Source:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Source: http://industrydocuments.library.ucsf.edu/tobacco/docs/lpdl0114"

Transcrição

1 PROGRAMA EXPERIMENTAL SEMENTES - SAFRA 1989/90 CASA DE VEGETA~AO : ESTAO SEMEADOS OS SEGUINTES HATERIAIS PARA TRABALHOS GENETICOS : CULTIVARES : W VIRGINIA - COKE R 176 COKER 316 MC 6 0 IiC 744 K-326 K-394 K-399 HC ItAIR 373 MATERIAL "REPOLHUDO" DE SAO LUDGERO A BURLEY - TBE E B21 A GERHOPLASHAS - BC1 371 RH BC1 394 RH x(k 394 X C 176) Fl 373 HF F1 326 HF BC4 373 RH BC4 326 RH BC5 394 RH BC5 399 RH TRAPALHOS A SEREH EXECUTAD OS : 1 ) TRABALHOS EH ANDAHEItTO : TERAO AVAHC~eO DE UMA GERA9AO TODOS OS TRABALHOS IHICIApOS NA SAFRA DE VERAO OU OS pue TIVERAH SEGUIHEXTO HA REFER I I1A SAFRA (PC ). 2) TRABALHOS A SEREH INICIADOS : A. CRU2AH EHTOS PARA RES ISTE NC IA 'A MOSAICO : SERAO IHPLEHEHTABOS NOS CULTIVARES HY SG 108 x C RH HY MC 60 x C RH HY T E x B 21 - TBE RH B. PRODU~ AO DE H I SR I DOS : (PA I XO TEORES ) ~ ESTE t UH TRABALHO ESPECIFICO VISANDO A REDUigAO DE O H I COT I HA NO PRODUTO F I ItAL. SERA I HPLEHEHTADO COM 0 tj'l CULTIVAR COKER 316 x K-326. ~ C~0-1- 1~0 ~ ~ -.~

2 APOS OS TESTES, TEREMOS C02tDI90ES DE SELECIOHAR UHA NOVA VARIEDADE. C. RESISTEHCIA A FLORESCIHEHTO PRECOCE : HAVERA A SEQUENCIA DOS TRABALHOS INICIADOS RA CASA DE VEGETA~AO NO ANO PASSADO. NESSA FASE, PASSAREHOS A RETROCRUZAR AS CARACTERISTICAS DE ORIGEH, QUE ± 0 PONTO DE RETORHO ALHEJADO, ACRESCIDO DAS CARACTERISTICAS A SEREH ADICIONADAS AO LONGO DOS TRABALHOS. OS CULTIVARES ACIHA RELACIONADOS TERAO A FINALIDADE DE SERV I REH DE EVENTUA I S PLANTAS-HAE OU DOADORAS DE POLEM, PRESTAAIhO-SE DE IGUAL FORHA A COHBIHA~OES AINDA POR DECIDIR. L A V 0 U R A SEHEHTES E HELHORAHEHTO VARIETAL A HELHORAHEHTO GEHETICO : SEGUIRAO OS TRA&ALHOS INICIADOS?IA CASA DE VEGETA~AO. 1. FASE i7e SELE~;AO : t RH 3 SERA INICIADA EH DOIS GERHOPLASHAS QUE TERAO ATINGIDO A ba GERA9AO. SAO ELES : 399 RH RH. ESTRUTURA DOS EHSAIOS : UN BLOCO DE 500 PLANTAS POR GERHOPLASHA, ACOHPA2{HADO DO RESPECTIVO PARAHETRO, EH DUAS LINHAS DISTRIBUIDAS DEHTRO DO BLOCO, ALEH DE UHA LI3{HA DE 20 PLANTAS DO B21. H2 DE EHSAIOS ; DOIS POR GERHOPLASHA. PERFAZ UH TOTAL DE 4. LOCAIS DOS EHSAIOS : TODOS OS ENSAIOS GEItETICOS DEVERAO SER IHPLEHEI{TADOS EM LOCALIDADES PROXIHAS DA SEDE DA USIxA, VISANDO FACILIDADE DE LOCOHO9AO E ECOHOHIA DE TEMPO. OUTRO REQUISITO BASICO DIZ RESPEITO `A CONFIABILIDADE QUE DEVEREHOS TER NO PLANTADOR SELECIONADO. DEVERA SER A HAIS ALTA POSSIVEL. HAO ESTAHOS NOS REFERINDO 'A HA' F9, POIS A BOA Ft t SUPOSTA, HAS A DISCREyAO E I SOLAHEHTO DA LAVOURA POR VONTADE, EV I TAHDO VISITA'-LA COH ESTRANHOS E PELA SITUA~AO DO LOCAL SER ISOLADO. -2-

3 DESCRI~;AO DAS ATIVIDADES : 12) I KOCULAR HOSA I CO EM TODAS AS PLANTAS DOS EIiSA I OS `A EXCE4;AO DO CULTIVAR PADRAO K-399 E~, h 3~y ) DESCARTE DAS PLANTAS SUSCEPT I VE I S (r r) ) DESCARTE DAS PLANTAS RES I STEItTES A HOSA I CO, HAS FORA DO PADRAO FENOTIPICO DO CULTIVAR K 399 OU K 394, RESPECTIVAHEIiTE. 49) I SOLAR EM TORNO DE 50 PLANTAS SELEC I O?IADAS EHCAPAItDO AS SUAS I 3tFLORESCEIfC I AS PARA SEMENTES ; 52) POR OCASIAO DA COLHEITA DE SEHEHTE, ANALISAR 0 SISTEHA RADICULAR DAS PLAHTAS SELECIONADAS, DESCARTANDO AS COH HEHOR RESISTENCIA A MURCHA BACTERIANA OU HEHATOIDES QUE 0 PADRAO EXIGIVEL PARA UM BOH CULTIVAR. 62) HISTURAR TODAS AS SEHENTES APROVEITAVEIS POIS TODAS SERAO RESISTENTES HETEROZIGOTICAMENTE. GREEN HOUSE SAFRA 90/91 ATIVIDADES : 1) SEMEAR OS FUHOS E TRANSPLANTAR EM VASOS PARA 0 EXPURGO DAS PLANTAS SUSCEFT I VE I S (r r), JA TENDO NO F2, PLAHTAS (RR E Rr ). 2) I NOCULAR AS PLANTAS COH HOSA I CO PARA I DEI{T I F I CAR AS (rr ) ; 3) EAtCAPAR E GUARDAS AS SEMENTES EM SEPARADO DE TODAS AS PLANTAS RESISTENTES (RR E Rr) FARA POSTERIOR TESTE DE PROGEXIA, DE 25 A 30 PLANTAS POR GERHOPLASHA. HA CASA DE VEGETA~AO SOMENTE APARECERA RESISTENCIA A HOSAICO. TESTE DE FROGEIt I A - SAFRA 90/91 (1 avoura ) OBJETIVO DESTE TRABALHO E IDENTIFICAR AS PLA?tTAS HOHOZIGOTICAHEHTE RESISTENTES A HOSAICO (RR). EXECU~AO 1) RETIRAR UHA PEQUENA PARCELA DE SEHEHTES DE CADA FLAHTA INDIVIDUALIZADA, ORIUHDA DA GREEN HOUSE, QUE SERA UHA UNIDADE DE EHSAIO. ex : 1,2,3,4, linhas com 25 a 30 plantas. 2) I IiOCULAR HOSA I CO EH TODAS AS PLA?[TAS DAS 25 LINHAS COHPOHEHTES DO ENSAIO. -3-

4 3)?IA L I HHA EH que HOUVER, PELO HEHOS UHA PLANTA SUSCEPTIVEL, HAO HAVERA HOHOZIGOSE E A PLANTA QUE LHE DEU ORIGEH, BEN COHO A LII HA EH ANALISE, DEVERA SER DESCARTADA. AS DEHAIS SERAO (RR). 4) FAZER UNA AHOSTRA UNICA DAS SEHEHTES DE TODAS AS PLANTAS RES I STEHTES (RR ).. 5) COLHER EH SEPARADO OS FUHOS PARA ANALISE quihica. SAFRA 1991/92 - GREEN HOUSE ATIVIDADES PARA SEGURAH~A, CHECAR HAIS UHA VEZ A RESISTENCIA A HOSA I CO, PROCEDENDO COMO MA SAFRA AIfTER I OR ItA CASA DE VEGETA4;AO. EH CASO DE SUSCEPTIBILIDADE, REPETE-SE 0 ENSA I 0 DE PROGEIi I A. SAFRA 91/92 (lavoura ) TODAS AS PLANTAS CON CARACTERISTICAS GEHO-FEDtOTIPICAHEHTE DESEJAVEIS E IDE2{TICAS, SERAO POSTAS EH UNA UNICA AHOSTRA, FORHAIfDO A SEHEHTE BASE DO NOVO CULTIVAR. ESTE CULT I VAR ESTARA APTO PARA EPiTRAR NOS EItSA I OS DE CAHPO. SE xestes APRESENTAR VARIA ~OES FEItOTIPICAS ACENTUADAS, DEVER-SE-A PROCEDER HAIS UH EHSAIO DE PROGEid I A, DESTA VEZ FEItOT I P I CO. SO ENTAO 0 CULT I VAR ESTARA ESTABILI2AD0. 2. F INAL DE RETROCRUZAHEIiTO BC 6, EM 326 RH E 373 RH. ESTRUTURA DOS EIiSA I OS : BLOCOS DE 200 PLANTAS, LADEADAS FOR UHA LINHA DE B21. xa DE ENSAIOS : DOIS FOR GERHOPLASHA, QUATRO NO TOTAL. PROCEDIHEHTOS. 1) IMOCULAR HOSA I CO EH TODAS AS PLANTAS FEMOTIPICAHEHTE APROVEITAVEIS, BEN COHO NO BURLEY 21, PARA I DE2iT I F I CAR AS RES I STEIiTES A HOSA I CO (Rr ). 2) SELEC I OIiAR 25 PLANTAS DENTRE AS RES I STEIiTES PARA RETROCRUZAHEI{TO CON OS RESPECTIVOS CULTIVARES A SEREH MELHORADOS. 3) ELIHIHAR TODAS AS FLORES ABERTAS DAS IHFLORESCEHCIAS. -4-

5 4) POLIHIZAR, DE PREFERENCIA, EM UHA ETAPA, DE 4 A 10 FLORES, FOR I XFLORESCEIiC I A NO POXTO DE EHASCULA~;AO - FOLIHIZAIgAO, IDENTIFICANDO-AS CON TARJETAS. 5) PULVER IZAR AS I IiFLORESCEHC I AS CON UNA SOLU~AO I MSET I C I DA (ORTHEI{E ). 6) EIiCAPAR AS I xflorescexc I AS. 7) VOLTAR SETE DIAS APOS A LAVOURA PARA VER 0 RESULTADO DA POLIHIZA~AO. EM CASO DE INSUCESSO, REPETI-LA. 8) COLHER AS FLORES EH NUMERO IGUAL FOR PLANTA, H I STURAHDO AS SEMENTES DE TODAS AS PLA?(TAS. DURANTE A COLHEITA DESCARTAH-SE AS FLAHTAS SELECIONADAS, QUE EV xtualhei{te TEXHAH ADOECIDO (HURCHA, XEHATO I DES ). 3. RETROCRUZAHEHTO - FASE INTERHEDIARIA BC3, EM 371 RH E 394 RMx. BC1, EM 108 RH, E 60 RH. PROCED I HENTOS : 1) BC3 SEGUE 0 EXPOSTO NO I TEH 2. 2) BC 1 I DEH BC2, POREN REDUZ I IiDO 0 2Ig DE PLAI{TAS POR GERHOPLASHA FARA 100, ALEH DE KAO SER NECESSARIO IHOCULAR-SE AS PLANTAS CON HOSAICO, POIS SERAO RESISTENTES HETEROZIGOTICAMENTE (Rr). DEVERAO SER SELEC I ONADAS APEHAS 10 PLAI{TAS. MESSES ENSAIOS PODE HAVER A COIiCEHTRA9AO DE MAIS DE UH GERHOPPLASHA POR PLA2tTADOR. I Atg DE E2iSA I OS A 10 NO T O T A L 4. PRDDU9AO DE HIBRIDOSI?tOVO CULTIVAR SELECIONAR UH CULTIVAR A PARTIR DE HIBRIDOS FRODUZIDOS HA CASA DE VEGETA~AO. BURLEY 21 X TBE HETODOLOGIA : SELEC I OI+IAR PLAPiTAS A PART I R DE UH PADRAO VAR I ETAL A SER ESTABELECIDO MA FRESEI{TE SAFRA, 0 QUAL SERVIRA PARA AVALIA~AO DO MATERIAL EH ESCALA MAIOR. 2t0 H I If I HO, 100 PLANTAS POR H I BR I D0, D I STR I DU I DAS EM DOIS PRODUTORES. 0 FUHO DE 30 FLAKTAS DEVE SER 6UARDADO SEPARADAMENTE PARA AXALISE QUIHICA. -5-

6 AS SEMENTES, RET I RADAS DE 10 PLANTAS SERAO PRODU3IDAS POR AUTOPOLIt{IZAgAO E HISTURADAS ENTRE SI. BAIXOS TEORES A) COKER 316 X K-326 B) T$V 46 X K-326 HETEODOLOGIA A) COKER 316 X K-326, A DESCRITA ACIMA. B) TBV 46 X K-326, SELEC I OA[AR 10 PLANTAS DO TBV 46 RETROCRUZANDO-AS CON 0 K-326, SEGUINDO 0 DISPOSTO NO I TEH 2 E SEUS SUB- I TE?IS 3 A 8. BAIXO TEORES - SAFRA 9D/91 1) CASA DE VEGETAgAO : TBV 46 X K-326 PLANTAR 20 PLANTAS DAS qua I S 10 DEST I IiAH-SE A DOADORES DE SEHEHTE PARA A SEQUENCIA DOS TRABALHOS DE LAVOURA. 2 ) LAVOURA : F1( TBV 46 X K-326 )- F1( COKER 316 X COKER 326) A) ESTRUTURA DOS E2iSA I OS 400 PLANTAS DE CADA F 1, LADEADAS POR UNA L I IiHA DE 30 PES DO COKER 316, 30 PLANTAS DO K-326 E 30 PLAHTAS DO TBV 46. AS L I NHAS MAO DEVEH TER HA I S DE 30 PLAI{TAS. B) ELIHIHA~AO DE VARIAVEIS DO SOLO COHO SE TRATA DE UH TRABALHO CUJA FINALIDADE t BAIXAR OS TEORES DE IiICOTIIfA, DEVE TER-SE 0 HAXIHO CUIDADO A[A ELIHI?tAIgAO DAS VARIAVEIS DO SOLO. C) COLHEITA DE FUHO VERDE 200 PLANTAS DE CADA GERHOPLASHA DESTI?[AH-SE A AHOSTRAGEM VERDE PARA LABORATORIO. COHO COLHER AS AMOSTRAS PARA 0 LABORATDRIO. C 1) DESPONTAR AS PLAItTAS COH UH HESHO }tuhero DE FOLHAS, CONTADAS DE DA I XO PARA C I HA, QUANDO AS PRIMEIRAS FLORES FICAREM CON COLORAPAO ROSA, SEH RETIRAR BROTAi;OES. ESTAS FICARAO PARA SEHEI{TES. C2) 10 DIAS APOS RETIRAR A 5a FOLHA DE BAIXO PARA CIHA DE CADA PLAHTA. -6-

7 C3) SECAR AS AHOSTRAS 0 HAIS RAPIDO POSSIV L, REHETEHDO-AS EX SEGUIDA AO LADORATORIO. C4) 0 HESHO PROCEDIHEMTO DEVERA SER SEGUIDO CON OS CULTIVARES ENVOLVIDOS NO TRABALHO. NO TRABALHO, SENDO DESSES MECESSARIAS AHOSTRAS DE 10 PLANTAS POR CULTIVAR. 5. HELHORAHEMTO GEMETICO : RESISTENCIA A MEHATOIDES DO GEMERO H.JAVAHICA. HETODOLOGIA A) ESTRUTURA DOS EMSAIOS 20 LIMHAGEMS COH RESISTENCIA A JAVAMICA PLANTADAS EH UNA AREA HISTORICAHEMTE INFECTADA COH 0 PROBLEHA. B) TRABALHOS DE SELE~AO ; Bi} ELIHIMAR PLANTAS QUE APRESENTEN PROBLEHAS DE "ACAHAHEMTO BASAL" E "EsROTAI;OES LATERAIS", POR OCASIAO DA SELEi;AO FENOTIPICA. B2? SELEC I OMAR EH TORNO DE 20 PLAMTAS POR L I MHAGEH. B3) RETIRAR AHOSTRAS DE SOLOS E RAIZES PARA ANALISE MEHATOLOGICA COHPLETA EM LABORATORIO IDDMEO. B4) POR OCASIAO DA COLHEITA DAS SEMENTES, ELIHIMAR PLANTAS COH PROBLEHAS NO SISTEHA RADICULAR : HEHATOIDES E HURCHA BACTERIANA. C) COLHEITA DE SEHEMTES MAO HISTURAR SEHEMTES DAS PLANTAS, POIS APOS RECEBER OS RESULTADOS LABORATORIAIS DEVERA SER FEITO UH AJUSTE POR NIVEIS DE SUSCEPTIBILIDADE A MEHATOIDESs COH AS DEVIDAS ELIHIMA~OES. D) TRANSFERENCIA DE RESISTENCIA DETERHIMADAS AS HELHORES PLAMTAS, IMICIAR-SE-AO OS TRABALHOS DE RETROCRUZAHEMTOS PARA IMCORPORAgAO DE RESISTEMCIA A MEHATOIDE H.JAVAMICA MOS CULTIVARES COHERCIAIS. 6. PRODU~AO DE SEHEMTES HIBRIDAS EH ESCALA COHERCIAL ESTRUTURA DOS EMSAIOSe QUATRO LINHAS DO GERHOPLASHA LADEADO POR IGUAL HUHERO DE DOADOR. DEVE HAVER PELO HEMOS PLANTAS RECEPTORAS POR LAVOURA. -7-

8 HETODOL06IA : A) SELECIONA-SE FELO PADRAO FENOTIPICO OS DOADORES E RECEPTORES DE POLEIi DO TRABALHO. B) RECEPTORES : - ANTES DA EHASCULA!~AO, ELIHIMAH-SE TODAS AS FLORES ABERTAS E OVARIOS FECUI{DADOS. - PROCEDEM-SE EHASCULA~OES E POLII{IZA~OES DIARIAS HAS PLANTAS EM TRABALHO, FOR 14 D I AS QUANDO RESERVA-SE A LAVOURA. - SEHAI{ALHEIdTE FAZ-SE A L I HPEZA DAS FLORES SUBSEQUEHTES HAO APROVEITADAS HAS INFLORESCENCIAS, ATE A COLHEITA DAS FLORES, QUE t FEITA INDIVIDUALMENTE, TAO LOGO AHADURE~AH. - SEHAHALHEHTE FULVERI2AH-SE AS FLORES CONTRA IMSETOS. C ) DOADORES AS FLORES SAO COLHIDAS QUAIiDO ATIItGIREH A COLORA~AO ROSA ANTES DE ESTAREH ABERTAS. RETIRAM-SE OS ESTAHES QUE SAO CURADOS DE ACORDO COH A METODOLOGIA USUAL. I{A PROXIHA SAFRA HUDAREMOS OS DOADORES E RECEPTORES,FICANDO 0 COKER 176, ATUALHEHTE DOADOR UNIVERSAL, COHO RECEPTOR UNIVERSAL. 7. HACHOS ESTEREIS : OBJETIVOS : AVALIAR 0 MELHOR GERMOPLASMA DENTRE OS 9 EM TESTE. ESTRUTURA DOS EKSAIOS : UHA LINHA DE 20 PLANTAS, FOR GERHOPLASHA, SEH REPETI9AO. Itg DE EItSA I OS : C I idco NO TOTAL.

9 TRATAHEXTOS : A - (76D6 x 399) AS B - (7630 x 373) BS C - (7639 x 373) CS D - (7643 x 373) DS E - (7646 x 373) ES F - (7653 x 373) FS G - (7656 x 373) GS H - (7671 x 373) HS I - (7677 x 373) I S 0 ENSAIO SE DESTINA A COLHEITA DE FOLHAS PARA AI{AL I SE QUA?{T I-QUAL I TAT I VA F I ItAL. PARA A TRAHSFEREHCIA DOS CULTIVARES A SEGUIR, BEN COMO, A AVALIAgAO DA CAPACIDADE PRODUTIVA DE SEMENTES, PLAItTAREHOS OS GERHOPLASHAS MS NOS CAI{TE I ROS DA CASA DE VEGETA9AO. CULTIVARES A COKER 371 A COKER 176 A K-326 A K-399 A K-394 A HC NAIR SPEIGHT G-108 * K-358 3Y; Bt C 6 <7 TODOS OS CULTIVARES HOVOS, TAO LOGO SE HOSTREH PROHISSORES, TERAO SUAS CARACTERISTICAS TRAHSFERIDAS PARA HACHOS ESTEREIS. CRITERIOS DE SELE~AO : A) CAPACIDADE DE PRODUCAO DE SEHEHTES - EFETUADAS A CAHPO. B) ASPECTOS f,iuai'it I-f,IUAL I TAT I VOS - EFETUADOS A POSTERIORI. NA SAFRA PASSADA FORAH INICIADOS TRABALHOS DE RETROCRUZAHEHTOS COH OS GERHOPLASHAS B E D ACIHA DESCR ITOS, QUE RECEDERAH, RESPECTIVAHEIiTE : -[( 7643 X 373) X 3733 X K-326 -[( 7643 X 373) X 3731 X C-371 -[( 7643 X 373) X 3731 X MC-373 -[( 7643 X 373) X 3731 X K-399 -[( 7630 X 373) X 3733 X K-326 -[( 7630 X 373) X 3731 X C-371 -[( 7630 X 373) X 3733 X HC-373 -[( 7630 X 373) X 3731 X K-399 ~ CASO ESTES D OIS G ER HOPLA SH AS COHFIRHEH SEREH OS Q LT[ HELHO RES, que JA ESTAO EH BC2, ESTAREMOS O ADIAK TADOS U HA GE RA ~AO N OS 4 CULTIVARES ACIHA OG DESCR ITOS. oc OQ W C~L -9-

10 A E?f SA I OS GEItET I COS RR x R r : ESTRUTURA DOS ExSAIOS : UHA LINHA DE 30 PLAxTAS SEH REPETI~OES. TRATAHEHTOS/CULTIVARES A RD 275 TBV 51 gt3ni-(jo B RD 285 TBV ~ C RD 105 TBV 50 3.Z& D RD 185 TBV 52 3-ly E RD 195 TBV /6o rd F C 176 TBV 05 G K 326 TBV 10 H K 399 TBV 28 A[2 DE ExSA I OS : 09 A PRODUCeAO COHERCIAL RD : OS CULT I VARES "RD 285 (TBV 53), RD 275 C TBV 51) E RD 105 (TDV 5U )", DEVERAO SER PLANTADOS NA QUANTIDADE DE 5 HECTARES POR CULTIVAR, EH PLANTADORES D I VERSOS, PREFEREI{TEMENTE, EM PRODUTORES COIi DUAS ESTUFAS. UMA A S R PLAXTADA COH 0 HIBRIDO E A OUTRA COH 0 TBV 10, ELEITA PADRAO. 0 OBJETIVO DOS TRABALHOS t PRODU2IR KG DE FUHO POR CULTIVAR QUE DEVERA' SER SEPARADO NOS PAIOIS E REHETIDO PARA A EHPRESA CON DEHARCA~AO ESPECIAL. AS AVALIA9OES SERAO FEITAS ATRAVES DA CO2iPRA, CLASSE I HTERIdA, SETOR COtiERC I AL E CL I EIiTES, EI{CAPAI{DO OS ASPECTOS EXTR I HSECOS E I?iTR I MSECOS DO FUIiO. LOCAIS DOS EHSAIOS ; DEPRESSAO CENTRAL. ita DE PLANTADORES : ENTRE 10 A 15 NO TOTAL. -10-

11 31E RES I STEHC I A ` A DOE2i eas : OBJETIVO : DETERHIHAR OS PADROES DE RESIST HCIA DOS HIBRIDOS ` A HURCHA BACTER I AHA E PtEHATO I DES. ESTRUTURA DOS ENSAIOS : DUAS LINHAS DE 30 PLANTAS SEH REPETI~OES. TRATAHEItTOS : A TBV 10 ( K-326 ) B TDV 50 (K-336 X 176) C TBV 51 (HC 373 X 176) D TDV 52 (K-394 X 176) E TBV 53 (K-399 X 176) F TBV 54 (C 371 X 176) Mg DOS EHSAIOS : 4UATR0, DISTRIBUIDOS HA DEPRESSAO CENTRAL. DOIS, VISARAO LOCAIS COH ALTA II{FESTAgAO DE I{EHATOIDES E DOIS COH HURCHA BACTERIANA. SANTA CRUZ DO SUL, 23 DE JANEIRO DE 1990 SAB/LKG

12 PROGRAMA PARA PRODU4;AO DE SEMENTES (FOUNDATION) A) SEHENTES ORIGIHAIS USA/DIVERSOS ; B) PLANTIO EM AREAS PREVIAMENTE SELECIOHADAS ; C) SELECIONAR, NO HIXIHO, 50 PLAKTAS que CORRESPOKDAH AO PADRAO VARIETAL SUPOSTAHExTE HOHOZIGOTO ; D) CADA DESTAS 50 PLAKTAS DEVERA SER EXCAPADA E IDENTIFICADA FORMANDO UHA UNIDADE ; E) PLANTIO DAS 50 PLANTAS EM LiHHAS INDIVIDUALIZADAS, DE APROXIHADAHEHTE, 30 A 50 PLANTAS POR LINHA. AS SEMENTES DE TODAS AS LINHAS FExOTIPICAHEHTE IGUAIS, SERAO HISTURADAS DESCARTAxDO-SE AS DEHAIS ; F)'HO CASO DA PROGENIA APRESEXTAR HEKOS DE 30 LIXHAS, FExOTIPICAHEHTE IGUAIS, DEVE-SE REFAZER 0 TESTE. SAB/LKG 24/DI/9D

MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR HIBRIDAÇÃO

MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR HIBRIDAÇÃO MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR HIBRIDAÇÃO 7 INTRODUÇÃO Vimos no capítulo anterior a utilização da seleção no melhoramento de espécies autógamas. O requisito básico para utilizarmos essa técnica

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE SeGurança para produzir mais e melhor! Programa Qualidade Total: SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Autor: Eng. Agr., Dr. Mikael Neumann Ano: 2009 SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Mikael Neumann 1 1

Leia mais

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA.

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA. 1 - INTRODUÇÃO No período de 01 a 14 de abril de 2007, os técnicos da CONAB e das instituições com as quais mantém parceria visitaram municípios produtores de café em Minas Gerais, Espírito Santo, São

Leia mais

Passo a passo na escolha da cultivar de milho

Passo a passo na escolha da cultivar de milho Passo a passo na escolha da cultivar de milho Beatriz Marti Emygdio Pesquisadora Embrapa Clima Temperado (beatriz.emygdio@cpact.embrapa.br) Diante da ampla gama de cultivares de milho, disponíveis no mercado

Leia mais

13.01. Os casos onde dois ou mais genes influenciam uma só característica são denominados de Interações Genéticas. RREE, RrEE, RrEe, RREe

13.01. Os casos onde dois ou mais genes influenciam uma só característica são denominados de Interações Genéticas. RREE, RrEE, RrEe, RREe BIO 5E aula 13 13.01. Os casos onde dois ou mais genes influenciam uma só característica são denominados de Interações Genéticas. 13.02. FENÓTIPOS Rosa Ervilha Noz Simples GENÓTIPOS RRee, Rree rree, rree

Leia mais

A PESQUISA EM MELHORAMENTO DE SOJA PARA O OESTE DA BAHIA

A PESQUISA EM MELHORAMENTO DE SOJA PARA O OESTE DA BAHIA A PESQUISA EM MELHORAMENTO DE SOJA PARA O OESTE DA BAHIA Histórico do Programa 1975 a 1996 100% convencional 1996 a 2005 convencional e RR1 2005 a 2008 RR1, convencional e cultivance 2008 a 2014 RR1, Intacta,

Leia mais

Nº 02. Nº 02 Publicação Especial de Safra da Cooperativa Castrolanda Agosto, 22-2013

Nº 02. Nº 02 Publicação Especial de Safra da Cooperativa Castrolanda Agosto, 22-2013 Nº 02 Nº 02 Publicação Especial de Safra da Cooperativa Castrolanda Agosto, 22-2013 SAFRA INVERNO Mais informações no Controle de Qualidade (42) 3234-8037 com Fernando Barreto, (42) 8816-3452 / Marcelo

Leia mais

MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA

MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA 1 Finalidade O setor Agropecuário é, e sempre foi, fundamental para a economia Brasileira, porém está sujeito aos riscos de produção por intempéries da Natureza

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS BIOLCHIM NA CULTURA DA MANGA. Bruno Martins Pereira Paulo Henrique S. Santos

DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS BIOLCHIM NA CULTURA DA MANGA. Bruno Martins Pereira Paulo Henrique S. Santos DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS BIOLCHIM NA CULTURA DA MANGA Bruno Martins Pereira Paulo Henrique S. Santos Livramento de Nossa Senhora-BA 28/08/2012 A Região de Livramento de Nossa Senhora-BA é um polo de

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas De origem européia, a oliveira foi trazida ao Brasil por imigrantes há quase dois séculos, mas somente na década de 50 foi introduzida no Sul de Minas Gerais.

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

INTENSIDADE DE DOENÇAS CAUSADAS POR FUNGOS DE SOLO EM CULTIVARES DE FEIJOEIRO RECOMENDADAS PARA MINAS GERAIS

INTENSIDADE DE DOENÇAS CAUSADAS POR FUNGOS DE SOLO EM CULTIVARES DE FEIJOEIRO RECOMENDADAS PARA MINAS GERAIS 131 INTENSIDADE DE DOENÇAS CAUSADAS POR FUNGOS DE SOLO EM CULTIVARES DE FEIJOEIRO RECOMENDADAS PARA MINAS GERAIS Paulo Roberto Ribeiro Rocha (1), Trazilbo José de Paula Júnior (2) (1) Bolsista PIBIC FAPEMIG/EPAMIG,

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES EM GENÉTICA - PARTE I

DESENVOLVENDO HABILIDADES EM GENÉTICA - PARTE I DESENVOLVENDO HABILIDADES EM GENÉTICA - PARTE I Leia o texto abaixo com atenção. Considere que, nos pombos, a ausência de s é condicionada geneticamente. Nos cruzamentos que um criador realizava, ele observou

Leia mais

10.04. Este casal poderá ter uma criança com Eritroblastose Fetal. A probabilidade é de 50%. CRUZAMENTO Mulher Homem rr X Rr

10.04. Este casal poderá ter uma criança com Eritroblastose Fetal. A probabilidade é de 50%. CRUZAMENTO Mulher Homem rr X Rr BIO 4E aula 10 10.01. Para que ocorra a Eritroblastose Fetal (Doença Hemolítica do Recém Nascido) a mãe deve ter sangue Rh - e ter sido sensibilizada, e a criança deve ser Rh +. 10.02. Quando uma mulher

Leia mais

Ponto de Corte do Milho para Silagem

Ponto de Corte do Milho para Silagem Setor de Forragicultura Ponto de Corte do Milho para Silagem Eng. Agr. Igor Quirrenbach de Carvalho 23/8/213 Acertar o ponto de corte é fundamental para ter alta produção de massa e alta qualidade nutricional.

Leia mais

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP GIS Gertran Integration Suite Guia de T ransferência de Arquivos Entidade x DATAPREV Versão 1.0 HTTPS G I S G ui a de T ra n sf er ên ci a d e Ar qu i vo s 1/ 8 ÍNDICE ANALÍT ICO 1. INTRODU ÇÃO......4

Leia mais

Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil

Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil Eng. Agr. Dr. Henrique Debiasi Eng. Agr. Dr. Julio C. Franchini Eng. Agr. Dr. Alvadi A. Balbinot Jr. VII Congresso

Leia mais

Tecnologia da produção de fumo

Tecnologia da produção de fumo Tecnologia da produção de fumo ESALQ - USP Produção Vegetal Prof. Dr. José Laércio Favarin Sistemática e origem L 40º N N Equador CH 3 Alcalóide: nicotina L - 40º S Planta de fumo pertence a família Solanaceae,

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE HORTALIÇAS

PRODUÇÃO DE MUDAS DE HORTALIÇAS PRODUÇÃO DE MUDAS DE HORTALIÇAS Sistemas de produção Sementes Estruturas vegetativas (propagação por estolhos, estacas, tubérculos, bulbos, rizomas, raízes, micropropagação) PROPAGAÇÃO SEXUADA A SEMENTE

Leia mais

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta MERCADO -Comportamento das principais cultivares plantadas no Brasil; -Situação da Safra 2009/2010;

Leia mais

SSD - Single Seed Descent

SSD - Single Seed Descent SSD - Single Seed Descent Método dos descendentes de uma semente (SSD - Single Seed Descent) Proposta: reduzir o tempo requerido para se atingir uma alta proporção de locos em homozigose Como? Avanço das

Leia mais

Cultivares de Mandioca Recomendadas para Várzea do Estado do Amazonas

Cultivares de Mandioca Recomendadas para Várzea do Estado do Amazonas 3-1192) Cultivares de Mandioca Recomendadas para Várzea do Estado do Amazonas IntrodUl;:ao ~ o cultivo de mandioca em várzea apresenta como obstáculo major a falta de cultivares adaptadas a esse ecossistema.

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa O QUE SÃO AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS (BPA)? Os consumidores estão cada vez

Leia mais

A cevada será recebida exclusivamente à granel.

A cevada será recebida exclusivamente à granel. I Instrução Interna Nr. 10/2015 DE :Diretoria PARA :Todos os Setores REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE INVERNO-2015 CEVADA CERVEJEIRA 01 - RECEPÇÃO: A cevada será recebida na seguinte unidade: L O C

Leia mais

Genética Básica. Coordenador: Victor Martin Quintana Flores. Exercícios Resolvidos

Genética Básica. Coordenador: Victor Martin Quintana Flores. Exercícios Resolvidos Genética Básica Coordenador: Victor Martin Quintana Flores Exercícios Resolvidos Genética Mendeliana 1- Uma planta de ervilha heterozigota que é alta e amarela, HhAa, é autofertilizada. Qual é a probabilidade

Leia mais

Cultura da Mangueira. Novembro 2007

Cultura da Mangueira. Novembro 2007 Cultura da Mangueira Novembro 2007 Produção mundial de manga País 1.000 t (2006)* Índia 11.140 China 3.550 Paquistão 2.242 México 2.050 Tailândia 1.800 Indonésia 1.412 Brasil 1.347 Total * Inclui goiaba

Leia mais

OS TEMPOS ANTIGOS Desde a Criação até Abraão

OS TEMPOS ANTIGOS Desde a Criação até Abraão OS TEMPOS ANTIGOS Desde a Criação até Abraão 1 No início, Deus criou os céus e a terra. A terra era vazia e sem forma. Trevas pairavam na superfície do abismo, e o espírito de Deus movia-se sobre as águas.

Leia mais

Análise da Época de Semeadura do Algodoeiro em Mato Grosso com Base na Precipitação Provável

Análise da Época de Semeadura do Algodoeiro em Mato Grosso com Base na Precipitação Provável ISSN 1679-0464 Análise da Época de Semeadura do Algodoeiro em Mato Grosso com Base na Precipitação Provável 16 O Algodoeiro em Mato Grosso Mato Grosso é um dos Estados do Brasil que apresentou maior desenvolvimento

Leia mais

PORTIFÓLIO DE VARIEDADES

PORTIFÓLIO DE VARIEDADES PORTIFÓLIO DE VARIEDADES INTELIGÊNCIA COMERCIAL E LOCALIZAÇÃO ESTRATÉGICA. ÍNDICE DE VARIEDADES VARIEDADES VIGORA PÁG. 4 ALINE RR ANITA RR BRUNA IPRO VARIEDADES HO PÁG. 7 HO JAVAÉS IPRO HO JURUENA IPRO

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Desempenho Agronômico de Híbridos de Sorgo Biomassa Gutemberg de Aquiles Pereira 1, Rafael A. da C. Parrella 2, Nádia

Leia mais

Índice. Sementes Seminis. Compromissos Seminis. Combinação de qualidade com produtividade. produtividade. Conhecimento. inovação

Índice. Sementes Seminis. Compromissos Seminis. Combinação de qualidade com produtividade. produtividade. Conhecimento. inovação Cenouras e Cebolas Compromissos Seminis produtividade Maior potencial produtivo Resistência a pragas e doenças Qualidade de sementes CenouraS Índice Conhecimento Rede global de melhoramento genético Soluções

Leia mais

Foram quase dez mil anos de agricultura e praticamente

Foram quase dez mil anos de agricultura e praticamente 93 Buscando o trigo do terceiro milênio Gilberto R. Cunha Foram quase dez mil anos de agricultura e praticamente não houve nenhuma evolução perceptível no rendimento das lavouras de trigo, quando se compara

Leia mais

PRODUÇÃO DE PORTA-ENXERTO DE MANGUEIRA EM SUBSTRATO COMPOSTO POR RESÍDUOS DA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA

PRODUÇÃO DE PORTA-ENXERTO DE MANGUEIRA EM SUBSTRATO COMPOSTO POR RESÍDUOS DA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUÇÃO DE PORTA-ENXERTO DE MANGUEIRA EM SUBSTRATO COMPOSTO POR RESÍDUOS DA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA Luiz Augusto Lopes Serrano 1 ; André Guarçoni M. 2 ; Cesar

Leia mais

BIOLOGIA. Ano Lectivo 2013/2014. Aula 11

BIOLOGIA. Ano Lectivo 2013/2014. Aula 11 BIOLOGIA Ano Lectivo 2013/2014 Aula 11 Sumário (2 de Dezembro de 2013) Interpretação das primeiras experiências, descrição das segundas experiências e enunciados das leis de Mendel. Retrocruzamentos e

Leia mais

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12 R A M F A R A N D O L E 12 ru e d e R ib e a u v illé 6 7 7 3 0 C H A T E N O IS R e s p o n s a b le s d u R e la is : B ie g e l H. - R o e s c h C. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : * * * * * * * * *

Leia mais

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra!

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra! GUIA DE CULTIVARES A semente é a base do sucesso de uma lavoura. Sua qualidade é essencial para os bons resultados de cada safra, garantindo maior produtividade, competitividade e o lucro do produtor.

Leia mais

Herança Quantitativa

Herança Quantitativa UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - UFPI CENTRO DE CIÊNCIAS AGRARIAS - CCA PÓS-GRADUAÇÃO EM GENÉTICA E MELHORAMENTO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GENÉTICA E MELHORAMENTO Herança Quantitativa MÁRIO HENRIQUE INTRODUÇÃO

Leia mais

PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA

PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA Mauro Sampaio Benedini Gerente Regional de Produto CTC Fernando Pedro Reis Brod Pesquisador Engª Agrícola CTC José Guilherme Perticarrari

Leia mais

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE.

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. Cláudia De Mori 1 ; Gilberto Omar Tomm 1 ; Paulo Ernani Peres Ferreira 1 ; Vladirene MacedoVieira

Leia mais

Melhoramento de Café Robusta/Conilon

Melhoramento de Café Robusta/Conilon Melhoramento de Café Robusta/Conilon Maria Amélia Gava Ferrão Pesquisadora Embrapa Café/Incaper APRESENTAÇÃO Introdução Histórico Estratégias Melhoramento Brasil Principais Resultados Espécies Café Identificadas

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO Henrique Pereira dos Santos 1, Renato Serena Fontaneli 1, Anderson Santi 1, Ana Maria Vargas 2 e Amauri Colet Verdi 2 1 Pesquisador,

Leia mais

Alfaces. Brócolis, Repolhos e Couves-flores

Alfaces. Brócolis, Repolhos e Couves-flores Alfaces Brócolis, Repolhos e Couves-flores Compromissos Seminis produtividade Maior potencial produtivo Resistência a pragas e doenças Qualidade de sementes conhecimento Rede global de melhoramento genético

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO PARA PRODUÇÃO DE SILAGEM SAFRA 2012/2013

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO PARA PRODUÇÃO DE SILAGEM SAFRA 2012/2013 SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO PARA PRODUÇÃO DE SILAGEM SAFRA 2012/2013 Aildson Pereira Duarte (IAC, Campinas) Luiz Gustavo Nussio (USP/ESALQ, Piracicaba) Solidete

Leia mais

PORTFÓLIO DE VARIEDADES

PORTFÓLIO DE VARIEDADES PORTFÓLIO DE VARIEDADES SOJA ABRIL, 2015 SEEDCORP.COM.BR VARIEDADES SEEDCORP RR IPRO EXCLUSIVIDADES SEEDCORP RR IPRO NA 5909 RG Nidera Precocidade: possibilidade de segunda safra; Máxima estabilidade em

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho Milho e Sorgo Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho Sete Lagoas Março 2012 Economia do Uso de Novas Tecnologias A escolha racional do agricultor: Aumento da produtividade dos

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 7º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ

CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 7º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 4º BIMESTRE 7º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ 2010 01. As fotografias

Leia mais

Há sempre resposta à adubação de manutenção do eucalipto? Um estudo de caso em Porto Velho (RO)

Há sempre resposta à adubação de manutenção do eucalipto? Um estudo de caso em Porto Velho (RO) Há sempre resposta à adubação de manutenção do eucalipto? Um estudo de caso em Porto Velho (RO) Henrique Nery Ciprian*; Abadio Hermes Vieira** ; Angelo Mansur Mendes***; Alaerto Luiz Marcolan**** A exportação

Leia mais

CLIPPING De 20 de fevereiro de 2015

CLIPPING De 20 de fevereiro de 2015 CLIPPING De 20 de fevereiro de 2015 19/02/2015 IPA está distribuindo Orelha de Elefante Mexicano para os agricultores da área de sequeiro Os agricultores que fazem parte da jurisdição do IPA Petrolina

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

ANEXO I MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇAO DE CULTIVARES

ANEXO I MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇAO DE CULTIVARES ANEXO I MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇAO DE CULTIVARES Requisitos Mínimos para Determinação do Valor de Cultivo e Uso de Algodão(Gossypium

Leia mais

Plantas Transgênicas

Plantas Transgênicas Plantas Transgênicas Organismo geneticamente modificado (OGM): Transgênico Organismo que recebeu um ou mais genes de outro organismo e passa a expressar uma nova característica de especial interesse. DNA

Leia mais

MILHO TRANSCÊNICO: CADA VEZ MAIS PRESE

MILHO TRANSCÊNICO: CADA VEZ MAIS PRESE MILHO TRANSCÊNICO: CADA VEZ MAIS PRESE A Fundação Pró-Sementes aponta que um dos grandes problemas encontrados nos arrozais é a forte atuação de plantas invasoras, que são de difícil controle, prejudicando

Leia mais

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Produção mundial deve recuar em 2007/08 Segundo o relatório de oferta e demanda divulgado pelo Usda em setembro

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ACESSOS DE MANDIOCA DE MESA EM PARACATU-MG

AVALIAÇÃO DE ACESSOS DE MANDIOCA DE MESA EM PARACATU-MG AVALIAÇÃO DE ACESSOS DE MANDIOCA DE MESA EM PARACATU-MG Mário Ozeas Sampaio dos Santos Filho 1, Josefino de Freitas Fialho 1, Eduardo Alano Vieira 1, Marilia Santos Silva 1, Silvana Vieira de Paula-Moraes

Leia mais

MÓDULO 6 MATRIZ DA PROVA

MÓDULO 6 MATRIZ DA PROVA ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS AGUALVA - SINTRA FÍSICA E QUÍMICA A (11º ANO) Programa iniciado 2016/2017 TIPO DE PROVA: ESCRITA DURAÇÃO: 90 minutos Cursos Científico - Humanísticos de Ciências e Tecnologias

Leia mais

PR OC ONVE. E s tratégia

PR OC ONVE. E s tratégia P R O C O NVE PR OC ONVE O P rograma de C ontrole da P oluição do Ar por Veículos Automotores foi criado em 1986 com o objetivo de reduzir a poluição do ar por fontes móveis no B rasil. PR OC ONVE E s

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO GENÉTICA. Reprodução, Acasalamento, Manutenção e Algumas considerações...

CLASSIFICAÇÃO GENÉTICA. Reprodução, Acasalamento, Manutenção e Algumas considerações... CLASSIFICAÇÃO GENÉTICA Reprodução, Acasalamento, Manutenção e Algumas considerações... Classificação Genética Heterogênicos = outbred Isogênicos = Inbred Acasalamento Aleatório Não-Consangüíneos Acasalamento

Leia mais

CLIPPING 06/02/2014 Acesse: www.cncafe.com.br

CLIPPING 06/02/2014 Acesse: www.cncafe.com.br CLIPPING Acesse: www.cncafe.com.br Após altas, produtor não deve exercer opção de venda de café Valor Econômico Tarso Veloso e Carine Ferreira Após a sequência de altas do café arábica na bolsa de Nova

Leia mais

HERANÇA MONOGÊNICA 1ª LEI DE MENDEL. Gregor Mendel : => Nasceu na Morávia, império Austro-húngaro. Gregor Mendel

HERANÇA MONOGÊNICA 1ª LEI DE MENDEL. Gregor Mendel : => Nasceu na Morávia, império Austro-húngaro. Gregor Mendel Genética Mendeliana: aquela determinada por um ou poucos genes, cuja epressão não é influenciada ou é pouco afetada pelo meio. HERANÇA MONOGÊNICA => Conceito de gene (mas não o termo) => foi proposto pela

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus da fuvest 009 ª fase - Matemática 08.0.009 MATEMÁTIA Q.0 Na figura ao lado, a reta r tem equação y x no plano cartesiano Oxy. Além dis so, os pontos 0,,, estão na reta r, sendo 0 = (0,). Os pontos A 0,

Leia mais

Cedro Australiano (Toona ciliata)

Cedro Australiano (Toona ciliata) TECNOLOGIA E VIDA Cedro Australiano (Toona ciliata) Características gerais e botânicas: Planta da família Meliaceae; Altura varia entre 20 a 35 m; Tronco ereto e cilíndrico; Folhas compostas paripinadas

Leia mais

E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H. Plano de Ação

E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H. Plano de Ação E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H Plano de Ação 1 C O N T E X TO (R es ulta do s R E H U F) D es de s ua c o nc epç ã o o R E H U F tem a tua do : N a fo rm a de Fina nc ia m ento

Leia mais

Pag: 1/20. SGI Manual. Controle de Padrões

Pag: 1/20. SGI Manual. Controle de Padrões Pag: 1/20 SGI Manual Controle de Padrões Pag: 2/20 Sumário 1 Introdução...3 2 Cadastros Básicos...5 2.1 Grandezas...5 2.2 Instrumentos (Classificação de Padrões)...6 3 Padrões...9 3.1 Padrão Interno...9

Leia mais

ENSAIOS DE ALGODOEIROS DE FIBRAS COLORIDAS NO VALE DO IUIU 1 INTRODUÇÃO

ENSAIOS DE ALGODOEIROS DE FIBRAS COLORIDAS NO VALE DO IUIU 1 INTRODUÇÃO Página 1376 ENSAIOS DE ALGODOEIROS DE FIBRAS COLORIDAS NO VALE DO IUIU 1 Murilo Barros Pedrosa 1 ; Osório Lima Vasconcelos 3 ; Camilo de Lelis Morello 2 ; Eleusio Curvelo Freire 4 ; Flávio Rodrigo Gandolfi

Leia mais

1ª e 2ª LEI DE MENDEL Professor: Robson Fernando Missio http://people.ufpr.br/~rfmissio/robson.htm Objetivo: apresentara 1a e 2a Lei de Mendel

1ª e 2ª LEI DE MENDEL Professor: Robson Fernando Missio http://people.ufpr.br/~rfmissio/robson.htm Objetivo: apresentara 1a e 2a Lei de Mendel 1ª e 2ª LEI DE MENDEL Professor: Robson Fernando Missio http://people.ufpr.br/~rfmissio/robson.htm Objetivo: apresentara 1a e 2a Lei de Mendel Quadrado de Punnet Segregação fenotípica 3/4 Preto 1/4 marron

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DR JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA PLANO INDIVIDUAL DE ESTUDO PARA ATENDIMENTO DA PROGRESSÃO PARCIAL 1º SEMESTRE -2013 RESOLUÇÃO SEE Nº 2

ESCOLA ESTADUAL DR JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA PLANO INDIVIDUAL DE ESTUDO PARA ATENDIMENTO DA PROGRESSÃO PARCIAL 1º SEMESTRE -2013 RESOLUÇÃO SEE Nº 2 ESCOLA ESTADUAL DR JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA PLANO INDIVIDUAL DE ESTUDO PARA ATENDIMENTO DA PROGRESSÃO PARCIAL 1º SEMESTRE -2013 RESOLUÇÃO SEE Nº 2.197, DE 26 DE OUTUBRO DE 2012 ANO 2013 PROFESSOR (a) Jaqueline

Leia mais

Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013

Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013 Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013 A Evolução do Mercado de Soja no Brasil Avanços da genética, mais e melhores opções de insumos (sementes, máquinas, fertilizantes e defensivos)

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas Considerações Finais Todos os tratamentos testados apresentaram teores foliares de N inferiores ao recomendado para a cultura da soja. As aplicações isoladas de BIOMOL (0,3 L/ha), KALIBRE (1,5 L/ha) e

Leia mais

A Genética Mendeliana

A Genética Mendeliana MATERIAL DE APOIO A Genética Mendeliana O conceito de um fator hereditário como determinante das características de um indivíduo foi introduzido primeiramente por Gregor Mendel em 1865, embora ele não

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS PRÉ BROTADAS (MPB) DE CANA-DE-AÇUCAR EM DIFERENTE ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO

PRODUÇÃO DE MUDAS PRÉ BROTADAS (MPB) DE CANA-DE-AÇUCAR EM DIFERENTE ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO PRODUÇÃO DE MUDAS PRÉ BROTADAS (MPB) DE CANA-DE-AÇUCAR EM DIFERENTE ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO L. G. Silva 1 ; E. F. Fraga Júnior 2 ; R. A. Santos 3 RESUMO: O Brasil é o maior produtor mundial de cana-de-açúcar,

Leia mais

AMOSTRAGEM DE SOLO PARA AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE 1 INTRODUÇÃO

AMOSTRAGEM DE SOLO PARA AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE 1 INTRODUÇÃO ISSN 0104-9038 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro de Pesquisa Agroflorestal do Acre Ministério da Agricultura e do Abastecimento BR-364, km 14 (Rio Branco/Porto Velho), Caixa Postal 392,

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Por: Maria Silvia C. Digiovani, engenheira agrônoma do DTE/FAEP,Tânia Moreira, economista do DTR/FAEP e Pedro Loyola, economista e Coordenador

Leia mais

Bases do manejo integrado de pragas em cana-de-açúcar. Leila Luci Dinardo-Miranda

Bases do manejo integrado de pragas em cana-de-açúcar. Leila Luci Dinardo-Miranda Bases do manejo integrado de pragas em cana-de-açúcar Leila Luci Dinardo-Miranda CURSO: Manejo integrado de pragas em cana-de-açúcar Leila Luci Dinardo-Miranda 16 e 17/10/2012 infobibos.com.br Cenários

Leia mais

MODELO DE PROJETO DE PESQUISA - MESTRADO. Esse modelo deverá ser seguido para o projeto de pesquisa do mestrado

MODELO DE PROJETO DE PESQUISA - MESTRADO. Esse modelo deverá ser seguido para o projeto de pesquisa do mestrado MODELO DE PROJETO DE PESQUISA - MESTRADO Esse modelo deverá ser seguido para o projeto de pesquisa do mestrado UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO -PR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

SIMBOLOGIA DA SOLDAGEM

SIMBOLOGIA DA SOLDAGEM SIMBOLOGIA DA SOLDAGEM Ricardo Leli dos Santos (leli@ig.com.br) Aires Gomes Sabino (agsabino@bol.com.br) Cícero Roberto Gonçalves Bezerra (fe3c_w@gmx.net) RESUMO A simbologia de soldagem é a representação

Leia mais

RELATORIO QUANTITATIVO

RELATORIO QUANTITATIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA RELATORIO QUANTITATIVO PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA O Programa de Aquisição de Alimentos - PAA, tem como finalidades

Leia mais

Classificação de Grãos MT

Classificação de Grãos MT Classificação de Grãos MT Alex Utida Aprosoja MT Agosto, 2014 Documento Interno e de Uso Exclusivo da Aprosoja-MT Classificação de Grãos A entidade, consciente da importância que a produção de grãos tem

Leia mais

Manejo Varietal na Usina Iracema

Manejo Varietal na Usina Iracema Manejo Varietal na Usina Iracema Eng Agro. Ivan Barcellos Dalri Gerência Agrícola Usina Iracema Março de 2012 INTRODUÇÃO Localização Geográfica Grupo São Martinho Goiás Quirinópolis Boa Vista São Martinho

Leia mais

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS PRÉ-PLANTIO ERRADICAÇÃO DE ERVAS DANINHAS Você deve erradicar as ervas daninhas da área a ser gramada. Esta operação pode ser feita através da capina mecânica ou

Leia mais

ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL Dr. Sérgio do N. Kronka 1. INTRODUÇÃO

ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL Dr. Sérgio do N. Kronka 1. INTRODUÇÃO ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL Dr. Sérgio do N. Kronka 1. INTRODUÇÃO A Estatística Experimental tem por objetivo o estudo dos experimentos, incluindo o planejamento, execução, análise dos dados e interpretação

Leia mais

Os procedimentos para determinar a resistência do condutor são:

Os procedimentos para determinar a resistência do condutor são: 1 Data realização da Laboratório: / / Data da entrega do Relatório: / / Objetivos RELATÓRIO: N o 5 ENSAIO DE FIOS CONDUTORES Verificar o estado da isolação do condutor. 1. Introdução: Esta aula tem como

Leia mais

MANUAL DE PRÁTICAS EM BIOLOGIA DO SOLO

MANUAL DE PRÁTICAS EM BIOLOGIA DO SOLO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRICOLA MANUAL DE PRÁTICAS EM BIOLOGIA DO SOLO Autores Prof. Dr. Jair Alves Dionísio Eng a. Agr a. Diana Signor

Leia mais

Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato.

Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato. III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 115 Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato. H. B. Totola 1,*, M. Zibell 2,

Leia mais

COMPONENTES. Contatores de potência Tipo BMS09.08 / 18.08

COMPONENTES. Contatores de potência Tipo BMS09.08 / 18.08 COMPONENTES Contatores de potência Tipo 09.08 / 18.08 Informações gerais O contator, com mais de cem mil unidades em operação em todo o mundo, é um contator valorizado pelos construtores de vagões e operadores

Leia mais

Roteiro de aula prática 3º ano Prática 3 Primeira Lei de Mendel

Roteiro de aula prática 3º ano Prática 3 Primeira Lei de Mendel Roteiro de aula prática 3º ano Prática 3 Primeira Lei de Mendel Pergunta: Nós herdamos características dos nossos pais? Como isso acontece? Objetivos: Ensinar sobre as leis de transmissão de características

Leia mais

Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF. Disciplina: TEQ102- CONTROLE DE PROCESSOS. Diagrama de Bode. Outros Processos de Separação

Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF. Disciplina: TEQ102- CONTROLE DE PROCESSOS. Diagrama de Bode. Outros Processos de Separação Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Disciplina: TEQ102- CONTROLE DE PROCESSOS custo Diagrama de Bode Outros Processos de Separação Prof a Ninoska Bojorge 5.A. Traçado das Assíntotas Traçado

Leia mais

Populações evolutivas: bancos de germoplasma vivos nos campos iranianos

Populações evolutivas: bancos de germoplasma vivos nos campos iranianos Populações evolutivas: bancos de germoplasma vivos nos campos iranianos Maryam Rahmanian, Maede Salimi, Khadija Razavi, Dr. Reza Haghparast e Dr. Salvatore Ceccarelli Seleção realizada no contexto no qual

Leia mais

COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE FEIJOEIRO AO ATAQUE DE Bemisia tabaci (Genn.) BIÓTIPO B (HEMIPTERA: ALEYRODIDAE)

COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE FEIJOEIRO AO ATAQUE DE Bemisia tabaci (Genn.) BIÓTIPO B (HEMIPTERA: ALEYRODIDAE) COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE FEIJOEIRO AO ATAQUE DE Bemisia tabaci (Genn.) BIÓTIPO B (HEMIPTERA: ALEYRODIDAE) B.C. Martins 1 ; F.S. Rocha 1,4 ; L.A. Ferreira 1,4 ; J.C.M.R. Silva 1,4 ; R.R. Guimarães

Leia mais

PROPRIEDADES ELÉTRICAS DOS MATERIAIS

PROPRIEDADES ELÉTRICAS DOS MATERIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas (CECS) BC-1105: MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES PROPRIEDADES ELÉTRICAS DOS MATERIAIS INTRODUÇÃO Resistência elétrica

Leia mais

Primeira Lei de Mendel. Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.br/

Primeira Lei de Mendel. Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.br/ 0 Primeira Lei de Mendel Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.br/ Primeira Lei de Mendel Mendel demonstrou que a herança não é obra do acaso e sim determinada por

Leia mais

Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman.

Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman. Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman.com Começa a segunda onda prevista de crescimento e desenvolvimento

Leia mais