AVALIAÇÃO DAS ADAPTAÇÕES REALIZADAS NA INFRA- ESTRUTURA DO CAMPUS DA UFSCAR, SEGUNDO A PERCEPÇÃO DAS PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA FÍSICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DAS ADAPTAÇÕES REALIZADAS NA INFRA- ESTRUTURA DO CAMPUS DA UFSCAR, SEGUNDO A PERCEPÇÃO DAS PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA FÍSICA"

Transcrição

1 I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO julho 2004, São Paulo. ISBN AVALIAÇÃO DAS ADAPTAÇÕES REALIZADAS NA INFRA- ESTRUTURA DO CAMPUS DA UFSCAR, SEGUNDO A PERCEPÇÃO DAS PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA FÍSICA RESUMO Marcos Antonio Garcia Ferreira (1); Suely da Penha Sanches (2) (1) Universidade Federal de São Carlos, (2) Universidade Federal de São Carlos, Este trabalho apresenta os resultados de uma pesquisa realizada no Campus a Universidade Federal de São Carlos, na cidade de São Carlos, SP, visando avaliar, do ponto de vista dos usuários, as intervenções realizadas na infra-estrutura do campus com a finalidade de melhorar a acessibilidade dos portadores de deficiência física. O trabalho foi desenvolvido nas seguintes etapas: (a) mapeamento dos locais do Campus da UFSCar que oferecem serviços assistenciais à comunidade; (b) localização e identificação dos tipos de intervenções executadas nestes locais visando facilitar a acessibilidade das pessoas e (c) realização de entrevistas com um grupo de portadores de deficiência física para obter a opinião dessas pessoas sobre as adaptações implantadas. A análise das respostas obtidas permitiu concluir que, no geral, as intervenções realizadas não atendem às necessidades dos portadores de deficiência. Foram resolvidos (em parte) alguns problemas pontuais de acessibilidade mas não houve preocupação com a continuidade da movimentação, fazendo com que o caminho seja interrompido e com muitas barreiras. Verificou-se também uma grande satisfação por parte dos entrevistados por poderem opinar e reivindicar melhores condições de acessibilidade. Palavras-chave: acessibilidade, portadores de deficiência 1. INTRODUÇÃO A Declaração Universal dos Direitos Humanos, proclamada pela ONU (Organizações das Nações Unidas) em 1948, preconiza princípios de direito de igualdade entre todos os seres humanos. Dentre estes princípios, pode-se destacar o direito de ir e vir e a acessibilidade a todos os bens e serviços oferecidos, incluindo os espaços urbanos. No Brasil, a garantia destes direitos para as pessoas portadoras de algum tipo de deficiência física ou com dificuldade de locomoção, é resultado de um processo histórico que envolveu diversas reivindicações e que somente foi discutida e garantida 40 anos depois da promulgação do documento da ONU, durante a instalação da Assembléia Constituinte, num capítulo destinado à Reforma Urbana. No entanto, a prática destes direitos ainda não está em vigor. O que se observa é que grande parte das pessoas portadoras de algum tipo de deficiência ou com dificuldade de locomoção fica excluída do ambiente onde vive, não freqüenta regularmente uma escola, não tem acesso ao trabalho, lazer e, em alguns casos, não consegue ter acesso ao serviço de saúde. Apesar de considerar que a realidade brasileira ainda apresenta problemas de ordem econômica e social que muito prejudicam a eficiência da integração e real participação destas pessoas na sociedade, medidas reparadoras precisam ser tomadas urgentemente e devem levar em consideração os conceitos de acessibilidade universal e holística para a remoção de todas as barreiras que dificultam esta integração desejada.

2 Inúmeras são as barreiras que as pessoas com algum tipo de deficiência física ou com dificuldade de locomoção têm que enfrentar, no seu dia a dia. Elas podem ser de diversos tipos, dentre as quais as mais difíceis de serem transpostas são: as sociais, as econômicas, as atitudinais e as arquitetônicas. De todas estas barreiras, as arquitetônicas são as mais excludentes, pois podem se tornar verdadeiros obstáculos, principalmente quando presentes em empreendimentos de uso público, e acabam segregando e discriminando os usuários, negando-lhes a possibilidade de utilizá-los. Em decorrência desses fatos, raramente se vê um portador de deficiência em locais públicos tentando circular com independência, o que acaba revelando uma falsa idéia de que esse grupo especial de usuários é tão pequeno que não se justifica investir em adaptações, equipamentos e acessos exclusivos. Atualmente, com a participação efetiva de grupos organizados e organizações não-governamentais nos assuntos relacionados à estruturação das políticas urbanas, a sociedade começa a tomar consciência dos direitos das pessoas portadoras de deficiência. Medidas para promover a real participação e integração na sociedade dessas pessoas começam a ser tomadas, o que pode resultar em uma mudança do quadro de exclusão. Pode-se notar também a atuação de algumas administrações públicas locais no desenvolvimento de programas e projetos específicos, sobretudo em relação à adaptação dos ambientes construídos das cidades. Dentre algumas das experiências, destacam-se as soluções de acessibilidade em transporte, a implantação de programas voltados para a humanização de espaços de lazer, as adaptações para melhorar a acessibilidade desses usuários por meio da construção de rampas, as adaptações dos mobiliários urbanos e a criação de vagas especiais de estacionamento para portadores de deficiências. Não basta simplesmente desenvolver projetos e executar obras com o objetivo de facilitar a vida das pessoas com algum tipo de deficiência. É importante que existam diretrizes para a implantação de um programa que possa avaliar as intervenções urbanísticas, os meios de transporte disponibilizados, as adaptações implementadas nas edificações de uso público ou privado e todas as outras facilidades oferecidas, também sob o ponto de vista dos usuários. O objetivo deste trabalho é avaliar, segundo a percepção das pessoas portadoras de deficiência física, as adaptações realizadas em diversos locais da infra-estrutura do Campus da UFSCar, visando à melhoria da acessibilidade às dependências utilizadas por estes usuários. 2. CONCEITUAÇÃO Este trabalho trata do problema de acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência física. Assim, entende-se por pessoa portadora de deficiência física qualquer indivíduo que, devido a uma invalidez ou doença, perde ou reduz sua capacidade motora, o que impossibilita ou dificulta seu deslocamento de maneira segura e independente pelos espaços urbanos. ão exemplos as pessoas usuárias de cadeirade-rodas (cadeirantes) e aquelas que se locomovem com o auxílio de próteses, bengalas e muletas (pessoas com dificuldade de locomoção). Segundo a ONU, uma pessoa portadora de deficiência é qualquer indivíduo incapaz de assegurar por si mesmo, total ou parcialmente, as necessidades de uma vida individual ou social normal, em decorrência de uma deficiência congênita ou não, temporária ou permanente, em suas capacidades físicas, sensoriais ou mentais (Declaração dos Direitos das Pessoas Deficientes, ONU, 1975). Essa deficiência poderá levar ou não a uma incapacidade, ou seja, a uma situação de desvantagem ou de inferioridade. Em 1981, com a instituição do Ano Internacional das Nações Unidas para Pessoas Portadoras de Deficiências Físicas, começou-se a desenvolver o conceito de que havia uma única população com uma gama de capacidades, sendo as limitações ou incapacidades provocadas tanto pela situação como pela capacidade física das pessoas. Essa mudança de percepção sobre a população com deficiência física levou a um serviço de transporte que atendesse à maior parcela possível da população. Também mudou a percepção da importância da corrente de conexões de transporte da origem ao destino. Segundo Mitchel e Smith (2001), fazer acessível apenas uma das conexões terá pouco efeito se as outras conexões permanecerem inacessíveis. A legislação brasileira que visa oferecer proteção legal ao portador de deficiência nem sempre é eficiente, pois regulamenta a matéria por meio de leis, decretos, portarias e resoluções específicas para

3 cada tipo de deficiência. Já as normas técnicas, baseadas em resultados conjuntos da ciência, da tecnologia e da experiência, fixam padrões e medidas que visam proporcionar às pessoas portadoras de deficiência melhores condições de acesso a edifícios, vias urbanas e transporte urbano. A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), através da NBR 9050/94 menciona as adequações que devem ser feitas nas áreas comuns de circulação, como calçadas e mobiliário urbano, as travessias de ruas e semáforos, bem como estacionamentos nas vias públicas. Essa norma contempla também os seguintes assuntos: parâmetros antropométricos, acessos, circulação, sanitários, equipamentos e mobiliários urbanos, comunicação e sinalização. Embora as normas não tenham força de lei, são um instrumento importante de orientação para arquitetos, planejadores urbanos e outros profissionais. O Código de Trânsito Brasileiro trouxe inovações importantes quanto ao tratamento de pedestres, estabelecendo obrigações para todos os envolvidos no tema, ou seja, o próprio pedestre, os órgãos de trânsito e os órgãos que tinham ou têm ingerência na via pública (Nobre, et. al, 2002). Embora continue ocorrendo uma verdadeira omissão em relação ao cumprimento do que foi estabelecido, isso acontece por desconhecimento dos responsáveis pela administração das cidades e pela falta de orientação de órgãos municipais e de fiscalização do cumprimento da lei por parte do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), órgão máximo executivo do Sistema Nacional de Trânsito (SNT), que deveria realizar campanhas e auditorias permanentes, que envolvessem, principalmente, questões relacionadas aos pedestres. Segundo Mitchel e Smith (2001), o desenvolvimento do transporte acessível tem sido um longo processo de melhorias de desenho técnico e das operações dos sistemas de transportes que removeram progressivamente barreiras para setores específicos da população. No Brasil, as poucas adaptações de acessibilidade que têm sido feitas começam pelo espaço interno dos veículos e terminam, normalmente, nos pontos de paradas de ônibus onde a medida mais comum é a colocação de elevadores. Uma variante usual é colocar, nas linhas normais, ônibus adaptados para portadores de deficiências, o que acaba resultando em outras dificuldades operacionais, tornando o serviço ruim ou regular, além de caro. A reserva de assentos preferenciais destinados a pessoas portadoras de deficiência, ou um espaço dentro do ônibus para usuários de cadeira-de-rodas, são as medidas mais comuns adotadas nos transportes públicos brasileiros (Sant anna e Wright, 2001). O atendimento por transporte coletivo às pessoas com deficiência tem sido um desafio para a maioria das cidades brasileiras. As soluções apresentadas por algumas cidades se mostraram incompletas, atendendo a poucas necessidades desses usuários. Normalmente, essas soluções de acessibilidade se restringem apenas ao transporte coletivo, ignorando a necessidade de adaptar terminais e acessos (com o rebaixamento de guias ou sarjetas) e desenvolver um programa de eliminação de barreiras por toda a cidade. As medidas destinadas a facilitar o acesso aos meios de transporte e à informação sobre os deslocamentos não são suficientes na ausência de uma revisão completa de toda a cadeia de transporte. O acesso ao transporte não consiste apenas em facilitar a entrada e a saída num ônibus ou trem. Para que essa acessibilidade se complete, é preciso que as calçadas estejam livres de barreiras para que as pessoas possam chegar ao ponto de embarque. Alguns deslocamentos curtos dependem somente da existência de condições adequadas nas calçadas. Já deslocamentos longos dependem de cruzamento com condições de segurança e, no caso de usuários de cadeira-de-rodas, da disponibilidade de rampas nas esquinas. O sistema de comunicação visual e outros meios de informação também são complementos importantes no sistema. As calçadas bem planejadas e construídas oferecem ao usuário de cadeiras-de-rodas e àqueles com dificuldade de locomoção a mesma liberdade e facilidade de movimento que o restante da população. Assim, em 1963 foi criada em Washington uma comissão para um "Desenho Livre de Barreiras", que se constituía em uma corrente ideológica para o desenho de equipamentos, edifícios e áreas urbanas, com o objetivo de aumentar a acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência, por meio da eliminação de barreiras no espaço urbano e nas edificações. Nessa ideologia, os fatores comportamentais eram associados às barreiras existentes, em que a exclusão e a segregação das pessoas portadoras de deficiência estariam vinculadas à existência de obstáculos que impediam a livre circulação desses usuários. Na prática, essa ideologia não significava apenas remover barreiras, mas

4 cuidar para que elas não viessem a existir. Esse conceito de um desenho livre de barreiras acabou evoluindo para a concepção de Desenho Universal, que não abrange apenas os portadores de deficiência, mas sim qualquer pessoa. É uma proposta mais ampla, segundo a qual os espaços sociais são projetados para atender a diferentes necessidades de "todos" os seres humanos. A idéia é evitar a necessidade de ambientes e produtos especiais para pessoas portadoras de deficiência, buscando, assim, garantir a acessibilidade a todos os componentes do ambiente (Almeida Prado, 1994). A utilização do Desenho Universal proporciona acessibilidade à grande maioria de pessoas com limitações visuais, auditivas e de mobilidade. Inversamente, os sistemas que não são acessíveis para essas pessoas muito provavelmente também servirão mal a outros usuários. A implementação de medidas seguindo esse princípio acaba por reduzir o número de pessoas que requeiram assistência especial. Uma característica comum a todos esses estudos é que eles propõem padrões para os espaços de circulação, que são definidos por técnicos. A opinião dos usuários, portadores de deficiências físicas, sobre as condições encontradas e sobre as melhorais propostas, não é considerada nesses estudos. Por outro lado, embora diversos estudos tenham sido desenvolvidos sobre a percepção dos pedestres com relação ao ambiente das calçadas e espaços de circulação (Khisty, 1995; Ferreira e Sanches, 1998; Oppewal e Timmermans, 1999; Mouette et al., 2000; Gallin, 2001), nenhum deles trata, especificamente, da qualidade dos espaços do ponto de vista dos portadores de deficiência física. Uma das principais dificuldades no tratamento das questões relacionadas à qualidade dos espaços para pedestres é a definição de um instrumento para avaliar as condições de adequação das áreas públicas disponibilizadas aos cidadãos. Uma das maneiras de avaliá-las envolve conceitos básicos, relacionados a atributos do meio ambiente, natural e construído, percebidos pelos pedestres durante o exercício da movimentação. O entendimento básico de grande parte dos autores de trabalhos sobre este assunto é que o ambiente ideal para os pedestres, de forma geral, deve garantir a todo tipo de usuário condições de segurança, seguridade, conforto, continuidade, coerência e atratividade visual e psicológica (Fruin, 1987; Khisty, 1995; Sarkar, 1995; Ferreira e Sanches, 2001). Este trabalho é uma tentativa de valorizar a opinião das pessoas com necessidades especiais, através de uma pesquisa, realizada no campus da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) na cidade de São Carlos, SP, cuja infra-estrutura recebeu diversos tipos de adaptações visando a melhoria das condições de acessibilidade. 3. METODOLOGIA O trabalho foi desenvolvido de acordo com as seguintes etapas: a) levantamento dos locais do Campus da UFSCar que oferecem serviços assistenciais à comunidade; b) localização e identificação dos tipos de intervenções executadas nestes locais visando facilitar a acessibilidade das pessoas c) realização de entrevistas com um grupo de portadores de deficiência física para obter a opinião dessas pessoas sobre as adaptações implantadas Levantamento de locais da UFSCar que prestam serviços assistenciais à comunidade O trabalho de levantamento de órgãos, núcleos, departamentos e centros da Universidade Federal de São Carlos (Campus de São Carlos) que oferecem serviços assistenciais à comunidade foi realizado a partir de informações coletadas junto a PROEX (Pró-Reitoria de Extensão da UFSCar). As informações coletadas foram importantes para compreender como funciona cada um destes serviços, quais as especialidades são atendidas e o tipo de cliente atendido.

5 A Tabela 1 apresenta a relação dos órgãos, núcleos, departamentos e centros da UFSCar que prestam serviços assistenciais à comunidade, bem como os tipos de serviços oferecidos Levantamento de projetos e obras realizadas para adaptação da infra-estrutura visando a melhoria da acessibilidade O desenvolvimento desta etapa iniciou-se com informações levantadas junto ao EDF Escritório de Desenvolvimento Físico e à PU Prefeitura Universitária, instâncias de assessoria da Universidade, responsáveis pelo desenvolvimento de projetos e a execução das obras e serviços visando a melhoria da acessibilidade das instalações do Campus Universitário. Os tipos mais comuns de obras executadas para tornar o ambiente da universidade mais acessível são mostrados nas Figuras 1 a 4. Os locais onde os projetos de intervenções foram implantados podem ser identificados através do mapa do Campus da UFSCar, mostrado na Figura 5. Tabela 1 Locais de prestação de serviços assistenciais na UFSCar Ident. Locais de atendimento 01 Ambulatório de fisioterapia - Neurologia, reumatologia, ortopedia e fisioterapia geral 02 Ambulatório de fisioterapia neuropediátrica - Atendimento a crianças acometida por lesão neurológica 03 UENAPES /Unidade Especial Núcleo de Atenção e Pesquisa em Saúde Terapia Ocupacional 04 Departamento de Enfermagem Centro de Orientação ao idoso e seu cuidador 05 Departamento de Educação Física Atividades físicas para adultos e crianças portadores de deficiência 06 Laboratório de Educação Especial fonoaudiologia, psicologia e aprendizagem Biblioteca Comunitária Público em geral, portadores de deficiência visual e crianças com dificuldade de aprendizado DAMO Departamento de Assistência Médica e Odontológica comunidade interna da UFSCar LAD Laboratório de Atividades de Desenvolvimento Formação de multiplicadores (berçarista de creche e professores da rede) / crianças normais e portadoras de deficiência 10 Laboratório de Fisioterapia Cardiovascular pacientes em pré e pós-operatório 11 UAC Unidade de Atendimento à Criança atende filhos de docentes, funcionários e alunos Figura 1 Banheiro adaptado Figura 2 Rampa de acesso

6 Figura 3 Estacionamento reservado Figura 4 Guia rebaixada Figura 5 Mapa do Campus da UFSCar (São Carlos) com localização das obras de melhoria da acessibilidade e dos locais de atendimento

7 3.3. Entrevista com um grupo de portadores de deficiência física Para verificar se as pessoas portadoras de deficiência física, que utilizam os serviços assistenciais oferecidos pela Universidade Federal de São Carlos, tinham consciência da finalidade das intervenções realizadas e percebiam a melhoria da qualidade da acessibilidade alcançada no Campus devido a implantação dos projetos, foram realizadas entrevistas com um grupo constituído 55 de pessoas portadoras de dificuldade de locomoção (17 delas necessitavam do uso de muletas para efetuar seus deslocamentos e as demais utilizavam cadeira de rodas). As entrevistas foram realizadas no Ambulatório de Fisioterapia e na EU-NAPES (Unidade Especial Núcleo de Atenção em Pesquisa em Saúde). A escolha desses locais foi devida ao grande fluxo de pessoas que diariamente procuram assistência de saúde. A entrevista foi do tipo face a face, para obtenção das seguintes informações: sexo; faixa etária; grau de instrução, a percepção das obras como intervenções que facilitam a acessibilidade; a melhoria na qualidade da circulação e a necessidade de mais obras. Durante a aplicação das entrevistas, surgiu a possibilidade de avaliar in loco a eficácia de algumas das intervenções executadas no Campus. Duas pessoas com diferentes comprometimentos na locomoção (uma necessitava do uso de muletas para se locomover e a outra fazia uso de cadeira de rodas), se prontificaram em participar de uma experimentação prática de algumas das obras e adaptações construídas para melhorar as condições de acesso às instalações do Campus e também indicar possíveis locais que necessitam de algum tipo de intervenção. 4. RESULTADOS OBTIDOS A Tabela 2 mostra o resultado da aplicação da pesquisa. Tabela 2 Características dos entrevistados e respostas da pesquisa Sexo Faixa etária Masculino 56% Feminino 44% < 15 anos 12% % % % > 60 anos 0% Percepção das obras para facilitar Sim 67% a acessibilidade Não 33% Melhoria da qualidade Sim 57% Não 43% 4.1. Resultado da avaliação in loco O resultado da avaliação in loco para verificação da eficácia dos projetos de intervenções físicas na infra-estrutura do Campus da UFSCar apontou alguns pontos que merecem uma atenção especial e que são apresentados a seguir: a) Intervenção executada de maneira inadequada: A Figura 6 mostra detalhes que caracterizam a necessidade para a melhoria da acessibilidade e a Figura 7 mostra o projeto inadequado, pois o usuário encontra dificuldade para a utilização da rampa.

8 Figura 6 Rampa construída Figura 7 Dificuldade de utilização da rampa Esta situação ocorre sempre que os projetistas e também os gestores responsáveis pela execução das obras não seguem os padrões definidos pela norma (NBR 9050/94). A rampa neste caso foi simplesmente executada para vencer o desnível, independente da existência de espaço suficiente para executar uma rampa dentro dos padrões recomendados. b) Intervenção incompleta: As Figuras 8 e 9 mostram detalhes de intervenções incompletas para melhorar a acessibilidade. Figura 8 Rampa sem corrimão Figura 9 Escada sem corrimão A falta da instalação de um corrimão, tanto na rampa como na escada, implica na manutenção da dificuldade encontrada por uma pessoa que utiliza bengala para a locomoção. c) Necessidade de intervenções As Figuras 10 e 11 mostram que ainda existem barreiras arquitetônicas no Campus da UFSCar, em locais de grande movimentação de pessoas. Exemplos desta situação são encontrados em alguns edifícios onde funcionam os departamentos e salas em que são ministradas aulas. Os espaços esportivos do Campus também não oferecem condições de serem utilizados por pessoas portadoras de deficiência física, usuárias de cadeira de roda, devido às várias escadas que circundam estas instalações.

9 Figura 10 Acesso às salas de aula Figura 11 Acesso às quadras de esporte d) Intervenções ideais para facilitar a acessibilidade As Figuras 12 e 13 mostram detalhes de intervenções que facilitam a circulação de pessoas com dificuldade de locomoção. Figura 12 Rampa com corrimão Figura 13 Rampa com inclinação adequada Algumas propostas de intervenções implantadas no Campus atendem adequadamente as pessoas portadoras de deficiência física ou com dificuldade de locomoção. Estas situações foram aprovadas pelos observadores que fizeram a avaliação após a verificação prática em campo. 5. ANÁLISE DOS RESULTADOS Durante as entrevistas pôde-se constatar que existe muita sensibilidade aos problemas por parte do grupo pesquisado e também muito orgulho de poder expressar suas opiniões à respeito de assuntos relacionados à adaptação dos ambientes freqüentados no Campus da UFSCar, visando a melhoria da acessibilidade. A análise das informações obtidas através das entrevistas e das observações feitas pelos avaliadores da eficácia das intervenções e adaptações executadas na infra-estrutura do Campus - São Carlos da Universidade Federal de São Carlos pode ser sintetizada nos seguintes itens: a) Construção de rampas A necessidade da construção de rampas para facilitar o acesso às edificações e dar continuidade aos passeios públicos é consenso entre as pessoas do grupo entrevistado. No entanto, entendem os entrevistados que não basta simplesmente construir rampas em todo desnível encontrado, é preciso que haja um estudo a priori para definir a localização ideal da rampa, de modo que seja definida uma rota contínua ligando os pontos de origem e destino da movimentação destas pessoas dentro do campus. É preciso também, que os locais as onde as rampas irão ser

10 construídas apresentem condições necessárias para que o projeto atenda às características geométricas recomendadas pelas normas b) Banheiros adaptados A adaptação dos sanitários de alguns locais do Campus para uso de pessoas portadoras de deficiência física mereceu elogios por parte dos entrevistados. Porém, eles consideram que é necessária a construção ou adaptação de um número maior de sanitários e uma melhoria no controle da utilização. Os banheiros ficam fechados e as pessoas responsáveis pelas chaves nem sempre se encontram no local ou próximo dele. c) Vagas exclusivas nos estacionamentos A existência de vagas nos estacionamentos destinadas aos portadores de deficiência não foi considerada prioritária, pelos seguintes motivos: a grande maioria dos entrevistados não possui automóvel, os estacionamentos, quase sempre, estão localizados longe dos locais de destino e a exclusividade da vaga nem sempre é respeitada. d) Transporte utilizado das residências até o Campus Apesar deste assunto não fazer parte do objetivo da pesquisa, a maior parte dos entrevistados fez questão de expressar sua opinião a respeito das dificuldades encontradas para acesso ao campus. Consideram que os modos de transporte disponibilizados para que eles possam acessar o Campus não oferece conforto e segurança. Os modos de transporte disponíveis são: o transporte coletivo por ônibus normal (que, apesar de gratuito dificulta a utilização por não ser adaptado), Van adaptada (operada gratuitamente pela empresa de ônibus urbano, atende aos usuários com conforto e segurança, mas a disponibilidade de reserva é dificultada, pois existe somente um veículo para atender toda a cidade); Vans de convênios de saúde (não são adaptadas para deficientes e somente transportam aqueles que pagam um plano de saúde) e automóvel particular (atende somente aqueles cuja família possui veículo próprio e tenha uma pessoa disponível para acompanhar o paciente). e) Passeios O tipo de material utilizado no piso dos passeios ou calçadas não oferece conforto para o deslocamento de pessoas usuárias de cadeira de rodas. Também a falta de calçadas em alguns locais do Campus provoca a descontinuidade da circulação e coloca o cadeirante em situação de perigo, pois o mesmo é obrigado a disputar com os veículos um lugar na rua. 6. CONCLUSÕES Nesta pesquisa, procurou-se levantar a opinião das pessoas portadoras de deficiência física usuárias dos serviços de atendimento de saúde, prestados pela UFSCar, a respeito das adaptações realizadas na infra-estrutura do Campus, visando a melhoria na acessibilidade entre os diversos ambientes da universidade. A análise das informações, obtidas através dos dados levantados na entrevista e também em conversas informais com o grupo selecionado, permitiu as seguintes conclusões: a) As intervenções realizadas na infra-estrutura do Campus da UFSCar nem sempre atendem às expectativas e especificidades das pessoas portadoras de deficiência física. Quando atendem, o usuário somente pode utilizar as facilidades construídas num local específico, porém nunca proporciona uma situação de continuidade através de outros locais do Campus; b) O processo de avaliação da eficácia e eficiência das intervenções realizadas no Campus deve ter uma participação intensiva dos usuários portadores de deficiência, pois a opinião destas pessoas pode traduzir as facilidades e dificuldades encontradas durante o uso destas melhorias; c) Os gestores do planejamento das obras da UFSCar devem levar em conta, no momento de definição das plantas de novas construções, o custo de adaptações realizadas para melhorar a acessibilidade de seus edifícios e espaços públicos em relação ao custo de construção de edifícios e espaços acessíveis;

11 d) Os participantes da pesquisa consideraram que o direito de manifestação de opinião a respeito de assuntos de seus interesses é um verdadeiro exercício de cidadania e deve ocorrer sempre que houver discussões importantes no âmbito da comunidade universitária. Espera-se que o resultado desta pesquisa possa sensibilizar a administração da universidade no sentido de iniciar um planejamento mais consistente visando à eliminação das barreiras arquitetônicas no Campus. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. Acessibilidade de Pessoas Portadoras de Deficiência a Edificações, Espaços, Mobiliários e Equipamentos Urbanos. NBR 9050/94, 1994, Rio de Janeiro, 59p. ALMEIDA PRADO, A. R. O direito à cidadania do portador de deficiência. Informativo Jurídico CEPAM, São Paulo, v.9, n.11, nov FERREIRA, M. A. G. e SANCHES, S. P.. Índice de qualidade das calçadas IQC, Revista dos Transportes Públicos ANTP, ano 23, nro 91, 2001, p FERREIRA, M.A.G. e SANCHES, S.P.. Avaliação do conforto e segurança dos pedestres. Anais do X Congreso Panamericano de Ingenieria de Tránsito y Transporte, Santander, Espanha, 1998, p FRUIN, J. J. Pedestrian Planning and Design Revised Edition. Elevator World Inc. Mobile, Al., GALLIN, N. Quantifying pedestrian friendliness: Guidelines for assessing pedestrian Level-of- Service. In: International Walking Conference, Autrália, 2001, Acessado em 16/11/2001. KHISTY, C. J. Evaluation of pedestrian facilities: Beyond the Level-of-Service Concept. Transportation Research Record 1438, Washington, DC, 1995, p MITCHELL, C.G.B. e SMITH, T. Acesso ao sistema de transporte e a tendência ao Desenho Universal. In: WRIGHT, C. Facilitando o Transporte para Todos. Washington, D. C.: Banco Interamericano de Desenvolvimento, pp MOUETTE, D.; AIDAR, T.e WAISMAN, J. Avaliação dos impactos do tráfego na mobilidade da população infantil através da análise de correspondência múltipla. Transportes, v.8, n.1, 2000, p NOBRE, M. P. P. et al. O pedestre, a cidadania e o novo Código de Trânsito Brasileiro. Revista dos Transportes Públicos ANTP, Ano 24, n. 94, 2002, p OPPEWAL, H. e TIMMERMANS, H. Modeling consumer perception of public space in shopping centers. Environmental & Behavior, v. 31, 1999, p SANT ANNA, J. A. e WRIGHT, C. Acessibilidade Passo a Passo: Como facilitar o acesso aos Transportes nas Cidades Brasileiras. In: WRIGHT, C. Facilitando o Transporte para Todos. Washington, D.C.: Banco Interamericano Desenvolvimento, p SARKAR, S. Evaluation of different types of pedestrian-vehicle separations. Transportation Research Record, n.1502, 1995, p

RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014.

RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014. RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014. Considerando o previsto na Constituição da República

Leia mais

Curso de Acessibilidade

Curso de Acessibilidade O - PROGRAMA E OBJETIVO 1. O QUE É ACESSIBILIDADE Quem são as pessoas com deficiência e as pessoas com mobilidade reduzida. A evolução do homem padrão e a arquitetura inclusiva. Conceito e as práticas

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Introdução Este material surge como resultado do acompanhamento das apresentações do Plano de Mobilidade

Leia mais

Laudo de Acessibilidade

Laudo de Acessibilidade Laudo de Acessibilidade Vistoriado por Arq. Eduardo Ronchetti de Castro CREA 5061914195/D Considerações legais elaboradas por Dr. Luis Carlos Cocola Kassab - OAB/SP 197.829 Rua Marechal Deodoro, 1226 Sala

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Presidência da República Casa Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000. Civil Regulamento Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade

Leia mais

Acessibilidade à pessoa com deficiência

Acessibilidade à pessoa com deficiência Acessibilidade à pessoa com deficiência V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-EQI-01 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método de Cálculo Definição de

Leia mais

ADAPTAÇÃO PARA A ACESSIBILIDADE DO CAMPUS DE UVARANAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA

ADAPTAÇÃO PARA A ACESSIBILIDADE DO CAMPUS DE UVARANAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA (X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ADAPTAÇÃO

Leia mais

Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos

Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos No Brasil há necessidade de conscientização e cumprimento de Decretos e Leis para a promover acessibilidade e inclusão social

Leia mais

78ª Reunião do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte Urbano e Trânsito

78ª Reunião do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte Urbano e Trânsito 78ª Reunião do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte Urbano e Trânsito Acessibilidade Viviane Fernandes Lima Manaus, 28 de junho de 2012. 1. DADOS E CONCEITOS 2. INCLUSÃO SOCIAL

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ANÁLISE DO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR PDDU/2006 LEI Nº 6.586/2004 Regulamenta a Lei Orgânica do Município nos Título III, Capítulos I e II, artigos 71 a 102, Título

Leia mais

Viva Acessibilidade!

Viva Acessibilidade! MARKETING/MP-GO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS Procuradoria-Geral de Justiça do Estado de Goiás Centro de Apoio Operacional dos Direitos Humanos e do Cidadão Viva Acessibilidade! Goiânia 2013 MINISTÉRIO

Leia mais

A observância da acessibilidade na fiscalização de obras e licenciamentos de projetos pelos municípios

A observância da acessibilidade na fiscalização de obras e licenciamentos de projetos pelos municípios A observância da acessibilidade na fiscalização de obras e licenciamentos de projetos pelos municípios Luciano de Faria Brasil Promotoria de Justiça de Habitação e Defesa da Ordem Urbanística de Porto

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB O QUE É O Plano Diretor de Transporte e da Mobilidade é um instrumento da política de desenvolvimento urbano, integrado ao Plano Diretor do município,

Leia mais

Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana. Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian

Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana. Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian Planos Municipais de Mobilidade Urbana e Acessibilidade e o papel do TCE-RS na sua implementação Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian SUPORTE

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE BELÉM, A CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM, estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

O PREFEITO MUNICIPAL DE BELÉM, A CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM, estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS LEI Nº 8.068, DE 28 DE MAIO DE 2001 Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, no Município de Belém,

Leia mais

DO DIREITO DAS PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA FÍSICA A ACESSIBILIDADE AOS PRÉDIOS URBANOS

DO DIREITO DAS PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA FÍSICA A ACESSIBILIDADE AOS PRÉDIOS URBANOS DO DIREITO DAS PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA FÍSICA A ACESSIBILIDADE AOS PRÉDIOS URBANOS RICARDO DINIZ B. LIMA 1 FAPI FACULDADES DE PINHAIS PINHAIS-PR EVANIZE ROSANA SALOMÃO 2 FAPI FACULDADES DE PINHAIS

Leia mais

Acessibilidade e Desenho Universal em Bibliotecas

Acessibilidade e Desenho Universal em Bibliotecas ACESSIBILIDADE EM INFORMAÇÃO E EM ARTE Quem faz a diferença? Acessibilidade e Desenho Universal em Bibliotecas Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - UFRJ Regina COHEN, DSc. Arquiteta e Doutora em Ecologia

Leia mais

SEPLAN Comitê de uso Racional dos Recursos. Sub-comitê de acessibilidade:

SEPLAN Comitê de uso Racional dos Recursos. Sub-comitê de acessibilidade: SEPLAN Comitê de uso Racional dos Recursos Marta Dischinger Ruth Nogueira Giseli Knak Denise Siqueira Gabriela Custódio Carolina Stolf Sub-comitê de acessibilidade: Bolsistas: Luiz Fernando Gonçalves,

Leia mais

Educação Acessível para Todos

Educação Acessível para Todos Educação Acessível para Todos Instituto Paradigma A inclusão das crianças com deficiência nas escolas de Educação Infantil e Ensino Fundamental não constitui um debate diferente da inclusão social de todos

Leia mais

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento.

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. Pólos Geradores de Tráfego As cidades brasileiras vivem um momento de mudança

Leia mais

Adequação dos Sistemas de Trens Urbanos de Porto Alegre à Acessibilidade Universal (Decreto n. 5.296 de 2004)

Adequação dos Sistemas de Trens Urbanos de Porto Alegre à Acessibilidade Universal (Decreto n. 5.296 de 2004) Programa 1078 Nacional de Acessibilidade Ações Orçamentárias Número de Ações 13 1O340000 Produto: Projeto executado Adequação dos Sistemas de Trens Urbanos de Porto Alegre à Acessibilidade Universal (Decreto

Leia mais

JOVEM COM DEFICIÊNCIA

JOVEM COM DEFICIÊNCIA JOVEM COM DEFICIÊNCIA 1. Promover cursos de educação profissional de nível básico (técnico e tecnológico nos termos da Lei 9.394/96) e superior em espaços públicos e privados, respeitando a inclusão de

Leia mais

O VASO SANITÁRIO E AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA.

O VASO SANITÁRIO E AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA. O VASO SANITÁRIO E AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA. Luiz Antonio Miguel Ferreira 1 Juliana Alves Biazoli 2 1. Introdução. A acessibilidade é um tema que vem sendo discutido cada vez mais pela sociedade, em

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005 Aprova o Programa de Atendimento a Pessoas com Necessidades Especiais da Universidade do Contestado-UnC O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova:

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: PROJETO DE LEI Nº 70/2011. Institui a Política Municipal de Mobilidade Urbana. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: Mobilidade Urbana. Art. 1º Fica instituída, no Município de Ipatinga, a Política Municipal

Leia mais

Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro de 2011.

Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro de 2011. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA CONSELHO SUPERIOR Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro

Leia mais

Acessibilidade e Desenho Universal 1

Acessibilidade e Desenho Universal 1 Acessibilidade e Desenho Universal 1 Adriana Romeiro de Almeida Prado 2 É papel do planejador intervir nos espaços para criação de ambientes que desafiam e para eliminação dos ambientes que intimidam.

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA ACESSIBILIDADE NA ESCOLA ESPECIAL HELEN KELLER CAXIAS DO SUL

PROJETO DE PESQUISA ACESSIBILIDADE NA ESCOLA ESPECIAL HELEN KELLER CAXIAS DO SUL UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL ELENISE PEREIRA PROJETO DE PESQUISA ACESSIBILIDADE

Leia mais

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR PROJETO Vaso sanitário e lavatório Medidas das áreas de aproximação Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR Área para estacionamento da cadeira, para posteior transferência.

Leia mais

ACESSIBILIDADE E DIREITOS DOS CIDADÃOS: BREVE DISCUSSÃO

ACESSIBILIDADE E DIREITOS DOS CIDADÃOS: BREVE DISCUSSÃO ACESSIBILIDADE E DIREITOS DOS CIDADÃOS: BREVE DISCUSSÃO Ana Elizabeth Gondim Gomes Luciana Krauss Rezende Mariana Fernandes Prado Tortorelli Índice Mini currículo dos autores RESUMO Observa-se atualmente

Leia mais

Todos Juntos por um Brasil maisacessível

Todos Juntos por um Brasil maisacessível Todos Juntos por um Brasil maisacessível Aspectos Técnicos Edificações Públicas Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) Núcleo de Atuação Especial em Acessibilidade 1 Uma rampa? Um banheiro com

Leia mais

SENADO FEDERAL. PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 387, de 2009

SENADO FEDERAL. PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 387, de 2009 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 387, de 2009 Altera a Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000, para determinar a reserva de assentos para pessoas com deficiência em locais de espetáculo, conferências,

Leia mais

O VASO SANITÁRIO E AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA.

O VASO SANITÁRIO E AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA. O VASO SANITÁRIO E AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA. Luiz Antonio Miguel Ferreira 1 Juliana Alves Biazoli 2 1. Introdução. A acessibilidade é um tema que vem sendo discutido cada vez mais pela sociedade, em

Leia mais

Ambientes acessíveis

Ambientes acessíveis Fotos: Sônia Belizário Ambientes acessíveis É FUNDAMENTAL A ATENÇÃO AO DESENHO E A CONCEPÇÃO DOS PROJETOS, PRINCIPALMENTE NOS ESPAÇOS PÚBLICOS,PARA ATENDER ÀS NECESSIDADES E LIMITAÇÕES DO MAIOR NÚMERO

Leia mais

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO LEI N o 5.641, DE 23 DE JUNHO DE 2014. RECONHECE A PESSOA COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA COMO PORTADORA DE DEFICIÊNCIA PARA OS FINS DE FRUIÇÃO DOS DIREITOS ASSEGURADOS PELA LEI ORGÂNICA E PELAS DEMAIS

Leia mais

IX CONGRESSO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS

IX CONGRESSO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS IX CONGRESSO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS Acessibilidade e a Pessoa com Deficiência M.Sc. Eng.º GILMAR BORGES RABELO - Assessor de Mobilidade Urbana da Superintendência da Pessoa com Deficiência e Mobilidade

Leia mais

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica)

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) E-EQI-01 Anexo 1 Checklist de Acessibilidade, baseado em Aragão (2004) PCD: pessoas com deficiência Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) 1. Vias de Acesso As vias de acesso no

Leia mais

Mobilidade em um Campus Universitário. Suely da Penha Sanches 1 ; Marcos Antonio Garcia Ferreira 1

Mobilidade em um Campus Universitário. Suely da Penha Sanches 1 ; Marcos Antonio Garcia Ferreira 1 Mobilidade em um Campus Universitário. Suely da Penha Sanches 1 ; Marcos Antonio Garcia Ferreira 1 1 Universidade Federal de São Carlos PPGEU, Rodovia Washington Luis, km 235, (16) 33519677 ssanches@ufscar.br;

Leia mais

Condições de vida das pessoas com deficiência no Brasil

Condições de vida das pessoas com deficiência no Brasil Condições de vida das pessoas com deficiência no Brasil Relatório de Pesquisa de Opinião Pública Nacional Metodologia Pesquisa de opinião pública tipo quantitativa Universo: Cadastro de pessoas do IBDD

Leia mais

CONDIÇÕES ARQUITETÔNICAS DAS ESCOLAS DA REDE REGULAR DE ENSINO DE CATALÃO-GO PARA ACESSO E PERMANÊNCIA DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA

CONDIÇÕES ARQUITETÔNICAS DAS ESCOLAS DA REDE REGULAR DE ENSINO DE CATALÃO-GO PARA ACESSO E PERMANÊNCIA DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA CONDIÇÕES ARQUITETÔNICAS DAS ESCOLAS DA REDE REGULAR DE ENSINO DE CATALÃO-GO PARA ACESSO E PERMANÊNCIA DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA Cristiane da Silva SANTOS 1 Taís Almeida SANTOS 2 Resumo: A acessibilidade

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

CATEGORIA A7 OUTROS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS DE APOIO IDENTIFICAÇÃO

CATEGORIA A7 OUTROS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS DE APOIO IDENTIFICAÇÃO Ministério do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação Geral de Regionalização Inventário da Oferta Turística uf:

Leia mais

Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010

Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010 Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010 As Instituições de Ensino Superior se vêem, cada vez mais, diante do desafio de criar estratégias eficazes que promovam a inclusão,

Leia mais

POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DE ACESSIBILIDADE. - Não seja portador de Preconceito -

POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DE ACESSIBILIDADE. - Não seja portador de Preconceito - POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DE ACESSIBILIDADE - Não seja portador de Preconceito - 2014 1 OBJETO As Políticas Institucionais de Acessibilidade Não seja portador de preconceito tem como objetivo promover ações

Leia mais

Acessibilidade & Mobilidade Urbana Plano Diretor de Acessibilidade em Porto Alegre e suas interações com a Política de Mobilidade Urbana

Acessibilidade & Mobilidade Urbana Plano Diretor de Acessibilidade em Porto Alegre e suas interações com a Política de Mobilidade Urbana Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Acessibilidade & Mobilidade Urbana Plano Diretor de Acessibilidade em Porto Alegre e suas interações com a Política

Leia mais

ACESSIBILIDADE: DO DIREITO A FUNÇÃO SOCIAL

ACESSIBILIDADE: DO DIREITO A FUNÇÃO SOCIAL ACESSIBILIDADE: DO DIREITO A FUNÇÃO SOCIAL Rosangela Valim Arnaldo Ap. Tiozzo Índice Mini currículo dos autores Resumo: O presente artigo tem por objetivo apresentar a acessibilidade como uma questão social.

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

Panorama da Norma NBR 9050 Sistemas de Calçadas

Panorama da Norma NBR 9050 Sistemas de Calçadas Panorama da Norma NBR 9050 Sistemas de Calçadas Cenário 20% das ruas não possui pavimentação 46% das casas no país não têm calçadas no entorno e, quando têm, falta acessibilidade 4,7% apresenta rampas

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Introdução A proposta de Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes

Leia mais

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver!

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver! APRESENTAÇÃO Planejar uma cidade também significa cuidar da circulação das pessoas, garantido segurança e igualdade. Muitas pessoas caminham somente a pé, ultrapassando 30% de todos os deslocamentos de

Leia mais

RELATÓRIO DE VISITA ÀS ESTAÇÕES DE TREM DA SUPERVIA REALENGO BANGU CAMPO GRANDE SANTA CRUZ AVERIGUAÇÃO DO GRAU DE ACESSIBILIDADE

RELATÓRIO DE VISITA ÀS ESTAÇÕES DE TREM DA SUPERVIA REALENGO BANGU CAMPO GRANDE SANTA CRUZ AVERIGUAÇÃO DO GRAU DE ACESSIBILIDADE RELATÓRIO DE VISITA ÀS ESTAÇÕES DE TREM DA SUPERVIA REALENGO BANGU CAMPO GRANDE SANTA CRUZ AVERIGUAÇÃO DO GRAU DE ACESSIBILIDADE Rio de Janeiro 12 de Março de 2010 Este relatório foi produzido por Amarildo

Leia mais

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP Material das Palestras II Encontro MPSP e MEC Educação Inclusiva MARCOS LEGAIS CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Art. 208. O dever do Estado com a educação

Leia mais

Relatório de Pesquisa

Relatório de Pesquisa 1 Curso: Construção de Edifícios Equipe: Professor coordenador: EULER SOARES FRANCO Alunos: Camila Silva Romoaldo Liege Farias Tailine Mendes Martins Dutra ESTUDO DA ACESSIBILIDADE DOS PORTADORES DE NECESSIDADES

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A ACESSIBILIDADE EM ETAPAS DA 2 CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE

RECOMENDAÇÕES PARA A ACESSIBILIDADE EM ETAPAS DA 2 CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE RECOMENDAÇÕES PARA A ACESSIBILIDADE EM ETAPAS DA 2 CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE Este documento foi organizado pela Comissão Organizadora Nacional (CON) da 2 Conferência Nacional de Políticas Públicas

Leia mais

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade 1. Conceito/objetivo do produto: O relatório destina-se a informar e orientar as condições de acesso e utilização de equipamentos e instalações

Leia mais

Responsabilidade Social na Engenharia da Mobilidade: Deficiência Física Qual o papel do Governo?

Responsabilidade Social na Engenharia da Mobilidade: Deficiência Física Qual o papel do Governo? Responsabilidade Social na Engenharia da Mobilidade: A Integração do Portador de Deficiência Física Qual o papel do Governo? Evolução das Terminologias Portador de Deficiência Física??? NÃO... Pessoa com

Leia mais

CATEGORIA C5 EVENTOS PROGRAMADOS IDENTIFICAÇÃO. Subtipos:

CATEGORIA C5 EVENTOS PROGRAMADOS IDENTIFICAÇÃO. Subtipos: Ministério do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação Geral de Regionalização Inventário da Oferta Turística uf:

Leia mais

Centro POP Infraestrutura

Centro POP Infraestrutura CENTRO POP Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua Centro POP Infraestrutura Onde deve ser localizado o Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 08/2010

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 08/2010 TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 08/2010 Pelo presente instrumento, com fundamento no artigo 5º, 6º, da Lei nº 7.347/85, de 24 de julho de 1985, de um lado, o MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Procuradora

Leia mais

TURISMO E INCLUSÃO SOCIAL: um estudo da acessibilidade nos meios de hospedagem em Balneário Camboriú 1

TURISMO E INCLUSÃO SOCIAL: um estudo da acessibilidade nos meios de hospedagem em Balneário Camboriú 1 TURISMO E INCLUSÃO SOCIAL: um estudo da acessibilidade nos meios de hospedagem em Balneário Camboriú 1 Amanda Fantatto de Melo 2 ; Priscilla Gomes Welter 3 ; Sônia R. de S. Fernandes 4 INTRODUÇÃO O turismo

Leia mais

PROJETO DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL N.º, DE 2011 (Da Sra. Rosinha da Adefal)

PROJETO DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL N.º, DE 2011 (Da Sra. Rosinha da Adefal) PROJETO DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL N.º, DE 2011 (Da Sra. Rosinha da Adefal) Altera o art. 6º da Constituição Federal para incluir o direito à Acessibilidade entre os direitos e garantias fundamentais

Leia mais

Ofício de acessibilidade Rock in Rio

Ofício de acessibilidade Rock in Rio Ofício de acessibilidade Rock in Rio Quem somos e objetivos A área de PNE do Rock in Rio está está em constante mudança e aprimoramento para se adequar as normas exigidas para atender e satisfazer a todas

Leia mais

0 BRASIL: altura que varia entre 70cm e 1,40m.

0 BRASIL: altura que varia entre 70cm e 1,40m. 0 CONDIÇÃO: Antigamente nanismo, atualmente baixa estatura 0 INDIVÍDUO: Antigamente anão, atualmente pessoa de baixa estatura 0 Em alguns poucos países: pessoas pequenas ( little people, em inglês), como

Leia mais

X Conferência Nacional de Assistência Social INFORME CNAS Nº 03/2015

X Conferência Nacional de Assistência Social INFORME CNAS Nº 03/2015 X Conferência Nacional de Assistência Social INFORME CNAS Nº 03/2015 Recomendações aos Conselhos para garantir a acessibilidade nas Conferências de Assistência Social Ranieri Braga - Informes Conselho

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES Projeto de Lei n 340/99 464 LEI N 4.864 DE 12 DE MARÇO DE 1999 Dispõe sobre a Política Municipal do Idoso, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES; FAÇO SABER QUE A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

IMPORTÂNCIA E IMPACTO DO PROGRAMA PASSEIO LIVRE PARA A CIDADE DE SÃO PAULO. JOSÉ RENATO SOIBELMANN MELHEM Arquiteto e Urbanista

IMPORTÂNCIA E IMPACTO DO PROGRAMA PASSEIO LIVRE PARA A CIDADE DE SÃO PAULO. JOSÉ RENATO SOIBELMANN MELHEM Arquiteto e Urbanista IMPORTÂNCIA E IMPACTO DO PROGRAMA PASSEIO LIVRE PARA A CIDADE DE SÃO PAULO JOSÉ RENATO SOIBELMANN MELHEM Arquiteto e Urbanista Mobilidade social Envolve a integração de todos sistemas de circulação: 1.

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

Preocupados com a discriminação de que são objeto as pessoas em razão de suas deficiências;

Preocupados com a discriminação de que são objeto as pessoas em razão de suas deficiências; CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA A ELIMINAÇÃO DE TODAS AS FORMAS DE DISCRIMINAÇÃO CONTRA AS PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA (CONVENÇÃO DA GUATEMALA), de 28 de maio de 1999 Os Estados Partes nesta Convenção,

Leia mais

Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA

Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA Junho 2014 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO Pg. 03 2. OBJETO Pg. 03 3. ESCOPO DOS PRODUTOS E SERVIÇOS Pg. 03 4. DIRETRIZES PARA

Leia mais

Guia Prático para Construção de Calçadas

Guia Prático para Construção de Calçadas Guia Prático para Construção de Calçadas Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Urbano 19 3851.7021/ 3851.7022 E-mail: : spdu-contato@mogiguacu.sp.gov.br Introdução A acessibilidade é um direito

Leia mais

Acessibilidade e Ergonomia

Acessibilidade e Ergonomia Arqta. Dra Maria Elisabete Lopes Arqt a. Dr a. Maria Elisabete Lopes ACESSIBILIDADE Possibilidade e condição de alcance para utilização, com SEGURANÇA E AUTONOMIA (...) por pessoa portadora de deficiência

Leia mais

Acessibilidade: cidadania para todos

Acessibilidade: cidadania para todos Acessibilidade: cidadania para todos No meio do caminho tinha uma pedra... (Carlos Drummond de Andrade) Acessibilidade Condição para utilização, com segurança e autonomia, total ou assistida, dos espaços,

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Estudo para identificação dos principais atributos de calçadas urbanas sob a ótica dos usuários.

Estudo para identificação dos principais atributos de calçadas urbanas sob a ótica dos usuários. Estudo para identificação dos principais atributos de calçadas urbanas sob a ótica dos usuários. Carlos Alberto Prado da Silva Júnior (UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná) E-mail: cajunior@unioeste.br

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

LOCALIZAÇÃO: PAVIMENTO TÉRREO IDENTIFICAÇÃO ÁREA (M 2 ) CAPACIDADE Auditório 367,23 406

LOCALIZAÇÃO: PAVIMENTO TÉRREO IDENTIFICAÇÃO ÁREA (M 2 ) CAPACIDADE Auditório 367,23 406 INFRA-ESTRUTURA FÍSICA E TECNOLÓGICA As salas de aula da FACULDADE BARRETOS estão aparelhadas para turmas de até 60 (sessenta) alunos, oferecendo todas as condições necessárias para possibilitar o melhor

Leia mais

V Simpósio da ARELA-RS sobre Esclerose Lateral Amiotrófica ELA

V Simpósio da ARELA-RS sobre Esclerose Lateral Amiotrófica ELA V Simpósio da ARELA-RS sobre Esclerose Lateral Amiotrófica ELA Geneviève Lopes Pedebos Assistente Social Mestre em Serviço Social pela PUCRS Porto Alegre, 08/05/2010 Na área da saúde, o Assistente Social

Leia mais

CARTILHA PORTO ALEGRE ACESSÍVEL PARA TODOS. Acessibilidade, responsabilidade de todos. Conquista consciente, com responsabilidade

CARTILHA PORTO ALEGRE ACESSÍVEL PARA TODOS. Acessibilidade, responsabilidade de todos. Conquista consciente, com responsabilidade CARTILHA PORTO ALEGRE ACESSÍVEL PARA TODOS Acessibilidade, responsabilidade de todos Conquista consciente, com responsabilidade O QUE É ACESSIBILIDADE? Acessibilidade, responsabilidade de todos Todos temos

Leia mais

Queimadura: quando a cicatriz é uma deficiência física?

Queimadura: quando a cicatriz é uma deficiência física? Queimadura: quando a cicatriz é uma deficiência física? Dr. José Adorno Médico Cirurgião Plástico Mestrado em Ciências Médicas/UnB Coordenador Cirurgia Plástica da Unidade de Queimados HRAN/SES/DF Presidente

Leia mais

Vínculo institucional: FADERS e PUCRS Faculdade de Serviço Social / Atuação: Professora e Pesquisadora da FSS/ graduação e pós-graduação

Vínculo institucional: FADERS e PUCRS Faculdade de Serviço Social / Atuação: Professora e Pesquisadora da FSS/ graduação e pós-graduação PROJETO DE PESQUISA: Condições de Acesso das Pessoas com Deficiência às Universidades do RS Responsável: Profa Dra Idília Fernandes Vínculo institucional: FADERS e PUCRS Faculdade de Serviço Social / Atuação:

Leia mais

ACESSIBILIDADE NAS FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS: INDIVÍDUOS COM DIFICULDADE DE LOCOMOÇÃO, TEMPORÁRIA OU PERMANENTE

ACESSIBILIDADE NAS FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS: INDIVÍDUOS COM DIFICULDADE DE LOCOMOÇÃO, TEMPORÁRIA OU PERMANENTE PALAVRAS-CHAVE Acessibilidade; Inclusão social; Legislação CONEXÃO ACESSIBILIDADE NAS FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS: INDIVÍDUOS COM DIFICULDADE DE LOCOMOÇÃO, TEMPORÁRIA OU PERMANENTE Elisângela

Leia mais

Você no Parlamento. Consulta Pública. Cooperação Técnica entre a CâmaraMunicipal de São Paulo e a Rede Nossa São Paulo

Você no Parlamento. Consulta Pública. Cooperação Técnica entre a CâmaraMunicipal de São Paulo e a Rede Nossa São Paulo Consulta Pública Você no Parlamento Cooperação Técnica entre a CâmaraMunicipal de São Paulo e a Rede Nossa São Paulo Termo de 18/04/2011 e Aditamento de 06/06/2011 Consulta pública com a população de São

Leia mais

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

LEI N 65, DE 9,5DE JANEIRO DE 1997. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI:

LEI N 65, DE 9,5DE JANEIRO DE 1997. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: GABINETE DO PREFEITO LEI N 65, DE 9,5DE JANEIRO DE 1997. "Dispõe sobre adaptações no Transporte Coletivo Urbano e garante o acesso de pessoas portadoras de deficiência, do idoso e dá outras providências".

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas EDUCAÇÃO ESPECIAL Metas Meta 4 (compatível com a meta do Plano Nacional de Educação) Meta 4: universalizar, para a população com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

Programa de Promoção da Acessibilidade PPA

Programa de Promoção da Acessibilidade PPA Programa de Promoção da Acessibilidade PPA O que é o Programa de Promoção da Acessibilidade? É um programa institucional que tem como objetivo criar condições de acesso ao conhecimento as pessoas com deficiência

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 95/2011 Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento de Educação Especial, por meio do Programa INCLUI, instituído pelo Decreto nº 51.778, de 14 de setembro de 2010, e dá outras providências.

Leia mais

Atenciosamente, Andrea Asti Severo Marilu Mourão Pereira Roque Bakof Coordenação de Pesquisa Diretora Técnica Presidente

Atenciosamente, Andrea Asti Severo Marilu Mourão Pereira Roque Bakof Coordenação de Pesquisa Diretora Técnica Presidente Mapeamento da realidade municipal e regional sobre acessibilidade e inclusão CARTA DE APRESENTAÇÃO Excelentíssimo Senhor Prefeito A FADERS Acessibilidade e Inclusão, órgão gestor e articulador da política

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /03 Autora: Deputada MANINHA

PROJETO DE LEI Nº /03 Autora: Deputada MANINHA PROJETO DE LEI Nº /03 Autora: Deputada MANINHA Estabelece normas básicas e dispõe sobre condições gerais de funcionamento de estabelecimentos que prestam atendimento institucional e abrigo a idosos, e

Leia mais

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

Projeto de Lei n.º 1.291/2009 pág. 1 PROJETO DE LEI Nº 1.291/2009 SÚMULA: ESTABELECE NORMAS E CRITÉRIOS DE ADEQUAÇÃO PARA ACESSIBILIDADE ÀS PESSOAS

Projeto de Lei n.º 1.291/2009 pág. 1 PROJETO DE LEI Nº 1.291/2009 SÚMULA: ESTABELECE NORMAS E CRITÉRIOS DE ADEQUAÇÃO PARA ACESSIBILIDADE ÀS PESSOAS Projeto de Lei n.º 1.291/2009 pág. 1 PROJETO DE LEI Nº 1.291/2009 SÚMULA: ESTABELECE NORMAS E CRITÉRIOS DE ADEQUAÇÃO PARA ACESSIBILIDADE ÀS PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA OU MOBILIDADE REDUZIDA NOS

Leia mais

RELAÇÃO DO PARLAMENTO BRASILEIRO COM AS POLÍTICAS SOCIAIS PARA A TERCEIRA IDADE.

RELAÇÃO DO PARLAMENTO BRASILEIRO COM AS POLÍTICAS SOCIAIS PARA A TERCEIRA IDADE. ANA LÚCIA ARAÚJO DE SOUZA RELAÇÃO DO PARLAMENTO BRASILEIRO COM AS POLÍTICAS SOCIAIS PARA A TERCEIRA IDADE. Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 2.571, DE 2011 (Do Sr. Junji Abe)

PROJETO DE LEI N.º 2.571, DE 2011 (Do Sr. Junji Abe) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 2.571, DE 2011 (Do Sr. Junji Abe) Altera a Lei nº 10.048, de 8 de novembro de 2000, para dispor sobre a prioridade de atendimento das pessoas com mobilidade reduzida

Leia mais

POR FAVOR, SEMPRE DESLIGUEM CELULARES e computadores!!! 2 o semestre de 2015

POR FAVOR, SEMPRE DESLIGUEM CELULARES e computadores!!! 2 o semestre de 2015 2º semestre de 2015 POR FAVOR, SEMPRE DESLIGUEM CELULARES e computadores!!! Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de 2015 Aula 1 A Engenharia

Leia mais

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp. TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.br O que é educação inclusiva? Inclusão é um processo de aprendizagem

Leia mais