Capítulo DOIS Sistemas de numeração em computação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capítulo DOIS Sistemas de numeração em computação"

Transcrição

1 Capítulo DOIS Sistemas de numeração em computação 2. Introdução Em todas as fórmulas usadas a seguir, B representa a base do sistema de numeração, n representa a quantidade de dígitos disponíveis para representar os números, e a, b e c representam números. A fórmula utilizada para representar um número inteiro: n- a =Σ (xi.bi) i= será representada por a=σ n- x i B i, ficando a variação de i desde até o limite (n-) implícita. Para uma determinada base B, empregando-se n dígitos, pode-se representar B n combinações distintas, ou seja, B n números distintos. Assim, para base decimal com três dígitos pode-se representar números distintos (com zero incluído!). Entretanto, com os mesmos três dígitos e base dois, representa-se somente 8 números distintos. Assim, números binários vão exigir um grande número de dígitos, e normalmente trabalha-se com grandes cadeias de zeros e uns. Isto pode levar a erros visuais, e por isso empregam-se comumente as notações em base 8 e base 6 para representar números binários. A tabela abaixo lista os primeiros 6 números em binário, decimal, octal e hexadecimal. Binário Decimal Octal Hexadecimal A 3 B C D 4 6 E 5 7 F Tabela 2. - Números em binário, decimal, octal e hexadecimal Em computação trabalha-se normalmente com quatro bases: a decimal, para entrada e saída dos dados (já que nossa sociedade é baseada no sistema decimal); a binária, para os cálculos internos; a hexadecimal, como forma compactada de representação interna; e a octal, também por este motivo. Note-se que a escolha das bases 8 e 6 não é ocasional: as transformações 2-

2 entres as bases 2, 8 e 6 pode ser feita facilmente pelo método da substituição direta. Embora a base hexadecimal seja de representação mais complexa (utiliza letras e dígitos), ela é preferida sobre a base octal por ser mais compacta, ou seja, requerer menos espaço para representar os resultados. Os números do sistema binário são formados como qualquer outro número do sistema de numeração arábico (inclusive em octal ou hexadecimal): cada novo número é obtido por enumeração, somando-se um ao seu antecessor (e observando-se a regra do vai-um ). Cada dígito do sistema binário ( e ) é denominado de bit, a contração de binary digit. A determinados conjuntos de bits são empregados nomes específicos. Assim, um quarteto (4 bits) é frequentemente denominado de nibble, e um octeto (8 bits) recebe a denominação de byte (ou o termo aportuguesado baite). Os múltiplos deste conjuntos utilizam os mesmos denominadores que no sistema decimal (K para kilo, M para Mega, G para giga, T para Tera, P para Peta), mas o fator multiplicativo não é ( 3 ) mas sim 24 (2 ). Assim, um kilobit (abreviado Kb) são 24 bits, e um kilobyte (abreviado KB) são 24 bytes. Um megabyte (MB) são 24 KB; um gigabyte (GB) são 24 MB, um terabyte (TB) são 24 GB e assim por diante. 2.2 Soma de números binários A soma de dois números binários utiliza as mesmas regras da soma no sistema decimal. Como existem entretanto somente dois símbolos, a tabela de soma é extremamente simples: a c d=a+c e vai-um Tabela Tabela verdade de um meio-somador (half adder) Observe-se que soma de mais resulta em (dois), ou seja, o dígito do resultado é zero e existe a ocorrência de um vai-um (carry out, em inglês). Considerando-se a possível existência de um vem-um (carry in) e de vai-um (carry out), obtém-se a tabela a seguir. a c vem-um d=a+c vai-um Tabela Tabela verdade de um somador completo (full adder) 2.3 Representação de números A representação de números inteiros positivos é direta e imediata. Entretanto, é necessário expandir (ou modificar) esta representação para incluir também números negativos. Diversas representações foram desenvolvidas com este propósito. Quatro destas representações, as mais comuns atualmente, são analisadas a seguir: inteiros positivos, sinal/magnitude, complemento de B- e complemento de B. 2-2

3 2.3. Números inteiros positivos Considerando-se somente a representação de números inteiros positivos, com n dígitos pode-se representar B n números, dispostos no intervalo fechado entre zero (o menor) e B n (o maior). Faixa de representação: [, B n ] Assim, para 2 dígitos decimais tem-se números, de a 99; para 3 dígitos em base 3 temse 27 números, de ( 3 ) a 26 (222 3 ); para 4 dígitos binários tem-se 2 4 =6 números, desde zero ( 2 ) até 5 ( 2 ); para 8 dígitos binários tem-se 2 8 =256 números, desde zero ( 2 ) até 255 ( 2 ); Não existe previsão para números negativos. Cálculo do valor do número O valor de número positivo é calculado pelo polinômio Σ n- x i B i, exatamente o mesmo método utilizado para a conversão pelo método polinomial. Troca de sinal Como não existe a capacidade de representar números negativos, não existe tal função. Soma de dois números A soma de dois números positivos é realizada somando-se os dois polinômios dígito a dígito, de acordo com as tabelas da soma na base em questão. Para base 2 utiliza-se a Tabela 2.3 da seção 2.2. Naturalmente, nesta soma leva-se em conta os eventuais vai-um e vemum Números com sinal: representação em sinal-magnitude Para permitir números com sinal, esta representação utiliza um dígito (normalmente o mais significativo) para representar o sinal. No sistema decimal, o símbolo é usado para indicar números negativos e + (ou simplesmente um espaço vazio) para números positivos. Com isto ganha-se a possibilidade de representar inteiros negativos, mas a faixa de representação é reduzida porque tem-se agora somente (n ) dígitos para representar a magnitude. Faixa de representação: [ (B n- ), +(B n- ) ] ou [ (B n- ), (B n- ) ] Divide-se a gama de representação em dois subconjuntos simétricos, um para números negativos e outro para positivos. A faixa dos números positivos é reduzida de um fator igual a base B. Por exemplo, para base decimal com dois dígitos, se consideramos somente números positivos tem-se a faixa de até 99; com a representação em sinal magnitude obtém-se a faixa de 9 até +9. Além disto, existem duas representações para o zero: e +. De um modo geral, para uma base qualquer, das B n combinações possíveis usam-se somente 2.B n- (descontando-se o duplo zero). No exemplo acima, das combinações são utilizadas somente 9. Em binário, entretanto, com B=2, obtém-se 2.2 n-, ou seja, 2 n (isto é, B n ). Assim, somente uma representação é perdida (a do duplo zero). Obs.: no sistema binário costuma-se utilizar no lugar de, e no lugar de +. Assim, para 4 dígitos, representa 7, representa 7, representa zero e representa. 2-3

4 Cálculo do valor do número Um número em sinal magnitude, independente de qual a base utilizada, é formado por duas parcelas, escritas lado a lado. A parcela à esquerda (S(a)) representa o sinal e a parcela à direita (M(a)) a magnitude: a = S(a)M(a) onde S(a) é + ou, e M(a)=Σ n-2 x i B i. Em binário, utiliza-se usualmente no lugar de + e ao invés de -. Troca de sinal Para trocar o sinal de um número a em sinal magnitude, troca-se simplesmente S(a), mantendo-se a magnitude M(a). Assim, no caso de c= a, tem-se M(c)=M(a), e se S(a)= +, então S(c)=, e se S(a)= então S(c)= +. Soma de dois números A soma de dois números em sinal magnitude é realizada de acordo com as regras da tabela abaixo. No caso, deseja-se calcular d=a+c. S(a) S(c) S(d) M(d) Exemplo M(a)+M(c) = 2 M(a)+M(c) = -2 + se M(a) M(c), + se M(a)<M(c), M(a) M(c) M(c) M(a) = = -2 + se M(a)>M(c), se M(a) M(c), + M(a) M(c) M(c) M(a) = = 2 Tabela Soma em sinal / magnitude Note-se que, para realizar somas de números em sinal/magnitude, deve-se conhecer as tabelas de soma e de subtração da base em que se estiver trabalhando. Esta necessidade de realizar duas operações distintas (soma e subtração) torna muito mais complexa a manipulação de números em sinal/magnitude pelo computador. Assim, apesar de familiar ao ser humano, esta notação é pouco utilizada em computação. Para resolver o problema de representação de números negativos, optou-se por usar a notação em complemento da base, como visto a seguir. Duas notações foram desenvolvidas: em complemento de (B-) e em complemento de B Observação: a tabela de subtração em binário será vista mais adiante (seção 2.5) Números com sinal: representação em complemento de (B ) Para permitir que a operação de soma seja realizada de forma única, sem preocupação com os sinais dos operandos, é utilizada a representação em complemento. Números positivos são representados na forma normal, e números negativos são representados em complemento. Na representação em complemento de (B-), o complemento de um número a é obtido subtraindo-se este número da maior quantidade representável, ou seja, B n a. Assim, na base, com 3 dígitos, o complemento de 9 (-) de um número a é obtido pela fórmula 999-a. Note-se que isto equivale a subtrair cada um dos dígitos de a de 9, que é justamente a base menos um. Generalizando, para representar números negativos em complemento de B, cada algarismo x i é complementado individualmente pela fórmula B x i. A tabela a seguir ilustra o cálculo do complemento para diversas bases. 2-4

5 Algarismo B=2 B=3 B=4 B=8 B=9 B= Tabela Exemplos de cálculo de complemento de B- A notação em complemento elimina a necessidade de representação explícita do símbolo do sinal, ou seja, não existe um símbolo especial para o sinal. A faixa de números representáveis é dividida em duas. Uma das faixas representa números positivos, e a outra faixa representa números negativos. Existindo m representações, as primeiras m/2 são utilizadas para números positivos (de a m/2), e as m/2 representações seguintes (de m/2 até m) são utilizadas para números negativos. A faixa de representação fica: Faixa de representação, para B par: [ (B n /2 ), +(B n /2 ) ] Faixa de representação, para B ímpar: [ (B n 3)/2, +(B n )/2 ] A tabela a seguir ilustra as faixas para diversas bases. Note-se que a gama de representação é dividida em dois subconjuntos, um para números negativos e outro para positivos. A faixa dos números positivos é reduzida da metade (em relação aos inteiros positivos). Continua existindo a dupla representação do zero, assim como em sinal magnitude, mas não existe mais a perda de capacidade de representação devido a existência do dígito de sinal. Base Num.dig. Faixa Faixa em decimal 2 4,,..,,,,.., 7, 6,..,,+,, ,2,2,..,222,,,.., 2,,,..,,+,,.., ,2,..,333,,,..,32,33 3, 3,..,,+,, ,4,..,777,,,..,376, , 254,..,,+,.., ,46,..,88,,,..,43,44 39, 38,..,,+,,..,39,4 2 5,5,..,98,99,,,..,48,49 49, 48,..,,,+,..,48,49 Tabela Exemplos de faixas de representação em complemento de B- Por exemplo, para base decimal com dois dígitos, se consideramos somente números positivos tem-se a faixa de até 99; com a representação em complemento de 9 obtém-se a faixa de 5 a 99 e a 49. A primeira metade (de 5 a 99) representa números negativos (de 49 a ); a segunda metade (de a 49) representa números positivos. Note-se que um número iniciando por 9, 8, 7, 6 ou 5 é negativo; iniciando por,, 2, 3 ou 4 é positivo. Em binário, para 4 dígitos, tem-se a faixa a ( 7 a ) e a ( a 7). Números iniciando por são negativos, e iniciando por são positivos. Para bases ímpares, existe um número positivo a mais, e para a determinação do sinal não basta a verificação do dígito mais significativo (veja-se a seguir). Por exemplo, na tabela 2.6, os números em base 3 iniciando por zero são positivos, e os números iniciando por 2 são negativos, mas dos números iniciando por metade são positivos (,, 2, e ) e metade são negativos (2, 2, 2 e 22). 2-5

6 Cálculo do valor do número Um número em complemento de (B ) tem o seu valor calculado de acordo com os seguintes passos: determinação do sinal: se a representação do número, interpretado como inteiro positivo, estiver na metade superior da faixa, ele é negativo. Se estiver na metade inferior da faixa, é positivo. Ou seja, sendo o número a=σ n- x i B i, se a B n /2, então este número em complemento de (B ) é negativo. Se a<b n /2, então, em complemento de (B ), ele é positivo. Obs.: para bases pares, basta analisar o dígito mais significativo, conforme já explicado. Assim, por exemplo, para base 3 com três dígitos, tem-se 3 3 = 27 representações. A metade é 3,5, e assim os números de a treze (representados respectivamente por a ) são positivos, e os de 4 a 26 (representados por 2 a 222) são negativos. Note-se que existem 4 números positivos, e 3 números negativos. Em outro exemplo, para base 4 com três dígitos, tem-se 4 3 = 64 combinações. A metade é 32, e então os números de a 3 (representados por a 33) são positivos, e os de 32 a 63 (representados por 2 a 333) são negativos. Existem neste caso 32 números positivos e 32 números negativos. determinação da magnitude do número. Se o número a for positivo, então sua magnitude é dada por M(a)=Σ n- x i B i. Se o número a for negativo, para calcular sua magnitude (valor absoluto) deve-se calcular o complemento de (B ) de cada algarismo, ou seja, substitui-se cada dígito pelo seu complemento. Alternativamente, também é possível manipular todo o número: M(a)=Σ n- (B--x i )B i = Σ n- (B-)B i Σ n- x i B i = B n Σ n- x i B i =B n a Assim, por exemplo, para base 3 com três dígitos, a magnitude de é 2 (o número é positivo). Já o número 2 é negativo, e assim seus dígitos devem ser complementados, resultando em, ou seja, a magnitude também é 2. Utilizando-se a fórmula acima, tem-se também 3 3 (2) 3 = 27 4=26 4=2. A tabela a seguir fornece diversos exemplos do cálculo do valor de um número, de acordo com as regras descritas acima. Base Num.dig. Número Sinal Magnitude Num.decim Tabela Exemplos de cálculo do valor de um número em complemento de B- 2-6

7 Troca de sinal Para trocar o sinal de um número a em complemento de (B ), basta complementar, também em B, cada um de seus dígitos. Assim, no caso de c= (a), tem-se, pelo raciocínio acima, c=b n a. Note-se que ( (a)) = (B n a) = B n (B n a) = a. No caso de bases ímpares, o maior positivo, ao ser trocado de sinal, resulta novamente em si próprio. Nestes casos, diz-se que houve estouro de representação (veja seção 2.6). Para bases pares, isto nunca ocorre (para complemento de B-). A tabela abaixo ilustra diversos casos de troca de sinal. Base Num.dig. Número Núm.negado Magnitude (estouro) FE 6 2 FF Tabela Exemplos de troca de sinal para números em complemento de B- Soma de dois números Para entender-se o processo de soma de dois números em complemento de (B ), deve-se analisar os mesmos casos da soma em sinal magnitude. Na Tabela 2.9 a seguir, deseja-se realizar a soma d=a+c. Os números a e c estão em complemento de (B ), e quer-se obter d também em complemento de (B ). Note-se que um número x, quando for negativo, está representado por B n --M(x). As quatro primeiras colunas da esquerda da tabela mostram os mesmos seis casos da soma em sinal/magnitude, e a coluna da direita ilustra o resultado obtido pela simples soma dos dois operandos, sem analisar-se seus sinais, suas magnitudes ou se eles devem na realidade ser somados ou subtraídos (ou seja, simplesmente realiza-se a soma a+c). Em todos os casos mostrados na Tabela 2.9, usam-se sempre as mesmas tabelas de soma de números inteiros (não se utilizam tabelas especiais para soma ou subtração em complemento de (B )). Note-se que em três casos, marcados com (*), não se obtém diretamente o número já representado em complemento de (B ); existe um termo excedente de B n. Nos outros três casos, não marcados, o resultado obtido já está correto. Para reconhecer facilmente os casos que necessitam de correção, basta observar-se que o termo B n corresponde a um dígito na posição (n+). Como os números representados tem somente n posições, a posição (n+) só será ocupada naquelas somas que produzirem um vai-um. Assim, se o termo B n estiver presente, ele só pode ter sido gerado, na soma, por um vai-um. Ou seja, somente os casos que produzirem um vai-um são os que necessitam de correção. Para eliminar o termo B n, basta eliminar-se este vai-um. E para eliminar o termo ( ), adiciona-se um ao resultado. 2-7

8 S(a) S(c) S(d) M(d) Resultado obtido pela simples soma de a+c M(a)+M(c) a+c M(a)+M(c) B n --M(a) + B n --M(c) B n -+B n --(M(a)+M(c)) B n - + B n - - M(d) B n - + d (*) + se M(a) M(c), + M(a) M(c) M(a) + B n --M(c) B n - + M(a)-M(c) B n - + d (*) se M(a)<M(c), M(c) M(a) M(a) + B n --M(c) B n - - (M(c)-M(a)) B n - - M(d) d + se M(a)>M(c), M(a) M(c) B n - - M(a) + M(c) B n - - (M(a)-M(c)) B n - - M(d) d se M(a) M(c), + M(c) M(a) B n - - M(a) + M(c) B n - + (M(c)-M(a)) B n - + d (*) Tabela Soma em complemento de B- Simplificando, tem-se a seguinte regra de correção: para obter a soma correta em complemento de (B ), basta somar o vai-um ao resultado (e eliminar o vai-um ). Ou, dito de outra maneira, se ocorrer um vai-um, deve-se somar um ao resultado para corrigilo. Se não ocorrer vai-um, o resultado já está correto. A tabela a seguir ilustra exemplos de diversas somas, tanto em base 2 (complemento de um) como em base (complemento de nove). Base Num.dig. a c d=a+c d corrigido Tabela 2. - Exemplos de soma em complemento de B- 2-8

9 2.3.4 Números com sinal: representação em complemento de B Para representar números em complemento de B, utiliza-se a fórmula B n a. Note-se que, ao contrário de complemento de (B ), esta fórmula é aplicada sobre todo o número, e não sobre os seus algarismos individuais. Desta maneira elimina-se a dupla representação do zero, e faixa de representação fica: Faixa de representação, para B par: [ (B n /2), +(B n /2 ) ] Faixa de representação, para B ímpar: [ (B n )/2, +(B n )/2 ] Note-se que a gama de representação é dividida em dois subconjuntos, um para números negativos e outro para positivos. Não existe mais a dupla representação do zero. Observe-se também que as faixas (considerando-se a representação dos números) continuam as mesmas da representação em complemento de B. Como estes números são agora interpretados em complemento de B, entretanto, os valores das faixas mudam. A faixa positiva permanece a mesma, mas a faixa negativa sofre um deslocamento de uma unidade, de forma a eliminar o zero negativo. A tabela a seguir ilustra as faixas para diversas bases. Base Num.dig. Faixa Faixa em decimal 2 4,,..,,,.., 8, 7,..,,,, ,2,2,..,222,,,.., 3, 2,,..,,,,.., ,2,..,333,,,..,32,33 32, 3,..,,,, ,4,..,777,,,..,376, , 255,..,,,,.., ,46,..,88,,,..,43,44 4, 39,..,,,,..,39,4 2 5,5,..,98,99,,,..,48,49 5, 49,.., 2,,,,..,48,49 Tabela 2. - Exemplos de faixas de representação em complemento de B Na Tabela 2., por exemplo, para base decimal com dois dígitos, com números positivos tem-se a faixa de até 99; com a representação em complemento de 9 obtém-se a faixa de 5 a 99 e a 49. Esta faixa continua a mesma para complemento de ; e da mesma maneira a primeira metade (de 5 a 99) representa números negativos; a segunda metade (de a 49) representa números positivos. Entretanto, agora 99 representa (e não mais zero, como em complemento de 9) e 5 representa o número 5 (que não tem representação positiva equivalente!). Ou seja, todos os números negativos sofreram um acréscimo de. As demais propriedades se mantém: um número iniciando por 9, 8, 7, 6 ou 5 é negativo; iniciando por,, 2, 3 ou 4 é positivo. Em binário, para 4 dígitos, tem-se a faixa a ( 8 a ) e a ( a 7). Números iniciando por são negativos, e iniciando por são positivos. Note-se também que agora as bases ímpares tem faixas simétricas, mas que as bases pares possuem um número negativo a mais, que não tem equivalente positivo dentro da faixa. Cálculo do valor do número Um número em complemento de B, tem o seu valor calculado de acordo com os seguintes passos: determinação do sinal: a regra é a mesma de complemento de (B ): se a representação do número, interpretado como inteiro positivo, estiver na metade superior da faixa, ele é negativo. Se estiver na metade inferior da faixa, é positivo. Ou seja, sendo o número a=σ n- x i B i, se a B n /2, então este número em complemento de B é negativo. Se a<b n /2, então sua interpretação é de um número positivo. Obs.: para bases pares, a regra pode ser simplificada: basta analisar o dígito mais significativo, conforme já foi explicado. 2-9

10 determinação da magnitude do número. Se o número a for positivo, então sua magnitude é dada por M(a)=Σ n- x i B i. Se o número a for negativo, para obter seu valor deve-se calcular o complemento de B do número: M(a)=B n a = B n Σ n- x i B i Note-se que B n --a é a representação em complemento de (B ). Assim, uma maneira rápida de calcular o complemento de B é realizando o complemento de (B ) de cada algarismo e a seguir somar um no número resultante. Ou seja, (B n a)+ = B n a, que é o número desejado em complemento de B. A tabela a seguir fornece diversos exemplos. Base Num.dig. Número Sinal Magnitude Num.decim Tabela Exemplos de cálculo do valor de um número em complemento de B Troca de sinal Para trocar o sinal de um número a em complemento de B, basta calcular B n -a. Ou, pelo raciocínio acima, calcula-se o complemento de (B ), complementando cada algarismo, e depois soma-se um. A tabela a seguir ilustra diversos casos de troca de sinal. Note-se que, para bases pares, a troca de sinal do menor número negativo (de maior magnitude) provoca estouro de representação, pois este número não tem equivalente positivo. Em bases ímpares isto não ocorre. Base Num.dig. Número Núm.negado Magnitude (estouro) 8 ( 8) (estouro) 5 ( 5) Tabela Exemplos de troca de sinal para números em complemento de B 2-

11 Soma de dois números O raciocínio é análogo ao utilizado em complemento de (B ). Deve-se analisar os mesmos casos da soma em complemento de (B ) e da soma em sinal magnitude. Na tabela a seguir, deseja-se calcular d=a+c. Os números a e c estão representados em complemento de B, e quer-se obter d também em complemento de B. A tabela é praticamente uma cópia da usada para complemento de (B ); comparando-se as duas nota-se que a diferença está na eliminação de todos os termos (que é justamente a diferença entre (B ) e (B). Como no caso de complemento de B-, tem-se seis casos a serem analisados. A coluna da direita mostra o resultado obtido se for realizada simplesmente uma soma dos dois operandos, sem a preocupação de analisar previamente os operandos. Em todos os casos, usam-se sempre as mesmas tabelas de soma de números inteiros (não se utilizam tabelas especiais para complemento de B). Note-se que em três casos, marcados com (*), não se obtém diretamente o número já representado em complemento de B; existe um termo excedente de B n. Nos outros três casos, não marcados, o resultado obtido já está correto. S(a) S(c) S(d) M(d) d (Soma de a + c) M(a)+M(c) a+c M(a)+M(c) B n -M(a) + B n -M(c) B n +B n - (M(a)+M(c)) B n + B n - M(d) B n + d (*) + se M(a) M(c), + M(a) M(c) M(a) + B n -M(c) B n + M(a)-M(c) B n + d (*) se M(a)<M(c), M(c) M(a) M(a) + B n -M(c) B n - (M(c)-M(a)) B n - M(d) d + se M(a)>M(c), M(a) M(c) B n - M(a) + M(c) B n - (M(a)-M(c)) B n - M(d) d se M(a) M(c), + M(c) M(a) B n - M(a) + M(c) B n + (M(c)-M(a)) B n + d (*) Tabela Soma em complemento de B Os casos a serem corrigidos são identificados da mesma maneira que em complemento de (B ). Somente os casos que produzirem um vai-um são os que necessitam de correção. Para eliminar o termo B n, basta eliminar este vai-um ; não existe a necessidade de somar um ao resultado. Para todos os fins práticos, esta eliminação é realizada simplesmente ignorando-se a existência do vai-um em um primeiro momento (a ocorrência ou não do vai-um ainda pode influenciar a análise do resultado da soma, mas não a soma propriamente dita). A tabela a seguir ilustra exemplos de diversas somas, tanto em base 2 como em base, considerando que os números estão representados em complemento de B. 2-

12 Base Num.dig. a c d=a+c d corrigido Tabela Exemplos de soma em complemento de B 2.4 Comparação entre os métodos Dos quatro métodos estudados nas seções anteriores, dois são amplamente utilizados: o de representação de números positivos e o de representação em complemento de B. Nestas duas representações, somas são realizadas através das mesmas tabelas; nenhum procedimento especial é necessário para somar-se dois números em complemento de dois (exceto a eventual eliminação do vai-um ). Os outros dois métodos, de sinal magnitude e de complemento de (B ), sofrem da desvantagem de necessitarem de procedimentos mais complexos para realização da soma, além de apresentarem duas representações para o zero. Em sistemas atuais, a base é binária e utiliza-se para tratamento de números negativos a representação em complemento de 2. A título de comparação, a tabela a seguir mostra a interpretação decimal de números binários de 4 dígitos nas quatro maneiras analisadas. Binário Int.positivo sinal mag. compl. de compl. de Tabela Interpretação de números binários 2-2

13 2.5 Subtração A operação de subtração, seja qual for o método de representação utilizado, pode ser facilmente realizada transformando-a em uma soma: d = a c = a + ( c) Assim, para realizar subtrações, pode-se simplesmente trocar o sinal do subtraendo e somálo ao minuendo. A troca de sinal e a soma seriam então realizadas de acordo com o sistema de representação utilizado. A subtração pode, também ser realizada através de tabelas próprias. Neste caso, no lugar de vem-um (carry in), tem-se o emprestou-um (borrow in); e no lugar de vai um (carry out) tem-se o pede-um (borrow out). a c d=a-c e pede-um Tabela Tabela verdade de um meio-subtrator a c emprestou um d=a c pede um Tabela Tabela verdade de um subtrator completo Apesar destas tabelas serem análogas às utilizadas para a soma, a grande maioria dos computadores não as utiliza; subtrações são realizadas internamente usando-se o método do complemento do subtraendo. 2.6 Estouro de representação Os números representados em um computador são limitados. Quanto maior o número de dígitos disponíveis, maior será a faixa dos números representáveis, mas esta faixa sempre será finita. Assim, ao realizar-se a soma (ou subtração) de dois números, o resultado pode cair fora da faixa representável. Nestes casos, diz-se que houve estouro ou transbordamento da representação (overflow). Para representar corretamente o resultado quando ocorreu estouro necessitaria-se de um dígito a mais para representar o número. Por exemplo, para números binários de 4 dígitos, tem-se: + = 8 + = 7 (correto) + = 8 + = 7 (incorreto; deveria ser 9) + = 7 + = 6 (correto) + = = 6 (incorreto; deveria ser ) Note-se que o estouro não está diretamente relacionado com o vai-um. Os exemplos acima ilustram isto. No primeiro caso, não ocorreu nem estouro nem vai-um ; no segundo caso 2-3

14 ocorreram tanto estouro como vai-um ; no terceiro caso ocorreu vai-um, mas não estouro; e no quarto caso não ocorreu vai-um, mas ocorreu estouro. Existe uma regra simples para determinação de estouro em complemento de 2: ocorre estouro quando o vai-um do dígito mais significativo é diferente do vem-um para este mesmo dígito. Note-se que o dígito mais significativo é o utilizado para indicar o sinal do número. Esta é a maneira como os computadores internamente calculam se o resultado estourou ou não. Uma outra maneira, que não necessita da análise dos vai-um e vem-um, utiliza somente os dígitos mais significativos dos dois operandos e do resultado, ou seja, analisam-se os sinais dos operandos e do resultado. Esta análise está resumida na tabela a seguir (seja d=a+c). Sinal de a Sinal de c Sinal obtido para d Sinal real de d Estouro Não Sim Não + Sim + +/ +/ Nunca ocorre + /+ /+ Nunca ocorre Tabela Análise dos casos de estouro de representação Pela tabela, pode-se observar que: se os dois operandos tiverem sinais diferentes, nunca ocorre estouro (a representação do resultado sempre estará dentro da faixa). somente ocorre estouro quando os dois operandos tiverem sinais iguais, e este sinal é diferente do sinal obtido para o resultado. Ou seja, quando somando-se dois números positivos obtém-se um resultado negativo, e quando somando-se dois números negativos obtém-se um número positivo. Nestas duas situações, o sinal do resultado está obviamente incorreto, e esta é uma indicação clara que ocorreu estouro de representação. Assim, em uma soma, ocorre estouro quando S(a)=S(c) e S(a) S(d). Analogamente, em uma subtração ocorre estouro quando S(a) S(c) e S(a) S(d). 2.7 Exercícios propostos. Qual o valor decimal de 2? Qual a representação binária de 654? 2. Converter para binário os seguintes números decimais: (a) 39 (b),4475 (c) 256,75 (d) 29, Converter para decimal os seguintes números binários: (a) (b), (c), (d) 4. Quantos números diferentes podem ser representados em uma palavra binária de 6 bits? 5. Quantos números diferentes podem ser representados em um conjunto de 4 chaves, cada uma com três posições diferentes? 6. Escrever os 2 primeiros números no sistema de numeração de base

15 7. Escrever os 26 primeiros números no sistema de numeração de base 2. Usar a letra A para o decimal e a letra B para o decimal. 8. Representar o número 2, em binário de dez bits, com 5 bits de parte inteira e 5 bits de parte fracionária. 9. Represente o número 47 usando representações binárias de 8 bits em (a) sinal e magnitude, (b) complemento de um e (c) complemento de dois.. Converter os seguintes números hexadecimais em decimais: (a) B6C7 (b) D2763 (c) 9,A. Converter os seguintes números octais em binário: (a) 56 (b) 32,234 (c) 23,2 (d) Converter os seguintes números hexadecimais em binários: (a) AB2 (b) 2,A (c) 649 (d),d9 3. Converter os seguintes números binários em hexadecimais: (a) (b), (c) 4. Considerando um processador que opere com a base quaternária utilizando 5 bits. 4. Para números inteiros positivos: a) Quantos números diferentes podem ser representados? (Fórmula de cálculo e valor decimal) b) Quais são os limites inferior e superior desta faixa? (Valor quaternário e decimal correspondente) c) Como seria representado o número 26 neste sistema? 4. 2 Supondo que se queira representar os números inteiros com sinal, usando sinal e magnitude: a) Quantos números diferentes podem ser representados? (Fórmula de cálculo e valor decimal) b) Quais são os limites inferior e superior desta faixa? (Valor quaternário e decimal correspondente) c) Como seria representado o número 26 neste sistema? d) Como seria representado o número -26 neste sistema? 4.3 Agora supondo que se quer representar estes números usando complemento de B-: a) Quantos números diferentes podem ser representados? (Fórmula de cálculo e valor decimal) b) Quais são os limites inferior e superior desta faixa? (Valor quaternário e decimal correspondente) c) Como seria representado o número 26 neste sistema? d) Como seria representado o número -26 neste sistema? 4.4 Agora supondo que se quer representar estes números usando complemento de B: a) Quantos números diferentes podem ser representados? (Fórmula de cálculo e valor decimal) b) Quais são os limites inferior e superior desta faixa? (Valor quaternário e decimal correspondente) c) Como seria representado o número 26 neste sistema? d) Como seria representado o número -26 neste sistema? 5. Considere os pares de números binários de 6 bits indicados abaixo. Efetue a operação de soma entre eles supondo, independentemente, que: ) os números estão representados em sinal e magnitude; 2) os números estão representados em complemento de um; 2-5

16 3) os números estão representados em complemento de dois. Para cada caso, interprete o resultado, isto é, determine qual é o seu valor numérico e indique se este valor é o resultado correto da operação para a forma de representação sugerida. (a) e (b) e (c) e 6. Efetuar as seguintes subtrações em um sistema decimal de 4 dígitos, utilizando uma vez complemento de 9 e outra vez complemento de : (a) (b) (c) Repetir o exercício 6, agora para um sistema binário de 2 bits, uma vez utilizando complemento de um e outra vez com complemento de dois. 8. Efetuar as operações indicadas abaixo (em decimal) em um sistema binário de bits, com notação em complemento de dois. Analise o resultado, indicando a eventual existência de estouro de representação: (a) (b) (c) (d) (e) (f) Converta os números 7 e 5 para binário usando 6 bits e efetue a operação de soma entre eles (7+5), usando as seguintes representações: a) sinal magnitude; b) complemento de um; c) complemento de dois. Analise os resultados obtidos quanto à correção (sem calcular o seu valor correspondente em decimal). 2. Repita o exercício 9 para os números 3 e Repita o exercício 9 para os números -7 e -5 (realizando a soma -7+(-5)). 22. Mostre como somar em complemento de um, para n=6 bits, as seguintes parcelas decimais: (a) 27 e 7 (b) 27 e 8 (c) e Repetir o exercício 23, com as parcelas codificadas em complemento de dois, também para 6 bits. 24. Usando a técnica de subtrair através de complemento do subtraendo, mostrar como obter as seguintes diferenças em binário, 6 bits, complemento de um: (a) 8 7 (b) -6 6 (c) Repetir o exercício 25 para complemento de dois em 6 bits. 26. Repetir o exercício 25 para sinal / magnitude. 27. Converta os seguintes números para binário, usando a representação destinada a inteiros positivos, usando o número necessário de bits e efetue a subtrações indicadas usando a tabela de subtração: (a) 32-5 (b) 3-4 (c) Supondo um sistema decimal, com 4 dígitos, que trabalhe com representação de negativos em complemento de 9, mostre como realizar as operações: (a) (b) (c) Repetir o exercício 28 para representação em complemento de. 2-6

2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos. 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos 1. Números Decimais. Objetivos.

2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos. 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos 1. Números Decimais. Objetivos. Objetivos 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos Revisar o sistema de numeração decimal Contar no sistema de numeração binário Converter de decimal para binário e vice-versa Aplicar operações aritméticas

Leia mais

Aritmética Binária e. Bernardo Nunes Gonçalves

Aritmética Binária e. Bernardo Nunes Gonçalves Aritmética Binária e Complemento a Base Bernardo Nunes Gonçalves Sumário Soma e multiplicação binária Subtração e divisão binária Representação com sinal Sinal e magnitude Complemento a base. Adição binária

Leia mais

Introdução. A Informação e sua Representação (Parte III) Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação

Introdução. A Informação e sua Representação (Parte III) Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Introdução à Computação A Informação e sua Representação (Parte III) Prof.a Joseana Macêdo Fechine Régis de Araújo joseana@computacao.ufcg.edu.br

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Sistemas de Numeração. 1 Arquitetura de Computadores

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Sistemas de Numeração. 1 Arquitetura de Computadores ARQUITETURA DE COMPUTADORES Sistemas de Numeração 1 Sistemas de Numeração e Conversão de Base Sistema Decimal É o nosso sistema natural. Dígitos 0,1,2,3,4,5,6,7,8 e 9. Números superiores a 9; convencionamos

Leia mais

Exemplo de Subtração Binária

Exemplo de Subtração Binária Exemplo de Subtração Binária Exercícios Converta para binário e efetue as seguintes operações: a) 37 10 30 10 b) 83 10 82 10 c) 63 8 34 8 d) 77 8 11 8 e) BB 16 AA 16 f) C43 16 195 16 3.5.3 Divisão binária:

Leia mais

Lista de Exercícios Sistemas de Numeração

Lista de Exercícios Sistemas de Numeração Lista de Exercícios Sistemas de Numeração 1- (Questão 5 BNDES Profissional Básico Análise de Sistemas - Suporte ano 010) Um administrador de sistemas, ao analisar o conteúdo de um arquivo binário, percebeu

Leia mais

Vamos exemplificar o conceito de sistema posicional. Seja o número 1303, representado na base 10, escrito da seguinte forma:

Vamos exemplificar o conceito de sistema posicional. Seja o número 1303, representado na base 10, escrito da seguinte forma: Nova bibliografia: Título: Organização e projeto de computadores a interface Hardware/Software. Autor: David A. Patterson & John L. Hennessy. Tradução: Nery Machado Filho. Editora: Morgan Kaufmmann Editora

Leia mais

Representação de Dados e Sistemas de Numeração

Representação de Dados e Sistemas de Numeração 1 Representação de Dados e Sistemas de Numeração Sistema de numeração decimal e números decimais (base 10) Sistema de numeração binário e números binários (base 2) Conversão entre binário e decimal Sistema

Leia mais

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Atualizado em Prof. Rui Mano E mail: rmano@tpd.puc rio.br SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Sistemas de Numer ação Posicionais Desde quando se começou a registrar informações sobre quantidades, foram criados diversos

Leia mais

Em um sistema de numeração de base b qualquer, um número positivo é representado pelo polinômio:

Em um sistema de numeração de base b qualquer, um número positivo é representado pelo polinômio: ELETRÔNICA DIGITAl I 1 SISTEMAS DE NUMERAÇÃO INTRODUÇÃO A base dos sistemas digitais são os circuitos de chaveamento (switching) nos quais o componente principal é o transistor que, sob o ponto de vista

Leia mais

Capítulo UM Bases Numéricas

Capítulo UM Bases Numéricas Capítulo UM Bases Numéricas 1.1 Introdução Quando o homem aprendeu a contar, ele foi obrigado a desenvolver símbolos que representassem as quantidades e grandezas que ele queria utilizar. Estes símbolos,

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Sistema de Numeração Prof Daves Martins Msc Computação de Alto Desempenho Email: daves.martins@ifsudestemg.edu.br Sistemas Numéricos Principais sistemas numéricos: Decimal 0,

Leia mais

Codificação 1. Introdução. C 2 R r {! + codificação

Codificação 1. Introdução. C 2 R r {! + codificação Codificação 1. Introdução A unidade básica de memória é o digito binário (bit). Para representar diferentes em memória é necessário que o bit armazene pelo menos 2 valores. A informação pode ser armazenada

Leia mais

Sistemas Numéricos e a Representação Interna dos Dados no Computador

Sistemas Numéricos e a Representação Interna dos Dados no Computador Capítulo 2 Sistemas Numéricos e a Representação Interna dos Dados no Computador 2.0 Índice 2.0 Índice... 1 2.1 Sistemas Numéricos... 2 2.1.1 Sistema Binário... 2 2.1.2 Sistema Octal... 3 2.1.3 Sistema

Leia mais

Curso de Hardware Aula 01 Tema: Sistema de Medidas Por: Edmilson de Oliveira Reis Revisado em: 02/03/2012

Curso de Hardware Aula 01 Tema: Sistema de Medidas Por: Edmilson de Oliveira Reis Revisado em: 02/03/2012 Curso de Hardware Aula 01 Tema: Sistema de Medidas Por: Edmilson de Oliveira Reis Revisado em: 02/03/2012 Unidades de Medida de Armazenamento Esses detalhes refletem na quantidade de informação armazenada

Leia mais

Sistemas de Numerações.

Sistemas de Numerações. Matemática Profº: Carlos Roberto da Silva; Lourival Pereira Martins. Sistema de numeração: Binário, Octal, Decimal, Hexadecimal; Sistema de numeração: Conversões; Sistemas de Numerações. Nosso sistema

Leia mais

CAPÍTULO 6 ARITMÉTICA DIGITAL

CAPÍTULO 6 ARITMÉTICA DIGITAL CAPÍTULO 6 ARITMÉTICA DIGITAL Introdução Números decimais Números binários positivos Adição Binária Números negativos Extensão do bit de sinal Adição e Subtração Overflow Aritmético Circuitos Aritméticos

Leia mais

Lógica Combinacional Aula 01 Sistema de Numeração. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com

Lógica Combinacional Aula 01 Sistema de Numeração. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Lógica Combinacional Aula 01 Sistema de Numeração Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Sistema de Numeração Um numeral é um símbolo ou grupo de símbolos que representa um número em

Leia mais

Capítulo 9: Codificação. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 9: Codificação. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 9: Codificação Prof.: Roberto Franciscatto Conceituação Um computador só pode identificar a informação através de sua capacidade de distinguir entre dois estados; Algo está imantado num sentido

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE DADOS E SISTEMAS DE NUMERAÇÃO

REPRESENTAÇÃO DE DADOS E SISTEMAS DE NUMERAÇÃO REPRESENTAÇÃO DE DADOS E SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Profs. M.Sc. Lucio M. Duarte e Ph.D. Avelino Zorzo 1 Faculdade de Informática - PUCRS 1 REPRESENTAÇÃO DE DADOS Acredita-se que a criação de números veio com

Leia mais

Capítulo SETE Números em Ponto Fixo e Ponto Flutuante

Capítulo SETE Números em Ponto Fixo e Ponto Flutuante Capítulo SETE Números em Ponto Fixo e Ponto Flutuante 7.1 Números em ponto fixo Observação inicial: os termos ponto fixo e ponto flutuante são traduções diretas dos termos ingleses fixed point e floating

Leia mais

Eletrônica Digital 1 Módulo1 Capítulo 1 Sistemas Numéricos. Prof. Nilton Costa Junior

Eletrônica Digital 1 Módulo1 Capítulo 1 Sistemas Numéricos. Prof. Nilton Costa Junior Eletrônica Digital 1 Módulo1 Capítulo 1 Sistemas Numéricos Prof. Nilton Costa Junior Sistemas Numéricos Existem vários sistemas numéricos: Decimal Binário Octal Hexadecimal Sistema Decimal representado

Leia mais

ELETRÔNICA DIGITAL 1

ELETRÔNICA DIGITAL 1 CENTRO FEDERAL DE ENSINO TECNOLÓGICO DE SANTA CATARINA UNIDADE SÃO JOSÉ ÁREA DE TELECOMUNICAÇÕES ELETRÔNICA DIGITAL 1 CAPÍTULO 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...2 1. SISTEMAS DE NUMERAÇÃO...4 1.1 Introdução...4

Leia mais

1. Sistemas de numeração

1. Sistemas de numeração 1. Sistemas de numeração Quando mencionamos sistemas de numeração estamos nos referindo à utilização de um sistema para representar uma numeração, ou seja, uma quantidade. Sistematizar algo seria organizar,

Leia mais

Deste modo, por razões tecnológicas e conceituais, os números binários e a álgebra boole-ana formam a base de operação dos computadores atuais.

Deste modo, por razões tecnológicas e conceituais, os números binários e a álgebra boole-ana formam a base de operação dos computadores atuais. 25BCapítulo 2: Números e Aritmética Binária Os computadores armazenam e manipulam a informação na forma de números. Instruções de programas, dados numéricos, caracteres alfanuméricos, são todos representados

Leia mais

Curso: Técnico de Informática Disciplina: Redes de Computadores. 1- Apresentação Binária

Curso: Técnico de Informática Disciplina: Redes de Computadores. 1- Apresentação Binária 1- Apresentação Binária Os computadores funcionam e armazenam dados mediante a utilização de chaves eletrônicas que são LIGADAS ou DESLIGADAS. Os computadores só entendem e utilizam dados existentes neste

Leia mais

Introdução à Engenharia de

Introdução à Engenharia de Introdução à Engenharia de Computação Tópico: Sistemas de Numeração José Gonçalves - LPRM/DI/UFES Introdução à Engenharia de Computação Introdução O número é um conceito abstrato que representa a idéia

Leia mais

Aula 3 - Sistemas de Numeração

Aula 3 - Sistemas de Numeração UEM Universidade Estadual de Maringá DIN - Departamento de Informática Disciplina: Fundamentos da Computação Profª Thelma Elita Colanzi Lopes thelma@din.uem.br Aula 3 - Sistemas de Numeração O ser humano,

Leia mais

Aula 2 Sistemas de Numeração (Revisão)

Aula 2 Sistemas de Numeração (Revisão) Aula 2 Sistemas de Numeração (Revisão) Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@recife.ifpe.edu.br http://dase.ifpe.edu.br/~alsm 1 O que fazer com essa apresentação 2 Agenda Breve revisão da aula anterior

Leia mais

Operações aritméticas

Operações aritméticas Circuitos Lógicos Operações aritméticas Prof.: Daniel D. Silveira Horário: 4a.f e 6a.f de 10h às 12h 1 Adição binária A soma binária ocorre da mesma forma que a decimal:» A operação sobre os dígitos na

Leia mais

Aula 6 Aritmética Computacional

Aula 6 Aritmética Computacional Aula 6 Aritmética Computacional Introdução à Computação ADS - IFBA Representação de Números Inteiros Vírgula fixa (Fixed Point) Ponto Flutuante Para todos, a quantidade de valores possíveis depende do

Leia mais

3 Sistemas de Numeração:

3 Sistemas de Numeração: 3 Sistemas de Numeração: Os computadores eletrônicos têm como base para seu funcionamento a utilização de eletricidade. Diferente de outras máquinas que a presença ou ausência de eletricidade apenas significam

Leia mais

Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração Universidade Tecnológica Federal do Paraná Bacharelado em Ciência da Computação IC3A Introdução à Ciência da Computação Sistemas de Numeração Marcos Silvano O. Almeida Baseado no material do prof. Rogério

Leia mais

Sistemas de Numeração. Professor: Rogério R. de Vargas INFORMÁTICA 2014/2

Sistemas de Numeração. Professor: Rogério R. de Vargas INFORMÁTICA 2014/2 INFORMÁTICA Sistemas de Numeração Professor: Rogério R. de Vargas 2014/2 Sistemas de Numeração São sistemas de notação usados para representar quantidades abstratas denominadas números. Um sistema numérico

Leia mais

Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração Professor Menezes SISTEMA DE NUMERAÇÃO 1-1 Sistemas de Numeração Observe que alguns números decimais a possuem uma representação muito curiosa no sistema binário: 1 decimal = 1 binário; 2 decimal = 10

Leia mais

Notas de aula #1 SISTEMAS NUMÉRICOS

Notas de aula #1 SISTEMAS NUMÉRICOS UTFPR Disciplina: EL66J Prof. Gustavo B. Borba Notas de aula #1 SISTEMAS NUMÉRICOS - Notação posicional Definição: A posição de cada algarismo no número indica a sua magnitude. A magnitude também é chamada

Leia mais

Trabalho compilado da Internet Prof. Claudio Passos. Sistemas Numéricos

Trabalho compilado da Internet Prof. Claudio Passos. Sistemas Numéricos Trabalho compilado da Internet Prof. Claudio Passos Sistemas Numéricos A Informação e sua Representação O computador, sendo um equipamento eletrônico, armazena e movimenta as informações internamente sob

Leia mais

Números base 2, 8, 10, 16. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007

Números base 2, 8, 10, 16. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Números base 2, 8, 10, 16 Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Tópicos Números binário, decimal, octal, hexadecimal Conversões entre bases Números

Leia mais

Representação de Dados

Representação de Dados Representação de Dados Introdução Todos sabemos que existem diferentes tipos de números: fraccionários, inteiros positivos e negativos, etc. Torna-se necessária a representação destes dados em sistema

Leia mais

Universidade do Minho Departamento de Electrónica Industrial. Sistemas Digitais. Exercícios de Apoio - I. Sistemas de Numeração

Universidade do Minho Departamento de Electrónica Industrial. Sistemas Digitais. Exercícios de Apoio - I. Sistemas de Numeração Universidade do Minho Departamento de Electrónica Industrial Sistemas Digitais Exercícios de Apoio - I Sistemas de Numeração CONVERSÃO ENTRE SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Conversão Decimal - Binário Números Inteiros

Leia mais

Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração Arquitectura de Computadores I Engenharia Informática (11537) Tecnologias e Sistemas de Informação (6616) Sistemas de Numeração Nuno Pombo / Miguel Neto Arquitectura Computadores I 2014/2015 1 Conversão

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade O conteúdo deste documento é baseado no livro Princípios Básicos de Arquitetura e Organização

Leia mais

Álgebra de Boole. Sistema de Numeração e Códigos. Prof. Ubiratan Ramos

Álgebra de Boole. Sistema de Numeração e Códigos. Prof. Ubiratan Ramos Álgebra de Boole Sistema de Numeração e Códigos Prof. Ubiratan Ramos Sistemas Numéricos Regras para formação: símbolos e posição Por que base 10? Potência de 10 (raiz ou base 10) Representação na Forma

Leia mais

Sistemas de Numeração. Introdução ao Computador 2010/1 Renan Manola

Sistemas de Numeração. Introdução ao Computador 2010/1 Renan Manola Sistemas de Numeração Introdução ao Computador 2010/1 Renan Manola Introdução Em sistemas digitais o sistema de numeração binário é o mais importante, já fora do mundo digital o sistema decimal é o mais

Leia mais

Sistemas de Numeração. Engenharia da Computação 3 Período Alex Vidigal Bastos

Sistemas de Numeração. Engenharia da Computação 3 Período Alex Vidigal Bastos UNIPAC Sistemas Digitais Sistemas de Numeração Engenharia da Computação 3 Período Alex Vidigal Bastos 1 Agenda Objetivos Introdução Sistema Binário Sistema Octal Sistema Hexadecimal Aritméticas no Sistema

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Disciplina de Lógica Computacional Aplicada. Prof. Dr.

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Disciplina de Lógica Computacional Aplicada. Prof. Dr. Índice 1. SISTEMAS NUMÉRICOS 1.1 Caracterização dos Sistemas Numéricos 1.2 Sistemas Numéricos em uma Base B Qualquer 1.2.1 Sistema de Numeração Decimal 1.2.2. Sistema de Numeração Binário 1.2.3 Sistema

Leia mais

Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h

Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 60h Representação de grandeza com sinal O bit mais significativo representa o sinal: 0 (indica um número

Leia mais

5º Experimento: Somador Binário de números com sinal

5º Experimento: Somador Binário de números com sinal Capítulo 1 5º Experimento: Somador Binário de números com sinal 1.1 Objetivos Usar uma porta XOR de duas entradas para realizar a função unária de negação. Usar um somador binário para somar números sem

Leia mais

Principais códigos utilizados. Codificação. Código binário puro. Codificação binária. Codificação Binária. Código Binário puro e suas variantes

Principais códigos utilizados. Codificação. Código binário puro. Codificação binária. Codificação Binária. Código Binário puro e suas variantes Codificação Principais códigos utilizados Computadores e Equipamentos de Comunicações Digitais trabalham com representação e códigos. A codificação binária de sinais é largamente utilizada em Sistemas

Leia mais

Escola Secundária c/3º CEB José Macedo Fragateiro. Curso Profissional de Nível Secundário. Componente Técnica. Disciplina de

Escola Secundária c/3º CEB José Macedo Fragateiro. Curso Profissional de Nível Secundário. Componente Técnica. Disciplina de Escola Secundária c/3º CEB José Macedo Fragateiro Curso Profissional de Nível Secundário Componente Técnica Disciplina de Sistemas Digitais e Arquitectura de Computadores 29/21 Módulo 1: Sistemas de Numeração

Leia mais

Organização de Computadores. Cálculos Binários e Conversão entre Bases Aritmética Binária

Organização de Computadores. Cálculos Binários e Conversão entre Bases Aritmética Binária Organização de Computadores Capítulo 4 Cálculos Binários e Conversão entre Bases Aritmética Binária Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui

Leia mais

Informática Aplicada à Química. Sistemas de Numeração Representação de Dados

Informática Aplicada à Química. Sistemas de Numeração Representação de Dados Informática Aplicada à Química Sistemas de Numeração Representação de Dados Representando Dados Bit Byte Palavra Bit (b) Abreviação de binary digit (dígito binário). Dois valores possíveis: e 1. Nunca

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Aritmética Computacional Slide 1 Sumário Unidade Lógica e Aritmética Representação de Números Inteiros Aritmética de Números Inteiros Representação de Números

Leia mais

Hardware de Computadores

Hardware de Computadores Sistema Binário Hardware de Computadores O sistema binário é um sistema de numeração posicional em que todas as quantidades são representadas, utilizando-se como base as cifras: zero e um (0 e 1). Os computadores

Leia mais

Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração Sistemas de Numeração Um numeral é um símbolo ou grupo de símbolos que representa um número em um determinado instante da evolução do homem. Tem-se que, numa determinada escrita ou época, os numerais diferenciaram-se

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores. Sistemas Numéricos

Arquitetura e Organização de Computadores. Sistemas Numéricos Arquitetura e Organização de Computadores Sistemas Numéricos 1 A Notação Posicional Todos os sistemas numéricos usados são posicionais. Exemplo 1 (sistema decimal): 1999 = 1 x 1000 + 9 x 100 + 9 x 10 +

Leia mais

2. Sistemas de numeração

2. Sistemas de numeração 2. Sistemas de numeração Neste capitulo vai-se estudar vários sistemas de representação numeração e os quais se designam por sistemas de numeração. Na tabela x apresenta-se os diversos sistemas numéricos

Leia mais

centena dezena unidade 10 2 10 1 10 0 275 2 7 5 200 + 70 + 5 275

centena dezena unidade 10 2 10 1 10 0 275 2 7 5 200 + 70 + 5 275 A. Sistemas de Numeração. Para se entender a linguagem do computador (o Código de Máquina), é necessário conhecer um pouco da teoria dos números. Não é uma tarefa tão difícil quanto pode parecer. Sabendo-se

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Teresina-PI Tecnologia em Redes de Computadores. Arquitetura de Computadores Prof. Nathan Saraiva

Faculdade de Tecnologia de Teresina-PI Tecnologia em Redes de Computadores. Arquitetura de Computadores Prof. Nathan Saraiva Faculdade de Tecnologia de Teresina-PI Tecnologia em Redes de Computadores Arquitetura de Computadores Prof. Nathan Saraiva Tópicos Introdução Valor analógico x valor digital Sistema Analógico X Sistema

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Prof. Dr. Sergio Pilling (IPD/ Física e Astronomia) I Representação dos números, aritmética de ponto flutuante e erros em máquinas

Leia mais

Circuitos Combinacionais. Sistemas digitais

Circuitos Combinacionais. Sistemas digitais Circuitos Combinacionais Sistemas digitais Agenda } Codificador X Decodificador } Código BCD 8421, código BCH, código 9876543210 } Display de 7 segmentos } Multiplexador X Demultiplexador } Comparadores

Leia mais

Genericamente qualquer sistema de numeração pode ser caracterizado por:

Genericamente qualquer sistema de numeração pode ser caracterizado por: SISTEMAS NUMÉRICOS 1 Genericamente qualquer sistema de numeração pode ser caracterizado por: Sistema de Base N - Possui N dígitos e o maior é (N-1) - Qualquer número maior que (N-1) pode ser expresso como

Leia mais

Índice de conteúdos. Índice de conteúdos. Capítulo 2. Representação de Números e Erros...1. 1.Representação de números em diferentes bases...

Índice de conteúdos. Índice de conteúdos. Capítulo 2. Representação de Números e Erros...1. 1.Representação de números em diferentes bases... Índice de conteúdos Índice de conteúdos Capítulo 2. Representação de Números e Erros...1 1.Representação de números em diferentes bases...1 1.1.Representação de números inteiros e conversões de base...1

Leia mais

Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração Sistemas de Numeração Representação da Informação para seres humanos Números (1,2,3,4...) Letras (a,a,b,b,c,c...) Sinais de pontuação (:,;...) Operadores aritméticos (+,-,x,/) Representação da Informação

Leia mais

Aula 04. Código BCD, Códigos Alfa-numéricos e Sistemas de Detecção de Erros

Aula 04. Código BCD, Códigos Alfa-numéricos e Sistemas de Detecção de Erros Aula 04 Código BCD, Códigos Alfa-numéricos e Sistemas de Detecção de Erros Prof. Otávio Gomes otavio.gomes@ifmg.edu.br sites.google.com/a/ifmg.edu.br/otavio-gomes/ 1 Bytes A maioria dos microcomputadores

Leia mais

PRONATEC FUNDAMENTOS DE HARDWARE. Prof. Kilmer Pereira kilmer_pereira@yahoo.com.br

PRONATEC FUNDAMENTOS DE HARDWARE. Prof. Kilmer Pereira kilmer_pereira@yahoo.com.br PRONATEC FUNDAMENTOS DE HARDWARE Prof. Kilmer Pereira kilmer_pereira@yahoo.com.br Processamento de Dados Etapas do Processamento de Dados Dado: inserido no computador Processamento: organização, transformação

Leia mais

CAPÍTULO I. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA Apostila de Eletrônica Digital. Sistemas de Numeração. 1.

CAPÍTULO I. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA Apostila de Eletrônica Digital. Sistemas de Numeração. 1. CAPÍTULO I Sistemas de Numeração. Introdução O decimal é o mais importante dos sistemas numéricos. Ele está fundamentado em certas regras que são a base de formação para qualquer outro sistema. Além do

Leia mais

Conversão Entre Bases Numéricas.

Conversão Entre Bases Numéricas. Conversão Entre Bases Numéricas. Conversão de Decimal para Binário Para encontrar o número binário correspondente a um número decimal, são realizadas sucessivas divisões do número decimal por 2. Em seguida,

Leia mais

I n f o r m á t i c a

I n f o r m á t i c a Prof. Dr. Rogério R. de Vargas I n f o r m á t i c a Dados, bits, bytes, representação de dados e sistemas de numeração e representação numérica Itaqui - RS, 2º Semestre de 2014. Agenda Dados; Bits; Bytes;

Leia mais

COMPUTAÇÕES NUMÉRICAS. 1.0 Representação

COMPUTAÇÕES NUMÉRICAS. 1.0 Representação COMPUTAÇÕES NUMÉRICAS.0 Representação O sistema de numeração decimal é o mais usado pelo homem nos dias de hoje. O número 0 tem papel fundamental, é chamado de base do sistema. Os símbolos 0,,, 3, 4, 5,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 13

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 13 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 13 Índice 1. Circuitos Digitais - Continuação...3 1.1. Por que Binário?... 3 1.2. Conversão entre Bases... 3 2 1. CIRCUITOS DIGITAIS - CONTINUAÇÃO 1.1. POR QUE BINÁRIO?

Leia mais

Aula 5. Simplificação de funções lógicas (cont.) Sistemas de numeração

Aula 5. Simplificação de funções lógicas (cont.) Sistemas de numeração Aula 5 Simplificação de funções lógicas (cont.) Sistemas de numeração Mapa de Karnaugh Exemplo: N=4 variáveis, M=2 4 =16 combinações Extracção da expressão do circuito, pelos maxtermos: extracção pelos

Leia mais

www.concursosdeti.com.br 1 Fundamentos da Computação Prof. Bruno Guilhen www.concursosdeti.com.br

www.concursosdeti.com.br 1 Fundamentos da Computação Prof. Bruno Guilhen www.concursosdeti.com.br Fundamentos da Computação Prof. Bruno Guilhen www.concursosdeti.com.br AULA 01 O Bit e o Byte Definições: Bit (Binary Digit) é a menor unidade de informação que circula dentro do sistema computacional.

Leia mais

Capítulo 2. Numéricos e Códigos. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Capítulo 2. Numéricos e Códigos. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Capítulo 2 Sistemas Numéricos e Códigos slide 1 Os temas apresentados nesse capítulo são: Conversão entre sistemas numéricos. Decimal, binário, hexadecimal. Contagem hexadecimal. Representação de números

Leia mais

Circuitos Digitais Cap. 5

Circuitos Digitais Cap. 5 Circuitos Digitais Cap. 5 Prof. José Maria P. de Menezes Jr. Objetivos Aritmética Digital Adição Binária Subtração Binária Representação de números com sinal Complemento de 2 Negação Subtração como soma

Leia mais

UNIBRATEC Ensino Superior e Técnico em Informática DHD Desenvolvimento em Hardware

UNIBRATEC Ensino Superior e Técnico em Informática DHD Desenvolvimento em Hardware UNIBRATEC Ensino Superior e Técnico em Informática DHD Desenvolvimento em Hardware 1 Francisco Fechine Borges quinta-feira, 24 de agosto de 2006 UNIBRATEC Ensino Superior e Técnico em Informática DHD Desenvolvimento

Leia mais

ULA- Unidade Lógica Aritmética. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h

ULA- Unidade Lógica Aritmética. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h ULA- Unidade Lógica Aritmética. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 60h Sumário Unidade Lógica Aritmetrica Registradores Unidade Lógica Operações da ULA Unidade de Ponto Flutuante Representação

Leia mais

Notação Posicional. Introdução à Computação. Bases. Bases. Sistemas de Numeração. Exemplo:

Notação Posicional. Introdução à Computação. Bases. Bases. Sistemas de Numeração. Exemplo: Notação Posicional Introdução à Computação Sistas de Numeração O objetivo principal de qualquer base numérica é a de representar números É a posição do algarimo (dígito) que determina seu valor Ex: número

Leia mais

Aula 6. Sistemas de Numeração. SEL 0414 - Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira

Aula 6. Sistemas de Numeração. SEL 0414 - Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Aula 6 Sistemas de Numeração SEL 0414 - Sistemas Digitais Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Sistemas de Numeração 1. SISTEMA DECIMAL Composto por 10 símbolos ou numerais; Base 10 0, 1, 2, 3, 4,

Leia mais

Sistemas de Numeração e Conversão de Base

Sistemas de Numeração e Conversão de Base 1 No estudo de sistemas digitais recorre-se a diferentes sistemas de numeração. Sistema Decimal É o nosso sistema natural. Dígitos 0,1,2,...,9. Números superiores a 9; convencionamos o significado da posição

Leia mais

Conversão de Bases Numéricas

Conversão de Bases Numéricas Disciplina: Circuitos Digitais Conversão de Bases Numéricas Prof. a Dra. Carolina Davanzzo Gomes dos Santos Email: profcarolinadgs@gmail.com Página: profcarolinadgs.webnode.com.br Sistemas de Numeração

Leia mais

Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h

Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 60h Representação da Informação Um dispositivo eletrônico, armazena e movimenta as informações internamente

Leia mais

Ano letivo: 2012/2013. Sistemas de numeração. Pág.: 1/11. Escola profissional de Fafe SDAC. Trabalho elaborado por: Ana Isabel, nº905 TURMA 7.

Ano letivo: 2012/2013. Sistemas de numeração. Pág.: 1/11. Escola profissional de Fafe SDAC. Trabalho elaborado por: Ana Isabel, nº905 TURMA 7. Pág.: 1/11 Escola profissional de Fafe SDAC Trabalho elaborado por: Ana Isabel, nº905 TURMA 7.5 Pág.: 2/11 Índice Introdução... 3 Sistemas de numeração posicionais... 4 Representação na base 2... 4 Representação

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores Prof. Fábio M. Costa Instituto de Informática UFG 1S/2004 Representação de Dados e Aritimética Computacional Roteiro Números inteiros sinalizados e nãosinalizados Operações

Leia mais

Sistemas de Numeração. 1 Introdução aos sistemas numeração

Sistemas de Numeração. 1 Introdução aos sistemas numeração Sistemas de Numeração 1 Introdução aos sistemas numeração Sistemas de Numeração Base Decimal Base Binária Base Octal Base Hexadecimal Sistemas de numeração ria\base Oct tal\ Base He exadecimal l\base Biná

Leia mais

Apostila para Eletrônica ELETRÔNICA DIGITAL I

Apostila para Eletrônica ELETRÔNICA DIGITAL I Apostila para Eletrônica ELETRÔNICA DIGITAL I Prof. Reinaldo Bolsoni Eletrônica Digital I 1/37 ÍNDICE 1 - SISTEMA NUMÉRICO... 3 1.1 - SISTEMA BINÁRIO...3 Conversão Decimal para Binário...4 Conversão Binário

Leia mais

ELETRÔNICA. Changed with the DEMO VERSION of CAD-KAS PDF-Editor (http://www.cadkas.com). INTRODUÇÃO

ELETRÔNICA. Changed with the DEMO VERSION of CAD-KAS PDF-Editor (http://www.cadkas.com). INTRODUÇÃO 0010100111010101001010010101 CURSO DE 0101010100111010100101011101 1010011001111010100111010010 ELETRÔNICA 1010000111101010011101010010 DIGITAL INTRODUÇÃO Os circuitos equipados com processadores, cada

Leia mais

Circuitos Digitais. Conteúdo. Sistema de Numeração e Códigos :: Conversões de Binário para Decimal SISTEMA DE NUMERAÇÃO E CÓDIGOS

Circuitos Digitais. Conteúdo. Sistema de Numeração e Códigos :: Conversões de Binário para Decimal SISTEMA DE NUMERAÇÃO E CÓDIGOS Ciência da Computação Sistemas de Numeração e Conversões Prof. Sergio Ribeiro Material adaptado das aulas do Prof. José Maria da UFPI Conteúdo Conversões de binário para decimal. Conversões de decimal

Leia mais

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM. Conceitos Básicos ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM. Conceitos Básicos ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM Conceitos Básicos 1-1 BITs e BYTEs Bit = BInary digit = vale sempre 0 ou elemento básico de informação Byte = 8 bits processados em paralelo (ao mesmo tempo) Word = n bytes (depende do processador em questão)

Leia mais

Sistemas de Numeração. Bases Numéricas e Conversão entre bases

Sistemas de Numeração. Bases Numéricas e Conversão entre bases Sistemas de Numeração Bases Numéricas e Conversão entre bases Objetivos Contar em binário, octal, hexadecimal Conversões: DECIMAL BINÁRIO OCTAL HEXADECIMAL Histórico A origem dos conceitos sobre números

Leia mais

Sistemas de numeração

Sistemas de numeração E Sistemas de numeração Aqui estão apenas números ratificados. William Shakespeare A natureza tem algum tipo de sistema de coordenadas geométrico-aritmético, porque a natureza tem todos os tipos de modelos.

Leia mais

Conversões em Sistemas de Numeração. José Gustavo de Souza Paiva

Conversões em Sistemas de Numeração. José Gustavo de Souza Paiva Conversões em Sistemas de Numeração José Gustavo de Souza Paiva 1 Conversões entre bases que são potências entre si Primeiro caso base binária para base octal Como 2 3 = 8, podemos separar os bits de um

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o funcionamento do computador Apresentar a função da memória e dos dispositivos

Leia mais

Sistemas de Numeração. MAB 124 Sistemas de Numeração PRC

Sistemas de Numeração. MAB 124 Sistemas de Numeração PRC Sistemas de Numeração Por que Binário? Primeiros computadores projetados eram decimais Mark I e ENIAC John von Neumann propôs processamento com dados binários (1945) Simplificava o projeto de computadores

Leia mais

Unidade 3: Sistemas de Numeração Conversões Entre Quaisquer Bases e Aritmética em Bases Alternativas Prof. Daniel Caetano

Unidade 3: Sistemas de Numeração Conversões Entre Quaisquer Bases e Aritmética em Bases Alternativas Prof. Daniel Caetano Arquitetura e Organização de Computadores 1 Unidade 3: Sistemas de Numeração Conversões Entre Quaisquer Bases e Aritmética em Bases Alternativas Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar métodos genéricos

Leia mais

Sistema de Numeração e Códigos. Sistemas de Informação CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos

Sistema de Numeração e Códigos. Sistemas de Informação CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos Sistema de Numeração e Códigos Sistemas de Informação CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos Objetivos Converter um número de um sistema de numeração (decimal, binário ou hexadecimal) no seu equivalente

Leia mais

Experimento 03 Circuito Decodificador e Multiplex

Experimento 03 Circuito Decodificador e Multiplex Murilo Soares Pereira, RA: 298468 Pedro Henrique de Freitas, RA: 321443 Experimento 03 Circuito Decodificador e Multiplex Prof. Takashi Utsonomiya Universidade Federal de São Carlos São Carlos - SP Sumário

Leia mais

Informática Sistemas de Numeração. Profª. Me. Valéria Espíndola Lessa lessavaleria@gmail.com Valeria-lessa@uergs.edu.br

Informática Sistemas de Numeração. Profª. Me. Valéria Espíndola Lessa lessavaleria@gmail.com Valeria-lessa@uergs.edu.br Sistemas de Numeração Profª. Me. Valéria Espíndola Lessa lessavaleria@gmail.com Valeria-lessa@uergs.edu.br Outros Sistemas de Numeração Já sabemos que existem outros tipos de sistemas de numeração, além

Leia mais

CALCULADORA SIMPLES COM ULA

CALCULADORA SIMPLES COM ULA CALCULADORA SIMPLES COM ULA Versão 2012 RESUMO 1 Esta experiência tem por objetivo a utilização de circuitos integrados de operações lógicas e aritméticas para o desenvolvimento de circuitos que executam

Leia mais

NOTAÇÃO CIENTÍFICA. a) 82.500 c) 243.000.000.000 e) 0,00045 g) 0,000 000 0004. b) 15.000.000 d) 1.030.000.000 f) 0,000 000 003 h) 0, 000 000 000 15

NOTAÇÃO CIENTÍFICA. a) 82.500 c) 243.000.000.000 e) 0,00045 g) 0,000 000 0004. b) 15.000.000 d) 1.030.000.000 f) 0,000 000 003 h) 0, 000 000 000 15 1 NOTAÇÃO CIENTÍFICA Os números muito grandes ou muito pequenos podem ser escritos através de um produto n da forma x 10, onde 1 x < 10 e n Z. Denominamos essa representação de notação científica. Distância

Leia mais