LIVRO DIDÁTICO PÚBLICO DE MATEMÁTICA: POSSIBILIDADES E LIMITAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LIVRO DIDÁTICO PÚBLICO DE MATEMÁTICA: POSSIBILIDADES E LIMITAÇÕES"

Transcrição

1 LIVRO DIDÁTICO PÚBLICO DE MATEMÁTICA: POSSIBILIDADES E LIMITAÇÕES Andressa Charlene Fernandes Resumo Este trabalho tem como objetivo analisar um capítulo do Livro Didático Público (LDP) de Matemática, escrito por professores da Rede Pública Estadual do Paraná. A metodologia utilizada para a análise atendeu a um referencial teórico denominado de Hermenêutica da Profundidade. Para tanto, foi selecionado um capítulo do LDP, realizada uma entrevista semiestruturada com a autora, além de um estudo sobre o contexto e o momento em que tal livro foi produzido. Apresentados estes dados, fez-se a (re)interpretação destes. Palavras-chave: Educação Matemática; Projeto Folhas; Livro Didático Público de Matemática. INTRODUÇÃO O objetivo deste trabalho é analisar um capítulo do Livro Didático Público (LDP) de Matemática, escrito por professores da Rede Pública Estadual do Paraná. Este livro é uma das iniciativas da Secretaria Estadual de Educação do Paraná (SEED-PR) e, de acordo com as palavras de Mauricio Requião de Mello e Silva, Secretário de Estado da Educação, foi elaborado para atender à carência histórica de material didático no Ensino Médio, como uma iniciativa sem precedentes de valorização da prática pedagógica e dos saberes da professora e do professor (SEED, 2006, s/p). A partir do momento que o LDP de Matemática chegou às escolas estaduais do Paraná, foram muitos os professores de Matemática que discordaram da metodologia usada pelos autores na elaboração do LDP de Matemática, pois eles argumentavam que esse não contemplava todos os conteúdos do Ensino Médio. Embora essa discussão fuja do escopo deste trabalho, é relevante ressaltar que há ao menos duas posições políticas no interior da SEED-PR quanto ao papel do LDP de Matemática. Há aqueles que argumentam em favor de que o LDP de Matemática se constitua em um apoio ao livro didático adquirido via Programa Nacional do Livro para o Ensino Médio (PNLEM), enquanto outros defendem a ideia de que o LDP de Matemática 191

2 pode vir a substituir o livro didático. Percebe-se que a segunda posição é a que encontra maior guarida no interior da SEED-PR, pois, de acordo com informações encontradas no endereço eletrônico constata-se que o estado não adquiriu livros de Ensino Médio pelo PNLEM Em uma primeira análise, conclui-se que os autores não tinham o objetivo de esgotar conteúdos. É um livro diferente, pois os conteúdos abordados são alguns recortes dos conteúdos que estruturam a disciplina. Este trabalho tem o objetivo de ampliar a compreensão acerca do LDP de Matemática. Para tanto, foi selecionado um capítulo do LDP de Matemática, realizada uma entrevista com a autora, além de um estudo sobre o contexto e o momento em que tal livro foi produzido. A análise realizada sobre o capítulo em questão é pautada no referencial teórico da Hermenêutica da Profundidade, de John B. Thompson. COMO COMPREENDER? O referencial teórico escolhido é a Hermenêutica da Profundidade, que é uma maneira de compreender um determinado texto, neste caso, um capítulo de um livro didático. Iniciar-se-á por explicitar um dos conceitos fundamentais sobre o qual a Hermenêutica da Profundidade se debruça, ou seja, o conceito de formas simbólicas. Segundo Thompson (2002), formas simbólicas são construções significativas que podem ser compreendidas e interpretadas. Portanto, fenômenos significativos como esculturas, pinturas, falas, gestos, textos escritos e objetos materiais de diversos tipos são formas simbólicas. Thompson destaca cinco aspectos que as formas simbólicas apresentam e que devem ser levados em consideração na análise. O primeiro é o aspecto intencional. Isto significa que as formas simbólicas são produzidas por um sujeito para um sujeito ou para sujeitos. Outro aspecto é o convencional, que quer dizer que a produção e a interpretação das formas simbólicas pelos sujeitos envolvem algumas regras ou convenções. O terceiro é o aspecto estrutural. Isto significa que as formas simbólicas são construções que seguem certa estrutura articulada, elas consistem de elementos que se colocam em determinadas relações uns com os outros. 192

3 O quarto aspecto das formas simbólicas é o referencial, pois, como já foi indicado, as formas simbólicas são construções que representam algo, o que significa que dizem algo sobre alguma coisa. Finalmente, o quinto aspecto das formas simbólicas que é o contextual, para o qual o autor chama atenção. Este aspecto designa que as formas simbólicas estão sempre inseridas em processos e contextos sócio-históricos específicos dentro dos quais e por meio dos quais elas são produzidas, transmitidas e recebidas (THOMPSON, 2002, p. 192). Esses cinco aspectos formulados por Thompson são fundamentais para este trabalho, pois o LDP de Matemática apresenta-os e se enquadra na concepção de formas simbólicas. Ou seja: - ao produzir um capítulo para o LDP de Matemática, o autor tem uma intenção, e esta intenção depende do para quem se produz, e o que este alguém, no caso os alunos das Escolas Estaduais do Paraná, significa para o autor; - no caso do LDP de Matemática, há vários tipos de regras ou convenções, como, por exemplo, o fato dos capítulos iniciarem com um problema que tem relação com o conteúdo e o cotidiano do aluno; - o texto do LDP de Matemática segue uma estrutura convencionada, que serve para a comunicação da intenção de dizer; - ao escrever, o autor tem a intenção de dizer algo sobre um conteúdo específico, mas é a partir da imagem que o leitor tem sobre esse referente que ele produzirá o significado do capítulo; - o livro está inserido em contextos sócio-históricos específicos, assim como a professora autora do capítulo está inserida no contexto em que se formou e atuou. Desta forma, abrem-se possibilidades de interpretações. O referencial teórico utilizado apresenta também uma forma de olhar as formas simbólicas, nesse caso o capítulo do LDP de Matemática. Esta forma de olhar compreende três fases ou procedimentos principais: análise sócio-histórica, aqui representada pelo estudo do contexto histórico-social em que o LDP de Matemática foi produzido; a análise formal ou discursiva, caracterizada, neste trabalho, por uma análise de forma de apresentação e de conteúdos matemáticos; e, finalmente, uma última fase, denominada de interpretação ou (re)interpretação. 193

4 De acordo com Thompson, a hermenêutica da profundidade é um referencial metodológico amplo que compreende três fases ou procedimentos principais. Essas fases devem ser vistas não tanto como estágios separados de um método seqüencial, mas antes como dimensões analiticamente distintas de um processo interpretativo complexo. (p. 365, 2002). Essas três fases podem ser descritas como: análise sócio-histórica em que se consideram as situações espaço-temporais, os campos de interação, as instituições sociais, a estrutura social e os meios técnicos de transmissão; a análise formal ou discursiva, momento em que se pode adentrar nos domínios da análise semiótica, da análise sintática, da análise argumentativa; e ainda uma última fase, denominada de interpretação ou (re)interpretação. (ROLKOUSKI, 2007, p. 199). É relevante ressaltar que essas ideias condizem com as afirmações do historiador alemão Gert Schubring que vem se dedicando à análise de livros didáticos. Segundo esse autor, não é considerado suficiente analisar um livro didático isolado, de uma maneira simplesmente interna, é necessário considerar o contexto externo de sua produção (2003). Nesse sentido, este trabalho irá além dos elementos textuais, buscando compreender e explicitar também o contexto histórico, social e político em que o LDP de Matemática foi produzido. Schubring considera a hermenêutica como uma metodologia tradicional para lidar com textos e propõe uma noção mais ampla da análise hermenêutica: A hermenêutica ou arte de explicar nos ensina a entender os pensamentos de outra pessoa através de seus sinais, e a explicá-los. Isso permite a dádiva de um julgamento claro que pode penetrar na analogia dos modos de raciocinar de outra pessoa [...] O que é necessário antes de tudo como conhecimento científico é o conhecimento da língua na qual o autor escreve. Isso inclui diversas investigações gramaticais, de modo que essas precisam ser feitas primeiro. O conhecimento da língua, entretanto, não será suficiente. Precisamos aprender a respeito da situação moral na época do autor, precisamos ter conhecimentos de história e de literatura, e temos de saber sobre a situação mental... (WOLF apud SCHUBRING, 2003, p.14). 194

5 Por meio da leitura desses parágrafos, percebe-se a consonância existente entre as ideias desses dois autores e acredita-se que a utilização de tais referenciais pode vir a se constituir numa potente lente para a compreensão do que se pretende ter como objeto. COMPREENDENDO... O objetivo das próximas páginas é colocar em movimento as compreensões do capítulo escolhido, à luz do referencial teórico adotado: a Hermenêutica da Profundidade, apresentada anteriormente. Primeiramente, apresentar-se-á o LDP de Matemática como um todo, fazendo uma breve descrição dos seus capítulos. Em seguida, esclarecer-se-á ao leitor o processo de escolha do capítulo que se elegeu para a análise. Caberá às próximas sessões a tecitura de considerações sobre o contexto sóciohistórico de criação do livro, ao que se denomina de análise sócio-histórica, sobre a estrutura e a forma de apresentação dos conteúdos, ao que se denomina de análise formal, e, finalmente, a (re)interpretação dos dados. O LDP de Matemática A apresentação do LDP de Matemática será feita de forma sistemática e constará dos conteúdos estruturantes 1, título do capítulo 2, número de páginas, disciplinas de interlocução 3, autor e escola em que trabalha. O livro é dividido em 4 conteúdos estruturantes, que são precedidos por uma pequena introdução que apresenta, inicialmente, um relato histórico relacionado ao conteúdo. Posteriormente, faz relação da Matemática com o cotidiano do aluno, instigando-o com algumas questões. E finaliza com uma breve descrição de cada capítulo que compõe os conteúdos estruturantes. 1 Entende-se por conteúdos estruturantes os conhecimentos de grande amplitude, conceitos ou práticas que identificam e organizam os campos de estudos de uma disciplina escolar, considerados fundamentais para a compreensão de seu objeto de ensino. Constituem-se historicamente e são legitimados nas relações sociais. (SEED, 2006, p.26) 2 Cada parte do livro apresenta um conteúdo estruturante e é composto por textos que são denominados capítulos. 3 Cada capítulo deve fazer interlocução com outras duas disciplinas. Será esclarecido, na próxima seção, em qual se fará uma descrição do Projeto Folhas, pelo qual o LDP de Matemática foi pautado. 195

6 Primeiro Conteúdo Estruturante: Números e Álgebra Este conteúdo possui apenas um capítulo, denominado de Um; dois; três; 4,5;... ; 27?. Em nove páginas, este capítulo envolve as disciplinas de História e Sociologia. Seu autor, Roberto José Medeiros Júnior, é professor do Colégio Estadual Conselheiro Zacarias, da cidade de Curitiba-PR. Segundo Conteúdo Estruturante: Funções Este conteúdo é composto por oito capítulos, sendo o primeiro denominado de Energia elétrica: cálculos para entender o quanto se gasta e o quanto se paga. Nas nove páginas que este contém, faz interlocução com as disciplinas de Química e Física. A autora, Alice Kazue Takahashi Lopes, é professora do Colégio Estadual Vital Brasil, da cidade de Vera Cruz do Oeste-PR. O segundo capítulo é denominado de Condomínio horizontal ou loteamento fechado?, contém treze páginas e envolve as disciplinas de Geografia e Sociologia. A autora, Márcia Viviane Barbetta Manosso, é professora do Colégio Estadual do Paraná, na cidade de Curitiba-PR. O terceiro e o quarto capítulos foram escritos por Neusa Idick Scherpinski Mucelin, professora do Colégio Estadual João Manoel Mondrone, da cidade de Medianeira-PR. O capítulo denominado de Riscos de acidentes e expectativa de vida contém onze páginas e faz interlocução com as disciplinas de Geografia e Biologia. O outro capítulo é denominado Matemática, música e terremoto, o que há em comum? E possui dez páginas, bem como envolve as disciplinas de Artes e Física. O quinto e o sexto capítulos são de autoria de Donizete Gonçalves da Cruz. Ele é professor no Colégio Estadual Santa Cândida, na cidade de Curitiba-PR. O capítulo denominado Qual é o próximo número? possui doze páginas e envolve as disciplinas de Física e Biologia. O outro capítulo, denominado A rede e o ser, contém treze páginas e envolve as disciplinas de Sociologia e Arte. O sétimo e o oitavo capítulos também foram escritos pela professora Neusa, já apresentada anteriormente. O capítulo denominado Venha navegar por outros mares! possui quatorze páginas e envolve as disciplinas de História e Filosofia. O outro capítulo, 196

7 denominado Rodando a roda, contém treze páginas e envolve as disciplinas de Física e Biologia. Terceiro Conteúdo Estruturante: Geometrias Este conteúdo possui três capítulos. O primeiro capítulo é denominado de A beleza das formas, contém dez páginas e envolve as disciplinas de Arte e Biologia. A autora, Daisy Maria Rodrigues, é professora no Colégio Estadual Antonio Martins de Mello, da cidade de Ibaiti-PR. O segundo capítulo, denominado Se ficar, o cupim come...se tirar, a casa cai?, possui doze páginas e envolve as disciplinas de História e Língua Portuguesa. A autora, Mírian Longaretti, é professora no Colégio Estadual Pedro Macedo, da cidade de Curitiba- PR. O terceiro capítulo é denominado Qual Matemática está presente no resgate do barco?, contém treze páginas e envolve as disciplinas de Física e Educação Física. Foi escrito pelo professor Donizete, que já foi apresentado anteriormente. Quarto Conteúdo Estruturante: Tratamento da Informação Este conteúdo possui três capítulos, os quais são de autoria da professora Loreni Aparecida Ferreira Baldini. Ela trabalha no Colégio Estadual Padre José de Anchieta, da cidade de Apucarana-PR. O primeiro capítulo é denominado Leitura, imagem e informação, contém onze páginas e envolve as disciplinas de Sociologia e Língua Portuguesa. O segundo capítulo denominado Arte de contar possui quinze páginas e envolve as disciplinas de Química e Biologia. O terceiro capítulo é denominado Sonho assegurado, contém doze páginas e envolve as disciplinas de Filosofia e Biologia. O Processo de Escolha do Capítulo Para se efetivar a pesquisa, precisa-se eleger um dos capítulos apresentados. Este processo se mostrou razoavelmente moroso. O primeiro capítulo escolhido foi do autor Roberto José Medeiros Júnior, intitulado Um; dois; três; 4, 5;...; 27?, que está contido dentro do conteúdo estruturante Números e Álgebra. Optou-se por este autor pela facilidade de contato e por conhecer sua 197

8 formação profissional. Ele é próximo profissionalmente da autora deste trabalho, tanto no grupo de pesquisa, que estuda os possíveis entendimentos acerca de dinâmicas didáticometodológicas reveladas por professores escolares envolvendo formação inicial e continuada, coordenado pela Prof. Drª. Ettiène Cordeiro Guérios, como no Colégio Estadual Conselheiro Zacarias, sendo professor de Educação de Jovens e Adultos (EJA), devido a esta proximidade e ao fato de se manter um maior afastamento, decidiu-se escolher outro capítulo. O Segundo capítulo escolhido foi Energia elétrica: cálculos para entender o quanto se gasta e o quanto se paga, da autora Alice Kazue Takahashi Lopes, por estar contido no conteúdo estruturante Funções, assunto pelo qual se despertou interesse. Alice reside em uma cidade distante de Curitiba, Vera Cruz do Oeste. A disponibilidade de ônibus de Curitiba com destino aquela cidade é de apenas uma vez ao dia, o que dificultou o encontro com a autora. Ela sugeriu que a entrevista fosse realizada via , pois não possuía o Skype 4 instalado em seu computador. Aceitou-se a sugestão e as questões foram enviadas, depois de muito tempo a autora respondeu, mas já se havia entrado em contato com outra autora, visto que se optou por realizar a entrevista pessoalmente, o que não foi possível com Alice. Finalmente, entrou-se em contato com a outra autora, Loreni Aparecida Ferreira Baldini, que concordou em conceder a entrevista e colaborar com este trabalho. Ela é autora dos três capítulos que compõem o conteúdo estruturante Tratamento da Informação. Após uma leitura detalhada destes capítulos, optou-se pelo Arte de Contar, devido à afinidade com a Análise Combinatória, conteúdo contemplado neste capítulo. Com vistas a cumprir este objetivo, primeiramente, apresentar-se-á uma análise sócio-histórica, aqui dividida em duas partes, a saber: o contexto da criação do livro, onde se apresentará os entornos no qual o Projeto Folhas e o LDP de Matemática foram elaborados, e informações sobre o autor. Análise Sócio-Histórica O contexto de criação do livro Nesta seção, far-se-á uma descrição do Projeto Folhas, ou seja, do procedimento a ser seguido para escrever um folhas. Na sequência, apresentar-se-á os entornos de elaboração do LDP de Matemática. 4 É um software gratuito que permite comunicação de voz e vídeo via internet. 198

9 O Projeto Folhas tem como objetivo a formação continuada dos professores que atuam na Rede Pública Estadual do Paraná. Ele forneceu o formato das produções que compõem o LDP de Matemática. Para participar do projeto, o professor deve produzir um texto denominado folhas de conteúdos pedagógicos, referenciando-se nas Diretrizes Curriculares do Ensino Fundamental e/ou Médio 5. A escolha de um conteúdo estruturante, bem como a escolha do conteúdo específico fica a critério do autor. No início do folhas o autor deve apresentar um problema que relacione o conteúdo e o cotidiano do aluno, com o objetivo de mobilizá-lo para realizar a leitura integral do texto e posteriormente motivá-lo a buscar a resolução do problema proposto. Após a elaboração do problema, o autor fará o desenvolvimento teórico disciplinar. O tratamento dado ao conteúdo contribuirá para a compreensão e solução do problema, por isso, ao abordá-lo, o professor deverá ser cuidadoso para que o grau de complexidade seja adequado ao nível de ensino dos alunos. Durante a elaboração do texto o autor terá que contemplar o desenvolvimento teórico interdisciplinar e tentará descobrir quais são as abordagens do conteúdo possíveis de serem realizadas por duas outras disciplinas. As propostas de atividades que serão apresentadas ao longo do texto devem ser instigantes para realimentar a mobilização alcançada pelo problema inicial. O autor deve localizar no espaço e no tempo o conteúdo que esta trabalhando no folhas, com o objetivo de possibilitar ao interlocutor compreender a construção histórica do conhecimento. O processo de validação do folhas é realizado em três fases. A primeira ocorre na escola em que o professor atua, onde ele deve ser validado por um professor habilitado na mesma disciplina do autor e por dois professores habilitados em duas disciplinas contempladas no desenvolvimento interdisciplinar. Posteriormente, ele é validado no Núcleo Regional de Educação (NRE), por uma comissão composta pelo coordenador do Projeto Folhas no NRE e um professor de cada uma das disciplinas contempladas pelo folhas. A última fase de validação ocorre na SEED-PR, que transcorre de maneira semelhante ao processo de validação do NRE. 5 São constituídas pela dimensão histórica da disciplina, os fundamentos teóricometodológicos, os conteúdos estruturantes, o encaminhamento metodológico, a avaliação e a bibliografia. (SEED, 2006, p. 7). 199

10 Após passar por essas três fases de validação e ser considerado adequado às exigências do manual de produção, o folhas é encaminhado para publicação no Portal Dia- Dia-Educação, no endereço eletrônico Para se inscrever no processo de seleção dos autores do LDP de Matemática, o professor deveria apresentar o folhas que produziu já validado. Os que ainda não tivessem escrito poderiam produzi-lo exclusivamente para inscrição, sem necessidade de validação, pois todos seriam analisados pelos técnicos do Departamento de Ensino Médio (DEM). Além de apresentar o folhas, era necessário que o professor tivesse licenciatura e pós-graduação (especialização, mestrado ou doutorado) na disciplina de Matemática e no mínimo dois anos de atuação em sala de aula no Ensino Médio, a partir de Também era necessário que estivesse integrado ao Quadro Próprio do Magistério (QPM) com dois padrões 6 ou com um padrão acrescido de 20 horas-aula extraordinárias, para que fosse possível a sua dedicação exclusiva num período de seis meses que ficaria afastado da sala de aula para produzir o livro. Foi enviada uma carta, em dezembro de 2004, para todos os professores da Rede Estadual que atuavam no Ensino Médio, convidando-os a se inscreverem no processo de seleção dos autores do LDP de Matemática. Em maio de 2005 foi publicado no Portal Dia-a-Dia Educação a relação dos cinco professores de Matemática selecionados. Os professores autores foram liberados de suas atividades de sala de aula e em regime de dedicação exclusiva, no período de 16/06/2005 a 16/12/2005, foram assessorados pelos técnicos pedagógicos do DEM, da SEED e pelo consultor Dr. Carlos Roberto Vianna, professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR). No início de junho de 2005 a equipe pedagógica de matemática do DEM realizou uma reunião técnica com o objetivo de discutir direitos autorais, revisão ortográfica, elaboração dos textos de apresentação geral e apresentação das produções que comporiam os conteúdos estruturantes. Também foram selecionados os textos para que os professores autores fizessem leituras e resenhas que fundamentariam as produções que estavam iniciando. Os textos selecionados foram: Ressonâncias e dissonâncias do movimento pendular entre álgebra e geometria no currículo escolar brasileiro; Álgebra ou Geometria: para onde Pende o Pêndulo?; Invitacion a La Didática de La Geometria; 6 Considera-se que o professor possui um padrão quando tem uma carga horária semanal de 20 horas-aula. 200

11 Funciones Y Gráficas; História da Trigonometria; Conceito de Função Matemática Explorando de forma Dinâmica; Educação Matemática e Política: a escolarização do conceito de função no Brasil; O Ensino de Estatística no Contexto da Educação Matemática; Contribuições para um Repensar... a educação Algébrica Elementar e A realidade sobre o ensino de geometria no 1º e 2º graus, no estado de São Paulo. No mesmo mês, a equipe de Matemática do DEM reuniu-se com os autores para entregar os textos que haviam sido selecionados e estabelecer o cronograma para a entrega das resenhas, bem como realizaram a conferência de endereços residenciais, contatos telefônicos e endereços eletrônicos. Nessa reunião também foi realizada a distribuição, entre os autores, dos conteúdos estruturantes e específicos com os quais iriam realizar as produções e foi definido que cada autor deveria entregar três produções no final do projeto. O próximo encontro ocorreu nos dias 22 e 23 de agosto de 2005 no CETEPAR (Centro de Excelência em Tecnologia Educacional do Paraná). Os autores escolheram uma das produções e apresentaram o problema que fomentaria a produção do texto. Fizeram apontamentos sobre a abordagem a ser realizada no desenvolvimento teórico, nas relações interdisciplinares, nas atividades mobilizadoras e na abordagem contemporânea. Também foram debatidos, em grupo, os textos O autor como leitor e Dos Autores e Dos Críticos. Aconteceu um encontro extraordinário, nos dias 24 e 25 de agosto de 2005, da equipe de Matemática juntamente com os autores, para debater e analisar criticamente, bem como apresentar considerações sobre as produções que se encontravam sistematizadas e discutir as resenhas produzidas. Nesse encontro foi a primeira vez que a autora Loreni Ferreira Baldini participou. Ela foi convidada a entrar no grupo de autores para substituir a autora Mafalda Mischka. No período de 25 a 28 de outubro de 2005, realizou-se um encontro em Bocaiúva do Sul, visando à conclusão de algumas produções, acertando questões disciplinares e realizando discussões com as equipes de ensino das disciplinas contempladas nas relações interdisciplinares. O segundo encontro extraordinário ocorreu de 07 a 09 de novembro de A equipe de Matemática do DEM e o consultor realizaram atendimento aos autores e discutiram suas produções. Também solicitaram que eles iniciassem a sistematização do texto da apresentação geral da disciplina e de cada conteúdo estruturante. O último encontro realizado em 2005 ocorreu nos dias 08 e 09 de dezembro, nas dependências da Unibrasil. As produções foram discutidas e finalizadas. Também foi 201

12 realizada a leitura e a reestruturação dos textos da apresentação geral da disciplina e de cada conteúdo estruturante. As produções estiveram disponíveis no Portal Dia-a-Dia Educação, de dezembro de 2005 a março de 2006, possibilitando a troca de ideias com os demais professores da rede e com outras pessoas que tivessem interesse em colaborar. Os textos de Matemática receberam poucas contribuições, sendo que não foram significativas para enriquecer a produção. No dia 09 de junho de 2006 foi realizado um encontro para conferência do material. Os autores leram suas produções e fizeram anotações em tópicos que poderiam necessitar alterações. Estas anotações serviram para que os técnicos da equipe de Matemática do DEM realizassem as últimas leituras, visando ao encaminhamento para as etapas de editoração. Durante o primeiro semestre de 2006 foram realizados os trabalhos finais de sistematização, o processo de liberação de uso dos direitos autorais de imagens, de músicas e de poesias, criação de imagens por profissionais da área e editoração textual e gráfica. No inicio do segundo semestre do mesmo ano, os trabalhos de editoração foram concluídos e os livros foram encaminhados para impressão. Na metade do mesmo semestre cada aluno matriculado no Ensino Médio, aproximadamente , recebeu o LDP de Matemática. O autor Nesta seção destacar-se-á algumas informações sobre o autor, ressaltando aspectos sobre sua formação e atuação. Informações sobre o autor A professora entrevistada foi Loreni Aparecida Ferreira Baldini, 44 anos. Ela atualmente reside em Apucarana-PR. É graduada em Matemática, especialista em Educação Matemática e Mestre em Ensino de Ciência e Educação Matemática pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Já trabalhou em instituições públicas e privadas. Dentre as principais disciplinas que ministrou estão a Física, por 3 anos, e a Matemática, por 15 anos. Lecionou no Ensino Fundamental por 2 anos, no Ensino Médio por 15 anos, no Ensino Superior por 3 anos e em Pós-Graduação (latu sensu) por 3 anos. 202

13 Análise Formal Nesta seção, far-se-á uma descrição sistemática e detalhada do capítulo Arte de Contar, de autoria de Loreni Aparecida Ferreira Baldini. A autora inicia o capítulo com algumas questões do cotidiano, destacando a palavra quantos, como, por exemplo, Quantos dias faltam para acabar o ano?. Posteriormente, questiona o que é a contagem e como ela surgiu. Em seguida é realizada uma breve reflexão histórica, retratando como a contagem era realizada pelas civilizações anteriores, destacando os vários símbolos utilizados para representar quantidade, como sementes, grãos, pedrinhas e outros. Chama atenção para o fato de que atualmente ainda se utiliza símbolos para representar algumas situações de contagem. Para finalizar esta breve reflexão, ela menciona o aprimoramento dos símbolos, chegando ao sistema de numeração utilizado atualmente. Algumas reflexões acerca da concepção de quantidade são realizadas em seguida. Na sequência, a autora propõe uma atividade com o objetivo de introduzir o conceito de Análise Combinatória. Para analisar alguns aspectos importantes do princípio da contagem, duas situações são sugeridas. Para compreensão das situações anteriores, a autora aborda diferentes situações, relacionadas às placas de carros, que envolvem a contagem. Também para elucidar estas questões e motivar os alunos a reflexão, a autora propõe debates. 203

14 Antes de propor o próximo debate, a autora faz alguns comentários sobre a arte de combinar letras para formar palavras e elementos químicos para formar substâncias. Ela também explica que para obtermos água num laboratório, devemos combinar hidrogênio e oxigênio sempre na mesma proporção, isto é, na razão de dois átomos de hidrogênio para um átomo de oxigênio. Esclarece que, por meio da Matemática, da Química e com auxílio da tecnologia, podemos afirmar que nem todas as combinações são possíveis de realizar em laboratório e também nem todas acontecem na natureza. Em seguida, provoca o aluno com alguns questionamentos relacionados às combinações de aminoácidos que formam o código genético. Explica ao aluno que o código genético dado pela fita de DNA é traduzido em sequências de aminoácidos que codificam as proteínas. Esse processo é dado pela molécula de RNA, que é produzido a partir de um DNA, mas com composição distinta, formado pelas quatro bases: Adenina, Guanina, Citosina e Uracila. Após esta explicação, propõe uma atividade envolvendo aminoácidos, bases nitrogenadas e proteínas. A seguir, a autora propõe duas atividades. Na primeira sugere o uso da calculadora científica e de material manipulável, nesse caso cubos coloridos. Na segunda sugere o uso dos cubos coloridos e recomenda que seja feita uma comparação com a primeira. Faz uma breve explicação de como funciona o sistema telefônico no Brasil e propõe duas atividades. Para motivar o aluno faz um comentário sobre o fato de que muitas pessoas trabalham, estudam e até jogam na Mega Sena com vontade de ficarem ricos. Coloca algumas questões sobre a Mega Sena. A seguir propõe uma análise do jogo da Mega Sena com o objetivo de desenvolver o raciocínio combinatório. Menciona que os aspectos envolvidos no jogo da Mega Sena caracterizam um tipo de agrupamento que é denominado Combinação e propõe uma atividade. Realiza uma breve explicação sobre o premio máximo, a quina e a quadra do jogo da Mega Sena. Explica também, que num jogo simples de 6 dezenas, da Mega Sena, o apostador concorre à quina, se acertar 5 das 6 dezenas escolhidas e errar 1 dezena que estará entre as 54 dezenas que não foram escolhidas. Na sequência sugere uma atividade. 204

15 Sugere que o aluno analise as descobertas feitas na atividade anterior e reflita sobre o que significa ter uma chance em cinquenta milhões. Finaliza o capítulo com um debate e uma curiosidade sobre probabilidade, com o objetivo de motivar o aluno a se interessar por este assunto, que será tratado no próximo capítulo, que é de autoria desta mesma autora. Passar-se-á agora, à última fase da análise, que é a (re)interpretação dos dados. Momento em que se valerá das duas análises feitas anteriormente para tecer algumas considerações que se acredita auxiliarem a compreensão do capítulo considerado. (Re)Interpretando De acordo com a forma de análise sugerida pela Hermenêutica da Profundidade, a partir da análise sócio-histórica, aqui representada pelo contexto de elaboração do LDP de Matemática, pelas informações sobre a autora e seu depoimento, da análise formal, aqui representada pela descrição detalhada do capítulo escolhido, qual seja: Arte de Contar, este é o momento em que se passa à terceira fase, a que denomina-se (re)interpretação. O LDP de Matemática possui sua forma vinculada ao Projeto Folhas e constituise, de acordo com sua concepção, em um material com características diferenciadas em relação a um livro didático comum. Isso posto, aos autores que se candidataram a sua elaboração cabia seguir as regras impostas, quais sejam: iniciar com um problema relacionado ao cotidiano do aluno, fazer interlocução com duas outras disciplinas e apresentar uma abordagem histórica do conteúdo tratado. Observa-se, na descrição do Arte de Contar, que este satisfaz a essas características. Não obstante, a entrevista com a autora acaba por explicitar as dificuldades que esta sentiu, pelo fato de ter entrado no processo em substituição a uma autora que havia se desligado do projeto, e, dessa forma, por não ter tido a oportunidade de escolher o eixo em que possuía maior afinidade. Esse fato resultou na necessidade do capítulo submetido passar por várias revisões. De acordo com a autora foram doze versões. Acredita-se que o Projeto Folhas deveria ter como foco principal a sistematização e publicação de experiências pedagógicas já existentes e não a produção com via à publicação. É interessante notar que a autora entrevistada explicita a facilidade com que teve seus primeiros folhas validados, pois decorriam de experiências já consolidadas em sua prática. 205

16 Outro fato que parece digno de nota é que ao se referir aos princípios da contagem, multiplicativo e aditivo, verbaliza que não pode colocar os nomes. Isso porque a forma de escrita sugerida pelo Projeto Folhas a limita nesse aspecto. Trata-se de fazer algo diferente de um livro didático, portanto, o tradicional conteúdo, definição, exemplos e exercícios deve ser banido do LDP de Matemática. Se por um lado isso é desejável por induzir metodologias alternativas, ao forçar a escrita, excluindo os títulos e nomes de conceitos, corre-se o risco da falta de sistematização, o que a própria autora explicita em seu depoimento. Além disso, percebe-se, pela descrição do capítulo, que não é possível esgotar o assunto Análise Combinatória com apoio único e exclusivo neste material, muitas são as lacunas a serem preenchidas pelos professores, que, muitas vezes, não possuem o preparo adequado para sistematizar as questões deixadas em aberto pelo autor. Para citar apenas um exemplo, observa-se que não houve uma sistematização do que denominamos de Permutação com Elementos Repetidos, deixando-se para o aluno a descoberta/construção desse conceito. O que se quer enfatizar é que, embora o LDP de Matemática esteja em consonância com as Diretrizes Curriculares Estaduais e encontre eco nas pesquisas mais recentes da Área de Educação Matemática, pensa-se que é prematura a decisão em substituir os livros didáticos pelo LDP de Matemática. Consideramos o LDP de Matemática um importante apoio ao início do estudo dos temas propostos, no entanto, percebe-se que exige do professor uma grande habilidade para a sistematização e extrapolação dos conteúdos ali expostos. CONSIDERAÇÕES FINAIS Este trabalho teve como objetivo a análise de um capítulo do LDP de Matemática, escrito por professores da Rede Pública Estadual do Paraná. A metodologia utilizada para a análise atendeu a um referencial teórico denominado de Hermenêutica da Profundidade. Trata-se de uma metodologia inovadora para a análise de textos didáticos e que se mostrou bastante profícua. Isto porque possibilita uma espécie de confronto entre o produto final, o que está escrito e o processo, o como e o porquê se produziu. É comum em pesquisas sobre livros didáticos se ater ao elemento escrito, sem se buscar o contexto sócio-histórico em que tal texto didático foi produzido. A metodologia 206

17 adotada sugere, de forma sistemática, ir além do escrito, sugere confrontar intenções, possibilidades e produto final. Finalmente, a análise aqui empreendida acaba por levantar alguns questionamentos que poderão servir para futuras pesquisas. Quais os usos e abusos que os professores estão fazendo do LDP de Matemática? Como os professores estão suprindo as lacunas de conteúdos? Quais os usos que os alunos estão fazendo do LDP de Matemática? Estão seguindo as orientações dos autores? O LDP de Matemática está, realmente, sendo lido pelos alunos? Percebe-se que muitas são as lacunas a serem preenchidas pelo LDP de Matemática. Não obstante, as suas diversas qualidades, sobretudo no que concerne à metodologia de ensino utilizada, considerá-lo como substituto do livro didático pode trazer sérias consequências, sobretudo ao aluno de escola pública, visto ser a escola um dos únicos, senão o único, espaço em que este indivíduo tem contato com um saber sistematizado. Por outro lado, acredita-se que a maior potencialidade deste tipo de produção está além de suprir carências de materiais didáticos, além de ser mais um apoio ao professor. Trata-se de, por meio de uma política pública de alto impacto, proporcionar ao professor um espaço onde possa dar visibilidade a sua experiência, servindo como uma singular oportunidade de formação continuada ao professor, agora professor-pesquisador-autor. REFERÊNCIAS FERREIRA, A. B. H. Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. 1. ed. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, FIORENTINI, D.; LORENZATO, S. Investigação em educação matemática: percursos teóricos e metodológicos. Campinas: Autores Associados, PARANÁ. Secretaria de Estado da educação SEED-PR. Diretrizes curriculares de matemática para a educação básica. Curitiba: SEED-PR, PARANÁ. Secretaria de Estado da educação SEED-PR. Livro Didático Público de Matemática Ensino Médio. Curitiba: SEED-PR, PARANÁ. Secretaria de Estado da educação SEED-PR. Projeto Folhas manual de produção do FOLHAS. Curitiba: SEED-PR. 207

18 ROLKOUSKI, E. Vida de Professores de Matemática impossibilidades de leitura. Instituto de Geociências e Ciências Exatas, UNESP, Rio Claro, Tese de Doutorado. SHUBRING, G. Análise Histórica de Livros de Matemática: notas de aula. Campinas, SP: Autores Associados, THOMPSON, J. B. Ideologia e Cultura Moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. 6. ed. Petrópolis: Vozes, Acesso em: 22 Jul Acesso em: 11 Jul

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

Guia de livros didáticos PNLD 2012

Guia de livros didáticos PNLD 2012 Guia de livros didáticos PNLD 2012 Veja nas páginas a seguir um excerto do documento publicado pela FNDE contendo uma resenha da coleção Quanta Física recentemente aprovada como uma das obras didáticas

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ COLEGIADO DE BIOLOGIA EaD LICENCIATURA EM BIOLOGIA EaD

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ COLEGIADO DE BIOLOGIA EaD LICENCIATURA EM BIOLOGIA EaD UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ COLEGIADO DE BIOLOGIA EaD LICENCIATURA EM BIOLOGIA EaD ATIVIDADE INTEGRADORA ASSOCIADA A PRÁTICA DE ENSINO Módulo IV Desenvolvimento e Crescimento Estudo do desenvolvimento

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ABERTURA DE TURMA PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PROFOP DA UTFPR

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ABERTURA DE TURMA PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PROFOP DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Diretoria de Graduação e Educação Profissional - DIRGRAD Departamento de Educação Campus XXXXXXX ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

Hai Hora Atividade Interativa: Uso do dicionário nas aulas de Língua Estrangeira Moderna Espanhol, na escola pública do Estado do Paraná.

Hai Hora Atividade Interativa: Uso do dicionário nas aulas de Língua Estrangeira Moderna Espanhol, na escola pública do Estado do Paraná. Hai Hora Atividade Interativa: Uso do dicionário nas aulas de Língua Estrangeira Moderna Espanhol, na escola pública do Estado do Paraná. Jaqueline Inês Koloda Moletta Resumo Este artigo visa apresentar

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

Curso Ler e Pensar em Educação, Comunicação e Práticas de Ensino

Curso Ler e Pensar em Educação, Comunicação e Práticas de Ensino Curso Ler e Pensar em Educação, Comunicação e Práticas de Ensino REGULAMENTO 1) EMENTA: Ampliar as possibilidades de atuação dos profissionais titulados pelas licenciaturas universitárias, oferecendo oportunidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2015. Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2015. Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: CIÊNCIAS DA NATUREZA Componente Curricular: BIOLOGIA Série: 1ª Eixo Tecnológico:

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR NA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR NA MODALIDADE PRODUTO TÍTULO DO PROJETO: Consolidação da capacidade institucional com vistas a melhoria dos processos de monitoramento e avaliação dos programas de fomento voltados para a Educação Básica e para o Ensino Superior.

Leia mais

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º. O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Modelagem Matemática da UNIJUÍ Universidade

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA - 2008

ORIENTAÇÕES SOBRE O PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA - 2008 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS EDUCACIONAIS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL Orientação nº 02/2008 PDE/SEED Curitiba, 27 de maio

Leia mais

PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL ISSN 2316-7785 PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Ivanete Zuchi Siple ivazuchi@gmail.com Marnei Mandler mmandler@gmail.com Tatiana Comiotto Menestrina comiotto.tatiana@gmail.com

Leia mais

INSTITUTO BATISTA DE ENSINO SUPERIOR DE ALAGOAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO CAPÍTULO I

INSTITUTO BATISTA DE ENSINO SUPERIOR DE ALAGOAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO CAPÍTULO I INSTITUTO BATISTA DE ENSINO SUPERIOR DE ALAGOAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O presente regulamento propõe a uniformização

Leia mais

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM MARÇO/ABRIL/2012 Considerações sobre as Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio Resolução CNE/CEB

Leia mais

A formação do licenciado em matemática

A formação do licenciado em matemática A formação do licenciado em matemática VIANA,P.A. Sobral Matemática Universidade Estadual Vale do Acaraú 6 de agosto de 2011 paty.alvi@hotmail.com pré-prints da Sobral Matemática no.2011-02 Editor Tarcisio

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

O Processo de Adaptação de Tabelas e Gráficos Estatísticos Presentes em Livros Didáticos de Matemática em Braille. GD13 Educação Matemática e Inclusão

O Processo de Adaptação de Tabelas e Gráficos Estatísticos Presentes em Livros Didáticos de Matemática em Braille. GD13 Educação Matemática e Inclusão O Processo de Adaptação de Tabelas e Gráficos Estatísticos Presentes em Livros Didáticos de Matemática em Braille Rodrigo Cardoso dos Santos 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo do trabalho. Por

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC 1. Dados do Município ou GERED a) Município: FLORIANÓPOLIS b)município/gered: SECRETARIA MUNICIPAL RELATÓRIO

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

1º Semestre Código Disciplina Pré- Requisito

1º Semestre Código Disciplina Pré- Requisito MATRIZ CURRICULAR PARA O CURSO DE PEDAGOGIA LICENCIATURA 1º Semestre 01 Filosofia e Ética Educacional 80 h/a 02 Sociologia da Educação I 03 História da Educação I 04 Psicologia da Educação I 05 Leitura

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO 001/2015

EDITAL DE SELEÇÃO 001/2015 EDITAL DE SELEÇÃO 001/2015 A Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e em Matemática PPGECM/UFPR, conforme decisão do Colegiado, torna pública a abertura de inscrições à seleção

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

A DIDÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR: a importância de uma prática reflexiva nos dias atuais.

A DIDÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR: a importância de uma prática reflexiva nos dias atuais. 1 A DIDÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR: a importância de uma prática reflexiva nos dias atuais. Introdução Amanda Da Fonseca Cavalcanti &Isabely Fernandes Leão Nunes O ensino superior, incluso numa

Leia mais

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007)

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) Disciplina: Seminário de Leituras Orientadas em Linguística Aplicada Professoras: Graciela Hendges e Désirée Motta-Roth

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

ANÁLISE DE TAREFAS MATEMÁTICAS DOS ALUNOS DO 4 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I

ANÁLISE DE TAREFAS MATEMÁTICAS DOS ALUNOS DO 4 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I ANÁLISE DE TAREFAS MATEMÁTICAS DOS ALUNOS DO 4 o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I Diego Barboza Prestes 1 Universidade Estadual de Londrina diego_led@hotmail.com Tallys Yuri de Almeida Kanno 2 Universidade

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D Luzivone Lopes GOMES UEPB luzivone@gmail.com Filomena Mª Gonçalves da Silva Cordeiro Moita - UEPB filomena_moita@hotmail.com

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

Sem vocês nenhuma conquista valeria a pena. que dignamente me apresentaram à importância da família e ao caminho da honestidade e persistência.

Sem vocês nenhuma conquista valeria a pena. que dignamente me apresentaram à importância da família e ao caminho da honestidade e persistência. DEDICATÓRIA Às mulheres da minha vida Neiliane e Wany pelo apoio incondicional em todos os momentos, principalmente nos de incerteza, muito comuns para quem tenta trilhar novos caminhos. Sem vocês nenhuma

Leia mais

WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA

WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO E ENSINO DE CIÊNCIAS NO AMAZONAS MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS NO AMAZONAS WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA PROPOSTAS

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

Kit de Apoio à Gestão Pública 1

Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Índice CADERNO 3: Kit de Apoio à Gestão Pública 3.1. Orientações para a reunião de Apoio à Gestão Pública... 03 3.1.1. O tema do Ciclo 4... 03 3.1.2. Objetivo, ações básicas

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas DOMÍNIO E IMAGEM DE UMA FUNÇÃO: UMA ABORDAGEM POR MEIO DO JOGO BINGO DAS FUNÇÕES Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio (EMAIEFEM) GT 10 ADELSON CARLOS MADRUGA Universidade

Leia mais

IV Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade ISSN 1982-3657

IV Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade ISSN 1982-3657 TEMAS DE BIOLOGIA MAIS FREQUENTES NO PROCESSO SELETIVO SERIADO (PSS) DA UFPB E OS CONTEÚDOS DE ENSINO DE BIOLOGIA, SEGUNDO OS ORIENTADORES CURRICULARES Alessandro Tomaz Barbosa 1, Marsílvio Gonçalves Pereira

Leia mais

O Ensino de Matemática na Educação Infantil

O Ensino de Matemática na Educação Infantil Débora de Oliveira O Ensino de Matemática na Educação Infantil No Brasil, desde 1996, a Educação Infantil é considerada a primeira etapa da educação básica e tem como guia de reflexão de cunho educacional

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 101/2008

RESOLUÇÃO N.º 101/2008 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 101/2008 EMENTA: Aprovação do Regimento Interno do Curso de Pós-graduação, nível Especialização, em SMS em Obras de Engenharia

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 No ano de 2009 o Departamento de Educação Fundamental, tem como meta alfabetizar 100% das crianças dos anos iniciais

Leia mais

CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS E PROPOSTAS DE SESSÕES E MINICURSOS

CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS E PROPOSTAS DE SESSÕES E MINICURSOS CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS E PROPOSTAS DE SESSÕES E MINICURSOS A Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação (RBMA) convida os interessados a participarem do seu VII Seminário, que acontecerá nos

Leia mais

Leitura e Literatura

Leitura e Literatura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICAB Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e de Tecnologias para Educação BásicaB Leitura e Literatura Dia e Semana Nacional da Leitura

Leia mais

PEDAGOGIA DE PROJETOS MANUAL DE ORIENTAÇÕES

PEDAGOGIA DE PROJETOS MANUAL DE ORIENTAÇÕES PEDAGOGIA DE PROJETOS MANUAL DE ORIENTAÇÕES 1 APRESENTAÇÃO Educadores(as) da Faculdade Canção Nova, Este Manual tem o propósito de aprimorar a aplicação da Pedagogia de Projetos nos períodos previstos

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

Clipping IFRJ Setembro de 2012

Clipping IFRJ Setembro de 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Instituto Federal Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Assessoria de Comunicação Clipping IFRJ Setembro de 2012 11/09

Leia mais

Universidade Estadual De Londrina

Universidade Estadual De Londrina Universidade Estadual De Londrina CENTRO DE EDUCAÇÃO, COMUNICAÇÃO E ARTES DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO ESTAGIÁRIO CURSO PEDAGOGIA LONDRINA 2009 2 REITOR WILMAR SACHETIN MARÇAL

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO IMOBILIÁRIO Cabedelo - PB Página 1 de 9 FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DA PARAÍBA - FESP, PESQUISA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art. 1º O Curso de pós-graduação em Computação Aplicada, doravante referido como Curso, mantém programas

Leia mais

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Eduardo Vargas Pereira (IC) 1*, Diego Soares de Moura (IC) 1, Caroline Pereira Dutra (IC) 1, Roberta Almeida dos Santos

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS

UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS Cintia Ap. Bento dos Santos Universidade Cruzeiro do Sul Programa de Pós Graduação

Leia mais

A PESQUISA CIENTÍFICA NO ENSINO-APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA.

A PESQUISA CIENTÍFICA NO ENSINO-APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA. A PESQUISA CIENTÍFICA NO ENSINO-APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA. Eugeniano Brito Martins Ana Carolina Costa Pereira eugenianobm@yahoo.com.br carolinawx@gmail.com Colégio Militar do Corpo de Bombeiros do Estado

Leia mais

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Edward Luis de Araújo edward@pontal.ufu.br Evaneide Alves Carneiro eva@pontal.ufu.br Germano Abud de Rezende germano@pontal.ufu.br

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS DO CORPO DOCENTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS DO CORPO DOCENTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS Artigo 1º - O Programa de Pós-graduação em Aqüicultura do Centro de Aqüicultura da Unesp

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Plano de Aula ESCOLA: ANO: TURMA: PROFESSORA: DISCIPLINA: DATA: / / 201 UNIDADE DIDÁTICA: OBJETIVOS ESPECÍFICOS: CONTEÚDOS: DESENVOLVIMENTO: RECURSOS:

Plano de Aula ESCOLA: ANO: TURMA: PROFESSORA: DISCIPLINA: DATA: / / 201 UNIDADE DIDÁTICA: OBJETIVOS ESPECÍFICOS: CONTEÚDOS: DESENVOLVIMENTO: RECURSOS: Plano de Aula ESCOLA: ANO: TURMA: PROFESSORA: DISCIPLINA: DATA: / / 201 UNIDADE DIDÁTICA: OBJETIVOS ESPECÍFICOS: CONTEÚDOS: DESENVOLVIMENTO: RECURSOS: AVALIAÇÃO: Plano Semanal para Educação Infantil com

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

O PLANETA TERRA E A POPULAÇÃO BRASILEIRA COMO CONTEÚDOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA 1

O PLANETA TERRA E A POPULAÇÃO BRASILEIRA COMO CONTEÚDOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA 1 1 O PLANETA TERRA E A POPULAÇÃO BRASILEIRA COMO CONTEÚDOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA 1 Deisihany Armelin Santana 2 Carina Sala de Moreis 3 INTRODUÇÃO Este artigo analisa, criticamente,

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS TELÊMACO BORBA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA Telêmaco Borba,

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI?

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI? Perguntas Frequentes Quem é o aluno da UFPI? É o indivíduo que está regularmente matriculado em uma disciplina ou curso ou, ainda, que já ingressou na UFPI, embora não esteja cursando nenhuma disciplina

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA DA SAÚDE

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA DA SAÚDE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA DA SAÚDE Edital PPGPS Nº 01/2015 para Seleção de Candidatos ao PNPD 2015 PROCESSO

Leia mais

Categoria Pôster 2 O NEI se constitui numa escola de Educação Infantil situada no Campus Central da UFRN- Natal, que

Categoria Pôster 2 O NEI se constitui numa escola de Educação Infantil situada no Campus Central da UFRN- Natal, que ARTE PRESENTE NA CONSTRUÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO: UM RELATO DE CASO 1 PONTES, Gilvânia Maurício Dias de (Mestranda PPGEd-UFRN/ Prof. do NEI-UFRN) PERNAMBUCO, Marta Maria Castanho Almeida (DEPED- CCSA-

Leia mais

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE.

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Joelma Carvalho Vilar(UFS) 1 Cleverton dos Santos(UFS) 2 Érica Santos de Jesus(UFS) 3 Vera Lúcia Mendes de Farias(UFS)

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL/UAB SELEÇÃO DE TUTORES EDITAL N. 03/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL/UAB SELEÇÃO DE TUTORES EDITAL N. 03/2007 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL/UAB SELEÇÃO DE TUTORES EDITAL N. 03/2007 A UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (UFSM), em parceria com os estados e municípios

Leia mais

iniciais: relato de uma experiência de parceria

iniciais: relato de uma experiência de parceria A formação do professor de ciências para as séries iniciais: relato de uma experiência de parceria Profa. Dra. Maria Candida Muller Professora dos cursos de Pedagogia e Análise de Sistemas Centro Universitário

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR É parte de um Sistema Nacional

Leia mais

LIXO ELETRÔNICO: Problema, discussão e conscientização trabalhados de forma interdisciplinar

LIXO ELETRÔNICO: Problema, discussão e conscientização trabalhados de forma interdisciplinar LIXO ELETRÔNICO: Problema, discussão e conscientização trabalhados de forma interdisciplinar Silviana Izabel Freire Severo 1 Débora da Silva de Lara 2 Maurício Ramos Lutz 3 Resumo: O presente relato tem

Leia mais

Letras - Língua Portuguesa

Letras - Língua Portuguesa UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Letras - Língua Portuguesa 1. Perfil do Egresso: Em consonância

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araújo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande jliedja@hotmail.com Introdução A Educação de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 18/2006 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Ciências Sociais, Bacharelado,

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA DE TEMAS LIGADOS A SUSTENTABILIDADE

MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA DE TEMAS LIGADOS A SUSTENTABILIDADE 1 PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Programa de Bolsa Institucional de Ensino e Aprendizagem Submodalidade Ensino Licenciatura em Matemática (Turno Noturno) MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA

Leia mais

É oportuno considerar a disciplina como núcleo do sistema pedagógico acadêmico, sendo fundamental focar o papel que desempenha na formação

É oportuno considerar a disciplina como núcleo do sistema pedagógico acadêmico, sendo fundamental focar o papel que desempenha na formação INTRODUÇÃO O presente livro constitui registro e reflexão coletiva sobre a primeira experiência desenvolvida na disciplina Docência no Ensino Superior, ofertada pelo Departamento de Teoria e Planejamento

Leia mais

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games 4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games Este Capítulo apresenta o levantamento realizado dos cursos de nível superior no Brasil voltados para a formação de Designers de

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL De 1999 até o ano de 2011 o Instituto Adventista de Ensino do Nordeste (IAENE) congregava em seu espaço geográfico cinco instituições de ensino

Leia mais

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I.

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 23/2008 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, do Centro

Leia mais

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a questão da alfabetização como conceito presente nas políticas educacionais que

Leia mais