Assentamento Americana e Grupo Agroextrativista do Cerrado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Assentamento Americana e Grupo Agroextrativista do Cerrado"

Transcrição

1

2

3 UNICOM Universidades e Comunidades no Cerrado Assentamento Americana e Grupo Agroextrativista do Cerrado Uma experiência agroecológica no Norte de Minas Brasília-DF/Grão Mogol-MG 2012

4 Realização: Grupo Agroextrativista do Cerrado (Grão Mogol-MG) Programa Unicom Universidades e Comunidades no Cerrado Projeto Florelos Elos Ecossociais entre as Florestas Brasileiras (ISPN/ União Europeia) ISPN - Instituto Sociedade, População e Natureza Organização, pesquisa, texto, fotos, figuras e ilustrações: Igor Simoni Homem de Carvalho Revisão: Aparecido Alves de Souza e Carlos Alberto Dayrell Diagramação: Fábio Carvalho Agradecimentos: Centro de Agricultura Alternativa do Norte de Minas (CAA-NM); Cooperativa Grande Sertão; Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP); Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais (Nepam), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em especial aos Professores Sonia Bergamasco e Mateus Batistella; Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes); Emater-MG; IEF-MG; Incra; famílias do Assentamento Americana; e toda a população do município de Grão Mogol. Contatos: Este documento é resultado do Projeto FLORELOS: Elos Ecossociais entre as Florestas Brasileiras: Modos de vida sustentáveis em paisagens produtivas, desenvolvido pelo Instituto Sociedade, População e Natureza ISPN e possui o apoio financeiro da União Europeia. Este documento é de responsabilidade do autor não podendo, em caso algum, considerar-se que reflete a posição de seus doadores. Carvalho, Igor Simoni Homem. Assentamento Americana e Grupo Agroextrativista do Cerrado: uma experiência agroecológica no Norte de Minas. Brasília/DF - Grão Mogol/MG. Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN)/Grupo Agroextrativista do Cerrado. Brasil, p. ISBN: Meio ambiente; 2.Cerrado; 3.Minas Gerais; 4.Assentamento; 5.Agroecologia; 6.Agroextrativismo; 7.Agrobiodiversidade; 8.Biodiversidade.

5 Sumário Siglas 7 Apresentação 9 Introdução Cerrado: gente e ambiente 15 Breve histórico da região Norte de Minas 18 Histórico da área do Assentamento Americana 21 O Assentamento Americana A concepção do Assentamento 29 Aspectos ambientais 32 Água no Assentamento 36 Estrutura do Assentamento 38 Quem são as famílias do Assentamento? 40 O Grupo Agroextrativista do Cerrado 42 Práticas agropecuárias e agrobiodiversidade no Assentamento Americana Agrobiodiversidade: o que é? 49 A agrobiodiversidade do Assentamento 50 Sistemas agroflorestais e plantios consorciados 55 Madeiras e lenha 59 Hortas e quintais 60 Adubos e defensivos 62 Práticas agrícolas gerais 63 Fotos e figuras 64 Criação de gado 81 Outras criações de animais 87

6 Espécies nativas 89 Frutas nativas 90 Plantas medicinais 97 Animais silvestres 98 Considerações finais 102 Referências bibliográficas 108 Anexos 1. Pesquisas no Assentamento Americana Tabela da agrobiodiversidade Lista de espécies arbóreas Lista de plantas medicinais Espécies de animais vertebrados Lista de aves Regimento Interno do Assentamento Americana 130

7 Siglas CAA-NM Centro de Agricultura Alternativa do Norte de Minas AEFA CAA-NM Área de Experimentação e Formação em Agroecologia do CAA-NM AMDA Associação Mineira de Defesa do Ambiente AME Área de Manejo Extrativista APP Área de Preservação Permanente ATER Assistência Técnica e Extensão Rural CDS-UnB Centro de Desenvolvimento Sustentável CEBs Comunidades Eclesiais de Base Conab Companhia Nacional de Abastecimento CPT Comissão Pastoral da Terra Emater Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural Embrapa Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Fapesp Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo Fetaemg Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Minas Gerais GAC OSCIP Grupo Agroextrativista do Cerrado ICA - UFMG Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais IDENE Instituto de Desenvolvimento do Norte e Nordeste de Minas Gerais IEF Instituto Estadual de Florestas Incra Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária Nepam Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais OSCIP Organização da Sociedade Civil de Interesse Público P1MC Programa Um Milhão de Cisternas P1+2 Programa Uma Terra Duas Águas PAA Programa de Aquisição de Alimentos - Conab PDA Plano de Desenvolvimento do Assentamento PEGM Parque Estadual de Grão Mogol PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar - Conab RL Reserva Legal SENAR Serviço Nacional de Aprendizagem Rural STR Sindicato de Trabalhadores Rurais UC Unidade de Conservação UFMG Universidade Federal de Minas Gerais UnB Universidade de Brasília Unicamp Universidade Estadual de Campinas Unimontes Universidade Estadual de Montes Claros Uma experiência agroecológica no Norte de Minas

8

9 Apresentação A humanidade está passando por um momento no qual devemos superar a destruição do meio ambiente e as injustiças sociais para estabelecer formas mais harmônicas de relação entre os seres humanos e destes com a natureza. Em todo o mundo, se discute sobre formas de produção de alimentos e outros bens que contribuam, ao mesmo tempo, para uma boa qualidade de vida e para a preservação ambiental. Esta publicação tem como objetivo mostrar e sistematizar o trabalho desenvolvido no Assentamento Americana, localizado no município de Grão Mogol-MG. Este Assentamento surgiu como uma proposta de ocupação sustentável no Cerrado, visando a produção em consonância com a preservação ambiental. O leitor encontrará aqui informações sobre: o contexto e o histórico de implantação do Assentamento; a experiência das famílias que passaram a viver no Assentamento, a partir de 2001; e sobre as ideias e concepções por detrás dessa proposta, que se baseia na agroecologia, no agroextrativismo e no modo de vida tradicional dos Geraizeiros. São apresentadas informações sobre as variedades agrícolas cultivadas no assentamento, e sobre como são estes cultivos: os consórcios, sistemas agroflorestais, ocupação dos diferentes ambientes. São apresentadas ainda informações sobre o uso e manejo de espécies nativas do Cerrado pequi, rufão, coquinho-azedo, plantas medicinais e sobre aspectos relevantes à conservação da biodiversidade no Assentamento e na região. Uma experiência agroecológica no Norte de Minas

10 Grande parte das informações aqui apresentadas foram recolhidas do Plano de Desenvolvimento do Assentamento Americana (PDA), que foi coordenado, em 2002, pelo Centro de Agricultura Alternativa do Norte de Minas (CAA-NM) e pelo antigo Núcleo de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), hoje Instituto de Ciências Agrárias (ICA). O PDA resultou do trabalho de agricultores e agricultoras do Assentamento, de técnicos, estudantes e professores do CAA- NM, da UFMG e de entidades parceiras (STR de Grão Mogol, CPT, Unimontes, Incra). O PDA é a base desta publicação. Informações de outras pesquisas, algumas concluídas e outras em andamento, são também apresentadas neste trabalho. Após trabalhar, por dois anos, como técnico do Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN) em Brasília-DF, conheci o Assentamento Americana em visitas de campo do mestrado (Carvalho, 2007). Por mais dois anos, mantive relações de trabalho e pesquisa com o Grupo Agroextrativista do Cerrado, com o CAA-NM e com a Cooperativa Grande Sertão. Em 2009, ingressei no doutorado 1, elegendo o Assentamento Americana como foco central de minha pesquisa. A maior parte das informações aqui apresentadas foi levantada ao longo de sete anos de pesquisa e trabalho no Assentamento Americana. Foram muitas visitas, entrevistas e participação em reuniões e outras atividades. Seria impossível listar todas as pessoas que contribuíram respondendo a questionários, fornecendo informações, indicando caminhos. 1 Doutorado Interdisciplinar em Ambiente e Sociedade, Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais (Nepam), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). 10 Assentamento Americana e Grupo Agroextrativista do Cerrado

11 Deixo aqui meu profundo agradecimento a todas elas. É importante destacar também o apoio do ISPN, pelo programa Unicom (Universidades e Comunidades no Cerrado) e pelo projeto Florelos (Elos Ecossociais entre as Florestas Brasileiras). Sem este apoio, não teria sido possível a realização deste trabalho. Este trabalho é voltado a todos os públicos, mas, em especial, para aqueles que se interessam pela natureza e pela produção no Cerrado. Esperamos que sua leitura estimule reflexões e práticas que contribuam à conservação dos ecossistemas do Cerrado e a formas de produção e manejo que beneficiem toda a sociedade. Boa leitura! Igor S.H. de Carvalho Uma experiência agroecológica no Norte de Minas 11

12

13 Introdução

14

15 Cerrado: gente e ambiente O Cerrado é o segundo maior bioma da América do Sul: sua área original corresponde aproximadamente a dois milhões de hectares no Brasil, e pequenos territórios na Bolívia e Paraguai. Por detrás de sua vegetação incomum árvores tortas, troncos de casca grossa e folhas espessas está uma riqueza inestimável. Estudos apontam para a existência, no Cerrado, de um total de espécies de vertebrados terrestres (mamíferos, aves, répteis e anfíbios), sendo 117 endêmicas, ou seja, espécies que não ocorrem em nenhum outro lugar do mundo; e cerca de 10 mil espécies de plantas vasculares, sendo endêmicas. Isso sem contar as milhares de espécies de insetos, peixes, fungos, vegetais nãovasculares e microorganismos... (Alho, 2005). Não à toa, o Cerrado é considerado a savana mais biodiversa do planeta. O Cerrado é chamado também de o berço das águas, pois é nele que nasce grande parte dos rios das principais bacias da América do Sul: do São Francisco, do Prata (incluindo toda água do Pantanal) e grande parte da amazônica (Tocantins, Araguaia, Xingu, Tapajós). Além disso, a vegetação do bioma PARA SABER MAIS: Existem muitos estudos e textos que falam sobre o Cerrado suas riquezas (biodiversidade, água, comunidades e culturas) e a degradação que vem sofrendo. Listamos aqui duas publicações que contêm diversos artigos escritos por alguns dos principais pesquisadores do Cerrado, e que fornecem uma visão ampla sobre o bioma: SANO, Sueli. M.; ALMEIDA, Semíramis P (orgs). Cerrado: ambiente e flora. Planaltina-DF: Embrapa Cerrados, SCARIOT, Aldicir; SOUSA-SILVA, José C.; FELFILI, Jeanine M (orgs). Cerrado: ecologia, biodiversidade e conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, Uma experiência agroecológica no Norte de Minas 15

16 cumpre importante papel na absorção e retenção de CO 2. A maior parte do carbono se acumula sob o solo, especialmente nas raízes das árvores do Cerrado, que muitas vezes possuem biomassa duas vezes superior que a da parte aérea (tronco, galhos, folhas e frutos). Por isso, muitas vezes o Cerrado é conhecido como uma floresta de cabeça pra baixo. Mas as riquezas do Cerrado não se resumem aos importantes serviços ambientais que ele promove: água, biodiversidade e carbono. O Cerrado também abriga grande riqueza cultural: das diversas etnias indígenas que habitam o bioma há milênios, como os Xavante, os Timbira e os Xacriabá; e das populações tradicionais seculares Quilombolas, Caipiras, Vazanteiros, Geraizeiros. Estes povos, devido ao relativo isolamento e à necessidade de sobrevivência a partir dos recursos locais, aprenderam a conviver com os ecossistemas do Cerrado, praticando uma agricultura de pequena escala, complementada pela criação de animais e pelo extrativismo 2. São muitos os produtos do extrativismo no Cerrado. Dentre os frutos, temos, por exemplo, o pequi (Caryocar brasiliense), o buriti (Mauritia flexuosa), o baru (Dypterix alata) e o babaçu (Orbignya phalerata). Temos ainda inúmeras plantas medicinais, como a sucupira, o barbatimão, o pacari e a arnica. Outras plantas são usadas para a confecção de artesanato e utilitários, como o capimdourado e outras plantas da família das sempre-vivas. Além disso, temos o extrativismo de madeiras, usadas, por exemplo, na 2 Extrativismo é a coleta de produtos diretamente da natureza, produtos estes que não foram cultivados por nenhum ser humano. O extrativismo pode ser predatório, quando a coleta é superior à capacidade de recuperação natural; ou sustentável, quando a quantidade coletada é inferior à capacidade de regeneração do recurso explorado. 16 Assentamento Americana e Grupo Agroextrativista do Cerrado

17 construção de casas e cercas; e de lenha, produto indispensável na zona rural. Até mesmo os capins nativos, comidos pelo gado que é criado solto em áreas de Cerrado, podem ser considerados produtos do extrativismo vegetal no bioma. Apesar dessa grande riqueza, nas últimas décadas o Cerrado vem sendo devastado em um ritmo talvez nunca antes visto em outros biomas do planeta. A partir da década de 1970, a vegetação de árvores tortas passa a ser substituída por grandes monoculturas de soja, milho, eucalipto, cana, algodão, capim. A expansão urbana e de obras de infra-estrutura, como estradas e barragens, também contribuem significativamente para a degradação do Cerrado. E as populações camponesas e indígenas passam a ser expropriadas de suas terras, agravando a pobreza e aumentando o êxodo rural. As consequências deste processo são drásticas: secamento de córregos e nascentes, assoreamento de rios, degradação dos solos, perda de biodiversidade, perda do conhecimento associado aos ecossistemas, aumento das desigualdades sociais e econômicas (Mazzetto-Silva, 2009). Tal modelo de produção responde às demandas do mercado global e à agenda política do crescimento econômico a qualquer custo. No entanto, é cada vez mais evidente sua insustentabilidade. Então, qual seria a alternativa a este modelo? É possível produzir e preservar ao mesmo tempo? É possível gerar benefícios sociais e econômicos para as populações do Cerrado e para a sociedade em geral, enquanto sua biodiversidade e seus recursos naturais sejam conservados? Este material visa contribuir para responder essa questão, apresentando a experiência do Assentamento Americana e do Grupo Agroextrativista do Cerrado, em curso no município de Grão Mogol-MG, meso-região Norte de Minas. Uma experiência agroecológica no Norte de Minas 17

18 Breve histórico da região Norte de Minas As populações camponesas do Norte de Minas têm origem na mistura dos indígenas, que já habitavam a região há milênios, com negros e brancos que começaram a chegar na região a partir do século XVII, inseridos no processo de colonização estimulado pela busca por metais preciosos bandeirantes que vinham de São Paulo e pela ocupação das extensas pastagens nativas por criadores de gado vindos do nordeste do Brasil. Ao longo de três séculos, estas populações ocuparam os diversos ecossistemas da região, desenvolvendo modos de vida marcados pelo uso comum dos recursos naturais, pelo aproveitamento da biodiversidade nativa, pela criação de gado na solta e pelo cultivo em sistema de pousio (rotativo), que permitia a recuperação dos solos por até 10 anos. Às populações que ocupam as áreas de Cerrado, ou seja, os Gerais, dá-se o nome de Geraizeiras, ou também Geralistas. Estas populações não viviam totalmente isoladas: comercializavam excedentes nas feiras das cidades e povoados mais próximos, e dependiam de alguns recursos que não podiam produzir, como o sal. Por outro lado, aprenderam a produzir e extrair da natureza a maior parte daquilo que necessitavam, utilizando tecnologias simples e conhecimentos sobre o ambiente que habitavam, muitos deles herdados dos indígenas. Valiam-se também de relações de solidariedade e reciprocidade, estabelecidas nos laços de parentesco e compadrio e nas trocas de alimentos, sementes e dias de trabalho. A partir da década de 1960, porém, a realidade do Norte de Minas começa a mudar. Grandes empresas, incentivadas por políticas governamentais, passam a ocupar terras para implantação de grandes projetos econômicos. Muitas destas terras, apesar de já serem ocupadas e utilizadas pelos camponeses locais, não eram tituladas, e foram expropriadas de seus verdadeiros donos a favor das empresas, em nome do progresso. As 18 Assentamento Americana e Grupo Agroextrativista do Cerrado

19 áreas de Cerrado, as extensas chapadas dos Gerais, passaram a ser ocupadas, principalmente, por grandes monoculturas de eucalipto, destinadas à produção de carvão para a atividade siderúrgica de Minas Gerais. As consequências mais visíveis deste processo são a perda da biodiversidade e o secamento de córregos e nascentes, com impactos diretos na reprodução sócioeconômica das populações rurais da região, aprofundando as desigualdades sociais e o êxodo rural (Mazzetto-Silva, 1999; Luz & Dayrell, 2000; Nogueira, 2009). Com o fim da ditadura militar, retoma-se na região a organização política do campesinato, liderada por organizações progressistas da igreja católica Pastorais e Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) culminando na fundação de associações comunitárias, Sindicatos de Trabalhadores Rurais (STRs) e do Centro de Agricultura Alternativa do Norte de Minas (CAA- NM). Desde meados da década de 1980, o CAA-NM atua em prol dos camponeses norte-mineiros, incluindo: assessoria técnica e formação em agroecologia; valorização de suas culturas tradicionais; estímulo à sua participação política; e apoio à luta pela (re)conquista do acesso à terra, água e biodiversidade. PARA SABER MAIS: O termo agroecologia vem da união das palavras agricultura + ecologia, mas hoje significa mais do que simplesmente uma agricultura ecológica, podendo significar também uma ciência e um movimento social, abrangendo questões políticas, sociais e econômicas, e uma crítica severa ao modelo de desenvolvimento capitalista. Alguns autores que escrevem sobre a Agroecologia são Eduardo Sevilla-Guzmán, Miguel Altieri e Francisco Roberto Caporal. No Brasil, diversas organizações trabalham com práticas, movimentos e pesquisas agroecológicas, e se agrupam por meio da Articulação Nacional de Agroecologia (ANA). Mais detalhes em www. agroecologia.org.br. A partir do trabalho do CAA-NM, que também busca alternativas econômicas para os camponeses, foi fundada, em 2003, a Cooperativa dos Agricultores Familiares e Agroextrativistas Grande Sertão Ltda., ou, simplesmente, Cooperativa Grande Sertão, que envolve cerca de 200 comunidades do Norte de Minas, dentre elas, o Assentamento Americana, localizado no município de Grão Mogol (Figura 1, pag. 20). Uma experiência agroecológica no Norte de Minas 1

20 Figura 1. Localização da meso-região Norte de Minas e do município de Grão Mogol em relação ao Brasil e América do Sul. PARA SABER MAIS: O município de Grão Mogol pertence à meso-região Norte de Minas, mas faz parte da bacia hidrográfica do rio Jequitinhonha, abrigando um de seus principais afluentes: o rio Itacambiruçu. O relevo é formado por um trecho da Cadeia do Espinhaço (conhecido localmente como Serra da Bocaina ou Serra Geral), margeado por extensos chapadões. Grão Mogol é conhecido como o diamante do sertão norte-mineiro, devido às suas riquezas históricas e naturais. O local começou a ser ocupado no século XVIII, por meio do garimpo de diamante, e hoje conta com cerca de 15 mil habitantes, sendo a maioria residente na zona rural. Destaca-se como um dos principais pólos turísticos do Norte de Minas, sendo seus principais atrativos: as belas construções de pedra (foto 1), suas cachoeiras (foto 2), e sua rica biodiversidade, que inclui a espécie de cacto endêmica Discocactus horstii. Mais informações sobre a história e a natureza de Grão Mogol podem ser encontradas, por exemplo, nas seguintes publicações: Parrela, Ivana D. O teatro das desordens: garimpo, contrabando e violência no sertão diamantino São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: Fapemig, 2009, 178p. Pirani, J.R.; Mello-Silva, R.; Giulietti, A.M. Flora de Grão-Mogol, Minas Gerais, Brasil. Boletim de Botânica da Universidade de São Paulo, v.21(1), 2003, p E também no vídeo-documentário: De Grão em Grão. Vídeo-documentário, Brasil, Grão Mogol-MG, Digital, 60 min. Direção e roteiro: Frederico Borges; Produção: Deleni Arruda, Kátia Oliveira e Terezinha Paulino; Edição: Daniel Roscoe; Trilha sonora: Luciano Paco. (pedidos pelo uol.com.br) 20 Assentamento Americana e Grupo Agroextrativista do Cerrado

21 Histórico da área do Assentamento Americana Inserida no contexto de formação social, econômica e cultural do Norte de Minas, a área hoje ocupada pelo Assentamento Americana abrigou a formação de diversas comunidades rurais, como o Sossego, o Miguel e a Boa Vista. Até hoje, a maioria das localidades recebe seus antigos nomes. As famílias que aí viviam plantavam roça, criavam gado, e aproveitavam as frutas nativas. Existiam também grandes fazendas, mas grande parte da terra era de uso comum, sem um controle rígido por parte de seus proprietários. Daí se usa a expressão criar gado na solta, ou na larga, que significa que o gado pastava livremente pelos campos e cerrados naturais, sendo depois campeado por seus donos e por vaqueiros. Nessa área, existiam também inúmeras lagoas, e a vegetação era mais vigorosa do que é hoje. Em meados da década de 1970, a empresa Florestas Rio Doce, extinta subsidiária da antiga empresa estatal Vale do Rio Doce, passou a comprar terras em toda a região, com o objetivo de produzir carvão para as siderúrgicas de Minas Gerais. Em muitas fazendas adquiridas pela empresa, iniciou-se o plantio em larga escala do eucalipto e do Pinus. Em poucos anos, tais monoculturas dominaram extensas áreas do município (Figura 7, pág. 68), excluindo os pequenos proprietários e desestruturando as estratégias produtivas camponesas. Na elaboração do PDA do Assentamento Americana, foram recolhidos depoimentos de moradores antigos da região, que relatam os prejuízos da restrição do acesso às terras de Uma experiência agroecológica no Norte de Minas 21

22 chapada para a criação do gado na solta, para o extrativismo e para a caça: O prejuízo maior nosso foi na pecuária. Quando pai comprou o terreno, em 1964, só em 1972 é que pai veio morar. Nós saía de lá e ia até o Pulo, via mais de 200 criação na chapada. Hoje não vê nada. Quando tinha o pequizeiro, tinha o Jadir que fazia a vida dele no piqui. Acabou tudo. A madeira, quando a chapada era dos do lugar, podia pegar à vontade. Hoje num pode tirar mais. E onde é das firma, num pode porque elas mudou de plantação. E onde num mudou, num pode tirar. Com o desmatamento ficou tudo muito difícil, até para os bichinhos do mato. (...) Tinha várias caças, mas hoje, com este desmatamento, com este eucalipto, já ficou mais difícil, já fracassou muitos bichos (...) O que arrasou mesmo foi o desmatamento. Na Fazenda Americana, não houve um plantio massivo de eucalipto, mas foi realizada a extração de madeira nativa para a produção de carvão, com machados e motosserras, e o plantio de capim em algumas áreas. Um dos assentados conta que, em 1982, 26 operadores de motosserra atuavam simultaneamente na Fazenda. A exploração chegou a ter regime de manejo aprovado pelo Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal (IBDF), em Entretanto, a fiscalização era precária, e somente entre 20 e 30% das árvores foram poupadas do corte. 22 Assentamento Americana e Grupo Agroextrativista do Cerrado

23 A partir do início da exploração madeireira na região, começou um intenso processo de diminuição da disponibilidade de água no local: muitas lagoas secaram, e as chuvas diminuíram. A Sra. Maria Gonçalves Pereira dos Santos, nascida em 1932 e antiga moradora da comunidade Canivete, relata um pouco do processo: De 1975 pra cá, que deu uma crise horrorosa, mudou muitas coisas... (...) Tinha (mais chuva). (...) Essas cabeceiras aqui era tudo pindaíba, tudo era lagoa. (...) agora (está) tudo seca. Era tudo de peixe! Mas o povo botou fogo, botou fogo... (...) Elas (as árvores) eram mais verdes. Mais conservada. Porque a natureza não era cultivada desse jeito que está agora não... Tudo era beleza, tudo guardava umidade. As coisas dava mais. Dava mais milho, mais feijão, dava mandioca, dava cana, bastante. Foi o fogo! O que acabou com a água foi o fogo! Punha o fogo lá, o fogo descia. (...) deixa tudo no pó! Ali onde era umas roça, ali ficou trinta dias queimando o chão, que se a gente pisasse atolava a perna e queimava ainda. Uma menina lá de perto de casa queimou, enfiou a perna e queimou o pé dela tudo. O fogo é apontado, por diversos moradores e trabalhadores antigos da região, como fator crucial na diminuição das águas e na destruição ambiental. Um morador antigo do lugar, hoje assentado, também dá o seu relato: O maior estrago (na área do Assentamento) quem fez foi a Vale do Rio Doce desmate e fogo. Onde firma mexe, acontece tudo de ruim. Antes o fogo não subia como hoje. Aqui era escuro Uma experiência agroecológica no Norte de Minas 23

24 (devido à vegetação alta). Gado era só na solta. Capim era verde sequiságua (na época da seca e na época das chuvas). Não precisava de adubo, chovia muito. O corte de árvores na Fazenda Americana durou até meados de A partir do início da década de 1990, a Fazenda Americana foi praticamente abandonada: os fornos foram desativados e os equipamentos foram desmontados. Informalmente, a Fazenda passou a ser utilizada como pasto para o gado de vizinhos. A partir de 1997, com a privatização da Vale do Rio Doce, a empresa passa a leiloar várias de suas fazendas na região só no município de Grão Mogol eram 17, dentre elas, a Fazenda Americana. Assim que a notícia foi divulgada, em 1998, o Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR) de Grão Mogol solicita a orientação da Fetaemg (Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Minas Gerais) sobre como reivindicar a criação de um assentamento no local. Após a realização de uma assembléia com quase 400 participantes e a produção de um extenso abaixo-assinado, o STR de Grão Mogol encaminha a solicitação ao Incra. Houve também, neste momento, uma articulação da Associação Mineira de Defesa do Ambiente (AMDA), junto ao IEF (Instituto Estadual de Florestas), para incorporar a área da Fazenda no recém-criado Parque Estadual de Grão Mogol, porém sem sucesso. O primeiro laudo do Incra foi desfavorável à criação do Assentamento, alegando baixa qualidade do solo. Além disso, a Prefeitura de Grão Mogol emitiu ao Incra, nesse momento, uma declaração alegando não existirem sem-terras na região. O STR acionou então o apoio da Comissão Pastoral da Terra (CPT) e 24 Assentamento Americana e Grupo Agroextrativista do Cerrado

25 do Centro de Agricultura Alternativa do Norte de Minas (CAA- NM). A CPT e o CAA-NM já estavam envolvidos, desde a década de 1980, na luta camponesa pela terra, e no reconhecimento e valorização dos povos tradicionais do Norte de Minas. Merece destaque a luta geraizeira e agroextrativista pela implantação, no município vizinho de Riacho dos Machados, do Assentamento Tapera, importante fonte de conhecimento e inspiração para o Assentamento Americana. O CAA-NM e o Incra fizeram então nova vistoria no local, procurando identificar os modos de produção dos moradores antigos e atuais do local. Foi emitido um novo laudo, desta vez recomendando a implantação do assentamento, referenciado no modo de vida Geraizeiro e nos princípios do agroextrativismo e da agroecologia. Em 2001, estava criado o Assentamento Americana, e no início de 2002 foram legitimadas as primeiras famílias em seus lotes. No dia 21 de abril de 2002, foi fundada a Associação dos Assentados da Fazenda Americana, que é a instituição que representa as famílias assentadas perante os órgãos públicos e a sociedade civil. Uma experiência agroecológica no Norte de Minas 25

26

27 O Assentamento Americana

28

29 A concepção do Assentamento Americana O Assentamento Americana abriga uma proposta diferenciada de assentamento rural, na qual a viabilidade econômica e ambiental passa pelo agroextrativismo, ou seja, pela complementaridade entre atividades agro-pastoris e o uso da biodiversidade nativa. Dessa forma, de seus hectares, 24% é destinado à Reserva Legal, 34% aos lotes e os outros 42% correspondem à Área de Manejo Extrativista (AME), de uso coletivo (Figura 2). São 76 lotes, com tamanhos que variam entre 47 e 164 hectares, sendo a média de 78 hectares. O Assentamento engloba localidades conhecidas por diferentes nomes, usados há muitas décadas pelos moradores da região: Sapé, Miguel, Barreiro, Garça, Boa Vista, Branca, Sossego, Largo. Figura 2: Planta básica do Assentamento Americana, mostrando as áreas destinadas aos lotes, manejo extrativista e Reserva Legal. São mostrados também os nomes das diferentes localidades do Assentamento. Uma experiência agroecológica no Norte de Minas 29

30 A proposta do Assentamento Americana está detalhada no Plano de Desenvolvimento do Assentamento (PDA), que foi elaborado em 2002 pelo CAA-NM junto ao Núcleo de Ciências Agrárias da UFMG, e contou com a participação direta de assentados que já ocupavam a área nessa época e com o apoio de diferentes organizações: CPT, STR de Grão Mogol, Incra, Unimontes. Tal proposta tomou como base o modo de vida Geraizeiro, investigando o uso da terra historicamente praticado na área do Assentamento e suas redondezas, e identificando as diferentes potencialidades de cada ambiente, dos tipos de solo e da biodiversidade nativa. PARA SABER MAIS: O Plano de Desenvolvimento do Assentamento (PDA) reúne os elementos essenciais para o desenvolvimento dos Projetos de Assentamentos de Reforma Agrária, em estrita observância à diversidade de casos compreendida pelos diferentes biomas existentes, com destaque para os seus aspectos fisiográficos, sociais, econômicos, culturais e ambientais, sendo instrumento básico à formulação de projetos técnicos e todas as atividades a serem planejadas e executadas nas áreas de assentamento (Resolução Conama Nº 387, de 27 de Dezembro de 2006). A normatização das recomendações do PDA está no Regimento Interno do Assentamento Americana (Anexo 7, pág. 130), aprovado em assembleias da Associação realizadas em outubro de 2002 e junho de O Regimento regula a gestão, uso e ocupação dos lotes familiares, das áreas coletivas de manejo extrativista e Reserva Legal, instituindo normas para o trabalho nos lotes, tais quais: obedecer critérios de conservação dos solos e curvas de nível; não usar o fogo (exceto em queimadas controladas quando necessárias); não utilizar adubos químicos nem agrotóxicos; não realizar gradagens ou arações em áreas como 30 Assentamento Americana e Grupo Agroextrativista do Cerrado

31 brejos ou nascentes; produzir carvão somente no aproveitamento da lenha oriunda das roças e pastos. A Reserva Legal coletiva do Assentamento foi estabelecida em áreas de nascentes e com boa representatividade da flora local. Somente em 2012 sua averbação foi concluída junto ao IEF. O Regimento recomenda deixar ainda faixas de vegetação nativa em todos os lotes, equivalendo a cerca de 30% da área de cada um, permitindo assim o deslocamento de espécies da fauna pelos lotes. Para as Áreas de Manejo Extrativista, o Regimento Interno estabelece a proibição da produção de carvão e da caça, apontando que elas se destinam a: criação de gado, obedecendo a capacidade de suporte; coleta de frutos, plantas medicinais e lenha seca, e captura de abelhas para criação; e extração seletiva de madeira, sob a supervisão da diretoria da Associação, e somente para uso interno. O Regimento Interno visa contribuir para uma exploração mais racional e adequada dos lotes e das Áreas de Manejo Extrativista, visando a maior sustentabilidade econômica e ambiental do Assentamento. A implantação destas normas deve ser feita com apoio do órgão de Assistência Técnica e Extensão Rural 3 (ATER), mas depende também da compreensão e do comprometimento de cada família. Espera-se que, com o desenvolvimento da produção no Assentamento, seja revelada a utilidade destas normas, e sua adoção seja consolidada em todos os lotes. 3 Até março de 2012, a ATER oficialmente do Assentamento Americana era responsabilidade da Emater, sendo assumida então pelo CAA-NM. Uma experiência agroecológica no Norte de Minas 31

32 Aspectos ambientais A área do Assentamento Americana fica ao norte do município de Grão Mogol, próximo ao município de Riacho dos Machados (Figura 3), inserido em um extenso chapadão que margeia a Serra da Bocaina pelo seu lado oeste. Grande parte do espigão desta Serra está inserida, desde 1998, no Parque Estadual de Grão Mogol (PEGM), de 28,4 mil hectares. Figura 3. Localização do município de Grão Mogol em relação à meso-região Norte de Minas, com destaque para as áreas do Assentamento Americana e do Parque Estadual de Grão Mogol (PEGM). 32 Assentamento Americana e Grupo Agroextrativista do Cerrado

33 A maior parte do Assentamento está coberta por vegetação nativa, sendo 85% de vegetação de Cerrado: cerrado sensu strictu (predominante), campo sujo, campo limpo, cerradão e algumas áreas de mata ciliar, brejos e várzeas (Foto 4, pág. 67, e Figura 8, pág. 69). Há ainda algumas áreas de transição para a Caatinga, com presença de carrascos, e cerca de 8% de mata seca (floresta caducifólia), presente exclusivamente em áreas do Largo e do Sossego. Nas áreas mais antropizadas, tem-se a presença de pastos plantados com capins exóticos e ainda 7ha de plantação de Pinus sp. (CAA-NM & UFMG, 2002; Maciel & Carvalho, 2009). Cada lote do Assentamento possui diferentes ambientes, de forma a contemplar todos os usos previstos em sua concepção. As três unidades ambientais básicas são: baixada, tabuleiro e chapada (Figura 4). A chapada é utilizada mais para solta de gado e extrativismo. É no tabuleiro e na baixada que se plantam os cultivos alguns deles estão melhor adaptados a um ou ao outro ambiente, mas muitos podem ser cultivados nos dois. Chapada: extrativismo, gado Tabuleiro: casa, quintal, pomar, pequenas criações, horta, SAFs, abacaxi Baixada: cana, milho, mandioca, banana, araçá, SAFs Figura 4: Visualização, em perfil, dos três principais ambientes presentes em cada lote do Assentamento Americana. Esta figura é meramente ilustrativa, e não obedece às proporções reais. A baixada, chamada também de baixa ou vazante, possui solo mais fértil (organossolo mésico e gleissolo melânico), que Uma experiência agroecológica no Norte de Minas 33

34 viabiliza a produção de culturas mais exigentes, como milho, cana e capins de corte (capineiras). Aí também se planta mandioca, feijão, banana e abacaxi. Em alguns lotes, onde as áreas de baixada são mais úmidas ou encharcadas, algumas famílias cultivam arroz, mas vêm tendo dificuldades por causa do ataque de passarinhos e capivaras, e pela degradação causada aos brejos. Mesmo assim, pode ser viável a produção de variedades de arroz de sequeiro em alguns lotes. Nas baixadas se encontra espécies nativas como o araçá, o maracujá-nativo, a pindaíba e a aroeirinha. Brejos, várzeas, córregos e matas de galeria são também encontradas nas áreas de baixada de alguns lotes. Utiliza-se também a denominação de vereda para estas áreas. O manejo agrícola nas baixadas deve ser especialmente cuidadoso, evitando-se o uso de máquinas pesadas e mesmo a solta do gado. Além das APPs (faixas de 30m de vegetação nas margens de nascentes, brejos, córregos e lagoas), o Regimento Interno recomenda deixar faixas de 30 a 50m de largura entre a baixada e o tabuleiro. O tabuleiro é a encosta que liga a baixada à chapada, com Relevo Suave Ondulado (declividade geralmente menor que 10%). É onde se instalam a casa, o quintal, o pomar, a horta, as criações de pequenos animais (galinha, porco, cabras) e o curral. Os solos do tabuleiro (latossolos vermelho-amarelo distrófico de textura média) são apropriados para muitos cultivos: abacaxi, andu, urucum, mandioca, feijão etc. Espécies nativas comumente encontradas aí são angico, pequi, sucupira e embiruçu. A chapada corresponde à maior parte de cada lote. É a parte alta do terreno, sendo em geral plana ou com declive muito suave. 34 Assentamento Americana e Grupo Agroextrativista do Cerrado

35 Os solos da chapada, apesar de também serem classificados como latossolos vermelho-amarelo, são diferenciados dos tabuleiros no uso agrícola. Os Geraizeiros, tradicionalmente, usam a chapada para o extrativismo de frutas, plantas medicinais, lenha e madeira e para a solta do gado, que aí aproveita sua forragem nativa. Os solos são considerados fracos, e pouco aptos para o plantio da maioria dos cultivos, mas adequados ao plantio de capins como braquiária. Em alguns lotes, há áreas de declive acentuado com presença marcante de cascalho, onde também sobrevivem diversas espécies do Cerrado, inclusive capins. A chapada é considerada também a caixa d água do Cerrado, pois é nela que infiltra a maior parte da água das chuvas, contribuindo para a manutenção e recuperação do lençol freático, de nascentes, rios, córregos e lagoas. As áreas de chapada correspondem à maior parte do Assentamento Americana, sendo cobertas principalmente por cerrado sensu stricto, campo sujo e cerradão. Nela se encontram diversas espécies nativas: barbatimão, cagaita, jatobá, pau-santo, pequi, rufão, tingui, vinhático. O Regimento Interno recomenda deixar, nas áreas de chapada dos lotes, faixas de vegetação nativa de 10m de largura em curvas de nível nas áreas de chapada, a cada 70 ou 100m, além de faixas de 50m na divisa de um lote com o outro (estas englobam também trechos de tabuleiro e baixada). Estas faixas formam corredores ecológicos, permitindo o fluxo genético de espécies nativas e contribuindo à conservação da biodiversidade e ao equilíbrio dos ecossistemas. Uma experiência agroecológica no Norte de Minas 35

36 Água no Assentamento Americana A área do Assentamento Americana é marcada pela presença de lagoas e brejos, que são afloramentos do lençol freático e se configuram em nascentes, que: vertem para o norte, abastecendo o rio Vacaria, que deságua no rio Jequitinhonha; e que vertem para o sul, formando o córrego Extrema, que deságua no rio Itacambiruçu, outro tributário do Jequitinhonha. Até os anos 1970, estas lagoas do Miguel, das Pedras, Americana, Mutuca, Marruaz, Branca, Boa Vista, dos Porcos, Garça e Nova (foto 3) eram perenes, e atraiam moradores de toda a região para a pesca, segundo diversos relatos. Progressivamente, muitas dessas lagoas e brejos foram secando, ou se tornando intermitentes. Em alguns casos, foram construídas barragens para segurar a água por mais tempo. Atualmente, há pouca disponibilidade de água superficial no Assentamento, e todo cuidado deve ser tomado para evitar o secamento das nascentes, lagoas e córregos remanescentes. Felizmente, o Assentamento conta com boa quantidade de água subterrânea. Foram implantados quatro poços artesianos (poços tubulares profundos), com vazão suficiente para uso doméstico das famílias. A água destes poços é lançada para caixas d água e distribuída às casas por encanamento. Contudo, o valor do litro d água cobrado é considerado muito alto pelas famílias assentadas, impedindo a utilização desta água na irrigação de cultivos. Além disso, é importante que o uso da água subterrânea seja menor que a capacidade de recarga do lençol freático, para que 36 Assentamento Americana e Grupo Agroextrativista do Cerrado

37 seja sustentável. Alguns assentados mantêm ainda, em seus lotes, cisternas perfuradas nas áreas de baixada, para uso complementar. A alternativa mais sustentável para complementação da disponibilidade hídrica tem sido a captação e armazenamento da água da chuva, por meio de cisternas de placas de cimento e estrutura de ferro, construídas por meio dos programas P1MC e P1+2 Programas 1 milhão de cisternas e uma terra e duas águas 4. As cisternas caseiras, de 16 mil litros, captam água do telhado para ser usada na cozinha (Foto 18, pág. 76). Já as cisternas calçadão (Foto 19, pág. 76) armazenam até 52 mil litros de água, que é usada para irrigação de hortas e dessedentação de animais. O calçadão é uma área cimentada de 200m², por onde é captada a água. É possível encher uma cisterna dessas com apenas 350mm de chuvas. Como na região do Assentamento Americana incidem de 800 a 1000mm de chuvas anuais, as cisternas calçadão podem promover uma disponibilidade de mais de cem mil litros de água por família/ano. Além disso, os calçadões podem ser usados para secagem de produtos agrícolas no período da seca. Todos os membros do Grupo Agroextrativista já contam com suas cisternas de placas. Boa parte dos outros assentados também já tem as suas, sendo que alguns dispõem de cisternas de plástico. Alguns assentados trabalham ainda como pedreiros e mobilizadores dos programas P1MC e P1+2. O cuidado com os recursos hídricos do Assentamento Americana é um grande desafio, exigindo o esforço de todos, principalmente através da preservação e recuperação da 4 Mais detalhes na página da ASA Articulação do Semi-Árido: Uma experiência agroecológica no Norte de Minas 37

38 cobertura vegetal. Caso sejam seguidas as recomendações do PDA e do Regimento Interno, no sentido de manter a vegetação nativa das chapadas e deixar faixas de vegetação nos lotes e nas margens de corpos d água, espera-se um aumento da disponibilidade de água superficial e de umidade nos solos do Assentamento. Alguns assentados são confiantes quanto a essa possibilidade, e um deles diz: Você sabe que é possível voltar a água. Não passa mais a roçadeira naquela manga na área da sede, não deixa o fogo pegar mais faz um trabalho desse, deixando faixas, deixando o que tem e introduzindo mais. Estrutura do Assentamento Americana O Assentamento Americana é cortado pela BR 251, rodovia de intenso movimento de carretas, e umas das principais ligações entre o Sudeste e o Nordeste do Brasil. A rodovia MG-120, principal acesso a Riacho dos Machados, atravessa um pequeno trecho do Assentamento. Passam pelo Assentamento também três estradas com revestimento primário que ligam à sede do município de Grão Mogol. Uma rede interna de estradas sem revestimento dá acesso a todos os lotes. A maior parte delas está em bom estado de conservação, principalmente pelo fato do relevo predominante ser plano, e por não serem estradas de movimento muito intenso. Nos trechos com declividades acentuadas, há risco ou incidência de erosões, sendo importante a implantação de barraginhas 38 Assentamento Americana e Grupo Agroextrativista do Cerrado

39 nas laterais da estrada. Estes tanques de retenção de água, além de evitarem enxurradas, contribuem para a recarga do lençol freático e para a recuperação de córregos e nascentes. Entretanto, uma das principais carências do Assentamento é relativa ao transporte. As linhas de ônibus municipais operam poucos dias por semana, e passam longe de muitos lotes, assim como os ônibus escolares. O deslocamento interno no Assentamento é penoso: alguns assentados chegam a ter que pedalar por duas horas para chegar à sede do Assentamento e participar das reuniões da Associação. Uma melhoria nos transportes é uma das principais reivindicações dos assentados para melhorar a estrutura do Assentamento. Outra reivindicação é por escolas dentro do Assentamento: as crianças, jovens e adultos têm que freqüentar escolas de outras comunidades, da sede de Grão Mogol ou de municípios vizinhos. É importante também que as escolas ofereçam ensino de qualidade, com materiais e metodologias adequadas à realidade da região, como a Escola Geraizeira 5, proposta que já operou no Assentamento Tapera. O crédito habitação, que deveria ser liberado pelo Incra no primeiro ano do Assentamento, para construção de casas para as famílias assentadas, só foi liberado em 2011 e Até então, muitas famílias viviam em construções precárias. Por outro lado, 5 Detalhes sobre a Escola Geraizeira estão no documento: Associação dos Assentados Nossa Senhora das Oliveiras do Assentamento Tapera; Prefeitura Municipal de Riacho dos Machados. Escola Rural Geraizeira: histórico e projeto político-pedagógico. Riacho dos Machados-MG, Julho de Uma experiência agroecológica no Norte de Minas 39

40 os assentados consideram falho o projeto padrão de casa de alvenaria, exigido pelo Incra. Reivindicam, assim, a possibilidade de uso de materiais alternativos por exemplo, tijolos de adobe e que o projeto contemple construções adicionais, especialmente fogão de lenha na cozinha e áreas externas cobertas (como varanda e área de serviço). Felizmente, todos os lotes com moradores já contam com energia elétrica. Quem são as famílias do Assentamento Americana? Os assentados são oriundos da própria região, alguns do próprio município de Grão Mogol, e outros de municípios vizinhos: Porteirinha, Riacho dos Machados, Montes Claros. Alguns deles são nascidos e criados no Gerais, e se autoidentificam como Geraizeiros. Outros vêm de localidades cujo ambiente predominante é de Caatinga ou Mata Seca, mas também compartilham conhecimentos sobre a agrobiodiversidade da região. O Assentamento Americana abriga, atualmente, cerca de 250 moradores, sendo metade adultos e a outra metade, jovens e crianças. Com a ocupação permanente dos 76 lotes, prevê-se uma população futura de aproximadamente 400 pessoas no Assentamento. A baixa densidade populacional no Americana associa-se à baixa disponibilidade de solos férteis ( terra de cultura ) e à grande extensão de solos ácidos (chapadas), 40 Assentamento Americana e Grupo Agroextrativista do Cerrado

41 impróprios para cultivos anuais básicos, como feijão, milho e cana, mas apropriados para usos menos intensivos dos recursos (extrativismo, solta de gado). A maior parte das famílias do Assentamento Americana tem, como atividade principal, o trabalho em seus lotes: cultivos, criações e serviços domésticos. Geralmente, o objetivo central desse trabalho é a auto-suficiência, ou seja, evitar pagar por aquilo que se pode produzir e fazer. De 37 famílias entrevistadas, a produção no lote é a principal atividade de sustento familiar para 16, e está entre as três mais importantes para 28 famílias. Todas as famílias buscam, também, formas de obter renda. A prestação de serviços remunerados é a fonte de renda mais importante para 13 famílias, e está entre as três mais significativas para, ao menos, outras 20. São mais freqüentes os serviços prestados no próprio Assentamento e seu entorno, em obras civis ou em trabalhos de roça. Em menor proporção estão os assentados que trabalham em firmas de eucalipto e outros que recebem ajuda de custo em trabalhos institucionais. Benefícios do governo, como Bolsa Família e aposentadorias, estão entre as três fontes de renda mais importantes para, pelo menos, 20 famílias. Ao menos 18 famílias têm, na comercialização de produtos agropecuários, uma das atividades econômicas principais. A venda é feita, na maioria das vezes, de maneira informal, em feiras livres ou diretamente ao consumidor. Muitas famílias têm ainda o costume de trocar dias de serviço, e em situações específicas, trabalhar em mutirão. Estas relações de trabalho reforçam os laços de solidariedade entre as famílias, e impactam de maneira positiva na produção e nas economias domésticas. Uma experiência agroecológica no Norte de Minas 41

42 Para 11 famílias, a produção e venda de carvão é uma das três principais fontes de renda. Alguns assentados relatam que esta atividade não tem sido vantajosa, pois o preço do carvão tem caído muito. Além disso, o trabalho nos fornos é fatigante e insalubre. Dessa forma, é importante que as roças e criações, o extrativismo e a comercialização de produtos agropecuários sejam reconhecidos como atividades economicamente mais vantajosas do que a produção de carvão. A diversidade de situações vivenciada por cada família, nas diferentes localidades dentro do Assentamento, muitas vezes dificulta a convergência de interesses e ações. Contudo, existe um progressivo amadurecimento da organização dos Assentados, tanto em torno da Associação quanto no nível das relações de vizinhança nas diferentes localidades. Somente por meio das relações de diálogo e de cooperação é que as famílias assentadas conquistarão avanços sociais, econômicos e políticos. O Grupo Agroextrativista do Cerrado Buscando uma maior autonomia para atuar em torno da agroecologia, um grupo de famílias do Assentamento Americana decidiu fundar, em julho de 2006, uma OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) chamada Grupo Agroextrativista do Cerrado 6. O Grupo é composto, em sua 6 Identificado informalmente como Oscip ou Grupo pelos seus próprios membros, passou a ser identificado como Grupo da Boa Vista por pessoas de fora, relacionando-o à localidade conhecida por este nome. Assim, o Grupo incorporou o nome Boa Vista em sua logomarca. Contudo, nem todos os membros do Grupo vivem na Boa Vista, e nem todos moradores da Boa Vista fazem parte do Grupo. 42 Assentamento Americana e Grupo Agroextrativista do Cerrado

43 maioria, por famílias que já atuavam junto ao CAA-NM desde antes de existir o Assentamento, e que já estavam vinculadas à agroecologia, ao agroextrativismo e aos movimentos sociais, por meio dos STR locais, e por meio também das CEBs (Comunidades Eclesiais de Base) e da CPT (Comissão Pastoral da Terra). Algumas famílias do Grupo, por terem nascido e passado toda sua vida em ambiente de Gerais, detém um profundo conhecimento sobre a agricultura geraizeira e o manejo dos ecossistemas do Cerrado. O conhecimento destas famílias contribuiu (e vem contribuindo) para o desenvolvimento do próprio trabalho do CAA-NM e da Cooperativa Grande Sertão. O Grupo está composto hoje por famílias moradoras de onze 7 lotes do Assentamento. O trabalho agroecológico e agroextrativista desenvolvido por estas famílias vem se tornando uma referência nacional e até mesmo internacional, recebendo visitas de profissionais, pesquisadores e ativistas de diferentes partes do Brasil e do mundo. O trabalho dos Geraizeiros do Grupo já chamou a atenção até de veículos da grande mídia, resultando, por exemplo, em reportagens do Globo Rural 8. Os membros do Grupo estão passando pela análise das certificadoras Insitituto Biodinâmico (para produtores orgânicos) e da FLO- CERT (para produtores do Comércio Justo), por meio do processo de certificação da Cooperativa Grande Sertão, da qual são cooperados. 7 O número de famílias associadas ao Grupo Agroextrativista do Cerrado pode variar ao longo do tempo, pois famílias associadas podem se desligar, enquanto outras de fora podem se associar. O Grupo também está aberto para a associação de famílias que vivem no entorno do Assentamento. 8 Globo Rural, reportagens Mudas de araticum (08/04/2007), Frutas do cerrado (30/04/2006) e Geraizeiros de Córregos (ano 2000). Uma experiência agroecológica no Norte de Minas 43

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade.

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade. São as áreas protegidas da propriedade. Elas não podem ser desmatadas e por isso são consideradas Áreas de Preservação Permanente (APPs). São as faixas nas margens de rios, lagoas, nascentes, encostas

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Luis Carrazza Apresentação no encontro temático do CONSEA Água, soberania e segurança alimentar e nutricional São Paulo/SP

Leia mais

Clipping de notícias. Recife, 15 de setembro de 2015.

Clipping de notícias. Recife, 15 de setembro de 2015. Clipping de notícias Recife, 15 de setembro de 2015. Recife, 15 de setembro de 2015. Recife,15 de setembro de 2015. Recife,15 de setembro de 2015. Recife, 15 de setembro de 2015. 14/09/2015 ProRURAL DEBATE

Leia mais

ANEXO 1 MODELO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE

ANEXO 1 MODELO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE ANEXO 1 MODELO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE Data: / / 20 Ao Projeto RN Sustentável Prezado Senhor(a) A Organização Social devidamente legalizada e abaixo identificada, representando a (as) comunidades

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

Juventude rural e os desafios dos povos e comunidades tradicionais do Sertão Norte mineiro

Juventude rural e os desafios dos povos e comunidades tradicionais do Sertão Norte mineiro Juventude rural e os desafios dos povos e comunidades tradicionais do Sertão Norte mineiro Fotos: Arquivo CAA-NM Samuel Leite Caetano, Aline Silva de Souza, Marilene Alves de Souza e Helen Santa Rosa Jovem

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

6 Exploração florestal ATENÇÃO!

6 Exploração florestal ATENÇÃO! 6 Exploração florestal 6.1 O que depende de autorização ambiental? Uso alternativo do solo Toda intervenção na cobertura vegetal nativa (ou seja, desmatamento com ou sem destoca, raleamento ou brocamento

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

AGROEXTRATIVISTAS DO CERRADO: ARTICULAÇÃO DO AGROEXTRATIVISMO DA REDE CERRADO REALIZAÇÃO: APOIO:

AGROEXTRATIVISTAS DO CERRADO: ARTICULAÇÃO DO AGROEXTRATIVISMO DA REDE CERRADO REALIZAÇÃO: APOIO: REALIZAÇÃO: Centro de Desenvolvimento Agroecológico do Cerrado AVALIANDO E UTILIZANDO INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE ARTICULAÇÃO DO AGROEXTRATIVISMO DA REDE CERRADO APOIO: 2005 CARTILHA: AVALIANDO E UTILIZANDO

Leia mais

O Código Florestal e a contribuição dos trabalhadores de pesquisa e desenvolvimento

O Código Florestal e a contribuição dos trabalhadores de pesquisa e desenvolvimento O Código Florestal e a contribuição dos trabalhadores de pesquisa e desenvolvimento agropecuário Vicente Almeida Presidente do SINPAF O que é o SINPAF? É o Sindicato Nacional que representa os trabalhadores

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

DISSEMINAÇÃO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS BARRAGINHAS E LAGO DE MÚLTIPLO USO PARA SEGURANÇA HÍDRICA DE LAVOURAS E ALIMENTAR DE COMUNIDADES

DISSEMINAÇÃO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS BARRAGINHAS E LAGO DE MÚLTIPLO USO PARA SEGURANÇA HÍDRICA DE LAVOURAS E ALIMENTAR DE COMUNIDADES XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 DISSEMINAÇÃO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS BARRAGINHAS E LAGO DE MÚLTIPLO USO PARA SEGURANÇA HÍDRICA DE LAVOURAS E ALIMENTAR

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 Institui o Programa Nacional de Apoio aos Produtos Nativos do Cerrado e dá outras providências. Autor: Deputado

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

Seu Alcides conta sua experiência com tecnologias de captação de água de chuva para a convivência com o semiárido

Seu Alcides conta sua experiência com tecnologias de captação de água de chuva para a convivência com o semiárido Seu Alcides conta sua experiência com tecnologias de captação de água de chuva para a convivência com o semiárido Introdução Alcides Peixinho Nascimento 1 Alaíde Régia Sena Nery de Oliveira 2 Fabrício

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

Nome: Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará -EMATERCE

Nome: Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará -EMATERCE MODELO DE INSCRIÇÃO DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome: Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará -EMATERCE Endereço: Avenida Bezerra de Menezes, 1900 Executora de Chamada pública de Ater ( x ) Sim

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 045-MA

FICHA PROJETO - nº 045-MA FICHA PROJETO - nº 045-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: Floresta Legal corredores florestais conectando habitats e envolvendo pessoas 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Silva Jardim, Rio Bonito,

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 066-C

FICHA PROJETO - nº 066-C FICHA PROJETO - nº 066-C CONSOLIDAÇÃO Grande Projeto LOGO Instituição Parceira 1) TÍTULO: Frutos do Cerrado - Fortalecimento Organizacional e Produção Sustentável de Agricultores Extrativistas do Tocantins

Leia mais

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp BIOMAS DO BRASIL BIOMA Definição: Bioma, ou formação planta - animal, deve ser entendido como a unidade biótica de maior extensão geográfica, compreendendo varias comunidades em diferentes estágios de

Leia mais

Energia e Desenvolvimento Sustentável:

Energia e Desenvolvimento Sustentável: Energia e Desenvolvimento Sustentável: Encruzilhadas da Era Moderna José Felipe Ribeiro Embrapa DE-TDAS Energia e Envolvimento Sustentável: Encruzilhadas da Era Moderna José Felipe Ribeiro Embrapa SEDE

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG

BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG Marcelo Oliveira Santos; Laércio Antônio Gonçalves Jacovine;

Leia mais

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente?

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? O Meio Ambiente ::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? Seu João: Não sei não! Mas quero que você me diga direitinho pra eu aprender e ensinar todo mundo lá no povoado onde eu moro. : Seu João,

Leia mais

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Informações do Processo: Nome do Interessado: Nº do Processo: Data / de 20 Município: Localidade: Vistoria: Data: / / 20 Técnicos

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Realização: Instituto Energias do Brasil Endereço: Rua Bandeira Paulista, 530 11º andar CEP: 04532-001 São Paulo São Paulo, Brasil. Responsável:

Leia mais

BIOMAS BRASILEIROS. Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia

BIOMAS BRASILEIROS. Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia BIOMAS BRASILEIROS Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia BIOMA: É CONJUNTO DE ECOSSISTEMAS TERRESTRES, CLIMATICAMENTE CONTROLADOS, QUE SÃO CARACTERIZADOS POR UMA VEGETAÇÃO PRÓPRIA (RAVEN ET AL., 2001) LOCALIZAÇÃO

Leia mais

A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA

A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA Coordenador do Grupo de Inteligência Territorial Estratégica GITE da Embrapa TULIO BARBOSA Mineiro de Guidoval TULIO BARBOSA

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

Nº 06. sistema agroflorestal

Nº 06. sistema agroflorestal EMEIO AMBIENT Nº 06 sistema agroflorestal Em uma sala de aula na zona rural... Bom dia! Bom dia, professor! Hoje vamos falar sobre o futuro do planeta! O senhor disse que iríamos estudar agricultura e

Leia mais

Visão integrada. da conservação

Visão integrada. da conservação para sempre Em busca do equilíbrio entre a produção econômica e a conservação do Pantanal, o WWF-Brasil atua na Bacia Hidrográfica do Alto Paraguai em uma perspectiva transfronteiriça e em articulação

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais Políticas Públicas PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais A PNPCT reafirma a importância do conhecimento, da valorização e do respeito à diversidade

Leia mais

Cerrado em foco. Ecossistema. Pequi

Cerrado em foco. Ecossistema. Pequi Cerrado em foco Ecossistema Pequi O Ecossistema é o conjunto formado por dois grandes grupos, os seres que tem vida e os que não tem. Tudo o que tem vida, é chamado de ser biótico. São as plantas, os animais,

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

Políticas Públicas para o Uso sustentável da Caatinga: Alternativa para convivência com inclusão social e promoção do Desenvolvimento Rural.

Políticas Públicas para o Uso sustentável da Caatinga: Alternativa para convivência com inclusão social e promoção do Desenvolvimento Rural. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável Departamento de Combate à Desertificação Políticas Públicas para o Uso sustentável da Caatinga: Alternativa para

Leia mais

Sumário Executivo Rio Longá

Sumário Executivo Rio Longá Sumário Executivo Rio Longá 2 SUMÁRIO EXECUTIVO Bacia Hidrográfica do Rio Longá recorte de atuação nas nascentes do Rio dos Matos e Rio Correntes, afluentes do Rio Longá. Mapa da bacia e do recorte espacial

Leia mais

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROJETO PROGRAMA SENTINELAS DA SERRA

MATERIAL DE APOIO PROJETO PROGRAMA SENTINELAS DA SERRA MATERIAL DE APOIO PROJETO PROGRAMA SENTINELAS DA SERRA Patrocínio: Apoio: A SERRA DA BODOQUENA SURGIMENTO Entre 580 e 540 milhões de anos, havia um supercontinente na Terra chamado de Rodínia. Nos oceanos

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

Pecuária Orgânica Certificada

Pecuária Orgânica Certificada Pecuária Orgânica Certificada O Pantanal Planície de inundação periódica, reconhecida internacionalmente como de relevante importância para a biodiversidade, o Pantanal está inserido na bacia hidrográfica

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos Pra começo de conversa, um video... NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 3 ELABORAÇÃO DO NOVO

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Ações do Sistema SEPROR para o incentivo a produção de orgânicos. Sonia Alfaia Secretaria Executiva Adjunta de Planejamento

Ações do Sistema SEPROR para o incentivo a produção de orgânicos. Sonia Alfaia Secretaria Executiva Adjunta de Planejamento Ações do Sistema SEPROR para o incentivo a produção de orgânicos Sonia Alfaia Secretaria Executiva Adjunta de Planejamento Política Institucional da SEPROR QUEM SOMOS NÓS? O Amazonas possui 270 mil produtores

Leia mais

www.desmatamentozero.org.br Greenpeace/Daniel Beltra

www.desmatamentozero.org.br Greenpeace/Daniel Beltra Greenpeace/Daniel Beltra www.desmatamentozero.org.br Chega de desmatamento no Brasil As florestas são fundamentais para assegurar o equilíbrio do clima, a conservação da biodiversidade e o sustento de

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes POLÍTICAS PÚBLICAS ATRAVÉS DA VALORAÇÃO DE SERVIÇOS AMBIENTAIS: ESTUDO DE CASO PARANÁ / MATA CILIAR Juiz de Fora 2008 3 Érika

Leia mais

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Janeiro - 2011 Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

CONTEXTUALIZANDO O PPP-ECOS

CONTEXTUALIZANDO O PPP-ECOS Somando esforços locais em busca de meios de vida sustentáveis com benefícios ambientais globais: a experiência do Programa de Pequenos Projetos Ecossociais PPP-ECOS Andréa Lobo Donald Sawyer Isabel Figueiredo

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas Capítulo 07 Distribuição dos Ecossistemas A terra possui regiões que apresentam características próprias, onde cada uma desenvolve sua flora e fauna típica, sejam elas aquáticas ou terrestres, vindo a

Leia mais

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 EXTREMA EXTREMO SUL DE MINAS. SERRA DA MANTIQUEIRA. 480 KM BH E 100 KM DA CIDADE DE SP. POPULAÇÃO 24.800 HABITANTES. CONTINUIDADE ADMINISTRATIVA DE 20 ANOS

Leia mais

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012 Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF O Idaf por definição O IDAF, é a entidade responsável pela execução da política, florestal, bem como

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Caatinga: exclusivamente brasileira

Caatinga: exclusivamente brasileira Caatinga: exclusivamente brasileira Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Biodiversidade e Florestas Departamento de Conservação da Biodiversidade Parque Nacional da Serra da Capivara - PI Caatinga:

Leia mais

ANÁLISE DA REDE SOCIAL DAS FAMÍLIAS PARTICIPANTES DO PROJETO DE CARBONO NO CORREDOR DE BIODIVERSIDADE EMAS TAQUARI.

ANÁLISE DA REDE SOCIAL DAS FAMÍLIAS PARTICIPANTES DO PROJETO DE CARBONO NO CORREDOR DE BIODIVERSIDADE EMAS TAQUARI. ANÁLISE DA REDE SOCIAL DAS FAMÍLIAS PARTICIPANTES DO PROJETO DE CARBONO NO CORREDOR DE BIODIVERSIDADE EMAS TAQUARI Desenvolvido por: E Data: 26/07/2011 Resumo O presente relatório visa apresentar os resultados

Leia mais

As unidades de conservação do bioma Caatinga

As unidades de conservação do bioma Caatinga As unidades de conservação do bioma Caatinga The Nature Conservancy do Brasil Associação Caatinga 295 André Pessoa INTRODUÇÃO Parque Nacional da Serra da Capivara, PI A Caatinga, região semi-árida única

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

Ituiutaba MG. Córrego da Piriquita AMVAP 2003. Estrada Municipal 030. Lázaro Silva. O Proprietário. Córrego

Ituiutaba MG. Córrego da Piriquita AMVAP 2003. Estrada Municipal 030. Lázaro Silva. O Proprietário. Córrego SÍTIO NATURAL 01. Município Ituiutaba MG 02. Distrito Sede 03. Designação Córrego da Piriquita 03.1. Motivação do Inventário 04. Localização Coordenadas Geográficas S 19 00 892 WO 49 23 784 05. Carta Topográfica

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas Trabalho final: Projeto de adequação

Leia mais

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento da infra-estrutura de produção

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO Ronald Carvalho Guerra Diretor de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Ouro Preto Gerente da APA da Cachoeira das Andorinhas -

Leia mais

Fundação SOS Mata Atlântica. Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê.

Fundação SOS Mata Atlântica. Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê. Fundação SOS Mata Atlântica Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê. Itu SP / novembro de 2014 1. Introdução. O aumento da preocupação social com o destino dos fragmentos florestais

Leia mais

Ações do Projeto de Convivência com o Semiárido

Ações do Projeto de Convivência com o Semiárido Ações do Projeto de Convivência com o Semiárido Fortaleza, 16 de Abril de 2013 1. CONCEITUAÇÃO As Ações de Convivência com o Semiárido são compostas por um conjunto de práticas alternativas definidas,

Leia mais

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e Mata Atlântica A Mata Atlântica (floresta pluvial costeira) está situada entre o R.N e o R.S. É um dos hotspots (O conceito dos Hotspots, criado em 1988 pelo Dr. Norman Myers, estabeleceu 10 áreas críticas

Leia mais

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO Conciliando Biodiversidade e Agricultura DESAFIO Compatibilizar a Conservação e a Agricultura O crescimento da população global e a melhoria dos padrões de vida aumentaram

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Compensação de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y Definição é a camada superficial da crosta terrestre formada por quatro elementos principais: a, o, a e os. Possui importância fundamental para variadas atividades

Leia mais

Código Florestal a serviço do latifúndio e do agronegócio

Código Florestal a serviço do latifúndio e do agronegócio Código Florestal a serviço do latifúndio e do agronegócio 10 de novembro de 2011 Por Djoni Roos* A cobertura vegetal brasileira vem desde muito tempo sendo destruída. Desde a invasão portuguesa no século

Leia mais

É preciso amor pra poder pulsar, É preciso paz pra poder sorrir, É preciso chuva para florir

É preciso amor pra poder pulsar, É preciso paz pra poder sorrir, É preciso chuva para florir É preciso amor pra poder pulsar, É preciso paz pra poder sorrir, É preciso chuva para florir A Articulação no Semi-Árido Brasileiro (ASA) é uma rede/fórum de organizações da sociedade civil, que reúne

Leia mais

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP marciosuganuma@gmail.com Área de preservação permanente (artigos 2 o e 3 o ) Reserva Legal (artigos 16 e 44) Área de preservação permanente

Leia mais

VI ENCONTRO E FEIRA DOS POVOS DO CERRADO OS POVOS DO CERRADO FALAM

VI ENCONTRO E FEIRA DOS POVOS DO CERRADO OS POVOS DO CERRADO FALAM VI ENCONTRO E FEIRA DOS POVOS DO CERRADO OS POVOS DO CERRADO FALAM Nós, os povos do cerrado, reunidos em Brasília entre os dias 09 e 13 de setembro de 2009, apresentamos à sociedade brasileira e internacional

Leia mais

Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura

Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura CONFEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DO BRASIL Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura Camila Soares Braga Assessora Técnica Bem estar humano F ood F resh water F uel F iber A gente não

Leia mais

Bioma : CERRADO. Alessandro Mocelin Rodrigo Witaski Gabriel Kroeff Thiago Pereira

Bioma : CERRADO. Alessandro Mocelin Rodrigo Witaski Gabriel Kroeff Thiago Pereira Bioma : CERRADO Alessandro Mocelin Rodrigo Witaski Gabriel Kroeff Thiago Pereira Dados Geográficos - Segunda maior formação vegetal da América do Sul - Abrange os estados do Centro-Oeste(Goiás, Mato Grosso,

Leia mais

Agroecologia. Agroecossistema

Agroecologia. Agroecossistema Agroecologia Ciência integradora dos princípios agronômicos, ecológicos e sócio-econômicos na compreensão da natureza e funcionamento dos agroecossistemas. Agroecossistema Unidade de estudo da Agroecologia,

Leia mais

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA NESTA AULA SERÁ ABORDADO Importância de conservar o solo e sua influência sobre as plantas As formas e métodos de conservação do terreno Como combater

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO FAMILIAR DE CAPTAÇÃO, MANEJO E GERENCIAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA

SISTEMA INTEGRADO FAMILIAR DE CAPTAÇÃO, MANEJO E GERENCIAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA SISTEMA INTEGRADO FAMILIAR DE CAPTAÇÃO, MANEJO E GERENCIAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA Fernando Deodato de Sousa; José Dias Campos e José Rêgo Neto cepfs@uol.com.br Centro de Educação Popular e Formação Sindical

Leia mais

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ESCADA, 2014 EXTENSÃO RURAL CONSTRUIR UM SONHO E LUTAR POR ELE Regional : Palmares PE Municipio: Escada Comunidades: Sitio

Leia mais

Versão 2.0 PEC DO CERRADO E CAATINGA: PRÓS E CONTRAS. Donald Sawyer 1. 5 de setembro de 2007

Versão 2.0 PEC DO CERRADO E CAATINGA: PRÓS E CONTRAS. Donald Sawyer 1. 5 de setembro de 2007 Versão 2.0 PEC DO CERRADO E CAATINGA: PRÓS E CONTRAS Donald Sawyer 1 5 de setembro de 2007 1 Introdução Diversos argumentos podem ser considerados pelos Senadores e Deputados Federais para aprovar ou não

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais