Cristãos não se nasce, torna-se! (Tertuliano - primeiro escritor latino )

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cristãos não se nasce, torna-se! (Tertuliano - primeiro escritor latino 195-240)"

Transcrição

1 D D V GUÇU omissão Diocesana de atequese alegria do discípulo é antídoto frente a um mundo atemorizado pelo futuro e oprimido pela violência e pelo ódio. alegria do discípulo não é um sentimento de bem-estar egoísta, mas uma certeza que brota da fé, que serena o coração e capacita para anunciar a boa nova do amor de Deus. onhecer a Jesus é o melhor presente que qualquer pessoa pode receber; tê-lo encontrado foi o melhor que ocorreu em nossas vidas, e fazê-lo conhecido com nossa palavra e obras é nossa alegria. (Dp 29) ristãos não se nasce, torna-se! (Tertuliano - primeiro escritor latino ) TQU D ÇÃ À VD RTÃ D PRÇÃ TUML

2 PR QU UMR TUMT? ssumir o atecumenato e os sagrados ritos que o acompanham (R) é um dever de fidelidade ao oncílio Vaticano e a renovação da greja (conforme D n14, e G 14); ssumir o atecumenato e os sagrados ritos (R) é questão de atenção aos sinais dos tempos e a nossa realidade (cf processo de descristianização e de pluralismo religioso que caracteriza o novo milênio); ssumir o atecumenato e os sagrados ritos (R), é atender aos documentos atuais de nossa greja, como: Diretório acional de atequese, documento de parecida e as Diretrizes da ção vangelizadora da greja no Brasil ; ssumir o atecumenato e os sagrados ritos (R), vai ser um maravilhoso instrumento de renovação pastoral e da catequese em nossas paróquias, dioceses: o catecumenato faz com que toda comunidade eclesial esteja envolvida. ssumir o atecumenato e os sagrados ritos (R) é questão de ardor missionário e de prioridade da evangelização, lembrando a ordem de Jesus ( Vão, preguem o vangelho a todos, façam que todos sejam meus discípulos; depois batize-os! -Mt 28,19), o exemplo do póstolo Paulo ( i de mim se não evangelizar! 1 or 9,16) e dos Padres da greja. fl.01 fl.14

3 niciação a vida ristã iniciação no estilo catecumenal tem forte ênfase na liturgia, mas essa acentuação não pode deixar esquecidos outros aspectos da pastoral, como a dimensão sociotransformadora, o ecumenismo e o diálogo inter-religioso, a comunhão entre os diferentes agentes pastorais e seus campos de atuação. justíssimo desejo de levar a sério o processo de iniciação e de ter cristãos realmente comprometidos, conscientes e imersos nas grandezas do mistério da fé não pode transformar a greja numa sociedade excludente que não seria capaz de acolher todos os que precisam e tem direito de se sentir amados por Deus. ituações especiais precisam ser tratadas com caridade, acolhimento, delicadeza. s nossas normas e disciplinas têm que ser caminhos, não portas fechadas. ão se pode implantar um processo com esse nível de exigência sem a correspondente preparação e continua reflexão e revisão de vida dos agentes, de todos os níveis, e sem uma grande atenção à qualidade do testemunho da comunidade inteira. stamos nos dedicando a um dos temas mais desafiadores da nossa ação evangelizadora. omo levar as pessoas a um contato vivo e pessoal com Jesus risto, como fazê-los mergulhar nas riquezas do vangelho, como iniciá-los verdadeira e eficazmente na vida da comunidade cristã e fazê-los participar da vida divina, cuja expressão maior são os sacramentos de iniciação? omo realizar uma iniciação de tal modo que os fiéis perseverem na comunidade cristã? omo formar verdadeiros discípulos-missionários de Jesus? ntendemos nos debruçar não tanto sobre a preparação para receber os sacramentos, mas sim sobre o processo e a dinâmica pelas quais tornar-se cristãos, processos que vão além da catequese entendida como período de maior aprendizado e orientado para um sacramento. partir do Vaticano, mas, sobretudo no final e início do milênio, a greja está se empenhando em restaurar o grande processo catecumenal, que tão grandes resultados de evangelização provocou nos primeiros séculos, como processo eficaz de iniciação à vida cristã. essa iniciação, assim amplamente concebida, não estão implicados apenas os catequistas, que certamente continuam a ter um papel importantíssimo e insubstituível. í está implicada toda a greja: pais, padrinhos, introdutores, catequistas, liturgistas, ministérios ordenados... enfim, toda a comunidade! om isso, estamos dando continuidade e desdobramento às grandes solicitações do Diretório acional de atequese (2006), de parecida (2007) e que muito tem a ver com a Missão ontinental e o Projeto acional de vangelização. (Tema Prioritário na 47ª ssembl Geral dos Bispos do Brasil) BB-abril/2009) fl.13 fl.02

4 niciação ristã Primeiros passos para a xperiência pessoal com Jesus risto ão se restringe a mera recepção dos acramentos mplica no amadurecimento da fé Vivido na comunidade eclesial Que gera interação entre fé e vida Formandos verdadeiros discípulos de risto Que darão testemunho de vida cristã no meio em que vivem Processo atecumenal xperiência de Deus na comunidade clesial Metodologia contida no R colhimento e acompanhamento individual ada um tem a sua própria história, sua situação particular, que se enquadrará em ritos específicos s ritos marcam a passagem de uma etapa para outra. fl.03 M MÇR? 1. Formar uma equipe inter-pastoral (Batismo, risma, ucaristia, Liturgia...) 2. studar os subsídios, o R e outros documentos que são publicados. omeçar a estudar é o mais importante, no momento. 3. R foi feito preferencialmente para os catecúmenos, os que não são batizados. risma e outras formas de catequese, aproveitarão o que já fazem, mas irão se adequando ao processo catecumenal. 4. scolher, com a anuência do Pároco, as pessoas de várias pastorais e movimentos, com perfil para serem introdutores. 5. rganizar um breve curso para envolver os introdutores no processo:. meta da niciação ristã;. R e suas etapas;. que é atecumenato;. acompanhamento espiritual e a atitude do ntrodutor;. agrada scritura;. profundamento dos capítulos 5 a 7 do vangelho de ão Mateus. 6. Formar os catequistas na ótica do catecumenato. ntrodutores e catequistas devem ter reuniões periódicas para trocarem experiências sobre o período do pré-catecumenato. 7. Marcar as datas dos ritos, e envolver os catecúmenos e catequizandos para que eles possam se sentir responsáveis pelo processo. 8.star aberto para receber os candidatos durante todo o ano. Daí a importância dos introdutores em todas as pastorais e movimentos fl.12

5 ntrodutores m geral, as comunidades cristãs desconhecem esta função, este ministério de ntrodutor/a. Trata-se, porém, de uma pessoa que tem uma tarefa específica no início do processo de niciação à Vida ristã, isto é, de acompanhar, durante o tempo do Pré-catecumenato, os interessados em percorrer o caminho da niciação. É esta pessoa que prepara o candidato para acolher na liberdade o dom da fé, o anúncio da Boa ova e assumir o encontro pessoal com o enhor e as condições para a conversão e a fidelidade. em um introdutor, dedicado e competente, não é possível começar o processo de niciação à Vida ristã de inspiração catecumenal. É o ntrodutor quem coloca as bases para o segundo tempo, o atecumenato propriamente dito, no qual atuam os catequistas omo a tarefa principal do ntrodutor é anunciar Jesus risto, evidentemente, cabe-lhe, sobretudo através da vida e de sua vibração pela fé, ajudar o iniciando a encantar-se por Jesus risto, pessoa, mensagem e missão. Pelo exemplo desse ntrodutor o candidato alimenta seu desejo de viver a experiência do encontro pessoal com o enhor e se sente estimulado para inserir-se na comunidade cristã e comprometer-se na missão. iniciante sabe e sente que pode contar com o apoio afetivo e de fé por parte de alguém que, para ele, é fidedigno. introdutor, porém, deve deixar claro em sua missão, que não está isolado, e tampouco o iniciante, pois toda a comunidade eclesial está envolvida no processo ( R no item 41,1 destaca o papel da comunidade no processo de niciação à Vida ristã). Para bem viver este importante ministério na greja, o ntrodutor precisa ter percorrido, ele mesmo, o caminho dos acramentos da niciação ristã (Batismo, onfirmação e ucaristia). le necessita, também, cultivar sua vida de fé, participar da vida da comunidade, alimentar-se com a Palavra de Deus e a oração pessoal, ser fiel à greja e zelar por sua formação continuada, tanto em Bíblia, teologia e pastoral como em relações humanas, pedagogia, psicologia, comunicação e cultura geral. ua missão requer dele grande capacidade de ouvir e dialogar, paz interior e disposição para acompanhar com paciência quem começa um processo que não apenas apresenta novidades, mas vai crescendo em exigências quanto à mudança de vida. Uma vez criteriosamente escolhidos pela oordenação da niciação ristã e submetidos à aprovação do onselho Pastoral, os ntrodutores serão devidamente preparados. processo formativo não é apenas de conteúdo, em estilo acentuadamente acadêmico e formal, mas segundo a dinâmica da fé e da vivência, que por si mesmas criam um clima propício e alimentam a espiritualidade. lém de uma visão geral da niciação à Vida ristã, os ntrodutores devem conseguir captar bem o pré-catecumenato, que é um tempo precioso e básico para todo o resto do processo. parte mais importante da formação destes ministros se refere à pessoa, mensagem e missão de Jesus risto, para que tenham solidez, convicção e entusiasmo para este tempo dedicado, sobretudo, à vangelização. Para um bom desempenho de sua missão eles precisam de elementos fundamentais de como lidar com as pessoas e fazer o acompanhamento delas para assessorá-las no caminho da opção de fé e do encontro pessoal com Jesus risto. fl.11 VDD D PR TUML TUMT: de onde vem isso? 1. JU RT Preguem o vangelho a todos, façam que todos se tornem meus discípulos, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do spírito anto (Mt 28,19). 2. TUMT PRMR ÉUL D HTÓR D RL. Uma extraordinária experiência exemplo pastoral para todos os tempos: zelo missionário prioridade da evangelização catequese bíblica vida cristã integral presença da comunidade na iniciação, etc. 3. ÍL VT (1963) Restaura-se o atecumenato com adultos, dividido em diversas etapas. tempo do atecumenato, estabelecido para conveniente instrução, será santificadocom os sagrados ritos a serem celebrados em tempos sucessivos! (onst. Dogmática acrossantum oncilium 62). 4. RTUL D ÇÃ RTÃ D DULT R Promulgado p/papa Paulo V em 1972 e publicado no Brasil em emana Brasileira de atequese - taici/p out/2001 om adultos, catequese adulta. ova edição do R e seu relançamento na greja do Brasil. ssumir a proposta feita pelo oncílio Vaticano, implica mudança de mentalidade, mudança de modelo de trabalho, dando início a um processo no qual toda a comunidade está envolvida, enriquecendo-se com a formação requerida e a imersão no Mistério de Deus, revelado em e por Jesus risto. É fundamental que haja um planejamento pastoral. preparação cuidadosa de cada etapa e a solenidade requerida na celebração dos ritos exige formação também dos catequistas. fl.04

6 RGZÇÃ D PR TUML T U M T : o q u e é? Palavra de origem grega = lugar onde ressoa alguma mensagem ; Processo progressivo de desenvolvimento da fé; Metodologia centrada no discipulado Tem como meta adquirir o modo de ser e de viver consoante ao de Jesus; Ponto alto: séc V e retomada após o oncílio Vaticano. n d e e n c o n t r a r o r i e n t a ç ã o? R (Ritual da niciação ristã de dultos) specífico e completo itinerário de iniciação cristã; Retoma a unidade dos sacramentos da iniciação cristã; Restabelece o catecumenato. q u e m o R s e d e s t i n a? adultos e jovens não batizados (catecúmenos) (ap.); dultos e jovens batizados que não percorreram o caminho catecumenal e/ou não receberam os sacramentos da onfirmação e/ou ucaristia (ap V); rianças em idade de catequese (ap. V); Às pessoas batizadas validamente em outras grejas cristãs (pêndice) n i c i a ç ã o r i s t ã Refere-se às etapas indispensáveis para entrar na comunidade eclesial e no seu culto em espírito e verdade. niciação significa também início, ingresso em uma Vida ova : a vida do homem novo no seio da greja. omo em toda vida, também aqui, temos progresso por meio de etapas que são representadas pelos acramentos da niciação (Batismo, risma e ucaristia). ada um dos sacramentos não permanece fechado em si mesmo, mas está aberto ao seguinte em crescimento dinâmico, progredindo para uma perfeição mais profunda. fl.05 PRÉ-T UMT Tempo de acolhimento na comunidade crista: PRMR VGLZÇÂ nscrição e colóquio com o catequista Ritos: atequistas + equipes litúrgicas QUDR GRL D ÇÃ À VD RTÃ atecumenato Pré-batismal conforme o R R T D D M Ã T U M T TUMT Tempo suficientemente longo para: TQU, RFLXÃ PRFUD- MT Vivência cristã, onversão ntrosamento com a greja Ritos: atequistas + equipes litúrgicas L Ç Ã R Ç D M PURFÇÃ LUMÇÃ Preparação próxima para acramentos: scrutínios, ntrega do ímbolo da Fé e da ração do enhor TQU. Práticas quaresmais (F, etc.) Ritos: atequistas + quipes litúrgicas L B R Ç Ã R M T V G L P L MTGG profunda- Mento e maior mergulho no mistério cristão, no mistério pascal, na vida nova. Vivência na comunidade cristã fl.10

7 ão próprios deste tempo os escrutínios, as entregas do ímbolo (redo), da ração do enhor (Pai-osso) e os ritos de preparação imediata. s escrutínios realizam-se no 3º, 4º e 5º domingos da quaresma. e motivos pastorais exigirem, pode-se acolher outros domingos ou dias de semana. Têm por finalidade purificar os espíritos e os corações, fortalecer contra as tentações, orientar os propósitos e estimular as vontades (cf R 154). s entregas, que também podem ser antecipadas para o tempo do catecumenato por causa da brevidade do tempo da purificação e da iluminação, devem ser celebradas quando os catecúmenos derem sinais de maturidade (R 125). s ritos de preparação imediata são feitos no ábado anto pela manhã ou no início da tarde. elebração dos sacramentos da iniciação (3ª etapa) a noite da Páscoa os iniciados recebem os sacramentos do Batismo, da onfirmação e da ucaristia. É a terceira grande celebração ou etapa. s eleitos, tendo recebido o perdão os pecados, são incorporados ao povo de Deus, tornam-se seus filhos adotivos, são introduzidos no spírito, na prometida plenitude dos tempos e ainda, pelo sacrifício e refeição eucarística, antegozam o Reino de Deus (R 27). Quanto aos adultos que já receberam o Batismo eles não deverão tomar parte dos ritos batismais, a não ser juntamente com toda a assembléia na hora da renovação do Batismo. Para estes, a data da Primeira ucaristia e risma poderá ser marcada em outra época, de preferência durante o tempo pascal ( cap. V do R). MTGG (4º tempo) o longo do tempo pascal, acontece um prolongamento da experiência dos iniciados, um mergulho maior no mistério, o tempo da mistagogia. É este o último tempo da iniciação. ele se obtém o conhecimento mais completo dos mistérios através das novas explanações e sobretudo da experiência dos sacramentos recebidos (R 38). as missas os neófitos ocupam lugar de destaque, são lembrados na homilia e na oração dos fiéis. Para encerrar o tempo da mistagogia, realiza-se uma celebração ao terminar o tempo pascal, nas proximidades do domingo de Pentecostes, até mesmo com festividades externas (R 237). o aniversário do batismo é de se desejar que os neófitos se reúna para agradecer a Deus, partilhar sua experiência espiritual e renovar suas forças (R ). Terminado o processo catecumenal de iniciação à vida cristã, o neófito prossegue seu caminho de amadurecimento na fé através da formação continuada. fl.09 TRÁR TP D ÇÃ RTÃ TUMT - conforme o R PRÉ TUMT Mínimo 2 meses (vangelização (introdutor) RT D DMÃ TUMT 9 a 12 meses atequese Prática de vida cristã Ritos litúrgicos apropriados cooperação ativa nas ações evangelizadoras da comunidade RT D LÇÃ o 1º domingo da Quaresma PURFÇÃ LUMÇÃ Quaresma Recolhimento espiritual em preparação às celebrações pascais elebração dos acramentos Da niciação ristã Batismo, crisma e eucaristia na vigília pascal (omente para os atecúmenos) MTGG 7 semanas atequese específica e participação na eucaristia dominical VD M MÃ fl.06

8 PRÉ-TUMT (1º tempo) o modelo catecumenal, em qualquer época do ano, as pessoas que querem viver o processo são recebidos por um catequista. ão também acompanhadas por um introdutor ou introdutora, vão entrando em contato com a comunidade e com o ministro ordenado. Faz-se o primeiro anúncio (ou o novo anúncio, dependendo do caso) do mistério de risto, no diálogo com a pessoa,, sua cultura e experiência religiosa. os casos dos batizados, a aproximação (ou reaproximação) ao enhor é decorrente do batismo recebido na infância e, eventualmente, dos outros sacramentos de iniciação já celebrados. sse é o tempo do despertar ou reavivar a fé em Jesus risto e a conversão, da percepção da função da greja. caminhante é incentivado a viver a fé pela oração e pela mudança de relações com os outros e com a vida. speramse pequenas atitudes que mostrem que isto está acontecendo. s que vão alcançando esse estágio são convidados ao catecumenato. s já batizados são incentivados a buscar o acramento da Reconciliação. Rito de admissão ao catecumenato (1ª etapa) chamado de Deus e primeira adesão a risto, por parte dos candidatos, são marcados por uma primeira grande celebração, que é o rito de entrega no catecumenato. ela eles são assinalados com a cruz do enhor, pois pela fé já participam do mistério da morte e ressurreição. Depois são convidados a entrar na igreja e a ouvir a Palavra de Deus junto com a comunidade. Recebem o Livro da Palavra como sinal de sua condição de ouvintes da Palavra. ssim são acolhidos no seio maternal da greja e reconhecidos como iniciantes no discipulado, catecúmenos. s batizados, por sua vez, em tal celebração são acolhidos como membros da greja, catequizandos, fiéis que farão um percurso de intenso seguimento do enhor. lguns deles têm em vista o prosseguimento de sua iniciação pelos sacramentos da /confirmação e da ucaristia. utros, já confirmados e comungantes, ao fim do processo catecumenal renovarão de modo especial seus compromissos batismais diante da comunidade. m ambos os casos, ao longo do catecumenato, reviverão a riqueza da iniciação cristã: a fé infusa no Batismo deve crescer, chegar à maturidade e enraizar-se profundamente... (R 296). fl.07 TUMT (2º tempo) Tendo sido feita a acolhida como catecúmenos na celebração da primeira etapa, se inicia o catecumenato propriamente dito; é a fase mais longa de todo processo de iniciação à vida cristã. ompete ao bispo, em comunhão com a onferência piscopal, estabelecer a este respeito normas mais precisas. Durante este tempo os catecúmenos criam familiaridade com a Palavra de Deus, recebem formação catequética, são iniciados nos ritos litúrgicos e exercitam-se na prática da vida cristã. Pede-se deles uma progressiva mudança de mentalidade e dos costumes com suas conseqüências sociais. formação propriamente catecumenal, conforme a mais antiga tradição, se realiza através da narração das experiências de Deus, particularmente da História da alvação mediante a catequese bíblica. preparação imediata ao Batismo é feita por meio da catequese doutrinal, que explica o ímbolo postólico e o Pai osso, com suas implicações morais (D, 47). elebração da eleição ou inscrição do nome (2ª etapa) om o rito da eleição, que geralmente acontece no início da quaresma, encerra-se o catecumenato propriamente dito e dá-se início ao tempo da purificação e iluminação. É uma celebração muito solene porque é um momento forte de todo o catecumenato. s catecúmenos declaram diante do bispo ou seu representante o desejo e a decisão de se tornarem cristãos. bispo, ouvindo o testemunho dos padrinhos em favor dos catecúmenos, acolhe e declara-os competentes para os sacramentos pascais. PURFÇÃ LUMÇÃ (3º tempo) os quarenta dias da quaresma acontece o tempo de purificação e iluminação. s catecúmenos são ajudados na revisão de vida e no retorno ao primeiro encontro com o enhor. É um tempo em que se realça mais o cultivo da vida interior. Procura-se purificar os corações e espíritos pelo exame de consciência e pela penitência. fl.08

A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária

A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária A evangelização nos dá a alegria do encontro com a Boa Nova da Ressurreição de Cristo. A maioria das pessoas procura angustiada a razão de sua vida

Leia mais

18.02 e 05.10 (Fechamento da Agenda 2011)

18.02 e 05.10 (Fechamento da Agenda 2011) 28.10 147 18.02 e 05.10 (Fechamento da Agenda 2011) 148 17.04, 19.06 149 150 151 152 153 e 11.12 (F). 29.05 (A), 06.11 (B), 13.11 (C), 14.11 (D), 21.11 (E) 17.04 (A), 19.09 (B), 23.10 (C) e 20.11 (D).

Leia mais

Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética

Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética 2 0 1 2-2 0 1 5 DIOCESE DE FREDERICO WESTPHALEN - RS Queridos irmãos e irmãs, Com imensa alegria, apresento-lhes o PLANO DIOCESANO DE ANIMAÇÃO BÍBLICO -

Leia mais

O RITUAL DE INICIAÇÃO CRISTÃ DE ADULTOS: UM INSTRUMENTO PARA A TRANSMISSÃO DA FÉ

O RITUAL DE INICIAÇÃO CRISTÃ DE ADULTOS: UM INSTRUMENTO PARA A TRANSMISSÃO DA FÉ O RITUAL DE INICIAÇÃO CRISTÃ DE ADULTOS: UM INSTRUMENTO PARA A TRANSMISSÃO DA FÉ Pe. Thiago Henrique Monteiro Muito adultos convertem-se a Cristo e à Igreja Católica. Por exemplo, neste ano, nas dioceses

Leia mais

Catecumenato Uma Experiência de Fé

Catecumenato Uma Experiência de Fé Catecumenato Uma Experiência de Fé APRESENTAÇÃO PARA A 45ª ASSEMBLÉIA DA CNBB (Regional Nordeste 2) www.catecumenato.com O que é Catecumenato? Catecumenato foi um método catequético da igreja dos primeiros

Leia mais

O ITINERÁRIO DO CATECUMENATO segundo o Ritual da iniciação cristã dos adultos Pe. Domingos Ormonde, julho de 2007-2009

O ITINERÁRIO DO CATECUMENATO segundo o Ritual da iniciação cristã dos adultos Pe. Domingos Ormonde, julho de 2007-2009 O ITINERÁRIO DO CATECUMENATO segundo o Ritual da iniciação cristã dos adultos Pe. Domingos Ormonde, julho de 2007-2009 (A) Introdução ao estudo do Ritual da iniciação cristã dos adultos (RICA) 1. O enfoque

Leia mais

CATEQUESE COMO INICIAÇÃO À EUCARISTIA

CATEQUESE COMO INICIAÇÃO À EUCARISTIA CATEQUESE COMO INICIAÇÃO À EUCARISTIA PE. GREGÓRIO LUTZ Certamente o título deste artigo não causa estranheza à grande maioria dos leitores da Revista de Liturgia. Mas mesmo assim me parece conveniente

Leia mais

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 1. Finalidade do Ano da Fé; 2. O que é a Fé; 3. A transmissão da Fé enquanto professada, celebrada, vivida e rezada; 4. O conteúdo

Leia mais

Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão

Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão A vida litúrgica começa muito cedo. Os Sacramentos são conhecidos como encontros pessoais com Cristo. Também são vistos como sinais da salvação.

Leia mais

DIRECTÓRIO GERAL DA CATEQUESE - SDCIA/ISCRA -2 Oração inicial Cântico - O Espírito do Senhor está sobre mim; Ele me enviou para anunciar aos pobres o Evangelho do Reino! Textos - Mc.16,15; Mt.28,19-20;

Leia mais

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia.

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia. EUCARISTIA GESTO DO AMOR DE DEUS Fazer memória é recordar fatos passados que animam o tempo presente em rumo a um futuro melhor. O povo de Deus sempre procurou recordar os grandes fatos do passado para

Leia mais

Processo de Iniciação na RCC. Renovação Carismática Católica do Brasil RCC BRASIL

Processo de Iniciação na RCC. Renovação Carismática Católica do Brasil RCC BRASIL MINISTÉRIO DE FORMAÇÃO Processo de Iniciação na RCC Renovação Carismática Católica do Brasil RCC BRASIL Conceito Por Iniciação Cristã se entende o processo pelo qual alguém é incorporado ao mistério de

Leia mais

Encuentro sobre Mision Continental y Conversão Pastoral Buenos Aires Argentina 26 a 30 de outubro de 2009

Encuentro sobre Mision Continental y Conversão Pastoral Buenos Aires Argentina 26 a 30 de outubro de 2009 Encuentro sobre Mision Continental y Conversão Pastoral Buenos Aires Argentina 26 a 30 de outubro de 2009 Conversão Pastoral e Missão continental O Departamento Mission e espiritualidade do Celam na busca

Leia mais

NORMATIVAS PASTORAIS PARA A CELEBRAÇÃO DO BATISMO

NORMATIVAS PASTORAIS PARA A CELEBRAÇÃO DO BATISMO DIOCESE DE BRAGANÇA MIRANDA NORMATIVAS PASTORAIS PARA A CELEBRAÇÃO DO BATISMO Para os Párocos e respetivas comunidades Cristãs, especialmente para os Pais e para os Padrinhos 2012 1 A ESCLARECIMENTO PRÉVIO

Leia mais

O que é Catequese? Paróquia Santo Cristo dos Milagres Fonseca Niterói RJ Pastoral da Comunicação

O que é Catequese? Paróquia Santo Cristo dos Milagres Fonseca Niterói RJ Pastoral da Comunicação Paróquia Santo Cristo dos Milagres Fonseca Niterói RJ Pastoral da Comunicação contato@paroquiasantocristodosmilagres.org O que é Catequese? Segundo a exortação apostólica Catechesi Tradendae do Papa João

Leia mais

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção?

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção? MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Espiritualidade e profecia são duas palavras inseparáveis. Só os que se deixam possuir pelo espírito de Deus são capazes de plantar sementes do amanhã e renovar a face da terra. Todo

Leia mais

Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst. O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares

Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst. O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares Carta Pastoral dirigida às igrejas da diocese de Rotemburgo-Estugarda na Quaresma Pascal de 2015 Bispo Sr. Dr.

Leia mais

ANIMAÇÃO LITÚRGICA INFORMATIVO DIOCESANO

ANIMAÇÃO LITÚRGICA INFORMATIVO DIOCESANO N O M E D A E M P R E S A INFORMATIVO DIOCESANO S E T E M B R O D E 2 0 1 3 B O L E T I M D O C L E R O - 2 3 1 ª E D I Ç Ã O ANIMAÇÃO LITÚRGICA Cuidar da beleza da liturgia significa ficar atento aos

Leia mais

Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015

Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015 Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015 Introdução: Educar na fé, para a paz, a justiça e a caridade Este ano a Igreja no Brasil está envolvida em dois projetos interligados: a lembrança

Leia mais

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC 1. ESPAC O QUE É? A ESPAC é uma Instituição da Arquidiocese de Fortaleza, criada em 1970, que oferece uma formação sistemática aos Agentes de Pastoral Catequética e

Leia mais

A Apostolicidade da Fé

A Apostolicidade da Fé EMBARGO ATÉ ÀS 18H30M DO DIA 10 DE MARÇO DE 2013 A Apostolicidade da Fé Catequese do 4º Domingo da Quaresma Sé Patriarcal, 10 de Março de 2013 1. A fé da Igreja recebemo-la dos Apóstolos de Jesus. A eles

Leia mais

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Deus nos alerta pela profecia de Oséias de que o Povo dele se perde por falta de conhecimento. Cf. Os 4,6 1ª Tm 4,14 Porque meu povo se perde

Leia mais

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS Infância/Adolescencia MISSÃO MISSÃO. Palavra muito usada entre nós É encargo, incumbência Missão é todo apostolado da Igreja. Tudo o que a Igreja faz e qualquer campo.

Leia mais

ARQUIDIOCESE DE MANAUS PROJETO DE INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ

ARQUIDIOCESE DE MANAUS PROJETO DE INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ 1 ARQUIDIOCESE DE MANAUS PROJETO DE INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ 1.TITULO : Um Caminho para à Iniciação à Vida Cristã 2. FUNDAMENTAÇÃO ( Vat. II, DA, DNC, 97, DGAE, Ano da Fé, DV, CABP, SÍNODOS, PEAM) Este

Leia mais

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO Disponível em: www.seminariomaiordebrasilia.com.br Acesso em 13/03/2014 A palavra Quaresma surge no século IV e tem um significado profundo e simbólico para os cristãos

Leia mais

Celebrar e viver o Concílio Vaticano II

Celebrar e viver o Concílio Vaticano II Celebrar e viver o Concílio Vaticano II Nota Pastoral da Conferência Episcopal Portuguesa Celebrar os 50 anos da abertura do Concílio no Ano da Fé 1. Na Carta apostólica A Porta da Fé, assim se exprime

Leia mais

ESCOLA ARQUIDIOCESANA BÍBLICO-CATEQUÉTICA

ESCOLA ARQUIDIOCESANA BÍBLICO-CATEQUÉTICA ESCOLA ARQUIDIOCESANA BÍBLICO-CATEQUÉTICA FORMAÇÃO DE CATEQUISTAS A Igreja se preocupa com a semente da Palavra de Deus (a mensagem) e com o terreno que recebe essa semente (o catequizando), o que a leva

Leia mais

Os Mandamentos da Igreja

Os Mandamentos da Igreja Os Mandamentos da Igreja Por Marcelo Rodolfo da Costa Os mandamentos da Igreja situam-se na linha de uma vida moral ligada à vida litúrgica e que dela se alimenta CIC 2041 Os Mandamentos da Igreja tem

Leia mais

ESCOLA CATEQUÉTICA EIXOS TEMÁTICOS

ESCOLA CATEQUÉTICA EIXOS TEMÁTICOS ESCOLA CATEQUÉTICA EIXOS TEMÁTICOS Quando falamos de eixos temáticos temos que levar em consideração mais do que a divisão dos conteúdos teóricos a serem oferecidos aos catequistas, mas a vocação catequética

Leia mais

Após as festas do Natal, em que celebramos o mistério da infância de Jesus, a liturgia nos introduz no mistério da sua vida pública.

Após as festas do Natal, em que celebramos o mistério da infância de Jesus, a liturgia nos introduz no mistério da sua vida pública. Após as festas do Natal, em que celebramos o mistério da infância de Jesus, a liturgia nos introduz no mistério da sua vida pública. No BATISMO DE JESUS, no Rio Jordão, revela-se o Filho amado de Deus,

Leia mais

Prof. Ms. Pe. Antônio Almir Magalhães de Oliveira*

Prof. Ms. Pe. Antônio Almir Magalhães de Oliveira* FACULDADE CATÓLICA DE FORATLEZA (SEMINÁRIO DA PRAINHA) X SEMANA TEOLÓGICA 15 a 18 setembro 2009 LEITURA TEOLÓGICO-PASTORAL DO PAINEL APRESENTADO A situação atual da catequese no Brasil e no Ceará Prof.

Leia mais

Diocese de Amparo - SP

Diocese de Amparo - SP Formação sobre o documento da V Conferência do Episcopado da América Latina e do Caribe Diocese de Amparo - SP INTRODUÇÃO De 13 a 31 de maio de 2007, celebrou-se em Aparecida, Brasil, a V Conferência Geral

Leia mais

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio 1 IGREJA METODISTA PASTORAL IMED PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO BIÊNIO 2012-2013 Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA

Leia mais

TOMADA DE POSSE DO NOVO PÁROCO - CELEBRAÇÃO (cf. Cerimonial dos Bispos, nn. 1185-1198) DIOCESE DE CRUZEIRO DO SUL AC/AM

TOMADA DE POSSE DO NOVO PÁROCO - CELEBRAÇÃO (cf. Cerimonial dos Bispos, nn. 1185-1198) DIOCESE DE CRUZEIRO DO SUL AC/AM Página 1 TOMADA DE POSSE DO NOVO PÁROCO - CELEBRAÇÃO (cf. Cerimonial dos Bispos, nn. 1185-1198) DIOCESE DE CRUZEIRO DO SUL AC/AM 01. Canto de Entrada 02. Saudação inicial do celebrante presidente 03. Leitura

Leia mais

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica OBLATOS ORIONITAS linhas de vida espiritual e apostólica Motivos inspiradores da oblação orionita laical O "carisma" que o Senhor concede a um fundador, é um dom para o bem de toda a Igreja. O carisma

Leia mais

DISCÍPULOS E SERVIDORES DA PALAVRA DE DEUS NA MISSÃO DA IGREJA

DISCÍPULOS E SERVIDORES DA PALAVRA DE DEUS NA MISSÃO DA IGREJA DISCÍPULOS E SERVIDORES DA PALAVRA DE DEUS NA MISSÃO DA IGREJA DEUS SE REVELA Revelação é o diálogo entre Deus e seus filhos, cuja iniciativa vem de Deus (8). A Palavra de Deus não se revela somente para

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Ser Igreja de Comunhão e Participação!

APRESENTAÇÃO. Ser Igreja de Comunhão e Participação! APRESENTAÇÃO Os Bispos aprovaram, recentemente, as Diretrizes da Ação Evangelizadoras da Igreja do Brasil 2011 2015 e a Arquidiocese de Florianópolis em comunhão com estas quer impulsionar todas as paróquias

Leia mais

Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação. Projeto Paroquial da Pastoral da Comunicação

Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação. Projeto Paroquial da Pastoral da Comunicação Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação Projeto Paroquial da Pastoral da Comunicação 2 Barra do Choça, 11 de abril de 2015. 1. Contextualização O Projeto Nacional da Pastoral da Comunicação Pascom,

Leia mais

SCALA I JORNADAS DE ESTUDIO Costa Rica 15-18 feb. 2006. Pe. Luiz Alves de Lima

SCALA I JORNADAS DE ESTUDIO Costa Rica 15-18 feb. 2006. Pe. Luiz Alves de Lima SCALA I JORNADAS DE ESTUDIO Costa Rica 15-18 feb. 2006 Pe. Luiz Alves de Lima CATEQUESE DE ADULTOS FORMAÇÃO DE SEUS CATEQUISTAS Um dos aspectos importantes e muito desafiadores da catequese com adultos

Leia mais

OS SACRAMENTOS. O que é um Sacramento?

OS SACRAMENTOS. O que é um Sacramento? OS SACRAMENTOS Os sacramentos da nova lei foram instituídos por Cristo e são sete, a saber: o Batismo, a Crisma ou Confirmação, a Eucaristia, a Penitência, a Unção dos Enfermos, a Ordem e o Matrimônio.

Leia mais

Sugestões Pastorais para a implementação da Iniciação à Vida Cristã

Sugestões Pastorais para a implementação da Iniciação à Vida Cristã Apresentação Ide, pois, fazer discípulos entre todas as nações, e batizai-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Ensinai-lhes a observar tudo o que vos tenho ordenado (Mt 28,19-20) Jesus enviou

Leia mais

ANIMAÇÃO BÍBLICA DA VIDA E DA PASTORAL 1

ANIMAÇÃO BÍBLICA DA VIDA E DA PASTORAL 1 ANIMAÇÃO BÍBLICA DA VIDA E DA PASTORAL 1 APRESENTAÇÃO GERAL Com o presente texto, em forma de síntese (resumo), desejamos introduzir o tema pastoral que envolverá nossa diocese durante o ano de 2015. As

Leia mais

CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014

CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014 CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014 NO CAMINHO DO DISCIPULADO MISSIONÁRIO, A EXPERIÊNCIA DO ENCONCONTRO: TU ÉS O MESSIAS, O FILHO DO DEUS VIVO INTRODUÇÃO Queridos/as Catequistas! Com nossos cumprimentos

Leia mais

Material de Apoio à Iniciação Cristã

Material de Apoio à Iniciação Cristã ARQUIDIOCESE DE SÃO SEBASTIÃO DO RIO DE JANEIRO COMISSÃO ARQUIDIOCESANA DE INICIAÇÃO CRISTÃ Material de Apoio à Iniciação Cristã ARQUIDIOCESE DE SÃO SEBASTIÃO DO RIO DE JANEIRO COMISSÃO ARQUIDIOCESANA

Leia mais

AGENDA PASTORAL PARÓQUIA SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

AGENDA PASTORAL PARÓQUIA SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS AGENDA PASTORAL PARÓQUIA SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS JANEIRO 01 Terça Santa Mãe de Deus Dia Mundial da Paz 02 Quarta Reunião dos Meces 03 Quinta Terço e Adoração / Encontro geral de liturgia e preparação

Leia mais

Plano de Formação da CVX-P

Plano de Formação da CVX-P da CVX-P Apresentado à VIII Assembleia Nacional CVX-P Fátima, Outubro 2004 Introdução... 2 Etapa 0: Acolhimento... 3 Etapa 1: Iniciação... 5 Etapa 2: Identificação... 6 Etapa 3: Missão... 7 1 Introdução

Leia mais

3º Congresso Vocacional do Brasil

3º Congresso Vocacional do Brasil III CONGRESSO VOCACIONAL DO BRASIL Tema: Discípulos missionários a serviço das vocações Lema: Indaiatuba, Itaici, 03 a 07 de setembro de 2010 3º Congresso Vocacional do Brasil Dom Leonardo Ulrich Steiner

Leia mais

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida.

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida. LITURGIA DA PALAVRA A Palavra de Deus proclamada e celebrada - na Missa - nas Celebrações dos Sacramentos (Batismo, Crisma, Matrimônio...) A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa

Leia mais

SEMANA DE FORMAÇÃO TEOLÓGICA PARÓQUIA SANTO ANTONIO Itapira SP

SEMANA DE FORMAÇÃO TEOLÓGICA PARÓQUIA SANTO ANTONIO Itapira SP SEMANA DE FORMAÇÃO TEOLÓGICA PARÓQUIA SANTO ANTONIO Itapira SP CREIO (N)A SANTA IGREJA CATÓLICA I CRER DE MODO ECLESIAL NO CONTEÚDO DA FÉ CRISTÃ. A PROFISSÃO DE FÉ DA IGREJA A FÉ BATISMAL A PROFISSÃO DE

Leia mais

SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL

SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL 1 Ivocação ao Espirito Santo (oração ou canto) 2- Súplica inicial. (Em 2 coros: H- homens; M- mulheres) H - Procuramos para a Igreja/ cristãos

Leia mais

Congregação dos Sagrados Estigmas de Nosso Senhor Jesus Cristo A INTEGRAÇÃO DA PASTORAL VOCACIONAL COM A CATEQUESE

Congregação dos Sagrados Estigmas de Nosso Senhor Jesus Cristo A INTEGRAÇÃO DA PASTORAL VOCACIONAL COM A CATEQUESE Congregação dos Sagrados Estigmas de Nosso Senhor Jesus Cristo 1 o Curso por Correspondência às Equipes Vocacionais Paroquiais SEXTO TEMA: A INTEGRAÇÃO DA PASTORAL VOCACIONAL COM A CATEQUESE E A PASTORAL

Leia mais

Por isso, redescobrir a Eucaristia na plenitude é redescobrir o CRISTO. Hoje queremos agradecer este grande dom, que Cristo nos deu.

Por isso, redescobrir a Eucaristia na plenitude é redescobrir o CRISTO. Hoje queremos agradecer este grande dom, que Cristo nos deu. O Pão da Vida Na solenidade de Corpus Christi, queremos recordar que os atos redentores de Cristo, que culminam na sua morte e ressurreição, atualizam-se na Eucaristia, celebrada pelo Povo de Deus e presidida

Leia mais

1. O 11º PPC terá a validade de cinco anos, iniciando-se em 2012 e terminando em 2016.

1. O 11º PPC terá a validade de cinco anos, iniciando-se em 2012 e terminando em 2016. 11º PPC ASSEMBLEIA ARQUIDIOCESANA Estas são as questões que serão votadas na Assembléia Arquidiocesana, sem as emendas que poderão surgir durante a mesma. Cada uma das propostas poderá, deste modo, receber

Leia mais

Módulo II Quem é o Catequista?

Módulo II Quem é o Catequista? Módulo II Quem é o Catequista? Diocese de Aveiro Objectivos Descobrir a imagem de catequista que existe na nossa comunidade. Aprofundar a vocação e o ministério do catequista a partir da Bíblia. Com base

Leia mais

CATEDRAL METROPOLITANA DE BOTUCATU ARQUIDIOCESE SANTANA DE BOTUCATU ORIENTAÇÕES SOBRE O SACRAMENTO DO BATISMO

CATEDRAL METROPOLITANA DE BOTUCATU ARQUIDIOCESE SANTANA DE BOTUCATU ORIENTAÇÕES SOBRE O SACRAMENTO DO BATISMO CATEDRAL METROPOLITANA DE BOTUCATU ARQUIDIOCESE SANTANA DE BOTUCATU ORIENTAÇÕES SOBRE O SACRAMENTO DO BATISMO Antes de qualquer norma prática a respeito dos Sacramentos, a Arquidiocese de Botucatu quer

Leia mais

Missa no Dia de Páscoa

Missa no Dia de Páscoa 48 DOMINGO DE PÁSOA DA RESSURREIÇÃO DO SENHOR Missa no Dia de Páscoa aríssimos irmãos e irmãs em risto: Neste dia santíssimo da Ressurreição do Senhor, em que o Espírito nos faz homens novos, oremos ao

Leia mais

APONTAMENTOS DA TEOLOGIA DOS SACRAMENTOS

APONTAMENTOS DA TEOLOGIA DOS SACRAMENTOS APONTAMENTOS DA TEOLOGIA DOS SACRAMENTOS Profa. Ivenise Teresinha Gonzaga Santinon Introdução Com o Concílio Vaticano II e a sua Constituição Sacrossanctum Concilium, os sacramentos se viram revalorizados.

Leia mais

Apresentação. (Solicitação do saudoso Santo Padre o Beato João Paulo II)

Apresentação. (Solicitação do saudoso Santo Padre o Beato João Paulo II) Apresentação A Renovação Carismática Católica do Estado do Piauí, movimento eclesial da Igreja Católica, tem por objetivo proporcionar às pessoas uma experiência concreta com Jesus Cristo, através do Batismo

Leia mais

Retiro de Revisão de Metas do Querigma

Retiro de Revisão de Metas do Querigma Pe. Marco Antonio Guerrero Guapacho - Colômbia 1. Evangelização Evangelizar é um verbo, derivado de evangelho, que faz referência à proclamação, ao anúncio de Jesus Cristo e da sua mensagem. No propósito

Leia mais

3º Congresso Vocacional do Brasil Contagem regressiva

3º Congresso Vocacional do Brasil Contagem regressiva III CONGRESSO VOCACIONAL DO BRASIL Tema: Discípulos missionários a serviço das vocações Lema: Indaiatuba, Itaici, 03 a 07 de setembro de 2010 3º Congresso Vocacional do Brasil Contagem regressiva Ângelo

Leia mais

MISSA DE ABERTURA DA CATEQUESE

MISSA DE ABERTURA DA CATEQUESE MISSA DE ABERTURA DA CATEQUESE XXV domingo do tempo comum 23/09/2012 Igreja de Cedofeita ENTRADA Eu vi meu Deus e Senhor, aleluia, aleluia. Cantai ao amor, cantai, aleluia, aleluia. ADMONIÇÃO DE ENTRADA

Leia mais

PARÓQUIA SÃO JOSÉ - MATRIZ DE RIBEIRÃO PIRES CALENDÁRIO PAROQUIAL DE PASTORAL ANO 2014

PARÓQUIA SÃO JOSÉ - MATRIZ DE RIBEIRÃO PIRES CALENDÁRIO PAROQUIAL DE PASTORAL ANO 2014 PARÓQUIA SÃO JOSÉ - MATRIZ DE RIBEIRÃO PIRES CALENDÁRIO PAROQUIAL DE PASTORAL ANO 2014 Objetivo A partir das Diretrizes da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil e do 7º Plano Diocesano de Pastoral (2013-20150,

Leia mais

PARÓQUIA SÃO MATEUS CALENDÁRIO 2014

PARÓQUIA SÃO MATEUS CALENDÁRIO 2014 Dia Dia da JANEIRO COM MARIA CONSTRUIR A PAZ 31 MISSA NA SÃO MATEUS 20H 01 Quarta SOLENIDADE DA SANTA MÃE DE DEUS, MARIA/ MISSA NA CAPELA SANTO ANTONIO 10H 2 MISSA NA SÃO MATEUS 19H30 3 HORARIO NORMAL

Leia mais

PARÓQUIA NOSSA SENHORA APARECIDA PÁROCO: Côn. Egídio de Carvalho Neto Elaboração: Diácono Admilson Pereira

PARÓQUIA NOSSA SENHORA APARECIDA PÁROCO: Côn. Egídio de Carvalho Neto Elaboração: Diácono Admilson Pereira PARÓQUIA NOSSA SENHORA APARECIDA PÁROCO: Côn. Egídio de Carvalho Neto Elaboração: Pereira É o tempo que marca as datas dos acontecimentos da História da Salvação. É a manifestação de Deus em nosso tempo

Leia mais

Índice Introdução... 13 Abreviaturas... 17 1. Natureza da liturgia cristã... 21 1.1. O termo liturgia... 21 1.1.1. No helenismo... 22 1.1.2. No Antigo Testamento... 22 1.1.3. No Novo Testamento... 23 1.1.4.

Leia mais

Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida. Permanece conosco

Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida. Permanece conosco Notícias de Família Informativo da Congregação Pobres Servos da Divina Providência Delegação Nossa Senhora Aparecida 06 JUNHO 2014 Permanece conosco Vivemos dias de graça, verdadeiro Kairós com a Celebração

Leia mais

ESCOPO GERAL. - Resultado da 52ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) -Aparecida/SP30deabrila9de maio de 2014.

ESCOPO GERAL. - Resultado da 52ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) -Aparecida/SP30deabrila9de maio de 2014. ESCOPO GERAL - Resultado da 52ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) -Aparecida/SP30deabrila9de maio de 2014. - Composição: 1) Apresentação de Dom Leonardo Steiner. 2) Introdução.

Leia mais

DIRETRIZES PARA A CATEQUESE

DIRETRIZES PARA A CATEQUESE DIRETRIZES PARA A CATEQUESE DIOCESE DE AMPARO SP CONTEÚDO: I A CATEQUESE Considerações Gerais II A CATEQUESE NA DIOCESE III A CATEQUESE NA PARÓQUIA IV CATEQUESE INFANTIL V CATEQUESE DE ADOLESCENTES E JOVENS

Leia mais

Texto da Palestra dada pelo Pe. Luiz Alves de Lima SOBRE Iniciação à Vida Cristã, no I Nordestão de Catequese, em novembro de 2013

Texto da Palestra dada pelo Pe. Luiz Alves de Lima SOBRE Iniciação à Vida Cristã, no I Nordestão de Catequese, em novembro de 2013 Texto da Palestra dada pelo Pe. Luiz Alves de Lima SOBRE Iniciação à Vida Cristã, no I Nordestão de Catequese, em novembro de 2013 I Iniciação à Vida Cristã A expressão procura traduzir a comunicação de

Leia mais

VISITA PASTORAL NA ARQUIDIOCESE DE MARIANA

VISITA PASTORAL NA ARQUIDIOCESE DE MARIANA VISITA PASTORAL NA ARQUIDIOCESE DE MARIANA A Vista Pastoral constitui-se em momento privilegiado de contato do Arcebispo com o povo santo de Deus, confiado aos seus cuidados de pastor, com a preciosa colaboração

Leia mais

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA Estudo 104 CNBB ASPECTOS GERAIS DO DOCUMENTO PERSPECTIVAS PASTORAIS TEXTOS BASES DESAFIOS FUNÇÕES DA PARÓQUIA PERSPECTIVA TEOLÓGICA MÍSTICA DO DOCUMENTO PERSPECTIVA

Leia mais

OS DESAFIOS DACOMUNICAÇÃO

OS DESAFIOS DACOMUNICAÇÃO OS DESAFIOS DACOMUNICAÇÃO A contribuição das mídias. Como parte constitutiva da atual ambiência comunicacional, elas tornam-se recursos e ambientes para o crescimento pessoal e social. Constituem-se no

Leia mais

Paróquia, torna-te o que tu és!

Paróquia, torna-te o que tu és! Paróquia, torna-te o que tu és! Dom Milton Kenan Júnior Bispo Aux. de S. Paulo. Vigário Episcopal para Reg. Brasilândia Numa leitura rápida da Carta Pastoral de Dom Odilo, nosso Cardeal Arcebispo, à Arquidiocese

Leia mais

Manual de Respostas do Álbum Líturgico- catequético No Caminho de Jesus [Ano B 2015]

Manual de Respostas do Álbum Líturgico- catequético No Caminho de Jesus [Ano B 2015] 1 Manual de Respostas do Álbum Líturgico- catequético No Caminho de Jesus [Ano B 2015] Página 9 Na ilustração, Jesus está sob a árvore. Página 10 Rezar/orar. Página 11 Amizade, humildade, fé, solidariedade,

Leia mais

Diretrizes e Orientações Diocesana da. Pastoral Bíblico Catequético. Diocese de Miracema do Tocantins

Diretrizes e Orientações Diocesana da. Pastoral Bíblico Catequético. Diocese de Miracema do Tocantins Diretrizes e Orientações Diocesana da Pastoral Bíblico Catequético Diocese de Miracema do Tocantins 1 Apresentação Caro irmão, cara irmã, Apresento o segundo diretório da catequese. Ele também foi uma

Leia mais

Ministério da. Catequese. Programas. livreto_catequese.indd 1 19/12/13 17:18

Ministério da. Catequese. Programas. livreto_catequese.indd 1 19/12/13 17:18 Ministério da Catequese Programas Pastorais 1 livreto_catequese.indd 1 19/12/13 17:18 2 livreto_catequese.indd 2 19/12/13 17:18 Apresentação Um dos valores institucionais da Rede Marista é a audácia, que

Leia mais

DESCRIÇÃO DOS CURSOS E ENCONTROS DA PJM

DESCRIÇÃO DOS CURSOS E ENCONTROS DA PJM DESCRIÇÃO DOS CURSOS E ENCONTROS DA PJM 1 Páscoa Jovem 1.1. Descrição A Páscoa Jovem é um encontro vivencial realizado para proporcionar uma experiência reflexiva e celebrativa da Paixão, Morte e Ressurreição

Leia mais

Encontro de Revitalização da Pastoral Juvenil LUZES DOS DOCUMENTOS

Encontro de Revitalização da Pastoral Juvenil LUZES DOS DOCUMENTOS Encontro de Revitalização da Pastoral Juvenil LUZES DOS DOCUMENTOS Ficha 1 1 Formação Integral (I) A com juventude para todo trabalho de evangelização A, como fundante (falando- se em, com atenção também

Leia mais

DIRETÓRIO DO DIACONADO PERMANENTE NA ARQUIDIOCESE DE FORTALEZA

DIRETÓRIO DO DIACONADO PERMANENTE NA ARQUIDIOCESE DE FORTALEZA DIRETÓRIO DO DIACONADO PERMANENTE NA ARQUIDIOCESE DE FORTALEZA 1 1. NATUREZA DO DIACONADO PERMANENTE 1.1. No contexto da ministerialidade da Igreja, e mais especificamente, no âmbito do ministério ordenado,

Leia mais

Celebração Comunitária do SACRAMENTO DO BAPTISMO

Celebração Comunitária do SACRAMENTO DO BAPTISMO Celebração Comunitária do SACRAMENTO DO BAPTISMO O Baptismo, porta da vida e do reino, é o primeiro sacramento da nova lei, que Cristo propôs a todos para terem a vida eterna, e, em seguida, confiou à

Leia mais

PROGRAMA PAROQUIAL DE PASTORAL 2009/2010

PROGRAMA PAROQUIAL DE PASTORAL 2009/2010 PROGRAMA PAROQUIAL DE PASTORAL 2009/2010 Ao iniciar o novo ano de pastoral paroquial, aceitamos o desafio que nos é feito de continuarmos a nossa caminhada de cristãos atentos aos desafios de Deus e do

Leia mais

TERCEIRA PARTE NORMAS DIOCESANAS. Introdução

TERCEIRA PARTE NORMAS DIOCESANAS. Introdução TERCEIRA PARTE NORMAS DIOCESANAS Introdução Os Sacramentos são sinais sensíveis e eficazes que indicam uma ação de Deus em nós, fortalecendo a nossa vida e alimentando a comunidade cristã, na construção

Leia mais

Calendário Paroquial 2015 Paróquia Santa Rita de Cássia Carapicuíba-SP

Calendário Paroquial 2015 Paróquia Santa Rita de Cássia Carapicuíba-SP Calendário Paroquial 2015 Paróquia Santa Rita de Cássia Carapicuíba-SP Janeiro 01 Q Solenidade Santa Maria, Mãe de Deus 02 S 03 S 15h00 Reunião de Coordenação da Catequese 04 D Solenidade Epifania do Senhor

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

3º EIXO Dízimo TOTAL DIOCESE 943 579 61,3%

3º EIXO Dízimo TOTAL DIOCESE 943 579 61,3% 3º EIXO Dízimo Paróquia/Questionários Distribuídos Devolvidos % Devolv. Miguel Calmon 67 27 40 Piritiba 45 06 13 Tapiramutá 30 19 63 Mundo Novo 20 12 60 Jequitibá 14 10 71 Totais zonal 2 176 74 42% Andaraí

Leia mais

MISSÃO E CRESCIMENTO DA IGREJA IGREJA: CORPO VIVO DE CRISTO. Estudo Bíblico

MISSÃO E CRESCIMENTO DA IGREJA IGREJA: CORPO VIVO DE CRISTO. Estudo Bíblico MISSÃO E CRESCIMENTO DA IGREJA IGREJA: CORPO VIVO DE CRISTO Estudo Bíblico Bispo Luiz Vergílio / Caxias do Sul/RS Abril de 2009 Ministerial de Pastores e Pastoras 1 MISSÃO DA IGREJA E CRESCIMENTO I. IGREJA

Leia mais

ANIMAÇÃO BÍBLICO-CATEQUÉTICA DIOCESANA Pré-Catequese, Eucaristia, Perseverança, Crisma, Adultos, Diversidade

ANIMAÇÃO BÍBLICO-CATEQUÉTICA DIOCESANA Pré-Catequese, Eucaristia, Perseverança, Crisma, Adultos, Diversidade ANIMAÇÃO BÍBLICO-CATEQUÉTICA DIOCESANA Pré-Catequese, Eucaristia, Perseverança, Crisma, Adultos, Diversidade GUIA PARA A INSCRIÇÃO NA CATEQUESE E CRISMA Equipe do Projeto Alicerce [2011] Justificativa:

Leia mais

FORMAÇÃO NAS ESCOLAS DIOCESANAS E MINISTÉRIO DA CATEQUESE

FORMAÇÃO NAS ESCOLAS DIOCESANAS E MINISTÉRIO DA CATEQUESE FORMAÇÃO NAS ESCOLAS DIOCESANAS E MINISTÉRIO DA CATEQUESE Diante de um mundo digital, com os compromissos do dia-a-dia, muitas vezes nossos catequistas acabam sendo engolidos pelos afazeres e tarefas.

Leia mais

CAMINHADA DE QUARESMA 2015 DIOCESE DE AVEIRO. Jesus é o Filho de Deus: escuta-o!

CAMINHADA DE QUARESMA 2015 DIOCESE DE AVEIRO. Jesus é o Filho de Deus: escuta-o! INTRODUÇÃO GERAL Somos desafiados a aprofundar a escuta e a oração, assumindo um dos grandes obje vos que o nosso Bispo, D. António Moiteiro, traçou assim que chegou à Diocese: enquanto comunidade cristã

Leia mais

Assembléia dos Bispos Regional Sul 1 junho/julho 2010 Aparecida, SP

Assembléia dos Bispos Regional Sul 1 junho/julho 2010 Aparecida, SP Assembléia dos Bispos Regional Sul 1 junho/julho 2010 Aparecida, SP A MISSÃO CONTINENTAL A V Conferência recordando o mandato de ir e fazer discípulos (Mt 28,20) deseja despertar a Igreja na América Latina

Leia mais

Pastoral Vocacional/ Serviço de Animação Vocacional

Pastoral Vocacional/ Serviço de Animação Vocacional CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL Comissão Episcopal Pastoral para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada Pastoral Vocacional (PV) / Serviço de Animação Vocacional (SAV) CMOVC/ SAV (02) Pastoral

Leia mais

Plano Diocesano da Ação Evangelizadora. Igreja: Casa da Iniciação à Vida Cristã

Plano Diocesano da Ação Evangelizadora. Igreja: Casa da Iniciação à Vida Cristã Plano Diocesano da Ação Evangelizadora 2014 Igreja: Casa da Iniciação à Vida Cristã Diocese de Jundiaí ÍNDICE Igreja: Casa da Iniciação à Vida Cristã Apresentação... 05 Siglas e Abreviaturas... 08 Objetivo

Leia mais

Por : Lourdinha Salles e Passos. Apresentação. Sendo assim, aprovo este Diretório para o Sacramento do Batismo, e o torno obrig

Por : Lourdinha Salles e Passos. Apresentação. Sendo assim, aprovo este Diretório para o Sacramento do Batismo, e o torno obrig Diretório do Sacramento do Batismo Por : Lourdinha Salles e Passos Apresentação Era meu desejo, de longa, que nossa Arquidiocese tivesse um Diretório do Sacram O Batismo, entre outros efeitos, incorporando-nos

Leia mais

CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS

CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS Apresentação A JUVENTUDE MERECE ATENÇÃO ESPECIAL A Igreja Católica no Brasil diz que é preciso: Evangelizar, a partir de Jesus Cristo,

Leia mais

3.1.1. Primeira Proposta: Fortalecimento da Pastoral Familiar (cf. CNBB - Doc. 79/2004 capo 8)

3.1.1. Primeira Proposta: Fortalecimento da Pastoral Familiar (cf. CNBB - Doc. 79/2004 capo 8) 3.1.1. Primeira Proposta: Fortalecimento da Pastoral Familiar (cf. CNBB - Doc. 79/2004 capo 8) 44. Neste sentido, a nossa 3 a Assembleia Diocesana, realizada no dia 28 de outubro de 2012 na Paróquia de

Leia mais

Vivendo a Liturgia Ano A

Vivendo a Liturgia Ano A Vivendo a Liturgia Junho/2011 Vivendo a Liturgia Ano A SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR (05/06/11) A cor litúrgica continua sendo a branca. Pode-se preparar um mural com uma das frases: Ide a anunciai

Leia mais

Entrada da Palavra: Comentário da Palavra: Permaneçamos em pé para acolher o Livro Santo de Nossa Fé, a Palavra de Deus, cantando.

Entrada da Palavra: Comentário da Palavra: Permaneçamos em pé para acolher o Livro Santo de Nossa Fé, a Palavra de Deus, cantando. Celebração de Encerramento PREPARAR 1. Bíblia e velas para a Procissão de Entrada da Palavra 2. Sementes de girassóis para cada catequista depositar num prato com terra diante do altar durante a homilia

Leia mais

www.comunidadepedraviva.com.br TRILHO PEDRA VIVA

www.comunidadepedraviva.com.br TRILHO PEDRA VIVA TRILHO PEDRA VIVA ROTEIRO PARA PLANTAÇÃO DE VIDAS Um provérbio chinês nos lembra : se sua visão é para um ano, plante trigo; se sua visão é para uma década, plante árvores; se sua visão é para toda a vida,

Leia mais

Tema 9: Catequese e Iniciação Cristã

Tema 9: Catequese e Iniciação Cristã Tema 9: Catequese e Iniciação Cristã A gente quer ser feliz! Isso é bom, isso é correto. Pedir a ajuda de Deus. É importante, decerto, mas é preciso empenho, é necessário humildade, abertura, para aprender.

Leia mais

n.1 Linhas fundamentais para

n.1 Linhas fundamentais para n.1 Linhas fundamentais para uma redescoberta, na vida da Igreja, da Palavra Divina, Fonte de constante renovação, Com a esperança de que a mesma se torne cada vez mais O coração de toda a atividade eclesial.

Leia mais