Livro. Prof. Horácio Ribeiro. Identificação de métodos e mensagens

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Livro. Prof. Horácio Ribeiro. Identificação de métodos e mensagens"

Transcrição

1 Identificação de métodos e mensagens Após a leitura desse capítulo, o leitor saberá: - Modelar um método. - identificar a diferença de método e mensagem - identificar os componentes de um diagrama de seqüência - Identificar a seqüência de métodos - Identificar os três tipos de visibilidade de atributos e como representá-los - Identificar uma característica de sincronismo de métodos - Identificar uma característica de um método assíncrono - Identificar quando e como um método deve criar um objeto. Livro Título: UML Essencial - Um Breve Guia para a Linguagem-Padrão de Modelagem de Objeto Nome do autor: Martin Fowler Editora: Artmed Ano: 2005 Edição: 3º Capítulo: capítulo 4: casos de Título: Utilizando UML e Padrões Uma Introdução à Análise e ao Projeto Orientado a Objetos e ao Processo Unificado Nome do autor: Craig Larman Editora: Artmed - rever Ano: 2007 Edição: 3º

2 No fim desta aula você: Aprendeu o que é encapsula mento Aprendeu o que é um método e como modelá-lo Aprendeu a diferença entre método síncrono e método assíncrono Aprendeu sobre a visibilidade de atributos Aprendeu sobre as características de um diagrama de seqüência Aprendeu a definir uma classe de projeto.

3 EXERCÍCIOS 1 um diagrama de interação serve para: A mostrar o fluxo de informação entre o ator e o sistema B mostra como as mensagens retornam para o ator C - mostra a seqüência de chamada de métodos D mostra a seqüência de instancias de objetos graficamente E mostar como o fluxo de informação deve ser armazenado 2 A linha da vida serve para : A definir o sincronismo entre a criação de objetos B representar o tempo de vida de um objeto C representa o tempo de vida de uma classe D representa o tempo de vida de um método assíncrono E representa o tempo de vida de um método síncrono 3 o método: a [sexo = m ] : string:nome,int:numero := MSG(int:CPF) Significa: A o método é etiquetado, portanto deverá ser criado um fluxo de informação contendo nome e numero B o método esta etiquetado, mas não esta correta na sua sintaxe,pois falta a indicação de sexo = f. C é uma mensagem que indica que a classe MSG deverá apresentar os dados de nome e número quando se passa r o CPF. D é um fluxo que é chamado de 2.1 se o sexo = m e apresenta na tela o nome de quem possui o CPF informado E é um método etiquetado que retorna o nome e matricula quando for chamado para um CPF

4 EXERCÍCIOS 4 considere o diagrama para as afirmações abaixo. Indique a opção que está totalmente correta. A - existe uma função construtora que instancia um objeto de cada participante do diagrama. B Cada objeto tem a sua função construtora que a cria quando é instanciado C- O kill indica qual a função construtora do objeto foi retirada da memória neste momento c o método 1.2.a e 1.2.b são dois métodos assíncronos e que são disparados neste momento d o método ativar é comum aos dois objetos aluno e professor, por isto podemos encapsulá-lo e usuário Exercício 1 Imagine que esteja sendo implantado um sistema de acompanhamento de comunidades carentes, de modo a poder identificar os perfis de cada comunidade, suas demandas e as possibilidades de atuação junto a cada uma. Abaixo são apresentadas algumas classes desse sistema e seus respectivos relacionamentos.

5 Residência Endereço AreaConst ruida ImovelPro prio Comunidade NomeComuni dade Morador Nome DataNasc Peso Altura Município NomeMunicipi o a) Faça o diagrama de seqüência referente ao método AreaMediaConstruida(), que retorna, para um município, a área média das residências que possuam pelo menos um morador com idade maior do que 70 anos. b) Faça o diagrama de seqüência do método CriancasEstaturaPequena (idade, altura), que retorna o número de crianças da comunidade com idade igual ao argumento idade e estatura inferior ao argumento altura. c) A partir das questões a e b, complemente o diagrama acima apresentando os métodos, navegabilidade e relacionamentos de dependência - diagrama de classes de projeto. Título Diagrama de seqüência Os casos e uso devem ser implementados, deve-se definir como devem ser implementados. Os diagramas de interação, que mostram como as classes interagem, são o diagrama de seqüência e o diagrama de colaboração. Nesta aula vamos estudar os principais aspectos do diagrama de seqüência No diagrama de seqüência estamos definindo que funções devem ser implementadas, se definir como é o código, para que o caso e uso possa ser realizado. O objetivo é identificar funções, que são as unidades para definir novas funções. Comparando com fatoração de números, no diagrama de seqüência fatoramos os caso e uso. Não confunda Um diagrama de

6 seqüência mostra a seqüência de execução de funções, portanto, não mostra troca de informação. Um diagrama de seqüência é uma espécie de algoritmo de alto nível em que se destaca a chamada das funções. TITULO Uma classe de projeto Uma Classe de projeto é derivada da classe de domínio Na classe de domínio identificamos conjuntos do mundo real, é uma abstração de coisas do mundo real. Uma classe de projeto é código. Quando falamos em classes de projeto estamos preocupados em definir o código capaz de implementar a classe de domínio, nos seus diversos aspectos. O UML considera que uma classe será implementada por isto na sua representação de classe já tem um local para colocarmos os métodos da classe (funções). Quando estamos modelando com a visão de modelagem de domínio deve-se representar na classe apenas o nome da classe e os atributos. O método deve ficar para o momento que vamos fazer o modelo de projeto. Métodos: Um método é uma função que colocamos dentro da classe, isto quer dizer que a função está encapsulada e só pode ser executada a partir da classe. ALUNO NOME MATRICULA TELEFONE INCLUIR(); TRANSFERIR(); AVALIAR(); TRANCAR(); FUNÇÕES ENCAPSULADAS NA CLASSE. TAMBÉM SE DIZ QUE SÃO OS SERVIÇOS QUE A Não é uma boa prática de modelagem se colocar métodos nas classes sem o desenvolvimento de um dos diagramas de interação. Mensagem:

7 Os objetos precisam trabalhar de forma coordenada, e por isto devem se comunicar através de seus métodos. Um objeto pode chamara a execução de um método de outro objeto. A chamada do método de outra mensagem é o que chamamos de mensagem. Quando desejamos definir como e quais mensagens são transmitidas podemos fazer um diagrama de seqüência ou um diagrama de colaboração são chamados de diagramas interativos. Para cada caso e uso desenhamos que classes e que mensagens são necessárias para se implementar o caso e uso. Diagrama de seqüência: Mostra a seqüência de chamada de métodos (MENSAGENS) ao longo do tempo. Para isto devemos instanciar os objetos que irão ser utilizados. Para se representar um objeto instanciado, por exemplo para a classe aluno, temos: : aluno representa que um objeto qualquer da classe aluno foi instanciado Joao : aluno representa que o objeto nomeado como João da classe aluno foi instanciado. Um objeto instanciado tem um tempo de existência A existência do objeto é representado por um retângulo desenhado em um traço na horizontal chamado linha da vida (representação no tempo).

8 Na figura o inicio do retângulo indica o momento que o objeto é criado. Uma classe tem no mínimo dois métodos obrigatórios. O método construtor() e o método destrutor(). O método construtor e disponibilizado automaticamente e tem como objetivo criar todas as estruturas de dados, mecanismos de software e controles necessários a existência do objeto. Assim o inicio do retângulo indica que foi executada o método construtor da classe. O método destrutor é responsável por liberar aéreas de trabalho e estruturas que foram estabelecidas pelo construtor Assim o destrutor libera espaço na memória e dispensa a CPU de executar atividades desnecessárias. Quando não se deseja mais o objeto instanciado deve-se passar a função destrutora, normalmente indica-se isto pela palavra DESTROY ou KILL ou FREE. Quando não se indica a chamadas da função destrutora assumese que ela ocorre no final da execução do caso e uso. Um método (ou função encapsulada) é da forma: <tipo:retorno> nome (<parâmetros tipo:nome>); exemplo: int:matricula ID_ALUNO (string:cpf); indica uma função chamada ID_ALUNO que retorna um número inteiro chamado matricula e que ao ser chamada para executar recebe uma string chamada CPF.

9 Uma boa prática de desenvolvimento é se numerar a seqüência das chamadas de métodos. Embora o UML especifique como se deve representar um método, algumas pessoas não representam os tipos junto ao retorno e aos parâmetros Alguns métodos não precisam de parâmetros Os retornos das funções pode ser representados por linhas pontilhadas. Só tem sentido se colocar retornos quando a informação voltada será usada no processamento de um método. autodelegação Um método pode ser chamado por outro método dentro de uma classe. Neste caso o objeto esta enviando uma mensagem para ele mesmo. È o chamamos de auto delegação e representa-se.

10 Na prática as linguagens de programação ao executarem um método guardam o endereço desta execução em uma variável especial chamada THIS. Quando se faz à auto delegação busca-se para execução do método o endereço armazenado nesta variável. Podemos indicar a execução da forma: THIS.mesagem(); Uma mensagem é uma chamada a este método. Pode-se indicar o acesso a um atribulo ou método de um objeto indicando o nome do objeto. Assim para a classe: ALUNO NOME MATRICULA TELEFONE FUNÇÕES ENCAPSULADAS NA CLASSE. TAMBÉM SE DIZ QUE SÃO OS SERVIÇOS QUE A CLASSE OFEREÇE INCLUIR(); TRANSFERIR(); AVALIAR(); TRANCAR();

11 podemos chamar a função construtora, que vai criar o objeto. Suponha que desejamos o objeto João. As linguagens geralmente fazem isto por um método com o mesmo nome da função ou pelo operador new. Aluno João; /aluno é um novo tipo e foi criado o objeto João. Joao = new aluno; / João é um objeto que foi criado da classe aluno. Pode-se acessar os atributos da classe indicando o objeto e a estrutura que desejamos de dentro da classe. Nome --> indica que estamos acessando a variável nome do objeto João Joao.Telefone = > indica que o telefone foi atribuído a variável telefone no objeto João. Joao.transferir(); --> indica que foi ativada (executar) a função transferir a partir do objeto João e com as características existentes no objeto na hora da chamada. Vamos construir alguns diagramas de seqüência para explicitar alguns conceitos: Considere o caso e uso: Matricular um aluno em uma universidade. Com uma única classe.

12 Para incluir um objeto aluno temos o seguinte diagrama de seqüência: inicialmente registram se os objetos que serão usados com a representação de sua existência na linha da vida. Depois começamos a desenhar cada método com as respectivas mensagens. Observe que o nome do caso e uso é o método inicial no diagrama. E este método estabelece uma série de mensagens. Todas as mensagens são feitas no próprio objeto. A primeira mensagem chama o método mostrar_tela(); este método é responsável por criar uma tela para ser preenchida com os dados do aluno e também faz a critica destes dados (eu estou definindo isto), ao se clicar O.K. (eu estou imaginando um botão de O.K. Na tela) os dados (nome, matricula e telefone, correspondente aos atributos da classe, serão conhecidos e devem ser incluídos no conjunto (arquivos ou banco de dados, não é momento de definir isto agora), para isto vou estipular outro método com o nome de incluir_aluno(); e vou passar estes dados como parâmetros. O diagrama de seqüência com os métodos e mensagens fica. Com as informações do diagrama podemos completar a classe aluno, colocando os métodos que identificamos.

13 Observação: Observe que a chamada de métodos (mensagens)só pode ser feita para métodos definidos na classe, por isto vamos colocando os métodos identificados por cada classe. Se analisarmos a estrutura do caso e uso do exercício verificamos que a forma que foi projetado não é adequada, pois permitirá que se inclua duplicatas de alunos. O ideal é que verificássemos se o aluno já existe no conjunto. Neste caso deveríamos colocar um método para verificar isto, podíamos por exemplo criar um método que retorne a string sim se ele já existe ou não se ele não existe. Só vamos incluir se voltar não. Nosso diagrama então fica:

14 Veja que o digrama de seqüência serve para verificar a melhor forma de implementar. Por isto durante o estudo e definição de que métodos vamos definir podemos fazer vários diagramas até decidirmos pelo mais adequado. Se tivermos uma linguagem de programação orientada a objetos teríamos de definir nossa classe assim: Classe Aluno { atributos: String Nome; String end; Int matricula; Métodos: Void matricular(); Void mostrar_tela(); String Validar(); Void incluir_aluno(); } O diagrama acima corresponde a um algoritmo que incida métodos usados: Vamos mostrar com uma pseudolinguagem como ficaria o método matricular(); Aluno:: void matricular() { string variável; // para receber a volta da validação

15 ... // nome, end, matricula são variáveis da classe e são //acessadas pelos métodos This.mostrar_tela(); // esta função Le e armazena dados nos atributos; Variável= this.validar(); //retorna sim ou não para a variável Se (variável== não ) This.incluir_aluno() Senão Imprimir aluno já existe retornar } Exemplo 2: Considere que o analista de requisitos nos enviou o seguinte: Os Objetos envolvidos para se realizar o método são: :matricula, :aluno e :curso Estes objetos precisam estar na memória (pelo menos achamos isto inicialmente) par podermos executar as funções (que vamos identificar) e acessar os valores dos atributos. Observe no meu diagrama que comecei pelo objeto matricula, você pode contestar isto. Para fazermos a matricula, no diagrama de classes vemos que precisamos de alguma forma buscar o código do aluno e o código da disciplina,

16 então mandamos mensagens para estes objetos retornarem estes códigos. Com o conhecimento dos códigos podemos incluir no conjunto associativo. A partir deste diagrama podemos definir as classes: Classe curso Classe aluno Classe matricula {atributo: {atributo: {atributo: String nome; String nome, Int end; cod_curso; Int cod_aluno; Métodos: Int ID_curso(); Métodos: {} Int ID_al(); Métodos: } String nome, end; Int cod_aluno, cod_curso; Void mat(); Void incluir();

17 A titulo de exemplo teríamos o algoritmo em pseudocódigo correspondente ao diagrama de classes, par ao método mat(): Matricula:: void mat() { int valor1, valor2 // duas variáveis para receber o retorno // dos métodos AL = new aluno; // criou o objeto aluno CUR = new curso; // criou o objeto curso // não precisa criar o objeto matricula, pois ele está na //variável THIS o método deve ser chamada pelo objeto // matricula.. Valor1=AL.ID_al(); Valor2=cur.Id_cur();... This.incluir();... retorna } Atenção: Decidir em que classe colocar um método é uma dúvida comum. Devese estudar a melhor forma de se projetar o método. Deve-se considerar volumes, desempenho, segurança e outros aspectos físicos de implementação. Existe um padrão de projeto chamado padrão do especialista. Um padrão (uma solução já estudada e adaptada) é uma solução que deve ser usada e nos ajuda a dar soluções ótimas para o projeto. O padrão do especialista diz: O método deve ser colocado na classe que conhece (ou deve conhecer)a informação. O uso deste padrão resolve mais de 90% de nossas dúvidas, por onde começar. No exemplo iniciei pelo objeto matricula, pois ele deve ser o detentor da informação dos alunos matriculados. Antigamente, usava-se um cartão de responsabilidade da classe (CRC) neste cartão, à medida que se projetava os métodos, ia-se colocando em que classes estes métodos seriam implementados. Quando um

18 método é colocado em uma classe dizemos que é responsabilidade dela fornecer o método. Atenção: Padrão do especialista: A responsabilidade do método é da classe que detém a informação Atenção: Cartão de responsabilidade da classe - CRC Documento para registrar os métodos de cada classe EXEMPLO 3: Existem situações que o diagrama de seqüência tem um a condicional. Isto é representado representando-se por letra e com a condição. Vamos considerar o caso e uso e o respectivo diagrama de classe Vamos projetar o diagrama de seqüência para o caso e uso, e verificamos que após se verificar o tipo de usuário (professor ou aluno) deve-se abrir ativar a tela de professor ou de usuário. Assim considerando os objetos envolvidos temos:

19 Observe a numeração dos métodos. O método logar é 1. E ele é constituídos por chamadas a outros métodos 1.1 (auto método) e 1.2.a que é uma alternativa e 1.2.b outra alternativa. Observe que as alternativas são representadas de um mesmo ponto. O caminho de cada alternativa é indicada pelo valor da condição, por exemplo, 1.2.1[tipo=aluno] indica que será executado o método ativar() da sub classe aluno. No desenvolvimento de um método o ponto onde se define uma chamada pode corresponder a um comando Se... então, ou a um comando switch case. Veja a representação abaixo:

20 dica A representação numérica indicando níveis, exemplo 1.2, significa o método dois dentro do método um, facilita o desenvolvimento, pois podemos resolver um nível de cada vez, sem nos preocuparmos no nível inferior. O método 1.2.2b.1 que é um método chamado na opção b de método 1.2.2b, que foi selecionado no método 1.2 que é o segundo método a ser executado quando se executa o método 1 Exemplo4: Existem situações que se precisa usar a repetição de chamada de métodos. Suponha o diagrama de caso e com o respectivo diagrama de classes:

21 Para se fazer o diagrama de seqüência deve-se saber que a nota fiscal, deve ter o nome do cliente, endereço. Deve ter o número da nota e listar todos os itens que compõem a nota. Cada item de nota tem a descrição e o preço unitário do produto. Mas enquanto houver itens de nota fiscal deve-se buscá-los e para cada item buscar as informações do produto; Veja o diagrama abaixo. O quadrado pontilhado mostrar o que deve ser repetido para cada item: A condição assinalada no canto do quadrado delimitador pode ser da forma: Condição booleana: [ x<30 ]

22 Indicação de variações de uma variável: [ i=1,3,5,7,9,12] Indicação de uma condição [enquanto houver elementos] Mensagens etiquetadas: Já vimos nos itens anteriores o que UML classifica como uma mensagem etiquetada. Uma mensagem etiqueta é quando se estabelece uma série de condições que devem ser cumpridas para se enviar a mensagem De acordo com a UML a sintaxe da etiqueta é: <Predecessor><condição><expressão><retorno> := <mensagem> (<parâmetros>); <predecessor> é uma lista de números separada por vírgulas terminando por uma / Exemplo: 1.1, 1.2, 1.2.1, 1.2.2, / <CONDIÇÃO> <EXPRESSAO> É uma lista de termos de seqüência separados por. seguida por dois pontos. Exemplo 1: 3.1 [x<y] : variável:= função (valor1,valor2); Exemplo 2: 1.1b,1.1 c [x<10] : variável := função (valor1,valor2); - Indica que serão executas as mensagens consecutivamente <Retorno> uma lista de nomes separados por vírgula que são retornados pela função. Exemplo3: 3.1 * [x=1..n] : nome,endereço,matricula:= id_aluno(); Obs: * indica repetição - para valores de x de 1 ate n. Exemplo4: 3.1 * [x=1;x<100,x++] : nome,end := id_al (); Obs: pode-se usar estruturas de sintaxe de linguagens de programação. Exemplo5 : 3.1 * [x=1; x<100,x ++] : nome,end id_al(); Obs: o símbolo * indica que as mensagens podem executar em paralelo, isto é, não existe sincronismo na execução. <Mensagem> é o nome da função. <parâmetros> é o conjunto de parâmetros passados na função pode-se usar sintaxe de alguma linguagem como por exemplos passar simplesmente o nome dos parâmetros: 1.2 : int nome:= Id_aluno (matricula, curso)

23 Ou passar o tipo junto ao parâmetro: 1.2 : int nome:= id_aluno (string:matricula, int:curso); Casos especiais de representação Tempo real: Um sistema em tempo real, em principio, tem o tempo como o principal fator para sua execução. O sistema precisa responder conforme projetado, permitindo a execução simultânea de processos em paralelo. Precisa-se definir tempo de resposta, comportamento, comunicação entre processos. Embedded System: Um sistema de tempo real, normalmente, tem os processos muito integrados a dispositivos de hardware. Este tipo de sistema é chamado de Embedded System. Classe ativa: Normalmente os objetos (de uma classe passiva) só são instanciados quando recebem mensagens as classes que vimos nos exemplos anteriores-. Uma objeto de uma classe ativa pode tomar iniciativa para executar ações sem enviar mensagens. Para isto deve-se representar os métodos com a preocupação de definir a forma de comunicação entre os objetos ativos e sua sincronização. Na UML uma classe ativa é representado com a indicação do estereótipos <<classe ativa>>. A UML indica a forma de sincronismo durante a transferência das mensagens, por variações na ponta da flecha: I Ponta de flecha sólida: Indica que a chamada do procedimento é síncrono. Indica que a seqüência aninhada (níveis) é toda completada antes da seqüência acionadora. Isto indica que métodos no mesmo nível devem esperar. O remetente da mensagem esperará pelo destinatário esperará a conclusão do método antes de continuar o seu processamento. II Ponta de flecha fina: Fluxo de controle assíncrono. Mostra que o controle é passado sem haver preocupação com a comunicação., também se indica o retorno com a flecha do voltando do objeto solicitado para o solicitante.

24 III Meia ponta: Indica que o remetente envia a mensagem e continua imediatamente o seu processamento sem esperar pelo destinatário. Iv Mensagem de Intervalo: Uma transação Indica que o remetente esperará pelo destinatário por um período fixo de tempo antes de interromper o processo de transmissão da mensagem e continuar o seu processamento. Exemplo de mensagem assíncrona: figura do livro Modelagem de Objetos Furlan,Jose,David

25 Observação: Uma ativação é a execução de uma ação. V - Método criar() Pode-se indicar a criação de um objeto na forma Exemplo de diagrama de seqüência: figura do livro Modelagem de Objetos Furlan,Jose,David

26 Um diagrama de seqüência, usando todas as representações da UML, dá para o implementador uma série de informações importantes. Quando o diagrama de seqüência envolve vários objetos, pode-se ter dificuldade de visualizar o método que se está desenhando. Para resolver isto temos outro tipo de diagrama chamado diagrama de colaboração. O diagrama de colaboração tem o mesmo objetivo do diagrama de seqüência, mas permite uma melhor visualização, pois só se representa as classes envolvidas no método. Dica: Seja simples: 1 - Não queira iniciar usando todas as representações apresentadas nesta aula. Use as básicas e à medida que for ganhando experiência vá introduzindo novas representações 2 O diagrama de seqüência é para ser simples. Por isto desenhe apenas o desenvolvimento de um método ou caso e uso completo por diagrama. Não resolva vários caso-uso ou método no mesmo diagrama 3 pratique, este é o segredo. Lembre-se que ao desenhar um diagrama de seqüência você esta definindo código.

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos 1. Domínio e Aplicação Orientação a Objetos Um domínio é composto pelas entidades, informações e processos relacionados a um determinado contexto. Uma aplicação pode ser desenvolvida para automatizar ou

Leia mais

Diagramasde Interação. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA

Diagramasde Interação. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA Diagramasde Interação Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA Diagramasde Interação Foco até o momento levantamento de requisitos; Foco neste momento projeto de objetos; Durante o projeto de objetos, é desenvolvida

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

Usando o simulador MIPS

Usando o simulador MIPS Usando o simulador MIPS O objetivo desta aula prática será a utilização do simulador MipsIt para executar programas escritos em linguagem de máquina do MIPS. 1 Criando um projeto Cada programa a ser executado

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2011 UML Linguagem Unificada de Modelagem Análise Orientada a Objetos com UML Análise Orientada a Objetos com UML Diagrama de Caso

Leia mais

1 ACESSO AO PORTAL UNIVERSITÁRIO 3 3 PLANO DE ENSINO 6 4 AULAS 7 5 AVALIAÇÃO E EXERCÍCIO 9 6 ENQUETES 12 7 QUADRO DE AVISOS 14

1 ACESSO AO PORTAL UNIVERSITÁRIO 3 3 PLANO DE ENSINO 6 4 AULAS 7 5 AVALIAÇÃO E EXERCÍCIO 9 6 ENQUETES 12 7 QUADRO DE AVISOS 14 portal@up.com.br Apresentação Este manual contém informações básicas, e tem como objetivo mostrar a você, aluno, como utilizar as ferramentas do Portal Universitário e, portanto, não trata de todos os

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

FUNCIONAMENTO DOS CURSOS

FUNCIONAMENTO DOS CURSOS 1 SUMÁRIO Funcionamento dos Cursos... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 07 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 09 Edição do Perfil... 12 Acessando as Atividades... 14 Iniciando o Semestre...

Leia mais

UML Aula I Diagramas de Caso de Uso, Sequência e Colaboração

UML Aula I Diagramas de Caso de Uso, Sequência e Colaboração UML Aula I Diagramas de Caso de Uso, Sequência e Colaboração Ricardo Argenton Ramos Engenharia de Software II 2013.1 Um Exercício Como você pode representar? Uma casa de 2 andares, 4 quartos, 2 banheiros,

Leia mais

MANUAL DE MEMBRO COMUNIDADE DO AMIGO

MANUAL DE MEMBRO COMUNIDADE DO AMIGO SUMÁRIO Efetuando o Login na comunidade... 3 Esqueceu sua senha?... 3 Página Principal... 4 Detalhando o item Configurações... 5 Alterar Foto... 5 Alterar Senha... 5 Dados Pessoais... 6 Configurações de

Leia mais

Após a leitura desse capítulo, o leitor saberá:

Após a leitura desse capítulo, o leitor saberá: Estudo Dirigido Disciplina: Modelagem de sistemas Diagrama de Classe - Modelo de domínio Após a leitura desse capítulo, o leitor saberá: - identificar uma classe e objetos - definir os tipos de classes

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Sistema de Automaçaõ de Vendas Manual Passo a Passo

Sistema de Automaçaõ de Vendas Manual Passo a Passo Sistema de Automaçaõ de Vendas Manual Passo a Passo Transmissão Antes de começar a trabalhar, vamos entender o item do menu transmissão, é nele que se faz atualização dos dados do moinho para o seu computador,

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais

Modelagem do Processo de Negócio

Modelagem do Processo de Negócio Análise e Projeto 1 Modelagem do Processo de Negócio Modelos de processos de negócios descrevem as diferentes atividades que, quando combinados, oferecem suporte a um processo de negócio. Processos de

Leia mais

Tópicos Especiais em Sistemas de Telecomunicações IV

Tópicos Especiais em Sistemas de Telecomunicações IV Sumário Tópicos Especiais em Sistemas de Telecomunicações IV Modelagem de Sistemas de Software Departamento de Engenharia de Telecomunicações Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense Setembro

Leia mais

Curso de Linguagem C

Curso de Linguagem C Curso de Linguagem C 1 Aula 1 - INTRODUÇÃO...4 AULA 2 - Primeiros Passos...5 O C é "Case Sensitive"...5 Dois Primeiros Programas...6 Introdução às Funções...7 Introdução Básica às Entradas e Saídas...

Leia mais

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem?

A linguagem UML. UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes. Por que usar UML? O que é modelagem? UML e Diagramas de Casos de Uso e Classes Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com A linguagem UML UML (Unified Modeling Language) Linguagem de Modelagem Unificada É uma linguagem de modelagem

Leia mais

MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG. www.cosemsmg-ead.org.br

MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG. www.cosemsmg-ead.org.br MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG 1 ÍNDICE 03 APRESENTAÇÃO. Dicas para estudar a distância. Funções do professor e do tutor 04 CADASTRO NO CURSO 05 ACESSO AO CURSO 07 FERRAMENTAS DE ESTUDO. Conteúdo: aulas virtuais.

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

MODELAGEM VISUAL DE OBJETOS COM UML DIAGRAMA DE CLASSES. lucelia.com@gmail.com

MODELAGEM VISUAL DE OBJETOS COM UML DIAGRAMA DE CLASSES. lucelia.com@gmail.com MODELAGEM VISUAL DE OBJETOS COM UML DIAGRAMA DE CLASSES lucelia.com@gmail.com Externamente ao sistema, os atores visualizam resultados de cálculos, relatórios produzidos, confirmações de requisições solicitadas,

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle

Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle No INSEP, o ambiente virtual de aprendizagem oferecido ao acadêmico é o MOODLE. A utilização dessa ferramenta é fundamental para o sucesso das atividades em EAD,

Leia mais

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas Microsoft Power Point 2003 No Microsoft PowerPoint 2003, você cria sua apresentação usando apenas um arquivo, ele contém tudo o que você precisa uma estrutura para sua apresentação, os slides, o material

Leia mais

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO)

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Parte: 1 Prof. Cristóvão Cunha Objetivos de aprendizagem

Leia mais

Apresentação. Estamos à disposição para quaisquer dúvidas e sugestões! Atenciosamente, Equipe do Portal UNESC

Apresentação. Estamos à disposição para quaisquer dúvidas e sugestões! Atenciosamente, Equipe do Portal UNESC Sumário Apresentação... 1 1. Orientações Iniciais... 2 2. Materiais de Apoio... 4 3. Fóruns... 7 4. Entregas de Trabalho... 13 5. Escolhas... 16 6. Salas de Bate-papo... 18 7. Como criar/alterar a senha

Leia mais

Quinta Lista de Exercícios -

Quinta Lista de Exercícios - INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO COORDENADORIA DE INFORMÁTICA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO Quinta Lista de Exercícios - INSTRUÇÕES: 1) Nesta lista de exercícios, vamos nos preocupar em implementar o comportamento

Leia mais

LISTA ICONOGRÁFICA - (Lista de ícones do Ambiente Virtual)

LISTA ICONOGRÁFICA - (Lista de ícones do Ambiente Virtual) 1 SUMÁRIO Funcionamento dos Cursos... 04 Geração de Login e Senha... 05 Guia de Percurso... 07 Manual Acadêmico... 09 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 11 Edição do Perfil... 13 Ambiente Colaborar e

Leia mais

APLICAÇÃO DA MODELAGEM UML NA FASE DE ANÁLISE DE UM PROJETO DE SOFTWARE PARA AGENDAMENTO DE USO DE VEÍCULOS INTERNOS DE UMA EMPRESA

APLICAÇÃO DA MODELAGEM UML NA FASE DE ANÁLISE DE UM PROJETO DE SOFTWARE PARA AGENDAMENTO DE USO DE VEÍCULOS INTERNOS DE UMA EMPRESA APLICAÇÃO DA MODELAGEM UML NA FASE DE ANÁLISE DE UM PROJETO DE SOFTWARE PARA AGENDAMENTO DE USO DE VEÍCULOS INTERNOS DE UMA EMPRESA ANDRE APARECIDO LEAL DE ALMEIDA Discente da AEMS Faculdades Integradas

Leia mais

Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software

Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software Tutorial para atividades do Trabalho Prático da disciplina DCC 603 Engenharia de Software Antes de iniciar o tutorial, baixar os seguintes arquivos da página do Prof. Wilson: Plataforma reutilizável: http://homepages.dcc.ufmg.br/~wilson/praxis/3.0/praxis.zip

Leia mais

Questões de Concursos Públicos sobre Orientação a Objetos e UML

Questões de Concursos Públicos sobre Orientação a Objetos e UML Análise Orientada a Objetos Professora Lucélia Oliveira Questões de Concursos Públicos sobre Orientação a Objetos e UML 1. (BNDES) Analise as seguintes afirmações relativas à Programação Orientada a Objetos:

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA OPERACIONAL MÉTODO QUANTUM 2014

MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA OPERACIONAL MÉTODO QUANTUM 2014 MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA OPERACIONAL MÉTODO QUANTUM 2014 ÍNDICE Apresentação Principais Botões Login Usúario Resultado Método Quantum Preencher Método Quantum Extrato On-Line Engenharia de Função Grupos

Leia mais

Engenharia de Software Unidade XI UML Parte 2

Engenharia de Software Unidade XI UML Parte 2 Engenharia de Software Unidade XI UML Parte 2 Prof. Francisco Gerson A. de Meneses Diagramas de Interação... O diagrama de interação na verdade é um termo genérico aplicado à junção de dois outros diagramas:

Leia mais

SIAP - Sistema de Apoio ao Professor

SIAP - Sistema de Apoio ao Professor Introdução O SIAP, Sistema de Apoio ao Professor, é um programa que vai contribuir, de forma decisiva, com o cotidiano escolar de alunos, professores, gestores e funcionários administrativos. Com a implantação

Leia mais

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Vinicius Lourenço de Sousa vinicius.lourenco.sousa@gmail.com Atua no ramo de desenvolvimento de software há mais de

Leia mais

Orientação a Objetos com Java

Orientação a Objetos com Java Orientação a Objetos com Java Julio Cesar Nardi julionardi@yahoo.com.br 2011/2 Apresentação 3: Orientação Objetos: Conceitos Básicos Objetivos: Compreender os Conceitos Básicos da Orientação a Objetos;

Leia mais

Como funciona? SUMÁRIO

Como funciona? SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Benefícios e Vantagens... 2 3. Como utilizar?... 2 3.1. Criar Chave / Senha de Usuário... 2 3.2. Recursos da Barra Superior... 2 3.2.1. Opções... 3 3.2.1.1. Mover Para...

Leia mais

e-nota NFS-e Sistema de Geração e Emissão de Nota Fiscal de Serviço eletrônica

e-nota NFS-e Sistema de Geração e Emissão de Nota Fiscal de Serviço eletrônica Página1 e-nota NFS-e Sistema de Geração e Emissão de Nota Fiscal de Serviço eletrônica Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa Página2 Índice 1. O que é Nota Fiscal de Serviço eletrônica

Leia mais

Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação

Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação 1 Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação INF1403 Introdução a IHC Luciana Salgado Representações e Aspectos de IHC Representações e Aspectos de IHC Representações e Aspectos de IHC Representações

Leia mais

Introdução. Nesta guia você aprenderá:

Introdução. Nesta guia você aprenderá: 1 Introdução A criação de uma lista é a primeira coisa que devemos saber no emailmanager. Portanto, esta guia tem por objetivo disponibilizar as principais informações sobre o gerenciamento de contatos.

Leia mais

Orientação a Objetos

Orientação a Objetos Orientação a Objetos 1. Sobrecarga (Overloading) Os clientes dos bancos costumam consultar periodicamente informações relativas às suas contas. Geralmente, essas informações são obtidas através de extratos.

Leia mais

AULA 4 VISÃO BÁSICA DE CLASSES EM PHP

AULA 4 VISÃO BÁSICA DE CLASSES EM PHP AULA 4 VISÃO BÁSICA DE CLASSES EM PHP Antes de mais nada, vamos conhecer alguns conceitos, que serão importantes para o entendimento mais efetivos dos assuntos que trataremos durante a leitura desta apostila.

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

Grupo Projeção. Portal Acadêmico. - Ambiente do Aluno -

Grupo Projeção. Portal Acadêmico. - Ambiente do Aluno - Grupo Projeção Portal Acadêmico - Ambiente do Aluno - Março / 2011 1 Índice Apresentando o Portal Acadêmico: Ambiente do Aluno... 3 Iniciando no ambiente do Aluno... 4 Meu Perfil... 6 Avisos... 6 Processos

Leia mais

Introdução! 1. Modelos de Domínio! 1. Identificação de classes conceituais! 2. Estratégia para identificar classes conceituais! 2

Introdução! 1. Modelos de Domínio! 1. Identificação de classes conceituais! 2. Estratégia para identificar classes conceituais! 2 Modelo de domínio Introdução! 1 Modelos de Domínio! 1 Identificação de classes conceituais! 2 Estratégia para identificar classes conceituais! 2 Passos para a elaboração do modelo de domínio! 2 Passo 1

Leia mais

Prova do INSS 2012 Cargo Técnico FCC

Prova do INSS 2012 Cargo Técnico FCC Prova do INSS 2012 Cargo Técnico FCC Prof(a) Ana Lucia de Informática 18. Pedro trabalha em uma pequena imobiliária cujo escritório possui cinco computadores ligados em uma rede com topologia estrela.

Leia mais

BEM-VINDO AO dhl PROVIEW GUIA RÁPIDO DE USO

BEM-VINDO AO dhl PROVIEW GUIA RÁPIDO DE USO BEM-VINDO AO dhl PROVIEW GUIA RÁPIDO DE USO O DHL PROVIEW COLOCA VOCÊ NO CONTROLE DE SEUS ENVIOS. PROVIEW O DHL ProView é uma ferramenta de rastreamento on-line que permite a visibilidade dos envios e

Leia mais

BEM-VINDO AO dhl PROVIEW

BEM-VINDO AO dhl PROVIEW BEM-VINDO AO dhl PROVIEW Guia de Usuário O DHL PROVIEW COLOCA VOCÊ NO CONTROLE DE SEUS ENVIOS. PROVIEW O DHL ProView é uma ferramenta de rastreamento on-line que permite o gerenciamento dos envios, a programação

Leia mais

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Introdução O computador como ferramenta indispensável: Faz parte das nossas vidas; Por si só não faz nada de útil; Grande capacidade de resolução

Leia mais

CRIANDO BANCOS DE DADOS NO SQL SERVER 2008 R2 COM O SQL SERVER MANAGEMENT STUDIO

CRIANDO BANCOS DE DADOS NO SQL SERVER 2008 R2 COM O SQL SERVER MANAGEMENT STUDIO CRIANDO BANCOS DE DADOS NO SQL SERVER 2008 R2 COM O SQL SERVER MANAGEMENT STUDIO Antes de criarmos um novo Banco de Dados quero fazer um pequeno parênteses sobre segurança. Você deve ter notado que sempre

Leia mais

Caso já seja usuário do SCAW siga as instruções a partir da página X.

Caso já seja usuário do SCAW siga as instruções a partir da página X. Caso já seja usuário do SCAW siga as instruções a partir da página X. Para iniciar o sistema dê um duplo clique no ícone, que se encontra na área de trabalho. 1 Login do sistema. Esta é a tela de login

Leia mais

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição. Núcleo de Tecnologia da Informação

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição. Núcleo de Tecnologia da Informação Divisão de Almoxarifado DIAX/CGM/PRAD Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição Versão On-Line Núcleo de Tecnologia da Informação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Manual do Sistema

Leia mais

Manual de Utilização do Assistente do Certificado Digital Serasa Experian. Manual do Produto

Manual de Utilização do Assistente do Certificado Digital Serasa Experian. Manual do Produto Manual de Utilização do Assistente do Certificado Digital Serasa Experian Manual do Produto Índice Introdução - Assistente do Certificado Digital Serasa Experian 3 1. Verificação de Ambiente 4 2. Instalação

Leia mais

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER Objetivo dessa aula é descrever as características e a simbologia dos diagramas UML e MER na modelagem de sistemas de informação de uma forma a permitir a comunicação entre técnicos e gestores. Modelagem

Leia mais

Introdução a Java. Hélder Nunes

Introdução a Java. Hélder Nunes Introdução a Java Hélder Nunes 2 Exercício de Fixação Os 4 elementos básicos da OO são os objetos, as classes, os atributos e os métodos. A orientação a objetos consiste em considerar os sistemas computacionais

Leia mais

Manual de utilização da Ferramenta para disparo de E-mkt

Manual de utilização da Ferramenta para disparo de E-mkt Manual de utilização da Ferramenta para disparo de E-mkt 1 Índice Menu e-mail marketing...03 Conteúdo da mensagem...04 Listas de contatos...15 Ações de e-mail marketing...19 Perguntas frequentes...26 2

Leia mais

Guia de Especificação de Caso de Uso Metodologia CELEPAR

Guia de Especificação de Caso de Uso Metodologia CELEPAR Guia de Especificação de Caso de Uso Metodologia CELEPAR Agosto 2009 Sumário de Informações do Documento Documento: guiaespecificacaocasouso.odt Número de páginas: 10 Versão Data Mudanças Autor 1.0 09/10/2007

Leia mais

GABARITO - B. manuel@carioca.br

GABARITO - B. manuel@carioca.br NOÇÕES DE INFORMÁTICA EDITORA FERREIRA PROVA MPRJ -TÉCNICO ADMINISTRATIVO - TADM NCE-UFRJ CORREÇÃO - GABARITO COMENTADO Considere que as questões a seguir referem-se a computadores com uma instalação padrão

Leia mais

Wireshark Lab: Iniciando

Wireshark Lab: Iniciando Wireshark Lab: Iniciando Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Conte-me e esqueço. Mostre-me e eu lembro. Envolva-me

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

Informática I. Aula 6. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 6-12/09/2007 1

Informática I. Aula 6. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 6-12/09/2007 1 Informática I Aula 6 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 6-12/09/2007 1 Ementa Noções Básicas de Computação (Hardware, Software e Internet) HTML e Páginas Web Internet e a Web Javascript e

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES (Teoria)

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES (Teoria) PC PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES (Teoria) Aula 01 Prof. Ricardo Veras (prof.rveras@gmail.com) ALGORITMOS "Seqüência ordenada de passos, que deve ser seguida para a realização de um tarefa" "Algoritmo é um

Leia mais

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C Resumo da Matéria de Linguagem de Programação Linguagem C Vitor H. Migoto de Gouvêa 2011 Sumário Como instalar um programa para executar o C...3 Sintaxe inicial da Linguagem de Programação C...4 Variáveis

Leia mais

UM ESTUDO PARA A EVOLUÇÃO DO PHP COM A LINGUAGEM ORIENTADA A OBJETOS

UM ESTUDO PARA A EVOLUÇÃO DO PHP COM A LINGUAGEM ORIENTADA A OBJETOS UM ESTUDO PARA A EVOLUÇÃO DO PHP COM A LINGUAGEM ORIENTADA A OBJETOS Jean Henrique Zenzeluk* Sérgio Ribeiro** Resumo. Este artigo descreve os conceitos de Orientação a Objetos na linguagem de programação

Leia mais

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 2014 Manual Laboratório ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 Sumário Acesso ao Sistema... 2 Menu Cadastros... 4 Cadastro de usuários... 4 Inclusão de Novo Usuário... 5 Alteração de usuários...

Leia mais

Engenharia de Software Engenharia de Requisitos. Análise Orientada a Objetos Prof. Edison A M Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.

Engenharia de Software Engenharia de Requisitos. Análise Orientada a Objetos Prof. Edison A M Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti. Engenharia de Software Engenharia de Requisitos Análise Orientada a Objetos Prof. Edison A M Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br 1 Contextualizando... Fonte: [1] O Processo de ER pode ser

Leia mais

PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ROTEIRO 1. Conceitos de Orientação a Objetos Introdução O paradigma da POO Classes

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO... 3. 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4. 2. Ferramentas e Configurações... 5. 2.1 Ver Perfil... 5. 2.2 Modificar Perfil...

Sumário INTRODUÇÃO... 3. 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4. 2. Ferramentas e Configurações... 5. 2.1 Ver Perfil... 5. 2.2 Modificar Perfil... Sumário INTRODUÇÃO... 3 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4 2. Ferramentas e Configurações... 5 2.1 Ver Perfil... 5 2.2 Modificar Perfil... 6 2.3 Alterar Senha... 11 2.4 Mensagens... 11 2.4.1 Mandando

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA RESUMO DE AULA CRIAÇÃO E MANIPULAÇÃO DO BANCO DE DADOS

Leia mais

EXEMPLO DE COMO FAZER UMA MALA DIRETA

EXEMPLO DE COMO FAZER UMA MALA DIRETA EXEMPLO DE COMO FAZER UMA MALA DIRETA OBS: Para esta nota de aula foi utilizada como referência: Apostila Mala Direta Santos, Jorge Rodrigues dos. Foram adaptados os comando para utilizar mala direta no

Leia mais

e-nota C Consulta de Nota Fiscal eletrônica

e-nota C Consulta de Nota Fiscal eletrônica Página1 e-nota C Consulta de Nota Fiscal eletrônica Manual do Usuário Produzido por Informática Educativa Página2 Índice Nota Fiscal eletrônica... 03 Safeweb e-nota C... 04 Documentos eletrônicos... 08

Leia mais

Continuação. 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART

Continuação. 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART Continuação 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART a) Vá para o primeiro slide da apresentação salva no item 31. b) Na guia PÁGINA INICIAL, clique no botão LAYOUT e selecione (clique) na opção TÍTULO

Leia mais

Disciplina: Unidade III: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade III: Prof.: E-mail: Período: Encontro 08 Disciplina: Sistemas de Banco de Dados Unidade III: Modelagem Lógico de Dados Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 5º. SIG - ADM Relembrando... Necessidade de Dados Projeto

Leia mais

[MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS]

[MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS] 2011 [MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS] Destinado a usuários que desejam vender conteúdo premium, disponível em sites de membros, através da plataforma Hotmart. Versão do documento: 1.0, 11/04/2011.

Leia mais

USANDO O ROUNDCUBE WEBMAIL

USANDO O ROUNDCUBE WEBMAIL USANDO O ROUNDCUBE WEBMAIL ATENÇÃO! Para utilizar este tutorial não se esqueça: Onde estiver escrito seusite.com.br substitua pelo ENDEREÇO do seu site (domínio). Ex.: Se o endereço do seu site é casadecarnessilva.net

Leia mais

Para resolver as questões abaixo considere o Sistema Operacional Microsoft Windows Vista

Para resolver as questões abaixo considere o Sistema Operacional Microsoft Windows Vista Nome: Gabarito Para resolver as questões abaixo considere o Sistema Operacional Microsoft Windows Vista 1) O Centro das configurações do Windows, onde pode ser acessado cada um dos dispositivos componentes

Leia mais

Manual Passo a Passo

Manual Passo a Passo Manual Passo a Passo 2014 Passa a passo Loja Virtual 2014 ACESSO SELEÇÃO DE RA CARRINHO DE COMPRAS VISUALIZAR LIVROS DO KIT FECHAR PEDIDO ENDEREÇO DE ENTREGA FECHAR PEDIDO CARTÃO DE CRÉDITO FECHAR PEDIDO

Leia mais

Prof. Esp. Adriano Carvalho

Prof. Esp. Adriano Carvalho Prof. Esp. Adriano Carvalho Um arquivo contendo uma sequência de comandos em uma linguagem de programação especifica Esses comandosrespeitam regras de como serem escritos e quais são as palavras que podem

Leia mais

WebEDI - Tumelero Manual de Utilização

WebEDI - Tumelero Manual de Utilização WebEDI - Tumelero Manual de Utilização Pedidos de Compra Notas Fiscais Relação de Produtos 1. INTRODUÇÃO Esse documento descreve o novo processo de comunicação e troca de arquivos entre a TUMELERO e seus

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. HELP SUPORTE e HELP - REMOTO (Versão de usuário: 2.0)

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. HELP SUPORTE e HELP - REMOTO (Versão de usuário: 2.0) MANUAL DE UTILIZAÇÃO HELP SUPORTE e HELP - REMOTO (Versão de usuário: 2.0) 1 Sumário 1 Introdução...3 2 O que é o HELP Suporte?...3 3 Cadastro no Help Suporte...3 4 Como Acessar e Utilizar o HELP SUPORTE...3

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

Manual de Utilização do Zimbra

Manual de Utilização do Zimbra Manual de Utilização do Zimbra Compatível com os principais navegadores web (Firefox, Chrome e Internet Explorer) o Zimbra Webmail é uma suíte completa de ferramentas para gerir e-mails, calendário, tarefas

Leia mais

Editor de Questões E24H

Editor de Questões E24H Editor de Questões E24H Conteúdo: Apresentação O que é o Editor de Questões Objetivos Potencialidades Vantagens adicionais Visualização no site (Quem acessa o Editor de Questões) (não Para quem o Editor

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA. Manual do Usuário

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA. Manual do Usuário SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA Manual do Usuário Título SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA

Leia mais

COMO REALIZAR A AUTENTICAÇÃO NO SISTEMA?...3

COMO REALIZAR A AUTENTICAÇÃO NO SISTEMA?...3 1 INDÍCE 1. COMO REALIZAR A AUTENTICAÇÃO NO SISTEMA?...3 1.1. PRIMEIRO ACESSO... 3 1.2. SOLICITAR NOVA SENHA... 4 2. COMO INFORMAR A SITUAÇÃO DOS ALUNOS?...6 2.1. DADOS DO DIRETOR/RESPONSÁVEL...6 2.2.

Leia mais

Modelagem de Casos de Uso (Parte 1)

Modelagem de Casos de Uso (Parte 1) Modelagem de Casos de Uso (Parte 1) Roteiro Introdução Descrição: Sistema de Ponto de Vendas Casos de Usos Atores Fluxo de Eventos Cenários Formato de Documentação de Casos de Uso Diagramas de Casos de

Leia mais

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 9. Introdução a linguagem C Estruturas de decisão

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 9. Introdução a linguagem C Estruturas de decisão CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 9 Introdução a linguagem C Estruturas de decisão Introdução à Linguagem C Linguagem compilada. Desenvolvida sobre os paradigmas de programação procedural. Uma das linguagens

Leia mais

Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema

Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema Objetivos da aula: Aprender os elementos básicos da modelagem por casos de uso Utilizar as associações entre casos de uso, atores e demais artefatos Compreender

Leia mais

Curso de atualização Educação Integral e Integrada. Tutorial Moodle. Belo Horizonte, 2013.

Curso de atualização Educação Integral e Integrada. Tutorial Moodle. Belo Horizonte, 2013. Curso de atualização Educação Integral e Integrada Tutorial Moodle Belo Horizonte, 2013. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ACESSANDO O AMBIENTE... 4 3. CONHECENDO O AMBIENTE... 5 3.1. CAIXAS DE UTILIDADES... 5 4.

Leia mais

Roteiro do Programa e Entrada/Saída

Roteiro do Programa e Entrada/Saída Roteiro do Programa e Entrada/Saída c Professores de ALPRO I Faculdade de Informática PUCRS 03/2012 ALPRO I (FACIN) Roteiro do Programa e E/S 03/2012 1 / 32 Sumário 1 Relembrando 2 Programa Definição de

Leia mais

GUIA PARA AJUIZAMENTO DE AÇÕES

GUIA PARA AJUIZAMENTO DE AÇÕES GUIA PARA AJUIZAMENTO DE AÇÕES Natal/RN - Janeiro de 2015 Bem vindo ao PJe O Processo Judicial Eletrônico (PJe) projeto do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) é um sistema de informação que permite a prática

Leia mais

Cadastro do livro e acesso ao CONTEÚDO DIGI TA

Cadastro do livro e acesso ao CONTEÚDO DIGI TA Cadastro do livro e acesso ao L! CONTEÚDO DIGI TA gibi.indd 1 4/15/13 5:44 PM O sistema FTD digital é um portal que agrega ferramentas úteis que facilitam a vida do professor e enriquecem as atividades

Leia mais

Programa de Edição de Textos- Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 2

Programa de Edição de Textos- Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 2 Programa de Edição de Textos- Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 2 2. MANIPULAÇÃO DE DOCUMENTOS Os processadores de textos possibilitam a criação e a manipulação de diversos modelos de documentos. Com eles

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Gestão da Tecnologia da Informação 3ª Série Análise Orientada a Objetos A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais

Microsoft Office Excel

Microsoft Office Excel 1 Microsoft Office Excel Introdução ao Excel Um dos programas mais úteis em um escritório é, sem dúvida, o Microsoft Excel. Ele é uma planilha eletrônica que permite tabelar dados, organizar formulários,

Leia mais