UTILIZAÇÃO DA GEOINFORMAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDOS SOCIO-AMBIENTAIS NO LICENCIAMENTO DE PESQUISA SÍSMICA MARÍTIMA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UTILIZAÇÃO DA GEOINFORMAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDOS SOCIO-AMBIENTAIS NO LICENCIAMENTO DE PESQUISA SÍSMICA MARÍTIMA"

Transcrição

1 UTILIZAÇÃO DA GEOINFORMAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDOS SOCIO-AMBIENTAIS NO LICENCIAMENTO DE PESQUISA SÍSMICA MARÍTIMA Use of Geo-information in the development of social environmental assessments for licensing maritime seismic research Maurício Neves Nicodemos¹, ² Talita Calaça Costa dos Santos¹, ³ ¹ICF Internacional Departamento de Meio Ambiente ²Universidade Estácio de Sá Departamento de Engenharia ³Universidade Federal do Rio de Janeiro Pós-graduação em Geologia RESUMO A pesquisa sísmica é de suma importância para a exploração de produtos derivados do Petróleo. Para que essa pesquisa ocorra é necessário que a Coordenadoria Geral de Petróleo e Gás (CGPEG/IBAMA) defina e aprove estudo ambiental pertinente e emita a Licença de Pesquisa Sísmica. A caracterização socioeconômica da área de influência da atividade é parte integrante destes estudos. Visando atender as exigências do órgão ambiental, criou-se uma metodologia específica com o objetivo de gerar produtos cartográficos e dados numéricos a serem utilizados na elaboração de Estudos Ambientais de Sísmica - EAS. Essa metodologia foi primeiramente utilizada no Projeto de Pesquisa Sísmica para as Bacias do Jequitinhonha a Sergipe/Alagoas dirigido pelo Ifremer (L'Institut Français de Recherche pour l'exploitation de la Mer - novembro de 2012). A metodologia utilizada no estudo consiste primeiramente, em visitas a colônias, associações, federações e órgãos oficiais que cuidam da questão da pesca nos estados influenciados pela atividade. Nestes locais dois questionários foram preenchidos, o primeiro pelos pescadores com informações referentes à socioeconomia, características das artes de pesca, esforço de pesca, espécies pescadas e também a localização e profundidade média das ocorrências; o segundo preenchido pelas lideranças das instituições de pesca, principalmente com informações sobre a frota pesqueira (quantidade, estado de conservação, características, etc.), principais artes de pesca da comunidade e seus pescadores associados. Na etapa de preenchimento dos formulários em campo foram utilizados notebooks contendo o banco de dados, câmeras fotográficas para registro das visitas e aparelhos GPS para captação de coordenadas. Posteriormente, estes

2 dados foram inseridos em um banco de dados no formato Access 2007, em tabelas estruturadas para uso no Sistema de Informação Geográfica SIG e, transformadas em entidades pontuais georreferenciadas, permitindo a espacialização das informações coletadas. O penúltimo passo da metodologia consistiu em um cruzamento dos dados coletados com as diversas feições geográficas existentes, tais como: elementos topográficos de cartas náuticas (DHN), curvas batimétricas (ANP), malha municipal (IBGE), polígono/linhas sísmicas do projeto (Ifremer), etc., além de dados secundários oriundos dos dados censitários (IBGE, 2010) e dados oficiais existentes (Estaduais e Municipais). Assim, após realizada a modelagem e análises, foram gerados diversos produtos cartográficos entre eles: a Caracterização da Pesca Artesanal, a Caracterização das Comunidades, da Cadeia Produtiva e dados numéricos. Dados numéricos representados por: dados econômicos, características da manipulação do pescado, áreas de recepção e venda, estatísticas sobre a frota e artes de pesca, dando suporte a elaboração dos Estudos Ambientais de Sísmica para as Bacias do Jequitinhonha a Sergipe/Alagoas (Ifremer). Para o EAS foram preenchidos, respectivamente, 222 questionários por pescadores, e 69 por líderes. O preenchimento dos formulários ocorreu nos estados de Alagoas, Bahia e Sergipe, no período de 01 a 13 de novembro de 2012, em diversos municípios da costa. Desta maneira observa-se que a análise da geoinformação, utilizando dados de campo e dados secundários, possa gerar importantes ferramentas inovadoras a exemplo: suporte a tomadas de decisão, ao monitoramento científico do impacto da sísmica sobre as atividades pesqueiras e a uma perspectiva ecossistêmica de manejo. Palavras chave: sísmica, socioeconomia, SIG, pesca artesanal, bacias sedimentares, Ifremer, petróleo. ABSTRACT Seismic research is of major importance to the oil & gas exploration. In order for these researches to happen, it is mandatory that the Brazilian Environmental Agency (IBAMA/CGPEG) define and approve the required environmental assessment and issue the Seismic Research Permit (LPS). The socio-economic characterization of the influence area is part of the environmental assessments. Aiming to comply with the environmental agency requirements, it was created a specific methodology to generate cartographic products and numerical data to support the socio-economic development as part of the Seismic Environmental Assessment EAS. This methodology was first used in the Seismic Research Project for the Jequitinhonha to Sergipe/Alagoas Basins directed by Ifremer (L'Institut Français de Recherche pour l'exploitation de la Mer - November 2012). The methodology primarily consists in visiting colonies, associations, federations and other governmental institutions linked to fishing craft activities in the states influenced by the seismic. At those places, it was fulfilled two questionnaires. First one was fulfilled by fisherman with information related to socioeconomy, fishing technic, fishing effort, target species, location and mean depth of the fishing. The fishing institutions leaders fulfilled the second questionnaire, with information about fishing fleet (size, state of maintenance, characteristics, etc.), main fishing techniques used by the local community and associates.

3 During the questionnaire stage in the field, it was used notebooks with the specific database, cameras to register the visits and GPS equipment to acquire the necessary coordinates. Later the data acquire in the field was inserted in an Access 2007 database. Those data were inserted as structured spreadsheets for the use in a GIS environment. They were converted into punctual georeferenced entities, thus allowing the spatialization of the collected data. Afterwards the informations inserted were crosschecked with the area geographical features, such as: topographic elements from navigation charts (DHN); bathymetrical lines (ANP); municipality limits (IBGE); activity polygon/seismic lines (Ifremer) etc.; secondary data from the official census (IBGE, 2012); official data from states and municipalities. Once performed the modeling and analysis the following cartographic products were generated: fishing craft, community, and productive net characterization, as well as numerical data. Numerical data consists of: economic data; fishing management; logistics and selling areas; fishing fleet statistics; those information giving support to the development of EAS. Ifremer s EAS questionnaires were fulfilled by 222 fisherman and 69 leaders. The questionnaire were applied in the states of Alagoas, Bahia and Sergipe between November 1 and 13, With the data generated, it is possible to conclude that an association of filed and secondary data with a GIS support is an important and innovative tool that: supports decision-making processes; monitor the impact of seismic in the fishing community; provide a management perspective from an ecosystem view. Keywords: seismic, socio-economy, GIS, fishing craft, sedimentary basins, Ifremer, oil. 1. INTRODUÇÃO De extrema importância na concepção de projetos utilizando Sistemas de Informações Geográficas, o banco de dados é fator preponderante na organização e disponibilização dos dados referentes a cada elemento geográfico que se deseja armazenar. Outro componente de extrema importância na concepção de um SIG é o modelo de dados proposto para o sistema. O modelo de dados é um conjunto de ferramentas conceituais utilizado para estruturar dados em um sistema computacional (CÂMARA, 1995), ou seja, o modelo de dados define como o mundo real é representado computacionalmente. A Comissão Nacional de Cartografia (CONCAR), por meio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE e da Diretoria de Serviço Geográfico (DSG) deu início, em 2004, a um novo modelo de estruturação dos dados cartográficos. Assim foi elaborada a Estrutura de Dados Geográficos e Vetoriais EDGV, segundo o Modelo de Dados Orientado a Objetos para Aplicações Geográficas (OMT-G) (DAVIS et al, 2001; (DAVIS e BORGES, s.d.), por este se adaptar melhor à representação do mundo real e em 27/11/2008, a Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais (INDE), sob a responsabilidade da CONCAR, foi instituída por meio do decreto n (BRASIL, 2008), pelo presidente da República, no âmbito do poder executivo federal. A finalidade deste trabalho é apresentar uma metodologia para a criação de um banco de dados estruturado norteada pela EDGV contendo dados relacionados a pesca. Esses dados foram levantados em

4 campo com o preenchimento de dois questionários de acordo com a sua atribuição (Pescador e Responsável) para a utilização em um Sistema de Informações Geográficas para o projeto Atividade de Pesquisa Sísmica Marítima da Bacia do Jequitinhonha à Sergipe/Alagoas, denominado Projeto SALSA. Para tal, foi utilizada uma estrutura compatível com diversos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD), como, por exemplo, o Microsoft Access, Oracle, Interbase, dentre outros (OLSENSGT, 1997), com o objetivo de padronizar as estruturas de dados espaciais, facilitando o compartilhamento de dados, a interoperabilidade e a racionalização de recursos entre os produtores e usuários de dados e informação cartográfica. Vale ressaltar que essa metodologia foi criada para padronizar o modo como os dados levantados in loco são preenchidos e, tendo como importante finalidade o aumento da eficiência do processo de cadastro e consistência das informações (Entrevistas + SIG), através da minimização de tempo e custos para a construção do banco de dados e otimização do processo de entrada de dados. Dessa forma, pode-se obter uma base de dados confiável e georreferenciada e com isso auxiliar as análises para a criação de mapas, tabelas e gráficos, e também possibilitar o cruzamento com dados de diversos órgãos e intuições públicas. 2. CARACTERIZÁCÃO DA ÁREA DE ESTUDO A aquisição dos dados de campo ocorreu em 55 municípios, desde Belmonte (no sul da Bahia) até Maragogi (no estado de Alagoas). Todos estes municípios se encontram em zona costeira e confrontantes com a área onde ocorreu a Pesquisa Sísmica. O levantamento de dados primários (entrevistas) ocorreu junto aos pescadores, colônias, federações etc., em um trabalho de campo que se desenvolveu no período compreendido entre os dias 30/10/2012 e 14/11/2012 por quatro equipes distribuídas em quatro áreas, conforme apresentado no Tabela 01. Tabela 01 Municípios e divisão das áreas para a aquisição de dados em campo. Área Municípios Bahia: Belmonte / Canavieiras / Una / Ilhéus / Uruçuca/ Itacaré / Maraú / Camamu / Igrapiuna / Itubera / Nilo Peçanha / Taperoá / Cairu / Valença / Jaguaripe Bahia: Itaparica / Vera Cruz / Salinas de Margarida / Maragogipe / Saubara / Santo Amaro / São Francisco do Conde / Madre de Deus / Candeias / Simões Filho/ Salvador Camaçari / Lauro de Freitas Bahia: Jandaira / Conde / Esplanada / Entre Rios / Mata de São João Sergipe: Brejo Grande / Pacatuba / Pirambu / Barra dos Coqueiros / Aracaju / Itaporanga D'ajuda/Estância Alagoas: Japoratinga / Porto de Pedras / São Miguel dos Milagres / Passo de Camaragibe / Barra de Santo Antônio / Paripueira / Maceió / Marechal Deodoro / Barra de São Miguel / Roteiro / Jequiá da Praia / Coruripe / Feliz Deserto / Piaçabuçu / Maragogi

5 O mapa de localização da atividade (Figura 01) apresenta os municípios costeiros que foram visitados pelas equipes de campo para a coleta dos dados utilizados no estudo e a divisão em áreas foi definida de forma a agilizar a logística e evitar a sobrecarga das equipes. Figura 01 Área de Estudo. Com relação às entrevistas com os pescadores, buscou realizá-las com aqueles mais experientes e/ou mais atuantes, uma vez que estes indivíduos podem fornecer informações mais precisas sobre o desenvolvimento da atividade pesqueira artesanal. É importante salientar que durante as atividades de campo deu-se prioridade em abordar, principalmente, os grupos de pescadores que exercem atividade em mar aberto, realizada em águas marítimas consideradas desabrigadas pela NORMAN-01 de 2005, a fim de refinar informações sobre essas pescarias. Averiguou-se principalmente a existência de sobreposição entre a atividade pesqueira e a atividade de sísmica sem, contudo, excluir demais grupos de pescadores que atuam em áreas estuarinas e baias. O esforço de campo se traduziu na ida aos 55 municípios já mencionados, na visita a 75 entidades representativas dos pescadores e na realização de 222 entrevistas com pescadores. Ao todo foram realizadas 292 entrevistas entre lideranças e pescadores.

6 3. METODOLOGIA A evolução tecnológica, principalmente nas áreas de Eletrônica e Informática, possibilita a busca pela inovação metodológica dos procedimentos utilizados para levantamento de dados. Nesse sentido, a metodologia desenvolvida e utilizada no projeto já citado, foi a criação de duas tabelas a partir dos questionários, o primeiro (Anexo 01) pelos pescadores com informações referentes à socioeconomia, características das artes de pesca, esforço de pesca, espécies pescadas e também a localização e profundidade média das ocorrências; o segundo (Anexo 02) preenchido pelas lideranças das instituições de pesca, principalmente com informações sobre a frota pesqueira (quantidade, estado de conservação, características, etc.), principais artes de pesca da comunidade e seus pescadores associados. Cada equipe de campo estava equipada com notebook, modem e celular 3G e GPS que permitiam o preenchimento das informações no local da entrevista, possibilitando a correção de possíveis erros de imediato e também fazer anotações gerais sobre o entrevistado. Dentro da metodologia, foi definido que cada equipe fizesse no final do dia, uma revisão dos questionários preenchidos e fosse enviado por uma parcial dos dados gerados. No escritório, diariamente era gerado uma versão atualizada do banco de dados e caso ocorresse alguma inconsistência, por exemplo, preenchimento errado ou falta de informações, de imediato era solicitado a equipe responsável, a verificação e correção dos mesmos. A Figura 02 mostra a síntese da metodologia desenvolvida, que poderá ser utilizada tanto na implantação quanto na atualização de sistemas cadastrais. Figura 02 Síntese da metodologia desenvolvida.

7 Para a estruturação das tabelas e formulários para entrada de dados foi utilizado o programa Access 2007 e o sistema de informações geográficas (SIG) escolhido foi o ArcGIS As tabelas foram criadas com os nomes e tamanhos dos campos padronizados para um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) e o acesso as mesmas foi feito através de um sistema criado no Access 2007 (Figura 03) no formato MDB compatível com o ArcGIS. Os formulários de Cadastro de Responsável (Anexo 03) e Cadastro de Pescadores (Anexo 04) foram estruturados com a mesma ordem encontrada nos questionários de campo. Figura 03 Tela principal. Para possibilitar a migração correta dos dados levantados para um Sistema de Informações Geográficas, além das tabelas estruturadas é importante também a indicação de coordenadas. Para isso, foi definido que o técnico responsável pela entrevista, deveria inserir essas coordenadas com a utilização de um GPS configurado com Datum Horizontal SIRGAS 2000, o novo referencial adotado pelo Brasil que visa facilitar o posicionamento com GPS. Os campos LATITUDE e LONGITUDE foram preenchidos manualmente pelo técnico e os campos LAT_GD e LONG_GD foram calculados automaticamente através de uma fórmula inserida na tabela (Figura 04). Figura 04 Tabela estruturada.

8 Com as duas tabelas finalizadas, iniciou-se o processo de conversão, sendo criado um arquivo geodatabase em branco utilizando o módulo ArcCatalog do ArcGIS, possibilitando assim a importação das tabelas. A espacialização das informações foi possível no ArcGIS através da opção Display XY data.. e escolhendo os campos LONG_GD e LAT_GD (Figura 05). Figura 05 Visualização dos dados de campo. O resultado da modelagem cria duas layers (camadas) contendo as informações georreferenciadas em forma de feições gráficas (Pontos) e prontas para utilização em qualquer Sistema de Informações Geográficas (Figura 06). Figura 06 Feições pontuais criadas.

9 4. ANÁLISES E RESULTADOS No sistema criado no Access, era possível também realizar consultas e relatórios (Figura 07) que auxiliaram no manuseio do banco de dados e permitiu a extração de informações para serem utilizadas nos diversos itens do relatório do estudo apresentado. Figura 07 Relatório gerado. Com o banco de dados finalizado e consistido, foi possível realizar diversas análises e verificar características a partir dessas informações, dentre elas: tipos de embarcações (Tabela 02), artes de pesca mais utilizadas (Tabela 03), dados sobre as espécies (Figura 08), dados sobre a frota (Figura 09. Também foram geradas tabelas integradas com diversas informações disponibilizadas no Censo 2010 (IBGE). Tabela 02 Exemplo de tipos de embarcações. Código Estado Município Barco a vela Canoa Canoa Motorizada Saveiro A-004 BA Una Z-15 BA Valença 300 Bote Motorizado Jangada Lancha Z-17 BA Camamu Z-18 BA Itacaré Z-19 BA Ilhéus 56 Z-20 BA Canavieiras Z-21 BA Belmonte 16 Z-34 BA Ilhéus Z-34 BA Uruçuca 15 Z-36 BA Jaguaripe Z-40 BA Ituberá Bote Alumínio Outros

10 Tabela 03 Exemplo de artes de pesca mais utilizadas pelas comunidades. Código Estado Município Linha Rede Cerco Espinhel Arrasto Rede de Espera Rede Específica Camarão A-004 BA Una X X X X X Z-15 BA Valença X X X X Z-17 BA Camamu X X X Z-17 BA Igrapiúna X Z-18 BA Itacaré X X Z-19 BA Ilhéus X Z-20 BA Canavieiras X X Z-21 BA Belmonte X X X X Z-34 BA Ilhéus X X Z-34 BA Uruçuca X Z-36 BA Jaguaripe X X Z-40 BA Ituberá X X X X Rede Feiticeira Figura 08 Ocorrência das principais espécies alvo capturadas. Figura 09 Percentual referente à propriedade dos meios de produção em relação ao número total de pescadores entrevistados.

11 Além das tabelas e gráficos foram produzidos diversos mapas temáticos com a utilização dos dados coletados e dados cartográficos existentes (Malha Municipal, Batimetria, etc.), dentre eles, o Mapa de Caracterização da Pesca Artesanal (Figura 10), o Mapa de Caracterização das Comunidades (Figura 11) e o Mapa da Cadeia Produtiva (Figura 12). Figura 10 Áreas de pesca definidas a partir dos dados de campo (Área 1). Figura 11 Informações sobre as comunidades (Área 1).

12 Figura 12 Informações sobre as características da pesca (Área 1). 5. CONCLUSÕES A metodologia desenvolvida agiliza o processo de elaboração do Banco de Dados, reduzindo o tempo das campanhas de campo (pela redução de tempo e custo), mas também as atualizações periódicas em menores períodos de tempo e possibilidade de integração com dados georreferenciados da base de dados da Coordenadoria Geral de Petróleo e Gás (CGPEG/IBAMA) ou de outras empresas. Outra vantagem é a facilidade na geração de produtos cartográficos e mapas temáticos, com a possibilidade análises com quaisquer dados georreferenciados disponíveis. Essa metodologia pode ser utilizada em outros tipos de coleta de dados de campo e pode ser aprimorada com a inclusão de novas tecnologias, como o uso de dispositivos móveis (Smartphones ou Tablets) e também armazenamento na nuvem para acesso centralizado das informações. Mas a principal vantagem dessa metodologia é uma gestão de dados mais eficiente, pois dependendo do projeto, a quantidade de informações levantadas pode ser gigantesca e gerar problemas na consistência e validação das mesmas. Pois, uma vez tendo tabelas estruturadas, indicação precisa das coordenadas e formulários de fácil preenchimento, o banco de dados criado já estará pronto para a utilização em um Sistema de Informações Geográficas. Recomenda-se que essa metodologia possa ser discutida para que em um breve futuro seja implementada em outros projetos, a fim de que possa se ampliar o intercâmbio com um padrão estabelecido, o compartilhamento de dados entre instituições e a interoperabilidade entre aplicativos.

13 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CÂMARA, Gilberto. Sistemas de Informações Geográficas: conceitos básicos. In:. Modelos, linguagens e arquiteturas para bancos de dados geográficos Tese (Doutorado) - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, São José dos Campos, Cap. 2. Disponível em: Acesso em: 03 abr BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Comissão Nacional de Cartografia. Especificações Técnicas para Estruturação de Dados Geoespaciais Digitais Vetoriais (Versão 2.02). Brasília, DF, DAVIS, Clodoveu; BORGES, Karla. Modelagem de Dados Geográficos. Disponível em: Acesso em: 15 mar DAVIS, A. C.; BORGES, K. A. V.; LAENDER, A. H. F. OMT-G: An Object-Oriented Data Model for Geographic Applications. GeoInformatica Journal, pp , Volume 5, Number 3 / September, 2001, Springer Netherlands. BRASIL. Decreto no 6.666, de 27 de novembro de Institui no âmbito do Poder Executivo federal, a Infra-Estrutura Nacional de Dados Espaciais - INDE. Disponível em: Acesso em 12 mar INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Comissão Nacional de Cartografia. Plano de ação para implantação da infraestrutura Nacional de Dados Espaciais INDE. Disponível em: Acesso em: 10 fev OLSENSGT, FRED. QuickReport 2.0. QuSoft COMO, Noruega MARINHA DO BRASIL. NORMAN-01/DCP, Normas da Autoridade Marítima para Embarcações Empregadas na Navegação em Mar Aberto. Disponível em https://www.dpc.mar.mil.br/normam/n_01/normam01.pdf.

14 ANEXO 01 QUESTIONÁRIO DO PESCADOR

15

16 ANEXO 02 QUESTIONÁRIO DO RESPONSÁVEL

17

18 ANEXO 03 FORMULÁRIO. CADASTRO DE PESCADORES ANEXO 04 FORMULÁRIO. CADASTRO DE RESPONSÁVEL

Estudo Ambiental de Sísmica (EAS) Pesquisa Sísmica 3D, Não Exclusiva Bacia Sedimentar Marítima de Pernambuco-Paraíba

Estudo Ambiental de Sísmica (EAS) Pesquisa Sísmica 3D, Não Exclusiva Bacia Sedimentar Marítima de Pernambuco-Paraíba Estudo Ambiental de Sísmica (EAS) Pág. i / ii Sumário II.6.4... 1 1 - Justificativa... 1 2. Objetivos... 2 3. Metas... 3 4. Indicadores Ambientais... 4 5. Metodologia... 5 5.1 Supervisão da Coleta dos

Leia mais

CADASTRO DE METADADOS POR SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS GEOGRÁFICO (SGBD) EM SIG PARA UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CADASTRO DE METADADOS POR SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS GEOGRÁFICO (SGBD) EM SIG PARA UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CADASTRO DE METADADOS POR SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS GEOGRÁFICO (SGBD) EM SIG PARA UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Raphael de Oliveira Fernandes Vivian Castilho da Costa

Leia mais

SIG - Sistemas de Informação Geográfica

SIG - Sistemas de Informação Geográfica SIG - Sistemas de Informação Geográfica Gestão da Informação Para gestão das informações relativas ao desenvolvimento e implantação dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Leia mais

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS PARA O MUNICÍPIO DE TERESÓPOLIS, EM LABORATÓRIO DO UNIFESO José Roberto de C. Andrade Professor do Centro de Ciências e Tecnologia, UNIFESO Sergio Santrovitsch

Leia mais

POLÍTICA DE GEOPROCESSAMENTO DA ELETROSUL

POLÍTICA DE GEOPROCESSAMENTO DA ELETROSUL POLÍTICA DE GEOPROCESSAMENTO DA ELETROSUL Abril - 2013 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. CONCEITOS... 3 3.1. Geoprocessamento... 3 3.2. Gestão das Informações Geográficas... 3 3.3. Dado Geográfico

Leia mais

II.7.2 - PROJETO DE MONITORAMENTO DO DESEMBARQUE PESQUEIRO

II.7.2 - PROJETO DE MONITORAMENTO DO DESEMBARQUE PESQUEIRO II.7.2 - PROJETO DE MONITORAMENTO DO DESEMBARQUE PESQUEIRO Índice Geral Pág. 1/1 ÍNDICE GERAL Desembarque Pesqueiro...1/15 Pág. 1/15 O litoral de Sergipe e o extremo norte da Bahia, região tratada como

Leia mais

Aplicação de Geoprocessamento no Licenciamento Ambiental do Estado do Rio Grande do Sul

Aplicação de Geoprocessamento no Licenciamento Ambiental do Estado do Rio Grande do Sul Aplicação de Geoprocessamento no Licenciamento Ambiental do Estado do Rio Grande do Sul Iara Ferrugem Velasques 1 Rejane Vargas Dornelles 1, Tânia Regina Prauchner 1 pnmaii, rejanevd, taniarp@fepam.rs.gov.br

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho GEOPROCESSAMENTO Herondino Filho Sumário 1. Introdução 1.1 Orientações Avaliação Referência 1.2 Dados Espaciais 1.2.1 Exemplo de Dados Espaciais 1.2.2 Aplicações sobre os Dados Espaciais 1.3 Categoria

Leia mais

Secretaria do Meio Ambiente. Fundação Florestal

Secretaria do Meio Ambiente. Fundação Florestal Secretaria do Meio Ambiente Fundação Florestal Governo do Estado de São Paulo Sistema Ambiental Paulista Projeto DataGEO Implantação de uma Infraestrutura de Dados Espaciais Ambientais do Estado de São

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE MAPAS AVALIAÇÃO DO ESTADO DE CONSERVAÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA

PADRONIZAÇÃO DE MAPAS AVALIAÇÃO DO ESTADO DE CONSERVAÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA ANEXO 4 PADRONIZAÇÃO DE MAPAS AVALIAÇÃO DO ESTADO DE CONSERVAÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA Este roteiro visa orientar a metodologia para delimitar área de ocorrência/extensão e padronizar a apresentação dos

Leia mais

Diretoria de Informática

Diretoria de Informática Diretoria de Informática Estratégia Geral de Tecnologias de Informação para 2013-2015 EGTI 2013-2015 Introdução: Este documento indica quais são os objetivos estratégicos da área de TI do IBGE que subsidiam

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE DADOS ESPACIAIS NA GESTÃO PÚBLICA DO ESTADO DA BAHIA

INFRAESTRUTURA DE DADOS ESPACIAIS NA GESTÃO PÚBLICA DO ESTADO DA BAHIA I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental COBESA INFRAESTRUTURA DE DADOS ESPACIAIS NA GESTÃO PÚBLICA DO ESTADO DA BAHIA Fabíola Andrade Souza Augusto César da S. M. Copque Mestrado em Engenharia

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE DRAGAGEM META 03

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE DRAGAGEM META 03 SISTEMA DE GERENCIAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE DRAGAGEM META 03 Thiago Duarte Mota (Engenheiro, IVIG/COPPE/UFRJ, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Coordenação dos Programas de Pós-Graduação e Pesquisa

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG PROJETO: DESENVOLVIMENTO DE UMA PROPOSTA DE REESTRUTURAÇÃO DO SITE DA ESTAÇÃO CIENTÍFICA FERREIRA PENNA, VISANDO ATENDER AOS PADRÕES

Leia mais

Centro de Trabalho Indigenista CTI

Centro de Trabalho Indigenista CTI Centro de Trabalho Indigenista CTI Termo de Referência para Contratação de Consultoria Técnica Junho de 2015 Projeto Proteção Etnoambiental de Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato na Amazônia

Leia mais

Cadastro Nacional das Entidades de Assistência Social CNEAS

Cadastro Nacional das Entidades de Assistência Social CNEAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Assistencia Social SNAS Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS DRSP Cadastro Nacional das Entidades de Assistência

Leia mais

Importância das caracterizações ambientais marinhas para gestão ambiental

Importância das caracterizações ambientais marinhas para gestão ambiental Importância das caracterizações ambientais marinhas para gestão ambiental Ana Paula C. Falcão Eduardo H. Marcon Maria Eulália R. Carneiro Maurício L. Fonseca Talita A. A. Pereira CENPES/PETROBRAS Márcia

Leia mais

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação;

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação; 4. PROGRAMAS DE MANEJO 4.1 PROGRAMA DE PESQUISA Objetivo Geral Visa dar suporte, estimular a geração e o aprofundamento dos conhecimentos científicos sobre os aspectos bióticos, abióticos, sócio-econômicos,

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA

ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA 1. Introdução Nos últimos anos, a área de geotecnologias ganhou maior visibilidade através da popularização

Leia mais

ALOCAÇÃO DE DEMANDA ESCOLAR USANDO TECNOLOGIA SIG

ALOCAÇÃO DE DEMANDA ESCOLAR USANDO TECNOLOGIA SIG ALOCAÇÃO DE DEMANDA ESCOLAR USANDO TECNOLOGIA SIG Daniel da Silva Marques (UFAM) daniel.ufam2009@hotmail.com Caio Ronan Lisboa Pereira (UFAM) caioronan@hotmail.com Almir Lima Caggy (UFAM) almir_kggy@hotmail.com

Leia mais

O ambiente GeoNetwork

O ambiente GeoNetwork O ambiente GeoNetwork Catálogo Web para a documentação, edição e disseminação de metadados geográficos. Características principais: livre e de código aberto; mecanismos de busca avançados; edição de metadados

Leia mais

SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN

SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN Adeline M. Maciel, Luana D. Chagas, Cláubio L. L. Bandeira Mestrado em Ciência da Computação (MCC) Universidade do Estado do

Leia mais

NOÇÕES DE GEOPROCESSAMENTO. Módulo 3

NOÇÕES DE GEOPROCESSAMENTO. Módulo 3 NOÇÕES DE GEOPROCESSAMENTO Módulo 3 Sistema Metropolitano de Informações Georreferenciadas MetroGeo Curso Noções de Geoprocessamento Módulo 3 Oscar Ricardo M. Schmeiske Programação Curso Noções de Geoprocessamento

Leia mais

O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos

O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos Prof. Herondino O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos Inserir e integrar, numa única base de dados informações espaciais provenientes de: meio

Leia mais

Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica

Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica Computação Gráfica II Sistemas de Informação Geográfica Prof. Anselmo C. de Paiva Depto de Informática Introdução aos Sistemas de Informação Geografica

Leia mais

Tecnologias Digitais de Geoprocessamento

Tecnologias Digitais de Geoprocessamento Gilberto Pessanha Ribeiro Engenheiro Cartógrafo - UERJ Mestre em Ciências Geodésicas - UFPR Doutor em Geografia UFF Especialista em Geologia do Quaternário Museu Nacional/UFRJ gilberto@eng.uerj.br gilberto@globalgeo.com.br

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I)

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB450 TOPOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO II PROF. DR. CARLOS ALBERTO VETTORAZZI

Leia mais

8 PROGNÓSTICO AMBIENTAL

8 PROGNÓSTICO AMBIENTAL 8 PROGNÓSTICO AMBIENTAL O prognóstico ambiental elaborado para a Atividade de Pesquisa Sísmica Marítima 3D na Bacia Sedimentar do Ceará -, contempla as possíveis alterações dos fatores ambientais analisados

Leia mais

EMBRAPA GADO DE LEITE SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO TERRITORIAL PARA SUPORTE A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE NO ESTADO DE MINAS GERAIS

EMBRAPA GADO DE LEITE SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO TERRITORIAL PARA SUPORTE A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE NO ESTADO DE MINAS GERAIS EMBRAPA GADO DE LEITE SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO TERRITORIAL PARA SUPORTE A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE NO ESTADO DE MINAS GERAIS Roberto Carlos Soares Nalon Pereira Souza, Marcos Cicarini Hott, Vitor

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - TNC FERRAMENTA PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE REGULARIZAÇÃO DE RESERVAS LEGAIS E APPS EM PROPRIEDADES RURAIS

TERMO DE REFERÊNCIA - TNC FERRAMENTA PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE REGULARIZAÇÃO DE RESERVAS LEGAIS E APPS EM PROPRIEDADES RURAIS ATUALIZAÇÃO E ADEQUAÇÃO DA FERRAMENTA CARGEO PARA CONTEMPLAR AS EXIGÊNCIAS E RELACIONAMENTOS PRESENTES NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL APROVADO NO CONGRESSO NACIONAL EM 25/04/2012 O Instituto de Conservação Ambiental

Leia mais

II Forum Latino Americano Geoespacial

II Forum Latino Americano Geoespacial II Forum Latino Americano Geoespacial Rio de Janeiro Agosto/2012 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Projeto DATAGEO Estabelecimento de uma INFRAESTRUTURA DE DADOS ESPACIAIS AMBIENTAIS IDEA-SP Secretaria de Meio

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc.

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. SUMÁRIO Apresentação da ementa Introdução Conceitos Básicos de Geoinformação Arquitetura de SIGs Referências Bibliográficas APRESENTAÇÃO

Leia mais

Conservação de Aves Marinhas com Pesca Produtiva

Conservação de Aves Marinhas com Pesca Produtiva No. 003/10 Santos, 26 de março de 2010 CHAMADA PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO Serviço de Terceiros Pessoa Jurídica Consultoria de nível superior para processamento e análise

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br DIGIMAN MANDADO JUDICIAL ELETRÔNICO Arquitetura WTB Tecnologia 2009 www.wtb.com.br Arquitetura de Software O sistema DIGIMAN é implementado em três camadas (apresentação, regras de negócio e armazém de

Leia mais

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Responsável: Hernandes Pires do Reis Consultor da Divisão de Manutenção e Suporte a Sistemas Endereço:

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: CARTOGRAFIA E TOPOGRAFIA CÓDIGO: CRT003 CLASSIFICAÇÃO: Obrigatória PRÉ-REQUISITO: não tem CARGA HORÁRIA: TÉORICA : 30 horas

Leia mais

Introdução à Bonita BPM

Introdução à Bonita BPM WHITE PAPER Introdução à Bonita BPM Como começar a usar o Bonita BPM para capturar um processo conceitual e transformá-lo em um diagrama de processo Charlotte Adams, Alexandre Bricout e Maria Picard, Bonitasoft

Leia mais

Sistema de Informação Georreferenciada para obter Indicadores de Saúde em Comunidades carentes

Sistema de Informação Georreferenciada para obter Indicadores de Saúde em Comunidades carentes Sistema de Informação Georreferenciada para obter Indicadores de Saúde em Comunidades carentes Dr. Romualdo Wandresen Programa de Pós-Graduação em Tecnologia da Saúde PUCPR SUMÁRIO 1. Introdução 2. Objetivos

Leia mais

II.10.3 PROJETO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

II.10.3 PROJETO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL II.10.3 PROJETO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 1. Justificativa Este Projeto de Comunicação Social (PCS) refere-se à atividade de perfuração marítima no Bloco BS-4, empreendimento da Queiroz Galvão Exploração e

Leia mais

Extensão do Sistema de Metadados para Recursos Naturais

Extensão do Sistema de Metadados para Recursos Naturais Extensão do Sistema de Metadados para Recursos Naturais Andreia Fernandes da Silva (IBGE/DI/COBAD) Celso José Monteiro Filho (IBGE/DGC/CREN) Hesley da Silva Py (IBGE/DI/COBAD) Resumo Tendo em vista a grande

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE IMAGENS ORBITAIS PARA WEBMAPPING

ESTRUTURAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE IMAGENS ORBITAIS PARA WEBMAPPING ESTRUTURAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE IMAGENS ORBITAIS PARA WEBMAPPING RAFAELA S. NIEMANN 1 ; SOPHIA D. RÔVERE 2 ; WILSON A. HOLLER 3 N 10508 RESUMO A organização de imagens de satélite direcionada à implementação

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO Documento 7.1 RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICIPIOS DO ESTADO DA BAHIA TCM-BA SALVADOR BAHIA MARÇO / 2010 1/10 1. Introdução Este documento faz parte do escopo do

Leia mais

FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DE ABERTURA DE PROCESSO - FAP EMPREENDIMENTO: AQUISIÇÃO DE DADOS

FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DE ABERTURA DE PROCESSO - FAP EMPREENDIMENTO: AQUISIÇÃO DE DADOS FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DE ABERTURA DE PROCESSO - FAP EMPREENDIMENTO: AQUISIÇÃO DE DADOS Instruções para acesso ao sistema Acessar Serviços on line no site do Ibama e clicar e cadastro, abre a possibilidade

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A PRODUÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL - AIA

ORIENTAÇÃO PARA A PRODUÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL - AIA ORIENTAÇÃO PARA A PRODUÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL - AIA É indispensável que um estudo de impacto ambiental contenha, ao menos, os seguintes documentos cartográficos:

Leia mais

GISWEB - Informação Geográfica ao Alcance de Todos

GISWEB - Informação Geográfica ao Alcance de Todos GISWEB - Informação Geográfica ao Alcance de Todos Bruno Perboni Qualityware Conselheiro Laurindo 825 cj. 412 centro Curitiba PR fone: 3232-1126 bruno@qualityware.com.br Maysa Portugal de Oliveira Furquim

Leia mais

Uso de AutoCAD Map 3D para desenvolvimento de análise Multi-Critério Kátia Góes Mestrando UERJ

Uso de AutoCAD Map 3D para desenvolvimento de análise Multi-Critério Kátia Góes Mestrando UERJ Uso de AutoCAD Map 3D para desenvolvimento de análise Multi-Critério Kátia Góes Mestrando UERJ A proposta metodológica se insere na temática de Turismo Sustentável em áreas rurais e teve como área de estudo

Leia mais

TUTORIAL COLEGIADOS EM REDE

TUTORIAL COLEGIADOS EM REDE TUTORIAL COLEGIADOS EM REDE Brasília/DF Agosto/2015 Sumário Introdução... 2 1 Sistema de Gestão Estratégica... 3 2 Colegiados Em Rede... 5 2.1 Menu Cadastro... 6 2.1.1 Dados do Colegiado... 7 2.1.2 Composição

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO

Leia mais

Uso da Informação Geoespacial no Brasil

Uso da Informação Geoespacial no Brasil Uso da Informação Geoespacial no Brasil Seminário Gestores Públicos em Geoinformação Painel Gerenciamento de Informação Geoespacial Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo (SP) 7 à 9 de maio de 2014

Leia mais

Anexo II - Termo de Referência

Anexo II - Termo de Referência Aneo II - Termo de Referência 1. Antecedentes O projeto BRA/11/001 tem como objetivo cooperar, por meio de suporte técnico ao Ministério do Meio Ambiente, para a implementação dos dispositivos da Convenção

Leia mais

Ocomon & Invmon: Ferramentas para gerência de suporte de helpdesk

Ocomon & Invmon: Ferramentas para gerência de suporte de helpdesk Ocomon & Invmon: Ferramentas para gerência de suporte de helpdesk Flávio Ribeiro Centro de Informática Centro Universitário La Salle (Unilasalle) Av. Victor Barreto,2288 Canoas RS Brasil flavio@unilasalle.edu.br

Leia mais

Bancos de Dados Geoespaciais Conheça os Requisitos para Coletar, Armazenar, Processar e Compartilhar Dados Espaço-temporais Com Qualidade

Bancos de Dados Geoespaciais Conheça os Requisitos para Coletar, Armazenar, Processar e Compartilhar Dados Espaço-temporais Com Qualidade Bancos de Dados Geoespaciais Conheça os Requisitos para Coletar, Armazenar, Processar e Compartilhar Dados Espaço-temporais Com Qualidade Profª Drª Simone Sayuri Sato Universidade Federal de Pernambuco

Leia mais

CONSULTAS E RELATÓRIOS DO BANCO DE DADOS DE DESASTRES NATURAIS EM SANTA CATARINA

CONSULTAS E RELATÓRIOS DO BANCO DE DADOS DE DESASTRES NATURAIS EM SANTA CATARINA 1 CONSULTAS E RELATÓRIOS DO BANCO DE DADOS DE DESASTRES NATURAIS EM SANTA CATARINA Daniel Andrijic Malandrin Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina CEFET/SC. Av. Mauro Ramos, 950 centro,

Leia mais

Uma metodologia para auxiliar no processo de conversão de bases cartográficas utilizando o padrão da estrutura de dados geoespaciais vetoriais

Uma metodologia para auxiliar no processo de conversão de bases cartográficas utilizando o padrão da estrutura de dados geoespaciais vetoriais Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.8896 Uma metodologia para auxiliar no processo de conversão de bases cartográficas

Leia mais

A solução INFOTRÂNSITO abrange sistemas web multiplataformas, podendo ser instalados em ambientes Linux, Windows e Apple.

A solução INFOTRÂNSITO abrange sistemas web multiplataformas, podendo ser instalados em ambientes Linux, Windows e Apple. INFOTRÂNSITO A plataforma INFOTRÂNSITO emprega tecnologias inovadoras para garantir ao poder público um gerenciamento eficaz da operação do trânsito nos grandes centros urbanos. A partir da coleta, em

Leia mais

Bases de Dados Geoespaciais: Conceitos e Tendências. Paulo Costa Paulo.fernando.costa@vale.com

Bases de Dados Geoespaciais: Conceitos e Tendências. Paulo Costa Paulo.fernando.costa@vale.com Paulo Costa Paulo.fernando.costa@vale.com Sumário Dados e informações Base de dados Normatização dos Dados Banco de dados único Interoperabilidade de dados Tendências DADOS E INFORMAÇÕES Dados são observações

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO MÓDULO DE TRANSFERÊNCIA DE ARQUIVOS APLICATIVO UPLOAD /DOWNLOAD VERSÃO 1.1 BRASÍLIA DF Agosto/2015 2011 Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.2 Novo modelo operacional do Sistema do Cadastro Único

1 INTRODUÇÃO. 1.2 Novo modelo operacional do Sistema do Cadastro Único Instrução Operacional nº 35 SENARC/MDS Brasília, 15 de abril de 2010. Assunto: Divulga as orientações necessárias para a solicitação de cadastramento de usuários municipais no novo sistema de Cadastro

Leia mais

Governo Federal / Governo Estadual. Imagem suportando a Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais INDE Carlos Toledo

Governo Federal / Governo Estadual. Imagem suportando a Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais INDE Carlos Toledo Governo Federal / Governo Estadual Imagem suportando a Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais INDE Carlos Toledo Plenária Desafios comuns Governança de dados espaciais; Informação geográfica é um ativo

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

Site da disciplina: Site do Laboratório de Geotecnologias Aplicadas: https://moodleinstitucional.ufrgs.br. http://www.ufrgs.

Site da disciplina: Site do Laboratório de Geotecnologias Aplicadas: https://moodleinstitucional.ufrgs.br. http://www.ufrgs. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Geociências Departamento de Geografia Sistemas de Informações Geográficas I GEO 01007 Professora: Eliana Lima da Fonseca Site da disciplina: https://moodleinstitucional.ufrgs.br

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática Universidade Federal de Viçosa (MG) jugurta@dpi.ufv.br Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática Tópicos

Leia mais

Jonathan J. Campos, Jefferson de Faria, William de O. Sant Ana

Jonathan J. Campos, Jefferson de Faria, William de O. Sant Ana APLICAÇÕES GEOGRÁFICAS NA WEB PARA INTEGRACÃO DE DADOS DO MONITORAMENTO AMBIENTAL DE ÁREAS DEGRADADAS PELA MINERAÇÃO DE CARVÃO NA BACIA CARBONÍFERA DO SUL DO ESTADO DE SANTA CATARINA Jonathan J. Campos,

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

3.10.1. Educação da Comunidade para o Turismo

3.10.1. Educação da Comunidade para o Turismo PRODETUR NE-II PDITS Salvador e Entorno3.10.1 Capacitação da Comunidade para o Turismo 410 3.10.1. Educação da Comunidade para o Turismo Introdução O objetivo deste capítulo é analisar o nível de conscientização

Leia mais

Índice Apresentação... 3 Mensagens... 4 Tickets... 6 Cadastro de Tickets... 6 Acompanhamento de Tickets:...9 Entregas... 11 Storage...

Índice Apresentação... 3 Mensagens... 4 Tickets... 6 Cadastro de Tickets... 6 Acompanhamento de Tickets:...9 Entregas... 11 Storage... Índice Apresentação... 3 Mensagens... 4 Tickets... 6 Cadastro de Tickets... 6 Acompanhamento de Tickets:...9 Entregas... 11 Storage... 12 Apresentação O Pitstop foi desenvolvido pela Interact com o objetivo

Leia mais

Programa Nacional de Rastreamento de Embarcações de Pesca por Satélite

Programa Nacional de Rastreamento de Embarcações de Pesca por Satélite Programa Nacional de Rastreamento de Embarcações de Pesca por Satélite O programa foi instituído por meio da Instrução Normativa Interministerial n.º 02, de 04 de setembro de 2006 e criado em virtude do

Leia mais

O Impacto da Mudança do Referencial Geodésico para Usuários de SIG Urbano

O Impacto da Mudança do Referencial Geodésico para Usuários de SIG Urbano O Impacto da Mudança do Referencial Geodésico para Usuários de SIG Urbano Clodoveu Davis Centro de Desenvolvimento e Estudos da PRODABEL Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Serviços para geração de sistema de monitoramento territorial integrado em terras indígenas

TERMO DE REFERÊNCIA Serviços para geração de sistema de monitoramento territorial integrado em terras indígenas TERMO DE REFERÊNCIA Serviços para geração de sistema de monitoramento territorial integrado em terras indígenas 1. APRESENTAÇÃO A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins lucrativos que

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE EMPREGO: PROCEDIMIENTOS PARA ANÁLISES DE CONSISTENCIA DA INFORMAÇÃO

PESQUISA MENSAL DE EMPREGO: PROCEDIMIENTOS PARA ANÁLISES DE CONSISTENCIA DA INFORMAÇÃO 83 PESQUISA MENSAL DE EMPREGO: PROCEDIMIENTOS PARA ANÁLISES DE CONSISTENCIA DA INFORMAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE) BRASIL 84 Pesquisa mensal de emprego... ÍNDICE Página A

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

Núcleo de Tecnologia da Informação Arq. Flavio Macedo de Andrade

Núcleo de Tecnologia da Informação Arq. Flavio Macedo de Andrade N T I Núcleo de Tecnologia da Informação Arq. Flavio Macedo de Andrade NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Uma Visão Simplificada das Atividades Um Breve Resumo Histórico Situação da Informação em 1995

Leia mais

Pode se adaptar as necessidades especificas de cada empresa permitindo gerar diferentes tipos de integração com os sistemas de backend.

Pode se adaptar as necessidades especificas de cada empresa permitindo gerar diferentes tipos de integração com os sistemas de backend. FieldForzeOne é uma solução que permite a sua empresa gerenciar e coordenar as atividades de trabalho da sua equipe de agentes de venda desde os dispositivos movéis (Smartphones ou Tablets). Consiga acrecentar

Leia mais

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO NÚCLEO DE PÓS - GRADUAÇÃO NPGA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL AVANÇADA - CPA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS

Leia mais

II Seminário sobre Referencial Geocêntrico no Brasil

II Seminário sobre Referencial Geocêntrico no Brasil II Seminário sobre Referencial Geocêntrico no Brasil PMRG - Projeto Mudança do Referencial Geodésico RESUMO DOS PAINÉIS 1, 2 e 3 Perguntas: PAINEL 1: IMPACTOS NO MAPEAMENTO TOPOGRÁFICO SISTEMÁTICO Quais

Leia mais

PROPOSTA DE RASTREAMENTO E MONITORAMENTO HÍBRIDO SATELITAL

PROPOSTA DE RASTREAMENTO E MONITORAMENTO HÍBRIDO SATELITAL PROPOSTA DE RASTREAMENTO E MONITORAMENTO HÍBRIDO SATELITAL Solução Tecnologia Monitoramento Instalação SOLUÇÃO A solução de rastreamento Unepxmil foi desenvolvida para atender as principais necessidades

Leia mais

INFOAMBIENTE: GESTÃO AMBIENTAL DE RODOVIAS COM SIG-WEB

INFOAMBIENTE: GESTÃO AMBIENTAL DE RODOVIAS COM SIG-WEB Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 INFOAMBIENTE: GESTÃO AMBIENTAL DE RODOVIAS COM SIG-WEB Adriano Peixoto Panazzolo (*), Augusto Gattermann Leipnitz, Daniela Viegas, Társio Onofrio Cardoso da Silva, Thiago

Leia mais

SÍNTESE Termo de Referência de Sistema de Informação Geográfica

SÍNTESE Termo de Referência de Sistema de Informação Geográfica SÍNTESE Termo de Referência de Sistema de Informação Geográfica Objetivo Geral O objetivo do desenvolvimento de um sistema de informações geográficas para a bacia hidrográfica do rio Paraíba do Sul é integrar

Leia mais

Guia Como Baixar e Usar Dados Geográficos do IBGE

Guia Como Baixar e Usar Dados Geográficos do IBGE Guia Como Baixar e Usar Dados Geográficos do IBGE Guia Como Baixar e Usar Dados Geográficos do IBGE Este guia vai ajudar você a pesquisar e encontrar dados geoespaciais no Portal de Mapas do Instituto

Leia mais

Uma arquitetura baseada em agentes de software para a automação de processos de gerênciadefalhasemredesde telecomunicações

Uma arquitetura baseada em agentes de software para a automação de processos de gerênciadefalhasemredesde telecomunicações Adolfo Guilherme Silva Correia Uma arquitetura baseada em agentes de software para a automação de processos de gerênciadefalhasemredesde telecomunicações Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS NA ANÁLISE ESPACIAL DE IMPACTOS AMBIENTAIS NA BACIA DO RIO JAPARATUBA, EM SERGIPE

A UTILIZAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS NA ANÁLISE ESPACIAL DE IMPACTOS AMBIENTAIS NA BACIA DO RIO JAPARATUBA, EM SERGIPE A UTILIZAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS NA ANÁLISE ESPACIAL DE IMPACTOS AMBIENTAIS NA BACIA DO RIO JAPARATUBA, EM SERGIPE Sandra Andréa Souza Rodrigues 1 PESQUISA FORA DO CONTEXTO EDUCACIONAL Resumo O estudo da

Leia mais

Normalização e interoperabilidade da informação geográfica

Normalização e interoperabilidade da informação geográfica Normalização e interoperabilidade da informação geográfica perspetivas para a formação em Engenharia Geográfica João Catalão Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia Faculdade de Ciências

Leia mais

Governança: possibilidades de arranjos institucionais para realização de contas econômico-ambientais

Governança: possibilidades de arranjos institucionais para realização de contas econômico-ambientais Governança: possibilidades de arranjos institucionais para realização de contas econômico-ambientais Wasmália Bivar Diretoria de Estatísticas Luiz Paulo Souto Fortes Diretoria de Geociências Seminário

Leia mais

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Sumário Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial do Portal WEB Criando um

Leia mais

CT03.15 -Departamento de Gestão Social - Novembro/2012 - Atualizado em março/2014 CENSO ESCOLAR

CT03.15 -Departamento de Gestão Social - Novembro/2012 - Atualizado em março/2014 CENSO ESCOLAR CENSO ESCOLAR (conhecido como PRODESP) ENTIDADES QUE DEVEM REALIZAR O CADASTRAMENTO: Escolas de Educação Infantil, Escolas Regulares e Especiais, Instituições de Educação Superior e de Educação Profissional

Leia mais

Versão 1.0. 1º. Semestre de 2006 Marcelo Nogueira São José dos Campos SP

Versão 1.0. 1º. Semestre de 2006 Marcelo Nogueira São José dos Campos SP Versão 1.0 I - Introdução 1.1 Motivação Aproveitar o ambiente acadêmico para praticarmos a integração de aplicativos de banco de dados, simulando o que é feito no mercado de trabalho. 1.2 Contexto Em janeiro

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

Manual do usuário. Acesso ao GEFAU

Manual do usuário. Acesso ao GEFAU Manual do usuário Acesso ao GEFAU Fev/2015 GEFAU PORTAL DO EMPREENDEDOR Conteúdo Introdução... 2 1. Acesso ao GEFAU... 3 2. Cadastro de empreendimentos... 5 2.1. Consulta aos empreendimentos do usuário...

Leia mais

DO CARTA GERAL AO SIRGAS-2000, A EVOLUÇÃO DO MAPEAMENTO EM PORTO ALEGRE.

DO CARTA GERAL AO SIRGAS-2000, A EVOLUÇÃO DO MAPEAMENTO EM PORTO ALEGRE. DO CARTA GERAL AO SIRGAS-2000, A EVOLUÇÃO DO MAPEAMENTO EM PORTO ALEGRE. INTRODUÇÃO A cidade de Porto Alegre está realizando um novo mapeamento, utilizando as mais modernas tecnologias empregadas na cartografia.

Leia mais

CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE

CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE Andrea C. A. Borim 1 Antônio M. Saraiva 2 José M. Fernandes 3 Carlos A. R. Pinto 4 RESUMO A busca pelo aumento da

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE BIBLIOTECA NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: Organizar, manter e disponibilizar os acervos bibliográficos para docentes, técnicos e alunos;

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação (MEC) em seus processos de formulação, implantação e

Leia mais

RELÁTORIO CENSO 2015. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal do Amapá UNIFAP Pró-Reitoria de Planejamento PROPLAN

RELÁTORIO CENSO 2015. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal do Amapá UNIFAP Pró-Reitoria de Planejamento PROPLAN RELÁTORIO CENSO 2015 Este relatório de atividades referente ao censo com ano de referencia 2014 descreve as tarefas realizadas, dificuldades encontradas e possíveis soluções para a realização do próximo

Leia mais

USO DO GEOPROCESSAMENTO APLICADO À GESTÃO DE SISTEMAS DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO NO RIO GRANDE DO NORTE

USO DO GEOPROCESSAMENTO APLICADO À GESTÃO DE SISTEMAS DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO NO RIO GRANDE DO NORTE USO DO GEOPROCESSAMENTO APLICADO À GESTÃO DE SISTEMAS DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO NO RIO GRANDE DO NORTE Adriana Dias Moreira PIRES (1); Bruno César Dias de ALBUQUERQUE (2); Daniel Bruno Alves dos SANTOS

Leia mais

COMPATIBILIZANDO CADASTROS

COMPATIBILIZANDO CADASTROS COMPATIBILIZANDO CADASTROS EM PROJETO SIG Cristiane Vaz Domingues cristiane.vaz@uol.com.br FOTOGRAFIA Hoje nas instituiçõesições públicas existem: informações repetidas e/ou complementares distribuídas

Leia mais