SUMÁRIO MENSAGEM AO EDUCADOR... POPULAÇÃO E PEGADA ECOLÓGICA... DE MARROM PARA VERDE... OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO MENSAGEM AO EDUCADOR... POPULAÇÃO E PEGADA ECOLÓGICA... DE MARROM PARA VERDE... OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO..."

Transcrição

1 ma nua l do p rofessor

2 SUMÁRIO MENSAGEM AO EDUCADOR POPULAÇÃO E PEGADA ECOLÓGICA DE MARROM PARA VERDE OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL NO COMBATE À POBREZA QUAL É A VOCAÇÃO ECONÔMICA DO SEU MUNICÍPIO? TRABALHANDO A CARTILHA DO 1º AO 5º ANO TRABALHANDO A CARTILHA DO 6º AO 9º ANO PROJETO ESCOLA INDICAÇÃO DE FILMES, LIVROS E REVISTAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS REFERÊNCIA DE SITES Ficha Técnica Concepção, pesquisa e desenvolvimento: Eliana Sant Anna e Monika Beatriz Tschoepe Projeto Gráfico e Editoração: Mondana:IB Ilustrações: Vilmar Conrado Revisão: Fátima Caldas Impressão: Gráfica Premier Realização: Fundação ArcelorMittal Brasil impresso em papel reciclado

3 MENSAGEM AO EDUCADOR O tema escolhido para o Prêmio ArcelorMittal de Meio Ambiente 2013 foi o mesmo que esteve no centro das discussões da Rio+20. A conferência internacional sediada no Brasil em 2012 colocou o país em destaque, num momento em que os rumos da vida em nosso planeta dependem, cada vez mais, das decisões e interferências humanas sobre todos os outros elementos que coexistem conosco na Terra. Com o tema O FUTURO QUE QUEREMOS DEPENDE DAS ATITUDES QUE TOMAMOS HOJE, podemos incluir nossos alunos nessas discussões, levandoos a refletir sobre sua realidade e a projetar um cenário futuro, numa perspectiva otimista. Ao mostrar que cada um é sujeito da sua própria história e que suas atitudes podem fazer a diferença, estaremos contribuindo para que essa reflexão alcance toda a comunidade. Pensar juntos: quais ações devem ser escolhidas e praticadas hoje, para se alcançar este objetivo? Inovações e soluções criativas precisam ser incentivadas. E o ambiente escolar pode ser o lugar ideal para se fazer este exercício, já que une o conhecimento tradicional trazido pelos alunos da convivência com suas famílias e comunidades ao conhecimento científico. As escolas têm, portanto, o potencial para se tornarem núcleos fundamentais de geração de ideias e ações transformadoras da realidade local. E você, educador(a), tem papel essencial nesse processo. Neste Manual, trazemos referenciais teóricos e pedagógicos para subsidiar seu trabalho, ao conduzir sua turma rumo a escolhas que possam transformar a vida e o lugar onde vivem. Esperamos, mais uma vez, contribuir para que continue a caminhar junto aos seus alunos, desenvolvendo e aprofundando valores pessoais, consolidando parcerias com atores e lideranças locais e construindo projetos que materializem o potencial que crianças e jovens têm para criar, HOJE, um FUTUro mais digno, solidário e melhor para todos. Fundação ArcelorMittal Brasil 3

4 População e PEGADA ECOLÓGICA O crescimento da população mundial traz preocupações pela rapidez com que vem acontecendo nos últimos tempos. A maior facilidade para se conseguir alimentos, trazida pelas mudanças na agricultura; as novas tecnologias que diminuíram as taxas de mortalidade e ampliaram a expectativa de vida, entre outros fatores, permitiram que o tempo para somar um novo bilhão ao contingente humano dure pouco mais de uma década. Veja a evolução ao longo da História: ANOS EM QUE A POPULAÇÃO MUNDIAL ALCANÇOU AUMENTOS DE 1 BILHÃO 10 Bilhões O rápido crescimento da população mundial é fenômeno recente. Há cerca de anos, a população mundial era de aproximadamente 300 milhões. Foram necessários mais de anos para que ela duplicasse para 600 milhões. O rápido crescimento da população mundial teve início em 1950, com reduções de mortalidade nas regiões menos desenvolvidas, o que resultou numa população estimada em 6,1 bilhões no ano de 2000, quase duas vezes e meia a população de Com o declínio da fecundidade na maior parte do mundo, a taxa de crescimento global da população tem decrescido desde seu pico de 2,0%, observado no quinquênio Bilhões 8 Bilhões 7 Bilhões 6 Bilhões 5 Bilhões 4 Bilhões 3 Bilhões 2 Bilhões 1 Bilhão Fonte: Divisão de População do Departamento de Economia e Assuntos Sociais das Nações Unidas ANOS QUE APRESENTARAM AUMENTOS DE 1 BILHÃO DE PESSOAS Fonte: Relatório sobre a situação da população mundial UNFPA Mesmo com a diminuição do número médio de filhos em cada família, que vem acontecendo à medida que a urbanização aumenta, a enorme quantidade de pessoas em idade fértil traz para o planeta hoje, de acordo com dados da ONU, 80 milhões de pessoas por ano. Mas, por mais exagerado que seja este número, o que vem provocando sérios problemas socioambentais no planeta não é tanto a enorme quantidade de humanos sobre sua superfície, e, sim, o modo de ocupação e uso do espaço, escolhido por estes humanos. Para que se entenda melhor, as taxas de natalidade influenciam os índices de crescimento populacional, mas, sozinhas, não explicam os processos de degradação ambiental. Estes processos estão relacionados ao modelo de economia, às tecnologias escolhidas e à cultura dominante, que compõem o cenário em que o contingente populacional representa a superexploração e o superconsumo dos recursos da natureza. A partir da Revolução Industrial, as cidades começaram a atrair pessoas das áreas rurais, que se transformaram em mão de obra e, ao mesmo tempo, mercado consumidor nas áreas urbanas. Este processo se intensificou no século XX e, atualmente, cerca de metade da população mundial vive em cidades. No caso do Brasil, até 1940, apenas um terço dos brasileiros vivia nas cidades. A partir daí, o crescimento industrial, concentrado nas áreas urbanas, e as pressões nas áreas rurais, relacionadas a problemas fundiários e políticas agrícolas, favoreceram a saída de cada vez mais moradores dos campos para as cidades. Nos anos 1980, as cinco regiões brasileiras já tinham a maioria de seus habitantes vivendo em cidades. Hoje, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), do total de 55 milhões de domicílios existentes no país, 84,7% se localizam em zonas urbanas. Estes dados colocam o Brasil entre os países mais urbanizados do mundo. 4

5 Para Wackernagel e Rees (ver referências bibliográficas na página 22), a Pegada Ecológica é a área correspondente de terra produtiva e ecossistemas aquáticos necessários para produzir os recursos utilizados e para assimilar os resíduos produzidos por uma dada população, sob um determinado estilo de vida ; ou seja, Pegada Ecológica é a área, dentro dos continentes e oceanos, necessária para produzir tudo que uma pessoa ou população consome e ainda absorver o lixo gerado por este consumo. Ela irá variar, dependendo do estilo de vida de cada um. Dentro desta concepção, o estilo de vida urbano gera Pegadas cada vez maiores, exigindo um grande custo ambiental. O fato de concentrar tanta gente em tão pouco espaço fez da cidade um modelo muito complexo de ocupação. Tanto que todas as cidades do mundo cabem em cerca de 2% da superfície da Terra e seus habitantes chegam a consumir 75% dos recursos naturais. Isto significa que as cidades se sustentam à custa da apropriação dos recursos de áreas muitas vezes maiores que sua área urbana. Cidades como Londres, por exemplo, precisam de áreas equivalentes à área de toda a terra produtiva do Reino Unido. (DIAS, 2001). Esta é uma enorme Pegada Ecológica! A expansão dos ecossistemas urbanos é acompanhada por incríveis aumentos de consumo energético, dissipação de calor, impermeabilização de solos, alterações microclimáticas, fragmentação e destruição de habitats, expulsão e/ou eliminação de espécies da flora e da fauna, acumulação de carbono, poluição atmosférica e sonora, aumento da concentração de ondas eletromagnéticas, além de uma fabulosa produção de resíduos sólidos, líquidos e gasosos, inconvenientemente despejados na atmosfera, nos corpos d água e nos solos. (DIAS, 2001) A Pegada Ecológica de um indiano é muitíssimo menor que a de um americano, mas a Pegada média de cada habitante do planeta já ultrapassou o limite considerado seguro, de modo a garantir a sustentabilidade da vida na Terra. E, como somos todos habitantes desta mesma casa, precisamos encontrar soluções viáveis para nossos problemas. Alguns deles nós herdamos de gerações anteriores e estamos perpetuando; outros, nós mesmos, ou outros de nossa geração, criamos. Não poderemos deixá-los para que nossos filhos ou netos os resolvam. Que marcas iremos deixar no planeta? 5

6 De marrom para verde Vivemos o modelo classificado como ECONOMIA MARROM, que depende excessivamente dos combustíveis fósseis, provoca a exploração desmedida dos recursos da Terra e gera enormes desigualdades sociais. Este modelo, gerado especialmente a partir da Revolução Industrial, trouxe as consequências socioambientais que já conhecemos. A partir da década de 1970, tais questões começaram a ser discutidas em grandes encontros internacionais, na tentativa de buscar soluções coletivas. O primeiro foi a Conferência de Estocolmo, em A Eco 92, no Rio de Janeiro, a Rio+10 em Joanesburgo (África do Sul) e a Rio+20, novamente no Rio de Janeiro, em 2012, são outros exemplos de conferências realizadas para discussão de assuntos ligados à sustentabilidade do planeta. O SIGNIFICADO DA RIO+20 Rio+20, como ficou conhecida a Conferência das Nações Unidas Sobre o Desenvolvimento Sustentável, reuniu líderes mundiais de 193 países, juntamente com milhares de participantes do setor privado, ONGs e outras organizações. Foram discutidas soluções para ajudar a reduzir a pobreza, promover maior igualdade social e garantir a segurança ambiental para este planeta que experimenta um intenso crescimento populacional. As discussões oficiais se basearam em dois temas principais: como desenvolver uma ECONOMIA VERDE e como erradicar a pobreza. Além dos dois temas, foi iniciado o debate sobre como ampliar a coordenação internacional para o desenvolvimento sustentável. A intenção era fazer da Rio+20 uma oportunidade histórica para se definir os caminhos para um futuro sustentável, com mais emprego, mais fontes de energia limpa, mais segurança e um padrão de vida decente para todos. Mas, ao que parece, a Rio+20 representou apenas o início das discussões, propondo a sua continuidade nos próximos anos. De acordo com o site se desejamos deixar um mundo habitável para nossos filhos e netos, os desafios representados pela pobreza generalizada e pela destruição do meio ambiente precisam ser enfrentados e resolvidos agora. Seguem alguns pontos para reflexão: O mundo tem, hoje, 7 bilhões de pessoas em 2050, estima-se que seremos 9 bilhões. Uma em cada cinco pessoas 1,4 bilhão de pessoas vive, atualmente, com um dólar e 25 centavos ou menos por dia. 1 bilhão e meio de pessoas, no mundo todo, não têm acesso a eletricidade. 2 bilhões e meio de pessoas não têm vaso sanitário. Quase um bilhão de pessoas passam fome todo dia. A emissão de gases de efeito estufa continua a crescer e mais de um terço de todas as espécies conhecidas podem desaparecer se as mudanças climáticas continuarem sendo desconsideradas. 6

7 E, ainda de acordo com a mesma fonte, para conseguirmos atingir condições que garantam a sustentabilidade, com um padrão de vida decente para todos hoje, sem comprometer as necessidades das gerações futuras, teremos que, juntos governantes, empresários, cidadãos, encontrar melhores formas de agir, procurando respostas para as questões seguintes: Como podemos ajudar as pessoas a saírem da pobreza e fazer com que consigam bons empregos, ao mesmo tempo em que protegemos o meio ambiente? O que fazer para oferecer a todos o acesso à energia limpa, assegurando que a energia que produzimos não contribua para as mudanças climáticas? Como fazer para que todos nós possamos ter acesso à água, à alimentação e aos nutrientes que necessitamos? O que fazer para tornar nossas cidades melhores, de forma que todos nós possamos desfrutar de uma qualidade de vida decente? Como criar sistemas de transportes de melhor qualidade que nos permitam chegar aonde desejamos, sem causar grandes engarrafamentos e gerar poluição? Como assegurar que nossos oceanos estejam saudáveis e que a vida marinha não seja ameaçada pela poluição ou pelas mudanças climáticas? Como garantir a resiliência de nossas comunidades frente aos desastres naturais? A solução destes desafios é um impulso inicial para a construção do futuro que queremos. O Relatório Rumo a uma Economia Verde, do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), demonstra que as economias verdes representam um novo mecanismo para gerar crescimento, empregos decentes, além de serem vitais para a eliminação de pobreza. Eis algumas das conclusões deste relatório: Investir apenas 2% do Produto Interno Bruto (PIB) global em 10 setores mais importantes incluindo agricultura, construção civil, energia, pesca, engenharia florestal, indústria, turismo, transporte, água e a gestão de resíduos sólidos pode ser o passo inicial para uma transição para uma economia de baixo carbono, que usa seus recursos de forma eficiente. Tornar a economia mais verde, em contraste com o cenário de negócios ao qual estamos acostumados, pode produzir maior aumento do PIB e do PIB per capita, em um período de 5 a 10 anos. Em uma economia verde, novamente em contraste com o cenário de negócios ao qual estamos acostumados, projeta-se uma demanda global por energia 40% menor por volta de 2050, graças a avanços substanciais em eficiência energética. Em um cenário que considera um investimento verde, projeta-se uma redução de cerca de um terço das emissões de CO 2 relacionadas à energia por volta de 2050, quando comparadas aos níveis atuais. Considerando-se a transição para uma economia verde, novos empregos seriam criados e, com o passar do tempo, excederiam as perdas de empregos da chamada economia marrom, especialmente em setores como agricultura, construção, energia, engenharia florestal e transporte. A movimentação rumo a uma economia verde está ocorrendo em escala e velocidade nunca vistas antes. Em 2010, eram esperados novos investimentos em energia limpa, com uma alta recorde de 180 a 200 bilhões de dólares, contra os 162 bilhões investidos em O investimento global em energia renovável é cada vez mais puxado pelas economias emergentes (países fora da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico OCDE), cuja participação no investimento global na área saiu de 29%, em 2007, para 40% em 2008, com Brasil, China e Índia respondendo pela maior parte deste aumento. Fonte: Relatório Rumo a uma Economia Verde - Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável e a Erradicação da Pobreza - Síntese para Tomadores de Decisão, PNUMA,

8 Objetivos de Desenvolvimento do milênio Em setembro de 2000, 189 nações firmaram um compromisso para combater a extrema pobreza e outros males da sociedade. Esta promessa acabou se concretizando nos 8 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) que deverão ser alcançados até Os ODM, em especial o 1 e o 7, estão intimamente relacionados aos temas centrais da Rio+20, principalmente, o que trata da erradicação da pobreza. Iniciar ou retomar o trabalho sobre eles, com seus alunos, pode ser uma estratégia produtiva para um projeto que envolva escola e comunidade. Para alcançar esses objetivos, é necessário o envolvimento de todos os setores da sociedade e dos voluntários, peças-chave para o desenvolvimento social e o fortalecimento das relações comunitárias. O Programa de Voluntários das Nações Unidas VNU estimula o voluntariado em todos os continentes. No Brasil, o VNU atua desde É um programa em crescimento, de cooperação com projetos de diferentes parceiros em todo o país. O VNU está sempre em busca de pessoas qualificadas que cumpram serviços voluntários nesses projetos de desenvolvimento. Milhões de pessoas, em todo o país, já estão engajadas como voluntárias em clubes, ONGs, igrejas, escolas etc., e milhares de voluntários participam em projetos sociais de empresas privadas, com o objetivo de melhorar as condições de vida em comunidades carentes, proteger o meio ambiente ou contribuir para atividades específicas. Desde 2000, a ArcelorMittal Brasil desenvolve o Pró-Voluntário, seu programa de voluntariado, que envolve empregados em ações que beneficiam comunidades onde estão inseridos. Em você e seus alunos encontrarão informações, mapas e gráficos, apresentados de forma interativa, sobre os Objetivos do Milênio. 8 E para obter mais detalhes sobre o VNU e os ODM acesse: Ainda no site do PNUD, procure por mostre seu valor, um projeto de pesquisa pública feito em todo o Brasil, que traz ideias, vídeos e publicações inspiradoras para todos os educadores. Veja também, na página do Prêmio no site da Fundação sugestões de atividades complementares sobre este assunto.

9 brasil no combate à pobreza Como você já sabe, a erradicação da pobreza é um dos Objetivos do Milênio e também foi o centro das discussões da conferência Rio+20. Este desafio mundial exigirá a união de forças do poder público, da iniciativa privada e das organizações do terceiro setor. Muitos países em situação de extrema pobreza dependem, inclusive, de ajuda internacional. A esfera privada, composta basicamente por empresas dos diversos setores produtivos, pode contribuir no combate à miséria, por meio dos programas de responsabilidade socioambiental. Peça aos seus alunos para pesquisarem, no site de grandes empresas, o que elas têm feito neste sentido. Lei do Aprendiz Segundo o Instituto Ethos, uma ação que pode acelerar a inclusão produtiva dos jovens na sociedade é a aplicação da lei do Aprendiz. Esta lei determina que toda empresa de grande e médio porte deve contratar de 5% a 15% de aprendizes* para desenvolverem atividades práticas obrigatoriamente relacionadas à sua formação profissional e por períodos que não interfiram em sua frequência escolar. * Jovens de 14 a 24 anos, cursando o Ensino Fundamental ou que já o tenham concluído; e que têm a oportunidade de aprender a teoria em instituição de formação profissional e colocá-la em prática em empresas. Os aprendizes têm direito à carteira registrada, aos direitos trabalhistas e previdenciários e a um salário mínimo/hora. Fonte: Adaptado de <www1.ethos.org.br/ethosweb/> Acesso em: 18/09/12. ongs e as questões SOCIOAMBIENTAIS ONG é a sigla usada para as Organizações Não Governamentais (sem fins lucrativos), que compõem o Terceiro Setor da sociedade civil. Estas organizações, de gestão privada, mas de finalidade pública, atuam em diversas áreas, tais como meio ambiente, combate à pobreza, assistência social, saúde, educação, reciclagem, desenvolvimento sustentável, entre outras. As ONGs possuem funções importantes na sociedade, pois seus serviços chegam a locais e situações em que o Estado é pouco presente. Em alguns casos, também trabalham em parceria com o governo. As ONGs obtêm recursos por meio de financiamento dos governos, empresas privadas, venda de produtos e doações da população em geral. Grande parte da mão de obra que atua nas ONGs é formada por voluntários. A ABONG é a Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais. Para mais detalhes, acesse o site 9

10 o que o governo federal tem FEITO PARA COMBATER a pobreza? Segundo os dados oficiais do governo, o nosso país já avançou muito nesta questão. Nos últimos anos, 28 milhões de brasileiros saíram da pobreza e 36 milhões subiram para a classe média. Mas, de acordo com o censo de 2010, feito pelo IBGE, ainda existem cerca de 16,2 milhões de brasileiros vivendo na extrema pobreza, o que equivale a 8,5% das pessoas que vivem aqui. Tentando mudar esta situação, o governo lançou o Plano Brasil Sem Miséria, que estabelece a transferência de renda, o acesso a serviços públicos nas áreas de educação, saúde, assistência social, saneamento e energia elétrica, e a criação de empregos. O plano visa a melhorar a vida dos brasileiros que vivem com uma renda familiar de até R$ 70 por pessoa/mês. Entre as propostas, estão: aumentar a produção agrícola por meio de assistência técnica, distribuição de sementes e apoio ao comércio na zona rural; e aumentar a qualificação de mão de obra e a identificação de empregos nas cidades. A previsão é de que, até 2014, 750 mil famílias tenham cisternas e 257 mil recebam energia elétrica. Os Centros de Referência de Assistência Social (Cras), que contam com sete mil unidades em todo o país, são os pontos de atendimento deste programa. De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, o Plano Brasil Sem Miséria vai juntar o mapa da extrema pobreza com o mapa da geração de oportunidades e permitir que milhões de brasileiros rompam a linha da miséria. Fonte: Adaptado do texto Brasil sem Miséria, <blog.planalto.gov.br/brasil-sem-miseria/> Acesso em: 02/09/12. Sugestão de atividade com os alunos Estimule uma investigação, em grupo, seguida de um debate sobre as seguintes questões: 1 - Quais foram as ações do governo federal, estadual ou municipal que promoveram melhorias nos últimos anos e quais estão em andamento no município onde moram? Quantas pessoas são beneficiadas por estas ações? 2 - Que ideia você acrescentaria ao Plano Brasil Sem Miséria para melhorar a qualidade de vida de quem precisa e mora na sua comunidade? 3 - Quais são as maiores empresas instaladas no município e quais são suas ações sociais? Algumas delas desenvolvem programas que contribuem para a redução da pobreza? Elas contratam jovens conforme a Lei do Aprendiz? 4 - O que cada um pode fazer no sentido de diminuir a pobreza? 10

11 Qual é a vocação econômica do seu município? A vocação econômica é identificada pela concentração das atividades geradoras de trabalho e renda do município, indicando uma predominância no setor do agronegócio, do comércio, ou da indústria, serviços, turismo etc. Esta predominância pode ocorrer por uma vocação nata, quando se refere à exploração de um recurso natural, tal como mineração ou turismo, ou por uma vocação adquirida e/ou desenvolvida mediante o surgimento de oportunidades. Algumas cidades têm uma economia mista e não apresentam, de forma tão marcante, a sua vocação. Mas, quando há uma atividade relevante, é comum que o município ganhe uma identidade ou um apelido associado a esta atividade. Vejamos alguns exemplos: O município de Várzea Alegre (CE) tem vocação econômica voltada para o cultivo do arroz de sequeiro, fazendo, portanto, jus à sua identidade de Terra do Arroz. Contagem (MG) é caracterizada como uma cidade de indústrias, chamada até de "Capital das Indústrias, sendo, ainda hoje, a cidade que concentra mais indústrias no estado de Minas Gerais, embora tenha também um comércio muito desenvolvido. Machado (MG) se destaca na produção de café, principal produto da economia machadense e grande gerador de emprego e renda. Recentemente, a cidade recebeu o título de Capital mundial do café orgânico devido a seu pionerismo neste tipo de cultura e suas exportações para países da Europa, Estados Unidos e Japão. Gramado e Canela (RS) são conhecidas pelo turismo e pela produção artesanal de chocolate; Divinópolis (MG) e Petrópolis (RJ) são conhecidas pela confecção de jeans e malhas; Jacutinga (MG), pelo tricô; e Campos do Jordão (SP) é conhecida como a Suíça Brasileira. Em alguns casos, a vocação extrapola os limites de um município e contempla toda uma região, como ocorre no vale do Jequitinhonha (MG), cuja vocação econômica é o artesanato. Hoje, o artesanato mineiro tem reconhecimento no mercado internacional e o apoio do Centro Cape, que promove, todos os anos, a Feira Internacional de Artesanato no Expominas/BH e mantém o programa Mãos de Minas. Para saber mais, acesse O IBGE pesquisa e mantém atualizado o Perfil dos Municípios Brasileiros. Para obter mais informações, consulte o site ou o site da prefeitura de seu município. 11

12 Minas Pretende Implantar o Product Space O estado de Minas Gerais é o primeiro do mundo a fazer uso da Product Space (Espaço do Produto), um instrumento de planejamento que mapeia as potencialidades e vocações de países e regiões. Criado pelos professores Ricardo Hausmann (Universidade de Harvard) e Cesar Hidalgo (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), o Product Space foi desenvolvido em O objetivo da metodologia é ter uma melhor visão da estrutura produtiva de estados e países, suas habilidades, suas conexões e interações, para melhor prever e direcionar a evolução de seus investimentos. A estrutura produtiva é definida pelo conjunto de habilidades específicas (capital, trabalho, tecnologia, instituições, infraestrutura, existência de relações sociais) que possuem. O conjunto de habilidades necessárias para a produção de bens e serviços é que gera o nível de sofisticação dos mesmos. Com o instrumento, será possível definir e buscar outras possibilidades de participação da economia mineira no mercado nacional e mundial, a médio e longo prazos, reduzindo a dependência de produtos primários. Outro objetivo é buscar o desenvolvimento econômico sustentado, com empregos de qualidade e redução da desigualdade regional, tendo como base o desenvolvimento científico e tecnológico do estado. Fonte: <www.agenciaminas.mg.gov.br/> Acesso em: 09/09/12. Sugestão de atividade com os alunos 1 - Pesquisar qual é a vocação do seu município. 2 - Pesquisar o histórico desta vocação. 3 - Quantas pessoas em idade produtiva existem no município? 4 - Qual é o índice de desemprego? E do emprego informal? 5 - Qual é a formação escolar exigida para desempenhar a atividade que mais oferece emprego no município? Existem opções no município para esta formação? 6 - Quais são as outras opções de atividades econômicas na região? 7 - Entrevistar familiares sobre estas e outras questões elaboradas pelos próprios alunos. 8 - Quantas pessoas existem no município em situação de extrema pobreza? Como elas poderiam ser beneficiadas pela vocação do município? Convidem familiares e pessoas da comunidade para dar depoimentos sobre o seu trabalho, a vocação econômica do município e as questões ambientais envolvidas. 12

13 Orientações pedagógicas A seguir, apresentaremos sugestões sobre como trabalhar as cartilhas do Prêmio ArcelorMittal de Meio Ambiente 2013 com os alunos. Há sugestões específicas para cada assunto apresentado no material, mas todas podem e devem ser adaptadas à realidade de seus alunos e do local onde a escola está situada. Pode-se, inclusive, utilizar orientações pedagógicas sugeridas para uma das cartilhas com as turmas da outra faixa etária, bastando adequá-las ao nível de entendimento dos alunos. Na página do Prêmio em nosso site, você poderá acessar outras sugestões de Atividades Complementares. trabalhando a cartilha do 1º AO 5º ano 1 - VOLTANDO DAS FÉRIAS! (HQ) HQ com o objetivo de trabalhar alguns exemplos de ações sustentáveis, tais como: A - PAGAMENTO pela PRESTAção de SERVIços ECOSSISTêMICOS A natureza trabalha em silêncio e a maioria das pessoas sequer nota estes serviços. Tais serviços são essenciais à vida na Terra e, caso não ocorram, colocam em risco de extinção toda a fauna e flora do planeta, incluindo os seres humanos. Como serviços ambientais, entenda-se a regulação de gases (produção de oxigênio e sequestro de carbono), belezas cênicas, conservação da biodiversidade, proteção de solos e regulação das funções hídricas. Alguns municípios, tais como Extrema (MG) e Nova York (EUA), já estão pagando aos proprietários rurais pela proteção das nascentes, garantindo, assim, a água de boa qualidade para a população local. B - PRODUção mais limpa na AGRICUltura e na indústria Um exemplo de produção mais limpa na AGRICUltura é o uso de BIODIGESTOR anaeróbico que é um equipamento usado para a produção de biogás, uma mistura de gases cerca de 75% metano e 25% CO 2 produzida por bactérias que digerem matéria orgânica em condições anaeróbicas (isto é, em ausência de oxigênio). Um biodigestor nada mais é que um reator químico em que as reações químicas têm origem biológica. O biogás pode ser usado como combustível, em substituição ao uso do gás natural ou do Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), ambos extraídos de reservas minerais. O biogás pode ser utilizado para cozinhar em residências rurais próximas ao local de produção (economizando outras fontes de energia, como, principalmente, lenha ou GLP). Pode também ser utilizado na produção rural como, por exemplo, no aquecimento de instalações para animais muito sensíveis ao frio (tais como leitões de até 15 dias de idade) ou no aquecimento de estufas de produção vegetal. O efluente (o líquido que sai do biodigestor após o período de tempo necessário à digestão da matéria orgânica pelas bactérias) possui propriedades fertilizantes. Além de água, o líquido efluente, conhecido como biofertilizante, apresenta elementos químicos como nitrogênio, fósforo e potássio em quantidades e formas químicas que podem ser usados diretamente na adubação de espécies vegetais, por meio de fertirrigação. Fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre. Acesso em: 09/09/12. 13

14 Um exemplo de produção mais limpa na indústria é a aplicação dos preceitos da Ecoeficiência. No âmbito da poluição ambiental, um sistema ecoeficiente é aquele que consegue produzir mais e melhor, com menos recursos e menos resíduos. Para tal, pressupõem-se atitudes como: 1. Minimizar o uso e desperdícios de matéria prima na produção de bens e serviços. 2. Minimizar o uso de energia na produção de bens e serviços. 3. Minimizar a dispersão de produtos tóxicos. 4. Fomentar a reciclabilidade dos materiais. 5. Maximizar a utilização sustentável de recursos renováveis. 6. Estender a durabilidade dos produtos. 7. Promover a educação dos consumidores para um uso mais racional dos recursos naturais e energéticos. C - COOPERATIVAS de reciclagem De um modo geral, as cidades que têm usinas de triagem e compostagem absorvem como mão de obra os catadores informais já existentes. A coleta seletiva, além de aumentar a vida útil do aterro, gera trabalho e renda para os catadores. D - ENERGIA limpa Alguns países geram a energia elétrica a partir das usinas térmicas que usam carvão mineral, que é muito poluente. O Brasil é um país privilegiado por recursos hídricos, que possibilitam a construção de usinas hidrelétricas, consideradas uma forma mais limpa de gerar energia, embora seu impacto na área alagada seja significativo para o ecossistema e as comunidades locais. Atualmente, alguns exemplos de fontes limpas de energia são a Eólica, a Solar, a de Biomassa, a Geotérmica e a de Marés. E - ElEMENTOS NATURAIS e ElEMENTOS MODIFICADOS do Meio Ambiente Tudo faz parte do meio ambiente, incluindo as pessoas, suas residências e as cidades. É importante que a criança entenda quais são os elementos naturais do meio ambiente e quais são os elementos resultantes da ação humana. F - TRABAlho e VOCAção ECONôMICA do município Este tema já foi abordado na página 11 deste manual. 2 - dicas ecológicas Aprofunde as noções de consumo sustentável, estimulando uma investigação sobre cada uma das propostas apresentadas nas dicas. Por exemplo, as crianças podem procurar, criar e trocar novas receitas com aproveitamento integral de orgânicos. Se vocês já fizeram a opção pela horta orgânica na escola, podem, inclusive, testar essas receitas incluindo a atividade no currículo em Matemática, Português, Artes, Ciências etc. O reaproveitamento e a customização podem ser trabalhados em oficinas de Artes, convidando pais e outras pessoas da comunidade para ensinarem às crianças. Este tipo de atividade, além de ajudar a construir e solidificar parcerias importantes com a comunidade, desenvolve habilidades que possibilitam, inclusive, a geração de renda. Também podem ser acrescidas outras dicas sugeridas pelas próprias crianças. Sugere-se fazer uma enquete simples para apurar quem já aplica estas dicas. 3 - natureza... DELA tudo vem e para ela tudo volta É uma atividade lúdico-pedagógica para que a criança perceba a origem dos produtos consumidos e a destinação correta de seus resíduos. 4 - construindo paisagens sustentáveis 14 Além do trabalho lúdico/artístico, a atividade possibilita a aplicação de conhecimentos relativos a escolhas sustentáveis e, ao se imaginar como prefeito, a reflexão sobre o papel do poder público na construção das paisagens e do futuro que queremos. Pode ser um bom momento para fazerem um levantamento e listagem dos desejos em relação ao lugar onde vivem, e pensarem numa forma de encaminhar os resultados às instâncias públicas responsáveis.

15 5 - construindo o futuro (HQ) Para as crianças ainda no início do processo de alfabetização, a sugestão é que, além de promover a leitura junto com a turma, a HQ seja utilizada em atividades que contribuam neste processo. O registro de frases ou sínteses no quadro, para que os alunos copiem, formem palavras e frases, ilustrem, discutam e encenem (desenvolvendo a linguagem oral, vocabulário e raciocínio) pode ser um importante recurso para aproveitar o material com alunos de faixa etária menor. Nas turmas já alfabetizadas, aproveite para propor a construção coletiva de um glossário ilustrado, com as crianças selecionando, pesquisando e ilustrando as palavras que não conhecem. O principal objetivo é levar a criança a comparar, refletir e constatar o quanto as escolhas humanas podem afetar a construção do mundo, e, consequentemente, estimular a sensibilização, conscientização e ação a favor da preservação do ambiente e de atitudes éticas frente aos recursos naturais e às outras pessoas em casa, na escola e na comunidade. 6 - rotina verde É um incentivo para que o tema seja discutido em casa com os pais, que devem auxiliar nesta atividade e, assim, refletir sobre seus hábitos. 7 - vivendo DE bem com a natureza (HQ) HQ que aborda o cuidado das pessoas com seu espaço diário, que é a casa e seu quintal. Incentiva a implantação de horta, pomar, captação da água de chuva e aquecedor solar, bem como a contemplação das belezas naturais como os pássaros em seu estado livre. Veja, em nosso site, sugestão de textos para trabalhar esta HQ, abordando o Programa Minas sem Gaiolas e a importância de plantar árvores. trabalhando a cartilha do 6º AO 9º ano Ao iniciar o trabalho com a cartilha, aproveite a leitura do texto de introdução para fazer um breve debate e uma avaliação diagnóstica dos conhecimentos da turma sobre o tema. Pergunte sobre noções, conceitos, expectativas e opiniões sobre o assunto. Esta avaliação pode fornecer pistas sobre o que aprofundar e, talvez, sobre alguma demanda de projeto. 1 - quantas pessoas cabem no mundo? O texto pretende mostrar que a questão do crescimento populacional preocupa os ambientalistas muito mais pelo impacto do padrão de consumo das pessoas do que pelo aumento em si, o que é esclarecido no texto da Pegada Ecológica. 2 - pegada ecológica O texto sugere vários questionamentos para que os alunos estimem seus impactos ambientais e, na atividade 1, eles devem elaborar uma minicartilha com dicas ecológicas. Veja, em nosso site, uma matéria sobre geração de resíduos sólidos nas principais festas do carnaval de Pesquise com os alunos se, em 2013, esta geração foi maior ou menor, e quais as ações possíveis para minimizar este tipo de impacto durante grandes eventos em sua cidade. 15

16 3 - a nova cor da economia Organize um Júri Simulado no qual haverá o confronto entre a ECONOMIA VERDE e a ECONOMIA MARROM. A ECONOMIA MARROM será a ré; a vítima, o Planeta Terra; e a defesa irá basear seus argumentos nas características da ECONOMIA VERDE. A atividade exigirá de todos uma intensa pesquisa prévia. Junto com a turma, organize uma divisão de grupos. Será necessário escolher quem representará a ré, a vítima, o(a) advogado(a) de defesa, o(a) promotor(a) e o(a) juiz(a), além das testemunhas de defesa e de acusação. Será necessário escolher também o grupo que fará o papel de jurados, e, ainda, os que irão assistir à sessão de julgamento. Estes últimos serão os jornalistas, que farão os registros e que, em outro momento, publicarão as notícias sobre o acontecimento. Defesa e acusação irão precisar, cada uma, de um grupo de assessores. 4 - somos causa e solução! Os exemplos apresentados mostram transformações concretas rumo à ECONOMIA VERDE e à erradicação da pobreza. Conhecer o lugar onde se vive pode propiciar mudanças pela melhoria geral de vida. Estimule uma investigação sobre o bairro, vila, comunidade onde vivem seus alunos, por meio da história oral, livros, internet etc. O foco é conhecer melhor o lugar, suas características históricogeográficas, além de fazer um levantamento de problemas socioambientais, desejos de melhoria dos moradores, propostas de solução e ações já implantadas. A partir dos resultados, vocês poderão organizar uma roda de conversas na escola, para apresentá-los. Procurem convidar representantes da comunidade (pais, vizinhos da escola, lideranças comunitárias, representantes de empresas locais e do setor público). Ao final, procurem levantar propostas concretas de transformação local, envolvendo diversos setores. Divulguem essas ações por meio de rádio, TV, jornal, blog etc. 5 - gente que faz a diferença É um incentivo para que os alunos pensem e ajam em prol de seu próprio município, bem como conheçam pessoas que já fazem isto. É importante que percebam que podem fazer algo de positivo pelo planeta e pela vida. Para conhecer outros exemplos, consulte a página do Prêmio, no site da Fundação. 6 - a menina que calou o mundo Sugerimos trabalhar o discurso proferido pela menina canadense Severn Suzuki, na ECO 92, como mais um exemplo de gente que faz a diferença. O texto na íntegra está em nosso site e o vídeo pode ser acessado no Youtube. Este discurso foi proferido há 20 anos e, no entanto, suas palavras parecem retratar a situação ambiental dos dias de hoje. Após a leitura do texto, os alunos devem preparar um discurso e ler em sala para os colegas, como se estivessem representando sua cidade ou o Brasil em um encontro internacional fome... por que ela ainda existe? Apresenta dados sobre a fome e o desperdício de alimentos, com a intenção de trabalhar noções de ECONOMIA VERDE e de erradicação da pobreza, consumo consciente, segurança alimentar, horta orgânica e valores humanos. Estimule a análise e comparação da realidade local, nacional e mundial em relação ao tema. Na página do Prêmio, você vai encontrar o mapa da fome no mundo, elaborado pela ONU. Ele mostra dados sobre a fome ao redor do planeta que vão ajudá-lo nas discussões em sala de aula. Pode ser um momento propício para um projeto interdisciplinar sobre Segurança Alimentar, incluindo o plantio ou extensão de uma horta orgânica na escola.

17 Se, na escola, já existe uma horta orgânica, esta atividade pode servir de detonador para um novo projeto. Se não existe, pode ser uma ideia interessante a ser implantada. Atividades possíveis em projetos individuais ou interdisciplinares: Visita de um técnico ou pessoa da comunidade com este conhecimento para ensinar sobre a construção e manutenção de um minhocário ou área de compostagem. Observação direta da vida animal no solo, do desenvolvimento dos vegetais, seus ciclos e ritmos; da conexão e interrelação entre os elementos naturais presentes na horta (água, ar, solo, animais e vegetais). Investigação da importância dos vegetais cultivados para a saúde, do uso de ervas na medicina popular e no preparo de alimentos, e das características da culinária regional. Oficinas de preparo de alimentos, chás, cosméticos, produtos ecológicos para limpeza da casa etc., com os vegetais cultivados e colhidos pelos alunos. Utilização dos alimentos como complemento na merenda. Produção de tintas misturando cola branca, água e pigmentos das plantas, para serem utilizadas nos trabalhos escolares. Produção de colagens e pequenas esculturas a partir de partes secas de plantas. Produção em Artes Cênicas e Plásticas, e composição de músicas baseadas no ambiente da horta. Na construção dos canteiros, utilização do estudo do sistema de medidas e de geometria. Cálculos a partir da contagem e pesagem das sementes e vegetais colhidos. Parte da produção pode ser encaminhada para asilos, creches ou pessoas em situação de risco, em um exercício de construção de valores. O plantio em garrafas pet, latas e pequenas bacias pode possibilitar que os alunos, depois de algum tempo cuidando de seus cultivos, levem a horta para casa, repassando o conhecimento à comunidade. Ainda sob a ótica da ECONOMIA VERDE e erradicação da pobreza, uma Feira de Trocas de roupas/ móveis/objetos/brinquedos pode ser organizada, na comunidade, dentro da concepção de Consumo Colaborativo. Além de servir como evento de sustentabilidade pelo caráter de reutilização, o exercício de levar para a Feira somente objetos em bom estado mas que não se usa ou não se quer mais usar é uma forma prática de exercitar a ética. 8 - o que ainda poderemos ver no futuro? A leitura dos textos pode ser o ponto de partida para uma pesquisa sobre outras iniciativas a serem implantadas no futuro. Não se esqueça de questionar seus alunos a respeito da viabilidade das propostas. 9 - o que já é possível ver hoje? Orientar os alunos quanto à realização das atividades 5 e 6 e, caso haja uma Câmara Mirim em seu município, programar uma visita de sua turma no dia da reunião trabalho, consumo e meio ambiente A sugestão é que o aluno, após responder as perguntas, convide pessoas para darem depoimentos em sala de aula. Ajude-os a pesquisar sobre trabalho voluntário, a existência de ONGs no município e sua atuação. Veja, em nosso site, um texto sobre o trabalho voluntário criptograma Esta atividade lúdico pedagógica é uma forma de fixar alguns dos conteúdos estudados na cartilha. 17

18 Projeto escola Tudo é loucura ou sonho no começo! Nada do que o homem fez no mundo teve início de outra maneira, mas já tantos sonhos se realizaram que não temos o direito de duvidar de nenhum. (Monteiro Lobato, Mundo da Lua, 1923) Um projeto é uma apresentação sistematizada de um sonho de transformação da realidade. Diante de um cenário deficiente e/ou insatisfatório em algum aspecto, algumas pessoas sonham com uma mudança e, mediante a estruturação de um projeto, podem fazer as coisas acontecerem. A base para um bom projeto pode ser o diagnóstico da situação atual da escola e de seu entorno, observando-se as condições do bairro, da cidade ou zona rural, até a abrangência do município. O envolvimento dos alunos em todas as fases é muito importante, bem como o envolvimento dos professores, dos pais e de outras organizações parceiras. Não se envolve os alunos com a temática ambiental mantendo-os sentados em suas cadeiras, cercados por quatro paredes, atentos ao quadro de giz ou à parafernália audiovisual. Eles precisam sentir o cheiro, o sabor, as cores, a temperatura, a umidade, os sons, os movimentos do metabolismo do seu lugar, da sua escola, do seu bairro e das áreas verdes do município (DIAS, 1992). Emocionem seus alunos, pois, se assim o fizerem, estarão, sinceramente, educando-os. O objetivo é despertar o amor e o querer cuidar deste pedaço de chão que é a sua cidade. Isto não se faz sentado em bancos de escola! Sugerimos utilizar todos os recursos pedagógicos disponíveis, mas acentuar devidamente as atividades práticas, uma vez que a Educação Ambiental pressupõe ação! Como diz o Professor Genebaldo Freire: "Precisamos sair da posição de sentantes e passarmos para a posição de pensantes e atuantes". Para a escola participar da categoria Projeto Escola do Prêmio ArcelorMittal de Meio Ambiente 2013, é necessário seguir o regulamento disponível na página do Prêmio, em nosso site, e preparar uma pasta, no modelo portfólio, com a comprovação das ações realizadas. As evidências são fotos das atividades, trabalhos e produções dos alunos, podendo incluir imagens em CD ou DVD. O foco, a criatividade e o envolvimento do maior número de pessoas (alunos, professores, pais e comunidade), além dos resultados alcançados, fazem a diferença nesta categoria. SUGESTÃO DE ROTEIRO: veja na página do Prêmio, no site da Fundação. 18

19 FAZER ACONTECER É O NOSSO DESAFIO! RELATOS DE PROJETOS Antes de iniciar o projeto escola deste ano, veja, na página do Prêmio, uma síntese dos projetos vencedores de São muitas as transformações positivas constatadas, principalmente entre os alunos, que se percebem como agentes de mudança. E os resultados se estendem para toda a comunidade escolar, que é mobilizada para importantes ações de cuidado e melhoria do lugar onde vivem. Vejamos, abaixo, a descrição das ações de duas escolas vencedoras: E. M. PROFESSORA OLÍVIA CAPRANICO Piracicaba (SP) Objetivando ir além dos muros da escola, ou Além do Horizonte nome dado ao projeto, a escola trouxe a comunidade, pais e interessados para abraçarem seus sonhos e efetivarem, juntos, boas ações que refletissem na melhoria da qualidade de vida humana e do planeta. Implantaram um Ecoponto para coleta de pilhas e baterias usadas, bem como a coleta de óleo usado de cozinha, em parceria com a Empresa Disk Óleo, que o transformará em combustível limpo e ecologicamente correto, gerando melhora na qualidade do ar. Trata-se de um ÓLEO BIODIESEL. Foi implantada uma horta orgânica, de cujas etapas de plantio e manejo, todas as crianças participaram, bem como degustaram, na merenda escolar, várias hortaliças que elas mesmas cultivaram. O ponto alto do projeto foi a implantação, em 14/04/12, de um coletor de água de chuva, com capacidade de 400 litros, para regar a horta. Para isto, foi utilizado o valor do prêmio recebido da ArcelorMittal, por terem vencido a categoria Projeto Escola em Esta iniciativa rendeu várias matérias nas mídias locais. A escola mantém um blog cujo objetivo é apresentar e difundir as ações do Projeto de Educação Ambiental. Acesse: oliviacapranico.blogspot.com Escola MUNICIPAl PROFESSORA Ana Guedes VIEIRA CONTAGEM (MG) A escola sempre se envolve em projetos que desenvolvam o senso de responsabilidade com a saúde e o respeito ao meio ambiente. Nesse sentido, implantou horta e galinheiro, que possibilitam desenvolver atividades interdisciplinares em todas as áreas. O galinheiro despertou o interesse de estudantes e professores e resultou em vários projetos que estão sendo desenvolvidos dentro e fora da sala de aula. Um bom exemplo é o trabalho desenvolvido pela professora Maria da Conceição Santiago, com as turmas 111, 112 e 211 do segundo turno. As crianças visitaram o galinheiro, fizeram perguntas e receberam orientações sobre o cuidado com as aves e o tratamento de outros animais domésticos. O resultado foi a elaboração de várias maquetes com material reciclável, que contou com a participação das famílias. Outra professora recolheu os ovos e, junto com os alunos, prepararam e degustaram um bolo. A escola mantém um blog cujo objetivo é compartilhar experiências no que se refere ao campo da educação integral. Acesse: maiseduanaguedes.blogspot.com 19

20 Indicação de filmes, livros e revistas filmes O LORAX: EM BUSCA DA TRÚFULA PERDIDA É um longa-metragem de animação, com duração de 86 min. O filme conta a história de um menino de 12 anos em busca daquilo que vai ajudá-lo a conquistar a menina de seus sonhos. Para encontrar, ele precisa conhecer a história de Lorax, uma criatura mal-humorada, mas charmosa, que luta para proteger seu mundo. É uma adaptação do conto clássico do Dr. Seuss de uma criatura da floresta que compartilha o eterno poder da esperança. HOME - NOSSO PLANETA, NOSSA CASA Documentário filmado a partir do sobrevoo de diversas áreas do planeta, com imagens belíssimas, do consagrado fotógrafo Yann Arthus-Bertrand. Home visa a sensibilizar, educar e conscientizar as plateias de todo o mundo sobre a fragilidade de nosso lar, ao demonstrar que TUDO, especialmente o que é vivo e belo sobre nosso planeta, está interligado. Home estreou em 5 de junho de 2009, Dia Mundial do Meio Ambiente, em mais de 50 países, com uma missão: alertar para a ideia de que, apesar dos males que causamos à Terra nos últimos 50 anos, ainda há chance de salvarmos nossa casa, e de que somos a única espécie com esta condição. Produção de Luc Besson. MUDANÇAS DO CLIMA, MUDANÇAS DE VIDAS As mudanças climáticas estão muito mais perto do que podemos imaginar. Durante meses, equipes do Greenpeace viajaram por todo o Brasil, documentando os impactos das mudanças climáticas em diversas regiões. O resultado foi um filme com imagens impressionantes de seca, inundações e destruição, além de depoimentos emocionados de pessoas de diversas regiões do País. Traz, também, sugestões do que pode ser feito pelo governo e pela população para impedir esses impactos. Versão completa: 51 minutos e compacto de 15 minutos Pode ser acessado no site: ou GENTE QUE FAZ É uma série de minidocumentários realizados pelo extinto Banco Bamerindus em 1991 e 1992, que traz a figura de um herói brasileiro verdadeiro: uma pessoa que, um dia, sonhou com a prosperidade e soube fazer o que era necessário para chegar lá, colhendo os benefícios e beneficiando milhares de outras pessoas. Com este perfil, foram identificados vários brasileiros que tiveram suas vidas retratadas nesses episódios. No total, foram 230 minidocumentários. Hoje, alguns episódios podem ser acessados pelo YouTube. quem se IMPORTA? Documentário que apresenta cases bem sucedidos de empreendedorismo social, a partir de depoimentos de pessoas que estão transformando a sociedade por meio de ideias criativas e impactantes. O trailer e outras informações podem ser acessados no site: 20

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo.

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza sociedade: questões ambientais. Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. 2 CONTEÚDO

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

Jardim Escola Aladdin

Jardim Escola Aladdin Jardim Escola Aladdin Os 4 Rs da Sustentabilidade Rio de janeiro 2016 Objetivo geral Esse projeto tem como objetivo promover o envolvimento dos alunos, professores, pais e comunidade em defesa à sustentabilidade

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos - Abimaq

Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos - Abimaq Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos - Abimaq A Indústria de Máquinas na Era da Economia Verde Perfil geral A indústria da indústria Fundação:1937- origem de um sindicato têxtil; Possui 1.500

Leia mais

Engenharia e Meio Ambiente

Engenharia e Meio Ambiente Engenharia e Meio Ambiente 1. ECOLOGIA 2. MEIO AMBIENTE 3. HABITAT E NICHO ECOLÓGICO 4. POTENCIAL BIÓTICO 5. RESISTÊNCIA AMBIENTAL 6. PEGADA ECOLÓGICA O QUE É ECOLOGIA? 1. Ciência que estuda as relações

Leia mais

A árvore das árvores

A árvore das árvores A árvore das árvores Resumo O documentário apresenta os múltiplos usos do carvalho para as sociedades, desde tempos remotos até os dias de hoje; além de retratar lendas e histórias sobre essas árvores

Leia mais

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR.

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. Wedell Jackson de Caldas Monteiro E.E.M.I. Auzanir Lacerda wedellprofessor@gmail.com Nadia

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A VIDA NO PLANETA: SOMOS CONSUMIDORES RESPONSÁVEIS?

REFLEXÕES SOBRE A VIDA NO PLANETA: SOMOS CONSUMIDORES RESPONSÁVEIS? REFLEXÕES SOBRE A VIDA NO PLANETA: SOMOS CONSUMIDORES RESPONSÁVEIS? Ensino Fundamental II e Ensino Médio O sistema capitalista move a nossa sociedade, sendo um modelo econômico atual que pressupõe uma

Leia mais

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG.

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. (Projeto InterAção) Introdução Com a tendência de um crescimento mundial da população, gerando um desenvolvimento industrial

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

o hectare Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também O que é o biodigestor? 1 ha

o hectare Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também O que é o biodigestor? 1 ha o hectare Publicação do Ecocentro IPEC Ano 1, nº 3 Pirenópolis GO Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também vai conhecer um pouco mais sobre a suinocultura. Na

Leia mais

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Resumo: O presente artigo pretende refletir sobre os problemas ambientais em nossa sociedade, em especial, sobre o

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI PREFEITURA MUNICIPAL DE LONTRAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI DESPERTANDO AÇÕES SUSTENTÁVEIS LONTRAS 2013 1.TEMA A preservação

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema.

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema. Aquecimento Global e Danos no Manguezal Pernambucano SANDRA MARIA DE LIMA ALVES 1 - sandrali@bol.com.br RESUMO Este artigo procura enriquecer a discussão sobre o fenômeno do aumento da temperatura na terra

Leia mais

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 O que é SUSTENTABILIDADE? Como aliar SUSTENTABILIDADE e NUTRIÇÃO? O que é sustentabilidade? Constituição Federal Art. 225. Todos têm o direito

Leia mais

2. Porque queremos diminuir a Pegada Ecológica? 4. Em que consiste a sustentabilidade ambiental?

2. Porque queremos diminuir a Pegada Ecológica? 4. Em que consiste a sustentabilidade ambiental? 1. Quais são as dimensões do Desenvolvimento Sustentável? 2. Porque queremos diminuir a Pegada Ecológica? a) Económica b) Social c) Ambiental d) Todas as anteriores a) Melhorar a nossa qualidade de vida

Leia mais

PRÊMIO ABF- AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF- AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueado PRÊMIO ABF- AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueado Dados da empresa Razão Social: J&I Serviços Educacionais LTDA Nome Fantasia: Wizard Aparecidinha Data de fundação:

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

ESCOLA RUMO A UM FUTURO SUSTENTÁVEL

ESCOLA RUMO A UM FUTURO SUSTENTÁVEL ESCOLA RUMO A UM FUTURO SUSTENTÁVEL Izelia Mayara Maia CASTELLAIN 1, Vitória Imai AMORIM 1, Professora coordenadora Michele C. AREND 2 Identificação autores: 1 Aluna Bolsista PIBIC-EM/CNPq IFC-Campus Camboriú,

Leia mais

AULA 9. Ação pelo Ambiente

AULA 9. Ação pelo Ambiente AULA 9 Ação pelo Ambiente Roberto e o seu grupo do meio ambiente estão se preparando para a Grande Reunião que irá tratar dos problemas ambientais do planeta. Ele pede ajuda à Sofia para bolar um plano

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores

Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Integração do grupo; Sensibilização para os problemas e potencialidades

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

As fotos a seguir são tristemente verdadeiras...

As fotos a seguir são tristemente verdadeiras... As fotos a seguir são tristemente verdadeiras... Quem é responsável por enfrentar esta situação? Prefeitura? Entidades de defesa do ambiente?? Governo? Meios de comunicação? Cientistas? Organizações

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

AGENDA 21: Imagine... FUTURO... AGENDA 21: 1. É o principal documento da Rio-92 (Conferência ONU: Meio Ambiente e desenvolvimento Humano); 2. É a proposta mais consistente que existe de como alcançar

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas.

Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas. Justificativa Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas. A Escola de Ensino Fundamental Mondrian, fundada em 2011, começou suas atividades em

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Atuação do COEP frente às mudanças climáticas Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Mudanças Climáticas e pobreza As populações mais pobres tendem a ficar mais vulneráveis diante

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

PROJETO DE INTERVEÇÃO: UM OLHAR DIFERENTE PARA O LIXO

PROJETO DE INTERVEÇÃO: UM OLHAR DIFERENTE PARA O LIXO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO-UFERSA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CURSO :EDUCAÇÃO AMBIENTAL ALUNA:FRANCISCA IÊDA SILVEIRA DE SOUZA TUTORA: ANYELLE PAIVA ROCHA ELIAS PROFESSORA: DIANA GONSALVES

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO Medidas estão sendo tomadas... Serão suficientes? Estaremos, nós, seres pensantes, usando nossa casa, com consciência? O Protocolo de Kioto é um acordo internacional, proposto

Leia mais

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Preservação e Conservação A preservação é o esforço para proteger um ecossistema e evitar que ele seja modificado. Depende também da presença e ação do homem sobre

Leia mais

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades.

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. professor Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. Também serão produzidos, dentro de sala de aula, cartazes

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Clipping de notícias. Recife, 15 de setembro de 2015.

Clipping de notícias. Recife, 15 de setembro de 2015. Clipping de notícias Recife, 15 de setembro de 2015. Recife, 15 de setembro de 2015. Recife,15 de setembro de 2015. Recife,15 de setembro de 2015. Recife, 15 de setembro de 2015. 14/09/2015 ProRURAL DEBATE

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras Eduarda Ramires Silveira Evelyn Victória Cardoso Lopes Mel Suzane Santos Marques Voluntários Joyce Thaís Mendes Alves Sílvia Rocha Pena Rodrigues Luíza Almeida Dias de Carvalho

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Conteúdo: O efeito estufa. Habilidade: Demonstrar uma postura crítica diante do uso do petróleo. REVISÃO Reações de aldeídos e cetonas. A redução de um composto

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Práticas Verdes Para Condomínios

Práticas Verdes Para Condomínios Guia de Práticas Verdes Para Condomínios A economia que faz bem para o seu bolso e para o meio ambiente Com o objetivo de incentivar e disseminar práticas sustentáveis em condomínios, o Secovi Rio criou

Leia mais

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas.

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas. TÍTULO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTRATÉGIA PARA O CONHECIMENTO E A INCLUSÃO SOCIAL AUTORES: Chateaubriand, A. D.; Andrade, E. B. de; Mello, P. P. de; Roque, W. V.; Costa, R. C. da; Guimarães, E. L. e-mail:

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS?

ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS? ENERGIA X MEIO AMBIENTE: O QUE DIZ O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DE FURNAS? Maranhão, R.A. 1 1 PECE/POLI/USP, MBA em Gestão e Tecnologias Ambientais, Biológo e Mestre em Geografia, romeroalbuquerque@bol.com.br

Leia mais

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS (Aberto a todos os Cidadãos) 1. O QUE É: O concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade é uma iniciativa da Câmara Municipal de

Leia mais

Penalidades No Meio Ambiental Florestal Por Agressões À Natureza.

Penalidades No Meio Ambiental Florestal Por Agressões À Natureza. Penalidades No Meio Ambiental Florestal Por Agressões À Natureza. Fernanda Ribeiro Silva, fernandaenge@yahoo.com.br, Graduanda em Engenharia Florestal na Universidade Federal de Lavras UFLA, Autora; Danusa

Leia mais

Lixo é tudo aquilo que já não tem utilidade e é jogado fora, qualquer material de origem doméstica ou industrial.

Lixo é tudo aquilo que já não tem utilidade e é jogado fora, qualquer material de origem doméstica ou industrial. Lixo reflexo da sociedade Definição Lixo é tudo aquilo que já não tem utilidade e é jogado fora, qualquer material de origem doméstica ou industrial. Todo lixo gerado pode ser classificado em dois tipos:orgânico

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL

RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL SOUZA,I.C. ;BUFAIÇAL,D.S.S;SANTOS,M.D.;ARANTES,S.S.;XAVIER,L.;FERREIRA,G.K.S; OLIVEIRA,B.A.;PAGOTTO,W.W.B.S.;SILVA,R.P.;SANTOS.L.G.;SANTOS.F.F.S.;FRANCO,R.

Leia mais

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo I Informações Gerais Impactos das Mudanças Climáticas As mudanças climáticas impõem

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL LÚDICO-EXPOSITIVA PARA CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL. Josiane Teresinha Cardoso 1 (Coordenador da Ação de Extensão)

EDUCAÇÃO AMBIENTAL LÚDICO-EXPOSITIVA PARA CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL. Josiane Teresinha Cardoso 1 (Coordenador da Ação de Extensão) EDUCAÇÃO AMBIENTAL LÚDICO-EXPOSITIVA PARA CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL Área Temática: Meio Ambiente Josiane Teresinha Cardoso 1 (Coordenador da Ação de Extensão) Moira Ramos Rabeschini 2 Helen Hayra

Leia mais

12ª EDIÇÃO DO SELO AMBIENTAL DE GUARULHOS

12ª EDIÇÃO DO SELO AMBIENTAL DE GUARULHOS 12ª EDIÇÃO DO SELO AMBIENTAL DE GUARULHOS 1. APRESENTAÇÃO O Selo Ambiental de Guarulhos é uma premiação anual criada em 2002 pela Câmara Municipal de Guarulhos através do Decreto Legislativo 003/2002.

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

Água. Material de Apoio - Água

Água. Material de Apoio - Água Água Material de Apoio Programa Escola Amiga da Terra Mapa Verde Realização: Instituto Brookfield Assessoria: Práxis Consultoria Socioambiental Este material foi utilizado pelos educadores participantes

Leia mais

OS CUIDADOS COM A ÁGUA NA ESCOLA FUNDAMENTAL PROFESSOR ADAILTON COELHO COSTA

OS CUIDADOS COM A ÁGUA NA ESCOLA FUNDAMENTAL PROFESSOR ADAILTON COELHO COSTA OS CUIDADOS COM A ÁGUA NA ESCOLA FUNDAMENTAL PROFESSOR ADAILTON COELHO COSTA Dantas 1, Mayara; Gomes 1, Márcia; Silva 1, Juliene; Silva 1, Jaciele; 1 Discente do Curso de Bacharelado em Ecologia; 2 Professora

Leia mais

REVISÃO DE MATEMÁTICA PG 2ª Unidade Letiva / 2015 NOME DO ALUNO: Nº TURMA: 6J

REVISÃO DE MATEMÁTICA PG 2ª Unidade Letiva / 2015 NOME DO ALUNO: Nº TURMA: 6J REVISÃO DE MATEMÁTICA PG 2ª Unidade Letiva / 2015 PROFESSORA: ERICA FERRÃO BORTOLUCCI REVISÃO 08 6ª ANO NOME DO ALUNO: Nº TURMA: 6J Observações gerais Leia com atenção! preencha corretamente o cabeçalho;

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA PROJETO DE AQUISIÇÃO DE KIT ESCOLAR PROJETO ESCOLA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A preocupação com a causa da criança e do adolescente em situação de risco, faz nascer instituições proféticas espalhadas pelo

Leia mais

PRÁTICAS AMBIENTAIS SUSTENTÁVEIS 1 RESUMO

PRÁTICAS AMBIENTAIS SUSTENTÁVEIS 1 RESUMO PRÁTICAS AMBIENTAIS SUSTENTÁVEIS 1 BOHRER, Temis Regina Jacques 2 ; HERDINA, Renata 3 ; MALLMANN, Claudete Teresinha Klafke 3 ; SENTER, Malena 3 ; ZUFFO, Sinandra 3 ; RADAELLI, Thayná 3 ; GUERIZZOLI, Marta

Leia mais

Curso de Desenvolvimento. sustentável.

Curso de Desenvolvimento. sustentável. 50 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 17 Curso de Desenvolvimento Sustentável Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras proferidas sobre

Leia mais

S O C I O A M B I E N TA L

S O C I O A M B I E N TA L Apresentação Todas as ações desenvolvidas pelo Banrisul estão comprometidas em preservar o meio ambiente, seja no momento de realizar um contrato de financiamento agrícola, investimento em projeto, seja

Leia mais

Questionário Linha de Base: Educadores Estado: Cidade: Nome Pesquisador: Sala N : Professor N : [Estes dados devem ser preenchidos pelo pesquisador] Boas vindas Caro(a) Educador(a): O objetivo deste questionário

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O E. M. E. F. P R O F ª. D I R C E B O E M E R G U E D E S D E A Z E V E D O P

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Um punhado de sementes mágicas. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO O episódio Um punhado de sementes mágicas

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL JOAQUIM GONÇALVES LEDO SIRLENE DE SOUZA B. DAS VIRGENS PROJETO: AMIGOS DO MEIO AMBIENTE

ESCOLA ESTADUAL JOAQUIM GONÇALVES LEDO SIRLENE DE SOUZA B. DAS VIRGENS PROJETO: AMIGOS DO MEIO AMBIENTE ESCOLA ESTADUAL JOAQUIM GONÇALVES LEDO SIRLENE DE SOUZA B. DAS VIRGENS PROJETO: AMIGOS DO MEIO AMBIENTE IVINHEMA MS AGOSTO/2011 ESCOLA ESTADUAL JOAQUIM GONÇALVES LEDO SIRLENE DE SOUZA B. DAS VIRGENS PROJETO:

Leia mais

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Aula 8 a A Engenharia e o Meio Ambiente Parte I Edgar Aberto de Brito PRIMEIRA PARTE As questões ambientais e os problemas para a engenharia. ENGENHARIA

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Dois temas centrais foram selecionados para o debate na conferência de 2012:

APRESENTAÇÃO. Dois temas centrais foram selecionados para o debate na conferência de 2012: Comércio + Sustentável APRESENTAÇÃO A Rio+20, como é chamada a Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, vai ser realizada no Rio de Janeiro em junho de 2012. Exatos vinte anos

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1. CONCEITOS COMPLEMENTARES DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, presidida por Gro Harlem Brundtland Nosso Futuro Comum (1987)

Leia mais

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER?

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O futuro é uma incógnita. As tendências são preocupantes, mas uma coisa é certa: cada um tem de fazer sua parte. Todos somos responsáveis. A atual forma de relacionamento da humanidade

Leia mais

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Pavão, Antonio, C.¹, Rocha, Claudiane, F..S.², Silva, Ana, P.³ Espaço Ciência - www.espacociencia.pe.gov.br pavao@ufpe.br¹,

Leia mais

PROJETO: DE ONDE VEM? PARA ONDE VAI? Sustentabilidade e Consumismo EMEI GUIA LOPES DRE FO

PROJETO: DE ONDE VEM? PARA ONDE VAI? Sustentabilidade e Consumismo EMEI GUIA LOPES DRE FO PROJETO: DE ONDE VEM? PARA ONDE VAI? Sustentabilidade e Consumismo EMEI GUIA LOPES DRE FO Como tudo começou A EMEI Guia Lopes possui uma área verde privilegiada e a criação de uma horta era uma vontade

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

Produto mais sustentável

Produto mais sustentável Produto mais sustentável De maneira geral, um produto pode ser considerado mais sustentável por diversas razões: a) processo de fabricação com baixo impacto: consiste em produtos que eliminaram ingredientes

Leia mais

FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL

FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GERADORAS DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Paola Ribas Gonçalves dos SANTOS, Maria Caroliny Camargo FLORENTINO, Jhennyfer Lopes Cerqueira BASTOS, Giselle Vanessa TREVISAN.

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NO LORDÃO: UMA FERRAMENTA DE ENSINO- APRENDIZAGEM

SUSTENTABILIDADE NO LORDÃO: UMA FERRAMENTA DE ENSINO- APRENDIZAGEM SUSTENTABILIDADE NO LORDÃO: UMA FERRAMENTA DE ENSINO- APRENDIZAGEM Acácio Silveira de Melo (UFCG); Adriano dos Santos Oliveira (UFCG); Filipe da Costa Silva (UFCG), Francinildo Ramos de Macedo (UFCG),

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

Reciclando e Sensibilizando

Reciclando e Sensibilizando Reciclando e Sensibilizando Mostra Local de: Pato Branco Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Escola Municipal Bairro Planalto Cidade:

Leia mais

PROJETO: PRESERVANDO A ÁGUA DA TERRA Colégio Intentus/Yara Country Clube/Itaipu Binacional

PROJETO: PRESERVANDO A ÁGUA DA TERRA Colégio Intentus/Yara Country Clube/Itaipu Binacional PROJETO: PRESERVANDO A ÁGUA DA TERRA Colégio Intentus/Yara Country Clube/Itaipu Binacional 1. Justificativa A inovação e a transformação começam pelo processo educacional, que vai além do aprendizado formal

Leia mais