SOCIEDADE ANÔNIMA: RELEVÂNCIA SOCIAL E ECONÔMICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOCIEDADE ANÔNIMA: RELEVÂNCIA SOCIAL E ECONÔMICA"

Transcrição

1 260 SOCIEDADE ANÔNIMA: RELEVÂNCIA SOCIAL E ECONÔMICA João Otávio Spaca de Souza * (UNESP) 1 Introdução Com a evolução do Direito Comercial, observou-se uma objetivação dos direitos de que dispunham os comerciantes. Estes, passaram a dispor, em certo momento histórico, de direitos diretamente relacionados às atividades que desenvolviam. Assim o foi com a passagem do direito controlado pelas corporações de ofício para a teoria dos atos de comércio. Com isso, aqueles que se dedicavam à mercancia poderiam dispor de proteção legal, uma vez que enquadrassem suas atividades dentre os atos de comércio. Atualmente, adotou-se a teoria da empresa para regular as atividades daqueles que dedicam-se ao desenvolvimento da empresa, superando-se a teoria dos atos de comércio. No Brasil, vamos observar isso com o advento do Código Civil de 2002, tratando de tal assunto no seu Livro II, intitulado Do Direito de Empresa. A Sociedade Anônima surge, neste contexto, como sociedade empresária. Suas características específicas lhe fornecem condições de empreender as mais variadas atividades econômicas, principalmente, no que concerne aos grandes empreendimentos. A capacidade dessa sociedade de movimentar grandes riquezas, ao mesmo tempo que garante ao sócio possuidor de ações a limitação de sua responsabilidade, lhe favorece o desenvolvimento da grande empresa. No mesmo passo, a Sociedade Anônima passa a abranger dentre suas responsabilidades algumas específicas, devido a sua grande importância econômica e sua repercussão social. Disso decorre sua responsabilidade social e a necessidade de atentar para o seu desenvolvimento sustentável, já que cada vez mais se busca uma devida adequação das atividades econômicas desenvolvidas ao interesses coletivos que sobrepõem aos individuais. 2 Direito Comercial e Direito Empresarial

2 261 Observamos o desenvolvimento histórico do Direito Comercial composto por quatro fases que podem ser dispostas da seguinte maneira: direito dos comerciantes; mercantilismo; liberalismo econômico; teoria da empresa. No intervalo dos séculos XII a XVI, o direito comercial compôs-se marcadamente por comerciantes que resolviam suas desavenças jurídicas através de regras costumeiras, intrínsecas ao comércio desenvolvido, que passaram a regular as sociedades marítimas e por ações surgidas nessa época. Com o mercantilismo desenvolvido nos séculos XVII e XVIII, surgem as grandes sociedades coloniais utilizadas para a exploração e colonização do Novo Mundo e do Oriente. Na terceira fase, sob a influência do liberalismo do século XIX, passa-se a definir objetivamente o comerciante, compreendido como o exercente dos atos de comércio. Atualmente, o Direito de Empresa surge em uma nova fase do Direito Comercial, com a idéia de atividade empresária e a sociedade empresária passando a substituir a teoria dos atos de comércio. (NOGUEIRA, 2007, p. 2-10) Com a teoria dos atos de comércio, o Direito Comercial passa a ser não é mais considerado apenas como um conjunto de regras aplicadas somente aos membros das corporações, mas, sim, estendeu-se à regulamentação dos vários atos, ligados ao comércio, que pudessem ser praticados por qualquer pessoa, que seria, em tese comerciante. Passando-se dos atos de comércio à empresa, inicia-se a fase atual, como referido. A empresa se destaca, a partir de então, como o centro de atenção dos estudos jurídicos a respeito do desenvolvimento da atividade econômica, sobressaindo dessa forma o seu aspecto de atividade. (COELHO, 2002, p. 12 et. seq.) A Teoria da Empresa teve sua ascensão com a entrada em vigor do Código Civil italiano de 1942 que tratou de unificar, de certa forma, o Direito Privado, passando a regular o exercício da atividade econômica desenvolvida pelo empresário em um mesmo código. (NOGUEIRA, 2007, p. 41 et. seq.; COELHO, 2002, p. 16 et. seq.) O Código Civil italiano de 1942 não conceituou a empresa, mas apenas tratou de definir a figura do empresário. Em Asquini (1943, p. 1 et. seq.), por sua vez, encontraremos um tratamento mais específico sobre a empresa. Esse autor buscou elucidar sobre o que vem a ser a empresa e, nesse sentido, passou a concebê-la sob várias faces, mais especificamente, através de quatro perfis, que são: subjetivo

3 262 (empresário); funcional (atividade desenvolvida); objetivo (estabelecimento); corporativo (institucional). O Direito brasileiro passou a adotar a teoria da empresa com o advento do Código Civil de 2002, que no seu art. 966 passou a definir a figura do empresário como quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para produção ou a circulação de bens ou de serviços. 3 Sociedade Anônima Ao discorrer sobre a Sociedade Anônima, Ascarelli (2001, p ) aponta suas origens nas companhias coloniais do século XVII, indicando duas de suas características essenciais: o capital dividido em ações e a limitação da responsabilidade dos sócios. A sociedade anônima desenvolveu-se, sendo disciplinadas a posição dos acionistas e dos órgãos que a compõem e as tarefas que cabem a cada um realizar e determinando suas respectivas responsabilidades. Em conjunto, destacou-se pela extrema importância para o sistema capitalista, uma vez que serviu à empresa de grande porte, sendo de destaque seu amplo impacto na economia e sua adaptabilidade às mudanças desta. Ascarelli (2001, p. 483) indica, ainda, que a sociedade anônima desenvolveuse, partindo, em sua gênese, de uma aristocracia dominante do controle representada pelo controlador, mas evoluindo para uma forma mais democrática de sociedade, com os diretores passando a exercer a função de mandatários desta. Coelho (2007, p. 5.), ponderando sobre a sociedade empresária, define-a como um ente dotado de personalidade jurídica que empreende uma atividade empresária de forma organizada. A Sociedade Anônima surge no ordenamento jurídico brasileiro, portanto, como uma sociedade empresária, situando-se entre os tipos societários definidos no Livro II ( Do Direito de Empresa ), no art. 1088, do Código Civil, dispondo que Na sociedade anônima ou companhia, o capital divide-se em ações, obrigando-se cada sócio ou acionista somente pelo preço de emissão das ações que subscrever ou adquirir. Apresenta, entretanto, regulação específica, conforme art do mesmo estatuto civil, a qual é encontrada na Lei n , de 15 de dezembro de 1976, que

4 263 no seu art. 1.º dispõe sobre a divisão do capital em ações e sobre a limitação da responsabilidade dos sócios da mesma forma que no art do Código Civil. 3.1 Propriedade e controle na S.A A discussão sobre propriedade e controle das Sociedade Anônimas ganha maior relevo entre as companhias norte-americanas, as quais detém grande dispersão acionária. O controle, em tal contexto, deixa de ser concentrado, ocorrendo a sua separação da propriedade. Isso se demonstrou de grande importância para o desenvolvimento da sociedade anônima nos Estados Unidos. Roe (ROE, 2005, p 9) indica que as companhias norte-americanas, no final do século XIX e início do século XX, necessitaram de imensa soma de recursos para produzirem muito e dentro do país, considerando-se o sistema ferroviário existente. Isso só foi conseguido através do mercado de capitais, ocorrendo a dispersão acionária dessas empresas e, conseqüentemente, a separação entre controle e propriedade. A separação entre controle e propriedade, no entanto, levou à existência de conflitos de interesses entre acionistas e administradores, uma vez que, estes, preocupavam-se em maximizar seus ganhos pessoais, em detrimento do valor das ações da companhia. No período que se estende do final da Segunda Guerra Mundial até o final da década de 1970, aproximadamente, essa situação permanece, devido aos pequenos investidores, em grande parte, serem indivíduos com pequena força de atuação. A partir da década de 1980, essa conjuntura começa a mudar. Os investidores institucionais fundos de pensão, fundos mútuos de ações, entre outros começam a ter maior relevância no mercado de capitais, passando a influenciar a administração das companhias e exigir seus direitos. Esses investidores começaram a exigir o desenvolvimento de melhores práticas de governança corporativa, com a adoção de maior transparência e eficiência dos administradores e acionistas controladores, monitorando tanto estes, como o andamento da empresa. Pugnam nesse sentido Boulos e Szterling (2002, p. 103) e Silveira (2002, p. 20). Também, Wald (2002, p ) se coloca a favor da necessidade de se monitorar

5 264 institucionalmente as atividades dos administradores e controladores, exigindo ampla divulgação de informações e influenciando na gestão da empresa. 4 Contratualismo e institucionalismo Sob a influência do pensamento liberal, após o século XVIII, a Sociedade Anônima passou a ser dominada por um individualismo exacerbado e pela concepção contratualista de seu ato constitutivo. Com isso, deu-se maior relevância ao caráter contratual que regia o direito das partes que envolviam a sociedade. (BULGARELLI, 1998, p ) A concepção institucionalista da Sociedade Anônima surgiu após a Primeira Guerra Mundial. Foi afastado o caráter individualista da época anterior, passando-se a criticar o modo como a teoria contratualista concebia a sociedade. As críticas partiram do ponto de que no contrato existem interesses que se contrapõem o que é típico dos contratos de escambo, da teoria contratual clássica e na sociedade, no entanto, essa contraposição de interesses inexiste. Com base nisso, os partidários do institucionalismo defenderam a natureza da constituição da Sociedade Anônima por meio de um ato unilateral complexo ou coletivo. (BULGARELLI, 1998, p ) Muniz (2005, p. 75) destaca os estudos da doutrina alemã sobre o caráter institucional da sociedade por ações. O autor faz menção ao desenvolvimento da teoria do direito da empresa acionária (Recht der Aktienunternehmung). Tal teoria pugna pela existência de diferentes e vários interesses que cercam e compõem a Sociedade Anônima, para a qual tais interesses confluem. Houve, entretanto, um revigoramento da teoria contratualista, que passou a ser considerada sob a noção de contrato plurilateral. São características dessa nova forma de conceber a Sociedade Anônima a capacidade de, com o contrato plurilateral, abrigar-se vários negócios jurídicos, não qualificados de forma precisa, assim como, a participação de duas ou mais partes. Além disso, que a finalidade comum ínsita à sociedade não põe fim aos interesses contraditórios que possam surgir. (BULGARELLI, 1998, p ) 5 Responsabilidade social da empresa e desenvolvimento sustentável

6 265 Tendo em vista uma Sociedade Anônima, na qual a separação entre controle e propriedade fora ocasionada pela a renúncia dos proprietários ao poder de controle, destaca-se a relevância das companhias que se enquadrem nesse tipo de sociedade, uma vez que passam a ter maior relevo social, em face do montante de riquezas que detém e das diversas partes que a compõe. A referida separação gerou, portanto, uma série de responsabilidades dos administradores para com os acionistas e empregados, sendo necessário se repensar o objetivo lucrativo da companhia, de forma a estabelecer a que fins ela se prestará. (BERLE e MEANS, 1984, p ) Berle e Means (1984, p. 275) dão destaque, dessa forma, a característica de organização social assumida pela Sociedade Anônima, ao invés de considerá-la apenas sob o ângulo comercial, assim expresso na celebre obra dos autores A moderna sociedade anônima e a propriedade privada, na qual observam a existência de uma gama enorme de interesses na sociedade que correlacionam-se, citando, a título de exemplo, os dos acionistas trabalhadores, consumidores, entre outros. É dado relevância, assim, a função social da empresa. A respeito disso, é possível afirmar que própria Lei das Sociedades Anônimas (Conforme o entendimento do art. 116 da Lei n /1976) já incitava a compreensão de que a sociedade anônima tinha uma função social e que esta havia de ser observada, anteriormente a promulgação da Constituição Federal de 1988, que veio a consagrar o princípio da função social da propriedade. E é de acordo com isso que o controlador deve conduzir suas atividades, atuando funcionalmente e relegando ao lucro um papel secundário. (PARENTE, 2004, p ) Podemos observar que, conjuntamente ao desenvolvimento da sociedade anônima, Estado de bem-estar social entra em crise, não se sustentando mais o modelo intervencionista estatal. A falta de recursos para intervir diretamente na economia obriga o Estado a deixar de forma decisiva o papel de ator econômico. Sob a influência do neoliberalismo, principalmente a partir dos anos de 1990, o Estado começa a assumir um papel cada vez maior de regulador econômico. (SABADELL, 2006, p ) Apenas a positivação do Direito, tal qual a concebida pelo Estado Liberal, não mais atende à busca do bem comum. Não mais se atende à função social, somente enunciando-a na Constituição Federal. A separação clássica entre Direito Público e

7 266 Direito Privado começa a ruir. Essa ruína aparece quando se observa o surgimento dos chamados interesses comuns do povo, que passam a ser os legitimadores de determinados sujeitos que empreendem certas atividade vinculadas aos chamados bens coletivos. Daí, não mais somente o Estado ou o particular ter legitimidade para desenvolver tais atividades, sendo necessário que tais sujeitos atendam aos interesses comuns do povo. (COMPARATO, 1985, p ) Na concepção de bem comum, encontramos bases que justificam a aproximação entre Direito Público e Direito Privado. Assim, como bem jurídico comum, temos, por exemplo, o meio ambiente que ultrapassa a tradicional diferenciação entre público e privado para inserir-se na esfera social, de forma difusa. Daí, falar-se que o dano ambiental é um dano social difuso. (CRUZ, p. 264) Buischi (2004, p. 37) destaca a importância da empresa atuar conscientemente, devendo buscar soluções aos diversos anseios da comunidade em que está integrada, respeitando o meio ambiente. Tais benefícios à comunidade podem ser considerados em contrapartida aos benefícios próprios auferidos com a exploração da atividade empresária desenvolvida. São os interesses sociais, dessa maneira, colocados em uma posição privilegiada, uma vez que a Sociedade Anônima, considerando os interesses das diversas partes que com ela se relacionam os chamados stakeholders, afasta-se da finalidade exclusiva de lucro e passa a dar relevância a um fim maior, buscando cumprir sua função social. (Wald,1984, p 13) Essa discussão a respeito da Sociedade Anônima ter uma função social a desempenhar, de forma a atender determinado bem comum, vai ao encontro de dispositivos específicos da legislação que a regula. Assim, na Lei 6.404/1976, encontramos o art. 116, parágrafo único, que trata de como o acionista controlador deve usar o poder que detém sobre a sociedade, dispondo sobre o dever do acionista controlador usar o poder com o fim de fazer a companhia realizar o seu objeto e cumprir sua função social. No referido artigo, o legislador atenta ainda para a responsabilidade social da empresa, afirmando ter, o acionista controlador, deveres e responsabilidades para com os demais acionistas da empresa, os que nela trabalham e para com a comunidade em que atua, cujos direitos e interesses deve lealmente respeitar e atender.

8 267 Mais adiante, na mencionada lei sobre as Sociedades por Ações (Lei 6.404/1976), encontramos dentre os deveres e responsabilidades dos administradores o art. 154 que aponta o dever do administrador exercer as atribuições que a lei e o estatuto lhe conferem para lograr os fins e no interesse da companhia, satisfeitas as exigências do bem público e da função social da empresa. É dessa forma que o direito, em tal contexto, vem a sistematizar e valorar normas voltadas à economia. Nesse sentido, Wald (1984, p 13) discorre sobre a ética surgir para auxiliar o sistema legal e contribuir para a busca de um desenvolvimento econômico de qualidade e durável, almejando-se justiça social. Reale (1995, p. 67) afirma que, nisso, enquadra-se a contribuição do Direito, compreendido através das diversas formas historicamente assumidas pelo dever ser e, a partir disso, a justiça ser concretizada. Ético e justo, então, é que a Sociedade Anônima tome medidas para o seu desenvolvimento sustentável, ou seja, conforme definido por Derani (2001, p. 130), satisfazendo suas carências atuais, porém, respeitando um limite que possibilitará à posteridade também satisfazer suas carências. É necessário, assim, verificar o modo como as atividades empresariais são desenvolvidas, de modo a não comprometer a vida nas próximas décadas. Nesse sentido Derani (2001, p. 132) afirma que As atividade que visam uma vida melhor no presente não podem ser custeadas pela escassez a ser vivida no futuro, o que possibilita compreender o desenvolvimento sustentável a partir da preocupação que se tem com o futuro, considerando que as ações atuais refletirão nas próximas gerações. Com isso, o desenvolvimento econômico deve respeitar as limitações naturais e a renovação de recursos no meio ambiente, buscando-se o equilíbrio entre o referido desenvolvimento e a natureza. Resume-se a responsabilidade social da empresa, de forma simplificada, na compreensão pela Sociedade Anônima do papel que tem na sociedade e economia atuais. Convergem para esse ente societário diversos interesses dos stakeholders e, em razão disso, deve atentar para a comunidade em que atua e buscar um desenvolvimento sustentável. A respeito disso, assevera Lamy Filho (1992, p ) que a sociedade atual passa por diversas transformações de ordem social e econômica e que tem na empresa a explicação disso, o que justifica ter ela um relevante papel social.

9 268 6 Conclusão Foi destacada a importância da Sociedade Anônima para o desenvolvimento do capitalismo. A razão disso pode ser indicada na condição favorável da S.A. captar recursos de um grande número de investidores, garantindo-lhes responsabilidade limitada perante empresa desenvolvida pela sociedade, e empregar a soma vultosa desses recursos em empreendimentos de grande porte. Através dessa forma de explorar a atividade econômica, por exemplo, foi que as companhias coloniais atuaram no Novo Mundo e no Oriente e pela qual as grandes empresas, em tese, atuam hoje. Observamos nos Estados Unidos uma evolução característica da Sociedade Anônima, qual seja, uma grande dispersão das ações que ocasionou a chamada separação entre propriedade da sociedade e controle. Tal fato demonstra relevância por ser devido a essa pulverização das ações que, em regra, a grande empresa conseguiu agrupar capital para desenvolver a atividade econômica em larga escala voltada a uma economia de massa que, muitas vezes, ultrapassa as fronteiras nacionais. Passou a ser necessário, entretanto, buscar uma explicação teórica, baseada nos fatos concretos ocorridos, que elucidasse a natureza da Sociedade Anônima para, assim, entender-se inter-relação de interesses que a compunha. Dessa forma, colocou-se a justificar a sociedade ora como sendo contrato, ora como instituição. As teorias institucionalista e contratualista colocaram em destaque, então, os diversos interesses que compõem a sociedade empresária e como isso reflete na ordem sócio-econômica da qual faz parte. Em conclusão a isso, a doutrina acabou por reconhecer que as diversas partes que interagem com a Sociedade Anônima os stakeholders têm interesses que devem ser considerados por esta no desenvolvimento de suas atividades. Destaque se dá, com isso, a função social da empresa, a ser observada pela S.A., não devendo ignorar tais interesses, fazendo jus a relevância econômica e social de que dispõe. O desenvolvimento sustentável surge como medida que, de certa forma, se impõe. A doutrina, como referido acima, é condizente em rechaçar uma exploração econômica desapegada as questões ambientais, visando exclusivamente o lucro.

10 269 Desenvolver de forma sustentável se impõe como necessidade para as futuras geração também usufruírem das riquezas naturais de que hoje dispomos. Responsabilidade social da empresa e desenvolvimento sustentável andam juntos. O primeiro dá relevância a preocupação que a Sociedade Anônima deve ter para com as partes com que se relaciona, contribuindo para o desenvolvimento da comunidade em que atua. O segundo trás a idéia de que essa comunidade não tenha seu futuro comprometido pelas ações irresponsáveis, de exploração inescrupulosa do meio ambiente, pelas companhias, de forma que, estas empreendam sustentavelmente suas atividades econômicas. 7 Referências bibliográficas ASCARELLI, Tullio. Problemas das sociedade anônimas e direito comparado. Campinas: Bookseller, ASQUINI, Alberto. Profili dell impresa. Rivista del Diritto Commerciale e del Dirito generale delle obbligazioni, Milano, v. XLI, n. 1-2, p. 1-20, genn-febb, BERLE, Adof Augustus; MEANS, Gardiner Coit. A moderna sociedade anônima e a propriedade privada. Tradução de Dinah de Abreu Azevedo. São Paulo: Abril Cultural, BOULOS, Eduardo Alfred Taleb; SZTERLING, Fernando. O novo mercado e as práticas diferenciadas de governança corporativa: exame de legalidade frente aos poderes das bolsas de valores. Revista de direito mercantil, industrial, econômico e financeiro, São Paulo, n. 125, p , jan-mar, BUISCHI, Tiago, Nova função das empresas privadas. In: PIMENTEL, Rosalinda Chedian; MARASEA, Daniela Carnio Costa (Organizadoras) et al. Gestão empreendedora com responsabilidade social. Ribeirão Preto: Legis Summa, BULGARELLI, Waldirio. Manual das sociedades anônimas. 10. ed. São Paulo: Atlas, COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de Direito Comercial: direito de empresa. 6. ed. São Paulo: Saraiva, v. 1. COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de Direito Comercial: direito de empresa. 10. ed. São Paulo: Saraiva, v. 2. COMPARATO, Fabio Konder. A reforma da empresa. Revista Forense, Rio de Janeiro, n. 290, p , abr-jun, 1985.

11 270 CRUZ, Branca Martins da. Contaminação inevitável dos direito empresarial e societário pelo direito do ambiente. A responsabilidade ambiental enquanto princípio conformador do exercício da actividade empresarial. Revista de direito ambiental, Rio de Janeiro, n. 50, p , abr-jun, DERANI, Cristiane. Direito ambiental econômico. 2. ed. São Paulo: Max Limonad, LAMY FILHO, Alfredo. A função social da empresa e o imperativo de sua reumanização. Revista de direito administrativo, Rio de Janeiro, n. 190, p , out-dez, MUNIZ, Joaquim de Paiva. Poder de controle, conflito de interesses e proteção aos minoritários e stakeholders. Revista de direito bancário, do mercado de capitais e da arbitragem, São Paulo, n. 28, abr-jun, NOGUEIRA, Ricardo José Negrão. Manual de Direito Comercial e de empresa: evolução histórica do Direito Comercial, teoria geral da empresa e Direito Societário. 5. ed. São Paulo: Saraiva, v. 1. PARENTE, Norma Jonssen. A lei de sociedades anônimas sob a ótica dos princípios constitucionais. Revista de direito mercantil, industrial, econômico e financeiro, São Paulo, n. 134, abri-jun, REALE, Miguel. Lições preliminares de Direito. 22. ed. São Paulo: Saraiva, ROE, Mark J.. A inevitável instabilidade da governança corporativa norte-americana. Tradução de Rachel Sztajn. Revista de direito mercantil, industrial, econômico e financeiro, São Paulo, n. 140, p. 7-22, out-dez, SILVEIRA, Alexandre Di Miceli da. Governança corporativa, desempenho e valor da empresa no Brasil. São Paulo: FEA/USP, VADE Mecum Saraiva. 6. ed. São Paulo: Saraiva, Wald, Arnoldo. Interesses societários e extra-societários na administração das sociedades anônimas: a perspectiva brasileira. Revista de direito mercantil, industrial, econômico e financeiro, São Paulo, n. 55, p. 9-17, jul-set, WALD, Arnoldo. O governo das empresas. Revista de direito bancário, do mercado de capitais e da arbitragem, São Paulo, n. 15, p , jan-mar, * Discente do 5.º ano, Área II, do Curso de Direito da UNESP, Campus de Franca, orientado pelo Prof. Dr. Alfredo José dos Santos, docente das disciplinas de Direito Comercial III e IV do Curso de Direito da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP Faculdade de História, Direito e Serviço Social.

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS. Cácito Augusto Advogado

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS. Cácito Augusto Advogado TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS Cácito Augusto Advogado I INTRODUÇÃO Após quatro anos de vigência do Novo Código Civil brasileiro, que

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações

Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações 1 Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações Maria Bernadete Miranda Mestre em Direito das Relações Sociais, sub-área Direito Empresarial, pela Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação BREVE ESTUDO SOBRE AS MUDANÇAS DO DIREITO EMPRESARIAL NO NOVO CÓDIGO CIVIL

7º Simpósio de Ensino de Graduação BREVE ESTUDO SOBRE AS MUDANÇAS DO DIREITO EMPRESARIAL NO NOVO CÓDIGO CIVIL 7º Simpósio de Ensino de Graduação BREVE ESTUDO SOBRE AS MUDANÇAS DO DIREITO EMPRESARIAL NO NOVO CÓDIGO CIVIL Autor(es) FATIMA ANDREA KISIL MENDES Orientador(es) RENATA RIVELLI MARTINS SANTOS 1. Introdução

Leia mais

DAS SOCIEDADES: (A) A PERSONALIZAÇÃO DAS SOCIEDADES EMPRESARIAIS (PRINCÍPIOS DO DIREITO SOCIETÁRIO) GERA TRÊS CONSEQÜÊNCIAS:

DAS SOCIEDADES: (A) A PERSONALIZAÇÃO DAS SOCIEDADES EMPRESARIAIS (PRINCÍPIOS DO DIREITO SOCIETÁRIO) GERA TRÊS CONSEQÜÊNCIAS: DAS SOCIEDADES: CONCEITO: A sociedade empresária pode ser conceituada como a pessoa jurídica de direito privado não estatal, que explora empresarialmente seu objeto social ou a forma de sociedade por ações.

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 03 O objetivo da Empresa e as Finanças Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO O objetivo da Empresa e as Finanças... 3 1. A relação dos objetivos da Empresa e as

Leia mais

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Período: 4 Período. Carga Horária: 72H/a: EMENTA

EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Período: 4 Período. Carga Horária: 72H/a: EMENTA EMENTÁRIO Curso: Direito Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL II Período: 4 Período Carga Horária: 72H/a: EMENTA A disciplina busca introduzir o aluno no âmbito do direito societário: abordando a sua evolução

Leia mais

Empreendedorismo. Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros

Empreendedorismo. Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros Empreendedorismo Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros Panorama histórico Empreendedores medievais Panorama histórico Desde a antiguidade até a Revolução Industrial (Século XVIII), o trabalho sempre foi feito

Leia mais

A ILEGALIDADE DA ATIVIDADE EMPRESARIAL POR MILITAR DA ATIVA O excesso legislativo da norma penal

A ILEGALIDADE DA ATIVIDADE EMPRESARIAL POR MILITAR DA ATIVA O excesso legislativo da norma penal A ILEGALIDADE DA ATIVIDADE EMPRESARIAL POR MILITAR DA ATIVA O excesso legislativo da norma penal Art. 204 do CPM e outros diplomas legais Por: Euclides Cachioli de Lima. Muitos são os doutrinadores que

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ-SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio em Técnico

Leia mais

Profa. Joseane Cauduro. Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO

Profa. Joseane Cauduro. Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO Profa. Joseane Cauduro Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO Introdução A unidade I aborda: empresa e empresário; formação das sociedades; tipos de sociedades. Objetivos da disciplina: apresentar aos estudantes

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

A NECESSIDADE DE INSERÇÃO DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (SOCIEDADE UNIPESSOAL) NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO

A NECESSIDADE DE INSERÇÃO DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (SOCIEDADE UNIPESSOAL) NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO A NECESSIDADE DE INSERÇÃO DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (SOCIEDADE UNIPESSOAL) NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO A questão da aceitação, no direito brasileiro, da empresa individual

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005

RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005 RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005 ALTERA AS EMENTAS E CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DAS DISCIPLINAS CH1301 - COMERCIAL I, CH1306 - COMERCIAL II E CH1308 - COMERCIAL III, DO CURSO DE, DO CÂMPUS DE SÃO PAULO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito empresarial: nome empresarial no novo Código Civil Joseph Robert Terrell* RESUMO Com o Novo Código Civil em vigor, ocorreram algumas modificações quanto ao nome empresarial.

Leia mais

A PEQUENA EMPRESA E A TEORIA DA FLEXIBILIZAÇÃO DIFERENCIADA

A PEQUENA EMPRESA E A TEORIA DA FLEXIBILIZAÇÃO DIFERENCIADA A PEQUENA EMPRESA E A TEORIA DA FLEXIBILIZAÇÃO DIFERENCIADA Renato Rua de Almeida Advogado trabalhista; professor de direito do trabalho da faculdade de direito da pontifícia Universidade católica de São

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A mudança do direito empresarial no direito brasileiro Elias Jacobsen Bana Com o advento do novo Código Civil em 2002, todo o sistema societário que antes existia passou a vigorar

Leia mais

SOCIEDADES COMERCIAIS

SOCIEDADES COMERCIAIS Legislação Societária / Direito Comercial Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 11 SOCIEDADES COMERCIAIS Sociedade comercial é a pessoa jurídica de direito privado, nãoestatal, que tem por objeto social

Leia mais

CONCENTRAÇÃO EMPRESARIAL CONSENTIDA NO NOVO CÓDIGO CIVIL

CONCENTRAÇÃO EMPRESARIAL CONSENTIDA NO NOVO CÓDIGO CIVIL CONCENTRAÇÃO EMPRESARIAL CONSENTIDA NO NOVO CÓDIGO CIVIL Jean Carlos Fernandes 1 Típica do poder privado econômico, a concentração de empresas vem alcançando espaço no Direito Brasileiro, com relevante

Leia mais

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores.

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Administrativo / Aula 01 Professora: Luiz Oliveira Castro Jungstedt Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 01 CONTEÚDO DA AULA: Estado Gerencial brasileiro.introdução1

Leia mais

Terceiro Setor, ONGs e Institutos

Terceiro Setor, ONGs e Institutos Terceiro Setor, ONGs e Institutos Tomáz de Aquino Resende Promotor de Justiça. Coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Tutela de Fundações de Minas Gerais. Usualmente é chamado de

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Micro e Pequena Empresa: Conceito e Importância para a Economia.

Micro e Pequena Empresa: Conceito e Importância para a Economia. Micro e Pequena Empresa: Conceito e Importância para a Economia. Luiz Felipe de Oliveira Pinheiro * RESUMO O presente mini-ensaio, apresenta os desvios que envolvem o conceito de micro e pequena empresa

Leia mais

Administração Direta. Empresas Estatais

Administração Direta. Empresas Estatais Ordem Social Ordem Econômica Administração Indireta Administração Direta Autarquia Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Consórcio Público

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E GOVERNANÇA

SUSTENTABILIDADE E GOVERNANÇA Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Instituto de Educação Continuada Curso: Gestão Estratégica da Comunicação SUSTENTABILIDADE E GOVERNANÇA B Mônica

Leia mais

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade.

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. Jaileno Miranda Conceição¹ RESUMO O Direito Administrativo é um ramo do Direito Público composto por órgãos, agentes, e pessoas jurídicas administrativas,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

8º SEMINÁRIO ANBIMA DE DIREITO DO MERCADO DE CAPITAIS São Paulo 23 agosto. PULVERIZAÇÃO DO CONTROLE ACIONÁRIO NO BRASIL Modesto Carvalhosa

8º SEMINÁRIO ANBIMA DE DIREITO DO MERCADO DE CAPITAIS São Paulo 23 agosto. PULVERIZAÇÃO DO CONTROLE ACIONÁRIO NO BRASIL Modesto Carvalhosa 8º SEMINÁRIO ANBIMA DE DIREITO DO MERCADO DE CAPITAIS São Paulo 23 agosto PULVERIZAÇÃO DO CONTROLE ACIONÁRIO NO BRASIL Modesto Carvalhosa A recente pulverização da propriedade acionária projeta questionamentos

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DO RIO DE JANEIRO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DE REGISTROS PÚBLICOS S E N T E N Ç A

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DO RIO DE JANEIRO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DE REGISTROS PÚBLICOS S E N T E N Ç A ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DO RIO DE JANEIRO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DE REGISTROS PÚBLICOS Proc. 0131032-43.2011.8.19.0001 Consulente: REGISTRADOR DO RCPJ DA CAPITAL Vistos, etc.

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS TEGMA GESTÃO LOGÍSTICA S.A. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO E PRINCÍPIOS GERAIS 2. DEFINIÇÕES 3. OBJETIVOS E ABRANGÊNCIA 4. PERÍODO DE VEDAÇÕES ÀS NEGOCIAÇÕES 5. AUTORIZAÇÃO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Meio ambiente equilibrado e sadio - Um Direito Fundamental Uélton Santos* Art. 225, CF. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e

Leia mais

Aula Nº 2 Empresa - O Empresário

Aula Nº 2 Empresa - O Empresário Aula Nº 2 Empresa - O Empresário Objetivos da aula: Nesta aula, vamos definir Empresa, considerando a orientação da legislação. Também vamos conhecer e definir o empresário e os requisitos legais para

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D - 27 PERÍODO: 6 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL I NOME DO CURSO:DIREITO 2.

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D - 27 PERÍODO: 6 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL I NOME DO CURSO:DIREITO 2. 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D - 27 PERÍODO: 6 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO COMERCIAL I NOME DO CURSO:DIREITO 2. EMENTA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 Direito

Leia mais

A teoria do direito empresarial se subdivide em três:

A teoria do direito empresarial se subdivide em três: TEORIAS DO DIREITO EMPRESARIAL A teoria do direito empresarial se subdivide em três: TEORIA SUBJETIVA o direito comercial se caracterizava por dois fatores: RAMO ASSECURATÓRIO DE PRIVILÉGIOS À CLASSE BURGUESA,

Leia mais

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL Direito Societário É subárea do direito empresarial que disciplina a forma de exercício coletivo de atividade econômica empresária; Importante observação sobre as questões da primeira fase da OAB: 25%

Leia mais

CONCEITO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO ECONÔMICO CONCEITO DE DIREITO ECONÔMICO SUJEITO - OBJETO

CONCEITO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO ECONÔMICO CONCEITO DE DIREITO ECONÔMICO SUJEITO - OBJETO CONCEITO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO ECONÔMICO CONCEITO DE DIREITO ECONÔMICO SUJEITO - OBJETO CONCEITO DIREITO ECONÔMICO É O RAMO DO DIREITO QUE TEM POR OBJETO A JURIDICIZAÇÃO, OU SEJA, O TRATAMENTO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos/SP Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Habilitação Profissional Técnica de

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal.

PLANO DE ENSINO. 5. RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES Direito constitucional, civil, processual civil, penal, processual penal. PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Direito Professores: Evandro Muniz Período/ Fase: 9ª Semestre: 2º Ano: 2013 Disciplina: Direito empresarial

Leia mais

Interpretação do art. 966 do novo Código Civil

Interpretação do art. 966 do novo Código Civil Interpretação do art. 966 do novo Código Civil A TEORIA DA EMPRESA NO NOVO CÓDIGO CIVIL E A INTERPRETAÇÃO DO ART. 966: OS GRANDES ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA DEVERÃO TER REGISTRO NA JUNTA COMERCIAL? Bruno

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: São Jose do Rio Pardo Código: 150 Município: São Jose do Rio Pardo Área de conhecimento: Gestão e Negócios Componente Curricular: Legislação Empresarial

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos - SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO

Leia mais

O ESTUDO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR MUNICIPAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

O ESTUDO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR MUNICIPAL DO ESTADO DE SÃO PAULO O ESTUDO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR MUNICIPAL DO ESTADO DE SÃO PAULO Sofia Muniz Alves Gracioli Uni-FACEF 1 Paulo de Tarso Oliveira Uni-FACEF 2 Introdução

Leia mais

SOCIEDADE EMPRESÁRIA

SOCIEDADE EMPRESÁRIA SOCIEDADE EMPRESÁRIA I-CONCEITO Na construção do conceito de sociedade empresária dois institutos jurídicos servem de alicerce: a pessoa jurídica e a atividade empresarial. Um ponto de partida, assim para

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina DIREITO EMPRESARIAL I Código

Leia mais

Contratos Empresariais em Espécie

Contratos Empresariais em Espécie Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Empresarial Contratos Empresariais em Espécie Carga Horária: 28 h/a 1- Ementa Obrigações

Leia mais

FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE

FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE AMCE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS www.amce.com.br PROJETOS ESPECIAIS FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE 10º EVENTO TEMA: Investimento Social Privado: é possível

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL B Código: DV 450

PLANO DE ENSINO. Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL B Código: DV 450 PLANO DE ENSINO Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL B Código: DV 450 Pré-requisito: Direito Civil A, B. Carga horária: 90 (noventa) horas aula Créditos: 6 (seis) Natureza: anual Docente: EMENTA Sociedades

Leia mais

DIREITO DE EMPRESA SOCIEDADES

DIREITO DE EMPRESA SOCIEDADES DIREITO DE EMPRESA SOCIEDADES Prof. Cristiano Erse www.erse.com.br CONCEITO GERAL Sociedade, de acordo com CC em seu art. 981, é o contrato em que pessoas reciprocamente se obrigam a contribuir com bens

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL JATAÍ PLANO DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL JATAÍ PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO I. IDENTIFICAÇÃO Unidade Acadêmica: CAMPUS JATAÍ Curso: Direito Disciplina: Direito Empresarial I Carga horária semestral: 64 h Teórica Prática: 4 Semestre/ano: 1º semestre de 2015 Turma/turno:

Leia mais

1 FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA COMO PARADIGMA DOS NOVOS TEMPOS

1 FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA COMO PARADIGMA DOS NOVOS TEMPOS 1 FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA COMO PARADIGMA DOS NOVOS TEMPOS Cristine Hauschild 1 Somaia Margarite Montagner de Souza 2 1.1 A função social da propriedade Para uma melhor compreensão acerca da função social

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL APRESENTAÇÃO EMENTA

DIREITO EMPRESARIAL APRESENTAÇÃO EMENTA EMPRESARIAL NÍVEL DE ENSINO: Graduação CARGA HORÁRIA: 80h PROFESSORES-AUTORES: Telder Andrade Lage Ana Luisa Coelho Perim Fabiano Eustáquio Zica Silva APRESENTAÇÃO O direito empresarial, ramo do direito

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA ECONÔMICA. Protocolado: 08012.000515/2003-33.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA ECONÔMICA. Protocolado: 08012.000515/2003-33. MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA ECONÔMICA Protocolado: 08012.000515/2003-33. Natureza: Averiguação Preliminar. Representante: Alexandre Soares Coelho.

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA

GOVERNANÇA CORPORATIVA GOVERNANÇA CORPORATIVA O que é governança corporativa? Qual o motivo do crescente interesse pela governança corporativa? A quem interessa a governança corporativa? Trata-se de apenas mais um modismo? Francisco

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO SUMÁRIO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2. TEORIA DA EMPRESA 3. ATIVIDADE EMPRESARIAL 4. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL 5. ATIVIDADE RURAL 6. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL REGULAR X

Leia mais

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras 2012 2 Sumário Apresentação... 3 A Pesquisa Perfil dos Empreendedores Sul Mineiros Sexo. 4 Estado Civil.. 5 Faixa Etária.. 6 Perfil

Leia mais

Gestão Financeira de Organizações

Gestão Financeira de Organizações Gestão Financeira de Organizações Módulo 10 - Política de Dividendos e Relações com Investidores Prof. Luiz Antonio Campagnac e-mail: luiz.campagnac@gmail.com Livro Texto Administração Financeira: princípios,

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA Giovanna Filomena Silveira Teles Advogada. Pós-graduanda em Direito Civil pela Faculdade de Direito Milton Campos 1. BREVE HISTÓRICO DO DIREITO EMPRESARIAL Para melhor compreendermos

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Fundos de Pensão e Investimentos Socialmente Responsáveis em Mercados Emergentes Wagner Pinheiro de Oliveira Presidente da Petros Novembro de 2004 São Paulo Estrutura da Apresentação Importância Macroeconômica

Leia mais

PLANO DE ENSINO - Curso Semestral 2015

PLANO DE ENSINO - Curso Semestral 2015 21/02/2011 Página 1 de 5 PLANO DE ENSINO - Curso Semestral 2015 Disciplina DIREITO DE EMPRESA Curso Graduação Período 3º PERÍODO Eixo de Formação EIXO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL Turma A, B e D Código 076

Leia mais

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Direito Empresarial ADM 065. 36h 5º

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Direito Empresarial ADM 065. 36h 5º Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Estratégia e Desenvolvimento Sustentável. Responsabilidade e Índices de Sustentabilidade Empresarial. Aula 6

Estratégia e Desenvolvimento Sustentável. Responsabilidade e Índices de Sustentabilidade Empresarial. Aula 6 Estratégia e Desenvolvimento Sustentável Aula 6 Prof. Marcos Rogério Maioli rogeriomaioli@grupouninter.com.br Investimentos com Responsabilidade e Índices de Sustentabilidade Empresarial MBA em Planejamento

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente.

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente. CÓDIGO DE ÉTICA EMPRESARIAL 1 INTRODUÇÃO O Código de Ética Empresarial da COELCE, apresenta os princípios direcionadores das políticas adotadas pela empresa e que norteiam as ações e relações com suas

Leia mais

TIPOS DE EMPRESAS. Se a opção for a de Empresário Individual, o patrimônio particular se confunde com o da empresa.

TIPOS DE EMPRESAS. Se a opção for a de Empresário Individual, o patrimônio particular se confunde com o da empresa. 1 TIPOS DE EMPRESAS A atividade econômica organizada produtiva pode ser exercida individualmente ou de forma coletiva, objetivando a partilha do resultado. Se a opção for a de Empresário Individual, o

Leia mais

O RELATÓRIO DE GESTÃO E OS REQUISITOS DO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS

O RELATÓRIO DE GESTÃO E OS REQUISITOS DO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS O RELATÓRIO DE GESTÃO E OS REQUISITOS DO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria, consultadoria de gestão,

Leia mais

A PESSOA JURÍDICA NO ÂMBITO LEGAL 1

A PESSOA JURÍDICA NO ÂMBITO LEGAL 1 A PESSOA JURÍDICA NO ÂMBITO LEGAL 1 Thiago Ricci de Oliveira ricci.thiago@hotmail.com FACULDADE MARECHAL RONDON/UNINOVE NPI NÚCLEO DE PESQUISA INTERDISCIPLINAR 1 DEFINIÇÃO DE PESSOA Para bem entender a

Leia mais

DIREITO COMERCIAL: UM ESTUDO SOBRE SUA SOBERANIA

DIREITO COMERCIAL: UM ESTUDO SOBRE SUA SOBERANIA DIREITO COMERCIAL: UM ESTUDO SOBRE SUA SOBERANIA Jordane Mesquita DANTAS 1 RESUMO: O presente trabalho visa fazer uma análise quanto à autonomia do Direito Comercial de acordo com a sua evolução histórica

Leia mais

Natureza Cambiária da Cédula de Produto Rural. A Cédula de Produto Rural, conhecida pela sigla CPR e criada pela Lei n.

Natureza Cambiária da Cédula de Produto Rural. A Cédula de Produto Rural, conhecida pela sigla CPR e criada pela Lei n. Natureza Cambiária da Cédula de Produto Rural Gustavo Ribeiro Rocha A Cédula de Produto Rural, conhecida pela sigla CPR e criada pela Lei n. 8.929/94, é um documento emitido pelo produtor rural ou por

Leia mais

Avaliação de Investimentos em Participações Societárias

Avaliação de Investimentos em Participações Societárias Avaliação de Investimentos em Participações Societárias CONTABILIDADE AVANÇADA I 7º Termo de Ciências Contábeis Profª MSc. Maria Cecilia Palácio Soares Regulamentação do Método da Equivalência Patrimonial

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento em Participações - FIP

Cotas de Fundos de Investimento em Participações - FIP Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento em Participações - Fundo de Investimento em Participações Investimento estratégico com foco no resultado provocado pelo desenvolvimento das companhias O produto

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA MARFRIG FRIGORÍFICOS E COMÉRCIO DE ALIMENTOS S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA MARFRIG FRIGORÍFICOS E COMÉRCIO DE ALIMENTOS S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA MARFRIG FRIGORÍFICOS E COMÉRCIO DE ALIMENTOS S.A. APROVADA NA RCA DE 18/03/2009 SUMÁRIO I OBJETIVO... 3 II - ADMINISTRAÇÃO DA POLÍTICA... 3 II.1

Leia mais

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL 3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL Os fundamentos propostos para a nova organização social, a desconcentração e a cooperação, devem inspirar mecanismos e instrumentos que conduzam

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.280, DE 2011 (Do Sr. Carlos Bezerra)

PROJETO DE LEI N.º 1.280, DE 2011 (Do Sr. Carlos Bezerra) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.280, DE 2011 (Do Sr. Carlos Bezerra) Veda a penhora do estabelecimento comercial, quando neste funcionar essencialmente a atividade empresarial. DESPACHO: À COMISSÃO

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

Reis & Schuch Advogados Reis & Schuch Advogados Reis & Schuch Advogados Reis & Schuch Advogados

Reis & Schuch Advogados Reis & Schuch Advogados Reis & Schuch Advogados Reis & Schuch Advogados A Empresa Atuando em diversas áreas do direito empresarial e civil, Reis & Schuch Advogados desenvolve soluções eficazes e inovadoras a fim de proporcionar melhores resultados a seus clientes. Sendo composto

Leia mais

Apresentação. Apresentação. Adesão ao Nível 1 de Governança Corporativa. Requisitos para Adesão ao Nível 1

Apresentação. Apresentação. Adesão ao Nível 1 de Governança Corporativa. Requisitos para Adesão ao Nível 1 Apresentação Apresentação Implantados em dezembro de 2000 pela Bolsa de Valores de São Paulo BOVESPA, o Novo Mercado e os Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Nível 1 e Nível 2 são segmentos

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

- Considerações iniciais. - Fundamento do Parecer PGFN/CAT 200/2013. - Análise do Parecer. - Considerações adicionais e finais.

- Considerações iniciais. - Fundamento do Parecer PGFN/CAT 200/2013. - Análise do Parecer. - Considerações adicionais e finais. - Considerações iniciais. - Fundamento do Parecer PGFN/CAT 200/2013. - Análise do Parecer. - Considerações adicionais e finais. Desde o início da adoção das novas normas contábeis buscou-se a adoção da

Leia mais

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A Conselho da União Europeia Bruxelas, 7 de dezembro de 2015 15071/15 SOC 711 EMPL 464 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado Geral do Conselho data: 7 de dezembro de 2015 para: Delegações n.º doc. ant.:

Leia mais

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC).

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). São Paulo, 21 de março de 2013. Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). Senhoras e senhores É com grande satisfação que

Leia mais

O sócio que ceder suas quotas continua responsável pelas obrigações sociais até dois anos depois de modificado o contrato social:

O sócio que ceder suas quotas continua responsável pelas obrigações sociais até dois anos depois de modificado o contrato social: AULA 2 4. Tipos societários 4.1 Sociedade Simples Se a sociedade simples não optar por outra forma essa é a forma que será a ela aplicada. Esse tipo é também subsidiário aos outros tipos sociais, ou seja,

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA Visão teórica, e tanto quanto possível prática, dos principais temas relacionados à introdução ao estudo do Direito Comercial.

PLANO DE ENSINO EMENTA Visão teórica, e tanto quanto possível prática, dos principais temas relacionados à introdução ao estudo do Direito Comercial. Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Direito Empresarial I Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Empresarial Área: Privado PLANO DE ENSINO EMENTA Visão teórica, e tanto quanto

Leia mais

Amanda dos Santos Saraiva, Júlio César Campioni Lima, Tatiana Vieira dos Santos, Pedro Teófilo de Sá

Amanda dos Santos Saraiva, Júlio César Campioni Lima, Tatiana Vieira dos Santos, Pedro Teófilo de Sá Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 409 ASPECTOS DAS SOCIEDADES ANÔNIMA E LIMITADA Amanda dos Santos Saraiva, Júlio César Campioni Lima, Tatiana Vieira

Leia mais

Características das Autarquias

Características das Autarquias ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Almir Morgado Administração Indireta: As entidades Administrativas. Autarquias Define-se autarquia como o serviço autônomo criado por lei específica, com personalidade d

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira Administração Financeira e Orçamentária I Introdução à Administração Financeira Conteúdo O Campo das Finanças A Função Financeira na Empresa As Funções do Administrador Financeiro O Objetivo da Empresa

Leia mais

GRUPOS ECONÔMICOS E A ANÁLISE DA CONCENTRAÇÃO ECONÔMICA. José Marcelo Martins Proença marcelo.proenca@usp.br

GRUPOS ECONÔMICOS E A ANÁLISE DA CONCENTRAÇÃO ECONÔMICA. José Marcelo Martins Proença marcelo.proenca@usp.br GRUPOS ECONÔMICOS E A ANÁLISE DA CONCENTRAÇÃO ECONÔMICA José Marcelo Martins Proença marcelo.proenca@usp.br Apresentação - objetivo Verificação legislações (societária e concorrencial) Comparação das legislações

Leia mais

TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas

TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas NORMA INTERNA TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas NÚMERO VERSÃO DATA DA PUBLICAÇÃO SINOPSE Dispõe sobre

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O currículo, ora alterado, será implantado no início do ano letivo de 2001, para os matriculados na 5ª série.

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O currículo, ora alterado, será implantado no início do ano letivo de 2001, para os matriculados na 5ª série. RESOLUÇÃO CONSEPE 54/00 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, REGIME SERIADO ANUAL, TURNO NOTURNO, DO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, JURÍDICAS E ADMINISTRATIVAS, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA.

Leia mais

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Abril/2014 Porto Velho/Rondônia Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Terceiro Setor É uma terminologia sociológica que

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 31

Leia mais

DIREITO SOCIAL A IMPORTÂNCIA HISTÓRICA NA LUTA PELO DIREITO

DIREITO SOCIAL A IMPORTÂNCIA HISTÓRICA NA LUTA PELO DIREITO DIREITO SOCIAL A IMPORTÂNCIA HISTÓRICA NA LUTA PELO DIREITO Autora: Ludmila Carla Campello Jorge 1 Coautores: Aniele Soares Alves 2 Mônica Ferreira dos Santos 3 Letícia Costa Barros 4 Annielly da Silva

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE EMPRESA JÚNIOR CAPÍTULO I DO NOME, FINALIDADE E CARACTERIZAÇÃO

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE EMPRESA JÚNIOR CAPÍTULO I DO NOME, FINALIDADE E CARACTERIZAÇÃO FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE EMPRESA JÚNIOR CAPÍTULO I DO NOME, FINALIDADE E CARACTERIZAÇÃO Art. 1º. A designação de Empresa Júnior EJ, é conferida às organizações constituídas

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador FRANCISCO DORNELLES

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador FRANCISCO DORNELLES PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 18, de 2011 (Projeto de Lei nº 4.605, de 2009, na origem), do Deputado

Leia mais

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI Dispõe sobre as atribuições dos agentes de compras

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O ESTADO DE DIREITO DO AMBIENTE 1. Domingos Benedetti Rodrigues 2.

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O ESTADO DE DIREITO DO AMBIENTE 1. Domingos Benedetti Rodrigues 2. EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O ESTADO DE DIREITO DO AMBIENTE 1 Domingos Benedetti Rodrigues 2. 1 O presente trabalho é resultado dos estudos relacionados à construção da minha Tese do Doutorado em Educação nas

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA HABITÁGUA

CÓDIGO DE ÉTICA DA HABITÁGUA CÓDIGO DE ÉTICA DA HABITÁGUA ÍNDICE PREÂMBULO... 3 CÓDIGO DE ÉTICA... 5 Secção I: PARTE GERAL............................................... 6 Secção II: PRINCÍPIOS... 8 Secção III: DEVERES CORPORATIVOS...

Leia mais