Arranjos Produtivos Locais e as Diretrizes de Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Arranjos Produtivos Locais e as Diretrizes de Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior"

Transcrição

1 Arranjos Produtivos Locais e as Diretrizes de Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior O QUE SÃO ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS? Segundo um dos conceitos correntes, arranjos produtivos locais são aglomerações territoriais de agentes econômicos, políticos e sociais, com foco em um conjunto específico de atividades econômicas e que apresentam vínculos e interdependência. Geralmente, envolvem a participação e a interação de empresas que podem ser desde produtores de bens e serviços finais até fornecedoras de insumos e equipamentos, prestadoras de consultoria e serviços, comercializadoras, clientes, entre outros e suas variadas formas de representação e associação. Incluem, também, diversas outras instituições públicas e privadas voltadas para: formação e capacitação de recursos humanos, como escolas técnicas e universidades; pesquisa, desenvolvimento e engenharia; política, promoção e financiamento. (Rede de Pesquisa em Sistemas Produtivos e Inovativos Locais REDESIST) PPA PROGRAMA ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS 1015 A atuação em Arranjos Produtivos Locais é uma das estratégias para a promoção do desenvolvimento econômico e social, segundo o documento Diretrizes de Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior, divulgado pelo Governo Federal em 26 de novembro de Esta opção estratégica encontra-se materializada no Programa Arranjos Produtivos Locais, que integra o Plano Plurianual de Investimentos para o período , sob a coordenação do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. A necessidade de adoção de ações integradas de apoio a arranjos produtivos locais revelou-se uma preocupação recorrente no curso da elaboração do PPA , quando diversos Ministérios propuseram ações relacionadas ao tema. Iniciou-se, então, um esforço de articulação entre os órgãos governamentais interessados no tema, com o objetivo de superar a dispersão de esforços existente no interior do governo, propiciando a elaboração de uma estratégia de atuação conjunta. A gestão do Programa será compartilhada com um conjunto de parceiros, compreendendo vários Ministérios, seus órgãos vinculados, bancos oficiais e

2 outras instituições de natureza pública e privada. Estas instituições deverão interagir para a construção de diretrizes, indicação de prioridades e elaboração da metodologia de trabalho, garantindo-se, assim, uma ação de governo coordenada, que potencialize os resultados alcançados. Além disso, estas instituições colocarão à disposição dos arranjos selecionados para o Programa um portfólio de produtos e serviços, proporcionando um atendimento integral às necessidades diagnosticadas. O Programa tem por objetivo geral promover a competitividade e a sustentabilidade dos territórios onde os APLs estão inseridos, estimulando processos locais de desenvolvimento. Além disso, as ações do Programa devem buscar objetivos específicos como o aumento das exportações, expansão e modernização da base produtiva, crescimento do nível de emprego, inovação tecnológica, entre outros. Sua implementação buscará integrar instrumentos públicos e privados que contemplem seis dimensões de atuação, conforme a atribuição de cada instituição: aproveitamento das externalidades positivas para o desenvolvimento regional, incentivo à organização de redes de empresas, capacitação de empresários e trabalhadores, inovação científica e tecnológica, promoção comercial e esforço exportador e crédito e financiamento. 1ª Conferência Brasileira sobre Arranjos Produtivos Locais Governo une forças para desenvolver Arranjos Produtivos Locais No dia 2 de agosto, o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, e o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, fez a abertura da 1ª Conferência Brasileira Sobre Arranjos Produtivos Locais, que aconteceu em Brasília.

3 O Governo Federal uniu esforços em torno das micro e pequenas empresas, e a partir de agora irá redirecionar o foco de trabalho para o fortalecimento dos arranjos produtivos locais (APLs), atuando conjuntamente com governos estaduais e entidades de apoio públicas e privadas. O objetivo da Conferência foi o de promover a articulação, uma vez que muitas vezes há mais de uma entidade atuando em um mesmo APL, de forma separada. Com isso, os projetos existentes se complementariam. Na Conferência foi lançado o Bônus de Certificação INMETRO-SEBRAE. A implementação dessas ações está prevista na Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior. A cerimônia de abertura foi realizada às 19h de segunda, e nos dois dias seguintes aconteceram sete painéis temáticos com as principais autoridades no assunto: APLs - Panorama e Desafios para a Construção de Políticas Públicas; Cooperação e Governança; Capacitação Empresarial e de Trabalhadores; Mercado Interno e Externo; Acesso a Serviços Financeiros; Inovação: Conhecimento e Aprendizado Coletivo; Cultura e Negócios. Além dos painéis, foi realizada uma Mostra de APLs, organizada pelo SEBRAE, com 18 arranjos selecionados em todo o País. Programas e Ação: Caminho para o site do MDIC: caisconferencia.php I) Data: 02 a 04 de agosto de 2004 II) Local: Clube do Exército Sede do Lago Setor de Clubes Esportivos Sul, Trecho 2, conjunto 23, Brasília-DF. Dia 03/08 Evento Conteúdo Exposição UNICAMP (15') Palestrante / Composição da Mesa Professor Wilson Suzigan Exposição RedeSist (15') Professor José Cassiolato 1º Painel - APLs: Panorama e Exposição Instituto de Desafios para a Pesquisa Econômica Aplicada Presidente Glauco Arbix construção de (15') políticas públicas Exposição Agência de Promoção de Exportações do Diretor Alessandro Teixeira Brasil (15')

4 2º Painel - Cooperação e Governança Presidente de mesa: Movimento Brasil Competitivo (10') Exposição do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (15') Presidente do Conselho Superior do Movimento Brasil Competitivo Jorge Gerdau Johannpeter Diretor Administrativo- Financeiro Paulo Okamotto Exposição do Instituto Euvaldo Superintende Nacional Carlos Lodi - Departamento Nacional Roberto Cavalcante (15') Exposição da Confederação Presidente Luiz Otávio das Associações Comerciais e Gomes Empresariais do Brasil (15') Apresentação sobre os Sistemas Produtivos Locais na experiência Italiana - Red Itália América Latina - RIAL - Caso (15') Apresentação do Projeto RedeRochas do APL de Rochas Ornamentais de George Diab Cachoeiro do Itapemirim/ES pelo seu consultor - Caso (15') Secretário Geral da Red Itália América Latina Gilberto Bonalumi Exposição do Serviço 3º Painel - Diretor Técnico Luiz Carlos Brasileiro de Apoio às Micro e Capacitação Barboza Pequenas Empresas (15') Empresarial e de Trabalhadores 4º Painel - Mercado: Inteligência Comercial 4º Painel - Mercado: Inteligência Comercial Exposição do Ministério da Educação (15') Exposição do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (15') Diretor da CAPES Jorge Guimarães Secretário do Desenvolvimento da Produção Carlos Gastaldoni Exposição da Agência de Promoção de Exportações do Presidente Juan Quirós Brasil - Mercado Externo (15') Exposição do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Técnico Jorge Rincon Pequenas Empresas - Mercado Interno (15') Apresentação do caso de Fruticultura de Superintendente Petrolina/Juazeiro (BA) pela Galvão VALEXPORT - Caso (15') Alberto

5 Dia 04/08 Evento 5º Painel - Acesso a Serviços Financeiros 6º Painel - Inovação: Conhecimento e Aprendizado Coletivo Apresentação do caso de Jóias de São José do Rio Preto/SP pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo - Caso (15') Conteúdo Exposição da Banco do Nordeste do Brasil (15') Exposição da Banco do Brasil (15') Exposição do Banco da Amazônia (15`) Gerente de Projetos da Área de Competitividade e Tecnologia - Renato Corona Fernandes Palestrante / Composição da Mesa Diretor da Área de gestão do Desenvolvimento Pedro Eugênio de Castro Toledo Cabral Vice-Presidente da Área de Varejo e Distribuição Edson Machado Monteiro Gerente Executivo Hélio Francisco dos Santos Graça Apresentação do caso Circuito de Malhas pela Associação Executivo Maurício Lessa dos Comercial de Monte Sião/MG - Reis Caso (15') Apresentação do caso Moda Íntima de Nova Friburgo/RJ - Caso (15') Presidente de mesa: Ministério da Ciência e Tecnologia (10') Exposição da Financiadora de Estudos e Projetos (15') Presidente do Conselho da Indústria da Moda de Nova Friburgo e Região Cláudio Tangari Secretário de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social Rodrigo Rollemberg Presidente Sergio Rezende Exposição do Conselho Nacional de Desenvolvimento Diretor Manuel Barral Netto Científico e Tecnológico (15') Exposição da Empresa Presidente Clayton Brasileira de Pesquisa Campanhola Agropecuária (15') Apresentação do caso Calçados de Franca/SP pelo Diretor Regional Saulo Pucci Centro das Indústrias do Bueno Estado de São Paulo - Caso (15')

6 Diretor Regional Saulo Pucci Debate Bueno Relator: Fórum de Secretários Vice-Presidente Rafael de Ciência e Tecnologia (10') Lucchesi Exposição do Instituto Nacional de Metrologia, Presidente Armando Mariante Normalização e Qualidade de Carvalho Industrial (15') Gerente de Inovação e Exposição do Serviço Nacional 7º Painel - Cultura Difusão Tecnológica Ricardo de Aprendizagem Industrial e Negócios: Machado de Azevedo e Departamento Nacional (15') gerando produtos Souza e serviços com Apresentação do caso diferencial Vinicultura do Vale dos competitivo Diretor Executivo Jaime Milan Vinhedos/RS pela APROVALE/RS - Caso (15') Apresentação do Projeto Móveis de Minas de Ubá/MG Fernando Flores por um empresário participante do APL - Caso (15')

7 Painéis e os Principais Pontos Abordados (Obs: no site do mdic, no caminho citado anteriormente, é possível ver as apresentações dos painéis) 1º Painel APLs: Panorama e Desafios para a construção de políticas públicas Prof. Wilson Suzigan - UNICAMP - Políticas para sistemas ou arranjos produtivos locais no contexto da PITCE Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior - Conceitos: sistemas ou arranjos produtivos locais? - Sistemas que evoluem com o ambiente competitivo - Novos fatores competitivos - Novas estratégias de competição - Inovação - Políticas: diretrizes gerias e diferenciação segundo o tipo de sistema local de produção - Instrumentos e medidas de políticas - Diferenciais das políticas para sistemas ou arranjos produtivos locais Prof. José Cassiolaro - REDESIST - Panorama e Desafios para construção de políticas públicas e privadas - Desafios para as políticas públicas - Desafios para as políticas públicas no Brasil Sr. Glauco Arbix - Presidente do IPEA - Arranjos produtivos locais e a ação do Governo Federal no fomento às pequenas empresas - Contexto histórico - Desafio do governo atual - Ensinamentos - APLs: principais características - Bases para uma política do Governo Federal - Políticas diferenciadas - O IPEA e os APLs

8 Sr. Alessandro Teixeira - Diretor da APEX - Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Atuação institucional integrada em arranjos produtivos locais - Diretrizes da PITCE - - Eixos da política industrial - Linhas de ação da PITCE - PITCE - Resultados do grupo de trabalho que podem compor a nova política industrial no que afeta ao tema APL - Levantamento da atuação institucional em APLs - Termo de referência para a política de apoio ao desenvolvimento de APLs - Proposta de sistematização da atuação institucional integrada em APLs 2º Painel Cooperação e Governança Sr. Jorge Gerdau Johannpeter - Presidente do Conselho Superior do Movimento Brasil Competitivo - O trabalho em APLS tem que ter algumas preocupações e considerações, entre as quais deve se destacar as diversidades e a qualificação de mão de obra. Quando também se fala em APL devemos analisar as dimensões sociais do projeto que chegam a ser imensuráveis e levar em conta a carga tributária das empresas que interferem em todo e qualquer trabalho na área empresarial. - Trabalhar com o conceito de competitividade nos 1º, 2º e 3º setor, ter o domínio do negócio e também a competitividade sistêmica (empresarial, estrutural, sistemática).todos os fatores devem ser conjugados e baseados no seguinte tripé: - Liderança (governança), Conhecimento (avaliação da maturidade) e Metodologia Sr. Paulo Okamotto - Diretor Administrativo Financeiro do Sebrae - Mudança de atitudes dos empresários com a ajuda das lideranças; - Criar metodologia, espaço, deixar claro os papéis dos atores nos APLS; - Processo: GEOR mediação de avaliação de resultados junto às empresas dos APLS; - União de esforços para o mesmo foco para criar governança - Comprometimento das partes envolvidas

9 - Espera-se que todos os APLS tenham o GEOR, com as responsabilidades bem definidas entre todas as partes envolvidas no projeto. Sr. Carlos Roberto Cavalcante - Superintendente do IEL nacional - - Histórico do IEL, sendo que o principal foco é na competitividade, com atuação em 27 estados, sendo necessárias parcerias estratégicas para alcançar soluções para a competitividade das empresas, neste ponto é a atuação do IEL. - Foco na inovação da competitividade, com a seguinte pergunta: por que priorizar APL? - Pois são ações coletivas com utilização e recursos existentes com o objetivo no desenvolvimento sustentável, e que para ser desenvolvido, deverá haver muita sensibilização e retomada de confiança pela sociedade e também por parte das entidades e empresários. - A importância do comitê gestor para o projeto APL, com criação de grupos de ação é de fundamental importância para o sucesso de um APL. Sr. Luiz Otávio Gomes - Presidente da Confederação das Associações Comerciais do Brasil - Enfatizou a importância da cooperação e do associativismo para o sucesso de um APL, entre os quais ele destacou o projeto empreender como sendo um propulsor dos APLS no Brasil, sendo que através do projeto empreender pode nascer um APL em função do projeto ter o aspecto de criar e desenvolver o conceito de associativismo entre as empresas. Sr. George Diab - apresentação do caso de rochas ornamentais de cachoeira do Itapemirim ES - O primeiro trabalho feito por um grupo de 6 pessoas que iniciaram os trabalhos foi entender como funcionam estes grupos empresarias, entender a dinâmica do segmento., sendo que o grupo identificou a cooperação é o pré-requisito para a governança em um projeto de APL. - Ressaltou que a metodologia deve ser adaptada à realidade local do trabalho e que a Governança e Cooperação tem que ser permanentemente cuidada e que estes desafios que são trabalhar em APL levam a processos de desenvolvimento de toda a sociedade. Sr. Gilberto Bonalumi - apresentação de caso italiano

10 - Relato sobre os distritos industriais italianos, sua importância, sendo destacada a sua representação para a capacidade de produção da UE (União Européia), componentes de sistemas locais. Na Itália é muito difundido o conceito de cooperativas de crédito, explicando o conceito BOND na América Latina, com a padronização de métodos de crédito e redução dos custos de créditos junto às empresas. 3º Painel Capacitação Empresarial e de Trabalhadores Sr. Luiz Carlos Barboza - Diretor Técnico do Sebrae - Educação empresarial como papel do SEBRAE. - Empreendedorismo no Brasil: pela pesquisa o Brasil está bem quantitativamente porém qualitativamente deixa a desejar e os dados são preocupantes, ou seja, o país é 6º em quantidade de empreendedores, porém, o país perde na pesquisa sobre o motivo que levam as pessoas a empreender, no caso do Brasil a maior parte inicia seu negócio por necessidade de sobrevivência e não por oportunidade, no Brasil em termos de empreendedorismo temos mais quantidade do que qualidade. Segundo ele isto se deve a fatos educacionais e culturais, justificando-se com estatísticas sobre outras áreas de atuação profissional como, por exemplo, a medicina em que o individuo leva anos estudando se preparando para exercer a profissão, enquanto que para abrir uma empresa as pessoas não se preocupam com a educação. Afirma ainda que para melhorar esse quadro é preciso ir além do conteúdo provido pela escola num processo continuado, enfatizando a relação educação competitividade. - Importância e atuação do SEBRAE com a educação voltada para empreendedores baseada no desenvolvimento das competências, tendo como objetivo transformar o individuo, fazendo que ele assuma novas posturas, habilidades e conhecimentos, demonstrando ainda os pilares que norteiam as ações de educação do SEBRAE, que são o conhecer; o saber e o praticar; os produtos desenvolvidos para atender a demandas, tanto gerais como específicas, se referindo a produtos desenvolvidos para APL`s, bem como a forma em que esses produtos são aplicados e as premissas que os cercam. Os produtos foram desenvolvidos em níveis básico para negócios nascentes, Intermediário para crescimento e desenvolvimento dos negócios e avançado como consolidação e maturidade. Os temas abordados são adm geral, finanças, mercado, recursos humanos, produção e processos, liderança e empreendedorismo. Os produtos são disponibilizados numa estratégia de universalização do acesso a informação estabelecendo parcerias, redes de apoio a MPE e diferentes meios de aplicação como presencial e a distancia. transdisciplinaridade e o aprendizado continuo.

11 - Em relação a APLs explicou que o SEBRAE tem em sua estratégia 15 cadeias produtivas prioritárias e que alem dos produtos disponibilizados para educação empresarial o SEBRAE desenvolveu produtos específicos para APL`s encerrou afirmando que o grande desafio para atuação em APL`s é desenvolver soluções para grupamentos de empresas/empresários. Sr. Jorge Guimarães - Diretor Técnico da CAPES - Apresentação geral sobre as atribuições do ministério, sua importância e a forma como contribui com suas ações principalmente para os setores produtivos. Um das principais atribuições é a de incorporar conhecimento ao setor produtivo e isso é possível por meio das pessoas com formação e capacitação. - Explicou a importância dos arranjos produtivos locais para o desenvolvimento econômico. Sobre o papel do MEC enfatizou aspectos como o estimulo a pesquisa e a educação, na educação enfatizou as varias ações realizadas pelo ministério por meio de parcerias tanto externas como internas com outros ministérios como MDIC MCT, atuando diretamente na educação, em nível superior; com ampliação de vagas e oferta de recursos, mecanismos de financiamento de pesquisas. Ampliação e fortalecimento da educação profissional e tecnológica, por meio de cursos técnicos que viabilizam a formação de profissionais de nível médio para atuação na operação do processo produtivo; cursos superiores de tecnologia formando profissionais em nível de graduação para atuação na gestão dos processos, bem como na inovação e aplicação de tecnologias. Apoio à educação básica; promoção da alfabetização e inclusão social. Enfatizou que é importante educar o cidadão para o trabalho e para a vida. - Demonstrou a realidade da rede federal de educação profissional e sua atuação nos APL`s no Brasil, cumprindo com isso um dos papeis do Mec, que é de articulação integrada para assegurar a competitividade, demonstrando as parcerias realizadas com diversas entidades governamentais e não governamentais, como BNDES, SEBRAE, APEX, SENAI entre outras em diversas localidades do país, atingindo APL`s dos mais variados segmentos. 4º Painel Mercado: Inteligência Comercial Sr. Carlos Roberto Cavalcante - Superintendente Nacional da Confederação Nacional da Industria CNI

12 - Salienta a importância da Industria para a exportação. Fala também de trabalhos em rede, e da necessidade de se trabalhar informações de Mercado e Produto, para que as empresas tomem conhecimento das oportunidades e tendências. Sr. Juan Quirós - Presidente da Agencia de Promoção de Exportações do Brasil - APEX - Estratégia da APEX: o Fazer da APEX um instrumento de Promoção Comercial. É um serviço social autônomo, vinculado ao MDIC. - Criaram o Centro de Inteligência Comercial com o SECEX / Bco do Brasil. - O Sistema de Inteligência Comercial é a base para definir as missões comerciais que serão realizadas. - Separam as pautas de exportação dos Estados e confrontam com a demanda mundial, para saber as tendências dos produtos e dos mercados - A APEX faz acordos com entidades Nacionais, para poder inserir as MPEs nos programas de promoção comercial. - Fazem prospecção de Mercados através de consultas a 18 consultorias internacionais. - Promovem o fortalecimento da Imagem Brasil através da mídia Internacional. - Monitoram 122 países para saber o que eles compram e de quem compram Exportar não é difícil, difícil é consolidar o mercado e o pós-venda. Para consolidar o mercado é necessário ter ações constantes. De preferência todos os meses. - Como procedem: o Focam o mercado e cruzam dados de exportação para identificar com consultores Internacionais, os concorrentes, clientes, preços, volumes, barreiras, logística, e tendências, para cada produto e setor. - A APEX apóia hoje: 82 APLs num total aproximado de empresas. Estão atuando em 45 setores da Industria e Serviços. Sr. Carlos Gastaldoni - Secretário do Desenvolvimento da Produção do MDIC - A Inteligência Comercial é difícil de ser desenvolvida por uma MPE individualmente, devido ao alto custo. Os APLs podem ajudar a diluir esses custos. Pontos positivos: proximidade regional e mesmo setor. - Proposta do MDIC: 1) Conhecer os produtos das Cadeias Produtivas; 2) Criar centrais de Negócios; 3) Participação em feiras nacionais; 4) Marca coletiva;

13 5) Otimização de Logística; 6) Desenvolvimento de Mercados Emergentes; 7) Estudar canais de distribuição e comercialização; 8) Análise de Potencial de mercado para desenvolvimento local; 9) Produção de material de divulgação, apoio à promoção e ao marketing. - Apoio MDIC comércio/varejo: Banco de Dados (adequado às políticas públicas) Inclusão Digital (operacionalidade das vendas) Informalidade (questões tributárias e trabalhistas) Crédito e Financiamento - Implantação: PEIEx em parceria com o SEBRAE e entidades empresariais Estão com 06(seis) projetos piloto, sendo testados em 11 APLs. Sr. Jorge Rincón - SEBRAE-NA - A Inteligência Comercial nos mostra mudanças de ópticas nos mercados: De uma visão de oferta, para uma visão de, como o mercado se comporta, e o que ele demanda. - A produção de produtos tem que obedecer requisitos de mercados específicos. Ex: produtos orgânicos que passaram de uma fase hippie nos anos passados, para uma Tendência de Mercado. - Com as informações de mercado podemos fazer um planejamento que nos leve aos aspectos de gestão, administrativos, tecnológicos, e outros. - Temos hoje aproximadamente 150 (cento e cinqüenta) APLs no SEBRAE em diferentes níveis. O que queremos ver é uma evolução gradativa, primeiro dentro do Mercado Interno, e depois no Mercado Externo. - O SEBRAE pretende ter uma rede nacional de facilitadores, operadores e traders. Sr. Alberto Galvão - apresentação do caso "Potencial Frutícola do Vale de São Francisco" - Vantagens Comparativas: - Dados: o Mais de 2 safras/ano o Baixa incidência de doenças o Proximidade dos mercados o Abundância mão-de-obra o Disponibilidade de água o Área irrigada ha o Área Irrigável ha o Insolação h/ano o Temperatura média - 26 C

14 o Precipit. média mm/ano o Somos: 3º maior produtor do mundo o Produzimos: 45 milhões Ton/ano o Ficamos somente atrás da China e Índia em produção. - Participação do PIB.: 11 bilhões - Participação % exportações - US$ 335 M = 3,0% T = 1,8% - Somos o 20(vigésimo) maior Exportador = 1,2% receita - "Vale Export" - Associação Privada - Estratégico: o Fortalecimento das Exportações o Pesquisa de Fruticultura o Adequação Infraestrutura portuária e aeroportuária o Mkt de promoção exterior o Novos mercados: Conquistando Japão e China - Tático: o Camaras setoriais - para monitorar moscas das frutas o Pesquisa da uva sem semente - 1/3 da produção o Camara do vinho o produção integrada da uva e manga o selo do programa o parcerias com SEbrae - BA - Dificuldades: o Baixo investimento o Dificuldade de crédito o Dificuldade em logísticas o Mercado exigente Sr. Renato Corona - apresentação de exemplos por parte do gerente de projetos da Fiesp - Os APLS abaixo são parcerias: Fiesp/Sebrae e Bradesco - APL Ibitinga - Bordados - APL São José Rio Preto - Jóias - APL Mirassol - Móveis - APL Vargem Grande do Sul - - Algumas dificuldades em comum: - Ausência estratégia - Mercado desconhecido - Cópia de produtos - Canais de comunicação restrito - Informações mercadológicas - Dependendo de pessoas - Algumas soluções em comum - Buscar oportunidades de mercado

15 - Planejamento estratégico - Montar estratégias de MKT - Implantação de Gestão - Alvo para exportações - Feiras/missões/Wokshop temático - Sistema de informação de MKT - Informações e ações com os APLs 5º Painel Acesso a Serviços Financeiros Sr. Pedro Eugênio de Castro Toledo Cabral Diretor da Área de Gestão do Desenvolvimento do Banco do Nordeste do Brasil APLS Mapeado e registrado - 29 Pólos Desenvolvimento integrado fruticultura, grãos pecuária leiteira, citricultura e turismo. - Parceiros do Programa: MDCI, Minist. Turismo, Mda, Codvasp. Governo Estadual e Sebrae. - Trabalhos realizados junto com gestão no fomento. - Postos turismos financiamento, intra-estrutura e pessoas (capacitação) disponibilizarão de 400 milhões, conceito roteiros turísticos. - Banco atua como Gestão de Desenvolvimento. - Analisa para que os financiamentos sejam voltados para os APLs. - PID Programa Integrado de Desenvolvimento - parceria essencial com cada parceiro cumprindo com seus deveres, somente assim o crédito passa ter sentido gerando troca de informações e clima de cooperação. Sr. Edson Machado Monteiro Vice-presidente da Área de Varejo e Distribuição do Banco do Brasil - Banco atua com competitividade, com mais nicho de mercado. Ex.: Micro empresas e com informais (Banco popular) - Papel de gerente de desenvolvimento ( Banco tenta resgatar este conceito) - Foco micro e pequena empresa = desenvolvimento capitais desenvolvidos pelos parceiros) - Atua com parcerias: Sebrae e outras instituições - Oferecem linhas de crédito: BNDES, Fat, e outros - Oferece linhas de crédito agronegócios - O Banco está voltado também Sustentabilidade econômica, viável, socialmente justo. - Atuação em: o AGLOMERAÇÃO

16 o APLS o CADEIAS OU SISTEMAS PRODUTIVOS. - Modelo de Atuação Norte e Nordeste Volta a dizer que a parceria e essencial no negócio. - Atendeu em municípios atividades produtivas 190 famílias, envolveram 1300 funcionários capacitados para atuar. - Exp.: Apls em parceria com BNDES no RJ. e Nova Serrana - Em S.P. atua com 3 parcerias com Fiesp aperfeiçoamento da metodologia mostrando as novas tendências e cuidados de parceria. Sr. Hélio Francisco dos Santos Graça Gerente Executivo do Banco da Amazonia - Atuação: o 700 municípios = 85% a 90% de atendimento o 86% volume de crédito de fomento o 56% volume de crédito - Participação grande com outros recursos disponibilizados 2 milhões. - Porque opção de APLS o Efeitos população e econômico o Organização Social o Ambiente Cooperativo. - O Banco inicialmente começou com 09 APLS pilotos sendo eles: o Pesca, turismo., Pecuária, madeira, móveis e arroz. o Primeiro Passo.: Mapear promissores para a região o Pioneirismo regional - Critérios.: Tamanho; matéria relativa, concentração espacial inserção nos mercado - O Banco atua em 02 APLS sendo para custeio e não para atividade pesquisas com órgãos: ex.: aproveitamento da pele do peixe; ex.: formas de ração.. Sr. Maurício Lessa dos Reis - apresentação do caso Circuito de Malhas pela Associação Comercial de Monte Sião/MG - Sul de Minas - Circuito das Malhas Malharia retilínea = Ass.Coml. Cxe. Fiemg. - Jacutinga = 2 milhões de peças mês - Monte Sião tricô - Ouro Fino Malha - Borda da Mata Pijama. - Todos tiveram capacitação sobre malha, investimento do turismo - Consultoria (Setex) exportação.

17 - Marketing Estatua e Regimento interno foi criado uma estatua na entrada de uma das cidades para ajudar na divulgação. Sr. Cláudio Tangari - apresentação do caso Moda Íntima de Nova Friburgo/RJ - Moda Intima /RJ - Apoio FGV - Modelo Italiano (industrial) - 05 municípios - 13 empregado por empresa 1,5% produção exportação - Tem apoio de maiores empresas com Triunfo. - Para este APL existe formado: o Conselho da Moda:== Comitê Gestor == Secre. Executivo = Comitê Técnico... - Onde entre os outros como : Comex; Projetos especiais, apoio gerencial, crédito ; meio ambiente e fórum de fornecedores. - Conselho adota o Planejamento estratégico envolvendo todos os parceiros. - Desenvolvimento Econômico o Capital Nacional o Desenvolv. Tecnológico e inovador o Central de serviços (necessária Criação) 6º Painel Inovação: Conhecimento e Aprendizado Coletivo Sr. Rodrigo Rollemberg - Secretário da Ciência e Tecnologia para Inclusão Social do Ministério da Ciência e Tecnologia - Grande importância das culturas do algodão e do camarão Sr. Sérgio Rezende - Presidente da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP); - Tripé dos países centrais o Governo Financiamento o Universidades Formação e Pesquisa o Empresas Inovação - No Brasil as Empresas NÃO inovam - Tipos de financiamento FINEP: - NÃO reembolsáveis:pappe Programa de apoio à Pequena Empresa. Maiores informações

18 - Reembolsáveis inovação. Programa juro zero de R$ ,00 a R$ ,00 - o recurso é liberado em até 35 dias e o prazo para pagamento é de 100 meses. Maiores informações - Em 2003 a FINEP empenhou 629 milhões Sr. Clayton Campanhola - Presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) - Essência da missão da EMBRAPA Desenvolvimento sustentável do espaço rural com foco em agronegócio - Atuação em Arranjos Produtivos: o Ações para transferência de tecnologia o Programa e/ou projeto o Articulação para os problemas serem solucionados Sr. Manuel Barral Netto - Diretor do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) - O dinheiro gera conhecimento, mas o conhecimento NÃO gera dinheiro! - Onde estão os cientistas no Brasil: o 70% nas Universidades; o 16% nos Centros de Pesquisa; o 14% nas Empresas; - Edital de Bolsas de Fomento Tecnológico Sr. Rafael Lucchesi: Vice-Presidente do Fórum de Secretários da Ciência e Tecnologia. - As Empresas demandam inovação - A inovação deve ser atrelada ao Estado. 7º Painel Cultura e Negócios: gerando produtos e serviços com diferencial competitivo Sr. Armando Mariante de Carvalho - Presidente do INMETRO - O diferencial competitivo no comércio global - Comércio internacional - Liturgia da qualidade

19 - Parceria INMETRO/SEBRAE: o Bônus metrologia o Bônus certificação - Diferencial competitivo o Ganha quem tem foco no mercado o Ganha quem é bem informado o Ganha quem tem capacidade de adaptação o Ganha quem tem credibilidade o Ganha quem tem a melhor qualidade ao menor preço Sr. Ricardo Machado de Azevedo e Souza - Gerente de Inovação e Difusão Tecnológica do SENAI - Inovação tecnológica no SENAI o Comentou sobre a estrutura de atendimento do SENAI o Atendimento em inovação o Áreas atendidas o Programa SENAI de Gestão da Inovação e do Design (PSGD) Sr. Jaime Milan - apresentação do caso Vinicultura do Vale dos Vinhedos/RS pela APROVALE/RS - Vinicultura brasileira - Organização e gerenciamento de produção na APROVALE - Apoios institucionais - Certificações - Impacto na área geográfica de produção Sr. Fernando Flores - apresentação do Projeto Móveis de Minas de Ubá/MG por um empresário participante do APL - Implementação do projeto - Entidades participantes - Ações de melhoria - Resultados

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PEQUENOS negócios no BRASIL 99% 70% 40% 25% 1% do total de empresas brasileiras da criação de empregos formais da massa salarial do PIB das exportações

Leia mais

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012.

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. PROPOSTA Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. 1 Apresentação No campo da Política Nacional de Apoio aos Arranjos Produtivos Locais (APLs), o Grupo de Trabalho Permanente

Leia mais

Resultados do GTP APL

Resultados do GTP APL 2ª Conferência Brasileira sobre Arranjos Produtivos Locais Resultados do GTP APL Cândida Maria Cervieri Secretária Técnica do GTP APL Diretora do Departamento de Micro, Pequena e Média Empresa/SDP/MDIC

Leia mais

Cooperação e Governança em Arranjos Produtivos Locais

Cooperação e Governança em Arranjos Produtivos Locais Cooperação e Governança em Arranjos Produtivos Locais 1ª Conferência Brasileira sobre Arranjos Produtivos Locais Carlos Roberto Rocha Cavalcante Superintendente 2004 Histórico de Atuação do IEL 1969 -

Leia mais

GOVERNANÇA E COOPERAÇÃO

GOVERNANÇA E COOPERAÇÃO Reunião Plenária do GTP-APL GOVERNANÇA E COOPERAÇÃO Brasília, 19 de agosto de 2010 SEBRAE Governança Envolve uma rede de diferentes agentes - governos, instituições financeiras, instituições de ensino

Leia mais

UGE UNIDADE DE GESTÃO ESTRATÉGICA

UGE UNIDADE DE GESTÃO ESTRATÉGICA PLANO PLURIANUAL 2010 2012 Brasília, outubro de 2009. ESTRATÉGIA DE ATUAÇÃO DO SEBRAE/DF CENÁRIO DE RECURSOS DO SEBRAE/DF RESUMO DE RECEITA LIMITES ORÇAMENTÁRIOS RESUMO POR TIPOLOGIA CARTEIRA DE PROJETO

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP

O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP erocca@finep.gov.br Tel: 21 2555-0641 Financiadora de Estudos e Projetos

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro

Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro Mario Sergio Salerno Diretor de Estudos Setoriais do IPEA 1 de julho de 2005 Uma nova trajetória de desenvolvimento

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2047 - Micro e Pequenas Empresas Número de Ações 10 Tipo: Operações Especiais 0473 - Honra de Aval decorrente de Garantia do Risco das Operações de Financiamento a Micro, Pequenas e Médias Empresas

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014

Plano Brasil Maior 2011/2014 Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer 1ª. Reunião do Conselho de Competitividade Serviços Brasília, 12 de abril de 2012 Definições O PBM é: Uma PI em sentido amplo: um

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 EQPS Belo Horizonte Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria

Leia mais

Convênio FIESP/SEBRAE. APL de Jóias de São José do Rio Preto

Convênio FIESP/SEBRAE. APL de Jóias de São José do Rio Preto Convênio FIESP/SEBRAE APL de Jóias de São José do Rio Preto Rio de Janeiro - Outubro, 2004 1 Metodologia FIESP 2 Objetivos: Micros e Pequenas Empresas Aumentar a Competitividade Criar Processos de Auto-Sustentação

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013 Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil Glauco Arbix Somente a inovação será capaz de reverter o quadro de estagnação da economia brasileira,

Leia mais

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO OBJETIVO Incrementar a economia digital do Estado de Alagoas e seus benefícios para a economia local, através de ações para qualificação, aumento de competitividade e integração das empresas e organizações

Leia mais

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje?

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje? Entrevista A diretora do Departamento de Micro, Pequenas e Médias Empresas do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Cândida Cervieri, foi entrevistada pelo Informativo RENAPI.

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I. Ministério da Ciência e Tecnologia

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I. Ministério da Ciência e Tecnologia PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I 10/11/2008 Ministério da Ciência e Tecnologia Configuração da Política de Estado Gestão Compartilhada MCT/MDIC/MEC/MS/MAPA/MF/M

Leia mais

Apresentação de Ações Institucionais do GTP-APL. Oduval Lobato Neto Banco da Amazônia Gerencia de Gestão de Programas Governamentais

Apresentação de Ações Institucionais do GTP-APL. Oduval Lobato Neto Banco da Amazônia Gerencia de Gestão de Programas Governamentais Apresentação de Ações Institucionais do GTP-APL Oduval Lobato Neto Banco da Amazônia Gerencia de Gestão de Programas Governamentais Dezembro/2013 Pauta 1. Banco da Amazônia enfoque institucional 2. Ações

Leia mais

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA ASSUNTOS TRATADOS Cartilha sobre produtos e serviços bancários para Micro e Pequenos Empresários Apresentação dos cases de sucesso e fracasso no setor da Construção Civil Notícias sobre o Fórum Permanente

Leia mais

Gestão Colaborativa. Luiz Ildebrando Pierry Curitiba/PR 30 de setembro de 2009. Qualidade e Produtividade para Enfrentar a Crise INOVAÇÃO

Gestão Colaborativa. Luiz Ildebrando Pierry Curitiba/PR 30 de setembro de 2009. Qualidade e Produtividade para Enfrentar a Crise INOVAÇÃO Qualidade e Produtividade para Enfrentar a Crise Gestão Colaborativa INOVAÇÃO SUSTENTABILIDADE GESTÃO COLABORATIVA EMPREENDEDORISMO CRIATIVIDADE Luiz Ildebrando Pierry Curitiba/PR 30 de setembro de 2009

Leia mais

SERVIÇOS E MEDIDAS UTILIZADOS PELO SEBRAE PARA A PROMOÇÃO DA INOVAÇÃO E DA CRIATIVIDADE NO AMBIENTE DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL

SERVIÇOS E MEDIDAS UTILIZADOS PELO SEBRAE PARA A PROMOÇÃO DA INOVAÇÃO E DA CRIATIVIDADE NO AMBIENTE DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL SERVIÇOS E MEDIDAS UTILIZADOS PELO SEBRAE PARA A PROMOÇÃO DA INOVAÇÃO E DA CRIATIVIDADE NO AMBIENTE DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL Paulo Íris Ferreira SEMINÁRIO SOBRE PROPRIEDADE INDUSTRIAL E PEQUENAS

Leia mais

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial FOCOS DE ATUAÇÃO Tema 8. Expansão da base industrial Para crescer, a indústria capixaba tem um foco de atuação que pode lhe garantir um futuro promissor: fortalecer as micro, pequenas e médias indústrias,

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

A Inovação. como Fator de Desenvolvimento das MPEs. Luiz Carlos Barboza. Diretor-Técnico del SEBRAE Nacional. 27 de outubro 2009

A Inovação. como Fator de Desenvolvimento das MPEs. Luiz Carlos Barboza. Diretor-Técnico del SEBRAE Nacional. 27 de outubro 2009 A Inovação como Fator de Desenvolvimento das MPEs Luiz Carlos Barboza Diretor-Técnico del SEBRAE Nacional 27 de outubro 2009 Ambiente Institucional Pro-inovaç inovação Fundos setoriais (16) estabilidade

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: síntese dos trabalhos e principais resultados

A Mobilização Empresarial pela Inovação: síntese dos trabalhos e principais resultados A Mobilização Empresarial pela Inovação: síntese dos trabalhos e principais resultados Pedro Wongtschowski São Paulo - 4/2/2011 CNI e vários líderes empresariais fizeram um balanço crítico da agenda empresarial

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto do Mercado de Carbono no Brasil Rio de Janeiro RJ, 09 de novembro de 2010 FINEP

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014

Plano BrasilMaior 2011/2014 Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda de Ações para a Competitividade dos Pequenos Negócios Dimensões do Plano Brasil Maior -Quadro Síntese Dimensão Estruturante:

Leia mais

ABDI A 2004 11.080) O

ABDI A 2004 11.080) O Atualizada em 28 de julho de 2010 Atualizado em 28 de julho de 2010 1 ABDI ABDI A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial foi instituída em dezembro de 2004 com a missão de promover a execução

Leia mais

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito A importância do crédito para as pequenas e médias empresas Condicionantes da oferta de crédito Distribuição de empresas por porte MICRO PEQUENA MÉDIA GRANDE 0,4% 0,7% 6,2% Micro e Pequenas empresas 98,9%

Leia mais

VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE

VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE PETROBRAS - REGAP Contagem 19 de outubro de 2011 Iniciativas de Qualificação - PROMINP PROMINP O PROMINP (Programa de Mobilização da Indústria Nacional do Petróleo e

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS Programas para fortalecer a PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho = destaques para novas

Leia mais

RETRATO DO TURISMO RURAL PELO SEBRAE NACIONAL

RETRATO DO TURISMO RURAL PELO SEBRAE NACIONAL RETRATO DO TURISMO RURAL PELO SEBRAE NACIONAL PEC Nordeste - 2015 Evelynne Tabosa dos Santos Gestora Estadual do Programa de Turismo do Ceará TURISMO NO BRASIL - HISTÓRICO Atividade presente na Constituição

Leia mais

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF Dezembro de 2013 OBJETIVO Promover a competitividade das micro e pequenas empresas

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS Programas para fortalecer a PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE MADEIRA E MÓVEIS 1 Madeira e Móveis Estratégias: conquista de mercados, focalização, diferenciação e ampliação do acesso Objetivos:

Leia mais

A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e seus impactos

A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e seus impactos Lei Complementar LC 123/2006 Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e seus impactos Fórum AbineeTec 2011 Políticas Públicas Compras Governamentais

Leia mais

Programas de Apoio à Exportação

Programas de Apoio à Exportação INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASIL / MERCOSUL Programas de Apoio à Exportação ENCOMEX JARAGUÁ DO SUL Flávio Martins Pimentel Coordenação-Geral de Programas de Apoio à Exportação MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

Projeto de Apoio a Inserção Internacional de. São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009

Projeto de Apoio a Inserção Internacional de. São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009 Projeto de Apoio a Inserção Internacional de MPE s Brasileiras Calçadistas do APL de São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009 Identificar OBJETIVOS DA AÇÃO e solucionar gargalos na gestão das empresas, principalmente

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar Ambiente virtual para inovar Secti lança Portal Paraense de Inovação para conectar atores estratégicos e aumentar investimento em inovação no Pará Por Igor de Souza Ana possui uma promissora empresa de

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego (através do

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional. Plano de Ação 2007-2010. Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008

Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional. Plano de Ação 2007-2010. Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008 Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Plano de Ação 2007-2010 Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008 Política de Estado Configuração da Política Gestão Compartilhada

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL O presente documento tem por objetivo

Leia mais

Histórico do Programa Brasileiro do Design

Histórico do Programa Brasileiro do Design Histórico do Programa Brasileiro do Design 1995 Lançamento do Programa Brasileiro do Design; Exposição: "O Brasil Mostra sua Marca". 1996 Concurso da Logomarca do PBD; Estudo: "Design para a Competitividade".

Leia mais

$55$1-26/2&$,6 CARACTERÍSTICAS GERAIS DO APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS. Angela Maria Medeiros M. Santos Lucimar da Silva Guarneri*

$55$1-26/2&$,6 CARACTERÍSTICAS GERAIS DO APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS. Angela Maria Medeiros M. Santos Lucimar da Silva Guarneri* CARACTERÍSTICAS GERAIS DO APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Angela Maria Medeiros M. Santos Lucimar da Silva Guarneri* * Respectivamente, gerente setorial de Indústria Automobilística e Comércio e Serviços

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

Sede Sebrae Nacional

Sede Sebrae Nacional Sede Sebrae Nacional Somos o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresa, uma entidade privada sem fins lucrativos, e a nossa missão é promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Financiadora de Estudos e Projetos

Financiadora de Estudos e Projetos Financiadora de Estudos e Projetos Cenário da Metrologia Nacional: Demandas e Oportunidades Carlos A. M. Couto Superintendente da ATED Área dos Institutos de Pesquisa Tecnológica. Rio de Janeiro, 17 de

Leia mais

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012 GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY Oficina de Planejamento 2010-2012 Paraty, agosto de 2010 Objetivo da oficina Elaborar o Direcionamento Estratégico da Gastronomia Sustentável de Paraty para os próximos

Leia mais

Seminário Em Busca da Excelência 2008

Seminário Em Busca da Excelência 2008 Seminário Em Busca da Excelência 2008 IEL/SC - Implementação de sistema de gestão com base nos fundamentos da excelência Natalino Uggioni Maio, 2008 1 IEL em Santa Catarina Integrante da FIESC Federação

Leia mais

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Brasília 22 de março o de 2009 Inovação Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

MPE Micro e Pequenas Empresas - É POSSÍVEL INOVAR?

MPE Micro e Pequenas Empresas - É POSSÍVEL INOVAR? MPE Micro e Pequenas Empresas - É POSSÍVEL INOVAR? São Paulo 16 de abril de 2013 Missão do SEBRAE Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo

Leia mais

Instrumentos das Instituições do GTP APL

Instrumentos das Instituições do GTP APL Instrumentos das Instituições do GTP APL Ações de exportação Banco de dados de mercado Projetos Setoriais Integrados - PSIs 1) Proger Exportação 2) Programa de Geração de Negócios Internacionais (PGNI)

Leia mais

UNIDADE TIB - TECNOLOGIA INDUSTRIAL BÁSICA e UNIVERSIDADE CORPORATIVA Alberto Pereira de Castro. Brasília DF 2006

UNIDADE TIB - TECNOLOGIA INDUSTRIAL BÁSICA e UNIVERSIDADE CORPORATIVA Alberto Pereira de Castro. Brasília DF 2006 UNIDADE TIB - TECNOLOGIA INDUSTRIAL BÁSICA e UNIVERSIDADE CORPORATIVA Alberto Pereira de Castro Brasília DF 2006 WORKSHOP FÓRUM DAS REDES METROLÓGICAS ESTADUAIS: Diretrizes e Consolidação DAS REDES METROLÓGICAS

Leia mais

Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo

Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo Ministério do Turismo Ministério do Turismo Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo Funções e Objetivos Coordenar as ações voltadas à qualificação profissional e à melhoria

Leia mais

NOTA TÉCNICA 0036_V1_2014 REALIZAÇÃO DO ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR ENCOMEX 2014 JARAGUÁ DO SUL

NOTA TÉCNICA 0036_V1_2014 REALIZAÇÃO DO ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR ENCOMEX 2014 JARAGUÁ DO SUL NOTA TÉCNICA 0036_V1_2014 REALIZAÇÃO DO ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR Jaraguá do Sul (SC), Junho de 2014. ALINHAMENTO ESTRATÉGICO Jaraguá Ativa: Cidade inteligente e sustentável, cidade para pessoas.

Leia mais

Inovar para competir. Competir para crescer.

Inovar para competir. Competir para crescer. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 sumário Plano Brasil Maior...7 Dimensões do Plano...8 Dimensão Estruturante...11

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Sistema Indústria. 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57 milhões de alunos capacitados

Sistema Indústria. 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57 milhões de alunos capacitados Sistema Indústria CNI 27 Federações de Indústrias 1.136 Sindicatos Associados 622.874 Indústrias SENAI SESI IEL 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57

Leia mais

CARTA DE RIBEIRÃO PRETO

CARTA DE RIBEIRÃO PRETO CARTA DE RIBEIRÃO PRETO O Fórum de Inovação Tecnológica, Inclusão Social e Redes de Cooperação realizou-se no município de Ribeirão Preto nos dias 19 e 20 de Outubro de 2005. O Fórum pode ser considerado

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Programa SEBRAE SP & SUCESU-SP de Competitividade da MPE de Software e Serviços da cidade de São Paulo. Organização e Realização

Programa SEBRAE SP & SUCESU-SP de Competitividade da MPE de Software e Serviços da cidade de São Paulo. Organização e Realização Programa SEBRAE SP & SUCESU-SP de Competitividade da MPE de Software e Serviços da cidade de São Paulo Organização e Realização Perfil do Público Alvo Empresários e executivos de MPE de Software e Serviços

Leia mais

Desenvolvimento da Agricultura Irrigada no Brasil, sob Cenários Sustentáveis (PCT BRA/IICA/08/002)

Desenvolvimento da Agricultura Irrigada no Brasil, sob Cenários Sustentáveis (PCT BRA/IICA/08/002) Desenvolvimento da Agricultura Irrigada no Brasil, sob Cenários Sustentáveis (PCT BRA/IICA/08/002) Data do Início: 01/01/2008 Data do Término: 31/12/2011 Valor: R$ 21.000.000,00 Objetivo: Desenvolvimento

Leia mais

26 JANEIRO/FEVEREIRO 2005 diga lá nº 41

26 JANEIRO/FEVEREIRO 2005 diga lá nº 41 26 JANEIRO/FEVEREIRO 2005 diga lá nº 41 Profissional com SELO DE QUALIDADE Certificar os conhecimentos e as habilidades do trabalhador em sua área de atuação torna-se uma receita para garantir a competitividade

Leia mais

Programa Regionalização

Programa Regionalização Programa Regionalização Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Setembro/2010 Gestor: Henrique Villa da Costa Ferreira Secretário de Políticas de Desenvolvimento

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Santa Maria, 15 de Outubro de 2012 Pauta: 1) Contexto da Economia Criativa no Brasil de acordo com o Plano da Secretaria da Economia Criativa

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi. Árisson Carvalho de Araújo Gerente Núcleo de Projetos Industriais Coletivos (NPC) IEL MG

Instituto Euvaldo Lodi. Árisson Carvalho de Araújo Gerente Núcleo de Projetos Industriais Coletivos (NPC) IEL MG Instituto Euvaldo Lodi Árisson Carvalho de Araújo Gerente Núcleo de Projetos Industriais Coletivos (NPC) IEL MG Atuação do IEL em Coletivos Empresariais Identificação de gargalos tecnológicos e de gestão

Leia mais

IV Reunião das Administradoras de ZPE. Brasília, 15 de abril de 2015

IV Reunião das Administradoras de ZPE. Brasília, 15 de abril de 2015 IV Reunião das Administradoras de ZPE Brasília, 15 de abril de 2015 I. Atuação da RENAI Roteiro: II. Possibilidades de parceria RENAI - ZPEs Parte I RENAI O que é a RENAI? Rede Nacional de Informações

Leia mais

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO SUMÁRIO EXECUTIVO O Parque Tecnológico de Ribeirão Preto é um empreendimento imobiliário e tecnológico com características especificamente projetadas, incluindo serviços

Leia mais

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Ronaldo Mota Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Comissão Especial Pré-Sal / Fundo Social Câmara dos Deputados 6 de

Leia mais

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014 INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS Novembro de 2014 1 Competitividade de Destinos Emergência nos estudos sobre estratégia empresarial Indústria, empresas, países, organizações Diferentes

Leia mais

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA Levantamento da Base Industrial de Defesa (BID) Levantamento da Base Reunião Plenária do COMDEFESA Industrial de Defesa São Paulo, 05 de março de 2012 (BID) Reunião Ordinária ABIMDE São Bernardo do Campo,

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

AÇÕES INTEGRADAS Inovação e tecnologia Sistema Indústria incentiva projetos de inovação 4

AÇÕES INTEGRADAS Inovação e tecnologia Sistema Indústria incentiva projetos de inovação 4 AÇÕES INTEGRADAS Inovação e tecnologia Sistema Indústria incentiva projetos de inovação 4 IEL Nova gestão Diretor-geral projeta crescimento do Instituto 8 Curso BSC Capacitação abrange mais de 700 funcionários

Leia mais

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico SIBRATEC Instituído por meio do Decreto 6.259, de 20 de novembro de 2007 e complementado pela Resolução do Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008, para atender as demandas específicas de

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Apresentação Institucional IEL/SC

Apresentação Institucional IEL/SC Apresentação Institucional IEL/SC Natalino Uggioni Joaçaba, 12 de Maio de 2014 IEL NO BRASIL O Sistema Indústria Presente nos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal, o Sistema Indústria é composto

Leia mais

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA SIDERURGIA

PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA SIDERURGIA Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA SIDERURGIA Legenda: Branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho

Leia mais

Desenvolvimento Territorial a partir de sistemas produtivos locais como modalidade de Política Industrial no Brasil

Desenvolvimento Territorial a partir de sistemas produtivos locais como modalidade de Política Industrial no Brasil Desenvolvimento Territorial a partir de sistemas produtivos locais como modalidade de Política Industrial no Brasil Renato Caporali Confederação Nacional da Indústria Arranjos Produtivos Locais como modalidade

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Investimento e Financiamento

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Investimento e Financiamento PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de

Leia mais

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Anexo V - A Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Breve Histórico A Reunião Especializada em Ciência e Tecnologia do MERCOSUL RECYT, criada em 1992, realizou a sua primeira

Leia mais

REDEAGENTES - Proposta Metodológica -

REDEAGENTES - Proposta Metodológica - MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO COMÉRCIO EXTERIOR REDEAGENTES - Proposta Metodológica - PREMISSAS

Leia mais

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf)

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf) www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/cni/iniciativas/eventos/enai/2013/06/1,2374/memoria-enai.html Memória Enai O Encontro Nacional da Indústria ENAI é realizado anualmente pela CNI desde

Leia mais

O Programa. O escopo do Programa é trabalhar, junto a esses negócios, a temática da inovação, desde sua desmistificação até a sua sistematização;

O Programa. O escopo do Programa é trabalhar, junto a esses negócios, a temática da inovação, desde sua desmistificação até a sua sistematização; O Programa Programa de âmbito nacional criado pelo SEBRAE para atuar junto aos pequenos negócios, os orientando, acompanhando e criando fidelização pelo relacionamento; O trabalho é realizado através do

Leia mais

Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI!

Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI! Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI! 1 É preciso elevar a produtividade da economia brasileira (Fonte: BID ECLAC, Índice 1980=100) Produtividade na Ásia (média

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais