GUIA DO ESTUDANTE DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO MODULAÇÃO SEMESTRAL 1º SEMESTRE/2013 (TODOS OS CURSOS INICIADOS A PARTIR DE 2010)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA DO ESTUDANTE DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO MODULAÇÃO SEMESTRAL 1º SEMESTRE/2013 (TODOS OS CURSOS INICIADOS A PARTIR DE 2010)"

Transcrição

1 GUIA DO ESTUDANTE DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO MODULAÇÃO SEMESTRAL 1º SEMESTRE/2013 (TODOS OS CURSOS INICIADOS A PARTIR DE 2010) APRESENTAÇÃO Este guia foi elaborado especialmente para você, estudante da Universidade Municipal de São Caetano do Sul - USCS. Seu objetivo é informá-lo dos procedimentos acadêmicos que orientarão seus atos, por isso leia-o atentamente. Neste guia você encontrará a estrutura, as responsabilidades e o funcionamento dos diversos órgãos colegiados da Universidade. Contém informações muito úteis que proporcionarão uma integração mais rápida e efetiva na vida sócio-acadêmica na Universidade. Por isso, é extremamente importante conhecer o conteúdo deste guia, bem como consultá-lo sempre que necessário. O guia é parte integrante do contrato de prestação de serviços de educação e ensino que você está celebrando com a Universidade USCS. Aprovado pelo CONSEPE em 21/06/2012

2 PARTE I INFORMAÇÕES ACADÊMICAS E ADMINISTRATIVAS Nesta parte do Guia, você encontrará informações sobre o sistema de avaliação, procedimentos, prazos, direitos, deveres, etc., extraídas do Regimento Geral da Universidade. 1. SISTEMA DE AVALIAÇÃO O estudante para ser aprovado na disciplina ou promovido no semestre, deverá atender a dois requisitos: frequência e aproveitamento. 1.1 Frequência Frequência Mínima A frequência mínima exigida por disciplina é de 75% (setenta e cinco por cento) das aulas ministradas. O estudante com freqüência inferior a 75% estará automaticamente reprovado na disciplina, independentemente das notas nela obtida. É importante ressaltar que o sábado é considerado dia letivo podendo ser programadas quaisquer atividades didáticas, desde que com prévio aviso às salas Apuração da Frequência A apuração da frequência será efetuada por meio de chamada feita pelo professor ou outra forma adequada que a substitua. Nos casos de ausência coletiva às aulas, será anotada a falta para todos os estudantes, os assuntos programados serão registrados e considerados como matéria dada Compensação de Ausência Condições Todo estudante regularmente matriculado na Universidade USCS poderá solicitar compensação de ausência às aulas quando ocorrer uma das seguintes situações: a) tenha graves problemas de saúde que o mantenha afastado das atividades acadêmicas por um período superior a 15 dias; b) seja vítima de acidente que o mantenha afastado das atividades acadêmicas por um período superior a 15 dias; c) seja portador de qualquer doença contagiosa que o obrigue a um afastamento das atividades acadêmicas superior a 7 dias; d) gestante, a partir do oitavo mês de gravidez, por um período de até 3 (três) meses Procedimento A compensação de ausência deverá ser solicitada pelo próprio estudante, por familiar ou por pessoa devidamente autorizada até 48 horas após o fato que determinar a incapacidade física para o prosseguimento das atividades escolares normais. A solicitação poderá ser efetivada pessoalmente ou pela internet (www.uscs.edu.br) em formulário próprio. O estudante ou representante legal tem o prazo de 48 horas, a partir da data do afastamento, para entrega de documentos comprobatórios do afastamento (atestado médico e outros), pessoalmente, no Setor de Atendimento ao Aluno, entre 19h30 e 21h30. A impossibilidade de freqüentar às aulas será atestada por médico indicado pela Universidade USCS mediante o encaminhamento de questionário pela Secretaria Técnica. Após o parecer médico, o Setor de Atendimento ao Aluno encaminhará pedido de compensação de ausência aos professores, os quais solicitarão a realização de atividades escolares em regime domiciliar. 2

3 1.1.4 Abono de Faltas A legislação em vigor não prevê qualquer forma de abono de faltas, com exceção dos casos de prestação de serviço militar em horário coincidente com o das aulas. Independentemente da média, o estudante deverá administrar o total de suas faltas até o limite de 25% das aulas em cada disciplina, sob pena de ser reprovado por faltas. 1.2 Aproveitamento Além da freqüência mínima, o estudante deverá obter aprovação por aproveitamento auferido por notas das avaliações realizadas, no decorrer do período letivo Avaliação para os cursos com modulação semestral Para apuração do aproveitamento acadêmico, o sistema prevê duas avaliações. Essas duas avaliações constarão de: a) exclusivamente de uma prova semestral; b) nota de aproveitamento, de provas, trabalhos ou outras atividades atendendo às peculiaridades de cada disciplina e curso. Cada avaliação terá peso 1 (um), e será utilizada uma escala de 0 (zero) a 10 (dez) para expressão do resultado obtido. Do somatório dessas duas notas, será extraída a média aritmética simples que implicará uma das seguintes situações: 1.ª O estudante que obtiver média igual ou superior a 7,0 (sete) estará aprovado na disciplina. 2.ª O estudante que obtiver média inferior a 3,0 (três) será reprovado na disciplina. 3.ª O estudante que obtiver média igual ou superior a 3,0 (três) e inferior a 7,0 (sete) será submetido à prova de Reavaliação. Exemplos de situações de Aproveitamento Elencamos abaixo três exemplos para melhor entendimento do sistema de avaliação do aproveitamento. Exemplo 1 (Aprovação direta, quando a média é igual ou superior a 7,0) Prova semestral: Nota 8,0 Aproveitamento: Nota 6,0 Somatório: 14,0 Média Aritmética Simples: 14,0 : 2 = 7,0 Situação: Estudante aprovado na disciplina. Exemplo 2 (Aprovação com Reavaliação) Prova semestral: Nota 6,0 Aproveitamento: Nota 5,0 Somatório: 11 Média Aritmética Simples: 11 : 2 = 5,5 Situação: Estudante deverá fazer a Reavaliação. Reavaliação: Nota 4,5 Média Aritmética Simples: (5,5 + 4,5) : 2 = 5,0 Situação após a Reavaliação: 3

4 Estudante aprovado na disciplina. Observação: Se obtiver média menor que 5,0, o estudante estará reprovado. Exemplo 3 (Reprovação direta) Prova semestral: Nota 2,0 Aproveitamento: Nota 2,0 Somatório: 4,0 Média Aritmética Simples: 4,0 : 2 = 2,0 Situação: Estudante reprovado na disciplina (mesmo que tenha freqüência igual ou superior a 75%), não tem direito à Reavaliação, pois não atingiu a média mínima 3,0 (três) no período letivo Sistema de Avaliação de disciplinas em EAD As disciplinas em EAD têm os mesmos critérios de aprovação das disciplinas presenciais. A avaliação presencial, em disciplinas na modalidade EAD, é obrigatória conforme o decreto Nº 5.622, de 19 de dezembro de 2005, e representará 70% da nota final do aluno, a fim de cumprir a determinação do artigo 4º parágrafo 2º. Portanto a média da disciplina em EAD é a nota de aproveitamento obtida no ambiente virtual de aprendizagem com peso 30%, mais a nota da avaliação presencial com peso 70%. Média = (nota de aproveitamento X 0,3) + (nota da avaliação presencial X 0,7) A nota de aproveitamento da disciplina tem o valor total de 10,0(dez) pontos. É a soma das notas de participação no fórum, mais as atividades solicitadas durante a oferta da disciplina, de acordo com os critérios definidos por cada professor-tutor. A avaliação presencial da disciplina tem o valor total 10,0(dez) pontos. A avaliação presencial será na sala de aula de acordo com o calendário acadêmico e no período definido pela coordenação do curso. Nota de aproveitamento do ambiente virtual de aprendizagem = notas de participação no fórum + notas das atividades (de acordo com os critérios definidos por cada professor-tutor). Observação: Fórum: é o espaço para interação com o grupo através do ambiente virtual de aprendizagem. mediante a participação do aluno nesse espaço. A avaliação será Atividades: serão propostas pelo professor-tutor durante o período de oferta da disciplina, portanto, todas as vezes que o professor-tutor solicitar uma atividade, a mesma será informada ao aluno através do ambiente virtual de aprendizagem, indicando a data para entrega da mesma. A entrega da atividade será através do ambiente virtual de aprendizagem, e para entregá-la leia atentamente as instruções informadas pelo professor-tutor, e observe a data limite para entrega Reavaliação Essa prova destina-se ao estudante que se encontrar na situação do exemplo 2.Como as demais avaliações, esta também tem peso 1 (um) e lhe será atribuída nota de 0 (zero) a 10 (dez). Neste caso, somando-se a média das duas avaliações com a nota da Reavaliação e calculando-se a média aritmética simples: a) o estudante será aprovado, se obtiver média igual ou superior a 5,0 (cinco); 4

5 b) o estudante será reprovado, se obtiver média inferior a 5,0 (cinco) Avaliação Substitutiva A avaliação substitutiva aplica-se aos estudantes que deixaram de prestar a prova semestral por motivo relevante. Cabe ressaltar que não há prova substitutiva da nota de aproveitamento, da Reavaliação e da própria substitutiva. Observação: Prazo Para ter direito a realizar a avaliação substitutiva, o estudante deverá requerê-la no prazo máximo de 2 (dois) dias úteis, após o período sugerido para realização da prova semestral Condições Ao requerer a Substitutiva o estudante deverá provar que o motivo do impedimento foi realmente importante. Anexar, quando for o caso: atestado fornecido por médico, ou comprovante de internação hospitalar; boletim de ocorrência, nos casos de acidente de trânsito; comprovante de despesas de viagem a serviço da Empresa; atestado de óbito, nos casos de falecimento (comprovar parentesco); declaração da Empresa, com o período de horário extraordinário de trabalho, nome e cargo do signatário da declaração e xerox da Carteira de Trabalho. Os casos que não se enquadrarem nos itens acima ( ) deverão ser analisados pelo Gestor do Curso/Diretor de Área Revisão de Avaliações O estudante terá direito à revisão de provas (semestral oficial, substitutiva e reavaliação) desde que a requeira no prazo máximo de 2 (dois) dias úteis após a data da publicação da nota via Internet e/ou quadros de avisos. Considera-se data de publicação a que constar no Calendário Acadêmico. É facultado ao Professor realizar a revisão com a presença do estudante. A revisão, quando solicitada, será realizada com a presença do discente em data e horários fixados pelo docente. Revisões em grau de recurso somente serão realizadas se plenamente justificadas pelo estudante e aprovadas pelas Diretorias de Áreas. Não há revisão para a nota de aproveitamento. Esta nota é obtida por meio da realização de diversos trabalhos, em sala de aula ou não, provas específicas e do desempenho no estudante no período letivo Calendário de Avaliações As datas das avaliações serão marcadas pelo Gestor do Curso, em épocas estipuladas pelo Calendário Acadêmico (e divulgadas pela Secretaria Técnica nos quadros de aviso das salas de aula) Regime de Dependência e/ou Adaptações Os alunos que cursarem até sete disciplinas por semestre poderão ser reprovados em, no máximo, até duas disciplinas para cursá-las em regime de dependência, e os que cursarem oito ou mais disciplinas por semestre poderão ser reprovados em até três disciplinas para cursá-las em regime de dependência, juntamente com as do(s) módulo(s) seguinte, conforme abaixo: Dependência por nota (DN) - estudantes que não obtiveram a nota mínima para aprovação, mas tiveram frequência mínima de 75% (setenta e cinco por cento) cursarão aulas em calendário especialmente elaborado para esta finalidade e divulgado no início do semestre letivo. 5

6 Dependência por falta (DA) - estudantes aprovados por nota que não obtiveram frequência mínima de 75% (setenta e cinco por cento) deverão cursar novamente a disciplina com freqüência obrigatória e necessariamente realizar as avaliações e outras atividades obrigatórias para a disciplina. Dependência por nota e falta - prevalece a dependência por falta (DA). Para efeitos de contagem das disciplinas cursadas no semestre são consideradas todas as disciplinas pertencentes ao grupo no qual o aluno estiver matriculado, portanto, excluem-se deste montante as disciplinas em regime de dependências ou adaptações cursadas no semestre. As disciplinas de dependência com freqüência obrigatória (DA) ou Adaptação poderão ser cursadas em período diferente daquele em que o estudante estiver matriculado. Caso a disciplina não venha a ser oferecida em período diferente daquele em que o estudante estiver matriculado, em sala regular ou especial, caberá ao estudante decidir por cursar a dependência por falta (DA) ou Adaptação em prejuízo das disciplinas do semestre ou o contrário. O estudante reprovado na(s) disciplina(s) em regime de dependência ou adaptação poderá ser promovido, conforme item Observações: 1ª Para disciplinas cujo total de alunos em dependência supere 10 (dez), será divulgado calendário especial. 2ª Para disciplinas cuja quantidade de alunos seja inferior a 10 (dez), o professor convocará uma reunião com os alunos em dependência, com a finalidade de estabelecer o calendário das atividades, o qual deve ser aprovado pelo Gestor do Curso. 3ª Tanto nas aulas previamente programadas quanto naquelas em que o professor definirá com os alunos o calendário, haverá o controle de frequência, que será 75% (setenta e cinco por cento), no mínimo. O procedimento de avaliação obedecerá aos critérios normais vigentes. 4ª Haverá cobrança de 5% (cinco por cento) da mensalidade do curso em que o aluno estiver matriculado, por disciplina cursada em regime especial de dependência. 5ª O estudante retido no semestre ou em adaptação ou em regime de dependência por faltas ou por nota que optar por cursar somente estas disciplinas pagará pelo número de disciplinas a serem cursadas em turmas normais ou especiais, conforme abaixo: 1 disciplina - 20% da semestralidade do curso; 2 disciplinas - 40% da semestralidade do curso; 3 disciplinas - 60% da semestralidade do curso; 4 disciplinas - 80% da semestralidade do curso; 5 ou mais disciplinas o valor integral da semestralidade. 6ª As atividades práticas curriculares, monografia, TCC, AACC, estágio supervisionado (consulte), no caso de reprovação ou o não cumprimento das horas, deverão ser pagas, além das mensalidades referidas no seu caput, levando-se em consideração a sua duração e carga horária, e serão fixadas em Portaria publicada no início de cada ano letivo. *Verificar, junto ao Gestor do seu curso, a quantidade de horas para o cumprimento da AACC, conforme grade curricular. Atenção! Não existe regime de dependência para as disciplinas exigidas no último semestre, sejam elas do referido semestre ou não. Neste caso, se houver reprovação por notas, faltas ou adaptação em qualquer disciplina, o estudante do último semestre será considerado reprovado na(s) disciplina(s), devendo submeter-se às provas, realizar trabalhos ou outras atividades da(s) disciplina(s) em que foi reprovado ou adaptação, com frequência obrigatória até obter aprovação Reprovação no semestre 6

7 O estudante que ultrapassar a quantidade permitida para disciplinas em regime de dependência (item 1.2.7), encontrar- -se-á na condição de reprovado, devendo cursá-las em sala regular afim de posteriormente dar continuidade ao seu curso. Observações: O estudante reprovado no semestre deverá pagar a semestralidade de acordo com o exposto no item 1.2.7: incluindo as dependências, adaptações e disciplinas do(s) módulo(s) em que não tiver sido aprovado. O regime de dependência aplica-se às disciplinas cursadas em módulos anteriores ao que se encontra o estudante. Desta forma, entende-se que disciplinas reprovadas no módulo corrente, que é aquele onde o estudante se encontra matriculado não são consideradas dependências, até que ele seja promovido ao módulo seguinte, ou seja, o aluno encontra-se na condição de reprovado naquelas disciplinas, devendo cursá-las em sala regular. Assim, de acordo com este conceito, as disciplinas que integram o currículo do último módulo de quaisquer cursos não são consideradas como dependência, uma vez que não há módulo posterior ao último. Para dirimir quaisquer dúvidas sobre sua situação acadêmica o estudante deverá procurar o Setor de Atendimento ao Aluno. 2. MATRÍCULA 2.1 Prazos e Documentação As matrículas nos vários módulos dos cursos mantidos pela Universidade obedecerão, em cada período letivo, aos prazos fixados pela Secretaria Técnica. Estes prazos serão divulgados no Calendário Acadêmico (previsão). A USCS se reserva o direito de transferir do período matutino para o período noturno, a partir do 2º semestre cursado, independentemente da quantidade de módulos cursados, todos os alunos de uma mesma turma. Ao aluno que não convier a transferência de período será proposta, se possível a transferência de curso, ou ainda, se lhe for mais conveniente, a transferência para outra Instituição. O estudante, para efetuar a matrícula, deverá observar: a) apresentar a documentação exigida; b) efetuar o pagamento da primeira parcela da semestralidade do exercício, quando esta ocorrer no mês de janeiro, para o 1º semestre, e julho, para o 2º semestre; ocorrendo a matrícula no mês de fevereiro (1º semestre) e agosto (2º semestre), o estudante deverá pagar a primeira e a segunda parcelas da semestralidade; c) afim de não comprometer o aproveitamento didático-acadêmico, a Universidade poderá não acolher matrículas fora do prazo estipulado no calendário acadêmico e quando o aluno efetuar a matrícula após a data estipulada (no Calendário Acadêmico), assumirá o total de faltas computadas desde o início do período letivo até a data de sua matrícula. O estudante perderá todo e qualquer direito, se não cumprir os prazos estabelecidos pela Universidade. 2.2 Cancelamento Se, por qualquer razão, o estudante resolver interromper definitivamente seus estudos, deverá requerer o cancelamento de sua matrícula. O cancelamento implica a perda de todo e qualquer direito quanto à reserva de vaga, ou seja, se o estudante quiser retornar a Universidade, deverá prestar outro Vestibular. Para solicitar o cancelamento da matrícula, o estudante deverá estar financeiramente quite com a Tesouraria da Universidade. O cancelamento de matrícula interrompe a obrigação de pagamento das mensalidades futuras, ficando a obrigação de pagamento das mensalidades até o mês correspondente ao requerimento do estudante, além de outros débitos pendentes, calculados e atualizados. O estudante (vestibulando) matriculado no primeiro semestre poderá solicitar a devolução de 80% (oitenta por cento) do valor pago no ato da matrícula, até a data prevista no manual do candidato. Poderá ocorrer o cancelamento da matrícula, facultativamente, por iniciativa da Universidade, quando o estudante: a) deixar de freqüentar as aulas durante 60 (sessenta) dias consecutivos; 7

8 b) deixar de efetuar a matrícula nos prazos fixados pela Secretaria Técnica. 2.3 Trancamento Para solicitar trancamento de matrícula, o estudante deve formalizar o pedido, que será encaminhado para avaliação da Diretoria de Área. Essa possibilidade não se aplica aos calouros. O estudante, ao requerer o trancamento, deverá estar em dia com as suas obrigações financeiras até o mês relativo ao pedido. O trancamento de matrícula terá validade para o semestre letivo em que for requerido. O trancamento de matrícula interrompe a obrigação de pagamento das mensalidades futuras, ficando a obrigação de pagamento das mensalidades até o mês correspondente ao requerimento do estudante, além de outros débitos pendentes, calculados e atualizados. Se persistir a necessidade do trancamento, o estudante deverá, no semestre seguinte, matricular-se e requerer novo trancamento para não perder o vínculo com a Universidade, caso pretenda solicitar transferência para outra faculdade naquele semestre. Se o estudante não desejar ou não puder retornar seus estudos, na própria Universidade ou em outra instituição, no semestre subsequente ao do trancamento, não há necessidade de efetuar a matrícula e providenciar trancamento naquele semestre. Será computado, porém, para efeito de jubilação (veja itens 2.5 e 2.6 ), esse período em que o estudante estiver afastado dos estudos. O estudante deverá continuar assistindo às aulas, até o resultado do seu pedido que será apreciado no prazo máximo de 15 (quinze) dias. Após a comunicação do deferimento do pedido, o estudante terá o prazo de 7 (sete) dias para tomar ciência do requerimento. Se o estudante não comparecer dentro desse prazo, o pedido será automaticamente cancelado. Observações: 1.ª O indeferimento do pedido de trancamento tornará o estudante responsável pelas parcelas restantes da semestralidade. 2.ª Não será permitido o trancamento ao estudante que tiver excedido, no semestre letivo, o limite regimental de faltas (25% por disciplina). 3.ª O semestre letivo em que o estudante teve sua matrícula trancada não será computado para efeito de integralização ou jubilação. 2.4 Abandono do Curso A interrupção dos estudos sem o devido trancamento ou cancelamento da matrícula caracteriza abandono do curso e não desobriga o estudante dos débitos pendentes, que serão corrigidos conforme a legislação em vigor. 2.5 Prazo de Integralização O prazo de integralização é o tempo dentro do qual o estudante deverá concluir seu curso. Esse prazo é o seguinte, de acordo com os cursos: Escola de Computação Ciência da Computação: mínimo de 8 e máximo de 14 semestres; Sistemas de Informação: mínimo de 8 e máximo de 14 semestres. Escola de Comunicação Comunicação Social (Habilitação Publicidade Propaganda, Jornalismo e Radialismo): mínimo de 8 e máximo de 14 semestres. Escola de Direito Direito: mínimo de 10 e máximo de 18 semestres. Escola de Educação Pedagogia: mínimo de 6 e máximo de 10 semestres. 8

9 Escola de Negócios Administração: mínimo de 8 e máximo de 14 semestres; Adm Comércio Exterior: mínimo de 8 e máximo de 14 semestres Ciências Econômicas: mínimo de 8 e máximo de 14 semestres; Ciências Contábeis: mínimo de 8 e máximo de 14 semestres. Escola de Saúde Educação Física (bacharelado): mínimo de 8 e máximo de 14 semestres; Educação Física (licenciatura): mínimo de 6 e máximo de 10 semestres; Farmácia: mínimo de 8 e máximo de 14 semestres; Nutrição: mínimo de 8 e máximo de 14 semestres; Fisioterapia: mínimo de 8 e máximo de 14 semestres; Enfermagem: mínimo de 8 e máximo de 14 semestres. Escola de Graduação Tecnológica Marketing (de Varejo): mínimo de 4 e máximo de 8 semestres; Sistemas para Internet (Web Design): mínimo de 5 e máximo de 10 semestres; Rede de Computadores: mínimo de 5 e máximo de 10 semestres; Gestão em Processos Gerenciais (Pequenas e Médias Empresas): mínimo de 4 e máximo de 8 semestres. Gestão de Recursos Humanos: mínimo de 4 e máximo de 8 semestres. Gestão Ambiental : mínimo de 4 e máximo de 8 semestres. Logística: mínimo de 4 e máximo de 8 semestres; Gestão Comercial: mínimo de 4 e máximo de 8 semestres; Gestão da Qualidade: mínimo de 4 e máximo de 8 semestres; Gestão da Tecnologia da Informação: mínimo de 5 e máximo de 10 semestres; Gestão Financeira: mínimo de 4 e máximo de 8 semestres; 2.6 Jubilação O estudante que não concluir o curso dentro do prazo máximo previsto para sua integralização terá sua matrícula recusada, pois ficará na condição de jubilado. Neste caso, o estudante poderá habilitar-se por novo concurso vestibular, solicitando, se classificado e convocado, matrícula e dispensa das disciplinas já cursadas, devendo adaptar-se ao novo currículo, se for o caso. O estudante poderá solicitar dilatação do prazo máximo estabelecido para conclusão do curso, desde que seja portador de deficiências físicas, assim como afecções que importem em limitação da capacidade de aprendizagem. Tal dilatação poderá igualmente ser concedida em casos de força maior, devidamente comprovados, a juízo da Secretaria Técnica, e não poderá ultrapassar 50% (cinqüenta por cento) do limite máximo de duração fixado para o curso. 2.7 Mudança de Curso No ato da matrícula, o estudante poderá solicitar a mudança de curso em requerimento próprio. O estudante poderá solicitar transferência de um curso para o outro, desde que exista vaga disponível e compatibilidade de currículo. A mudança do curso não é permitida aos calouros. 2.8 Transferência De Outra Faculdade para a Universidade - USCS A Universidade poderá aceitar transferência de estudantes de outros estabelecimentos de ensino superior, desde que exista vagas, para prosseguimento de estudos em cursos afins. Para tanto, o interessado deverá apresentar a documentação exigida (Histórico Escolar com carga horária, programa das disciplinas cursadas e Atestado de regularidade acadêmica). 9

10 As transferências deverão ser requeridas no período estipulado pelo Calendário Acadêmico, sendo as solicitações julgadas com base nos termos da legislação pertinente. Não serão aceitas transferências para o último semestre de quaisquer cursos mantidos pela Universidade. Todo estudante transferido para a Universidade estará sujeito a cursar, em regime de adaptação, disciplinas que não tiver cursado na escola de origem e que façam parte do currículo pleno desta Universidade, bem como das disciplinas nas quais não conseguiu aprovação na escola de origem. O regime de adaptação implica a realização de provas, reavaliações e trabalhos, bem como a freqüência obrigatória às aulas. O estudante será automaticamente alocado em período inverso ao da matrícula. Para ser promovido no módulo, o estudante poderá ser reprovado em até duas ou três disciplinas (conforme item 1.2.6), incluindo as adaptações e as dependências de módulos anteriores. As disciplinas de adaptação podem, a critério do estudante, ser transferidas para o período letivo seguinte, desde que o estudante não esteja matriculado no último módulo do curso. Os interessados deverão formalizar os pedidos no Setor de Atendimento ao Aluno, até o dia 31 de maio para o primeiro período letivo e 31 de outubro para o segundo período letivo Da Universidade USCS para Outras instituições de ensino O estudante poderá requerer a transferência para outro estabelecimento quando solicitada a documentação necessária. Para requerer a transferência em período de aulas ou férias escolares o estudante deverá estar em dia com suas obrigações financeiras até o mês relativo ao pedido. 2.9 Aproveitamento de Estudos Pessoas com curso superior e diploma devidamente registrado poderão se matricular na Universidade, desde que resultem vagas após a matrícula dos candidatos classificados em concurso vestibular, ou se houver vagas nos módulos avançados. Para tanto, deverão apresentar o diploma registrado, Histórico Escolar com carga horária e programa das disciplinas cursadas. Os estudantes matriculados por meio de aproveitamento de estudos cumprirão o currículo pleno vigente na Universidade, obedecendo ao tempo de integralização e carga horária fixados regimentalmente Aproveitamento de Disciplinas O candidato classificado pelo vestibular da Universidade terá garantida a sua matrícula no primeiro período do curso de sua opção. O aproveitamento de disciplinas e a transferência do estudante para outro período dependerá exclusivamente da existência de vagas Transferências de períodos É expressamente vedada a transferência, em qualquer série, por solicitação do matriculado, para qualquer série ou semestre diferente daquele em que foi efetuada sua matrícula. Não se admitirá em hipótese alguma a permuta de curso, vaga ou série e semestres entre estudantes. A Universidade se reserva o direito de transferir do período matutino para o período noturno, a partir do 2º semestre (segundo semestre), todos os estudantes de uma mesma turma. Ao estudante que não convier a transferência de período será proposta, se possível, a transferência de curso, ou ainda, se lhe for mais conveniente, a transferência para outra instituição. 3. ESTÁGIO Todo estudante do curso de Administração, Sistema de Informação, Direito, Farmácia, Fisioterapia, Nutrição, Educação Física, Cursos da área de educação e Enfermagem deverá cumprir estágio para poder colar grau, de acordo com a legislação em vigor. Este estágio compreenderá a carga horária estabelecida em cada um dos cursos de acordo com as normas vigentes próprias de cada curso. O Gestor de Curso supervisionará essa atividade. O Manual de Estágio com todas as informações necessárias está disponível no site da USCS. 10

11 4. INFORMAÇÕES GERAIS 4.1 Setor de Atendimento ao Aluno SAA Todo e qualquer contato do estudante com a Universidade deve começar no SAE, que é o órgão responsável pelas informações de natureza acadêmica e administrativa de interesse do corpo discente: requerimentos, pagamento de mensalidades, informações sobre a vida acadêmica, etc. Caso necessário, esse Setor encaminhará o estudante aos órgãos competentes. 4.2 Questões de Ordem Didática Na relação professor-estudante podem surgir situações que precisam ser resolvidas para garantir a qualidade do processo ensinoaprendizagem. Para a resolução de questões de ordem didática, o estudante (ou o representante de classe) deverá: a) procurar, em primeiro lugar, tratar o assunto com o professor da disciplina; b) não obtendo solução para o caso, encaminhar a questão para o Gestor de Curso; c) se não for resolvido, encaminhar a questão ao Diretor de Área; d) se mesmo assim a questão permanecer não solucionada, dirigir-se à Pró-Reitoria de Graduação. Observação: Os Diretores de Área e Gestores de Curso têm seus nomes e horários de atendimento (plantão) divulgados nos quadros de aviso das salas, no início do ano letivo. 4.3 Acesso às instalações da Universidade a) O acesso às instalações da Universidade é controlado por meio de sistema de informação integrado ao sistema de liberação de catracas. Assim, somente é permitido o acesso dos estudantes portadores de crachás de identificação emitidos pela Universidade. Caso o estudante perca o crachá de identificação deverá solicitar um crachá provisório na portaria, com o prazo de validade pré-determinado. Durante esse prazo o estudante deverá solicitar novo crachá ao SAE recolhendo as taxas relativas à confecção do mesmo. O Estudante que não proceder desta forma estará impedido do acesso às instalações após o 5.º dia. Em hipótese alguma será fornecido novo crachá provisório ou dilatado o prazo de validade. O crachá provisório deverá ser devolvido no momento da retirada do novo. Caso isso não venha a ocorrer o estudante deverá arcar com os custos do mesmo. b) Cada um dos laboratórios da Universidade possui normas internas de utilização. Em alguns casos, estas normas requerem o uso de vestimentas e equipamentos de proteção individual (EPIs) apropriados para experimentos e aulas práticas. A aquisição destas vestimentas e EPIs são de responsabilidade do estudante. 4.4 Direito de Imagem O(s) estudante(s) só poderá(ao) gravar aulas (imagem e/ou som) desde que haja autorização expressa do professor precedida de solicitação específica do(s) estudante(s), por escrito. 4.5 Anuidade e Taxas Escolares A anuidade e as taxas escolares terão o seu valor e forma de pagamento estabelecidos por Portarias do Reitor. O valor da semestralidade será fixado de acordo com as regras estabelecidas pela legislação vigente. O pagamento de qualquer parcela da semestralidade fora do prazo de tolerância implica multa, juros e atualização monetária de acordo com o contrato de prestação de serviços de educação e ensino. Atestados, Declarações, Certidões, Diplomas e quaisquer outros documentos somente serão expedidos após o pagamento da taxa própria. 4.6 Diploma 11

12 O estudante formado deverá solicitar seu diploma diretamente no Setor de Atendimento ao Estudante (SAE). Na ocasião, deverá pagar a taxa correspondente ao diploma, e o órgão competente verificará se a documentação do estudante está atualizada e completa, bem como fixará prazo para retirada de seu diploma devidamente registrado. 4.7 Cursos Mantidos Atualmente a Universidade mantém: quinze cursos de graduação bacharelada: Administração; Ciências Econômicas; Ciências Contábeis; Sistemas de Informação; Ciência da Computação; Publicidade e Propaganda; Rádio e TV; Jornalismo; Educação Física Bacharelado; Educação Física Licenciatura; Fisioterapia; Farmácia; Nutrição; Enfermagem e Direito. onze cursos de graduação tecnológica: Marketing (de Varejo), Sistemas para Internet (Web Design), Redes de Computadores, Gestão de Processos Gerenciais (Pequenas e Médias Empresas), Gestão de Recursos Humanos, Gestão Ambiental, Logística, Gestão Comercial, Gestão da Qualidade, Gestão da Tecnologia da Informação, e Gestão Financeira. Cursos na área da Educação: Pedagogia Cursos de pós-graduação lato sensu e stricto sensu. 4.8 Representação Estudantil Tem por objetivo promover a cooperação da comunidade acadêmica e o aprimoramento da instituição, vedadas as atividades de natureza político-partidária. 4.9 Certificado de Destaque Acadêmico É orientado na valorização do mérito e em melhores condições de empregabilidade dos estudantes. Esse certificado será conferido aos estudantes que:. excederem em 20% a carga horária mínima de AACC( Atividades Acadêmicas Curriculares Complementares) exigidas pelo seu curso, e. participarem de dois dos três programas de formação oferecidos pela USCS: PDNC Programa de Desenvolvimento de Novas Competências, Oficina de Empreendedorismo Social e, Oficina Empregabilidade e Projeto de Vida. 5. ÓRGÃOS COLEGIADOS 5.1 CONSUN Conselho Universitário O Conselho Universitário é o órgão superior de natureza deliberativa e normativa e de instância final para todos os assuntos acadêmicos. É integrado: Pelo Reitor, seu presidente Pelos Pró-Reitores Por um representante, por campus, das seguintes instâncias a)diretor de Área; b) Discente; c) Docente; d) Servidor. Por um representante do Poder Executivo Municipal Ex-diretores, ex-vice-diretores e ex-reitores que tenham cumprido um mandato completo e mantenham vínculo com a Universidade 5.2 CONSEPE Conselho de Ensino e Pesquisa e Extensão O Conselho de Ensino e Extensão é órgão central de supervisão das atividades de ensino, pesquisa e extensão, possuindo atribuições deliberativas, normativas e consultivas. É integrado: Pelo Reitor; 12

13 Pelos Pró-Reitores; Por um representante, por campus, das seguintes instâncias: a) Diretor de área; b) Docente; c) Discente. 5.3 Conselho de Curso O Conselho de Curso é composto pelo Gestor de Curso, seu presidente nato, por cinco docentes, escolhidos por seus pares, em cada curso e por um representante discente, eleito pelos seus pares, todos da respectiva unidade. 6. DIREITOS E DEVERES DO CORPO DISCENTE Caberão aos membros do Corpo Discente os seguintes direitos e obrigações fundamentais (Arts.106 e 120 do Regimento Geral da Universidade): Artigo 106. São direitos e deveres dos membros do corpo discente: I freqüentar as aulas e participar das demais atividades curriculares; II utilizar os serviços postos à sua disposição pela Universidade; III recorrer de decisões de órgãos executivos e deliberativos; IV zelar pelo patrimônio da Universidade; V manter-se em dia com o pagamento das mensalidades escolares, taxas e demais contribuições escolares; VI votar e ser votado como representante estudantil em órgãos colegiados da Universidade. Artigo 120. Os membros do corpo discente estão sujeitos às seguintes penalidades: I Advertência: a) por descortesia a qualquer docente ou membro da administração da Universidade ; b) por perturbação da ordem no recinto da Universidade; c) por desrespeito às normas de bom convívio que possam causar constrangimentos aos colegas, aos docentes e demais membros da Universidade. II Repreensão, por escrito: a) por reincidência em qualquer das alíneas do inciso anterior; b) por ofensa ou agressão a outro discente ou qualquer outro membro da administração da Universidade; c) por referências desairosas ou desabonadoras à Universidade ou a seus serviços. III Suspensão por tempo determinado: a) por reincidência em qualquer das faltas constantes dos incisos anteriores; b) pelo uso de meios fraudulentos nos atos escolares; c) por contribuir para ocorrência de circunstâncias que importem em danos físicos ou morais, humilhação ou vexames pessoais; d) por desobediência a este Regimento Geral ou atos normativos baixados pelos órgãos competentes; e) por alteração, inutilização ou destruição de avisos ou documentos afixados pela Administração da Universidade; f) por prejuízo material ao patrimônio da Universidade, além da obrigatoriedade de ressarcimento dos danos. IV - Desligamento a) na reincidência em qualquer das alíneas do inciso anterior; b) por ofensa grave ou agressão a qualquer membro do corpo dirigente, docente,discente ou técnico-administrativo; c) por delitos sujeitos à ação penal; 13

14 d) por participação em atos que possam caracterizar calúnia, injúria ou difamação aos membros da comunidade acadêmica, bem como denegrir a boa imagem da Universidade. Observação: Ler integralmente o Regimento Geral disponível na biblioteca e no DCE. 14

15 PARTE II INFORMAÇÕES SOBRE A ESTRUTURA DA UNIVERSIDADE USCS 1. HISTÓRICO A trajetória da Universidade Municipal de São Caetano do Sul tem início no dia 1º de agosto de 1968, data que marca o início das aulas regulares na então Faculdade Municipal de Ciências Econômicas, Políticas e Sociais. Em 1970, já ocupando o hoje tradicional campus da Av. Goiás, a entidade passa a se chamar Instituto Municipal de Ensino Superior de São Caetano do Sul (Imes). Em 2000, atinge o status de Centro Universitário, ainda vinculado ao Instituto Municipal de Ensino Superior. Em 2004, a infra-estrutura da instituição passa a contar com mais um prédio, localizado no centro da cidade, e que abriga os cursos da áreas de Direito, Saúde, Pedagogia e Pós-Graduação. O mesmo ano marca a ascensão do então Centro Universitário à condição de Universidade. Três anos depois, em 2007, por força de lei, deixa de existir o Instituto Municipal de Ensino Superior de São Caetano do Sul, razão de ser da sigla Imes, consolidando, em sua autonomia plena, a Universidade Municipal de São Caetano do Sul, que, em junho de 2008, apresenta sua nova sigla USCS. 2. A UNIVERSIDADE A Universidade Municipal de São Caetano do Sul é uma instituição de ensino superior municipal pluricurricular com autonomia didático-científica, administrativa, de execução orçamentária e disciplinar. A estrutura acadêmica da Universidade é exercida por Órgãos da Administração Superior (Reitoria, Conselho Universitário e Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão). A Reitoria é exercida pelo Reitor, auxiliado pelos Pró-Reitores de Graduação; de Pós-Graduação; Comunitário e de Extensão; Administrativo e Financeiro; e de Educação a Distância. Conselho Universitário (CONSUN) tem como atribuição formular o planejamento, as diretrizes e políticas gerais da Universidade. É presidido pelo Reitor, e integrado pelos Pró-reitores, por representantes dos diretores de área, do corpo docente e do corpo discente. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CONSEPE) tem como função superintender e coordenar, em nível superior, as atividades de ensino, de pesquisa e de extensão. É presidido pelo Reitor e integrado pelos Pró-reitores, por representantes dos diretores de área, e do corpo docente e do corpo discente. Órgãos da Administração Acadêmica (Conselho de Curso e Diretoria de Área). 3. DIRETRIZES ORGANIZACIONAIS Missão da USCS: Contribuir para o aprimoramento das atividades de ensino, pesquisa e extensão, na busca de uma perfeita integração, entre o homem e a sociedade, permitindo o engrandecimento de ambos. Políticas da USCS: Buscar continuamente a qualidade nas atividades de ensino, pesquisa e extensão, transformando a USCS num centro irradiador de cultura e aprimoramento tecnológico. Criar mecanismos programas de ação. de monitoração permanente do ambiente externo, de forma a garantir sempre a atualização de seus Valorizar o aluno como pólo convergente de todas as atividades da USCS. Manter e ampliar a integração com a comunidade nas suas áreas de atuação, zelando pela manutenção de sua boa imagem. Manter, permanentemente, processos administrativos que propiciem a eficácia e a eficiência da instituição. 15

16 Perseguir a obtenção de recursos que permitam o atingimento dos seus objetivos. Aperfeiçoar o processo de comunicação da Universidade Municipal de São Caetano do Sul tanto em nível externo quanto interno, visando ao aprimoramento e à agilização das tomadas de decisão. Fomentar mecanismos que fortaleçam o clima organizacional e o bem- estar pessoal dos integrantes da instituição. Promover o desenvolvimento sistemático dos recursos humanos da instituição. Objetivos da USCS: Consolidar-se como: Universidade, através de atividades de ensino, pesquisa e extensão. Centro de excelência acadêmica, científica e tecnológica. Pólo irradiador de cultura e cidadania. Provedor de informações para a sociedade. Referencial para formação, atuação e desenvolvimento profissional. Instituição com imagem de reconhecida competência e credibilidade. Núcleo de recrutamento, seleção treinamento e desenvolvimento dos Recursos Humanos de organizações públicas e privadas. Participante efetivo, através de seus integrantes, dos órgãos de administração pública, privada e de representação. Pólo de convergência de recursos aplicados na educação, oriundos da área pública e privada. 4. ENSINO Tendo como sede um município considerado modelo, a Universidade reservou também para si a excelência na qualidade de ensino, oferecendo cursos de graduação e pós-graduação e vários outros são elaborados de acordo com as necessidades da comunidade e do mercado. Corpo Docente A Universidade USCS possui um dos mais atualizados grupos de professores, cuja maior característica é exatamente a capacidade de reciclagem e desenvolvimento profissional. Além da titulação acadêmica, nossos docentes são profissionais com vasta experiência no mercado de trabalho. 76% Mestres e Doutores 24% Especialistas 5. CURSOS DE GRADUAÇÃO Escola de Computação Computação Ciência da Computação O curso de Ciência da Computação contempla a formação científica em Computação e Sistemas de Informação, abrangendo não só a visão prática, apoiada por um conjunto de modernos laboratórios em todas as séries, como também a teórica, visando o desenvolvimento de pesquisas e de novos conceitos. Sistemas de Informação Os profissionais formados por este curso possuem a capacidade de obter os requisitos de informação necessários para o desenvolvimento das aplicações, e, principalmente, desenvolver o planejamento, a implementação e o gerenciamento dos sistemas de informações. Além da habilidade de se adaptar com facilidade às diversas situações que são impostas pelo mercado de trabalho. 16

17 Escola de Comunicação Comunicação Social Habilitação Jornalismo Este curso desenvolve-se um conteúdo teórico-humanístico amplo e está estruturado para propiciar ao estudante o desenvolvimento técnico e prático para o planejamento, a captação, a reportagem, a edição, a produção e a pesquisa no âmbito de veículos massivos e segmentados. Comunicação Social Habilitação Publicidade e Propaganda O publicitário formado pela Universidade USCS está apto a atuar em áreas correlatas à comunicação mercadológica, como vendas, marketing, planejamento de comunicação e programação visual. O curso fornece visão generalista, multi e interdisciplinar do processo comunicacional e publicitário. Assim, a Universidade USCS oferece ao estudante áreas e disciplinas específicas para sua preparação ao concorrido mercado e também à revolução midiática. Comunicação Social Habilitação Rádio e TV O curso de Rádio e TV envolve atividades teóricas, técnicas e práticas com imagens e sons. Assim, são áreas priorizadas no curso a comunicação pela imagem eletrônica e a comunicação pelo som. A Universidade USCS possui dois estúdios de RTV com equipamentos de última geração (digitais) que permitem a execução de quaisquer trabalhos em áudio e vídeo. O estudante, desde o primeiro ano do curso realiza atividades práticas nesses estúdios. Escola de Direito Direito Este curso capacita o estudante como um eficiente operador do Direito dentro de um perfil moderno, de acordo com as necessidades de caráter individual e social de um mundo globalizado, onde o mercado de trabalho competitivo exige desses profissionais preparação e alta qualificação. Educação Pedagogia A Licenciatura em Pedagogia forma o professor para o exercício da docência na Educação Infantil e nos anos iniciais do Ensino Fundamental, nos cursos de Ensino Médio, na modalidade Normal, e em cursos de Educação Profissional na área de serviços e apoio escolar. A licenciatura em Pedagogia habilita também o Gestor Escolar. A proposta do curso de Pedagogia é oferecer uma sólida base em conhecimentos didático-pedagógicos, de planejamento, controle, direção, organização, gerenciamento das atividades escolares. O trabalho do Licenciado em Pedagogia, por envolver um repertório de informações e habilidades, compostos por uma pluralidade de conhecimentos teóricos e práticos, deve fundamentar-se na interdisciplinaridade, contextualização, democratização, pertinência e relevância social, ética e sensibilidade afetiva e estética. Escola de Negócios Administração O curso tem por objetivo formar um administrador que atenda às necessidades do mercado, com formação humanística, capaz de trabalhar em grupo, ser flexível e saber analisar, refletir e tomar decisões, agindo com objetividade e ponderação, como um verdadeiro líder. Neste sentido, ele deve ter uma formação generalista e especializada. Ciências Econômicas A visão generalista e a capacidade de atender causas e conseqüências de fatos econômicos são seus importantes diferenciais. O senso crítico desenvolvido durante o curso, aliado à forte formação teórica, permite que o futuro economista, ao ocupar cargos nas diversas estruturas empresariais, possa tomar decisões adequadas ao funcionamento do sistema econômico. Ciências Contábeis O curso desenvolve formação técnica e visão globalista para que o futuro profissional possa exercer funções nos diversos ramos da Contabilidade, podendo ser o responsável pelo controle e escrituração dos fatos econômico-financeiros e patrimoniais de uma empresa. 17

18 Escola de Saúde Educação Física Este tem como objetivo a formação de profissionais que possam atuar em diferentes segmentos populacionais, tendo como princípio a formação generalista sobre a importância de atividade física, o esporte e seus benefícios. Além de orientar grupos especiais, crianças, adolescentes e idosos, visando a melhora da qualidade de vida em sua dimensão mais ampla. Farmácia Além da responsabilidade técnica e prática, o farmacêutico formado pela Universidade poderá atuar em indústrias de cosméticos, medicamentos, bem como em laboratórios de análises clínicas e toxicológicas, podendo também se dedicar à pesquisa científica e à prestação de serviços à comunidade. Fisioterapia O curso de Fisioterapia visa formar profissionais que atuam com ética e responsabilidade na promoção da saúde aos seus próprios pacientes e também à comunidade. Forma profissionais de reabilitação com amplo conhecimento sobre a saúde. Enfermagem O curso de Enfermagem é um curso da área da saúde que forma profissionais para atuar na promoção de cuidados a indivíduos sadios e doentes, por meio de ações preventivas e curativas, as quais podem ser desenvolvidas em Hospitais e em domicílio. Nutrição Um curso que prepara o nutricionista para atuar na área de Saúde, por meio da aplicação de conhecimentos teóricos e práticos construídos a partir de uma dimensão ética, crítica e científica, prestando assistência nutricional individual ou em grupo, melhorando efetivamente a qualidade de vida. Escola de Graduação Tecnológica Marketing (de varejo) A necessidade crescente de atendimento ao varejo em sua mais ampla conceituação tem possibilitado o surgimento de um profissional cujo perfil agrega sólidos conhecimentos de marketing, da logística e do contexto socioeconômico, bem como dos processos comunicacionais e de promoção. Sistemas para Internet (Web design) Formação de Recursos Humanos para atuar diretamente nas atividades ligadas à concepção, projeto, implantação, suporte e administração de aplicativos para Internet, Extranet e Intranet, atuando como um solucionador de problemas em tecnologia Web. Redes de Computadores Formação de recursos humanos para atuar diretamente com os conceitos ligado às redes de computadores, tais como, projeto lógico de redes, projeto e implementação física de redes, protocolos de comunicação de dados, administração, suporte e gerenciamento de redes, considerando aspectos de hardware e software tanto em redes locais como em redes de alto desempenho. Gestão de Processos Gerenciais ( Pequenas e Médias Empresas) Proporciona ao estudante a experiência completa no gerenciamento das atividades ligadas à administração de pequenas ou médias empresas, possibilitando o acúmulo de conhecimentos acerca de áreas como planejamento, gestão financeira, recursos humanos e produção. Gestão de Recursos Humanos O mais valioso bem de uma empresa está em seu capital humano. Nesse contexto, o curso superior de tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Universidade USCS vem preencher uma lacuna na área, investindo na formação do profissional apto para gerir talentos, de forma a potencializar sua atuação em benefício do desenvolvimento da organização. Gestão Ambiental Apresentam-se hoje, em países desenvolvidos e em desenvolvimento, as preocupações com a sustentabilidade empresarial e de gerações futuras, ou seja, o meio ambiente ganha destaque nos meios de comunicação e entre os povos. Diante disto, ter controle e agir para garantir a preservação do meio ambiente é fonte de vantagem competitiva para as empresas que adotam ações reais e criam alternativas para recuperação dos bens ambientais danificados pelo homem. O Gestor Ambiental tem a tarefa árdua e constante de interferir no modo de vida da empresa, cidade, país e mundo no sentido de dar-lhes consciência para preservarem as gerações futuras. Também é elemento fundamental na construção de mecanismos de proteção ambiental, das pessoas e dos outros seres vivos criando novas perspectivas para as organizações. 18

19 Logística Com a crescente disputa por clientes estes cada vez mais exigentes, as empresas são obrigadas a buscar mais soluções inteligentes e eficazes para disponibilizar produtos e serviços na hora e locais certos, conforme as necessidades dos clientes. Portanto, o Profissional de Logística a cada torna-se, mais importante, para as organizações, que no mercado nacional, quer no mercado internacional, pois apresenta soluções para empresas e clientes melhorarem seus fluxos de produtos, serviços e informações. Compete-lhe, também, gerenciar os transportes internos, externos e sistemas tecnológicos que auxiliem no gerenciamento de toda a cadeia de suprimentos das empresas. Gestão de Qualidade As empresas para sobreviverem em um mercado competitivo como o atual, buscam melhorar seus processos fabris e administrativos, implantando sistemas de qualidade que permitem melhorias contínuas de processo, produtos e serviços, com redução de custo, integração das pessoas e controles, que possibilitem a visualização das evoluções projetadas para o negócio como um todo. Portanto, o profissional da Qualidade que está bem preparado e com visão integradora do negócio da empresa, ganha destaque, pois o seu Sistema de Qualidade torna-se vantagem competitiva. Gestão Financeira As empresas necessitam de profissionais que administrem seu patrimônio, que o faça crescer, que tenha desenvoltura na captação de recursos financeiros em bancos e em instituições financeiras e que entendam do mercado de capitais para conseguirem transformar esses recursos em instrumentos de crescimento. O Profissional da área Financeira, preparado para vencer desafios, contribui para o crescimento dessas empresas e garante a sua posição de destaque no mercado altamente competitivo. Portanto, a capacidade de gerir negócios de pontos de vista financeiros, aliado ao conhecimento de mercado e com relacionamento harmonioso com as demais pessoas tornam esses profissionais altamente valorizados. Gestão Comercial (e Serviços) As áreas de Negócios das empresas sempre deram importância aos seus Departamentos Comerciais, entretanto, atualmente primam pela profissionalização destas áreas, pois elas divulgam a empresa e estão em contato constante com os clientes, estabelecendo momentos de verdade, que podem ser decisivas para que o cliente mantenha-se fiel e comprando. Além disso, a área comercial está alinhada com o Marketing, fornecendo-lhe dados e informações que possibilite a empresa criar estratégias de captação e manutenção de clientes. Gestão da Tecnologia da Informação O curso busca a formação de profissionais para a atuação direta no gerenciamento dos recursos de tecnologia das organizações. O estudante formado em Gestão de Tecnologia da Informação atuará na administração da infra-estrutura física e lógica dos ambientes informatizados. Esse profissional define parâmetros de utilização dos sistemas, gerencia os recursos humanos envolvidos, controla os níveis de serviços da área tecnológica, abrangendo os recursos computacionais, sistemas de informação e serviços. 6. PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Cursos de pós-graduação A Pós-Graduação, tem uma tradição de bons resultados, principalmente porque são mais de 20 anos de experiência e empenho permanente, com a atualização e aprimoramento de profissionais que atuam em diversos campos. Nesse período, milhares de estudantes encontram nestes programas Lato Sensu, condições de evoluir em suas carreiras e são a demonstração viva dos bons resultados alcançados. O Lato Sensu possui cursos nas seguintes áreas: Administração (MBAS) CIÊNCIAS CONTÁBEIS COMUNICAÇÃO DIREITO Economia (MBES) EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ENFERMAGEM FARMÁCIA FISIOTERAPIA NUTRIÇÃO Tecnologia (MBAS) 19

20 O Programa de Pós-Graduação em Administração PPGA (Mestrado e Doutorado), recomendado pela CAPES, representa a confirmação do compromisso histórico da USCS com o desenvolvimento dos indivíduos e suas regiões e, numa visão mais abrangente com o aprimoramento da sociedade brasileira, por meio da pesquisa científica. Este programa de Stricto Sensu contempla três linhas de pesquisa: Gestão e Inovação Organizacional Esta linha reúne pesquisas sobre a gestão e a inovação organizacional focando as diretrizes e práticas das organizações tendo as áreas funcionais da Administração como sustentação para as articulações com o desenvolvimento da regionalidade. Gestão para o Desenvolvimento da Regionalidade - Esta linha reúne pesquisas sobre a gestão para o desenvolvimento da Regionalidade focando políticas públicas, empresas, segmentos da sociedade civil e outras organizações que se articulam para a solução dos problemas regionais. Gestão de Redes Organizacionais - Esta linha reúne pesquisas sobre a gestão de redes organizacionais caracterizadas por integração tecnológica, pólos, distritos industriais, clusters, parcerias, associações e/ou convênios, demarcadas ou não geograficamente. O Programa de Mestrado em Comunicação da USCS, recomendado pela CAPES, tem o objetivo de contribuir para a formação de pesquisadores e docentes que atuam na área de Comunicação e áreas correlatas. Volta-se para os que finalizaram a graduação e que pretendem aprofundar conhecimentos e pesquisa na área de Comunicação. Destina-se aos profissionais do mercado, profissionais da academia (professores) e pessoas interessadas em desenvolver o conhecimento científico em comunicação social (pesquisadores, estudantes). Sua Área de Concentração é Comunicação, Inovação e Comunidades, que se desdobra em duas linhas de pesquisa: Linha de Pesquisa 1 Transformações Comunicacionais e Comunidades; Linha de Pesquisa 2 Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática. 7. ATIVIDADES DE PESQUISA ACADÊMICA E APLICADA 7.1. Programa de Iniciação Científica O Programa de Iniciação Científica é um mecanismo que possibilita colocar o estudante da graduação, desde cedo, em contato com a atividade científica, engajando-o no desenvolvimento de pesquisa e, assim, contribuindo para a formação de recursos humanos para a pesquisa. Sob essa perspectiva, esse programa busca despertar vocações para a atividade científica incentivar talentos potenciais na graduação, por meio de apoio teórico e metodológico a projetos de pesquisa orientados por professores pesquisadores da USCS. O processo anual de seleção dos estudantes da graduação para participação no Programa de Iniciação Científica está sob a coordenação da Diretoria de Pesquisa e é amplamente divulgado na Instituição, por meio de Edital. 7.2 INPES Cada vez mais se consolidando como um importante Instituto de Pesquisas da região, o INPES (Instituto de Pesquisa da USCS) atua no desenvolvimento de pesquisa aplicada, em atendimento a solicitações da comunidade empresarial e administração pública, em todas as áreas de sua atuação (Administração, Economia, Saúde, Computação, Pedagogia e Direito). Além disso, desenvolve duas pesquisas permanentes: a Pesquisa Socioeconômicas do ABC e o Índice de Preços ao Consumidor IPC/USCS, cujos bancos de dados são disponibilizados para consulta pelo alunos com o objetivo de realização de trabalhos acadêmicos. 7.3 Núcleos de Estudos Econômicos O Núcleo de Estudos Econômicos atua como apoio acadêmico do curso de Ciências Econômicas, sendo responsável pela disseminação da produção de pesquisa, de monografias e outros estudos conjunturais e regionais que estimulem o debate econômico e a interação entre estudantes, professores e a comunidade. 20

GUIA DO ESTUDANTE CURSOS DE GRADUAÇÃO MODULAÇÃO SEMESTRAL 1º SEMESTRE/2014 (TODOS OS CURSOS INICIADOS A PARTIR DE 2010)

GUIA DO ESTUDANTE CURSOS DE GRADUAÇÃO MODULAÇÃO SEMESTRAL 1º SEMESTRE/2014 (TODOS OS CURSOS INICIADOS A PARTIR DE 2010) GUIA DO ESTUDANTE CURSOS DE GRADUAÇÃO MODULAÇÃO SEMESTRAL 1º SEMESTRE/2014 (TODOS OS CURSOS INICIADOS A PARTIR DE 2010) APRESENTAÇÃO Este guia foi elaborado especialmente para você, estudante da USCS -

Leia mais

GUIA DO ESTUDANTE CURSOS DE GRADUAÇÃO, TECNOLOGIA E LICENCIATURA MODULAÇÃO SEMESTRAL 2º SEMESTRE/2015

GUIA DO ESTUDANTE CURSOS DE GRADUAÇÃO, TECNOLOGIA E LICENCIATURA MODULAÇÃO SEMESTRAL 2º SEMESTRE/2015 GUIA DO ESTUDANTE CURSOS DE GRADUAÇÃO, TECNOLOGIA E LICENCIATURA MODULAÇÃO SEMESTRAL 2º SEMESTRE/2015 Este Guia foi elaborado especialmente para você, estudante da USCS - Universidade Municipal de São

Leia mais

SUMÁRIO. Regimento da Matrícula...03. Reingresso do Aluno por Processo Seletivo Especial...04. Trancamento e Cancelamento de Matrícula...

SUMÁRIO. Regimento da Matrícula...03. Reingresso do Aluno por Processo Seletivo Especial...04. Trancamento e Cancelamento de Matrícula... SUMÁRIO Regimento da Matrícula...03 Reingresso do Aluno por Processo Seletivo Especial...04 Trancamento e Cancelamento de Matrícula...05 Transferências e Aproveitamento de Estudos...05 Critérios de Avaliação

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, em anexo, o Regulamento dos Programas de Pós-Graduação Lato Sensu da FAE Centro Universitário.

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, em anexo, o Regulamento dos Programas de Pós-Graduação Lato Sensu da FAE Centro Universitário. RESOLUÇÃO CONSEPE 09/2009 APROVA O REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FAE CENTRO UNIVERSITÁRIO. O Presidente do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE, no uso das

Leia mais

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria 3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria RESOLUÇÃO N.º 06/2006 - CONSUN APROVA O SISTEMA DE AVALIAÇÃO E PROMOÇÃO PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO E CURSOS SEQÜENCIAIS DA PUCPR INGRESSANTES A PARTIR DE 2000. O Presidente

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 45ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de setembro de 2013, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS Regulamento Específico do Curso de Especialização em Auditoria e Controle Gerencial

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre as normas para a pós-graduação na modalidade lato sensu ofertada pela Universidade Federal do Pampa. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Braz Cubas oferecidos nas

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Rio de Janeiro, 2003 CAPÍTULO I DOS CURSOS: MODALIDADES E OBJETIVOS Art. 1º. Em conformidade com o Regimento Geral de nos termos da Lei de Diretrizes e Bases da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO da, no uso de suas atribuições legais, resolve, ad referendum: Art. 1º Aprovar as Normas para Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

10/04/2015 regeral_133_146

10/04/2015 regeral_133_146 Seção VI Da Transferência Art. 96. A UNIR aceita transferência de discentes oriundos de outras instituições de educação superior, de cursos devidamente autorizados, para cursos afins, na hipótese de existência

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito Faculdade Escola Paulista de Direito MANUAL DO ALUNO Este manual tem por finalidade informar à comunidade universitária as normas e os procedimentos acadêmicos institucionais da Faculdade Escola Paulista

Leia mais

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS Art. 1º. A formação dos alunos do Curso de Medicina da UFCSPA incluirá como etapa integrante da graduação, estágio

Leia mais

REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 1. Admissão aos Cursos 2. Matrícula Inicial 3. Matrícula em Disciplinas 4. Alteração de Matrícula em Disciplinas 5. Progressão nas Séries 6. Coeficiente de Rendimento

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Resolução nº 01/2010

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Resolução nº 01/2010 CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Resolução nº 01/2010 Regulamenta a pós-graduação lato sensu nas modalidades semipresencial e à distância O Diretor do Centro de Educação

Leia mais

FACULDADE DARCY RIBEIRO. Manual do Aluno FTDR. Fortaleza Ceará

FACULDADE DARCY RIBEIRO. Manual do Aluno FTDR. Fortaleza Ceará FACULDADE DARCY RIBEIRO Manual do Aluno FTDR Fortaleza Ceará SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 5 2. CURSOS... 5 3. PROCEDIMENTOS... 5 4. CARTEIRAS ESTUDANTIS... 12 5. DIREITOS E DEVERES DO ALUNO... 13 6. REGIME

Leia mais

REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU (Regimento aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fiocruz em 28/08/2008) 1. Dos Objetivos 1.1. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) oferece programas de pós-graduação

Leia mais

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742 Aprova o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-Graduação LATO SENSU da UFG, revogando-se a Resolução CEPEC Nº 540. O CONSELHO

Leia mais

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe Sumário Título I Dos Cursos de Pós Graduação e suas finalidades...1 Título II Dos Cursos de Pós Graduação em Sentido Lato...1 Título III Dos Cursos de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32/2011

RESOLUÇÃO Nº 32/2011 RESOLUÇÃO Nº 32/2011 Regulamenta a Pós-Graduação Lato Sensu da O, da Universidade Federal de Juiz de Fora, no exercício de suas atribuições e tendo em vista o que consta do Processo 23071.014937/2010-12

Leia mais

RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA

RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA O Presidente do CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO - FADISA, Professor Ms. ANTÔNIO

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2006

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2006 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2006 Regulamenta os Cursos de Pósgraduação lato sensu na Universidade de Taubaté. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº PRPPG-036/2006, aprovou e eu

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICA REGIONAL E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

Legislação Universitária de Interesse do Estudante. Aspectos da legislação universitária que dizem respeito ao estudante de graduação.

Legislação Universitária de Interesse do Estudante. Aspectos da legislação universitária que dizem respeito ao estudante de graduação. Legislação Universitária de Interesse do Estudante Aspectos da legislação universitária que dizem respeito ao estudante de graduação. Calendário Escolar O Calendário Escolar que é fixado através de Portaria

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES À RESOLUÇÃO Nº 684/09 CONSEPE, REFERENTE À PRÁTICA DE ENSINO/ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO SUPERVISIONADO

NORMAS COMPLEMENTARES À RESOLUÇÃO Nº 684/09 CONSEPE, REFERENTE À PRÁTICA DE ENSINO/ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO SUPERVISIONADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS COORDENADORIA DE LICENCIATURA EM TEATRO COLEGIADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM TEATRO NORMAS COMPLEMENTARES

Leia mais

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º -O Programa de Pós-Graduação do Centro Universitário de Brasília UniCEUB tem por objetivo a formação profissional em nível de especialização e destina-se a formar especialistas

Leia mais

PORTARIA Nº 1015/GAB, DE 21 DE JULHO DE 2008.

PORTARIA Nº 1015/GAB, DE 21 DE JULHO DE 2008. PORTARIA Nº 1015/GAB, DE 21 DE JULHO DE 2008. O DIRETOR GERAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO, no uso de suas atribuições legais, resolve: Art. 1º - Aprovar as Normas Acadêmicas

Leia mais

lato sensu na modalidade de educação a

lato sensu na modalidade de educação a DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 122/2011 Regulamenta os Cursos de Pós-graduação lato sensu na modalidade de educação a distância (EAD) na Universidade de Taubaté. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Os cursos de pós-graduação lato sensu da FACULDADE UNIDA são regidos pela Resolução n. º 01, de 8 de junho de 2007,

Leia mais

FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SALVADOR AGO / 2015 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...02 2. JUSTIFICATIVA...02 3. OBJETIVO

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 Aprova Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras Teoria Literária e Crítica da Cultura da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR

Leia mais

MANUAL DO ACADÊMICO - 2015

MANUAL DO ACADÊMICO - 2015 MANUAL DO ACADÊMICO - 2015 1. INFORMAÇÕES IMPORTANTES 1.1 - A matrícula deve ser renovada semestralmente. O período para a renovação de matrícula para o 1º semestre será até o dia 31 de janeiro de 2014,

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE SÃO GOTARDO ltda. Avenida Francisco Resende Filho, 35 - São Gotardo/MG CEP 38800-000

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE SÃO GOTARDO ltda. Avenida Francisco Resende Filho, 35 - São Gotardo/MG CEP 38800-000 PORTARIA Nº 21, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2005 Dispõe sobre a regulamentação dos Programas de Pósgraduação Lato Sensu no âmbito do Centro de Ensino Superior de São Gotardo CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

CAPÍTULO I Da Destinação e Preenchimento de Vagas. CAPÍTULO II Do Processo de Seleção e Admissão. CAPÍTULO III Da Transferência Dependente de Vaga

CAPÍTULO I Da Destinação e Preenchimento de Vagas. CAPÍTULO II Do Processo de Seleção e Admissão. CAPÍTULO III Da Transferência Dependente de Vaga Resolução nº 03 de 01/02/2009 Normas Acadêmicas Bacharelado e Licenciatura ÍNDICE TÍTULO I Da Destinação, Preenchimento de Vagas nos Cursos e Formas de Ingresso de Alunos Regulares Da Destinação e Preenchimento

Leia mais

Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada

Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada Art. 1º Os Cursos ofertados pela Diretoria de Educação Continuada da Universidade Nove de Julho UNINOVE regem-se pela legislação vigente, pelo

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO, FINS E OBJETIVOS Art. 1º As presentes normas visam regulamentar e disciplinar, em termos de sua administração,

Leia mais

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI?

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI? Perguntas Frequentes Quem é o aluno da UFPI? É o indivíduo que está regularmente matriculado em uma disciplina ou curso ou, ainda, que já ingressou na UFPI, embora não esteja cursando nenhuma disciplina

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO Art. 1º. Este Regulamento tem por finalidade regular o aproveitamento e a validação das Atividades Complementares Obrigatórias ACO que compõem a Matriz Curricular do Curso de Graduação em Administração

Leia mais

Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos

Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos CapítuloI Dos Objetivos Art.1º - Os cursos de pós-graduação lato sensu da Universidade Federal de São

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO do Curso de Direito da Faculdade Arthur Thomas

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO do Curso de Direito da Faculdade Arthur Thomas Art. 1º. Este Regulamento tem por finalidade regular o aproveitamento e a validação das Atividades Complementares Obrigatórias ACO que compõem a Matriz Curricular do Curso de Graduação em Direito da Faculdade

Leia mais

INFORMAÇÕES ACADÊMICAS

INFORMAÇÕES ACADÊMICAS INFORMAÇÕES ACADÊMICAS INGRESSO O ingresso na UNILAGOS é feito mediante processo seletivo (Vestibular) ou por outro processo previsto em lei. Também é possível ingressar por meio de transferência, dispositivo

Leia mais

Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE Coordenação de Pós-Graduação, Extensão e Atividade Complementares CEPAC

Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE Coordenação de Pós-Graduação, Extensão e Atividade Complementares CEPAC FACULDADE DA IGREJA MINISTÉRIO FAMA Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE Coordenação de Pós-Graduação, Extensão e Atividade Complementares CEPAC Regulamento Geral dos Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

Portaria nº 69, de 30/06/2005

Portaria nº 69, de 30/06/2005 Câmara dos Deputados Centro de Documentação e Informação - Legislação Informatizada Portaria nº 69, de 30/06/2005 O PRIMEIRO-SECRETÁRIO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO CAPITULO I DAS FINALIDADES Art. 1º - Os cursos de pós-graduação da UNIABEU são regidos pela Lei Federal 9394/96 Lei de Diretrizes

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE (UNIBH)

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE (UNIBH) CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE (UNIBH) Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão (PGPE) Coordenação Geral do Programa de Pós-Graduação Lato Sensu (CGPPGL) Edital do processo seletivo referente

Leia mais

MODELO DE REGULAMENTO PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO

MODELO DE REGULAMENTO PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO MODELO DE REGULAMENTO PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO Este modelo deve orientar a elaboração do Regulamento dos Cursos de Aperfeiçoamento, obedecendo às Normas para Aprovação e Acompanhamento de Cursos de

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º - As atividades dos Cursos de Pós-Graduação abrangem estudos e trabalhos de formação

Leia mais

3o 4o 5o 6o Art. 8o Art. 9o

3o 4o 5o 6o Art. 8o Art. 9o REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I GENERALIDADES Art. 1 o A Fundação Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Mandaguari FAFIMAN - poderá oferecer cursos de pós-graduação lato

Leia mais

R E S O L V E: I - DA TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA

R E S O L V E: I - DA TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA AEDA Nº. 053/REITORIA/2014 1/9 TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA, TRANSFERÊNCIA INTERNA E APROVEITAMENTO DE ESTUDOS PARA O PRIMEIRO E SEGUNDO SEMESTRES LETIVOS DE 2015. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO

Leia mais

ESAMC. MBA Executivo. Unidades: Sorocaba. Itapetininga

ESAMC. MBA Executivo. Unidades: Sorocaba. Itapetininga ESAMC MBA Executivo Unidades: Sorocaba Itu Itapetininga REGULAMENTO INTERNO DA INSTITUIÇÃO ÚLTIMA REVISÃO: NOVEMBRO/2009 SUMÁRIO ii 1) DO REGIME ESCOLAR... 1 1.1) CRITÉRIO DE CONTAGEM DE CRÉDITOS... 1

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da UNINOVA destinam-se a portadores de diploma de nível superior,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES TÍTULO I DO CONCURSO E DOS CANDIDATOS

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES TÍTULO I DO CONCURSO E DOS CANDIDATOS UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES TÍTULO I DO CONCURSO E DOS CANDIDATOS Art. 1º O ingresso como docente na UNISC faz-se mediante Concurso Público de

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

MANUAL BOLSISTA. Núcleo de Atenção Solidária NAS

MANUAL BOLSISTA. Núcleo de Atenção Solidária NAS MANUAL DO BOLSISTA Núcleo de Atenção Solidária NAS Sumário 1 - Bolsa de Estudo... 2 2 - Tipos de Bolsas de Estudo... 2 - ProUni... 2 Eventuais Programas de Bolsas de Estudo:... 2 - Vestibular Social....

Leia mais

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM TEORIA LITERÁRIA DOS OBJETIVOS

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM TEORIA LITERÁRIA DOS OBJETIVOS R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM TEORIA LITERÁRIA DOS OBJETIVOS Artigo 1º - O Programa de Pós-Graduação em Letras tem por objetivo a formação de docentes destinados

Leia mais

EDITAL DE MATRÍCULA PARA DISCIPLINAS DE DEPENDÊNCIA/ADAPTAÇÃO NO PRIMEIROSEMESTRE DE 2010 - ENSINO SEMI PRESENCIAL CAMPUS SANT ANNA

EDITAL DE MATRÍCULA PARA DISCIPLINAS DE DEPENDÊNCIA/ADAPTAÇÃO NO PRIMEIROSEMESTRE DE 2010 - ENSINO SEMI PRESENCIAL CAMPUS SANT ANNA EDITAL DE MATRÍCULA PARA DISCIPLINAS DE DEPENDÊNCIA/ADAPTAÇÃO NO PRIMEIROSEMESTRE DE 2010 - ENSINO SEMI PRESENCIAL CAMPUS SANT ANNA O Prof. Raul Virginio da Silva Filho, Secretário Geral do Centro Universitário

Leia mais

Portal do Aluno Parfor UFPA

Portal do Aluno Parfor UFPA Do Ingresso do Professor de Educação Básica no PARFOR/UFPA O ingresso do professor da Educação básica como aluno do PARFOR na UFPA dar-se-á através de algumas etapas. A primeira delas é a inscrição dos

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA DAS FINALIDADES Artigo 1º - O estágio curricular obrigatório do curso de graduação em Medicina Veterinária é

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS

RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS O Conselho Acadêmico Superior (CAS), no uso de suas atribuições conferidas pelo Estatuto da Universidade Positivo (UP), dispõe sobre as normas acadêmicas dos cursos

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Bom trabalho a todos! Mantenedores

APRESENTAÇÃO. Bom trabalho a todos! Mantenedores APRESENTAÇÃO Os tempos modernos conduzem-nos a novos contextos e a sociedade brasileira, de maneira justa, cobra-nos ações que venham ao encontro de um cenário que requer um repensar sobre as possibilidades

Leia mais

Adendos do Curso de Zootecnia aos Regulamentos de Estágios da UFPel

Adendos do Curso de Zootecnia aos Regulamentos de Estágios da UFPel Adendos do Curso de Zootecnia aos Regulamentos de Estágios da UFPel MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA ADENDOS DO CURSO DE ZOOTECNIA AS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL GOIÂNIA ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL GOIÂNIA ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL GOIÂNIA ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA Regulamento Específico do Curso de Especialização em Homeopatia Veterinária CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

Art. 2 Revogadas as disposições em contrário, a presente Resolução passa a vigorar a partir de 12 de abril de 1996.

Art. 2 Revogadas as disposições em contrário, a presente Resolução passa a vigorar a partir de 12 de abril de 1996. RESOLUÇÃO N 008, DE 17 DE ABRIL DE 1996, DO DIRETOR DA FMTM. Fixa diretrizes e normas para os Cursos da Central de Idiomas Modernos - CIM. O DIRETOR DA FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO, no uso

Leia mais

RESOLUÇÃO UNESP Nº 41, DE 17 DE OUTUBRO DE

RESOLUÇÃO UNESP Nº 41, DE 17 DE OUTUBRO DE RESOLUÇÃO UNESP Nº 41, DE 17 DE OUTUBRO DE 2011 (Publicada no D.O.E. de 18/10/11 Seção I, pág. 99) (Republicada no D.O.E. de 10/01/12 Seção I, pág. 78) Regulamenta os Cursos de Especialização da UNESP.

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADES E OBJETIVOS DOS CURSOS Art. 1. Os Cursos de Pós-Graduação Lato sensu do Instituto Federal de Rondônia

Leia mais

Art. 2º Este Ato Administrativo entra em vigor na data de sua assinatura, revogadas as disposições em contrário.

Art. 2º Este Ato Administrativo entra em vigor na data de sua assinatura, revogadas as disposições em contrário. ATO ADMINISTRATIVO REITORIA Nº 63/2015 Reedita, com alterações, o Edital do Processo Seletivo dos Cursos Superiores na modalidade a Distância Vestibular 1º Semestre de 2016 O REITOR DA UNIVERSIDADE METODISTA

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL Nº. 235/2013

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL Nº. 235/2013 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL Nº. 235/2013 PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA INTERNA E EXTERNA PARA OS S DE GRADUAÇÃO

Leia mais

FACULDADE DARCY RIBEIRO. Manual do Aluno FADR

FACULDADE DARCY RIBEIRO. Manual do Aluno FADR FACULDADE DARCY RIBEIRO Manual do Aluno FADR Fortaleza Ceará SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. CURSOS... 3 2. PROCEDIMENTOS... 3 3. CARTEIRAS ESTUDANTIS... 10 4. DIREITOS E DEVERES DO ALUNO... 11 5. REGIME

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Rua Governador Luiz Cavalcante, S/N, TELEFAX (82) 3530-3382 CEP: 57312-270 Arapiraca-Alagoas RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre normas e procedimentos para os Cursos de Especialização

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA - UNIPAMPA. Capítulo I - Dos Objetivos e Prazos

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA - UNIPAMPA. Capítulo I - Dos Objetivos e Prazos REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA - UNIPAMPA Capítulo I - Dos Objetivos e Prazos Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica (PPGEE) da Universidade Federal

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICAS TERRITORIAIS E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO UNIDADE SÃO PAULO. Ingressantes 2010. Junho/2010 Página 1 de 14

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO UNIDADE SÃO PAULO. Ingressantes 2010. Junho/2010 Página 1 de 14 REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO UNIDADE SÃO PAULO Ingressantes 2010 Página 1 de 14 SUMÁRIO 1. OBJETIVO DO CURSO 2. ESTRUTURA DO CURSO 2.1) Visão geral 2.2) Pré-requisitos 2.3) Critérios de contagem

Leia mais

Considerando que a excepcionalidade do regime de oferta gera processos de gestão acadêmica e administrativa distintos da rotina institucional;

Considerando que a excepcionalidade do regime de oferta gera processos de gestão acadêmica e administrativa distintos da rotina institucional; RESOLUÇÃO CONSEPE 22/2014 APROVA O REGULAMENTO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS, MODALIDADE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EAD, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF, PARA TURMAS COM INÍCIO EM

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 029 DE 1º DE OUTUBRO DE 2014 Aprova as Diretrizes da Política de Mobilidade Acadêmica da Universidade Federal da Integra ção Latino-Americana UNILA. O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇAO E CONTABILIDADE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇAO E CONTABILIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇAO E CONTABILIDADE REGIMENTO INTERNO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA, GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL E GESTÃO EM SAÚDE MODALIDADE

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA Página 1 de 11 1. CONCEITO / FINALIDADE : A monitoria consiste na atividade de apoio aos alunos das disciplinas de oferta regular do currículo as quais os coordenadores de

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa de Pós-graduação lato sensu da FAZU - Faculdades Associadas de Uberaba, tem por objetivo

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

Regulamento do internato do Curso de Medicina da FAPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos - Porto Nacional - TO. Capítulo I

Regulamento do internato do Curso de Medicina da FAPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos - Porto Nacional - TO. Capítulo I FAPAC - Faculdade Presidente Antônio Carlos. ITPAC-INSTITUTO TOCANTINENSE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS PORTO LTDA. Rua 2 Quadra 7, S/N-Jardim dos Ypês Porto Nacional TO CEP 77.500-000 Fone: (63) 3363 9600

Leia mais

EDITAL nº 092/2014 VALORES DOS SERVIÇOS EDUCACIONAIS PARA O ANO DE 2015

EDITAL nº 092/2014 VALORES DOS SERVIÇOS EDUCACIONAIS PARA O ANO DE 2015 EDITAL nº 092/2014 VALORES DOS SERVIÇOS EDUCACIONAIS PARA O ANO DE 2015 Por ordem do Prof. Me. João Batista Gomes de Lima, Magnífico Reitor do Centro Universitário São Camilo Campus Ipiranga, inscrito

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Em conformidade com a Resolução CNE/CES n 1, de 08 de Junho de 2007 e o Regimento da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (Aprovado pelo Parecer CONSEPE

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO I DOS OBJETIVOS E DA ESTRUTURAÇÃO GERAL DO MESTRADO Art.

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Pós- Graduação Lato Sensu - Especialização

Regulamento do Núcleo de Pós- Graduação Lato Sensu - Especialização Regulamento do Núcleo de Pós- Graduação Lato Sensu - Especialização Juiz de Fora-MG Regulamento do Núcleo de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os Cursos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre a oferta de cursos de pósgraduação lato sensu

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são:

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são: RESOLUÇÃO Nº 28/08-CEPE Fixa normas básicas de controle e registro da atividade acadêmica dos Cursos de Aperfeiçoamento e Especialização na modalidade de Educação a Distância da Universidade Federal do

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I 1 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I DO OBJETIVO E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1.º - Este regimento estabelece as normas

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Res. Consun nº 96/10, de 24/11/10. Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º TÍTULO I DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

O Presidente do Conselho Superior de Acadêmico (CONSEA) da Fundação Universidade

O Presidente do Conselho Superior de Acadêmico (CONSEA) da Fundação Universidade Resolução nº 200/CONSEA, de 19 de fevereiro de 2009. Altera normas para o oferecimento de cursos de pós-graduação Stricto Sensu e lato sensu, pelos Departamentos da Fundação Universidade Federal de Rondônia

Leia mais