CIRCUITO DE CONDICIONAMENTO DE SINAIS ELETROMIOGRÁFICOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CIRCUITO DE CONDICIONAMENTO DE SINAIS ELETROMIOGRÁFICOS"

Transcrição

1 Anais do 12 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XII ENCITA / 2006 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 16 a CIRCUITO DE CONDICIONAMENTO DE SINAIS ELETROMIOGRÁFICOS Vagner Ribeiro de Sousa Universidade Braz Cubas Av. Francisco Rodrigues Filho 1233 CEP Mogi das Cruzes - SP Marco Aurélio da Silva e Souza Universidade Braz Cubas Av. Francisco Rodrigues Filho 1233 CEP Mogi das Cruzes - SP Jesus Franklin Andrade Romero Universidade Federal do ABC Rua Santa Adélia 166 CEP Santo André - SP Resumo. O presente trabalho descreve o projeto de um circuito de condicionamento para a coleta de sinais eletromiográficos (EMG). A medição de sinais biomédicos é essencial para a obrtenção de dados fisiológicos para os propositos de dignóstico ou pesquisa. O dispositivo de sensoreamento consiste em um conjunto de circuitos analógicos para a amplificação do sinal e a atenuação do ruído de medida inserida pelo eletrodo de superfície utilizado. A título de exemplo de aplicação é implementada uma interface para o PC mediante a placa de som e o sinal coletado é reconstruido e analisado no ambiente MATLAB. Palavras chave: Condicionamento de sinal Eletromiografia Circuitos analógicos. 1. Introdução A eletromiografia de superfície (EMGs) mediante o uso de instrumentação eletrônica disponibiliza informação relacionada à resposta fisiológica de um determinado volume muscular. Desta formas cada indivíduo torna-se ciente de suas respostas musculares e consegue alterar o sinal de realimentação de forma a modificar a sua resposta fisiológica. A EMGs é utilizada em procedimentos de fisioterapia onde por exemplo o paciente é induzido a relaxar músculos hiperativos ou aumentar a taxa de descarga e o número de unidades motoras ativadas para aumentar a força de contração. Similarmente no biofeedback o sinal eletromiográfico é um instrumento que os clínicos e os pacientes utilizam para fornecer informações sobre a atividade elétrica de músculos específicos. Sem a EMGs os clínicos devem confiar na palpação ou na inspeção visual para determinar se os músculos apropriados estão sendo recrutados ou relaxados durante o exercício. A sensibilidade a objetividade a exatidão e a natureza quantitativa do sinal são também as maiores vantagens do biofeedback EMGs. Desta forma os clínicos podem objetivamente analisar quais técnicas ou atividades realmente auxiliam no recrutamento e quando o paciente está começando a sentir fadiga. O objetivo do trabalho consiste em apresentar o projeto de um circuito de condicionamento de sinal eletromiográfico que consiga lidar eficientemente com os problemas de baixos níveis de tensão do sinal assim como com o ruído de medida inserido pelo eletrodo de superfície utilizado. Na seção 2 são apresentadas as características principais do sinal eletromiográfico assim como os principais problemas relacionados à coleta do sinal. Nas seções 3 e 4 são descritos os circuitos analógicos utilizados para o condicionamento do sinal. Na seção 5 o sinal EMG é caracterizado em tempo e freqüência mediante a implementação do espectrograma do sinal no ambiente MATLAB. Na seção 6 são apresentadas as principais conclusões do trabalho e na seção 7 são listadas as referências bibliográficas consideradas. 2. Características do Sinal EMG É chamado de sinal mioelétrico o sinal elétrico gerado pelos nervos e pelos músculos. As medidas envolvem tensões em níveis muito baixos tipicamente variando entre 1 µv e 100 mv com alta fonte de impedância e altos níveis de interferência de sinal e ruído (Bronzino 2000). Os sinais necessitam serem amplificados para tornarem-se compatíveis com dispositivos tais como displays gravadores ou conversores A/D para o equipamento computadorizado.

2 O sinal mioelétrico é proveniente do potencial de ação que percorre a fibra muscular levando-a a contração vide figura 1. O sinal mioelétrico é representado por m e o ruído por n Figura 1. Representação de um amplificador diferencial captando um sinal mioelétrico. O sinal mioelétrico de cada músculo é composto pela soma dos vários potenciais de ação musculares resultando nos diversos MUAPs de cada unidade motora e que apresentam características diferentes entre si (figura 2). Figura 2. Representação esquemática da geração do Sinal Mioelétrico de um músculo a partir da somatória dos trens de MUAPs das n unidades motoras deste músculo. Contrações musculares que requerem altas forças são realizadas por grupos musculares (conjuntos de músculos que podem realizar um mesmo movimento) como por exemplo o quadríceps femoral trapézio (superior médio e inferior) deltóide (anterior médio e posterior) e tríceps branquial. Portanto o sinal mioelétrico quando captado com eletrodos de superfície pode conter sinais de vários músculos. Em virtude da diferença entre os MUAPs da irregularidade na taxa de disparo dos neurônios motores e também pelo fato de que uma contração pode ter mais de um músculo envolvido o sinal mioelétrico foi descrito como um processo estocástico (DeLuca 1977). A função de densidade de probabilidade do sinal pode ser aproximada por uma função gaussiana implicando que a amplitude instantânea do sinal é uma variável gaussiana de média zero. No entanto Englehart et. al. (1998) encontraram características determinísticas no SME durante os 200 ms iniciais de uma contração muscular. O sinal EMG obtido com eletrodos de superfície é afetado pelas propriedades de filtro das camadas epileliais e da interface eletrodo-pele de forma que apresenta componentes freqüências desde DC até cerca de 500 Hz manifestando maior concentração do sinal dentro da faixa de 50 a 150 Hz. Da mesma forma as amplitudes máximas deste sinal variam entre 50 μv e 5 mv (Bronzino 2000). Estes valores variam de acordo com tipo de músculo analisado o nível de contração muscular e também o tipo e a localização dos eletrodos utilizados. A seguir são identificados os três problemas mais usuais no procedimento de coleta do sinale MG (Bronzino 2000):: i) Ruído Ambiente. Esta fonte de ruído é caracterizada por dispositivos geradores de ondas eletromagnéticas. Essencialmente qualquer dispositivo conectado a alimentação de linha emite algum tipo de ruído ambiente. Este tipo de sinais ruidosas abrangem uma grande faixa de freqüências de qualquer forma a freqüência dominante é a freqüência de linha (60 Hz). Convém mencionar que o sinal EMG apresenta bastante conteúdo de informação na faixa próxima a 60 Hz. ii) Ruído do Transdutor. É definido como o ruído gerado pela junção eletrodo-pele. Os eletrodos convertem a corrente iônica (gerada pelos músculos em um período de atividade) em corrente elétrica. O processo de conversão

3 pode ser contaminada por um potencial de tensão DC (proveniente da diferença de impedâncias entre a pele e o eletrodo) e por um potencial de tensão AC (flutuações das impedâncias). iii) Outros. Outro tipo de interferências como a eletromagnética (EMI) ruído do batimento cardíaco e o ruído expelido pela respiração também podem ser captadas pelo eletrodo de superfície. De qualquer forma este tipo de interferências não são críticas e podem ser atenuadas facilmente mediante a escolha adequada dos componentes eletrônicos. 3. Requisitos dos Circuitos de Condicionamento de Sinal EMG Os sinais mioelétricos são obtidos por meio de configurações monopolar e bipolar. A configuração monopolar obtém diferenças de potencial entre dois pontos no qual um dos pontos é a referência (terra). Na configuração bipolar são obtidos sinais em relação a uma referência neste caso existem 03 pontos de detecção. Existem vários tipos de eletrodos utilizados na eletromiografia. No presente trabalho são considerados os eletrodos de superfície que são utilizados para avaliação de grandes músculos ou músculos superficiais (figura 3). Os eletrodos de superfície são pequenos discos metálicos mais comumente feitos de Prata ou Cloreto de Prata aplicados sobre o músculo requerido Usualmente fixo na pele com fitas adesivas. Em um arranjo bipolar dois eletrodos são aplicados sobre o músculo numa direção longitudinal com relação às fibras musculares. Figura 3. Representação dos eletrodos. Para a EMG clínica é exibido o sinal bruto permitindo o exame visual do tamanho e forma dos potenciais musculares e nervos individuais. Contudo para a EMG cinesiológica o terapeuta geralmente esta interessado em observar a atividade muscular global durante atividades específicas e a quantificação do sinal é freqüentemente desejável para a descrição e comparação das alterações na magnitude e padrão de resposta muscular. Diversas formas de sinais de saída podem ser úteis para este propósito vide figura 4. Figura 4. Representação do eletromiograma bruto e diversos métodos de processamento do sinal.

4 Os circuitos amplificadores as exigências básicas que um amplificador biopotencial tem que satisfazer são: i) O processo fisiológico a ser monitorado não deve ser influenciado maneira nenhuma pelo amplificador; ii) O sinal medido não deve ser distorcido; iii) O amplificador deve fornecer a melhor separação possível do sinal e das interferências; iv) O amplificador tem que oferecer a proteção ao paciente de todo o perigo de choque elétrico. Para as fontes de ruído que normalmente são externas ao amplificador o método mais indicado para a redução do ruído é através das propriedades do CMRR (Commom Mode Rejection Rrate) do amplificador diferencial. Assim em algumas circunstâncias o amplificador diferencial amplificará somente o diferencial de tensão entre duas entradas. Qualquer sinal de tensão comum para ambas as entradas cada referencia comum do terminal idealmente deveria produzir uma saída zero. Devido o CMRR ser influenciada por ambos freqüência e ganho do pre-amplificador a especificação mais significativa relataria o CMRR para uma freqüência de entrada especifica e ganho de pré-amplificação. Na prática a aplicação da medição do sinal EMG o CMRR do pre-amplificador nunca é realizado por causa da desigualdade da fonte de impedância visto pelo terminal de entrada. Isto é devido à desigualdade da impedância dos eletrodos. Este efeito é chamado de desbalanceamento da fonte de impedância é criar uma desigualdade maior da tensão na impedância de cada eletrodo. Em um circuito eletrônico um problema significante é a interferência dos cabos. Os cabos em um circuito podem agir como uma antena e captar a radiação eletromagnética que está presente. A radiação mais comum é proveniente dos eletrodomésticos lâmpadas fluorescentes e equipamentos elétricos. Com a configuração do amplificador diferencial podemos eliminar a maioria dos ruídos dos cabos. O amplificador diferencial analisa a diferença entre os dois terminais ativos. Como pode ser visto a interferência do ruído aparece com amplitude igual em ambos os terminais ativos. Pois o sinal não desejado é comum em ambos os terminais ativos Isto é chamado de sinal de modo comum conforme apresentado na figura 5. Figura 5. Representação de um amplificador com o ajuste do CMRR. 4. Implementação do Circuito de Condicionamento O circuito analógico de condicionamento projetado neste trabalho é descrito em dois módulos. O primeiro considera os circuitos de proteção de sinal e o segundo considera os circuitos de melhoramento do sinal. 4.1 Módulo de Proteção O módulo de proteção implementa um arranjo amplificador de instrumentação baseado em um amplificador operacional de modo comum bloco A1 na figura 6. Também é considerado um circuito de proteção de forma a minimizar a interferência gerada pela corrente percorrendo os cabos dos eletrodos (bloco A2 na figura 6) e um circuito de referência para minimizar o nível do potencial de modo comum reduzindo a diferença de tensão entre o paciente e o terra do amplificador (bloco A3 na figura 6).

5 Figura 6. Representação do Circuito de Proteção. 4.2 Módulo de Melhoramento de Sinal O módulo de melhoramento implementa um filtro passa altas (apresentado como bloco A4 na figura 7) utilizado para filtrar o nível DC do sinal assim como as componentes indesejadas de baixas freqüências. Também é implementado um amplificador de ganho variável (bloco A5 na figura 7) para compatibilizar a amplitude do sinal EMG com o nível de tensão de entrada da placa de som. Um filtro passa baixas de segunda ordem (bloco A6 na figura 7) é projetado de forma a apresentar uma freqüência de corte de aproximadamente 500 Hz. Figura 7. Representação do Circuito de Melhoramento. 5. A seguir na figura 8 é apresentada a implementação do circuito utilizado para a coleta do sinal analisado na seção Figura 8. Fotos do circuito montado.

6 O Amplificador operacional (modelo INA 128 da Texas Instruments) é escolhido porque tem um CMRR elevado de 125 db e ganho de 150. Usando-se um valor de ganho elevado há uma probabilidade elevada que o amplificador estará dirigindo-se à saturação (devido à alta tensão DC referência produzida pela reação química entre os eletrodos e a pele). 5. Análise do Espectro em Freqüência do Sinal EMG As componentes em freqüência do sinal EMG dependem de diferentes fatores tais como os níveis de força de contração o tempo de contração o tipo de eletrodo usado para obter o sinal EMG a espessura do tecido subcutâneo e em particular do músculo a ser investigado. Sobre este fato comumente é observado que a mudança espectral é predominantemente muito mais acentuada no início de uma contração sustentada como verificado por Englehart et. Al Mais precisamente é verificado que a fadiga evidenciadas pelo sinal EMG dentro dos primeiros 60 segundos das contrações são máximas ou sub-máximas enquanto que ocorre uma mudança na amplitude do sinal EMG mais pronunciada próximo ao fim da contração sustentada embora existam estudos que não observem esta relação. Este comportamento divergente indica que estes dois fatores podem ter origem separada durante contrações cuja força se mantém constante provavelmente devido a sincronização e aumento do recrutamento de unidades motoras e as mudanças na velocidade de condução das fibras musculares. A diminuição das taxas de disparo das unidades motoras contribuirão para a mudança da densidade do espectro de potência com respeito as freqüências. A modificação na descarga característica das unidades motoras pode também afetar a densidade do espectro de freqüência com uma tendência a aumentar a energia na parte de baixa freqüência do espectro. Alguma modificação na forma de onda das unidades motoras refletirão na Transformada de Fourier e assim na densidade do espectro de potência. A forma de onda terá um maior tempo de duração assim como a velocidade de condução diminuirá durante a contração sustentada porque o tempo para atravessar o ambiente do eletrodo será mais longo. Isto causa um simultâneo aumento nos componentes de baixa freqüência e uma diminuição nos componentes de alta freqüência. Assim como a amplitude do sinal eletromiográfico é afetada pelo nível da atividade também a freqüência apresenta modificações em função de fatores como as propriedades de filtro do tecido bem como a velocidade de condução que está relacionada ao tipo de fibra muscular e o nível de fadiga. A análise no domínio da freqüência geralmente envolve a determinação do espectro de freqüência via Transformada Rápida de Fourier (FFT) ou outros métodos os quais obtém a Densidade do Espectro de Freqüência. A seguir na figura 9 são apresentados o sinal temporal e o espectrograma obtidos no ambiente MATLAB do sinal coletado no grupo muscular Bíceps-Direito em esforço e repouso alternados Sinal EMG Tempo [s] Frequency Time -60 Figura 9. Série temporal e Espectrograma do sinal EMG do conjunto Bíceps-Direito. Quando o músculo exibe fadiga após contrações repetidas espera-se um decréscimo no sinal de saída do EMG. Contudo geralmente o oposto é observado. Através dos gráficos obtidos foi observado uma elevação na amplitude do EMG na medida em que o músculo se fadiga isto ocorre devido uma tentativa de manutenção do nível de tensão no

7 músculo onde unidades motoras ativas disparam em velocidades crescentes para compensar a queda da força de contração das fibras fadigadas. Após a contração máxima a força declina e o EMG permanece constante. Isto se explica que está ocorrendo a fadiga no interior do músculo mas que o número máximo de unidades motoras estão em contração. Contudo à medida que tem continuidade a contração os elementos contrateis no interior do músculo falharão e simultaneamente o EMG começará a declinar. Podemos também dizer que houve esta fadiga devido a série repetitiva de exercícios no mesmo grupo de fibras musculares. 6. Conclusões Um dispositivo de análise do sinal EMG foi desenvolvido. O dispositivo é capaz de detectar os potenciais da tensão gerados por diferentes grupos musculares. Os potenciais da tensão gerados pelos músculos podem produzir os sinais que contêm freqüências de até 100 Hz com amplitude de 1 a 10μV. Não foi possível diminuir as componentes em freqüência dos sinais oriundos da rede elétrica (60Hz) mas foi possível amplificar o sinal mioelétrico tendo em vista seu baixo valor de amplitude. Futuros trabalhos deverão considerar a implementação de filtros digitais para evidenciar de forma direta a relação de atividades de esforço e repouso com a serie temporal e o espectro em freqüência dos sinais coletados. 7. Referências Bronzino J. D The Biomedical Engineering HandBook Second Edition Boca Raton: CRC Press LLC. Carr J. J. and Brown J Introduction to Biomedical Equipment Technology 4thEdition Prentice Hall. De Luca C. J The use of surface electromyography in Biomechanics J. Appl. Biomech. 13 pp Englehart K. Hudgins B. Parker P. and Stevenson M Time-Frequency Representation For Classification of Transient MYOELECTRIC Signals Proceedings of the 20th Annul International Conference of the IEEE Engineering in Medicine and Biology Society. Horowitz P. and Hill W The Art of Electronics Cambridge University Press Cambridge UK. Moritani T. Yoshitake Y. Inaki M. Katsuda S The Use of EMG in Applied Physiology J. Electrom. and Kinesiol. 8 pp Oppenheim A.V. and Schafer W Discrete-Time Signal Processing Englewood Cliffs New Jersey Prentice Hall Inc. 879p. Webster J The measurement instrumentation and sensors handbook CRC Press.

Análise Univariada de Sinais Mioelétricos

Análise Univariada de Sinais Mioelétricos Análise Univariada de Sinais Mioelétricos Orientador: Maria Claudia Ferrari de Castro Departamento: Engenharia Elétrica Candidato: Luiz Victor Esteves N FEI: 11209220-0 Início: Setembro/10 Provável conclusão:

Leia mais

PROGRAMA PARA ANÁLISE DE SINAIS ELETROMIOGRÁFICOS

PROGRAMA PARA ANÁLISE DE SINAIS ELETROMIOGRÁFICOS PROGRAMA PARA ANÁLISE DE SINAIS ELETROMIOGRÁFICOS G. F. Sartori¹, A. F. Rocha¹, C. Gonçalves², W. H. Veneziano³ 1 Departamento de Engenharia Elétrica Universidade de Brasília (UnB), Brasil 2 Departamento

Leia mais

Palavras-chave. 1. Introdução

Palavras-chave. 1. Introdução Proposta de gamificação dos sinais mioelétricos aplicados na reabilitação fisioterapêutica em pacientes com dificuldades em executar movimentos em membros superiores ou inferiores Ingred C. Teixeira 1,

Leia mais

Instituição: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA

Instituição: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA PROPOSTA DE REABILITAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM PACIENTES COM DIFICULTADADES EM EXECUTAR MOVIMENTOS EM MEMBROS SUPERIORES OU INFERIORES UTILIZANDO-SE SINAIS MIOELÉTRICOS NOS JOGOS VIRTUAIS COM APLICAÇÃO EM

Leia mais

Em um estudo sobre sinais, o passo inicial é de conceituação dada a diversidade semântica da palavra SINAL (figura 1). Figura 1 Conceito de sinal

Em um estudo sobre sinais, o passo inicial é de conceituação dada a diversidade semântica da palavra SINAL (figura 1). Figura 1 Conceito de sinal CONCEITO DE SINAL Em um estudo sobre sinais, o passo inicial é de conceituação dada a diversidade semântica da palavra SINAL (figura 1). Figura 1 Conceito de sinal RECONSTRUÇÃO DE SINAIS A PARTIR DE SENÓIDES

Leia mais

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos Plano Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinais ula 04 Introdução Dados, sinais e transmissão Sinal analógico x sinal digital Sinais analógicos Grandezas básicas Domínio tempo x

Leia mais

ELETROMIÓGRAFO ME 6000

ELETROMIÓGRAFO ME 6000 Página 1 de 5 ELETROMIÓGRAFO ME 6000 1. INTRODUÇÃO 2. POSICIONAMENTO DOS ELETRODOS 3. USO DO ELETROMIOGRÁFICO COM O SOFTWARE MEGA WIN 4. ME6000 3.1 Cuidados 3.2 Como ligar e usar os menus: Measure, File

Leia mais

Monitor Cardíaco. Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação

Monitor Cardíaco. Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação Monitor Cardíaco Proposta de Trabalho de Conclusão de Curso Prof. Giovani Baratto Santa Maria Agosto de

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Título: EMG Biofeedback por Eletro-estimulação Autores:

Título: EMG Biofeedback por Eletro-estimulação Autores: Título: EMG Biofeedback por Eletro-estimulação Autores: Alan Nogueira Sanches Felippe de Carvalho Barros Fernando Felizate Pereira Leandro de Marchi Sérgio Antônio Mathias da Silva Professor Orientador:

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

Video Lecture RF. Laps

Video Lecture RF. Laps Video Lecture RF Laps Agenda 1. Considerações no projeto de circuitos RF 2. Casamento de impedância 3. Parâmetros S e Carta de Smith 4. Dispositivos/blocos comumente usados 5. Arquiteturas de transceptores

Leia mais

APOSTILA MÓDULO - 4. figura 2 HALL. figura 3. tomada de entrada balanceada CANON

APOSTILA MÓDULO - 4. figura 2 HALL. figura 3. tomada de entrada balanceada CANON APOSTILA MÓDULO 4 AULA 4 AMPLIFICADORES OPERACIONAIS 2 Amplificação de sinais diferenciais bobina magnética e HALL O circuito Schmitt Trigger analisado detalhadamente Os pontos NSD e NID (Nível Superior

Leia mais

Analisador de Espectros

Analisador de Espectros Analisador de Espectros O analisador de espectros é um instrumento utilizado para a análise de sinais alternados no domínio da freqüência. Possui certa semelhança com um osciloscópio, uma vez que o resultado

Leia mais

Razão de Rejeição a Fonte de Potência (PSRR)

Razão de Rejeição a Fonte de Potência (PSRR) 215 Outra unidade que expressa de forma direta o efeito da CMRR. Pode ser obtida observando que a tensão de offset V CM é expressa por: V CM = V C. 1/CMRR = V C.CMRR -1 Agora como CMRR -1 expressa-lo em

Leia mais

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Mauricélio Alves de Sousa, Eng o Fernando Luiz Marcelo Antunes, PhD Ricardo Silva Thé Pontes, MSc Grupo de Processamento de

Leia mais

dv dt Fig.19 Pulso de tensão típico nos terminais do motor

dv dt Fig.19 Pulso de tensão típico nos terminais do motor INFLUÊNCIA DO INVERSOR NO SISTEMA DE ISOLAMENTO DO MOTOR Os inversores de freqüência modernos utilizam transistores (atualmente IGBTs) de potência cujos os chaveamentos (khz) são muito elevados. Para atingirem

Leia mais

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões Considerações Finais Capítulo 8 Capítulo 8 Considerações Finais 8.1- Principais conclusões Durante esta tese foram analisados diversos aspectos relativos à implementação, análise e optimização de sistema

Leia mais

O AMPLIFICADOR LOCK-IN

O AMPLIFICADOR LOCK-IN O AMPLIFICADOR LOCK-IN AUTORES: MARCELO PORTES DE ALBUQUERQUE LEONARDO CORREIA RESENDE JORGE LUÍS GONZALEZ RAFAEL ASTUTO AROUCHE NUNES MAURÍCIO BOCHNER FEVEREIRO 2008 SUMÁRIO RESUMO... 3 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los 1/ 9 Imprimir PROJETOS / Energia 20/08/2012 10:20:00 Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los Na primeira parte deste artigo vimos que a energia

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som 1) Introdução A movimentação mecânica de cargas pode ser definida como o conjunto de ações, de materiais e de meios que permitem, de um modo planeado e seguro, movimentar cargas de um determinado local

Leia mais

Introdução 5. Amplificação com FET 6. Polarização do FET 6 Polarização do terminal dreno 7 Polarização do terminal porta 7

Introdução 5. Amplificação com FET 6. Polarização do FET 6 Polarização do terminal dreno 7 Polarização do terminal porta 7 Sumário Introdução 5 Amplificação com FET 6 Polarização do FET 6 Polarização do terminal dreno 7 Polarização do terminal porta 7 Estágio amplificador com FET 8 Princípio de funcionamento 9 Características

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM SENSORES MODELO: ED-6800B CARACTERÍSTICAS

SISTEMA DE TREINAMENTO EM SENSORES MODELO: ED-6800B CARACTERÍSTICAS SISTEMA DE TREINAMENTO EM SENSORES MODELO: ED-6800B CARACTERÍSTICAS - Características específicas de cada tipo de sensores são investigadas. - Possibilita desenvolver várias experiências. - Oferece experimentos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM Os sistemas de cabeamento estruturado foram desenvolvidos

Leia mais

Eletrônica II. Amplificadores de Potência. Notas de Aula José Maria P. de Menezes Jr.

Eletrônica II. Amplificadores de Potência. Notas de Aula José Maria P. de Menezes Jr. Eletrônica II Amplificadores de Potência Notas de Aula José Maria P. de Menezes Jr. Amplificadores Amplificador é um equipamento que utiliza uma pequena quantidade de energia para controlar uma quantidade

Leia mais

Espectro da Voz e Conversão A/D

Espectro da Voz e Conversão A/D INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES GUIA DO 1º TRABALHO DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES I Espectro da Voz e Conversão A/D Ano Lectivo de

Leia mais

Os termômetros de resistência podem ser isolados de altas tensões. Todavia, na prática, o espaço de instalação disponível é frequentemente pequeno

Os termômetros de resistência podem ser isolados de altas tensões. Todavia, na prática, o espaço de instalação disponível é frequentemente pequeno ProLine P 44000 Medições Precisas de Temperatura em Altas Tensões, até 6,6 kv Quando as temperaturas precisam ser medidas com termômetros de resistência Pt100 em ambientes sob altas tensões, os transmissores

Leia mais

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170 4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído Objetivo: Método: Ao final desta Tarefa você: Estará familiarizado com o conceito de ruído. Será capaz de descrever o efeito do Ruído em um sistema de comunicações digitais.

Leia mais

Instrumentação Industrial. Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições

Instrumentação Industrial. Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições Instrumentação Industrial Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições Instrumentação Industrial De acordo com a organização norte-americana Instrument Society of America -

Leia mais

Sensores Ultrasônicos

Sensores Ultrasônicos Sensores Ultrasônicos Introdução A maioria dos transdutores de ultra-som utiliza materiais piezelétricos para converter energia elétrica em mecânica e vice-versa. Um transdutor de Ultra-som é basicamente

Leia mais

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Tipos de Medidores Medidor não-integrativo; Medidor integrativo; Medidor do valor médio retificado; Medidor de valor de pico; Medidor de valor eficaz. MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Processa o sinal CC sem

Leia mais

Capítulo 4 - Testes de Cabos. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 4 - Testes de Cabos. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 4 - Testes de Cabos 1 Fundamentos - Ondas As ondas são importantes no estudo das redes, pois são elas que transmitem as informações, utilizando meios de cobre, fibra óptica ou o ar. As ondas são

Leia mais

Medidas de mitigação de harmônicos

Medidas de mitigação de harmônicos 38 Apoio Harmônicos provocados por eletroeletrônicos Capítulo XII Medidas de mitigação de harmônicos Igor Amariz Pires* A maneira mais comum de mitigar harmônicos é por meio da utilização de filtros. O

Leia mais

Teoria Princípio do Capacitor

Teoria Princípio do Capacitor Teoria Princípio do Capacitor Um capacitor consiste de dois pratos eletrodos isolados de cada lado por um dielétrico médio. As características de um capacitor são dependentes da capacitância e da tensão.

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004)

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004) Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores Série de conceitos básicos de medições com sensores Medições de temperatura Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos principais Diferentes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 FILTRO ATIVO DE POTÊNCIA SÉRIE PARALELO APRESENTADOR: MÁRCIO STEFANELLO,

Leia mais

Índice. Utilizando o integrado 555... 03. Operação monoestável (Temporizador)... 06. Operação astável (Oscilador)... 07

Índice. Utilizando o integrado 555... 03. Operação monoestável (Temporizador)... 06. Operação astável (Oscilador)... 07 Utilizando o CI 555 Índice Utilizando o integrado 555... 03 Operação monoestável (Temporizador)... 06 Operação astável (Oscilador)... 07 O circuito integrado 556... 10 Aplicações úteis... 11 Gerador de

Leia mais

O AMPLIFICADOR LOCK-IN

O AMPLIFICADOR LOCK-IN O AMPLIFICADOR LOCK-IN AUTORES: RAFAEL ASTUTO AROUCHE NUNES MARCELO PORTES DE ALBUQUERQUE MÁRCIO PORTES DE ALBUQUERQUE OUTUBRO 2007-1 - SUMÁRIO RESUMO... 3 INTRODUÇÃO... 4 PARTE I: O QUE É UM AMPLIFICADOR

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM ELETROCARDIÓGRAFO COM MICROCONTROLADOR MSP 430

DESENVOLVIMENTO DE UM ELETROCARDIÓGRAFO COM MICROCONTROLADOR MSP 430 19 a 21 de mar o de 2010 152 DESENVOLVIMENTO DE UM ELETROCARDIÓGRAFO COM MICROCONTROLADOR MSP 430 Luiz Dionisio Pedrini, Walter Antonio Gontijo Engenharia de Computação Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI)

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Transdução de Grandezas Biomédicas

Transdução de Grandezas Biomédicas Transdução de Grandezas Biomédicas Aula 05 Mestrado em Eng. Biomédica Docente: > Marcelino M. de Andrade A Aula! Condicionadores de Sinais A grande variedade de sensores necessária para transformar um

Leia mais

Sistema de Processamento e Difusão de Sinais Cardíacos na Web

Sistema de Processamento e Difusão de Sinais Cardíacos na Web Sistema de Processamento e Difusão de Sinais Cardíacos na Web Ricardo Godoi Vieira, Ciro José Egoavil Montero Grupo de Pesquisa de Ciência da Computação Faculdades Intergradas FACVEST Mal. Floriano, 947

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

Eletromiografia. Princípios básicos. Carlos Otto Heise

Eletromiografia. Princípios básicos. Carlos Otto Heise Eletromiografia Princípios básicos Carlos Otto Heise Músculo Unidade motora: estrutura Classificação das fibras musculares Ativação das unidades motoras Graduação de força Número de unidades motoras Frequência

Leia mais

Especialização em Engenharia Clínica

Especialização em Engenharia Clínica Docente: > Marcelino M. de Andrade, Dr. Especialização em Engenharia Clínica Instrumentação e Processamento de Sinais Biológicos Apresentação: Descrição do Curso Apresentação: Objetivos e Ementa Apresentação:

Leia mais

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS Descrição de componentes 2 1 INTRODUÇÃO O sistema de treinamento em microondas DH-0406A foi desenvolvido para permitir explorar experimentalmente alguns conceitos

Leia mais

DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM TUBULAÇÕES PREDIAIS DE GÁS ATRAVÉS DA ANÁLISE ESPECTRAL DE TRANSIENTES DE PRESSÃO

DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM TUBULAÇÕES PREDIAIS DE GÁS ATRAVÉS DA ANÁLISE ESPECTRAL DE TRANSIENTES DE PRESSÃO DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM TUBULAÇÕES PREDIAIS DE GÁS ATRAVÉS DA ANÁLISE ESPECTRAL DE TRANSIENTES DE PRESSÃO R. B. SANTOS 1, M.M. de F. SILVA e A. M. F. FILETI Universidade Estadual de Campinas, Faculdade

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Monofásico 1.1 Introdução 1.1.1 Motores

Leia mais

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO CAVALCANTI SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

Leia mais

Projeto de controle e Automação de Antena

Projeto de controle e Automação de Antena Projeto de controle e Automação de Antena Wallyson Ferreira Resumo expandido de Iniciação Tecnológica PUC-Campinas RA: 13015375 Lattes: K4894092P0 wallysonbueno@gmail.com Omar C. Branquinho Sistemas de

Leia mais

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO FONTES CAVALCANTI CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE

Leia mais

Esteira e eletrocardiógrafo com conexões

Esteira e eletrocardiógrafo com conexões ANTECIPANDO TECNOLOGIAS Esteira e eletrocardiógrafo com conexões O sistema para teste de esforço ErgoPC 13 une qualidade e facilidade com capacidade de diagnóstico e prognóstico. Ele oferece a melhor relação

Leia mais

Lógica Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas

Lógica Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas Francisco Carlos Parquet Bizarria,2 João Mauricio Rosário 3 José Walter Parquet Bizarria Francisco Antonio Visconti Junior 2 fcpb@iae.cta.br

Leia mais

EPUSP PCS 2021/2308/2355 Laboratório Digital GERADOR DE SINAIS

EPUSP PCS 2021/2308/2355 Laboratório Digital GERADOR DE SINAIS GERADOR DE SINAIS E.T.M./2007 (adaptação) E.T.M./2011 (revisão) RESUMO Esta experiência tem como objetivo a familiarização com o problema da conversão de sinais digitalizados em sinais analógicos, o conversor

Leia mais

Coerência temporal: Uma característica importante

Coerência temporal: Uma característica importante Coerência temporal: Uma característica importante A coerência temporal de uma fonte de luz é determinada pela sua largura de banda espectral e descreve a forma como os trens de ondas emitidas interfererem

Leia mais

Manual de Instruções. Crossover 4 Vias HD-X4W. Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada

Manual de Instruções. Crossover 4 Vias HD-X4W. Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada 9V RMS Tweeter CH Crossover /octave 2K, 4K, 6K, 8K Mid CH Crossover /octave Low: 0, 0, 0Hz em Flat High:,, 1,Hz Mid Bass Crossover /octave

Leia mais

Vibrações e Ruído. Guia de Trabalho Laboratorial. Trabalho nº 5 Aquisição e Processamento de Dados em Computador

Vibrações e Ruído. Guia de Trabalho Laboratorial. Trabalho nº 5 Aquisição e Processamento de Dados em Computador Vibrações e Ruído Guia de Trabalho Laboratorial Trabalho nº 5 Aquisição e Processamento de Dados em Computador 1. Introdução As placas de aquisição de dados A/D (Analógico / Digital) permitem registar

Leia mais

RUÍDOS. São sinais elétricos não desejados que interferem num sistema de telecomunicações. Possíveis classificações: Quanto a fonte:

RUÍDOS. São sinais elétricos não desejados que interferem num sistema de telecomunicações. Possíveis classificações: Quanto a fonte: RUÍDOS São sinais elétricos não desejados que interferem num sistema de telecomunicações. Possíveis classificações: Quanto a fonte: Ruído externo: quando a fonte é externa ao sistema de telecomunicações

Leia mais

Capítulo 4 Conversores AD e DA

Capítulo 4 Conversores AD e DA Capítulo 4 Conversores AD e DA Conteúdo Processamento de quantidades digitais e analógicas Conversão Digital-Analógico DA Circuitos conversores D/A Conversão Analógico-Digital AD AD de rampa digital Aquisição

Leia mais

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

Comunicação de dados entre um Amplificador Lock-in e um Monocromador Cornerstone utilizando o DataSocket do LabVIEW

Comunicação de dados entre um Amplificador Lock-in e um Monocromador Cornerstone utilizando o DataSocket do LabVIEW Comunicação de dados entre um Amplificador Lock-in e um Monocromador Cornerstone utilizando o DataSocket do LabVIEW Julyanne Silva Cunha 1 ; Francisco Aurilo Azevedo Pinho 2 1 Aluna do Curso de Física;

Leia mais

Medições com strain gage

Medições com strain gage Medições com strain gage Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos principais Conceitos básicos de strain gage Conceitos básicos das medições

Leia mais

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 RECEPTOR AM DSB Transmissor Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 O receptor super-heteródino O circuito demodulador que vimos anteriormente é apenas parte de um circuito mais sofisticado capaz de

Leia mais

CIRCUITOS DIVERSOS COM AMPLIFICADORES OPERACIONAIS. Prof. Valner Brusamarello

CIRCUITOS DIVERSOS COM AMPLIFICADORES OPERACIONAIS. Prof. Valner Brusamarello CIRCUITOS DIVERSOS COM AMPLIFICADORES OPERACIONAIS Prof. Valner Brusamarello Amplificadores operacionais limitações Seja Vcc=5 V, R G =R F =100 k, R L = 10 k Observa-se que amplificadores operacionais

Leia mais

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 Curso Técnico em Eletrônica Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM Prof. Ariovaldo Ghirardello INTRODUÇÃO Os controles de potência,

Leia mais

TOPOLOGIAS DE NOBREAK

TOPOLOGIAS DE NOBREAK TOPOLOGIAS DE NOBREAK O que é um Nobreak? Nobreaks são equipamentos que possuem a função de fornecer energia ininterrupta para a carga (computadores, servidores, impressoras, etc.). Além desta função,

Leia mais

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Eletrônica Básica e Projetos Eletrônicos Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Clóvis Antônio Petry,

Leia mais

Física. Resolução. Q uestão 01 - A

Física. Resolução. Q uestão 01 - A Q uestão 01 - A Uma forma de observarmos a velocidade de um móvel em um gráfico d t é analisarmos a inclinação da curva como no exemplo abaixo: A inclinação do gráfico do móvel A é maior do que a inclinação

Leia mais

Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases

Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases Pedro Feres Filho São Paulo, Brasil e-mail: pedro@pasa.com.br 1- Resumo Este trabalho teve como objetivo apresentar

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Capacidade de canal Aula-12

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Capacidade de canal Aula-12 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Capacidade de canal Aula-12 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 O pode ser definido como todo e qualquer tipo de interfência externa que exercida sobre um

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA Nome dos autores: Halison Helder Falcão Lopes 1 ; Sergio Manuel Rivera Sanhueza 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Elétrica; Campus

Leia mais

Aplicações com OpAmp. 1) Amplificadores básicos. Amplificador Inversor

Aplicações com OpAmp. 1) Amplificadores básicos. Amplificador Inversor 225 Aplicações com OpAmp A quantidade de circuitos que podem ser implementados com opamps é ilimitada. Selecionamos aqueles circuitos mais comuns na prática e agrupamos por categorias. A A seguir passaremos

Leia mais

EFEITO FOTOELÉTRICO. J.R. Kaschny

EFEITO FOTOELÉTRICO. J.R. Kaschny EFEITO FOTOELÉTRICO J.R. Kaschny Histórico 1886-1887 Heinrich Hertz realizou experimentos que pela primeira vez confirmaram a existência de ondas eletromagnéticas e a teoria de Maxwell sobre a propagação

Leia mais

UNIDADE I Aula 5 Fontes de Distorção de Sinais em Transmissão. Fonte: Rodrigo Semente

UNIDADE I Aula 5 Fontes de Distorção de Sinais em Transmissão. Fonte: Rodrigo Semente UNIDADE I Aula 5 Fontes de Distorção de Sinais em Transmissão Fonte: Rodrigo Semente A Distorção, em Sistemas de Comunicação, pode ser entendida como uma ação que tem como objetivo modificar as componentes

Leia mais

VariTrans A 20300. Duplicadores de sinais em alojamento de 6 mm com duas saídas calibradas chaveáveis, também para altas cargas na saída.

VariTrans A 20300. Duplicadores de sinais em alojamento de 6 mm com duas saídas calibradas chaveáveis, também para altas cargas na saída. Duplicadores de Sinais Convencionais Duplicadores de sinais em alojamento de 6 mm com duas saídas calibradas chaveáveis, também para altas cargas na saída. A Tarefa Isolação e transmissão de sinais convencionais

Leia mais

Sistema de Aquisição de Dados

Sistema de Aquisição de Dados Sistema de Aquisição de Dados Versão 2013 RESUMO Nesta experiência será desenvolvido o projeto de um sistema de aquisição e armazenamento de dados analógicos em formato digital. O sinal de um sensor de

Leia mais

http://www.sabereletronica.com.br/secoes/leitura/1569/imprimir:yes Imprimir

http://www.sabereletronica.com.br/secoes/leitura/1569/imprimir:yes Imprimir 1 de 12 28/02/2011 16:11 Imprimir PRODUTOS / Sensores 05/04/2010 16:50:05 Curso sobre Sensores Veja na primeira parte deste artigo a abordagem dos principais sensores utilizados na indústria, e como eles

Leia mais

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Autor: Pedro Machado de Almeida O aproveitamento da energia gerada pelo sol, considerada inesgotável na escala de

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 2 Meio Físicos A automação no meio produtivo Objetivos: Facilitar os processos produtivos

Leia mais

Como funciona o motor de corrente contínua

Como funciona o motor de corrente contínua Como funciona o motor de corrente contínua Escrito por Newton C. Braga Este artigo é de grande utilidade para todos que utilizam pequenos motores, principalmente os projetistas mecatrônicos. Como o artigo

Leia mais

DESCRIÇÃO DETALHADA DO ANALISADOR DE CO E DE SEU FUNCIONAMENTO

DESCRIÇÃO DETALHADA DO ANALISADOR DE CO E DE SEU FUNCIONAMENTO DESCRIÇÃO DETALHADA DO ANALISADOR DE CO E DE SEU FUNCIONAMENTO O analisador de CO para baixas concentrações (ppm - partes por milhão) no ar ambiente é um instrumento de alta sensibilidade, usado para monitorar

Leia mais

ESPECTROMETRIA ATÔMICA. Prof. Marcelo da Rosa Alexandre

ESPECTROMETRIA ATÔMICA. Prof. Marcelo da Rosa Alexandre ESPECTROMETRIA ATÔMICA Prof. Marcelo da Rosa Alexandre Métodos para atomização de amostras para análises espectroscópicas Origen dos Espectros Óticos Para os átomos e íons na fase gasosa somente as transições

Leia mais

Conversão Analógica Digital

Conversão Analógica Digital Slide 1 Conversão Analógica Digital Até agora, discutimos principalmente sinais contínuos (analógicos), mas, atualmente, a maioria dos cálculos e medições é realizada com sistemas digitais. Assim, precisamos

Leia mais

Demonstração da técnica de detecção sensível à fase: uma aplicação óptica. Davi R. Ortega, Túlio C. Rizuti da Rocha Orientador: Flávio Caldas da Cruz

Demonstração da técnica de detecção sensível à fase: uma aplicação óptica. Davi R. Ortega, Túlio C. Rizuti da Rocha Orientador: Flávio Caldas da Cruz Demonstração da técnica de detecção sensível à fase: uma aplicação óptica I - Introdução Davi R. Ortega, Túlio C. Rizuti da Rocha Orientador: Flávio Caldas da Cruz No relatório parcial, mostramos a teoria

Leia mais

Modulador e demodulador PWM

Modulador e demodulador PWM Modulador e demodulador PWM 2 ATENÇÃO O autor não se responsabiliza pelo uso indevido das informações aqui apresentadas. Danos causados a qualquer equipamento utilizado juntamente com os circuitos aqui

Leia mais

MICROMASTER MM4. Usando o Controle de Malha Fechada (PID) Edição 08.2002. IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline

MICROMASTER MM4. Usando o Controle de Malha Fechada (PID) Edição 08.2002. IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline s MICROMASTER MM4 Usando o Controle de Malha Fechada (PID) Edição 08.2002 IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline USANDO O CONTROLE DE MALHA FECHADA NO MM4 O que é controle de malha fechada

Leia mais

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Amplificador básico Amplificador básico É um circuito eletrônico, baseado em um componente ativo, como o transistor ou a válvula, que tem como função amplificar um sinal de

Leia mais

TESTE DE ESTANQUEIDADE

TESTE DE ESTANQUEIDADE TESTE DE ESTANQUEIDADE Mais do que encontrar vazamentos... por: Mauricio Oliveira Costa Consumidores (e clientes) não querem produtos que vazem. De fato, eles estão cada vez mais, exigindo melhorias no

Leia mais

3. PCB de múltiplas camadas operando em altas freqüências.

3. PCB de múltiplas camadas operando em altas freqüências. 34 3. PCB de múltiplas camadas operando em altas freqüências. Ao longo do presente capítulo os substratos e condutores empregados em placas de circuito impresso, em taxas muito elevadas, serão introduzidos.

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA

PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA da REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ENFERMAGEM PROFESSORA TÂNIA MARIA ASCARI PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA O eletrocardiograma é o registro

Leia mais

Comunicação sem fio - antenas

Comunicação sem fio - antenas Comunicação sem fio - antenas Antena é um condutor elétrico ou um sistema de condutores Necessário para a transmissão e a recepção de sinais através do ar Na transmissão Antena converte energia elétrica

Leia mais

Dr. Policarpo Batista Uliana (Documentta Tecnologia)

Dr. Policarpo Batista Uliana (Documentta Tecnologia) Projeto Nacional de um Localizador de Defeitos por Ondas Viajantes Dr. Policarpo Batista Uliana (Documentta Tecnologia) Consultor/coordenador técnico do projeto Dr. Elisete Ternes Pereira (SELMAG - FURB)

Leia mais

Controle de Conversores Estáticos Controle de um conversor boost CCM para correção do FP. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org

Controle de Conversores Estáticos Controle de um conversor boost CCM para correção do FP. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org Controle de Conversores Estáticos Controle de um conversor boost CCM para correção do FP cassiano@ieee.org 1 Operação como PFP Como a freqüência de comutação do interruptor S é muito maior que a freqüência

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

Filtros Digitais. Capítulo 6.0 PDS Prof. César Janeczko (2 o semestre 2009) 10 A

Filtros Digitais. Capítulo 6.0 PDS Prof. César Janeczko (2 o semestre 2009) 10 A Capítulo 6.0 PDS Prof. César Janeczko (2 o semestre 2009) Filtros Digitais Filtros digitais são usados em geral para dois propósitos: 1 o separação de sinais que foram combinados, por exemplo, modulados;

Leia mais

SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA.

SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA. SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA. Marco Antonio Souza 1, Milton Benedito Faria 2, Carlos Eduardo Cabral Vilela, Prof. MSc 3. Homero Santiago Maciel, Prof. DR 4. UNIVAP,

Leia mais