MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS E CIENTÍFICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS E CIENTÍFICOS"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE - TRINDADE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS E CIENTÍFICOS TRINDADE 2014

2 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE - TRINDADE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS E CIENTÍFICOS ORGANIZADORA NÉLIA CRISTINA PINHEIRO FINOTTI TRINDADE 2014

3 3 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE - TRINDADE Reitor Prof.Haroldo Reimer Vice-Reitora Profª.Valcemia Gonçalves de Sousa Novaes

4 4 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE TRINDADE Diretor Prof.Antônio Cruvinel Borges Neto Coordenador do Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computação Prof. George Mendes Marra Coordenadora do Curso Superior de Tecnologia em Design de Moda Prof.ªNélia Cristina Pinheiro Finotti

5 5 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO NORMAS PARA TRABALHO DE CURSO CONFORME O PROJETO PEDAGÓGICO Entende-se por trabalho teórico Responsabilidade da orientação Responsabilidade do orientando ou grupos de orientados Da avaliação final Correção da versal final Da conclusão FORMATO DE APRESENTAÇÃO CONFORME NORMAS DA ABNT Papel e fonte Margem Espaçamento Parágrafos Capítulos Paginação...25

6 6 2.7 Tratamento verbal na redação Caixa Alta e Caixa Baixa Cores Nota de roda pé Figuras Tabelas Gráficos CITAÇÃO Citação Direta Citação Indireta Exemplos diversos para citações diretas e indiretas FICHAMENTO TIPOS DE PESQUISAS Classificação das pesquisas Pesquisa exploratória Pesquisa descritiva Pesquisa explicativa ou experimental Pesquisa bibliográfica Pesquisa estudos exploratórios Pesquisa resumo de assunto Pesquisa seminário de estudos...59

7 7 5.2 Fases da elaboração da pesquisa PRÉ-PROJETO DE PESQUISA Estrutura do pré-projeto Partes essenciais do pré-projeto Introdução Tema Cinco dicas para escolher o tema do seu trabalho de conclusão de curso A delimitação do tema Problema a ser investigado Hipóteses Justificativa Objetivos Fundamentação teórica Metodologia Cronograma Considerações finais Referências bibliográficas Apêndices e anexos ESTRUTURA DO TCC Elementos pré-textuais Capa dura...85

8 Lombada Capa Folha de rosto Folha de aprovação Dedicatória Agradecimentos Epígrafe Resumo Resumo em língua estrangeira Listas Figuras Listas de abreviaturas e siglas Algumasabreviaturas e símbolos Números, Símbolos, Unidades de Medidas e Horas Sumário Elementos textuais Introdução Desenvolvimento Estado da Arte Revisão Bibliográfica...109

9 Descrição da Metodologia da Pesquisa Resultado da Pesquisa Discussão dos Resultados da Pesquisa Considerações Finais ou Conclusão Elementos pós- textuais Referências Bibliográficas Como devem ser dispostas as referências bibliográficas Anexo Apêndices Capa final ARTIGO CIENTÍFICO Formatação de artigos Estrutura do artigo científico Elementos Pré-textuais Elementos textuais Elementos pós-textuais POSTER CIENTÍFICO Elementos pré-textuais Elementos textuais Elementos pós-textuais CONSIDERAÇÕES FINAIS...153

10 REFERENCIA BIBLIOGRÁFICA

11 11 APRESENTAÇÃO Trabalhos acadêmicos são exposições de um problema ou assunto específico investigado cientificamente, não exigeoriginalidade, mas o assunto deve ser investigado em profundidade, devendotrazer uma contribuiçãoválida para a ciência (SEVERINO, 2000). O manual para elaboração de trabalhos científicos e acadêmicos tem por finalidade normatizar a apresentação da produção científica/acadêmica da comunidade docente e discente da Universidade Estadual de Goiás UnuTrindade, jáque a uniformização estrutural do trabalho científico é o que o caracteriza, sendo não apenas desejável como necessário, porque facilita a busca e a recuperação das informações no texto. O objetivo primordial na exigência de um padrão na apresentação dos trabalhos acadêmicos, é a divulgação dos dados técnicos obtidos, analisados e registrados em caráter permanente, proporcionando a outros pesquisadores fontes de

12 12 pesquisas fiéis capazes de nortear futuros trabalhos de pesquisa, facilitando sua recuperação nos diversos sistemas de informação utilizados na Universidade Estadual de Goiás Unu Trindade. A busca pela qualidade na apresentação desses trabalhosé resultado daadoção de padrões e procedimentoselaborados pela Associação Brasileirade Normas Técnicas (ABNT), autores e entidades governamentais. A metodologia adotada na formulação dos trabalhos acadêmicos, ou seja, sua estruturação, foi baseada em outras bibliografias compostas deuma série de manuais baseados nas normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT, e tempor objetivo orientar o Corpo Docente e Discente a produzir os trabalhos acadêmicos com rigor científico. Desse modo, objetiva-se que este seja um instrumento prático e funcional; com linguagem simples, clara e objetiva; com exemplos e ilustrações que facilitem a compreensão do leitor.

13 13 1 NORMAS PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CONFORME O PROJETO PEDAGÓGICO. Ao final do curso, o graduando deverá apresentar e defender em sessão pública, o Projeto de Graduação Trabalho de Conclusão de Curso (T.C.C.) sobre tema de sua escolha, no âmbito de sua habilitação e sob a orientação de um professor da Unidade. Parágrafo 1º. O T.C.C., poderá ser desenvolvido Trabalho de Conclusão individual ou em grupos de no máximo 3 (três) alunos, ou conforme determinação feita pela Coordenação de Curso, a cada ano letivo. Parágrafo 2º. O T.C.C., conterá no mínimo 50 páginas, e no mínimo 3 (três) capítulos, Parágrafo 3º.O T.C.C., conterá no mínimo 5 (cinco) referências bibliográficas. Parágrafo 4º. O T.C.C., o aluno deverá entregar o pré-projeto para o professor orientador conforme determinação feita pela Coordenação de Curso, a

14 14 cada ano letivo, este deverá conter os capítulos que vão ser apresentados. Parágrafo 5º. O T.C.C., para o TCC haverá uma semana de qualificação dos trabalhos, conforme determinação feita pela Coordenação de Curso, onde a banca fará considerações sobre o TCC, e o aluno terá prazo para fazer alterações. Parágrafo 6º. O T.C.C., deverá ser apresentado em data definida no calendário da Unidade. Parágrafo 7º. O T.C.C., deve seguir as normas da ABNT. O T.C.C. será desenvolvido numa das áreas de conhecimento e de privilégio epistemológico, conforme o Projeto Político- Pedagógico do Curso. Os alunos deverão apresentar trabalho de caráter teórico, teórico-prático.

15 Entende-se por trabalho teórico Trabalhos que realizem uma revisão, análise e / ou interpretação de um conteúdo do campo de estudos da moda, valorizando os aspectos da história, da cultura da moda, das teorias, da crítica e de textos produzidos por profissionais deste campo de atuação. 1.2 Entende-se por trabalho teórico-prático Trabalhos que envolvam pesquisa de campo na área, caracterizando procedimentos metodológicos, científicos e acadêmicos interdisciplinares. Trabalhos que considerem a pesquisa no âmbito geral, privilegiando metodologia sistemática e procedimentos de pesquisa no campo plástico, visual e audiovisual (fotografia, vídeo, registro documental, desenho, diários, etc.). Trabalhos que privilegiem a relação da produção com um determinado corpus de conceitos

16 16 operacionais. O aluno que propuser um trabalho neste domínio deverá possuir uma produção significativa, em qualquer registro de sua opção. Os alunos, conforme determinações, feita pela Coordenação de Curso, poderão fazer a escolha de seus orientadores, bastando para tanto, um termo de aceitação por parte do Orientador (a), este deverá apresentar, por escrito, sua carta de aceite e sua opção por uma das linhas de desenvolvimento do seu projeto de pesquisa. Parágrafo 1º. O respectivo orientador ficará responsável por acompanhar e orientar o desenvolvimento do Projeto de Trabalho de Conclusão de Curso. Parágrafo 2º. Os professores orientadores ficarão responsáveis pela indicação dos nomes para as bancas de avaliação final.

17 Responsabilidade da orientação É da competência e da responsabilidade do Orientador (a): a) programar o calendário dos encontros de orientação; b) dar orientação individual ou em grupo aos alunos; c) conduzir o desenvolvimento do projeto acadêmico indicando bibliografia específica e material audiovisual quando for o caso; d) participar das reuniões programadas pela Coordenação conforme calendário a ser previamente aprovado pelos orientadores; e) encaminhar relatório ao final de cada mês, das atividades do(s) orientando(s), preencher as fichas (FO) e assinar; f) preparar o(s) orientando(s) para a defesa pública do TCC; g) presidir a sessão de defesa pública, a ser realizada em data definida no calendário da Unidade;

18 18 h) encaminhar relatórios e justificativa por escrito para os casos de desistência, de ambas as partes. 1.4 Responsabilidade do orientando ou grupos de orientados É da competência e da responsabilidade do(s) Orientando(s): a) buscar orientação junto ao seu orientador; b) participar dos encontros de orientação, conforme calendário estipulado pelo orientador; c) participar das reuniões programadas pela Coordenação, conforme calendário a ser previamente aprovado pelos orientadores; d) depositar, na Coordenação de Curso, três cópias do trabalho, em data a ser estipulada, conforme determinação da Coordenação de Curso; e) encaminhar relatórios e justificativa por escrito para os casos de desistência.

19 Da avaliação final O T.C.C. será avaliado do seguinte modo: no sistema anual o aluno possuirá uma nota que resultará da avaliação do trabalho escrito e da apresentação do T.C.C. para uma banca e caberá aos membros atribuir esta nota. A Banca será composta de quatro (0) membros, sendo um deles o coordenador de TCC, o orientador e os dois (2) avaliadores convidados. A aprovação final deve seguir o mesmo regime de notas adotado para o Sistema Geral dos Cursos de Tecnólogos, de acordo com as médias finais indicadas para as disciplinas. Parágrafo 1º. A aprovação final, mesmo com a média, fica dependente do depósito de uma cópia final, encadernadas, capa dura (vermelha, escrita de dourado), juntamente com CD em arquivo em formato PDF, de acordo com as normas da ABNT e efetuadas as correções sugeridas pela banca de avaliação, do Trabalho de Conclusão de Curso, na coordenação.

20 20 Parágrafo 2º. As datas para entrega das cópias finais serão estabelecidas pela Coordenação. Parágrafo 3º. Quando considerado relevante e pertinente, o orientador poderá solicitar que a composição da banca de avaliação seja efetuada com a presença de membros de outras Instituições, sem qualquer vínculo com a Universidade. O convite não implicará qualquer forma de pagamento por parte da Coordenação do Curso. Parágrafo 4º. O convidado externo receberá um certificado de sua participação na respectiva Banca, assinado pelo Diretor da Unidade e pela Coordenação de Curso. 1.6 Correção da versal final Caberá ao professor-orientador repassar aos alunos as alterações sugeridas pelos componentes da Banca Examinadora. As sugestões de modificações propostas devem ser avaliadas pelo professor-orientador. Ele indicará a

21 21 pertinência e a obrigatoriedade das alterações a serem efetivamente incorporadas à versão final do trabalho. Os pareceres encaminhados pelos componentes da Banca Examinadora deverão ser anexados pelo professor orientador, à Ata de apresentação dos TCC. A versão final deverá passar por uma revisão de Língua Portuguesa, obedecendo à nova ortografia, como também às normas previstas neste regulamento. 1.7 Da conclusão Após a defesa pública e aprovação do T.C.C., o aluno ou o grupo de alunos terá um prazo, a ser estabelecido pela Coordenação e incluído no calendário do Curso e da Unidade, para encaminhar a cópia da versão final do T.C.C. Parágrafo 1o. Somente após este ato a nota final será registrada.

22 22 2 FORMATO DE APRESENTAÇÃO CONFORME NORMAS DA ABNT 2.1 Papel e fonte A monografia e/ou trabalhos acadêmicos devem ser digitados em papel A-4 (210X297mm). Devem ser digitados em fonte tamanho 12 (única escolha para todo o trabalho)para textos. Fonte tamanho 10 para citações longas(mais de três linhas), notas de rodapé e figuras. A ABNT prevê tipo de letra Arial ou Times New Roman. A Instituiçãopode definir uma delas. A UEG UnuTrindade definiu a utilização da letra ARIAL.

23 Margem As medidas padrões para a formatação de cada lauda do TCC são: Margem superior: 3,0 cm Margem inferior: 2,0 cm Margem direita: 2,0 cm Margem esquerda: 3,0 cm 3,0 cm 3,0 cm 2,0 cm 2,0 cm 2.3 Espaçamento O texto deve ser digitado em espaço (1,5) um e meio nas entrelinhas.

24 24 As citações diretas longas, notas de rodapé, referências bibliográficas e resumos devem ser digitados em espaçamentos simples. Entre os títulos dos capítulos e o texto, devem-se deixar um espaço de 1,5 de entrelinha. Os títulos das seções e subseções devem ser separados do texto por dois espaços de 1,5 de entrelinhas, tanto do texto anterior quanto do texto posterior. Fonte da citação direta longa: Arial - tamanho 10, espaçamento simples. Notas de rodapé: espaço simples, fonte tamanho Parágrafos O espaço para parágrafo é de responsabilidade do autor segundo a NBR

25 25 As citações longas devemser recuadas 4cm da margem esquerda, separadas por espaço simples, letra fonte 10 e sem aspas. 2.5 Capítulos Os capítulos devem sempre ser iniciados numa nova página, mesmo que sobre espaço suficiente para continuar na página em que termine o capítulo anterior (exceto nos pré-projetos de pesquisa, que deve ser texto corrido). O títulodo capitulo deve ser escrito emcaixa Alta (maiúsculo), em negrito alinhado à esquerda. Deve ser numerado em algarismos arábicos (1,2,3...) Os subtítulos devem ser numerados progressivamente (1.1, 1.2, ), escritos com a primeira letra em Caixa Alta (maiúsculo) e as demais em Caixa Baixa

26 26 (minúscula), em negrito, alinhadas à esquerda e não precisam iniciar-se em nova página.não se pode usar pontuação no final do título da seção ou subseção. Entre o algarismo e o título não pode haver tracinho ou ponto apenas um espaço. Os títulos que não possuem indicativo numérico (como folha de aprovação, dedicatória, agradecimentos, epígrafe, resumo, abstract, sumário, listas e introdução, conclusão, referências, anexos) devendo ser centralizado, caixa alta e negrito. (ABNT NR 14724:2005, p. 8) 2.6 Paginação Todas as folhas devem ser contadas sequencialmente, a partir da folha de rosto, mas não numeradas. A capa não conta.

27 27 Ex.: CAPA FOLHA DE ROSTO FOLHA DE APROVAÇÃO DEDICATÓRIA AGRADECIMENTOS EPÍGRAFE RESUMO ABSTRACT SUMÁRIO As páginas textuais são numeradas em algarismos arábicos,no canto superior à direita da folha, dando continuidade a numeração já começada. Porém, na primeira página da introdução, o número não aparece. INTRODUÇÃO

28 28 Se houver anexos, as folhas devem ser numeradas, dando seguimento ao texto. 2.7 Tratamento verbal na redação Ao longo da monografia opta-se em usar a terceira pessoa do singular, que é a forma mais tradicional, uma vez que está associada àideia de neutralidade tão largamente aceita. Ou seja, da dissertação em terceira pessoa do singular, você deve evitar escrever "eu acho", "eu sei". Deve-se colocar na terceira pessoa, (nunca ELE, sempre escondendo o sujeito). Ex.: Sujeito verbo 3ª pessoa singular O estudo constata quea moda é importante. Forma mais indicada. Constata-se que a moda é importante. Sujeito indeterminado, tambémcorreto. Constatamos que a moda é importante. 1ª pessoa do plural - Deve se usar menos.

29 29 Constatei que a moda é importante. 1ª pessoa do singular - nunca usar. 2.8 Caixa Alta e Caixa Baixa Caixa alta é uma expressão usada em tipografia para referir a escrita com letras maiúsculas. Caixa baixa, por seu turno, corresponde à escrita com letras minúsculas. 2.9 Cores Todo texto deve ser escrito na cor preta, exceto as figuras, fotos, gráficos e imagens ilustrativas de modo geral Nota de rodapé

30 30 É uma anotação colocada ao pé de uma página de um livro, ou documento, adicionando comentário de referência ou fonte, ou ambos, para parte do texto da matéria na mesma página. Serve para tradução de palavras, ou simplesmente dar o significado a palavras de que normalmente são termos utilizados nas áreas especificas. Associada com a marcação de um número sobrescrito no final do texto a ser comentado com a nota ao pé da página: Ex.: Uma palavraa ser traduzida para ficar clara para o leitor, na primeira vez que for colocada no texto, recebe o primeiro número 1, outra anotação receberá o próximo número associado com a anotação ao pé da mesma página, haute couture 2 estes serão traduzidos em nota de rodapé. 1 Após a linha escreve o que quer dizer cada palavra correspondente ao número. 2 Alta costura.

31 Figuras Toda imagens no texto tem uma numeração, e seu nome embaixo da figura. A figura deve ser colocada no centro, deve conter o número e a fonte onde ela foi retirada. A palavra figura e o número em negrito e o restante normal, tudo fonte 10. Ex.:

32 32 Figura 4 - Vitrine comemorativa fonte: Tabelas figuras. Tabelas seguem o mesmo modelo das Ex.: Motivo da escolha do sapato Prejuízo/ benefício 21 Por estética Dores nos pés, pernas e/ costas;varizes;halluxvalgus. 9 Pela ergonomia correta Postura dores;disposição correta;evita Tabela 2: Comparativo de mulheres que usam sapato por estética vs. consequências e sapatos adequados vs. benefícios.

33 Gráficos das figuras. Ex.: Os gráficos seguem o mesmo modelo Quais consequências do uso do salto alto varizes hallux valgus dores nas pernas Gráfico 01- Quais as consequências do uso do salto alto.

34 34 3 CITAÇÕES A norma brasileira para elaboração de citação e a NB Citação Direta Transcrição textual de parte da obra do autor consultado, e uma transcrição exata do que o autor escreveu. Indicar autor (último sobrenome), ano e a página. Na citação direta existem duas formas de transcrição: citação curta e citação longa Citação direta longa

35 35 Citações com mais de três linhas(citações longas diretas), colocar em parágrafo distinto, recuo de 4cm da margem esquerda, devem ser digitadas em fonte 10 e espaçamento simples, separadas dos parágrafos anterior e posterior por espaço duplo. Ex.:1º Para Barros e Lehfeld (2000, p. 107): As citações ou transcrições de documentos bibliográficos servem para fortalecer e apoiar a tese do pesquisador ou para documentar sua interpretação. O que citar? Componentes relevantes para descrição, explicação ou exposições temáticas. Para que citar? Para o investigador refutar ou aceitar o raciocínio e exposição de um autor suporte [...]. Ex.: 2º Deve-se indicar sempre, com método e precisão, toda documentação que serve de base para a pesquisa, assim como ideias e sugestões alheias inseridas no trabalho. (CERVO; BERVIAN, 1978, p. 97).

36 Citação direta curta Citação direta curta éaté três linhas,deve ser inserida no parágrafo entre aspas duplas. Caso existir citação no interior de uma citação entre aspas duplas no texto original, substituí-las por aspas simples. Quando inserida no parágrafo: sobrenome do autor (ou dos autores), acompanhado da data e do número da página consultada. Ex.: Para Teixeira (1998, p. 35), A ideia de que a mente funciona como um computador digital, iniciou a partir da década de 40. Quando expressa no final da citação: SOBRENOME DO AUTOR (OU DOS AUTORES) seguido da data e do número da página em referência.

37 37 Ex.: A ideia de que a mente funciona como um computador digital, iniciou a partir da década de 40. (TEIXEIRA, 1998, p. 35) 3.2Citação Indireta A citação indireta se caracteriza como uma espécie de paráfrase das ideias de um determinado autor,ou seja, o pesquisador, por meio de suas próprias palavras, interpreta o discurso de outrem, contudo, mantendo o mesmo sentido. Indicar apenas o autor (último sobrenome) e o ano da obra, não havendo necessidade de indicação da página. Deve ser inserida no parágrafo entre aspas duplas. Ex.: Barras (1979) ressalta que, apesar da importância da arte de escrever para a ciência,

38 38 inúmeros cientistas não têm recebido treinamento neste sentido. 3.3Citação de Citação Transcrição direta ou indireta de um texto em que não se teve acesso ao original, ou seja, retirada da fonte citada pelo autor da obra consultada. Indicar o autor da citação, seguido da data da obra original, a expressão latina "apud", o nome do autor consultado, a data da obra consultada e a página onde consta a citação. Ex.: "0 homem é precisamente o que ainda não é. O homem não se define pelo que é, mas pelo que deseja ser." (ORTEGA Y GASSET, 1963, apud SALVADOR, 1977, p. 160).

39 39 Segundo Silva (1983 apud ABREU, 1999, p. 3) diz ser [... ] 3.4 Exemplos diversos para citações diretas e indiretas. a)um autor - citar o sobrenome e o ano. De acordo com Polke (1972): É função do pesquisador conhecer o que os outros realizaram anteriormente, a fim de evitar duplicações, redescobertas ou acusações de plágio. b) Dois a três autores - citar os respectivos sobrenomes separados por ponto e vírgula; data da obra e página da citação. Documento é toda base de conhecimento fixado materialmente e suscetível de

40 40 ser atualizado para consulta, estudo ou prova." (CERVO; BERVIAN, 1978, p. 52). c) Mais de três autores - citar o sobrenome do primeiro autor seguido pela expressão et al. Ano e pagina. Quanto ao uso de maiúsculas ao longo do texto, segundo Bastos et al. (1979) é recomendável a adoção das normas provenientes da Academia Brasileira de Letras. d) Sem autoria conhecida - citar o título e o ano. Conforme análise feita em Conservacionistas (1980) os ecologistas nacionais estão empenhados no tombamento da referida montanha.

41 41 No diagnóstico das neoplasias utilizou-se a classificação histológica internacional de tumores dos animais domésticos, segundo o Bulletin(1974). e) Entidade coletiva - citar o nome da instituição e ano. Nas citações subsequentes, usar apenas a sigla. O resumo deve ressaltar o objetivo, o método, os resultados e as conclusões do trabalho. (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 1978, p. 46). f) Um autor e mais de uma obra - citar o sobrenome e os vários anos de publicação, em ordem cronológica. Quando o ano também for o mesmo, acrescentar letras minúsculas ao ano, tanto no texto, quanto nas referências. A hierarquia de dominância e necessidade dos sexos alelos do loco

42 42 p(pigmentação) é diferente nos dois sexos. (HALKKA et al., 1973, 1975a, 1975b). g) Omissão em citação As omissões de palavras ou frases nas citações são indicadas pelo uso de elipses [ ] entre colchetes. Ex.: Segundo o autor Silva, (1983 apud Abreu, 1999, p. 3) diz ser [...] a educação compreende desde os primórdios. Mais de 150 anos depois daquele momento, as diferenças que se separam os jovens de classes médias e altas dos jovens subalternos se fizeram mais profundas convertendo [...] com realidades como pobreza, menor, escolaridade, menor acesso a oportunidades laborais, maior chance de sofrer exploração no

43 43 trabalho, desemprego, alcoolismo, dificuldades na família e/ou na escola entre outras tantas problemáticas as quais jovens de classe média. (RACOVSCHIK, 2002, p. 2). h) Acréscimo em citação Acréscimos e/ou comentários, quando necessários à compreensão de algo dentro da citação, aparecem entre colchetes [..]. Ex.: Segundo o autor Silva, (1983 apud Abreu, 1999, p. 3) diz ser [a maior de todos os conhecimentos]a educação compreende desde [sempre]. i) Destaque em citação

44 44 Para se destacar palavras ou frases em uma citação usa-se o grifo em aspas duplas, negrito ou itálico,seguido da expressão grifo meu ou grifo do autor entre colchetes, após a chamada da citação. Ex. 1 -Citação com destaque do autor do texto. Skinner (1986), criticou a sociedade capitalista dos países desenvolvidos. (Grifo nosso) Ex. 2 - Citação com destaque do autor consultado. Antropometria é o estudo que trata das medidas físicas do corpo humano. Todas as populações são compostas por diferentes tipos físicos que apresentam diferentes proporções de cada segmento do corpo. (SABRÁ, 2009, p.45, grifo do autor). j) Ênfase em citação

45 45 Indica ponto relevante que se deseja enfatizar, colocado logo a sua ocorrência, entre colchetes ponto de interrogação [! ]. Citar um autor do qual se utilizou uma ideia ou uma informação é pagar uma dívida [! ]. (ECO, 1983, p. 131). l) Citação com dúvidas Para indicar dúvida usa-se ponto de interrogação entre colchetes, após o que deseja questionar [?]. No século XIX [?], as mulheres tornaram responsáveis integrais pela confecção do vestuário feminino (SABRÁ, 2009,p.67). m) Tradução em citação Não fazer citação em outros idiomas, mesmo que o original seja em outro idioma. Devese traduzir o texto e incluir a expressão tradução

46 46 nossa entre parênteses, logo após a chamada da citação. Ex.: Com a excelência da fotografia, que veio para mostrar que estamos vivendo em uma época que a fotografia não é mais uma arte pequena. (MINDLIN, 2012, tradução nossa). n) Informação Verbal O item 5.5 da NBR (2002, p.2), descreve que se tratando de dados obtidos através de informação verbal (palestras, debates, comunicações, etc.), indicar entre parênteses a expressão "informação verbal", mencionando-se os dados disponíveis somente em nota de rodapé. Ex.: A Biblioteca Setorial de Educação informa que está revisando as orientações para

47 47 elaboração de trabalhos acadêmicos (informação verbal). 3 o) Citação de documentos eletrônicos A citação de documentos eletrônicos tem a finalidade de comprovar as informações apresentadas no trabalho, sendo necessário citar a fonte do endereço eletrônico, para que qualquer pessoa possa acessar o documento. Quando a citação é feita no texto deve seguir as normas já estabelecidas para a citação de autores, sendo que o ano será o do acesso na internet, caso este não esteja especificado no artigo. 3 Informe repassado pela bibliotecária responsável aos usuários da biblioteca em dezembro 2013.

48 48 No texto: Citações curtas e inseridas no parágrafo: A jornalista Ligabue 4 (2000 apud FREIRE (2005, p. 1) coloca que O Brasil e a América Latina tornaram-se pioneiros em educação". Citações longas e destacadas no recuo de 4 cm. Uma história inteira construída em cima da exploração social, na avaliação dos especialistas no tema, criou uma desigualdade agravada por um sistema de educação formal falho e excludente. Foi nesse contexto que apareceu o Movimento de Educação de Base (MEB), um programa governamental de alfabetização criado em 1961 pela Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Se esse foi o marco do início da história da educação popular no país, os anos seguintes seriam ainda mais fundamentais. Foi na década de 1960 que o educador Paulo Freire modificou o caráter apenas alfabetizador da educação popular e passou a trabalhar também com a 4

49 49 conscientização. (LIGABUE, 2000 apud FREIRE, 2005, p. 1). 5 Se acitação não tiver autor, deve-se colocar entre parênteses, no final do parágrafo, o site da internet onde a informação foi obtida. No item Referências o mesmo deverá entrar pelo título do artigo, seguido de disponível em,o site utilizado e acesso em. O mês da data do acesso será grafado com as três primeiras letras, com exceção do mês de maio que será usado na íntegra, seguido de ponto. Devem-se evitar citações da internet sem autoresdefinidos. Ex. : A secretária, no ano de 1950, sem encontrar um referencial profissional, utilizou o modelo que já conheciadentro do seio familiar, levando para a empresa características de servilidade, falta de criatividade e decisão. Logo depois, nos anos 1960, a secretária torna-se um 5

50 50 modelo de statusgerencial para o chefe, ou seja, servia de objeto decorativo, para muitos,um artigo de luxo. (Http://fenassec.com.br/artigos/art58.htm>) p) Trabalhos em fase de elaboração Quando se tratar de dados obtidos em trabalhos em fase de elaboração, indicar entre parênteses a expressão "em fase de elaboração", mencionando-se os dados disponíveis somente em nota de rodapé. Ex.: Souza; Freitas (2000) sugerem a participação de bibliotecários na elaboração de critérios para avaliação das bibliotecas pelo MEC (em fase de elaboração) 6. 6 Trabalho de conclusão de curso a ser apresentado ao departamento de biblioteconomia da UnB, por Eduardo P. Souza e Ezio F. Freitas.

51 51 q) Informações adicionais As citações devem ser indicadas no texto utilizando os sistemas de chamada Autor-data ou numérico. Ao se optar por um sistema de chamada, deve-se adotá-lo até o final, para fins de uniformidade. Quando começar com entrada pelo texto ou no final utilizar somente um tipo, para dar mais harmonia ao trabalho. Entradas pelo texto - sobrenome do autor. Nome do autor em caixa baixa,ano e página entre parênteses. Ex.:1 De acordo com Cervo; Bervian(1978, p. 52), documento é toda base de conhecimento fixado materialmente e suscetível de ser atualizado para consulta, estudo ou prova.

52 52 Quando colocadas no final das citações, nome do autor em caixa alta, ano e página, tudo entre parênteses. Ex.: 2 Documento é toda base de conhecimento fixado materialmente e suscetível de ser atualizado para consulta, estudo ou prova. (CERVO; BERVIAN, 1978, p. 52). 4 FICHAMENTO O fichamento pode ser pensado como uma forma de investigação que se caracteriza pelo ato de fichar (registrar) todo o material necessário à compreensão de um texto ou tema. Para isso, é necessário utilizar fichas (no computador) que facilitam a documentação e preparam a execução do trabalho. Um fichamento deve constar os seguintes dados: 1) autor e capítulo do livro que está sendo fichado;

53 53 2) Assunto que está sendo fichado; 3) Páginas que estão sendo fichadas; 4) As ideias do autor discriminadas ao lado das páginas (se você quiser, pode colocar comentários pessoais sobre as ideias do autor); 5) Um espaço para observações (tal como a bibliografia). Fichamento - É uma das fases da Pesquisa Bibliográfica, seu objetivo é facilitar o desenvolvimento das atividades acadêmicas e profissionais. Pode ser utilizado para: Identificar as obras; Conhecer seu conteúdo; Fazer citações; Analisar o material; Elaborar a crítica; Auxiliar e embasar a produção de textos; O fichamento e o registro mais importante quando se faz uma pesquisa, e necessário o fichamento completo, com citações diretas, indiretas, resumos, referências bibliográficas. Ao finalizar a pesquisa bibliográfica,

54 54 tendo feito um fichamento completo, o pesquisador praticamente está com sua pesquisa pronta. Colocar sempre a referência bibliográfica da obra lida, facilitará na hora de finalizar seu trabalho, é só copiar e colar as referências bibliográficas pesquisadas. As vezes se lê muito para uma pesquisa e não faz um fichamento completo, é perda de tempo, pois certamente não saberá de onde foi retirada a parte que você anotou, e terá que ler novamente. 5 TIPOS DE PESQUISAS Pesquisa é o conjunto de atividades intelectuais tendentes à descobertas de novos conhecimentos (MONTEIRO, SAVEDRA, 2001). Fazer pesquisa é defender uma ideia, fundamentando-a com bibliografias, questionários, entrevista, visita in loco, para mostrar através de gráficos, análises e interpretação de resultados obtidos com a pesquisa. Pois observa-se que a pesquisa não é neutra, baseando-se em coleta,

55 55 análise e interpretação dos dados. Neste tratamento de investigação dos pensamentos e ações que se busca um determinado conhecimento. 5.1 Classificação das pesquisas As pesquisas classificam-se com base em seus objetivos: Pesquisas Exploratórias Pesquisas exploratórias são aquelas cujos objetivos se concentram em conhecer melhor o objeto a ser investigado. Pode-se dizer que estas pesquisas têm como objetivo principal o aprimoramento de ideias ou a descoberta de intuições.

56 56 Gil nos explica a natureza de uma pesquisa exploratória, de forma bem simples e direta, o autor nos apresenta a seguinte definição: Essas pesquisas têm como preocupação central identificar os fatores que determinam ou que contribuem para a ocorrência dos fenômenos. Este é o tipo de pesquisa que mais aprofunda o conhecimento da realidade, porque explica a razão, o porquê das coisas (GIL, 1994, p. 46) Uma pesquisa pode ser considerada de natureza exploratória, quando esta envolver levantamento bibliográfico, entrevistas com pessoas que tiveram, ou têm experiências práticas com o problema pesquisado e análise de exemplos que estimulem a compreensão. As pesquisas exploratórias visam proporcionar uma visão geral de um determinado fato, do tipo aproximativo. A ideia não é testar ou confirmar uma determinada hipótese. As técnicas tipicamente utilizadas para a pesquisa exploratória são estudos de caso, observações ou análise históricos, e seus

57 57 resultados fornecem geralmente dados qualitativos ou quantitativos Pesquisas Descritivas As pesquisas descritivas exprimem em seu nome o objetivo em questão. Trata-se de uma investigação com a finalidade de exaurir as características do objeto proposto. Observa, registra, analisa e correlaciona fatos ou fenômenos sem manipulá-los procura descobrir, com precisão possível, a frequência com que um fenômeno ocorre, sua relação e conexão com outros. Algumas pesquisas descritivas vão além da simples identificação da existência de relações entre variáveis, pretendendo determinar a natureza dessa relação. Neste caso tem-se uma pesquisa descritiva que se aproxima da explicativa. Mas há pesquisas que, embora definidas como descritivas a partir de seus objetivos acabam servindo mais

58 58 para proporcionar uma nova visão do problema, o que as aproxima das pesquisas exploratórias (GIL, 1994, p. 46) formas: A pesquisa descritiva pode assumir diversas A) Pesquisa de opinião (procura saber atitudes e pontos de vista e preferências que as pessoas têm a respeito de algum assunto, com o objetivo de tomar decisões divulgada pelos meios de comunicação, pois permite tratar de temas do cotidiano, intenções do voto, compras e consumo, tendências de opinião pública, manipulação dos dados, as opiniões podem ser mercadológica ou levantamento socioeconômico). B) Estudo de caso (pesquisa sobre determinado indivíduo, família, grupo ou comunidade que seja representativo do seu universo, para examinar aspectos variados da sua vida). C)Documental (são investigados documentos a fim de se poder descrever e comparar usos e costumes, tendências, diferenças e outras

59 59 características, estuda arealidade presente, e não o passado) Pesquisas Explicativa ou Experimental Registra, analisa e interpretam os fenômenosestudados, identificando seus fatores determinantes causas de que modoou por que causas o fenômeno é produzido, uso de aparelhos e deinstrumentos,campoe laboratório: contexto em que as pesquisas se realizam Pesquisas Bibliográficas Procura explicar um problema a partir de referências teóricas publicadas em documentos, constitui parte da pesquisa descritiva ouexperimental,quando é feita com o intuito de

60 60 recolher informações econhecimentos prévios acerca de um problema para o qual se procuraresposta ou acerca de uma hipótese que se quer experimentar. Como resumo de assunto, constitui o primeiro passo de qualquerpesquisa científica Pesquisas Estudos Exploratórios Passo inicial de pesquisa pela experiência, nãoelaboram hipóteses, definem objetivos e buscam mais informações sobre determinado assunto Pesquisas Resumo de assunto Texto que reúne, analisa e discute conhecimentos einformações já publicadas.

61 Pesquisas Seminário de estudos A finalidade de um seminário é transmitir informações, discutirinformações e extrair conclusões. 5.2 Fases da elaboração da pesquisa Escolha do tema: critérios de originalidade, relevância, viabilidadeoriginalidade, novo enfoque que deve contribuir para o esclarecimento doassunto. É o assunto que se deseja estudar e pesquisar, selecionar um assuntode acordo com as inclinações, possibilidades, aptidões e tendências. Relevância do tema: ligado a uma questão de interesse geral ou social. Viabilidade para os aspectos práticos da pesquisa (prazos, bibliografia acessível,recursos materiais e financeiros).

62 62 Delimitação do assunto: selecionar um tópico para ser focalizado e analisado em profundidade, tornando-o viável de ser pesquisado. Justificativa da escolha: mostrar as razões da preferência pelo assuntoescolhido e sua importância em face de outros temas. Levantamento de dados: pesquisa bibliográfica, resumo do assunto sobrea questão delimitada, revisão sobre a literatura referente ao assunto,pesquisabibliográfica. (Fichamento). Formulação do problema: redigir a questão cuja solução possa seralcançável pela pesquisa. O quê? Como? Definir o problema. Dificuldade teórica ou prática para a qual se deve encontrar uma soluçãodiagnóstica.problema é umaquestão que envolve intrinsecamente uma dificuldade teórica ouprática para a qual se deve encontrar uma solução.

63 63 Construção de hipóteses: hipótese é a solução provisória que se propõe parao problema formulado, suposição que precisa de confirmação, baseada noconhecimento do assunto, não contrariar as evidências, ser verificável, formulação clara,nãodeve contradizer nenhuma verdade já aceita, deve ser simples everificável pelos fatos. Indicação das variáveis: variáveis são fatores ou circunstâncias que influemdireta ou indiretamente sobre o fato ou fenômeno que será investigado, tudo que pode afetar ou interferir com o objeto em estudo (sexo, estadocivil...) Amostragem: delimitação do universo da pesquisa, elementos que serão investigados, parte da população, parcela convenientemente selecionada douniverso, população. Seleção de métodos e técnicas: cada pesquisa tem sua metodologia eexige técnicas específicas para a obtenção de dados, (entrevista,questionário, formulário, instrumental metodológico)

64 64 Organização e construção dos instrumentos de pesquisa: procedimentos,descriçãodetalhada de todos os passos da coleta e registro de dados.quem?quando? Onde? Como? Análise dos dados e discussão dos resultados: classificação ordenada dos dados, verificar a comprovação ou não das hipóteses. Considerações Finais (Conclusão): resumo dos resultados mais significativos da pesquisa, vinculada à hipótese, síntese comentada das ideias essenciais e principais resultados. Bibliografia: livros consultados, referências bibliográficas, normas ABNT. Anexos: elementos complementares, questionários, fichas de observaçãoe registro utilizados no trabalho e que auxiliem a análise do

65 65 leitor dapesquisa, documentos, servem de comprovação ou ilustração. Apêndice: elaborado pelo autor, complementa a argumentação. 6 PRÉ-PROJETO DE PESQUISA

66 66 Constitui-se no plano de trabalho da pesquisa e, ao mesmo tempo, tem a finalidade de definir os rumos que o investigador deve tomar segundo suas questões de estudo, impedindo desperdício de tempo e custo elevado da pesquisa. Definição: Pré-projeto de pesquisa é um trabalho científico em que se organizam as diversas etapas de uma proposta teórica, a ser formulada a respeito de um determinado assunto. 6.1Estrutura do Pré- projeto Todo projeto é formado de partes. Elementos pré-textais Capa; Contra capa; Lista de imagens; Sumario; Elementos textuais. Introdução;

67 67 Tema ou assunto da pesquisa (que responde o que investigar); Problema a ser investigado; Hipóteses; Justificativa; Objetivos: Geral e específicos; Fundamentação teórica; Metodologia; Cronograma das atividades Recursos; Considerações finais; Elementos pós-textuais Bibliografia; Anexo; 6.2 Partes essenciais do pré-projeto.

68 Introdução Introduzir significa apresentar.o pesquisador deve apresentar o problema, isto é, deve explicar quais os fatos ou motivos o levaram a criar uma hipótese de trabalho, objetivos.a Introdução é a parte crucial do projeto. Através dela o pesquisador deverá demonstrar a importância e necessidade do mesmo.em suma, uma Introdução de um projeto de pesquisa deve conter a exposição clara e de maneira encadeada e cronológica do que se obteve na literatura consultada e que seja mais significativo para justificar a pesquisa;a hipótese de trabalho e sua importância;conclusão com a exposição do objetivo que se pretende alcançar com a pesquisa a ser realizada; aquilo que se pretende estudar, analisar, interpretar ou verificar, de modo geral. A introdução elucida o leitor o que está dentro do trabalho, tem o poder de despertar o interesse ou não do leitor para que seu trabalho seja fonte ou não de pesquisa.

69 69 E uma das últimas coisas a ser realizada Tema Aquilo que se pretende estudar, analisar, interpretar ou verificar, de modo geral.trata-se do momento da seleção do fato, fenômeno ou assunto merecedor da pesquisa. Levam-se em consideração alguns aspectos, no momento que se vai decidir sobre o tema: a) É de interesse cientifico? b) E um assunto que se deseja provar ou resolver? c) E possível de ser investigado? d) Existe material bibliográfico sobre o assunto escolhido? e) O pesquisador tem familiaridade com o tema?

70 70 f) Que tempo o pesquisador tem disponível e que recurso possui para realizar a investigação? Cinco dicas para escolher o tema do seu trabalho de conclusão de curso. O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) deve ser construído em volta de um tema. Deste tema subtraímos um questionamento, ou seja, um problema que será investigado. A escolha do tema é de suma importância para o desenrolar do TCC. O tema é o assunto que se pretende estudar e pesquisar no trabalho a ser desenvolvido. Definir adequadamente um tema é fundamental para a pesquisa Diante da infinidade de caminhos que encontramos na hora de escolher o tema, é preciso tomar algumas precauções para agilizar e tornar agradável a pesquisa. O pesquisador deve buscar um tema que tenha afinidade, que goste que desperte o seu interesse,

71 71 caso contrário a pesquisa será maçante quase uma tortura. O pesquisador deve levar em consideração o tempo que terá disponível para realização da pesquisa, neste sentido deve buscar sempre um campo de pesquisa que lhe seja acessível. Deve estar vinculado à área de estudo do pesquisador. Deve ter relevância social, ou seja, deve ser interessante. Antes da escolha do tema o pesquisador deve fazer um levantamento bibliográfico superficial, para que não acabe escolhendo temas com pouco referencial teórico, que dificulta muito a pesquisa A delimitação do tema Procure delimitar o tema. Para tanto, associe ao seu tema um fenômeno/ um fato, uma ideia e decomponha-os em temas específicos. Parte de um macro, para um micro. Esta delimitação do tema facilita a pesquisa, tornando-a mais focada no que se pretende pesquisar ou provar.

72 72 Tema geral - A influênciada moda na sociedade Brasileira. Tema especifico - Ainfluência da moda na sociedade Brasileira no ano de 1920, na cidade de Rio de Janeiro. 6.3 Problema a ser investigado Problema é uma questão não resolvida, que pode referir-se: A alguma lacuna do conhecimento ou metodologia; a alguma dúvida em relação a uma afirmação que é aceita pelo senso comum; a vontade de testar, de pôr à prova uma suposição; a vontade de compreender e investigar uma situação do cotidiano. Formular um problema é dizer de maneira explicita, operacional, qual a dificuldade que existe, delimitandoseu campo de investigação eapresentando suas características. Exemplos:

73 73 - A mediação da informática educativa poderá favorecer a construção do conhecimento de jovens e adultos em processos de alfabetização? - A antecipação da responsabilidade criminal para menores de 18 anos é a solução para a redução da criminalidade juvenil? - Os fatores socioeconômicos de uma família explicam as causas da evasão escolar nas primeiras séries do ensino fundamental? Como se pode notar, há um jogo de variáveis que permite delimitar, numa dimensão viável, a investigação. A partir da delimitação, torna-se possível prever os meios que serão utilizados. 6.4 Hipóteses

74 74 É uma formulação possível de solução de um determinado problema, por meio de uma proposição que possa ser declarada verdadeira oufalsa.portanto, a hipótese é a proposição testável que pode vir a ser a solução do problema. Deve partir de conhecimentos prévios sobre o tema, sustentada em adequada revisão de literatura a respeito do tema. Somente assim haverá a possibilidade de fundamentar a relação entre as variáveis. Podemos observar que as hipóteses são formuladas em uma sentença afirmativa. H0 - O índice de suicídio é maior entre os solteiros que entre os casados. H1- A classe social da mãe influencia no tempo deamamentação dos filhos. H2- O reforço do professor tem como efeito melhoria na leitura do aluno.

75 Justificativa Visa apresentar as razões por que se pretende realizar a pesquisa. Deve conter, a importância do trabalho, relevância (pertinência) social do tema, viabilidade(recursos pessoais, materiais e técnicos, contribuições, oportunidade que os resultados da pesquisa poderão trazer originalidade (busca da origem). É a resposta que o autor do projeto dá às indagações; em que o estudo é importante. 6.6 Objetivos Nesta etapa você pensará a respeito de sua intenção ao propor a pesquisa. Deverásintetizar o que pretende alcançar, se os objetivos estão coerentes com a justificativa e oproblema proposto. Cumpre ainda dizer que os objetivos têm função norteadora no momento da leitura e

76 76 avaliação do trabalho, o qual será julgado, em grande parte, pela capacidade de cumprir os objetivos propostos inicialmente. Então, o alerta é: cuidado na hora de estabelecer os objetivos. Além de claros devem ser capazes de execução. Os enunciados dos objetivos devem começar com um verbo no infinitivo e este verbo deve indicar uma ação passível de mensuração Objetivo geral Conforme Oliveira (2011, p. 36): O objetivo geral precisa dar conta da totalidade do problema da pesquisa, devendo ser elaborado com um verbo de precisão, evitando ao máximo uma possível distorção na interpretação do que se pretende pesquisar. O objetivo geral relaciona-se diretamente ao problema. Ele esclarece e direciona ofoco

77 77 central da pesquisa de maneira ampla. É redigido em uma frase, utilizando o verbo noinfinitivo. Exemplo: Analisar o comportamento dos jovens da tribo Punk de Goiânia, através da moda Objetivos específicos Para se cumprir os objetivos gerais é preciso delimitar metas mais específicas dentro do trabalho. São elas que, somadas, conduzirão ao desfecho do objetivo geral. Conforme Oliveira (2011, p. 37) Os objetivos específicos fazem o detalhamento do objetivo geral e devem ser iniciados com o verbo no infinitivo. Os objetivos específicos explicitarão os detalhes, sendo um desdobramento doobjetivo geral. Apresentam caráter mais concreto. Tem

78 78 função intermediária einstrumental,permitindo de um lado, atingir o objetivo geral e, de outro, aplicar este a situaçõesparticulares. Alguns verbos para construção de objetivos específicos: indicar, desenhar, colaborar, descrever, utilizar, divulgar, elaborar,empreender, explicar, evidenciar,facilitar, focalizar, fornecer, identificar, interpretar, investigar, levantar, localizar, promover, realizar, reconhecer, reunir, sugerir, traçar, verificar, observar. Exemplos: I - Observar os jovens nos shopping de Goiânia; II Levantar informações sobre o dia a dia dos jovens punk de Goiânia; III Identificar a moda da tribo punk em Goiânia. 6.7 Fundamentação teórica

79 79 Parte principal do texto, que contém a exposição ordenada e pormenorizada do assunto. Dividese em seções e subseções, que variam em função da abordagem do tema e do método.(abnt NBR 14724:2005, p. 6) Também pode ser denominado de: quadro teórico de referência, revisão de literatura,revisão bibliográfica ou fundamentação teórica. É importante a leitura de autores que sejam compatíveis à sua pesquisa.nesta fase você deverá responder às seguintes questões: quem já escreveu e o que jáfoi publicado sobre o assunto, que aspectos já foram abordados, quais as lacunas existentes na literatura.é fundamental ter embasamento de autores renomados sobre o assunto pesquisado, isto trará a sua pesquisa mais confiabilidade. Para a elaboração do referencial teórico, são sugeridos alguns passos:

80 80 1- Defina o assunto da pesquisa. 2- Reúna a bibliografia. 3- Leia as bibliografias sugeridas pelo tema e liste as ideias principais. 4 - Não esqueça de indicar as fontes pesquisadas, para facilitar suareferência futura. 5- Organize as ideias em seções (normalmente entre 3 a 4 seções deverão aparecer) e subseções (em geral, 3 ou 4 subseções para cada seção). 6 - Escreva o referencial teórico seguindo a sequência hierárquica de apresentação dos assuntos. Dê preferência a ideias abordadas por diversos autores. 7 - Conclua o referencial teórico identificando as principais ideias discutidas no seu texto e apontando para as questões de pesquisa em aberto na literatura." 6.8 Metodologia

81 81 Método é um procedimento, ou melhor, um conjunto de processos necessários paraalcançar os fins de uma investigação. Envolve a definição de como será realizado o trabalho A metodologia deve apresentar a) O tipo de pesquisa b) Universo e Amostra c) Instrumentos de coletas de dados d) Método de análise Os métodos de pesquisa e sua definição dependem do objeto e do tipo da pesquisa. Os tipos mais comuns de pesquisa são: De campo Bibliográfica Descritiva Experimental

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008)

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008) Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Curso de Sistemas de Informação Trabalho de Conclusão de Curso Prof. Dr. Luís Fernando Garcia - TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto

Leia mais

ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DO PROJETO/ARTIGO 1. O PROJETO DE PESQUISA

ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DO PROJETO/ARTIGO 1. O PROJETO DE PESQUISA ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DO PROJETO/ARTIGO 1. O PROJETO DE PESQUISA A primeira etapa para a organização do TCC nos cursos de pós-graduação lato sensu a distância consiste na elaboração do projeto de pesquisa,

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA ANEXO da Norma 004/2008 CCQ Rev 1, 28/09/2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE QUÍMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Salvador 2009 2 1 Objetivo Estabelecer parâmetros para a apresentação gráfica

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA Normas para elaboração de Dissertações do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais MODELO

Leia mais

ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA

ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA A elaboração da monografia deve ter como referência a ABNT NBR 14724/ 2006, a qual destaca que um trabalho acadêmico compreende elementos pré-textuais,

Leia mais

4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO Este capítulo visa a orientar a elaboração de artigos científicos para os cursos de graduação e de pós-graduação da FSG. Conforme a NBR 6022 (2003, p. 2),

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Centro de Ciências Humanas e Sociais CCHS Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Centro de Ciências Humanas e Sociais CCHS Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Centro de Ciências Humanas e Sociais CCHS Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado MANUAL DE DEFESA Exame de Qualificação: banca examinadora

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 2013

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 2013 NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 2013 Jaciara-MT 2013 REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO FORMATO Os trabalhos acadêmicos devem ser em conformidade com os apontamentos a seguir. Papel branco, Formato A4 (21

Leia mais

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 Paula Carina de Araújo paulacarina@ufpr.br 2014 Pesquisa Pesquisa Atividade básica da ciência

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual

Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIOS PARA QUALIFICAÇÃO (MESTRADO E DOUTORADO), TESES E TRABALHOS

Leia mais

GESTÃO HOSPITALAR. PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar

GESTÃO HOSPITALAR. PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO HOSPITALAR PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar 1 PIM PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Elaborar um estudo acerca Estrutura e Funcionamento do Sistema de Saúde Pública e Privada no Brasil.

Leia mais

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS MONOGRAFIA Trata-se de uma construção intelectual do aluno-autor que revela sua leitura, reflexão e interpretação sobre o tema da realidade. Tem como base a escolha de uma unidade ou elemento social, sob

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. FACULDADE (do aluno) CURSO. TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. FACULDADE (do aluno) CURSO. TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP FACULDADE (do aluno) CURSO TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO TÍTULO DO RELATÓRIO AUTOR(ES) DO RELATÓRIO SÃO PAULO 200_ NOTA PRÉVIA

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO CAMPINA GRANDE 2015 1 DISSERTAÇÃO A defesa pública da dissertação

Leia mais

ANEXO II - Trabalho de conclusão de curso (TCC)

ANEXO II - Trabalho de conclusão de curso (TCC) ANEXO II - Trabalho de conclusão de curso (TCC) O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) compreende a elaboração de trabalho de caráter individual teórico, projetual ou aplicativo, com observância de exigências

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA - UFSJ

GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA - UFSJ UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ CAMPUS CENTRO-OESTE DONA LINDU CCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE INGRESSO E VITALICIAMENTO DOS NOVOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO CEARÁ

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE INGRESSO E VITALICIAMENTO DOS NOVOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO CEARÁ GESTÃO2010/2012 ESCOLASUPERIORDOMINISTÉRIOPÚBLICO(Art.1ºdaLei11.592/89) Credenciada pelo Parecer 559/2008, de 10/12/08, do CEC (Art. 10, IV da Lei Federal n.º 9.394, de 26/12/1996 - LDB) NORMAS PARA ELABORAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO FACULDADE PIO XII REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ( 6º PERÍODO/2013-7º PERÍODO/2014-8º PERÍODO/2014 ) Cariacica 2013/2014 FACULDADE DE ESTUDOS

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA CONSTRUÇÃO DE PROJETOS CIENTÍFICOS

PROCEDIMENTOS PARA CONSTRUÇÃO DE PROJETOS CIENTÍFICOS PROCEDIMENTOS PARA CONSTRUÇÃO DE PROJETOS CIENTÍFICOS Procedimentos para utilização na disciplina de Prática Profissional I Este documento é parte integrante das Normas Técnicas para Elaboração de Trabalhos

Leia mais

TÍTULO CLARO E OBJETIVO QUANTO ÀS PRETENÇÕES RELATIVAS AO OBJETO DE ESTUDO

TÍTULO CLARO E OBJETIVO QUANTO ÀS PRETENÇÕES RELATIVAS AO OBJETO DE ESTUDO FORMATAÇÃO GERAL PAPEL: A4 MARGEM: 3 cm à esquerda e superior e 2 cm à direita e inferior ESPAÇAMENTO: 1,5 texto corrido; entre parágrafo 6pts antes e depois FONTE: Times New Roman ou Arial TAMANHO DA

Leia mais

DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA TCC2

DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA TCC2 UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA COORDENAÇÃO ADJUNTA DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

1. Escolha do Tema. 2. Formulação do Problema. 1 Escolha do Tema II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA

1. Escolha do Tema. 2. Formulação do Problema. 1 Escolha do Tema II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Escolha do tema 2. Formulação do problema 3. Justificativa 4. Determinação dos objetivos 5. Referencial teórico 6. Referências 1 Escolha do Tema 1. Escolha do Tema Nesta

Leia mais

1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA

1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA Roteiro para projeto de pesquisa Gildenir Carolino Santos, 2005. 1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA Antes de passar para a construção ou montagem de um projeto de pesquisa, é importante saber que esse

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO COMUNICAÇÃO SOCIAL JORNALISMO/PUBLICIDADE E PROPAGANDA COORDENAÇÃO DE TCC

FACULDADE SETE DE SETEMBRO COMUNICAÇÃO SOCIAL JORNALISMO/PUBLICIDADE E PROPAGANDA COORDENAÇÃO DE TCC REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art.1º. Este regulamento disciplina o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) de Comunicação Social (Cursos de Jornalismo

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA MANUAL DE NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA FORMOSA/GO

Leia mais

MODELO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

MODELO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA MODELO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS Elaborado por Prof. Dr. Rodrigo Sampaio Fernandes Um projeto de pesquisa consiste em um documento no qual

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS DO CET/UnB

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS DO CET/UnB UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Centro de Excelência em Turismo MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS DO CET/UnB Por: Jakeline V. de Pádua APRESENTAÇÃO As páginas que se seguem especificam os princípios gerais

Leia mais

NORMAS PARA REDAÇÃO E IMPRESSÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL

NORMAS PARA REDAÇÃO E IMPRESSÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL NORMAS PARA REDAÇÃO E IMPRESSÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL AQUIDAUANA MS 2009 1. PAPEL E PROCESSO DE MULTIPLICAÇÃO O papel

Leia mais

ANEXO IV RELATO DE EXPERIÊNCIA TÍTULO DO TRABALHO

ANEXO IV RELATO DE EXPERIÊNCIA TÍTULO DO TRABALHO ANEXO IV RELATO DE EXPERIÊNCIA TÍTULO DO TRABALHO Nome Sobrenome 1 Nome Sobrenome 2 RESUMO Este trabalho apresenta os elementos que constituem a estrutura do relato de experiência para o programa de apoio

Leia mais

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto.

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Pré-texto Capa Folha de Rosto Dedicatória Agradecimentos Epígrafe Resumo Sumário Texto

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso (Administração) ETEC TEOTÔNIO ALVES PEREIRA

Trabalho de Conclusão de Curso (Administração) ETEC TEOTÔNIO ALVES PEREIRA Trabalho de Conclusão de Curso (Administração) ETEC TEOTÔNIO ALVES PEREIRA Objetivo: Estas diretrizes têm por objetivo padronizar a apresentação dos Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) dos Cursos Técnicos

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS FACULDADE LUTERANA SÃO MARCOS

NORMAS TÉCNICAS PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS FACULDADE LUTERANA SÃO MARCOS NORMAS TÉCNICAS PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS FACULDADE LUTERANA SÃO MARCOS Núcleo Docente Estruturante Prof. Álvaro Antônio Dal Molin Flores Prof. Carlos André Junqueira Prof. Cilane da Rosa

Leia mais

Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011. São Carlos

Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011. São Carlos Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011 São Carlos Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico As orientações abaixo estão de acordo com NBR 14724/2011 da Associação

Leia mais

NBR 14724/2011 ABNT NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 19/10/2011. Objetivo

NBR 14724/2011 ABNT NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 19/10/2011. Objetivo Objetivo ABNT Normas para elaboração de trabalhos científicos Esta Norma especifica os princípios gerais para a elaboração de trabalhos acadêmicos, visando sua apresentação à instituição Estrutura Parte

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA UFSJ

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA UFSJ UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ CAMPUS CENTRO OESTE DONA LINDU GUIA PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA UFSJ DIVINÓPOLIS MG 2009 O Trabalho de

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013 NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013 Jaciara-MT COMPOSIÇÃO DA MONOGRAFIA MONOGRAFIA Recebe nº página CAPA FOLHA DE ROSTO FOLHA DE APROVAÇÃO DEDICATÓRIA (OPCIONAL) AGRADECIMENTO (OPCIONAL) EPIGRAFE

Leia mais

REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO

REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO 1 REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO Os seguintes padrões atendem às exigências da FTC Feira de Santana, em conformidade com a NBR 14724:2002/2005 da Associação Brasileira de Normas Técnicas

Leia mais

Escola de Administração Biblioteca. Normas para elaboração do TCC

Escola de Administração Biblioteca. Normas para elaboração do TCC Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Administração Biblioteca Normas para elaboração do TCC O que é um Trabalho de Conclusão de Curso? O TCC, é um trabalho acadêmico feito sob a coordenação

Leia mais

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA 1 Prezado(a) aluno(a), Este roteiro foi preparado para auxiliá-lo na elaboração de sua monografia (TCC). Ele o apoiará na estruturação das etapas do seu trabalho de maneira

Leia mais

3 cm UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE LUZIÂNIA

3 cm UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE LUZIÂNIA 3 cm UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE LUZIÂNIA NOME DO AUTOR (fonte tamanho 12, arial, todas em maiúscula, negrito, centralizado) ESTÁGIO SUPERVISIONADO I OU II DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Anexos: A Estrutura padrão de um TCC B Capa do TCC C Folha de Rosto D Ficha catalográfica H Relatório de Acompanhamento Mensal J Ficha de Inscrição

Anexos: A Estrutura padrão de um TCC B Capa do TCC C Folha de Rosto D Ficha catalográfica H Relatório de Acompanhamento Mensal J Ficha de Inscrição Anexos: A Estrutura padrão de um TCC B Capa do TCC C Folha de Rosto D Ficha catalográfica H Relatório de Acompanhamento Mensal J Ficha de Inscrição de TCC na Secretaria da FTT 2 Anexo A - Estrutura Padrão

Leia mais

Normas para Redação da Dissertação/Tese

Normas para Redação da Dissertação/Tese Normas para Redação da Dissertação/Tese Estrutura A estrutura de uma dissertação, tese ou monografia compreende três partes fundamentais, de acordo com a ABNT (NBR 14724): elementos prétextuais, elementos

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO [colocar o título em caixa alta, Arial 14, centralizado, em negrito]

TÍTULO DO PROJETO [colocar o título em caixa alta, Arial 14, centralizado, em negrito] UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES CURSO DE PEDAGOGIA [Arial 12] NOME COMPLETO DO ALUNO [obs: nome completo em caixa alta, centralizado, sem negrito, Arial 12]

Leia mais

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS IFAM CAMPUS HUMAITÁ CURSO DE... NOME DO(A) DISCENTE TÍTULO DA PESQUISA HUMAITÁ AM ANO EM QUE O TRABALHO

Leia mais

NORMAS ESPECÍFICAS DO TFG DO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

NORMAS ESPECÍFICAS DO TFG DO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA NORMAS ESPECÍFICAS DO TFG DO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA Art. 1º - Este regulamento disciplina o processo de elaboração, apresentação e avaliação do Trabalho Final de Graduação (TFG) do curso de

Leia mais

REVISTA PARA RELATOS DE EXPERIÊNCIA E ARTIGOS DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E EXTENSIONISTAS

REVISTA PARA RELATOS DE EXPERIÊNCIA E ARTIGOS DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E EXTENSIONISTAS REVISTA PARA RELATOS DE EXPERIÊNCIA E ARTIGOS DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E EXTENSIONISTAS INSTRUÇÕES AOS AUTORES 1 GERAIS: Originais: Os artigos e os relatos de experiência devem ser enviados exclusivamente

Leia mais

Art. 1. O presente Regulamento tem por objetivo normatizar o conjunto de atividades relacionadas com o Trabalho de Conclusão Curso (TCC);

Art. 1. O presente Regulamento tem por objetivo normatizar o conjunto de atividades relacionadas com o Trabalho de Conclusão Curso (TCC); Regulamenta o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), fixados no Projeto Pedagógico dos cursos de graduação da Faculdade Sequencial, e dá outras providências: O COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO, no uso

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO 1 Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Maria Bernardete Martins Alves * Susana Margaret de Arruda ** Nome do (s) autor

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 013, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº 013, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Porto Alegre RESOLUÇÃO Nº 013, DE 13 DE NOVEMBRO

Leia mais

Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos

Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos Padrão FEAD de normalização Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos Objetivo Visando padronizar os trabalhos científicos elaborados por alunos de nossa instituição Elaboramos este manual

Leia mais

Apresentação e formatação de artigo em publicação periódica científica:

Apresentação e formatação de artigo em publicação periódica científica: Apresentação e formatação de artigo em publicação periódica científica: Conforme NBR 6022:2003 Seção de atendimento ao usuário - SISBI Outubro 2013 Normas técnicas Norma técnica é um documento estabelecido

Leia mais

Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010

Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010 1 Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010 Pré-textuais Textuais Pós-textuais Estrutura Elemento OK Capa (obrigatório) Anexo A (2.1.1) Lombada (obrigatório) Anexo H Folha

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA FORMATAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA FORMATAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA FORMATAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É essencial o uso de normas técnicas para uma boa apresentação e compreensão da leitura de um trabalho acadêmico-científico.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

GUIA PARA CONFECÇÃO DE PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

GUIA PARA CONFECÇÃO DE PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) GUIA PARA CONFECÇÃO DE PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Mestrado Profissional em Metrologia e Qualidade Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial 2010 APRESENTAÇÃO

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ Faculdade de Jussara FAJ Curso de Direito Coordenação de Trabalho de Conclusão de Curso MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ Jussara 2013 APRESENTAÇÃO Este manual

Leia mais

SEMINÁRIO . ORGANIZAÇÃO DO SEMINÁRIO.

SEMINÁRIO . ORGANIZAÇÃO DO SEMINÁRIO. SEMINÁRIO Seminário é um grupo de pessoas que se reúnem com o propósito de estudar um tema sob a direção de um professor ou autoridade na matéria. O nome desta técnica vem da palavra semente, indicando

Leia mais

FACULDADE LOURENÇO FILHO PEQUENO GUIA PARA INSCRIÇÃO E APRESENTAÇÃO DA MONOGRAFIA DA FLF

FACULDADE LOURENÇO FILHO PEQUENO GUIA PARA INSCRIÇÃO E APRESENTAÇÃO DA MONOGRAFIA DA FLF FACULDADE LOURENÇO FILHO PEQUENO GUIA PARA INSCRIÇÃO E APRESENTAÇÃO DA MONOGRAFIA DA FLF 2015 SUMÁRIO Introdução... 01 2. Da Inscrição... 03 3. Da Orientação... 03 4. Da Apresentação... 03 5. Da Avaliação...

Leia mais

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas:

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas: 1 2 1 Apresentação Este documento tem por objetivo apresentar orientações para a redação e formatação do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) na modalidade de Artigo Científico. Para a elaboração do artigo

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO NOME DO ALUNO MATRÍCULA

TÍTULO DO PROJETO NOME DO ALUNO MATRÍCULA CURSO DE DIREITO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO DO PROJETO NOME DO ALUNO MATRÍCULA RIO DE JANEIRO MÊS - ANO NOME DO AUTOR DO PROJETO TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao orientador

Leia mais

2- DETALHES SOBRE A ESTRUTURA DO RELATÓRIO A seguir estão orientações sobre como formatar as diversas partes que compõem o relatório.

2- DETALHES SOBRE A ESTRUTURA DO RELATÓRIO A seguir estão orientações sobre como formatar as diversas partes que compõem o relatório. 1 - ESTRUTURA DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO O relatório do Estágio Supervisionado de todos os cursos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Minas Gerais Campus Formiga - irá mostrar

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA FORMATAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

INSTRUÇÕES PARA FORMATAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE 1 INSTRUÇÕES PARA FORMATAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE INSTRUÇÕES GERAIS: papel branco A4, fonte Arial tamanho 12, com espaçamento de 1,5 cm entre as linhas,

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA (ABNT - NBR 15287- válida a partir de 30.01.2006) 1 COMPONENTES DE UM PROJETO DE PESQUISA (itens em negrito são obrigatórios) ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS Capa

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS APRESENTAÇÃO O trabalho deve ser digitado e impresso em papel formato A4. O texto deve ser digitado, no anverso das folhas, em espaço 1,5, letra do tipo

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO PRÉ-PROJETO DE TCC

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO PRÉ-PROJETO DE TCC CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO PRÉ-PROJETO DE TCC Cuiabá/MT 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. JUSTIFICATIVA... 3 3. OBJETIVOS... 3 3.1 GERAL... 4 3.2 ESPECÍFICOS... 4 4. REFERENCIAL

Leia mais

CENTRO TECNOLÓGICO UFES COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS PARA O PROJETO DE GRADUAÇÃO

CENTRO TECNOLÓGICO UFES COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS PARA O PROJETO DE GRADUAÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO UFES COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS PARA O PROJETO DE GRADUAÇÃO O Colegiado do Curso de Engenharia Ambiental, em reunião de 26 de agosto de 2011, RESOLVE: Aprovar

Leia mais

CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO OSWALDO CRUZ

CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO OSWALDO CRUZ Introdução Quando se pretende elaborar um trabalho acadêmico e sua respectiva comunicação científica, é necessário que se faça inicialmente um planejamento, no qual devem constar os itens que permitirão

Leia mais

O projeto de pesquisa e seus componentes

O projeto de pesquisa e seus componentes O projeto de pesquisa e seus componentes Leitura: Pesquisa científica componentes de um projeto de pesquisa Bibliografia: Livros de metodologia científica Sugestões :Vergara; Lakatos e Gil. Além disso,

Leia mais

Etapas de um Projeto de Pesquisa. Robledo Lima Gil

Etapas de um Projeto de Pesquisa. Robledo Lima Gil Etapas de um Projeto de Pesquisa Robledo Lima Gil Etapas... Escolha do tema Formulação do problema 1) Introdução; 2) Revisão de literatura (Referenciais teóricos); 3) Justificativa; 4) Objetivos (geral

Leia mais

MODELO DE PROJETO DE PESQUISA DA ADJETIVO CETEP

MODELO DE PROJETO DE PESQUISA DA ADJETIVO CETEP MODELO DE PROJETO DE PESQUISA DA ADJETIVO CETEP REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS DOS TRABALHOS Formato: A4 Cor preta Espaçamento entre linhas: 1,5cm Fonte texto: Times New Roman, 12 ou Arial, 11 Margem superior

Leia mais

O TÍTULO DO TRABALHO DEVERÁ SER EM FONTE TIPO ARIAL 12, NEGRITO, CENTRALIZADO, ESPAÇO SIMPLES (ESPAÇAMENTO DE 1,0) SEM PONTO FINAL

O TÍTULO DO TRABALHO DEVERÁ SER EM FONTE TIPO ARIAL 12, NEGRITO, CENTRALIZADO, ESPAÇO SIMPLES (ESPAÇAMENTO DE 1,0) SEM PONTO FINAL O TÍTULO DO TRABALHO DEVERÁ SER EM FONTE TIPO ARIAL 12, NEGRITO, CENTRALIZADO, ESPAÇO SIMPLES (ESPAÇAMENTO DE 1,0) SEM PONTO FINAL Nome do autor principal (sigla da instituição a que pertence, entre parênteses)

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Manual de Orientação

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Manual de Orientação Fundação Armando Alvares Penteado FACULDADE DE DIREITO COORDENADORIA DE PESQUISA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Manual de Orientação 1 Modelo sugerido do Projeto do TCC PROJETO TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE AGUDOS - FAAG BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS PARA O PERIÓDICO. REVISTA DiCA!

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE AGUDOS - FAAG BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS PARA O PERIÓDICO. REVISTA DiCA! CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE AGUDOS - FAAG BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS PARA O PERIÓDICO REVISTA DiCA! Biblioteca - FAAG Tel. (14) 3262-9400 Ramal: 417 Email: biblioteca@faag.com.br http://www.faag.com.br/faculdade/biblioteca.php

Leia mais

FACULDADE UNISAÚDE INSTITUTO UNISAÚDE MANUAL DE ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM ACUPUNTURA

FACULDADE UNISAÚDE INSTITUTO UNISAÚDE MANUAL DE ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM ACUPUNTURA FACULDADE UNISAÚDE INSTITUTO UNISAÚDE MANUAL DE ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM ACUPUNTURA Prof. Ms. Jean Luís de Souza Diretor Geral Faculdade Unisaude Prof.

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ESCOLHA DO TEMA - Seja cauteloso na escolha do tema a ser investigado. Opte por um tema inserido no conteúdo programático da disciplina pela qual teve a maior aptidão

Leia mais

Elaborado pelo Coordenador do curso de Gestão Empresarial Prof. Ms. Ricardo Resende Dias e pela professora Profª Drª Silvana de Brito Arrais Dias.

Elaborado pelo Coordenador do curso de Gestão Empresarial Prof. Ms. Ricardo Resende Dias e pela professora Profª Drª Silvana de Brito Arrais Dias. Elaborado pelo Coordenador do curso de Gestão Empresarial Prof. Ms. Ricardo Resende Dias e pela professora Profª Drª Silvana de Brito Arrais Dias. Goiânia, 2010 SUMÁRIO SUMÁRIO...2 1. INTRODUÇÃO...3 1.1-

Leia mais

Título do trabalho: subtítulo do trabalho

Título do trabalho: subtítulo do trabalho Título do trabalho: subtítulo do trabalho Resumo Este documento apresenta um modelo de formatação a ser utilizado em artigos e tem como objetivo esclarecer aos autores o formato a ser utilizado. Este documento

Leia mais

ARTIGO CIENTÍFICO. O artigo científico pode ser entendido como um trabalho completo em si mesmo, mas possui dimensão reduzida.

ARTIGO CIENTÍFICO. O artigo científico pode ser entendido como um trabalho completo em si mesmo, mas possui dimensão reduzida. ARTIGO CIENTÍFICO O artigo científico pode ser entendido como um trabalho completo em si mesmo, mas possui dimensão reduzida. O artigo é a apresentação sintética, em forma de relatório escrito, dos resultados

Leia mais

Projeto de Pesquisa. Def.: Plano de ação contendo intenções que poderão (ou não) ser concretizadas na pesquisa.

Projeto de Pesquisa. Def.: Plano de ação contendo intenções que poderão (ou não) ser concretizadas na pesquisa. Projeto de Pesquisa Def.: Plano de ação contendo intenções que poderão (ou não) ser concretizadas na pesquisa. É um guia de ação para seu autor. O projeto de pesquisa é uma seqüência de etapas estabelecida

Leia mais

Normas técnicas para a monografia de graduação da Faculdade de Letras

Normas técnicas para a monografia de graduação da Faculdade de Letras UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE LETRAS DIREÇÃO ADJUNTA DE GRADUAÇÃO SEÇÃO DE ENSINO Normas técnicas para a monografia de graduação da Faculdade de Letras 2 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

D O N D O M Ê N I C O

D O N D O M Ê N I C O MODELO DE PROJETO DE PESQUISA Este modelo deve ser utilizado nas Disciplinas de Metodologia do Trabalho Científico, Orientação de TCC e demais disciplinas que assim o exigirem. Consta de capa, folha de

Leia mais

ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DE UM ARTIGO CIENTÍFICO

ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DE UM ARTIGO CIENTÍFICO ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DE UM ARTIGO CIENTÍFICO Finalidade de um Artigo Científico Comunicar os resultados de pesquisas, idéias e debates de uma maneira clara, concisa e fidedigna. Servir de medida da produtividade

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE COSTA RICA-FECRA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO LAURADAIANE REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CURSO: LETRAS

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE COSTA RICA-FECRA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO LAURADAIANE REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CURSO: LETRAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE COSTA RICA-FECRA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO LAURADAIANE REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CURSO: LETRAS INTRODUÇÃO FORMAS E REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP

CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP 2011 ESTRUTURA 1 ELEMENTOS DE PRÉ-TEXTO 1.1 Capa 1.2 Lombada descendente 1.3 Folha de rosto 1.4 Folha de aprovação 1.5 Dedicatória 1.6 Agradecimentos 1.7 Epígrafe

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA: passo a passo

PROJETO DE PESQUISA: passo a passo UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PROFª MSC. RITA LÍRIO DE OLIVEIRA PROJETO DE PESQUISA: passo a passo ILHÉUS - BAHIA 2013 PROFª MSC. RITA LÍRIO DE OLIVEIRA PROJETO DE PESQUISA: passo a passo Módulo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Título

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Título UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E HUMANAS Programa de Pós-Graduação em Biotecnociência Título Santo André dd/mm/aaaa Normas para Dissertações Mestrado em Biotecnociência - UFABC.

Leia mais

MODELO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL - RELATÓRIO DE ESTÁGIO

MODELO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL - RELATÓRIO DE ESTÁGIO MODELO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO DO CURSO DE GESTÃO AMBIENTAL Estrutura formal do relatório Estrutura Elemento Capa Folha de Rosto Pré-textuais Folha de Identificação Sumário 1. Introdução Textuais 2. Atividades

Leia mais

NORMAS DE REDAÇÃO PARA QUALIFICAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES

NORMAS DE REDAÇÃO PARA QUALIFICAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/ DE 30 DE MAIO DE 2011/ PRODEMA-UFS DE Estas normas de redação foram definidas como diretrizes básicas pelo Colegiado do Núcleo de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO 1 Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Andersown Becher Paes de Barros * Ideraldo Bonafé ** RESUMO Este trabalho apresenta

Leia mais

Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT

Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT Editoração do Trabalho Acadêmico 1 Formato 1.1. Os trabalhos devem ser digitados em papel A-4 (210 X297 mm) apenas no anverso (frente) da folha. 2 Tipo e tamanho

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS LICENCIATURA PLENA EM QUÍMICA. Nome do(s) autor(es)

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS LICENCIATURA PLENA EM QUÍMICA. Nome do(s) autor(es) 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS LICENCIATURA PLENA EM QUÍMICA Nome do(s) autor(es) TÍTULO DO TRABALHO: SUBTÍTULO (SE HOUVE) LOCAL Ano 2 Nome do(s) autor(es) TÍTULO DO TRABALHO:

Leia mais

SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA

SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA São Paulo 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 1 ELEMENTOS EXTERNOS 1.1 CAPA 1.2 LOMBADA 2 ELEMENTOS INTERNOS PRÉ-TEXTUAIS

Leia mais

TÍTULO DA FUTURA MONOGRAFIA: SUBTÍTULO, SE HOUVER.

TÍTULO DA FUTURA MONOGRAFIA: SUBTÍTULO, SE HOUVER. 1 UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE HUMANIDADES E DIREITO CURSO DE DIREITO NOME DO AUTOR TÍTULO DA FUTURA MONOGRAFIA: SUBTÍTULO, SE HOUVER. SÃO BERNARDO DO CAMPO 2014 2 NOME DO AUTOR TÍTULO

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA APRESENTAÇÃO NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS O trabalho deve ser digitado e impresso em papel

Leia mais

Metodologia Científica. Metodologia Científica

Metodologia Científica. Metodologia Científica Metodologia Científica Metodologia Científica Seqüência da Apresentação Introdução Tipos de pesquisa Tipos de fontes de dados Pesquisa na área de Informática Projeto de pesquisa Metodologia Formato de

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Maria Bernardete Martins Alves * Susana Margaret de Arruda ** Nome do (s) autor

Leia mais

(CAPA) INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE BRASÍLIA

(CAPA) INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE BRASÍLIA (CAPA) INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA CAMPUS BRASÍLIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais