A Atuação dos Conselhos escolares em escolas do Recife

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Atuação dos Conselhos escolares em escolas do Recife"

Transcrição

1 A Atuação dos Conselhos escolares em escolas do Recife Resumo Alexandre Jorge Arruda Correia 1 Mágda de Barros Ferreira 2 Luciana Rosa Marques 3 Este artigo tem como objetivo apresentar uma reflexão sobre a atuação dos Conselhos Escolares de duas escolas da região metropolitana do Recife, sendo uma da rede estadual e outra da rede municipal de ensino. O intuito da pesquisa foi investigar se há participação dos diferentes segmentos nos conselhos, se as decisões tomadas são de fato efetivadas e como os conselhos têm contribuído para a democratização e a descentralização da gestão escolar. Percebemos que a democratização nas escolas pesquisadas caminha a passos lentos, tanto na efetivação das decisões, quanto na participação de todos os segmentos que compõem os conselhos. Palavras chaves: Conselho Escolar, participação, gestão democrática 1. Introdução Os conselhos Escolares tem sido alvo de grande discussão atualmente, já que é a partir deles que a escola tem se tornado um espaço mais democrático e os vários segmentos que os constituem podem estar intervindo e contribuindo nas decisões juntamente com a gestão da escola. Buscando investigar como a democratização e descentralização da gestão escolar vem acontecendo, serão trazidos alguns resultados obtidos na pesquisa de campo realizada em duas escolas de Recife, sendo uma da rede municipal e outra da rede estadual. A escolha da investigação do conselho escolar foi decorrente dos achados de pesquisa realizada na iniciação cientifica, na qual foi percebida a existência do conselho escolar no âmbito das Escolas Municipais. Depois dessa pesquisa surgiu, então, o interesse em pesquisar a atuação desses conselhos na mesma rede e também na rede estadual a fim de perceber semelhanças ou diferenças na sua estrutura. Além disso, há 1 Concluinte do curso de Pedagogia do Centro de Educação da Universidade Federal de Pernambuco. 2 Concluinte do curso de Pedagogia do Centro de Educação da Universidade Federal de Pernambuco. 3 Doutora em Sociologia.Professora do Departamento de Administração Escolar e Planejamento Educacional do Centro de Educação da Universidade Federal de Pernambuco, tendo sido orientadora dos dois autores deste artigo.

2 2 um interesse pessoal por essa temática, pois, os conselhos escolares também se tornaram uma ponte entre escola e comunidade, por isso é de fundamental importância, que esses estejam bem articulados e atuantes, tornando-se mais fácil o exercício de uma gestão democrática. A partir destes elementos construímos, então, o seguinte problema de pesquisa como é a atuação dos Conselhos Escolares das escolas da rede municipal e estadual de ensino no Recife?. O objetivo geral do trabalho foi analisar a prática dos Conselhos Escolares da rede municipal e estadual e sua contribuição na democratização da gestão da escola. Tivemos como objetivos secundários identificar se existe representação de todos os segmentos nos conselhos escolares; analisar se as decisões tomadas pelo Conselho são efetivadas pela gestão; identificar como a comunidade percebe o Conselho Escolar e, por fim, analisar os conselhos nos diferentes contextos escolares. 2. O Conselho Escolar O significado etimológico da palavra conselho se origina do latim Consilium, provém do verbo consulo, que significa tanto ouvir alguém, quanto submeter algo a uma deliberação de alguém. Segundo Cury (2001, p.44), obviamente a recíproca audição se compõe com o ver e ser visto e, assim sendo, quando um conselho participa dos destinos de uma sociedade ou de partes destes, o próprio verbo consulere já contém um principio de publicidade. O autor ainda afirma que essa tarefa, ou seja, a tarefa dos conselhos não só os escolares, mas dos Conselhos de um modo geral é necessária e indispensável já que o nosso país surgiu de um encontro com pouco diálogo entre colonizador e colonizado. Os Conselhos Escolares tem sido alvo de questionamentos sobre seus benefícios no processo da democratização da educação, na qualidade do ensino, na participação do cidadão nas decisões e na sua efetivação pela gestão escolar. Segundo Verza (2000, p. 191): Os conselhos escolares valem enquanto instrumentos efetivos de participação para garantir ensino publico de qualidade a ser implementado no âmbito escolar. Os conselhos escolares respaldam a participação dos diferentes segmentos que constituem a escola, auxiliando o gestor nas decisões administrativas e nos processos pedagógicos da escola. Sobre isso Aguiar (2009, p. 101) afirma que no conselho, o

3 diretor deve estar consciente de que é buscada uma gestão democrática, necessitando da divisão das decisões dos seus membros. Para que a democratização da educação aconteça, se faz necessário atribuir tarefas a determinados grupos que serão posteriormente executadas pela gestão. Esse grupo denominado de conselhos escolares, segundo Aguiar (2009, p.101) é o órgão em que a direção da escola é exercida pelo diretor auxiliado pelos membros que representam a comunidade escolar. Eles foram instituídos por leis e normatizações provindas da área federal, estadual e municipal. Sobre isso Cury (2004, p.44) diz que [...] nesse circuito normativo a figura dos conselhos aparece sob várias formas e sob várias denominações. Normalmente são órgãos colegiados com atribuições variadas em aspectos normativos, consultivos e deliberativos. Tais aspectos podem ser separados ou coexistentes e sua explicitação depende do ato legal de criação dos conselhos. O conselho, segundo o mesmo autor, tem um papel não só de ser um órgão burocrático, cartorial e engessador da dinamicidade dos profissionais e administradores da educação ou da autonomia do sistema. Sua linha de frente é, dentro da relação estado e sociedade, estar a serviço das finalidades maiores da educação e cooperar com o zelo pela aprendizagem nas escolas brasileiras. A criação dos conselhos escolares, segundo Verza (2000), se respalda na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, em seu artigo 14, que estabelece que os sistemas de ensino definirão as normas da gestão democrática do ensino publico, de acordo com suas peculiaridades e conforme os seguintes princípios: I participação dos profissionais da educação na elaboração do projeto pedagógico da escola; II a participação da comunidade escolar e local em conselhos escolares equivalentes. Ademais, o artigo 15 define que os sistemas devem assegurar às unidades escolares integrantes do sistema graus progressivos de autonomia pedagógica e administrativa e de gestão financeiras observadas as normas do direito financeiro público. E por sua vez, o Estatuto da Criança e do Adolescente, em seu artigo 53, sustenta que os pais não apenas devem ter ciência do processo pedagógico, mas participar na definição de propostas educacionais.

4 4 As leis criadoras dos conselhos escolares determinam como suas funções a consultiva, a deliberativa e a fiscalizadora no que tange às questões pedagógicas, administrativas e financeiras, constituindo-se o órgão máximo da discussão no âmbito escolar, resguardados os princípios constitucionais e as diretrizes do conselho federal, estadual ou municipal de educação e a proposta pedagógica da escola. Com a determinação constitucional e as diretrizes que respaldam os conselhos escolares, a participação da comunidade é imprescindível nas decisões. Agora os gestores não podem deliberar sem a participação dessa comunidade e dos demais segmentos que compõe a escola. Sobre esse assunto Aguiar (2007, p.101) ressalta que Todos os representantes do conselho escolar tem o direto a votar para decidir, reformular, acompanhar e responder tudo que está relacionado ao processo de construção do projeto político pedagógico. No conselho, o diretor deve estar consciente de que é buscada uma gestão democrática, necessitando da divisão das decisões com seus membros Conselho Escolar: Caminho Para Gestão Democrática e Participativa Segundo Souza (2009) A participação na vida política é elemento importante que se aprende na prática democrática. Seja na gestão da escola, da cidade ou do país, a participação ampliada é quase defendida como condição para efetivação democrática. Lima (2001 apud Souza 2009) acrescenta que a participação é hoje Uma palavra-chave onipresente nos discursos político, normativo e pedagógico. Segundo Werle (2003) a instituição dos conselhos escolares está diretamente relacionada ao principio da gestão democrática do ensino público, que, no texto constitucional, está comprometido com todos os demais princípios liberdade, igualdade, qualidade, gratuidade e pluralismo e sua consolidação deverá ocorrer e decorrer de sua efetivação. O pluralismo citado pela autora corresponde à existência de vários grupos que podem ser conflitantes entre si e que tem como função limitar, controlar e contrastar poderes, diante do centro de poder dominante. Ela considera ainda que tal idéia está na base dos conselhos escolares e na diversidade de segmentos que os compõem. Consideramos que nos conselhos há variedades de posições, interesses, compreensões e saberes pais, mães, professores, filhos, filhas, alunos e alunas, diretor,

5 funcionários, pessoas com diferentes funções no mundo produtivo e de diferentes faixas de idades, cujos pais e alunos discutem com professores pontos de vistas diferenciados intercomunicam idéias e explicitam pontos de vista em face de funcionários. Esta prática forma-os pelo exercício coletivo de saber ouvir, formular posições, dialogar e abrir mão de idéias de propostas coletivas. Esse pluralismo é uma vantagem pela aprendizagem e pelo desenvolvimento que proporciona aos componentes do conselho escolar, em decorrência da diversidade que o constitui. Se a constituição se refere à liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar, Werle (2003) diz que o conselho escolar é um espaço que fomenta todas as dimensões de liberdade. Liberdade de participar, de expor suas opiniões, de discordar, de ouvir, de encaminhar questões e, especialmente, um espaço em que se aprende a ver os outros representantes dos segmentos da comunidade escolar como seres com liberdade para discordar, errar e se posicionar. Assim sendo, o conselho escolar reaviva o sentido comunitário e do bem comum, podendo constituir-se em uma comunidade de solidariedade. Conselho escolar indica uma transferência de responsabilidade para a sociedade, implica uma redefinição de papéis entre a escola e as demais instâncias administrativas. Cury (2001) também chama a atenção para as pessoas que compõem o conselho escolar, para que este não se desvie do seu principio democrático e republicano e acabe se tornando um conselho tecnocrático. A função do conselho escolar é fazer também que a escola seja ou tenha uma gestão democrática. Segundo Cury (2001, p.55) A gestão democrática é mais do que a exigência de transparência, de impessoalidade e moralidade. Ela expressa tanto a vontade de participação que tem se revelado lá onde a sociedade civil conseguiu se organizar autonomamente, quanto o empenho por reverter a tradição que confunde os espaços públicos com os privados. Sobre a questão da escolha dos participantes dos conselhos escolares, Marques (2009) ressalta que esses têm que ser cidadãos conscientes, responsáveis e livres, sendo capazes de decidir conscientemente o que se pode estar fazendo para tornar a escola um espaço mais justo, mais democrático e participativo. Sendo assim, os conselhos

6 6 escolares seriam um espaço de luta política para aqueles que tiveram seus direitos negados. Werle (2003) considera que ao participar do Conselho Escolar o individuo está participando de um processo político e que a escola deve proporcionar objetivos que desenvolvam a formação política, valores e conhecimentos que favoreçam a participação, já que o conselho escolar é um lugar de formação justamente por possibilitar esse nível de participação. Ela diz, ainda, que para desenvolver processos formativos referentes à participação coletiva é necessário que os sujeitos compreendam os níveis de representação das estruturas participativas e as relações nelas envolvidas. Luck (2006) afirma também que a participação pode assumir uma dimensão política, sendo uma força de atuação consciente pela qual os membros de uma unidade social reconhecem e assumem seu poder de exercer influência na determinação da dinâmica dessa unidade, de sua cultura e de seus resultados, poder esse resultante de sua competência e vontade de compreender, decidir e agir sobre questões que lhe são afetadas, dando-lhe unidade, vigore direcionamento firme. Durante muito tempo o Brasil passou por um regime ditatorial, mas, depois de muitas lutas, foi se conquistando o direito de expressar opiniões, conquistando uma democracia representativa onde todos, sem exclusão, têm o direito de votar. A escolha dos integrantes do conselho escolar deve observar as diretrizes do sistema de ensino. As experiências que já temos na escolha dos nossos governantes, por exemplo, pode ajudar nas escolhas desses integrantes que pode ser feita através eleições, existência de uma comissão eleitoral, convocação de assembléias gerais para deliberações, entre outras maneiras, porém, com a participação efetiva para que a democracia seja exercida da melhor maneira. O Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares (2006, p.37) ressalta que os membros do conselho são mulheres e homens concretos, são sujeitos, autores da construção de si e da historia de seu entorno. Como autores devem compartilhar a superação dos problemas e a construção de novas iniciativas para escola, exigidas pela complexificação da cultura e pela superação dos problemas sociais. Para tanto participam da identificação de problema da escola, da descoberta do por que desses problemas, da busca de alternativas de solução, da decisão das medidas

7 necessárias para executar a alternativa escolhida para resolver problema, se for da competência da escola, ou para encaminhar e reivindicar as medidas necessárias a serem tomadas pelas instâncias competentes. Segundo o documento do programa a configuração do conselho escolar varia entre os municípios, entre os estados e entre as instituições educativas; assim, a quantidade de representantes, na maioria das vezes, depende do tamanho da instituição e do número de estudantes que possui. De acordo com Paro (1998), ao falar da gestão democrática na escola pública, na qual deve participar das decisões a comunidade escolar (dirigentes, professores, alunos, pais de alunos e funcionários), muitos concebem esta idéia como uma utopia, mas é bom fazer notar que a utopia significa algo que não existe e que pode vir a existir. Segundo Werle (2003), como o Conselho Escolar é um novo instrumento na estrutura da escola é relevante fazer uma revisão nos padrões de funcionamento de todos os o órgãos da instituição, pois o conselho escolar não deve ser considerado um órgão individual ele deve estar integrado aos outros órgãos e os seus segmentos devem estar conscientes do seu papel na escola e da importância que ele exerce na gestão escolar. O trabalho do Conselho Escolar deve ser um processo continuo. Por isso, a necessidade de que haja registros das decisões tomadas nas reuniões para que os novos conselheiros tenham conhecimento histórico do conselho para dar continuidade ao trabalho que já vem sendo feito ou possam melhorá-lo em aspectos que não tenham sido positivos. 3. Percurso Metodológico A pesquisa de cunho qualitativo foi realizado em duas escolas localizadas no bairro da Iputinga, sendo uma da rede municipal e outra da rede estadual. Buscou-se realizar um confronto entre os conselhos escolares das duas escolas, no sentido de mostrar semelhanças e diferenças na sua estrutura e se estão obedecendo à proposta da gestão democrática. Para responder aos questionamentos e hipótese levantada sobre o Conselho Escolar, foi aplicado um questionário com sete questões para gestores, professores e representantes da comunidade. Esse mesmo questionário foi aplicado a professores não participantes do conselho. Com os demais segmentos: pais de alunos, funcionários

8 8 utilizou-se outro questionário com quatro questões. Assim, foram pesquisados oito sujeitos que fazem parte do conselho e seis que não fazem parte. O objetivo da pesquisa foi analisar qual a concepção que os mesmos têm a respeito do conselho escolar da sua escola. Para tal, foi feita análise documental das atas de presenças e reuniões do Conselho. No entanto só foi possível verificar esses documentos na escola estadual embora a coordenação da escola municipal afirme ter esses documentos. Entende-se que saber o que os membros do conselho escolar compreendem sobre esse órgão, implica uma reflexão na sua prática e contribuição para efetivação de uma gestão mais democrática. Antes de apresentar os resultados da pesquisa é relevante esclarecer que não foram encontrados todos os representantes do conselho escolar. Na escola estadual não encontramos o representante da comunidade, pais e aluno participantes do conselho. Já na escola municipal não foi encontrado: pais e alunos participantes do Conselho. Os quadros abaixo demonstram o perfil dos sujeitos participantes da pesquisa Escola Municipal Estadual Sujeitos Participantes Não Participantes Não Participantes do Conselho participantes do do Conselho do Conselho Conselho Gestor _ Professor Funcionário Representante da comunidade 02 _ Pais _ 02 _ 01 SUJEITOS ESCOLA MUNICIAPL SUJEITOS ESCOLA ESTADUAL

9 Profissão Tempo de profissão Escolaridade Profissão Idade Escolaridade Gestora 30 anos Pós-graduada Gestora 30 anos Nível superior Professora 25 anos Pedagoga/ psicopedagoga Professora 20 anos Graduação em pedagogia Professora 25 anos Superior/ pósgraduação Professora 10 anos Pós- - graduado Auxiliar de serviços gerais (merendeira) 30 anos 4º Série do ensino fundamental Auxiliar administrativo educacional 35 anos Ensino Médio completo Auxiliar de serviços gerais 35 anos 5º série do ensino fundamental Secretária 35 anos Bacharela em direito Secretária 35 anos Ensino médio completo Doméstica (mãe aluno) de 10 anos Ensino médio completo Empregada doméstica (mãe de aluno) 10 anos Estudante do EJA Empregada doméstica (mãe aluno) de 15 anos 5º Série do ensino fundamental 4. As Funções do Conselho Escolar Na analise dos questionários aplicados na Escola Estadual e Municipal, os participantes dos Conselhos Escolares: gestores, professores, funcionários e o representante da comunidade (escola municipal), entendem que o conselho é o momento de participação, perspectiva de gestão democrática e melhoria do funcionamento da escola. Diferentemente destes segmentos, os dois pais e um funcionário não participantes do conselho demonstraram não ter conhecimento do que faz o conselho dentro da escola. Contudo os participantes do conselho (gestor, professor funcionários) tanto da escola estadual, quanto da municipal, entendem que a função do conselho escolar engloba o administrativo, o pedagógico, o participativo e o democrático. Veja o que alguns deles dizem

10 10 O conselho escolar na gestão da escola faz com que as decisões tomadas em prol da escola tenham um caráter democrático permitindo a participação de todos os segmentos envolvidos. (Secretária) Atua de forma geral contribuindo nas decisões da escola seja relacionado ao pedagógico ou financeiro. (professor) Em sua consideração Verza (2000, p.195) diz que Por outro lado, também, se diz que ao conselho cabe criar mecanismos de participação efetiva e democrática da comunidade escolar na definição do projeto político pedagógico. Aqui se assume que o conselho participa, quer na definição do projeto político pedagógico, quer do administrativo. Pode criar os mecanismos indispensáveis a efetiva participação democrática da unidade escolar. Todos os sujeitos participantes da pesquisa têm conhecimento da existência do conselho escolar nas duas escolas, todavia quando se pergunta sobre sua função ainda há certa confusão quanto à distinção, por parte das mães pesquisadas não participantes do conselho de ambas as escolas, com conselho de classe. Veja-se No conselho se trata do comportamento do aluno, respeito com professores e com os colegas. (Mãe 1) Ajuda a compreender o aluno. (Mãe 2) Sobre a atribuição dada ao conselho escolar Aguiar (2009, p.110) diz que O estado oferece este espaço para a comunidade participar e interagir, gerando uma prática democrática, porém os sujeitos da comunidade escolar precisam desenvolver principalmente uma consciência critica e reflexiva sobre a organização dos projetos e sobre os acontecimentos dentro da escola e externos a ela. A autora considera que o conselho foi instituído para ser um espaço de participação e interação com a comunidade, mas o que foi visto pelos sujeitos pesquisados das duas escolas, principalmente os não participantes do conselho, é que há pouco conhecimento das atribuições dadas ao conselho escolar dentro da escola, ou seja, o verdadeiro sentido de sua existência.

11 Ainda falando sobre a atribuição dada ao conselho, os sujeitos não participantes do Conselho da escola estadual não responderam com exatidão sobre a função do Conselho. Veja a consideração dos mesmos: O que o conselho faz é melhorar tudo... Merenda, educação. (Estudante e Mãe de aluno) Percebe-se nessa fala que talvez por esse funcionário não ser participante do Conselho ele não compreenda qual o objetivo do Conselho escolar limitando o Conselho somente a resolução de problemas referente ao aluno.na verdade o Conselho apresenta várias funções dentro da escola. Werle (2003, p.60) afirma que a função do Conselho Escolar: [...] Não é simplesmente resolver o problema do muro da caixa d água ou das lajotas do pátio, mas comprometer-se com o perfil de pessoas que está sendo formado ali dentro, com valores que estão sendo passados em sala de aula. Foi visto também que os pais de alunos não participantes do Conselho de ambas as escolas sabem da existência do conselho escolar, sabem que a escolha dos representantes é feita através de eleição, mas quando indagados sobre sua composição uma das mães não sabe responder, considerando que só o professor é o único participante do conselho escolar O Conselho Escolar e a Participação dos Segmentos A participação dos segmentos no conselho escolar ainda tem sido um grande problema nas escolas pesquisadas. No decorrer da pesquisa foi possível detectar isso pela ausência dos sujeitos para se aplicar o questionário e pelas respostas trazidas pelos pesquisados. O primeiro indício de que existe a ausência desses participantes, foram as contradições trazidas nas respostas dos pesquisados da escola municipal, no que diz respeito à participação: professores consideram que existe participação de todos os sujeitos, já a gestora considera a participação da comunidade falha.veja-se:

12 12 Existe a participação dos vários segmentos da comunidade escolar. Eles participam das reuniões, discutem as idéias e votam pela decisão necessária. (Professora) A comunidade às vezes participam, através das reuniões.(gestora) Pode-se perceber na fala da gestora, que a comunidade ainda não está participando do conselho como deveria, eles ainda são colocados como um segmento não tão importante nesse momento democrático de deliberação, do qual foi lhe cedido por lei e por direito. A consideração da mesma foi de suma importância para se compreender como está sendo a atuação da comunidade dentro do Conselho dessa escola estadual: de participação eventual nas reuniões. Sendo assim, cabe-se refletir sobre esse momento democrático que não está ocorrendo para esse grupo, que tem um papel junto à gestora de fazer com que os desejos da comunidade sejam atendidos. Segundo Marques (2007, p. 95): O conselho escolar constitui-se em uma instância deliberativa nas unidades escolares, sendo um local dos debates e tomadas de decisões. É formada pelos representantes dos diferentes segmentos que compõem a comunidade escolar, constituindo-se, assim, no órgão máximo de decisões da escola, possibilitando a delegação de responsabilidade e o envolvimento dos participantes na sua gestão, sendo, portanto, um elemento fundamental na construção de uma escola democrática. A autora deixa claro que os conselhos escolares são formados pelos diferentes segmentos e que requer o envolvimento de todos os participantes. Assim, a partir do que foi dito, não só a gestora, professores e funcionários compõem esses conselhos escolares, mas a comunidade também tem seu espaço de participação. Falando ainda de participação, foi visto também que os pais de alunos não participantes do conselho de ambas as escolas sabem da existência do conselho escolar, sabem que a escolha dos representantes é feita através de eleição, mas quando indagada sobre quem compõem o conselho, uma das mães não sabe responder quais os segmentos que existem dentro do conselho, considerando que só o professor é participante do conselho escolar. Verza (2000, p.197) acrescenta que: As experiências dos Conselhos Escolares enquanto possíveis instrumentos de democratização da escola carecem ainda de maior tempo, face aos breves espaços democráticos vividos pelos pais.

13 O autor considera que ainda há uma falta de entrosamento por parte da gestão da escola para com os pais, ou seja, esses pais continuam um pouco distante ou a margem desse órgão, que é o conselho escolar. Foi perceptível isso na escola municipal pesquisada, pelo fato de se não conseguir encontrar uma mãe ou pai participante do conselho para aplicar o questionário. A diretora ainda afirmou que às vezes não tem uma mãe para participar das reuniões do conselho, muitas vezes ela pega uma mãe na sala de aula, que estuda na escola, para participar da reunião. Embora a maioria das respostas aponte que o Conselho tem a participação de todos os segmentos, também não conseguimos encontrar nenhum aluno que fizesse parte do conselho em ambas as escolas. Na escola estadual a diretora justificou a ausência desse segmento dizendo que o mesmo já tinha concluído o ensino médio e ainda não teriam feito uma nova eleição para escolha de um outro aluno. Já na escola municipal a coordenadora informou que os alunos participantes do conselho estudam no turno da noite, e mesmo se deslocando a escola no turno referido pela mesma, não foi encontrado nenhum aluno participante. Percebe-se assim, em ambas as escolas pesquisadas, que ainda não é dada a devida importância à participação dos pais e alunos nas decisões. No entanto, a participação desse segmento é fundamental no momento de tomada de decisões O Conselho Escolar e a Tomada de Decisões A respeito da tomada de decisões dos conselhos escolares, quanto ao atendimento das necessidades da escola e sua efetivação, percebemos, a partir da fala de gestores, professores e representante da comunidade, que as decisões tomadas nas reuniões do conselho em conjunto correspondem às necessidades da escola, conforme ilustram os fragmentos abaixo: As decisões atendem sim as necessidades, porque as reuniões acontecem sempre que necessário para discutir e aprovar as necessidades da escola. (professor 1) Atendem sim. Pois tomamos juntas as decisões necessárias, para um bom andamento da escola, junto à comunidade. (professor 2) No mesmo sentindo, o estudo de Paro (1998, apud Aguiar 2007, p. 100) evidencia que:

14 14 Havendo maior participação da comunidade escolar nas decisões sobre seus objetivos e funcionamento, a escola estará pressionando o estado para que este dê condições necessárias, como recursos e autonomia, tornando o diretor democrático no momento da tomada de decisões junto a comunidade escolar. Em contrapartida, percebeu-se nas respostas principalmente dos professores não participantes do conselho, que ainda não há a efetivação total das decisões tomadas pelo conselho, atendendo às necessidades da escola. De acordo com suas respostas nem sempre a efetivação das decisões é possível de ser realizada. Eles dizem: A efetivação das decisões quase sempre acontece (professor) Em partes se efetivam. (professor) Sobre a efetivação dessas decisões Vianna (1995, p. 67) diz que: Na gestão colegiada, todos os membros participam das decisões prioritárias, permanecendo o diretor com a responsabilidade de efetivá-las na pratica e cotidiano escolar, evitando que o mesmo seja autônomo na tomada de decisões, ficando apenas com a autonomia de executar e adaptar o que for necessário. Um dos representantes da comunidade da escola municipal apresenta, através de sua resposta, muita satisfação em relação à efetivação das decisões em sua escola. Ele ressalta que está fazendo muito mais do que é discutido nas reuniões. O mesmo respondeu o seguinte: A maioria das decisões é efetivada, inclusive o que não é decido em reunião, porém que são necessidades da escola. (representante da comunidade) O outro representante da comunidade da mesma escola trouxe um fato muito interessante a respeito de como são dispostas as necessidades da escola nas reuniões do conselho. Veja a seguir seu relato: A diretora traz as idéias para ver se nós concordamos então nós votamos se estamos de acordo ou não. (Representante da comunidade) Pelo que foi dito pelo representante da comunidade, entende-se a participação ainda não corresponde ao que se espera em uma gestão democrática. As decisões devem ser discutidas e analisadas com todos os segmentos e isso não vem acontecendo, já que o gestor traz a decisão já elaborada e informa aos participantes e eles só dizem se devem ou não ser executadas.

15 Sobre esse assunto Verza (2000, p. 197) considera que [...] ainda vigora de forma acentuada que os conselhos são convocados para aprovar o que foi proposto pela escola. Muito menos a comunidade escolar restrita é chamada para discutir, debater o que a escola decidiu. É o corpo dirigente da escola que decide. Os conselhos, em numerosas escolas, cumprem função meramente legal, formal, convocados para carimbar o que já foi decidido. Ficou claro na fala do autor que em muitas escolas os conselhos escolares apenas existem para disfarçar a existência uma gestão democrática e participativa. Mas o que esses conselhos são na verdade, breves espaços ditos democráticos, no qual o centralismo e autoritarismo da gestão ainda prevalecem Sobre as Reuniões do Conselho Quanto às reuniões do Conselho Escolar perguntamos quantas eram feitas durante o ano. Nove sujeitos responderam que não sabiam e os sete restantes disseram as reuniões acontecem sempre que necessário. Isso pode ser percebido nas seguintes falas: A quantidade não é fixa, depende das necessidades que vão surgindo ao longo o ano letivo. (professora) As reuniões acontecem de acordo com a necessidade do grupo podendo. Todos os membros podem convocar o conselho. (gestora) Temos quatro ou mais reuniões. Depende das necessidades do momento. (Secretaria) Embora nesta última fala a secretária da escola estadual afirme ter quatro ou mais reuniões durante o ano, ao analisarmos as atas de reuniões percebemos que a ultima reunião do Conselho aconteceu no início de 2010 e que neste ano não havia registro de nenhuma reunião. Na escola municipal embora a vice diretora tenha nos informado da existência desse documento não conseguimos ter acesso, porque a direção sempre colocava obstáculo. Na ata analisada da escola estadual, encontramos registros de decisões tomadas nas reuniões e prestações de contas do que foi feito com a verba e também registros das eleições feitas para escolha dos segmentos no Conselho Semelhanças e diferenças nos Conselhos da escola Municipal e estadual

16 16 A estrutura dos Conselhos Escolares da Escola Estadual e Municipal se apresenta da mesma forma, ou seja, eles são idênticos na sua organização e composição, nos problemas e dificuldades. Nas duas escolas a dificuldade maior é reunir todos os segmentos na participação das tomadas de decisões nas reuniões do Conselho. Há também algumas considerações da não efetivação das decisões nas duas escolas, como demonstra o quadro abaixo Semelhanças e diferenças entre a escola Estadual e a Municipal: Semelhanças Escolhe seus segmentos através de eleições; Demonstram dificuldades na efetivação das decisões e ausência de todos os segmentos na composição do conselho; Diferenças O conselho da escola municipal demonstrou ser mais organizado na sua estrutura, pois apresentou mais segmentos na sua composição. Possuem ata de presença e ata de efetivação das decisões. Apesar desses impasses e incompletudes encontrados na pesquisa de campo, principalmente na composição dos segmentos, percebemos que as duas escolas têm no conselho escolar um momento de participação e melhoria da qualidade da escola. Acredita-se que as mesmas caminham para democratização. 5. Considerações Finais O debate aqui em pauta gira em torno da atuação dos Conselhos escolares de duas escolas do Recife. O que ficou claro em nossa pesquisa é que o Conselho escolar é um importante instrumento para que a democratização e a descentralização da gestão da escola aconteça. Ressaltamos que o mesmo é um produto de várias normatizações legais, como a Lei de Diretrizes de Base da Educação que, em seu artigo 14 e 15, estabelece que os sistemas de ensino definam normas da gestão democrática.

17 Os conselhos escolares investigados tinham a função consultiva, deliberativa e a fiscalizadora, através de resoluções de questões pedagógicas, administrativa e financeira dentro das discussões do âmbito escolar. Percebeu-se que existe a participação dos seguintes segmentos nos Conselhos escolares: gestor, professores, funcionários, representante da comunidade (na municipal). Os alunos deixam a escola e não são substituídos, os pais de alunos, muitas vezes, não aparecem nas reuniões e são pegos na hora somente para marcar presença, sem preparo e entendimento da sua função dentro daquele Conselho. Mesmo sabendo que cada Conselho Escolar é único em cada escola, procuramos fazer uma comparação entre o Conselho da escola estadual e municipal procurando identificar se há diferenças e semelhanças entre eles. Percebemos que ambos têm as mesmas dificuldades, haja vista que o problema é sempre a participação. Na questão da efetivação das decisões, uns segmentos consideram que se efetivam, outros não. Os professores que não fazem parte do Conselho, afirmam que quase sempre as decisões são efetivadas, ou seja, não há efetivação de todas as decisões. Entende-se que, nas escolas estudadas, o conselho escolar é o caminho para democratizar a gestão através da participação. E é com a participação de todos que os compõem que se pode estar melhorando a estrutura da escola, o pedagógico através das decisões acertadas em conjunto. Acreditamos que as mesmas buscam isso, apesar das dificuldades aqui descritas. Assim, foi verificado que descentralizar a gestão através dos conselhos escolares não parte apenas de leis ou normatizações, mas da ação dos sujeitos nesse espaço social. Desta forma, a hipótese de que o conselho escolar respalda a democratização, se confirmou em parte nas escolas pesquisadas, pois ainda encontraram-se muitos entraves para tal. Não sabemos se o problema é da gestão em não priorizar a participação de todos os representantes nas reuniões ou da própria comunidade e seus segmentos que se omitem de participar desse momento democrático por falta de conhecimento de sua importância. Aqui queremos defender, com base nos estudos de Marques (2007), que a gestão contribui também com a democratização da própria sociedade, tendo em vista que a democracia social se consolidaria a partir das relações democráticas nos diferentes espaços sociais.

18 18 Percebemos, assim, que muita coisa mudou, apesar das dificuldades aqui descritas. Assim essas escolas caminham para ser mais democrática, oportunizando às vezes a voz da comunidade nas decisões através desses conselhos escolares. Referências AGUIAR, M. C. C. Dilemas da Gestão Democrática Escolar no Contexto Atual. In: BOTLER. A. H. (org.) Organização, Financiamento e Gestão Escolar: subsídios para formação do professor. Recife: Ed. Universitária UFPE, BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. Conselho Escolar como espaço de formação humana: circulo de cultura e qualidade da educação/elaboração Lauro Carlos Wittmann...[ et. AL.]. Brasília : MEC,2006. BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. Conselho Escolar como espaço de formação humana: circulo de cultura e qualidade da educação/elaboração Ignez Pinto Navarro[ et. AL.]. Brasília: MEC, SEB 2004 CURY, C. R. J. Os conselhos de educação e a gestão dos sistemas. In: FERREIRA, N. S.C.; AGUIAR, M. A. S.(org.) Gestão da educação: impasses, perspectivas e compromissos. 3. ed. São Paulo : Cortez, LUCK, Heloisa. A gestão Participativa na Escola. Petrópolis: Vozes, MARQUES, L. R. Trajetória de Implantação dos Conselhos Escolares no Brasil. In: BOTLER. A. H. (org.) Organização, financiamento e gestão escolar: subsídios para formação do professor. Recife: Ed. Universitária UFPE, OLIVEIRA, S. L. Tratado de metodologia científica projetos de pesquisas, TGI, TCC, monografias, dissertações e teses. 2 ed. São Paulo: Pioneira, PARO, V. Gestão democrática da escola pública. 2. Ed. São Paulo: Ática, SOUZA, Ângelo Ricardo. Explorando e Construindo um Conceito de Gestão Democrática. Educação em Revista. Belo Horizonte, v.25, n. 3, p , dez VERZA, S. B. As políticas públicas de educação no município. Ijuí: Unijai, WERLE. F. O. C. Conselhos Escolares: implicações na gestão da escola básica. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

OS CANAIS DE PARTICIPAÇÃO NA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO PÓS LDB 9394/96: COLEGIADO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

OS CANAIS DE PARTICIPAÇÃO NA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO PÓS LDB 9394/96: COLEGIADO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO 1 OS CANAIS DE PARTICIPAÇÃO NA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO PÓS LDB 9394/96: COLEGIADO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Leordina Ferreira Tristão Pedagogia UFU littledinap@yahoo.com.br Co

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR Alex Vieira da Silva 1 RESUMO O presente artigo pretende discutir os princípios da gestão democrática no contexto educacional, visando perceber

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação Cartilha para Conselhos Municipais de Educação Sistemas de ensino são o conjunto de campos de competências e atribuições voltadas para o desenvolvimento da educação escolar que se materializam em instituições,

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1245 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Maria Luiza de Sousa Pinha, José Camilo dos

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Resumo Gisele Gomes Avelar Bernardes- UEG 1 Compreendendo que a educação é o ponto chave

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social PAPER DA CARTILHA DO FÓRUM INTERSETORIAL DE CONSELHOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

GESTOR COMUNITÁRIO DA EDUCAÇÃO: UMA FIGURA PARA FORTALECER O CARÁTER DEMOCRÁTICO DO CONSELHO ESCOLAR

GESTOR COMUNITÁRIO DA EDUCAÇÃO: UMA FIGURA PARA FORTALECER O CARÁTER DEMOCRÁTICO DO CONSELHO ESCOLAR 1 GESTOR COMUNITÁRIO DA EDUCAÇÃO: UMA FIGURA PARA FORTALECER O CARÁTER DEMOCRÁTICO DO CONSELHO ESCOLAR Renata Pierini Ramos Orientador: Prof. Dr. Celso Luiz Aparecido Conti Mestrado em Educação Linha de

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

Gestão Democrática da Educação

Gestão Democrática da Educação Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Sistemas de Ensino Coordenação Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Sistemas de

Leia mais

Regulamento da CPA Comissão Própria de Avaliação DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE VISCONDE DO RIO BRANCO CAPÍTULO I

Regulamento da CPA Comissão Própria de Avaliação DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE VISCONDE DO RIO BRANCO CAPÍTULO I Regulamento da CPA Comissão Própria de Avaliação DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE VISCONDE DO RIO BRANCO CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1 - O presente Regulamento disciplina a organização,

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias OS CICLOS DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO HUMANO E A REALIDADE DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA PÚBLICA Suzane Ribeiro Milhomem E-mail:

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 FALA PEDAGOGIA Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 Daniela Erani Monteiro Will O Projeto Político Pedagógico (PPP), há alguns anos, está na pauta de discussões

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DO AMAPÁ TITULO I DA NATUREZA

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DO AMAPÁ TITULO I DA NATUREZA REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DO AMAPÁ TITULO I DA NATUREZA Art. 1. O Fórum Estadual Permanente de Apoio à Formação Docente do Estado do Amapá é a

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA Maria Cleonice Soares (Aluna da Graduação UERN) 1 Kátia Dayana de Avelino Azevedo (Aluna da Graduação UERN) 2 Silvia

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS

FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS 1. Natureza e Finalidade O Fórum Regional de Educação Infantil do Alto Vale do Itajaí - FREIAVI é um espaço

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009.

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009. Plano de Ação Colégio Estadual Ana Teixeira Caculé - Bahia Abril, 2009. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Unidade Escolar: Colégio Estadual Ana Teixeira Endereço: Av. Antônio Coutinho nº 247 bairro São

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO RESUMO

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO RESUMO Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia - N. 6, JAN/JUN 2009 GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO Beanilde Toledo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 03/2002 R E S O L V E:

RESOLUÇÃO Nº 03/2002 R E S O L V E: RESOLUÇÃO Nº 03/2002 Dispõe sobre o processo de avaliação, recuperação, aprovação e reprovação, para o Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis. O PRESIDENTE DO CONSELHO MUNICIPAL

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011 Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011 LEI Nº 810 DE 6 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre a reorganização dos Conselhos Escolares do Sistema Estadual de Ensino e dá

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO AUDIOVISUAL DE PERNAMBUCO

REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO AUDIOVISUAL DE PERNAMBUCO REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO AUDIOVISUAL DE PERNAMBUCO CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Consultivo do Audiovisual de Pernambuco, órgão colegiado permanente, consultivo e

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 GESTÃO PARTICIPATIVA NA CONSTRUÇÃO DA QUALIDADE DE ENSINO EM COOPERATIVAS EDUCACIONAIS DO PIAUÍ Cyjara Orsano

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E LEGISLAÇÃO: UM CONVITE AO DIÁLOGO

EDUCAÇÃO INFANTIL E LEGISLAÇÃO: UM CONVITE AO DIÁLOGO Secretaria Municipal de Educação maele_cardoso@hotmail.com Introdução A Educação Infantil, primeira etapa da Educação Básica, constitui se no atendimento de crianças de 0 a 5 anos de idade, em instituições

Leia mais

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO Presidente Carmen Maria Teixeira Moreira Serra Secretário

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Conforme texto publicado no Boletim de Serviço nº 047 de 18/04/2005 páginas 05 a 11 REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Seção I Da criação

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família Faculdade Sagrada Família DISCIPLINA: Gestão Escolar 4º período de Pedagogia Prof Ms. Marislei Zaremba Martins Texto: Equipe da Área de Educação Formal - Instituto Ayrton Senna A gestão da educação precisa

Leia mais

A Família e sua importância no processo educativo dos alunos especiais

A Família e sua importância no processo educativo dos alunos especiais Geyza Pedrisch de Castro Joana Darc Macedo Passos Sandra Lima Karantino A Família e sua importância no processo educativo dos alunos especiais Guajará Mirim RO. 2012. 1. JUSTIFICATIVA O presente Projeto

Leia mais

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA Preâmbulo: - Considerando que a educação é um bem público e, conforme dispõe o art. 209 da carta constitucional,

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Resolução CME n 20/2012 Comissão de Ensino Fundamental Comissão de Legislação e Normas organização Define normas para a dos três Anos Iniciais do Ensino Fundamental das Escolas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Er REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art 1º O Fórum da Agenda 21 Local Regional de Rio Bonito formulará propostas de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável local, através

Leia mais

TEXTO 1: A DIMENSÃO PARTICIPATIVA DA GESTÃO ESCOLAR

TEXTO 1: A DIMENSÃO PARTICIPATIVA DA GESTÃO ESCOLAR TEXTO 1: A DIMENSÃO PARTICIPATIVA DA GESTÃO ESCOLAR Heloísa Luck O trabalho escolar é uma ação de caráter coletivo, realizado a partir da participação conjunta e integrada dos membros de todos os segmentos

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO Secretaria Extraordinária de Apoio às Políticas Educacionais Casa Civil Governo de Mato Grosso PROJETO DE LEI Nº

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO Secretaria Extraordinária de Apoio às Políticas Educacionais Casa Civil Governo de Mato Grosso PROJETO DE LEI Nº PROJETO DE LEI Nº Modifica a LC 30/93 e adota outras providências. Autoria: Poder Executivo A Assembléia Legislativa do Estado do Mato Grosso aprova e o Governador do Estado sanciona a seguinte Lei Complementar:

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

CONSELHO DELIBERATIVO DA COMUNIDADE ESCOLAR CDCE / 2013

CONSELHO DELIBERATIVO DA COMUNIDADE ESCOLAR CDCE / 2013 ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO ESCOLAR COORDENADORIA DE PLANEJAMENTO E MONITORAMENTO DA GESTÃO ESCOLAR GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO DO ATENDIMENTO

Leia mais

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE REGULAMENTO DOS NÚLCLEOS DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS (NEABIs) DO IFRS Aprovado pelo Conselho Superior do IFRS, conforme Resolução nº 021, de 25 de fevereiro de 2014. CAPÍTULO I: DA NATUREZA

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Perguntas mais frequente e respostas do Departamento de Políticas Educacionais. 1. Qual é a nomenclatura adequada para o primeiro ano do ensino fundamental

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO?

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO? PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO? Daniella Brito de Oliveira Cotrim¹, Luciana Maria Pereira Rocha², Viviane Silva Santos Malheiros³, Kalyanne Pereira de Oliveira 4 1 Discente do curso de

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar O Projeto Político Pedagógico Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar 1 A sua escola possui uma Proposta Pedagógica (ou Projeto Político Pedagógico - PPP? Em caso afirmativo,

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

A Gestão Democrática como instrumento de transformação das Práticas Escolares

A Gestão Democrática como instrumento de transformação das Práticas Escolares UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ESCOLAR (EaD) A Gestão Democrática como instrumento de transformação das Práticas Escolares Profª Drª Maria Auxiliadora Maués de L. Araujo

Leia mais

Considerando o disposto no artigo 12, inciso V; artigo 13, inciso IV, e artigo 24, inciso V, alínea e, da Lei Federal 9394/96;

Considerando o disposto no artigo 12, inciso V; artigo 13, inciso IV, e artigo 24, inciso V, alínea e, da Lei Federal 9394/96; ATO NORMATIVO da Secretaria Municipal da Educação Resolução SME nº4, de 05 de março de 2015. Dispõe sobre a Recuperação da Aprendizagem, de maneira Contínua e/ou Paralela, no Ensino Fundamental da Rede

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

Apresentação. Caicó/RN 2010

Apresentação. Caicó/RN 2010 Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Católica Santa Teresinha CPA/FCST (Aprovado pela Resolução 001/2010-DG/FCST, datado de 14/07/2010) Caicó/RN 2010 Apresentação O Regimento

Leia mais

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád 1. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GICO 1.1 É a própria pria organização do trabalho pedagógico gico escolar como um todo, em suas especificidades, níveis n e modalidades. 1.2 É Político por que diz respeito

Leia mais

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) -

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) - CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as atividades inerentes ao processo

Leia mais

UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR

UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR Neiva Maestro 1 A participação, sem dúvida, é o principal meio de se assegurar a gestão da escola que se quer democrática. Deve possibilitar

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

CONTROLE SOCIAL DO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO EM CENTROS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Luciana Bandeira Barcelos ProPEd/ UERJ

CONTROLE SOCIAL DO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO EM CENTROS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Luciana Bandeira Barcelos ProPEd/ UERJ CONTROLE SOCIAL DO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO EM CENTROS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Luciana Bandeira Barcelos ProPEd/ UERJ RESUMO O projeto de pesquisa em curso objetiva investigar o controle social

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação. Resolução COMEV Nº. 01/2014

Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação. Resolução COMEV Nº. 01/2014 Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação Resolução COMEV Nº. 01/2014 Fixa normas relativas à Organização e Funcionamento do Ciclo Inicial de Aprendizagem do Ensino Fundamental na

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS Carine Ferreira Machado Virago 1 Carla Cristiane Costa 2 Resumo: A nova conjuntura educacional, voltada especialmente a uma educação integral

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

A ESCOLA MUNICIPAL DE JATAÍ E O DESAFIO NA CONSOLIDAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS

A ESCOLA MUNICIPAL DE JATAÍ E O DESAFIO NA CONSOLIDAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS A ESCOLA MUNICIPAL DE JATAÍ E O DESAFIO NA CONSOLIDAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS SILVA, Thaysa Pereira; RAIMANN, Elizabeth Gottschalg Universidade Federal de Goiás/ Campus Jataí; thaysapsilva@hotmail.com

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais