MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO/MANTENEDORA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE UF MG ASSUNTO Reconhecimento da habilitação em Supervisão Escolar, para Exercícios nas escolas de 2 grau, Licenciatura plena do curso de Pedagogia, ministrado pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras instalada em Formiga-MG. RELATOR: SR. CONS. PARECER N. I - RELATÓRIO Lauro Leitão CÂMARA OU COMISSÃO CESu APROVADO EM PROCESSO N / Presidente do Conselho Diretor da Fundação Educacional Comunitária Formiguense encaminha a este Conselho pedido de reco nhecimento da habilitação em Supervisão Escolar para o exercício nas escolas de 2º grau - Licenciatura Plena do Curso de Pedagogia, ministrada pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras instalada em Formiga-MG, cujas atividades tiveram início em curso de Pedagogia foi reconhecido pelo Decreto ne , de 01/08/74, publicado no Diário Oficial de A habilitação em Supervisão Escolar do 2 Grau foi autor zado a funcionar pela Portaria ne 524/88, com base no Parecer Conselho Estadual de Educação de Minas Gerais,nº 963/88, mediante conversão, via plenificação,da habilitação em Supervisão de 1 Grau. d Escola Pela Portaria SENESU/MEC nº 89/92, foi designada Comissão Verificadora,composta pelos professores, Angela Maria Monjardim da UFES e Francisco de Assis Trindade,da UFSC e pela TAE Margarida Maria Leles Figueiredo,da DEMEC-MG, para verificar as condi ções do funcionamento do curso e apresentar relatório conclusivo Com base nos dados contidos no processo e nos relatórios da Comissão Verificadora e da CAE, passamos à análise dos requisitos essenciais, com vistas à aprovação do pleito MOD 5 - CFE VRS

2 1.1. Acadêmica Segundo o relatório da Comissão Verificadora, o curso de Pedagogia,com habilitação em Supervisão Escolar do 2 Grau, visa a qualifica. ção de recursos humanos para atuarem nas escolas de 20 graus. 0 curso funciona com 100 vagas totais anuais, com regime de matrícula seriado a- nual, com carga horária de horas,para a integralização do curso em 3(três) anos. A instituição mantém os seguintes estabelecimentos e cursos: - Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Formiga. Ciências - 1 Grau: B; F;M;Q (Rec) vagas ;. Estudos Sociais - 1º Grau; EMC (Rec) vagas.. Geografia - Lic. (Rec) - 40 vagas. História - Lic.(Rec) - 40 vagas. Letras - 1 Grau; P/F; P/I (Rec) 100 vagas ;. Pedagogia - MMP2º; OE;(Rec); SE (Aut) vagas; - Escola de Biblioteconomia. Biblioteconomia (Rec) - 40 vagas Consta do relatório da Comissão que a Faculdade funciona no horário noturno e,aos sábados,pela manhã. Dos alunos matriculados 1991, o total de concluintes consta de alunos. A habilitação em Supervisão Escolar de 2º Grau do Curso de Pedagogia foi autorizado, pela Portaria nº 524/88, com base no Parecer CEE-MG n 963/88. Nas horas-aulas do curso, já se encontram incluídas as 120 h/a de EF e 60 h/a de EPB. O currículo pleno desta habilitação é composto pelos conteúdos mínimos estabelecidos pela legislação em vigor Administrativas As relações entre a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Formiga com sua mantenedora, a Fundação Educacional Comunitária Formiguense; se operacionalizam através das reuniões com a participação do Presidente da Fundação, dos Superintendentes Financeiros e Educacional, dos Diretores de Unidades e pessoas da comunidade. O controle exercido pela entidade mantenedora, conforme frisa a Comissão Verificadora, consiste principalmente na questão financeira. As relações entre diretores, alunos e professores são aparentemente boas e a relação entre a direção da instituição e a DEMEC-MG é pequena. O Conselho Departamental e os Departamentos reúnem-se com regularidade prevista no regimento, inclusive extraordinariamente. Os principais assuntos tratatos se referem às questões didático-pedagógicas, tais como:"planejamento anual, aprovação de programas e planos de curso, avaliação bimestral, relação professor-aluno, estudo de textos e

3 questões administrativas tais quais: procedimento quanto à frequência de professores e alunos, recisão de regimento, distribuição e horário de aulas, critério de demissão e admissão de professores, aprovação de calendário, eleição de novo diretor entre outras. A Coordenação Didático-Pedagógica dos Cursos é feita por um professor com maior participação e disponibilidades; e supervisionada pela Superintendente Educacional da Fundação. Comenta a Comissão que, segundo informações da Superindente Educacional da Fundação, as dificuldades encontradas decorrem da falta de professores com tempo disponível para discussões mais aprofundadas sobre os assuntos pertinentes ao processo educacional e administrativo da Instituição. I 2. Corpo Docente O Curso conta com 15 professores, dos quais 50%,aproximadamente, possuem Pós-Graduação. Os demais são graduados,com bastante experiência. O aperfeiçoamento do corpo docente é estimulado por indicação da Superindência Educacional e pela Direção da Unidade, após a avaliação do desempenho do professor e consulta ao mesmo sobre suas possibilidades e interesse.os custos de especialização feita, por esses professores são, geralmente, realizados em módulos, nas férias dos docentes, quando estes recebem o seu salário de férias. A correspondência entre a atuação do professor e a sua formação acadêmica foi evidenciada nas pastas dos professores, consultados pela Comissão. Ademais, essa relação está implícita nas respectivas aprovações dos Conselhos Federal e Estadual de Educação. A carga horária semanal do curso consta de 196 aulas com uma média de 14 aulas por professor. 3. Corpo Discente Informa a Comissão que o corpo discente do Curso é formado por a- lunos trabalhadores, em sua maioria, residentes em cidades vizinhas.mesmo assim o desempenho dos alunos pode ser considerado bom, com notas de aproveitamento variando de 06 a 10 pontos. O nível de participação nos órgão colegiados da Instituição é razoável, segundo informa a Comissão,após ter constatado essa interação de valores, mediante entrevista mantida com o Presidente do Diretório Central dos Estudantes da Faculdade. Outro aspecto importante,segundo a Comissão, é o fato de uma das competências do Conselho Departamental consistir em "Aprovar o Regimento I do Diretório Central de Estudantes e as modificações que nele se introduzirem" (Art. 15-V do Regimento Geral da Faculdade). Pelos depoimentos dos estudantes de Pedagogia, do Presidente do Di retório Central dos Estudantes e de alguns professores, o funcionamento dos cursos ministrados pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de

4 Formiga é satisfatório em relação às atividades de ensino e adequado â necessária formação profissional. Quanto às atividades de extensão,são ministradas mediante seminários e palestra sobre temas atuais tais como : "Leste Europeu", construtivismo em Matemática", "Construtivismo em Geografia e História", e "Literatua Brasileira". Estas atividades são oferecidas pela UFMG e frequentadas por pessoas da comunidade incluido alunos e professores da instituição. A Faculdade promove ; ainda, neste sentido, cursos para professores da rede municipal de ensino, ministrados por docentes da instituição 4. Infra-estrutura Física Financeira 4.1. Física i A estrutura física da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Formiga, como um todo, é satisfatória. Dispõe de um salão-de-festas, tipo auditório,com capacidade aproximada para 200 pessoas; doze salas de administração, o alojamento anteriormente mencionado e uma área de espera e circulação ampla, arejada e com boa ventilação. Com área de lazer e prática de esportes há um pátio com quadras de vôlei, futebol e basquete,composta de vestiários, bebedouro e arquibancada. Os jogos de competição, no entanto, são realizados no Ginásio Poliesportivo do município. A Biblioteca da Faculdade que atende a toda a Fundação e a comunidade, apesar de sua dinâmica e do dinamismo evidenciados pela sua Diretora, poderia ser melhor aproveitada a partir de uma política de atualização permanente do acervo de livros e periódicos, em que» professores, alu-, nos e funcionários (sobretudo os da biblioteca) se envolveriam através de consultas e pesquisas junto a livrarias, editoras, universidades, e i faculdades, entre outras. O Centro de Processamento de Dados deve ser melhor utilizado como instrumento de diagnósticos sobre questõs da comunidade que podem ser desenvolvidos como trabalhos de disciplinas do currículo dos cursos, entre outras utilizações. Nota-se, no geral, que, embora a Faculdade disponha de recursos físicos e materiais satisfatórios (ã exceção do acervo da biblioteca), falta uma maior integração de ações que gerariam uma melhor utilização desses recursos. E acrescenta: "A instituição possui laboratórios de Física, Química e Biologia e dispõe de um Centro de Processamento de Dados com PC-AI 386,com três terminais e três impressoras. É dirigido por um profissional graduado em Ciências da Computação e serve à instituição apenas para fins de contabidade financeira e está iniciando a implantação do sistema de registro e

5 acompanhamento acadêmico da Secretaria. No que concerne a recursos materiais,parece haver mais uma sub-utilização do potencial disponível do que uma necessidade de ampliação de condições materiais, além da aquisição de livros e periódicos mais atualizados" Financeira Quanto à estrutura financeira,a Comissão assim se expressa: 'as informações fornecidas pelo Setor Financeiro da instituição sobre os recursos financeiros em 1992 se encontram assim discriminados: - Despesas de janeiro a setembro de 1992: a) livros e periódicos = Cr$ ,90 (nove milhões, trezentos e quarenta e nove mil, setecentos e noventa e oito cruzeiros e noventa centavos); b) qualificação de docentes = ,00 (quatro milhões, cento e vinte mil e setecentos e noventa e oito cruzeiros); c) equipamentos dos laboratórios e similares = nenhuma informação foi fornecida. - Despesas do mês de setembro: d) salários dos professores = ,13 (cento e trinta e seis milhões, oitocentos e setenta mil, novecentos e noventa e oito cruzeiros e treze centavos); e) salário dos dirigentes e pessoal administrativo= ,11 (quinze milhões, quatrocentos e dezessete mil, quinhentos e setenta e nove cruzeiros e onze centavos) Histórico e Prospectiva a) 0 estabelecimento não recebeu qualquer intervenção externa nos últimos treze anos. Nem mesmo a visita de inspetores e/ou supervisores da Secretaria de Educação de Minas Gerais ou da DEMEC-MG. b) Na percepção dos dirigentes,os problemas mais graves que o estabelecimento enfrentou nos últimos anos foram decorrentes da situação cio-econômica dos alunos, de forma geral. No caso específico da habilitação pleiteada para reconhecimento,o problema consiste na expectativa de que este ocorra em curto espaço de tempo, já que vários alunos aguardam para ingresso e reingresso no curso. c) A avaliação da atuação do estabelecimento,na percepção dos dirigentes, alunos e professores;em termos de resultados,se apoia na qualificação de profissionais que suprem necessidades das escolas públicas a partir do momento em que, por concurso, ingressam no serviço público, quer estadual ou municipal. Em termos de processo,parece haver uma satisfação generalizada sobre os serviços da Instituição, embora reconheçam algumas de suas limitações.

6 d) Os dirigentes alegam que a superação das disfunções e a garantia de sustentação e desenvolvimento depende, o que é compreensível nu ma instituição que se auto-mantém com mensalidades e pequenas doações, do equilíbrio econômico do País, alunos e escola. Particularmente,a necessidade de reconhecimento da Habilitação em Supervisão Escolar do 2 Grau ; para se resgatar um dos objetivos da instituição e se atender a demanda reprimida existente (aproximadamente 90 candidatos além daqueles que cursam a Habilitação em nível de 1º grau)." 2.3. Biblioteca Consta nos autos que: A Biblioteca "Ângela Vaz Leão" encontra-se instalada em amplo e moderno espaço, oferecendo plenas condições de consultas e estudo aos seus usuários, atendendo a uma clientela proveniente das diversas unida des de ensino,mantidas pela Fundação Educacional Comunitária Formiguense. Ocupa uma área de 525, 86m 2, dos quais 198,80m 2 se destinam ao acervo bibliográfico 192,00m 2 estão reservados para o ambiente de leitura e o restante do espaço é ocupado pelos demais setores ligados aos serviços da biblioteca. O acervo bibliográfico à disposição de professores, alunos e pessoal técnico-administrativo foi multiplicado desde a criação do primeiro curso da Faculdade, reunindo,hoje,obras de base especializadas. Registrando leitores, uma média de consultas e com capacidade de atendimento simultâneo de 88 pessoas, conta atualmente com 04 (quatro) bibliotecárias legalmente habilitadas e uma auxiliar de serviços. Além dos títulos específicos, existem na Biblioteca obras de referência tais como: catálogos, dicionários, enciclopédias, de grande importância como qualificação interna e na sustentação de trabalhos e estudos a professores a alunos, nos diversos graus de ensino. A ampliação do acervo bibliográfico é constante e se faz através de identificação de novas publicações, de consulta a professores em cada área específica, sendo preocupação fundamental possibilitar a oferta aos alunos, em quantidade suficiente para utilização simultânea, das obras básicas identificadas como sustentação dos estudos nos planos de ensino de cada disciplina. O acervo específico da área de Pedagogia da biblioteca da Faculdade compreende 467 títulos,distribuídos em exemplares de livros e 18 periódicos. A Biblioteca funciona regularmente nos seguintes horários: segunda-feira, quarta-feira e quinta-feira: de 07:00 h às 18:00 h; terça-feira e sexta-feira: de 07:00 h às 23:40 h e ao sábado de 07:00 h às 12:00hs. Atualmente o acervo total da biblioteca ê de títulos e exemplares.

7 A Biblioteca permite livre acesso ao leitor, atendendo desde o maternal até o terceiro grau em consultas, empréstimos, uso de audiovisuai (slides, fitas, cursos gravados, opcart, etc) video-cassete (filmes ilustrativos, científicos, didáticos com gravação própria e por compra), atendendo o curso matutino (5ª à 8ª séries - lº Grau e 2º Grau) a 450 alunos; no vespertino (1ª à 4ª séries - 1º Grau) a 350 alunos; no noturno (3º Grau) 400 a 500 alunos média diária. A classificação usada é a C.D.U. dentro das tabelas do IBICT. i II - VOTO DO RELATOR Diante do exposto e considerando os dados constantes do processo, o Relator vota favoravelmente ao reconhecimento da Habilitação em Supervisão Escolar para Exercício nas Escolas de 2º Grau - Licenciatura Plena,do Curso de Pedagogia, ministrada pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Le trás, instalada em Formiga/MG, i III - CONCLUSÃO DA CÂMARA

8 CORPO DOCENTE - ANEXO II FORMIGAS 01. AMILTON LUIZ VALE Disciplinas: Língua Portuguesa Comunicação e Expressão (*) Técnicas de Estudo de Texto e Língua Latina (*) Qualificação: Graduação em Letras: Português/Inglês, FAFI/MG, Escialização em Língua Portuguesa, Fund. Educ. Severino Sombra, Vassouras/RJ, 1981 (360 horas) Pode ser aceito para es te curso. 02. ANA CRISTINA VALADÃO SILVA Disciplinas: Prática de Ensino das Matérias Pedagógicas do 2 Grau (Estágio Supervisionado) Supervisão Escolar na Escola de lo Grau Orientação Vocacional (*) Qualificação: Não enviou curriculum 03. ANÍSIA CASSEMIRO COMITANTE LEÃO Disciplina: Estrutura e Funcionamento do Ensino de lº e de 2º Graus Qualificação: Graduada em Pedagogia - habilitação Administração Escolar de lº Grau, Inst. de Educ. de Minas Gerais, 1972; e em Administração Escolar do 2º Grau e Ensino das Disciplinas e Atividades Práticas de Curso Normal, Inst. Superior de Ensino e Pesquisa de Divinópolis/MG, Especialização em Metodologia do Ensino Superior, FUOM, 1982 (375 horas). Pode ser aceito para este curso 04. CLEUSA RIBEIRO BOAS Disciplina : Educação Física I, II e III Qualificação: Graduada em Educação Física, UFMG, Pode ser aceito este curso 05. DAGMAR FÁTIMA DE LIMA DAMASCENO Disciplinas: Psicologia da Educação I, II e III Prática de Ensino das Matérias Pedagógicas do 2º Grau (Estágio Supervisionado) Prática de Ensino na Escola de 1º Grau (Estágio Supervisionado) Qualificação: Graduada em Pedagogia (Supervisão Escolar de lº Grau, Orientação Educacional e Magistério das Matérias Pedagógicas do 2º Grau), FAFI- FUOM/MG, Especialização em Orienta ção Educacional, PUC/MG, 1986 (360 horas) Pode ser aceito para este curso.

9 06. ELIZABETH ROCHA DE CARVALHO Disciplinas: Metodologia do Ensino de 1 Grau Prática de Ensino na Escola de 1º Grau (Estágio Supervisionado) Pode ser aceita para este curso. Qualificação: Graduada em Pedagogia (Supervisão Escolar de 1 e 2º Grau, Orientação Educacional e Magistério das Matérias Pedagógicas de 2º Grau), FUOM, Aperfeiçoamento em Metodologia do Ensino Superior, Univ. Cat. de Minas Gerais (180 horas) 07. IVONETE COSTA COELHO Disciplinas: Estatística Aplicada à Educação Currículos e Programas Qualificação: Graduada em Pedagogia (Supervisão Escolar de 1º Grau, Orientação Educacional e Ensino das Disciplinas e Atividades Práticas do Curso Normal); FUOM, Graduada em Ciências, FAFI- FUOM, Especialização em Didática, FAFI-FUOM,1986 (360 horas) Pode ser aceita para este curso. 08. JOSÉ CARLOS VELOSO Disciplinas: Filosofia da Educação História da Educação Estudo de Problemas Brasileiros Qualificação: Graduado em Pedagogia (Orientação Educacional), FAFI-FUOM, 1972; em Administração Escolar de 1 e 2º Grau, FAFI, Graduado em Filosofia, FFCL de São João Del Rei/MG, Especialização em História e Filosofia da Educação, PUC/MG, 1976 (480 horas) Pode ser aceito para este curso. 09. MARIA DA CONCEIÇÃO FRADE Disciplinas: Medidas Educacionais (*) Prática de Supervisão na Escola de 2º Grau (Estágio Supervisionado) Princípios e Métodos de Supervisão Escolar Supervisão da Escola de lº Grau Prática de Supervisão na Escola de 1 Grau (Estágio Supervisionado) Qualificação: Graduada em Pedagogia (Supervisão Escolar de Iº Grau), Instituto de Educação de Minas Gerais/MG, Graduada em Pedagogia (Administração Escolar),FFCL de Divinópolis/MG, Especialização em Supervisão Escolar, Univ. Católica de Minas Gerais. (480 horas) Pode ser aceita para este curso.

10 10. MARIA FRANCISCA DE SOUSA Disciplina: Sociologia da Educação Qualificação: Não enviou curriculum. 11. MARIA IRENE PEREIRA VALE Disciplina: Didática Qualificação: Graduada em Pedagogia - habilitações em Orientação Educacional e em Ensino das Disciplinas e Atividades Práticas do Curso Normal, FFCL de Divinópolis, MG, Especializações em Metodologia do Ensino Superior, FAFI-FUOM,MG (375 horas) e em Orientação Educacional, UFMG, 1974 (345 horas) Aprovada pelo Parecer CFE n 7.020/78. Pode ser aceita. 12. RACHEL DE CASTRO EDUARDO MATIAS Disciplinas: Didática Prática de Ensino das Matérias Pedagógicas do 2 Grau (Está gio Supervisionado) Metodologia do Ensino de 1 Grau Qualificação: Graduada em Pedagogia - habilitações em Supervisão Escolar de 1º Grau; em Orientação Educacional; e em Ensino das Disciplinas e Atividades Práticas do Curso Normal, FAFI-FUOM, Possui também habilitação em Supervisão Escolar de 1º e 2º Graus, FAFI de Guaxupé, MG, Especialização em Metodologia do Ensino Superior, FAFI-FUOM, MG (375 horas) Pode ser aceita para este curso. 13. RAQUEL LIMA OLIVEIRA TAVARES Disciplina: Sociologia Geral Qualificação: Bacharelado e Licenciatura em Psicologia, Univ. Católica de Minas Gerais, 1978 e Pode ser aceita para este curso 14. SIBELE DE PAULO MACEDO Disciplina: Filosofia da Educação História da Educação Qualificação: Graduada em Pedagogia - habilitação em Supervisão Escolar de lº Grau, FAFI-FUOM, MG, Especialização em Didática do Ensino Superior, FAFI-FUOM, MG, 1986 (360 horas) Pode ser aceita para este curso. 15. VERA LÚCIA BRAGA FERREIRA Disciplina: Currículos e Programas Qualificação: Graduada em Pedagogia - habilitações em Supervisão Escolar de 1º Grau, em Magistério das Disciplinas Pedagógicas do 2º

11 Grau e em Orientação Educacional; FAFI, Formiga/MG, 1988 Pode ser aceita para este curso. (*) Disciplinas que não pertencem ao currículo pleno da habilitação em apreço.

12 IV - DECISÃO DO PLENÁRIO O Plenário do Conselho Federal de Educação aprovou,por unanimidade, a conclusão da Câmara. Sala Barreto Filho,em de de 1994.

13

Reconhecimento do curso de Matemática Aplicada à Informática, ministrado pela Faculdade de Informática de São Paulo

Reconhecimento do curso de Matemática Aplicada à Informática, ministrado pela Faculdade de Informática de São Paulo SOCIEDADE CIVIL ATENEU BRASIL Reconhecimento do curso de Matemática Aplicada à Informática, ministrado pela Faculdade de Informática de São Paulo ARNALDO NISTEIER I - RELATÓRIO O Diretor-Presidente da

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MONSENHOR MESSIAS. Plenificação do Curso de Letras. Zilma Gomes Parente de Barros 10005/87 12/11/87.

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MONSENHOR MESSIAS. Plenificação do Curso de Letras. Zilma Gomes Parente de Barros 10005/87 12/11/87. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MONSENHOR MESSIAS MG Plenificação do Curso de Letras Zilma Gomes Parente de Barros 10005/87 CESu 1º Grupo 12/11/87 23018.001977/86-12 O Presidente da Fundação Educacional Monsenhor

Leia mais

Autorização (Exame do Projeto) para funcionamento do curso de Letras, habilitação em Português/Inglês. CESu, 2 Grupo

Autorização (Exame do Projeto) para funcionamento do curso de Letras, habilitação em Português/Inglês. CESu, 2 Grupo ASSOCIAÇÃO DE ENSINO DE VERSALHES Autorização (Exame do Projeto) para funcionamento do curso de Letras, habilitação em Português/Inglês. Arnaldo Niskier CESu, 2 Grupo 1 - RELATÓRIO A Associação de Ensino

Leia mais

Implantação do curso de Especialização em Supervisão Escolar com base no Parecer nº 604/82 e das Leis 5. 5 4 0 / 6 8 e 5.692/71

Implantação do curso de Especialização em Supervisão Escolar com base no Parecer nº 604/82 e das Leis 5. 5 4 0 / 6 8 e 5.692/71 ASSOCIAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PAULISTANA Implantação do curso de Especialização em Supervisão Escolar com base no Parecer nº 604/82 e das Leis 5. 5 4 0 / 6 8 e 5.692/71 ZILMA S. Paulete Gomes de Barros

Leia mais

conhecimento do Curso de Letras, habilitação em Português/Inglês, 0 Presidente da Fundação Comunitária Educacional e Cul

conhecimento do Curso de Letras, habilitação em Português/Inglês, 0 Presidente da Fundação Comunitária Educacional e Cul INTERESSADO/MANTENEDORA UF Fundação Comunitária Educacional e Cultural de João Monlevade MG ASSUNTO Reconhecimento do curso de Letras, habilitação em Português/Inglês, minis- trado pela Faculdade de Educação

Leia mais

Autorização (Execução de Projeto) para funcionamento do curso de Ciências Contábeis, a ser ministrado pela Faculdade de São

Autorização (Execução de Projeto) para funcionamento do curso de Ciências Contábeis, a ser ministrado pela Faculdade de São INTERESSADO/MANTENEDORA PIA SOCIEDADE DOS MISSIONÁRIOS DE SÃO CARLOS ASSUNTO. SP Autorização (Execução de Projeto) para funcionamento do curso de Ciências Contábeis, a ser ministrado pela Faculdade de

Leia mais

Autorização (Projeto) do curso de Tecnologia em Processamento de Dados. Jucundino da Silva Furtado

Autorização (Projeto) do curso de Tecnologia em Processamento de Dados. Jucundino da Silva Furtado INSTITUTO RADIAL DE ENSINO E PESQUISA - IREP Autorização (Projeto) do curso de Tecnologia em Processamento de Dados. Jucundino da Silva Furtado 1 - RELATÓRIO O pedido do Instituto Radial de Ensino e Pesquisa,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO/MANTENEDORA UNIÃO SOCIAL CAMILIANA ASSUNTO / UF SP AUTORIZAÇÃO (PROJETO) PARA FUNCIONAMENTO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS - HABILITAÇÕES

Leia mais

FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE OLINDA. Reconhecimento dos cursos de Pedagogia, Ciências, Le trás, Geografia e História. Zilma Gomes Parente de Barros

FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE OLINDA. Reconhecimento dos cursos de Pedagogia, Ciências, Le trás, Geografia e História. Zilma Gomes Parente de Barros FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE OLINDA Reconhecimento dos cursos de Pedagogia, Ciências, Le trás, Geografia e História Zilma Gomes Parente de Barros O Presidente da Fundação de Ensino Superior de Olinda

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DO ALTO VALE DO RIO PEIXE - CAÇADOR. Reconhecimento da Habilitação Supervisão Escolar do Curso de Pedagogia.

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DO ALTO VALE DO RIO PEIXE - CAÇADOR. Reconhecimento da Habilitação Supervisão Escolar do Curso de Pedagogia. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DO ALTO VALE DO RIO PEIXE - CAÇADOR Reconhecimento da Habilitação Supervisão Escolar do Curso de Pedagogia. EURIDES BRITO DA SILVA O Diretor de Ensino da Fundação Educacional do Al

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO (*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 04/12/2007. (*) Portaria / MEC n 1.151, publicada no Diário Oficial da União de 04/12/2007. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

FUNDAÇÃO FACULDADE DE FILOSOFIA DA CIDADE DE GOIÁS. Reconhecimento do curso de Letras, Português/Inglês. Afrânio dos Santos Coutinho

FUNDAÇÃO FACULDADE DE FILOSOFIA DA CIDADE DE GOIÁS. Reconhecimento do curso de Letras, Português/Inglês. Afrânio dos Santos Coutinho FUNDAÇÃO FACULDADE DE FILOSOFIA DA CIDADE DE GOIÁS Reconhecimento do curso de Letras, Português/Inglês Afrânio dos Santos Coutinho I - RELATÓRIO A Faculdade de Filosofia da Cidade de Goiás, mantida pela

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO/MANTENEDORA Associação Desportiva e de Educação Juvenil ASSUNTO Autorização(Projeto) para funcionamento do curso de Pedagogia, com Habilitação

Leia mais

FUNDAÇÃO ALTO URUGUAI PARA A PESQUISA E O ENSINO SUPERIOR. Autorização para o curso em Regime Intensivo de Férias, por um novo período de 5 anos.

FUNDAÇÃO ALTO URUGUAI PARA A PESQUISA E O ENSINO SUPERIOR. Autorização para o curso em Regime Intensivo de Férias, por um novo período de 5 anos. FUNDAÇÃO ALTO URUGUAI PARA A PESQUISA E O ENSINO SUPERIOR Autorização para o curso em Regime Intensivo de Férias, por um novo período de 5 anos. ANNA BERNARDES DA SILVEIRA ROCHA O Presidente da Fundação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 453, de 28 de abril de 2005. Conselho Nacional de Educação de Minas Gerais.

RESOLUÇÃO Nº 453, de 28 de abril de 2005. Conselho Nacional de Educação de Minas Gerais. SIC 01 /05 - CEE/MG Belo Horizonte, 25 de maio de 2005. PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU - ESPECIALIZAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 453, de 28 de abril de 2005. Conselho Nacional de Educação de Minas Gerais. Estabelece normas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BAURUENSE DE ENSINO SUPERIOR E CULTURA

ASSOCIAÇÃO BAURUENSE DE ENSINO SUPERIOR E CULTURA ASSOCIAÇÃO BAURUENSE DE ENSINO SUPERIOR E CULTURA Autorização do curso de Ciências - habilitação em Ma temática - Licenciatura Plena para funcionar na Faculdade de Ci ências, novo estabelecimento de ensino

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 24/03/2006. Portaria MEC nº 772, publicada no Diário Oficial da União de 24/03/2006. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre a oferta de cursos de pósgraduação lato sensu

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 06/04/2005 (*) Portaria/MEC nº 1.112, publicada no Diário Oficial da União de 06/04/2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

ReIatório do inquérito administrativo realizado na Faculdade Renato (Tozzolino, de Mage/RJ, mantida pela Fundação Educacional Cozzolino,

ReIatório do inquérito administrativo realizado na Faculdade Renato (Tozzolino, de Mage/RJ, mantida pela Fundação Educacional Cozzolino, MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇAO SENESU - Secretaria Nacional de Educação Superior U DF ReIatório do inquérito administrativo realizado na Faculdade Renato (Tozzolino, de Mage/RJ, mantida

Leia mais

ASSUNTO Implantação das Habilitações Bacharelado em Matemática e Biologia

ASSUNTO Implantação das Habilitações Bacharelado em Matemática e Biologia INTERESSADO/MANTENEDORA FACULDADES DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO ABC UF S ASSUNTO Implantação das Habilitações Bacharelado em Matemática e Biologia RELATOR: SR.CONS. RAULINO TRAMONTIN I - RELATÓRIO O Diretor

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA TERRA

CURSO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA TERRA CENTRO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA NATUREZA Instituto de Física Instituto de Geociências Instituto de Matemática Observatório do Valongo CURSO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA TERRA REGULAMENTO I DOS OBJETIVOS

Leia mais

23025.007289/86-77. Autorização (Execução de Projeto) do curso de Ciências de 1 Grau

23025.007289/86-77. Autorização (Execução de Projeto) do curso de Ciências de 1 Grau 23025.007289/86-77 FACULDADE CRISTO REDENTOR PR Cons. Lauro Leitão CESu/2 Grupo Autorização (Execução de Projeto) do curso de Ciências de 1 Grau Para que o presente processo tenha andamento, e necessario

Leia mais

Aprovação de Projeto de Curso de Especializaçao(Pós-graduacão "Lato Sen su") em Biologia Geral nos termos da Res 12/83

Aprovação de Projeto de Curso de Especializaçao(Pós-graduacão Lato Sen su) em Biologia Geral nos termos da Res 12/83 INTERESSADO/MANTENEDORA FACULDADES DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO ABC UF SP ASSUNTO - Aprovação de Projeto de Curso de Especializaçao(Pós-graduacão "Lato Sen su") em Biologia Geral nos termos da Res 12/83 RELATOR:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 45ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de setembro de 2013, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 12/05/2008 (*) Portaria/MEC nº 561, publicada no Diário Oficial da União de 12/05/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV Dispõe da aprovação do Regimento Geral de Pós- Graduação Lato Sensu. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE DO

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são:

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são: RESOLUÇÃO Nº 28/08-CEPE Fixa normas básicas de controle e registro da atividade acadêmica dos Cursos de Aperfeiçoamento e Especialização na modalidade de Educação a Distância da Universidade Federal do

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 17/11/2008 (*) Portaria/MEC nº 1.394, publicada no Diário Oficial da União de 17/11/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

PIA SOCIEDADE DOS MISSIONÁRIOS DE SAO CARLOS. Margarida Maria do R.B.P.Leal

PIA SOCIEDADE DOS MISSIONÁRIOS DE SAO CARLOS. Margarida Maria do R.B.P.Leal MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO/MANTENEDORA PIA SOCIEDADE DOS MISSIONÁRIOS DE SAO CARLOS UF SP ASSUNTO Autorização (Execução de Projeto) para funcionamento do curso de Administração,

Leia mais

Reconhecimento do curso de Licenciatura Plena em Historia e

Reconhecimento do curso de Licenciatura Plena em Historia e Autarquia Educacional do Araripe Geografia. Reconhecimento do curso de Licenciatura Plena em Historia e Leda Maria Chaves - RELATÓRIO Dados sobre a mantenedora Condição Jurídica,Regularidade Fiscal e Parafiscal

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 28/11/2005 (*) Portaria/MEC nº 4.043, publicada no Diário Oficial da União de 28/11/2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

4. informações sobre os equipamentos indicados pela Co-

4. informações sobre os equipamentos indicados pela Co- ASSOCIAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SÃO JUDAS TADEU Aprovação de Plano de Curso Execução do Projeto da habilitação Tecnologia Educacional do Curso de Pedagogia. ARNALDO NISKIER I - RELATÓRIO Pelo Parecer nº

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA "CELSO SUCKOW DA FONSECA"

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA "CELSO SUCKOW DA FONSECA" Reconhecimento do Curso de Licenciatura Plena para Graduação de Professores da Parte de Formação Especial do -Currículo do Ensino de 2º

Leia mais

Reconhecimento do curso de Serviço Social, ministrado pela. Faculdade de Filosofia, Ciência e Letras de Botucatu.

Reconhecimento do curso de Serviço Social, ministrado pela. Faculdade de Filosofia, Ciência e Letras de Botucatu. ASSOCIAÇÃO DE ENSINO DE BOTUCATU - UNIFAC Reconhecimento do curso de Serviço Social, ministrado pela Faculdade de Filosofia, Ciência e Letras de Botucatu. YUGO OKIDA 1 - RELATÓRIO Trata o presente parecer

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. Portaria n 816, publicada no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Os cursos de pós-graduação lato sensu da FACULDADE UNIDA são regidos pela Resolução n. º 01, de 8 de junho de 2007,

Leia mais

APROVADO PELO PLENÁRIO EM 07/06/2005 PARECER CEE/PE Nº 36/2005-CES

APROVADO PELO PLENÁRIO EM 07/06/2005 PARECER CEE/PE Nº 36/2005-CES INTERESSADA: UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UPE FACULDADE DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE PETROLINA ASSUNTO : RECONHECIMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA E SUAS LITERATURAS RELATORA : CONSELHEIRA

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FISIOTERAPIA (Ato de Aprovação:

Leia mais

Fundação de Ensino Superior de Cajazeiras - FESC Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cajazeiras - FAFIC

Fundação de Ensino Superior de Cajazeiras - FESC Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cajazeiras - FAFIC REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS DO CURSO DE LICENCIATURA EM FILOSOFIA Art. 1º As atividades acadêmico-científico-culturais, denominadas atividades complementares, compreendem

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 010/2006

RESOLUÇÃO Nº 010/2006 Confere com o original RESOLUÇÃO Nº 010/2006 CRIA o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu de Educação Ambiental, em nível de Especialização. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS e PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

c) a planejar, implementar e avaliar tarefas de sua prática edu_ cativa. 2.2. Objetivos Específicos

c) a planejar, implementar e avaliar tarefas de sua prática edu_ cativa. 2.2. Objetivos Específicos UNIVERSIDADE DO RIO GRANDE RS Autorização para o curso de pós-graduação em Educação, com habilitações em Orientação Educacional e Supervisão Escolar. ZILMA GOMES PARENTE DE BARROS l - RELATÓRIO 0 Reitor

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO/MANTENEDORA INSTITUTO METODISTA DE ENSINO SUPERIOR UF SP ASSUNTO: Recredenciamento do curso de pós-graduação em Comunicação Social, com área

Leia mais

FUNDAÇÃO PAULISTA DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO

FUNDAÇÃO PAULISTA DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO PAULISTA DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO Reconhecimento do Curso Superior de Tecnologia em Processamento de Dados, oferecido pela Faculdade de Informática de Lins-SP. Pe. Antonio Geraldo Amaral Rosa

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 301/2003

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 301/2003 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 301/2003 Dispõe sobre a alteração do Currículo Pleno dos Cursos de licenciaturas, de graduação plena, em Pedagogia: Magistério para a Educação Infantil e Magistério para os Anos Iniciais

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Instituto Doctum de Educação e Tecnologia Ltda. UF: MG ASSUNTO: Credenciamento da Faculdade de Ciências Gerenciais

Leia mais

Reconhecimento do curso de Letras com habilitações em Por-tuguês/Inglês e Português/Francês com suas respectivas Literaturas.

Reconhecimento do curso de Letras com habilitações em Por-tuguês/Inglês e Português/Francês com suas respectivas Literaturas. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DO AGRESTE ALAGOANO Reconhecimento do curso de Letras com habilitações em Por-tuguês/Inglês e Português/Francês com suas respectivas Literaturas. ZILMA GOMES PARENTE DE BARROS I -

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 15/6/2009, Seção 1, Pág. 16. Portaria n 541, publicada no D.O.U. de 15/6/2009, Seção 1, Pág. 14. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: CEDEP Centro de Ensino e Desenvolvimento Profissional Ltda. UF: MG ASSUNTO: Credenciamento do Instituto de Pós-Graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO nº 026 / 94 Aprova o Regulamento Específico do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis em Nível de Mestrado, com área de Concentração em Contabilidade Financeira, Contabilidade Gerencial

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS DO CORPO DOCENTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS DO CORPO DOCENTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS Artigo 1º - O Programa de Pós-graduação em Aqüicultura do Centro de Aqüicultura da Unesp

Leia mais

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe Sumário Título I Dos Cursos de Pós Graduação e suas finalidades...1 Título II Dos Cursos de Pós Graduação em Sentido Lato...1 Título III Dos Cursos de

Leia mais

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A B A H I A P r ó - R e i t o r i a d e E n s i n o d e G r a d u a ç ã o Palácio da Reitoria - Rua Augusto Viana s/n - Canela - 40.110-060 - Salvador Bahia E-mails:

Leia mais

ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO

ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO ROTEIRO PARA SUPERVISÃO I INTRODUÇÃO Este documento tem a finalidade de estabelecer um referencial para o exercício da função de supervisão dos Cursos das Instituições do Ensino Superior, do Sistema Estadual

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS DE ENSINO SUPERIOR COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ECONOMIA DOMÉSTICA

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS DE ENSINO SUPERIOR COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ECONOMIA DOMÉSTICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS DE ENSINO SUPERIOR COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ECONOMIA DOMÉSTICA ROTEIRO DE AVALIAÇÃO PARA AUTORIZAÇÃO

Leia mais

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO Atualmente a FIBRA encontra-se em novas instalações contando com 33 salas de aula climatizadas, com instalações de equipamentos de multimídia, auditório climatizado com

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 18/07/2006. Portaria MEC nº 1.319, publicada no Diário Oficial da União de 18/07/2006. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

Este parecer abrange 3 pedidos de inclusão de novas habilitações no Curso de Pedagogia, sem aumento de vagas, nos DGEs 14, 29 e 35.

Este parecer abrange 3 pedidos de inclusão de novas habilitações no Curso de Pedagogia, sem aumento de vagas, nos DGEs 14, 29 e 35. ASSOCIAÇÃO SANTA MARCELINA E OUTROS AUTORIZAÇÃO ( CARTA-CONSULTA ) PARA INCLUSÃO DE SOVA HABILITAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA NORBERTINO B. FILHO substituido no Plenário pelo Consº Walter R. da Costa Porto

Leia mais

Autorização dos cursos de Ciências Contábeis e de Administração (fase de Projeto).

Autorização dos cursos de Ciências Contábeis e de Administração (fase de Projeto). MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO CONSELHO FEDERAL DE EDUCACÃO INTERESSADO/MANTENEDORA Associação de Ensino de Urubupunga UF SP ASSUNTO Autorização dos cursos de Ciências Contábeis e de Administração

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2014

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2014 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2014 Altera a Deliberação CONSEP Nº 107/2012, que Dispõe sobre o Currículo Pleno do Curso de Pedagogia - Licenciatura, regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA,

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Reconhecimento da habilitação Supervisão Escolar do Curso de Pedagogia. ANNA BERNARDES DA SILVEIRA ROCHA

Reconhecimento da habilitação Supervisão Escolar do Curso de Pedagogia. ANNA BERNARDES DA SILVEIRA ROCHA FACULDADES CAPITAL Reconhecimento da habilitação Supervisão Escolar do Curso de Pedagogia. ANNA BERNARDES DA SILVEIRA ROCHA Trata-se de pedido de reconhecimento da habilitação Supervisão Escolar do Curso

Leia mais

TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO DA UNIVERSIDADE CAPÍTULO II DOS CENTROS

TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO DA UNIVERSIDADE CAPÍTULO II DOS CENTROS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO DA UNIVERSIDADE DOS CENTROS SEÇÃO II DOS DEPARTAMENTOS Art. 10. Os Departamentos que desenvolverão atividades de ensino, NAS MODALIDADES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA, em nível de graduação

Leia mais

Implantação de Primeiro Ciclo no Campus Aproximado de Dom Pedrito. Ernani Bayer

Implantação de Primeiro Ciclo no Campus Aproximado de Dom Pedrito. Ernani Bayer FUNDAÇÃO ÁTILLA TABORDA Implantação de Primeiro Ciclo no Campus Aproximado de Dom Pedrito Ernani Bayer I - RELATÓRIO O Presidente da Fundação Átilla Taborda-FAT, sediada em Bagé, no Estado do Rio Grande

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Coordenadoria do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Coordenadoria do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica REGIMENTO - VÁLIDO PARA ALUNOS QUE INGRESSARAM NO PPGEEL ATÉ MARÇO DE 2010 I - DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Curso de Pós-Graduação em Engenharia da UFSC visa proporcionar a pesquisadores, docentes e profissionais

Leia mais

OBJETIVO: 1 - GERAL 2 - ESPECÍFICOS

OBJETIVO: 1 - GERAL 2 - ESPECÍFICOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS PRÓ-REITORIA DE ENSINO COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO INFORMAÇÕES PARA DIVULGAÇÃO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA INTERNET Curso de Especialização Lato Sensu

Leia mais

Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos

Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos CapítuloI Dos Objetivos Art.1º - Os cursos de pós-graduação lato sensu da Universidade Federal de São

Leia mais

PROCESSO Nº 1863/12 PROTOCOLO Nº 11.579.438-8 PARECER CEE/CES Nº 74/12 APROVADO EM 03/12/12

PROCESSO Nº 1863/12 PROTOCOLO Nº 11.579.438-8 PARECER CEE/CES Nº 74/12 APROVADO EM 03/12/12 PROTOCOLO Nº 11.579.438-8 PARECER CEE/CES Nº 74/12 APROVADO EM 03/12/12 CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR INTERESSADA: FACULDADE ESTADUAL DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DE APUCARANA - FECEA MUNICÍPIO: APUCARANA ASSUNTO:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 5/6/2009, Seção 1, Pág. 92. Portaria n 508, publicada no D.O.U. de 5/6/2009, Seção 1, Pág. 92. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE

Leia mais

UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA

UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA INTERESSADOMANTENEDOR UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA UF AM ASSUNTO Autorização de curso de docência do ensino superior em nível de especialização para professores de ensino superior no Centro de Ensino Superior

Leia mais

Proposta de Resolução Ementa:

Proposta de Resolução Ementa: Proposta de Resolução Ementa: Dispõe sobre a regulamentação de Título de Especialista e de Especialista Profissional Farmacêutico e sobre normas e procedimentos para seu registro O Conselho Federal de

Leia mais

INTERESSADO/MANTENEDORA INSTITUIÇÃO TOLEDO DE ENSINO ASSUNTO:

INTERESSADO/MANTENEDORA INSTITUIÇÃO TOLEDO DE ENSINO ASSUNTO: INTERESSADO/MANTENEDORA INSTITUIÇÃO TOLEDO DE ENSINO ASSUNTO: Transformação do curso de Estudos Sociais, com habilitações em História e Geografia, licenciaturas plenas, em cursos de Histó ria e Geografia,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO nº 023/92 Autoriza a criação e aprova o Regulamento Específico do Programa de Pós-Graduação em Ciências de Desporto e Educação Física, em nível de Mestrado, com linha de pesquisa em Desporto

Leia mais

Edital nº 05 / 2015. ATIVIDADES DE EXTENSÃO E PESQUISA Programa POLOS de Cidadania

Edital nº 05 / 2015. ATIVIDADES DE EXTENSÃO E PESQUISA Programa POLOS de Cidadania Edital nº 05 / 2015 ATIVIDADES DE EXTENSÃO E PESQUISA Programa POLOS de Cidadania O Programa Polos de Cidadania da Faculdade de Direito da UFMG faz saber que até 16 de junho de 2015 receberá inscrições

Leia mais

Autorização(projeto) para funcionamento do curso de Serviço Social

Autorização(projeto) para funcionamento do curso de Serviço Social INTERESSADO/MANTENEDORA Sociedade Presbiteriana de Educação e Pesquisa ASSUNTO: Autorização(projeto) para funcionamento do curso de Serviço Social RELATOR: SR. CONS. Virgínio Cândido Tosta de Souza 1-RELATÓRIO

Leia mais

Programa de Mestrado em Informática 1

Programa de Mestrado em Informática 1 Programa de Mestrado em Informática 1 REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM INFORMÁTICA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS I - OBJETIVOS DO CURSO ART. 1º - O Curso de

Leia mais

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas;

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas; Capítulo I Objetivos Regimento Artigo 1º - O Objetivo do Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional é proporcionar ao aluno formação matemática aprofundada, relevante ao exercício

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1º Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Faculdade de Ciências Humanas ESUDA orientam-se pelas normas especificadas neste Regulamento e estão sujeitos ao

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER 1 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER ATIVIDADES ACADÊMICAS CURRICULARES COMPLEMENTARES (A.A.C.C.) DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO: ATIVIDADES

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº. 07/2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO Aprova a criação do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, em nível

Leia mais

www.fafia.edu.br PORTARIA - FAFIA Nº 016/2014

www.fafia.edu.br PORTARIA - FAFIA Nº 016/2014 PORTARIA - FAFIA Nº 016/2014 Regulamenta a implantação e os procedimentos para oferta de componentes curriculares em regime semipresencial. A Professora ROSANE MARIA SOUZA DOS SANTOS, Diretora da Faculdade

Leia mais

CENTRO PASTORIAL EDUCACIONAL E ASSISTENCIAL DOM CARLOS

CENTRO PASTORIAL EDUCACIONAL E ASSISTENCIAL DOM CARLOS CENTRO PASTORIAL EDUCACIONAL E ASSISTENCIAL DOM CARLOS Transferência de vagas do Curso de Letras - Português - Inglês e respectivas Literaturas para outro município. MARGARIDA Mª R. BARROS P. LEAL 1-RELATÓRIO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 28/7/2009, Seção 1, Pág. 53. Portaria n 760, publicada no D.O.U. de 28/7/2009, Seção 1, Pág. 53. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, Publicado no Diário Oficial da União de 21/12/2006 (*) Portaria/MEC nº 2012, publicada no Diário Oficial da União de 21/12/2006 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

Direito. 592 Nível (Bacharelado, Turno. Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas 201111874 24-08-2011

Direito. 592 Nível (Bacharelado, Turno. Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas 201111874 24-08-2011 Curso Direito Código INEP Código UFLA 592 Nível (Bacharelado, Turno Carga Horária Licenciatura) Bacharelado Noturno 3774 Horas Processo e-mec- Tipo Autorização Número Data 201111874 24-08-2011 Despacho

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. Portaria n 890, publicada no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742 Aprova o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-Graduação LATO SENSU da UFG, revogando-se a Resolução CEPEC Nº 540. O CONSELHO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO / MANTENEDORA FEBASP SOCIEDADE CIVIL ASSUNTO SP UF Autorização (Projeto) para funcionamento do curso de Tecnologia da Embalagem,

Leia mais

Autorização do Curso (Fase Projeto) de Pedagogia. Pe. ANTONIO GERALDO AMARAL ROSA

Autorização do Curso (Fase Projeto) de Pedagogia. Pe. ANTONIO GERALDO AMARAL ROSA ASSOCIAÇÃO JIPARANAENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA Autorização do Curso (Fase Projeto) de Pedagogia Pe. ANTONIO GERALDO AMARAL ROSA 1 - RELATÓRIO O pleito da interessada foi aprovado na fase da Carta Consulta

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí RESOLUÇÃO Nº 05 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2012 Aprova alteração da matriz curricular do curso de Pedagogia.. A PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DAS FACULDADES INTEGRADAS DO VALE DO IVAÍ, no uso da delegação

Leia mais

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria 3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria RESOLUÇÃO N.º 06/2006 - CONSUN APROVA O SISTEMA DE AVALIAÇÃO E PROMOÇÃO PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO E CURSOS SEQÜENCIAIS DA PUCPR INGRESSANTES A PARTIR DE 2000. O Presidente

Leia mais

PROCESSO N.º 686/04 PROTOCOLO N.º 8.198.443-3/04 PARECER N.º 510/05 APROVADO EM 31/08/05

PROCESSO N.º 686/04 PROTOCOLO N.º 8.198.443-3/04 PARECER N.º 510/05 APROVADO EM 31/08/05 PROTOCOLO N.º 8.198.443-3/04 PARECER N.º 510/05 APROVADO EM 31/08/05 CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR INTERESSADA: FACULDADE ESTADUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA E FISIOTERAPIA DE JACAREZINHO - FAEFIJA MUNICÍPIO: JACAREZINHO

Leia mais

ASSUNTO Solicita autorização para que os cursos noturnos de Ciências Econômicas e de Ciências Contábeis possam ser integralizados em quatro anos.

ASSUNTO Solicita autorização para que os cursos noturnos de Ciências Econômicas e de Ciências Contábeis possam ser integralizados em quatro anos. INTERESSADO/MANTENEDORA Faculdades Metropolitanas Unidas - FMU UF SP ASSUNTO Solicita autorização para que os cursos noturnos de Ciências Econômicas e de Ciências Contábeis possam ser integralizados em

Leia mais

; SR. CONS. João Paulo do Valle Mendes. CESu-1 grupo

; SR. CONS. João Paulo do Valle Mendes. CESu-1 grupo UNIÃO PIONEIRA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL-UPIS Reconhecimento do curso de Ciências Contábeis ; SR. CONS. João Paulo do Valle Mendes CESu-1 grupo 1 - RELATÓRIO 0 Presidente da União Pioneira de Integração Social-UPIS

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação de Ensino Atenas Maranhense (AEAMA) UF: MA ASSUNTO: Credenciamento da Faculdade Fama de São Luís (FAMA),

Leia mais

AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO

AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICA DO ENSINO SUPERIOR - DEPES COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Processo CEE nº 498./91 Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo. Autorização para funcionamento do Curso de

Processo CEE nº 498./91 Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo. Autorização para funcionamento do Curso de CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Processo CEE nº 498./91 Interessada: Assunto: Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo Autorização para funcionamento do Curso de RELATOR: Especialização em Direito Civil

Leia mais