOLOGIA AULA 03. c) diabetes tipo II. d) hipertensão arterial.

BIOLOGIA AULA 03. c) diabetes tipo II. d) hipertensão arterial. BIOLOGIA Prof. Hélder Telles AULA 03 1. (Fgv 2015) O pâncreas é uma glândula anfícrina, ou seja, com dupla função, desempenhando um papel junto ao sistema digestório na produção de enzimas, tais como amilases

Leia mais

ORIGEM EMBRIONÁRIA. A zigoto; B clivagem; C mórula; D blástula; E corte de blástula; F gástrula inicial; G - gástrula

ORIGEM EMBRIONÁRIA. A zigoto; B clivagem; C mórula; D blástula; E corte de blástula; F gástrula inicial; G - gástrula ORIGEM EMBRIONÁRIA A zigoto; B clivagem; C mórula; D blástula; E corte de blástula; F gástrula inicial; G - gástrula A- Radiata Mesoderme se forma a partir de células invasoras da endoderme (Equinodermatas)

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

1. Refere os nutrientes necessários numa alimentação saudável e equilibrada.

1. Refere os nutrientes necessários numa alimentação saudável e equilibrada. DISCIPLINA: Ciências Naturais ANO: 9º ano de escolaridade UNIDADE DIDÁCTICA: Saúde individual e comunitária. O organismo humano em equilíbrio: alimentação. 1. Refere os nutrientes necessários numa alimentação

Leia mais

Fisiologia digestiva. de cães e gatos - introdução

Fisiologia digestiva. de cães e gatos - introdução Fisiologia digestiva de cães e gatos - introdução Trato digestório Cão (75cm) Gato (50cm) intestino delgado 3,9m 2,1m intestino grosso 0,6m 0,4m total 4,5m 2,5m Transito rápido, pequeno tempo de permanência

Leia mais

TUTORIAL - 3. Sistema digestivo comparado. Disciplina: Nutrição Animal Professora responsável: Izabelle Auxiliadora Molina de Almeida Teixeira

TUTORIAL - 3. Sistema digestivo comparado. Disciplina: Nutrição Animal Professora responsável: Izabelle Auxiliadora Molina de Almeida Teixeira UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE JABOTICABAL FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA TUTORIAL - 3. Sistema digestivo comparado. Disciplina: Nutrição Animal Professora

Leia mais

TESTES DE PRODUTIVIDADE

TESTES DE PRODUTIVIDADE TESTES DE PRODUTIVIDADE INDÚSTRIA DE MEDICAMENTOS VETERINÁRIOS LTDA. PROBIÓTICO SISTEMA DIGESTIVO E FLORA DE RÚMEN Os ruminantes (bovinos, ovinos, caprinos e bubalinos) constituem um grupo de animais com

Leia mais

MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE

MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE 1. Introdução MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE Rogério Marchiori Coan 1 O complexo pecuário brasileiro de corte apresenta diversos pontos de ineficiência, destacando-se a produtividade extremamente

Leia mais

ANTICORPOS. CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido

ANTICORPOS. CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido ANTICORPOS Anticorpo é uma globulina sintetizada por linfócitos B e principalmente

Leia mais

Uso de lipídeos em dietas de ruminantes

Uso de lipídeos em dietas de ruminantes Uso de lipídeos em dietas de ruminantes Sérgio Raposo de Medeiros 1 1 Pesquisador Embrapa Gado de Corte, Campo Grande, MS. A evolução das espécies ruminantes ocorreu associada à ingestão de forragens que

Leia mais

Técnicas Laboratoriais de Biologia. Pedro Pinto

Técnicas Laboratoriais de Biologia. Pedro Pinto Técnicas Laboratoriais de Biologia Pedro Pinto Introdução Os alimentos que ingerimos habitualmente contêm componentes que os seres vivos utilizam para realizarem as funções vitais nutrientes. O nutriente

Leia mais

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos FMVZ Unesp Botucatu João Ricardo Ronchesel Henrique Della Rosa Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Evolução do manejo nutricional

Leia mais