Amazônia e o direito de comunicar 20 a 22 de outubro de Belém/PA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Amazônia e o direito de comunicar 20 a 22 de outubro de 2011 - Belém/PA"

Transcrição

1 Amazônia e o direito de comunicar 20 a 22 de outubro de Belém/PA Da Carta de Caminha ao caso Galdino: uma breve análise da imagem dos indígenas na mídia impressa 1 Luiza AZEVEDO LUÍNDIA 2 Gabriel de Souza OLIVEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas Ufam, Manaus, AM RESUMO A imagem do indígena brasileiro veiculada pela mídia impressa se configura como um exemplo do processo de eternização, destituído de historicidade, pois cristaliza mensagens que remontam à carta de Pero Vaz de Caminha. Assim, o objetivo desse artigo é analisar e (re)significar esse universo, tendo em vista que os indígenas ainda têm sua imagem carregada de estereótipos desde o tempo de Caminha até os dias de hoje. Como objeto de estudo, focamos na análise de duas reportagens: Pluralidade pouco conhecida (Revista Experiência 4, julho/2010), e Planalto selvagem (Revista Veja, abril/1997). Para tanto, fez-se uso de pesquisa bibliográfica e uma abordagem teórica baseada nos critérios dos modos de operação ideológicos pontuados por Thompson (2009), percorrendo sua imbricação com o discurso midiático. PALAVRAS-CHAVE: indígena; mídia; ideologia; estereótipo; discurso 1. Introdução Conforme a professora do Departamento de Letras da PUC-Rio, Marília Cardoso 5, antes mesmo de a literatura brasileira nascer, nossos antepassados já ganhavam as páginas de relatos de viajantes que, em outras línguas, levavam aos europeus suas impressões sobre o Novo Mundo, sua natureza e sua gente. No contexto brasileiro, o primeiro exemplar de um relato do gênero foi a carta de Pero Vaz de Caminha ao soberano português, na qual ele descreve os curiosos grupos humanos encontrados aqui, denominados genericamente de índios. 1 Artigo submetido ao Grupo de Trabalho da II Conferência Sul-Americana e VII Conferência Brasileira de Mídia Cidadã. 2 Jornalista, Prof.ª Dr.ª do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal do Amazonas (Ufam); tutora do Programa de Educação Tutorial de Comunicação (PETCom) da Ufam; líder do Grupo de Estudos e Pesquisa em Comunicação Social (GEPECS). 3 Acadêmico do 2 período do curso de graduação em Jornalismo da Universidade Federal do Amazonas (Ufam); bolsista do Programa de Educação Tutorial de Comunicação (PETCom) da Ufam; integrante do Grupo de Estudos e Pesquisa em Comunicação Social (GEPECS). 4 Revista Experiência, produzida pela Faculdade de Comunicação Social (Famecos), da Pontifícia Universidade do Rio Grande do Sul (PUCRS). 5 Marília Rothier Cardoso é professora da PUC-RJ, autora da tese de doutorado Gazeta de bruxo.

2 Mais tarde, o selvagem exótico se transforma em herói do Romantismo e, no século XIX, em personagem da literatura. Isso se deve inicialmente à valorização das teorias da bondade natural do homem, que marcaram tal período, sobretudo o Romantismo europeu, no final do século XVIII. A pesquisadora avança em seus argumentos ao explicar que o índio, então, virou moda no mundo e, no Brasil, passou a ser referência para a criação de uma nacionalidade. Os escritores assumiram a missão de formar uma consciência nacional e os índios passaram a ser tratados como modelo dessa brasilidade. Assim, surgiram os heróis das narrativas de José de Alencar e da poesia de Gonçalves Dias. Nessas obras, prevalece uma imagem inspirada no modelo medieval do Romantismo, criando, no Brasil, um movimento correspondente ao europeu, em busca de raízes populares. Os romances Iracema e O Guarani, de José de Alencar, são símbolos desse período. Ambos os livros podem ser designados como romances fundadores, ou seja, obras ficcionais para representar metaforicamente o início de um mundo ou de uma raça. Essa moda durou até o final do século XIX, quando o índio sai de cena. Temporariamente, já que ele volta à literatura na década de 20, pelas mãos do Modernismo. A sociedade brasileira havia se transformado. O ar do campo cedeu lugar às fábricas, aglomerados urbanos e populações de quase um milhão de habitantes. Nesse cenário surge Macunaíma, o anti-herói criado por Mário de Andrade. Assim, o índio passa a ser mostrado quase que como uma paródia do índio romântico. É um modo mais refletivo que marca a diferença da cultura brasileira. O Modernismo também reforça a identidade nacional, mas de outro modo: não mais a valorização do nacional como algo exótico, mas como parte de um modelo nacional. Concluindo seu pensamento, para Cardoso, depois do Modernismo, os índios não desapareceram totalmente, mas ressurgiram de forma pontual, como nos livros de Darcy Ribeiro, que, paralelamente à produção acadêmica, desenvolveu uma obra literária. Ele traz o índio com uma atitude política, como uma crítica à ordem política e como um elemento de informação antropológica. Se a literatura por muito tempo se prendeu a estereótipos bem definidos sem conexão com a realidade indígena, a mídia impressa também não aborda essa questão com imparcialidade como, aliás, não aborda assunto algum de maneira imparcial. Os argumentos tendem para um resgate de elementos etnocêntricos cristalizados no imaginário de grande parte da população brasileira, com olhares que vão do índio

3 mitificado e mistificado ao índio miscigenado, adulterado pela influência da cultura europeia. Assim, os indígenas são revestidos de estereótipos que lhes atribuem uma imagem ao mesmo tempo perversa e exótica. Portanto, (re)significar esse universo conflitivo e ideológico, tendo como base o referencial teórico de Thompson (2009), configura-se como o objetivo desse artigo. 2. Do bom selvagem ao indolente: hoje, o guardião da floresta Nas obras Iracema e O Guarani, segundo Coutinho (1980), os índios se constituem como sujeitos apenas a partir da aproximação com o colonizador, ao abrir mão do seu povo e de sua cultura para se dedicar aos colonizadores. Trata-se de um ponto de vista romântico que, através da imaginação, nega a exatidão da realidade. Segundo Toller (2007), em seu indianismo às avessas, Mário de Andrade, em Macunaíma, embaralharia as nossas etnias de origem, dando um nó em qualquer possibilidade coerente de mitos laudatórios de fundação mitos esses tão caros às literaturas americanas anteriores ao século XX. Macunaíma é o herói sem nenhum caráter. Avançando no tempo, os indígenas ainda permeiam os imaginários não só da literatura, mas especialmente da mídia impressa e, nesse contexto, encontram-se resquícios fortes da visão romântica e da imagem retratada ainda na carta de Pero Vaz de Caminha, contribuindo para fortalecer os estereótipos e os pensamentos da sociedade nacional. Para Azevedo Luíndia (2005), os grupos indígenas têm ficado à margem do trajeto nacional do desenvolvimento e, apesar disso, agora são (re)conhecidos como guardiões da biodiversidade amazônica, através dos famosos produtos eco-verdes. Atualmente, os indígenas compõem, por um lado, uma imagem globalizada, de autossustentabilidade e inclusão digital, e, por outro, agrupam mosaicos desenhados pelo eurocentrismo, pela colonização e pela sociedade nacional, fomentando, assim, a imagem disseminada na mídia. Essas imagens vão desde o exótico e bom selvagem ao guardião da floresta. O mito do bom selvagem, mencionado, entre outros, por Bosi (1994) e Coutinho (1980), deriva do pensamento de Rousseau, o qual afirmava que o progresso da sociedade europeia tinha corrompido a pureza original do homem, mas, em algum lugar, distante de uma sociedade modificada pela Revolução Industrial, ainda deveria existir o homem em seu estado puro, cheio de nobreza e de bondade.

4 Da passagem do bom selvagem ao reivindicador de seus direitos, mediante a busca de demarcações de suas terras e de parcerias que os tornassem autogestores de alternativas econômicas, a exemplo dos projetos de ecoturismo desenvolvidos no extremo sul da Bahia, na Amazônia equatoriana e peruana, passou-se um bom espaço de tempo de lutas. Segundo Azevedo Luíndia (2005), os movimentos indígenas foram legitimados em 1992, com a Eco-Rio, e, mais tarde, pela Agenda 21 Nacional e pelas agendas locais. A partir daí, o cenário começa a modificar-se, sendo traçadas várias categorias de análise da luta dos povos indígenas pelos seus direitos e posse de territórios dentro das perspectivas: ecológica e econômica, na busca da conservação de ecossistemas e sustentabilidade. Nessa trajetória, a mídia não ficou à margem, se dedicou com afinco a divulgar em grande parte essa imagem. Trata-se aqui de analisar sob quais condições ideológicas, politicas sociais e culturais a mídia veicula os grupos indígenas. A partir de quais condições a mídia reforça ou desmistifica o discurso da carta de Caminha? E como esses fatores contaminam ou não o discurso da mídia, tendo em vista que numa empresa jornalística os interesses nem sempre são iguais para seus atores sociais? 3. O discurso da mídia Argumentar é uma atividade linguística fundamental, pois, através do discurso, o argumentador influencia intencionalmente o meio social em que vive provocando alterações no modo de pensar ou de se comportar de outros. Enquanto sujeito social e político, ele é capaz de orientar arrazoadamente o discurso, manifestando um posicionamento pessoal, no sentido de determinadas conclusões. O conceito de discurso é polissêmico, ao contrário do que se pensa. O discurso não é um conjunto de enunciados que a pessoa prepara para poder dissertar perante uma plateia, nem é o conjunto de enunciados que dão forma a um objeto enquanto se estabelece uma conversa, e muito menos se refere às restrições aplicadas a um contexto social e ideológico. O discurso tem a ver com a própria evolução do homem, diz respeito à evolução da língua, às transformações sofridas por ela durante todo o decorrer da história humana. O contraste de informações ou o jogo de interesses presentes nas matérias veiculadas pela imprensa atribuem um caráter multidisciplinar ao discurso jornalístico, ao qual, também, devem ser acrescentadas as diversas formas de poder das empresas de

5 comunicação e que determinam a relevância do que, quando e como deve ser publicado. Podemos observar isso ao tomarmos como base Chaparro (1994) para esta pesquisa, enfocando aspectos importantes na medida em que as referidas indagações delineiam fortemente a qualidade final do produto: a informação. Chaparro (1994) considera o discurso jornalístico como o resultado de um complexo processo de produção envolvendo as camadas superiores da empresa formada pelos diretores, editores, repórteres, dentre outros, por deterem controle ou conhecimento sobre os acontecimentos, e as camadas proletárias, formadas por todos aqueles que contribuem direta ou indiretamente para que a informação chegue ao seu destino final: o público. Sob essa ótica, a mídia ocupa um espaço de destaque na formação da esfera pública. De acordo com Habermas (1998, apud Gomes, 1998, p. 155), a esfera pública seria o âmbito da vida social em que interesses, vontades e pretensões que comportam consequências concernentes a uma coletividade apresentamse discursivamente e argumentativamente de forma aberta e racional. Reforçando as perspectivas acima, conforme Jovchelovitch (2000), ideias somente passariam a ter valor quando expressadas através da comunicação, ou seja, através do discurso. Nessa arena aberta à argumentação, quem participasse do debate ingressaria na esfera pública despojado de condições sociais privilegiadas, cargos, títulos ou posição social, num espaço para expressão de conteúdos do senso comum circulante na sociedade. Seria o fórum onde os indivíduos construiriam suas representações sociais, transpondo ideias e valores de si e do grupo social ao qual pertencem. A citada autora enfatiza ser através de concessões dadas pela imprensa à entrada dos grupos excluídos na agenda da mídia, denominada de agenda-setting, ou seja, a definição ou fixação do temário que deve todos os dias ser transformado em matérias jornalísticas. Sobre o assunto, as pessoas têm tendência para incluir ou excluir dos seus próprios conhecimentos aquilo que os mass media incluem ou excluem do seu próprio conteúdo (SHAW, 1979, APUD WOLF, 2005, p. 144). Sob a ótica mencionada, o jornalismo deseja ser referencial, como se o fato contasse a si mesmo, mas, por trás de qualquer dizer, há um sujeito o repórter, o editor, o dono do jornal, embora a imprensa tente apagar esse sujeito, numa estratégia discursiva de legitimar o discurso que prevalece como imparcial e objetivo, mas subliminarmente é um reforço do senso comum dominante. De acordo com Jovchelovitch (2000, p. 90), mesmo sendo os efeitos da mídia em nossas sociedades enfatizados, sua tendência para produzir significados e valores hegemônicos não deve

6 ser subestimada. A mídia é um ator-chave no exercício do poder, particularmente naquelas sociedades onde a mídia, a indústria e o governo estão nas mãos da(s) mesma(s) família(s) e onde a ausência de uma esfera pública forte impede o escrutínio dos interesses privados que dirigem a indústria das comunicações. Não há jornalismo imparcial, há a presença autoral do jornalista (e toda sua carga ideológica e cultural) e da empresa para qual trabalha. A imparcialidade se transformou em mito e vem permitindo aos veículos de comunicação camuflar a tendenciosidade das notícias veiculadas (Teixeira, Gomes & Morais, 1999, p. 1). Consubstanciando, segundo Junqueira (1999, p. 5), a mídia se transformou em instrumento fundamental na produção da nova coesão social, uma vez que lida com a fabricação, reprodução e disseminação de representações sociais em escala planetária. O discurso é uma construção social e da realidade. Mas de qual realidade? Do leitor? Do jornalista? Das empresas? De acordo com Gadini (1999), os discursos midiáticos enquanto espaços de produção de sentidos entre interlocutores têm a possibilidade de reinventar, questionar, construir ou, mesmo, desestruturar a lógica social da organização da vida dos grupos humanos. Assim, os meios de comunicação desempenham hoje bem mais um papel de mecanismos de constituição dos universos simbólicos e se apresentam como elementos cada vez mais indispensáveis no processo de identificação, apreensão e compreensão das relações sociais pelos indivíduos. Gadini (1999, p. 14) acrescenta: falar em jornalismo é, então, falar em fragmentos de realidade, resultante de um jogo de fatores e códigos de produção discursiva. Partindo dos pressupostos acima, enfocaremos, a partir deste momento, os procedimentos teóricos de análise, tendo como suporte cinco categorias de análise de Thompson (2009), a saber: legitimação, dissimulação, unificação, fragmentação e reificação. 4. Procedimentos teóricos de Thompson Para Thompson (2009), as referidas categorias legitimação, dissimulação, unificação, fragmentação e reificação atuam de maneira a sobrepor-se ou reforçar-se, podendo também a ideologia operar de outras formas. Na dissimulação, as relações são mantidas por serem ocultadas, negadas, desviadas, obscurecidas, ou por serem representadas de maneira que desvia nossa atenção. Diversas são as estratégias utilizadas em seu favor, como o deslocamento um

7 termo geralmente usado para um objeto ou pessoa é usado para se referir a um outro, fazendo com que a imagem positiva ou negativa seja reforçada e associada a esse outro, o qual é bastante usado na política e na publicidade. Além do deslocamento, há outras estratégias adotadas na dissimulação, as quais se valem do sentido figurativo da linguagem, como a eufemização e o tropo. A eufemização consiste no uso da descrição de fatos e situações negativas através do despertar de valores positivos, de maneira bastante sutil, por meio de uma pequena alteração no sentido. Um exemplo, no nosso contexto, é a exploração do indígena através dos mais diversos imaginários e interesses. O tropo se relaciona com as figuras de linguagem classificadas como sinédoque, metonímia e metáfora, já que favorecem a dissimulação das relações de poder. A sinédoque constitui um tropo fundado na relação de contiguidade e que consiste em tomar a parte pelo todo, estabelecendo, assim, uma relação quantitativa entre o significado original da palavra usada e o conteúdo ou referente. Os casos mais comuns de sinédoque ocorrem quando o falante utiliza-se de um termo que representa uma parte para referir-se ao todo e vice-versa, permitindo dissociar e ocultar relações de poder. Um exemplo recorrente na mídia é o uso de termos genéricos como os indígenas brasileiros. Por sua vez, a metonímia constitui uma figura de linguagem baseada numa relação de causalidade e que consiste no uso de uma palavra por outra com a qual apresente certa independência (Thompson, 2009, p. 85), valendo-se de uma característica, de um atributo usado para se referir a um objeto ou um ser humano, numa associação de causa e efeito, que pode ser positiva ou negativa, dependendo do interesse de quem a utiliza, como caracterizar o indígena como preguiçoso. Já a metáfora dissimula relações sociais na medida em que são emitidas características que os possuidores (objetos ou seres) não possuem, como denominar um indígena de exótico. A unificação é um recurso por meio do qual as relações de dominação se sustentam em uma unidade que interliga os indivíduos numa identidade coletiva (Thompson, 2009, p. 86), ocultando as diferenças existentes. Os recursos utilizados para tal objetivo são a padronização e a simbolização. A padronização ocorre quando formas simbólicas são adaptadas a determinado padrão, criando uma identidade coletiva aos grupos, como, por exemplo, a ideia de que todo índio (supostamente) fala Tupi, quando, na verdade, há em torno de 160 línguas faladas por etnias indígenas brasileiras. Já a simbolização da unidade pode ser definida como a construção de símbolos de unidade,

8 de identidade e de identificação coletivas, que são difundidas através de um grupo (Thompson, 2009, p. 86). Exemplos: um símbolo do indígena atual, o guardião da floresta. A reificação representa o estabelecimento, sustentação e manutenção das relações de poder por meio da retratação de uma situação transitória e histórica, como se fosse permanente. Processos são retratados como coisas, como acontecimentos naturais, ignorando quando e quem os produziu, destituindo-os de historicidade. A naturalização, a eternização, a nominalização e a passivização são recursos utilizados para tal fim. A estratégia de naturalização ocorre quando um estado de coisas que representa uma criação social é considerado como um acontecimento natural ou resultado inevitável de características naturais (Thompson, 2009, p. 88). Cabe refletir sobre a condição do indígena em nossa sociedade, que sofre o processo de naturalização em relação ao seu papel social. Já a eternização refere-se à esvaziação dos fenômenos sócio-históricos quando vistos como permanentes e imutáveis (Ibid. p. 88). Com base no exposto, agora adentraremos nas análises realizadas a partir do referencial teórico de Thompson, sendo as mesmas aplicadas ao discurso da mídia por entendermos o discurso como uma prática política, ideológica e sociocultural. Infere-se, aqui, que a linguagem se apresenta com papel duplo: primeiro, um instrumento que pode favorecer ou não a manutenção das ideologias e, dessa forma, as relações de poder são mantidas, estabelecidas e construídas; segundo, é através da linguagem que os contextos podem ser desconstruídos e desmascarados. Para tanto, passaremos à análise das reportagens que tomamos como objeto de estudo. 5. Análises Antes das análises de nosso recorte, teceremos breves comentários sobre a Carta de Pero Vaz de Caminha, por considerar que a mesma vislumbra grande parte dos contextos ideológicos, políticos e socioculturais vivenciados pelos indígenas nos dias atuais, através da mídia. Para Chamie (2002), Caminha observa nos índios traços que decorrem de três atributos principais: a inocência, a bondade e a alegria. Caminha vai enfocando os principais atributos do outro, o indígena, sempre em confronto com os atributos ou referências do conquistador português. Aquilo que Caminha vê ou parece ver no corpo do índio lhe vem como uma outra realidade, longe de seus referenciais: Caminha [...] estabelece comparações e expõe em seu texto o fascínio que a diferença

9 nativa exercerá, mediante os atributos da inocência, da bondade e da alegria, sobre a mesmice fanada dos valores culturais europeus (Chamie, 2002, p. 30). O atributo da inocência seria o primordial e, conforme o estudioso, registra o cerco crescente que a inocência do invadido avança sobre a vigilância do invasor. Chamie avalia três momentos em que este atributo aparece na Carta. O primeiro, em que Caminha observa as características físicas dos índios, o adjetivo bom (de bons rostos e bons narizes da descrição do cronista) é assim avaliado pelo intérprete: [...] Pero Vaz fixa atributos corporais do indígena em que o adjetivo bom predomina. O adjetivo bom qualifica indiscriminadamente formas e volumes, o que, a rigor, denota uma impressão de conjunto (física, estética e psicológica) apreciável e favorecida. Um pouco na linha de extração aristotélico-tomista de que o Bom, o Belo e o Bem são verdadeiros, a impressão de conjunto parece, no fundo, ser ditada pela naturalidade da nudez sem malícia nem constrangimento, coisa que em princípio a moralidade de extração aristotélico-tomista-cristã denunciaria (Chamie, 2002, p. 30) Pluralidade pouco conhecida (Revista Experiência, julho de 2010) Em um universo em que boa parte dos veículos de comunicação impressos ainda faz uso de uma imagem estereotipada dos indígenas, a reportagem Pluralidade pouco conhecida, da acadêmica Karine Tavares, publicada na Revista Experiência 6, de julho de 2010, se distingue justamente por tentar apregoar uma visão desmistificadora desses povos, e, assim, ir à contramão da ideologia dominante. O texto começa por questionar a imagem cristalizada que a sociedade tem quando se pensa em índios: homens nus, arco e flecha, ocas, tabas, natureza e distância (Tavares, 2010, p. 58). A seguir, Tavares apresenta declarações de pesquisadores e alguns índios que contestam o pré-julgamento normalmente feito pelos não-indígenas, enraizado no consciente coletivo através da mídia em geral e da literatura. Apesar das boas intenções, Karine Tavares já começa sua reportagem assumindo um erro histórico: A história escrita do Brasil começa com a famosa confusão dos navegadores europeus que pensavam ter chegado às Índias. (Tavares, 2010, p. 58). Essa confusão foi feita não por Cabral, mas sim por Colombo, em 1492, e não tem 6 A Revista Experiência é uma publicação experimental produzida por acadêmicos dos últimos anos da Faculdade de Comunicação Social (Famecos), da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), dentro da disciplina de Produção de Revista. É um veículo que preza pela publicação de textos de cunho mais literário.

10 qualquer relação com o começo da história escrita de nosso país. O que, de fato, se discute ainda hoje é se o afastamento das caravelas portuguesas da costa africana foi acidental ou se já havia uma determinação de chegar ao continente americano. Afinal, a descoberta do Brasil ocorreu oito anos depois da chegada de Colombo, o que configura tempo suficiente, portanto, para, no mínimo, se especular sobre a existência de novas terras por estas bandas. A despeito desse deslize, um dos pontos principais levantados pela autora é que os indígenas hoje são tratados como se fossem todos iguais, indivíduos que correspondem invariavelmente ao estereótipo arraigado. Trata-se de um dos modos de operação da ideologia pontuados por Thompson (2000, p. 86), a unificação, caracterizada por sustentar as relações de dominação através de uma unidade que interliga os indivíduos numa identidade coletiva. Nesse contexto da questão indígena, a unificação faz uso do recurso da padronização para criar uma identidade coletiva aos índios: todos são seres de pele parda, que vivem na floresta, nus ou com vestimentas exóticas, e que possuem hábitos bem diferentes daqueles dos civilizados. A própria autora aponta a falsidade dessa assertiva, quando afirma que o termo índio é genérico e mascara a existência de uma pluralidade culturas. Esses povos nunca foram e nem serão singulares. (Tavares, 2010, p. 59). Sendo assim, o grande mérito da reportagem é se propor a apontar como a visão que se tem dos grupos indígenas hoje ainda é estereotipada, e contrapô-la com a realidade atual. Tal imagem, como vemos, é gerada de acordo com os modos de operação apontados por Thompson, servindo, portanto, para estabelecer uma ideologia que beneficia a sustentação da classe dominante. É interessante notar o seguinte: a própria reportagem observa que boa parte da mídia propaga o estereótipo indígena, nas palavras de uma das entrevistadas, a professora e doutora Maria Aparecida Bergamaschi, pesquisadora em educação indígena: numa tentativa de mostrar a diferença de tradições, veem os rituais e as danças, como se fossem a totalidade de uma cultura. Ou seja, é a visão dos seres exóticos de Caminha, ainda mantida pelos mesmos veículos de comunicação que deveriam ser responsáveis por desmistificá-la. Tal imagem estereotipada gerada por esse processo de unificação remonta à descrição dos indígenas na carta de Pero Vaz de Caminha; e o fato dela existir ainda hoje, em pleno século XXI, aponta a existência de outro dos modos de operação da ideologia de Thompson, a reificação, ao retratar uma

11 situação transitória e histórica como se fosse permanente. Para tanto, nesse caso, esse processo utiliza o recurso da eternização, ao pintar os índios como seres imutáveis, como se fossem exatamente iguais àqueles com quem Caminha e os colonizadores se defrontaram, ainda nos idos de O texto de Tavares tenta mostrar uma visão contrária a esses estereótipos ao enfatizar mais uma vez as declarações de Bergamaschi, quando pontua: Tudo está registrado como se os índios não vivessem ou desenvolvessem suas historicidades e as suas culturas no decorrer de todo o período após a chegada dos europeus. No entanto, a jornalista acaba se incluindo entre aqueles que repetem estereótipos, mesmo quando manifestam o desejo de não fazê-lo. É o que se nota, por exemplo, quando ela escreve que Não são muitas as comunidades indígenas existentes no Brasil. A Fundação Nacional do Índio (Funai) estima que hoje há 220 grupos com cerca de 180 dialetos diferentes. (Tavares, 2010, p. 58) A primeira coisa a se perguntar é: o que é muito para Tavares? O Brasil possui a maior diversidade linguísticocultural das Américas; não há outro país da região com tantos povos quanto o nosso. Nosso ponto negativo não é a diversidade, mas a quantidade. Portanto, Tavares (2010), apesar de se apoiar em pontos de vistas esclarecedores que se afastam das visões eurocentristas, mantém um ranço de estereótipos e de ausência de conhecimentos dos grupos indígenas atuais dentro de seus modos produtivos e reprodutivos, e seus inúmeros contatos com os mais variados atores sociais, como ONGs, organismos internacionais, missionários, evangélicos, madeireiros, hidrelétricas, antropólogos, turistas, entre outros Planalto selvagem: Numa noite de tédio, cinco garotos melancólicos e apáticos tocam fogo num índio para se divertir (Revista Veja, 30 de abril de 1997) O meu nome é Tupi Guaykuru meu nome é Peri de Ceci eu sou neto de Caramuru sou Galdino, Juruna e Raoni (Lenine) Eles não tinham índio para queimar. Agora é prostituta. O desabafo de um dos policiais da 16ª DP-RIO, indignado com a atitude dos cinco agressores de Sirley Dias de Carvalho Pinto, remete ao caso do índio pataxó Galdino Jesus dos Santos, que, na madrugada de 20 de abril de 1997, foi queimado vivo quando dormia num ponto de ônibus em Brasília. O crime foi praticado por cinco jovens de classe média alta, um deles menor de idade, que jogaram álcool sobre o corpo do índio e atearam fogo. Galdino, de 44 anos, chegou a ser levado para o hospital, mas morreu horas depois. Ele estava na capital para festejar o Dia do

12 Índio. Naquele dia, chegou tarde à pensão onde estava hospedado e foi impedido de entrar. Os réus alegaram ter feito apenas uma brincadeira. 7 A reportagem de cinco páginas da Revista Veja 8 sobre a morte do índio Galdino descreve com profusão de detalhes o perfil de seus matadores queimadores, desde a ideia de que pertencem à classe média como tantos outros e são de boas famílias ao fato de serem alunos medíocres. Os jornalistas dedicam três páginas para argumentar sobre o caráter e as atividades dos cinco adolescentes, se apoiando em depoimentos das famílias e amigos, concluindo que [...] os cinco amigos estudam e trabalham. Praticam esportes. Não fumam. Bebem socialmente. De uso de drogas não se tem notícias. Estavam lúcidos naquela noite. Na delegacia ninguém quis fazer exame de dosagem alcóolica nem antitóxico. Está certo que não são bons alunos, tanto que quatro largaram colégios convencionais para fazer um supletivo mas isso não é motivo para incendiar uma pessoa, certo? (PINHEIRO & CAMAROTTI, 1997, p ) Para reafirmar seus argumentos os jornalistas ouviram 43 pessoas que conhecem os meninos; falam em uníssono sobre o temperamento dos jovens: melancólicos, pouco entusiasmados, quase absolutamente indiferentes. Um vizinho foi firme ao declarar: Eles seriam incapazes de fazer alguma coisa para o mal. Conforme o depoimento da mãe da namorada de Max, um dos adolescentes, ele não suporta filme de violência e terror. Os repórteres ouviram 43 pessoas, contudo, não ouviram sequer um líder indígena, a Funai ou outro órgão responsável, e nem mesmo os próprios pataxós. As vozes dos pataxós são silenciadas para escamotear a situação: afinal, era apenas um índio. Ou como dizem os autores, um mendigo índio. Ou um índio mendigo. Num box intitulado A vida imita a arte, na antepenúltima página, os jornalistas usam pequenos trechos da carta de Caminha ( não fazem o menor caso de encobrir ou de mostrar suas vergonhas ), terminando por concluir que em 1997, séculos depois de abandonar o naturalismo de seus ancestrais, os atuais pataxós adotaram adereços à la Vitor Meirelles para cobrir suas partes pudendas e fingir-se de índios (Pinheiro & Camarotti, 1997, p. 26). O nome de Vitor Meirelles faz referência ao pintor histórico responsável pela tela A Primeira Missa no Brasil, comumente reproduzida em livros escolares. A 7 Agressão à doméstica lembra morte do índio Galdino. Publicada em 25/06/2007, às 09h12m. O Globo Rio. Disponível em: < > 8 A Revista Veja, publicada pela Editora Abril, é atualmente um dos veículos de maior destaque na imprensa brasileira. A publicação se propõe a tratar de temas do cotidiano da sociedade brasileira e internacional, desde política a cultura e comportamento. A revista possui uma orientação ideológica clara, se assume como opinativa e é frequente alvo de críticas relativas à sua parcialidade e sua política de direita.

13 alegoria serve para reforçar a dissimulação e oculta e desvia a atenção dos indígenas para dois personagens: um histórico e outro desconhecido. Nessa estratégia, deslocamse os povos indígenas para o mito de que só eram indígenas no tempo da chegada de Caminha, quando andavam nus e com seus adereços de plumárias com penas coloridas. Passados mais de 500 anos, os pataxós não são mais índios, afinal usam adereços à la Vitor Meirelles para cobrirem suas partes pudendas e [pasmem] fingir-se de índios. Desse modo, os jornalistas esvaziam a situação histórica dos indígenas, reforçando e duvidando de sua condição de índio porque estão vestidos como o branco, ou com adereços da moda. Indaga-se: como os indígenas podem se fingir de índios? Na última página, a reportagem ainda faz uma inglória tentativa de contextualizar o grupo pataxó sem, contudo atentar para os fatos e situações em que vivem no sul da Bahia: Quase nada ficou da tradição: cocares que usam nas solenidades são copiados das imagens de índios que veem em velhos livros escolares. Na cerimônia fúnebre, uma pataxó chamada Michelle sim: Michelle Souza Santos, 10 anos, desfilou orgulhosa seu cocar, emprestado de um índio mais velho. No adorno havia peninhas cor de rosa tiradas de espanador. (PINHEIRO & CAMAROTTI, 1997, p. 28) Nas citações acima, prevalece o senso comum sobre o indígena como selvagem. Para os autores, aquele que não tem seu símbolo de indianidade não é índio, pois para sê-lo precisa estar de tanga, usar cocar e falar seu idioma; precisa estar da mesma maneira que os índios retratados no quadro de Vitor Meirelles. Mas se um não-indígena usar cocar, ele vai deixar de ser branco? A ironia sobre as peninhas cor de rosa tiradas de espanador nos revela o preconceito enraizado e a falta de informação dos jornalistas: já há algum tempo o Ibama vem tentando reduzir o uso de penas de aves em adereços indígenas, tendo em vista a comercialização predatória tanto de grupos indígenas quanto de não-indígenas. O texto termina com uma frase de efeito: Pensaram-se tratar-se de um mendigo. Era. Um mendigo índio. A reportagem da Veja aponta para os seguintes fatores: a) os povos indígenas, na maioria das vezes, só aparecem na imprensa quando estão relacionados a invasões de terra, ou quando são vítimas do sistema como no caso do pataxó Galdino; b) nas matérias sobre esses temas, os índios não são ouvidos adequadamente, com a imprensa se abastecendo quase somente pelas fontes oficiais (Funai, Ministério Público, Polícia Federal e ONGs), apesar do fato de que a Veja sequer ouviu essas autoridades e muito

14 menos procurou a visão de alguma liderança indígena; c) a falta de conhecimento do assunto do repórter ou editor pode reforçar estereótipos sobre essas sociedades. 6. Considerações finais Os indígenas continuam sendo retratados pela mídia como povos distantes no tempo e no espaço, subjugando-os como atrasados e restritos às matas. A mídia ajuda a modelar a visão de mundo e os valores mais profundos: define ainda o que é considerado bom ou mau, positivo ou negativo, moral ou imoral. As narrativas e as imagens modelam, forjam, inventam identidades. Sobre o assunto, Martín-Barbero (2008) afirma que o debate sobre a pureza do indígena, na América Latina, continua em aberto, alimentado por razões dualistas: uma obcecada pelo resgate das raízes fundado no nacionalismo populista, e outra pelo progressismo iluminista que vê na natureza indolente e supersticiosa do povo indígena um obstáculo para o desenvolvimento. O nome índio normalmente sugere que são todos iguais e que suas culturas não são diferentes, quando justamente cada povo, seja pataxó, majoruna, pankararu, tenetehára ou xavante, dentre outros, possui culturas diferenciadas e é uma nação diferente. As reportagens analisadas primam revestir os indígenas de estereótipos, através da ideia do bom selvagem, muito presente na literatura romântica do século XIX, e que se baseia na filosofia de Rousseau de que a princípio todos os homens seriam bons no estado de natureza. Pressupõe-se: os indígenas estariam nesse estado de pré-cultura, o que não é verdade, visto que as sociedades indígenas possuem cultura, civilização e são tão complexas quanto a sociedade nacional envolvente. Como não cabem no sistema do capital, tenta-se reduzi-los a um espaço e cenário bem próximo aos da carta de Caminha. É importante, portanto, a necessidade de mudanças na postura das empresas jornalísticas e seus representantes, no sentido de tratar a cultura indígena como um fato de interesse da sociedade em geral, uma vez que atinge uma grande quantidade de pessoas e possui importante papel na formação de opiniões desta camada da sociedade. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AZEVEDO LUÍNDIA, Luiza Elayne. Ecoturismo de grupos indígenas: experiências sustentáveis? Tese. (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido). Núcleo de Altos Estudos Amazônicos-NAEA. Universidade Federal do Pará-UFPA, 2005.

15 BOSI, Alfredo. História concisa da Literatura Brasileira. São Paulo: Cultrix, CARDOSO, Marilia Rothier. Gazeta de bruxo. Tese (doutorado). Departamento de Letras. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, CHAMIE, Mário. Caminhos da Carta: uma leitura antropofágica da Carta de Pero Vaz de Caminha. Ribeirão Preto: FUNPEC, CHAPARRO, Manuel C. Pragmática do Jornalismo: buscas práticas para uma teoria das ações jornalísticas. São Paulo: Summus, COUTINHO, Afrânio. Introdução à Literatura no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, GADINI, Sérgio Luiz. A produção da cultura no jornalismo contemporâneo. Considerações sobre o discurso da informação na construção da identidade. Anais... XXII Congresso Brasileiro de Ciência da Comunicação, GOMES, Wilson. Esfera pública política e media: com Habermas, contra Habermas. In: RUBIM, Antônio Albino Canelas; BENTZ, Ione Maria Ghislene & PINTO, Milton José (org.). Produção e Recepção dos Sentidos Midiáticos. Petrópolis, Vozes, JOVCHELOVITCH, Sandra. Representações sociais e esfera pública: a construção simbólica dos espaços públicos no Brasil. Petrópolis, Vozes, 2000, pp JUNQUEIRA, Lília. Identidade, representações e mudança social. IN: CUNHA, Paulo (org.). Identidade(s). Recife, Editora Universitária, MARTIN-BARBERO, J. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, MELO, Patrícia Bandeira de. O Índio na Mídia: discurso e representação social. Disponível em: Acesso em 01 de set. de PINHEIRO, Camila; CAMAROTTI, Gerson. Planalto Selvagem: numa noite de tédio cinco garotos melancólicos e apáticos tocam fogo num índio para se divertir. Revista Veja. 30 de abril de pp TAVARES, Karine. Pluralidade pouco conhecida. Revista Experiência. Famecos. PUCRS, Julho pp TEIXEIRA, Cristina; GOMES, Isaltina Mello & MORAIS, Wilma. O movimento de sentidos na mídia televisiva. Revista Lumina, vol. 2, nº 3, Juiz de Fora, UFJF, 1999, pp THOMPSON, J. B. Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação em massa. Petrópolis: Vozes, TOLLER, Heloisa. Bons e Maus Selvagens: a indispensável visão mítica no Colonialismo/Imperialismo Europeu. Ipotesi. Juiz de Fora, v. 11, n. 1, pág , jan/jun WOLF, Mauro. Teorias da Comunicação. Lisboa, Presença, 2005.

16

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES Vanilde Gonçalves dos Santos LEITE; Rogério SANTANA F L - UFG vanildegsl@hotmail.com Palavras-chave: Regionalismo Evolução

Leia mais

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa²

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² 1. 2. Bolsista UEMS, Acadêmica do Curso de Enfermagem da UEMS Professora do Curso de Ciências Biológicas

Leia mais

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL FACULDADE SETE DE SETEMBRO INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA ALUNA: NATÁLIA DE ARAGÃO PINTO ORIENTADOR: PROF. DR. TIAGO SEIXAS THEMUDO A IMPRENSA

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio.

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio. Índios do Brasil Episódio 7: Nossas Terras Resumo A série "Índios no Brasil", com duração média de 20 minutos, traça um perfil da população indígena brasileira e mostra a relação dessa população com a

Leia mais

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1 Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG RESUMO Como forma de estimular a criatividade

Leia mais

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL Bruna Maria de Oliveira (¹) ; Elcione Trojan de Aguiar (2) ;Beleni Salete Grando (3) 1.Acadêmica

Leia mais

Uma Análise Antropológica dos Estereótipos do Indígena na Mídia 1

Uma Análise Antropológica dos Estereótipos do Indígena na Mídia 1 Uma Análise Antropológica dos Estereótipos do Indígena na Mídia 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES/ Graduando em História Aline Aparecida SILVA/ Graduando em Letras

Leia mais

www.senado.leg.br/datasenado

www.senado.leg.br/datasenado www.senado.leg.br/datasenado Lei Maria da Penha completa 9 Promulgada em 2006, a Lei Maria da Penha busca garantir direitos da mulher, além da prevenção e punição de casos de violência doméstica e familiar.

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA FONTES DO JORNALISMO IMPRESSO EM CAMPO GRANDE

PROJETO DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA FONTES DO JORNALISMO IMPRESSO EM CAMPO GRANDE Gerson Luiz Martins PROJETO DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA FONTES DO JORNALISMO IMPRESSO EM CAMPO GRANDE A contribuição da Reportagem, Assessorias e Agências para a formação do jornal diário. Equipe

Leia mais

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR Crack: o drama de uma escolha 1 Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR RESUMO Esse trabalho se propõe a explicar o processo de produção da reportagem Crack: o drama

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

ÍNDIOS NO BRASIL. Cristina Langendorf Luciana Catardo

ÍNDIOS NO BRASIL. Cristina Langendorf Luciana Catardo ÍNDIOS NO BRASIL Cristina Langendorf Luciana Catardo AS PRIMEIRAS IMPRESSÕES Eram pardos, todos nus, sem coisa alguma que lhes cobrissem as suas vergonhas. Traziam nas mãos arcos e setas. Historiadores

Leia mais

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Introdução No Brasil, a questão étnico-racial tem estado em pauta, nos últimos anos, em debates sobre políticas

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS A CHEGADA DOS PORTUGUESES A AMÉRICA E AS VIAGENS MARÍTIMAS Projeto apresentado e desenvolvido

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. 10 a 15 de junho de 2011 UFG Goiânia, Goiás.

63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. 10 a 15 de junho de 2011 UFG Goiânia, Goiás. 63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência 10 a 15 de junho de 2011 UFG Goiânia, Goiás. Comunicação, Ciência e Conservação do Cerrado: Mídia e Jornalismo na conscientização e

Leia mais

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Mary Clevely Mendes Programa de Iniciação Científica UEG / CNPq Orientador (Pesquisador-líder):

Leia mais

Entrevista com o antropólogo Luis Donisete Benzi Grupioni

Entrevista com o antropólogo Luis Donisete Benzi Grupioni 1 Guia Prático para Professores de Ensino Fundamental 1, publicação mensal da Editora Lua ( entrevista do mês da edição de abril de 2009. Ano 06, No. 62). ISBN 1679-9879. Entrevista com o antropólogo Luis

Leia mais

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC TEXTO COMPLEMENTAR AULA 2 (15/08/2011) CURSO: Serviço Social DISCIPLINA: ORIENTAÇÕES DE TCC II - 8º Período - Turma 2008 PROFESSORA: Eva Ferreira de Carvalho Caro acadêmico, na Aula 2, você estudará Áreas

Leia mais

POVOS INDÍGENAS NO BRASIL. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG

POVOS INDÍGENAS NO BRASIL. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG POVOS INDÍGENAS NO BRASIL Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG Conhecendo os povos indígenas Para conhecer melhor os povos indígenas, é importante estudar sua língua.

Leia mais

Análise discursiva e da imagem dos indígenas que foram veiculados no jornal O Liberal nos anos de 1990 e 2011¹

Análise discursiva e da imagem dos indígenas que foram veiculados no jornal O Liberal nos anos de 1990 e 2011¹ Análise discursiva e da imagem dos indígenas que foram veiculados no jornal O Liberal nos anos de 1990 e 2011¹ ProfªDrªIvânia dos Santos Neves, Professora dos cursos de Comunicação Social e Letras e do

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

5 Considerações finais retomando o problema

5 Considerações finais retomando o problema 5 Considerações finais retomando o problema A análise dos dados, dividida nos eixos critérios de avaliação, interpretação e juízo moral, tentou responder as perguntas formuladas no início da pesquisa como

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

UM OLHAR SOBRE A IDENTIDADE SURDA

UM OLHAR SOBRE A IDENTIDADE SURDA UM OLHAR SOBRE A IDENTIDADE SURDA Márcia do Socorro E. da Silva 1 INTRODUÇÃO Há uma luta pela prevalência sobre os poderes e os saberes que operam nas sociedades e o palco desta luta é o meio social como

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

Projeto Comunidade: Construindo Intervenções à Luz da Psicologia Social Transformativa

Projeto Comunidade: Construindo Intervenções à Luz da Psicologia Social Transformativa Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Projeto Comunidade: Construindo Intervenções à Luz da Psicologia Social Transformativa Área Temática

Leia mais

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros.

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros. INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM Fato Social - Exterioridade (o fato social é exterior ao indivíduo). - Coercitividade. - Generalidade (o fato social é geral). * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB Introdução Este trabalho se insere nas discussões atuais sobre relação étnico-cultural

Leia mais

PROPORCIONANDO UMA APRENDIZAGEM DINÂMICA E CONTEXTUALIZADA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL MÚSICA

PROPORCIONANDO UMA APRENDIZAGEM DINÂMICA E CONTEXTUALIZADA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL MÚSICA PROPORCIONANDO UMA APRENDIZAGEM DINÂMICA E CONTEXTUALIZADA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL MÚSICA RAVENA FLÁVIA MEDEIROS DE FREITAS, POLIANA SALDANHA DE SOUSA, PATRICIA FERREIRA DOS SANTOS, AIVONEIDE DE OLIVEIRA

Leia mais

célia collet mariana paladino kelly russo

célia collet mariana paladino kelly russo Apresentação Este livro é produto de uma inquietação resultante de nossas pesquisas e de práticas docentes e de extensão universitária, ao apreender o modo como as culturas e as histórias indígenas são

Leia mais

O IMAGINÁRIO DE ALUNOS (AS) DA REGIÃO SUL SOBRE A REGIÃO NORTE BRASILEIRA ATRAVÉS DA GEOGRAFIA ESCOLAR

O IMAGINÁRIO DE ALUNOS (AS) DA REGIÃO SUL SOBRE A REGIÃO NORTE BRASILEIRA ATRAVÉS DA GEOGRAFIA ESCOLAR O IMAGINÁRIO DE ALUNOS (AS) DA REGIÃO SUL SOBRE A REGIÃO NORTE BRASILEIRA ATRAVÉS DA GEOGRAFIA ESCOLAR Andressa Ramos Teixeira Edimara Gonçalves Soares Eduardo Schiavone Cardoso O Brasil é um país de grande

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

Guerra dos Mundos em São Luís 1

Guerra dos Mundos em São Luís 1 Guerra dos Mundos em São Luís 1 Ana Paula Silva de SOUSA 2 Dara de Sousa SANTOS 3 Silvanir Fernandes da SIVA 4 Polyana AMORIM 5 Universidade Federal do Maranhão, MA RESUMO O documentário Guerra dos Mundos

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Organizações de defesa do cidadão

Organizações de defesa do cidadão Organizações de defesa do cidadão Denise Catarina Silva Mangue Ser cidadão na sociedade da informação Em 1976, o inglês T. H. Marshall um dos principais pensadores contemporâneos envolvidos na discussão

Leia mais

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil.

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. 1 Autora :Rosângela Azevedo- PIBID, UEPB. E-mail: rosangelauepb@gmail.com ²Orientador: Dr. Valmir pereira. UEPB E-mail: provalmir@mail.com Desde

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

NO MEU BAIRRO SE BRINCA DE...

NO MEU BAIRRO SE BRINCA DE... NO MEU BAIRRO SE BRINCA DE... Cintia Cristina de Castro Mello EMEF Alberto Santos Dummont RESUMO Este relato apresenta o trabalho desenvolvido no EMEF Alberto Santos Dumont, com as turmas 1ª e 3ª séries

Leia mais

CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE. Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014.

CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE. Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014. CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014. DEDICATÓRIA Para todas as crianças negras e de classes populares que são vítimas das atrocidades

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

REDAÇÃO I N S T R U Ç Õ E S

REDAÇÃO I N S T R U Ç Õ E S REDAÇÃO I N S T R U Ç Õ E S 1. Confira o número do(a) candidato(a), o local, o setor, o grupo e a ordem indicados na folha oficial de redação, a qual NÃO deverá ser assinada. 2. Leia e observe atentamente

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 Acrescenta o art. 220-A à Constituição Federal, para dispor sobre a exigência do diploma de curso superior de comunicação social, habilitação jornalismo, para

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

O PROCESSO DE FORMAÇÃO DO CÂNONE LITERÁRIO E AS SUAS CONTROVERSIAS

O PROCESSO DE FORMAÇÃO DO CÂNONE LITERÁRIO E AS SUAS CONTROVERSIAS O PROCESSO DE FORMAÇÃO DO CÂNONE LITERÁRIO E AS SUAS CONTROVERSIAS Profa. Esp. Aline Ferreira DURÃES i (UESSBA) Resumo: Este artigo objetiva expor as contradições sócio-históricas existentes na formação

Leia mais

LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO

LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO 1 LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO Vanuza Oliveira do Carmo (UFS) 1- INTRODUÇÃO Presenciamos atualmente muitas discussões acerca da Lei 10.639 aprovada em janeiro

Leia mais

Trabalhando com Projetos

Trabalhando com Projetos Trabalhando com Projetos Educar para a diversidade étnica e cultural investigação e ação Ricardo Luiz da Silva Fernandes Educar para a compreensão da pluralidade cultural é a luta para construção da igualdade

Leia mais

A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL

A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL Por: Daniela Borges Lima de Souza1 e Bruno Mourão Paiva2 Francês, nascido em 1924, o professor Pierre Weil é escritor, educador e psicólogo

Leia mais

O PAPEL DA ANIMAÇÃO CULTURAL

O PAPEL DA ANIMAÇÃO CULTURAL O PAPEL DA ANIMAÇÃO CULTURAL Graziany Penna Dias Resumo: O presente texto teve por objetivo discutir o papel da animação cultural no campo do lazer. Entendemos que esta discussão se fazer importante já

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

FORÇA FEMINISTA NA CHINA

FORÇA FEMINISTA NA CHINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA DO SECULO XX FORÇA FEMINISTA NA CHINA DÉBORAH PAULA DA SILVA RECIFE

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009.

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. caderno ufs - filosofia RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. Jadson Teles Silva Graduando em Filosofia UFS Indivíduo

Leia mais

TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO

TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO Breve Histórico da População de Rua na Cidade de São Paulo A população de rua da cidade de são Paulo, heterogenia

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME

TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME CADERNO PEDAGÓGICO TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME 4 ISBN: 2015/1 ALUNO(A): APOIO PEDAGÓGICO: NUCLEO DE FORMAÇÃO GERAL ANNA PAULA SOARES LEMOS JOAQUIM HUMBERTO COELHO DE OLIVEIRA LUCIMAR LEVEGNHAGEN

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

Primeiro Contato Histórias reais de um mundo desconhecido 1

Primeiro Contato Histórias reais de um mundo desconhecido 1 Primeiro Contato Histórias reais de um mundo desconhecido 1 Gabriela VICENTINO 2 Ivo STANKIEWICZ 3 Kelly Cristina SILVA 4 Mylena GAMA 5 Otávio Fernando LOPES 6 José Carlos FERNANDES 7 Pontifícia Universidade

Leia mais

Fragmento do filme Caramuru, a invenção do Brasil. http://www.youtube.com/watch?v=nv04qj93pwu. (Terra Papagalli - Mandamento 4)

Fragmento do filme Caramuru, a invenção do Brasil. http://www.youtube.com/watch?v=nv04qj93pwu. (Terra Papagalli - Mandamento 4) É aquela terra onde tudo está à venda e não há nada que não se possa comprar, seja água ou madeira, cocos ou macacos. Mas o que mais lá se vende são homens, que trocam-se por qualquer mercadoria e são

Leia mais

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva & Guaciara Lopes Louro. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva & Guaciara Lopes Louro. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014. HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva & Guaciara Lopes Louro. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014. Max Lânio Martins Pina, da Universidade Estadual de Goiás

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF Resumo A presente pesquisa se debruça sobre as relações étnico-raciais no interior de uma escola

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO Eixo Temático 2 - Pesquisa e Práticas Educacionais Autora: Beatriz de Oliveira Abuchaim Orientadora: Maria Malta

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO EDUCAÇÃO INDÍGENA Gonçalves,Emily 1 Mello,Fernanda 2 RESUMO: Falar da educação dos índios nos dias atuais requer uma breve análise histórica deste povo. Precisamos reconhecer que nesses 508 anos, os povos

Leia mais

Política de Línguas na América Latina 1

Política de Línguas na América Latina 1 Política de Línguas na América Latina 1 Eduardo Guimarães * Num momento como o atual, em que as relações internacionais vêm mudando rapidamente e que se caracteriza, entre outras coisas, pelo fato político

Leia mais

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos 44 5. Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos As rodas de conversa tiveram como proposta convidar os participantes a debater o tema da violência

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

Disciplina: Dinâmicas do mundo moderno Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros ESTUDO DIRIGIDO

Disciplina: Dinâmicas do mundo moderno Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros ESTUDO DIRIGIDO Disciplina: Dinâmicas do mundo moderno Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros ESTUDO DIRIGIDO Para responder, siga as opiniões expressas do texto: Canto, O. do; J. Almeida. Meio ambiente: determinismos, metamorfoses

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

500 anos: O Brasil Colônia na TV

500 anos: O Brasil Colônia na TV 500 anos: O Brasil Colônia na TV Episódio 5: A Conquista da terra e da gente Resumo O episódio 5, A Conquista da terra e da gente, parte da série 500 anos: O Brasil Colônia na TV, apresenta o processo

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE MESTRADO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE MESTRADO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE MESTRADO E D I T A L - 2016 O Departamento de Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro torna pública a abertura

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

Como o bullying contra jovens indígenas estudantes de escolas de branco perpetua estereótipo negativo do índio

Como o bullying contra jovens indígenas estudantes de escolas de branco perpetua estereótipo negativo do índio Universidade de São Paulo Glenda Carlos Ferreira de Almeida Nilbberth Pereira da Silva Orientador: Professor Doutor José Coelho Sobrinho Como o bullying contra jovens indígenas estudantes de escolas de

Leia mais

Vamos começar nossos estudos e descobertas????????

Vamos começar nossos estudos e descobertas???????? Aula 07 RESUMO E RESENHA Vamos iniciar nossos estudos???? Você já deve ter observado que pedimos que leia determinados textos e escreva o que entendeu, solicitamos que escreva o que o autor do texto quis

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL Relatório Analítico PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER DATASENADO SECS PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER Há dois anos, o DataSenado

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

ENTREVISTA: "NÃO SE FAZ NOTÍCIA SÓ COM TECNOLOGIA", diz a pesquisadora Thais de Mendonça Jorge

ENTREVISTA: NÃO SE FAZ NOTÍCIA SÓ COM TECNOLOGIA, diz a pesquisadora Thais de Mendonça Jorge ENTREVISTA: "NÃO SE FAZ NOTÍCIA SÓ COM TECNOLOGIA", diz a pesquisadora Thais de INTERVIEW: DON'T MAKE NEWS ONLY WITH TECHNOLOGY, says researcher Thais de Thaisa Cristina Bueno 1 Lucas Santiago Arraes Reino

Leia mais

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 (Orientador) Profa. Dra. Tatiana Machiavelli Carmo Souza 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

Indice. Bullying O acaso... 11

Indice. Bullying O acaso... 11 Indice Bullying O acaso... 11 Brincadeira de mau gosto. Chega! A história... 21 O dia seguinte... 47 A paixão... 53 O reencontro... 61 O bullying... 69 9 Agosto/2010 O acaso Terça-feira. O sol fazia um

Leia mais

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA Juliana de Oliveira Meirelles Camargo Universidade Candido Mendes/ Instituto Prominas e-mail: Ju_meirelles@yahoo.com.br Léa Mattosinho

Leia mais

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea Érica Fróis O objetivo deste trabalho é discutir o brincar na internet e a construção da Imagem do corpo na criança a

Leia mais