CONHEÇA GRAFOS: INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONHEÇA GRAFOS: INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO"

Transcrição

1 CONHEÇA GRAFOS: INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Jorge Bria (UFF) Introdução O tema grafos nada tem a ver com gráficos, é tema inédito no país para fins da Educação Básica, é desconhecido da maioria dos professores de todos os níveis, sua aplicabilidade possui abrangência realmente impressionante com ênfase em modelagem (em inúmeras áreas do conhecimento humano, diversificadas situações-problema de nosso próprio dia-a-dia, jogos em geral...), exerce forte atração sobre quem passa a conhecê-lo e vem como luva ao encontro de nossos PCN: interdisciplinaridade, transversalidade, contextualização Este minicurso motiva-se a partir da tese de doutorado e do projeto de extensão, com respectivos títulos Grafos no Ensino Fundamental e Médio: Matemática, Interdisciplinaridade e Realidade (COPPE/UFRJ, junho/2001) e Propondo GRAFOS, novo tópico matemático fortemente interdisciplinar para Educação Básica (UFF, 2002 a 2004), de autoria e coordenação do Prof. Jorge Bria. Nos últimos meses de execução em 2003 do referido projeto de extensão, nossa equipe desenvolveu, entre outros, um texto-questionário (predominantemente, de divulgação e sondagem) sobre a proposta geral Grafos para Educação Básica, essencialmente escrito sob minha orientação pelas alunas do Curso de Graduação em Matemática Camila Matheus Rodrigues da Silva, Daniele Paula Costa e Márcia Maria Martins, material este que foi enviado a aproximadamente 200 professores, de inúmeros municípios do estado do Rio de Janeiro, dos quais já tínhamos recebido retorno (até a época da digitação deste texto de minicurso, em janeiro/2004) de quase 100 destes profissionais mostrando, além de registros muito positivos sobre o tema, interesse em participarem de oficinas que nos propúnhamos a dinamizar a respeito ao longo da

2 2 renovação de execução do projeto em A seguir, reproduzimos síntese do parágrafo de apresentação de tal texto-questionário: De uso já consagrado em Engenharia de Produção, mas ainda não explorado no ensino da Matemática na Escola e desconhecido da maioria dos professores, foi tema proposto na tese de doutorado (COPPE/UFRJ, 2001) do Prof. Jorge Bria, de quem somos orientandas formais no projeto Propondo Grafos, um novo tópico matemático fortemente interdisciplinar para Educação Básica, da UFF, onde cursamos a licenciatura em Matemática. A tese, de título Grafos no Ensino Fundamental e Médio: Matemática, Interdisciplinaridade e Realidade, traz depoimentos manuscritos de apoio à proposta de 61 professores de 17 municípios RJ julgando o tema adeqüável às várias séries do Ensino Fundamental e Médio, fizemos experimentos com gratificante retorno nas 6ª e 8ª séries em escolas públicas e particulares (Cantagalo, São João de Meriti e Niterói) e recente trabalho de apresentação/divulgação da proposta foi publicado nos anais da XI CIAEM - Conferência Interamericana de Educação Matemática (Blumenau- SC, julho/2003). Viemos convidá-lo(la) para inteirar-se mais do assunto, lendo breve exposição que preparamos, devolvendo-nos preenchida o mais breve possível a Ficha de Manifestação Inicial de Interesse em anexo (sem qualquer compromisso no momento) e, talvez gostaríamos muito!!!, participando conosco, para o que depois o(a) convidaremos, de ações conjuntas como novas leituras, encontros, oficinas, trabalhos com seus alunos, divulgação...

3 3 Algumas áreas ou contextos em que se já se podem encontrar aplicações dos grafos roteiros de passeio ou viagem moléculas químicas plantas de imóveis redes elétricas Ciências Sociais árvore da vida organogramas árvores de procedimentos computacionais telecomunicações: alocação de freqüências Lingüística árvores de possibilidades, decisão... estruturas rígidas (Engenharia Civil) Arqueologia códigos alocação de horários, atividades jogos: dominó, xadrez, baralho, da velha... Psicologia do desenvolvimento Genética Ecologia Música jogos de quebra-cabeça demanda de energia elétrica minimização de caminhos em geral distribuição de serviços: água, luz, gás, telefone circuitos impressos (componentes eletrônicos) análise ou coloração de mapas organização de tráfego trajetos ótimos: vendedor, carteiro, caminhão de lixo saídas de labirintos instalações: mecânicas, hidráulicas, elétricas, a cabo organização de campeonatos combinatória, probabilidades, matrizes, poliedros... Alguns dos 61 depoimentos de professores (17 municípios RJ) apoiando a proposta Este conteúdo é tão significativo e com lógica tão profunda... Deveria ser abordado desde a pré-escola (com didática toda especial) e, assim, estaríamos os estimulando desde pequenos a raciocínios criativos Um caminho para o desenvolvimento da nova era Educação Matemática

4 4 Muito interessante Eu usava e não sabia Os alunos adoram criar suas próprias estratégias de resolução de problemas... Grafos possibilitariam partir das estratégias dos alunos. Quando introduzidas noções de Combinatória, por que não usar grafos? O tema favorece aplicações interdisciplinares, além de permitir o trabalho com o lado lúdico, o que ajuda na motivação e interesse pelo assunto. Parece-me também o tema poder favorecer o desenvolvimento de projetos em cima de modelagem de problemas Seria oportuno e produtivo trabalhando com a realidade de cada região Sim... Sou professor, técnico em eletrotécnica, faço projetos elétricos. Agora vejo que sempre lidei com grafos, pois os circuitos elétricos sempre são ramificados Grande valia em Educação Artística... Em tecelagens em cores variadas (pregos trançando fios). Nada mais são do que grafos onde pregos são vértices, fios são arestas É o tipo de trabalho que estimula muito o raciocínio, a criatividade, e isso é importante nos dias atuais, já que temos uma carência nesses aspectos Deveria ser aplicado a partir do 1 o segmento do Ensino Fundamental, para que o gosto e a prática da Matemática fosse constante desde a época da infância Pode ser abordado da 1 a à 8 a séries do Fundamental até o Ensino Médio, em situações-problema, auxiliando-os a elaborar suas estratégias de raciocínio A partir da 5 a série... Ensinaríamos grafos junto com o estudo do mapa do Brasil Nunca tinha pensado em traduzir problemas dessa forma... Esse tema traria reviravolta nessas séries Como probabilidade e estatística, o tema dá oportunidade da realização de problemas do dia-a-dia Depoimentos de alunos da 8ª série (escola pública, Cantagalo-RJ) no Estudo de Caso da tese, e exatamente dos que, no início dos experimentos, haviam registrado Matemática como a disciplina de seu menor interesse ou maior dificuldade Gostei muito, foi um jeito muito melhor de aprender, estimula a querer aprender um pouco mais A aula foi ótima! É muito fácil fazer os grafos

5 5 A aula foi muito interessante, criativa, consegui entender melhor os enunciados das questões Achei legal esse ensino mais fácil de entender O que é um grafo? Problema 1: A figura 1 mostra diagrama representando (forma ou escala exatas não importam) 9 estradas de certa região, onde A, B, C, D, E, F e G são cidades. Partindo de A, e sabendo que tais estradas são de mão dupla (nos dois sentidos), é possível visitarmos todas as outras cidades, sem repetirmos nenhuma, terminando tal viagem rodoviária justamente na cidade de partida (não considere isto uma repetição)? B A G C D Figura 1 E F Modelagem/resolução: Basta-nos aqui rápida inspeção visual para chegarmos à resposta... Possível!!! A ordenação ACEGBFDA nos dá roteiro de viagem que satisfaz às exigências impostas pelo enunciado. Conceitos em grafos: Ao que antes chamamos diagrama dizemos agora tratar-se de um grafo. O grafo da figura 1, em particular, possui 7 vértices (representando as cidades A, B, C, D, E, F e G) e 9 arestas (as estradas). Ao representarmos a situação-problema dessa forma (enfatizamos: não são importantes forma ou comprimento das linhas que expressam arestas), estamos fazendo modelagem em grafos da questão proposta, concebendo um grafo-modelo à mesma. O leitor deve perceber que, certamente, já desenhou grafos por inúmeras vezes em sua vida!!! Passemos a outros conceitos úteis e bem simples... Diz-se que a aresta AB, por exemplo, é incidente nos vértices A e B; uma seqüência contínua de arestas, do tipo CEGBF, é dita um percurso (conectando os vértices C e F); grau de um vértice é o número de arestas nele incidentes (os vértices

6 6 A, B, C, D, E, F e G possuem graus, respectivamente, iguais a 3, 4, 3, 2, 2, 2 e 2). Há generalizações do conceito de grafo que acabamos de apresentar: grafos com arestas múltiplas (permitida a existência de mais de uma linha ligando dois vértices), digrafos (grafos direcionados ou orientados; a cada linha é atribuído um sentido), grafos valorados (a cada linha é atribuído um valor numérico). Assim, no Problema 1 (possivelmente, também, alterando ou acrescentando questões), o grafo-modelo seria um digrafo caso algumas estradas fossem de mão única; um grafo com arestas múltiplas seria utilizado se houvesse mais de uma estrada ligando duas cidades; um grafo valorado seria escolhido se o problema levasse em consideração alguma valorização quantitativa a atribuir-se a cada estrada (valor numérico representando distância, nível de dificuldade ou risco de passagem por tal estrada, número de pontos turísticos interessantes, etc). O problema precursor do estudo dos grafos!!! Os grafos vêm do século XVIII. A idéia de representarmos objetos através de pontos (vértices) e, fixada determinada relação a ser satisfeita por alguns pares desses objetos, sempre ligarmos dois vértices relacionados por meio de uma ou mais linhas (arestas), isto é, a idéia original dos grafos, nasceu a partir de um problema precursor (Euler, ), que agora reproduzimos. Problema 2: Havia um rio com duas ilhas A e B. Rotulando as duas margens do rio, respectivamente, por C e D, tínhamos 7 pontes; uma ligando as ilhas A e B, duas de A até a margem C, duas de A até a margem D, uma de B a C e a outra de B a D (mapa na figura 2). Era possível, partindo-se de qualquer uma dessas quatro regiões, margem ou ilha, atravessarmos as sete pontes sem repetirmos nenhuma? Modelagem/resolução: O leitor não encontrará dificuldade de fazê-las (serão imediatas!!!) após a leitura, por exemplo, da resolução do problema 4, explicada no início da folha 5. C A B Figura 2 D

7 7 Dois exemplos de situações-problema com resolução por modelagem em grafos Problema 3: João e Paulo são conhecidos um do outro, Ana, Dalva, Henrique e Paulo, todos estes, conhecem-se entre si também. Mas Ana, Lucas e Maria, dentre estas três pessoas, nenhuma conhece as outras duas. Já Lucas e João conheceram-se há muito tempo numa excursão da escola, tornando-se até grandes amigos. Aproveitando os pontos assinalados na figura 3 (cada ponto representa uma dessas pessoas, levando a letra inicial de seu nome), obtenha o grafo que modela a situação descrita ligando dois pontos somente quando estes representarem pessoas que se conhecem. Feito isto, e apenas visualizando o grafo-modelo obtido, responda: (a) Dentre estas, qual a mais popular, isto é, a que conhece e é conhecida por mais pessoas desse grupo?; (b) E qual a pessoa mais deslocada no grupo? Observação: note-se que, para cada pessoa X, o número de outras que ela conhece e pelas mesmas é conhecida será, evidentemente, o grau do vértice que a representa no grafo-modelo obtido. J P M A Figura 3 L D H Problema 4: Um carteiro, deslocado para trabalhar noutra região (figura 4) da cidade, quer descobrir percurso para entrega da correspondência diária em que, saindo do posto dos Correios, passe por todas as ruas, nunca passe por trecho de rua pelo qual já tenha passado e, quando da entrega pela última rua, já esteja voltando ao posto inicial. Para tal região, isto é possível? Posto dos Correios Figura 4

8 8 Modelagem/resolução: Com esquinas representadas por vértices, e cada trecho (entre duas esquinas) de rua por uma aresta, a figura 5 nos dá o grafo-modelo do problema. H A O ponto A está representando o posto dos Correios B F Figura 5 G C D E Desta vez, no entanto, para resolver o Problema 4 com base em seu grafo-modelo, vamos recorrer a um resultado da Teoria dos Grafos, bastante simples de aplicar-se por sinal: Existe percurso que passa por todas as arestas de um grafo sem repetir nenhuma se, e somente se, o grafo possui todos os vértices de grau par ou exatamente dois vértices de grau ímpar; no primeiro caso, os vértices inicial e final do percurso coincidem; no segundo, os vértices de grau ímpar são os inicial e final do percurso. Com este resultado, passa a ser imediata a Resposta ao Problema 4: Em seu grafo-modelo (figura 5), os graus de todos os vértices são pares! Portanto, a resposta é Sim... Para sua nova região, é possível um percurso como quer o carteiro. Voltando ao problema 2 precursor dos grafos (final da página 3), e concebendo o grafo-modelo com cada margem ou ilha sendo representada por um vértice, e com uma aresta para cada ponte, conclui-se a resposta Impossível!!! Aliás, em tal grafo, chega até a ocorrer todos os vértices terem grau ímpar. Algumas contribuições importantes dos grafos para a Educação Básica: Representação do conhecimento em geral e forte exercício da modelagem matemática Ambiente propício para didática por resolução de problemas, jogos... Reconhecimento de estruturas similares de situações-problema em contextos distintos Transporte de estratégias de pensamento em situações-problema de estruturas similares

9 9 Desenvolvimento da organização do raciocínio, raciocínio lógico... Priorização do ato de pensar em vez de decorar, repetir, condicionar-se Desenvolvimento da capacidade do aprender a aprender (o novo), rumo à autonomia Boas possibilidades de abordagens computacionais (opcional), adeqüáveis a várias faixas etárias Interdisciplinaridade, transversalidade e contextualização Maior poder de atração da Matemática sobre os educandos em geral, independentemente das áreas ou matérias em que se concentrem seus maiores interesses ou afinidades Matemática para não (necessariamente) matemáticos... Matemática para todos!!! Grafos aplicam-se muito à modelagem de situações-problema em jogos!!! Problema 5: Apenas com as pedras 0-1, 0-3, 0-6, 1-1, 1-2, 1-4, 2-3, 3-3, 3-4, 3-6, 4-4, 4-5, 4-6 e 5-6 de um dominó, é possível dispô-las seqüencialmente da forma usual em tal jogo? Se possível, qualquer seqüência-resposta seria, evidentemente, do tipo expresso na figura 6, não necessariamente na ordem em que na mesma estão sendo vistas. Caso sua resposta seja SIM, registre ainda que números estariam ocupando as extremidades (isto é, qual o primeiro número da primeira pedra e o último da última pedra) de uma possível seqüência-resposta.? ? Figura 6 Estratégia inicial simplificadora da modelagem e resolução: Desconsiderar pedras de números repetidos (1-1, 3-3 e 4-4). Claro que, uma vez achada uma possível seqüênciaresposta com as outras pedras, bastará depois inserir as três pedras inicialmente retiradas em posições adeqüadas, como se vê feito com a pedra 1-1 na figura 6. Assumindo já tal estratégia, então (sem as pedras 1-1, 3-3 e 4-4), passemos à

10 10 Modelagem/resolução: Tomemos como vértices 0, 1, 2, 3, 4, 5 e 6 (são todos os números do dominó!) e, como arestas, somente as conexões (ligações entre vértices) 01, 03, 06, 12, 14, 23, 34, 36, 45, 46 e 56 que correspondem, precisamente, a todas as pedras disponíveis, assim obtendo o grafo-modelo da figura 7. O leitor não deve estar tendo dificuldades para notar que a questão original prática existe uma seqüênciaresposta possível num jogo de dominó estando disponíveis apenas tais pedras? traduzse, à linguagem dos grafos, como o grafo-modelo da figura 7 possui algum percurso que passe por todas as arestas sem repetição de nenhuma?. Mas tal grafo possui só os vértices 0 e 1 com grau ímpar!!! Ainda pelo resultado do início desta folha, portanto, este grafo admite tal percurso (desde que se inicie em 0 e termine em 1, ou vice-versa)... Por exemplo, o percurso (acompanhe-o na figura 7) que, agora traduzido de volta à linguagem do dominó, expressa-se como na figura 8, já incluídas ao final as três pedras 1-1, 3-3 e 4-4 inicialmente retiradas... Resposta final: SIM, é possível!!! Figura Figura 8 Atenção... Importante!!! No problema 11 da lista que se segue, finalizando este texto, para mostrar que é possível fechar (entenda bem o sentido deste fechar!!!) o jogo de dominó completo, proceda rigorosamente segundo a estratégia de modelagem que acabamos de utilizar. O grafo-modelo obtido, no entanto, terá todos os seus vértices

11 11 com grau par e, assim, pelo mesmo resultado de que já nos valemos, existirá um tal percurso-resposta sem repetição de nenhuma aresta... Só que, desta vez, em tal percurso, volta-se ao vértice inicial de partida, que é exatamente o que faz com que se possa, não só montar seqüencialmente todo o conjunto das pedras mas, além disso, fazê-lo de forma a fechá-lo, isto é, pondo-se a extremidade final da última pedra encostada na extremidade inicial da primeira pedra. Enunciados de alguns outros problemas modeláveis em grafos (no Problema 10, o famoso resultado conhecido como o Teorema das 4 Cores) 6. Sonhos, Acordados, Bem Querer e Felicidade são cidades de país bem próximo. Duas das estradas existentes levam-nos de Sonhos a Acordados, cinco de Acordados a Bem Querer e três de Bem Querer à Felicidade. De quantos modos podemos ir de Sonhos à Felicidade? 7. Quer-se oferecer em congresso minicursos M1, M2, M3, M4, M5, M6, M7. A cada dia, sessões de todos os minicursos, cada um em horário fixo: 8:00/9:30, 9:30/11:00, 11:00/12:30, 14:30/16:00 ou 16:00/17:30 horas. Não devem coincidir horário: M1 com M3, M4, M6 e M7; M2 com M3, M5 e M7; M3 com M1, M2, M5, M6 e M7; M4 com M1, M5, M6 e M7; M5 com M2, M3, M4 e M7; M6 com M1, M3 e M4; M7 com M1, M2, M3, M4 e M5. Todos os minicursos podem ser oferecidos? Qual é o número mínimo de horários fixos para minicursos? Exiba quadro de horários com tal mínimo. 8. Versos do grande poeta brasileiro Carlos Drummond de Andrade: João amava Teresa, que amava Raimundo, que amava Maria, que amava Joaquim, que amava Lili, que não amava ninguém. Represente graficamente (modelagem em grafos!!!) a situação descrita. 9. O problema das 3 casas e dos 3 serviços: Se temos três casas I, II e III e três fontes de serviço E (eletricidade), G (gás) e A (água), é possível levar todos estes serviços às três casas satisfazendo-se simultaneamente as três condições que se seguem?... Condições: (a) para cada casa, um tubo de cada serviço; (b) tais nove tubos passando todos abaixo do chão; (c) não haver nenhum cruzamento entre dois tubos, nem mesmo em níveis diferentes de profundidade (um abaixo do outro). 10. Dado qualquer mapa de país com 6 regiões (estados, por exemplo), de quantos modos podemos colori-las com 5 cores disponíveis de forma que regiões vizinhas nunca levem a mesma cor? Para todo mapa (sejam quantas forem suas regiões componentes),

12 12 qual o número de cores com que, garantidamente, podemos colori-lo obedecendo à restrição citada? Como resposta a esta última questão, enunciamos agora o famoso Teorema das 4 Cores: todo mapa (sejam quantas forem suas regiões componentes!!!) pode ser colorido com, no máximo, 4 cores, de modo que regiões com fronteira entre si levem cores diferentes. 11. É possível fechar o jogo de dominó completo, isto é, dispor todas as suas pedras, como usualmente, coincidindo o último número da última pedra com o primeiro da primeira pedra? Palavras-chaves 1. Grafos 2. Modelagem 3. Interdisciplinaridade Sobre bibliografia sugerida Extensa listagem de bibliografia recomendada será distribuída aos participantes por ocasião da própria dinamização do minicurso, não tendo nenhuma obra sido aqui incluída em possível lista de Referências Bibliográficas simplesmente pelo fato de propositadamente não terem sido feitas, ao longo do presente texto, citações e/ou indicações em número suficiente e/ou em forma padrão, por opção do próprio autor. A vasta bibliografia recomendada a ser divulgada oportunamente incluirá, de forma predominante, obras nas seguintes linhas ou relacionáveis aos seguintes contextos: grafos (teoria e/ou aplicações) modelagem no ensino interdisciplinaridade, transversalidade e contextualização resolução de problemas jogos legislação educacional brasileira (LDB, PCN...) outros tópicos (de aplicação específica) em Educação Matemática Educação em geral (textos selecionados tipo referenciais para este trabalho)

MATEMÁTICA EM TODA PARTE II

MATEMÁTICA EM TODA PARTE II MATEMÁTICA EM TODA PARTE II Episódio: Matemática na Cidade Resumo O Episódio Matemática na Cidade, o segundo da série Matemática em Toda Parte II, vai abordar situações envolvendo fluxo e movimento nas

Leia mais

Prof. Bruno Holanda - Semana Oĺımpica 2011 - Nível 1. Teoria dos Grafos

Prof. Bruno Holanda - Semana Oĺımpica 2011 - Nível 1. Teoria dos Grafos Prof. Bruno Holanda - Semana Oĺımpica 0 - Nível Teoria dos Grafos O que é um grafo? Se você nunca ouviu falar nisso antes, esta é certamente uma pergunta que você deve estar se fazendo. Vamos tentar matar

Leia mais

BRINCANDO COM GRÁFICOS E MEDINDO A SORTE

BRINCANDO COM GRÁFICOS E MEDINDO A SORTE BRINCANDO COM GRÁFICOS E MEDINDO A SORTE Elizabeth Pastor Garnier SEE/RJ Pedro Carlos Pereira - FAETEC Projeto Fundão IM/UFRJ Os Parâmetros Curriculares Nacionais propõem a introdução do tópico Tratamento

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL

ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL André Luis Trevisan Universidade Tecnológica Federal do Paraná andrelt@utfpr.edu.br Magna Natalia Marin Pires Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

Roteamentos AULA ... META. Introduzir alguns problemas de roteamento. OBJETIVOS. Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de:

Roteamentos AULA ... META. Introduzir alguns problemas de roteamento. OBJETIVOS. Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de: Roteamentos AULA META Introduzir alguns problemas de roteamento. OBJETIVOS Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de: Distinguir circuito euleriano e ciclo hamiltoniano; Obter um circuito euleriano

Leia mais

A TEORIA DOS GRAFOS NA ANÁLISE DO FLUXOGRAMA DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFF

A TEORIA DOS GRAFOS NA ANÁLISE DO FLUXOGRAMA DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFF RELATÓRIOS DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, v.13, Série B. n.3, p. 20-33. A TEORIA DOS GRAFOS NA ANÁLISE DO FLUXOGRAMA DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UFF Pedro Henrique Drummond Pecly Universidade

Leia mais

Alguns exemplos de problemas resolvidos

Alguns exemplos de problemas resolvidos Alguns exemplos de problemas resolvidos Partilhamos contigo alguns problemas e respetivas resoluções que selecionámos, para ilustrar todo este desafiante processo de resolução de problemas. Vais reparar

Leia mais

Trabalho 3 Scratch na Escola

Trabalho 3 Scratch na Escola Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade de Coimbra Departamento de Matemática Trabalho 3 Scratch na Escola Meios Computacionais de Ensino Professor: Jaime Carvalho e Silva (jaimecs@mat.uc.pt)

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL José Euriques de Vasconcelos Neto (UFCG); Dennis Cláudio Ferreira (UFCG) Resumo O atual sistema educacional tem buscado

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugerimos, para elaborar a monografia de TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), que o aluno leia atentamente essas instruções. Fundamentalmente,

Leia mais

Teoria dos Grafos. Edson Prestes

Teoria dos Grafos. Edson Prestes Edson Prestes Complemento de Grafos Mostre que para qualquer Grafo G com 6 pontos, G ou possui um triângulo Considere um vértice v de V(G). Sem perda de generalidade, podemos assumir v é adjacente a outros

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Primeiro grau Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ Resumo: Notas de

Leia mais

O Ensino de Matemática na Educação Infantil

O Ensino de Matemática na Educação Infantil Débora de Oliveira O Ensino de Matemática na Educação Infantil No Brasil, desde 1996, a Educação Infantil é considerada a primeira etapa da educação básica e tem como guia de reflexão de cunho educacional

Leia mais

REVISTA PARA RELATOS DE EXPERIÊNCIA E ARTIGOS DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E EXTENSIONISTAS

REVISTA PARA RELATOS DE EXPERIÊNCIA E ARTIGOS DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E EXTENSIONISTAS REVISTA PARA RELATOS DE EXPERIÊNCIA E ARTIGOS DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E EXTENSIONISTAS INSTRUÇÕES AOS AUTORES 1 GERAIS: Originais: Os artigos e os relatos de experiência devem ser enviados exclusivamente

Leia mais

Aprenda como estudar em quatro etapas PORVIR

Aprenda como estudar em quatro etapas PORVIR ENG POR!FAZER POR?PENSAR POR+CRIAR POR PESSOAS POR:VIR DIÁRIO DE INOVAÇÕES WIKI DICAS BLOG DESTAQUE // POR?PENSAR 1 COMENTÁRIO // 10 TWEETS // 999 LIKES Aprenda como estudar em quatro etapas Educador Fábio

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA (CAp/UERJ) MATEMÁTICA ENSINO MÉDIO - PROF. ILYDIO SÁ CÁLCULO DE PROBABILIDADES PARTE 1

INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA (CAp/UERJ) MATEMÁTICA ENSINO MÉDIO - PROF. ILYDIO SÁ CÁLCULO DE PROBABILIDADES PARTE 1 1 INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA (CAp/UERJ) MATEMÁTICA ENSINO MÉDIO - PROF. ILYDIO SÁ CÁLCULO DE PROBABILIDADES PARTE 1 1. Origem histórica É possível quantificar o acaso? Para iniciar,

Leia mais

Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes

Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes Pág 4 Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes 1 APRESENTAÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR A unidade curricular de Lógica para a programação tem como objetivo promover o estudo dos principais

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ALUNO BOLSISTA SUBPROJETO DE 2011. 2 Semestre de 2011

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ALUNO BOLSISTA SUBPROJETO DE 2011. 2 Semestre de 2011 Ministério da Educação Secretaria de Educação Média e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS

NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS 1 NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS Este primeiro capítulo aborda conceitos elementares relacionados com bases de dados. Os conceitos abordados neste capítulo são necessários para trabalhar adequadamente

Leia mais

Exercícios Resolvidos sobre Parâmetros e tabelas de frequência

Exercícios Resolvidos sobre Parâmetros e tabelas de frequência Exercícios Resolvidos sobre Parâmetros e tabelas de frequência Apresentamos aqui uma série de exercícios nos quais destacamos o uso de parâmetros e tabelas de frequência. O conhecimento desses parâmetros

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM Fernanda Maura M. da Silva Lopes 1 Lorena Luquini de Barros Abreu 2 1 Universidade Salgado de Oliveira/ Juiz

Leia mais

A Turma da Tabuada 3

A Turma da Tabuada 3 A Turma da Tabuada 3 Resumo Aprender brincando e brincando para aprender melhor. É dessa forma que a turma da tabuada nos levará a mais uma grande aventura pelo mundo do espaço e das formas. Na primeira

Leia mais

Análise Combinatória. Prof. Thiago Figueiredo

Análise Combinatória. Prof. Thiago Figueiredo Análise Combinatória Prof. Thiago Figueiredo (Escola Naval) Um tapete de 8 faixas deve ser pintado com cores azul, preta e branca. A quantidade de maneiras que podemos pintar esse tapete de modo que as

Leia mais

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Edward Luis de Araújo edward@pontal.ufu.br Evaneide Alves Carneiro eva@pontal.ufu.br Germano Abud de Rezende germano@pontal.ufu.br

Leia mais

Traduzido e adaptado livremente pelo Prof. Dr. Eloi L. Favero (favero@ufpa.br)

Traduzido e adaptado livremente pelo Prof. Dr. Eloi L. Favero (favero@ufpa.br) Como organizar sua Tese, Dissertação, Monografia ou Artigo [A pesar do texto falar sobre uma tese de doutorado (ou dissertação de mestrado), a forma de estruturar logicamente um artigo técnico segue este

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

Lição 5. Instrução Programada

Lição 5. Instrução Programada Instrução Programada Lição 5 Na lição anterior, estudamos a medida da intensidade de urna corrente e verificamos que existem materiais que se comportam de modo diferente em relação à eletricidade: os condutores

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA CIENTÍFICA

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA CIENTÍFICA A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA CIENTÍFICA ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO Introdução O que é Pesquisa O que é Ciência Definições Ciência e Tecnologia Categorizações Ciência e eu QUAL O CURSO? Diante das várias possibilidades

Leia mais

Passeios de Euler e as pontes de Königsberg

Passeios de Euler e as pontes de Königsberg Passeios de Euler e as pontes de Königsberg João arlos V. Sampaio UFSar sampaio@dm.ufscar.br Königsberg era uma cidade da antiga Prússia, hoje chamada Kaliningrado, na atual Rússia. Na parte central de

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC TEXTO COMPLEMENTAR AULA 2 (15/08/2011) CURSO: Serviço Social DISCIPLINA: ORIENTAÇÕES DE TCC II - 8º Período - Turma 2008 PROFESSORA: Eva Ferreira de Carvalho Caro acadêmico, na Aula 2, você estudará Áreas

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

Poliminós e o Tabuleiro de Xadrez Prof. Onofre Campos (onofrecampos@secrel.com.br) Prof. Carlos Shine (cyshine@yahoo.com)

Poliminós e o Tabuleiro de Xadrez Prof. Onofre Campos (onofrecampos@secrel.com.br) Prof. Carlos Shine (cyshine@yahoo.com) Poliminós e o Tabuleiro de Xadrez Prof. Onofre Campos (onofrecampos@secrel.com.br) Prof. Carlos Shine (cyshine@yahoo.com) 1. O dominó Você já deve conhecer o dominó. Não vamos pensar no jogo de dominós

Leia mais

10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal

10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal 10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal Cecília Costa Departamento de Matemática da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Pedro Tadeu ESTIG Instituto Politécnico de

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

Neste contexto, destacamos as ações desenvolvidas durante o ano letivo em seus respectivos meses. MARÇO:

Neste contexto, destacamos as ações desenvolvidas durante o ano letivo em seus respectivos meses. MARÇO: Relatório O brincando se Aprende Um Projeto Socioeducativo foi criado e aplicado como uma nova metodologia, para despertar o interesse dos alunos do Ensino Médio pelas atividades matemáticas e de linguagens,

Leia mais

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA Maria Ignez de Souza Vieira Diniz ignez@mathema.com.br Cristiane Akemi Ishihara crisakemi@mathema.com.br Cristiane Henriques Rodrigues Chica crischica@mathema.com.br

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

Responsáveis: Fernando Celso Villar Marinho e Rita Maria Cardoso Meirelles DOMINÓ DAS FRAÇÕES COM O USO DO TANGRAM

Responsáveis: Fernando Celso Villar Marinho e Rita Maria Cardoso Meirelles DOMINÓ DAS FRAÇÕES COM O USO DO TANGRAM FORMAÇÃO CONTINUADA DE DOCENTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RJ SUCESSO ESCOLAR SUPORTE DIDÁTICO PARA IMPLEMENTAÇÃO DA REORIENTAÇÃO CURRICULAR Matemática Pólo Rio de Janeiro Responsáveis:

Leia mais

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática Michel da Silva Machado e-mail: michel_nick25@hotmail.com Isaque Rodrigues e-mail: isaque.max@hotmail.com Márcia Marinho do Nascimento Mello e-mail:

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

BCC204 - Teoria dos Grafos

BCC204 - Teoria dos Grafos BCC204 - Teoria dos Grafos Marco Antonio M. Carvalho (baseado nas notas de aula do prof. Haroldo Gambini Santos) Departamento de Computação Instituto de Ciências Exatas e Biológicas Universidade Federal

Leia mais

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos.

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos. Os dados e resultados abaixo se referem ao preenchimento do questionário Das Práticas de Ensino na percepção de estudantes de Licenciaturas da UFSJ por dez estudantes do curso de Licenciatura Plena em

Leia mais

PROBLEMA DO CARTEIRO CHINÊS

PROBLEMA DO CARTEIRO CHINÊS Introdução à Teoria dos Grafos Bacharelado em Ciência da Computação UFMS, 005 PROBLEMA DO CARTEIRO CHINÊS Resumo A teoria dos grafos teve seu início há cerca de 50 anos e aplicações datadas daquela época

Leia mais

SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA

SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA Aula 7 SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA META Discutir a utilização de softwares no ensino de Química. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Através da utilização do software carbópolis,

Leia mais

Software. Guia do professor. Geometria do táxi Distâncias. Ministério da Educação. Ministério da Ciência e Tecnologia

Software. Guia do professor. Geometria do táxi Distâncias. Ministério da Educação. Ministério da Ciência e Tecnologia Números e funções Geometria e medidas Guia do professor Software Geometria do táxi Distâncias Objetivos da unidade 1. Consolidar o uso de coordenadas cartesianas no plano e introduzir uma nova noção de

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Algoritmos em Grafos

BC-0506: Comunicação e Redes Algoritmos em Grafos BC-0506: Comunicação e Redes Algoritmos em Grafos Santo André, 2Q2011 1 Parte 1: Algoritmos de Busca Rediscutindo: Representações em Grafos Matriz de Adjacências Matriz de Incidências Lista de Adjacências

Leia mais

NOTÍCIAS DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE CONSELHEIRO LAFAIETE CES-CL RÁPIDAS DO CES

NOTÍCIAS DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE CONSELHEIRO LAFAIETE CES-CL RÁPIDAS DO CES NOTÍCIAS DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE CONSELHEIRO LAFAIETE CES-CL RÁPIDAS DO CES Os 365 exemplares de livros adquiridos pelo CES-CL para o curso de Engenharia Elétrica já foram entregues e estão passando

Leia mais

A Tecnologia e Seus Benefícios Para a Educação Infantil

A Tecnologia e Seus Benefícios Para a Educação Infantil A Tecnologia e Seus Benefícios Para a Educação Infantil A Tecnologia e Seus Benefícios Para a Educação Infantil As crianças das novas gerações desde pequenas estão inseridas nesta realidade da tecnologia,

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

Contagem I. Figura 1: Abrindo uma Porta.

Contagem I. Figura 1: Abrindo uma Porta. Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Combinatória - Nível 2 Prof. Bruno Holanda Aula 4 Contagem I De quantos modos podemos nos vestir? Quantos números menores que 1000 possuem todos os algarismos pares?

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

O SOFTWARE EUCLIDEAN REALITY AUXILIANDO NA CONSTRUÇÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS

O SOFTWARE EUCLIDEAN REALITY AUXILIANDO NA CONSTRUÇÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS O SOFTWARE EUCLIDEAN REALITY AUXILIANDO NA CONSTRUÇÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS Vânia de Moura Barbosa Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco vanibosa@terra.com.br Introdução Um dos primeiros questionamentos

Leia mais

(UNIDADE CEBRAC BOTUCATU)

(UNIDADE CEBRAC BOTUCATU) CAMPANHA MAIS CIDADÃO (UNIDADE CEBRAC BOTUCATU) APRESENTAÇÃO Nossa Missão: Desenvolver o potencial das pessoas e formar o cidadão profissional para atuar com brilhantismo no mercado de trabalho Estar sintonizados

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA MELHORAR A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS TÉCNICOS NO ENSINO DE ENGENHARIA

ORIENTAÇÃO PARA MELHORAR A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS TÉCNICOS NO ENSINO DE ENGENHARIA Artigo apresentado no III Encontro de Professores de Engenharia da UERJ Rio de Janeiro, novembro de 1997 ORIENTAÇÃO PARA MELHORAR A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS TÉCNICOS NO ENSINO DE ENGENHARIA José Paulo

Leia mais

Manual do Google agenda. criação e compartilhamento de agendas

Manual do Google agenda. criação e compartilhamento de agendas Manual do Google agenda criação e compartilhamento de agendas 1 O que é o Google Agenda? Google Agenda é um serviço de agenda on line gratuito do Google, onde você pode anotar compromissos e tarefas, organizando

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

Faculdades Pitágoras de Uberlândia. Matemática Básica 1

Faculdades Pitágoras de Uberlândia. Matemática Básica 1 Faculdades Pitágoras de Uberlândia Sistemas de Informação Disciplina: Matemática Básica 1 Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2010 Professor Walteno

Leia mais

Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Introdução à Engenharia de Controle e Automação Introdução à Engenharia de Controle e Automação O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO DA FACIT Renato Dourado Maia Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros Fundação Educacional Montes

Leia mais

Conhecer melhor os números

Conhecer melhor os números A partir do Currículo Nacional de Matemática do 7º ano de escolaridade desenvolvem-se actividades com recurso ao computador utilizando essencialmente Excel e Geogebra Conhecer melhor os números Esta unidade

Leia mais

Yahoo Grupos e Educação Matemática. Meios Computacionais no Ensino da Matemática. Professor: Dr. Jaime Carvalho e Silva

Yahoo Grupos e Educação Matemática. Meios Computacionais no Ensino da Matemática. Professor: Dr. Jaime Carvalho e Silva Yahoo Grupos e Educação Matemática Meios Computacionais no Ensino da Matemática Professor: Dr. Jaime Carvalho e Silva Débora Naiure Araujo Costa Mestrado em Ensino da Matemática 2012-2013 Introdução Vendo

Leia mais

RAIOS, RELÂMPAGOS E TROVÕES. Resumo. Introdução

RAIOS, RELÂMPAGOS E TROVÕES. Resumo. Introdução RAIOS, RELÂMPAGOS E TROVÕES Resumo Angelita Ribeiro da Silva angelita_ribeiro@yahoo.com.br O tema do trabalho foi Raios, Relâmpagos e Trovões. Os alunos investigaram como se dá a formação dos três fenômenos.

Leia mais

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt)

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt) Esterofoto Geoengenharia SA Álvaro Pombo Administrtador (www.estereofoto.pt) Q. Conte-nos um pouco da historia da empresa, que já tem mais de 30 anos. R. A Esterofoto é uma empresa de raiz, a base da empresa

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções:

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: PROJETO DE PESQUISA Antonio Joaquim Severino 1 Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: 1. Define e planeja para o próprio orientando o caminho a ser seguido no desenvolvimento do trabalho

Leia mais

2. CRONOGRAMAS DO PROCESSO SELETIVO

2. CRONOGRAMAS DO PROCESSO SELETIVO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE PROGRAMA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO - PEP ANEXO AO EDITAL UFRJ/COPPE/PEP/ 250/2014

Leia mais

Produção de Videoaulas de Física para a Internet Leonardo Senna Zelinski da Silva Silvia Leticia Ludke

Produção de Videoaulas de Física para a Internet Leonardo Senna Zelinski da Silva Silvia Leticia Ludke Instituto Federal do Paraná Licenciatura em Física Produção de Videoaulas de Física para a Internet Leonardo Senna Zelinski da Silva Silvia Leticia Ludke SUMÁRIO 1 Introdução... 2 2 Justificativa... 4

Leia mais

Busca em Árvores ou Grafos

Busca em Árvores ou Grafos Giga Mundo Computação RSS Sobre a Equipe Mais computacao no seu Email! Nosso forum Politica de Privacidade Busca em Árvores ou Grafos Posted by on March 10th, 2009 in Inteligência Artificial StatSoft Data

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Mão Na Forma. Episódios: Os Sólidos de Platão, O Barato de Pitágoras e Quadrado, Cubo e Cia

Mão Na Forma. Episódios: Os Sólidos de Platão, O Barato de Pitágoras e Quadrado, Cubo e Cia Mão Na Forma Episódios: Os Sólidos de Platão, O Barato de Pitágoras e Quadrado, Cubo e Cia Resumo Esta série, intitulada Mão na Forma, tem o objetivo de trazer a Geometria encontrada na natureza para dentro

Leia mais

Marco Antônio Moreira Instituto de Física UFRGS Porto Alegre RS Paulo Rosa Escola Estadual de Ensino Médio do Bairro Rio Branco Canoas RS

Marco Antônio Moreira Instituto de Física UFRGS Porto Alegre RS Paulo Rosa Escola Estadual de Ensino Médio do Bairro Rio Branco Canoas RS MAPAS CONCEITUAIS Marco Antônio Moreira Instituto de Física UFRGS Porto Alegre RS Paulo Rosa Escola Estadual de Ensino Médio do Bairro Rio Branco Canoas RS O que são? Em um sentido amplo, mapas conceituais

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas DOMÍNIO E IMAGEM DE UMA FUNÇÃO: UMA ABORDAGEM POR MEIO DO JOGO BINGO DAS FUNÇÕES Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio (EMAIEFEM) GT 10 ADELSON CARLOS MADRUGA Universidade

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS Dr. André Ricardo Magalhães andrerm@gmail.com Universidade do Estado da Bahia Brasil Modalidade: Comunicação Breve Nível

Leia mais

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada.

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Toque de Mestre 16 Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Profa. Júnia Andrade Viana profajunia@gmail.com face: profajunia Autora do livro Redação para Concursos

Leia mais

Palavras Chaves: Monitorias; Jogos; Resolução de Problemas.

Palavras Chaves: Monitorias; Jogos; Resolução de Problemas. 1 Resumo Este trabalho se refere a um projeto do Programa de Iniciação à Docência (PIBID) que é realizado com alunos das séries finais do Ensino Fundamental em uma escola municipal da cidade de Jataí-GO.

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA

UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA RESUMO José Jorge de Sousa; Francisco Aureliano Vidal Instituto Federal de Educação,

Leia mais

NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS. Revista Interdisciplinaridade

NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS. Revista Interdisciplinaridade NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS Revista Interdisciplinaridade INTERDISCIPLINARIDADE é uma revista de periodicidade anual, cujo volume de cada ano será publicado em outubro e poderão ser realizadas

Leia mais

Plano Anual de Atividades de Educação Ambiental 2014-2015. Divisão de Ambiente Energia e Mobilidade

Plano Anual de Atividades de Educação Ambiental 2014-2015. Divisão de Ambiente Energia e Mobilidade Plano Anual de Atividades de Educação Ambiental 2014-2015 Divisão de Ambiente Energia e Mobilidade Introdução e objetivos As atividades abordam as diferentes temáticas ambientais, sempre com o objetivo

Leia mais

TÍTULO CLARO E OBJETIVO QUANTO ÀS PRETENÇÕES RELATIVAS AO OBJETO DE ESTUDO

TÍTULO CLARO E OBJETIVO QUANTO ÀS PRETENÇÕES RELATIVAS AO OBJETO DE ESTUDO FORMATAÇÃO GERAL PAPEL: A4 MARGEM: 3 cm à esquerda e superior e 2 cm à direita e inferior ESPAÇAMENTO: 1,5 texto corrido; entre parágrafo 6pts antes e depois FONTE: Times New Roman ou Arial TAMANHO DA

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG)

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) 1 QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) Este trabalho tem por objetivo traçar um perfil dos professores alfabetizadores da rede

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19)

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Portaria n.º 701-E/2008 de 29 de Julho O Código dos Contratos Públicos consagra a obrigação das entidades adjudicantes de contratos

Leia mais

Equações do primeiro grau

Equações do primeiro grau Módulo 1 Unidade 3 Equações do primeiro grau Para início de conversa... Você tem um telefone celular ou conhece alguém que tenha? Você sabia que o telefone celular é um dos meios de comunicação que mais

Leia mais

Um Software com mais funcionalidades...a pensar no seu negócio

Um Software com mais funcionalidades...a pensar no seu negócio Manual SM Contratos & Avenças Versão 2.8.4 Um Software com mais funcionalidades...a pensar no seu negócio 1 Índice SoftSolutions, Lda 2000/2012. Todos os direitos reservados...3 Todos os direitos reservados...3

Leia mais

Teoria dos Grafos. Aulas 3 e 4. Profa. Alessandra Martins Coelho

Teoria dos Grafos. Aulas 3 e 4. Profa. Alessandra Martins Coelho Teoria dos Grafos Aulas 3 e 4 Profa. Alessandra Martins Coelho fev/2014 Passeio ou percurso Um passeio ou percurso é uma sequência finita de vértices e arestas Exemplo Em (1) o passeio inicia pelo vértice

Leia mais

POR QUE INVERTER O SINAL DA DESIGUALDADE EM UMA INEQUAÇÃO? GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior.

POR QUE INVERTER O SINAL DA DESIGUALDADE EM UMA INEQUAÇÃO? GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior. POR QUE INVERTER O SINAL DA DESIGUALDADE EM UMA INEQUAÇÃO? GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior. Bruno Marques Collares, UFRGS, collares.bruno@hotmail.com Diego Fontoura Lima, UFRGS,

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS FACULDADE LUTERANA SÃO MARCOS

NORMAS TÉCNICAS PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS FACULDADE LUTERANA SÃO MARCOS NORMAS TÉCNICAS PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS FACULDADE LUTERANA SÃO MARCOS Núcleo Docente Estruturante Prof. Álvaro Antônio Dal Molin Flores Prof. Carlos André Junqueira Prof. Cilane da Rosa

Leia mais

DO ABSTRATO AO CONCRETO: UTILIZANDO CANUDINHOS PARA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS GEOMÉTRICOS

DO ABSTRATO AO CONCRETO: UTILIZANDO CANUDINHOS PARA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS GEOMÉTRICOS 1 DO ABSTRATO AO CONCRETO: UTILIZANDO CANUDINHOS PARA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS GEOMÉTRICOS Andréa de Jesus Santos- UFES (andrea20santos@hotmail.com) Alex Almeida de Souza- UEFS (alexalmeida2012@live.com)

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil 1 Introdução: A matemática é uma disciplina de fundamental importância na vida de todo mundo. Desde tempos antigos o ensino dessa matéria vem fazendo cada vez mais parte da vida dos seres humanos. Basta

Leia mais