." name="description"> .">

E DE BENEF~CIOS E VANTAGENS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "E DE BENEF~CIOS E VANTAGENS"

Transcrição

1 b W L'%3;1;f.t&-. u I u r.\ u, GPROVACAO c!. r/... i.i'~ Ministdrio da Economia, Fazenda e Planejalnento Companhia Nacional de Abastecimento - CNA RESOLUCAO Id." 09, da 213,09.91 Diretoria de Adrninistra~Bo ,,.,..>. fl a..plan0 DE CARGOS E SALARIOS E DE BENEF~CIOS E VANTAGENS

2 razenda e Planejamento de Abastecimento - CNA PAG l NA PARTE A # - PLANO DE CARGOS E SALARIOS '-- 7"'.. ' INTR~D~CA~ ,2 - Planejamento de Recursos Humanos j - lnstrumentos de Gestao de Recursos Humanos ,OBJETIVOS GERAIS DO PLAN0 DE CARGOS E SALARIOS * L., Orienta~ao Preliminar - Conceit~a~oes Classif ica$ao Geral do ~uadro de Pessoal da CNA Con~posi~io dos Grupos Ocupacionais Composisao das Classes de Cargos Especifica$ao dasclasses de Cargos Avaliasao das Classes de cargos , Classificasao das Classes de Cargos Pesquisa Salarial - Identifi~a~ao das Curvas Mstriz ~alari~'l Cargos Base ,9,2 - FunGoes Gratificadas Sistema de Ava1ia5io de Desernpenl~o D PAR'TE B - PLAN0 DE BENEFrClOS E VANTAGENS

3 *L A* t PCS.ICONAB APROvACAo CCE/AEFP...I,.:-,,.,,C4nislerio da Econornia, Fazenda e Planejq'menlo --.. Companhia Nacional de Abastecirnento - CNA RESOLUCAO N." 09, de P A R T E A P L A N O D E C A R. G O S E a ' s A L A R I O S

4 .\ p cs/,c'o NA B -97,,Minisldrio o'a Econornia, Fazenda e Planejamenlo p p n ~ ~ cce/,rf.fp ~. ~ A ~ 02 'Companhia Nacional de Abastecimento - CNA RESOLUCAO N." 09, do I.y 0s trabalhos enfeixados nesse volume constituem o Plano de Cargos e ~alirios da Cornpanhia Nacional de Abastecimento-CNA. 0 Plano resul ta de urn plo trabalho de revisao qualitativa e quantitativa do quadro de pessoal da am Cornpa nhia. Envolveu pesquisa de rnercado de salsrios, anzlises e avalias~es, classificq -.- szes e especi ficasges das classes de cargos. E um instrumento flexfvel que visa atender a dinzrnica operational da ernpresa e tern, entre outras, imp1 icasges corn o recrutarnento, a seleg;o, o treinarnento e con1 as al teraszes funcionais dos en~pre gados. E 9 4 o instrumento base para a in~titui~zo do sistema de carreira.

5 Minislgrio 'da Economia, ~azenda e Planejamenlo Companhia Nacional de Abastecimento - CNA PC'SICONAB-91, oj &PROvACAo CCE/,\IIEFp 09, d f REsoLUCAo N.'.I.' j 1. I - POL~T l CA DE RECURSOS HUMANOS 8 Para fins deste docurnento, POL~TICA 6 o conjun:o de decis6es explici tas da CNA, relativarnente ao direcionamento dos esforsos e das energias dispendh das por seus empregados, nurn process0 interativo, que visa a concretizaszo propgs i t2s da organ i zafio. 0 - dos Ressal ta dessa relagzo interna, a necessidade de ordenar os papsi s s6cio-organi zacionai s, a forrna das cornuni ~ ~Foes e a responsabi l idade pela tomada de deci soes. Esse ordenamento interno ten1 dirnensoes estrutura i s, cornportamentai s, tecn0l6~icas, de agzo gerencial vol cada para os fins, objetivos e rnissoes Companhia, e de adaptagao 2s rnudansas ambientais. Essas dimensoes nai s preci sarn ser man t idas nurna concepqao s i stemat i camente i ntegrada. d a organi zacio Em terfos de POiTTlCA DE RECUR~OS HUMANOS desejamos o seguinte:, Criar e rnanter anlb'iente interativo e altarnente participative, no senti do da concret iza~ao dos nossos objet ivos.. Conceder urna estrutura organizational capaz de garanti r a ~nais in tensa part i c i pas20 dos ernpregados nos resu l tados da en t i dade.. Criar e consolidar urn cornportamento pro-ativo, centrado em prod; tos, servi~os e resul tados, de forma a garanti r a ef icacia organi zacional. '. Desenvolver tecnologias admini s trat ivas e gerenciai s modernas e ajustadas 2 real idade.'. Criar e rnanter condiqoes para o exercicio de uma afzo gerencial igil e dinsrnica.. Promover o acompantianiento da evol uqao arnbi ental, corn o propos i to de evi tar a obsolesc6ncia do conhecirnento e da inforrnaqao.. Cri ar e manter um "espiri to de corpo" que expresse as vantagens e e oportunidades de intcgraqao 5 nossa organizasao. As diretrizes da organiza~zo, seus princypios iticos e sua politica admini strat iva quando i ncorporadas efet ivamcnte pe 10s seus membros (empregados e di ri gentes) tornarn-se fato; de forrnaqao de at i tudes. Salirios direcos, ind,iretos e benefrcios constituern instrumentos preservasao de recursos hurnanos, campo. integrantes da pol it ica da Companhia de nesse

6 ..- I, ' '. Ministdrio.da Economia, Fazenda e Planejamento Cornpanhia Nacional de Abastecimento - CNA No Plano das necessidades psi~ol6~icas considerar-se-so fatores rnoti - * vacionais: a - institucionaliza~~odoslstemade~~~1~0, valedizer, todo I '- n gresso, progressao, desenvol virnento individual ou de equipes ' esta rso respa l dados pel a aval i asso da sua cornpetgnc i a e to; desenvol vinien, acesso a urn perce'ntual de cargos oferecidos para recrutarnento in terno;, est frnulo 2 auto-aval ia~io e aval iag$o pelas chef ias;'. oportunidade de crescirnento e desenvolvirnento;. sis terna de pr6mibs e recompensas; e, sisterna de carreira. a Cada urn dos ins t rurnenros de Pol it ica de. Recursos Hurnanos seri anlpla 8 rnente debat ido, di scut ido e assirni lado pelas partes (organ iza~ao e individuo), rc sul tando day normas de acei tasa'o reciproca, que virao a se consti tuir nullla cie de CONTRATO SOCIAL. fatores: A pol it ica de recursos humanos da CNA devera cornbinar os - satisfasao dos ernpregados; - possibilidades da Cornpanhia;, cornpat i bi l i za~ao corn o nlercado de trabal ho; e - produtividade. espi seguirltes -. 0 que 6 absolutarnente essential, todavia, e que urn 'indivtduo, ao ingressar nurna organ i z a~ao, tenha a nosso clara das suas poss i bi l i dades. 1.E - PLANEJAMENTO DE RECURSOS HUMANOS 0 prop65 i t o do pianejarnenco de recursos hurnanos da CNA 6 dotar a Cornpanhia de urn sisterna capaz de atender corn eficacia as seguintes fun~oes:. CAPTACAO 0 Propicia o adequado dimensionarnento da forsa de trabalho, estabe 8 lecendo os perf is ocupacionai s necesssr ios para os diversos postos de trabalho da Ernpresa. Da condisoes para o recrutamento e seles;o de pessoa l consentjneos con1 a dernarida que seo quer sat i sfazer. b, ALOCACAO

7 , 1, l - \.? ; -- -\ ; -- - Z 3 Z., 0 INTERNA SUREG - BAHlA.... a * >.s CL ;-.?I- ortando-nos a C I/SUREG/BAH IA n? 1897, de , estamos -. c - f : ar do PCS/CONAB/9I..\ 3 e L.F + - i; - sg, - DEPARTAMENTO DE RECURSOS HllMANOS GERENTE

8 \ Minist6rio da Economia, Fazenda e Planejamento - 1 Companhia Nacional de Abastecimento - CNA ~reparagao dos selecionados e admi t idos, para urn process0 de inte - graqao organi zacional, nas dirnensoes do trabal ho em s i, especi f i ca mente i denti f icado, na agregagao 5 equipe e nos aspectos cul turai s da organ i zasao., PRESERVA~~O f o esforqo de harmonizagao dos interesses dos indiv~duos, cgm da organizagao, prornovendo nieios de retensso das pessoas, via moti vasgo embasada nas perspec t i vas de sat i sfagao das suas os necess i cla- des bisicas, quer de natureza material, quer psicoi6gicas1 abrindo espago para o crescimento individual em carreiras atraentes. a : CAPAC I TACAO Essa fun$so visa a prevenir-se contra a obsolescencia do conhecj, mento e da informaqso, mantendo a massa crit ica da. organ i zaszo atual i zada e capaz de adaptar-se is mudansas arnbientais., GERENCIAMENTO DAS RELAC~ES INTERATIVAS DO PESSOAL E a agao que'irnprime a dinzmica is organizag6es, rla formagso aglutina~~o.dasequipesde.trabalho, onde.refluemasoutras qges da gestao de recursos humanos. E fun.-., INSTRUHENTOS DE GESTAO' DE RECURSOS HUMANOS Sao ins t ru~nentos de ges tao de recursos humanos :. REGULAMENTO INTERNO Destinado a regular as condisoes e as bases be trabalho, def iiindo as obrigasoes das partes, os direitos e deveres dos ernpregados disciplina interna da CNA, visando consolidar urna cultura e sistemas de premios, recornpensas e sansoes., PLAN0 DE CARGOS E SALARIOS e pr6pria E a exp 1 i c i t,bgao dos pap; i s s6t i o-organ i zac iona is desempenhados pe 10s individuos no sistema s6cio-tgcnico por isso mesmo definidor das suas re l agoes na est rutura organi zac iona 1, de sua responsabi li dade, da formagso e exper ignci a necessarias para consecugao produtos ou servi~os afetos a cada indiv;duo. E o instrumento que es tabelece o equi l ibr io interno de remuneraqio, baseado em funda - rnentos tecnicos de class if icsfso e aval iasao. E, q,,instrumento 0 b dos ollp

9 P.CS/C'ONAB-91, MinistPrio da Economia, Fatenda e Planejamento PPROVACAO CCE/ii';EFP 069 / Companhia Nacional de Abastecimento - CNA RESOLUCAO N." 09, de I Ll b e preocupa $om o equi 1 :brio externo de rem~nera~ao, baseado pesquisas sa'lariais, E o instrumento base' para a 'criasao be urn Pla no de Carreira.. PLAN0 DE CARREIRA Visa estabelecer grupos de funcoes.s istemicas que ensejam o cresci mento profissional dos individuos na Cornpanhia, en) - pela adisao cumula ti va de responsabi l i dade, comp,lexidade e eleva5ao de hierarquia no trabalho, criando rnotivagio e'desafi'os e viabilizando a aplicac;~o 0 de prgmios e recompensas estimuladoras. 0 crescirnento profissional seri aferido por urn SISTEMA DE AVALIAGAO DE DESEMPENHO, que consis te no estabelecirnento de regras e instrusoes auxiliares 5 evolugao funcional dos recursos humanos da CNA. 0. propcsito 6 propiciar desenvolvimento profissional a toda a forga de trabalho da nhia.. SISTEHA DE BENEFTCIOS E VANTAGENS - o Cornpa -- Cornpreende a especi f ica~ao do elenco de benef icios e vantagens, di - retas ou indiretas, concedidos pela Cornpanhia. Representa a social da CNA corn o propcsito de desonerar os salsrios de seus agao pregados e de oferecer-lhes urna melhor qualidade de vida. E a defi nisao do que 6 oferecido, corno 6 concedido, qua1 a amp1 i tude empregados, e/ou dependentes ; a.tingida pela concessao, qual'o to benef;cio e quanto custa para a Cornpanhia. em - de cus

10 PCSICONAB-91 Ministdrio da Economia, Fazenda e Planejamenlo bpn9vnca!i CCE/;LEFP Companhia Nacional de Abastecimento - CNA RESOLUCLO Pd." 09, de OBJETIVOS GERA~S DO PLAN0 DE CARGOS E SALARIOS

11 Ministerio da Economia, Fazenda e Planejamento, Companhia Nacional de Abastecimento - CNA OBJETIVOS GERAIS DO PLAN0 DE CARGOS E SAL~RIOS 0 Plano de Cargos e Salirios tern conlo proposi to dotar a adnlinistra gao de urn instrumento de a~zo gerencial, que fac i l i te a gestao dos recursos nos e, seus objetivos principais sao: - estabelecer urna estrutura ocupac ional cornpat ivel com "0 NEG~C 10" da organit$gao, tend9 em vista os PRODUTOS E SERVICOS que - - hunla ofere~a; ' - estabelecer uma estrutura de rernuneragao capaz de satisfazer as necessidades bssicas de seus ernpregados, capaz de mot iva-10s q e capaz de assegurar a rnanutengao de prof issiona is qua1 if icados 0 para a 'organ i z a~ao; - oferecer 5 adrninistra~so de recursos hurnanos, um instrumento que facilite e oriente as atividades de recrutamento, selegao, admi? sao; capac i tatso, rnovirnen tagzo, prog.resso ea promo~zo dos ernprega dos;.- permi ti r urn' t ratarnento i ncerno adequado aos ernpregados, tendo em vista os niveis diferenciais de responsabilidade e de suas atividades; b ela p - cornplexidade - possi bi 1 i tar condicoes de desenvolvirnento do ernpregado, por ' in ter&dio da i.nstituicso de sisternas de carreira; - perrnitir a organizagao medir e controlar, corn maior prec,isao, os custos atuais e proviveis acr6scimos ou a1 t era~zes f inan.cei ras de rnanuten~ao da for~a de trabalho e dar Ihe a base para o geren ciarnento apropriado; - cornpat ibi l izar os salirios da organizac:o corn valores pagos no rnercado de trabalho, no qua1 se acha inserida; e - expl ici tar os papiis a serem desenvolvidos.pelos individuos na organizagao e def inir rela~oes, responsabi 1 idades e exper ienc ias necessarias aos participantes dessa organiza~ao. E irnportante sal ientar que o PLAHO DE CARGOS E SALARIGS. sornente atinge seus objetivos quando o usuario tern pleno conhecirnento dos seus propositos. 0 GERENTE ou ocupante de urn cargo de CtiEFlA 6 o verdadeiro GESTOR OE RECURSOS HU MANOS, pois, a ele cabe din~ensionar q~alitativa e quantitativamente seu - - pessoal, bern corno, prornove.r, capacitar, motivar e aplicar o regime disciplinar nos enlprega dos lotado%,na unidade que dirige.

12 '"" MinislBrio da Economia, Fazenda e Planejamento Companhia Nacional de Abastecimento - CNA PCSIC'ONAB-91 APROVACAO CCE/MEFP 09 RESOLUCAO N." 09, de ETAPAS DO PLAN0 D,E CARGOS E SALARI os

13 PCSICQNAB MinistBrio da Economia, Fazenda e Planejamenlo APROVACAO CCE/lriEFP 10'. " 3 - ETAPAS DO PLANO DE CARGOS E SALARIOS, Companhia Nacional de Abastecimento - CNA RESOLUCAO N." 09, de Para facilitar o rnanuseio e o correto entendimento do Plano.de Cargos e... rios, resurnimos, a seguir o que consiste cada urna das etapas adiante apresen tadas: OR1 ENTAcaO PREL l MI NAR E CONCE ITUACUES S~T- Cot-!-esponde as instru~oes bssicas de uso e manuten~ao do Plano e as con cei tua~oes das terrninologias. adotadas no documento CLASS~F~CACAO GERAL DO QUADRO DE PESSOAL DA CNA Essa etapa cons is& na ident if icacao das diversas categor ias de prof iz s!onais necessirios ao desenvolviniento dos prograrnas e concretiza ~ a dos o objetivos e missoes da Cornpanhia, separados em grandes areas de atividades, - Cornpreende a parte que trsta d~ classi f ica~so das diversas cate5or ias de profissionais, em grupos, tendo em vista sua formagso prof issional, h,". sua espec i a 1 i dade e/ou exper i ;nc i a adqu i r i da. o COMPOSICAO DAS CLASSES DE CARGOS ' Corrqsponde a reuniao de um'conjunto de cargos ou ocupagoes, rnui tas ve zes,- corn denornina~oes dist intas, mas com atr ibui~oes de rnesrna na.tureza e cornplexidade, aval'iados e classif icados de acordo corn o rnaior ou nor grau de responsabi 1 idade. b - me ESPEC 1 FICACAO DAS CLASSES DE CARGOS Compreende a descrigao da natureza dos produtos e/ou servi~os e da natg reza das atividades basicas que caracrerizam as classes de cargos. siste, ainda no registro dos requisitos mrnirnos necessirios para szo e aloca~ao AVAL laca0 DAS CLASSES DE CARGOS Con - adrnis Consiste na apresenta~ao e utilizagso do modelo de avaliagao por po\tos, usado para an31 ise de cada classe de cargo inst i tuido para a CNA. E modelo que auxilia no escalonarnento da hierarquia dos cargos, para 0 es tabelecirnento de equil ;brio funcional interno. E, portanto, a fase qus a$terrnina o valor relativo de cada classe de cargos, em confront0 --. os dernais ex i stentes. Oferece elementos para a class i f ica~ao. o corn I CLASS1 F ICACKO DAS CLASSES DE CARGOS Cornpreende a parte,que trata da c~assifica~ao final das classes de car - ' ln.r innal da Cornpanhia, e da indicasao das 1 inhas

14 Minist6rio da Emnomia, Fazenda e Planejamento Companhia Nacional de Abastecimento - CNA APROVACAO CCE/;L!EFP RESOLUCAO N.V9, do ' PESQUI SA DE HERCADO DE SALARI OS Consiste na parte que identifica as curvas salariais de rnercado, regis - trapdo os valores pagos, por classe de cargos. 0 intuit0 6 conseguir que os s%larios da CNA, sejam compativeis corn os prat icados no rnercado para cargos e fungoes sernelhantes. Devera ser identificado o ponto de equili brio entre a oferta e a procura para garantia da cornpetitividade e. - acerto no recrutarnento c na,nlanuten~ao dos prof issionais rnais qua1 if ica dos. do HATRlZ E TABELAS SALARlAlS Corresponde a apresentacao das tabe la$ que deverao ser prat icadas, def - i nindo valores expresses em moeda cor,rente do pais, representando a cur-.-- va salarial a ser adotada pela Companhia. E, ainda, o fecharnento da hierarquia das classes de cargos definido pe - - la classificacaoe avaliagao (equi1;brio interno) e pelas curvas sala riais de rne'rcado (equi 1 ibr io externo) SISTEM DE AVALIACGO DE.DESEHPENH0 ' ~onsi'ste na identificasaoe apresentagao do modelo a ser adotado CNA, visando o desenvolvimcnto profissional e a motiva~ao de toda forga de trabalho da Cornpanhia.... pela a

15 . Ministerio da Economia, Fazenda e Planejamenlo Companhia Nacional do Abastecimento - CNA '3.1 - OR l ENTACAO PREL l MI NAR - CONCE l TuAC~ES

16 0 - Ministerio da Economia, Fazenda e Planejamento.. ' Companhia Nacional de Abastecimento - CNA OR I ENTACAO PREL 1 M 1 NAR -. CONCE I TUACBES - OR l ENTACAO PREL l M 1 NAR A fie1 observacao do que esti estabelecido neste plano consti tue responsabilidade de chefia e e condicionante do born f u ~ cionamento do sisterna de Administracao de recursos hurnanos da CNA. Quaisquer duvidas sobre a apl icacao do Plano deverao ser objeto de consul ta areq' responsive1 pelo planejamento, el2 boraeao e execuc$o do rnesrno. A Unidade responsavel pela execucso do?lano de Cargos e Sa15 r ios dever; manter um exemplar deste volume em suas dependen cias, para que os empregados possarn ter acesso ficil a consui ta. Finalmente, os conceitos e procedinientos contidos e'explicita. dos no PLAN0 deverao ser curnpridos por todos os empregados da Cornpanh'ia Nacional de Abastecirnento - CNA Alern das cornpetencias estabelec i das pelo Manual de Organ iza - eao, cabe ao.departamento de Recursos Humanos, no que concer ne a area de cargos e salsrios: - a) orlentar e promover a execucao dos trabslhos de revisso das descricoes, especi -....,. f icaezes, aval iacoes e anal ises do; cargos, tendo em vista sua natureza,e os fatores de aval iacso cont idos no Plano de Cargos e ~alsrios'; b) prcrnover a ex'ecucso per?o/dica dos trabal hos de pesquisa de mercado de salsr ios;.. - c) promover a execu~ao dos trabalhos de reajuste salar ial,' de acordo corn a legis - lacao Vigente; 0 1 d) dar parecer em propostas de admissao, alteracso salarial e movirnentaczo de pes.-- seal, prestando, os esclarec imentos correspondentes; e) dar parecer em propostas de criacao, alteracao e extine20 de cargos; f) promover estudos de profissiografia e analise de postos de trabalho; -., g) dar parecer e opinar nos enquadrarnentos do ~essoal ; e - --!='-:-- rnm ac d~mais atividades de plane

17 p c s I c 0 t-4 A-6-9' Ministdrio da Economia. Fazenda e Planejamento np~o~~cao cce/mefp ~ESOLUCAO N.' 09, de Companhia Nacional de Abaslecimento - CNA '1 4 DOS TECNlCOS LOTADOS NO DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS E COH ATRIBUICflES ESPECrFl - a) analisar os cargos mediante levantamento de roti'nas, ent~evistaspessoais e/ou observasoes di retas do trabal ho dos empregados;... - b) executar tiabalhos de anjl ire e aval iagao de cargos e postos de trabalho, rug2 r indo readaptasao quando necessar io; c) manter atual izado o Plano de Cargos e Salir ios, adequando as instrusoes e as nor mas nele contidas, Ss novas situasoes, de mod; a rnant6-lo sempre comd instrumen to seguro e correto de orientacao das atividades.de adrnin.istra~ip de cargos salsrios; d) registrar e controlar o andamento de relatorios e expedientes diversos da irea de Cargos e Salaries; - e e) prestar informasoes e esclarecimentos tdcnicos, quando autorizado, e guardar s i gilo corn referrncia a guaisq"er dados de natureza pessba~ e aos relativos a sali - rios, bem corno 2s. informacoes a que venha ter acesso em decorrencia de suas vidades na Area de Recursds Humanos; f) dar parecer, quando sol ici tado, em documentos que envol vam tarefas de rot ina. e at1.conceituacfies QUANTO A0 PLAN0 DE CARGOS E SALARIOS.- I - ADMISSAO 0 - E o ingress0 de uma.pessoa no quadro de pessoal da Empvesa, nos termos ba Le gislagao vigente. 2 - ALOCACAO - PreparaCao do pessoal selecionado e admit ido, para um processo de integragao orgafiizacional, nas dimensocs do trabalho em ST, especi f icamente idcrlt i r ica do, na agregasso 5 equipe e nos aspectos cut turai s da organizasso AVAL l ACAO DE CARGOS, - E o processo de estabelecimento do valor relativo de un, cargo para a entidade, segundo metodologia e tccnica especrfica, em busca de coerincia e eq?idade de tratamento interno. 4 - AVALIACAO DE DESEHPENHO, - Processo sistematico a ser utilizado pela CNA para avalisr a atuagao do em pregado em re l agao a :. real izasao de programas de t rabal ho; - -

18 e Ministerio da Economia, Fazenda e Planejamenlo APROVACAO CCE/iJIEFP 15 Cornpanhia Naciont~l de Abastecirnento - CNA RESOLUCAO N." 09, de A aval iaqgo de desempenho farse-5 por um sistema cont Ynuo de aferisao de urn esquemaperrodicode informa~oes. Compete ao'chefe imcdiatodoempregado a ansl i se cont i nuada do desempenho dos programas de t rabal ho e da adaptabi 1 i da - de do empregado ao cargo. 5 - CAPAC ITACAO - f a funcio que visa a prevencao contra a 'obsolesc6ncia do. conhecimento e tern o propd/si to de manter a for~a de t rabal ho da Empresa atual i zada e cspaz adaptar-se is mudangas amb ienta is. de L. 6 - CARGO - E umconjunto delimitado de tarefas e papeis s6cio-organizacionais que apre sentam substancial identidade de natureza, complexidade, responsabilidade condi~oes de trabal ho em que sao executadas. e 7 - CLASSE DE CARGOS -. - Conjunto de caigos se~nelhantes en, deveres e responsabi l idades, e de mesma de nominaiio CLASS l FICACAO DE CARGOS - Tecnica aplicada para reunir varias atividades em cargos, tendo em vista a , -... natureza de suas atribuiqoes. E a identificagao dos pap6is desernpenhados plos part icipantes de uma organiza~ao e o agrupaniento desses' pap6is em categor ias, aval iados e hierar~uizados internamente. DATA- BASE - E a data iniciode vigcncia de acordocoletivoouconven~~ocoletivaou sen tenca normat i va. lo- DEMISS~O -.E a cessasao da rela~ao de emprego,. por via de rescisso de contraco de tra balbo, queocorre: a pedido, por t6rminode estacjio probat6ri0, por - tirmino de cbntrato, por conveni6ncia de servigo, por aposentadoria, pot- justa causs, por decisao judicial, por-mrte e por outros rnotivos definidos em lei f ica... 1 I - EFET I vo DE PESSOAL - Ncmero de ernpregados l igados 5 Conipanhia por v?nculo empregat icio.. - E tamb6m o nirnero de cargos provides, a nivel de cadi unidade funcionsl EVOLUCAO SALAR 1 AL - E a alterasso que inipl ica mudan~a de padrao salarial do empregado. especl

19 Ministerio da ~conomia, Fazenda e Planejamenlo Companhia Nacional de Atraslecimento - CNA APROVACAO- CCF/int\EFP, 16 RESOLUCAO N." 09, de msxyqos do salario a ser pago a uma classe de cargos, em conson~ncia corn sua aval iagao e class i f ica~ao. 14- PADRAO/N ~ VEL SALAR IAL - E cada um dos valores f ixados na tabela de salgr ios da CNA. 15- FREQUENC I A - E o n6mero de vezes e ocorre^ncia de urn nleslno evento. E o n12mero de eriiprcge dos exercendo o mesmo cargo ou fungso: I 6- FUN~AO - Eum conjunto de tarefas ou atribui~~es. E a ocupagao, profissso, oficio, encargo ou papel do ind'ividuo na organi,zatao. 17- GRUPO OCUPACIONAL Conjunto de classes e sgries de classes que envolvem atividades profissiomis correlatas ou af ins, quanto 5 natureza dos respect ivos trabalhos ou'dos nhecimentos aplicados no seu desempenho. CE - Dimensionamento da forga de trabalho necessaria i consecugso dos.objetivos da... organizatso. Cabe 5,'administratao f ixar,e a1 terar o volume de pessoal repre- sentat ivo da lota~ao..., PESQUISA SALARIAL - Ticnica de 1evantamento"de informagso sobre salar ios pagos no mercado, com -... preendendo dados de outras empresas, sobre cargos semelhantes aos abrangidos pela classif ica~ao PRESERVXAO AF~O aglutinadora do grupo social que visa, por um a sat isfa~ao necessidades bas icas dos empregados, e, por outro, ao alcance dos propos i tos das - Essa a~so aglutinadora se constitui na emissao de estimu.los capazes dc produ zir, como resposta, uma atitude positiva em facz dos objetivos - - organizacio nal.s.0tratamento justo e equsnime 6 sua, base,e a participagso na sua defini ~ a < o a garant ia da sua acei tagao. - A justa remuneragao do trabalho, scgundo as perspect ivas de mercado e, um plano de beneficios capaz de desonerar os salsr ios daqueles servigos que CNA possa propiciar em carster coletivo, e ainda, a motiva~ao e o estimulo de desenvolvimento que a Companhia ofere~a 6 a sua essgncia. - A preserva~ao de pessoal se viabi 1 iza por interm6dio de trzs instrumentos, a - a

20 .PCS /'C OON A '- Ministdrio da Economia, Fazenda e Planejamento PPROVACAO ECE/*EFP. I$ Companhia Nacional de Abastecimento - CNA RESOLUCAO N." 09, de D PROF l SS l OGRAF l A - Estudo necessario ao estabelecimento dos perfis do cargo e do ocupante para... or ientar os processos' de selegao, capaci tagso e de al.ocagao de recursos hu &..- manbs PROGRESSAO - E a evolugao salarial e ou funcional do empregado proporcionada pelos ins trumentos de' promogzo e reclass i f icagao PROHOC~O 7 E a al teracao f unc iona l do empregado que se p,rocessa horizontal /vert i ca lmen te de acordo com cr i t6r ios priestabelecidos Promogao hor izontal : 6 a progress50 do empregado sem mudan~a de cargo para um nivel salarial superior na faixa do cargo que ocupa, limitada ao $ t imo nivel dessa faixa, podendo ser por m6ri to e por ant iglidadc. a) PromoCao por mgri to: sers concedida em decorrgnciada aval ia~ao de penho. desem - b) promogso por ant igzidade:.sera concedida em fungao do tempo de efet ivo exeycicio no cargo promogao vert ical : a progress20 que imp 1 ica no deslocamento do cmpregado para classe de cargo de faixa/nivel salarial superior. -* 24 - QUADRO DE PESSOAL a - E a forca de.trabal ho ou cont ingente de recursos humanos, necessirlos para a concretizagso dos producos ou servi~os' de uma organizagso, def inidos quant i dade e qua l i dade adequadas. em 25 - RECLA$SIFICAC~O - E a hmvimenta~ao do empregado, sem alteracao salarial, decorrente de sua passagem para outro posto de trabalho dentro da mesma classe ou para classe de cargos diferente desde que pertencentes a mesma faixa salarial RECRUTAMENTO - Processo de comunica~ao atraves do qua1 se emiteni estfmulos ao mercado de trabalho, com vistas.a obter candidatos qualificados, em nimero adequado, para ;e submeterem a sele~ao. - O'bservjr-se-~,quanto ao recrutamento!, adequada relagao entre o n;mero de candidatos e o nimero.de vagas a pree,n cher;. amdl i tude e di recionemento do process0 de con~unicagao; -

21 q APROVACAO CCE/(~EFP Minislerio da Emnomia, Fazenda e Planejamento Companhia Nacional de Abaslecimcnto - CNA RESOL~!CAO' N." 09, de imi tat ivos 5 selec recrutamento podera ser real izado di retarnente, ou rnediante a supervisso, controle e fiscalizaqao contratada corn empresa especializada. - lnstruqoes de servi~os, emanadas da irea de recursos hurnanos, expl ic i tark os detalhes da atividade de recrutarnento.,, 27 - SALARIO BASE -,Cant rapres taqao' dev ida pelo ernpregador ao ernpregado, como retr i bc)i qao dos serviqos ajustados no contrato de trabalho.. E o valor estipulado na.tabela Salarial, para a classe de cargos, de acordo com o Plano de Cargos e.sala. -.. rios da Companhia...,....- ',28 - SELECAO - Processo de identifica~ao e escolha das pessoas que mais se aproximem padrees estabelecidos para o exercicio de urna funqao.!: - ~bservar-se-2 quanto a seleqao:. -:?,. especificaqao da classe, sgrie de classe e descriq;~ da funcao; dos L.-. L...., qua 1 i f icaqao para o seu exe'rc ic io:, psic016~icos - (intel iggncia geral, nivel mental, fatores de aptidso e carecteristica. da personalidade);, conhecimen to - (escol ar idade e experi6ncia) ;.o 1 ega i s ;. 'Fysicas;, instrumental utilizado para a verificaqao das pessoas que possuem as qualificaqoes estabelecidas nos par$metros fixados, ou as que deles se aproximem;. adequaqao entre os instrurnentos utilizados e os parametros estabeleci- dos ;. tempode realizacao do processo seletivo e o prazo da efetiva agrega qao da forqa de trabalho; o 0. manifestaqao da unidade ou setor requisi tante quanto 2 adequaczo do candidato is suas necessidades; e, volume de candidato~ e apl icaqao de m6todos ef icaies de selecao. - Todo o candidato 9 ernprego na CNA, qualquer que seja o cargo a ser provido, passari por concurso ~Gblico, conforme dispoe o 5 l? do artigo 29 do tuto da Companhia e submetido ao processo seletivo: - A selecao poderi ser real izada diretamente, ou mediante a supervisao, trole e fiscal i zaqzo de organi zaqao especial izada. - Esta con Ua---nn~ own1 icitari, em norma interna, a forma

22 P ' C S I C O N A B - ~ ~ Ministerio da Econornia, Fazenda e Planejamento APHOVACAO CCE/MEFP 19 Companhia Nacional de Abastecimento - CNA RESOL UCAO N.' 09. de S~RIE DE CLASSES - Conjunto de classes de cargos semelhantes corn relacso a natureza de suas at ividades I 30 - TABELA SALARIAL (~atriz ou Escala Salarial) 0 - E o conjunto de faixas salariais hierarquicamente organizados, em niveis ou padi'oes s'alariais correspondentes TAREFA... - E o conjunto de ag6es ou opera~6cs que se constitui em parte do trabalho realizado por um empregado FUNCAO GRATl Fl CADA -.E aquela exercida enicarater transitorio para a qua1 6 estabelecida + grat i f ica~ao/remunerafio de fungao. uma 33 - GRAI I F I CACAOIRE~UNERACA~ DE FUNCAO L.-I E o valor pago pelo exercicio de fun~ao gratificada prevista no Cargos e ~alsrios. Plano de.34 - GRAT l F l CACAO POR SUBST 1 TU l CAO - E o valor pago ao substi tuto de ocupante de funtao gratif icada, formalme; te de~i'~nado, por ocasiso do afastamento temporario do titular, do efeti vo exercicio de suas funcoes, obedecidas' as normas vigentes. a 35 - TRANS~ERENC I A - E o remanejamento do empregado de urna un idade para outra da empresa, obe - decidas as normas vigentes. -

23 I--. r, P C S /. C O N A B - Y ~ b APROVACAO CCE/XEFP Ministdnb da Economia, Fazenda e Planejamento RESOLUCAO N." 09, dr Companhia Nacional de Abastecimenro - CNA 20 OUTRAS CONCE l TUACUES COHPLEKENTARES 1 - EHPREGADOR (sob o pr i sma lega 1 ) - Ea,pessoa investida dopoderdecontratar, capazde'agregar'aforqa de trabalho para "ma organiragio, segundo as condic&s c 1 irnitei do poder o~ torgado; 2 - EHPREGADOR (sob o pr isrna soc ia I)..-, - E a pessoa que, detendo poder, agrega individuos para reuni-10s em grupo,es - tabelecendo os papgi s que devam ser desempenhados para a consecu~so dos pro posi tos de uma organi za~ao. 3 - EMPREGADO (sob o pr i srna legal ) - E a pessoa contratada para a presta~so de servi~os, sob a dire~ao e pl ina do Empregador, mediante salir io. 4 - EMPREGADO (sob o prisma social). - 0 : disci - - E a pessoa que decide rnani'festar a sua adesao'para a consecu~ao dos proposl tos da Cornpanhia, adotando corno vil idos os comportamentos que ela tenha tabelec ido. corno forma de conduta interna da organizagso. 5 - ABONO LE-GAL DE FERIAS E o abono de fer ias previsto para conve'rsao em especie, nos termos dos arti gos 143 ib144 da CLT (observar item XVII, do Art. 79 da Constituiqao). es ADlClONAL NOTURNO - E o valor percebido pelo empregado em decorfencia do seu trabalho em per72 do noturno, nos termos do artigo 73 e seus paragrafos da CLT (observar,item IX, do.art. 79 da Constituiqao). 7 - REHUNERACAO DA HORA EXTRAORDI NARIA - E o valor percebido pelo empregado pelo exerc;cio de suas atividades alim do horgrio de duragso normal da jornada de trabalho, nos terrnos dos artigos 59 e 61 da CLT. 8 - REPOUSO SEMANAL REHUNERADO Q - E o valor atr ibuido ao ernpregado pelo exercicio de at ivida&s no period0 con - s iderado como de descanso, nos termos da Lei 605/49. g - SALARIO FAMIXI A - < o valor atribuido is'cotas asseguradas pela Lei n / LICENCAS E AFASTAMENTOS e - S ~ O auscncias do empregado, asseguradas por precei to legal ou por condescen dgncia da instituigao corn base naq nnrm=c Q J ; * - -

24 J-a_... PC S / C 0 NAB APROVACAO CCF/l'i:EFP Minislerio da Economia, Fazenda e Planejamento RESOLUCAO N." 09, do Companhia Nacional de Abastecimento - CNA CLASSIFICA~AO GERAL DO QUADRO DE PESSOAL DA CNA

25 . PCSICONAB-91,Minisldrio da Economia, Fazenda e Pla APROVACAO CCEIMEFP 22 Cornpanhia Nacional de. RESOLUCAO N." 09, de ,I! IV - CLASSIFICACAO GERAL DO QUADRO' DE PESS'OAL DA CNA Por QUADRO DE PESSOAL devemos entender a quantidade e.a qualid.ade recdrsos humanos necessir ios 5 concret i raqao dos produtos e servi gos Companhia Nac ional de Abastecirnento. 0 quadro de pessoal esti dividido em trcs (3) grupos ocupacionais, se parados de acordo com a natureza e qualidade,dos produtos ou servisos a rem ge rados pe l a Companh i a. A qua l i f i casso do empregado di ferenci a sua ca tegor i a em re lasso a tros profissionais estabelecendo, assim, uma hierarquia de valores rs a base para a fixaqio dos salirios. A f ixaqao de salarios ekta a1 icersada no custo de reprodusao mao-de-obra. Portanto, empregados mai s qua1 i f i cados terso sa lirios superio res a outros profissionais menos qualificados, tendo em vista que houve custo de investimento em sua formaqao e/ou especial izasso. Por via de cons2 qu61iela, a procura de prof issionais qua1 i f icados supera a oferta e o contrs rio se da com relasso 5 mso-de-obra nso qua1 i f icada, cuja oferta supera procura provocando f ixasao de salsrios inferiores para a categoria. 0 GRUPO OCUPAC l ONAL I DA CNA, reune a mso-de-obra semi qua l i f i cada, cu -. jos integrantes exercem tarefas operacionais bssicas e servisos de apoio e seri denominado SERVICOS GERAIS E AUXILIARES. que a dos d a - - se - ou - se d a - um - a auxiliares 0 GRUPO OCUPACIONAL II 6 composto de empregados qualificados, mormente pessoal 'de nivel midio, que promove apoio e assistcncia ticnica-admin,istra- tiva,a assistencia ticnica-operacional da' CNA el por isso mesmo, seri mi nado SERV l COS ADM l N l STRAT l VOS E TECN l COS OPERAC I ONA I S. - den0 0 GRUPO OCUPAClI ONAL I I I seri i ntegrado por prof i ss ionai s corn formasso de nivel superior, considerando assim a forqa de trabalho da CNA e chamado de. SERVICOS PROF I SS IONAI S DE N~VEL SUPERIOR. seri 0s grupos ocupacionais estao divididos em S RIES.DE CLASSES, classifi- cadas pela natureza da atividade ou tarefas inerentes a cada uma delas. siries de classes tgm CLASSES DE CARGOS avaliados e classificados de acordo com o maior ou menor grau de complexidade das atri buisoes ou responsabi l id2 des de,cada uma delas. 0s graus I, I I, I I I e IV, registram uma hierarquia b de graduaqao, Por exemplo: Auxiliarzs Administrativos Ill, desempenham tare fas mais complexas que '~uxiliares Ajministrativos I e II ou, ainda, As - Assis tentes Ticn icos Adniin i st rat i vos I I tcm atr i bui sees que exi gem formaqao pro f i ssional mai s elevada que Assi stentes TGcnicos Admini strativos I. 0s graus I 1 1 I I I a IV s;n in~nuradas 2s classes de caroos em funcbo de virios fa '!

26 rcs/cunab-91 APROV~CAO CCE/iviEFP Minisldrio da Economia, Fazenda e Planejamento RESOLUCAO N." 09, de Companhia Nacional de Abastecimento - CNA 23 As Classes d i cargos reunem um conjunto de fun~oes, mu i tas vezes denominacges dist'intas, mas cornatrib~i~zes de mesma natureza e.complexidade. exemplo: Servente, Copeira, Porteiro e Vigia t;rn atribuieso de mesma natureza, ou seja, servi~os gerai s semiqual if i cados, e a complexidade de execucao das tarefas po dem ter o mesmo grau. Day, reuni-10s numa so classe de cargos, denorninada com Por AUXlLlAR DESERVICOSGERAIS IOU II, facilitar~,aoanali~tadecargosesal~rio~, medir, classif icar e estabelecer urna hierarquia salarial adequada e sem risco de nao primento da isonomia salarial. A Eltima divisio do Quadro de Pessoal (folhs npbz5) identifica as fun c6es e tern o prop6sito de definir o posto de trabalho. E, portanto, uma subdivisav das.classes'de cargos e devers constar na parte referente,; o,cum cornposi~ao das mesmss.a enota~so da funeao com a denominacao mais usual e comumente conhecida frente ao mer cad0 de trabalho, tern o objet ivo'de nao descaracterizar a prof i ssso do diante do mercado externo de trabalho. Nesse sent ido, 6 fundalmental que se tre, na carteira do empregado, a funcso, A especif icacio das classes de cargos, algm de permi tir urna segura para f ixacao de salsrjos, possibil irars maior perenidade e dara a - - empregado regis anal ise - conti st6n cia tgcnica nec'ess~r ia ao PLAN0 DE CARGOS E SALARIOS. A descr icso de fungso, nao trars empresa a flexibilidade necessaria 5 implantaeio do'plan0, haja vista que, a descri~zo da funcso tem a.caracterist ica de def inir a forma, as condi~oes. e tas vezes o ritmo de desenvolvimento de urna tarefa. Portanto 6 mais apropriada pa ra organiza~ges que tsm, em sua maioria, atividades automiticas ou tarefas repet iti vas, rotineirss e bem definidas. Tendo em vista que a maioria das atividades desempenhadas pel0 soal da CNA, nao $50 automat icas e repet i t ivas, optou-se pela especif icasiio classes de cargos. A descr ieao da fungio devera ser fei ta periodicamente, por inte~ mgdio de entrevistas do anal ista de cargos e salarios com o Chefe imediaco do empre gado, visando urna compatibilizacao do produto ou servico desejado corn o perfil empregado. Oportunidade em que sers processada.uma prof iss iograf ia. 0s anal istas de cargos sabem que o trabalho ou forrna de execuczo urna tarefa sofrem frequentes rnuta~6es e os fatores que podem determinar essas racoes sso os rnais var iados. Assim, a modif ica~ao pode ocorrer, seja em cia de mudan~a no programa de trabalho, seja emvirtude de retificaeao nomodo executar a tarefa ou, ainda, 'em decorrgncia de organizaczes e comunica~oes mais que acabam por oferecer urna nova conf iguracao,a fun~so. Corno estes fatos e circunstincias ocorrem periodicamente na CNA, reflex0 direto sobre a tarefa 0 PLAN0 jarnais poderia pretender a rigidez, day optso pela especif icacao das'classes de cargos. rnui - pei das do de a1 te consequep de - infor coln a

27 Minist6rio da Economia, Fazenda e Planejamenlo Companhia Nacional de Abastecimento - CNA APROVACAO CCE/I:AEFP RES~LUCAO N." 09, do ferentes N ~ O obstante, 6 irnportante sal ientar que quando houver altera~ces r= complexidade e responsabilidade no desempenho de uma tarefa havera, por via de consequ6ncia, uma inevitavel analise para verificar a necessidade ou nao de reclass i f icatao do empregado. Cabers ao ana i ista de cargos empreender inquiir itos complementares pa ra reexame. Para essa revisao 6 tamb6m po.ssivel a convocagao das Unidades Funcio nais que, por interm6dio de seus c.hefes imediatos, fariam o levantamento dos res pectivos postos de trabalho, peri'odicamente,para observar a necessidade de reajui -., tamento. Neste caso, o anal ista e a chefia do ernpregado verificarso as altera~.~es ocorr idas em cada fun~zo de modo a suger i r novo agrupamento ou reclass if ica~io, se for o caso. Adiante apresenta-se a diagrama~ao que i lustra a diviszo geral - quadro de pessoal da CNA. do

28 QUADRO DE PESSOAL 0 ICUPAC 10NA I S ALJXlLlARES o?erac!onals

29 Minisldrio da Economia, Fazenda e Planejamento Companhia Nacional de Abastecimento - CNA LPROVACAO CCE/iiF.EFP RESOLUCAO N." 09, de COMPOS l CEO DOS GRLIPOS OCUPAC l ONA l S

30 P,CS/CONAB-91,. Ministerio da Emnomia, Fazenda e Planejamento APROVACAO CCE/;dEFP Companhia Nacional de Abaslecimen'lo - CNA RESOLUCAO N.99, de ' 27,-.. V - COMPOSI~AO DOS GRLIPOS OCUPAC IONAlS,... A Companhia Nacional de C.bastecirnento conta, no seu sistema de classi f icagao, corn tr6s (3) grupos ocupacionai s reunindo toda a forsa de trabalho da organi zaq30, 0s Grupos Ocupacionais sao os seguintes:, Grupo Ocupacional I- SERVICOS GERAIS E AUXlLlARES, Grupo Ocupacional I I- SERVI COS ADMI NI STRATIVOS E TECN I cos OPERACIONAIS. Grupo Ocupac i ona l I I I - SERV I COS PROF lss l ONA l S DE NTVEL SUPER I OR COMPO~ICAO DO GRUPO OCUPACIONAL I. b 0 Grupo Ocupacional I 6 cornposto de mao-de-obra se~niquall f icada e cornpreende uma Znica sirie de classes, com quatro (4) classes de cargos, conforrne abaixo especificado: - Auxiliares de Servi~os Gerais I - SlGLA - ASC I - Auxiliares de Servi~os Gerais II - SlCLA - ASG II - Auxiliares de Servi~os Gerais Ill - SlCLA - ASC Ill - Auxi-liares de Servisos Gerais IV - SIGLA - ASG IV o COMPOS I CAO DO GRUPO OCUPF~C I ONAL I I 0 Grup~ Ocupac i ona 1 I I 6 de empregados qua l i f i cados, de nivel midi0 e agrega trcs (3) siries de classes, seguintes: 1 - Uma s<rie de classes denominada Auxiliares Administra tivos corn quatro (4) classes de cargos Auxiliares~Adrninistrativos I- SICLA - AAD I Auxil iares Administrativos 1'1- SIGLA - AAD I I i1.3 - Auxiliares Adrninistrativos'lll- SIGLA - AAD Ill 1,4 - Auxiliares Adrninistrativos IV- SIGLA - AAD IV 2 - dutra sirie de classes denominada Assistentes Ticnias Administrativos con1 quatro (4) classes de cargos. 2.1-Assist.Ticnicos Adrninistrativos I- SIGLA -ATA I 2.2-Assist,T~cn;cos Adrninistrativos SIGLA -ATA II 2,3-Assist.T~cnicos Administracivos Ilk SlCLA -ATAaI I I 2.4-Assist.T6cnicos AdministrativoslV- SIGLA -ATA IV 3 - Outra sirie de classes denominada Assistentes TGcni- 'cosoperacionais, tarnb6mcomquatro (4) classes cargos. 3.1-Assist. TGcnicos Operacionais I - SlGLA -ATO I de

31 PCSlCONAB-91 Minisldrio da Economia, Fazcnda e Planejamenlo APROVACAO CCE/MEFP 2.8 Companhia Nacional de Abastecimenlo - CNA REsOLUCdO N." 09, de Assist, Ticnicos ~peracionais II - SIGLA -AT0 II 3.3-Assist. TGcnicos Operacionais Ill - SIGLA -AT0 Ill 3.4-Assist. Ticnicos Operacionais IV - SIGLA - ATO, IV P COMPOS l GfiO DO GRLIPO OCUPAC l ONAL I I I 0 Grupo Ocupacional Ill reune profissionais de forn~a~ao de nivel superior e compreende uma inica s6rie de classes corn cinco (5) classes de cargos seguintes: o -T&cnicosdeN;vel Superior, I - SIGLA-TNS I -, Ticnicos denivel Superior II - SIGLA - TNS II - Ticnicos de~ivel Superior Ill - SIGLA - TNS Ill - TGcnicos denive1 Superior IV - SIGLA - TNS IV. - Tdcnicosde~ivel Su?erior V - SIGLA- TNS V

32 --. t LPROVACAO CCE/MEFP Ministdrio da Emnomia, Farenda e Plane/irnento / RESOLUCAO N."9, de Companhia Nacional de ~bilsleciment# - CW! CoMPOSl~AO DAS CLASSES DE CARGOS

33 - Ministerio da Economia, Fazenda e Planejamenlo Companhia Nacional de Abastecimento - CNA P C S / C U l q H D ' d ' APROVACAO CCE/N~EFP 3 0 RESOLUCAO N.' 09, de B1 COMPOSICAO DAS CLASSES DE CARGOS 8 GRUPO OCUPRCIONAL I SERVICOS GERAIS E AUXILIARES - ASG d,=======-=====-==========aa=====-i===~===:=z=::=z==::~=~=~===~~~2=z=~===~;;===~+ I I I I I I, I CLASSES DE CARGOS I SIGLA IFUNCOES/OCUPACOES/POSTOS DE TRABALHO I 0 I I t # ( EXEMPLOS ) _ ! , ^ _ I AUXILIAR DE i ASG I :AGENT DE PORTARIA I I [SERVICOS GERAIS I IAJUDANTE GERAL I I _. I -- I I I I : AUXILIAR DE CONSERVACAO a 8 8 I AUXIL1:AR DE MANUTENCAO I I l AUXXLIAR GRAFICO 9, I I, I o I CONTI tduo I, I 8 I COPEIRO a I I OLI'T'RAS OCUPACOES CONGENERES, I I ; lauxiliar DE :ASG 11 IAGEtdTE DE PORTARIA' ' 0 0 ISEKVICOS GERfiIS I1 I AGENTE DE SEGURANCA' ' I 0..,.. I AJUDfiNTE GERGL,. I I ItiUXILIAR DE CONSEKVkCkO /' I... I I I I 1 I AUXILIAR DE HAHU'TEl.ICAOh - j - I I J 'ALLXILIAR GRkFICO. u 1, 4 CONTINUO?) I I, I I yop p1fl:o. I I > I I I GARCOM I I I I loutras OCUPACOES CONGENERES I , [ I ' 'I AUXILIAR DE lasg I11 :AGENT DE SEGURANCA 0 I I : ':SERVICOS GERAIS I11 1 lartificie DE MANUTENCAO h- I I I I l GARCON 1 I I 0 :GRhFICO e I I I lf4otohista 6 I 8 0 IOPERADOR DE MAQUINAS E EQUIPAPIENTOS : 0 I -I 1 IOUTRAS OCUPACOES CONGENERES 8 I.AUXILIAR DE IASG I V larmazenistk, I I I lservicos GERAIS I V I lartlficie DE HANUTENCAO 8 I I. lgrafico I I I I I!MOTORISTA t t I I OPERADON DE MAQUINAS E EQUIPAHEN'I'OS I I I 1 [OUTRAS OCUPFICOES CONGENERES.-.a, 0 I I I I , , '-'-'-"-',-.---" t. I I

34 - Minist4rio da Economia, Fazenda e Planejamenlo Companhia ~acional dc ~bastecimento - CNA PCSICONAB LPROV.ACAO CCE/;V;EF P RESOLUCAO N.' 09, de GRUPO OCUPACZONAL I1 SERVICOS ADHINTSTRATIVOS E TECNICOS OPERACIONAIS AlJXILIhr4ES ADMINISTHATIVOS - AAD f=====u=================:.'===~======~=~=:.:==========~==========~=~==~~=~~=.+, I I I I I I I I CLASSES DE CARGOS : SIGLA IFllNCOES/OCUPACOES/~OSTOS DE TRABkL-HO I I I I., I 1 (EXEMPLOS) I ' a- -a , ' 1 I l AUXILIAR l AAD I IAUXILIAR ADMINISTRATIVO I IADMINISTRATIVO I I :AUXILIAR DE ARQUIUO 1 I I : (JUNIOR) I I AUXZLIAR DE BIBLIOTECA 1 I I 1 l CONFERENTE. e I I I I ltelefonista I.,.. I I 1 I l OUTRAS OCUPACOES CONGENERES I I AUXILIAR lakd I1 :AUXlLl'AR ADHrNISTRATIVO I l ADMINISTRATIVO I I, 1 lauxillar DE ARQUIVO. I I (PLENO), lruxiliar DE BIBLIOTECA I t t : AUXIL-IAR DE INFORMATICA I I I I I IAUXILIAR DE OPERACOES t ' I q I 1. lconferente 1 L-' I I, C. I 0 0 I ldrtilograf0 IDIGITADOR l OPERADOR DE TELEX I I I o I. I I 1 1 TEL.EFONISTA I I I -.., I. l OU.TR~S DCUPACOE~ &ONGEI.IERES ; ' ' ; IAUXILIAR 1AAD I11 IAUXIL.IC;H ADHIt.Il'STRATIV0 t l ADMINISTRATIVO I11 1. IAUXII-1'AR DE CONTABILIDAGE t 1 -- : (SENIOR) IAUXILIkH DE INFORilATICA 1. I lauxil.iar DE HICROFILHAGEH 18 I I, I lauxiliar DE OPERACOES 1 I I I [AUXILIAR DE RECURSO-S FINANCEIROS. I I I I 1AUXILIAR DE RECURSOS HUMANOS I I I I o 1 lauxiliar DE RECURSOS MATERIAIS 8, I 4 I ', ldatilograf0. I,, I DIGIT'ADOR, I I! I, I. IOPERADOR DE H~~QUINA COHPOSER I I I I, IOPERRDOR DE MICROCOMPUTADOH, * : I I I 4 1OPERADOR DE TELEX I I I I loutras OCUPACOES- CONGENERES : ,-- L -.--.,... I l AUXILIAR laad IV IAUXILIAR ADMINISTRATIVO, :ADHINISTRATIVO IV I : AUXZLI~R DE CONTAB IL I~ADE I "- I (SENIOR) I :~UXILIAR DE INFORMATICA, I I I lauxiliar DE tlicrofiltlagem I I I I o IAUXILIAR DE OPERACOES, I I I... I a lauxiliar DE KECUHSOS FINANCEIROS 9 a 1 l AUXILIAR DE RECURSOS HUHANOS I I I, I I I IAUXILIAR DE RECURSOS MATERIAIS 6 I loperador DE MAQUINA COMPOSER I a 1 IOPERADOR DE HICROCOMPUTADOR 8 I I I a I I OUI'KAS OCUPACOES CONGENERES I I I I I, I , I I I I

35

36

37

38

39

40

41

42

43

44

45

46

47

48

49

50

51

52

53

54

55

56

57

58

59

60

61

62

63

64

65

66

67

68

69

70

71

72

73

74

75

76

77

78

79

80

81

82

83

84

85

86

87

88

89

90

91

92

93

94

95

96

97

98

99

100

101

102

103

104

105

106

107

108

109

110

111

112

113

114

115

116

117

118

119

120

121

122

123

124

125

126

127

128

129

130

131

132

133

134

135

136

137

138

139

140

141

142

143

144

145

146

147

148

149

150

151

152

153

154

155

156

157

158

159

160

161

162

163

164

165

166

167

168

169

170

171

172

173

174

175

176

177

178

179

180

181

182

183

184

185

186

187

188

189

190

191

192

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

EDITAL Nº 01 / 2 011 DE 2 8 DE FEVERE IRO DE 2 0 1 1 CONCURSO PARA I NGRES SO EM ESTÁG IO NA ÁREA DE D IRE ITO

EDITAL Nº 01 / 2 011 DE 2 8 DE FEVERE IRO DE 2 0 1 1 CONCURSO PARA I NGRES SO EM ESTÁG IO NA ÁREA DE D IRE ITO EDITAL Nº 01 / 2 011 DE 2 8 DE FEVERE IRO DE 2 0 1 1 CONCURSO PARA I NGRES SO EM ESTÁG IO NA ÁREA DE D IRE ITO A Co o r d e n a ç ã o d e E s t á g i o d a P r o c u r a d o r i a d a R e p ú b l i c a

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 005, DE 10 DE FEVEREIRO DE 1992 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E DOS OBJETIVOS

LEI COMPLEMENTAR Nº 005, DE 10 DE FEVEREIRO DE 1992 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E DOS OBJETIVOS ESTADO DO CEARÁ Prefeitura Municipal de Farias Brito LEI COMPLEMENTAR Nº 005, DE 10 DE FEVEREIRO DE 1992 Dispõe sobre o plano de cargos, salários e carreira dos servidores da Prefeitura Municipal de Farias

Leia mais

Sistema de Arquivos. Sistemas de Arquivos

Sistema de Arquivos. Sistemas de Arquivos Sistemas de Arquivos Definições Básicas 1.Um arquivo é uma unidade lógica de informação criado por processos. As informações podem representar instruções e dados de qualquer tipo [1]. Exemplo de arquivos.

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Instituto de Cultura e Arte - ICA PROGRAMA DE MESTRADO EM ARTES REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I

Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Instituto de Cultura e Arte - ICA PROGRAMA DE MESTRADO EM ARTES REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Instituto de Cultura e Arte - ICA PROGRAMA DE MESTRADO EM ARTES REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º O Programa de Pós-Graduação

Leia mais

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES PORTARIA INSTITUCIONAL Nº 08 A Direção Geral da Faculdades SPEI, no uso das suas atribuições, ouvido o Conselho Superior e aprovado pela Mantenedora, conforme Regimento Interno, RESOLVE: Estabelecer o

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

Plano de Empregos, Carreiras e Salários - PECS

Plano de Empregos, Carreiras e Salários - PECS Ata de aprovação de alteração 395ª Reunião Ordinária do Conselho de Administração da CODATA Realizada em 10 de fevereiro de 2011 Resolução do Conselho de Administração nº 01/2011 - PECS MARÇO/2005 JULHO/2012

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

I n tr oduçã o a G es tã o da Qua lida de. E n gen h a r ia

I n tr oduçã o a G es tã o da Qua lida de. E n gen h a r ia I n tr oduçã o a G es tã o da Qua lida de E n gen h a r ia P r ofes s or Bacharel em Administração de Empresas com Ênfase em Gestão da Informação; MBA em Gestão da Qualidade e Produtividade; 20 anos de

Leia mais

Boletim do Exército Nº 23/2014. Brasília, DF, 6 de junho de 2014. MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA-GERAL DO EXÉRCITO

Boletim do Exército Nº 23/2014. Brasília, DF, 6 de junho de 2014. MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA-GERAL DO EXÉRCITO Boletim do Exército MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA-GERAL DO EXÉRCITO Nº 23/2014 Brasília, DF, 6 de junho de 2014. BOLETIM DO EXÉRCITO Nº 23/2014 Brasília, DF, 6 de junho de 2014.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho GESTÃO DE PESSOAS IT. 45 07 1 / 6 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para solicitações referentes aos subsistemas de no que se refere aos processos de: Agregar pessoas recrutamento e seleção; Integrar

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

Diretoria de Gestão de Pessoas

Diretoria de Gestão de Pessoas Apresentamos o Plano de Cargos, Carreiras e Salários da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares EBSERH, criada pela Lei n. 12.550, de 15 de dezembro de 2011. A referência para instruir o presente plano

Leia mais

MANUAL DE PESSOAL EMI: 12.08.2002 9ª ROD VIG: 26.02.2002 1 RT MÓDULO 34: CRITÉRIOS PARA PREENCHIMENTO DE FUNÇÕES DE CONFIANÇA E * FUNÇÕES GRATIFICADAS

MANUAL DE PESSOAL EMI: 12.08.2002 9ª ROD VIG: 26.02.2002 1 RT MÓDULO 34: CRITÉRIOS PARA PREENCHIMENTO DE FUNÇÕES DE CONFIANÇA E * FUNÇÕES GRATIFICADAS ANUAL DE PESSOAL ÓD : 34 CAP : EI: 2.08.2002 9ª ROD VIG: 26.02.2002 RT ÓDULO 34: CRITÉRIOS PARA PREENCHIENTO DE FUNÇÕES DE CONFIANÇA E * FUNÇÕES GRATIFICADAS CAPÍTULO : APRESENTAÇÃO ANEXOS: - Requisitos

Leia mais

PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS. Brasília, dezembro de 2014. Diretoria de Gestão de Pessoas

PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS. Brasília, dezembro de 2014. Diretoria de Gestão de Pessoas PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS Brasília, dezembro de 2014 1 APRESENTAÇÃO Apresentamos o Plano de Cargos, Carreiras e Salários da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares EBSERH, criada pela Lei

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

DÁ NOVA ESTRUTURA AO QUADRO FUNCIONAL DA CÂMARA MUNICIPAL DE TUBARÃO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DÁ NOVA ESTRUTURA AO QUADRO FUNCIONAL DA CÂMARA MUNICIPAL DE TUBARÃO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI COMPLEMENTAR Nº 5, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2005. DÁ NOVA ESTRUTURA AO QUADRO FUNCIONAL DA CÂMARA MUNICIPAL DE TUBARÃO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PREFEITO MUNICIPAL DE TUBARÃO, SC: FAÇO saber que a Câmara

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

Diretoria de Gestão de Pessoas

Diretoria de Gestão de Pessoas Diretoria de Gestão de Pessoas APRESENTAÇÃO Apresentamos o Plano de Cargos, Carreiras e Salários da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares EBSERH, criada pela Lei n. 12.550, de 15 de dezembro de 2011.

Leia mais

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011 Oferta Significado 2011 Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão Setembro 2011 Data para submissão das Candidaturas: Até 10 de Outubro 2011 Financiamento Formação Geral Micro

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus da fuvest 009 ª fase - Matemática 08.0.009 MATEMÁTIA Q.0 Na figura ao lado, a reta r tem equação y x no plano cartesiano Oxy. Além dis so, os pontos 0,,, estão na reta r, sendo 0 = (0,). Os pontos A 0,

Leia mais

Circular Interna. Transferência Ato de movimentar colaboradores entre as áreas do Instituto.

Circular Interna. Transferência Ato de movimentar colaboradores entre as áreas do Instituto. Circular Interna Emissor: Nº doc: Diretoria Administrativa Corporativa 101-2015 Data: 31/10/2014 Destinatário: Todas as unidades/contratos Assunto: Política de Recrutamento e Seleção OBJETIVO: Estabelecer

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 39, DE 13 DE ABRIL DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 39, DE 13 DE ABRIL DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 39, DE 13 DE ABRIL DE 2010. Estabelece os valores da hora trabalhada e os critérios para o pagamento da Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso

Leia mais

POLÍTICA CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA CARGOS E SALÁRIOS 1. OBJETIVO Estabelecer critérios de remuneração, baseados na legislação brasileira vigente e nas regras definidas pela Secretaria Executiva e Conselho Curador, com o objetivo de constituir uma estrutura

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL BOMBINHAS-SC

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL BOMBINHAS-SC LEI COMPLEMENTAR Nº 034, de 13 de dezembro de 2005. Institui o Plano de Carreira, Cargos e Vencimentos do Pessoal do Poder Legislativo do Município de Bombinhas e dá outras providências.. Júlio César Ribeiro,

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES imprensa FESSERGS Novo esboço de Plano de Carreira do Quadro-Geral(para substituir no MURAL) July 19, 2012 2:32 PM Projeto de Lei nº00/2012 Poder Executivo Reorganiza o Quadro

Leia mais

T e c n o l o g i a g e r a n d o v a l o r p a r a s e u n e g ó c i o w w w. s o f t c a s e n e t. c o m. b r ERP CASE

T e c n o l o g i a g e r a n d o v a l o r p a r a s e u n e g ó c i o w w w. s o f t c a s e n e t. c o m. b r ERP CASE T e c n o l o g i a g e r a n d o v a l o r p a r a s e u n e g ó c i o w w w. s o f t c a s e n e t. c o m. b r ERP CASE ERP CASE UM SISTEMA SEGURO UMA FERRA MENTA INDIS PENSAVEL Cada unidade tem suas

Leia mais

7a. Edição Editora Atlas

7a. Edição Editora Atlas FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU Pós-graduação em Auditoria, Controladoria e Finanças Disciplina: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO Slide 1 Professor: MASAKAZU HOJI ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI O Plano de Cargos e Salários aqui apresentado é resultado do entendimento e alinhamento dos direcionadores do Modelo de Organização e Gestão e das Políticas e

Leia mais

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco Procedimento Preparatório n. º 1.26.000.002835/2013-65 Promoção de Arquivamento nº 617-2013/MPF/PRPE/AT PROMOÇÃO Trata- se de proc edimento pre paratório instaurado nesta Procuradoria da Repúb lic a, com

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

CAPACITAÇÃO P R O F A. D R A. M A R I A D A G L Ó R I A V I T Ó R I O G U I M A R Ã E S P R O F. D R. D A N I E L R E I S A R M O N D D E M E L O

CAPACITAÇÃO P R O F A. D R A. M A R I A D A G L Ó R I A V I T Ó R I O G U I M A R Ã E S P R O F. D R. D A N I E L R E I S A R M O N D D E M E L O CAPACITAÇÃO P R O F A. D R A. M A R I A D A G L Ó R I A V I T Ó R I O G U I M A R Ã E S P R O F. D R. D A N I E L R E I S A R M O N D D E M E L O MAPEAMENTO DA DEMANDA/OFERTA O que é Capacitação Ato ou

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

Manual de Normas e Procedimentos do Plano de Cargos e Carreiras e Salários Aprovado em 15 de dezembro de 2014.

Manual de Normas e Procedimentos do Plano de Cargos e Carreiras e Salários Aprovado em 15 de dezembro de 2014. Manual de Normas e Procedimentos do Plano de Cargos e Carreiras e Salários Aprovado em 15 de dezembro de 2014. O plano de Cargos e Salários do Conselho Regional de Farmácia do Estado de Goiás regulamenta

Leia mais

PLANO DE CARREIRA. Manual de Procedimentos para Avaliação Profissional da CETESB

PLANO DE CARREIRA. Manual de Procedimentos para Avaliação Profissional da CETESB PLANO DE CARREIRA Manual de Procedimentos para Avaliação Profissional da CETESB 1. Conceitos básicos 1.1. Avaliação Profissional é o conjunto composto por três avaliações: Avaliação por Competências, Prova

Leia mais

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP GIS Gertran Integration Suite Guia de T ransferência de Arquivos Entidade x DATAPREV Versão 1.0 HTTPS G I S G ui a de T ra n sf er ên ci a d e Ar qu i vo s 1/ 8 ÍNDICE ANALÍT ICO 1. INTRODU ÇÃO......4

Leia mais

Curso: A Agricultura no Contexto da Crise - Perspectivas

Curso: A Agricultura no Contexto da Crise - Perspectivas Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA Curso: A Agricultura no Contexto da Crise - Perspectivas TEMA III: A CONSTRUÇÃO DO MOVIMENTO SINDICAL DE TRABALHADORES COMO SUPERAÇÃO DE EXCLUSÃO DO

Leia mais

O Sacrifício da Cruz

O Sacrifício da Cruz O Sacrifício da ruz 6 ø 4 4 Intenso q = 61 9. r. r m b sus4 6 Ó. m Œ. r J 1.u ø. r o - lho pa - ra_o céu, bus - M7.. can - do com - preen-der o sa - cri - fí - cio do Sal - va - dor em meu lu - gar ø ø

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

Trabalho Seguro. relatado e discutido o presente procedimento do Conselho Superior da Justiça do Trabalho sob no

Trabalho Seguro. relatado e discutido o presente procedimento do Conselho Superior da Justiça do Trabalho sob no Justiça do traba lho ACÓRDÃO CSJT JOD/acg PROC. N CSJT-AN-2181-32.2012. 90.0000 Visto, PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO - PROGRAMA TRABALHO SEGURO. INSTITUCIONA- LIZAÇÃO E REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

TABELA DE VENCIMENTOS-BASE (Valores em R$) AUXILIAR DE BI- BLIOTE- CA ES- COLAR AUXILIAR DE SECRE- TARIA ESCOLAR PROFESSOR PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

TABELA DE VENCIMENTOS-BASE (Valores em R$) AUXILIAR DE BI- BLIOTE- CA ES- COLAR AUXILIAR DE SECRE- TARIA ESCOLAR PROFESSOR PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL ANEXO I TABELAS DE VENCIMENTOS-BASE E SALÁRIOS-BASE DOS CARGOS E EMPREGOS PÚBLICOS DE PROVIMENTO EFETIVO INTEGRANTES DOS PLANOS DE CARREIRAS DAS ÁREAS DE ATIVIDADES DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA DO PODER EXECUTIVO,

Leia mais

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO 4. OBJETIVOS DA GESTÃO DO DESEMPENHO 5. BENEFÍCIOS ESPERADOS DO MODELO 6. DIRETRIZES

Leia mais

PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS DA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO CONAB

PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS DA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO CONAB Minuta do Plano de Cargos, Carreiras e Salários PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E SALÁRIOS DA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO CONAB 2008 Página 1 de 151 Minuta do Plano de Cargos, Carreiras e Salários ÍNDICE

Leia mais

A EBSERH e os Recursos Humanos

A EBSERH e os Recursos Humanos Informativo do Hospital das Clínicas da UFMG - Janeiro de 2013 ano XVIII n 288 Boletim do HC Foto: Arquivo Assessoria de Comunicação do HC/UFMG A EBSERH e os Recursos Humanos Esclareça as suas dúvidas

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro João Ferrão Resumo As visões recentes sobre o mundo rural revelam grande permeabilidade à ideia de património

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FEMA FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FEMA FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FEMA FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS PLANO DE CARREIRA DOCENTE SANTA ROSA MARÇO/2010 PLANO DE CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º - O presente

Leia mais

PLANO DE CARGOS, REMUNERAÇÃO E CARREIRA - PCRC

PLANO DE CARGOS, REMUNERAÇÃO E CARREIRA - PCRC PLANO DE CARGOS, REMUNERAÇÃO E CARREIRA - PCRC DEZEMBRO DE 2013 1 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 CONCEITOS BÁSICOS... 4 3 OBJETIVO DO PCRC... 6 4 REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS PARA FORMULAÇÃO DO PCRC... 7 5

Leia mais

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT RECENSÃO COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT [Lígia Noronha, Nelson Lourenço, João Paulo Lobo-Ferreira, Anna Lleopart, Enrico Feoli, Kalidas Sawkar, e A. G. Chachadi (2003),

Leia mais

Credenciamento: Decreto Presidencial de 23 de fevereiro de 1999

Credenciamento: Decreto Presidencial de 23 de fevereiro de 1999 1 SUMÁRIO SISTEMA DE REMUNERAÇÃO TÍTULO I DOS CONCEITOS...3 TÍTULO II DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS...3 TÍTULO III ESTRUTURA DE CARGOS E SALÁRIOS...4 TÍTULO IV DA TABELA SALARIAL...9 TÍTULO V DO INGRESSO E

Leia mais

Revisão do PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS. Você escolhe o caminho e constroi sua própria saúde.

Revisão do PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS. Você escolhe o caminho e constroi sua própria saúde. Revisão do PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS Você escolhe o caminho e constroi sua própria saúde. PCCS Revisão do PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS Colaborador (a), Com o objetivo de alavancar a

Leia mais

Até à data o município arrecadou receitas correntes no valor de 769.722,67 e receitas de capital no valor de 709.219,94.

Até à data o município arrecadou receitas correntes no valor de 769.722,67 e receitas de capital no valor de 709.219,94. 1. Situação Financeira 1.1 Receita Até à data o município arrecadou receitas correntes no valor de 769.722,67 e receitas de capital no valor de 709.219,94. CL PREVISÃO REC. COBRADA 01 Impos tos Diretos

Leia mais

Ensino Médio. 1. Ensino Médio - Balanço da Aplicação da Lei 5.692. O artigo 30, item c, estabelece:

Ensino Médio. 1. Ensino Médio - Balanço da Aplicação da Lei 5.692. O artigo 30, item c, estabelece: Ensino Médio Coordenador: VANESSA G. MAR RI Organizador: MARTA MARIA PERNAMBUCO Participantes da mesa: GUARACIRA GOUVÊA DE SOUZA, ANTONIO DE SOUZA TEIXEIRA JR., VANESSA G. MARRI, LU~S ANTONIO R.C. CUNHA.

Leia mais

ROTEIRO DE AUDITORIA/PESSOAL ESTATUTÁRIO

ROTEIRO DE AUDITORIA/PESSOAL ESTATUTÁRIO ROTEIRO DE AUDITORIA/PESSOAL ESTATUTÁRIO 1 - OBJETIVO A auditoria de pessoal tem por objetivo certificar-se da regularidade dos atos praticados pela administração, relativos a nomeação, classificação,

Leia mais

Aprovação (Carta-Consulta) do Plano de Curso em Marketing na Faculdade da Cidade (RJ)

Aprovação (Carta-Consulta) do Plano de Curso em Marketing na Faculdade da Cidade (RJ) INTERESSADO/MANTENEDORA SOCIEDADE EDUCACIONAL DA CIDADE ASSUNTO: UF RJ Aprovação (Carta-Consulta) do Plano de Curso em Marketing na Faculdade da Cidade (RJ) RELATOR: SR. CONS. ARNALDO NISKIER 1 - RELATÓRIO

Leia mais

Saiba tudo sobre o seu Plano de Previdência Privada

Saiba tudo sobre o seu Plano de Previdência Privada Saiba tudo sobre o seu Plano de Previdência Privada Índice Introdução - Estrutura Oficial e suas Limitações 3 Bem-vindo ao Plano Quem pode participar Ótima ferramenta de planejamento Composição da sua

Leia mais

8. Conclusões. A CAPES atribuiu, em sua última avaliação, o conceito "A" para o

8. Conclusões. A CAPES atribuiu, em sua última avaliação, o conceito A para o Instituto Metodista de Ensino Superior. Credenciamento do curso de pós-graduação, nível de Mestrado, em Ciências da Religião, com áreas de concentração em Bíblia, Teologia e Historia e Ciências Sociais

Leia mais

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO TERMO DE ABERTURA DO PROJETO... 5 P A R T I C I P A N T E S... 5 I D E N T I F I C A Ç Ã O D O P R O J E T O... 5 Nome e Sigla do Projeto... 5 Cliente e Representante...

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIO DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDESTE

PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIO DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDESTE PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIO DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDESTE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E OPERACIONALIZAÇÃO Art. 1º - O Plano de Carreira do Pessoal Técnico-Administrativo da Fundeste,

Leia mais

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil.

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil. Outubro de 2003 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Sexta-feira 31 34351 ares, me diante a exibição de ofí cio ou mandado em forma regular. 1º So men te se ex pe di rá pre ca tó ria, quando, por essa for ma, for

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais

Capítulo 6 Orçamento de Despesas Departamentais

Capítulo 6 Orçamento de Despesas Departamentais Capítulo 6 Orçamento de Despesas Departamentais A ter cei ra fase da ela bo ra ção das peças orça men tá rias está liga da à orça men ta ção das des pe sas depar ta men tais. É a parte mais tra ba lho

Leia mais

A Gonçalves no México I N F O R M A

A Gonçalves no México I N F O R M A I N F O R M A Novembro de 2007 Depois de atuar por quase três anos no México com um escritório comercial, a Gonçalves investe em uma unidade industrial no país, que entrará em operação no início de 2008.

Leia mais

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média KEITH CAMERON SMITH As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média Prefácio Por que es cre vi es te livro? Três mo ti vos me le va ram a es cre ver es te li vro. O pri - meiro foi a

Leia mais

PARTE I ROTINAS TRABALHISTAS

PARTE I ROTINAS TRABALHISTAS PARTE I ROTINAS TRABALHISTAS Capítulo 1 Recrutamento... 3 1.1 Possíveis ocorrências de recrutamento... 4 1.1.1 Ampliação do quadro de pessoal... 4 1.1.2 Desligamento de empregado... 5 1.1.3 Promoção...

Leia mais

CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL

CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL Miguel Correia Pinto e Manuel Mira Godinho Resumo Com os avanços nos domínios da biotecnologia registados nas décadas mais recentes, os conhecimentos

Leia mais

AS ORGANIZAÇÕES COMO UM SISTEMA

AS ORGANIZAÇÕES COMO UM SISTEMA AS ORGANIZAÇÕES COMO UM SISTEMA N Materiais Energia Informação Valor INPUT EMPRESA Hardware : Equipamentos e Materiais Humanware : Elemento Software : Humano Procedimentos Valor ou Qualidade OUTPUT Produto

Leia mais

LEI Nº 8.112, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1990 SUMÁRIO. T í t u l o I C a p í t u l o Ú n i c o D a s D i s p o s i ç õ e s P re l i m i n a res

LEI Nº 8.112, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1990 SUMÁRIO. T í t u l o I C a p í t u l o Ú n i c o D a s D i s p o s i ç õ e s P re l i m i n a res LEI Nº 8.112, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1990 SUMÁRIO T í t u l o I C a p í t u l o Ú n i c o D a s D i s p o s i ç õ e s P re l i m i n a res T í t u l o I I D o P ro v i m e n t o, Va c â n c i a, R e m o

Leia mais

CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA

CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA LEI Nº 3.156, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2005. Estabelece a estrutura administrativa e organiza o Quadro de Pessoal dos Serviços Auxiliares da Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso do Sul. seguinte Lei:

Leia mais

Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira. Módulo4 Plano de Carreira e Remuneração

Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira. Módulo4 Plano de Carreira e Remuneração Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira Módulo4 Plano de Carreira e Remuneração Fundação Escola Nacional de Administração Pública Presidente Gleisson Rubin Diretor de Desenvolvimento Gerencial

Leia mais

REGULAÇÃO POLÍTICA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

REGULAÇÃO POLÍTICA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAÇÃO POLÍTICA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL José Nuno Lacerda Fonseca Resumo Analisando vários indícios da existência de efeitos anti-sociais da actividade dos meios de comunicação social, reflecte-se

Leia mais

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA Rosário Mauritti Resumo Este artigo começa por analisar a influência das origens sociais nas trajectórias de

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAl DA PARAiBA

UNIVERSIDADE ESTADUAl DA PARAiBA CRIADA PELA LEI N,O4.977, DE 11 DE OUTUBRO DE 1987 58100-001 - CAMPINA GRANDE - PARAI'BA FAX: 083) 341-4509 ESTABELECE NORMAS PARA FIXAc;AO, ALTERAc;XO E APLICAc;AO DOS REGIMES DE TRABALHO DOS DOCEN TES.

Leia mais

Diagramas de esforços transversos e de momentos fletores em Autodesk Inventor

Diagramas de esforços transversos e de momentos fletores em Autodesk Inventor Diagramas de esforços transversos e de momentos fletores em Autodesk Inventor O objetivo deste tutorial é exempl ificar como poderemos obter em Autodesk Inventor diagramas de esforços transversos e de

Leia mais

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Publicada D.O.E. Em 23.12.2003 LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Reestrutura o Plano de Carreira do Ministério Público do Estado da Bahia, instituído pela Lei nº 5.979, de 23 de setembro de 1990,

Leia mais

PROPOSTA DA ASTHEMG PARA O PLANO DE CARGOS E CARREIRAS

PROPOSTA DA ASTHEMG PARA O PLANO DE CARGOS E CARREIRAS CARTILHA Proposta para mudança do Plano de Cargos e Carreira 02 PROPOSTA DA ASTHEMG PARA O PLANO DE CARGOS E CARREIRAS O Plano de Cargos e Carreira do Estado, criado em 2005 pela Lei 15.462, já previa

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00004 Sexta-Feira Quit-Feira 08 11 de Março Janeiro de de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Nº

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00034 Sexta-Feira Quit-Feira 22 08 de de Fevereiro Março de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010 da Unicamp 010 ª fase - Física 1.01.010 UNICAMP 010 - FÍSICA Esta prova aborda fenômenos físicos em situações do cotidiano, em experimentos científicos e em avanços tecnológicos da humanidade. Em algumas

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

CONTRATO/CVM/SERPRO/BOLSA DE VALORES DE sao PAULO

CONTRATO/CVM/SERPRO/BOLSA DE VALORES DE sao PAULO .'.c"" "-;:;,.'Q:.." () I.', / v -. CONTRATO/CVM/SERPRO/BOLSA DE VALORES DE sao PAULO ':.O. CONTRATO que entre si fazem a COMISsAo DE VALORES MOBILIARIOS- CVM, a seguir denominada CVM, ins crita no CGC-MF

Leia mais

Medida Provisória n.º 2229-43, de 2001. Emenda Aditiva. Inclua-se no texto da MP da referência os seguintes artigos:

Medida Provisória n.º 2229-43, de 2001. Emenda Aditiva. Inclua-se no texto da MP da referência os seguintes artigos: Medida Provisória n.º 2229-43, de 2001 Emenda Aditiva Inclua-se no texto da MP da referência os seguintes artigos: Art.. Fica reestruturada Carreira Previdenciária, de que trata a Lei nº 10.355, de 26

Leia mais

LEI N 2163/2015 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

LEI N 2163/2015 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI N 2163/2015 Reformula o Plano de Cargos, Carreiras e Salários dos Servidores da Caixa de Assistência, Previdência e Pensões dos Servidores Públicos Municipais de Porciúncula CAPREM e estabelece normas

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

REGULAMENTO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL

REGULAMENTO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL REGULAMENTO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL 1. Objetivos 1.1 - Desta normatização Estabelecer diretrizes e critérios que viabilizem os processos de recrutamento e seleção, atraindo profissionais com capacidade

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para programação, concessão e pagamento de férias aos empregados da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma poderá ser necessário

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277. Página 1

ANEXO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277. Página 1 ANEXO DA RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277 Página 1 ANEXO I Dimensão Nome da Quantitativo Dimensão de Itens Peso Nota Mínima Programa de Dimensão 1 Melhoria da Qualidade 11 1 70 PMQ Dimensão 2 Dinâmica da

Leia mais