PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR. Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR. Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP"

Transcrição

1 1 APRESENTAÇÃO TEXTOS PRESCRITIVOS Os textos prescritivos são os que contêm informação acerca do modo de realizar uma atividade: são instruções. Podem ser simples, como a recomendação de uma atividade escolar, ou complexos, como uma lei parlamentar. Há instruções nos trabalhos manuais, nos jogos, no uso de aparelhos e máquinas, nas receitas culinárias, nos regulamentos, etc. As tarefas escolares estão repletas de instruções sobre como faze-las. Uma das queixas mais freqüentes dos professores é de que "os alunos não lêem as instruções" ao realizarem as atividade. Não apenas na Educação Infantil, Mas no Ensino Fundamental também, Inclusive na universidade! Se não é fácil ler as instruções, tampouco o é escreve-las, "explicar com palavras" as tarefas envolvidas em qualquer atividade. Talvez não se tenha dedicado um espaço adequado ao ensino das habilidades específicas de leitura e de escrita deste tipo de texto. Ou não se tenha dado suficiente importância à expressão e compreensão precisas das instruções. Os professores, de todos os níveis, costumam explicar ou ler as instruções importantes. Por sua vez, os alunos tendem a achar que essa explicação é suficiente. Às vezes, acontece que as instruções são repetidas constantemente em sucessivas tarefas, o que acostuma a pensar que não vale a pena lê-las. Portanto, qualquer mudança passará despercebida. Seja como for, os textos prescritivos, instruções, requerem maneiras muitos concretas para serem escritos e lidos. E é preciso ensinar essas maneiras na escola desde muito cedo. CARACTERÍSTICAS DOS TEXTOS PRESCRITIVOS OU INSTRUCIONAIS FUNÇÃO regular com precisão o comportamento humano para realização de algum objetivo. MODELOS Instruções escolares. Receitas culinárias. Regulamentos, códigos, normas: jogo, de comportamento, etc. Instruções de manejo de materiais, aparelhos,etc. Instruções para realização de trabalhos manuais, etc. CONTEÚDOS Explicação detalhada de como fazer determinada tarefa. Presença de gráficos e sinais para ilustrar o conteúdo. FORMATO Texto em prosa diferenciado graficamente do restante do texto (por exemplo, da enumeração de materiais necessários). Uso de formas de ordenação e esquematização: numeração dos passos a serem seguidos, roteiros, etc. GRAMÁTICA

2 2 Frases curtas e precisas. Uso léxico específico do tema, especialmente verbos de ação. Uso de formas impessoais no presente ou na 2ª pessoa no imperativo. Importância de partículas temporais para ordenar a seqüência de ações. PROCEDIMENTOS DE LEITURA Uso de imagens, gráficos e ilustrações como complemento da informação textual. Identificação das etapas do processo temporal (o que é primeiro, o seguinte, etc.) Identificação e compreensão dos verbos de ação. Procedimentos de consulta no decorrer da realização da tarefa. Por que trabalhar com receita? A receita é um gênero que possui forte apelo cultural. Ë comum às pessoas passarem receitas umas às outras. Se as receitas são passadas oralmente, poderíamos então nos perguntar: por que trabalhar com receitas escritas? Em primeiro lugar, porque dessa forma pode-se ampliar ainda mais o repertório de possibilidades culinárias, pois só sabemos de cor aquelas receitas que fazemos freqüentemente. Além disso, possibilita uma maior autonomia para as pessoas que cozinham. Mas a justificativa mais importante que sustenta o trabalho com receitas nos anos iniciais do ensino fundamental é o fato de que se trata de um gênero que já é trabalhado na escola por apresentar uma estrutura menos complexa que os outros e que compartilha de certas propriedades de outros gêneros do discurso (como instrução de jogo, instrução de montagem, bula de remédio, regulamento, leis, etc. e até mesmo a constituição). A idéia, então, é começar por um gênero que seja menos complexo para que, nos outros anos escolares, se possa trabalhar com gêneros mais complexos que partilhem de semelhanças com as receitas. Para iniciarmos o nosso trabalho, segue uma descrição sucinta do gênero receita. Essa descrição inclui os seguintes aspectos: contexto de produção- inclui o autor, o leitor (ou ouvinte), objetivo do texto, locais por onde circulam (ou são publicados) esses textos; conteúdo temático temas que são tratados em textos pertencentes a esse gênero; forma composicional e estilo sua organização geral e marcas lingüísticas e enunciativas características.

3 3 Descrição de receita culinária 1. contexto de produção AUTOR/ ENUNCIADOR DESTINATÁRIO Algumas vezes não é identificado. Outras vezes é alguém especialista no assunto que escreve para jornais ou revistas ou pública livros. Em todos os casos, é alguém que sabe fazer uma determinada comida e pretende ensinar como fazer. Leitores de jornal, revistas e livros de culinária. Alguém que pretende fazer uma determinada comida. Fazer com que o destinatário possa fazer comidas a partir da OBJETIVO leitura da receita. LOCAL DE Livros de receitas, jornais suplementos femininos revista, PUBLICAÇÃO caderno de receitas, embalagens de produtos etc. 2. Conteúdo temático Comida, etc. 3. Organização geral TÍTULO Em geral, nome da comida que será preparada. INGRDIENTES Lista de ingredientes que serão utilizados, com a respectiva quantidade. MODO DE FAZER/ Seqüência ordenada de procedimentos que deverão ser PREPARO realizados. TEMPO DE PREPARO Informação sobre o tempo de preparo. (OPCIONAL) RENDIMENTO Informação sobre a quantidade que será produzida. (OPCIONAL) CALORIA (OPCIONAL) Informações sobre a quantidade de calorias que a comida a ser produzida possui (essa é uma característica recente desse gênero e está relacionada a uma preocupação que grande parte das pessoas, por influência das diferentes mídias, vem demonstrando com a forma física e a saúde.) 4. Marcas lingüísticas e enunciativas MARCAS DE ENUNCIAÇÃO USO DE ADVÉRBIO SELEÇÃO LEXIAL Texto impessoal, uso de 3º pessoa (do ponto de vista morfológico) com valor de 2º pessoa (do ponto de vista discursivo) Uso do imperativo. Advérbio e locuções de modo (lentamente, levemente, bem devagar, etc.) e, eventualmente, de tempo (depois, seguida, 20 minutos etc.) Nomes de alimentos e temperos, adjetivos e locuções adjetivas específicas (brando, fresca, média, fervente, fria, quente, etc.), e verbos específicos de atividades culinárias (cortar, picar, lavar, misturar, bater, despejar, colocar, arrumar, descascar, cozinhar, preparar, juntar, escorrer, ferver,etc.)

4 4 É a partir dessa descrição que se pode definir o que será abordado no trabalho com o gênero. Não é necessário trabalhar com todos os aspectos, mas devem-se seleciona-los tendo em conta os objetivos de trabalho definidos para a série, as possibilidades dos alunos e a progressão do trabalho nas diferentes séries. Além do conteúdo propriamente dito, seria interessante trabalhar a escrita das respostas dos alunos. É importante que as respostas recuperem as perguntas feitas para que possam se constituir em anotações significativas a respeito do gênero estudado. Assim, diante de uma pergunta do tipo "O que esses textos possuem em comum?" espera-se como resposta algo como "Todos os textos ensinam a fazer alguma coisa". Mas isso depende também do domínio da base alfabética e do conhecimento dos aspectos convencionais da escrita que os alunos já possuem. Assim, pode-se aceitar, diante da pergunta anterior, que alguns alunos escrevam apenas "Ensinam a fazer algo" e, aos poucos, pode-se ir trabalhando a escrita de respostas mais completas. Pode-se também incentivar a resolução das atividades e a escrita de respostas em dupla e/ou trios heterogêneos quanto aos conhecimentos relativos à escrita.

5 5 1. Investigando receitas O objetivo desta etapa é aferir o que os alunos sabem sobre receitas e sobre a escrita de receitas. ATIVIDADE 1 LENDO DIFERENTES TIPOS DE TEXTO O professor deverá ter 3 tipos de textos instrucionais Caso haja alunos na classe que ainda não saibam ler autonomamente, seria importante que (a) professor(a) ajudasse na leitura. Após a leitura de cada texto, pode-se fazer a seguinte exploração oral. Que tipos de textos são esses? Para que servem? Converse com seus colegas e responda oralmente as perguntas? Agora responda no seu caderno: o que esses textos possuem em comum? O que esses textos possuem de diferente? Os dois exercícios escritos pedem para que os alunos comparem os três textos. Atividades de comparação entre iguais e diferentes ajudam os alunos a perceberem as características dos diferentes gêneros do discurso. A idéia aqui avaliar se já percebem a especificidade de uma receita. ATIVIDADE 2 RECONHECENDO RECEITAS Seria interessante que esta atividade fosse trabalhada em duplas ou trios de alunos heterogêneos no que diz respeito ao conhecimento da linguagem escrita e às competências para ler autonomamente. Caso não consigam ler tudo, peça que observem o todo dos textos, seu formato, suas partes etc. Passe pelas diversas duplas (ou trios) e discuta com eles o que parecem ser outros textos, qual a finalidade deles etc. Sugestão de textos para essa atividade: anúncio publicitário, lista de alimentos, receita. Apresente aos alunos os três suportes textuais sugeridos acima. Faça o questionamento: qual dos três textos você acha que é uma receita. Por que você acha que o texto que você escolheu é uma receita? ATIVIDADE 3 REESCREVENDO RECEITAS O objetivo aqui é investigar como os alunos se saem na produção escrita de uma receita. Ainda que o aluno copie a maior parte da receita, as poucas alterações que fará obrigam-no a pensar sobre como escrever, o que é importante, sobretudo para os que ainda não dominam totalmente a base alfabética da escrita. Vale ressaltar que atividade supõe um certo conhecimento matemático, que se necessário, deverá ser trabalhado coletivamente.

6 6 Pensando nos alunos que dominam a base alfabética, você pode deixar a atividade mais complexa, pedindo que o aluno diga como seria uma receita de outro doce parecido. Se houver oportunidade, uma outra atividade possível é a "transcrição"de uma receita previamente gravada que tenha sido veiculada num programa de rádio ou de TV. Pode-se ainda pedir para que alguém de casa diga oralmente uma receita de algo simples que sabe fazer. Essa receita os alunos tentariam escreve-la para trazer na próxima aula ou poderiam desenha-la. 2. A utilidade da receita e sua forma de organização O objetivo desta seqüência é focar o contexto de produção de uma receita finalidade, características do autor e do leitor de receitas, e portadores de textos nos quais circulam as receitas -, seu conteúdo temático, as partes que compõem uma receita e sua forma de organização. ATIVIDADE 1 PARA QUE SERVE UMA RECEITA? O objetivo principal da atividade é explorar elementos do contexto de e o conteúdo temático de uma receita. Para a realização dessa atividade, é necessário pedir que os alunos tragam receitas para a sala de aula. Podem trazer até receitas que venham em embalagens de produtos. Seria interessante que ele perguntassem em casa se alguém lê receitas para cozinhar, se há algum caderno pessoal de receitas manuscritas etc. O quadro de descrição do gênero nas páginas 56 e 57 deste módulo traz algumas respostas possíveis. Se for possível, os alunos poderão fazer uma receita na escola. Uma das mais fáceis é receita de sanduíches. A idéia é que eles leiam a receita e façam a comida a partir da leitura feita. Portanto, o professor deverá encaminhar esta atividade com as questões abaixo: a) com que objetivo alguém escreve uma receita? b) Quem escreve receitas? c) Onde podemos encontrar receitas? d) Do que fala uma receita? ATIVIDADE 2 EXPLORANDO A ESTRUTURA DE UMA RECEITA São dois os objetivos desta atividade: O primeiro é fazer com que os alunos comecem a atentar para as características de títulos de receitas. O segundo é possibilitar que eles tenham uma certa autonomia de leitura e leiam com mais fluência, mesmo aqueles alunos que ainda não conseguem identificar todas as palavras. Inicie esta atividade a partir de uma conversa sobre o que é mingau:

7 7 1. Você sabe o que é mingau? Discuta com seus colegas de classe e construam juntos, uma definição de mingau. Registre no caderno. A sugestão é partir de uma conversa sobre o que é mingau, espera-se que concluam que mingau devem possuir uma certa textura cremosa, que é conseguido mais comumente a partir de ingredientes básicos como: farinha, leite, açúcar. Escreva essas palavras na lousa para que os alunos possam identificá-las posteriormente nos textos. 2. Peça que em duplas os alunos leiam os títulos de receitas escritas em tiras de cartolina (Mingau de milho, Mingau de tapioca e Vitamina de abacate). Peça que lês analisem o título e prevejam que palavras encontrarão nessas receitas. Depois de lido os títulos, chame a atenção deles para o fato de que um deles é de uma receita de vitamina de abacate. Converse sobre vitaminas e quais os ingredientes que normalmente entram na composição de vitamina ( leite, açúcar, frutas). Chame a atenção dos alunos para os títulos, pois na maioria das receitas, são formados pelo nome do tipo de comida mais o nome do ingrediente principal (há também títulos que não possuem essa característica: bolinho de chuva, brigadeiro, queijadinha, pé-demoleque, beijinho, etc.) 3. Forneça as receitas para que eles relacionem o título com o conteúdo da mesma. Espera-se que os alunos possam ler a receita e dar o título. Seria interessante que essa questão fosse respondida individualmente, após a correção e discussão das questões 1 e 2. ATIVIDADE 3 EXPLORANDO A ESTRUTURA DE UMA RECEITA O objetivo desta atividade é levar o aluno a perceber a organização estrutural de uma receita. Toda receita tem, além do título, Ingredientes (que podem ser apresentados em qualquer ordem) e Modo de fazer, também chamado de Modo de preparar e Preparo (que supõe uma certa seqüência de ações) Optativo que seria ainda incluir Tempo de preparo e rendimento. Pergunte aos alunos: 1. Além do título, quantas partes têm uma receita? Que partes são essas? Que outros nomes essas partes recebem? 2. Apresente aos alunos uma receita desarrumada e solicite que eles a reescrevam, em seu caderno, na ordem correta. Primeiro coloquem o título e depois separe os ingredientes dos itens do Modo de fazer. 3. Pergunte se existe alguma ordem para escrever os itens do Modo de fazer de uma receita? Mas do que identificar as partes da receita e sua forma de organização, é importante levar o aluno a perceber que grande parte dessa organização é devida ao contexto de produção. Assim, deve-se perguntar aos alunos coisas do tipo "Por que será que em uma receita a listagem de ingredientes vem separas do restante da receita e é listada em forma de itens?" (Para facilitar a vida do leitor de receita que deseja preparar alguma comida ele pode verificar se tem todos os ingredientes e já separa tudo o que vai usar antes mesmo de começar a prepará-la). Ou "Por que o título da receita é composto dessa forma?"(para ajudar o leitor a localizar a comida que deseja fazer). Etc. Fonte:BARBOSA, Jaqueline Peixoto.Coleção trabalhando com os gêneros do discurso: Instruir. FTD. São Paulo.2003.

8 8 ATIVIDADES Sanduíche da Maricota A galinha Maricota preparou um sanduíche: Pão, Milho, quirera e ovo. Mas, quando ia comer, a companhia tocou. Era o Bode Serafim, que olhou o sanduíche e exclamou: - Vixe! Falta aí um capim. Aí chegou Kim, o gato, cumprimentou a galinha, e vendo o sanduíche, palpitou: - Falta a sardinha. João, o cão, Também veio com seu jeito de bom moço. E com educação sugeriu: - Coloquem nele um bom osso. Sempre zumbindo e agitada. Chegou a abelha Isabel. Olhou o esquisito recheio: - melhora se puser Mel. Da janela ouvindo o papo, muito metido a bacana, falou, convencido, o macaco: - Claro que falta banana! - Banana? Sardinha? Mel? era o rato Aleixo. - Milho? Osso? Capim? Argh!!! - Vocês esqueceram o queijo! - A brincadeira acabou quando a raposa Celinha olhou bem a Maricota e falou: - Falta galinha. Maricota ficou brava: - Fora daqui, minha gente! Jogou fora o sanduíche e começou novamente. Pão, milho quirera e ovo. Como era pra ter sido. Quem quiser que faça o seu com o recheio preferido. Do livro: Sanduíche da Maricota de Avelino Guedes Editora Moderna 1. ATIVIDADES COM RECEITA A PARTIR DA HISTÓRIA FUNCIONALIDADE ATIVIDADE Com as atividades desenvolvidas a partir do texto o professor trabalha a seriação e a seqüência de fatos. O professor conta a história aos alunos. Após fazer alguns comentários com a turma, propõe um jogo de compra, no qual cada criança deverá rodar a roleta que indicará qual o ingrediente a ser comprado. Termina o jogo assim que o sanduíche estiver montado na ordem apresentada na história. Além desse jogo, o professor pode propor à turma de alunos que cada um monte o seu sanduíche, com os ingredientes trazidos por eles próprios.

9 9 CONTEÚDO ESPECÍFICO MATERIAL ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS Relações entre o oral e o escrito: escolha do que será escrito a partir de tudo o que foi falado. Aprendizagem do sistema alfabético: diferenciando entre letra, desenhos, números, etc.; aspectos convencionais, uso das letras, Distribuição gráfica vertical da lista. Seriação Ingredientes do sanduíche confeccionados (desenhados, pintados e recortados) pela crianças, em papelão, cartolina ou outro; Roleta com os ingredientes, confeccionados pelo professor com bandeja de papelão, com desenhos dos ingredientes. O professor deverá também estimular o reconto da história dando ênfase a seqüência dos fatos, além de trabalhar com a escrita da lista dos ingredientes e a partir dela desenvolver atividades que focalizem a aquisição da base alfabética. 2. DITADO, DOS ALUNOS AO PROFESSOR, DOS INGREDIENTES DE UMA RECEITA FUNCIONALIDADE ATIVIDADE CONTEÚDO ESPECÍFICO Elaboração de um produto simples em aula de uma receita conhecida (salada de frutas, salada, torta, etc.) previamente se terá preparado o produto em sala de aula com a participação dos alunos. Recapitulação oral da tarefa realizada na preparação da receita. Os alunos ditam para o professor a lista de ingredientes utilizados ordenadamente. O professor escreve-a no quadro, seguindo a escrita com a vocalização. As crianças podem copiar a lista, posteriormente, desenhando, ou relacionando as palavras com o desenho ao ingrediente. Relações entre o oral e o escrito: escolha do que será escrito a partir de tudo o que foi falado. Aprendizagem do sistema alfabético: diferenciando entre letra, desenhos, números, etc.; aspectos convencionais, uso das letras, Distribuição gráfica vertical da lista.

10 10 MATERIAL ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS Papel Lousa Nestas atividades precoces, o professor focaliza a atenção dos alunos na função da escrita (facilitar a lembrança neste caso) e nos modos de escrever. 3. ESCRITA DA LISTA DE INGREDIENTES DE UMA RECEITA FUNCIONALIDADE O uso da receita culinária na sala de aula é adequado para o ensino de conteúdos importantes não apenas de linguagem, mas também conteúdos relacionados com a alimentação, hábitos familiares, desenvolvimento de habilidades motoras, etc. A lista de ingredientes pode ser escrita antes da realização da atividade de preparação, para trazer os ingredientes de casa, ou depois, para lembralos. ATIVIDADE Ver, nesta receita, como se escrevem os ingredientes. Lembrança dos ingredientes necessários. Escrita da lista de palavras e revisão, discutindo os critérios que o aluno utiliza em relação ao sistema alfabético de escrita. CONTEÚDO ESPECÍFICO Papel MATERIAL Lousa Aprendizagem do sistema alfabético em textos enumerativos.

11 11 ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS Também podem escrever-se os nomes dos utensílios necessários para executar a receita. 4. ESCRITA DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PRODUTO FUNCIONALIDADE ATIVIDADE CONTEÚDO ESPECÍFICO MATERIAL ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS Pode referir-se a um trabalho manual realizado em sal de aula, a uma receita culinária, etc. Após ter elaborado o produto em questão, as etapas principais do processo são lembradas oralmente. Elaboração coletiva do pré-texto referente a cada seqüência. Escrita por parte dos alunos. Revisão e correção da escrita em função das possibilidades de cada um. Características textuais dos textos prescritivos. Procedimentos de escrita. Papel Lousa A escrita pode ser feita em duplas ou em pequenos grupos. Facilita-se a atividade com imagens que podem ser fornecidas às crianças ordenadas ou desordenadas, de modo que reconstruam o processo por si mesma. Podem, também, desenha-las, mas neste caso, convirá especificar mais as diferentes etapas da elaboração. 5. ESCRITA DE UMA RECEITA CULINÁRIA FUNCIONALIDADE Elaboração de produtos alimentícios na sala de aula. As receitas escritas podem ser recopiladas num livro de recitas. O produto será elaborado previamente em classe. Análise das características textuais das receitas culinárias prestando atenção ao formato. Distinção dos ingredientes do processo de elaboração.

12 12 ATIVIDADE Elaboração coletiva do pré-texto, salientando as diferentes fases do processo de elaboração e os verbos de ação adequados. Escrita por parte dos alunos e correção para garantir a compreensão do destino. Características textuais das receitas culinárias. CONTEÚDO ESPECÍFICO Procedimentos de escrita. Papel com tamanho e formato interno específico, MATERIAL especialmente se, se pretende a edição de um livro de culinária infantil. A escrita de receitas exige que se tenha usado livros ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS de culinária em sala de aula como modelo. A participação dos pais na atividade pode ser muito importante: trazer receitas simples, participar na sua elaboração na escola com as crianças e prepara-las em casa por si mesma, etc. 6. LEITURA DE UMA RECEITA CULINÁRIA FUNCIONALIDADE ATIVIDADE CONTEÚDO ESPECÍFICO Elaborar o produto em aula ou em casa. Justificar o interesse da atividade culinária. Preparação da leitura: comentário do título, hipótese sobre a elaboração. Leitura e comentário dos ingredientes: são necessários para quê? Leitura e comentário do processo de elaboração. Utensílios que precisamos, etc. Recapitulação da Leitura. Elaboração da receita consultando o texto constantemente. Características textuais da recita. Procedimentos de leitura em textos prescritivos. MATERIAL Receita culinária de fácil elaboração. Ë interessante que comprovem nas prática (por si ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS mesmo ou por meio do modelo do professor ou de casa) que a receita deve estar presente ao longo da elaboração e ser consultada constantemente para evitar erros. A atividade é facilitada se a receita for acompanhada de imagens do processo.

13 13 7. SELEÇÃO DE UM CARDÁPIO A PARTIR DA LEITURA DE UM LIVRO DE RECEITAS FUNCIONALIDADE ATIVIDADE CONTEÚDO ESPECÍFICO MATERIAL ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS O cardápio pode ser selecionado para ser elaborado para festa escolar, ou para excursão ou para o lanchar na escola, etc. Estabelecer claramente os critérios de seleção de recitas que serão utilizados em função da finalidade. Leitura superficial do livro escolhido: se tem imagens, se tem muitas receitas, etc. Estudo detalhado do sumário do livro: critérios que foram utilizados para organizar as receitas. Seleção dos capítulos que nos interessam, etc. Leitura dos títulos das receitas, selecionando entre todos os títulos os possíveis. Leitura das receitas e seleção do menu. Discussão coletiva das diversas propostas. Características dos livros de receitas: organização interna, etc. Procedimentos de consulta e leitura de livros de culinária. Uso do sumário, seleção do que será lido, etc. Seleção das possibilidades lidas em função dos critérios previamente estabelecidos (lanche ou comida, facilidade de elaboração, custos, etc.) É importante usar livros de culinária editados comercialmente, inclusive se for preciso limitar a leitura a partes concretas para facilitá-la. A tarefa de leitura do livro deve ser feita em grupos muitos reduzidos. Pode-se prever que os diversos grupos consultem livros diferentes e comparem os resultados. Pode ser uma tarefa encomendada a um grupo concreto de alunos, enquanto os demais fazem outras atividades similares (decoração da festa, seleção da música, organização do espaço e dos móveis, etc.) 8. RELACIONAR RECEITAS CULINÁRIA COM SEUS TÍTULOS OU COM OS INGREDIENTES FUNCIONALIDADE Compor um livro de receitas, um mural, etc.

14 14 ATIVIDADE CONTEÚDO ESPECÍFICO Leitura de todos os títulos para lembrar os pratos a que se referem. Seleção de um título: antecipação dos ingredientes necessários e busca dos mesmos nas receitas, para selecionar as viáveis. Leitura completa da receita para confirmar sua adequação ao título. Uso de procedimentos de leitura para selecionar e discriminar entre vários textos: uso de indicadores contextuais como critérios de seleção (imagens dos pratos, se houver; ingredientes necessários, etc). MATERIAL Títulos, ou ingredientes, separados das receitas. ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS Com a presença de imagens dos pratos, pode-se adaptar a atividade à Educação Infantil. Outros critérios de sequenciação e adaptação à diversidade estão no número de recitas, no grau em que diferem entre si, etc. 9. CLASSIFICAÇÃO DE RECEITAS CULINÁRIAS EM FUNÇÃO DO INGREDIENTE PRINCIPAL Composição final do caderno de receitas da aula, FUNCIONALIDADE preparação do sumário e ordenação da receitas. Organização de um fichário de culinária da turma, etc. Previamente se terá consultado sumários de livros convencionais de culinária para discutir os critérios de classificação dos ingredientes. Os alunos, em pequenos grupos, lerão as diversas ATIVIDADE receitas disponíveis e as classificarão, a seu modo, a partir do ingrediente principal. Discussão coletiva dos critérios de classificação e agrupamento de ingredientes (arroz e massa, juntos ou separados?). Combina-se um critério comum de classificação. Cada grupo reorganiza suas receitas em função do critério final estabelecido. Critério de classificação dos alimentos. CONTEÚDO ESPECÍFICO Procedimentos de leitura de textos prescritivos. Procedimentos de organização da informação e estabelecimento de índices temáticos. MATERIAL Conjunto de receitas elaboradas em aula. Fichário comercial com receitas que é preciso ordenar, etc.

15 15 O professor se preocupará em adaptar a dificuldade ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS da tarefa às características do grupo. Fontes: CPOEC Editora. Revista Do Professor., Porto Alegre, 15 (57): 5-10, jan./mar CURTO, Lluís Maruny. MORILLO, Maribel Ministral. TEIXIDÓ, Manuel Miralles. Escrever e Ler: Materiais e recursos para a sala de aula. VOL 2. ARTMED: Porto Alegre GLOBO Editora Manual de receitas da Magali JOLIBERT, Josette. Formando Crianças produtoras de textos. Vol II.Artes Médicas.Porto Alegre LIBANIO, Maria Stela Christo, Frei Betto. Fogãozinho: culinária infantil em histórias. Editora Mercuryo. Sites: Receitas da Aninha: Mestre Cuquinha: Receitas Kids: Nestlé- Meus primeiros pratos: as receitas de João e Maria: Ciclo I- Desempenho em Língua Portuguesa Expressar-se oralmente, com clareza. Reconhecer que as letras representam os sons da sua língua. Ouvir e discriminar sons (letras, silabas e palavras) Representar a escrita ainda que com desenhos, sinais ou rabiscos, sem fazer relação entre a fala e a escrita. Reconhecer as formas e os nomes das letras. Recontar historias, noticias, lidas em voz alta. Juntar e separar sons para formar palavras. Trans formar sons e palavras impressas, ainda que utilizando pseodo-palavras. Escrever palavras utilizando uma, outras vezes todas as letras, para representar cada unidade sonora. Utilizar a linguagem oral e vocabulário adequado para descrever experiências vividas. Ler texto com vocabulário simples, palavras curtas e estrutura fonética compatível com as competências fônicas já adquiridas. Utilizar diferentes estratégias de leitura (antecipação, seleção, inferência e verificação). Identificar características peculiares de textos com estruturas simples (listas, avisos, bilhetes e convites). Utilizando-os como modelos para novas produções. Ler atribuindo sentido a leitura. Narrar acontecimentos e historias deixando claro onde, como aconteceu e quando. CEB 2 Desempenho em língua portuguesa Utilizar hábitos adequados de estudo e participação em classe. Utilizar diferentes estratégias de leitura: antecipação, inferência, seleção e verificação. Identificar a função social da escrita em diferentes portadores: livros, jornais, revistas, cartazes, convites, etc. Escrever textos alfabéticos. Escrever com clareza, mantendo coerência na escrita.

16 16 Elaborar questões escritas após leituras ouvidas. Realizar leitura fluente com compreensão. Elaborar modelos e padrões aceitáveis e adequados. Demonstrar conhecimentos básicos sobre as regras ortográficas na escrita de textos. Identificar informações relevantes para a compreensão do sentido do texto. Segmentar o texto utilizando adequadamente a pontuação de final (.!?). Utilizar na produção escrita: titulo, maiúscula inicial, parágrafo. Revisar e reescrever, com o apoio, o próprio texto. Ler convencionalmente atribuindo sentido ao que ler. Adequar a fala a diferentes interlocutores e situações sociais Reconhecer que diferentes estratégias de leitura devem ser usadas para diferentes objetivos. Produzir textos narrativos (historias em quadrinhos e noticias) FONTE: Caderneta do Ciclo Básico da Rede Municipal de Salvador

CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. - Lêr com ritmo, fluência e entonação os gêneros estudados em sala apreendendo suas principais ideias;

CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. - Lêr com ritmo, fluência e entonação os gêneros estudados em sala apreendendo suas principais ideias; PLANO DE LÍNGUA PORTUGUESA ELABORAÇÃO: JOSIANE DE LIMA GÊNERO: Receita PERÍDO APROXIMADAMENTE: 5º Ano CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - Ritmo, fluência e entonação na leitura; - Apreensão das

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

- Ler com ritmo, fluência e entonação adequada ao gênero estudado em sala de aula, compreendendo as idéias contidas no texto.

- Ler com ritmo, fluência e entonação adequada ao gênero estudado em sala de aula, compreendendo as idéias contidas no texto. PLANO DE LÍNGUA PORTUGUESA ELABORAÇÃO: JOSIANE DE LIMA GÊNERO: História em quadrinho PERÍDO APROXIMADAMENTE: 5º Ano CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - Ritmo, fluência e entonação na leitura;

Leia mais

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18).

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18). SUGESTÕES PARA O APROVEITAMENTO DO JORNAL ESCOLAR EM SALA DE AULA 1ª a 5ª série A cultura escrita diz respeito às ações, valores, procedimentos e instrumentos que constituem o mundo letrado. Esse processo

Leia mais

Ensino Fundamental I Regra de Jogo. Gêneros Textuais. Links para os conteúdos sugeridos neste plano estão disponíveis na aba Saiba Mais.

Ensino Fundamental I Regra de Jogo. Gêneros Textuais. Links para os conteúdos sugeridos neste plano estão disponíveis na aba Saiba Mais. Ensino Fundamental I Regra de Jogo. Gêneros Textuais. Competência(s) / Objetivo(s) de Aprendizagem: Reconhecer as características do gênero textual regra de jogo. Analisar e compreender um texto prescritivo..

Leia mais

Leya Leituras Projeto de Leitura

Leya Leituras Projeto de Leitura Leya Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: O ciclo do pão Autoras: Cristina Quental e Mariana Magalhães Currículo das autoras: Cristina Quental é educadora infantil e alterna o trabalho na escola

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

OBJETIVO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA APRENDIZAGEM

OBJETIVO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA APRENDIZAGEM A FORMAÇÃO TEÓRICO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA NOVA CONCEPÇÃO DE ENSINO- APRENDIZAGEM PROFª.. MS. MARIA INÊS MIQUELETO CASADO 28/05/2009 OBJETIVO - Contribuir para a reflexão

Leia mais

Projeto Brincadeiras tradicionais

Projeto Brincadeiras tradicionais Projeto Brincadeiras tradicionais E. E. Dr Luis Arrôbas Martins Sala 4-1ª Sessão Professor(es) Apresentador(es): Cristiane Moreno Nascimento Tatiane Cecília da Silva Nardi Realização: Foco Possibilitar

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA Maria Ignez de Souza Vieira Diniz ignez@mathema.com.br Cristiane Akemi Ishihara crisakemi@mathema.com.br Cristiane Henriques Rodrigues Chica crischica@mathema.com.br

Leia mais

CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PLANO DE TRABALHO ELABORAÇÃO: JOSIANE DE LIMA GÊNERO: Notícia PERÍODO APROXIMADAMENTE: 4º Ano CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - Ritmo, fluência e entonação na leitura; - Apreensão das ideias

Leia mais

Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 AQUISIÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA

Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 AQUISIÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA Avaliação diagnóstica da alfabetização 1 http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/proletr/fasciculo_port.pdf Antônio Augusto Gomes Batista Ceris S. Ribas Silva Maria das Graças de Castro Bregunci Maria

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Plano de Aula de Matemática. Competência 3: Aplicar os conhecimentos, adquiridos, adequando-os à sua realidade.

Plano de Aula de Matemática. Competência 3: Aplicar os conhecimentos, adquiridos, adequando-os à sua realidade. Plano de Aula de Matemática Competência 3: Aplicar os conhecimentos, adquiridos, adequando-os à sua realidade. Habilidade: H27. Resolver situações-problema de adição ou subtração envolvendo medidas ou

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS. 3º ano 1º trimestre / 2015. Nome: Data: / /.

ROTEIRO DE ESTUDOS. 3º ano 1º trimestre / 2015. Nome: Data: / /. ROTEIRO DE ESTUDOS 3º ano 1º trimestre / 2015 Nome: Data: / /. Querido (a) Aluno (a), Elaboramos este roteiro com dicas sobre os conteúdos trabalhados no 1º trimestre e que serão abordados nas avaliações

Leia mais

Índice. 5.1. Correção das Palavras do Texto... 5 5.2. Autocorreção... 5 5.3. Pontuação... 6 5.4. Escrita Ortográfica... 6. Grupo 5.

Índice. 5.1. Correção das Palavras do Texto... 5 5.2. Autocorreção... 5 5.3. Pontuação... 6 5.4. Escrita Ortográfica... 6. Grupo 5. GRUPO 5.4 MÓDULO 5 Índice 1. Reconstrução do Código Linguístico da Criança...3 2. Textos...3 3. Jogos de Análise Linguística...4 4. Letra Cursiva e Letra de Fôrma...4 5. Ortografia e Gramática...5 5.1.

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III DISCIPLINA : LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS GERAIS Ampliar gradativamente suas possibilidades de comunicação e expressão, interessando-se por conhecer

Leia mais

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Projeto de formação de professores em Matemática Um projeto exclusivo

Leia mais

Projeto: Filhotes. Eixo: Natureza e Sociedade Duração: Setembro/Outubro de 2012 Infantil I

Projeto: Filhotes. Eixo: Natureza e Sociedade Duração: Setembro/Outubro de 2012 Infantil I Projeto: Filhotes Eixo: Natureza e Sociedade Duração: Setembro/Outubro de 2012 Infantil I Justificativa: A escolha da temática FILHOTES para o infantil I se deve ao fato de que os animais em geral provocam

Leia mais

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola http://luizsoaresdecassia.blogspot.com.br APRENDER A ESCREVER Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola Todos os anos, milhares de meninos e meninas do ensino fundamental de todo

Leia mais

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E

Leia mais

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia PAOLA GENTILE Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia A forma como se lê um texto varia mais de acordo com o objetivo proposto do que com o gênero, mas você pode ajudar o aluno a entender

Leia mais

Plano de Estudo 3ª Etapa

Plano de Estudo 3ª Etapa Plano de Estudo 3ª Etapa NÍVEL DE ENSINO: ENSINO FUNDAMENTAL I ANO: 1º Srs. Pais, SAÚDE E PAZ! Esse plano de estudo tem como finalidade levá-los a conhecer melhor a proposta desenvolvida no 1º ano. Nele

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV DISCIPLINA : LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS GERAIS Ampliar gradativamente suas possibilidades de comunicação e

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: Sequência Didática Poesia: O Pato.

RELATO DE EXPERIÊNCIA: Sequência Didática Poesia: O Pato. PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA RELATO DE EXPERIÊNCIA: Sequência Didática Poesia: O Pato. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos e Silvana Bento de Melo Couto. Escola: E. M. José

Leia mais

1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação

1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação 1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação PORTUGUÊS Domínios em Domínios/Competências Fatores de ponderação Instrumentos de Domínio Cognitivo Compreensão oral 20% Registos e grelhas de observação

Leia mais

Projeto - Mães empreendedoras: Minha mãe, nossas mães

Projeto - Mães empreendedoras: Minha mãe, nossas mães Projeto - Mães empreendedoras: Minha mãe, nossas mães A proposta a seguir refere-se a um Projeto Didático (PD) elaborado para trabalhar com as crianças do 1º e 2º períodos da Educação Infantil (4 e 5 anos

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais

Língua Portuguesa. Expectativas de aprendizagem. Expressar oralmente seus desejos, sentimentos, idéias e pensamentos.

Língua Portuguesa. Expectativas de aprendizagem. Expressar oralmente seus desejos, sentimentos, idéias e pensamentos. Língua Portuguesa As crianças do 1º ano têm o direito de aprender e desenvolver competências em comunicação oral, em ler e escrever de acordo com suas hipóteses. Para isto é necessário que a escola de

Leia mais

Pré-Escola 4 e 5 anos

Pré-Escola 4 e 5 anos PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC DIÁRIO DE CLASSE Educação Infantil Pré-Escola 4 e 5 anos DIÁRIO DE CLASSE ESCOLA: CRE: ATO DE CRIAÇÃO DIÁRIO OFICIAL / /

Leia mais

Apresentação. Situações de Aprendizagem Língua Portuguesa. Atuação 1 Matando a charada. Recomendada para 5a/6a EF. Tempo previsto: 4 aulas

Apresentação. Situações de Aprendizagem Língua Portuguesa. Atuação 1 Matando a charada. Recomendada para 5a/6a EF. Tempo previsto: 4 aulas Situações de Aprendizagem Língua Portuguesa Atuação 1 Matando a charada Recomendada para 5a/6a EF Tempo previsto: 4 aulas Elaboração: Equipe Técnica da CENP Apresentação Decifrar uma charada significa

Leia mais

Utilizando a ferramenta de criação de aulas

Utilizando a ferramenta de criação de aulas http://portaldoprofessor.mec.gov.br/ 04 Roteiro Utilizando a ferramenta de criação de aulas Ministério da Educação Utilizando a ferramenta de criação de aulas Para criar uma sugestão de aula é necessário

Leia mais

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma.

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma. Projeto Nome Próprio http://pixabay.com/pt/cubo-de-madeira-letras-abc-cubo-491720/ Público alvo: Educação Infantil 2 e 3 anos Disciplina: Linguagem oral e escrita Duração: Aproximadamente um mês. O tempo

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM

EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM COMUNICAÇÃO FASE I FASE II ORALIDADE Transmitir recados simples. Formar frases com seqüência. Argumentar para resolver conflitos. Verbalizar suas necessidades e

Leia mais

Formação de PROFESSOR

Formação de PROFESSOR Formação de PROFESSOR 1 Especial Formação de Professor Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação Ricamente ilustrada e escrita em versos, a obra narra a história de Ubaldo, urubu descendente de uma família

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugerimos, para elaborar a monografia de TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), que o aluno leia atentamente essas instruções. Fundamentalmente,

Leia mais

Exemplos de alfabetização simbólica

Exemplos de alfabetização simbólica Exemplos de alfabetização simbólica 1. Conversa geral 2. Falando sobre... 3. Conversação 4. Anotando comunicação 5. Colocando o aprendiz em controle 6. Horários 7. Planejamento em grupo 8. Organização

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 O EMPREGO GRAMATICAL NO LIVRO DIDÁTICO Desiree Bueno TIBÚRCIO (G-UENP/campus Jac.) desiree_skotbu@hotmail.com Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora-uenp/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br

Leia mais

Leitura e Escrita na Educação Infantil

Leitura e Escrita na Educação Infantil Leitura e Escrita na Educação Infantil Testes de Desenvolvimento Denver Linguagem oral Leitura e escrita opcional. Não se aplica a todos. Os ritmos são variáveis, haveria dificuldade de padronização. Linguagem

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade III ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Aula anterior O fim das cartilhas em sala de aula; Comunicação e linguagem; Sondagem da escrita infantil; Ao desenhar, a criança escreve;

Leia mais

O programa Ler e Escrever: guia de planejamento e orientações didáticas para o professor alfabetizador 1a série. Aula de 9 de maio de 2012

O programa Ler e Escrever: guia de planejamento e orientações didáticas para o professor alfabetizador 1a série. Aula de 9 de maio de 2012 O programa Ler e Escrever: guia de planejamento e orientações didáticas para o professor alfabetizador 1a série Aula de 9 de maio de 2012 Apresentação Não é um programa inovador O momento não é de procurar

Leia mais

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa Propostas para aquisição da língua escrita. Oralidade e comunicação. A escola e o desenvolvimento da linguagem. O ensino da escrita.

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844 Filme: Juro que vi: O Curupira Gênero: Animação Diretor: Humberto Avelar Ano: 2003 Duração: 11 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA 2015 ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA 2015 Nome: Nº 6º ano Data: / /2015 Professor: Nota: (valor: 2.0) A - Introdução Neste ano, sua pontuação foi inferior a 60,0 pontos e você não assimilou os conteúdos

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA. Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Período: Três semanas.

ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA. Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Período: Três semanas. ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática I Era uma vez um gato xadrez... Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto.

Leia mais

CURRÍCULO 1º ANO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM

CURRÍCULO 1º ANO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM CURRÍCULO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM ORALIDADE Formar frases com seqüência e sentido. Relacionar palavras que iniciam com vogais. Associar primeira letra/som em palavras iniciadas por vogal. Falar

Leia mais

Índice. 1. Metodologia de Alfabetização...3. 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6

Índice. 1. Metodologia de Alfabetização...3. 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6 GRUPO 6.1 MÓDULO 6 Índice 1. Metodologia de Alfabetização...3 1.1. Qual o Conhecimento sobre o Sistema de Escrita dos Jovens e Adultos?... 3 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6

Leia mais

1. Assista aos vídeos de Mara, Marcílio, Glória e Lúcia e Lídia, e preencha o quadro abaixo:

1. Assista aos vídeos de Mara, Marcílio, Glória e Lúcia e Lídia, e preencha o quadro abaixo: Festas, compras, encontros e desencontros Aproximando o foco: atividades Um nome feio... 1. Assista aos vídeos de Mara, Marcílio, Glória e Lúcia e Lídia, e preencha o quadro abaixo: Nome Mara Chamaria

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA INICIANDO A CONVERSA APROFUNDANDO O TEMA Por que ensinar gêneros textuais na escola? Registro

Leia mais

PLANEJAMENTO - Livro Camilão, o comilão -Ana Maria Machado

PLANEJAMENTO - Livro Camilão, o comilão -Ana Maria Machado PLANEJAMENTO - Livro Camilão, o comilão -Ana Maria Machado Professor (a): Márcia dos Santos Opilhar NOME DO LIVRO: Camilão, o comilão AUTOR: Ana Maria Machado Competências Leitura; produção textual; oralidade;

Leia mais

Aprendendo a ESTUDAR. Ensino Fundamental II

Aprendendo a ESTUDAR. Ensino Fundamental II Aprendendo a ESTUDAR Ensino Fundamental II INTRODUÇÃO Onde quer que haja mulheres e homens, há sempre o que fazer, há sempre o que ensinar, há sempre o que aprender. Paulo Freire DICAS EM AULA Cuide da

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

2. Laboratório: uso do avental, organização e relatório 3. Tarefas. 1. Avaliação da Semana de Geociências e Meio Ambiente 2.

2. Laboratório: uso do avental, organização e relatório 3. Tarefas. 1. Avaliação da Semana de Geociências e Meio Ambiente 2. PIC VERSÃO PARA O PROFESSOR Produção Integrada ao Conteúdo 6. o ano Ensino Fundamental Componentes da PIC 2. o bimestre Arte Ciências A nota da PIC é a média entre a nota de tarefa (avaliação do conjunto

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

Objetivos Específicos. Estratégias em Língua Portuguesa. Leitura de histórias em quadrinhos. Desenhos próprios. Gibisão data show.

Objetivos Específicos. Estratégias em Língua Portuguesa. Leitura de histórias em quadrinhos. Desenhos próprios. Gibisão data show. PLANEJAMENTO Folclore Professor (a): Vanessa da Rosa Competências Leitura; Oralidade; Produção textual, Ortografia, Ritmo e Memória. Avançar em seus conhecimentos sobre a escrita, ao escrever segundo suas

Leia mais

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA DE SANTANA FERREIRA PEREIRA JÉSSICA PALOMA RATIS CORREIA NOBRE PEDAGOGIA: PROJETO MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA JANDIRA - 2012 FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA

Leia mais

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Resumo Esse vídeo pretende oferecer instrumentos aos professores da educação infantil e do ensino fundamental para as tarefas da educação

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MUNICIPAL PROJETO DE INCENTIVO A LEITURA BIBLIOTECA ITINERANTE

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MUNICIPAL PROJETO DE INCENTIVO A LEITURA BIBLIOTECA ITINERANTE SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MUNICIPAL PROJETO DE INCENTIVO A LEITURA BIBLIOTECA ITINERANTE 1. APRESENTAÇÃO Este Projeto de Incentivo a Leitura "Minha Escola Lê", será desenvolvido nas unidades escolares que

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula OFICINA SEMIPRESENCIAL O(S) USO(S) DE DOCUMENTO(S) DE ARQUIVO NA SALA DE AULA ALUNA: Alcinéia Emmerick de Almeida / Núcleo de Ação Educativa - APESP SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula TEMA:

Leia mais

INDICAÇÕES 2014-1º ANO AxBxC

INDICAÇÕES 2014-1º ANO AxBxC INDICAÇÕES 2014-1º ANO AxBxC 1º Ano A Ens. Fundamental 1º Ano B Ens. Fundamental CLASSE: Atividade de acolhimento com músicas infantis / Bom dia / HORA DAS NOVIDADES: Brincadeira da batata quente com gênero,

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

Orientações de Como Estudar Segmento II

Orientações de Como Estudar Segmento II Orientações de Como Estudar Segmento II Aprender é uma tarefa árdua que exige esforço e método e por isso organizamos algumas dicas para ajudá-lo(la) a aprender Como Estudar! Você verá que as orientações

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO SURDO E/OU COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA] Usar letra de forma É importante considerarmos que o aluno surdo da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro possui características

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Mestrado Profissional em Ensino de Ciências Campus Nilópolis Ana Paula Inacio Diório AS MÍDIAS

Leia mais

:: NOVA ESCOLA ON-LINE ::

:: NOVA ESCOLA ON-LINE :: Page 1 of 7 Planos de aula Educação Infantil Conhecimento de Mundo Natureza e Sociedade Seres Vivos Plano de trabalho O ovo vira pinto Introdução Muito freqüentemente, o trabalho com as ciências naturais,

Leia mais

PIC. Componentes da PIC 2. o bimestre. Produção Integrada ao Conteúdo

PIC. Componentes da PIC 2. o bimestre. Produção Integrada ao Conteúdo PIC Produção Integrada ao Conteúdo 8. o ano Ensino Fundamental Componentes da PIC 2. o bimestre Arte Ciências Geografia A nota da PIC é a média entre a nota de tarefa (avaliação do conjunto de tarefas)

Leia mais

Jovens do mundo todo Conheça outras culturas

Jovens do mundo todo Conheça outras culturas 5 a a 8 a séries Ensino Fundamental Jovens do mundo todo Conheça outras culturas Softwares Necessários: Microsoft Encarta 2000 Internet Explorer 5,0 Microsoft Publisher 2000 Microsoft Word 2000 Áreas:

Leia mais

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino Pedagogia Profª Silvia Perrone Ensino de Língua Portuguesa Roteiro Teorias que orientam o ensino: empirista e construtivista. A visão de texto nas diferentes teorias. Ensinar a produzir textos na escola.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DIRETORIA REGIONAL DE ARAGUAÍNA COLÉGIO ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ANANÁS TO

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DIRETORIA REGIONAL DE ARAGUAÍNA COLÉGIO ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ANANÁS TO GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DIRETORIA REGIONAL DE ARAGUAÍNA COLÉGIO ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ANANÁS TO PROJETO REFORÇO ESCOLAR PORTUGUÊS E MATEMÁTICA ATRAVÉS

Leia mais

Algoritmos. Objetivo principal: explicar que a mesma ação pode ser realizada de várias maneiras, e que às vezes umas são melhores que outras.

Algoritmos. Objetivo principal: explicar que a mesma ação pode ser realizada de várias maneiras, e que às vezes umas são melhores que outras. 6 6 NOME DA AULA: 6 Algoritmos Duração da aula: 45 60 minutos Tempo de preparação: 10-25 minutos (dependendo da disponibilidade de tangrans prontos ou da necessidade de cortá-los à mão) Objetivo principal:

Leia mais

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Título do artigo: UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Disciplina: Alfabetização Selecionadora: Beatriz Gouveia 16ª Edição do

Leia mais

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos?

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? BLOCO 8 Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? Texto 23: Práticas de escrita orientações didáticas Fonte: Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil - Volume 3 / Conhecimento do

Leia mais

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC Coordenação de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa Ciclo de Aprendizagem I e II MARCOS

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

Roteiro para se fazer uma boa pesquisa e elaborar um trabalho acadêmico

Roteiro para se fazer uma boa pesquisa e elaborar um trabalho acadêmico Roteiro para se fazer uma boa pesquisa e elaborar um trabalho acadêmico Para realizar uma pesquisa que não se torne um grande sacrifício pelas dificuldades em encontrar as informações, antes é preciso

Leia mais

SENTIR 3. TEMPO 15-20 minutos TIPO DE TEMPO contínuo

SENTIR 3. TEMPO 15-20 minutos TIPO DE TEMPO contínuo COMO USAR O MATERIAL NAS PÁGINAS A SEGUIR, VOCÊ ENCONTRA UM PASSO A PASSO DE CADA ETAPA DO DESIGN FOR CHANGE, PARA FACILITAR SEU TRABALHO COM AS CRIANÇAS. VOCÊ VERÁ QUE OS 4 VERBOS (SENTIR, IMAGINAR, FAZER

Leia mais

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França Reflexões sobre a Língua Portuguesa Kátia França Níveis de aprendizagem dos alunos Abaixo do básico: os alunos demonstram que não desenvolveram as habilidades básicas requeridas para o nível de escolaridade

Leia mais

Leya Leituras Projeto de Leitura

Leya Leituras Projeto de Leitura Leya Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: O ciclo do Mel Autoras: Cristina Quental e Mariana Magalhães Currículo das autoras: Cristina Quental é educadora infantil e alterna o trabalho na escola

Leia mais

PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO

PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO Áreas: Matemática, Artes Plásticas Transversal: Meio Ambiente Faixa etária: 4 a 5 anos Turma com 30 crianças Duração: agosto a outubro/2004 Produto final:

Leia mais

Elaboramos algumas atividades referentes a revisão de prérequisitos. Faça as atividades com calma e capricho. Lembre-se de trazer todas

Elaboramos algumas atividades referentes a revisão de prérequisitos. Faça as atividades com calma e capricho. Lembre-se de trazer todas Srs. Pais e alunos, Elaboramos algumas atividades referentes a revisão de prérequisitos para iniciação de novos conteúdos. Faça as atividades com calma e capricho. Lembre-se de trazer todas quando voltarmos,

Leia mais

Resoluções Prova Anglo

Resoluções Prova Anglo Resoluções Prova Anglo TIPO F P-1 tipo D-5 Língua Portuguesa (P-1) Ensino Fundamental 5º ano DESCRITORES, RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS A Prova Anglo é um dos instrumentos para avaliar o desempenho dos alunos

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

Figura 18. LL, v. 1, p. 142.

Figura 18. LL, v. 1, p. 142. 85 Cartão Escolha uma pessoa de que [sic] você goste para mandar um cartão feito por você. Antes prepare o texto escrevendo o que é amigo para você. Acrescente mais algumas frases, se desejar. Passe o

Leia mais

Agora elabore duas perguntas que você gostaria de fazer para as meninas.

Agora elabore duas perguntas que você gostaria de fazer para as meninas. Nome: Data: / /2013 Professora: Classe: F-3 A TAREFA DE LÍNGUA PORTUGUESA Como já sabemos, no dia 12/9 receberemos Laura, Tamara e Marininha Klink, autoras do livro Férias na Antártica. Se você quiser

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO EM MATEMÁTICA Manual do Professor Módulo 2 Números Racionais, Operações e Resolução de Problemas

PROJETO DE RECUPERAÇÃO EM MATEMÁTICA Manual do Professor Módulo 2 Números Racionais, Operações e Resolução de Problemas PROJETO DE RECUPERAÇÃO EM MATEMÁTICA Manual do Professor Módulo 2 Números Racionais, Operações e Resolução de Problemas Prezado(a) Professor(a) Este manual de orientações tem a finalidade de sugerir um

Leia mais

dicas para usar o celular nas aulas

dicas para usar o celular nas aulas E-book 11 dicas para usar o celular nas aulas Sugestões de atividades com os aplicativos mais básicos e simples de um aparelho Por Talita Moretto É permitido compartilhar e adaptar este material, desde

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

O trabalho com as cantigas e parlendas

O trabalho com as cantigas e parlendas O trabalho com as cantigas e parlendas nós na sala de aula - módulo: língua portuguesa 1º ao 3º ano - unidade 4 Cantigas e parlendas ajudam a introduzir a criança no mundo da leitura. Isso porque são textos

Leia mais