UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES URI CAMPUS DE ERECHIM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA CURSO DE MATEMÁTICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES URI CAMPUS DE ERECHIM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA CURSO DE MATEMÁTICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES URI CAMPUS DE ERECHIM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA CURSO DE MATEMÁTICA DAIRA SIBELE DE OLIVEIRA UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE MAPLE NA RESOLUÇÃO DE CÁLCULOS INTEGRAIS ERECHIM 2010

2 1 DAIRA SIBELE DE OLIVEIRA UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE MAPLE NA RESOLUÇÃO DE CÁLCULOS INTEGRAIS Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado como requisito parcial para obtenção do título de Licenciado em Matemática pelo Departamento de Ciências Exatas e da Terra da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões URI Campus de Erechim. Orientador: Prof. Clémerson Alberi Pedroso ERECHIM 2010

3 2 AGRADECIMENTOS A Deus, o que seria de mim sem a fé que eu tenho nele. Aos meus pais, minha irmã, e a toda minha família que, com muito carinho e apoio, não mediram esforços para que eu chegasse até esta etapa de minha vida. Ao professor e orientador Clémerson Alberi Pedroso por seu apoio e inspiração no amadurecimento dos meus conhecimentos e conceitos que me levaram a execução e conclusão desta monografia. Aos amigos e colegas, pelo convívio, pelo apoio, pela compreensão e pela amizade.

4 3 A mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu tamanho original. (Albert Einstein)

5 4 RESUMO Neste trabalho apresenta-se uma breve discussão sobre a necessidade e importância dos softwares computacionais os quais estão presentes sob vários aspectos em nossas vidas, estando nos negócios, na cultura e nas atividades diárias. A intenção inicial deste trabalho é mostrar um pouco das potencialidades da informática na educação, que quando utilizada de maneira adequada pelos professores, pode contribuir muito para um processo de ensino e aprendizagem significativo A ênfase aqui é a utilização do software Maple para o ensino de cálculo de integrais definidas como uma ferramenta didática no Ensino Superior analisando as vantagens de sua utilização. Especificamente foram desenvolvidas atividades que envolvem somas de Riemann por aproximação pelo extremo esquerdo, pelo direito e pelo ponto médio, com a descrição dos procedimentos (comandos) necessários para a sua utilização. Portanto, utilizando o software Maple, alguns conceitos de integral vistos em sala de aula são apresentados de maneira computacional, podendo tornar o processo de aprendizagem mais prazeroso, pois favorece principalmente experimentação e visualização. Palavras-chaves: Informática na Educação. Integral definida no software Maple. Soma de Riemann.

6 5 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Foto do MARK I Figura 2 - Foto do ENIAC Figura 3 - Foto do EDVAC Figura 4 - Foto do UNIVAC Figura 5 - Foto do IBM Figura 6 - Foto do IBM Figura 7 - Foto do APPLE II Figura 8 - Foto do LISA Figura 9 - Fotos de computadores criados a partir de Figura 10 - Foto do mais moderno computador de mão...14 Figura 11 - Alguns pacotes que o Maple contém e suas finalidades...22 Figura 12 - Alguns comandos básicos do software Maple...23 Figura 13 - Comandos do Software Maple relacionados com a soma de Riemann...23 Figura 14 - Janela de comandos do Maple...24 Figura 15 - Gráfico da função f(x)=x² Figura 16 - Resultado do comando leftbox sem que o aluno tenha digitado o pacote with (student) Figura 17 - Gráfico da f(x)=x²+10 pelo extremo esquerdo, para n= Figura 18 - Gráfico da f(x)=x²+10 pelo extremo esquerdo, para n= Figura 19 - Gráfico da f(x)=x²+10 pelo extremo direito, para n= Figura 20 - Gráfico da f(x)=x²+10 pelo extremo direito, para n= Figura 21 - Gráfico da f(x)=x²+10 pelo ponto médio, para n= Figura 22 - Gráfico da f(x)=x²+10 pelo ponto médio, para n= Figura 23 - Detalhes dos cálculos no caso n= Figura 24 - Valor das áreas em função do número de retângulos...34 Figura 25 - Valor exato da área sob a curva utilizando o cálculo de integral definida...35 Figura 26 - Gráfico da f(x)=sen(2x)+cos(2x)

7 6 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO UMA BREVE HISTORIA SOBRE A EVOLUÇÃO DO COMPUTADOR A HISTORIA DA INTERNET E SEUS BENEFICIOS NA EDUCAÇÃO COMO UMA FERRAMENTA DE AUXILIO AO PROFESSOR DE MATEMÁTIC CONCEITOS DE CÁLCULO INTEGRAL E ALGUNS COMANDOS BÁSICOS DO SOFTWARE MAPLE INTEGRAL DEFINIDA CALCULADA PLEA SOMA DE RIEMANN CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 40

8 7 1 INTRODUÇÃO O tema deste trabalho é o uso de computadores e a utilização dos softwares matemáticos, em específico o Maple, para a resolução de cálculos de integrais definidas utilizando a soma de Riemann com as aproximações pelos extremos esquerdo, direito e pelo ponto médio com a intenção de dinamizar as primeiras aulas de cálculo integral, com o uso de tecnologias. Do ponto de vista da experiência como estudante do curso de Matemática Licenciatura, pode-se dizer que existe um certo consenso de que a disciplina Cálculo Diferencial e Integral se apresenta como uma barreira difícil de ser ultrapassada para a maioria dos alunos desse curso, pois o conhecimento matemático, desenvolvido anteriormente, na escola secundária pouco ou nada tem a ver com o que lhe é apresentado nesta disciplina. Acredita-se que muitos esbarram nas dificuldades em decorrência da linguagem matemática. A maneira por meio da qual, algumas vezes, o ensino de Calculo Integral é conduzido pressupõe que tal disciplina se resume a um conjunto de regras prontas e acabadas e que para resolver determinado problema é necessário lembrar dentre todas estas regras, qual irá solucioná-lo. Mesmo para funções muito simples é difícil calcular a área como um limite de somas. Um computador pode ser usado para obter o valor da soma para valores muito grandes, mas teremos apenas um valor aproximado. Como uma forma de potencializar a compreensão das idéias, é que propomos a utilização do software Maple, que poderia ser qualquer outro similar, em paralelo. Na primeira parte deste trabalho apresenta-se uma breve história da evolução dos computadores. Com o passar dos anos, e com uma velocidade admirável, os computadores evoluíram e se popularizaram, chegando ao campo educacional. Hoje estão presentes em muitas escolas e universidades, mas, causando inquietação pela falta de conhecimento de uma grande maioria sobre as vantagens e desvantagens do uso dessa ferramenta. Com a inclusão digital no meio educacional, criou-se um pensamento na mente das pessoas que os professores aos poucos, perderiam seus espaços sendo substituídos automaticamente pelas máquinas. Com os avanços tecnológicos segundo Valente (1999) a

9 8 mudança é a palavra de ordem na sociedade atual, discussões como estas serão abordadas na segunda parte. Na terceira parte será retomado a idéia de integral definida e apresentado alguns comandos básicos do software Maple, que serão fundamentais para o estudo e verificação da aproximação de integrais pelos extremos esquerdo, direito e pelo ponto médio. E finalmente será apresentada uma atividade baseada nos comandos do software Maple que envolverá integrais definidas, gráficos, aproximações de Riemann e cálculos de área. Considerando que, o professor raramente consegue adotar novas formas de ensino de matemática, o presente trabalho mostra uma forma diferente de se abordar o conteúdo de integral definida e a soma de Riemann pelo método das aproximações, utilizando o método computacional.

10 9 2 UMA BREVE HISTÓRIA SOBRE A EVOLUÇÃO DO COMPUTADOR Com a chegada da Segunda Guerra Mundial houve a necessidade de se projetar máquinas capazes de executar cálculos balísticos com rapidez e precisão para serem utilizadas na indústria bélica. O primeiro computador foi inventado em 1943, sendo chamado de Mark 1(figura 1). Pesava cerca de 4,5 toneladas, realizava uma soma em 0,3 segundos, uma multiplicação em 0,4 segundos e uma divisão em cerca de 10 segundos. Figura 1: Foto do MARK I 1943 Fonte: Em fevereiro de 1946 surgiu o ENIAC (Eletronic Numerical Integrator and Computer) conforme ilustrado na figura 2, primeiro computador eletrônico, construído por uma equipe de cientistas da Universidade da Pensilvânia, onde quem coordenava esta equipe era Herman Goldstine, matemático formado na Universidade de Michigan. Com 5,5 metros de altura e 25 de comprimento, era mais de duas vezes maior que o Mark I, mas esse aumento de tamanho correspondia a uma velocidade aumentada mil vezes.

11 10 Figura2: Foto do ENIAC 1946 Fonte: Como o ENIAC era muito grande e complicado, começaram os estudos para o aperfeiçoamento e surgiu o EDVAC (Electronic Discrete Variable Automatic Computer) em 1947 conforme figura 3. O ENIAC e o EDVAC não foram comercializados. Figura 3: Foto do EDVAC 1947 Fonte:

12 11 Em 1951 surgiu o UNIVAC (Universal Automatic Computer) mostrado na figura 4, que foi realmente a primeira geração de computadores, pois foi o primeiro computador que armazenava programas e estava disponível comercialmente. Figura 4: Foto do UNIVAC Fonte: Em 29 de Abril de 1952 ínicio da segunda geração de computadores, a IBM (International Business Machine) nos Estados Unidos lançou o seu primeiro computador eletrônico o IBM 701 (Electronic Data Processing Machine), conforme figura 5. Foi o primeiro computador que usou o conceito de memória, dispositivo que armazena internamente os dados processados. Esteve disponível comercialmente e em três anos foram vendidas 19 máquinas para laboratórios de pesquisa, companhias aéreas e o governo federal americano.

13 12 Figura 5: Foto do IBM Fonte: Em 1959 a IBM lançou o IBM 1401, mostrado na figura 6, que foi o representante mais típico desta terceira geração. Esta máquina foi produzida também no Brasil a partir de 1961, somando mais unidades ao grande sucesso da história da IBM na área de Processamento de Dados. Dez anos depois, graças à criação do microprocessador (pastilha de silício) Intel, aconteceu o grande avanço tecnológico, pois este microprocessador, pouco maior do que um grão de milho ajudou na redução do tamanho do computador. Figura 6: Foto do IBM Fonte:

14 13 A partir de 1977, foi lançado o APPLE II (figura7), este sim bem próximo ao modelo do qual tal e qual conhecemos hoje, tinha teclado e poderia ser ligado em um monitor, no caso uma TV. Figura 7: Foto do APPLE II 1977 Fonte: O LISA (figura 8) lançado em 1983 pela Apple Computer, foi o primeiro computador a ter mouse, ícones, placas de alerta, menus e janelas que se abriam com um clique duplo, a chamada interface gráfica. Figura 8: Foto do LISA 1983 Fonte:

15 14 Do ano de 1983 em diante, o desenvolvimento dos microcomputadores ou PCs (Personal Computer) foi muito rápido. Hoje temos diversos modelos de computadores com diferentes capacidades de armazenamento, notbooks e até celulares com computador integrado, como ilustrado nas figuras 9 e 10. Figura 9: Fotos de computadores criados a partir de 1995 Fonte: h/ _d b8_o.png Figura 10: Foto do mais atual e moderno computador de mão Fonte:

16 15 3 A história da Internet e seus benefícios na educação como uma ferramenta de auxílio ao professor de matemática A Internet é um conglomerado de redes em escala mundial de milhões de computadores interligados por uma conexão TCP/IP, onde TCP significa Protocolo de Controle de Transmissão e IP Protocolo de Internet, onde formam um conjunto de protocolos de comunicação na qual a Internet e a maioria das redes comercias funcionam. Segundo José Armando Valente (1999) internet é o nome dado para o conjunto interconectado de rede de computadores no mundo. Essa é usada por pessoas em diferentes partes do mundo, de diferentes culturas, formação, individualidade ou em organizações. A Internet teve início em 1969, nos Estados Unidos, criada pela ARPANET (ARPA Networks (nome semelhante aos atuais)) que era uma rede de laboratórios que operavam para o Departamento de Defesa Americano. De acordo com Valente (1999) a Internet foi inicialmente projetada para atender objetivos militares dos Estados Unidos, a Internet expandiu-se, atingindo as comunidades acadêmicas e de pesquisa. De acordo com a Inter-ponta Informática Ltda( ), a ARPANET com o passar dos anos, foi ampliada com novos pontos em todo os Estados Unidos e também em universidades. Em 1971 surgiu o modelo experimental do ampliando a utilidade da Rede. Em 1973 foram feitas as primeiras conexões internacionais, interligando computadores na Noruega e Inglaterra. Apartir dos anos setenta, a Rede so teve a crescer. Em 1982 foi implementado o TCP/IP protocolo padrão da rede. Conforme Nepomuceno ( ), em 1983 a IBM (International Business Machine), maior fabricante de computadores de grande porte, abriu uma rede privada de acesso à Internet, a BITNET. Mais tarde o governo dos Estados Unidos inaugurou uma rede restrita para universidades, instituições governamentais e militares que se chamou NfsNet (National Science Foundation Networks), onde anos depois se fundiu com a ARPANET. A partir de 1990 a ARPANET deixou de existir, pois começou a ser usado o nome INTERNET para se referir a este conjunto de redes. No Brasil a Internet teve início em 1989, quando as universidades USP, UNICAMP e UNESP se ligaram a Fundação de Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e esta com a Internet nos Estados Unidos. Mas a Internet veio com maior força em 1991 com a criação da Rede Nacional de Pesquisa (RPN) lançada pelo Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT),

17 16 onde hoje o RNP é responsável pela interconexão e informação em nível nacional (backdone). Em 2000 foi criado o backbone RPN2 conectada com os 27 estados brasileiros e interligada a mais de 300 instituições de ensino superior e de pesquisa no país, pois com o aumento de acesso à Internet o país precisou de uma conexão mais rápida e segura. De acordo com Zevallos: Em 1991, a RNP (Rede Nacional de Pesquisas), trouxe a Internet para o Brasil, sendo o seu objetivo o de atender a conexão das redes de universidades e centros de pesquisas, mas logo as esferas federal e estadual começaram também a se interligar. Em 1995, finalmente o Ministérios de Comunicações e de Ciência e Tecnologia abriram a Internet para a sua operação comercial, onde provedores puderam contratar conexões junto com a RNP e depois com a Embratel. Atualmente o Brasil possui diversos backbones inteligando todos os estados do Brasil, bem como centenas de conexões com outros países, o que nos dá a possibilidade de conectar a sites e utilizar seus serviços em todos todos os lugares do mundo. Segundo Antonioli ( ), o Brasil é o quinto país com o maior número de conexões á Internet. Em dezembro de 2009, segundo o Ibope/Nielsen (2010), o número de internautas era de aproximadamente 67,5 milhões. Não conseguimos imaginar o que seria os dias atuais sem o acesso à Internet, pois parece que sempre existiu. Mas e se tratando de educação, em especifico a Matemática, como esta tecnologia pode ser implementada nesta área como uma ferramenta de auxílio ao professor? Existem recursos que podemos aproveitar e dispor ao nosso favor? O professor deverá ter uma formação qualificada? Segundo Valente: Quando perguntamos para os educadores sobre o verdadeiro papel do computador na educação é muito comum ouvirmos coisas como: o computador motiva o aluno, é a ferramenta da atualidade ou o computador facilita (acelera) a educação. A idéia de que o computador deve facilitar a educação esta intimamente ligada a generalização do fato de que ele entrou em nossas vidas para facilitar. Graças a ele, é possível termos hoje os bancos 24 horas, os eletrodomésticos automatizados, etc. Estes são exemplos nos quais a existência do computador tornou tudo mais fácil ou nos propiciou facilidades que não tínhamos antes dele. Analogamente, as pessoas entende que essas facilidades devem acontecer também na educação. O computador deveria facilitar a educação e tornar as coisas mais fáceis para o estudante aprender, para o professor ensinar ou para organizar a parte administrativa da escola. (VALENTE, 1999, p. 105). A idéia de que a Matemática oferece mais obstáculos do que as demais disciplinas, confirmada nas práticas de salas de aula, é muito antiga, e por isso, nos últimos anos tem

18 17 merecido especial atenção por parte dos educadores matemáticos e dos professores em geral. Apesar desta atenção o ensino de Matemática ainda continua sendo proposto de maneira pouco refletida, seja quanto aos conteúdos, métodos de ensino e avaliação. Segundo Seymour Papert: Nossa cultura é tão matofóbica, tem tanto da matemática que, se eu conseguisse demonstrar que o computador pode nos proporcionar uma nova relação com a matemática, eu teria poderosos fundamentos para declarar que ele também tem a poderosa capacidade de mudar nossa relação com outros tipos de aprendizado que nos apavoram. (PAPERT, 1985, p. 69). Como vimos, a sociedade esta em constantes mudanças, onde podemos ressaltar aqui dois dos principais fatores, ambos frutos do desenvolvimento tecnológico: a Comunicação e a Informática. O computador tem provocado uma revolução na educação por causa de sua versatilidade de "ensinar". Existem várias possibilidades de implantação de novas técnicas de ensino envolvendo o computador pois o custo financiero é relativamente baixo para implantar e manter laboratórios de computadores, cada vez mais exigido tanto por pais quanto por alunos. Segundo Valente, (1999): A tecnología computacional tem mudado a prática de quase todas as atividades, das científicas, às de negocios, às empresariais e o conteúdo e práticas educacionais começam a seguir essas tendências de mudança. [ ] Similarmente pode parecer que se colocarmos as habilidades cognitivas básicas dos profesores nos computadores, poderemos delegar alguma parte do ensino às máquinas e dessa forma melhorar os resultados da educação.. (VALENTE, 1999, p. 81). Mas tudo isso causa insegurança nos professores, que num primeiro momento temem sua substituição por máquinas e programas capazes de cumprir o papel antes reservado para eles. O professor deve ter cuidado para não apresentar resistências às tecnologias, já que o novo sempre assusta um pouco. A função do computador é tornar o trabalho mais fácil e eficaz. É preciso entender, que o ser humano nunca vai ser substituído pela máquina. Computadores são instrumentos que auxiliam para um ensino e uma aprendizagem mais criativa, autonôma, colaborativa e interativa.

19 18 Aos professores cabe, apesar de todas as dificuldades existentes, atualizarem-se constantemente com o intuito de enriquecerem os processos educacionais, que assumam uma nova postura, não só de buscar acompanhar o processo tecnológico, mas também de associar esses recursos ao seu método de ensinar, tornando-os muito mais comunicativos e significativos, digo isto não somente para a educação infantil, básica, ou ensino médio, mas também para o ensino superior. É de suma importância que os profissionais ligados à educação se conscientizem que o processo de ensino e aprendizagem é muito dependente das tecnologias. A utilização da informática na área da educação é mais complexa do que a utilização de outro recurso didático conhecido até o momento, sendo muito diferente em função da diversidade dos recursos disponíveis. Com ela, é possível se comunicar, pesquisar, criar desenhos, efetuar cálculos, simular fenômenos, construir e transformar gráficos e muitas outras ações. Nem um outro recurso didático possui tantas funções, além de ser o recurso tecnológico mais utilizado em todas as áreas do mercado de trabalho pois na maioria deles existe o feedback. Para isto temos um recurso ótimo que o acesso à Internet nos disponibiliza que são vários sites onde podemos fazer download de softwares gratuitamente onde pode ser usado, copiado, estudado e redistribuído sem restrições. Borba (2001) relata que: O acesso à Informática deve ser visto como um direito e, portanto, nas escolas públicas e particulares o estudante deve poder usufruir de uma educação que no momento atual inclua, no mínimo, uma alfabetização tecnológica. Tal alfabetização deve ser vista não como um curso de Informática, mas, sim, como um aprender a ler essa nova mídia. Assim, o computador deve estar inserido em atividades essenciais, tais como aprender a ler, escrever, compreender textos, entender gráficos, contar, desenvolver noções espaciais etc. E, nesse sentido, a Informática na escola passa a ser parte da resposta a questões ligadas à cidadania. (BORBA, 2001, p.17). A informática, e o computador, em particular, são instrumentos válidos de inovação tecnológica em qualquer área onde se atua. Quem os utiliza consegue inseri-los em um processo educativo no qual sejam claros os objetivos, a metodologia e as modalidades de avaliação utilizada. Partindo deste pressuposto, a presença de computadores em sala de aula pode proporcionar grandes avanços no processo de ensino-aprendizagem. O interessante é que a educação tecnológica não precisa ter uma disciplina em especial, ela pode ser utilizada nas diversas disciplinas, cabe ao educador saber a melhor maneira de utilizá-la a seu serviço, porém isso implica na formação ou capacitação destes. Na Educação Matemática as

20 19 tecnologias podem ser utilizadas através de formas e modalidades diversas, tanto em trabalhos individuais como de grupo. De acordo com Morais: Ao nosso ver, as possibilidades postas pelas tecnologias da informação ampliam as perspectivas educativas, sobretudo no campo do desenvolvimento da comunicação, do diálogo, da ética, propiciando, quiça, integrações culturais e étnicas, criando, assim, as bases futuras da paz. (MORAIS, 2000, P.66). A descoberta das potencialidades do computador em Educação e na Educação Matemática deve ser sempre considerada em relação à sua aplicação a um campo específico de atividade. Assim sendo, verificar onde é possível utilizar o computador e como usá-lo: elaborar programas didáticos buscando soluções para problemas complexos da Matemática, utilizar jogos educativos, divertir-se em atividades criativas, explorar as potencialidades das máquinas em redes como a Internet ou utilizar o computador para criar desenhos, manipular imagens, gerar sons, gráficos, etc. Programas didáticos que exploram ao máximo os recursos de multimídia (sons, vídeos, desenhos, cores, animação), revelam-se, sobretudo entre adolescentes e crianças, excelente fonte de motivação e de complementação de aprendizagem de complexos conteúdos de Matemática, por promoverem atividades criativas, interativas e de feedback imediatos ao aluno e ao professor. Segundo COBURN [et al.] (1988, p. 227), os educadores das escolas alfabetizadas em informática usarão os computadores de várias formas, como utilizam atualmente as linguagens: para o ensino, para a motivação, para estimular, entreter e fornecer explicações. É importante observarmos que o processo de ensino é constituído por diversas atividades que deverão ser organizadas pelo professor, visando a assimilação, por parte dos alunos, de conhecimentos, habilidades e hábitos, do desenvolvimento de suas capacidades intelectuais, objetivando sempre o domínio dos conhecimentos e habilidades e suas diversas aplicações. A tecnologia traz benefícios, mas também poderá ser vista como prejudicial pelo seu mau uso. Valente relata que: O professor necessita ser formado para assumir o papel de facilitador da construção de conhecimento e deixar de ser o entregador da informação para o aprendiz. Isso significa ser formado tanto no aspecto computacional, de domínio do computador e dos diferentes softwares, quanto ao aspecto da integração do computador nas

21 20 atividades curriculares. O professor deve ter muito claro quando e como usar o computador como ferramenta para estimular a aprendizagem. (VALENTE, 1999, p. 109). Para que professores e alunos possam usufruir, plenamente dessa nova tecnologia, os mesmos devem conhecer suas potencialidades, assim como seus limites e serem conscientes das conseqüências de seus usos e eventuais abusos, uma vez que, para se obter um maior aproveitamento de instrumentos informáticos na Educação Matemática não é suficiente apenas saber utilizar os recursos de software e se manter atualizado com as últimas novidades da pesquisa científica, mas entender que a escolha crítica do momento e do modo como deve ser utilizado um instrumento tão potente e sofisticado como o computador pode propiciar grandes benefícios à Educação, da mesma forma que o seu uso abusivo e incorreto pode gerar verdadeiras distorções. De acordo com o autor José Armando Valente: Isso significa que, para o professor também, muito mais envolvimento e formação são necessários para que ele possa avaliar e usar em sua sala de aula, as novas aplicações computacionais. É fundamental que os educadores estejam conscientes das promessas e possibilidades da tecnologia do computador, para assegurarem uma escolha de qualidade a sua prática educacional. (VALENTE, 1999, p. 84). Podemos contar com inúmeros jogos e softwares, que cultivam no ambiente educacional uma prazerosa aliança entre diversão e aprendizado. Programas de processamento de texto, planilhas, manipulação de banco de dados, construção e transformação de gráfico, calculadores numéricos, são aplicativos extremamente úteis tanto ao aluno quanto ao professor. Talvez estas ferramentas constituam uma das maiores fontes de mudança do ensino e do processo de manipular informação. As modalidades de softwares educativos descritas acima podem ser caracterizadas como uma tentativa de computadorizar o ensino tradicional.

22 21 4 Conceitos de Cálculo Integral e alguns comandos básicos do Software Maple O Cálculo Integral é disciplina de grande importância, aparecendo em várias grades curriculares de diferentes cursos do ensino superior. Dedica-se ao estudo de taxas de variação de grandezas e a acumulação de quantidades, onde há movimento ou crescimento e onde forças variáveis agem podendo produzir aceleração. O estudante de cálculo deve ter um conhecimento prévio de matemática básica como: funções, algebra, geometria e trigonometria, pois estas são ferramentas básicas do cálculo. A integral definida, estabelece limites de integração, ou seja, é um processo estabelecido entre dois intervalos bem definidos, daí o nome integral definida. Segundo Mariani (2005) b f (x) dx = F(b) F(a). a a integral definida da função f(x) para a x b é calculada por Tomando como base a funcionalidade do software Maple, objetiva-se destacar e analisar aspectos que não conseguiríamos fazer em sala de aula simplesmente usando o quadro-negro. Para melhor entender e compreender a questão de funcionalidade apresenta-se uma proposta pedagógica para a exploração de conceitos do Cálculo Integral. Neste trabalho, serão propostos alguns cálculos de integrais definidas utilizando o método de Riemann pelos extremos direito, esquerdo e pelo ponto médio. A soma de Riemann se caracteriza de maneira geral como sendo a soma das áreas de n retângulos. O objetivo é mostrar a facilidade de cálculo com o método de Riemann usando o software Maple, sendo que somente com giz e quadro-negro seria impossível calcularmos como por exemplo a soma para 50 retângulos ou até mesmo 1000 retângulos. Também será discutido qual aproximação (esquerda, direita ou ponto médio) é mais eficiente para o cálculo da área sob a curva. O ambiente computacional criado não tem a intenção de diminuir a importância das aulas teóricas uma vez que esse ambiente computacional é apenas uma ferramenta para o aluno aplicar os conceitos vistos em sala de aula. O software Maple é desenvolvido pela Universidade de Waterloo, Canadá, e pelo Instituto Federal de Tecnologia de Zurique (ETH), Suiça. O Maple é um sistema de álgebra computacional comercial de uso genérico, um ambiente de matemática completo para a

23 22 resolução de problemas que possui uma grande variedade de operações matemáticas como: álgebra simbólica, análise numérica, gráficos, além de resolver equações diferenciais, integração, derivação, e qualquer outro assunto que envolva cálculos matemáticos. De acordo com Mariani: [...] Um sistema de computação algébrica, númerica e gráfica desenvolvido para uso profissional na resolução de problemas que exigem métodos matemáticos. Ao abrir o Maple, é apresentada uma folha de trabalho, na qual pode-se acionar funções do aplicativo, produzir textos, hipertextos, cálculos, obter gráficos e animações,[...] (MARIANI 2005, p.02). A escolha do software MAPLE se deu visto às potencialidades que o mesmo oferece para os conteúdos que normalmente são trabalhados nas disciplinas chamadas de Cálculo Diferencial e Integral. Para o desenvolvimento das atividades foi utilizado o MAPLE 9.01, para o sistema operacional Windows. Nas atividades propostas vamos utilizar o pacote Student, onde a palavra with deve antecedê-la para que o pacote seja carregado, ou seja, with(student). O pacote Student será utilizado nas atividades propostas. Alguns dos pacotes que o Maple contém e suas finalidades segundo a autora Viviana Cocco Mariani (2005): Pacotes DEtools Difforms Finace Plots Stats Student Sumtool Funcionalidades equações diferenciais formas diferenciais matemática financeira gráficos estatística cálculo Somas indefinidas e definidas Figura 11: Alguns pacotes que o Maple contém e suas finalidades Fonte: MARIANI (2005) Para que o desenvolvimento das atividades seja significativo serão apresentados aos alunos alguns comandos básicos do software que serão utilizados:

24 23 Comandos Funcionalidades + Adição - Subtração * Multiplicação / Divisão ^ Potenciação ** Potenciação sqrt Raiz quadrada int(f(x),x=a..b); calcula a integral definida de uma função f de variável x, com x variando de a até b. Int escreve o símbolo de integração. f:=x->f(x) escreve a função plot(f(x),x=a..b,y=b..c) desenha o gráfico da função Figura 12: Alguns comandos básicos do software maple Fonte: MARIANI (2005) O pacote student possui seis funções relacionadas com as somas de Riemann de uma função f (x) em um intervalo [a,b], que são: Comandos Funcionalidades leftbox(f(x), x=a..b, n); mostra o gráfico da função com o número de retângulos pedido pelo extremo esquerdo leftsum(f(x), x=a..b, n); aproximação numérica da integral pelo extremo esquerdo rightbox(f(x), x=a..b, n) mostra o gráfico da função com o número de retângulos pedido pelo extremo direito rightsum(f(x), x=a..b, n) aproximação numérica da integral pelo extremo direito middlebox(f(x), x=a..b, n) mostra o gráfico da função com o número de retângulos pedido pelo ponto médio middlesum(f(x), x=a..b, n) aproximação numérica da integral pelo ponto médio Figura 13: Comandos do software Maple relacionadas com a soma de Riemann Fonte: MARIANI (2005) O símbolo # é utilizado para colocar algum comentário, o que vem depois deste símbolo não é levado em consideração pelo Maple como comando. Com o comando evalf(%) retorno o valor calculado usando uma quantidade de dígitos após a vírgula conforme fixado (solicitado). O símbolo % seguido junto com o comando evalf substitui a escrita da última função explorada e o comando restart limpa a memória interna usada pelo Maple para armazenar cálculos.

25 24 Salienta-se que ao encontrar uma falha em um comando que pode ser decorrente a um erro de digitação, o Maple responde com uma mensagem de erro escrita na cor azul. A mensagem indica o tipo de falha e o cursor localiza a primeira falha. Uma vez inicializado o Maple, aparecerá uma janela conforme ilustra a figura 11. Nela os símbolos, [> indicam a linha de digitação dos comandos ou também chamada prompt. Todo comando deve ser finalizado com ponto e vírgula (;), para que o resultado apareça, ou dois pontos não aparecer na folha de trabalho o resultado, ou seja, o Maple executa e guarda na memória e em seguida teclando-se Enter, conforme mostrada na figura 14. Figura 14: Janela de comandos do Maple

26 25 5 Integral definida calculada pela Soma de Riemann Em matemática, uma soma de Riemann é um método para aproximação da área total inferior à curva em um gráfico, de outro modo conhecida como uma integral. Pode também ser usada para definir a operação integração. O método é nomeado em relação ao matemático alemão Bernhard Riemann. A sugestão de atividade pode ser iniciada desafiando os alunos a construirem o gráfico de uma determinada função, utilizando os comandos do Maple apresentados anteriormente. Uma forma para construir um gráfico é utilizando o comando f:=x->f(x) que escreverá a função e o comando plot(f(x),x=a..b,y=b..c), que desenhará o gráfico da função, conforme ilustra a figura 15. FIGURA 15: Gráfico da funçãof(x)=x²+10

27 26 Se o aluno não digitar o pacote with(student) o software não reconhece o comando digitado e conseqüentemente não irá construir o gráfico conforme figura 16. Figura 16: Resultado do comando leftbox, sem que o aluno tenha digitado o pacote with(student) Em um segundo momento após os alunos terem conhecimento do comando leftbox e de que n corresponde ao número de retângulos, será solicitado para que construam o gráfico da função f(x)=x²+10, para n=10 e após para n=50, conforme figuras 17 e 18. Os alunos também deverão associar o resultado calculado pelo comando evalf(%) como sendo a soma das áreas dos retângulos, ou seja, a área sob a curva.

28 Figura 17: Gráfico da f(x)=x²+10 pelo extremo esquerdo, para n=10 27

29 28 Figura 18: Gráfico da f(x)=x²+10 pelo extremo esquerdo, para n=50 O que pode-se observar em relação a soma das áreas dos 10 retângulos em relação a soma das áreas dos 50 retângulos? Lembrando que estamos trabalhando com a aproximação pelo extremo esquerdo. Espera-se que o aluno responda que a soma das áreas aumentou, pois diminuiu o espaçamento entre a curva e os retângulos. Para um terceiro momento, pede-se para que os alunos verifiquem qual comando devemos utilizar para que o cálculo seja efetuado pelo extremo direito, ilustrado nas figuras 19 e 20, considerando os mesmos números de retângulos da atividade anterior, ou seja, n=10 e n=50.

30 Figura 19: Gráfico da f(x)=x²+10 pelo extremo direito, para n=10 29

31 30 Figura 20: Gráfico da f(x)=x²+10 pelo extremo direito, para n=50 Observa-se neste caso que se aumentado o número de retângulos o valor da área tende a diminuir, isto porque, pelo extremo direito calcula-se uma área maior que a área sob a curva, diferente do cálculo pelo extremo esquerdo. Em um quarto momento, solicitar para que os alunos calculem a área utilizando o comando middlebox, ou seja, pelo ponto médio, novamente considerando o mesmo número de retângulos das atividades anteriores, conforme ilustrado nas figuras 21 e 22.

32 Figura 21: Gráfico da f(x)=x²+10 pelo ponto médio, para n=10 31

33 32 Figura 22: Gráfico da f(x)=x²+10 pelo ponto médio, para n=50 Pode-se perguntar aos alunos: se aumentado o número de retângulos para 1000, o valor das áreas pelas aproximações será o mesmo? Pedir para que os mesmos justifiquem a resposta utilizando o software, pois utilizando-o para a construção dos gráficos os alunos podem ter uma melhor visualização dos resultados. Espera-se que pelas experimentações e visualizações, os alunos cheguem à conclusão de que o valor das áreas tende a um único número, mas não chegam a ele, ficam próximos a 423. Em virtude da realização dos exercícios no software Maple, é importante que o professor auxilie os alunos para que não fique dúvida sobre o uso do software. Utilizando o conceito de integral, para a atividade seguinte os alunos podem ser desafiados a construírem uma tabela, calculando a área de cada retângulo, pelas aproximações pelo extremo esquerdo, direito e ponto médio. Segundo Anton: os cálculos aqui envolvem somente a soma dos valores da função em n pontos, seguido por uma multiplicação por x. Os pontos x1, x2,,...,xn podem ser arbitrariamente escolhidos nos subintervalos; porém as escolhas mais comuns sãoos

34 33 extremos esquerdo e direito ou centro do intervalo, e em cada caso a fórmula é chamada de aproximação pelo extremo esquerdo, pelo extremo direito ou pelo ponto médio da área exata. ANTON (2000, p.406) As aproximações feitas pelo extremo esquerdo, direito e pelo ponto médio da área sob a curva y=x²+10 no intervalo [1,10], com n=10, n=50 e n = 1000, foram calculadas com o método computacional, conforme vistos nos gráficos anteriores, porém conseguimos calcular a área de cada retângulo e conseqüentemente a soma das áreas dos retângulos pelas diferentes aproximações, conforme figura 23. Os resultados de todos os cálculos estão na figura 24. Aprox. pelo extremo Aprox. pelo extremo Aprox. pelo ponto médio esquerdo direito n xn (xn)²+10 xn (xn)²+10 xn (xn)² ,9 13,61 1,45 12, ,9 13,61 2,8 17,84 2,35 15, ,8 17,84 3,7 23,69 3,25 20, ,7 23,69 4,6 31,16 4,15 27, ,6 31,16 5,5 40,25 5,05 35, ,5 40,25 6,4 50,96 5,95 45, ,4 50,96 7,3 63,29 6,85 56, ,3 63,29 8,2 77,24 7,75 70, ,2 77,24 9,1 92,81 8,65 84, ,1 92, ,55 101, , , ,325 (0,9)(421,85000 (0,9)(520,850000) (0,9)(469,325) x ( fx n ) 0) i = 1 379, , , Figura 23: Detalhes dos cálculos no caso n=10

35 34 n (número de Aprox. pelo Aprox. pelo Aprox. pelo ponto retângulos) extremo esquerdo extremo direito médio Figura 24: Valor das áreaa em função do número de retângulos Segundo Anton (2000, p.407) cada aproximação pelo extremo esquerdo superestima a área, enquanto que aquela do extremo direito subestima-a e cada aproximação pelo ponto médio fica entre a subestimativa e superestimativa. Os alunos deverão perceber então que a soma de Riemann com a aproximação pelo ponto médio quando n cresce (n igual ao número de retângulos) a soma das áreas dos retângulos tende a área exata sob a curva, ou seja, é mais eficiente do que as outras. Espera-se que se não todos, a maioria dos alunos, entendam o conceito de integral definida a qual fornece a área entre o gráfico da função e o eixo do x, pois quando o número de retângulos tende a infinito e as suas larguras tendem a zero, a aproximação do valor desta área tende para o valor exato da área sob a curva, e esse número chama-se integral de f de a até b e é indicado por: b n a f ( x) dx = lim ( fx n ). x = x.[ f ( x1) + f ( x2) f ( xn) n i = 1 onde: b a x = n Será solicitado aos alunos que utilizem os comandos fornecidos pelo software para o cálculo da integral da função trabalhada, com a intenção de que os mesmos calculem o valor exato sob a curva, formalizando então o conceito de integral. A integral definida de acordo com Mariani (2005, p.185) [...] é o valor da área, entre a curva e o eixo dos x, quando o número de retângulos tende a infinito. Para o cálculo da integral definida é necessário especificar o intervalo de integração. O software Maple consegue calcular essa área exata. O comando Int escreve o símbolo de integração. A função

36 35 int, disponível no pacote student, calcula a integral. Se a integral for definida, então o comando int dará o valor exato desta integral, conforme figura 25. Figura 25: Valor exato da área sob a curva utilizando o cálculo de integral definida Pode-se concluir então que, a área exata sob a curva é 423 unidades quadradas e que quando n o limite da soma de Riemann com n subintervalos é igual à integral de x²+10 no intervalo [1,10], ficando plenamente satisfatório se realizado o cálculo pela aproximação pelo ponto médio. A integral da função trabalhada f(x)=x²+10 que é bem b simples, pode ser facilmente calculada por f (x) dx = F(b) F(a), obtendo o mesmo resultado. Agora o aluno pode ser qustionado com: se tivermos uma função mais complicada como f(x)=sen(2x)+cos(2x)+2, qual seria o valor da área sob a curva? a Aplicando os comandos ja conhecidos, o software nos da o recurso para calcularmos a área de uma função que aparentemente seria mais complicada se fosse calculada no caderno (escrita). De acordo com a figura 26, podemos observar o comportamento da função e o valor da área sob a curva pelo cálculo de integral da função.

37 36 Figura 26: Gráfico da f(x)=sen(2x)+cos(2x)+2 Calculando pela soma de Riemann pela aproximação pelo ponto médio, como já estudado e, utilizando a soma da área de 100 retângulos pode-se obter a área aproximada desta função, observe na figura 27.

38 37 Figura27: Gráfico da f(x)=sen(2x)+cos(2x)+2, para n=100 Para finalizar estas atividades podemos concluir que o uso do computador como ferramenta no ensino, é uma das alternativas mais poderosas para ensino moderno, principalmente aqueles que envolvem modelos matemáticos. Foram desenvolvidos vários softwares nessa direção e um deles é o Maple que tem uma capacidade extraordinária de lidar com os mais diversos conteúdos matemáticos. Nas atividades propostas, apresentou-se um pouco do software Maple e sua utilização no cálculo de integral definida. Espera-se que se aplicadas estas atividades de um modo correto pelo professor possamos ajudar o aluno na compreensão e assimilação de integrais definidas, e também talvez mostrar ao aluno um caminho que certamente facilitará sua vida acadêmica de um modo geral, tornando as aulas mais dinâmicas e não somente no quadro negro como são as aulas tradicionais.

39 38 6 CONCLUSÃO Atualmente o trabalho docente deve assumir uma perspectiva a qual incorpora novas possibilidades teórico-metodológicas e que considerem as Tecnologias da Informática e Comunicação (TICs) para a exploração, construção disseminação do conhecimento. Cabe ao professor investigar como utilizá-las e torná-las parte do processo educativo, criando novos contextos para que os alunos possam transformar informações e experiências compartilhadas em conhecimentos. Espera-se que este trabalho ajude o professor refletir e repensar sob as dimensões pedagógicas e epistemológica da TICs. A proposta metodológica apresentada neste trabalho teve como intuito mostrar que o aluno do curso de graduação tem capacidade de absorver noções de cálculo de integrais definidas, utilizando-se da tecnologia, em especifico o computador/software. O principal objetivo hoje ao adaptar a informática ao currículo escolar esta na utilização do computador ou outro recurso tecnológico como instrumento de apoio as matérias e conteúdos lecionados, além da função de preparar os alunos para uma sociedade informatizada. A funcionalidade dos softwares é interagir como facilitador no que se refere ao ensino de cálculo de integral definida, pois normalmente o ensino deste conteúdo caracteriza-se de processos algébricos seguidos de exercícios, via de regras e de caráter repetitivo. Uma das possibilidades de modificar este quadro seria a utilização de tecnologias como ferramenta didática. O emprego do software neste caso, talvez liberte o aluno da execussão desses algoritmos e procedimentos demorados podendo ultrapassar o papel passivo de escutar, decorar e repetir ensinamentos do professor/mediador, e tornar-se criativo, critíco e atuante para produzir o conhecimento. O Maple aqui é apenas uma sugestão de programa que pode ser utilizado para dinamizar as aulas de cálculo. Com o uso do software o professor pode planejar atividades nos quais os alunos desenvolvam habilidades e práticas de visualização, simulação, experimentação, onde o mesmo poderá fazer conjecturas, formular e testar hipóteses. O objetivo das atividades apresentadas é fazer com que o aluno seja capaz de entender conceito de integral definida utilizando a soma de Riemann pelo método das aproximações e que o mesmo visualize como é de fundamental importância o uso do software para que estes conceitos e aplicações fiquem mais clarividentes conseguindo e verificar qual seria o método das aproximações mais eficiente para calcular a área sob a curva. Essas experimentações são possíveis devido a flexibilidade do Maple. Com a utilização do software o interesse dos

40 39 alunos pelas aulas provavelmente será superior, sendo o conhecimento construído a partir do envolvimento dos alunos na solução do problema proposto. O ambiente informatizado é um diferencial, pois possibilita um substrato de ações que a aula convencional não proporciona. O contato com o software Maple, pode servir como um instrumento de facilitador da aprendizagem do Cálculo, desde que seja utilizado de forma adequada, como uma ferramenta de complementação, aperfeiçoamento e possível mudança na qualidade de ensino. Uma mudança resultante da própria modificação na qualidade de vida, pois, como sabemos, o computador é um recurso que, de uma forma ou de outra, já está presente no cotidiano dos alunos. Segundo a opinião dos autores consultados no decorrer deste trabalho a utilização das tecnologias educacionais no ensino deveria ter por objetivo dar maior agilidade, atualidade aos conteúdos, tornando as aulas mais dinâmicas e contextualizadas. No entanto, para que o computador cumpra o papel almejado no ensino da atividade proposta é necessário um cuidado, pois corre-se o risco de repetir os mesmos erros que o ensino tradicional vem cometendo e transformar as novas tecnologias em potencializadoras do fracasso no ensinoaprendizagem de Matemática. A idéia da utilização do software Maple em sala de aula está na linha dos que buscam, como propõem Borba e Penteado (2007), alterar práticas que subestimam a capacidade dos alunos. Queremos enfatizar que o interesse pelo computador está tanto na rapidez que ele pode oferecer ao realizar cálculos de rotina, quanto na atividade investigativa que ele possibilita e potencializa. O computador favorece uma maior possibilidade de identificação de regularidades rapidamente, o que leva a percepção de propriedades e o traçado de gráficos sofisticados. Além disso, possibilita também que o aluno visualize seu erro e interaja com base nele. Cabe ressaltar que a continuidade das pesquisas envolvendo ferramentas computacionais é de grande importância, pois se constitui em estudo atual e necessário não só em termos de aplicações específicas, mas como base para a discussão dos efeitos da sua utilização.

41 40 REFERÊNCIAS ANTON, Howard, Cálculo, um novo horizonte, Editora Bookman, Porto Alegre, ANTONIOLI, Leonardo, Estatísticas, dados e projeções atuais sobre a Internet no Brasil, Disponível em: os&itemid=62. Acessado em 03 maio BORBA, M. de C., PENTEADO, M. G., Informática e Educação Matemática, Belo Horizonte: Autêntica, COBURN, Peter [et.al], Informática na Educação, Rio de Janeiro: LTC, ENTENDENDO o computador: As linguagens do computador, São Paulo: Nova Cultura, A revolução dos computadores, São Paulo: Nova Cultura, INTER-PONTA INFORMÁTICA LTDA, Como surgiu a Internet. Disponível em: < Acesso em: 24 de abr MARINI, Viviana Cocco, Maple: fundamentos e aplicações, Rio de Janeiro: LTC, MORAES, Raquel de A., Informática na Educação, Rio de Janeiro: DP&A, NEPOMUCENO, Nivardo C., História da Internet. Disponível em < Acessado em: 05 maio PAPERT, Seymour, LOGO: Computadores e Educação, São Paulo: Brasiliense, VALENTE, José Armando, O computador na sociedade do conhecimento, Campinas: NIED, 1999.

42 41 ZEVALLOS, R. Jr, A história da Internet. Disponível em: catid=39:artigos&id=62:a-historia-da-internet. Acessado em 03 maio 2010.

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA. INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA. INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR FORATINI DE OLIVEIRA INTEGRANDO AS TICs NO ENSINO DE MATEMÁTICA IVINHEMA MS MAIO DE 2010 ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER-EXTENSÃO CLAUDEMIR

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE MAPLE NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE CÁLCULO

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE MAPLE NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE CÁLCULO UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE MAPLE NO ENSINO-APRENDIZAGEM DE CÁLCULO RESUMO Vanessa Mariani Neste trabalho foi investigado como a utilização do software Maple pode facilitar no ensino-aprendizagem de Matemática

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT Silmara Alexandra da Silva Vicente Universidade Presbiteriana Mackenzie Gisela Hernandes Gomes Universidade Presbiteriana

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

Cálculo do Volume de um Sólido de Revolução: Uma Atividade Usando os Softwares Graph e WxMaxima

Cálculo do Volume de um Sólido de Revolução: Uma Atividade Usando os Softwares Graph e WxMaxima Cálculo do Volume de um Sólido de Revolução: Uma Atividade Usando os Softwares Graph e WxMaxima Claudia Piva Depto de Física, Estatística e Matemática DeFEM, UNIJUÍ 98700-000, Ijuí, RS E-mail: claudiap@unijui.edu.br

Leia mais

CLUBE DE PROGRAMAÇÃO NAS ESCOLAS: NOVAS ERSPECTIVAS PARA O ENSINO DA COMPUTAÇÃO. IF Farroupilha Campus Santo Augusto; e-mail: joaowinck@hotmail.

CLUBE DE PROGRAMAÇÃO NAS ESCOLAS: NOVAS ERSPECTIVAS PARA O ENSINO DA COMPUTAÇÃO. IF Farroupilha Campus Santo Augusto; e-mail: joaowinck@hotmail. CLUBE DE PROGRAMAÇÃO NAS ESCOLAS: NOVAS ERSPECTIVAS PARA O ENSINO DA COMPUTAÇÃO WINCK, João Aloísio 1 RISKE, Marcelo Augusto 2 AVOZANI, Mariel 3 CAMBRAIA, Adão Caron 4 FINK, Marcia 5 1 IF Farroupilha Campus

Leia mais

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM Fernanda Maura M. da Silva Lopes 1 Lorena Luquini de Barros Abreu 2 1 Universidade Salgado de Oliveira/ Juiz

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS Educação Matemática na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental (EMEIAIEF) GT 09 RESUMO

Leia mais

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO José da Silva de Lima¹; José Rodolfo Neves da Silva²; Renally Gonçalves da Silva³; Alessandro Frederico da Silveira

Leia mais

USO DOS SOFTWARES GEOGEBRA E WXMAXIMA: COMO RECURSO METODOLÓGICO NO ENSINO DE MATEMÁTICA

USO DOS SOFTWARES GEOGEBRA E WXMAXIMA: COMO RECURSO METODOLÓGICO NO ENSINO DE MATEMÁTICA USO DOS SOFTWARES GEOGEBRA E WXMAXIMA: COMO RECURSO METODOLÓGICO NO ENSINO DE MATEMÁTICA Fernanda Caroline de Alcântara da Costa 1 Universidade Federal do Pará Fernandalcantara01@yahoo.com.br Aldo Moreira

Leia mais

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA Fernanda Mara Cruz (SEED/PR-PG-UFF) Introdução Os processos de ensinar e aprender estão a cada dia mais inovadores e com a presença de uma grande variedade

Leia mais

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática.

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática. DESAFIOS DO ENSINO DA INFORMÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES RESUMO Jéssyca Edly Messias Ribeiro (IFRN) jeh_edly@hotmail.com Jefferson Hernane da Silva

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

RESOLUÇÃO DE SITUAÇÕES-PROBLEMA EM TRIGONOMETRIA

RESOLUÇÃO DE SITUAÇÕES-PROBLEMA EM TRIGONOMETRIA ISSN 2316-7785 RESOLUÇÃO DE SITUAÇÕES-PROBLEMA EM TRIGONOMETRIA Priscila Sonza Frigo Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões- Campus Santiago E-mail: prisaninho@hotmail.com Franciele

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES LINEARES NO PLANO E O SOFTWARE GEOGEBRA

TRANSFORMAÇÕES LINEARES NO PLANO E O SOFTWARE GEOGEBRA TRANSFORMAÇÕES LINEARES NO PLANO E O SOFTWARE GEOGEBRA Débora Dalmolin Universidade Federal de Santa Maria debydalmolin@gmail.com Lauren Bonaldo Universidade Federal de Santa Maria laurenmbonaldo@hotmail.com

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Humanas e Jurídicas. Curso de Licenciatura em Pedagogia Disciplina: 7081006

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Humanas e Jurídicas. Curso de Licenciatura em Pedagogia Disciplina: 7081006 Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Humanas e Jurídicas Curso de Licenciatura em Pedagogia Disciplina: 7081006 Tecnologias da Comunicação e Informação na Educação Professora:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Vitor Cleton Viegas de Lima 1 Cristiane Camargo Aita 2 Daniele Pinto Andres 3 Resumo: este artigo tem por objetivo levantar

Leia mais

PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA

PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA José Erildo Lopes Júnior 1 juniormat2003@yahoo.com.br RESUMO Neste trabalho, vamos apresentar o conteúdo de ângulos, através

Leia mais

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES Marcos Aurélio Alves e Silva- UFPE/CAA Alcicleide Ramos da Silva- UFPE/CAA Jucélia Silva Santana- UFPE/CAA Edelweis José Tavares Barbosa- UFPE/CAA

Leia mais

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS VIANNA JÚNIOR INTERNET COMO INSTRUMENTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS VIANNA JÚNIOR INTERNET COMO INSTRUMENTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS VIANNA JÚNIOR INTERNET COMO INSTRUMENTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Lúcia Helena de Magalhães 1 Maria Cristina de Oliveira 2 Resumo Este artigo

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores, software livre e TIC s.

Palavras-chave: Formação de professores, software livre e TIC s. INFORMÁTICA EDUCATIVA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES EM UMA ESCOLA PÚBLICA: PROCESSOS DE POTENCIALIZAÇÃO DOS SABERES E PRÁTICAS Jardel Silva 1 Alex Sandro C. Sant Ana 2 RESUMO Aliada às discussões

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FORMANDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA O ACESSO A INTERNET: O CURSO DE WEB DESIGN E A

Leia mais

LOGO: Educação Matemática e Novas Tecnologias

LOGO: Educação Matemática e Novas Tecnologias LOGO: Educação Matemática e Novas Tecnologias Denice Aparecida Fontana Nisxota MEMEGAIS 1 denice@unemat.br, Adriana Cristina da SILVA 2 crystinaadri@hotmail.com Cleyton Borges dos SANTOS 3 cleyton.borges@gmail.com

Leia mais

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS Lucas Gabriel Seibert Universidade Luterana do Brasil lucasseibert@hotmail.com Roberto Luis Tavares Bittencourt Universidade Luterana do Brasil rbittencourt@pop.com.br

Leia mais

Fundamentos da Informática. História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br

Fundamentos da Informática. História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br Fundamentos da Informática História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br História da Computação Hoje em dia, os computadores estão presentes em nossa vida de uma forma nunca vista

Leia mais

CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA

CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA CONSTRUINDO A CIDADANIA POR MEIO DE TECNOLOGIAS COM ALUNOS DO EJA Neire Oliveira de Castro Souza 1 Lorrainy Dias Mendes 2 Airson José de Moraes Júnior 3 Neusa Elisa Carignato Sposito (Orientador) 4 RESUMO

Leia mais

INVESTIGAÇÕES MATEMÁTICAS SOBRE FUNÇÕES UTILIZANDO O WINPLOT

INVESTIGAÇÕES MATEMÁTICAS SOBRE FUNÇÕES UTILIZANDO O WINPLOT INVESTIGAÇÕES MATEMÁTICAS SOBRE FUNÇÕES UTILIZANDO O WINPLOT Luciano Feliciano de Lima Universidade Estadual de Goiás lucianoebenezer@yahoo.com.br Resumo: Esse minicurso tem por objetivo evidenciar possibilidades

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas DOMÍNIO E IMAGEM DE UMA FUNÇÃO: UMA ABORDAGEM POR MEIO DO JOGO BINGO DAS FUNÇÕES Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio (EMAIEFEM) GT 10 ADELSON CARLOS MADRUGA Universidade

Leia mais

SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA

SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA Ms. Jeferson Fernando de Souza Wolff RESUMO O computador, como ferramenta pedagógica para ensino e aprendizagem

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS EIXO TECNOLÓGICO:Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Física FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( x ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL.

A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL. A METODOLOGIA DE.ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS: INTERDISCIPLINARIDADE E O USO DA MATEMÁTICA FUNCIONAL. Wagner José Bolzan 1. Resumo Em minha dissertação de mestrado

Leia mais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais UNIPLAC fabiterezo@hotmail.com 1. Introdução Com o advento dos computadores, dos programas de desenho, das impressoras

Leia mais

FERREIRA, Ana Lúcia BRIZOLARA TRINDADE, Elaine ROCHA HUFFELL, Jefferson Lima BRAGA Maria Tereza Comunicação Oral RESUMO

FERREIRA, Ana Lúcia BRIZOLARA TRINDADE, Elaine ROCHA HUFFELL, Jefferson Lima BRAGA Maria Tereza Comunicação Oral RESUMO AS TECNOLOGIAS FAZENDO A DIFERENÇA NO DESEMPENHO ESCOLAR DOS ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS NA ESCOLA INSTITUTO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO ISABEL DE ESPANHA 28ª CRE FERREIRA, Ana Lúcia BRIZOLARA TRINDADE, Elaine

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS I Mostra de Iniciação Científica I MIC 23 e 24 de setembro de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

Leia mais

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico Vanessa Lopes da Silva 1 Leandro Marcon Frigo 2 Resumo A partir do problema dicotômico vivenciado pelo Ensino Técnico Integrado,

Leia mais

Núcleo de Informática Aplicada à Educação Universidade Estadual de Campinas

Núcleo de Informática Aplicada à Educação Universidade Estadual de Campinas Núcleo de Informática Aplicada à Educação Universidade Estadual de Campinas Resumo Tradicionalmente os alunos ingressantes no bacharelado de Ciência da Computação da UNICAMP aprendem a programar utilizando

Leia mais

Sinopse... 2. Saudação... 3. Internet... 6 a 11. Usenet... 12 a 13. Protocolo... 14 a 15. Navegador... 16 a 19. Web... 20

Sinopse... 2. Saudação... 3. Internet... 6 a 11. Usenet... 12 a 13. Protocolo... 14 a 15. Navegador... 16 a 19. Web... 20 ÍNDICE Sinopse... 2 Saudação... 3 Internet... 6 a 11 Usenet... 12 a 13 Protocolo... 14 a 15 Navegador... 16 a 19 Web... 20 Internet explorer... 21 a 27 Download.... 28 a 32 E-mail... 33 a 38 Exercícios...

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

EXPLORANDO A CONSTRUÇÃO DE MACROS NO GEOGEBRA

EXPLORANDO A CONSTRUÇÃO DE MACROS NO GEOGEBRA EXPLORANDO A CONSTRUÇÃO DE MACROS NO GEOGEBRA Valdeni Soliani Franco Universidade Estadual de Maringá vsfranco@uem.br Karla Aparecida Lovis Universidade Estadual de Maringá vsfranco@uem.br Resumo: Em geral,

Leia mais

Quem ainda não tem um, provavelmente já pensou ou está pensando em ter, seja para fins pessoais ou profissionais.

Quem ainda não tem um, provavelmente já pensou ou está pensando em ter, seja para fins pessoais ou profissionais. Você sabia que o Whatsapp está presente em quase 50% dos smartphones no Brasil? O aplicativo virou febre rapidamente, seguindo a tendência de crescimento anual das vendas de smartphones no país. Quem ainda

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA PELOS DOCENTES COMO UMA FERRAMENTA DE ENSINO

A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA PELOS DOCENTES COMO UMA FERRAMENTA DE ENSINO A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA PELOS DOCENTES COMO UMA FERRAMENTA DE ENSINO Maria Dasdores Vieira de França marri_ce@hotmail.com Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal de

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Edward Luis de Araújo edward@pontal.ufu.br Evaneide Alves Carneiro eva@pontal.ufu.br Germano Abud de Rezende germano@pontal.ufu.br

Leia mais

O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Prof. Leugim Corteze Romio Universidade Regional Integrada URI Campus Santiago-RS leugimcr@urisantiago.br Prof.

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

O USO DO EDITOR DE APRESENTAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES EDUCATIVAS

O USO DO EDITOR DE APRESENTAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES EDUCATIVAS O USO DO EDITOR DE APRESENTAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES EDUCATIVAS Mário Sérgio de Andrade Mendonça, mariomendonc@gmail.com Eduardo Machado Real, eduardomreal@uems.br UEMS Universidade Estadual

Leia mais

Escola EB 2,3 de António Feijó

Escola EB 2,3 de António Feijó AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ANTÓNIO FEÍJO Escola EB 2,3 de António Feijó 8.º ANO PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL Tecnologias de Informação e Comunicação Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO Domínio Conteúdos Objetivos

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas.

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas. PALAVRA DO COORDENADOR Estimado, aluno(a): Seja muito bem-vindo aos Cursos Livres do UNIPAM. Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos

Leia mais

O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP

O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP INTRODUÇÃO O que seria a utilização do computador na educação de maneira inteligente? Seria fazer aquilo que o professor faz tradicionalmente

Leia mais

SOFTWARE HAGÁQUÊ: FERRAMENTA PEDAGÓGICA DE AUXÍLIO AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM COMO PRÁTICA INOVADORA

SOFTWARE HAGÁQUÊ: FERRAMENTA PEDAGÓGICA DE AUXÍLIO AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM COMO PRÁTICA INOVADORA SOFTWARE HAGÁQUÊ: FERRAMENTA PEDAGÓGICA DE AUXÍLIO AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM COMO PRÁTICA INOVADORA Marília Gerlane Guimarães da Silva graduanda UEPB mariliagerlany@hotmail.com Jocélia Germano

Leia mais

EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA

EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA ISSN 2177-9139 EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA. Caroline Conrado Pereira 1 caroline_conrado@ymail.com Centro Universitário Franciscano, Rua Silva Jardim, 1175 Santa

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM Justificativa ABREU,Tamires de Sá 1 BARRETO, Maria de Fátima Teixeira² Palavras chave: crenças, matemática, softwares, vídeos.

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

VENCENDO DESAFIOS NA ESCOLA BÁSICA... O PROJETO DE OFICINAS DE MATEMATICA

VENCENDO DESAFIOS NA ESCOLA BÁSICA... O PROJETO DE OFICINAS DE MATEMATICA VENCENDO DESAFIOS NA ESCOLA BÁSICA... O PROJETO DE OFICINAS DE MATEMATICA Thayza Ferreira Cabral MATOS; Elinéia Pereira VAILANT; Carla Michelle de Lima SOUZA; Weslley de Castro ALVES; Adriana Aparecida

Leia mais

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 AVALIAÇÃO DO USO DO SOFTWARE GEOGEBRA NO ENSINO DE GEOMETRIA: REFLEXÃO DA PRÁTICA NA ESCOLA. Eimard Gomes Antunes

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

Mestre Profissional em Ensino de Matemática pela PUC-SP; emaildaraquel@uol.com.br 2

Mestre Profissional em Ensino de Matemática pela PUC-SP; emaildaraquel@uol.com.br 2 Estudo da reta em geometria analítica: uma proposta de atividades para o Ensino Médio a partir de conversões de registros de representação semiótica com o uso do software GeoGebra Raquel Santos Silva 1

Leia mais

UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ

UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ ISSN 2316-7785 UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ Marinela da Silveira Boemo Universidade Federal de Santa Maria marinelasboemo@hotmail.com Carmen Reisdoerfer Universidade

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Estrutura do IP... 3 1.3 Tipos de IP... 3 1.4 Classes de IP... 4 1.5 Máscara de Sub-Rede... 6 1.6 Atribuindo um IP ao computador... 7 2

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO ESPECIALIZAÇÃO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO VÂNIA RABELO DELGADO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO ESPECIALIZAÇÃO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO VÂNIA RABELO DELGADO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO ESPECIALIZAÇÃO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO VÂNIA RABELO DELGADO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI UTILIZAÇÃO DO LABORATORIO DE INFORMÁTICA Guarapuava 2013

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA ISSN 2177-9139 UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Natanna Silva Dutra natannabg@hotmail.com Fundação Universidade Federal do Pampa, Campus Bagé, 96413-170 Bagé, RS, Brasil Nathália Cabral

Leia mais

AULA COM O SOFTWARE GRAPHMATICA PARA AUXILIAR NO ENSINO E APRENDIZAGEM DOS ALUNOS

AULA COM O SOFTWARE GRAPHMATICA PARA AUXILIAR NO ENSINO E APRENDIZAGEM DOS ALUNOS AULA COM O SOFTWARE GRAPHMATICA PARA AUXILIAR NO ENSINO E APRENDIZAGEM DOS ALUNOS Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 Manoel Luiz de Souza JÚNIOR Universidade Estadual

Leia mais

Palavras-chave: AVA, informática, matemática e aprendizagem.

Palavras-chave: AVA, informática, matemática e aprendizagem. INTEGRAÇÃO ENTRE MATEMÁTICA E INFORMÁTICA EM AMBIENTES VIRTUAIS Solange Sardi Gimenes Washington Romao Dos Santos Jonathan Toczek RESUMO A Informática oferece recursos que auxiliam na aprendizagem, tornando

Leia mais

SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA

SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA Aula 7 SOFTWARES DE SIMULAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA META Discutir a utilização de softwares no ensino de Química. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Através da utilização do software carbópolis,

Leia mais

O USO DE SOFTWARES EDUCATIVOS: E as suas contribuições no processo de ensino e aprendizagem de uma aluna com Síndrome de Down

O USO DE SOFTWARES EDUCATIVOS: E as suas contribuições no processo de ensino e aprendizagem de uma aluna com Síndrome de Down O USO DE SOFTWARES EDUCATIVOS: E as suas contribuições no processo de ensino e aprendizagem de uma aluna com Síndrome de Down Ana Paula de Oliveira Schmädecke 1 Andreia dos Santos Dias 2 Resumo: Este trabalho

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

Introdução ao GeoGebra

Introdução ao GeoGebra Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Introdução ao GeoGebra Prof. Dr. José Carlos de Souza Junior AGOSTO 2010 Sumário 1 Primeiros Passos com o GeoGebra 4 1.1 Conhecendo o Programa............................

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA IV Congresso RIBIE, Brasilia 1998 CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA Cristina Vermelho, Glaucia da Silva Brito, Ivonélia da Purificação

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

O computador como ferramenta de Inclusão digital para terceira idade

O computador como ferramenta de Inclusão digital para terceira idade O computador como ferramenta de Inclusão digital para terceira idade Amélia Maria Rodrigues Oliveira Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) amelia.amiga@hotmail.com Joelson Alves Soares Universidade Estadual

Leia mais

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA Resumo: O programa traz uma síntese das questões desenvolvidas por programas anteriores que refletem sobre o uso de tecnologias

Leia mais

ebook Aprenda como aumentar o poder de captação do seu site. por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação

ebook Aprenda como aumentar o poder de captação do seu site. por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação Sobre o Autor: Sempre fui comprometido com um objetivo de vida: TER MINHA PRÓPRIA EMPRESA. Mas assim como você, eu também ralei bastante

Leia mais

O ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA COM TECNOLOGIAS: UM ESTUDO COM PROFESSORES DE UM GRUPO DE FORMAÇÃO CONTINUADA

O ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA COM TECNOLOGIAS: UM ESTUDO COM PROFESSORES DE UM GRUPO DE FORMAÇÃO CONTINUADA O ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA COM TECNOLOGIAS: UM ESTUDO COM PROFESSORES DE UM GRUPO DE FORMAÇÃO CONTINUADA GT 06 Formação de professores de matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA

JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA Valinhos, setembro de 2014 1 JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA Relato do Projeto

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores Profª Levany Rogge Os softwares são considerados programas educacionais a partir do momento em que são projetados através de uma metodologia que os contextualizem no processo ensino-aprendizagem; Tajra

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel *

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * material do 2010* 1.0 Introdução O Excel nos ajuda a compreender melhor os dados graças à sua organização em células (organizadas em linhas e colunas) e ao uso

Leia mais

UTILIZANDO PROGRAMAS EDUCACIONAIS

UTILIZANDO PROGRAMAS EDUCACIONAIS LINUX EDUCACIONAL UTILIZANDO PROGRAMAS EDUCACIONAIS PROFESSOR GERSON VALENCIO Caro professor: As novas Tecnologias de Informação e Comunicação(TICs) estão mudando nossa forma de pensar, agir, relacionar-se,

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO Caro(a) aluno(a), seja bem-vindo às Disciplinas Online da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Bom Despacho e Faculdade de Educação de Bom Despacho. Em pleno século 21, na era digital, não poderíamos

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Visão Geral da Tecnologia da Informação I. Prof. Hugo Souza

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Visão Geral da Tecnologia da Informação I. Prof. Hugo Souza Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Visão Geral da Tecnologia da Informação I Prof. Hugo Souza Voltando alguns [vários] anos atrás, teremos uma breve revisão sobre a história e a contextualização do

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais José Moran Pesquisador, Professor, Conferencista e Orientador de projetos inovadores na educação. Publicado em: SILVA, Marco & SANTOS, Edméa (Orgs).

Leia mais