REGISTRO: Protocolo nº 1e 2- Protocolo de FIV-ICSI e Protocolo de FIV-ICSI Avaliação Individual.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGISTRO: Protocolo nº 1e 2- Protocolo de FIV-ICSI e Protocolo de FIV-ICSI Avaliação Individual."

Transcrição

1 REGISTRO: Protocolo nº 1e 2- Protocolo de FIV-ICSI e Protocolo de FIV-ICSI Avaliação Individual. A. OBJETIVO/ APLICAÇÃO CLÍNICA Executar as Técnicas Laboratoriais de Fertilização in vitro (ICSI) respeitando rigorosamente todas as etapas, tempos limites da cada passo, a ordem do procedimento e demais recomendações a fim de manter altos padrões de Controle de Qualidade e bons resultados. B. RESPONSABILIDADE Unidade de Reprodução Humana- HFE (Diretor de Laboratório) C. ALCANCE Equipe técnica de enfermagem, Estagiários e Embriologistas. D. EXECUÇÃO: Embriologistas. E. MATERIAL NECESSÁRIO: Tubos de 14ml fundo redondo Tubos de 15ml, fundo cônico Tubos de 5ml fundo redondo Coletor estéril Pipeta Paster desc. Grad. Estéril Pipetas Pasteur 14 cm de vidro Ponteiras de 0,2-10ul. Ponteiras de 1-200ul. Ponteiras de ul Filtros 0.22um Pipetas de Injeção Pipetas de fixação Placas ICSI- 60mm Placas 100x 20 mm Placa de 60mm, com duplo furo 1

2 Placas 60x15mm Placas 35x10mm Placas 4 Poços Placas 4 Poços (Won) e/ou IVF Corral Embryo Pipetas volumétricas de 5ml Seringas 1,0 ml Seringas 3,0 ml Seringas 20,0 ml Cateter de Wallace difícil Agulhas p/ Punção Folic. c/ sistema Luva de procedimento ñ estéril Luva de procedimento estéril Reagentes: H-HTF All Grade 45% All Grade 90% HTF Global PBS PVP SSS OIL HYASE Equipamentos: Cabine de Fluxo Laminar Cabine Biológica Microscópio Eclipse E200 Estereomicroscópio Placas Aquecidas Aquecedores de Tubos Blocos Aquecedores Estante para tubos cônicos Centrífuga Câmara de Makler Banho Maria Pipetador automático (Macropipetador) Pipetas Ajustáveis de volumes diferentes 2

3 F. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES: 1. DIA ANTERIOR A PUNÇÃO: Recomenda-se deixar preparados aquecidos e/ou equilibrados, em incubadora sem e com tensão de CO2, os meios para coleta, fertilização dos oócitos e cultivo embrionário (PBS, H-HTF10%, HTF 10% e Global 10%), conforme POP nº DIA DA ASPIRAÇÃO FOLICULAR: Preparo dos Materiais a) Ao entrar no laboratório de FIV/ICSI verificar temperatura e CO2 da Incubadora; b) Ligar todos os equipamentos utilizados: Fluxo Laminar, Cabine Biológica, placas aquecidas,...; c) Colocar no Banho-maria, banho-seco ou sobre a placa aquecida o copo coletor contendo PBS; d) Colocar sobre a placa aquecida uma placa de 100 x 20 mm (para captura dos oócitos), uma placa de 60mm com duplo Furo (para deposição dos complexos cúmulos oócitos- acrescentar H-HTF 10%- 3mLsó no momento da punção) e uma seringa de 20 ml ( abrir a embalagem só no momento da punção); e) Preparar a placa de cultivo da paciente (Placas 4 Poços- Won) com 1ml de Global 10% (dividido entre o 1º e 2º fosso), cobrir com óleo e acrescentar 1,5 ml de HTF10% na parte central. Identificar com nome e data correspondente. Ex: Nome Data HTF 10% 3

4 E/ou placa de cultivo da paciente (IVF Corral Embryo) com 120 l de Global 10% (em cada um dos dois poços centrais observando o completo preenchimento dos quadrantes) e 30 l nos 8 poços periféricos, cobrir com óleo pré-equilibrado. Identificar com nome e data correspondente. Ex: Data 120 l Fulana de. Tal 30 l Screening (Seleção do Complexo Cúmulo Oócito-CCO) a) Na sala de procedimentos, os tubos de aspiração (Tubos de 14ml fundo redondo), já com o material aspirado (líquido folicular), devem ser depositados no Pass true dentro do aquecedor de blocos ao alcance da embriologista; b) Depois de receber o tubo contendo o líquido folicular aspirado, depositar todo o conteúdo do tubo na placa de 100 x 20 mm pré-aquecida para a realização do Screening; c) Com o auxílio do Estereomicroscópio, analisar o líquido quanto à presença Complexo Cúmulooócitos (CCO), identificando-os um a um e transferindo com a ajuda de uma pipeta Pasteur para a placa de poço central pré-aquecida e agora com Hepes 10%. Lavá-los 2 ou 3 vezes no compartimento marginal e transferi-los ao compartimento central. Armazenar no máximo 10 CCOs nesta placa e transferi-los para o um dos poços da placa de 4 poços contendo HTF10%; d) Com o auxílio da seringa de 20mL aspirar o líquido folicular da placa de 100 x 20 mm e devolvêlo ao tubo de 14mL de fundo redondo. Repetir passos dos itens b e d se necessário; e) Indicar no painel eletrônico da sala de procedimentos a quantidade de CCOs encontrados; f) No momento em que for identificada a presença de CCOs solicitar na recepção a coleta do sêmen do cônjuge da paciente; g) Guardar na Incubadora a placa de 4 poços contendo os CCOs em meio HTF10% até o momento da desnudação (retirada do cúmulo- no mínimo 2 horas após a aspiração). Durante este período preparar o sêmen do cônjuge da paciente conforme POP nº1. 4

5 Parâmetros Morfológicos Utilizados para Verificar a Maturidade Oocitária Antes de realizar a ICSI, avaliar a maturação dos CCOs de acordo com os aspectos morfológicos da seguinte Classificação: Imaturo GI - Cúmulo geralmente pequeno, com pouca filância. Corona compacta formando uma capa ao redor do oócito. Intermediário GII- Cúmulo grande, disperso e filante. Corona com início de dispersão, mas ainda formando uma capa ao redor do oócito. Maturo GIII- Cúmulo grande, disperso e filante. Corona com espaços entre as células, podendo-se ver os limites do oócito. Pós-maturo GIV- Cúmulo muito disperso, muito filante, Corona inexistente. Pode-se ver o oócito nitidamente e tbem o primeiro corpúsculo polar. (Veeck et al., 1983) 5

6 Desnudação (retirada do cúmulo) a) Após o período de 2 horas retirar do refrigerador a alíquota de Hyase (meio utilizado para desnudar) e pré-aquecer em bloco aquecido a 37ºC por 10 minutos. Preparar de acordo com POP nº12; b) Em uma placa de 4 poços, coloca-se a Hyase na 1º fossa da placa, Hepes 10% nas 2º e 3º fossas e PBS na 4º fossa. Veja no esquema. Hyase Nome Data Hepes 10% Hepes 10% PBS c) Manter os oócitos no máximo 30 segundos na 1º fossa. Realizar a desnudação através de pipetagens nas fossas seguintes. Após a desnudação, devolver os oócitos para a placa de 4 poços em HTF10% até o momento da ICSI. Injeção Intracitoplasmática de Espermatozóides (ICSI) a) Antes de iniciar o preparo da placa de ICSI, colocar e ajustar as pipetas de injeção e fixação no micromanipulador do microscópio invertido; b) Para preparar a placa de ICSI- 60mm, utilizando o meio para micromanipulação Hepes+20% conforme descrito no POP nº 12. Fazer gotas de 20µl (duas para substituir por PVP-meio de imobilização dos espermatozóides) e as demais 5 l (9 gotas para depositar os oócitos). Cobrir com óleo mineral.ex: PVP PVP c) Adicionar a uma, ou nas duas gotas para selecionar espermatozóides, o sêmen pré-preparado de acordo com o POP nº 1,3,4,5,6,7 ou 8, dependendo do protocolo de preparação espermática utilizado; d) Transferir os oócitos a serem fertilizados para as gotas de injeção. Conferir a maturação e realizar a injeção dos oócitos maduros (MII); e) Transferir os oócitos injetados para a placa de cultivo (Won e/ ou IVF), lavando-os na 1º fossa contendo 0,5mL de Global 10% e posteriormente colocando-os nos micropoços da 2º fossa, contendo o mesmo meio; e/ou se a placa for IVF, lavando-os nos poços periféricos e depositando-os um em cada quadrante dos dois poços centrais. 6

7 3. DIA 1 (CHECAGEM DA FERTILIZAÇÃO): a)a checagem da fertilização deve ocorrer no período de 16-18h após a injeção; b) Avalia-se a fecundação identificando a presença de 2 pronúcleos (PN), ajustando o foco do microscópio para que todo o volume e conteúdo de cada PN sejam avaliados e classificados de acordo com os seguintes critérios: ex. resumo Escore de 4 pontos: Scott et al. (2000) Z1: 4 pontos; Z2: 3 pontos; Z3: 2 pontos; Z4: 1 ponto. c) Os corpúsculos polares também podem ser avaliados e classificados de acordo com o tamanho, distribuição, fragmentação e justaposição. A: Corpúsculos de tamanho normal, íntegros e justapostos; B: Corpúsculos de tamanho normal, íntegros e separados; C: Corpúsculos grandes(gigante) ou pequenos; D: Corpúsculos fragmentados. OBS: Outro critério utilizado para avaliar a qualidade embrionária esta baseada na formação de um halo no córtex do oócito, produto da concentração das organelas citoplasmáticas ao redor dos PN. 7

8 4. DIA 2 (AVALIAÇÃO DA CLIVAGEM- D2): Observar os pré- embriões 44-47h após a injeção e avaliar a clivagem de acordo com o seguinte critério: Características Embrionárias Pontos (1 ou 0) D2 Presença de clivagem 1 Ausência 0 Estágio Embrionário 4 células 1 Outros Estádios 0 Irregularidade celular Ausência 1 (tamanho e forma) Presença 0 Fragmentação (>20%) Ausência 1 Presença 0 Fonte: Terriou et al. (2001) OBS: A multinucleação também deve ser observada, pois esta associada com a diminuição do desenvolvimento e implantação, além de apresentar uma maior incidência de alterações cromossômicas. 5. DIA 3 (AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO- D3): Observar os pré- embriões 67-71h após a injeção e avaliar a clivagem de acordo com o seguinte critério: Classificação Características Embrionárias Pontos Grau I Embriões com blastômeros simétricos, 5 sem a presença de fragmentação, e citoplasma claro e homogêneo Grau II Embriões com blastômeros simétricos, 4 com fragmentação de 10 a 20 % Grau III Embriões com blastômeros de tamanhos 3 diferentes, zero % de fragmentação Grau IV Embriões com blastômeros assimétricos, 2 com fragmentação de 20 a 50 % Grau V Embriões com blastômeros assimétricos, com fragmentação maior que 50 % 1 L. Veeck Hsu et al

9 Aspecto embrionário para avaliação do desenvolvimento: 6. DIA 5 (SISTEMA DE GRADUAÇÃO SEQUENCIAL DO BLASTOCISTO- D5): Entre h pós- inseminação ou injeção, o blastocisto deve ter um blastocele definido, massa celular interna distinta e trofectoderma formando um aro simétrico. Grau de expansão do Bl: Blj= Blastocisto jovem- blastocele ocupa menos que a metade do volume total, a expansão não é muito notada; Bl= Blastocisto- blastocele ocupa mais que a metade do volume total, a expansão é notada e a zona pelúcida (ZP) esta afinada; Bl exp.= blastocele ocupa mais que a metade do volume total, o tamanho bem aumentado e a zona pelúcida (ZP) muito fina; Bl ecl.= trofectoderma começa a sair da ZP. 9

10 7. DIA 3 ou 5 (TRANSFERÊNCIA EMBRIONÁRIA- D3/D5): 1- Checar a evolução dos embriões e selecionar aqueles que serão transferidos; a) Seleção do(s) pré-embrião (ões) ideal (is): a.1) Zigoto: com PN Z1,Z2, pelo menos; a.2) D2: com 4 pontos ou, pelo menos com presença de 4 células, regulares e menor fragmentação; a.3) D3: os embriões que possuírem a maior pontuação e massa celular; a.4) D5: que atingirem o estádio de blastocisto no 5º dia com melhor grau de expansão. Os melhores embriões serão sem dúvida aqueles que associarem as melhores características destes aspectos. Anotar todos os dados no protocolo nº 2. b) Preparar o meio de transferência (TE) dos embriões (meio Global 30%) de acordo com POP nº 12; c) Deixar a placa de TE (placa de 60mm, com duplo furo) preparada (identificada, contendo o meio de TE e os embriões selecionados) na Incubadora; d) Manter a seringa de insulina (TERUMO-1mL) e o cateter de TE sobre a placa aquecida, até o momento da TE, momento em que as embalagens serão abertas e ambos conectados; e) Na hora da TE, juntar os embriões a serem transferidos no centro da placa pré-preparada e lavar o cateter; aspirando com o auxílio da seringa um pouco do meio de TE do compartimento central (cuidando para não aspirar os embriões) e soltando o líquido no compartimento marginal. f) Montar o cateter de TE aspirando: 1) menos de 0,1mL de ar, 2) uma quantidade menor ainda de meio, 3) ar novamente, 4) uma nova coluna de meio contendo os embriões que não deve ser superior a µl, 5) ar novamente e 6) meio. Ex: g) Rapidamente levar o cateter para a sala de TE e passá-lo através da guia já posicionada e visualizada ecograficamente até o limite indicado; h) A médica posiciona a ponta do cateter (extremidade distal) na localização adequada do fundo do útero e fixa o cateter e a guia para que nenhuma intercorrência ocorra; i) A Embriologista realiza a transferência, com a deposição do conteúdo do cateter na cavidade uterina e mantém o embolo da seringa friccionado para que o conteúdo desprenda e não retorne (durante 10 segundo), gira o cateter e começa a retirá-lo; j) Após a transferência, lavar o cateter, observando a presença ou ausência de embriões; k) Caso haja retorno de algum embrião, repetir atransferência; l) Anotar todos os dados da TE no protocolo nº 1. 10

11 G. PONTOS CRÍTICOS: Estabelecer uma ordem, metodologia para o manejo cotidiano das práticas laboratoriais; Executar todas as técnicas de forma eficiente e rápida, expondo as amostras biológicas o mínimo possível a fatores prejudiciais; Todo o procedimento deve ser realizado em capela de fluxo laminar, temperatura ambiente (23ºC - 27ºC), e exposição mínima de iluminação; Todo o procedimento deve ser realizado sob placa aquecida (37ºC); Tenha todos os materiais, ferramentas e equipamentos necessários separados antes de iniciar o procedimento; É recomendado fazer as placas de cultura pelo menos 12 horas antes dos procedimentos, deixandoas equilibrar durante este intervalo em incubação com CO2 de 5-7% (dependendo das condições particulares de cada laboratório e do ph a ser alcançado). H. AÇÕES CORRETIVAS E PREVENTIVAS: Utilizar técnicas de assepsia durante todos os procedimentos; Utilizar as ações corretivas e preventivas descritas em todos os POPs envolvidos nesta atividade. I. RESULTADO ESPERADO: Gestação Embriologista Responsável 11

Tradução para o português: R. Nunes e L.A de Castro e Paula. DIA ( ) 2 (para referência, dia 0 = dia da fertilização) PREPARAÇÃO

Tradução para o português: R. Nunes e L.A de Castro e Paula. DIA ( ) 2 (para referência, dia 0 = dia da fertilização) PREPARAÇÃO Protocolo de Fertilização In Vitro em Bovinos R.M Rivera, A.M. Brad, J.L. Edwards, A.D. Ealy, V.M. Monterroso, A.C. Majewski, C.M. Franco, and P.J. Hansen Tradução para o português: R. Nunes e L.A de Castro

Leia mais

Punção Folicular, Denudação e Classificação Oocitária

Punção Folicular, Denudação e Classificação Oocitária Punção Folicular, Denudação e Classificação Oocitária PUNÇÃO FOLICULAR Inicialmente, os oócitos eram obtidos, individualmente, por via laparoscópica, porém este tipo de procedimento exige anestesia geral

Leia mais

Transcrição do tour pelo Cook A.R.T. Lab (Laboratório de Terapia Reprodutiva Assistida da Cook)

Transcrição do tour pelo Cook A.R.T. Lab (Laboratório de Terapia Reprodutiva Assistida da Cook) INTRODUÇÃO Por quase três décadas, a Cook Medical tem projetado e fabricado produtos feitos com inteligência para atender às necessidades exatas dos especialistas em infertilidade do mundo inteiro. Em

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 29 Página 1 de 5 1. Sinonímia Pesquisa de anticorpos frios. 2. Aplicabilidade Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de Imunologia. 3. Aplicação clínica As Crioaglutininas são anticorpos

Leia mais

Avaliação morfológica e morfométrica de oócitos humanos e predição da qualidade embrionária préimplantação

Avaliação morfológica e morfométrica de oócitos humanos e predição da qualidade embrionária préimplantação Faculdade de Medicina da UFMG Avaliação morfológica e morfométrica de oócitos humanos e predição da qualidade embrionária préimplantação em procedimentos de injeção intracitoplasmática de espermatozóides

Leia mais

Embriologia humana: primeira semana de desenvolvimento embrionário

Embriologia humana: primeira semana de desenvolvimento embrionário Embriologia humana: primeira semana de desenvolvimento embrionário Prof. Dr. Daniel F. P. Vasconcelos (Professor Adjunto de Histologia e Embriologia Colegiado de Biomedicina Campus de Parnaíba - UFPI )

Leia mais

Biotecnologia da Reprodução. Inseminação artificial. Transferência de embriões. Produção de animais transgênicos. Clonagem Cultura de células-tronco

Biotecnologia da Reprodução. Inseminação artificial. Transferência de embriões. Produção de animais transgênicos. Clonagem Cultura de células-tronco 23/07/12 Produção e Manipulação de Pré-embriões Inseminação artificial Fertilização in vitro Biotecnologia da Reprodução Produção de animais transgênicos Biopsia de embrião Determinação genética pré-implante

Leia mais

O NÚMERO DE BACTÉRIAS

O NÚMERO DE BACTÉRIAS O NÚMERO DE BACTÉRIAS A CONTAGEM EM PLACAS A contagem em placas é um dos métodos mais utilizados para determinar qual o número de microrganismos viáveis em um meio líquido. Quando a concentração é baixa,

Leia mais

GAMETOGÊNESE. especializadas chamadas de GAMETAS. As células responsáveis pela formação desses gametas são chamadas de GÔNIAS

GAMETOGÊNESE. especializadas chamadas de GAMETAS. As células responsáveis pela formação desses gametas são chamadas de GÔNIAS Embriologia GAMETOGÊNESE É o processo de formação e desenvolvimento de células especializadas chamadas de GAMETAS As células responsáveis pela formação desses gametas são chamadas de GÔNIAS Espermatogônias

Leia mais

Síntese do acetato de n-butilo ou etanoato de n-butilo

Síntese do acetato de n-butilo ou etanoato de n-butilo Projeto Ciência Viva INTRODUÇÃO À QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO PL 3.4 Identificação e síntese de substâncias com aromas e sabores especiais Síntese do acetato de

Leia mais

L IE CATÁLOGO DE PRODUTOS

L IE CATÁLOGO DE PRODUTOS L IE CATÁLOGO DE PRODUTOS L IE Linha de produtos fabricados em material de alta transparência, em sala limpa escala 100,000, de acordo com as normas ISO 9001 e ISO 13485:2003/AC:2007, certificados como

Leia mais

Plásticos para Cultivo Celular

Plásticos para Cultivo Celular Linha Cultivo de Células e Tecidos Fabricada em poliestireno cristal virgem (GPPS), oferece produtos com alta transparência para ótima visualização e sem presença de contaminantes, assegurando integridade

Leia mais

2. Como devo manusear o sêmen durante a sua retirada do botijão?

2. Como devo manusear o sêmen durante a sua retirada do botijão? CUIDADOS NO MANUSEIO DO SÊMEN CONGELADO O manuseio adequado do sêmen congelado é essencial para manter ótimos resultados nos programas de inseminação artificial, tanto no sêmen sexado como no sêmen convencional.

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA MANIPULAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E INTERCORRÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE DIETAS ENTERAIS 2ª edição SUMÁRIO Nutrição Enteral: definição 1. Cuidados no preparo da Nutrição Enteral Higiene

Leia mais

FECUNDAÇÃO FECUNDAÇÃO OU FERTILIZAÇÃO

FECUNDAÇÃO FECUNDAÇÃO OU FERTILIZAÇÃO FECUNDAÇÃO Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia 1 FECUNDAÇÃO OU FERTILIZAÇÃO Processo pelo qual o gameta masculino (espermatozóide) se une ao gameta feminino (ovócito) para formar

Leia mais

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante: Azida de Sódio 0,1 % Responsável

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. POP n.º: I70 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-, VIKIA Biomeriéux. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. 3. Aplicação

Leia mais

Técnicas de Reprodução Assistida

Técnicas de Reprodução Assistida Manipulação da Fertilidade Técnicas de Reprodução Assistida Juliana, nº19 Elisa, nº20 Tânia, nº26 12ºA Técnicas complementares 1. Indução da ovulação Geralmente, antes de realizar qualquer processo de

Leia mais

CÉLULA - TRONCO. São células com capacidade de autorenovação,eficiente

CÉLULA - TRONCO. São células com capacidade de autorenovação,eficiente CÉLULA - TRONCO São células com capacidade de autorenovação,eficiente proliferação, gerando células-filhas com as mesmas características fenotípicas da célula precursora e, ainda, com habilidade de gerar

Leia mais

PROTOCOLO EXPERIMENTAL - 3

PROTOCOLO EXPERIMENTAL - 3 INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA ESCOLA SUPERIOR DE TURISMO E TECNOLOGIA DO MAR PROTOCOLO EXPERIMENTAL - 3 Ano Letivo 2013/2014 Disciplina: Reprodução em Aquacultura Ano: 1º Curso: CET Aquacultura e Pescas

Leia mais

Reprodução Medicamente Assistida. Grupo: Ana Sofia Ramalhete Nº3 Bárbara Mello Nº23 Beatriz Luz Nº7 Bruno Alberto Nº31 Carina Fernandes Nº8

Reprodução Medicamente Assistida. Grupo: Ana Sofia Ramalhete Nº3 Bárbara Mello Nº23 Beatriz Luz Nº7 Bruno Alberto Nº31 Carina Fernandes Nº8 Reprodução Medicamente Assistida Grupo: Ana Sofia Ramalhete Nº3 Bárbara Mello Nº23 Beatriz Luz Nº7 Bruno Alberto Nº31 Carina Fernandes Nº8 Introdução A reprodução medicamente assistida é um tipo de reprodução

Leia mais

Sandra Heidtmann 2010

Sandra Heidtmann 2010 Sandra Heidtmann 2010 Definições: Amostra: Pequena parte ou porção de alguma coisa que se dá para ver, provar ou analisar, a fim de que a qualidade do todo possa ser avaliada ou julgada; Coleta: Ato de

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. POP-I 67 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-½ - OraQuick ADVANCE 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

DESCARTÁVEIS PARA MANIPULAÇÃO

DESCARTÁVEIS PARA MANIPULAÇÃO DESCARTÁVEIS PARA MANIPULAÇÃO CONSULTE NOSSA EQUIPE DE VENDAS PARA PRODUTOS NÃO CONSTANTES NESSA RELAÇÃO Fones: (19) 3243.8305 / 3032.4429 vendas1@biomate.com.br DESCARTÁVEIS PARA MANIPULAÇÃO DESCRIÇÃO

Leia mais

Unidade 1 - REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE

Unidade 1 - REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE Que modificações ocorrem no organismo feminino após a nidação? A nidação e as primeiras fases de gestação encontram-se sob estreito controlo hormonal. A hormona hcg estimula o corpo lúteo a produzir hormonas,

Leia mais

Uso de salas limpas na reprodução humana assistida

Uso de salas limpas na reprodução humana assistida Clínicas de Fertilização Uso de salas limpas na reprodução humana assistida Apesar de normalmente serem ambientes pequenos, as áreas limpas das clínicas de reprodução humana impõem inúmeros desafios de

Leia mais

Géis de Entrada e Separação

Géis de Entrada e Separação (1) Géis de Entrada e Separação ESCOLHA DO GEL Depende do tamanho da proteína que se quer detectar: Tamanho da Proteína Gel 4 40 kda 20% 12 45 kda 15% 10 70 kda 12% 15 100 kda 10% 25 200 kda 8% PREPARO

Leia mais

Bomba injetora: todo cuidado é pouco

Bomba injetora: todo cuidado é pouco Bomba injetora: todo cuidado é pouco Bomba injetora: todo cuidado é pouco Veja como identificar os problemas da bomba injetora e retirá-la corretamente em casos de manutenção Carolina Vilanova A bomba

Leia mais

DATA DE APROVAÇÃO: 23/10/2015

DATA DE APROVAÇÃO: 23/10/2015 1/6 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO O Trichomonas vaginalis é um parasita flagelado e é o agente causador da tricomoníase. Existe em apenas em uma única forma (trofozoíto), que é simultaneamente infecciosa

Leia mais

Laboratórios de Pesquisa da Biologia

Laboratórios de Pesquisa da Biologia Laboratórios de Pesquisa da Biologia 1 - Laboratório de Biologia e Ecologia Animal (B 1.01) Conta com um espaço físico de 12m x 12m (144m²) phmetro ou medidor de ph: é um aparelho usado para medição de

Leia mais

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE Revista: Carta Capital 28 de Agosto de 2002 SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE DOIS ESPECIALISTAS DIZEM O QUE É CIÊNCIA E O QUE É MITO, ESCLARECEM AS POSSÍVEIS CAUSAS DO PROBLEMA E AS MELHORES ALTERNATIVAS PARA

Leia mais

Perfil de Competências dos Especialistas

Perfil de Competências dos Especialistas Perfil de Competências dos Especialistas Os Especialistas em Saúde do Colégio de Biologia Humana e Saúde apresentam, de um modo global, as seguintes competências: Perfil de Competências do Especialista

Leia mais

Manual Técnico de Processamento de Sêmen para Inseminação Artificial

Manual Técnico de Processamento de Sêmen para Inseminação Artificial Manual Técnico de Processamento de Sêmen para Inseminação Artificial 1 Introdução A Inseminação Artificial (IA) é hoje em dia o método utilizado pela generalidade dos suinicultores, pois, permite fazer

Leia mais

METODO PARA A DETERMINACAO DE ÓXIDOS DE NITROGENIO EM CHAMINE

METODO PARA A DETERMINACAO DE ÓXIDOS DE NITROGENIO EM CHAMINE ENERGÉTICA IND.E COM. LTDA. Rua Gravataí, 99 Rocha CEP 0975-030 Rio de Janeiro RJ CNPJ 9.341.583/0001-04 IE 8.846.190 Fone: (0xx1) 501-1998; Fax: (0xx1) 41-1354 www.energetica.ind.br METODO PARA A DETERMINACAO

Leia mais

Lê com atenção e reflecte antes de responder. Boa sorte!

Lê com atenção e reflecte antes de responder. Boa sorte! Agrupameo de Escolas de Casquilh Escola Secundária de Casquilh 2º Teste Sumativo (90 minut) DISCIPLINA DE BIOLOGIA 12ºano Turmas A e B TEMA: Reprodução Humana e Engenharia Genética Dezembro 2013 Professora

Leia mais

PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES BOVINOS EM CULTURA INDIVIDUAL E EM GRUPOS

PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES BOVINOS EM CULTURA INDIVIDUAL E EM GRUPOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES BOVINOS EM CULTURA INDIVIDUAL E EM GRUPOS Carlos Henrique de Oliveira

Leia mais

Embriologia: É a parte da Biologia que estuda as transformações que se tem no embrião, desde a formação da célula-ovo até o nascimento.

Embriologia: É a parte da Biologia que estuda as transformações que se tem no embrião, desde a formação da célula-ovo até o nascimento. Embriologia Embriologia: É a parte da Biologia que estuda as transformações que se tem no embrião, desde a formação da célula-ovo até o nascimento. Fecundação Mitoses sucessivas; Crescimento celular: Zigoto:

Leia mais

NOME COMERCIAL: APLIC SERINGA DESCARTÁVEL RETRÁTIL COM AGULHA

NOME COMERCIAL: APLIC SERINGA DESCARTÁVEL RETRÁTIL COM AGULHA NOME COMERCIAL: APLIC SERINGA DESCARTÁVEL RETRÁTIL COM AGULHA 1.1. Descrição detalhada do produto médico, incluindo os fundamentos de seu funcionamento e sua ação: A Aplic Seringa Descartável Retrátil

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE CÉLULAS E TECIDOS GERMINATIVOS (BCTG) I. INFORMAÇÕES GERAIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE CÉLULAS E TECIDOS GERMINATIVOS (BCTG) I. INFORMAÇÕES GERAIS ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE CÉLULAS E TECIDOS GERMINATIVOS (BCTG) I. INFORMAÇÕES GERAIS Período da Inspeção: / / a / / BCTG Tipo 1 ( ) BCTG Tipo 2 ( ) Tipo de Inspeção: Licença inicial ( ) Renovação

Leia mais

Elaborado por: Antônio do Amaral Batista Revisado por: Lilia Maria Razzolini Aprovado por: Andréa Cauduro de Castro

Elaborado por: Antônio do Amaral Batista Revisado por: Lilia Maria Razzolini Aprovado por: Andréa Cauduro de Castro POPE: B04 Página 1 de 7 1. Identificação do equipamento: 1.1 Nome: Analisador para eletroforese capilar automatizada. 1.2 Modelo: Capillarys Flex Piercing / SEBIA. 1.3 Número de série: Equipamento 5: SN

Leia mais

Experimento. Técnicas de medição de volumes em Laboratório. Prof. Honda Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Página 1

Experimento. Técnicas de medição de volumes em Laboratório. Prof. Honda Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Página 1 Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Objetivo: Conhecer os materiais volumétricos e as técnicas de utilização desses materiais. I. Introdução teórica: Medir volumes de líquidos faz

Leia mais

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO 1. Este caderno é constituído de 40 questões assim distribuídas: Conhecimentos Gerais, de 01 a 12; e Conhecimentos Específicos, de 13 a 40. 2. Caso o caderno esteja

Leia mais

Melhorar A Eclodibilidade De Ovos Armazenados

Melhorar A Eclodibilidade De Ovos Armazenados Melhorar A Eclodibilidade MELHORAR A ECLODIBILIDADE USANDO PERÍODOS DE INCUBAÇÃO CURTOS DURANTE A ARMAZENAGEM DE OVOS (SPIDES) 09 Ovos armazenados por longos períodos não eclodem tão bem quanto os ovos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE EMBRIÕES BOVINOS PRODUZIDOS IN VITRO EM CULTURA INDIVIDUAL E COLETIVA

AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE EMBRIÕES BOVINOS PRODUZIDOS IN VITRO EM CULTURA INDIVIDUAL E COLETIVA AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE EMBRIÕES BOVINOS PRODUZIDOS IN VITRO EM CULTURA INDIVIDUAL E COLETIVA Introdução Mariana de Carvalho Toledo 3 Camila de Paula Santos 3 Eduardo Freitas Velozzo 4 Fausto Romualdo

Leia mais

POP- AULA PRÁTICA DE HEMOGRAMA (ERITROGRAMA) Prof.Archangelo

POP- AULA PRÁTICA DE HEMOGRAMA (ERITROGRAMA) Prof.Archangelo POP- AULA PRÁTICA DE HEMOGRAMA (ERITROGRAMA) Prof.Archangelo Material Necessário Seringa 5ml com agulha 25x7 Alcool 70% (iodado) Garrote Tubo vacuun EDTA ( tampa roxa ) microscópio lâminas para microscopia

Leia mais

TERAPIA NUTRICIONAL NUTRIÇÃO ENTERAL

TERAPIA NUTRICIONAL NUTRIÇÃO ENTERAL ÍNDICE TERAPIA NUTRICIONAL NUTRIÇÃO ENTERAL 1. INTRODUÇÃO 01 2. ALIMENTANÇÃO ENTERAL: O QUE É? 02 3. TIPOS DE NUTRIÇÃO ENTERAL 03 4. VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DA ALIMENTAÇÃO 04 ENTERAL 5. TIPOS DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina Departamento de Biologia Geral Laboratório de Citogenética Animal - LACA TÉCNICAS DE CITOGENÉTICA DE INSETOS

Universidade Estadual de Londrina Departamento de Biologia Geral Laboratório de Citogenética Animal - LACA TÉCNICAS DE CITOGENÉTICA DE INSETOS Universidade Estadual de Londrina Departamento de Biologia Geral Laboratório de Citogenética Animal - LACA TÉCNICAS DE CITOGENÉTICA DE INSETOS Obtenção das Preparações Citológicas MEIOSE (Sem a utilização

Leia mais

ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano)

ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano) ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano) PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Reagente para classificação do fator Rh PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO Conservar entre: 2-8

Leia mais

Determinação quantitativa de amido em produtos cárneos por espectrometria

Determinação quantitativa de amido em produtos cárneos por espectrometria Página 1 de 7 1 Escopo Este método tem por objetivo quantificar amido em produtos cárneos por espectrometria molecular no. 2 Fundamentos Baseia-se na determinação espectrofotométrica a 620 nm do composto

Leia mais

UMA PLANTA MODELO. Kalanchoe daigremontiana

UMA PLANTA MODELO. Kalanchoe daigremontiana UMA PLANTA MODELO Kalanchoe daigremontiana O gênero Kalanchoe (família Crassulaceae, ordem Saxifragales) apresenta algumas interessantes adaptações a climas áridos e quentes, tais como a abertura noturna

Leia mais

GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF

GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF POP n.º: B93 Página 1 de 7 1. Sinonímia: GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação do

Leia mais

TECNICAS DE AMPLIFICAÇÃO REPRODUTIVA E DE BIOTECNOLOGIA APLICADAS AO MELHORAMENTO ANIMAL

TECNICAS DE AMPLIFICAÇÃO REPRODUTIVA E DE BIOTECNOLOGIA APLICADAS AO MELHORAMENTO ANIMAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL TECNICAS DE AMPLIFICAÇÃO REPRODUTIVA E DE BIOTECNOLOGIA APLICADAS

Leia mais

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DE DIÓXIDO DE ENXOFRE. Método de ensaio

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DE DIÓXIDO DE ENXOFRE. Método de ensaio CETESB DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DE DIÓXIDO DE ENXOFRE Método de ensaio L9.226 MAR/92 SUMÁRIO Pág. 1 Objetivo...1 2 Documentos complementares...1 3 Aparelhagem...1 4 Execução

Leia mais

GUIA DE COLETA DE AMOSTRAS

GUIA DE COLETA DE AMOSTRAS Diretrizes para coleta da amostra As análises laboratoriais e seus resultados dependem da coleta adequada da amostra, como também, do armazenamento e transporte apropriados até o laboratório. A equipe

Leia mais

A lavagem de mãos é um procedimento indispensável em todos os procedimentos relacionados a terapia intravenosa.

A lavagem de mãos é um procedimento indispensável em todos os procedimentos relacionados a terapia intravenosa. A lavagem de mãos é um procedimento indispensável em todos os procedimentos relacionados a terapia intravenosa. Projeto coordenado por Profa. Dra. Denise Costa Dias 1. Selecionar a veia e os materiais

Leia mais

SONDAGEM VESICAL DEMORA FEMININA

SONDAGEM VESICAL DEMORA FEMININA SONDAGEM VESICAL SONDAGEM VESICAL DEMORA FEMININA MATERIAL: Bandeja com pacote de cateterismo vesical; Sonda vesical duas vias(foley) de calibre adequado (em geral n. 14); Xylocaína gel, gazes, luvas estéreis;

Leia mais

SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS

SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS Orivaldo Rodrigues de Oliveira 1 ; Francisca Elda Ferreira Dias 2 ; Andréa Azevedo Pires de Castro 3. 1 Aluno do

Leia mais

Procedimentos Técnicos NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR

Procedimentos Técnicos NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Versão: 1 Pg: 1/6 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Ivo Fernandes Sobreiro Gerente da Qualidade 01/09/2009 DE ACORDO Renato de Lacerda Diretor Técnico 05/09/2009 APROVADO POR Jose Carlos Santos

Leia mais

Biotecnologias Reprodutivas em Felinos. Profa.Dra. Maria Denise Lopes. denise@fmvz.unesp.br

Biotecnologias Reprodutivas em Felinos. Profa.Dra. Maria Denise Lopes. denise@fmvz.unesp.br Biotecnologias Reprodutivas em Felinos Profa.Dra. Maria Denise Lopes. denise@fmvz.unesp.br INTRODUÇÃO Cães e gatos além de considerados animais de estimação são também modelos comparativos importantes

Leia mais

SISTEMA DE BIOTECNOLOGIAS DE TE E FIV MANUAL

SISTEMA DE BIOTECNOLOGIAS DE TE E FIV MANUAL SISTEMA DE BIOTECNOLOGIAS DE TE E FIV MANUAL Sumário 1. Acesso ao sistema... 4 1.1. Acesso Direto... 4 1.2. Pelo site da ABCZ... 4 2. Cadastro de Veterinários... 4 2.1. Termo de Responsabilidade... 5 2.1.1.

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

AUDITORIA EM ENFERMAGEM. UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes

AUDITORIA EM ENFERMAGEM. UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes AUDITORIA EM ENFERMAGEM UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes Conceito AUDITORIA é uma avaliação sistemática e formal de

Leia mais

ASPY. Micropipetas Mecânicas. Manual de Operação

ASPY. Micropipetas Mecânicas. Manual de Operação ASPY Micropipetas Mecânicas Manual de Operação ÍNDICE 1. As Pipetas Aspy 3 2. Seleção de Volume (Controladores Variáveis) 3 3. Controlador de Volume Fixo 4 4. Operação 4 5. Ejeção da Ponteira 4 6. Antes

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA TIPAGEM ABO/Rh EM GEL CENTRIFUGAÇÃO

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL FÊMINA LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA TIPAGEM ABO/Rh EM GEL CENTRIFUGAÇÃO 1. Sinonímia: POP n.º: B21 Página 1 de 12 GRUPO SANGÜÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: AB 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HF. 3. Aplicação clínica: Determinação do grupo

Leia mais

4027 Síntese de 11-cloroundec-1-eno a partir de 10-undecen-1-ol

4027 Síntese de 11-cloroundec-1-eno a partir de 10-undecen-1-ol 4027 Síntese de 11-cloroundec-1-eno a partir de 10-undecen-1-ol OH SOCl 2 Cl + HCl + SO 2 C 11 H 22 O C 11 H 21 Cl (170.3) (119.0) (188.7) (36.5) (64.1) Classificação Tipos de reações e classes das substâncias

Leia mais

GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO

GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO GAMETOGÊNESES O processo de formação de gametas, na maioria dos animais, se dád através s da meiose e recebe a denominação de gametogênese..

Leia mais

ESPERMOGRAMA e BANCO DE SÊMEN BS-HIAE

ESPERMOGRAMA e BANCO DE SÊMEN BS-HIAE ESPERMOGRAMA e BANCO DE SÊMEN BS-HIAE ESPERMOGRAMA! COLETA DO SÊMEN! ANÁLISE MACROSCÓPICA! ANÁLISE MICROSCÓPICA! ANÁLISE DA VITALIDADE! ANÁLISE MORFOLÓGICA! ANÁLISE DAS CÉLULAS REDONDAS! ANÁLISE BIOQUÍMICA!

Leia mais

ENVIO DE AMOSTRAS. Envio de amostras de sangue e medula óssea

ENVIO DE AMOSTRAS. Envio de amostras de sangue e medula óssea ENVIO DE AMOSTRAS Os requerimentos específicos para cada exame são fornecidos na lista alfabética da Tabela de Diretório de Exames Online. Para cada exame, são descritos o tipo de amostra, volumes mínimos,

Leia mais

ScanGel ScanBrom 86445 12 ml

ScanGel ScanBrom 86445 12 ml ScanGel ScanBrom 86445 12 ml BROMELINA PARA TESTE DE COMPATIBILIDADE IVD Todos os produtos fabricados e comercializados pela empresa Bio-Rad são submetidos a um sistema de garantia de qualidade, desde

Leia mais

Manual de Procedimentos Laboratório de Reprodução Assistida

Manual de Procedimentos Laboratório de Reprodução Assistida Red Latinoamericana De Reproducción Asistida... Manual de Procedimentos Laboratório de Reprodução Assistida 2006 1 2... CRÉDITOS... Este documento foi preparado por:... Dr. Ariel Ahumada (Chile) Dr. Santiago

Leia mais

AL 0.1 10º ano Separar e purificar DESSALINIZAÇAO DE ÁGUA SALGADA

AL 0.1 10º ano Separar e purificar DESSALINIZAÇAO DE ÁGUA SALGADA Projeto Ciência Viva INTRODUÇÃO À QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO AL 0.1 10º ano Separar e purificar DESSALINIZAÇAO DE ÁGUA SALGADA 1. REAGENTES Reagentes - Solução

Leia mais

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro ANTI- 1 Manual CAMBRIDGE BIOTECH -1 POP: BM 05 Página 1 de 7 1. Sinonímia ANTI, TESTE CONFIRMATÓRIO. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos e técnicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica Os testes

Leia mais

Para utilizar na preparação e isolamento de linfócitos purificados directamente a partir de sangue total FOLHETO INFORMATIVO

Para utilizar na preparação e isolamento de linfócitos purificados directamente a partir de sangue total FOLHETO INFORMATIVO Para utilizar na preparação e isolamento de linfócitos purificados directamente a partir de sangue total FOLHETO INFORMATIVO Para Utilizar no Diagnóstico In Vitro PI-TT.610-PT-V5 Informação sobre o produto

Leia mais

Determinação de Lipídios em Leite Fluido pelo Método de Gerber

Determinação de Lipídios em Leite Fluido pelo Método de Gerber Página 1 de 7 1 Escopo Este método tem como objetivo descrever os procedimentos para o ensaio Determinação de Lipídios em Leite Fluido pelo Método de Gerber. É aplicável para leite fluido in natura ou

Leia mais

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR Engenharia Molecular Kit Autossômico GEM EM-22plex sem extração Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR 1. Introdução STRs (short tandem repeats) são sequências repetitivas de 3 a 7 pares de bases encontradas

Leia mais

FARMACOPEIA MERCOSUL: MÉTODO GERAL PARA A DETERMINAÇÃO DA FAIXA OU TEMPERATURA DE FUSÃO

FARMACOPEIA MERCOSUL: MÉTODO GERAL PARA A DETERMINAÇÃO DA FAIXA OU TEMPERATURA DE FUSÃO MERCOSUL/XLII SGT Nº 11/P.RES. Nº /14 FARMACOPEIA MERCOSUL: MÉTODO GERAL PARA A DETERMINAÇÃO DA FAIXA OU TEMPERATURA DE FUSÃO TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Resolução

Leia mais

Determinação de bases voláteis totais em pescados por acidimetria

Determinação de bases voláteis totais em pescados por acidimetria Página 1 de 8 1 Escopo Este método tem por objetivo determinar o teor de bases voláteis totais em pescados, indicando o seu grau de conservação. 2 Fundamentos As bases voláteis totais (N-BVT) compreendem

Leia mais

Manual Descritivo para Construção do ASBC

Manual Descritivo para Construção do ASBC Manual descritivo para construção do ASBC 1 Felipe Marques Santos Manual Descritivo para Construção do ASBC (Aquecedor Solar de Baixo Custo) Coordenador: Prof. Dr. Rogério Gomes de Oliveira 2 Manual descritivo

Leia mais

vacina? se produz uma

vacina? se produz uma Como vacina? se produz uma A tecnologia Este é o Instituto Butantan, o maior produtor de vacinas e soros da América Latina e cujo maior cliente atualmente é o Ministério da Saúde. Já a tecnologia original

Leia mais

Tipos de óvulos: os óvulos possuem uma substancia de reserva nutritiva chamada vitelo, de acordo com a quantidade e a distribuição do vitelo, os

Tipos de óvulos: os óvulos possuem uma substancia de reserva nutritiva chamada vitelo, de acordo com a quantidade e a distribuição do vitelo, os Embriologia Embriologia é a parte da Biologia que estuda as transformações que se processa no embrião, desde a formação da célula-ovo até o nascimento. Tipos de óvulos: os óvulos possuem uma substancia

Leia mais

ESPERMOGRAMA. Ângela Maria A. Silva Madureira

ESPERMOGRAMA. Ângela Maria A. Silva Madureira ESPERMOGRAMA Ângela Maria A. Silva Madureira 85 ESPERMOGRAMA Fundamenta-se na analise qualito-quantitativa de um plasma seminal, a fim de que seja possível elucidar se um caso de esterilidade ocorre ou

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA POP n.º: B111 Página 1 de 8 1. Sinonímina: Eletroforese de Hemoglobina em ph ácido. 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de Bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação Clínica: A eletroforese de hemoglobina

Leia mais

PT-700. Manual de Instruções

PT-700. Manual de Instruções PT-700 Manual de Instruções Parabéns!!! Você acaba de adquirir um produto para a sua segurança e conforto com a ótima qualidade Protection. O Alarme para Piscina Protection, PT-700, foi desenvolvido para

Leia mais

7. SEÇÃO DE MICOLOGIA

7. SEÇÃO DE MICOLOGIA 7. SEÇÃO DE MICOLOGIA 7.1 Orientações gerais de coleta e transporte das amostras em relação ao exame solicitado EXAMES MATERIAL BIOLÓGICO ONDE COLHER Pele, couro cabeludo, unha, cabelo em placa de Petri

Leia mais

SUCTRON PRATIC SUCTOR DE ALTA POTÊNCIA BOMBA DE VÁCUO MANUAL DO PROPRIETÁRIO PERIFÉRICOS ODONTOLÓGICOS WWW.SCHUSTER.IND.BR

SUCTRON PRATIC SUCTOR DE ALTA POTÊNCIA BOMBA DE VÁCUO MANUAL DO PROPRIETÁRIO PERIFÉRICOS ODONTOLÓGICOS WWW.SCHUSTER.IND.BR SUCTRON PRATIC SUCTOR DE ALTA POTÊNCIA BOMBA DE VÁCUO MANUAL DO PROPRIETÁRIO PERIFÉRICOS ODONTOLÓGICOS WWW.SCHUSTER.IND.BR 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. INTRODUÇÃO... 3 3. TERMOS DE GARANTIA... 3 4. ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE CÉLULAS E TECIDOS GERMINATIVOS (BCTG)

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE CÉLULAS E TECIDOS GERMINATIVOS (BCTG) Guia de inspeção BCTG GETOR/GGSTO/ANVSA Versão 1 Nov 2012 ROTERO DE NSPEÇÃO EM BANCO DE CÉLULAS E TECDOS GERMNATVOS (BCTG) Período da inspeção: Equipe de inspeção NFORMAÇÕES GERAS Tipo de nspeção: Licença

Leia mais

ANTI IgG (Soro de Coombs)

ANTI IgG (Soro de Coombs) ANTI IgG (Soro de Coombs) Soro Anti Gamaglobulinas Humanas PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar

Leia mais

Guia de administração para os doentes pediátricos dirigido aos cuidadores. Leia este guia antes de administrar a injeção à sua criança.

Guia de administração para os doentes pediátricos dirigido aos cuidadores. Leia este guia antes de administrar a injeção à sua criança. Humira Guia de administração para os doentes pediátricos dirigido aos cuidadores Leia este guia antes de administrar a injeção à sua criança. Mantenha o medicamento no frigorífico (a uma temperatura entre

Leia mais

3.1 Determinação do Teor de Ácido Ascórbico e de Ácido Cítrico no

3.1 Determinação do Teor de Ácido Ascórbico e de Ácido Cítrico no Capítulo 3 Procedimento Experimental. CAPÍTULO 3 PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Resíduo 3.1 Determinação do Teor de Ácido Ascórbico e de Ácido Cítrico no O primeiro passo foi à preparação das soluções necessárias

Leia mais

CICLO OVARIANO. Estas alterações estão sob influencia dos hormônios gonadotrópicos da hipófise anterior.

CICLO OVARIANO. Estas alterações estão sob influencia dos hormônios gonadotrópicos da hipófise anterior. CICLO OVARIANO Formado por várias alterações em um ovário, os quais se repetem a intervalos mensais Estas alterações estão sob influencia dos hormônios gonadotrópicos da hipófise anterior. Principais fases

Leia mais

CONDUTAS EM CASOS SUPEITOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE SRAG Espécimes clínicos procedentes de casos suspeitos

CONDUTAS EM CASOS SUPEITOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE SRAG Espécimes clínicos procedentes de casos suspeitos Centro Nacional de Epidemiologia Elenice Deffune www.hemocentro.fmb.unesp.br CONDUTAS EM CASOS SUPEITOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE SRAG Espécimes clínicos procedentes de casos suspeitos O agente

Leia mais