PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA"

Transcrição

1 Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Praça Alexandre Vannucchi Leme Endereço: Praça Alexandre Vannucchi Leme, s/n Sorocaba, SP Classificação: Logradouro. Identificação numérica: No dia 07 de outubro de 1978, no encontro da Avenida Afonso Vergueiro com a Rua Amazona, no centro de Sorocaba (SP), foi inaugurada uma praça em homenagem a um dos mortos da ditadura civil-militar que se instaurou no Brasil entre O homenageado era o sorocabano, estudante de 22 anos do curso de geologia da Universidade de São Paulo, Alexandre Vannucchi Leme preso, torturado e morto no Destacamento de Operações de Informações Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi) em março de O local escolhido para a homenagem era um antigo campinho de terra onde, durante a infância, Alexandre e seus amigos jogavam futebol. Naquele dia se reuniram na Praça cerca de 500 pessoas para acompanhar a cerimônia, que era parte da Semana Sorocabana pela Anistia. Além de familiares e amigos de Alexandre Vannucchi, estiveram presentes o reverendo Jaime Wright, o jornalista e então deputado estadual, Fernando de Morais, representantes do Comitê Brasileiro pela Anistia, alguns vereadores de Sorocaba, dentre eles João dos Santos Pereira autor da indicação do nome de Alexandre à praça, o prefeito da cidade, José Theodoro Mendes, e três policiais 1. A arrecadação do dinheiro para o monumento foi feita por meio de contribuições populares. Algumas doações vieram, no entanto, com a ressalva de que não fossem identificados os nomes dos doadores, pois, como avalia a mãe de Alexandre, Dona Egle, as pessoas tinham medo de estarem associadas a uma praça 1 Reportagem de Jorge Luiz Zappia e Marco Antonio Zanfra. A Praça Proibida. Folha de São Paulo, São Paulo, Folhetim, 03 de junho de 1979, p.11. 1

2 com o nome do estudante2. As doações, no entanto, foram suficientes para se assentar, no centro da pequena praça, um bloco de mármore lapidado com duas placas de bronze que trazem as inscrições: Mártir sorocabano das lutas pela liberdade e os versos. Hei de fazer que a voz torne a fluir Entre os ossos... E farei que a fala Torne a encarnar-se... Depois que se perca esse tempo E um novo tempo amanheça3... Imagem 01: Fotografia recente do monumento da Praça Alexandre Vannucchi Leme, Foto: Rafael Barbi. Fonte: Acervo Museu da Cidade de Salto Ettore Liberalesso. A praça, uma homenagem à memória do jovem Alexandre, quando inaugurada, ainda durante a ditadura civil-militar, foi uma ação de resistência ao governo por ser um espaço público que recebeu o nome de um preso político torturado e morto pelos agentes da repressão. Hoje, esse espaço ainda retoma a história de luta dessa geração. Entrevista de Egle Maria Vannucchi Leme ao Folhetim. Folha de São Paulo, São Paulo, 03 de junho de 1979, p O trecho que homenageia Alexandre é um fragmento do Hino dos Mortos dos Guaranis, utilizado pelo escritor paraguaio Augusto Roa Bastos (nascido em Assunção em 1917) como a epígrafe de seu livro Hijo de Hombre (Filho do Homem, na versão em português da Editora Civilização Brasileira de 1965). Publicado em 1960 durante o exílio de Roa Bastos na Argentina, o livro é um retrato da realidade social paraguaia da primeira metade do século XX. O Filho do Homem foi um presente de Alexandre Vannucchi Leme para sua mãe, e dele veio a inspiração para a inscrição na placa de bronze da Praça. Para a declaração de Dona Egle Maria sobre o livro, conferir a entrevista com Fernanda Ikedo no documentário Porque Lutamos! Resistência à ditadura militar!, Minutagem:49:25-49:

3 A MORTE DE UM ESTUDANTE Alexandre Vannucchi Leme nasceu em Votorantim, então distrito de Sorocaba, no dia 05 de outubro de Em 1970, aos 20 anos de idade, se muda para São Paulo e ingressa no curso de geologia da USP, onde passa a ser conhecido também pelo apelido Minhoca (por ser um garoto franzino e apaixonado pela terra) 4. Na Universidade, Alexandre ajudou a criar o Centro Acadêmico de Geologia, do qual fez parte da diretoria, e foi representante discente na Congregação do Instituto de Geociências. Quando foi preso e morto em 1973, trabalhava para reconstruir o DCE da universidade 5. Como membro da comunidade acadêmica da USP, Alexandre e seus colegas, principalmente Alberto Alonso Lázaro (Babão) e Adriano Diogo (Mug), realizavam um trabalho cultural e político de conscientização da comunidade acadêmica e da periferia de São Paulo 6. Além dessa atuação, os três eram vinculados à Ação Libertadora Nacional (ALN), uma organização de resistência ao governo, voltada, principalmente, para ações de luta armada 7. Em relação ao ambiente universitário, é importante considerar que as universidades, naquele período, eram espaços estratégicos do ponto de vista da repressão. Como avalia o historiador Rodrigo Patto parcela expressiva dos militantes das organizações revolucionárias clandestinas era recrutada nas universidades, bem como atuava nos meios acadêmicos a maioria dos intelectuais responsáveis por municiar de argumentos os críticos do regime militar 8. A vigilância desses locais era, portanto, fundamental aos militares. Dentro deste contexto, as participações ativas de Alexandre no meio estudantil, associada à sua participação na ALN, fizeram com que o universitário fosse identificado como um importante opositor da ditadura civil-militar. 4 Informação disponível no livro de Aldo Vannucchi. Alexandre Vannucchi Leme. Jovem, estudante, morto pela ditadura. São Paulo: Editora Contexto, 2014, p Nair Heloisa Bicalho de Sousa, hoje professora da UnB, era membro do DCE-USP na gestão , e explica, em um texto de sua autoria, como como era a atuação de Vannucchi nesse processo de reorganização do movimento estudantil na universidade. A proposta de recriação do movimento estudantil na USP precisava ser criativa e com chance de sucesso. Alexandre animava nossas discussões e ao final decidimos utilizar a arte como instrumento da política: construir o Diretório Central dos Estudantes e encaminhar uma recepção dos calouros, denominada Bichusp, com apresentação de peças de teatro na FAU/USP. Blog O Direito Achado na Rua. Alexandre Vannucchi Leme: um companheiro alegre e destemido. Disponível em: < Acesso em 29/04/ Informação disponibilizada no voto do relator José Carlos Moreira da Silva Filho na 68º Caravana da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça sobre Alexandre Vannucchi Leme. 7 A ALN era liderada por Carlos Mariguella e surgiu em 1967 como dissidência do Partidão (o Partido Comunista Brasileiro). Para mais informações, conferir o glossário As organizações de esquerda do livro-relatório Direito à Memória e à Verdade da Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos (CEMDP) da Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República (SEDH/PR), Para mais informações sobre a relação das Universidades com a ditadura civil-militar, destacamos o livro de Rodrigo Patto Sá Motta. As universidades e o regime militar: cultura política brasileira e modernização autoritária. Rio de Janeiro: Zahar,

4 No dia 16 de março de 1973, por volta das 11h, Alexandre Vannucchi foi preso na Cidade Universitária por agentes do DOI-Codi do II Exército de São Paulo 9. Às 17h do dia seguinte ele já estava morto em decorrência das torturas sofridas. Conforme depoimento dos presos políticos que se encontravam nas celas do DOI-Codi quando Alexandre chegou, ele foi levado imediatamente para a tortura, que se estendeu até o outro dia às 12h. Às 17h o carcereiro que o conduziria para uma nova sessão chamou pelo estudante na frente da cela forte onde ele estava a cela, também conhecida como x-zero, era uma sala fria e totalmente escura. Ao não obter resposta, o carcereiro entrou e verificou que Alexandre havia morrido. Aos gritos comunicava: O homem morreu 10. Neste instante os policiais de plantão se dirigem para a x-zero. Os presos políticos recebem ordem de ficar no fundo das celas para nada verem [...]. Alexandre é retirado da cela, que em seguida é lavada. Todas as outras são revistadas à procura de objetos cortantes. O carcereiro diz que Alexandre tentou o suicídio e fora levado ao hospital 11. Aldo Vannucchi, tio de Alexandre, informa no livro que escreveu em memória ao sobrinho que no dia 20 de março de 1973 a família recebeu uma ligação anônima dizendo que Alexandre estava preso no DOPS e que eles deveriam vir à São Paulo buscá-lo. O pai de Alexandre procura pelo filho em diversos órgãos policiais: no Departamento de Ordem Política e Social (DOPS), no Departamento Estadual de Investigações Criminais (DEIC), no Instituto Médico Legal (IML) e no DOI-Codi. Todos os órgãos negaram saber o seu paradeiro. A notícia da morte de Alexandre Vannucchi Leme foi veiculada nos grandes jornais do país no dia 23 de março de 1973 e informavam que ele tinha sido morto por atropelamento ao tentar fugir da polícia. O pai de Alexandre, no entanto, ao procurar o Deops na noite desse mesmo dia, foi informado pelo delegado diretor, Edsel Magnotti, 9 O DOI-Codi era considerado um dos piores destinos para os presos políticos. Em sua sede na rua Tutóia, nº 921, muitos civis foram torturados, mortos e alguns seguem desaparecidos. Aconselhamos a leitura do documento produzido pelo Memorial da Resistência que apresenta um pouco da história deste local. Programa Lugares da Memória. OBAN/DOI-Codi. Memorial da Resistência de São Paulo, São Paulo, Disponível no site da instituição. Para informações detalhadas, conferir a pesquisa de Mariana Joffily. No centro da engrenagem: os interrogatórios na Operação Bandeirantes e no DOI de São Paulo ( ). Tese (Doutorado em História Social). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, Disponível no livro-relatório Direito à Memória e à Verdade da CEMDP da SEDH/PR, 2007, p.338. O relatório também traz os nomes das testemunhas, que prestaram depoimento oficial sobre o caso na 1ª Auditoria Militar de São Paulo em julho de Registro de Nilmário Miranda e Carlos Tibúrcio no livro Dos filhos deste solo - mortos e desaparecidos políticos durante a ditadura militar: a responsabilidade do Estado. São Paulo: Perseu Abramo, O trecho foi citado pelo relator José Carlos Moreira da Silva Filho durante o voto na 68º Caravana da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça sobre Alexandre Vannucchi Leme. 4

5 que o jovem havia sido preso e recolhido na rua Tutóia e que se suicidara na cela com uma lâmina de barbear 12. Uma das estratégias dos militares em relação aos presos políticos mortos sob tortura era apresentar versões distintas para a causa mortis, amenizando ou eximindo os agentes policiais de qualquer responsabilidade. O repertório de versões para essas mortes não era muito extenso, como destaca a historiadora Mariana Joffily, que em sua pesquisa relaciona as versões mais comuns oferecidas pelos agentes para as mortes ocorridas dentro das dependências do DOI-Codi. As explicações mais utilizadas eram: suicídio, tentativa de fuga às vezes seguida de atropelamento, resistência à prisão e morte em tiroteio com os agentes da ordem. Sob o sucesso dessa última versão, Joffily destaca que em caso de tiroteio, os agentes do DOI não eram obrigados a manter intacta a cena do crime, para a investigação da perícia, o que lhes permitia forjar tiroteios sem grandes preocupações de verossimilhança 13. Associada a esta possibilidade de forjar causas de morte, os agentes da repressão contavam ainda com o aval técnico de médicos-legistas que reproduziam as informações oferecidas pelos militares e produziam laudos e atestados de óbito falsos. A atuação desses legistas era importante também junto ao IML, principalmente para os casos de desaparecimento de corpos, quando eles faziam os necessários encaminhamentos para o sepultamento de presos políticos como indigente, impedindo a identificação das vítimas pelos familiares 14. Para o caso de Alexandre, a versão que prevaleceu diante das duas histórias contraditórias foi a de atropelamento. Isso porque no dia 31 de março de 1973 foi feito um pronunciamento das autoridades, buscando esclarecer os fatos. Neste dia, o Secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo, o general Sérvulo da Motta Lima, em resposta a uma solicitação de informação por parte do reitor da USP, professor Miguel Reale, redigiu uma nota oficial na qual explica as circunstâncias do atropelamento do estudante ocorrida em uma rua muito movimentada no bairro do Brás 15. A nota também tinha por objetivo tentar controlar a agitação no meio estudantil causada após a morte de Alexandre, principalmente na USP, que havia decretado o luto na universidade. O general, além de informar sobre as circunstâncias da morte, escreveu também sobre o seu sepultamento, justificando a rapidez com que o corpo foi enterrado. 12 Aldo Vannucchi, op. cit., p Mariana Joffily, op. cit., p.272. Outra importante leitura sobre o assunto é o relatório da CNV. Volume 1. Parte III. Capítulo 11. Execuções e mortes decorrentes de tortura, Disponível em < Acesso em 30/04/ Relatório da CNV. Volume 1. Parte III. Capítulo 9. Tortura. 2014, p A nota oficial foi reproduzida no livro de Aldo Vannucchi, p.39. 5

6 Após o prazo de 24 horas decorridas a contar de sua morte, não tendo sido o corpo reclamado, foi enterrado. Tal praxe, utilizada quando se trata de terroristas mortos, prende-se ao antecedente, já havido no Recife, onde terroristas da mesma organização realizaram uma ação no IML, visando a resgatar um corpo para posterior exploração do fato 16. A família de Vannucchi, alguns dias antes, havia sido informada no IML que o estudante estava enterrado como indigente no Cemitério de Perus 17. Conforme relatório produzido pela Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos (CEMDP), Alexandre foi enterrado sem caixão em uma cova rasa, forrado com cal para acelerar o processo de decomposição e encobrir as marcas da tortura 18. Sua entrada foi registrada no Livro de Óbitos nº 6 do Cemitério. Aos 18 de março de 1973 foi sepultado o cadáver de Alexandre Vannucchi Leme, na sepultura 172 da quadra nº 8, gleba nº 2, falecido aos , às 17 horas, filho de José Oliveira Leme e de Egle Maria Vannucchi Leme, do sexo masculino, cor branca, com 22 anos de idade, natural de Sorocaba, São Paulo, tendo como causa da morte lesões traumáticas cranioencefálicas, conforme atestou o Dr. Isaac Abramovitc 19. Em relação ao corpo, a família, apesar de ter contratado um advogado imediatamente após saber da prisão de Alexandre, somente após 10 anos, ou seja, em 1983, conseguiu transladar os restos mortais do ente querido para a sua cidade natal. Aldo Vannucchi relembra a cerimônia realizada na Catedral da Sé por Dom Paulo Evaristo Arns, quando foi rezada uma missão diante dos restos mortais de Alexandre e de Frei Tito 20. No dia 25 de março de 1983, em uma única e emocionante celebração, efetuada a pedido da família de Alexandre e dos 16 Sérvulo da Motta Lima. Secretaria de Segurança explica a morte de estudante paulista. Jornal do Brasil. Rio de Janeiro, 01/04/1973, p O Cemitério Dom Bosco foi construído pela prefeitura de São Paulo em 1971 e foi criado com a finalidade de sepultar corpos de indigentes e indivíduos pobres sem identificação da periferia de São Paulo, mas também abrigou, ainda que secretamente, os corpos de militantes opositores da ditadura. Entidades de defesa dos Direitos Humanos e familiares dos desaparecidos já haviam denunciado, na segunda metade dos anos 1970, a existência de uma vala comum neste Cemitério, mas ela só foi descoberta em Mais informações podem ser consultadas no documento produzido pelo Memorial da Resistência. Programa Lugares da Memória. Cemitério Dom Bosco. Memorial da Resistência de São Paulo, São Paulo, Disponível no site da instituição. 18 Livro-relatório Direito à Memória e à Verdade da CEMDP da SEDH/PR, 2007, p Livro de Registros do Cemitério Dom Bosco, em Perus, folha nº 134. Documento reproduzido por Aldo Vannucchi, op. cit., p O frei dominicano Tito de Alencar foi preso em novembro de 1969 e torturado ininterruptamente durante três dias pelo DEOPS/SP. Em dezembro de 1970 foi um dos presos políticos trocados pelo embaixador suíço, Giovani Enrico Bücker. Em 1971 foi para Roma e, em seguida, para Paris, onde se suicidou por não conseguir conviver com os traumas provocados pela repressão. Hoje se encontra enterrado no cemitério São João Batista, em Fortaleza. 6

7 dominicanos do Brasil, dois jovens tombados pela Ditadura, Alexandre Vannucchi Leme e Frei Tito de Alencar Lima, tiveram seus restos mortais trasladados para a Catedral da Sé lotada, em São Paulo. Eram mais de 5 mil pessoas participantes. Diante das duas urnas, postas aos pés do altar, cobertas pela bandeira nacional e por arranjos de flores, o cardeal Dom Paulo Evaristo Arns oficiou a cerimônia, iniciada às 18h30. [...]. Após a missa, o coral Luther King cantou com Sérgio Ricardo o seu poema Calabouço, enquanto as urnas eram retiradas rumo a Fortaleza, a de Frei Tito, e a de Alexandre, a Sorocaba 21. Imagem 02: Missa celebrada por Dom Paulo Evaristo Arns na Catedral da Sé diante dos restos mortais de Frei Tito de Alencar Lima e Alexandre Vannucchi Leme. 25/03/1983. Foto: Douglas Mansur. Fonte: Exposição "Os Caminhos de Dom Paulo em São Paulo". Em Sorocaba, familiares, amigos e representantes do Comitê Brasileiro pela Anistia passaram a noite em vigília em torno da urna de Alexandre. Pela manhã se dirigiram para a praça com o seu nome, onde se realizou um ato público em sua homenagem. De lá, foram para o Cemitério da Saudade, onde agora descansam os restos mortais do jovem junto ao jazigo da família. Na lápide, a inscrição: Aqui vigia Alexandre Vannucchi Leme 5/10/1950, assassinado pelo regime militar em 17/03/1973, à espera do tempo da justiça. Durante esses 10 anos, nos quais a família buscou trazer os restos mortais de Alexandre para Sorocaba, muitos momentos de solidariedade foram organizados em 21 Aldo Vannucchi, op. cit., p

8 sua homenagem (como missas e passeatas), mas também muitas manifestações ocorreram em reação às versões falsas oferecidas pelas autoridades a respeito da morte do estudante. Em abril de 1978, por exemplo, o ministro do Superior Tribunal Militar (STM), o general Rodrigo Octávio Jordão Ramos, tentou reabrir o processo iniciado em 1973, na II Auditoria Militar, por testemunhas da morte de Alexandre nas dependências do DOI-Codi. Por 13 votos a 1, Rodrigo Octávio foi vencido ao pedir a apuração das denúncias de tortura em Alexandre. Em seu voto, o general destacou o contraste entre a coerência dos depoimentos dos companheiros de cárcere de Alexandre com a falta de entrosamento dos depoimentos prestados pelas poucas testemunhas que foram arregimentadas pela polícia. O caso, no entanto, foi arquivado sem solução 22. Também em 1978, como mencionado no início deste texto, em Sorocaba foi inaugurada a praça em homenagem à Alexandre. Uma praça que significou um espaço de luto para a família, que ainda buscava pelo corpo junto ao Cemitério Dom Bosco; e um espaço para a comunidade sorocabana relembrar a morte prematura do jovem. Mas, na mesma época, essa praça foi alvo, também, de inquérito policial e ações de depredação, numa tentativa de intimidar quem se opunha ao governo. A PRAÇA COMO LUGAR DE MEMÓRIA Em agosto de 1978 um grupo de sorocabanos instalou na cidade um núcleo do Comitê Brasileiro pela Anistia, cujo objetivo era programar uma semana de estudos e conferências sobre a anistia. Numa das reuniões foi sugerida a inauguração de uma via pública com o nome de Alexandre. Esse grupo procurou o então vereador pelo MDB 23, João dos Santos Pereira, que encaminhou a proposta ao prefeito da cidade. Destacamos o trecho de uma entrevista com a Folha de São Paulo na qual o exvereador explica os termos da indicação feita. Eles [o Comitê Brasileiro pela Anistia] sugeriram e eu, de imediato, como democrata que sou, encampei a iniciativa de sugerir ao prefeito a denominação da praça. A indicação estava vazada nesses termos: (Lê a cópia de sua propositura, na qual ele considera que) sem motivos justificados, ele (Alexandre Vannucchi Leme) foi preso, espancado e torturado barbaramente até a morte, sendo enterrado como indigente e que Sorocaba estará desta forma, embora modestamente, reconhecendo o verdadeiro valor moral de seu filho 22 Livro-relatório Direito à Memória e à Verdade da CEMDP da SEDH/PR, 2007, p Em 1965, o general Castelo Branco decretou o AI-2, que, dentre outras providências, extinguia os partidos políticos no país, adotando o bipartidarismo. Os dois únicos partidos permitidos eram a Arena (Aliança Renovadora Nacional), de apoio ao governo, e o MDB (Movimento Democrático Brasileiro), que aglutinava as diversas oposições. O bipartidarismo só foi extinto no final de

9 jovem, que morreu com 23 anos, pelo único crime de pensar em um Brasil democrático e soberano para todos. [A indicação] Foi subscrita por todos os vereadores. 24 A mãe de Alexandre, Dona Egle, também foi entrevistada pela Folha nessa mesma oportunidade e, sobre a proposta da nomeação da praça, declara: Eles [o Comitê Brasileiro pela Anistia] queriam um fato assim, vamos dizer, de impacto. Nos procuraram e, é claro, era uma forma de homenagear nosso filho. A gente procurou não se envolver muito, para que não parecesse promoção da família. A inauguração até teve uma certa repercussão. Estiveram presentes pessoas representando entidades [...]. Depois da inauguração da praça teve um ato ecumênico, no salão da Escola Normal Getúlio Vargas, que é municipal 25. Questionada sobre como a família recebeu essa homenagem, Dona Egle disse que a família a considerou muito justa porque afinal de contas ele é filho daqui, é uma pessoa que deu um testemunho. E sobre o contexto da indicação do nome de Alexandre à praça e a inauguração da mesma, acrescenta: Houve uma declaração do próprio prefeito, mostrando a simplicidade, a legalidade da coisa. É comum isso. Os próprios familiares podem pedir a indicação. Agora, pelo fato de ser o Alexandre... A gente pensou que já não poderia ser permitida aquela inauguração. Mas foi. Pensei que o prefeito talvez se esquivasse. Mas não, ele trabalhou muito para terminar a praça, falou, esteve presente. Foi até bem contundente. A intenção dele (João dos Santos Pereira) foi homenagear Alexandre, homenagear e dar um consolo à família. Uma vez que nós não recebemos o corpo até hoje, seria uma maneira de a gente ter um lugar onde homenagear 26. Em 07 de outubro de 1978 a praça foi inaugurada com 500 pessoas. Neste dia o jornalista Fernando Morais trouxe, para os presentes, uma mensagem inesperada. Ele, que havia se encontrado com Gabriel García Marquez, o havia convidado para a inauguração, mas o escritor colombiano, não podendo comparecer, escreveu algumas linhas que foram lidas durante o evento. Segue a mensagem: Companheiros estudantes: O pouco tempo que estive no Brasil não me permitiu aceitar o convite que vocês me fizeram para a inauguração da Praça Alexandre Vannucchi Leme. Apesar da ausência pessoal, quero que saibam 24 Entrevista de João dos Santos Pereira ao Folhetim. Folha de São Paulo, São Paulo, 03 de junho de 1979, p Entrevista de Egle Maria Vannucchi Leme ao Folhetim. Folha de São Paulo, São Paulo, 03 de junho de 1979, p Idem. 9

10 que estou aí, junto com vocês, na mesma dura luta que vocês enfrentam pela democracia e pelo respeito dos direitos humanos. Saibam que vocês não estão sozinhos nessa luta. Na Nicarágua ensanguentada por Somoza, no Chile ensanguentado por Pinochet, em toda a nossa América Latina ensanguentada por tantos opressores, ficará sempre a voz de um Alexandre Vannucchi Leme clamando pela liberdade e pela democracia. Peço-lhes, pois, que aceitem a minha solidariedade 27. Imagem 03: Praça Alexandre Vannucchi Leme durante a inauguração em Foto: Autor desconhecido. Fonte: Frame do documentário "Porque Lutamos! Resistência à ditadura militar!", de Fernanda Ikedo (2008). Dentre os presentes havia também três policiais, que foram os responsáveis pelo envio de um relatório da Delegacia Regional de Polícia de Sorocaba à Secretaria da Segurança Pública, indicando quem eram as pessoas que haviam feito discursos durante aquele evento. O relatório daria início a um inquérito policial que em abril de 1979 convocou, por telefone, 16 vereadores da cidade 9 do MDB e 7 da Arena para explicar o porquê da Praça. A reportagem da Folha de São Paulo averiguou com os vereadores e constatou que os convocados não sabiam por determinação de quem estavam sendo chamados. Antonio Orlando Rago, delegado responsável pelo DOPS de Sorocaba afirmou, na época, desconhecer qualquer movimentação policial nesse sentido, mas informou que as investigações vinham sendo conduzidas pelo delegado Rubens Palma, designado pelo seccional Cássio Salermo que, por sua vez, se negou 27 A mensagem segue traduzida e reproduzida no livro de Aldo Vannucchi, op.cit, p

11 a prestar esclarecimentos, afirmando apenas que esse era um processo sigiloso que veio de São Paulo, não sabendo, entretanto, dar precisão de qual órgão havia aberto o inquérito 28. João dos Santos Pereira, vereador que propôs o nome da praça ao prefeito, foi indiciado por apologia a autor de crime e afirma que, de acordo com seu advogado, o inquérito surgiu de uma petição da 14ª Circunscrição do Serviço Militar (CSM) de Sorocaba, que solicitou uma investigação ao Ministério da Justiça 29. Chamado para depor e questionado sobre os seus motivos para a indicação do nome de Alexandre à praça, João dos Santos declarou para os policiais que a sua proposta era homenagear um estudante de uma família tradicional e católica de Sorocaba e que a homenagem seria prestada na data do aniversário dele. E ainda afirma: Eu não fiz a indicação para fazer apologia de criminoso porque eu não reconhecia crime nenhum no Alexandre. No processo que foi instaurado, os corréus (processados juntamente com o estudante) foram todos absolvidos 30. O inquérito foi arquivado em 4 de julho de 1979 e o motivo de sua abertura, acredita-se, que tenha sido uma tentativa de intimidação dos envolvidos. A Folha de São Paulo levantou, na época, a possibilidade de que o inquérito fosse um alerta para que não se falasse do problema das torturas, ao que João dos Santos responde: Eu não posso responder com certeza porque eu não sei onde a Justiça quer chegar. Eu não sei se eles querem atingir a família do Alexandre, se eles querem atingir o Legislativo de Sorocaba, se eles querem atingir o vereador proponente. Se eles querem atingir o Executivo na pessoa do prefeito que fez o decreto, ou se eles querem atingir tudo ao mesmo tempo. Eu não sei onde eles querem chegar. Se eles querem punir o vereador, é uma injustiça. Se eles querem punir a família, eles devem primeiro apurar se ele era mesmo criminoso e apurar as verdadeiras causas de sua morte. Se eles querem atingir o Legislativo sorocabano, eles vão atingir o poder legislativo de uma forma geral. É uma medida que implica na hierarquia dos poderes constituídos. Uma interferência inaceitável 31. Os litígios da memória em torno da representação da história de atuação política de Alexandre, consolidada através da homenagem de nomeação da praça, se fizeram evidentes naqueles primeiros anos. O jornal Diário de Sorocaba, em sua edição do dia 18 de agosto de 1979, escreve sobre as depredações que aquele espaço público de luto e homenagem vinha sofrendo. Segundo o jornal, já tentaram 28 Reportagem de Jorge Luiz Zappia e Marco Antonio Zanfra. A Praça Proibida. Folha de São Paulo, São Paulo, Folhetim, 03 de junho de 1979, p Idem. 30 Entrevista de João dos Santos Pereira ao Folhetim. Folha de São Paulo, São Paulo, 03 de junho de 1979, p Idem, p

12 arrancar os marcos da praça, além da tentativa de quebra de suas árvores. E que, durante a última ação dos opositores, a placa denominativa da praça havia sido alvejada com vários tiros. A Folha de São Paulo também noticia as depredações contra a praça e afirma, que, as ações ocorreram num curto intervalo de dois meses e que, em Sorocaba, os moradores não acreditam que essa seja apenas uma ação de vândalos, mas, sim, de motivações políticas. O vereador João dos Santos Pereira, diante dos fatos, denunciou a depredação da Praça Alexandre Vannucchi Leme tanto na tribuna da Câmara quanto na imprensa. E, em 1979, durante a Semana das Liberdades promovida pelo Gabinete de Leitura Sorocabana, pediu às autoridades a apuração das responsabilidades e chamou a população para atuar em defesa da praça, que deveria ser encarada como uma conquista da população de Sorocaba, por representar uma iniciativa bastante inédita: homenagear publicamente, ainda durante a ditadura, alguém identificado como inimigo de regime 32. Mesmo diante de ações dos que não desejavam a memória pública de Alexandre Vannucchi, a praça, que já havia sido um campinho de futebol que reunia, quando criança, Alexandre e seus amigos, foi proposta, inaugurada e atuou como um espaço de memória das lutas contra a repressão. Imagem 04: Detalhe da inscrição do monumento em homenagem a Alexandre Vannucchi Leme Foto: Rafael Barbi. Fonte: Acervo Museu da Cidade de Salto Ettore Liberalesso. 32 A notícia do Diário de Sorocaba está reproduzida no livro de Aldo Vannucchi. Já a reportagem Praça Vannucchi sobre depredação foi publicada na edição da Folha de São Paulo, 15 de agosto de

13 ATUALMENTE E/OU ACONTECIMENTOS RECENTES: O nome de Alexandre Vannucchi Leme, mártir estudantil da luta contra a ditadura civil-militar brasileira, além de denominar a praça em Sorocaba, nomeia outra praça no bairro Jardim Catanduva na grande São Paulo, uma Escola Municipal em Ibiúna (SP) e uma Escola Municipal de Ensino Fundamental na cidade de São Paulo. A homenagem também se estende ao nome de ruas em Campinas, Osasco, São Paulo, Ribeirão Preto, Itaquaquecetuba (todas em SP) e Bangu, no Rio de Janeiro. E vale destacar ainda que várias organizações estudantis relembram Alexandre como um importante referencial de resistência política à ditadura civil-militar e, por isso, seu nome foi atribuído, por exemplo, ao Diretório Central dos Estudantes da USP quando, após uma assembleia feita em 26 de março de 1976 com o objetivo de retomar o movimento estudantil na universidade, os estudantes reorganizaram o DCE e o batizaram como DCE-Livre Alexandre Vannucchi Leme ; já em Sorocaba a homenagem parte do Centro Acadêmico de Direito da UNISO (Universidade de Sorocaba), o Grêmio dos alunos do Colégio Objetivo e mais recentemente, a Câmara Municipal da cidade, que criou uma Comissão da Verdade denominada Comissão da Verdade Alexandre Vannucchi Leme. Em dezembro de 2013, a pedido da Comissão Nacional da Verdade (CNV), a 2ª Vara de Registros Públicos do Tribunal de Justiça de São Paulo determinou, em sentença proferida pela juíza Renata Mota Maciel Madeira Dazem, a retificação da causa da morte do estudante Alexandre Vannucchi. A CNV, acolheu o pedido feito por familiares de Alexandre, e apresentou documentos que comprovam que a causa da morte do jovem foi por lesões decorrentes de tortura. 13

14 Imagem 05: Atestado de óbito de Alexandre Vannucchi Leme retificado para informar a real causa de sua morte: lesões causadas por tortura nas dependências do DOI-Codi. Fonte: Rede Democrática. A Praça Alexandre Vannucchi Leme, hoje, apesar de ter sido cortada ao meio para dar vasão ao trânsito local33 permanece como espaço de homenagem ao jovem sorocabano e a tantos outros que morreram por lutar pela democracia durante os anos ditatoriais de No dia 01 de abril de 2012 (dia de descomemoração do Golpe de 1964) um grupo formado por dez militantes do Partido Socialismo e Liberdade (Psol) prestaram uma homenagem a todos os perseguidos pelo regime. Os participantes depositaram rosas no monumento a Alexandre e afixaram cartazes com citações que criticavam o governo dos militares. A solenidade também realizou um ato que simbolizou a lavagem do sangue que foi derramado por aqueles que lutaram contra o período. Informação disponibilizada por Dona Egle, mãe de Alexandre, durante entrevista feita a Fernanda Ikedo para o documentário Porque Lutamos! Resistência à ditadura militar!, Minutagem: 44:56-45:

15 "Aqui não há festa. Queremos contrapor todos aqueles que fizeram ou fazem neste dia reverência ao golpe militar. Muitos foram os que morreram nos porões da ditadura", ressaltou um dos participantes, o ex-vereador Osvaldo Noce 34. Imagem 06: Ato de descomemoração à ditadura civil-militar na Praça Alexandre Vannucchi Leme em Sorocaba. Os participantes lavam, simbolicamente, o sangue dos que foram mortos pela repressão. 01/04/2012. Foto: Erick Pinheiro. Fonte: Jornal Cruzeiro do Sul. FILMES E/OU DOCUMENTÁRIOS Documentário: Porque Lutamos! Resistência à ditadura militar!. Direção de Fernanda Ikedo Sinopse: por meio de depoimentos, o documentário narra a história de luta e sobre a morte de Alexandre Vannucchi Leme. Traz também entrevistas com outras sete pessoas que falam de suas trajetórias pessoais durante o período e contam o que representou a morte de Alexandre em Documentário: Vala Comum. Direção de João Godoy Sinopse: o documentário realiza entrevistas com familiares de mortos políticos encontrados na vala comum do Cemitério Dom Bosco, em Perus. A 'vala comum' encontrada em 1990 abrigava ossadas que estão em processo de reconhecimento. 34 Ato homenageia perseguidos pelo regime militar. Jornal Cruzeiro do Sul. Sorocaba. 01/04/2012. Disponível em <http://www.cruzeirodosul.inf.br/materia/376399/ato-homenageiaperseguidos-pelo-regime-militar>. Acesso em 29/04/

16 REMISSIVAS: Universidade de São Paulo (USP); Praça da Sé; Departamento de Operações Internas do Centro de Operações para a Defesa Interna (DOI-Codi); Departamento Estadual de Ordem Política e Social de São Paulo (Deops/SP); Catedral Metropolitana Nossa Senhora da Assunção de São Paulo - Catedral da Sé; Instituto Médico Legal (IML/SP); Cemitério Dom Bosco Vala de Perus. REFERÊNCIAS BRASIL. Direito à Memória e à Verdade. Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos (CEMDP). Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República (SEDH/PR) Disponível em < Acesso em 29/04/2015. FOLHA DE SÃO PAULO. Praça Vannucchi sobre depredação. Folha de São Paulo, São Paulo, 15 de agosto de LEME, Egle Maria Vannucchi. Entrevista ao Folhetim. Folha de São Paulo, São Paulo, 03 de junho de 1979, p.12. LIMA, Sérvulo da Motta. Secretaria de Segurança explica a morte de estudante paulista. Jornal do Brasil. Rio de Janeiro, 01/04/1973, p. 31. PEREIRA, João dos Santos. Entrevista ao Folhetim. Folha de São Paulo, São Paulo, 03 de junho de 1979, p.11. SILVA FILHO, José Carlos Moreira. Voto 68º Caravana da Comissão de Anistia. Ministério da Justiça. Tema. Alexandre Vannucchi Leme. Data: 15 de março de Documento disponível em <http://verdadeaberta.org/upload/005-voto- Alexandre-Vannucchi-Leme.pdf>. Acesso em 29/04/2015. VANNUCCHI, Aldo. Alexandre Vannucchi Leme. Jovem, estudante, morto pela ditadura. São Paulo: Editora Contexto, 2014, p.134. ZAPPIA, Jorge Luiz & ZANFRA, Marco Antonio. A Praça Proibida. Folha de São Paulo, São Paulo, Folhetim, 03 de junho de 1979, p

17 COMO CITAR ESTE DOCUMENTO: Programa Lugares da Memória. Praça Alexandre Vannucchi Leme. Memorial da Resistência de São Paulo, São Paulo,

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA CEMITÉRIO MUNICIPAL DE AREIA BRANCA Endereço: Avenida Nossa Senhora de Fátima, 768, Areia Branca, Santos,SP. Classificação: Cemitério Identificação

Leia mais

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Cemitério de Areia Branca Endereço: Avenida Nossa Senhora de Fátima, 854 Areia Branca, Santos, SP. Classificação: Cemitério Identificação

Leia mais

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns "Éramos dois contratados de Deus" JOSÉ MARIA MAYRINK (Jornal do Brasil - 13/6/99) SÃO PAULO - Campeão da defesa dos direitos humanos durante os anos da ditadura

Leia mais

Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964

Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964 Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964 http://noticias.terra.com.br/brasil/golpe-comecou-invisivel-diz-sobrinho-de-substitutode-jango,bc0747a8bf005410vgnvcm4000009bcceb0arcrd.html acesso em 31-03-2014

Leia mais

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA FAZENDA 31 DE MARÇO DE 1964 Situada entre os municípios de Itanhaém, Embu-Guaçu ao extremo sul da Grande São Paulo a fazenda, disfarçada

Leia mais

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes.

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes. Ditadura: É uma forma de governo em que o governante (presidente, rei, primeiro ministro) exerce seu poder sem respeitar a democracia, ou seja, governa de acordo com suas vontades ou com as do grupo político

Leia mais

Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça!

Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça! Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça! Tânia Miranda * A memória histórica constitui uma das mais fortes e sutis formas de dominação. A institucionalização da memória oficial

Leia mais

O Brasil. na era da ditadura. Memória em foco

O Brasil. na era da ditadura. Memória em foco Foto: Breno Mendes O Brasil na era da ditadura Agradecimento ao site http://memoriasoswaldohernandez.blogspot.com.br/, de onde as imagens e as informações para as legendas foram retiradas. Com a suposta

Leia mais

DOSSIE SOBRE A LUTA DOS MORADORES DO ASSENTAMENTO CANAÃ (MT)

DOSSIE SOBRE A LUTA DOS MORADORES DO ASSENTAMENTO CANAÃ (MT) DOSSIE SOBRE A LUTA DOS MORADORES DO ASSENTAMENTO CANAÃ (MT) Há dois anos, um grupo de trabalhadores ocupou um local abandonado próximo ao bairro Parque Cuiabá (Mato Grosso). O local era ponto de usuários

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 53 Discurso na cerimónia de assinatura

Leia mais

Período Democrático e o Golpe de 64

Período Democrático e o Golpe de 64 Período Democrático e o Golpe de 64 GUERRA FRIA (1945 1990) Estados Unidos X União Soviética Capitalismo X Socialismo Governo de Eurico Gaspar Dutra (1946 1950) Período do início da Guerra Fria Rompimento

Leia mais

1) Qual foi o contexto em que foi criada a lei 5.766/71?

1) Qual foi o contexto em que foi criada a lei 5.766/71? Entrevista com Cecília Coimbra (CRP 05/1780), psicóloga, professora da UFF e presidente do Grupo Tortura Nunca Mais/RJ. 1) Qual foi o contexto em que foi criada a lei 5.766/71? No Brasil, de 1970 a 1974,

Leia mais

Projeto: Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Brasil

Projeto: Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Brasil UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO LABORATÓRIO DE ESTUDOS DO TEMPO PRESENTE NÚCLEO DE HISTÓRIA ORAL Projeto: Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Brasil (UFRJ/ Comissão de Anistia-MJ) Ficha

Leia mais

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA OBAN DOI-CODI Sediada na Rua Tutóia, no bairro da Vila Mariana a Operação Bandeirantes (Oban) serviu de modelo para a criação dos Departamentos

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA COMISSÃO DE ANISTIA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA COMISSÃO DE ANISTIA Requerimento de Anistia: 2013.01.71959 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA COMISSÃO DE ANISTIA Requerente: MARIA CRISTINA VANNUCCHI LEME Anistiando Político Post Morten: ALEXANDRE VANNUCCHI LEME Relator: CONSELHEIRO

Leia mais

Mostra de Cinema Marcas da Memória da Comissão de Anistia

Mostra de Cinema Marcas da Memória da Comissão de Anistia Mostra de Cinema Marcas da Memória da Comissão de Anistia Sobre a Mostra Este projeto tem como objetivo promover sessões públicas e gratuitas de cinema, ao longo de uma semana, dedicadas à memória e à

Leia mais

PO 813734A AVALIAÇÃO DA PRESIDENTE DILMA PO 813734B INTENÇÃO DE VOTO PRESIDENTE PO 813734C 50 ANOS DA DITADURA MILITAR Nº CIDADE:

PO 813734A AVALIAÇÃO DA PRESIDENTE DILMA PO 813734B INTENÇÃO DE VOTO PRESIDENTE PO 813734C 50 ANOS DA DITADURA MILITAR Nº CIDADE: PO 813734A AVALIAÇÃO DA PRESIDENTE DILMA PO 813734B INTENÇÃO DE VOTO PRESIDENTE PO 813734C 50 ANOS DA DITADURA MILITAR Nº CPD: Nº CIDADE: CHECAGEM: 1 CHECADO 2 SEM TELEFONE 3 TELEFONE ERRADO 4 NÃO ENCONTRADO

Leia mais

Justiça Militar estadual e Justiça de Transição. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas que garantiam a dominação sobre a colônia.

Justiça Militar estadual e Justiça de Transição. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas que garantiam a dominação sobre a colônia. Justiça Militar estadual e Justiça de Transição Justiça Militar no Império Conselho Supremo Militar e de Justiça Decreto de 1º de abril de 1808. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas

Leia mais

Lançamento do livro Coragem reúne principais advogados de presos e perseguidos políticos

Lançamento do livro Coragem reúne principais advogados de presos e perseguidos políticos Ordem dos Advogados do Brasil - Seção de São Paulo Lançamento do livro Coragem reúne principais advogados de presos e perseguidos políticos 31/03/2014 Os 50 anos do golpe militar fazem parte da história

Leia mais

Artesãos de Sorocaba resistem à época em que as imagens davam significado ao silêncio

Artesãos de Sorocaba resistem à época em que as imagens davam significado ao silêncio Artesãos de Sorocaba resistem à época em que as imagens davam significado ao silêncio Daniela Jacinto Fotos: Bruno Cecim A Wikipedia define bem o tema desta reportagem: arte tumular ou arte funerária é

Leia mais

Discurso. Mais uma vez, quando chega a primavera é tempo de nascer uma nova imagem nestas paredes centenárias do Instituto dos Advogados Brasileiros.

Discurso. Mais uma vez, quando chega a primavera é tempo de nascer uma nova imagem nestas paredes centenárias do Instituto dos Advogados Brasileiros. Discurso Mais uma vez, quando chega a primavera é tempo de nascer uma nova imagem nestas paredes centenárias do Instituto dos Advogados Brasileiros. Mais um nome para compor, muito acima da Diretoria e

Leia mais

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL PEÇA PROFISSIONAL Mariano Pereira, brasileiro, solteiro, nascido em 20/1/1987, foi denunciado pela prática de infração prevista no art. 157, 2.º, incisos I e II,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS Órgão : Segunda Turma Criminal Classe : Apelação Criminal Nº Processo : 1999 04 1 000829-4 Apelante : JOÃO AMARO FERNANDES Apelada : A JUSTIÇA PÚBLICA Relator : Des or GETULIO PINHEIRO Delito de trânsito.

Leia mais

UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA

UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA UNVERSDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE GABINETE DO REITOR COMISSÃO DA VERDADE TRANSCRIÇÃO DE ENTREVISTA Entrevista realizada em: 5.6.2013 Hora: 16h30min. Local: Sala do prof. Almir Bueno CERES Caicó/RN

Leia mais

Cidadão com Segurança. Respeito mútuo entre Cidadão e Polícia

Cidadão com Segurança. Respeito mútuo entre Cidadão e Polícia Cidadão com Segurança Respeito mútuo entre Cidadão e Polícia Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público e Procurador-Geral da República Roberto Monteiro Gurgel Santos Comissão do Sistema Prisional,

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores CHRISTINE SANTINI (Presidente) e CLAUDIO GODOY.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores CHRISTINE SANTINI (Presidente) e CLAUDIO GODOY. fls. 133 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000597809 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 2120157-80.2014.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante EMPRESA FOLHA DA

Leia mais

Arquivo Público do Estado de São Paulo

Arquivo Público do Estado de São Paulo Arquivo Público do Estado de São Paulo Oficina: O(s) Uso(s) de documentos de arquivo na sala de aula Ditadura Militar e Anistia (1964 a 1985). Anos de Chumbo no Brasil. Ieda Maria Galvão dos Santos 2º

Leia mais

Proposta de Recomendações. GT dos Trabalhadores da CNV

Proposta de Recomendações. GT dos Trabalhadores da CNV Proposta de Recomendações GT dos Trabalhadores da CNV DOS CRIMES CONTRA A HUMANIDADE 1. Reconhecer e acatar as normas do direito internacional sobre crimes contra a humanidade. Ratificação da Convenção

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL TRANSCRIÇÃO IPSIS VERBIS

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL TRANSCRIÇÃO IPSIS VERBIS CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REDAÇÃO FINAL EM COMISSÕES TEXTO TRANSCRIÇÃO IPSIS VERBIS CPI - GRUPOS DE EXTERMÍNIO NO NORDESTE EVENTO: Reunião ordinária

Leia mais

A atuação da Anistia Internacional durante o regime militar brasileiro

A atuação da Anistia Internacional durante o regime militar brasileiro A atuação da Anistia Internacional durante o regime militar brasileiro Durante o regime militar brasileiro, a organização Anistia Internacional (AI), trabalhou na defesa de presos políticos e na divulgação

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COM COMISSÃO ESPECIAL PEC 151-A/95-SEGURANÇA PÚBLICA EVENTO : Reunião ordinária Nº: 0341/00 DATA: 25/04/00 INÍCIO: 15h10min

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

LEI Nº 1543, DE 10 DE ABRIL DE 2008 DE 2008.

LEI Nº 1543, DE 10 DE ABRIL DE 2008 DE 2008. LEI Nº 1543, DE 10 DE ABRIL DE 2008 DE 2008. Autoria: Poder Legislativo Estabelece normas para as cerimônias públicas e a ordem geral de precedência no Município de Lucas do Rio Verde - MT. O Prefeito

Leia mais

Resistentes à ditadura militar são homenageados no Cidade Macapaba

Resistentes à ditadura militar são homenageados no Cidade Macapaba Resistentes à ditadura militar são homenageados no Cidade Macapaba Carlos Mariguela (1911-1969) O baiano Carlos Mariguela foi um dos maiores símbolos da luta política contra a ditadura. Cursou Engenharia

Leia mais

Manifesto da Frente Independente pela Memória, Verdade e Justiça-MG. 7 de novembro de 2012

Manifesto da Frente Independente pela Memória, Verdade e Justiça-MG. 7 de novembro de 2012 Manifesto da Frente Independente pela Memória, Verdade e Justiça-MG 7 de novembro de 2012 Nós, da Frente Independente pela Verdade, Memória e Justiça-MG, viemos a público manifestar nossa concepção sobre

Leia mais

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes).

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). RESUMO: O principal objetivo deste artigo é apresentar os problemas relacionados

Leia mais

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela *

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * Este artigo traz indagações referentes a uma pesquisa mais

Leia mais

Histórico das constituições: direito de sufrágio

Histórico das constituições: direito de sufrágio 89 Histórico das constituições: direito de sufrágio André de Oliveira da Cruz Waldemar de Moura Bueno Neto José Carlos Galvão Goulart de Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e

Leia mais

stf.empauta.com 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' NACIONAL ENTREVISTA

stf.empauta.com 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' NACIONAL ENTREVISTA 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' Lewandowski critica voto secreto no Congresso Para ministro do Supremo, "esse modo de pensar é incompatível com a Constituição" 'Sessão secreta não é compatível

Leia mais

Benefício libera 10 mil presos

Benefício libera 10 mil presos Clipping produzido pelo Instituto de Políticas Públicas de Segurança da Fundação Santo André INSEFUSA 10/04/2006 Benefício libera 10 mil presos Jornal da Tarde, 10 de abril de 2006 - As portas das penitenciárias

Leia mais

QUERIDO(A) ALUNO(A),

QUERIDO(A) ALUNO(A), LANÇADA EM 15 MAIO DE 2008, A CAMPANHA PROTEJA NOSSAS CRIANÇAS É UMA DAS MAIORES MOBILIZAÇÕES PERMANENTES JÁ REALIZADAS NO PAÍS, COM FOCO NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

MÓDULO 19- O BRASIL DA DITADURA MILITAR( 1964-1985)

MÓDULO 19- O BRASIL DA DITADURA MILITAR( 1964-1985) OS PRESIDENTES MILITARES: MÉDICI GEISEL COSTA E SILVA FIGUEIREDO CASTELLO BRANCO 1 - O governo CASTELLO BRANCO (Sorbonne 1964 1967): PAEG (Plano de Ação Econômica do Governo): Fim da Estabilidade no emprego.

Leia mais

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE A Novena de Natal deste ano está unida à Campanha da Fraternidade de 2013. O tema Fraternidade e Juventude e o lema Eis-me aqui, envia-me, nos leva para o caminho da JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE Faça a

Leia mais

MOÇÃO DE PESAR. Pesar pelo falecimento de ANTONIO CABEÇA FILHO

MOÇÃO DE PESAR. Pesar pelo falecimento de ANTONIO CABEÇA FILHO Sr. Presidente: Sra. Vereadora: Srs. Vereadores: MOÇÃO DE PESAR Pesar pelo falecimento de ANTONIO CABEÇA FILHO Considerando que faleceu nesta quinta-feira, 26, o fundador do Sindicato dos Metalúrgicos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 24 Discurso na solenidade de entrega

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Auditoria da Justiça Militar Endereço: Avenida Brigadeiro Luiz Antônio, 1249 Bela Vista, SP Classificação: Aparato Repressivo. Identificação

Leia mais

Após manifestações, 15 pessoas continuam presas em Belo Horizonte

Após manifestações, 15 pessoas continuam presas em Belo Horizonte Após manifestações, 15 pessoas continuam presas em Belo Horizonte Dos 56 detidos, 11 são adolescentes; 30 foram ouvidos e liberados. Manifestantes e polícia se enfrentaram em dois momentos neste sábado.

Leia mais

50 ANOS DO GOLPE E A NOVA AGENDA DA JUSTIÇA DE TRANSIÇÃO NO BRASIL

50 ANOS DO GOLPE E A NOVA AGENDA DA JUSTIÇA DE TRANSIÇÃO NO BRASIL CONGRESSO INTERNACIONAL: 50 ANOS DO GOLPE E A NOVA AGENDA DA JUSTIÇA DE TRANSIÇÃO NO BRASIL I Encontro Internacional de Procuradores sobre Crimes de Lesa Humanidade I Encontro Nacional da Rede Nacional

Leia mais

USUÁRIO QUE APANHOU NA PRISÃO, SOFREU

USUÁRIO QUE APANHOU NA PRISÃO, SOFREU NOME LUIS FILIPE PERTENCENTE A ALGUMA ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL? ESTADO MUNICÍPIO RIO DE JANEIRO (RJ) NOVA FRIBURGO DESCRIÇÃO DO CASO QUALIFICAÇÃO SEXO MASCULINO IDADE 22 25 COR GRAU DE INSTRUÇÃO

Leia mais

Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011

Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011 Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011 Diferentemente do que se imagina, Dilma Rousseff não participou do maior roubo praticado por organizações de esquerda para financiar a luta armada contra a ditadura

Leia mais

PRÊMIO ENTRANDO EM CENA NO MUNDO FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO PROJETO: ANÔNIMOS

PRÊMIO ENTRANDO EM CENA NO MUNDO FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO PROJETO: ANÔNIMOS PRÊMIO ENTRANDO EM CENA NO MUNDO FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO PROJETO: ANÔNIMOS 1. Dados do Proponente Nome: Adriana Oliveira Santos Idade: 25 anos 2. Identificação dos responsáveis pelo projeto Letícia: Meu

Leia mais

Pronunciamento proferido pelo Deputado Edson Ezequiel (PMDB-RJ).

Pronunciamento proferido pelo Deputado Edson Ezequiel (PMDB-RJ). Pronunciamento proferido pelo Deputado Edson Ezequiel (PMDB-RJ). Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Ocupo a tribuna para agradecer a população do Estado do Rio de Janeiro, muito particularmente

Leia mais

Previdência Social: quem tem direito à aposentadoria?

Previdência Social: quem tem direito à aposentadoria? Previdência Social: quem tem direito à aposentadoria? Quando o assunto é aposentadoria, é comum surgir à questão: como se manter financeiramente após o término da idade ativa? A Previdência Social é um

Leia mais

REQUERIMENTO (CN) nº 78, de 1980

REQUERIMENTO (CN) nº 78, de 1980 Autoria: Senador Franco Montoro e outros Ementa: PROPÕEM A CRIAÇÃO DE COMISSÃO PARLAMENTAR MISTA DE INQUERITO, DESTINADA A EXAMINAR A ESCALADA DA AÇÃO TERRORISTA QUE SE DESENVOLVE NO PAIS. Assunto: Data

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana)

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana) Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros (textos e fotos Maurício Pestana) Responsável pelo parecer do Conselho Nacional de Educação que instituiu, há alguns anos, a obrigatoridade do ensino

Leia mais

COMISSÃO DE CULTURA PROJETO DE LEI Nº 3388, DE 2012

COMISSÃO DE CULTURA PROJETO DE LEI Nº 3388, DE 2012 COMISSÃO DE CULTURA PROJETO DE LEI Nº 3388, DE 2012 Dá o nome de Ponte Herbert de Souza Betinho, à atual Ponte Presidente Costa e Silva, localizada do km 321 ao 334, na BR 101/RJ. Autor: Deputado Chico

Leia mais

Construindo uma cultura de paz. Tornando-se política pública

Construindo uma cultura de paz. Tornando-se política pública Construindo uma cultura de paz Em 2000, no marco do Ano Internacional para uma cultura de paz, a Representação da UNESCO no Brasil lançou o Programa Abrindo Espaços: educação e cultura para a paz, uma

Leia mais

Um grupo de alunos e uma professora. que decidiram escrever um livro...

Um grupo de alunos e uma professora. que decidiram escrever um livro... Um grupo de alunos e uma professora que decidiram escrever um livro... Tudo começou com um garoto chamado Luan que, num belo dia, resolveu compartilhar sua história... Luan Cardoso era um menino de apenas

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois

Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Lei MARIA DA PENHA 3 anos depois Três anos depois, lei Maria da Penha diversifica perfil de mulheres que procuram ajuda contra violência doméstica. Quais são os resultados trazidos pela lei Maria da Penha?

Leia mais

ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL E MEDIO MARIO QUINTANA REDAÇÃO PROFª ALINE NEUSCHRANK

ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL E MEDIO MARIO QUINTANA REDAÇÃO PROFª ALINE NEUSCHRANK ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL E MEDIO MARIO QUINTANA REDAÇÃO PROFª ALINE NEUSCHRANK ÁLBUM DESCRITIVO NOME: TURMA: DATA DE ENTREGA: 02/05/08 INTRODUÇÃO Este trabalho está sendo desenvolvido no Projeto de

Leia mais

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. Saí da prisão volto coleção Conversas #26 - setembro 2015 - e estou ou não desempregado, para o crime? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS, da

Leia mais

SERRO Regulamento 1º Concurso de Fotografia Ambiental

SERRO Regulamento 1º Concurso de Fotografia Ambiental SERRO Regulamento 1º Concurso de Fotografia Ambiental Assim vejo minha comunidade O Programa PreservAÇÃO, em parceria com a Prefeitura Municipal de Serro, torna pública a abertura de inscrições e convida

Leia mais

IMEC INSTITUTO MACEIÓ DE ENSINO E CULTURA MANUAL DO FORMANDO PLANEJAMENTO E REALIZAÇÃO DE FORMATURA

IMEC INSTITUTO MACEIÓ DE ENSINO E CULTURA MANUAL DO FORMANDO PLANEJAMENTO E REALIZAÇÃO DE FORMATURA IMEC INSTITUTO MACEIÓ DE ENSINO E CULTURA MANUAL DO FORMANDO PLANEJAMENTO E REALIZAÇÃO DE FORMATURA ÍNDICE PALAVRA DA DIRETORA...03 APRESENTAÇÃO...03 PROVIDÊNCIAS LEGAIS...03 COMISSÃO DE FORMATURA...04

Leia mais

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Guilherme Schelb, Promotor de Justiça da Infância em Brasília (1992-1995), especialista em temas da infância e

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 66 Discurso na solenidade de comemoração

Leia mais

CADEIAS INDÍGENAS: OFICIAIS E CLANDESTINAS

CADEIAS INDÍGENAS: OFICIAIS E CLANDESTINAS Pontifícia Universidade Católica de São Paulo São Paulo SP Professor Orientador: Estudantes: Marcos Luiz Cripa Bruno Alderighi Cavalcanti (11) 98655-2579 (11) 98448-0363 mcripa@uol.com.br balderighi@gmail.com

Leia mais

Idade recomendada: 16 anos - retirada de ingressos: uma hora antes de cada sessão - Sala Lima Barreto - entrada franca

Idade recomendada: 16 anos - retirada de ingressos: uma hora antes de cada sessão - Sala Lima Barreto - entrada franca Os anos de chumbo pelos olhos do documentário de 2 a 7/12 apoio: Fundação Padre Anchieta Centro Paulista de Rádio e TV Educativas - Centro de Documentação, TV Câmara, Cinemateca Brasileira e Tatu Filmes

Leia mais

SOLENIDADE NAS COMARCAS MODELO DE ROTEIRO

SOLENIDADE NAS COMARCAS MODELO DE ROTEIRO SOLENIDADE NAS COMARCAS - Inauguração de Fórum/Reforma - Instalação de Comarca/Vara/Juizado Especial - Inauguração de Galeria de Retratos - Lançamento de Pedra Fundamental - Inauguração de Busto - Descerramento

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 65 Discurso na solenidade do Dia

Leia mais

Valentim e mais 23 arguidos vão a Julgamento

Valentim e mais 23 arguidos vão a Julgamento Valentim e mais 23 arguidos vão a Julgamento Fonte: anti-corrupcao.150m.com e Correio da Manhã O juiz Pedro Miguel Vieira validou as mais de 16 mil horas de escutas do caso Apito Dourado e decidiu levar

Leia mais

Arquivo Nacional, Praça da República, 173, Centro, Rio de Janeiro. Reunião da Comissão de Altos Estudos do Centro de Referência Memórias Reveladas

Arquivo Nacional, Praça da República, 173, Centro, Rio de Janeiro. Reunião da Comissão de Altos Estudos do Centro de Referência Memórias Reveladas Arquivo Nacional, Praça da República, 173, Centro, Rio de Janeiro Dia 12/05 - segunda-feira 10h 13h Salão Nobre Reunião da Comissão de Altos Estudos do Centro de Referência Memórias Reveladas 15h 17h Salão

Leia mais

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians I. INTRODUÇÃO Durante uma pesquisa realizada exclusivamente com homens pelo Instituto Avon/Data Popular e lançada em novembro de 2013, alguns dados

Leia mais

JOVENS, ESTABELECE A SUA AVALIAÇÃO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS" PL

JOVENS, ESTABELECE A SUA AVALIAÇÃO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS PL COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A PROFERIR PARECER AO PROJETO DE LEI Nº 2438, DE 2015, DA COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO DESTINADA A APURAR AS CAUSAS, RAZÕES, CONSEQUÊNCIAS, CUSTOS SOCIAIS E ECONÔMICOS

Leia mais

Consulte sempre o site www.museudaimigracao.org.br e acompanhe o desenvolvimento dos trabalhos.

Consulte sempre o site www.museudaimigracao.org.br e acompanhe o desenvolvimento dos trabalhos. O Boletim do Museu da Imigração chega à sua décima oitava edição. Junto com a proposta de manter as comunidades e o público geral informados sobre o processo de restauro das edificações e reformulação

Leia mais

João Evangelista dos Santos Gestor da GPAC/SDS

João Evangelista dos Santos Gestor da GPAC/SDS A SDS através da Gerência de Prevenção e Articulação Comunitária GPAC/UPP, apresenta a mensagem informativa, por meio de Literatura popular sobre a lei 11.340/06, Lei Mª. da Penha. Parabenizamos o NUPREV-Sertão

Leia mais

ESTUDO DA VITIMOLOGIA 3ª Parte Estudo caso Izabella Nardoni/ 11/04/2008.

ESTUDO DA VITIMOLOGIA 3ª Parte Estudo caso Izabella Nardoni/ 11/04/2008. ORGANOGRAMA DO PROGRAMA DE CRIMINOLOGIA ACADEMIA DE ENSINO SUPERIOR SOROCABA-2008 TOMO V ESTUDO DA VITIMOLOGIA 3ª Parte Estudo caso Izabella Nardoni/ 11/04/2008. Informações e imagens obtidas de Jornais,

Leia mais

MEU CONVÍVIO COM HONESTINO GUIMARÃES. Um relato de Elia Meneses Rola

MEU CONVÍVIO COM HONESTINO GUIMARÃES. Um relato de Elia Meneses Rola MEU CONVÍVIO COM HONESTINO GUIMARÃES Um relato de Elia Meneses Rola Eu, Elia Meneses Rola, brasileira, separada judicialmente, Servidora Pública Federal aposentada, CPF, CI, domiciliada e residente nessa

Leia mais

SEGURANÇA MUNICIPAL EM GUARULHOS DIAGNÓSTICO E PROJETOS

SEGURANÇA MUNICIPAL EM GUARULHOS DIAGNÓSTICO E PROJETOS SEGURANÇA MUNICIPAL EM GUARULHOS DIAGNÓSTICO E PROJETOS INTRODUÇÃO PROPOSTA ELABORAÇÃO DE UM DIAGNÓSTICO REALISTA. MATERIAL ESTATÍSTICAS, MAPEAMENTO DO CRIME MAPEAMENTO DA CONDIÇÃO SOCIAL ENTREVISTAS COM

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL Comissão Episcopal Pastoral para Comunicação

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL Comissão Episcopal Pastoral para Comunicação REGULAMENTO DOM HÉLDER CÂMARA I - DATA E LOCAL A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil CNBB organiza o 12º Prêmio Dom Hélder Câmara de Imprensa, que tem por objetivo premiar profissionais da mídia

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

Formulário de Visita Técnica à Delegacia de Polícia Estadual

Formulário de Visita Técnica à Delegacia de Polícia Estadual Formulário de Visita Técnica à Delegacia de Polícia Estadual Resolução CNMP Nº 20 de 28/05/2007 Dados da Entidade Visitada Nome: CPF ou CNPJ:: Endereço: Município: UF: Telefones c/ddd: Seção I Identificação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 25 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

Pesquisa de Opinião Pública Nacional. Associação dos Magistrados Brasileiros AMB Voto, Eleições e Corrupção Eleitoral

Pesquisa de Opinião Pública Nacional. Associação dos Magistrados Brasileiros AMB Voto, Eleições e Corrupção Eleitoral Pesquisa de Opinião Pública Nacional Associação dos Magistrados Brasileiros AMB Voto, Eleições e Corrupção Eleitoral Julho de 2008 Roteiro I. Metodologia II. III. IV. Eleições e Política Corrupção eleitoral

Leia mais

Músicas para Páscoa. AO REDOR DA MESA F Gm C C7 F Refr.: Ao redor da mesa, repartindo o pão/ A maior riqueza dos que são irmãos.

Músicas para Páscoa. AO REDOR DA MESA F Gm C C7 F Refr.: Ao redor da mesa, repartindo o pão/ A maior riqueza dos que são irmãos. Músicas para Páscoa AO PARTIRMOS O PÃO E C#m #m B7 E7 A C#M Refr.: Ao partirmos o pão reconhecemos/ Jesus Cristo por nós ressuscitado./ Sua paz B7 E A B7 E recebemos e levamos,/ Ao nosso irmão que está

Leia mais

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Meus queridos brasileiros e brasileiras, É com muita emoção

Leia mais

As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica?

As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica? As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica? Categories : Copa Pública Date : 18 de setembro de 2012 Maria Aparecida Menezes Vieira, a Cida, de 46 anos, há mais de 20 anos faz ponto na rua Afonso

Leia mais

Reparação e Memória na Justiça de Transição no Brasil. Paulo Abrão

Reparação e Memória na Justiça de Transição no Brasil. Paulo Abrão Reparação e Memória na Justiça de Transição no Brasil Paulo Abrão A Ditadura Militar no Brasil (1964-1985) Fases - 1ª fase: 64-68 (golpe e aliança civil-militar) - 2ª fase: 68-79 (terrorismo de Estado)

Leia mais

MANUAL DE COLAÇÃO DE GRAU DA ADJETIVO - CETEP

MANUAL DE COLAÇÃO DE GRAU DA ADJETIVO - CETEP MANUAL DE COLAÇÃO DE GRAU DA ADJETIVO - CETEP Solenidade de Colação de Grau A Colação de grau é o ato Institucional que se realiza para conferir graus acadêmicos aos formandos, em dia e hora marcados.

Leia mais

Lideranças do movimento Moinhos Vive relembram luta dos bairros de Porto Alegre (RS) contra especulação imobiliária

Lideranças do movimento Moinhos Vive relembram luta dos bairros de Porto Alegre (RS) contra especulação imobiliária Lideranças do movimento Moinhos Vive relembram luta dos bairros de Porto Alegre (RS) contra especulação imobiliária Casarões da Luciana de Abreu estão há 11 anos em disputa na Justiça Foto: Ramiro Furquim/Sul21

Leia mais

FACULDADE LA SALLE MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE COLAÇÃO DE GRAU. Cursos de Graduação. Lucas do Rio Verde-MT

FACULDADE LA SALLE MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE COLAÇÃO DE GRAU. Cursos de Graduação. Lucas do Rio Verde-MT FACULDADE LA SALLE MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE COLAÇÃO DE GRAU Cursos de Graduação Lucas do Rio Verde-MT Caro Graduando! 2015 Ao cumprir a integralização curricular estabelecida para seu curso, está na hora

Leia mais

Fantástico mostra o que aconteceu com as empresas e com as pessoas mostradas na reportagem há um ano.

Fantástico mostra o que aconteceu com as empresas e com as pessoas mostradas na reportagem há um ano. Fantástico mostra o que aconteceu com as empresas e com as pessoas mostradas na reportagem há um ano. Reportagem que chocou o país completou um ano esta semana. O Fantástico mostra o que aconteceu com

Leia mais

Capítulo. A ditadura militar no Brasil

Capítulo. A ditadura militar no Brasil Capítulo A ditadura militar no Brasil ARQUIVO/O GLOBO 1 Do golpe militar ao AI-5 O golpe militar de 1964 João Goulart é derrubado pelos militares, em 31 de março de 1964, por meio de um golpe, apoiado

Leia mais