UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ EW-DOG: GUIA RETRÁTIL COM COMPARTIMENTO PARA COLETORES ALINE HORNBURG Professora Orientadora Carla Arcoverde de Aguiar CURSO DE DESIGN INDUSTRIAL TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BALNEÁRIO CAMBORIÚ,

2 ALINE HORNBURG EW-DOG: GUIA RETRÁTIL COM COMPARTIMENTO PARA COLETORES Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Curso de Design Industrial da Universidade do Vale do Itajaí para a obtenção do título de BACHAREL em DESIGN INDUSTRIAL, sob a orientação da professora Carla Arcoverde de Aguiar BALNEÁRIO CAMBORIÚ

3 DEDICATÓRIA Em especial às duas alegrias caninas da minha vida, Belinha e Ringo. 3

4 AGRADECIMENTOS Aos meus pais por praticamente tudo. Pelos erros e acertos que tanto me ajudaram a ser quem sou hoje; A todos os meus familiares, amigos e ao meu namorado Fábio que pude conhecer durante este tempo de faculdade e que sempre esteve ao meu lado me apoiando da melhor maneira possível; A uma amiga em especial, Christine, que conheci no primeiro dia de aula, por poder contar com ela sempre que preciso e que tanto me ajudou neste projeto; A minha orientadora Carla e a todos os professores que me aguentaram e que de alguma forma contribuíram para esta conquista. 4

5 Um cão não precisa de carros modernos, palacetes ou roupas de grife. Símbolos de status não significam nada para ele. Um pedaço de madeira encontrado na praia serve. Um cão não julga os outros por sua cor, credo ou classe, mas por quem são por dentro. Um cão não se importa se você é rico ou pobre, educado ou analfabeto, inteligente ou burro. Se você lhe der seu coração, ele lhe dará o dele. É realmente muito simples, mas, mesmo assim, nós humanos, tão mais sábios e sofisticados, sempre tivemos problemas para descobrir o que realmente importa ou não (Grogan, 2006) 5

6 RESUMO Este artigo apresenta o projeto de uma guia retrátil com compartimento para sacolas e/ou coletores de dejetos caninos, abordando, sobretudo a prática de atividades de lazer com cães e o resultado que estas atividades estão gerando por falta de consciência dos donos de cães. A acepção do projeto iniciou-se através de pesquisas/questionários e entrevistas relacionadas a não utilização de coletores e sacolas devido a dificuldade de transporte destes dejetos até um lixeiro específico e até mesmo a situações vergonhosas. Com isto, foram estudadas algumas alternativas que iriam desde coletores propriamente ditos até a idéia principal de uma guia, que já é um equipamento necessário ao passeio do cão, com um compartimento para guardar sacolas para a coleta de dejetos caninos, fazendo com que se mantenham locais públicos sempre limpos e longe de doenças que são transmitidas através destes dejetos. Palavras-chave: Lazer. Locais públicos. Dejetos caninos. 6

7 ABSTRACT This article presents the design of a guide with retractable compartment for bags and / or collectors of canine waste, addressing in particular the practice of leisure activities with dogs and the result that these activities are causing a lack of awareness of the owners of dogs. The purpose of the project has been initiated through research / questionnaires and interviews related to non-use of bags and collectors because of the difficulty of transporting such waste to a trash dump area specific situations and even shameful. With this, some alternatives that were studied were collectors themselves up since the main idea of a guide, which is an equipment required to walk the dog, with a compartment for storing bags for collecting dog waste, so that they remain public places where clean and away from diseases that are transmitted through the slurry. Keywords: Leisure. Public places. Canine waste. 7

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Mapa Conceitual...14 Figura 2 Portes dos cães...20 Figura 3 Painel Estética...23 Figura 4 Painel Materiais...23 Figura 5 Expressão do produto...27 Figura 6 Tema Visual...27 Figura 7 Público Alvo...27 Figura 8 Alternativa Final Figura 9 Alternativa Final Figura 10 Alternativa Final Figura 11 Análise das Alternativas Finais...30 Figura 12 Alternativa Escolhida...31 Figura 13 Ambientação da Guia...32 Figura 14 Construção Modelo Volumétrico...32 Figura 15 Modelo Volumétrico Figura 16 Modelo Volumétrico...33 Figura 17 Percentil 5% e 95%...33 Figura 18 Sacolas e dejetos em adequação com a guia...34 Figura 19 Forma de Inspiração...35 Figura 20 Harmonia...36 Figura 21 Equilíbrio da Guia...37 Figura 22 Inspiração Anos Figura 23 Coloração em Contraste...38 Figura 24 Opção de Cor Figura 25 Opção de Cor Figura 26 Opção de Cor Figura 27 Percentuais 5% e 95%...43 Figura 28 Capacidade de Sacolas no Compartimento...44 Figura 29 Capacidade de dejetos caninos no compartimento...44 Figura 30 Posição correta para deslocamento...45 Figura 31 Posição com o cachorro puxando...45 Figura 32 Postura correta para levantar cargas...46 Figura 33 Tipos de Manejo Grosseiro...46 Figura 34 Tipos de Manejo Fino...47 Figura 35 Sistema de Trena...56 Figura 36 Base Retrátil...56 Figura 37 Vista explodida do produto...57 Figura 38 Base da guia e silicone...57 Figura 39 Base da guia em perspectiva...58 Figura 40 Fita e Mosquetão...58 Figura 41 Base do Compartimento...59 Figura 42 Partes do Produto em ABS...59 Figura 43 Corda Trançada de Poliéster (PET)...60 Figura 44 Fitas Expressas...61 Figura 45 Mosquetão de INOX - Iate...61 Figura 46 Fita de Aço Alto Carbono...62 Figura 47 Parafuso Fenda Philips...62 Figura 48 Desenho Esquemático de uma Injetora

9 Figura 49 Processo de Injeção...64 Figura 50 Processo de Injeção Figura 51 Acabamento de Verniz...65 Figura 52 Sistema Touch Bin...65 Figura 53 Sistema de Botão Shurter...66 Figura 54 Botão Shurter...66 Figura 55 Sistema de Travamento da Guia...67 Figura 56 Disposição dos 4Ps...68 Figura 57 Marca EW-DOG...69 Figura 58 Embalagem EW-DOG Figura 59 Embalagem EW-DOG Aberta e Verso...70 Figura 60 A Arte de Dobrar Sacolas...71 Figura 61 Pet Shop Planet Dogs Fachada...72 Figura 62 Pet Shop Planet Dogs Interior...72 Figura 63 The Green Dog...72 Figura 64 Cartaz de Divulgação

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Metodologia de Löbach...15 Figura 2 Metodologia Adaptada...15 Figura 3 Medidas de Variações

11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO METODOLOGIA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA LAZER SOCIAL DESENVOLVIMENTO ECOLÓGICO Meio Ambiente COMPANHIA Animal de Estimação DEJETOS CANINOS EM VIAS PÚBLICAS ESTADO DO DESIGN PESQUISA DE CAMPO PROBLEMA DE PROJETO CONCEITUAÇÃO FERRAMENTAS PROJETUAIS Briefing Painéis Semânticos CONCEPÇÃO TÉCNICAS DE CRIATIVIDADE GERAÇÃO DE ALTERNATIVAS ALTERNATIVA ESCOLHIDA MODELO VOLUMÉTRICO Adequações Volumétricas MEMORIAL DESCRITIVO FUNÇÃO ESTÉTICO FORMAL Forma Gestalt Harmonia Equilíbrio Contraste / Cores / Materiais Simplicidade Arredondamento FUNÇÃO SIMBÓLICA FUNÇÃO DE USO FUNÇÃO ERGONÔMICA AEP Usabilidade Adequação Antropométrica Adequação Biomecânica Adequação Fisiológica / Ambiental Adequação Cognitiva Desenho Técnico

12 8.5 FUNÇÃO TÉCNICA Tecnológica Sistema Construtivo Materiais Acrilonitrila Butadieno Estireno ABS Silicone Processos e Fabricações Injeção FUNÇÃO OPERACIONAL Sistema de abertura do compartimento Sistema de travamento da guia FUNÇÃO ECOLÓGICA / SUSTENTABILIDADE FUNÇÃO COMERCIAL Produto Diferenciais Qualidade Marca Embalagem Preço Praça ou Ponto Pontos de Venda Promoção Propaganda FUNÇÃO INFORMACIONAL CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICES

13 1 INTRODUÇÃO O conteúdo abordado neste trabalho refere-se a uma pesquisa que teve como tema principal a atividade de lazer com cães. Assim como acontece com os seres humanos, os cães também necessitam praticar atividades físicas. Segundo Ravaglia (2008) na prática, os cães promovem a integração entre as pessoas, tornando-as mais sociáveis. Este acrescenta ainda um estudo realizado pela University New South Wales (Austrália) que mostrou que 41% dos proprietários de cães caminham 18% a mais do que os que não têm cachorros. Mesmo que os cães incentivem de certo modo a prática destas atividades é fundamental saber que estes também possuem suas necessidades (fezes e urinas) e muitas vezes estas acontecem durante um simples passeio pelo parque, o que se deve ter em mente é que estes dejetos precisam ser recolhidos e destinados a locais próprios. Muitas fezes de cães contaminados transmitem doenças sérias para os seres humanos e também para o próprio cão, chamadas estas de Zoonoses1. Pereira (2008) afirma que os animais podem se infestar de diversas maneiras, como em passeios na rua, praça ou na praia. As formas de infestação vão desde a ingestão de ovos e larvas dos vermes presentes no ambiente, penetração de larvas na pele e até mesmo via placentária ou mamária. A maneira mais fácil de controlar estas transmissões é manter o animal sempre limpo e os locais em que eles despejam suas fezes também. Assim sendo, a pesquisa teve como principal objetivo o desenvolvimento de um produto que auxilie o transporte de dejetos caninos em momentos de lazer até uma lixeira adequada e/ou a própria residência do usuário. Para alcançar o objetivo em questão foram necessárias pesquisas de campo avaliando as reais necessidades e dificuldades em coletar os dejetos; entrevistas com profissionais da área alertando sob a seriedade de doenças transmitidas pelas fezes caninas; verificação da falta de hábito das pessoas em coletar dejetos de seus próprios cães; priorização de problemas em necessidades específicas na hora do passeio com os cães em lugares públicos. A pesquisa justifica-se pelo fato de ser claramente visível a presença de dejetos expostos em locais públicos e a freqüente prática de exercícios físicos com cães nestes locais, favorecendo a criação de um produto que incentive o uso da coleta de dejetos caninos, que não haja a necessidade de mais um equipamento ou acessório nos momentos de lazer com os cães e que ajude a conscientização dos donos desses. Para a identificação do problema desta pesquisa, foram feitas leituras e processos específicos reconhecidos como método de pesquisa. Após a área de interesse, levantou-se materiais próprios e também pesquisas de campo e questionários necessários à problematização. As limitações e delimitações do projeto estão ligadas diretamente ao público alvo, usabilidade e questões ambientais e de saúde, tanto do usuário quanto do animal de estimação. O produto terá, então, seu público destinado à donos de cães, que praticam atividades de lazer com estes, de ambos os sexos e diferentes faixa etária. O produto entende-se por funções secundárias, não necessitando de segundos acessórios, abordando então, a idéia de ter-se uma guia com um compartimento para sacolas e/ou coletores. Possuindo um espaço interno relativamente adequado e distribuído de forma 1 Disponível em: 13

14 inteligente, se acaso necessitar, pode-se estar guardando sacolas e/ou coletores até um local específico para a retirada da mesma. A revisão bibliográfica descrita a seguir, teve seu embasamento no mapa conceitual apresentado pela figura 1 onde demonstra o caminho tomado para se chegar ao desenvolvimento do produto. Figura 1: Mapa Conceitual 14

15 2 METODOLOGIA A metodologia adotada para a realização do projeto teve base na metodologia de Löbach (2001). O autor defende que as etapas de um processo de design não devem ser distintas, elas se interpenetram, se relacionam entre si. O processo de design é tanto um processo criativo, como um processo de solução de problemas concretizado em um projeto industrial, incorporando as características que possam satisfazer às necessidades humanas de forma duradoura. Löbach (2001) divide este processo em quatro fases: Análise do problema, geração de alternativas, avaliação das alternativas e realização da solução do problema, encontrados na tabela 1. A partir desta metodologia fez-se uma adaptação, onde as mudanças foram para que sejam mais esclarecidas quanto ao produto do projeto, de primeiro pode ser notada a divisão das fases, fez-se apenas 3 e subdividiu-as de maneira simples. A primeira, sendo a preparação, onde manteve-se os itens abordados pelo Löbach (2001) e retirados os que não faziam coerência com o projeto. Na segunda fase, ao invés de duas inteiras, desenvolveu-se uma que integrasse os mesmos itens, e na terceira fase, utilizou-se de soluções projetuais finais referentes à metodologia feita pelos designers já citados. Ficando objetiva e bastante voltada ao EcoDesign e materiais reutilizados, escolhendo sobretudo a melhor solução do projeto ao final. Apesar das mudanças entre as duas, o objetivo e a linha de raciocínio mantiveram-se os mesmos optando sempre em levar mais em conta o lado ecológico para com o desenvolvimento do produto. Processo Criativo Processo de solução do problema Processo de design (desenvolvimento do produto) 1. Fase de preparação Análise do problema Análise do problema de design Conhecimento do problema Análise da necessidade Coleta de informações Análise da relação social (homem-produto) Análise das informações Análise da relação com ambiente (produto-ambiente) Desenvolvimento histórico Análise de mercado Análise da função (funções práticas) Análise estrutural (estrutura de construção) Análise da configuração (funções estéticas) Análise de materiais e processos de fabricação Patentes, legislação e normas Análise de sistema de produtos (produto-produto) Distribuição, montagem, serviço a clientes, manutenção Discrição das características do novo produto 2. Fase da geração Definição do problema, clarificação do Descrição das características do novo produto problema, definição de objetivos Exigências para com o novo produto Alternativas do problema Alternativas do design Escolha dos métodos de solucionar Conceitos do design problemas, produção de idéias, geração Alternativas de solução de alternativas Esboço de idéias Modelos 3. Fase da Avaliação 4. Fase da realização Avaliação das alternativas do problema Avaliação das alternativas de design Exame das alternativas, processo de Escolha da melhor solução seleção, processo de avaliação Incorporação das características ao novo produto Realização da solução do problema Solução de design Realização da solução do problema, Projeto mecânico Nova avaliação da solução Projeto estrutural Configuração dos detalhes (raios, elementos de manejo, etc.) Desenvolvimento de modelos Desenhos técnicos, desenhos de representação Documentação do projeto, relatórios Tabela 1: Metodologia de Löbach Fonte: Löbach (2001) Tabela 2: Metodologia Adaptada 15

16 3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Nesta etapa do projeto são descritas as categorias referentes aos itens citados no mapa conceitual, ilustrado pela figura 1. Inicia-se com base no estudo do lazer social, que tem por iniciativa para os demais sub-capítulos descritos adiante. 3.1 LAZER SOCIAL Um dos conceitos mais conhecidos para o lazer, se dá por Camargo (1989) que o define como qualquer atividade que não seja profissional ou doméstica: Um conjunto de atividades gratuitas, prazerosas, voluntárias e liberatórias, centradas em interesses culturais, físicos, manuais, intelectuais, artísticos e associativos, realizadas num tempo livre roubado ou conquistado historicamente sobre a jornada de trabalho profissional e doméstico e que interferem no desenvolvimento pessoal e social dos indivíduos. (CAMARGO, 1989) Além de ser um termo generalista, mostra-se claramente que o lazer é realizado por vontade própria, por precisar de um tempo para descansar da vida rotineira em que todos acabam levando. Com base no lazer, pode-se levar em conta o lado social desta história, que vem sendo uma atividade necessária ao desenvolvimento psico-social do homem que por si se interliga a disponibilidade de um tempo dedicado a ele. Acaba sendo mais diretamente relacionado às classes sociais menos favoráveis relativo as suas situações econômicas. Levando a duas situações distintas e interligadas de formas a se fundirem no mesmo instante, o bem comum voltado ao público, e as situações de um todo, e o bem estar do próprio indivíduo em questão, citado, portanto no seu bem comum. Dentre os lazeres sociais, o bem comum assume especial interesse para com este projeto. Compreende-se o bem comum como o todo, se apresentando tanto por uma sociedade quanto por uma comunidade um pouco mais restrita, mas que da mesma forma pensa num bem geral destes envolvidos, não deixando pra trás que se pensa inteiramente no bem de cada um para com a sociedade (MARTINS, 2007). De toda forma, todas têm uma missão peculiar: alcançar um bem ou conjunto de bens ou interesses mediante atividades coletivas, e que gerem benefícios tanto para o todo, como para as Comunidades e seus membros. Podendo ser compreendido por três itens: a família, o estado e o próprio indivíduo. É na família que se envolvem as vivências emocionais desenvolvidas entre os membros presentes, e também pela hierarquia sexual e etária que conduz a análise de todo seu funcionamento e centra-se no seu binômio amor. Pérsio Santos de Oliveira (1998, p. 115) diz que A família é o primeiro grupo social em que vivemos. É um tipo de agrupamento social cuja estrutura em alguns aspectos varia no tempo e no espaço. Este tipo de instituição serve como um meio às necessidades de uma sociedade, assim como todas as outras instituições. O estado é basicamente o agente de um controle social, diferentes da instituição família, possui o poder de regular as relações entre os membros de uma sociedade (ALMEIDA, 2006). Independente da comunidade, o estado tem o direito de recorrer a violência, obrigar as 16

17 pessoas a fazerem algo, contudo uma instituição. O estado é constituído basicamente de três elementos: o território, a população e ao governo, que se coloca a frente dos órgãos fundamentais do Estado e que em seu nome exercem o poder político. E por fim, o indivíduo que segundo Fernandes (1952) é: Ente ou ser que constitui um todo distinto em relação à espécie; pessoa; exemplar de uma espécie qualquer. O homem tem a necessidade de seus semelhantes para sua própria sobrevivência, também para com a perpetuação de sua espécie e realização pessoal. Interagir e socializar-se são itens indispensáveis para a humanidade. Entende-se para esta proposta que para que o indivíduo mantenha uma boa saúde física e mental, o estado e a família assumem papéis importantes. Para o projeto de auxílio à coleta de fezes caninas entende-se que o estado deve realizar sua função regulatória e coibir ambientes insalubres; a família e seus componentes, incluindo cada indivíduo e até mesmo o animal de estimação, são essenciais podendo/devendo fazer parte do convívio social do todo, mantendo os locais limpos. 3.2 DESENVOLVIMENTO ECOLÓGICO Os seres vivos não possuem capacidades de se desenvolverem sozinhos, ou seja, necessitam de energias e matérias do meio ambiente para sobreviverem. A ecologia estuda as relações entre todos os seres vivos, de forma separada ou não. A ecologia social, por outro lado, nasceu a partir do momento em que a reflexão ecológica deixou de se ocupar apenas do estudo do mundo natural para abarcar também os múltiplos aspectos da relação entre os homens e o meio ambiente, especialmente a forma pela qual a ação humana costuma incidir destrutivamente sobre a natureza. (LAGO; PÁDUA, 1989) A importância do pensamento/desenvolvimento ecológico surge a partir da idéia de que a atual crise ecológica não poderá ser efetivada através de simples medidas tomadas para a conservação ambiental, mas com uma mudança em que se interligue tanto o desenvolvimento cultural como o econômico à forma de relacionamento dos homens entre si para com a natureza. Os seres humanos são as criaturas mais influentes do planeta, todas as atividades, industrializações e até mesmo comportamentos, agridem de uma maneira absurdamente catastrófica futuramente ao meio ambiente, se tratadas de forma errada Meio Ambiente O meio ambiente pode ser entendido pelo ar que se respira, pela água que se bebe e também as conseqüências causadas no próprio lugar em que se vive. De acordo com o CONAMA2 Meio Ambiente é o conjunto de condições, leis, influencia e interações de ordem física, química, biológica, social, cultural e urbanística, que permite, abriga e rege a vida em todas as suas formas. 2 Disponível em: 17

18 Num todo a organização e/ou comunidade é responsável pelo meio que a cerca, ou seja, meio ambiente, pelas medidas tomadas, cuidados e preservações. Segundo o Ambiente Brasil3, o impacto ambiental é qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente, causada por qualquer forma de matéria ou energia resultante das atividades humanas que, direta ou indiretamente, afetam a saúde, a segurança e o bem estar da população; as atividades sociais e econômicas; as condições estéticas e sanitárias do meio ambiente; a qualidade dos recursos ambientais. Cuidar e preservar são indispensáveis. Para o projeto da coleta de dejetos, assume-se que para não modificar o ambiente e o meio em que se vive, deve-se educar a sociedade no convívio com seus animais para que o direito de alguns não se transformem em incomodo para os demais. Segundo Fernandes (1996), educação é O processo de desenvolvimento da capacidade física, intelectual e moral da criança e do ser humano em geral, visando à sua melhor integração individual e social. Assim sendo, ao passear em parques e demais vias públicas, o proprietário deve ser responsável pelas fezes de seus cães recolhendo estes e destinando à locais apropriados. Para que esta coleta se torne uma tarefa mais fácil é necessário que as fezes caninas estejam mais sólidas e para tornar isto possível é importantíssimo que o cão tenha uma alimentação saudável, segundo MELO (2008), da mesma forma que alguns alimentos deixam as fezes mais sólidas, como por exemplo o osso palito (feito de farinha de couro bovino e gelatina), existem também os alimentos que deixam as fezes mais liquidas, como carne com muita gordura ou uma ração com menos fibras. A quantidade e qualidade da fibra que existe na ração do canino influencia demasiadamente na solidez e redução de odores nas fezes, afirma MELO (2008). Portanto, mantendo os dejetos caninos sólidos e recolhendo estes de forma adequada, cada um estará fazendo sua parte para com a sociedade e com os indivíduos em que nela vivem. O simples ato da coleta destas fezes evita a proliferação de doenças e mantém a saúde do animal e do indivíduo. Uma definição bastante abrangente que consta do Dicionário de termos técnicos de medicina e saúde, organizado por Rey (2000), é a seguinte: Saúde é uma condição em que um indivíduo ou grupo de indivíduos é capaz de realizar suas aspirações, satisfazer suas necessidades e mudar ou enfrentar o ambiente. A saúde é um recurso para a vida diária, e não um objetivo de vida; é um conceito positivo, enfatizando recursos sociais e pessoais, tanto quanto as aptidões físicas. É um estado caracterizado pela integridade anatômica, fisiológica e psicológica; pela capacidade de desempenhar pessoalmente funções familiares, profissionais e sociais; pela habilidade para tratar com tensões físicas, biológicas, psicológicas ou sociais com um sentimento de bem-estar e livre do risco de doença ou morte extemporânea. É um estado de equilíbrio entre os seres humanos e o meio físico, biológico e social, compatível com plena atividade funcional. (REY, 2000) Desta forma, pode-se evitar muitas doenças e manter a saúde de quase toda uma sociedade, fala-se mais adiante sobre as principais doenças transmitidas através das fezes caninas. 3.3 COMPANHIA Uma investigação experimental liderada por Carol Ryff, da Universidade de Wisconsin e publicada no Journal of Psychotherapy & Psychosomatics, trata das conseqüências biológicas 3 Disponível em: 18

19 do bem-estar psicológico (News Medical Net4). Os pesquisadores tentaram atender aos aspectos positivos e negativos da saúde mental. Essas distinções visam melhorar a compreensão de como o bem-estar ou o mal-estar psicológico poderá comprometer o biológico/fisiológico do organismo. Contudo a companhia do indivíduo se faz por necessária desde os primórdios, o homem não consegue viver sozinho, longe de uma sociedade ou grupo de outras pessoas. É de eficácia a idéia de que se precisa um dos outros para a própria sobrevivência, esta companhia muitas vezes é ligada à falta de carinho e ou percepções. Se é uma espécie com uma série de características estruturais, entre elas o fato do filhote humano depender totalmente de cuidados externos para sua sobrevivência. E cuidados que duram muito tempo. Esta necessidade, inicialmente restrita à relação mãe-filho, ajudou o humano a aprender o prazer de estar junto, no cuidado com o outro(a). A necessidade de viver em grupo, em busca de ajuda mútua e proteção, cuidando das crianças e tendo o prazer do contato e da convivência, em uma interação que envolve a emoção e a linguagem, foi a origem e ainda é o determinante da forma de viver em grupo tão humana que chama-se família, explicada anteriormente. 3.4 ANIMAL DE ESTIMAÇÃO De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística5, na cidade de São Paulo há um animal de estimação para cada 3 habitantes. Geralmente os bichinhos são procurados para aumentar as famílias e fazer companhia, mas logo se tornam alvo de mimos e diversão. A interação entre pessoas e animais, seja com troca de carinho, sentimentos, confiança, lealdade, preocupação e/ou emoções variadas, são verdadeiros remédios contra ansiedade, depressão, estresse e baixa auto-estima. BORGES (2008), descreve que muitos hospitais utilizam essa convivência para motivar seus pacientes, seja em casos de doenças graves como o câncer, a aids e a sindrome de down, até mesmo doenças de fundo comportamental, como a própria depressão e o estresse. Essa técnica de tratamento, que põe o homem em contato com os animais, é mais conhecida como zooterapia. Maciel (2007) explica que a zooterapia explora a fundo todos os sentidos da interação homem-animal e estuda o benefício dessa relação. Aqui no Brasil esse tipo de terapia é bem recente. Nos Estados Unidos e na Europa esse estudo já está mais avançado e é usado já há algum tempo. Apesar da companhia de um animal de estimação dar trabalho, ela é sempre gratificante. Todos acabam tendo um carinho especial pelo animal que possuem seja ele uma lagartixa, aranha ou até o mais comum, como o cachorro. A psiquiatra Dalka Castanheira Gattaz explica: Na verdade os animais domésticos acabam adquirindo um comportamento bem similar ao do homem, particularmente ao do dono. E, além disso, eles são seres vivos: sentem, demonstram emoções, tomam iniciativas e etc. Por isso que a relação do dono com seu bicho de estimação acaba sendo muito forte e significativa. 4 5 Disponível em: Disponível em: 19

20 (GATTAZ, 2007) O simples fato dos cães fazerem festa quando o dono chega em casa faz com que a pessoa melhore a auto-estima, tenha mais facilidade de comunicação, mude de humor e até se sinta mais importante, tudo isso até mesmo sem se dar conta. Gattaz (2007) ainda completa: Quando as pessoas possuem um animal em sua casa, mesmo que seja um peixinho, elas chegam a ter uma responsabilidade maior e sentem necessidade de dedicar-se a ele. Segundo informações da Iahaio6 (Associação Internacional das Organizações para a Interação Homem-Animal), a companhia de cães e gatos é essencial para a qualidade de vida do homem. No caso dos adultos, principalmente aqueles que vivem sozinhos, os animais são como um membro da família, compensando as necessidades de afeto e atenção que só os animais nos sabem dar. Um dos animais mais populares para a companhia do ser humano é o cão, já citado como uma das melhores companhias, além de ser visto em grande número na maioria das cidades do mundo Cão TARDELLI (2003) explica que há indícios de que o homem domesticou o cão entre e anos atrás. O que é considerado certo é que o cão foi o primeiro animal domesticado pelo homem. Esta aparente falta de bases científicas interessadas em cães é parcialmente devido ao estigma da domesticação. Brock (1994) explica que a despeito do fato de Darwin claramente ter derivado muito de sua teoria de evolução pela seleção natural do estudo de variedades de espécies domésticas, como os cães, os biólogos e estudiosos do comportamento mais modernos vêem os animais domésticos como anti-naturais e portanto indignos ou impróprios como objeto de uma investigação científica séria. Uma grande característica dos animais e que os difere do reino vegetal, é o fato de manterem contatos sociais entre si. Os cães não representam uma exceção, podendo ser incluídos entre os mais sociáveis. Essa é uma característica pouco comum entre os animais, sendo compartilhada apenas - principalmente - por macacos primatas, cavalos e gatos. Os cães possuem diferentes raças e com estes portes, que os diferem de cães para guarda ou de companhia. Melo (2008) diz que basicamente a classificação quanto aos tamanhos de cães se dividem em 4 portes: até 10k porte pequeno, de 10k à 20k porte médio, de 20k à 40k porte grande e acima de 40k são os portes gigantes, também chamados de Molosso, mostrado na figura 2: 6 Disponível em: 20

21 Figura 2: Portes dos Cães O Canil Bruno Tausz7 e o site Saúde Animal8 relacionam as principais raças referentes aos portes de cães ilustradas na figura 1, sendo: pequeno porte: Beagle, Chinese Crested, Teckel, Fox Paulistinha, Pug, Buldog Francês, Poodle Toy e Yorkshire; médio porte: Retrivier do Labrador, Springer Spaniel Inglês, Weimaraner, Afegan, Setter Irlandês e Airedale Terrier; grande porte: Dinamarquês, Mastim Napolitano, Fila Brasileiro, Kuvasz, Dobermann, São Bernardo e Pastor Alemão, e molossos: Cão da Serra da Estrela, Cão de Castro Laboreiro, Cão de Presa Maiorquino, Dogue de Bordéaus e Leonberguer. Cada raça destas possuem suas principais características e tipos de comportamentos diferenciados. Além disso, os cães possuem suas necessidades assim como qualquer ser vivo: alimentação, vacinações e exercícios. O exercício é tão necessário para o cão como para os humanos e está profundamente ligado à sua saúde física, mental e emocional. O Arca de Noé9 explica que um cão sedentário é um cão aborrecido, muitas vezes com peso a mais e, em geral, menos saudável. A obesidade é um dos maiores problemas nos cães mais velhos e normalmente deve-se à falta de exercício. Estes exercícios incluem caminhadas pelas ruas da cidade, em parques e lugares onde possam correr mais livremente, o Arca de Noé10 ainda afirma que os passeios curtos são melhores para a saúde do seu cão do que os longos passeios. As caminhadas podem ser feitas a passo rápido, desde que o veterinário tenha dado a sua aprovação. Outro ítem bastante importante e que não deve ser deixado de lado é a obrigação do condutor de recolher todo e qualquer dejeto despejado pelo cão nos locais públicos para que estes passeios não atrapalhem nem impliquem na saúde do próximo, como cita-se mais adiante Disponível em: Disponível em: Disponível em: Disponível em: 21

22 3.5 DEJETOS CANINOS EM VIAS PÚBLICAS É notável a grande presença de dejetos caninos e de outros animais em ruas e praças das cidades. Além de proporcionar aos cães lazer e exercícios, [ ] deve-se conscientizar a população sobre as doenças que os animais podem provocar e ressaltar a importância do recolhimento dos dejetos deixados no calçadão da orla e ruas da Cidade, afirmou o secretário de Serviços Urbanos (Sesurb), Sergio Bonito (2006). Algumas fezes dos animais possuem vermes que podem causar problemas sérios aos homem e também aos cães, o Panorama Canino11 reforça como exemplo as principais doenças, sendo elas: Larva migrans visceral - doença causada por um parasita denominado TOXOCARA CANIS, cujos ovos são liberados aos milhares, por dia, nas fezes de cães e gatos; Larva migrans cutânea - popularmente conhecida como bicho geográfico, é uma doença causada por um parasita do intestino de cães e gato, chamado de Ancylostoma brasiliensis, que penetra no homem através da pele, atingindo várias partes do corpo, com o surgimento de prurido( coceira) e formação de crostas; Giadiarse - parasitose causada pelo protozoário Giárdia lamblia, presente nas fezes dos animais domésticos. O homem pode adquirir doença através do contato com estas fezes ou pela ingestão de alimentos contaminados pelos ovos do parasita, veiculados por moscas e baratas; Também a Toxoplasmose - causado por um protozoário denominado Toxoplasma gondii, é uma doença potencialmente séria em fetos, recém nascidos e indivíduos infectados pelo vírus da AIDS. Sobretudo, como já foi descrito, deve-se ressaltar que os cães precisam de passeios rotineiros, de exercícios e da socialização, tirando isto deles não resolveria-se o problema mas agravariam outros demais. O que deve ser feito é conscientizar os donos destes cães, que são os maiores culpados por estes dejetos serem deixados nas ruas. Com isso, o produto em desenvolvimento busca esta conscientização de forma inovada e eficaz, fazendo com que os donos acabem usufruindo da Guia e utilizando os sacos coletores sem que isto seja um incômodo. 3.6 ESTADO DO DESIGN Realizou-se uma pesquisa do estado do design com o intuito de absorver ao que há de mais novo em produtos no mercado, visando variados setores e destaques no meio estético e de materiais. Desenvolveram-se dois painéis que apontam aspectos estéticos e materiais. No painel de estética, representado pela figura 3, destacou-se produtos dos quais as linguagens estéticas estão em alta, podendo ser adaptado ao produto de maneira inteligente e eficaz. De um modo mais amplo, se levou em consideração produtos discretos mas com grande eficácia no que lhes são propostos, também há a influência do minimalismo proposto ao produto em desenvolvimento. No painel de material, mostrado na figura 4, foram abordados produtos que se preocupam com o meio ambiente e que também buscam um valor estético diferenciado. Destacou-se matérias primas reutilizadas e ecologicamente corretas, mantendo sempre a qualidade, resistência e durabilidade aos produtos fabricados com estes tipos de materiais. Também relacionado no painel, pode-se observar produtos que proporcionam odores agradáveis aos ambientes, tendo por iniciativa papeis de parede com cheiro. 11 Disponível em: 22

23 Figura 3: Painel Estética Figura 4: Painel Materiais Com todas as informações obtidas pelo estado do design, eleva-se, sobretudo, a influencia de produtos cada vez mais simples de estética porém tendo suas funcionalidades e tecnologias inteligentes. Qualquer mecanismo que venha a ser utilizado deve atender as expectativas do usuário de forma descomplicada facilitando na coleta dos dejetos, que por sua vez já é um ato bastante delicado. Na questão da estética, incorpora-se formas limpas, claras e objetivas, sendo discreto aos que vêem. 23

24 4 PESQUISA DE CAMPO Assim que se obtém a pesquisa bibliográfica, utiliza-se a pesquisa de campo que procede à observação de fatos e fenômenos exatamente como ocorrem no real, à coleta de dados referentes aos mesmos e, finalmente, à análise e interpretação desses dados, fundamentando assim, toda a pesquisa bibliográfica já feita. A pesquisa de campo auxiliou as informações atuais do mercado pet e também o público alvo referente aos donos de animais de estimação, mais especificamente os cães. Sendo assim, foi elaborado um questionário aplicado à 76 (setenta e seis) donos de cães, com ambos os sexos, residentes na cidade de Balneário Camboriú e região durante o período de setembro à novembro de O questionário teve perguntas que buscaram desde aos tamanhos dos cães, a quantidade de vezes em que saem para passear com seus donos, quanto à utilização de coletores de dejetos e qual a opinião destas pessoas quanto à esta nova educação e comportamento. Em apêndice 01 podem ser visualizados os gráficos e análises deste questionário. Segundo os questionários aplicados é que se viu a necessidade de um produto que auxiliasse a coleta dos dejetos caninos em momentos de lazer, parques e vias públicas, contando que nem sempre se pode estar perto de uma lixeira, e carrega-se junto ao passeio sacolas e/ou coletores de dejetos caninos. Abordou-se muito a falta de produto discreto no mercado, juntamente à falta de conscientização das pessoas que passeiam com seus cães nestes locais públicos. Outro recurso utilizado para a pesquisa de campo foi a entrevista, aplicada à um profissional da área, Renato Melo, encontrado em apêndice 02 e que trouxe muita informação rica quanto à importância e necessidade das coletas caninas. Um dos assuntos que influenciou no projeto foi a enfase para que as pessoas não tivessem vergonha de utilizar coletores e sim se sentissem bem no que estariam fazendo. Falou-se também quanto à saúde e importância da alimentação dos cães para que estes tivessem fezes mais sólidas e fáceis de serem coletadas. Segundo a entrevista, o produto deve ter um forte poder publicitário e algo diferencial que faça com que as pessoas se conscientizem e busquem a utilização e a coleta dos dejetos, como já sitado acima. Finalizando a pesquisa de campo, com todas estas informações obtidas, é que se adquiriu forte influencia para o próximo passo do projeto, que é a conceituação, comprovando todos estes resultados alcançados. 24

25 5 PROBLEMA DE PROJETO Com finalidade nas análises das pesquisas realizadas, tanto as bibliográficas quanto as de campo e também tendo auxílio às ferramentas de projeto, passa-se para a etapa de elaboração de um problema que realmente seja coerente e realista, buscando ser solucionado com este projeto. O problema encontrado quanto às fezes caninas em vias públicas, consiste em: Como auxiliar as pessoas que tem cães e passeiam regularmente com estes, no momento em que despejam seus dejetos em locais públicos? 25

26 6 CONCEITUAÇÃO Depois de finalizadas as etapas anteriores das pesquisas, é que se começa a estabelecer melhor os conceitos envolvidos no produto. É nesta parte do projeto que utiliza-se de meios que facilitem a obtenção de uma referência conceitual para a fase posterior, a de geração de alternativas. Dentre estes meios estão destacadas as ferramentas projetuais, as quais auxiliarão e resultarão na conceituação do produto em desenvolvimento. 6.1 FERRAMENTAS PROJETUAIS As ferramentas de projeto alimentam o desenvolvimento do produto, tendo como base as informações concebidas por estas. Baxter (2000) diz que: podem ser consideradas como um conjunto de recomendações para estimular idéias, analisar problemas e estruturar as atividades de projeto. Desta forma, utilizou-se das seguintes ferramentas que ajudaram a complementar certos dados específicos: briefing e painéis semânticos Briefing Rebouças (2008) afirma que briefing é: Numa visão geral, um documento que apresenta características de um produto ou serviço, da marca e da empresa do anunciante. É uma fase essencial ao projeto, que auxilia principalmente nos detalhes e características que o cliente espera deste produto. Para isto, utilizou-se um modelo de briefing com questões que buscam detalhar mais profundamente os objetivos do produto. Assim sendo, e com base nos dados e informações obtidos, apresentou como principal função auxiliar o transporte dos dejetos caninos em momentos de lazer. Ainda, como uma segunda função, reter o mal cheiro causado pelos dejetos caninos. É necessário que o produto tenha uma fácil limpeza, pelo menos no recipiente em que forem deixadas as sacolas com ou sem dejetos, leveza e firmeza para os passeios e sem deixar pra trás uma estética limpa e diferenciada das demais guias já existentes no mercado. O material priorizará a resistência e a ergonomia na pega da guia, possibilitando o usuário de facilidades na hora do manuseio, encaixes diferenciados dos componentes Painéis Semânticos O painéis semânticos utilizados foram o de Baxter (1998), sendo dividido em três etapas, em que cada uma delas especifica determinado aspecto do produto: O painel de expressão, figura 5, do produto define o que se espera do produto através de figuras. Estas imagens representam características buscadas para a realização do produto em desenvolvimento. As palavras utilizadas para expressar este painel foram: leveza, minimalismo, absorção de odores, discreto, ecologicamente correto e funcional. O painel de tema visual, figura 6, absorve as mesmas características sitadas na expressão do 26

27 produto, porém em produtos que já existam no mercado e que obtenham estas características específicas como principais funções. Por fim, o painel de público alvo, figura 7, onde se define através de imagens qual o público que será atingido pelo produto, pessoas ligadas ao esporte e que gostem de animais de estimação, principalmente cães, ligadas à natureza e uma visão ecológica para com a sociedade e os seus indivíduos. Figura 5: Expressão do Produto Figura 6: Tema Visual Figura 7: Público Alvo 27

28 7 CONCEPÇÃO Neste capítulo serão descritas as ferramentas de criatividade utilizadas para a geração de alternativas, características das alternativas finais e também os prós e contras. Adaptações com a alternativa escolhida, conceitos e conclusões da escolha desta. 7.1 TÉCNICAS DE CRIATIVIDADE As técnicas de criatividade abordadas neste desenvolvimento de produto, nada mais foram do que métodos heurísticos de estimular a criatividade há novas idéias e sugestões. Para isso, utilizou-se de três técnicas bases: Esta técnica foi aplicada em sala de aula com mais 5 participantes, colocou-se o problema de cada projeto em questão e utilizou-se de novas idéias e soluções, muitas vezes, não observadas anteriormente. MESCRAI - é uma sigla composta das iniciais de "modifique, substitua, combine, rearranje, adapte e inverta". É uma lista para estimular a busca de formas alternativas para transformar um produto existente. Utilizou-se após a idéia de uma guia com compartimento para sacolas, e aí então, novas idéias e modificações perante a guia base. Brainstorming Esta técnica desenvolveu-se melhor com a situação de geração de alternativas já com soluções previamente detalhadas. Usou-se então para criar novas formas e melhores situações para com o produto em desenvolvimento. A etapa seguinte do projeto trata-se da geração de alternativas, ou seja, a realização e análise final da solução selecionada. 7.2 GERAÇÃO DE ALTERNATIVAS Na geração de alternativas utilizam-se todas as características especificadas como essenciais ao produto, e abordam-se de forma a melhorar o problema requisitado. Desta forma, foram elaboradas cerca de 25 alternativas de produtos, dentre eles guias, lixeiras específicas e coletores, vide todas as alternativas em apêndice 03. Destes foram destacadas 3 alternativas finais que apresentaram melhores resultados às especificações e também visaram mais o lado do auxílio a coleta com quaisquer tipo de coletor e/ou sacolas. Na alternativa final 1, ilustrada pela figura 8, a guia tem características bastante inovadores quanto à outras guias retráteis, possui um formato triangular com as pontas arredondadas e um sistema de materiais vazados, proporcionando melhor circulação ao produto. A parte da pega foi desenhada de maneira a adequar-se melhor à ergonomia da mão em forças maiores, e ainda possui uma proteção entre a parte do compartimento. O compartimento para sacolas é uma espécie de acessório agregada, ou não, à guia. O espaço interno é bastante amplo proporcionando melhor adequação aos variados tipos de coletores e dejetos. O sistema de abertura deste compartimento é a base de rolagem, onde um simples toque puxando a tampa a faria deslizar e abrir totalmente o espaço. Outra característica importante desta alternativa é que mesmo sem o acessório para sacolas a 28

29 guia pode ser utilizada normalmente, sem que haja a necessidade deste. Ficando a opção do usuário de utilizar ou não nas caminhadas. Figura 8: Alternativa Final 1 A Alternativa 2, mostrada na figura 9, é mais compacta e de fácil utilização, as características visuais são mais limpas e claras e também possui formas arredondadas. O espaço da pega foi baseado na guia anterior, de ergonomia correta e firme, possuindo também uma espécie de proteção às mãos, para que na hora do passeio não venha a machucar. No compartimento da guia utilizou-se um sistema deslizante para o fechamento da tampa, e o interior desta parte é feito com materiais que inibam os odores desagradáveis. Porém, este sistema do compartimento não se destaca da guia, como na outra alternativa, mas sim fica fixo dificultando na hora da limpeza e obrigando o usuário à leva-lo sempre nos passeios. Figura 9: Alternativa Final 2 A alternativa 2, ilustrada pela figura 10, possui uma forma inicial baseada em um volante que utiliza da pega para uma melhor ergonomia estudada, acompanhando a pega horizontal. O compartimento para as sacolas é destacável, facilitando a limpeza e a utilização, seu espaço 29

30 interno é adequado e não muito amplo. A tampa deste compartimento tem-se por idéia inicial, um sistema de fechamento por imã, em que pode ser retirada totalmente. A parte da guia retrátil, já está praticamente resolvida, utilizando do formato da guia para este sistema e não precisando de um outro espaço devidamente para este. Figura 10: Alternativa Final 3 Estas alternativas foram devidamente analisadas, conforme figura 11, onde apenas uma delas teve maior destaque por apresentar requisitos de maior importância ao produto, tornando-se desta forma, a alternativa escolhida. Figura 11: Análise das Alternativas Finais A alternativa desenvolvida e escolhida teve suas devidas adequações e evoluções, referente a alternativa 3, apresentando um formato inovador e diferenciado de todas as guias retráteis já existentes e dentre as outras alternativas geradas. Possui uma forma ergonômica adequada e bem ajustada à cada espaço, um tamanho de armazenamento das sacolas apropriado e 30

31 também o sistema da guia retrátil mais bem resolvido do que as outras alternativas. Sendo tais características abordadas mais detalhadamente no capitulo seguinte. 7.3 ALTERNATIVA ESCOLHIDA A alternativa final se adequa melhor aos conceitos previstos antes na pesquisa, contudo com uma estética mais agradável ao minimalismo. A guia retrátil é basicamente a ligação de dois produtos em um só, tendo por função principal a guia retrátil, já utilizada em passeios com cães, e um esquema de armazenamento de sacolas e também, se necessário, sacola com fezes caninas até um lixeiro adequado. Figura 12: Alternativa escolhida Pode-se então ser analisado cada item individualmente, apresentando funções diferentes mas que se interligam na questão passeio. Já que é necessária a utilização de guias, unindo a coleta de dejetos de maneira menos agressiva e vergonhosa. A parte em que refere-se a guia retrátil é composta pela base externa, onde tem-se a intenção de um plástico ou algum material que imite-o e que seja resistente, brilhante e que se molde facilmente. A parte interna formada pela guia, preferencialmente tubular feita a base de uma corda resistente e também de fácil trabalhabilidade. E por ultimo, o sistema utilizado para a guia retrátil que se adequará no interior da guia, de uma maneira muito parecida ao de uma trena. A guia possui uma pega bastante agradável ao que se tem no mercado atualmente, seu formato cilíndrico faz com que facilite o manuseio, além disso na parte específica da pega possui ainda um silicone que envolve tal parte auxiliando transpirações e escorregões. Já no recipiente destinado à sacolas e dejetos, deixou-se um espaço adequado interno para a colocação das sacolas e coletores que possam ser utilizados também. O recipiente se envolve por um perfil que se encaixa sobre a guia, podendo ser retirado facilmente para possíveis lavagens do produto. Ainda na parte interna do recipiente foi utilizado um silicone que se encaixa no formato adequado, possuindo um aditivo que retém o odor e ajude na manutenção da guia. A guia tem por facilidade a escolha de sua utilização, podendo ou não ser carregado o recipiente nos passeios, principalmente quando o passeio e bastante próximo e acaba-se tendo certeza que o cão não precisará despejar suas sacolas. 31

32 Com isto, entende-se que, conseguiu-se com a proposta, atingir os objetivos propostos durante o processo de pesquisa. Onde a guia acaba camuflando sacolas e coletores no seu interior e facilitando a atividade de coleta dos dejetos caninos, podendo ser representada melhor na ambientação gerada, conforme figura 13. Figura 13: Ambientação da Guia 7.4 MODELO VOLUMÉTRICO Após a alternativa escolhida, e as medidas previamente decididas, esta etapa consiste na fabricação do modelo volumétrico, tendo como objetivo a melhor visualização do produto e análise das medidas e proporções. O modelo volumétrico não atende aspectos de aparência, bem como a sua funcionalidade, tendo grande importância as medidas e adequações definidas para o produto final. A confecção do modelo volumétrico, demostrada pela figura 14, foi desenvolvida através de mangueiras em Policloreto de Vinila - PVC, que possuía a medida de pega já estabelecida. O sistema de compartimento para sacolas e dejetos foi feito com Poliuretano PU, que tem uma fácil trabalhabilidade. Silicone interno para reter odores foi feito com papel simulando espaço interno. Figura 14: Construção Modelo Volumétrico 32

33 A guia teve suas medidas iniciais finais com diâmetro total de 16,5 cm e pega com diâmetro de 2,5 cm, o sistema do botão foi apenas demonstrado com PU recortado para base de ilustração. O modelo finalizado pode ser verificado nas figuras 15 e 16. Figura 15: Modelo Volumétrico 01 Figura 16: Modelo Volumétrico Adequações Volumétricas Após o desenvolvimento do modelo volumétrico fez-se as adequações necessárias ao produto, assim como todas as medidas internas e externas. Tendo referência a guia quanto a pega que a princípio era de 25mm assim como toda a extensão do diâmetro da guia, e com os estudos ergonômicos aplicados à percentuais de homem 95% e mulher 5% pode-se notar pela figura 17 que a guia deveria ser pouca coisa mais grossa, necessariamente na parte da pega. Fez-se então uma capa pra pega que fizesse com que esta tivesse uma medida final de 30mm, adequando-se melhor aos usuários e obtendo mais firmeza. Figura 17: Percentil 5% e 95% Contudo, em relação ao diâmetro total do produto, no caso as medidas externas, continuarão as mesmas já adotadas antes, que pode ser visto com referenciais humanos na figura 16, que ficaram de 165mm. A medida interna da guia, onde se localiza o compartimento para os coletores teve a medida máxima aproveitada internamente e o seu aproveitamento foi adequado, cabem várias sacolas de uma vez e também, se houver a necessidade, dejetos caninos ensacados para o transporte até uma lixeira adequada. A figura 18 apresenta este espaço e também inserções destas sacolas e dejetos caninos. 33

34 Figura 18: Sacolas e Dejetos em Adequação com a Guia Tendo estas adequações é que se deu início as adequações antropométricas e biomecânicas, que serão descritas mais adiante. Em um todo as medidas principais foram adequadas de maneira correta e condizente com percentuais humanos e produtos reais. 34

35 8 MEMORIAL DESCRITIVO Este memorial tem por objetivo descrever e especificar de forma clara os detalhes e subsistemas da guia retrátil, assim como a sua produção e materiais específicos para cada parte, é apresentada também a função ergonômica, de uso, finalizando todas as funções comerciais e de marketing envolvidas no produto em desenvolvimento. 8.1 FUNÇÃO ESTÉTICO FORMAL Nesta etapa são descritas e fundamentadas as formas, harmonias, equilíbrios e contrastes equivalentes ao produto. Usa-se por base as leis da gestalt para fundamentar algumas das características adotadas e explicadas detalhadamente a seguir Forma A forma pode ser definida por Gomes Filho (2000, p. 39) como [...] a figura ou a imagem visível do conteúdo. De um modo mais prático, ela nos informa sobre a natureza da aparência externa de alguma coisa. Tudo que se vê possui forma. Neste caso, a forma utilizada como base inspiratória para a guia foi o volante da Wii12 para jogar videogame de automóveis (mostrada claramente na figura 19). Adequou-se pois, a forma de círculo / ponto, a qual é geometricamente singular e não possui extensão. Figura 19: Forma de Inspiração A guia retrata o volante e reflete a forma perfeitamente esférica e de forte atração visual. Utilizou-se esta por se adequar também ao sistema da guia retrátil, descrita mais adiante Gestalt Gomes Filho (2000, p. 17) afirma que Na formação de imagens, os fatores de equilíbrio, clareza e harmonia visual constituem para o ser humano uma necessidade 12 Disponível em: Console de Videogame com um controle revolucionário, desenvolvido pela empresa japonesa Nintendo com sensibilidades a movimentos único. 35

36 Utilizou-se das Leis da Gestalt para a elaboração destes fatores, sendo representados pela harmonia, equilíbrio e contraste do produto Harmonia A harmonia é definida por Gomes Filho (2000, p. 51) como sendo [...] o resultado de uma perfeita articulação visual na integração e coerência formal das unidades ou partes daquilo que é apresentado, daquilo que é visto. Desta forma, fala-se da distribuição do depósito de sacolas agregado à guia. Como se pode ver na figura 20, na guia existe um acessório agregado para a disposição de sacolas e também dejetos caninos, o qual teve sua distribuição por meio da simetria, portanto enfatiza-se uma estética mais harmônica. É possível observar a harmonia existente na localização e posição deste acessório, de forma que se revela sobretudo a simplicidade da organização formal e do equilíbrio simétrico. Figura 20: Harmonia As linhas representadas na figura 20 demonstram as simetrias utilizadas para o desenho do produto final, não havendo conflitos formais no padrão nem no estilo do objeto. Observa-se portanto, relações bem simples entre os elementos do produto Equilíbrio Gomes Filho (2000, p. 57) ainda cita equilíbrio como sendo [...] o estado de distribuição no qual toda a ação chegou a uma pausa. Exemplificando, o equilíbrio nada mais é do que um todo que gera consequência a todos os meios, e que se qualquer parte for modificada, conflitará novamente ao todo do produto. No caso da guia em vista de topo, como na figura 21, o peso maior da imagem se dá na parte superior, na qual é fixado o acessório referente ao compartimento das sacolas, por ter, relativamente, mais elementos visuais nesta posição. Já na vista lateral, pode-se observar claramente que o peso da imagem se dá pelo lado direito, pelo qual a guia retrátil se projeta, situando ainda neste o compartimento das sacolas. 36

37 Figura 21: Equilíbrio da Guia Contraste / Cores / Materiais O contraste é uma das técnicas mais importantes para o produto em desenvolvimento, segundo Donis (1997, p. 108) o contraste Desequilibra, choca, estimula, chama a atenção. Sem ele a mente tenderia a erradicar todas as sensações, criando um clima de morte e de ausência do ser. O contraste da guia está diretamente ligado as cores do produto e aos materiais de cada uma de suas partes, tornando o produto discreto, mas esteticamente contrastante. Usou-se como base de inspiração as cores e texturas dos anos 60, como mostra a figura 22. Figura 22: Inspiração Anos 60 O plástico e as cores brilhosas estavam em alta nesta década, assim como as cores escolhidas para a guia. A pega é de material brilhoso e branco, contrastando com detalhes da guia feitos com cores específicas, como na figura 23. Desenvolve-se estudos das cores e em relação aos diferentes sexos, tanto dos donos quanto dos cães, baseou-se portanto, em cores preferenciais explicadas melhor adiante. 37

38 Figura 23: Coloração em Contraste Simplicidade Esta técnica abordada no produto tem por objetivo o menor numero de elementos possíveis em determinadas situações. Gomes Filho (2000, p. 78) diz que A simplicidade se caracteriza por organizações formais fáceis de serem assimiladas, lidas e compreendidas rapidamente. A harmonia do produto se caracteriza pelo baixo número de informações contidas, e contudo os elementos estão bem organizados e há um equilíbrio formal no peso destes elementos Arredondamento Gomes Filho (2000, p. 85) afirma que O arredondamento tem como característica marcante a suavidade e maciez que as formas orgânicas geralmente transmitem. O produto tem sua forma arredondada e de linhas contínuas e suaves, sendo de fácil leitura por conter tais formas na própria natureza, fazendo com que sua leitura seja fácil, clara e agradável. 8.2 FUNÇÃO SIMBÓLICA A função simbólica se relaciona diretamente ao cliente, dentre os aspectos que irão influenciar na vida pessoal e social deste. Traz ainda o que o produto propõe com suas formas, cores e também com sua funcionalidade. Quanto a funcionalidade principal do produto que é de auxiliar a coleta de dejetos caninos em vias públicas, pode-se verificar uma forte influência no lado ecológico e social que este viabiliza. Rousset13 (2005) afirma que O combate ecológico se alia ao combate de transformação social. Não pse trata de uma esfera separada, que estaria protegida dos contrastes sociais e das relações de poder. Desta forma, o produto busca conscientizar os donos de animais de estimação da importância da coleta destes dejetos, mantendo as vias públicas limpas e os animais e humanos longe de doenças. O símbolo da patinha sobre a guia, como ilustra a figura 23, somente quer mostrar que o 13 Disponível em: 38

39 produto é voltado a linha pet. Assim sendo, destaca-se de maneira harmoniosa com seus elementos de formas simples e limpas. Quanto as cores escolhidas para a guia, baseou-se nas preferências quanto aos sexos das pessoas. Farina (1990, p. 138) mostra uma pesquisa realizada com o Departamento de Relações Públicas, Propaganda e Turismo da Escola Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, no ano de 1980 e 1981, em que: O azul é preferido tanto pelos homens como pelas mulheres, solteiros e casados. [ ] a segunda cor preferida pelo homem solteiro e pela mulher casada: o verde. Sendo assim, para todos os donos de animais de estimação que forem do sexo masculino ou tiverem cães machos optariam pela escolha da figura 24, um verde-azulado. Figura 24: Opção de cor 01 Ainda citando a mesma pesquisa realizada O amarelo é a segunda cor preferida pelos homens casados. Assim sendo, usou-se da cor amarela para o público que está meio indeciso ou que não pretende optar por um determinado sexo, visualizando a imagem da figura 25. Figura 25: Opção de cor 02 39

40 E também quanto ao vermelho-goiaba, ilustrado pela figura 26, Farina (1990, p. 138) diz que na pesquisa O vermelho e o amarelo são duas cores preferidas pelos solteiros e pelas solteiras em igual porcentagem. Utilizou-se então um tom goiaba da cor vermelha por ser de forte tendência nos anos 60, como já falou-se anteriormente. Figura 26: Opção de cor 03 Ainda falando das cores aplicadas, pode-se citar as escolhas referentes às sensações acromáticas e cromáticas e seus significados psicológicos, citados por Farina (1990, p ): Branco possui ordem, simplicidade, limpeza, bem, pensamento, juventude, otimismo, piedade, paz, pureza, inocência, dignidade, afirmação, modéstia, deleite, despertar, infância, alma, harmonia, estabilidade, divindade. Verde-azulado traz persistência, arrogância, obstinação, amor próprio, elasticidade da vontade. Amarelo busca iluminação, conforto, alerta, gozo, ciúme, orgulho, esperança, idealismo, egoísmo, inveja, ódio, adolescência, espontaneidade, variabilidade, euforia, originalidade, expectativa. Vermelho possui dinamismo, força, baixeza, energia, revolta, movimento, barbarismo, coragem, furor, esplendor, intensidade, paixão, vulgaridade, poderio, vigor, glória, calor, violência, dureza, excitação, ira, interdição, emoção, ação, agressividade, alegria comunicativa, extroversão. Finalizando-se, as cores foram escolhidas com fortes influências psicológicas e também sensoriais, como já descritas acima. Com as opções em cores, espera-se que o produto agradará uma vasta gama de donos de cães em busca de um lado ecológico e consciente. 8.3 FUNÇÃO DE USO O produto tem como uso principal duas funções: a guia retrátil e o compartimento para 40

41 guardar sacolas e dejetos. A função da guia retrátil diz respeito há uma ferramenta já utilizada em passeios com cães. Esta tem por função fazer com que o cão não saia de perto do dono nem tente escapadas rápidas, mas sim fique a uma distância razoável e respeite o limite deste. A guia retrátil tem o diferencial de poder estabelecer diferentes distâncias entre o cão e o dono, sendo mais utilizada para cães de pequeno e médio porte pela resistência ao equipamento interno. A guia ainda possui um dispositivo que em determinada distância, pode ser acionado por um botão, travando-a, fazendo com que o cão não puxe mais. Na função de armazenamento das sacolas para os dejetos, considerou-se o espaço existente na própria guia para resguardá-los, não existindo a necessidade de um outro objeto. O compartimento tem por função guardar sacolas de supermercado ou outras, além de coletores que caibam no espaço específico durante os passeios com cães, para que quando for necessário sejam retiradas do compartimento e utilizadas para a limpeza dos dejetos caninos. Pode ser também utilizada para guardar estes dejetos nas sacolas dentro do compartimento até lixeiros próximos, deixando o dono do cão mais confortável a tal situação, incentivando o uso de coletores e/ou sacolas para estes dejetos. 8.4 FUNÇÃO ERGONÔMICA As funções ergonômicas auxiliam nas adequações do produto quanto a medidas e variáveis. Podem ser entendidas por AEP, usabilidade, adequação antropométrica, biomecânica, fisiológica/ambiental e cognitiva, representando-se no final deste capítulo o desenho técnico final AEP A adaptação ergonômica de produto se diz pela adequações das necessidades humanas entre todos os sistemas de cada produto. Iida (2005) ainda defende que a ergonomia já não é mas somente superficial como era há alguns anos atrás, mas sim, são as definições de sistemas e configurações gerais dos produtos. Iida (2005) também diz que para que haja funcionamento correto dos produtos eles precisam ter três características básicas que podem ser descritas por: qualidade técnica, ergonômica e estética. A qualidade técnica referente ao compartimento para sacolas possui somente uma tampa com um sistema de abertura de toque de fácil manejo, contudo seu espaço interno também se adequa a sua função por reter as sacolas de maneira discreta e também retendo os possíveis odores com uma capa protetora dentro do compartimento. Para facilitar a limpeza, desenvolveu-se uma capa interna ao compartimento feita para reter odores e proteger de possíveis sujeiras, na qual retira-se a capa e lava-se normalmente. A qualidade ergonômica da guia pode ser entendida por fácil manuseio e usabilidade do produto, possui também instruções rápidas na embalagem, não havendo necessidades maiores quanto a utilização do botão no travamento e destravamento da guia por já ser conhecida por 41

42 outras guias. A guia retrátil pode ser descrita por suas facilidade de manejo, por causa de seu formato adequado conseguindo exercer o manejo de maneira correta e eficaz. Na qualidade estética pode ser descrita a idéia que o produto representa de ser discreto, fazendo com que o usuário utilize-o tornando o ambiente mais limpo e saudável de uma maneira tranquila e eficaz. A forma simples e minimalista do produto, juntamente com suas cores escolhidas ajudam na concepção que o produto busca alcançar Usabilidade Nesta etapa desdobram-se as facilidades de uso que o produto propõe, assim como, manutenção, limpeza, transporte e armazenamento. A questão de limpeza do produto é de fácil uso, levando em consideração que possui formas arredondadas na maioria de sua extensão. Seu material por ser ABS também ajuda na manutenção de limpeza, podendo ser feita com pano úmido ou até mesmo contato direto com a água. A manutenção do produto se adequa ao tipo de utilização que este terá. Como é um produto com material resistente, acredita-se que não haverão grandes problemas quanto as assistências de sistemas únicos. Se acaso haver a necessidade, troca-se todo o produto por um novo, desde que esteja dentro do prazo de garantia. Se, por ventura, o produto vier a se danificar por maus cuidados/usos, este terá que ser reposto por conta do comprador, ou seja, este pagará por um novo produto. Se o sistema retrátil da guia travar internamente por algum motivo, pode-se abrir a base da guia pelo parafuso e engates, conseguindo assim, arrumar o sistema de maneira fácil e rápida. Quanto ao armazenamento do produto, a guia tem uma embalagem diferenciada que faz com que se pendurada em algum local da casa, ao voltar do passeio com o cão, o dono pode armazenar sua guia na própria embalagem, esta protegerá e não ocupará espaços maiores. A embalagem será mais detalhada adiante, mas antecipa-se que esta tem uma espécie de bolsa em sua parte interior que acomoda a guia facilmente Adequação Antropométrica Neste capítulo são mostradas as medidas físicas do corpo humano relativamente adequadas ao produto em desenvolvimento. Segundo Iida (2005, p. 98) Homens e mulheres diferenciam-se entre si desde o nascimento. Os meninos são 0,6 cm mais compridos e 0,2 kg mais pesados, em média. Para o produto usou-se de medidas extremas da população brasileira, o homem mais alto (95%) e a mulher mais baixa (5%), tomando-se como base somente a estatura do indivíduo e as medidas do tamanho das suas mãos, pois o produto precisa se adaptar para ambos os sexos e dimensões. Com isso, usou-se de medidas ditadas por Iida (2005) como variações extremas de um estudo realizado com adulto norte-americanos, podendo ser verificadas mais claramente na tabela 3: 42

43 Variações Altura (em cm) Largura da palma (em cm) Mulher 5% 152,78 7,34 Homem 95% 186,65 9,76 Tabela 3: Medidas de Variações Estas medidas foram usadas para a elaboração de adequações antropométricas estáticas, pois segundo Iida (2005, p. 137) [...] produtos e equipamentos que exigem relativamente poucos movimentos, podem ser usados os dados de antropometria estática. Sendo assim, como a variação de posição quanto à pessoa que estará passeando com o cão é mínima, utilizou-se desta forma. Com relação a pega da guia, pode-se levar em consideração que Iida (2005, p. 246) afirma que Observa-se que os melhores resultados quanto à transmissão de forças são obtidos com os diâmetros de cilindros entre 3 a 5 cm. As áreas de contato são melhores com os diâmetros de 5 a 7 cm, mas estes cilindros não permitem uma boa pega Dentro destas considerações, como o diâmetro do produto é de 2,5 cm, fez-se uma cobertura somente para a parte da pega da guia, gerando um cilindro de pega máxima de 3,0 cm, ou seja, dentro do padrão recomendado, evitando-se desta forma um efeito de peso na questão estética do produto como um todo. Abaixo demostra-se as variações entre os percentuais de 5% feminino e 95% masculino na figura 27. Figura 27: Percentuais 5% e 95% Na figura 24, a qual mostra as relações entre a guia e o usuário, pode-se verificar que a parte onde está em branco seria a guia com 2,5 cm e a parte onde está pintado de verde é a variação para 3,0 cm que fica com um manejo melhor. Na vista superior da figura 27, mostra a adequação do comprimento da pega em silicone, feito com 13 cm e aceito tanto no percentil 5% feminino quanto o 95% masculino. Outra medida considerada foi o compartimento interno para sacolas, na qual se estabeleceu como parâmetro sacolas de mercado e também o tamanho das fezes caninas, determinando-se o tamanho interno de 10,4 por 5,7 cm. Quanto a disposição para sacolas o espaço interno foi 43

44 suficientemente bom, conseguindo incluir mais de sete sacolas de mercado, mostradas na figura 28. Figura 25: Capacidade de sacolas no compartimento E quanto as fezes caninas, o tamanho é suficiente para até duas medidas de dejetos caninos de cães de porte médio, mostrados na figura 29. Figura 26: Capacidade de dejetos caninos no compartimento Com isso, entende-se que o espaço interno já citado é suficientemente bom para guardar sacolas, coletores e também, se necessário, sacolas com dejetos caninos de maneira segura e eficaz Adequação Biomecânica Nesta etapa do trabalho são descritas as movimentações feitas durante o uso da guia, posições e até mesmo esforços relacionados as melhores adequações para cada tipo de postura. Como a guia é voltada a passeios diários com cães, o trabalho exercido é dinâmico. Iida (2005, p. 162) diz que O trabalho dinâmico ocorre quando há contrações ou relaxamentos alternados dos músculos, como nas tarefas de martelar, serrar, girar um volante, ou caminhar. Os trabalhos exercidos no caso da guia podem ser separados da seguinte forma: força para 44

45 empurrar e puxar, levantamento de cargas e pegas adequadas. Estas posturas e forças estão ilustradas com bonecos ergonômicos nos percentis 5% feminino e 95% masculino, como já citados no sub-capítulo de adequação antropométrica. A posição de pé com deslocamento das pernas é a correta para caminhar com cães, Iida (2005) afirma que até 20 minutos nesta mesma posição não há problemas, pois é uma postura normal, porém se houver forças maiores, como no caso do cão puxar muito, já utiliza-se de forças para empurrar e puxar que necessitam de mais atenção. A posição com deslocamento das pernas pode estar sendo conferida na figura 30. Figura 30: Posição correta para deslocamento das pernas Além desta posição, o usuário tem também a facilidade em estar sendo puxado pelo cão, como não foi encontradas informações para esta posição, utilizou-se da técnica de observação para representar com bonecos ergonômicos tal situação. Podendo estar sendo verificada na figura 31. Figura 31: Posição com o cachorro puxando 45

46 Quanto ao levantamento de cargas, utilizado para a coleta dos dejetos caninos durante o passeio com o cão, foram analisadas as posturas corretas referente a esta ação. Iida (2005, p. 180) diz que [...] recomenda-se que o levantamento de cargas seja realizado sempre com a coluna na posição vertical, usando-se da musculatura das pernas [ ], que são mais resistentes. Sendo assim, a figura 32 ilustra essa postura correta de maneira que o usuário possa se abaixar para coletar os dejetos caninos sem que acabe se machucando ou forçando musculaturas. Figura 32: Postura correta para levantamento de cargas Na questão de manejo e pega da guia baseou-se no que Iida (2005) representa ser manejo grosseiro, ou seja, é exercido pelo centro das mãos e os dedos têm a função de prender enquanto os punhos e braços exercem os movimentos necessários. A figura 33 ilustra os manejos grosseiros e suas melhores pegas. Figura 33: Tipos de manejo grosseiro Fonte: Iida (2005) Como foi definida a pega geométrica, esta se diz por assemelhar à uma figura geométrica no caso da guia um cilindro. Iida (2005) diz que este tipo de pega tem vantagem por flexibilidade no uso e permite variações de pegas adaptando-se melhor a diferentes medidas. Quanto ao sistema de toque para abertura da tampa é feito por manejo fino, sendo necessário apenas um toque para que esta se abra. A figura 34 ilustra os principais tipos de manejo fino. 46

47 Figura 34: Tipos de manejo fino Fonte: Iida (2005) Adequação Fisiológica / Ambiental Como o produto tem contato direto com as mãos do usuário, a pega da guia provoca umidade fazendo com que as mãos transpirem. Para corrigir este possível problema foi desenvolvido um revestimento em elastômero de silicone na base da guia, ajudando a neutralizar as transpirações. Segundo Lima (2006) o elastômero de silicone é fortemente resistente a altas e baixas temperaturas (-70º a 250º), com isso sempre que a temperatura se elevar o indivíduo não irá transpirar tão facilmente, pois o silicone irá proteger este desvio na temperatura. O ABS, material que reveste 80% do produto, é resistente a diferentes variações térmicas como umidades, dias quentes, frios e chuvosos. Assim sendo, o produto garante uma vida útil muito maior ao usuário Adequação Cognitiva A adequação cognitiva busca compreender o funcionamento do produto de maneira a facilitar a interação com o usuário, obtendo aceitação deste. Para isto, utilizou-se os critérios e subcritérios desenvolvidos por Bastien; Scapin (1993) no qual serão abordados somente os critérios relevantes ao produto em desenvolvimento. Condução: para abertura da tampa do compartimento existe um rebaixo indicando a posição certa para o funcionamento da abertura da tampa e ainda um alto-relevo escrito aperte. Desta forma, o usuário tem a disposição interna do compartimento para guardar sacolas ou deixá-las com dejetos até um lixeiro próximo. - presteza: o produto tem suas principais informações de uso quanto ao compartimento para sacolas e botão de travamento da guia em sua embalagem, não necessitando de um manual separado para este, pois suas funções são simples e fáceis de serem manuseadas. - agrupamento/distinção: toda a base do compartimento é anexado à guia em função de um encaixe simples que o trava somente apertando-o sobre a guia e permanece travado durante todo o passeio até que se solte de novo manualmente. - legibilidade: o produto apresenta boa legibilidade tanto quanto a utilização do botão que faz abrir a tampa, quanto o botão que trava a guia. O botão para travar a guia só possui informações quanto a utilização na embalagem, para que este não se sobressaia e não havendo necessidades maiores, pois todas as guias retráteis possuem um botão parecido. O sistema para fechar a tampa do compartimento tem a palavra aperte em caixa alta para que se tenha uma leitura fácil. 47

48 Controle explícito: a base do compartimento possui um sistema de toque bastante eficiente ao produto para que este não atrapalhe durante o uso, tornando a coleta fácil, rápida e discreta. - ações explícitas do usuário: a abertura do compartimento é realizada através de um sistema rápido e eficaz, sendo necessário apenas um toque sobre a tampa e da mesma forma para fechar o compartimento. Desta forma evita-se que a tampa abra involuntariamente durante o passeio. O mesmo acontece com o botão da guia, depois de travar a corda com um toque sobre o botão não se destravará sozinho, isso acontecerá somente se o usuário forçá-lo novamente Adaptabilidade: o compartimento tem por função armazenar sacolas destinadas à coleta dos dejetos caninos, e também possibilitar o transporte de sacolas com dejetos até um local próprio. - flexibilidade: além do objetivo já citado acima, o usuário pode se adequar ao compartimento carregando outros pertences, se necessário, desde que este caiba no espaço interno e não o danifique. Homogeneidade/coerência: a guia é totalmente coerente com as coleiras que existem no mercado. O mosquetão possui um tamanho que se adequa facilmente as diferentes coleiras e argolas. O produto é destinado à utilização com cães de pequeno e médio porte para que o sistema retrátil não seja forçado mais do que suporta Desenho Técnico O desenho técnico foi desenvolvido com base nas medidas finais definidas do produto. Primeiramente será mostrada a vista principal com as indicações de cada peça e seus sistemas, após suas partes específicas mais detalhadas. 48

49 49

50 50

51 51

52 52

53 53

54 54

55 55

56 8.5 FUNÇÃO TÉCNICA Nesta etapa do projeto são apresentadas as tecnologias utilizadas para a construção do produto, assim como seus sistemas de construção, materiais utilizados para a elaboração e seus processos de fabricação Tecnológica O sistema retrátil utilizado na guia foi baseado em uma trena de medição, mostrado pela figura 35, a qual ilustra de maneira simples a tecnologia usada nas trenas e também guias retráteis. Como o produto possui medidas diferentes de disposição para este sistema, houveram algumas alterações e adequações. Figura 35: Sistema de Trena O sistema retrátil da guia baseou-se quase que por completo no sistema de trena, sendo que este foi adaptado para um novo formato. Portanto, houveram algumas modificações quanto a base que faz com que a corda consiga esticar e retrair sempre que necessário. O formato do sistema da guia pode ser analisado pela figura 36. Figura 36: Base retrátil A mola que faz a base interna girar ficou basicamente igual a de uma trena, tendo alterações nas medidas de comprimento em função da guia ser maior externa e internamente possuindo dimensões diferentes, assim como seu formato. Desta forma, o que faz com que a guia seja retrátil é o sistema de mola e a corda da guia localizada externamente na base, permitindo que a guia se expanda quando o cachorro puxar. 56

57 8.5.2 Sistema Construtivo O sistema construtivo baseia-se nas montagens e sistemas de montagens de cada peça que contém a guia, com isto fez-se primeiramente uma vista explodida do produto, figura 37, e após foram definidos os detalhamentos específicos de cada sistema. Figura 37: Vista Explodida do Produto Primeiramente são produzidas as partes principais da guia, a base de ABS, a base retrátil de PEAD e a pega do silicone, após são feitos os encaixes e montagens dos sistemas seguintes necessários a finalização da guia. Na vista mais detalhada da base da guia, figura 38, pode verificar-se que a base é envolvida por uma camada que fará parte da pega, feita de Silicone SI necessitando apenas um encaixe na base para que o Silicone se fixe corretamente na guia. Desta forma, o Silicone pode ser retirado para possíveis limpezas e abertura total da base. Figura 38: Base da guia e silicone 57

58 Na base da guia serão feitas duas partes, uma superior e outra inferior, para que a superior se encaixe e fique fixa na inferior colocou-se um parafuso com 10 mm de comprimento, e ainda quatro encaixes, este sistema facilitará a abertura do produto pelo usuário. Os encaixes são simples e fáceis de serem manuseados e o material utilizado foi o próprio ABS, que contorna a base e foi fabricado direto no molde da injeção. Para o sistema retrátil a base foi feita em PEAD, que é um material resistente e na parte interna, como mostra a figura 39, é encaixada a mola de fita de aço para a base poder girar e expandir a corda que é fixada também na base, porém na parte externa. A corda é fixada na base por meio de colagem, onde a ponta final é fixada com pressão, ficando resistente. A mola é fixada por meio de encaixe, no qual há um rebaixo na própria base para que esta fique junta a mola. Figura 39: Base da Guia em perspectiva A corda, que está fixa à base da guia, tem em sua outra extremidade uma peça de plástico fazendo com que a corda se encontre com a fita externa, esta peça possui um travamento próprio, necessitando apenas passar por fora da corda e travar. O mosquetão é fixado na fita por meio de uma alça que o próprio mosquetão possui, podendo ser visualizadas na figura 40. Figura 40: Fita e mosquetão Além de todas estas partes que compõem a guia, há também a base de compartimento, figura 41, que é composta de uma tampa com uma dobradiça própria desenvolvida direto no molde de injeção da base e ainda um sistema de fecho toque conhecido como Touch Bin, apenas 58

59 encaixado em um espaço específico na base, podendo ser trocado sem dificuldades. Figura 41: Base do Compartimento Ainda na base de compartimento há um sistema de travamento direto com a guia. A base possui encaixes em seu lado inferior, pelo qual apenas pressionando sobre os buracos existentes na guia, esta se fixa de maneira segura. Para a retirada desta, basta puxar que a base se solta da guia Materiais Os materiais descritos nesta etapa são os utilizados para todas as partes descritas do produto, assim como as externas e internas. Explicar-se-ão os materiais e as peças que contém cada um deles Acrilonitrila Butadieno Estireno - ABS O termoplástico Acrilonitrila Butadieno Estireno (ABS) foi utilizado em algumas partes do produto que necessitam de maior resistência e acabamentos superficiais melhores, podendo ser visualizados na figura 42 como: base externa da guia (1) base e tampa do compartimento (2) e fechamento da corda (3). Figura 42: Partes do produto em ABS 59

60 Lima (2006) diz que o ABS possui um excelente acabamento superficial, uma excelente rigidez e ótima resistência, principalmente a impactos o que é de importância ao produto e após o seu processamento apresenta ótima aparência na superfície. Além de ter um alto brilho, é capaz de produzir detalhes com extremas precisões, como no caso do rebaixo em detalhe da patinha. Este material é bastante utilizado em telefones, eletrodomésticos, eletroeletrônicos, brinquedos, etc Silicone - SI Este material foi utilizado na parte da pega da guia e também da capa interna do compartimento para sacolas. O Silicone é caracterizado por Lima (2006, p. 176) como sendo Polímeros semi-orgânicos de alto peso molecular formado por cadeias longas de átomos alternados de silício e oxigênio. Assim sendo, o Silicone é bastante estável em relação a altas e baixas temperaturas, como já falado anteriormente, assim como possui ótima resistência aos raios ultra violetas e ao ozônio. Outro fator importante do Silicone é que além dessas propriedades, não existem registros de que tenha provocado algum tipo de reação alérgica no ser humano. Sendo assim, o silicone pode ser manipulado com segurança, sem o risco de provocar poluição ou danos à saúde humana. Existe ainda a necessidade de alterar a propriedade do silicone SI usado para a capa interna, precisando reter os possíveis odores causados pelos dejetos. Desta forma, não existirá problemas de retenção de odor nos outros compartimentos do produto, mas sim somente nesta capa protetora. Para isto usou-se de um aditivo do tipo masterbatch adicionado ao silicone no processo de fabricação. O TEGO Sorb é um masterbatch que retém odores e foi lançamento na feira Brasilplast 2009, seu fabricante é a Evonik Industries14. Além da fabricação destes materiais descritos, existem peças da guia que serão terceirizadas por fabricantes seguros, de modo que a guia se finalize por completa. Estas partes são a corda da guia, a fita, o mosquetão, a mola (fita de aço), o parafuso e o fixador da corda da guia. Corda da guia O Poliéster (PET) foi utilizado para a corda da guia, na parte interna. Esta corda trançada de poliéster será terceirizada, sendo adquirida por rolos pela empresa Rodocordas15 situada em Itajaí Santa Catarina. Suas principais características são: boa resistência a ruptura, fácil manuseio, ótima resistência a intempéries e opção econômica aconselhada. Podendo ser visualizada na figura 43. Figura 43: Corda Trançada de Poliéster (PET) Fonte: Disponível em: Disponível em: 60

61 A corda tem diâmetro de 0,35 cm, o rolo possui comprimento total de 153 m e são fabricadas 100% em poliéster reciclado. Fita da guia Para um melhor acabamento externo da guia, utilizou-se fitas para prender-se ao mosquetão. As Fitas Expressas16 possuem um anel elástico interno em uma das extremidades o que substitui o "String" para estabilizar o mosquetão, melhorando assim o manuseio e facilitando o uso. São fabricadas em Poliéster de Alta Tenacidade que garante maior resistência mecânica e a agentes químicos, possui 25 cm de comprimento. Estas são mostradas na figura 44, e fabricadas na cor preta, para não ficar diferente da corda interna. Figura 44: Fitas Expressas Fonte: Mosquetão O mosquetão, é um anel metálico que possui um segmento móvel, chamado gatilho, que se abre para permitir a passagem do anel da coleira do cão, para que este fique fixo a guia. Este produto será terceirizado pela empresa Iate17, o modelo escolhido para a guia foi o mosquetão de aço INOX giratório (representado pela figura 45) que faz com que a guia não se enrosque. Figura 45: Mosquetão de INOX Iate Fonte: Fita de Aço Alto Carbono Mola da Guia A fita de aço será utilizada para a mola interna da guia, fazendo com que esta seja retrátil. O Sandsteel18 define as fitas de aço com alto teor de carbono como [...] utilizados em peças planas e processos de baixa conformação. Sua característica principal é a alta resistência mecânica aliada a boa tenacidade, podendo ser utilizado na condição sem têmpera ou pré Disponível em: n Disponível em: Disponível em: 61

62 temperado. Esta terá sua dimensão de 0,15 mm de espessura, 1 m de comprimento e 10 mm de altura, tendo estas medidas referente ao tamanho interno da base retrátil. A figura 46 ilustra essa fita de acordo com a que será utilizada na guia, sendo adquirida pela Sandsteel. Figura 46: Fita de aço alto carbono Fonte: Parafuso para prender a guia Para prender a guia será utilizado um único parafuso de Fenda Philips ChipBoard da empresa Reipar19 por ser fácil de desparafusar em casos necessários. Ilustrado pela figura 47, possui a cabeça chata e escolhe-se o acabamento Zincado Branco, pelas demais peças da guia serem brancas, tornando-o discreto. Figura 47: Parafuso Fenda Philips Fonte: Suas dimensões conforme a figura 47 são de: L (comprimento): 10 mm D (diâmetro da cabeça): 6 mm h (altura da cabeça): 2,34 mm d (diâmetro): 3 mm Além do parafuso central para prender a guia, será utilizado um acabamento superficial na guia para que esta fique fixa de maneira segura. Esse acabamento será feito direto no ABS em sua fabricação Processos e Fabricação Os processos e fabricações descritos nesta etapa são unicamente dos materiais escolhidos para serem fabricados, não compreendendo aos produtos e materiais terceirizados por fabricantes. 19 Disponível em: 62

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Introdução A Eucatex, através deste Código de Ética e Conduta, coloca à disposição de seus colaboradores, fornecedores e comunidade, um guia de orientação para tomada de decisões

Leia mais

Meio Ambiente PROJETOS CULTURAIS. 4 0 a O - fu dame tal. Cuidar da vida também é coisa de criança. Justificativa

Meio Ambiente PROJETOS CULTURAIS. 4 0 a O - fu dame tal. Cuidar da vida também é coisa de criança. Justificativa Meio Ambiente 4 0 a O - fu dame tal Cuidar da vida também é coisa de criança Justificativa PROJETOS CULTURAIS Na idade escolar, as crianças estão conhecendo o mundo (Freire, 1992), sentindo, observando,

Leia mais

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO Rivanildo Ferreira de MOURA 1, Marcos Antônio BARROS 2 1 Aluno de Graduação em Licenciatura em Física, Universidade Estadual da Paraíba-UEPB,

Leia mais

Identificação do projeto

Identificação do projeto Seção 1 Identificação do projeto ESTUDO BÍBLICO Respondendo a uma necessidade Leia Neemias 1 Neemias era um judeu exilado em uma terra alheia. Alguns dos judeus haviam regressado para Judá depois que os

Leia mais

Manual Completo Como cuidar de Peixe Betta

Manual Completo Como cuidar de Peixe Betta Manual Completo Como cuidar de Peixe Betta Conheça os Segredos Para Um Betta com Muita Saúde! Manual Completo Dedicado a todos Aqueles que Têm Muito Carinho por Bettas Autor Pedro Imperatore Todos os direitos

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

Meu Grande Amigo. Como Escolher O Cão Ideal Para Você E Sua Família. Paulo I. S. Doreste

Meu Grande Amigo. Como Escolher O Cão Ideal Para Você E Sua Família. Paulo I. S. Doreste Meu Grande Amigo Como Escolher O Cão Ideal Para Você E Sua Família Paulo I. S. Doreste Notificação de Direitos Autorais Você pode compartilhar esse guia gratuitamente! Você não tem autorização para vendê-lo

Leia mais

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 Márcia Pilla do Valle 2 Todos sabemos que a prática de uma atividade física é fundamental para a saúde do indivíduo. Cada vez

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

O Indivíduo em Sociedade

O Indivíduo em Sociedade O Indivíduo em Sociedade A Sociologia não trata o indivíduo como um dado da natureza isolado, livre e absoluto, mas como produto social. A individualidade é construída historicamente. Os indivíduos são

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Nome: João Victor Cardoso Alves Projeto: Altas Habilidades Tema: Gatos APRENDENDO SOBRE GATOS Primeiramente escolhi os felinos de uma forma geral, mas era

Leia mais

10 coisas que cachorros ensinam sobre o que de fato importa

10 coisas que cachorros ensinam sobre o que de fato importa 10 coisas que cachorros ensinam sobre o que de fato importa Cães são uma fonte constante de amor e diversão, mas, além disso, nos ensinam algumas das maiores lições de nossas vidas Debbie Gisonni, do Cachorro:

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

Recomendada. A coleção apresenta eficiência e adequação. Ciências adequados a cada faixa etária, além de

Recomendada. A coleção apresenta eficiência e adequação. Ciências adequados a cada faixa etária, além de Recomendada Por quê? A coleção apresenta eficiência e adequação metodológica, com os principais temas relacionados a Ciências adequados a cada faixa etária, além de conceitos em geral corretos. Constitui

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Seis dicas para você ser mais feliz

Seis dicas para você ser mais feliz Seis dicas para você ser mais feliz Desenvolva a sua Espiritualidade A parte espiritual é de fundamental importância para o equilíbrio espiritual, emocional e físico do ser humano. Estar em contato com

Leia mais

Escola Estadual Dona Tina. Otávio Fernandes Silva Felipe Noronha Santos Jairo de Jesus Santos GUINDASTE HIDRÁULICO

Escola Estadual Dona Tina. Otávio Fernandes Silva Felipe Noronha Santos Jairo de Jesus Santos GUINDASTE HIDRÁULICO Escola Estadual Dona Tina Otávio Fernandes Silva Felipe Noronha Santos Jairo de Jesus Santos GUINDASTE HIDRÁULICO Livramento de Nossa Senhora Bahia 2015 V FEIRA DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA DA BAHIA Escola

Leia mais

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo)

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) Duração: 5 Sessões (45 minutos) Público-Alvo: 6 a 7 anos (1º Ano) Descrição: O programa A Família é constituído por uma série de cinco actividades. Identifica o

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE

A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE Erica Grayce de Souza Silva 1 Hélio Rubens Jacintho Pereira Júnior 2 José Antonio Bueno 3 RESUMO O

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Empreendedorismo COMPETÊNCIAS HABILIDADES

Empreendedorismo COMPETÊNCIAS HABILIDADES Empreendedorismo Curso de Moda e Estilismo Graduação em Administração de Empresas Especialização em Marketing Empreendedorismo COMPETÊNCIAS Conhecer o processo de empreender utilizando as estruturas, as

Leia mais

ANGELITA PÔRTO E SILVA

ANGELITA PÔRTO E SILVA 1 FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL GOVERNADOR ILDO

Leia mais

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR.

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. Wedell Jackson de Caldas Monteiro E.E.M.I. Auzanir Lacerda wedellprofessor@gmail.com Nadia

Leia mais

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste LEITURA DA ENTREVISTA 2 E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste trabalho que estou a desenvolver. Como lhe foi explicado inicialmente, esta entrevista está

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

ESCOLA: AMBIENTE DE HARMORNIA OU CONFLITO? RESUMO

ESCOLA: AMBIENTE DE HARMORNIA OU CONFLITO? RESUMO ESCOLA: AMBIENTE DE HARMORNIA OU CONFLITO? 1 Sandra Gaspar de Sousa Moura RESUMO Este artigo tem a finalidade de mostrar a importância das relações interpessoais dentro do ambiente escolar e como os sujeitos

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS.

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. Fernando Toledo Ferraz - ferraz@cybernet.com.br Departamento de Engenharia de Produção Myriam Eugênia R.

Leia mais

(UNIDADE CEBRAC BOTUCATU)

(UNIDADE CEBRAC BOTUCATU) CAMPANHA MAIS CIDADÃO (UNIDADE CEBRAC BOTUCATU) APRESENTAÇÃO Nossa Missão: Desenvolver o potencial das pessoas e formar o cidadão profissional para atuar com brilhantismo no mercado de trabalho Estar sintonizados

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS IFAM CAMPUS HUMAITÁ CURSO DE... NOME DO(A) DISCENTE TÍTULO DA PESQUISA HUMAITÁ AM ANO EM QUE O TRABALHO

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

O CENSO 2010: BREVE APRESENTAÇÃO E RELEVÂNCIA PARA A GEOGRAFIA

O CENSO 2010: BREVE APRESENTAÇÃO E RELEVÂNCIA PARA A GEOGRAFIA O CENSO 2010: BREVE APRESENTAÇÃO E RELEVÂNCIA PARA A GEOGRAFIA BRUNO DE OLIVEIRA SOUZA 1 e RÚBIA GOMES MORATO 2 brunooliveira_souza@hotmail.com, rubiagm@gmail.com 1 Aluno do curso de Geografia Unifal-MG

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL Ana Maria G. D. MENDONÇA 1, Darling L. PEREIRA 2,,José J. MENDONÇA 3, Aluska M. C. RAMOS 4 Maria S. B. DUARTE

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

Dicas para seu Cartão de Visita

Dicas para seu Cartão de Visita O Cartão de Visita O cartão de visita é um pequeno cartão contendo os dados de contato de uma pessoa ou corporação. Para muitos, ele é a primeira ferramenta de marketing. Após um contato profissional,

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções:

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: PROJETO DE PESQUISA Antonio Joaquim Severino 1 Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: 1. Define e planeja para o próprio orientando o caminho a ser seguido no desenvolvimento do trabalho

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS?

HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS? HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS? Nível de Ensino/Faixa Etária: Série indicada para o Ensino Fundamental Final Áreas Conexas: Biologia, Linguística, Sociologia, Geografia, História, Artes, Gramática, Filosofia.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO

A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO 0 1 A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A palavra liderança é uma palavra grávida, tem vários significados. Desde os primórdios dos tempos a humanidade vivenciou exemplos de grandes líderes. Verdadeiros

Leia mais

5 - O Projeto da Pesquisa

5 - O Projeto da Pesquisa 5 - O Projeto da Pesquisa 5.1 - Escolha do Tema Existem dois fatores principais que interferem na escolha de um tema para o trabalho de pesquisa. Abaixo estão relacionadas algumas questões que devem ser

Leia mais

Chat com Fernanda Dia 17 de março de 2011

Chat com Fernanda Dia 17 de março de 2011 Chat com Fernanda Dia 17 de março de 2011 Tema: O papel do terapeuta ocupacional para pessoas em tratamento de leucemia, linfoma, mieloma múltiplo ou mielodisplasia Total atingido de pessoas na sala: 26

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes.

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. MARCELA GARCIA MANOCHIO PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. Projeto de Estágio extracurricular em Processos Educativos, desenvolvido para

Leia mais

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos.

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos. Psicoterapia comportamental infantil Eliane Belloni 1 A psicoterapia comportamental infantil é uma modalidade de atendimento clínico que visa propiciar mudanças no comportamento da criança a partir de

Leia mais

TÍTULO: AS CACHORREIRAS

TÍTULO: AS CACHORREIRAS PROJETO DE UM PROGRAMA DE TV Redator: Paulo Mohylovski Gênero: Entretenimento. Duração: 15 minutos. Periodicidade: Semanal. TÍTULO: AS CACHORREIRAS APRESENTAÇÃO O programa AS CACHORREIRAS é sobre cachorros

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA

MODELAGEM MATEMÁTICA 600 MODELAGEM MATEMÁTICA *Carla da Silva Santos **Marlene Menegazzi RESUMO Este artigo retrata através de seus dados históricos, métodos e exemplo prático uma metodologia alternativa de ensino nos levando

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI PREFEITURA MUNICIPAL DE LONTRAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI DESPERTANDO AÇÕES SUSTENTÁVEIS LONTRAS 2013 1.TEMA A preservação

Leia mais

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação.

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação. Colégio Tutto Amore Colégio Sapience Carinho, Amor e Educação. Trabalhamos com meio-período e integral em todos os níveis de ensino. www.tuttoamore.com.br Nossa História No ano de 1993 deu-se o ponto de

Leia mais

Gestão de Projetos Logísticos

Gestão de Projetos Logísticos Gestão de Projetos Logísticos Professor: Fábio Estevam Machado CONTEÚDO DA AULA ANTERIOR Teoria Gestão de Projetos Projetos Atualidades Tipos de Projetos Conceitos e Instituições Certificação Importância

Leia mais

Cuidados e recomendações TOP WESTIES

Cuidados e recomendações TOP WESTIES w w w.. c o m ÍNDICE Introdução... 3 Vermifugação... 4 Vacinas... 5 Doenças... 6 Alimentação... 7 Pulgas e carrapatos... 8 INTRODUÇÃO Este documento serve para mostrar e orientar os donos e futuros donos

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5)

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA Assim: 9; com ref. às fontes: 12-13 EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Autores: André Sequeira 1º - A1 20110039 João Almeida 1º - A1 20110309

Leia mais

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes 1. Perguntas e Respostas para Todos os Públicos: 1.1. O que é posicionamento de marca e por que está sendo

Leia mais

ESCOLA DE PAIS.nee. Programa Escola de Pais.nee Formadora: Celmira Macedo

ESCOLA DE PAIS.nee. Programa Escola de Pais.nee Formadora: Celmira Macedo 1 PROGRAMA DA ESCOLA DE PAIS I. Introdução A escola de pais apresenta-se com um espaço de formação para famílias (preferencialmente famílias de crianças com necessidades especiais), estando igualmente

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem.

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem. ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / "Quanto mais Deus lhe dá, mais responsável ele espera que seja." (Rick Warren) LÍDER:

Leia mais

Lição 5. Instrução Programada

Lição 5. Instrução Programada Instrução Programada Lição 5 Na lição anterior, estudamos a medida da intensidade de urna corrente e verificamos que existem materiais que se comportam de modo diferente em relação à eletricidade: os condutores

Leia mais

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 1 RELATÓRIO FINAL PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL PANORAMA SOCIAL Viviani Bovo Campinas - Brasil Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 2 Relatório para Certificação

Leia mais

Modelos Conceptual e Mental

Modelos Conceptual e Mental Interfaces Pessoa Máquina 08-10-2012 Modelos Conceptual e Mental Cap. 6 Conceptualização da Interação 06 Melhor e Pior? 1 Melhor e Pior? Resumo Aula Anterior Análise de Utilizadores O que é? Porquê? O

Leia mais

O Projeto de Pesquisa

O Projeto de Pesquisa O Projeto de Pesquisa CLÁUDIA BARBOSA O objetivo desta unidade é ensinar ao aluno sobre a definição e elaboração de um Projeto de Pesquisa. Ao final desta aula o aluno deverá apresentar seu projeto de

Leia mais

FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN

FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN Brenda Luíza Patriota Lima e Silva¹ André Elias Nóbrega² João Batista dos Santos³

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

Módulo 1 Questões Básicas da Economia. 1.1. Conceito de Economia

Módulo 1 Questões Básicas da Economia. 1.1. Conceito de Economia Módulo 1 Questões Básicas da Economia 1.1. Conceito de Economia Todos nós temos uma série de necessidades. Precisamos comer, precisamos nos vestir, precisamos estudar, precisamos nos locomover, etc. Estas

Leia mais

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista www.infanciaeadole scencia.com.br O desenvolvimento social ocorre ao longo de todas as etapas do ciclo vital. Entretanto,

Leia mais

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS 1 O Método do Caso e o Ensino em Administração O uso do Método do Caso nas escolas de administração no Brasil é relativamente recente, embora não haja

Leia mais

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE Inicialmente faz-se necessário entender o que é grupo social, a sua importância e contribuição na vida de uma pessoa, para posteriormente

Leia mais

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO SOUZA, Caio Henrique Bueno de 1 RODRIGUES, Davi 2 SANTOS, Edna Silva 3 PIRES, Fábio José 4 OLIVEIRA, Jully Gabriela

Leia mais

PROJETO ESCOLA PARA PAIS

PROJETO ESCOLA PARA PAIS PROJETO ESCOLA PARA PAIS Escola Estadual Professor Bento da Silva Cesar São Carlos São Paulo Telma Pileggi Vinha Maria Suzana De Stefano Menin coordenadora da pesquisa Relator da escola: Elizabeth Silva

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

Introdução. Introdução

Introdução. Introdução Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Introdução O propósito do marketing e satisfazer as necessidades e desejos dos clientes-alvo. Dessa forma, a análise do comportamento do consumidor visa identificar

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS

CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS 1 João Lopes da Silva Neto; 2 Juciery Samara Campos Oliveira; 3 Thayana Santiago Mendes; 4 Geovana do Socorro Vasconcelos Martins 1 (AUTOR) Discente

Leia mais

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência)

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência) SEREI UM EMPREENDEDOR? Este questionário pretende estimular a sua reflexão sobre a sua chama empreendedora. A seguir encontrará algumas questões que poderão servir de parâmetro para a sua auto avaliação

Leia mais

de animais nos parques

de animais nos parques GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Abandono de animais nos parques Animais não são descartáveis. Não abandone o seu. Abandonar é maltratar e maus-tratos a animais é crime. Lei Federal

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais