DESEMPENHO PRODUTIVO DE OVELHAS DA RAÇA SOMAI..IS BRASILEIRA NO NORDESTE DO BRASIL 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESEMPENHO PRODUTIVO DE OVELHAS DA RAÇA SOMAI..IS BRASILEIRA NO NORDESTE DO BRASIL 1"

Transcrição

1 DSMPNHO PRODUTIVO D OVLHAS DA RAÇA SOMAI..IS BRASILIRA NO NORDST DO BRASIL 1 AURINO ALVS SIMPL(CIO 2, GRARDO SIMÕN RIRA 3, LSIO ANTONIO PRIRA D FIGIJIRDO 4 JOSÉ FRRIRA NUNS 2 RSUMO - A pubrdad, m média, rru as 333,4 dias d idad 18.3 kg d ps viv, primir part as 531,8 dias 22,2kg d ps. As taxas d vulaçã fram d 1,05 para a primira d 1,13 para a sgunda. Das brrgas lapartmizadas, 87,5% vularam ants d primir sti líni vári dirit mstru mair atividad. O il stral fi d 18,91 18,26 dias príd stral d 29,90 30,77 hras, para a épa huvsa sa, rsptivamnt, snd mair m fêmas adultas (28,01 vs 31,23 hras). Nã huv difrnça statístia ntr fêmas jvns adultas para as taxas d frtilidad a part d abrt. O príd d gstaçã a prprçã sxual fram d 148,7 dias 47,8%. A prlifiidad ttal fi d 1,26. snd 1,10 1,32 para matrizs primiparas pluríparas, rsptivamnt. A mrtalidad fi d 19,05 5,33% m aias riundas d matrizs primíparas pluríparas, rsptivamnt. O intrval ntr part primir str pós-part fi d 70,12 dias intrval ntr parts, d 281,3 dias. A prduçã média diária d lit ns primirs 80 dias d lataçã fi d 211,7 g/vlha. A média d ps a nasr a dsmam fi d 2,02 10,5 kg. Os pss médis, pró pós-staçã d mnta a part, fram 25,2; 26,2 26,1 kg, rsptivamnt. Trms para indxaçã: rprduçã, pubrdad, gstaçã, frtilidad, prprçã sxual, lataçã. PRODUCTIV PRFORMANC OF BRAZILIAN SOMALI WS IN TH TROPICAL NORTHAST RGION OF BRAZIL A8STRACT - Man g at pubrty was days whn ws wighd 18.3 kg. First Iambing urrd at days and 22.2 kg bdy wight. Ovulatin rat at pubrty was 1.05 at firt 1.13 at snd vulatins. In Iapartmlzd Iambs, 87.5 prnt vulatd bfr first pubral strus and right vary appard t b mr ativ. In rainy and dry sasns rsptivly, th strus yl Ingth was and days and strus prid was and hurs, bing lngr in ldr ws (28.01 vs hurs). Thr was n signifiant diffrn in frtility rat at parturitin and abrtins, dut ag f ws. Th man gstatin prid was days and sx rati f Iambs was Ovrali prlifiay was 1.26 and 1.10 and 1.32 fr primipara and pluripara ws rsptivly. Thr was a markd diffrn in mrtality f Iambs brn t prlmipara (19.05%) and pluripara (5.33%) ws. Intrval btwn parturitin t first pst-partum strus was days and intrval btwn Iambings was days. MiIk prdutin avragd g/w/day during first 80 days latatin. Man birth wight was 2.02 kg and 10.5 kg at waning. Man bdy wight imrndiatly bfr and aftr brding sasn and at parturitin wr 25.2, 26.2 and 26.1 kg, rsptivly. Indx trms: rprdutin, pubarty, gstatin, frtility, sx rati, latatin INTRODUÇÃO Os vins n Nrdst d Brasil sã nsidrads d grand imprtsnia sial nômia para a ppulaçã rural. sta spéi é riada, na mairia das vzs, pls pquns prdutrs, prvavlmnt dsd a Clônia. ntr as raças vinas xistnts n Nrdst d Brasil, a Smalis, sgund Pinhir Junir (1939) Viira & Sants (1967), 1 Ait para publiaçã m 26 d stmbr d Méd. Vt., M.S, Psquisadr, Cntr Nainal d Psquisa d Caprins (CNPC) - MBRAPA, Caixa Pstal 10,CP Sbral,C. ng9 Agr9, Ph.D., Cnsultr m Manj Animal, IICAIMBRAPA/CNPCaprins. Ztnista, M.S., Psquisadr, MBRAPA/CNPCaprins. fi intrduzida da Ásia Cntral pr riadrs d stad d Ri d Janir. Cntud xist a afirmaçã d qu a raça Smalis tm rigm na Áfria Orintal (Fitzhugh & Bradfrd 1979). sta raça umpr imprtant funçã nômia na Améria d Sul, prinipalmnt n Brasil, Clômbia Vnzula, (Fitzhugh & Bradfrd 1979) ns paíss d Carib (Rastgi a ai. 1979b). N Brasil ns dmais paíss, ainda nã xist sufiint infrmaçã rlainada m dsmpnh prdutiv da raça Smalis sta é nsidrada m prdutra d arn (Winrk Intrnatinal Livstk Rsarh and Training Cntr 1977) pl (Viira & Sants 1967, Trrill 1968). O prsnt trabalh fi fit n muniípi d Sbral, C, para nhr dsmpnh prdutiv das vlhas da raça Smalis. Psq. agp. bras. Brasília, 17(12): , dz. 1982

2 1796 A.A. SIMPLÍCIO MATRIAL MÉTODOS Sssnta st vlhas da raça Smalis, adultas pluríparas nstituíram três grups d 19,20 28 fêmas fram submtidas à staçã d mnta, ns príds d 23 d març a 21 d junh d 1978, d 21 d dzmbr d 1978 a 04 d fvrir d 1979, d 15 d stmbr a 14 d nvmbr d 1979, para primir, sgund trir grup, rsptivamnt. Vint quatr fêmas jvns, dnts-d-lit, nulíparas, frmaram dis grups d 15 9 animais stivram m staçã d mnta d 15 d stmbr a 14 d nvmbr d 1979 d 01 d utubr a 29 d nvmbr d 1980, na msma rdm. Os rprdutrs fram submtids a xam líni- -andrlógi d sêmn, ants d iníi da staçã d mnta. Os animais fram mantids m pastagm nativa m uma pquna ára mlhrada pla intrduçã d apim- -d-planta (Panium barbind, Trin). À tard d ada dia, fram rlhids a vil nd tivram ass a uma mistura d farinha d ss autlavada lrt d sódi, na prprçã d 1:1, n h, à vntad, slts na m~ d dia sguint. As vlhas fram psadas ants dpis da staçã d mnta, n dia d part a dsmam. Para dtrminar a duraçã d il stral sti intrval ntr part primir sti pós-part, a partir da data m qu rru primir part, fram lads mahs dfrnttmizads (rufiõs) junts m as fmas m a finalidad d idntifiar as qu stivssm m str. Após nasimnt, rda umbilial das rias fi rtad tratad m tintura d id a 10%. m sguida, a aia fi psada idntifiada. A partir daí, s rdirs fram psads a ada 28 dias até dsmam. Dz fêmas adultas fram submtidas a ntrl litir durant uma staçã sa utra huvsa, pr um príd d 80 dias. A prduçã d lit fi btida, indirtamnt, através da psagm da aia, ants dpis da mamada (intrval d dz minuts), duas vzs a dia, pla manhã à tard, durant duas vzs pr smana. Ns dis primirs ans, dsmam fi fit, m média, as 90 dias d idad ds dmais, as 112. A partir d dsmam da primira brrga, fram lads rufiõs n rbanh m bjtiv d rgistrar a rrênia d sti, prmitind, assim, dtrminar a idad ps a primir sti líni. Aprximadamnt, 48 hras após tr sid idntifiada m sti, a fêma fi submtida a lapartmia m bjtiv d vrifiar a rrênia d vulaçã ants d primir str líni, a taxa a frqüênia d vulaçã. RSULTADOS DISCUSSÃO Pubrdad A Tabla 1 mstra qu, m média, as brrgas Smalis atingm a pubrdad as 333,4 dias d Psq. agrp. bras., Brasília, 17(12): , dz idad ( dias) 18,3 lg d ps viv (13,5-23,3 kg). Pd-s bsrvar, pla amplitud, qu huv uma apriávl variaçã tant na idad quant n ps. Jubrt (1962), na msma raça, nntru qu a idad à pubrdad fi d 399,7 dias m uma variaçã d 195 a 872 dias. Cmparand s rsultads dst trabalh m s d Jubrt na Áfria d Sul, bsrva-s uma difrnça d 66,3 dias, snd mnr a idad à pubrdad das brrgas Smalis n Brasil. Wiggins t ai. (1970), para vins d li, m lima tmprad, nntraram 316 dias d idad à pubrdad, m variaçã d 197 a 577 dias, O fiint d rrlaçã ntr a idad ps a primir str pubral fi d r - 0,029, nsidrad d baixa magnitud nã-signifiativ statistiamnt. O plan nutriinal (Lathm 1966), ps (AlIn & Lamming 1961) tip d part (Munib t al. 1956) iiifluniam a idad à pubrdad m brrgas. Nas brrgas Smalis d Nrdst d Brasil, fi vrifiad qu primir str líni stá ampanhad da sgunda vulaçã. Cnsqüntmnt, a primira vulaçã dá-s sm rrênia d str líni. Os dads mstram qu 87,5% das brrgas tinham vulad ants d primir str líni, m uma taxa d vulaçã d 1,05 vidniada pla prsnçá d rps albians. Na sgunda vulaçã, bsrvu-s uma taxa d 1,13, dtrminada pla prsnça d rps lúts (Tabla 1). A taxa d vulaçã prntual d brrgas qu vularam ants d primir str pubral, stã d ard m s rsultads nntrads pr Ft t al. (1970) m brrgas das raças Clumbia, Hampshir Rambullt. Os dads sbr a atividad variana, durant a primira sgunda vulaçã m brrgas à pubrdad, indiam qu vári dirit é mais ativ (65,5%) qu squrd (34,5%). ssa infrmaçã aprxima-s da prntagm nntrada pr Casida t ai. (1966), 61,8%. A difrnça na atividad variana fi rlatada, também, pr utrs autrs, ntr ls MKnzi & Trril (1937) Hnning (1939). A idad ps a primir part fi d 531,8 ± 8,8 dias 22,2 ± 1,3 lg, rsptivamnt (Tabla 1). A rrlaçã (r -0,615) ntr as duas variávis fi ngativa signifiativa a nívl d P < 0,05. Ist signifia qu quant mair ps

3 DSMPNHO PRODUTIVO D OVLHAS 1797 rpral das fêmas mnr a idad d primir part. A idad a primir part rgistrada nst trabalh nrda m a nntrada pr Sakr & Trai! (1966b), na Áfria d Sul, para a msma raça. Mas a idad d 636,1 dias ps d 27,3 kg, nntrads pr Sinha t ai. (1979), a idad d 650 dias, dsrita pr Naxayanswamy t ai. (1976) para vins nativs da rgid smi-árida da Índia, s mairs. Cil stxal A Tabla 2 aprsnta númr d ils strais strs bsrvads pr idad ds animais épa d an. Pls rsultads mparads ntr fêmas jvns (nulíparas) adultas (pluríparas), pd-s dizr qu a duraç d id stral n fi difrnt nm ntr épas d an, xt para jvns quand mparadas statistiamnt ntr épas d an (P <0,05). Grant (1934) nntru qu a idad das matrizs n tm influênia na duraçã d il stral, qu stá d ard m s dads aqui dsrits. A duraçã média d il stral fi d 18,91 18,26 dias para a épa huvsa sa, rsptivamnt. sts rsultads difrm d 16,9 dias nntrads pr Hafz (1952).Jubrt TABLA 1. Idad (dias), ps (kg) taxa d vulaçi à pubrdad. Parâmtrs n Média ± Si C.V. Idad a primir astr ,4 ± 12,96 18,8 Ps a primir str 33 18,32 ± 0,46 10,9 Taxa d vulaçâ 1? vulaçâ' !vulaçt 24 1,13 Idad a primir part ,8 ± 8,8 5,9 Ps a primir part ± ,9 0, Cfiint d rrlaçff ntr idad ps a primir str (P > 0,05). Cfiint d rrlaçff ntr idad ps a primir part (P <0,05). TABLA 2. Duraçi d il stzal str pr épa d an idad (média ± 5)1 Idad 2 Chuvsa Épa Sa Signifiânia Cil stral (dias) Jvns 19,21 ±0,62(85)a 17,65±0,42(911)8 Adultas 18,69 ± 0,52(1 25) 18,65 ± 0,33(134)a N.S. Ttal 18,91 ±0,40(210) 18,26 ±0,26(225) N.S. str (hras Jvns 27,21 ± 0,97(11 6)a 28,96 ± 0187(98)a Adultas 30,62±0,82(164)b. Sl,Bl±,63(l58)b N.S. Ttal 29,20 ± 0,63(280) 30,77 ± 0,54(256) * Médias sguidas d ltras difrnts, na msma luna, difrm statistiamnt (P <0.05) Jvns - nul(paras; adultas - plurfparas. Algarism ntr parêntss rprsntam númr d bsrvaøs. statistiamnt signifiativ a P <0,05, ntr épas. Psq. agrp. bras., Brasília, 17(12): dz. 1982

4 1798 A.A. SIMPLÍCIO (1962) na Áfria d Sul, para vins Smalis. A duraçã d il stral variu d 8 a 43 dias (9-37 dias para as jvns 8-43 para as adultas) m uma amplitud d 35 dias, difrind das nntradas pr Grant (1934), Jubrt (1962) Spdy & Own (1975), qu mstraram variaçã d 6 a 68 dias. Pls rsultads nntrads, nlui-s qu a raça Smalis, m ndiçõs d Nrdst brasilir, pd sr nsidrada pliéstria ntínua, aprsntand, m média, 19 a 20 ils strais pr an. A duraçã d str é mais lnga m vlhas adultas quand mparada m a d fêmasjvns, xistind difrnça statístia (P < 0,05) para a épa huvsa sa. Aumuland-s s dads rfrnts à duraçã d str (jvns + adultas), bsrva-s difrnça statistiamnt signifiativa (P < 0,05) ntr épas, difrind ds rsultads alançads pr Jubrt (1962). Quand s fz mparaçã ntr épas pr idad (jvns adultas), nã s vrifiu difrnça statístia. A média d duraçã d str fi d 29,20 30,77 hras para a épa huvsa sa, rsptivamnt. Os príds straia individuais variaram d 6 a 48 hras para as fêmas jvns d 6 a 90 hras para as adultas. stas infrmaçõs s aprximam das rlatadas pr Jubrt (1962) sã mnrs d qu as aprsntadas pr Hafz (1952) Spdy & Own (1975). A duraçã d str das fêmas jvns fi mnr qu a das adultas. Sbr st partiular, Hafz (1952) mstru qu fêmas adultas tivram uma duraçã d str d 35,5 hras as jvns d 23 hras. A duraçã d il stral nntrada m vins Smalis n Brasil fi suprir à rlatada pr Grant (1934), Hafz (1952) Jubrt (1962), a duraçã d str fi suprir à nntrada pls msms autrs. Dsmpnh rprdutiv Na Tabla 3, pd-s bsrvar dsmpnh rprdutiv das fêmas adultas mparad m das fêmas jvns. A anális ds dads pl tst d qui quadrad india qu nã huv difrnça statístia ntr idads para s prntuais d fêmas brtas, índi d frtilidad ttal, frtilidad a part, abrts rtrn a str após a staçã d mnta, xt n rrspndnt à mrtalidad, snd sta mair (P <0,05) m rias riundas d matrizs jvns. A prprçã d fêmas brtas fi d 98,5 100% para matrizs adultas jvns, rsptivamnt ss prntual é suprir a nntrad pr Mul (1966) qu fi d 82 91% para vins riads n trópi smi-árid da Austrália. O índi d frtilidad d 87,3 a 88,1% nntrad nst trabalh supru nntrad na Austrália, 68% (Mul 1966). A prprçã d abrts m fêmas adultas fi mnr qu m fêmas jvns, sm havr signifiânia statístia. - O rtrn a str, após a staçã d mnta m fêmas adultas jvns, fi d 10,6 12,5%, rsptivamnt. Os dads antrirmnt dsrits prmitm dizr qu, pssivlmnt, huv ausênia d frtilizaçã, mrt mbrinária /u ftal. Cntud a difrnça nx fi signifiativa (P > 0,05). Pans múltipls Na Tabla 3, bsrva-s qu índi d prlifiidad btid fi d 1,10 para as matrizs jvns d 1,32 para as adultas, snd a prlifiidad ttal d 1,26, intraland.s n intrval d 1,04 a 1,29 mstrad pr Bdis t al. (1975) para vlhas Smalis na Vnzula. A rlativa baixa d prlifiidad, aratrístia da raça Smam, é nsidrada favrávl para urna alta viabilidad das aias, alt dsnvlvimnt rpral rduzid strss das vlhas m lataçã (Winrk Intrnatinal Livsti Rsarh and Training Cntr 1977). A idad da matriz tm influênia na frqüênia d parts múltipls (MKnzi & Trril 1937). Os rsultads dst trabalh mstram qu rrm 10,5 a 31,6%, d parts dupls m animaisjvns adults, rsptivamnt Na Austrália, Mul (1966) nntru, m média, 11,1% d parts dupls, variand d O a 60%. Príd d gstaçã O príd médi d gstaçã bsrvad fi d 148,7 dias, m uma variaçã d 145 a 153 dias (Tabla 4). Nã huv difrnça statístia ntr a duraçã ds príds d gstaçã d matrizs d parts simpls (148,6 dias) d parts dupls (149 dias). ntrtant, nta-s qu a média d príd d gstaçã btida nst trabalh fi suprir à nntrada pr Jubrt (1962) para a msma raça, 146,5 dias, m uma variaçã d 137 a 160 dias. Psq. agrp. bras., Brasília, 17(12): , dz. 1982

5 DSMPNHO PRODUTIVO D OVLHAS 1799 TABLA 3. Dsmpnh rprdutiv d vlhas da raça Smalis. Adultas Jvns Parâmtrs X 2 Signifiânia n % n % Fêmas m staçã d mnta , ,00 Fêmas brtas 66 98, ,00 0,61 N.S. Frtilidad ttal , ,50 0,02 N.S Frtilidad a part , ,17 0,41 N.S. Índi d abrts 1 2 2,99 2 8,33 1,20 N.S. Prlifiidad , ,53 Rtrn após staçã d mnta , ,50 0,07 N.S. Mrtalidad das rias 3 4 5, ,05 4,04 1 Basad n númr d fêmas m staçã d mnta. Basad n númr d vlhas brtas. Até dsmam (90 dias d idad). Signifiativ a P <0,05. TABLA 4. Príd d gstaçã (dias) tip d part. Prld d gstaçã Tip d part Média± s. Variaçã &mpls 148,6 ± 026a (75,0) Dupls 149,0 ± 174a (25,0) Ttal 148.7±0, (100,0) 'Médias sguidas d ltras Iguais, ntr linhas, nã difrm statistiamnt. Prprçã sxual D 96 rias nasidas, a prprçã sxual fi d 47,80%. sss rsultads aprximam-s d 48,96%, nntrads pr Hnning (1939), d um ttal d rdirs da raça Suthdwn m dima tmprad. str após part As médias ds intrvals ntr part primir str pós-part para parts simpls dupls fram d 70,26 69,71 dias, rsptivamnt. stas médias d intrvals fram d 67,06 dias para fêmas jvns d 71,02 para adultas (Tabla 5). m ambs s ass, as difrnças nã fram signifiativas (P > 0,05). As médias nntradas aprximam-s da média d 90 dias mstrada pr Jubrt (1962) para a raça Smalis. A atividad stral pós-part stá influniada pr divrss fatrs, ntr ls, a lataçã (Orji & Stinbah 1980) tip d part (Barkr & Wiggins 1964b). Para Hafz (1952), príd ntr part primir str pós-part rr as 35 dias, snd st intrval mais lng m vlhas latants. Ft (1971) nntru qu 33% d vlhas latants 89% d nã-latants, aprsntaram primir str pós-part até as 65 dias. Barir & Wiggins (1964a) mstraram qu as matrizs da raça Rambullt aprsntaram primir str 15 a 27 hras após part. Barkr & Wiggins (1964b) rlatam qu fêmas d dis ans d idad aprsntam primir str pós-part, m média, as 71,8 dias as fêmas adultas as 74,7 dias, snd stas difrnças nã-signifiativas (P > 0.05). sta infrmaçã nrda m s rsultads aqui dsrits, as fêmas jvns aprsnta- Psq. agrp. bras., Brasília, 17(12): , dz. 1982

6 1800 A.A. SLMPLI'CIO. TABLAS. Intrval ntr part primir str pós-part (dias). Variávis 1 n Média ± SZ Varlaç3 Tip d pan Simpls 54 70,26 ± 3.68 N.S Dupls 17 69,71 ± 6, Idad Jvns ± 7,45 N.S Adultas 55 71,02 ±3, Ttal 71 70,13±3, N.S. - statistiamnt n-signifiativ. ram, m média, intrvals mais urts qu as adultas. Rlainand tip d part m primir str pós-part ru fi nntrada nnhuma difrnça statístia. ntrtant, Barkr & Wiggins (1964b) nntraram qu as fêmas d parts simpls aprsntam um intrval ntr part primir str pós-part mnr. Na índia, Sinha t ai. (1980) nntraram, m vins da raça Muzaffarnagari, qu primir str pós- -part rru, m média, 134 a 195 dias, snd, prtant, mair d qu intrval nntrad nst trabalh. Intrval ntr pans O intrval ntr pans d 30 vlhas variu d 234 a 557 dias. A média d 281,3 ± 9,8 dias aprxima-s da média d 255 ± 2,3 dias, rlatadas pr Sair & Trail (1966b) m avias Smalis, d 270 dias, rlatada pr Barir & Wiggins (1964a), m Rmbuillt m zna d lima tmprad. m ndiçõs d trópi smi-árid d Sul da India, m vlhas dslanadas da raça Bannur, intrval ntr pans fi d 304,4 dias (Narayanswamy t ai, 1976), d 221,4 dias para vins da Nigéria (Orji & Stinbah 1980). Prduçi d lit A prduçi d lit é um fatr imprtant n dsnvlvimnt d rdirs sgund Bnsma (1944), Own (1957) Sair & Trail (1966a). A prduçi d lit pd sr influniada pla nutriçâ da vlha durant últim trç da gstaçi iníi da lataçi, idad da matriz tip d part. A prduçi d lit d dz vlhas Smalis, durant 80 dias, m média, fi d 211,7 ± 14,5 gldialvlha. Bnsma (1944) Jubrt (1962), m vins Smalis, nntraram 394,9 394,3 g/dia d prdufl láta, rsptivamnt, rrnd a máxima prduçâ durant as três primiras smanas d lataçi. Os rsultads nntrads nst trabalh fram mnrs d qu s mstrads pls autrs itads. Mrtalidad d rias Os 5,33% d mrtalidad d aias riundas d matrizs adultas fram statistiamnt infrirs (P <0,05) as 19,05% d mrtalidad para aias d matrizs jvns (Tabla 3). Cntud índis d mrtalidad d 20,11% 15,80 a 27,50% para as aias matrizs jvns adultas, rsptivamnt, dsrits pr Trail & Sakr (1966), s d 29,00% dsrits pr Mul (1966) d 21,00% dsrits pr Masn (1980) s suprirs as nntrads nst trabalh. Divrss autrs dmnstraram a imprtánia d ps a nasr na viabilidad das aias. As rias qu mrrm, gralmnt, aprsntam mnr média d ps a nasr d qu a média das qu sbrvivm. O mair prntual d mrts fi rgistrad para as aias d part dupl. Nnhuma difrnça dvid a sx fi nntrada pr Trail & Sakr (1966). Pr utr lad, s msms autrs dmnstraram qu a mrtalidad prinatal é mair m rias d part simpls qu nas d parts dupls dvid a rrênia d um mair númr d parts distóis. Ps a nasr a dsmain Na Tabla 6, s aprnsntads s pss a nasr a dsmam das aias, pr an, tip d part, sx, as intraçõs. Pls dads, pd-s dduzir qu n huv difrnça statístia ntr ans para ps a nasr, prém xistind difrnça (1' < 0,05) a dsmam. Para ambs s pss, a nasr a dsmam, rlainads m tip d part, huv difrnças statístias a nívl d P < 0,01, snd mairs para rdirs riunds d part simpls. O sx das rias n mstru influênia ns pss, a nasr a dsmam. As intraçõs mstradas rfltm parsmtr ps m difrnts idads, quand mparad, sparadamnt, pr tip d part sx das rias. O ganh diári d ps ntr nasimnt dsmam as dias d idad fi d 101,00 87,70 g para rias d part simpls dupl, rsptivamnt, Psq. agrp. bras., Brasília, 17(12): dz. 1982

7 DSMPNHO PRODUTIVO D OVLHAS 1801 TABLA 6. Dsnvlvimnt pndral d rias da raça Smalis d nasimnt a dsmam. Parâmtrs Pss médis'(kg) pr quadrads mínims (s;.) A nasr A dsmam An ,06 (0,09)a 11,46 (0,41)a (008)a 950 (035)b ,93 (007)a Tip d part Simpls 2,31 (0,05)" 11,38 (0,31) Múltipls 1,68 (0,07) 9,57 (0,45) Sx Mah 2,07 (007)a 10,80 (039)a Fêma 1,91 (0) a (033) a Tip d pan X sx Simpls-mah 2,34 (008)a 11,73 050)a Simpls-fêma 2,27 (008)ab 11,03 (0149)a Múltipls-mahs 1,81 (010)b 9,81 (0,64) Múltipls-fêmas 1,56 (0,08)C 9,28 (0,57)b Médias, para msm parâmtr, sguidas d ltras difrnts na msma luna, difrm statistiamnt a P <0,05. statistiamnt signifiativ a P <0,01. snd suprir a d 62,00 72,70 g nntrad pr Sakr & Trai! (1966b), infrir a d 136 g dsrit pr Rastgi t ai. (1979a). A média d ps a nasr fi d 2,02 ± 0,10, variand d 1,68 a 2,31 lg, a dsmam, d 10,50 ± 0,40, variand d 9,57 a 11,38 kg. As médias nntradas nst trabalh fram infrirs às aprsntadas pr Sair & Trail (1966b), Ris (1968), Bdis t ai. (1975), Rastgi t al (1979a), Masn (1980). st fat, m part, é justifiad pla baixa prduçã láta diária das matrizs Smalis n Nrdst d Brasil. A urva d dsnvlvimnt rpral das rias sbr ttal d animais nasids rrspnd à quaçã d rgrssã y - 4,08 + 0,055x, snd y ps viv x a idad m dias. Para sta quaçã nã fram lvads m nsidraçã ; fits d an, sx tip d part. Ps adult O ps adult das matrizs Smalis variu d 15,10 a 36,02 kg m uma média d 25,20; 26,20 26,10 kg pré pós-staçã d mnta a part, rsptivamnt (Tabla 7). A média nn- 'a b -.9 +I ) S N l.-.0 lq +1 - la V I - < Ip (0 l r < (0.. : r.. :3 is i)'i'í.t: : z - zz 66 d rulu) * - d :3 0. :3 ii '1-0 - 'a. < < < v - ' (O ui v - 4, 1, 'a ti ' - 8 -D :3 8 a, 1. 'a 8. 4, 'a 4, 2. Psq. agrp. bras., Brasília, 17(12): , dz. 1982

8 1802 A.A. SIMPLÍCIO trada n Brasil é infrir as pss d kg rlatads, para a raça Smalis na Clômbia n país d rigm, pr Fitzhugh & Bradfrd (1979). A influênia d ps da matriz n ps das aias a nasr a dsmam pd sr bsrvada pr mi das rrlaçõs psitivas statistiamnt signifiativas aprsntadas na Tabla 7. A influênia d ps da matriz é vidniada até dsmam, snd ganh d ps, daí para frnt, rsultad da apaidad gnétia individual ds animais. Outra vidênia é qu ps da ria a nasr influnia dirtamnt ps a dsmam; s. t, pr sua vz, influnia, da msma frma, ps a um an d idad. R F RÉNCIAS ALLN, D.M. & LÀMMING, G.. Sm ffts f nutritin n th grwth and sxual dvlpmnt f w lambs. J. Agri. Si, 57:87-97, BARICR, & WIGGINS,.L. strual ativity ia latating ws. J. Anim. Si., 23(4)973-80, 1964a. BARKR, H.B. & WIGCINS,.L. Ourrn f pst- -partum strus in fall-lambing ws. J. Anim. Si, 23(4)967-72, 1964b. BODISCO,V. DUQU, C.M. & VALL, A.S. Prfrman t trpial shp in Anim. Brd. Abst, 43(8)393, BONSMA, F.N. Milk prdutin studis with shp. Farni. Suth Ah., 19:311-24, CASIDA, L..; WOODY, C.D. & POP, A.L. lnquality ia funtin f th ríght tind Ift varis and utrin hrns f th w. 1. Anim. Si, 25(4)fl69-71, FITZHUGI-I, H.A. & BRADFORD, G.. Hair shp prdutin systms a survy f gnti raurs. Mrriltn, Arkansas, Winrk Intrnatinal Livstk Rsarh and Training Cntr, p. FOOT, W.C. Sm influns f latatin and hrmn tratmnt n utrin hangs in ps-partum shp. J. Anim. Si., 32(Supp1. 1):48-54, FOOT, WC.; SFIDBAICHT, N. & MADSN, M.A. Pubral strus and vulatin and subsqunt strus yl pattrns ia th w. J. Anim. Si, 30(1)t6-90, GRANT, R. Studis t th physilgy f rprdutin ia th w. Trans. Ry. S. dinb.,58(1):1-47, HAFZ,.S.. Studis f th brding sasn and rprdutin f th w. 3. Agri. Si, 42(3): , HNNING, W.L. Prnatal and pstanal sx rati in shp. J. Agri. Rs., 58(8)565-80, JOUBRT, D.M. Sx bbaylur f purbrd and rssbrd mrin and blakhad prsian w. J. Rprd. Frt., 341-9,1962, LATHM, J.H. Nutritinal ffts n hnnn prdutin. J. Anim. Si, 25:68-82, Suplmnt. MASON, I.L. Prlifi trpial shp. Rm, Italy, FAQ, p. (PÃO Animal Prdutin and Halth Papr, 17). MCKNZI, F.P. & TRRIL, C.. strus, vulatin and rlatd phnmna ia fit w. Missuri, Agriultural xprimnt Statin, p. (Rsarh Bulltin, 264). MOUL, G.R. Ovin rprdutin ia trpial Australia. Aust. Vt. 3., 42:13-8, MOUNIB, M.S.; ARMD i I.A. & RAMADA, M.K.O. A study f Us sxual bhaviur f th fmal Rahamani shp. Alxandria J. Agri, RL, 4S5-108, NARÂYANSWÀMY, M.; BLAIN, D.S. & SINGH, B. A nt n studis n ag at first Iambing and lambing intrval ia Bannur (Mandya) shp. Indian 1. Mim. Si, 46(1)47-9,1976. ORJI, B.I. & STINBACH, S. Pst-paitum anstrus prid and laxnbing intrval ia th Nigrian dwarf shp. Buil. Anim. Hlth. Prd. Ah., 28:366-71, OWN, J.B. A study f th latatin and grwth f hill shp ia thir nativ nvirmnnt undr lwlaad nditins. L Agri. Si, 48(4): , PINHIRO JUNIOR, C.G. Ovins n Brasil. S Paul, Cháaras Quintais, RASTOCI, RJC; YOUSSF, P.C.; KNSDUMAS, M.J. & DAVIS, D. Nt n arly grwth rats f lambs f sm trpial brds. Trp. Agri., 56(3)259-61, 1979a. RASTOGI, R.K. ;ÀRCHIBALD, K.A.. &ICNSDUMAS, M.J. Shp prdutin ia Tbag with spial rtrn t blnhim shp statin. In: PITZHUGH, H.A. & BRADFCRD, G.. Hair shp prdutin systms, a srvy f gnti rrurs, Mrriltn, Àrkansas, Winri Intrnatinal Livstk Rsarh and TrainingCntr, 1979b. p RIOS, C.F. Bhaviur f Prsian blak had, wst Afrian, Barbads blak blly and nativ rill shp at th Cntr d Invstigains Agrnómias, Vnzula. In:WORLD CONF. AMM. PROD. UNIV. 2, Maryland, USA. Prdings p304. SACKR, G.D. & TRAIL, J.C.M. Th fft f yar, sukling, dry sasn and typ f dam (w r gimmr) n milk prdutin ia ast Afria Blakhadd shp as masurd by lamb grwth. J. Agri. Si., Camb., 66:93-5, 1966a. SACICR, GD. & TRAIL, J.C.M. Ptdutin haxatristis f a flk f ast Afrian Blakhad shp.. Afr. Agri. Fr. 1., 31:392-8, 1966b. SINHA, N.Y,; , J.D. & SANHI, ICL. Nt n th urrn f pubrty and sxual maturity ia nativ and rss-brd shp rard undr nfinmnt. Indian J. Anim. Si, 49(12):1096-8, SINHA, N.Y,; WANI, G.M. & SAMII, K.L. Nt n pst- -partum strus and srvi prid intrval ia Muzaffarnagari and rss-brd ws. Indian 3. Anim. Si, 50(8)661-3, SPDY, A.W. & OWN, J.B. Fatrs affting th Psq. agrp. bras., Brasília, 17(12): , dz. 1982

9 DSMPNHO PRODUTIVO D OVLHAS 1803 ssatin f strus ativity in ws. Afim. Prd., 21(3)a51-5, TRRILL, C.. Adaptatin f shp and gats. In: HAFZ,.S.. Adaptatin f dmsti animais. Philadlphia, La & Fbigr, 'llsp. TRAIL. J.C.M. & SACKR, G.D. Lajnb mrtality ia a Ilk f ast Afrian Blakhadd shp. 1. Àgri. SL,Camb., 66:91-100, VIIRA, G.V.N. & SANTOS, V.T. ds. CriaçS d vl- ns suas nfrmidads. 3. d. Si Paul, Mlhramnts, p. WIGGINS,.L; MILLR III, W.W. & BARKR, H.B. Ag at pubrty ia fali-bm w lambs. 3. Anim. Sd, 30(6)974-7, WINROCK Intrnatinal Livstk Rsarh and Training Cntr. Mrriltn, Àrkansas. Th rl f shp and gata ia agriultura! dvlpmnt. Mrriltn, Arkansas, lv. Psq. agrp. bras., Brasília, 17(12): , dz. 1982

Lista de Exercícios 4 Cálculo I

Lista de Exercícios 4 Cálculo I Lista d Ercícis 4 Cálcul I Ercíci 5 página : Dtrmin as assínttas vrticais hrizntais (s istirm) intrprt s rsultads ncntrads rlacinand-s cm cmprtamnt da funçã: + a) f ( ) = Ants d cmçar a calcular s its

Leia mais

Propagação de sinais senoidais em um cabo coaxial

Propagação de sinais senoidais em um cabo coaxial Disipina: Ondas Prpaaçã Prf.: Dr. Airtn Rams Univrsidad d Estad d Santa Catarina Cntr d Ciênias Tnóias CCT Dpartamnt d Ennharia Eétria Labratóri d Etrmantism E-3 Prpaaçã d sinais snidais m um ab axia O

Leia mais

1) Determine o domínio das funções abaixo e represente-o graficamente: 1 1

1) Determine o domínio das funções abaixo e represente-o graficamente: 1 1 ) Dtrmin dmíni das funçõs abai rprsnt- graficamnt: z + z 4.ln( ) z ln z z arccs( ) f) z g) z ln + h) z ( ) ) Dtrmin dmíni, trac as curvas d nívl sbc gráfic das funçõs: f (, ) 9 + 4 f (, ) 6 f (, ) 6 f

Leia mais

CONTINUIDADE A idéia de uma Função Contínua

CONTINUIDADE A idéia de uma Função Contínua CONTINUIDADE A idéia d uma Função Contínua Grosso modo, uma função contínua é uma função qu não aprsnta intrrupção ou sja, uma função qu tm um gráfico qu pod sr dsnhado sm tirar o lápis do papl. Assim,

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

INDICAÇÃO DE EVENTOS ESPORTIVOS: BADMINTON Programa Bolsa Atleta 2014. ANEXO 1 Indicação de Eventos para a Categoria Atleta de Base

INDICAÇÃO DE EVENTOS ESPORTIVOS: BADMINTON Programa Bolsa Atleta 2014. ANEXO 1 Indicação de Eventos para a Categoria Atleta de Base INDICAÇÃO DE EVENTOS ESPORTIVOS: BADMINTON Prgrama Blsa Atlta 2014 ANEXO 1 Indicaçã d Evnts para a Catgria Atlta d Bas A) Campnat Nacinal Jvns 2013 Natal / RN - catgria Sub-15 ans; Lcal d ralizaçã: Cmplx

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

Armazenamento de Sementes de Milho em Recipientes Reutilizáveis

Armazenamento de Sementes de Milho em Recipientes Reutilizáveis Arznnt d Snt d Milh Rcipint Rutilizávi Miz Sd Strg In Rubl Cntinr SANAZÁRIO, Ann Chritin 1. kinzri@yh.c.br; COELHO, Fábi Cunh 1. fclh@unf.br; VIEIRA, Hnriqu Durt 1. hnriqu@unf.br; RUBIM, RqulL Filh 1.

Leia mais

A energia cinética de um corpo de massa m, que se desloca com velocidade de módulo v num dado referencial, é:

A energia cinética de um corpo de massa m, que se desloca com velocidade de módulo v num dado referencial, é: nrgia no MHS Para studar a nrgia mcânica do oscilador harmônico vamos tomar, como xmplo, o sistma corpo-mola. A nrgia cinética do sistma stá no corpo d massa m. A mola não tm nrgia cinética porqu é uma

Leia mais

Programa Bolsa Atleta 2013

Programa Bolsa Atleta 2013 INDICAÇÃO DE EVENTOS ESPORTIVOS: BADMINTON Prgrama Blsa Atlta 2013 ANEXO 1 Indicaçã d Evnts para a Catgria Atlta d Bas A) Campnat Nacinal catgria Sub-15 ans; Lcal d ralizaçã: Prt Algr / RS; Príd da Cmptiçã:

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL)

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL) 4. Método das Aproimaçõs Sucssivas ou Método d Itração Linar MIL O método da itração linar é um procsso itrativo qu aprsnta vantagns dsvantagns m rlação ao método da bisscção. Sja uma função f contínua

Leia mais

Numeração. Classificação. Doenças Assunto. Seguro Público para Assistência Médica Tema. "Kenko Hoken" Seguro de Saúde. 1 Exemplos de Situações

Numeração. Classificação. Doenças Assunto. Seguro Público para Assistência Médica Tema. Kenko Hoken Seguro de Saúde. 1 Exemplos de Situações Numraçã 8-4-2 Nívl d cnsulta 3 Classificaçã Dnças Assunt Sgur Públic para Assistência Médica Tma "Knk Hkn" Sgur d Saúd 1 Exmpls d Situaçõs Estu trabalhand m uma mprsa japnsa. Dsj sabr s há algum sgur para

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

Como se tornar fluente em Inglês em todas as áreas

Como se tornar fluente em Inglês em todas as áreas Cm s trnar flunt m Inglês m tdas as áras Tds s dias rcbms muits -mails pssas rm sabr pm fazr aprnr a falar ingls bm A fórmula xist sim funcina! Qur prvar iss dand minha própria xpriência cm aprndizad da

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

O raio de um núcleo típico é cerca de dez mil vezes menor que o raio do átomo ao qual pertence, mas contém mais de 99,9% da massa desse átomo.

O raio de um núcleo típico é cerca de dez mil vezes menor que o raio do átomo ao qual pertence, mas contém mais de 99,9% da massa desse átomo. Caractrísticas Grais do Núclo O raio d um núclo típico é crca d dz mil vzs mnor qu o raio do átomo ao qual prtnc, mas contém mais d 99,9% da massa dss átomo. Constituição O núclo atômico é composto d partículas

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14 Eu só qu u xdó Músic n scl: xcíci 14 Eu só qu u xdó Ptitus Mi, hni lt Aut: Dinguinhs stáci Rgiã: Pnbuc : 1973 Fix: 14 Anj: Edsn Jsé Alvs Músics: Edsn Jsé Alvs vilã Pvt clints, sx t Jsé Alvs Sbinh Zzinh

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

ESCALA DE PITTSBURGH PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SONO

ESCALA DE PITTSBURGH PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SONO ESCALA DE PITTSBURGH PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SONO As qustõs sguints rfrm-s as sus hábits d sn durant mês passad. Suas rspstas dvm dmnstrar, d frma mais prcisa pssívl, qu acntcu na mairia ds dias

Leia mais

Alteração da seqüência de execução de instruções

Alteração da seqüência de execução de instruções Iníci Busc d próxim Excut Prd Cicl busc Cicl xcuçã Prgrm Sqüênci instruçõs m mmóri Trdutr : Cmpilr X Intrprtr / Linkditr Cnvrt prgrm-fnt m prgrm bjt (lingugm máqui) Prgrm cmpil = mis rápi Prgrm Intrprt

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Dspacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União d 17/07/2003 (*) Portaria/MEC nº 1.883, publicada no Diário Oficial da União d 17/07/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

CAPÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS

CAPÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS APÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS As filas m intrsçõs não smaforizadas ocorrm dvido aos movimntos não prioritários. O tmpo ncssário para ralização da manobra dpnd d inúmros fators,

Leia mais

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE Glauco José Rodrigus d Azvdo 1, João Zangrandi Filho 1 Univrsidad Fdral d Itajubá/Mcânica, Av. BPS, 1303 Itajubá-MG,

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado ATENÇÃO: Escreva a resluçã COM- PLETA de cada questã n espaç reservad para a mesma. Nã basta escrever apenas resultad final: é necessári mstrar s cálculs racicíni utilizad. Questã Caminhand sempre cm a

Leia mais

Capacidade em Rotundas. Métodos e Problemas

Capacidade em Rotundas. Métodos e Problemas Métodos Problmas Basado numa ompilação fita plos alunos Elisu Vinagr nº 37872 João Costa nº 37893 Susana Figuira nº 46088 IST/ Liniaturas m Engª Civil & Trritório - Mstrado m Transports - Gstão d Tráfgo

Leia mais

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice)

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice) PESQUISA MENSAL DO COMÉRCIO JULHO DE 2012 A psquisa mnsal do comércio, ralizada plo IBGE, rgistrou um crscimnto positivo d 1,36% no comparativo com o mês d julho d 2012 para o volum d vndas varjista. Podmos

Leia mais

6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA

6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE FÍSICA DEPARTAMENTO DE FÍSICA DA TERRA E DO MEIO AMBIENTE CURSO: FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I E SEMESTRE: 2008.1 6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA Considr g=10

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG SUMÁRIO PARTE I BENEFÍCIO DE APOSENTADORIA 1 - NOÇÕES SOBRE O BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como:

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como: ASSOCIAÇÃO EDUCACIONA DOM BOSCO FACUDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA EÉICA EEÔNICA Disciplina: aboratório d Circuitos Elétricos Circuitos m Corrnt Altrnada EXPEIMENO 9 IMPEDÂNCIA DE CICUIOS SÉIE E

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa E. alternativa B

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa E. alternativa B Questã 1 Uma pesquisa de mercad sbre determinad eletrdméstic mstru que 7% ds entrevistads preferem a marca X, 40% preferem a marca Y, 0% preferem a marca Z, 5% preferem X e Y, 8% preferem Y e Z, % preferem

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Escla Básica Scdária Dr. Âgl Agst da Silva Tst d MATEMÁTIA A º A Draçã: 9 mits Març/ 3 Nm Nº T: lassificaçã O Prf. (Lís Abr) ª PARTE Para cada ma das sgits qstõs d sclha múltipla, slci a rspsta crrta d

Leia mais

uma estrutura convencional. Desta forma, o desempenho de um sistema estrutural está diretamente relacionado com o desempenho de suas ligações.

uma estrutura convencional. Desta forma, o desempenho de um sistema estrutural está diretamente relacionado com o desempenho de suas ligações. ISSN 1809-5860 ESTUDO DE UMA LIGAÇÃO VIGA-PILAR UTILIZADA EM GALPÕES DE CONCRETO PRÉ- MOLDADO Anamaria Malachini Miotto 1 & Mounir Khalil El Dbs 2 Rsumo Em gral, as ligaçõs ntr lmntos pré-moldados d concrto

Leia mais

Encontro na casa de Dona Altina

Encontro na casa de Dona Altina Ano 1 Lagdo, Domingo, 29 d junho d 2014 N o 2 Encontro na casa d Dona Altina Na última visita dos studants da UFMG não foi possívl fazr a runião sobr a água. Houv um ncontro com a Associação Quilombola,

Leia mais

Procedimento em duas etapas para o agrupamento de dados de expressão gênica temporal

Procedimento em duas etapas para o agrupamento de dados de expressão gênica temporal Procdimnto m duas tapas para o agrupamnto d dados d xprssão gênica tmporal Moysés Nascimnto Fabyano Fonsca Silva Thlma Sáfadi Ana Carolina Campana Nascimnto Introdução Uma das abordagns mais importants

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

w2-49-, 01 PL PROJETO DE LEÍ 01-0846/1995

w2-49-, 01 PL PROJETO DE LEÍ 01-0846/1995 (2-4- LIDO HOJE AS COMISSÕES DE: S E I 995 nnnnnnnnnnnnnnnnnnnn w2-49-, 01 PL PROJETO DE LEÍ 01-0846/1995 Dnmina "Praça Marcus França Trrs" a Praça VI, cadlg 46.573-9, situada n Distrit d Jaraguá - JAR.

Leia mais

BALIZA. Cor central.da PLAYMOBIL podes fazer passes. verde-claro curtos, passes longos e, até, rematar para com a nova função de rotação.

BALIZA. Cor central.da PLAYMOBIL podes fazer passes. verde-claro curtos, passes longos e, até, rematar para com a nova função de rotação. PONTAP DE SAÍDA TCNICAS DE Pntpé bliz Est lnc cntc n iníci jg pós cd gl. Est Gnhs cntr p dis"d jg- bl qund cm dis st jgdrs cir list d cmp tu d quip: pntpé é dd REMATE ntr d círcul cntrl. Os jgdrs jg cm

Leia mais

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU ANEXO II Coficint d Condutibilidad Térmica In-Situ AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU AII.1. JUSTIFICAÇÃO O conhcimnto da rsistência térmica ral dos componnts da nvolvnt do difício

Leia mais

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício OFICINA 9-2ºSmntr / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Profssors: Edu Vicnt / Gabrila / Ulício 1. (Enm 2012) As curvas d ofrta d dmanda d um produto rprsntam, rspctivamnt, as quantidads qu vnddors

Leia mais

! $&% '% "' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 / " ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',!

! $&% '% ' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 /  ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',! "#$%% $&% '% "' ' '# '"''%(&%') '*'+&%'# ),'#+# ' %, # - ' # ' "%'''' ' * '. % % ', '%'# ''''') /%, 0.1 2 / " ') 33*&,% *"'",% '4'5&%64'' # ' + 7*' # + "*''''' 12''&% '''&")#'35 ''+,'#.8.&&%, 1 92 '. #

Leia mais

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos.

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos. DETERMNAÇÃO DA EQUAÇÃO GERAL DO PERÍODO DO PÊNDULO SMPLES Doutor m Ciências plo FUSP Profssor do CEFET-SP Est trabalho aprsnta uma rvisão do problma do pêndulo simpls com a dmonstração da quação do príodo

Leia mais

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG)

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG) Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jfrson Tixira (Grad /UEPG) Valska Gracioso Carlos (UEPG) 1. Introdução Graças á rgulamntaçõs impostas por acordos

Leia mais

Válvula Condicionadora de Vapor Tipo DUP. e válvula de controle de água de resfriamento

Válvula Condicionadora de Vapor Tipo DUP. e válvula de controle de água de resfriamento Válvula Condicionadora d Vapor Tipo DUP válvula d control d água d rsfriamnto Aplicação: Válvula Condicionadora d Vapor para Cntrais Elétricas Procssos Industriais combinada numa unidad com válvula d control

Leia mais

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7 1) É tã bnit n tr (ntrd) cminh cm Jesus (Miss d Temp mum cm crinçs) & 2 4 m œ É tã b ni t n_ tr me s s gr d, & œ t h brn c, ve ce s. & _ Mis s vi c me çr n ns s_i gre j; _u & j im c ris ti cm e gri, v

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES Rodrigo Sousa Frrira 1, João Paulo Viira Bonifácio 1, Daian Rznd Carrijo 1, Marcos Frnando Mnzs Villa 1, Clarissa Valadars Machado 1, Sbastião Camargo

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Smstr/2015 Ensin Técnic Códig: 0262 ETEC ANHANGUERA Municípi: Santana d Parnaíba Cmpnnt Curricular: Gstã Emprsarial Módul: 1 Eix Tcnlógic: Sgurança C. H. Smanal: 2,5 Habilitaçã

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO?

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? Luís Augusto Chavs Frir, UNIOESTE 01. Introdução. Esta é uma psquisa introdutória qu foi concrtizada como um studo piloto d campo,

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta ATENÇÃO: Escreva a resluçã COMPLETA de cada questã n espaç a ela reservad. Nã basta escrever resultad final: é necessári mstrar s cálculs u racicíni utilizad. Questã Uma pessa pssui a quantia de R$7.560,00

Leia mais

e-manual Premium FÍSICO-QUÍMICA 9.o ANO Experimente em espacoprofessor.pt

e-manual Premium FÍSICO-QUÍMICA 9.o ANO Experimente em espacoprofessor.pt FÍSICO-QUÍMICA 9. ANO Manual Tabla Priódica (frta a alun) Fichas (frta a alun) Apis Áudi (fichirs mp para dwnlad) Cadrn d Atividads (inclui Fichas d Labratóri) Cadrn d Labratóri Matriais Manipulávis Dssir

Leia mais

Carcinoma Medular da Tireóide

Carcinoma Medular da Tireóide Serviç de cabeça e pescç HUWC Mári Sérgi R. Macêd Intrduçã 5 a 10 % ds cânceres tireóides Origem: Células C prdutras de calcitnina Hazard em 1959 Subtip histlógic Steiner em 1968 defeniu NEM Intrduçã O

Leia mais

NOTAS CIENTÍFICAS UM MODELO QUADRÁTICO INVERSO NA DETERMINAÇÃO DO TAMANHO E FORMA DE PARCELAS PARA O CONSÓRCIO MILHO COM ALGODÃO 1

NOTAS CIENTÍFICAS UM MODELO QUADRÁTICO INVERSO NA DETERMINAÇÃO DO TAMANHO E FORMA DE PARCELAS PARA O CONSÓRCIO MILHO COM ALGODÃO 1 NOTAS CIENTÍFICAS UM MODELO QUADRÁTICO INVERSO NA DETERMINAÇÃO DO TAMANHO E FORMA DE PARCELAS PARA O CONSÓRCIO MILHO COM ALGODÃO 1 ENEDINO CORRÊA DA SILVA2, VALDENIR QUEIROZ RIBEIRO 3 DALTON FRANCISCO

Leia mais

Campo elétrico. Antes de estudar o capítulo PARTE I

Campo elétrico. Antes de estudar o capítulo PARTE I PART I Unidad A 2 Capítulo Sçõs: 21 Concito d 22 d cargas puntiforms 2 uniform Ants d studar o capítulo Vja nsta tabla os tmas principais do capítulo marqu um X na coluna qu mlhor traduz o qu você pnsa

Leia mais

3. Geometria Analítica Plana

3. Geometria Analítica Plana MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSITICA APOSTILA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PLANA PROF VINICIUS 3 Gomtria Analítica Plana 31 Vtors no plano Intuitivamnt,

Leia mais

Definição de Termos Técnicos

Definição de Termos Técnicos Dfinição d Trmos Técnicos Eng. Adriano Luiz pada Attack do Brasil - THD - (Total Harmonic Distortion Distorção Harmônica Total) É a rlação ntr a potência da frqüência fundamntal mdida na saída d um sistma

Leia mais

Datas das próximas viagens da UFMG. Sondagem do solo em Lagedo e Riacho

Datas das próximas viagens da UFMG. Sondagem do solo em Lagedo e Riacho Ano 2 Lagdo, Domingo, 31 d maio d 2015 N o 12 Datas das próximas viagns da UFMG Data Casa 12 29 d maio a 31 d maio d 2015 Alcion/Paulo 13 26 d junho a 28 d junho d 2015 Gralda/Antônio 14 24 d julho a 26

Leia mais

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ATUAL

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ATUAL INFORME EPIDEMIOLÓGICO Nº 05/2015 SEMANA EPIDEMIOLÓGICA 50 (13 A 19/12/2015) MONITORAMENTO DOS CASOS DE MICROCEFALIAS NO BRASIL Este infrme d COES Micrcefalias visa dcumentar e divulgar infrmações atualizadas

Leia mais

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Ants da MP nº 665/14 Art. 2o-B. Em carátr xcpcional plo prazo d sis mss, os trabalhadors qu stjam m situação d dsmprgo involuntário plo príodo comprndido ntr doz dzoito mss, inintrruptos, qu já tnham sido

Leia mais

ASSUNTO Nº 4 POLARIDADE INSTANTÂNEA DE TRANSFORMADORES

ASSUNTO Nº 4 POLARIDADE INSTANTÂNEA DE TRANSFORMADORES ASSUNTO Nº 4 POLARIDADE INSTANTÂNEA DE TRANSFORMADORES 17 As associaçõs d pilhas ou batrias m séri ou parallo xigm o domínio d suas rspctivas polaridads, tnsõs corrnts. ALGUMAS SITUAÇÕES CLÁSSICAS (pilhas

Leia mais

! " ! % #! $% & % '() *$! +, ) *$-.) +,) */ 0 *$+1).-+,) */2.+%3 4 5 ) ' & -))) 6 *$ 7 5 8*$

!  ! % #! $% & % '() *$! +, ) *$-.) +,) */ 0 *$+1).-+,) */2.+%3 4 5 ) ' & -))) 6 *$ 7 5 8*$ xfghdfgh!" # ! " $$! % #! $% & % '() *$! +, ) *$-.) +,) */ 0 *$+1).-+,) */2.+%3 4 5 ) ' & -))) 6 *$ 7 5 8*$ &! '! -! 95,()!! +)- *$ - :! ' ')!0 ') );!4 ' -! ',*$!7 < )) 6 +=!>? @ ) *$!)2 3 ) - :! -), "

Leia mais

Prova Escrita de Matemática A 12. o Ano de Escolaridade Prova 635/Versões 1 e 2

Prova Escrita de Matemática A 12. o Ano de Escolaridade Prova 635/Versões 1 e 2 Eam Nacional d 0 (. a fas) Prova Escrita d Matmática. o no d Escolaridad Prova 3/Vrsõs GRUPO I Itns Vrsão Vrsão. (C) (). () (C) 3. () (C). (D) (). (C) (). () () 7. () (D) 8. (C) (D) Justificaçõs:. P( )

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouvia 1. A Editora Progrsso dcidiu promovr o lançamnto do livro Dscobrindo o Pantanal m uma Fira Intrnacional

Leia mais

Estudo da Transmissão de Sinal em um Cabo co-axial

Estudo da Transmissão de Sinal em um Cabo co-axial Rlatório final d Instrumntação d Ensino F-809 /11/00 Wllington Akira Iwamoto Orintador: Richard Landrs Instituto d Física Glb Wataghin, Unicamp Estudo da Transmissão d Sinal m um Cabo co-axial OBJETIVO

Leia mais

, onde F n é uma força de tracção e d o alongamento correspondente. F n [N] -1000 -2000

, onde F n é uma força de tracção e d o alongamento correspondente. F n [N] -1000 -2000 º Tst d CONTROLO DE SISTEMS (TP E PRO) Licciatura m Eg.ª Mcâica Prof. Rsposávl: Pdro Maul Goçalvs Lourti d bril d 00 º Smstr Duração: hora miutos. Tst com cosulta. Rsolução. Cosidr o sistma rprstado a

Leia mais

O que são dados categóricos?

O que são dados categóricos? Objtivos: Dscrição d dados catgóricos por tablas gráficos Tst qui-quadrado d adrência Tst qui-quadrado d indpndência Tst qui-quadrado d homognidad O qu são dados catgóricos? São dados dcorrnts da obsrvação

Leia mais

Utilizando o Calculador Etelj Velocidade do Som no Ar

Utilizando o Calculador Etelj Velocidade do Som no Ar Utilizand Calculadr telj Velcidade d Sm n Ar Hmer Sette 8 0 0 ste utilitári permite cálcul da velcidade de prpagaçã d sm n ar C, em funçã da temperatura d ar, da umidade relativa d ar e da pressã atmsférica

Leia mais

Metodologia. 3 Alternativamente, fizemos as nossas estimações com o índice de violência nas escolas construído

Metodologia. 3 Alternativamente, fizemos as nossas estimações com o índice de violência nas escolas construído 6 3 Mtodologia O obtivo dst studo é avaliar como a violência nas scolas stá associada à proficiência dos alunos. Assim, a variávl dpndnt é a proficiência do studant m Matmática ou m Língua ortugusa, dpndndo

Leia mais

Questão 13. Questão 14. alternativa C

Questão 13. Questão 14. alternativa C Questã 13 O suc de laranja cncentrad da marca M cntém 20 mg de vitamina C pr 50 ml de suc cncentrad. Para ser cnsumid, deve ser diluíd cm água até que seu vlume seja 4 vezes mair que inicial. Pr utr lad,

Leia mais

Vamos analisar o seguinte circuito trifásico: Esta aula:! Sistemas Trifásicos equilibrados com Transformador ideal

Vamos analisar o seguinte circuito trifásico: Esta aula:! Sistemas Trifásicos equilibrados com Transformador ideal EA6 Circuits FEEC UNCAMP Aul 6 Est ul:! Sistms Trifásics quilibrds cm Trnsfrmdr idl Nst ul nlisrms um sistm trifásic quilibrd cm trnsfrmdr Cm sistm é quilibrd, pdms nlisr circuit trifásic trtnd pns d um

Leia mais

1.1. Área do triângulo em função de um lado e da altura. 1.1. Área do triângulo em função de um lado e da altura

1.1. Área do triângulo em função de um lado e da altura. 1.1. Área do triângulo em função de um lado e da altura UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA A área de um triângul é dada

Leia mais

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos

TEMA 5 2º/3º ciclo. A LIndo de perguntas. saudável? Luísa, 15 anos 2º/3º cicl s O Ã Ç T N E M I d pguns u m mu um p z pdms f ps O qu sudávl? blnç d i c n c id p Sá d p d n cm p, ic mbém é g á s n v ic. Dsc ís f m f civ b id v m u i d lóics. c s impânc s g õs sb ç n s

Leia mais

A ferramenta de planeamento multi

A ferramenta de planeamento multi A frramnta d planamnto multi mdia PLANVIEW TELEVISÃO Brv Aprsntação Softwar d planamnto qu s basia nas audiências d um príodo passado para prvr asaudiências d um príodo futuro Avrsatilidad afacilidad d

Leia mais

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ESQUEMA PRÁTICO ) Prazo Máximo Duração do Inquérito 2) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça 3) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça quando stivr m causa a criminalidad rfrida nas al.ªs i) a m) do

Leia mais

3 Aritmética Computacional

3 Aritmética Computacional 33 3 Aritmética Computacional 3. Introdução Quando s utiliza um qualqur instrumnto d trabalho para ralizar uma tarfa dv-s tr um conhcimnto profundo do su modo d funcionamnto, das suas capacidads das suas

Leia mais

Questão 2. Questão 1. Resposta. Resposta

Questão 2. Questão 1. Resposta. Resposta Instruções: Indique claramente as respstas ds itens de cada questã, frnecend as unidades, cas existam Apresente de frma clara e rdenada s passs utilizads na resluçã das questões Expressões incmpreensíveis,

Leia mais

Adriano Pedreira Cattai

Adriano Pedreira Cattai Adriano Pdrira Cattai apcattai@ahoocombr Univrsidad Fdral da Bahia UFBA, MAT A01, 006 3 Suprfíci Cilíndrica 31 Introdução Dfinição d Suprfíci Podmos obtr suprfícis não somnt por mio d uma quação do tipo

Leia mais

UFJF ICE Departamento de Matemática Cálculo I Terceira Avaliação 03/12/2011 FILA A Aluno (a): Matrícula: Turma: x é: 4

UFJF ICE Departamento de Matemática Cálculo I Terceira Avaliação 03/12/2011 FILA A Aluno (a): Matrícula: Turma: x é: 4 UFJF ICE Dpartamnto d Matmática Cálculo I Trcira Avaliação 0/1/011 FILA A Aluno (a): Matrícula: Turma: Instruçõs Grais: 1- A prova pod sr fita a lápis, cto o quadro d rspostas das qustõs d múltipla scolha,

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2 ] Univrsidad Fdral da Paraíba Cntro d Ciências Exatas da Naturza Dpartamnto d Matmática Univrsidad Fdral d Campina Grand Cntro d Ciências Tcnologia Unidad Acadêmica d Matmática Programa Associado d Pós-Graduação

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES EXTREMOS DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ

DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES EXTREMOS DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES ETREMOS DA MÁIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ Mauro Mndonça da Silva Mstrando UFAL Mació - AL -mail: mmds@ccn.ufal.br Ant Rika Tshima Gonçalvs UFPA Blém-PA -mail:

Leia mais

A) O volume de cada bloco é igual à área da base multiplicada pela altura, isto é, 4 1

A) O volume de cada bloco é igual à área da base multiplicada pela altura, isto é, 4 1 OBMEP Nível 3 ª Fase Sluções QUESTÃO. Quincas Brba uniu quatr blcs retangulares de madeira, cada um cm 4 cm de cmpriment, cm de largura e cm de altura, frmand bjet mstrad na figura. A) Qual é vlume deste

Leia mais

Relação de Anexos do Simples Nacional

Relação de Anexos do Simples Nacional Rlação d Anxos do Simpls Nacional ANEXO I Partilha do Simpls Nacional Comércio (Rdação dada pla Li Complmntar nº 139, d 2011 - produção d fitos a partir d 1º d janiro d 2012). Rcita Bruta m 12 mss (m R$)

Leia mais

Dinâmica Longitudinal do Veículo

Dinâmica Longitudinal do Veículo Dinâmica Longitudinal do Vículo 1. Introdução A dinâmica longitudinal do vículo aborda a aclração frnagm do vículo, movndo-s m linha rta. Srão aqui usados os sistmas d coordnadas indicados na figura 1.

Leia mais

INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA

INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA ERRATA (capítulos 1 a 6 CAP 1 INTRODUÇÃO. DADOS ESTATÍSTICOS Bnto Murtira Carlos Silva Ribiro João Andrad Silva Carlos Pimnta Pág. 10 O xmplo 1.10 trmina a sguir ao quadro 1.7,

Leia mais

Galileo Adeli Buriol', Valduino Estefanel', Ronaldo Matzenauer3, Alberto Cargnelutti Filho', Ivonete Fátima Tazzos e Márcio Gazolla 6

Galileo Adeli Buriol', Valduino Estefanel', Ronaldo Matzenauer3, Alberto Cargnelutti Filho', Ivonete Fátima Tazzos e Márcio Gazolla 6 Hmgnidad da radiaçã slar glbal mdida nas staçõs agrmtrlógicas da Fundaçã Estadual d Psquisa Agrpcuáa d Estad d Ri Grand d Sul, Brasil Galil Adli Bul', Valduin Estfanl', Rnald Matznaur3, Albrt Cargnlutti

Leia mais

CUIDADOS COM SEU CAMINHÃO:

CUIDADOS COM SEU CAMINHÃO: CUIDADOS COM SEU CAMINHÃO: cnmizand através d cuidad cm pnus! O pnu é indiscutivlmnt um ds itns mais imprtants d caminhã. Além sr um rspnsávl dirt pls custs d transprt rdviári nas planilhas ds carrtirs,

Leia mais

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro.

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro. INEC AUDITRIA Prof. CLAUDECIR PATN ESPECIALIZAÇÃ EM : GERÊNCIA CNTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITRIA TURMA III 1 Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 utubro. CNTRLE - Concitos; - Auditoria Control Intrno; - Importância

Leia mais

Vieiras com palmito pupunha ao molho de limão

Vieiras com palmito pupunha ao molho de limão Vs o to nh o oho d ão Oá, ss ntd fo ns dos tos fz s gost. Aé d nd dd, obnção d sbos sson té os s xgnts. A t s dfí v s onsg vs fss. Ingdnts: 1 to nh; 3 dúzs d vs; s nt t; d do. Modo d fz: t s tbhos é bs

Leia mais

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2011, 1.ª fase, versão 1

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2011, 1.ª fase, versão 1 Proposta d Rsolução do Exam Nacional d ísica Química A 11.º ano, 011, 1.ª fas, vrsão 1 Socidad Portugusa d ísica, Divisão d Educação, 8 d Junho d 011, http://d.spf.pt/moodl/ 1. Movimnto rctilíno uniform

Leia mais

TIPOS DE GERADORES DE CC

TIPOS DE GERADORES DE CC ANOTAÇÕS D MÁQUINAS LÉTRICAS 17 TIPOS D GRADORS D CC S dfnm m função dos tpos d bobnas dos pólos. ssas bobnas, atravssadas pla corrnt d xctação, produzm a força magntomotrz qu produz o fluxo magnétco ndutor.

Leia mais

PROF. MATEUS CONRAD BARCELLOS DA COSTA TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO AVANÇADA. [ Serra, ES ] [ 2008 ]

PROF. MATEUS CONRAD BARCELLOS DA COSTA TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO AVANÇADA. [ Serra, ES ] [ 2008 ] PROF. MATEUS CONRAD BARCELLOS DA COSTA TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO AVANÇADA [ Srra, ES ] [ 2008 ] Rfrências utilizadas na laboração dst matrial Olá, Aluno(a)! 1. LISKOV B. Data Abstraction and Hiararchy. In

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS EM POPULAÇÕES 113 DE AVEIA GERADAS PELA CULTURA DE TECIDOS

AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS EM POPULAÇÕES 113 DE AVEIA GERADAS PELA CULTURA DE TECIDOS AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS EM POPULAÇÕES 113 DE AVEIA GERADAS PELA CULTURA DE TECIDOS MAGALI FERRARI ORANDO', LIZETE AUGUSTIN 2, SÉRGIO VALENTE TOMASINP, CLEDI NEGRÃO' RESUMO Técnicas d

Leia mais

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho S is tm a d G s tã o da Qua lida d S gura n ça do T ra ba lho G s tã o da Qua lida d I n t r n a ti o n a l O r g a n i za ti o n fo r S ta n d a r d i za ti o n (I S O ) Organização Normalização. Intrnacional

Leia mais

mediadores de seguros, bem como as regras do seguro autom el obrigat io5;

mediadores de seguros, bem como as regras do seguro autom el obrigat io5; PN 960.021: Ag. TC. Amarant; Ag.2: ; Ag.os: Em confr 麩 cia, no Tribunal da Rla 鈬 o do Po rto 1. A Ag. n 縊 s conformou com o dspacho plo qual foram havidos como parts ilg 咜 imas (por consguint, absolvidos

Leia mais