INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR BLAURO CARDOSO DE MATTOS FASERRA VICTOR GOLDNER ANCHESQUI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR BLAURO CARDOSO DE MATTOS FASERRA VICTOR GOLDNER ANCHESQUI"

Transcrição

1 INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR BLAURO CARDOSO DE MATTOS FASERRA VICTOR GOLDNER ANCHESQUI A RELAÇÃO ENTRE A DIVULGAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS E O PREÇO DAS AÇÕES: Um estudo realizado nas empresas brasileiras de construção civil listadas na BM&F BOVESPA SERRA - ES 2014

2 VICTOR GOLDNER ANCHESQUI A RELAÇÃO ENTRE A DIVULGAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS E O PREÇO DAS AÇÕES: Um estudo realizado nas empresas brasileiras de construção civil listadas na BM&F BOVESPA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Instituto de Ensino Superior Blauro Cardoso de Mattos, do curso de Graduação em Ciências Contábeis, como exigência parcial para obtenção do título de Bacharel em Ciências Contábeis. Orientadora: Mônica Fernanda Santos Porto Pires SERRA - ES 2014

3 VICTOR GOLDNER ANCHESQUI A RELAÇÃO ENTRE A DIVULGAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS E O PREÇO DAS AÇÕES: Um estudo realizado nas empresas brasileiras de construção civil listadas na BM&F BOVESPA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Instituto de Ensino Superior Blauro Cardoso de Mattos, do curso de Graduação em Ciências Contábeis, como exigência parcial para obtenção do título de Bacharel em Ciências Contábeis. Aprovado em de de BANCA EXAMINADORA... Mônica Fernanda Santos Porto Pires Instituto de Ensino Superior Blauro Cardoso de Mattos Orientadora... Prof. Ângelo Roberto Fiorio Custódio Instituto de Ensino Superior Blauro Cardoso de Mattos Banca Examinadora

4 AGRADECIMENTOS Um agradecimento enorme à minha orientadora Mônica Fernanda Santos Porto Pires, pela grande paciência e tempo à mim disponibilizado, pelo conhecimento transmitido, pela motivação aplicada e pela disposição em me atender, sem você eu não teria conseguido, tenho certeza que você será recompensada. Agradeço também a minha companheira Luiza, pela dedicação, carinho e motivação que tem me dado.

5 RESUMO O objetivo principal deste trabalho é investigar a relação entre lucro líquido contábil divulgado por uma companhia e a oscilação do preço de suas ações em um período de curto prazo após esta divulgação. Este estudo se justifica pela necessidade de se conhecer a resposta do investidor em relação a divulgação das demonstrações contábeis das empresas, principalmente em relação a conta do lucro apurado. O estudo foi realizado nas empresas listadas na Bolsa de Valores BM&F Bovespa se restringindo ao setor de construção civil, onde existem cinco empresas que estão listadas neste segmento: MRV Engenhara e Participações S.A, Rossi Residencial S.A, Cyrela Brazil Realty S.A Empreendimentos e Participações, Gafisa SA e João Fortes Engenharia S.A. O período de analise compreende ao triênio de 2011 a Para realização dos cálculos foi utilizado o método de coeficiente de correlação de Person que nos mostra se há relação entre as duas variáveis. Os resultados encontrados mostram que existe uma forte correlação entre a divulgação das demonstrações e o preço destas ações para dois anos dos três que foram analisados, e que a maioria das empresas analisadas apresentaram uma forte correlação em todos os anos. Palavras-chave: Ações, Construção Civil, Lucro Líquido, Mercado Eficiente, Mercado Financeiro.

6 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Resultado operacional da empresa Tabela 2: Comparativo das variações da empresa Tabela 3: Resultado operacional da empresa Tabela 4: Comparativo das variações da empresa Tabela 5: Resultado operacional da empresa Tabela 6: Comparativo das variações da empresa Tabela 7: Resultado operacional da empresa Tabela 8: Comparativo das variações da empresa Tabela 9: Resultado operacional da empresa Tabela 10: Comparativo das variações da empresa

7 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1: Comparativo das variações da empresa Gráfico 2: Comparativo das variações da empresa Gráfico 3: Comparativo das variações da empresa Gráfico 4: Comparativo das variações da empresa Gráfico 5: Comparativo das variações da empresa

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROBLEMA OBJETIVO GERAL OBJETIVO ESPECÍFICO JUSTIFICATIVA METODOLOGIA REFERENCIAL TEÓRICO AÇÕES Histórico Conceito Tipos de Ações Vantagens e Desvantagens Funcionamento do Mercado DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Conceito Tipos de Demonstrações Contábeis INFLUÊNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NO PREÇO DE AÇÕES Mercado Eficiente Análises de Mercado METODOLOGIA APLICADA... 26

9 4 RESULTADOS OBTIDOS RESULTADOS OBTIDOS EMPRESA RESULTADOS OBTIDOS EMPRESA RESULTADOS OBTIDOS EMPRESA RESULTADOS OBTIDOS EMPRESA RESULTADOS OBTIDOS EMPRESA CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS... 36

10 9 1 INTRODUÇÃO No mercado de capitais, quem investe procura por opções de investimentos que lhe tragam maiores retornos futuros com o menor risco possível. O investidor necessita de informações que possam lhe dar segurança para identificar quais são as empresas rentáveis e quais são as empresas ruins para aplicar o dinheiro (WERNECK, NOSSA, LOPES, TEIXEIRA, 2008). Para Sarlo Neto (2004), a contabilidade é considerada como uma forma de transmissão de informação, neste estudo ela será aplicada por meio de lucro divulgado nas demonstrações financeiras padronizadas publicadas pelas companhias. O Autor aduz ainda que os mercados de capitais representam um local no qual possam ser testadas as práticas contábeis, analisando as alterações dos preços dos ativos em relação à divulgação das informações elaboradas pela contabilidade, a pesquisa em mercado de capitais possibilita o teste e a elaboração de hipóteses sobre um dos objetivos da contabilidade, o de fornecer informações relevantes para os seus usuários, em especial o investidor. Nesta pesquisa, o mercado de capitais será representado exclusivamente por ações. Esta afirmação de Sarlo Neto confirma a existência de estratégias antes de se realizar um investimento. Com base na teoria de que todos possuem informações iguais e que não existe informações privilegiadas, o objetivo desta pesquisa é identificar se a relação de uma informação contábil divulgada interfere a curto prazo nos preços de ações. O funcionamento do mercado se dá através de acionistas comprando ações de empresas que listam suas ações na bolsa através de uma corretora credenciada pela comissão de valores mobiliários que faz a intermediação da negociação. Antes da compra das ações é interessante fazer análises de mercado para saber onde investir. Conforme Assaf Neto (2012) o preço de um ativo qualquer é formado com base nas várias informações publicamente disponíveis aos investidores, sendo as tomadas de decisões de compra e venda com base em suas interpretações dos fatos relevantes. Esta afirmação diz a respeito do mercado eficiente, que pode ser exemplificado quando os valores dos ativos refletem o consenso geral sobre todas as informações disponíveis sobre a economia, os mercados financeiros e sobre a empresa específica envolvida, ajustando espontaneamente essas informações nos preços (Bruni, Famá 1998). Em contrapartida, Bernard e Tomas (1989) apud (Souza

11 ), argumentaram que existe a possibilidade de que os preços das ações não transcrevam todas as informações referentes ao lucro corrente. A ideia lógica em relaçao a lucro e ações é que ao ver uma demonstração financeira com lucro imagina-se que as ações da companhia irão valorizar, porém, uma série de fatores pode modificar este raciocínio lógico. Esta última análise pode ser explicada em notas explicativas que conforme lei 6.404/76 art. 176, diz que elas vão complementar as demonstrações financeiras juntos de outros quadros analíticos ou demonstrações contábeis necessárias para deixar claro a situação patrimonial e os resultados dos exercícios, neste complemento de notas explicativas, pode conter informações que sejam boas ou ruins para investidores, em caso de ruins, justificaria a posição de Bernard e Tomas. O Trabalho de Beaver, Clark e Wright (1979), apud Sarlo Neto (2004) constatou que não existe uma correlação perfeita das variações dos resultados contábeis e os preços das ações. As relações encontradas neste trabalho indicam que a relevância dos números contábeis depende de vários fatores presentes no ambiente econômico. Este estudo se limitará a somente analisar a correlação entre o lucro e a oscilação da ação, não entrando em detalhes expostos nas notas explicativas. Lopes (2002) apud Sarlo Neto (2004) acrescenta que o mercado financeiro, de forma geral, é um dos que mais utilizam a informação contábil por intermédio de analistas, corretoras, investidores institucionais e individuais, bancos de investimentos, denominados Stakeholders 1. Somente mediante o entendimento do papel da contabilidade será possível tomar decisões, orientar ações futuras e claro, visando a melhorar o conteúdo informativo da informação gerada pela contabilidade. 1.1 PROBLEMA Qual é a relação entre a publicação das demonstrações contábeis e o preço das ações de empresas brasileiras de construção civil listadas na BM&F Bovespa? 1.2 OBJETIVO GERAL Analisar a relação entre a publicação das demonstrações contábeis e o preço das 1 Partes Interessadas tradução livre do autor.

12 11 ações de empresas brasileiras de construção civil listadas na BM&F Bovespa. 1.3 OBJETIVO ESPECÍFICO - Conceituar ações; - Descrever demonstrações contábeis; - Analisar a relação da publicação das demonstrações contábeis no preço das ações; 1.4 JUSTIFICATIVA Os estudos do mercado de capitais da Bovespa é uma forma de aprender para os ingressantes nesta área, este trabalho se dedica a analisar a reação do mercado pós publicação de resultados em setor específico com a intenção de realizar uma contribuição, este estudo propõe-se a não se limitar somente a números, o impacto a ser medido terá também como justificativas notícias do período a ser analisado das empresas. Espera-se que o estudo venha a complementar e a enriquecer a informação dos ingressantes como forma de estratégia de mercado, com fins a obtenção de sucesso nas escolhas. De acordo com descrição de Famá (1991), o preço da ação, no mercado de capitais eficiente, é ajustado no exato momento em que informações relevantes são divulgadas publicamente. Com base na citação supracitada, este trabalho procura contribuir para ampliar o conhecimento sobre uma possível estratégia de investimento no mercado de capital brasileiro, consequentemente, para os mercados menos desenvolvidos. 1.5 METODOLOGIA Este trabalho é elaborado através de pesquisa bibliográfica, que conforme Andrade (1997) pode ser realizada como um trabalho em si mesmo ou constituir-se numa parte de elaboração de monografias, dissertações, etc. Gil (1996) descreve a pesquisa bibliográfica como um trabalho feito a partir de material já elaborado constituído principalmente de livros e artigos científicos. Segundo Vergara (2013) também será uma pesquisa descritiva pois deixa evidenciado que utiliza

13 12 características de determinada população ou de determinado fenômeno. Esta pesquisa também será explicativa, que conforme Gil (1996) tem como objetivo principal identificar os fatores que determinam ou que contribuem para ocorrência de fenômenos. Este é o tipo de pesquisa que mais aprofunda o aprendizado da realidade pois explica a razão e o porquê das coisas. E por último será na forma quantitativa, que segundo Portela (2004) exprimi as relações de dependência funcional entre variáveis para responderem o porquê dos fenômenos. Neste trabalho é ainda possível provar, comparando companhias do mesmo ramo, se após as divulgações das demonstrações contábeis, se suas ações serão valorizadas ou desvalorizadas, através de gráficos que contém informações extraídas da consultora InfoMoney, no seu sitio na internet.

14 13 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 AÇÕES Histórico Não se sabe ao certo quando os títulos mobiliários começaram a ser comercializados, não existe registro oficial de onde surgiram ou quando, mas há indícios que iniciou-se a muito tempo provavelmente na antiga Roma na Itália, no bazar palestino ou até mesmo na antiga Grécia. De acordo com De Azevêdo e Valentim (2012), a palavra Bolsa, no seu sentido comercial e financeiro, nasceu em Bruges em uma cidade da Bélgica, lá era um local onde se realizavam reuniões de comerciantes, na residência de um senhor chamado Van der Burse, o nome bolsa é devido à existência, na fachada de sua casa, de um brasão com três bolsas entrelaçadas, surgiu a expressão que representa um local adequado onde as pessoas faziam assembleias, com o propósito de realizar negociações de compra e venda de alguma coisa. No Brasil, conforme o site ADVFN, portal de investimentos em ações da bolsa de valores do Brasil, com cotações da Bovespa e BM&F, foi na década de sessenta que iniciou-se um processo de expansão da bolsa de valores, a antiga Bovespa e as demais bolsas brasileiras eram ligadas ao poder público, com as reformas do sistema financeiro nacional e do mercado de capitais que foram implementadas nos anos de 1965 e 1966, as bolsas assumiram a característica institucional, transformando-se em associações civis sem fins lucrativos, com autonomia administrativa, financeira e patrimonial. Além da mudança que causou grande crescimento, o que ajudou a ascensão das ações foram os incentivos fiscais do governo, com isenção de imposto de renda e também isenção de tributos para empresas, isto fez com que o volume aumentasse consideravelmente (AZEVEDO E BARCELLOS 2010). Desde o estopim das ações à atualmente, a notoriedade foi visível, se tornaram uma fonte de investimento alternativa a poupança que predomina o Brasil e conforme Bertolo (2010), são os títulos mais comprados e vendidos nas bolsas.

15 Conceito Ação é definido pela BM&F Bovespa como títulos de renda variável, emitidos por sociedades anônimas de capital aberto, que representam a menor fração do capital da sociedade. Já para Fortuna (1999) apud Sarlo Neto (2004, p.78): As ações são títulos representativos do capital social de uma companhia que, no caso, é dita aberta por ter seus títulos negociados em bolsa de valores e, portanto, sujeita a uma série de exigências quanto ao fornecimento de informações junto ao público. Têm de se sujeitar a todas as regras de disclosure. 2 As ações podem ser emitidas sob a forma física de cautelas ou certificados, que provam a existência e a posse de certa quantidade especificada de ações, ou do tipo escritural, que dispensa sua emissão em papel, mantendo o controle das ações em contas de depósitos em nome de seus titulares em uma instituição depositária (ASSAF NETO, 2012). O FIPECAFI (2012) informa que ações possuem dois formatos, nominativas e escriturais, na primeira, a propriedade presume-se pela inscrição do nome do acionista do Livro de Registro de Ações Nominativas ou pelo extrato fornecido pela instituição custodiante. Já a segunda, a característica presume-se pelo registro na conta de depósito das ações, aberta em nome do acionista nos livros da instituição depositária, ainda é informado que hoje em dia, quase todos os títulos são escriturais e também uma ação escritural não se deixa de ser nominativa, pois o controle escritural é feito nominalmente à pessoa que tem posse. A BM&F Bovespa também informa que a rentabilidade das ações é variável, parte dela advém da posse da ação, que é composta de dividendos ou participação nos resultados e benefícios concedidos pela empresa; outra parte vem do eventual ganho de capital na venda da ação. Segundo Assaf Neto (2012), a renda das ações podem acontecer de várias maneiras, dentre elas, podem vir em forma de dividendos, juros sobre capital próprio, bonificação, valorização e diretos de subscrição. 2 Evidenciação em notas explicativas tradução livre do autor.

16 Tipos de Ações Para Assaf Neto (2012), os tipos de ações são conceituados como ordinárias, preferencias. As ações ordinárias são as que comandam as assembleias de acionistas de uma companhia, conferindo ao seu titular o direito de votar nas decisões da empresa. A ação ordinária atribui o poder de eleger membros da diretoria e conselho fiscal, decidir sobre o destino dos lucros, editar o estatuto social, autorizar a emissão de debêntures, aumentar capital social e votar contas patrimoniais dentro outros. As ações preferenciais, não dão direito a voto ao seu titular, porém, da preferência em recebimento de dividendos, geralmente um percentual mais elevado que o das ações ordinárias, prioridade no reembolso de capital no caso de dissolução da companhia. Ademais, Assaf Neto (2012) também conclui que existe um outro tipo de ação, denominado Fruição ou Gozo, que são equivalentes ao montante que caberiam aos acionistas de uma companhia caso haja uma dissolução. Essas ações não costumam ser colocadas em negociação na bolsa de valores, pois releva interesse somente aos sócios fundadores da sociedade. Em conceito semelhante aos tipos de ações, a InfoMoney revela que as ações ordinárias dão direito a voto ao acionista e o mesmo não é responsável pelas dívidas da empresa, estas são as mais cobiçadas dos investidores, tendo em vista que quem possui mais de 50% delas em uma determinada empresa, passa a controlar efetivamente a companhia; Já as ações preferenciais, atribuem preferência ao pagamento de dividendos e em caso de liquidação da empresa. A InfoMoney completa dizendo que no mercado fora do Brasil só existem ações ordinárias, e que esforços estão sendo medidos para trazer o mercado brasileiro para a realidade internacional com emissão somente de um tipo de ação, visto que traz transparência e defende de forma mais efetiva o interesse dos acionistas minoritários Vantagens e Desvantagens Existe uma série de vantagens ao se investir em ações conforme a seguir: potencial de boa rentabilidade no longo prazo, segundo Camargos (2007), a valorização das

17 16 Lojas Americanas em um período de cinco anos foi de inacreditáveis 3700%, ou seja, quem investiu R$ 1.000,00 reais em cinco anos teria R$ ,00. Não é necessário muito dinheiro para começar, de acordo com a InfoMoney, é possível iniciar um investimento com qualquer valor, porém, valores muito baixos não são viáveis devidos as taxas de corretagem e custódia impostas pelas Bolsas. Pode-se comprar ou vender ações no momento em que quiser, diferente de alguns títulos de renda fixa, as ações podem ser comercializadas no mercado secundário no momento em que o acionista desejar negociar seus títulos. É possível alugar ações, segundo a Bradesco Corretora, nessa operação, o titular das ações (doador) aluga seus ativos custodiados na BM&FBovespa a um terceiro (tomador) que se compromete ao pagamento de uma taxa acordada entre as partes, além dos emolumentos devidos à BM&FBovespa, o tomador pode ainda vender esses ativos ou negociá-los no mercado, com a obrigação de devolvê-los ao doador dentro do prazo estipulado em contrato. A BM&F Bovespa informa que é possível fazer o acompanhamento dos investimentos on-line, a qualquer tempo, utilizando um software denominado Home Broker 3 que possui todas informações necessárias para acompanhar o investimento do acionista, com isto, é possível tomar decisões de acordo com as respostas imediatas do mercado. A BM&F Bovespa descreve ainda que existe o benefício tributário referente ao Imposto de Renda (IR) sobre os rendimentos da aplicação em ações, é cobrado apenas na saída do investimento e só existe se o resgate for maior do que R$ 20 mil (neste caso são cobrados 15% sobre o ganho, medido pela diferença entre o valor aplicado e o resgatado). Nos fundos de renda fixa, por outro lado, o IR é cobrado semestralmente. Conforme Assaf Neto (2012) as ações rendem juros sobre capital próprio, que é pago pela empresa com base em suas reservas patrimoniais de lucros referentes a resultados de exercícios anteriores ao período atual, diferenciando-se dos 3 Home Broker é um sistema oferecido por diversas companhias para conectar seus usuários ao pregão eletrônico no mercado de capitais.

18 17 dividendos. O pagamento deste juro traz o benefício fiscal de dedução no lucro real, economizando no imposto de renda. A apuração do juro sobre capital próprio é facultativa a cada empresa, não constituindo obrigação. Seguindo a mesma linha de raciocínio, as ações também geram o direito de subscrição, que é o direito de adquirir novas ações emitidas por uma companhia quando a mesma resolve aumentar seu capital social, dando preferência aos atuais proprietários de suas ações na compra por um preço geralmente inferior ao de mercado por determinado prazo. Caso o acionista não queira exercer o direito de subscrição, ele poderá vende-lo em pregão na bolsa de valores. Segundo o FIPECAFI (2012), as ações auferem dividendos e bonificações, o primeiro corresponde a uma parcela do lucro líquido da empresa distribuído entre os acionistas, e o segundo corresponde a distribuição de novas ações ou dinheiro para os atuais acionistas. O FIPECAFI (2012) alega que, o fato das ações serem um investimento de renda variável, o lucro não é garantido e o retorno depende de uma série de fatores como desempenho da empresa, comportamento da economia brasileira e internacional. Já a InfoMoney destaca também que as custas do investimento podem não ser interessantes para baixos investimentos, eis que corroerá o possível lucro. Assim, o investimento em ações é mais interessante para valores mais significativos. Assaf Neto (2012) revela que pode-se identificar dois grandes riscos no investimento de ações, o risco da empresa captadora dos recursos e o risco de mercado. O primeiro é associado as decisões financeiras, que visam avaliar a capacidade financeira da companhia em resgatar os compromissos assumidos perante terceiros e os aspectos de atratividade econômica. Neste risco pode-se considerar o risco econômico, que é aquele que o resultado operacional não acontece como esperado, exemplificando: aumento de concorrência, evolução tecnológica, elevação dos juros e qualidade e, também, o risco financeiro que reflete o grau de endividamento da companhia. O segundo, risco de mercado, diz a respeito das variações imprevistas no comportamento do mercado, determinadas, principalmente, por mudanças ocorridas na economia.

19 O funcionamento do Mercado O funcionamento do mercado ocorre através de acionistas comprando ações de empresas que listam suas ações na bolsa por meio de uma corretora credenciada pela CVM que faz a intermediação da negociação. A bolsa de valores é um local, físico ou eletrônico, onde são negociados títulos e valores mobiliários emitidos por empresas. As ações são os títulos mais comprados e vendidos nas bolsas. No local físico (pregão), os vendedores gritam os preços pelos quais estão dispostos a vender seus títulos, já os consumidores também informam os preços que querem pagar pelos títulos. Dessa forma, a aparente confusão que se existe no pregão das bolsas de valores nada mais é do que compradores e vendedores tentando chegar a um acordo quanto ao preço das ações. No caso da bolsa eletrônica, as ordens de compra e de venda são enviadas eletronicamente pelas corretoras. O fechamento da operação somente se dá no momento em que os dois preços (de compradores e vendedores) coincidem. (BERTOLO, 2010) As negociações podem ocorrer em duas formas, conforme descrição do Portal do Investidor: O mercado primário é aquele em os valores mobiliários de uma nova emissão da companhia são negociados diretamente entre a companhia e os investidores subscritores da emissão -, e os recursos são destinados para os projetos de investimento da empresa ou para o caixa. Entretanto, alguns desses valores mobiliários, como as ações, representam frações patrimoniais da companhia e, dessa forma, não são resgatáveis em data pré-definida. Da mesma forma, outros podem ter prazos de vencimento muito longo. Essas características, entre outras, poderiam afastar muitos dos investidores do mercado de capitais, caso eles não tivessem como negociar com terceiros os valores mobiliários subscritos, dificultando o processo de emissão das companhias. O mercado secundário cumpre essa função. É o local onde os investidores negociam e transferem entre si os valores mobiliários emitidos pelas companhias. Nesse mercado ocorre apenas a transferência de propriedade e de recursos entre investidores. A companhia não tem participação. Portanto, o mercado secundário oferece liquidez aos títulos emitidos no mercado primário. Os preços das ações são formados por uma série de fatores como dito por Bertolo (2010 p.7): O preço das ações está diretamente relacionado à oferta e à procura. Quando as perspectivas de crescimento dos lucros de uma empresa aumentam, ampliando suas chances de valorização no mercado, a procura pelas ações da empresa também cresce e, consequentemente, seu preço. As perspectivas envolvem fatores como a política econômica, estratégias da empresa, lançamentos, inovações tecnológicas e aumento da

20 19 competitividade dentro de seu setor. Fusões, aquisições ou a possibilidade de fechamento de capital (recompra de todas as ações em circulação no mercado) também influenciam no preço das ações. Bertolo (2010) complementa dizendo que as ações são compradas por lote e que existem quatro tipos de ordem de compra e venda, sendo elas ordem à mercado, ordem limitada, ordem casada e ordem de financiamento. Explica o autor que na ordem a mercado o investidor detalha apenas a quantidade e o tipo de ação que quer adquirir ou vender, sem estabelecer o preço, definido pelo mercado. Já na ordem limitada, o investidor estabelece o preço de aquisição ou de venda das ações para a intermediadora, que só executará o pedido se o mercado estiver operando de acordo com os limites estabelecidos. Nessa mesma linha, na ordem casada o investidor especifica uma ordem de compra ou de venda de ações a um determinado valor, que só será executada se ambas as ordens forem atendidas. Por fim, na ordem de financiamento, o investidor especifica uma ordem de compra ou de venda de uma ação e outra ao mesmo tempo de venda ou de compra da mesma ação, no mesmo mercado ou em outro. 2.2 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Conceito O Comitê de Pronunciamentos Contábeis 00 afirma que as demonstrações contábeis tem o objetivo de fornecer informações sobre a posição patrimonial e financeira da entidade (Balanço Patrimonial), sobre seu desempenho em um determinado período (Demonstração do Resultado) e sobre as modificações na sua posição financeira (Demonstração dos Fluxos de Caixa, no Brasil, a partir de 2008), informações essas que sejam úteis a um grande número de usuários em suas avaliações e tomadas de decisão econômica. Essas demonstrações devem estar complementadas por notas explicativas e outros quadros analíticos ou demonstrações que permitam o adequado entendimento sobre a posição patrimonial e financeira. As demonstrações contábeis são uma representação monetária, estruturada legalmente de acordo com normas, da posição patrimonial e financeira em determinada data e das transações realizadas por uma entidade no período findo nessa data. O objetivo das demonstrações contábeis generalizado é fornecer dados

21 20 sobre a posição patrimonial e financeira, o resultado e o fluxo financeiro de uma entidade, que são úteis para uma ampla variedade de usuários na escolha de suas decisões. As demonstrações contábeis também mostram os resultados do gerenciamento pela administração dos recursos que lhe são confiados (IBRACON NPC 27). De acordo com a CVM, as demonstrações contábeis são elaboradas e apresentadas para os usuários externos do mercado, tendo em vista suas finalidades distintas e necessidades diversas. Governos, órgãos reguladores ou autoridades fiscais, por exemplo, podem especificamente determinar exigências para atender a seus próprios fins Tipos de Demonstrações Contábeis Segundo o Conselho Federal de Contabilidade, as publicações das demonstrações contábeis e suas outras versões, é o ato de disponibilizá-las publicamente e compreende, entre outras, as seguintes formas: (a) publicação na imprensa oficial em qualquer das suas modalidades; (b) remessa aos órgãos de controle interno e externo, a associações e a conselhos representativos; (c) a disponibilização das Demonstrações Contábeis para acesso da sociedade em local e prazos indicados; (d) disponibilização em meios de comunicação eletrônicos de acesso público. De acordo com a lei 6.404/76, Art. 176, posteriormente alterada pela lei /2007, ao fim de cada exercício social, a diretoria deve elaborar, com base na escrituração mercantil da companhia, as seguintes demonstrações financeiras, que deverão revelar com clareza a situação do patrimônio da companhia e as mutações ocorridas no exercício: balanço patrimonial; demonstração dos lucros ou prejuízos acumulados; demonstração do resultado do exercício (demonstração do resultado abrangente); demonstração dos fluxos de caixa; e (Redação dada pela Lei nº ,de 2007) se companhia aberta, demonstração do valor adicionado. (Incluído pela Lei nº , de 2007). De acordo com o NBC T.3.2 o balanço patrimonial é a demonstração contábil objetivada a mostrar, quantitativa e qualitativamente, numa determinada data, a situação patrimonial e financeira da entidade, é constituído pelo ativo, pelo passivo e pelo Patrimônio Líquido.

22 21 O balanço patrimonial é dividido em três grandes tópicos: ativo, passivo exigível e patrimônio líquido. O ativo e o passivo possuem a classificação de circulante e não circulante, o ativo não circulante é constituído por realizável a longo prazo, investimentos, imobilizado e intangível. O passivo não circulante absorve o exigível a longo prazo e o patrimônio líquido (Assaf Neto, 2012). De acordo com a Ernst & Young e o FIPECAFI (2009) a IAS 1 diz que foi introduzido a Demonstração do Resultado Abrangente (anteriormente denominada demonstração do resultado do exercício) em 2007, que diz que uma entidade deve apresentar todas as receitas e despesas reconhecidos no período. No mínimo o corpo da DRA deverá constar: 1- receita, 2- custos financeiros, 3- parcela de lucro ou prejuízo de associadas e empreendimentos conjuntos contabilizada pelo método da equivalência patrimonial, 4- despesa de imposto, 5- uma única quantia abrangendo o total de lucro ou prejuízo após impostos de unidades operacionais descontinuadas e ganho ou perda após impostos reconhecidos na mensuração do valor justo menos custos de venda ou na alienação dos ativos ou grupos de alienação constituindo a operação descontinuada, 6- lucro ou prejuízo, 7- cada componente de outro resultado abrangente classificado por natureza, 8- parcelas de outro resultado abrangente de associadas ou joint-ventures registrado pelo método de equivalência patrimonial, e por último, 9- resultado abrangente total. Já para o NBC T.3.3, A demonstração do resultado é a demonstração que objetiva evidenciar a composição do resultado formado num determinado período de operações da entidade, a demonstração do resultado, aderindo o princípio de competência, mostrará a formação dos vários níveis de resultados mediante confronto entre as receitas, custos e despesas. Conforme a IAS 1 descriminada por Ernst & Young e FIPECAFI (2009), os ativos líquidos de uma entidade (seu patrimônio líquido) podem mudar por vários motivos, principalmente os lucros e as despesas reportados na demonstração do resultado abrangente e o aporte ou retorno de capital aos acionistas, devido a relevância dessas informações atualmente, a IAS 1 exige a apresentação desta demonstração financeira. Para o CRC-PR, DMPL - Demonstração das mutações do patrimônio líquido, trata-

23 22 se da demonstração que apresenta lucro ou prejuízo do período, itens de receita e despesa reconhecidos diretamente no patrimônio líquido do período, os efeitos das modificações na política contábil e correção de erros reconhecidos no exercício, e as quantias das transações com sócios em sua condição de sócios durante o período. Já para Assaf Neto (2012), A DMPL não é obrigatória legalmente, exceto para companhias abertas, por determinação da CVM. A obrigatória pela legislação é demonstração de lucros ou prejuízos acumulados, que nada mais é do que a explicação do que aconteceu com esta conta durante o exercício social; apresenta a variação do seu saldo balanço por balanço. Compõe-se basicamente de 1- ajustes de exercícios anteriores, 2- dividendos extraordinários, 3- incorporação ao capital, 4- lucro líquido do exercício, 5- transferências para reserva legal, 6- idem para outras reservas de lucros, 7- dividendos propostos e claro os saldos iniciais e finais. A lei 6.404/76 exige a apresentação da demonstração de lucros ou prejuízos acumulados, que é composta pelo saldo inicial do período, os ajustes de exercícios anteriores, correção monetária do saldo inicial, reversões de reserva, lucro líquido do exercício, transferências para reservas, dividendos, parcelas dos lucros incorporados ao capital e o saldo ao fim do período. Está demonstração pode ser incluída na demonstração das mutações do patrimônio líquido. Outra demonstração de grande relevância, a demonstração do fluxo de caixa é conceituada pelo CRC-PR como demonstração que evidencia informações das alterações no caixa e equivalentes de caixa da entidade para um exercício, evidenciando separadamente as mudanças nas atividades operacionais, nas atividades de investimento e nas atividades de financiamento. As informações sobre o fluxo de caixa de uma entidade são importantes para mostrar aos usuários das demonstrações contábeis uma base para avaliar a capacidade de a companhia gerar caixa e equivalentes de caixa, bem como as necessidades da entidade de utilização desses fluxos de caixa. As decisões econômicas que são tomadas pelos usuários necessitam de avaliação da capacidade de a entidade gerar caixa e equivalentes de caixa, bem como da época de sua ocorrência e do grau de certeza de sua geração. Assaf Neto (2012) corrobora com isto, ele diz que a DFC que passou a ser

24 23 obrigatória com a lei /2007, substituindo a demonstração de origens e aplicações de recursos (DOAR), centraliza sua atenção nas origens e aplicações de caixa, ou seja, mostra onde os recursos de caixa foram obtidos e onde foram investidos, no período. O autor destaca ainda a importância da DFC para avaliação de situação financeira da companhia, podendo se conhecer sua efetiva capacidade de pagamento. Assaf Neto (2012), conceitua também a demonstração do valor adicionado e diz que nesta demonstração a companhia destaca para quem está sendo direcionado a riqueza apurada em determinado exercício. Esta demonstração passou a ser obrigatória para as companhias abertas após publicação da lei /2007. O valor adicionado representa quanto a empresa está adicionando (agregando) pela sua atividade. Representa, em outras palavras, o PIB da empresa. Para concluir o complexo de demonstrações contábeis, também é apresentado as notas explicativas, que são conceituadas pela Ernst & Young, FIPECAFI (2009), como informações adicionais que sejam relevantes às necessidades dos usuários sobre itens constantes do balanço patrimonial e da demonstração do resultado que não se conseguem enxergar somente através dos números apresentados. Concluindo notas explicativas, o CRC-PR diz que por evidenciação, disclosure, e revelação, observa-se que, é outra informação qualquer divulgada pela companhia, que auxiliem a análise dos estados financeiros a fim de conhecer mais profundamente a situação econômica, financeira, e até mesmo social da empresa. Estas evidenciações devem fazer parte dos relatórios anuais, trazendo revelações que dificilmente seriam percebidas se somente analisados os principais estados financeiros, como o balanço patrimonial, a demonstração de resultado do exercício, e o fluxo de caixa. 2.3 INFLUÊNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NO PREÇO DE AÇÕES Mercado Eficiente Muitos estudos (NG; RUSTICUS; VERDI, 2008; CHORDIA et al., 2009) apud Souza (2013), têm se concentrado na observação de anomalias que gerar a possibilidade de obtenção de lucros no mercado de capitais, bem como evidências do surgimento

25 24 de retornos acima da média, entendidos como anomalias. Os objetos destes estudos sempre estão ligados ao mercado eficiente, que é conceituado por Famá (1970) apud Souza (2013) quando todos os agentes possuem informações iguais disponíveis, impossibilitando ganhos desproporcionais, e o retorno esperado não apresentaria modificações. Famá, (1970) apud Souza (2013 p.8) apresentou três formas de eficiência de mercado: 1ª) Eficiência Fraca - os preços refletem toda informação contida no registro de preços passados; 2ª) Eficiência Semi forte os preços considerarão não só o comportamento passado, mas também informações publicadas (respondem rápido aos anúncios bons e ruins); 3ª) Eficiência Forte refletem todas as informações disponíveis publicadas e não publicadas, incluindo as privilegiadas. Já para Assaf Neto (2012), no contexto de mercado financeiro eficiente, o valor de um ativo é o espelho do consenso dos participantes com relação a seu desempenho esperado. Em relação a eficiência, o preço de um ativo qualquer é formado com base nas várias informações publicamente disponíveis aos stakeholders, sendo as decisões de compra e venda tomadas com base em suas interpretações dos fatos relevantes. Em outro conceito, Bruni e Famá (1998 p.2) dizem: Análises de Mercado Um mercado financeiro é eficiente quando os preços dos ativos refletem o consenso geral sobre todas as informações disponíveis sobre a economia, os mercados financeiros e sobre a empresa específica envolvida, ajustando rapidamente essas informações nos preços. Em mercados eficientes, a compra ou venda de qualquer título ao preço vigente no mercado nunca será uma transação com valor presente líquido positivo. Os ativos possuem um modelo que faz sua precificação, que é denominado Capital Asset Pricing Model (doravante CAPM), relaciona os riscos não-diversificados previstos aos retornos esperados, partindo da ideia que existe relacionamento discreto entre os retornos dos ativos individuais e os retornos do mercado que se enquadra em ganho de capital mais dividendos (Costa, 2010). No contexto de contabilidade financeira como um sistema de informação para investidores, Sarlo Neto (2004) destaca que o mercado de capitais representa um ambiente ideal para a realização de testes empíricos com a capacidade de analisar o uso das informações contábeis publicadas, tornando possível a avaliação da

26 25 utilidade da contabilidade para os usuários como investidores, analistas, credores e outros presentes no mercado de capitais. Sarlo Neto (2004) comenta também que de forma similar a qualquer título ou obrigação, os preços das ações são definidos pelo valor presente dos fluxos de caixa futuros e como o valor da ação depende dos fluxos de caixa futuro, o retorno total do investidor, como dividendos e ganhos de capital, em um período reflete as revisões do mercado sobre as expectativas de lucros futuros. Para melhor entender a relação das demonstrações contábeis no preço das ações, é utilizado métodos de analises para prever o acontecimento, dentre elas, a Análise Fundamentalista, que é descrito por Alves (2012), como uma análise que tem sua base no valor de ações. Nesta análise, cada ação tem seu valor definido conformem os resultados apresentados pela empresa. São analisadas variáveis internas e externas que influenciam o comportamento da empresa no mercado. Procede-se inicialmente um levantamento de dados econômicos e financeiros da empresa com posterior aplicação de modelos sobre esses dados, os quais prestarão de comparativo para a decisão de aquisição e venda das ações pelos investidores. O autor ainda descreve outro tipo de análise, a Análise Técnica ou Gráfica, que busca construir previsões do comportamento das ações a partir de acontecimentos do mercado, sendo analisados os fatores como oferta e procura e o preço das ações no mercado. Finalizando a relação de análises de mercado, Matsura (2007) apud Alves (2012), diz que o fator relevante para justificar a oscilação dos preços é saber como isso ocorre, sem ter importância o motivo que o provoca. As oscilações nos preços das ações podem ser frutos de diversos fatores políticos ou econômicos de complexa explicação, mas o preço é o fator determinante no comportamento das ações e nele está embutida toda a informação necessária para sua explicação.

27 26 3 METODOLOGIA APLICADA Serão analisadas as empresas brasileiras listadas na BM&F Bovespa do setor de construção civil das quais são participantes MRV Engenharia e Participações S.A, Rossi Residencial S.A, Cyrela Brazil Realty S.A Empreendimentos e Participações, Gafisa SA e João Fortes Engenharia S.A no período do último triênio (2011, 2012 e 2013). Os títulos a serem analisadas serão ações ordinárias. As variáveis utilizadas serão variação no preço das ações ordinárias e um intervalo de datas do último pregão antes da publicação das demonstrações contábeis e o terceiro pregão pós publicação de cada empresa em cada um dos anos a serem analisados junto com o resultado porcentual de lucro líquido sobre a receita. Será utilizado o método de coeficiente de correlação que é definido por Levine (2005) como um coeficiente que mede a força relativa de uma relação linear entre duas variáveis numéricas os valores do coeficiente vão de -1 para uma relação negativa perfeita e +1 para uma relação positiva perfeita. O autor define perfeita como se os pontos fossem desenhados em gráfico de dispersão, todos esses pontos poderiam ser ligados por uma linha reta. Conforme Levine (2005), a fórmula do coeficiente de correlação é: ( )( ) ( ) ( )

28 27 4 RESULTADOS OBTIDOS 4.1 EMPRESA 1: MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A: Tabela 1: Resultado operacional da empresa 1 ANO RECEITA LUCRO PORCENTUAL 2011 R$ R$ ,33% 2012 R$ R$ ,48% 2013 R$ R$ ,63% Fonte: Adaptado pelo autor. Obs.: Em milhares de reais, conforme DFP s publicadas pela companhia. Tabela 2: Comparativo das variações da empresa DATA PREÇO FECHAMENTO PREGÃO VARIAÇÃO DO PREÇO DA AÇÃO PORCENTUAL DE LUCRO LÍQUIDO 12/03/2012 R$ 12,70 15/03/2012 R$ 12, ,08% 20,33% 12/03/2012 R$ 10,87 15/03/2012 R$ 9, ,93% 13,48% 11/03/2014 R$ 7,82 14/03/2014 R$ 7,04-9,97% 11,63% Coeficiente de Correlação 0, Fonte: Adaptado pelo autor. Obs.: Variação do valor da ação retirada do site da InfoMoney.

29 28 Gráfico 1: Comparativo das variações da empresa 1. 25,00% 20,00% Variação Lucro 15,00% 10,00% 5,00% 0,00% -5,00% ,00% -15,00% -20,00% Fonte: Adaptado pelo autor. Análise Gráfica da Correlação entre as duas variáveis: A empresa MRV Engenharia e Participações S.A apresentou resultados de lucro líquido significativos durante os três anos, e as ações variaram negativamente em todos os períodos, conforme o coeficiente de correlação, existe uma relação entre ambas as variações que não é perfeita, porém considerável, visto que seguem uma mesma linha de raciocínio. 4.2 EMPRESA 2: ROSSI RESIDENCIAL S.A: Tabela 3: Resultado operacional da empresa 2. ANO RECEITA LUCRO PORCENTUAL 2011 R$ R$ ,77% 2012 R$ R$ ,58% 2013 R$ R$ ,84% Fonte: Adaptado pelo autor. Obs.: Em milhares de reais, conforme DFP s publicadas pela companhia.

30 29 Tabela 4: Comparativo das variações da empresa PREÇO VARIAÇÃO DO DATA FECHAMENTO PREGÃO 05/10/2012 R$ 23,11 10/10/2012 R$ 23, /03/2013 R$ 15,30 27/03/2013 R$ 15, /03/2014 R$ 8,05 28/03/2014 R$ 8,80 Fonte: Adaptado pelo autor. PREÇO DA AÇÃO PORCENTUAL DE LUCRO LÍQUIDO 2,94% 2,77% -1,63% -7,58% 9,31% 2,84% Coeficiente de Correlação 0, Obs.: Variação do valor da ação retirada do site da InfoMoney. Gráfico 2: Comparativo das variações da empresa 2. 12,00% 10,00% 8,00% 6,00% 4,00% 2,00% 0,00% -2,00% -4,00% -6,00% -8,00% -10,00% Variação Lucro Fonte: Adaptado pelo autor. Análise Gráfica da Correlação entre as duas variáveis: A empresa Rossi Residencial S.A apresentou resultados de lucro líquido oscilante, e

31 30 as ações só variaram consideravelmente no último período, a teoria de Levine se confirmar neste caso pois a relação da variação do lucro no preço das ações é quase perfeita conforme coeficiente de correlação quase EMPRESA 3: CYRELA BRAZIL REALTY S.A EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES: Tabela 5: Resultado operacional da empresa 3. ANO RECEITA LUCRO PORCENTUAL 2011 R$ R$ ,67% 2012 R$ R$ ,84% 2013 R$ R$ ,64% Fonte: Adaptado pelo autor. Obs.: Em milhares de reais, conforme DFP s publicadas pela companhia. Tabela 6: Comparativo das variações da empresa DATA PREÇO FECHAMENTO PREGÃO VARIAÇÃO DO PREÇO DA AÇÃO PORCENTUAL DE LUCRO LÍQUIDO 23/03/2012 R$ 16,66 28/03/2012 R$ 16, ,94% 9,67% 19/03/2013 R$ 15,98 22/03/2013 R$ 16, ,50% 14,84% 19/03/2014 R$ 12,15 24/03/2014 R$ 12,45 2,47% 16,64% Coeficiente de Correlação 0, Fonte: Adaptado pelo autor. Obs.: Variação do valor da ação retirada do site da InfoMoney.

32 31 Gráfico 3: Comparativo das variações da empresa 3. 20,00% Variação Lucro 15,00% 10,00% 5,00% 0,00% ,00% Fonte: Adaptado pelo autor. Análise Gráfica da Correlação entre as duas variáveis: A empresa Cyrela Brazil Realty S.A Empreendimentos e Participações apresentou resultados de lucro líquido positivos e crescente, e as ações só foram desvalorizadas no primeiro resultado que foi o menor, depois disto, as mesmas foram valorizadas e seguiram a linha do crescimento do lucro, o que comprova isto é o coeficiente de correlação ter resultado de 0,99, ou seja, quase perfeito. 4.4 EMPRESA 4: GAFISA SA: Tabela 7: Resultado operacional da empresa 4. ANO RECEITA LUCRO PORCENTUAL 2011 R$ R$ ,08% 2012 R$ R$ ,35% 2013 R$ R$ ,14% Fonte: Adaptado pelo autor. Em milhares de reais, conforme DFP s publicadas pela companhia.

33 32 Tabela 8: Comparativo das variações da empresa DATA PREÇO FECHAMENTO PREGÃO VARIAÇÃO DO PREÇO DA AÇÃO PORCENTUAL DE LUCRO LÍQUIDO 05/04/2012 R$ 4,04 11/04/2012 R$ 3, ,71% -26,08% 07/03/2013 R$ 4,13 12/03/2013 R$ 4, ,15% -2,35% 25/02/2014 R$ 2,93 28/02/2014 R$ 3,23 10,24% 30,14% Coeficiente de Correlação 0, Fonte: Adaptado pelo autor. Obs.: Variação do valor da ação retirada do site da InfoMoney. Gráfico 4: Comparativo das variações da empresa 4. 40,00% 30,00% Variação Lucro 20,00% 10,00% 0,00% -10,00% ,00% -30,00% Fonte: Adaptado pelo autor. Análise Gráfica da Correlação entre as duas variáveis:

34 33 A empresa Gafisa S.A apresentou resultados iniciais negativos, diminuiu um pouco no segundo período, porém, ainda continuou negativo e deu um salto no último período, as ações refletem exatamente o que aconteceu, desvalorizadas nos dos primeiros anos e com valorização expressiva no último ano, isto é evidenciado pelo coeficiente de correlação que foi de 0, EMPRESA 5: JOÃO FORTES ENGENHARIA S.A: Tabela 9: Resultado operacional da empresa 5. ANO RECEITA LUCRO PORCENTUAL 2011 R$ R$ ,76% 2012 R$ R$ ,47% 2013 R$ R$ ,39% Fonte: Adaptado pelo autor. Em milhares de reais, conforme DFP s publicadas pela companhia. Tabela 10: Comparativo das variações da empresa DATA PREÇO FECHAMENTO PREGÃO VARIAÇÃO DO PREÇO DA AÇÃO PORCENTUAL DE LUCRO LÍQUIDO 29/03/2012 R$ 8,78 03/04/2012 R$ 8, ,08% 10,76% 25/03/2013 R$ 5,10 28/03/2013 R$ 5, ,00% 4,47% 20/03/2014 R$ 5,38 04/04/2014 R$ 5,23-2,79% 5,39% Coeficiente de Correlação -0, Fonte: Adaptado pelo autor. Obs.: Variação do valor da ação retirada do site da InfoMoney.

35 34 Gráfico 5: Comparativo das variações da empresa 5. 12,00% 10,00% Variação Lucro 8,00% 6,00% 4,00% 2,00% 0,00% -2,00% ,00% Fonte: Adaptado pelo autor. Análise Gráfica da Correlação entre as duas variáveis: A empresa João Fortes Engenharia S.A apresentou resultados positivos em todos os anos, porém, isso nada influenciou nas ações, visto que houve uma valorização da ação considerável no segundo ano para o menor lucro da apuração e praticamente inverso no primeiro ano, algo que o coeficiente de correlação mostra a assimetria das variáveis.

36 35 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS A análise dos resultados apontou evidências que sugerem a existência da correlação entre as variáveis, conforme coeficiente positivo para quatro das cinco análises feitas. O resultado do coeficiente da empresa João Fortes Engenharia S.A foi o único que não indicou correlação, fato este que provavelmente é explicado não em números, mas sim em notas explicativas que podem conter informações que irá impactar a empresa de alguma forma em algum período. Os resultados dos coeficientes das empresas MRV Engenharia e Participações S.A, Rossi Residencial S.A, Cyrela Brazil Realty S.A Empreendimentos e Participações e Gafisa S.A, apontaram positivamente para a existência da correlação, em todos os casos as ações responderam de uma mesma forma para os resultados publicados, numa constante não perfeita, porém considerável. Foi possível observar que mesmo que a empresa apresente lucro, não significa que ela irá fazer com que suas ações aumentem, uma série fatores externos estão ligados aos investidores que por algum motivo optam por investir ou não, este fato aconteceu no caso da MRV Engenharia e Participações S.A, a mesma obteve um resultado melhores que a demais e sua ação não foi valorizada em nenhum dos períodos. O ponto mais relevante neste trabalho é a contribuição para o desenvolvimento de estratégias de negociação para possíveis ingressantes da área, para obtenção de informações a serem analisadas antes de efetuar-se um investimento em ações no mercado brasileiro. Este trabalho contribui para a teoria de finanças, na medida em que, as evidências aqui apresentadas somam-se às demais pesquisas acerca de estratégias de investimento no mercado de ações.

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES Prof Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br MERCADO DE CAPITAIS É um sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o propósito

Leia mais

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa.

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa. MERCADO À VISTA OPERAÇÃO À VISTA É a compra ou venda de uma determinada quantidade de ações. Quando há a realização do negócio, o comprador realiza o pagamento e o vendedor entrega as ações objeto da transação,

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Resumo Demonstrações contábeis são informações e dados que as empresas oferecem ao fim de cada exercício, com a finalidade de mostrar aos acionistas, ao governo e todos os interessados,

Leia mais

Mercado de Ações O que são ações? Ação é um pedacinho de uma empresa Com um ou mais pedacinhos da empresa, você se torna sócio dela Sendo mais formal, podemos definir ações como títulos nominativos negociáveis

Leia mais

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado.

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado. A Ação Os títulos negociáveis em Bolsa (ou no Mercado de Balcão, que é aquele em que as operações de compra e venda são fechadas via telefone ou por meio de um sistema eletrônico de negociação, e onde

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o objetivo de proporcionar liquidez

Leia mais

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 No dia 3 de dezembro de 2008, foi editada a Medida Provisória nº 449,

Leia mais

Ciências Econômicas. 4.2 Mercado de Capitais. Marcado Financeiro e de Capitais (Aula-2015/10.16) 16/10/2015. Prof. Johnny 1

Ciências Econômicas. 4.2 Mercado de Capitais. Marcado Financeiro e de Capitais (Aula-2015/10.16) 16/10/2015. Prof. Johnny 1 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Ciências Econômicas Mercado de Capitais Tributações Relatórios Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br 4.2 Mercado de Capitais 4.3.1 Conceitos

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO ESTE FOLHETO FAZ REFERÊNCIA AO PREGÃO À VIVA VOZ, FORMA DE NEGOCIAÇÃO UTILIZADA ATÉ 30/9/2005. A PARTIR DESSA DATA, TODAS AS OPERAÇÕES FORAM CENTRALIZADAS

Leia mais

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES

ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) DAS EMPRESAS DE PAPEL E CELULOSE POR MEIO DE INDICADORES RESUMO O presente estudo aborda a importância da DFC para a organização, pois além de ser uma

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Avaliação de Investimentos em Participações Societárias

Avaliação de Investimentos em Participações Societárias Avaliação de Investimentos em Participações Societárias CONTABILIDADE AVANÇADA I 7º Termo de Ciências Contábeis Profª MSc. Maria Cecilia Palácio Soares Regulamentação do Método da Equivalência Patrimonial

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças Prof. Moab Aurélio Competências a serem trabalhadas PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO GESTÃO FINANCEIRA CONTABILIDADE ACI : ESTUDO

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO Este texto não é uma recomendação de investimento. Para mais esclarecimentos, sugerimos a leitura de outros folhetos editados pela BOVESPA. Procure sua Corretora.

Leia mais

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) na Lei das S.A. 3. Demonstração

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO Disciplina: Direito Empresarial II JUR 1022 Turma: C02 Prof.: Luiz Fernando Capítulo VI SOCIEDADES ANÔNIMAS 1. Evolução Legal: a) Decreto n. 575/49;

Leia mais

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades.

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Apresentamos as Demonstrações Financeiras da Mehir Holdings S.A. referente ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2004 e as respectivas Notas

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A. Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO I - Denominação e Objetivo Artigo 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO, constituído por número limitado de membros

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.133/08. Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.133/08. Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.133/08 Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a internacionalização das

Leia mais

Para investir em ações, você precisa ser cadastrado em uma Corretora de Valores, Distribuidora ou em um Banco.

Para investir em ações, você precisa ser cadastrado em uma Corretora de Valores, Distribuidora ou em um Banco. PERGUNTAS FREQUENTES 1. Como investir no mercado de renda variável (ações)? 2. Como é feita a transferência de recursos? 3. Qual a diferença de ações ON (Ordinária) e PN (Preferencial)? 4. Quais são os

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR 1 ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR I - Denominação e Objetivo Artigo 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS I DENOMINAÇÃO E OBJETIVO ARTIGO 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

Gestão Financeira de Organizações

Gestão Financeira de Organizações Gestão Financeira de Organizações Módulo 10 - Política de Dividendos e Relações com Investidores Prof. Luiz Antonio Campagnac e-mail: luiz.campagnac@gmail.com Livro Texto Administração Financeira: princípios,

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL I - DENOMINAÇÃO E OBJETIVO Artigo 1 - O IC Clube de Investimento é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a

Leia mais

CPC 15. Combinações de Negócios. Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT

CPC 15. Combinações de Negócios. Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT CPC 15 Combinações de Negócios Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT Agenda Introdução e Objetivos Alcance Definições e Escopo Tipos de Aquisições Aplicação do Método de Aquisição Ativos e Passivos

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DLPA DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS A DLPA expõe as variações ocorridas, durante o exercício, na conta Lucros ou Prejuízos Acumulados. Ela pode ser incluída na DMPL Demonstração das Mutações

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

EMPRÉSTIMO DE ATIVOS

EMPRÉSTIMO DE ATIVOS EMPRÉSTIMO DE ATIVOS Empréstimo de Ativos BM&FBOVESPA 3 4 Empréstimo de Ativos BM&FBOVESPA 1) O que é o serviço de Empréstimo de Ativos? Lançado em 1996, é um serviço por meio do qual os investidores,

Leia mais

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Referente à elaboração e divulgação de informações pelas instituições administradoras dos Fundos de Investimento Imobiliário, para o mercado de valores mobiliários e encaminhamento à Comissão

Leia mais

Mercado de Capitais Professor: Roberto César

Mercado de Capitais Professor: Roberto César Mercado de Capitais Mercado de Capitais Professor: Roberto César Definição O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido como o conjunto de instituições e orgãos que regulam, fiscalizam e executam as

Leia mais

Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008. CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC

Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008. CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC Seminário: O impacto da Lei no. 11.638/2007 no fechamento das Demonstrações Financeiras de 2008 CT.Cláudio Morais Machado Conselheiro CFC Instrumento Financeiro: Derivativo DEFINIÇÃO (com base no CPC 14)

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários Instrumento de captação de recursos e de investimentos no mercado imobiliário O produto O Certificado

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO COPACABANA ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição, em

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10 Pagamento Baseado em Ações Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 2 Descrição Item Objetivo 1 Escopo 2 6 Reconhecimento

Leia mais

Formulário de Referência - 2011 - DURATEX S.A. Versão : 6. 3.3 - Eventos subsequentes às últimas demonstrações financeiras 1

Formulário de Referência - 2011 - DURATEX S.A. Versão : 6. 3.3 - Eventos subsequentes às últimas demonstrações financeiras 1 Índice 3. Informações financ. selecionadas 3.3 - Eventos subsequentes às últimas demonstrações financeiras 1 18. Valores mobiliários 18.5 - Descrição dos outros valores mobiliários emitidos 2 19. Planos

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

Iniciando. Bolsa de Valores. O que é uma ação?

Iniciando. Bolsa de Valores. O que é uma ação? O que é uma ação? Por definição é uma fração de uma empresa. Por isso, quem detém ações de uma companhia é dono de uma parte dela, ou melhor, é um dos seus sócios e por conseguinte passa a ganhar dinheiro

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Resolução CFC nº 1.159, de 13/02/2009 DOU 1 de 04/03/2009 Aprova o Comunicado Técnico CT 01 que aborda como os ajustes das novas práticas contábeis adotadas no Brasil trazidas pela Lei nº 11.638/07 e MP

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA AÇÕES Ações são instrumentos utilizados pelas empresas para captar recursos no mercado financeiro para os mais diversos projetos (investimentos, redução

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO CAPITAL SEGURO ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição,

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

[CONFIDENCIAL] Aprenda com o SAGAZ. Primeiros passos para investir na Bolsa.

[CONFIDENCIAL] Aprenda com o SAGAZ. Primeiros passos para investir na Bolsa. 1 Aprenda com o SAGAZ Primeiros passos para investir na Bolsa. Está pensando em investir em ações e não sabe por onde começar? Fique tranqüilo, você está no lugar certo. Aqui você terá a melhor orientação

Leia mais

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr

DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007. Autor - Manoel Moraes Jr DOAR DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS UMA REVISÃO DOS CONCEITOS MAIO / 2007 Autor - Manoel Moraes Jr OBJETIVOS DA DOAR Apresentar de forma ordenada e sumariada as informações relativas

Leia mais

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA Sócio da Deloitte e autor de livros da Editora Atlas 1 EVOLUÇÃO Instrução CVM n 457/07 Demonstrações financeiras consolidadas a partir

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.133/08 Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a internacionalização das

Leia mais

Os títulos de renda fixa são caracterizados pó terem previamente definida a forma de remuneração. Esses títulos podem ser prefixados ou pós-fixados.

Os títulos de renda fixa são caracterizados pó terem previamente definida a forma de remuneração. Esses títulos podem ser prefixados ou pós-fixados. Faculdades Integradas Campos Salles Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Aplicada às Instituições Financeiras Professor: Adeildo Paulino Aula: 12/05/2012 Matéria: Títulos e Valores Mobiliários

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA

Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA Cotas de Fundos de Investimento em Ações - FIA Mais uma alternativa na diversificação da carteira de investimento em ações O produto O Fundo

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários Mercado de capitais Mercado de capitais Prof. Ms. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br www.marcoarbex.wordpress.com O mercado de capitais está estruturado para suprir as necessidades de investimento

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados

Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados Unidade 6 Hebert Sá 90 Sumário Introdução... 92 Objetivos... 93 Estrutura da Unidade... 93 Unidade 6: Tópico 1: Integração entre DRE e Balanço Patrimonial...

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo.

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo. MERCADO DE CAPITAIS 01/12/2015 CVM ALTERA INSTRUÇÃO QUE DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO, A ADMINISTRAÇÃO, O FUNCIONAMENTO, A OFERTA PÚBLICA DE DISTRIBUIÇÃO E A DIVULGAÇÃO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 11: DECISÕES DE FINANCIAMENTO A LONGO PRAZO As empresas dispõem de fontes internas e fontes externas de recursos financeiros para o financiamento de suas atividades. Com

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

Marketing Prof. Sidney Leone. Hoje Você Aprenderá: Ferramentas. Gestão Financeira: Planejamento Financeiro

Marketing Prof. Sidney Leone. Hoje Você Aprenderá: Ferramentas. Gestão Financeira: Planejamento Financeiro Marketing Prof. Sidney Leone Gestão Financeira: Planejamento Financeiro Hoje Você Aprenderá: Demonstrativos financeiros da empresa (Balanço Patrimonial, DRE, DMPL etc...) Análise econômicofinanceira.(fluxo

Leia mais

ENTENDENDO O PATRIMÔNIO LÍQUIDO

ENTENDENDO O PATRIMÔNIO LÍQUIDO ENTENDENDO O PATRIMÔNIO LÍQUIDO A interpretação introdutória ao estudo da riqueza patrimonial Anderson Souza 1 Na última quarta-feira (dia 14/03/2013), ao ministrar o conteúdo programático relativo ao

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM I Denominação e Objetivo Artigo 1º O Clube de Investimento PLATINUM é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.)

Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.) Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2013 e Relatório dos Auditores

Leia mais

O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO

O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO Antônio Emygdio Circuito Universitário CVM 2ª Semana Nacional de Educação Financeira http://www.semanaenef.gov.br http://www.vidaedinheiro.gov.br Agenda 1. Mercado de Capitais

Leia mais

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.) DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 30 DE SETEMBRO

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o Documento de Revisão de Pronunciamentos Técnicos nº 06 referente aos Pronunciamentos CPC 04, CPC 05, CPC 10, CPC 15, CPC 22, CPC 25, CPC 26, CPC 27, CPC 28, CPC 33, CPC 38, CPC 39 e CPC 46 emitidos

Leia mais

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes grupos: as ações ordinárias e as ações preferenciais. As

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

Introdução: Mercado Financeiro

Introdução: Mercado Financeiro Introdução: Mercado Financeiro Prof. Nilton TÓPICOS Sistema Financeiro Nacional Ativos Financeiros Mercado de Ações 1 Sistema Financeiro Brasileiro Intervém e distribui recursos no mercado Advindos de

Leia mais

Curso Extensivo de Contabilidade Geral

Curso Extensivo de Contabilidade Geral Curso Extensivo de Contabilidade Geral Adelino Correia 4ª Edição Enfoque claro, didático e objetivo Atualizado de acordo com a Lei 11638/07 Inúmeros exercícios de concursos anteriores com gabarito Inclui

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi...

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi... Page 1 of 8 Aplicações Financeiras - Renda Fixa e Renda Variável 617 Quais são as operações realizadas nos mercados financeiro e de capital? Nesses mercados são negociados títulos, valores mobiliários

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 9 Mutações do Patrimônio Líquido

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 9 Mutações do Patrimônio Líquido 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Mutações do Patrimônio Líquido Tópicos do Estudo Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados nos moldes da Lei das

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

GUIA BDR SANTANDER GUIA BDR SANTANDER

GUIA BDR SANTANDER GUIA BDR SANTANDER GUIA BDR SANTANDER 1 PARA QUE SERVE ESSE GUIA? Este guia se propõe a trazer os principais conceitos relacionados aos Brazilian Depositary Receipts (BDRs) e a explicar como funcionam. Ao término de sua

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

OS FUNDOS DE INVESTIMENTO

OS FUNDOS DE INVESTIMENTO OS FUNDOS DE INVESTIMENTO CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 Os Fundos de Investimento O que é um Fundo de investimento? Um fundo de investimento é um instrumento financeiro

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Aplicação de recursos

Aplicação de recursos Aplicação de recursos São 3 os pilares de qualquer investimento Segurança Liquidez Rentabilidade Volatilidade - mede o risco que um fundo ou um título apresenta - maior a volatilidade, maior o risco; Aplicação

Leia mais

Holding (empresa) - aquela que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas.

Holding (empresa) - aquela que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas. Glossário de A a Z A Ação - título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima. Ação listada em Bolsa - ação negociada no pregão de uma Bolsa de Valores.

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

ABC DO INVESTIDOR. Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos.

ABC DO INVESTIDOR. Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos. ABC DO INVESTIDOR Ação Título negociável, que representa a parcela do capital de uma companhia. Ação Cheia (com) Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos.

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06 TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM N os 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06. Dispõe sobre a Constituição de funcionamento de Clubes

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais