MANEJO DE FRANGOS DE CORTE. Prof. Dr. Levy Rei de França

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANEJO DE FRANGOS DE CORTE. Prof. Dr. Levy Rei de França"

Transcrição

1 MANEJO DE FRANGOS DE CORTE Prof. Dr. Levy Rei de França

2 Produção frango de corte (dinâmica) (45g) 42 dias (1080 horas) (2,600 kg) - ganhando 60,8 g/dia 2,53g/hora

3 Simultâneo Aves na mesma idade Planejamento All in all out Vantagem: -sanitário Desvantagens: -comercialização Sucessivo Aves em idades diferentes - saída de cada lote em períodos # Vantagem: -Comercialização +versátil -Fluxo de caixa é constante e contínuo -Redução de equipamentos na fase inicial

4 Genética Nutrição Manejo Controle de Doenças Equipamentos para as aves Programas de vacinas Instalações Mão-de-obra

5 Manejo antes da chegada dos pintinhos Limpeza de instalações e equipamentos (remoção de 90 a 95% do material contaminante) Limpeza é a base da desinfecção Retirar restos de ração Remover equipamentos Retirar cama Lança chamas Limpeza a seco: varrer ou raspar: tetos, telas, paredes, silos e pisos. Lavar com água sob pressão (de cima p/ baixo) Utilizar sabão ou detergente

6 Manejo antes da chegada dos pintinhos Desinfecção de instalações e equipamentos Realizada com instalações úmidas Poder desinfetante depende: higienização, coeficiente fenólico, diluição, temperatura, modo de aplicação. Inseticida, controle de ratos Cal hidratada = 1kg/5m2 Vazio sanitário 10 dias

7 Bom desinfetante: - Barato e Germicida; - Baixa toxicidade; - Solúvel em água; - Alto poder residual e não corrosivo; -Efetivo mesmo com qtde moderada de MO; - Inodoro, estável quando estocado; - Boa capacidade de penetração; - Biodegradável;

8 cloro iodo fenol amônia quaternária formol Bactericida Fungicida Virucida Toxidade Atividade c M. O Corrosividade Irritabilidade Odor /- + +/ / Nível em ppm recomendado 200 a a a a 500 variável

9 Como deve ser a cama do aviário? Partículas de tamanho médio, homogêneo e livre de material estranho Capacidade de absolver a umidade evitando emplastamento; Baixa condutividade térmica ( bom isolamento do piso); Boa capacidade de amortecimento para evitar calos; Umidade em torno de 20-25%; Baixo custo e alta disponibilidade na região de criação

10 Os principais materiais utilizados como cama: -maravalha ou sepilho de madeira; -casca de arroz; -casca de amendoim; -casca de café; -palhadas de culturas; -- fenos de gramíneas; - resíduos industriais.

11 Calculo da quantidade de cama Altura no verão: 5-8 cm Altura no inverno: 8-10 cm Relação 1m 3 = 187,5 kg cama de frango Quantidade = Largura x comprimento x altura (expessura) kg = 80m 3 = L 12,8 m x C 125 m x E 0,05 m kg = 112m 3 = L 12,8 m x C 125 m x E 0,07 m Calculo da produção de cama kilo cama kg forração = kg / 4 lotes/ aves= 0,823 kg/ave

12 Reutilização da Cama: Retirada de todos os equipamentos Retirar as partes emplastadas Lança chamas(penas) revolver cama e queimar as penas Amontoar a cama, se possível retira-la do galpão Umidecê-la(35-45%), se estiver seca Lavar e desinfetar o galpão Amontoada, no min 8 dias(ideal 21dias) Boa fermentação = Bom vazio sanitário do galpão Cama+desinfetante ( cal auxilia na secagem da cama) Revolvê-la várias vezes até que atinja a umidade de 20-25%

13 Frango de corte - Biossegurança

14 Criação em círculo de proteção: Proteção dos pintinhos de correntes de ar e limitar a área disponível a estes, próxima a fonte de aquecimento, da água e ração. Tipos: - Chapas de Eucatex - duratex - Compensado de madeira - Folhas metálicas Altura: cm Diâmetro: - 3m / 500pintos

15 Circulo de proteção Capacidade para 500 pintinhos

16 Sistema de aquecimento: -Câmpanulas a gás; elétricas ou aquecedores de infravermelhos. ( iniciar o aquecimento 3h antes da chegada dos pintos) -Inverno: alta diferença entre temperatura externa e interna ( dias de vida) - Verão: mais fácil conseguir a temperatura adequada ( dispensado a partir do 14º dia de vida)

17 AQUECIMENTO Aquecedores a lenha Aquecedores elétricos -Campânulas - Fornalhas - Campânulas elétricas - Lâmpadas infravermelhas - Resistência embutida no piso - Campânulas a gás - Campânulas de placa cerâmica Aquecedores a gás - Campânulas infravermelhas - Geradores de ar quente - Fornalhas - Aproveitamento de resíduos - Biogás Alternativos - Canalização de água quente no piso - Aquecimento solar

18 Aquecedores a lenha

19 Esquema de montagem do círculo de proteção, dos sistemas de aquecimento em piso, com cobertura

20 Aquecedores a gás

21

22 Frango de corte - Ração

23 Água - A água constitui 60 a 70% do peso de um pinto. A perda de 10% do peso por desidratação causará queda no desenvolvimento e 20% poderá levar a morte. - Qualidade da água - Tipos de bebedouros: copo de pressão, calha, pendular, automáticos e nipple

24 Água

25 Consumo médio diário de água para 1000 frangos: Semana L/dia Água fria ou água quente(30ºc): Consumo de ração e ganho de peso Temperatura ideal da água = 10-12ºC

26 Circulo de proteção

27 Manejo dos pintos distribuição dos pintainhos: Caminhões ou furgões sistema de ventilação aquecimento refrigeração

28 MANEJO NA CHEGADA DOS PINTINHOS Escolha do pinto depende: Preço e qualidade do pinto; Distância e idoneidade do incubatório; Objetivos da criação do lote: Frango vivo, carcaça grane,carcaça galeto ou cortes.

29 Qualidade dos pintinhos: -proceder de matrizes livres de doenças; -Possuir peso médio de 37-47g; -Apresentar uniformidade -Incubatório de ser idôneo co estado sanitário ideal; -Penugem seca e fofa; -Olhos arredondados e brilhantes -Umbigos bem caracterizados -Canelas brilhantes e encerradas -Não apresentar anomalias: pernas retorcidas, bicos cruzados, cabeça ou olhos defeituosos; -O veículo de transporte deve apresentar temperatura e ventilação controlada

30 Avaliação na chegada das aves: Controle básico para o recebimento (galpão pronto). Retirada do caminhão. Soltar nos círculos. Amostrar 2% do lote e proceder a contagem e seleção destes: PM- através do peso das caixas pesadas individualmente (100 pintos) Normal intervalo de 5% em relação ao peso médio esperado. Anotar o > nº de informações possíveis.

31 INPORTÂNCIA DO MANEJO INICIAL Idade (dias) Peso g P. relação (42g) Cres. rel. fase ant.(%) , , ,1 78

32

33

34 Preparação tudo pronta - termômetros a 7cm do piso Temp = 32ºC Bandeja abastecimento 3x/dia Tubular infantil 1x/semana

35 Manejo do 1º - 11º: Controle de temperatura: Idade (dias) Temperatura ºC 1-7 dias dias dias dias dias 20

36 Manejo do 1º - 11º: Abertura de espaço - peso ( aumentar espaço e o número de equipamentos ) -aumentar espaço no inverno mais lento enquanto no verão mais rápido. -O bom senso deve prevalecer.

37 Manejo de cortinas -Condições ambientais -Idade do lote -Incidência do vento -Evitar mudanças bruscas na temperatura - Renovação do oxigênio

38 Regulagem dos bebedouros

39 Regulagem dos comedouros -Ração 1/3 da altura da borda dos comedouros (25%)

40 Programa de luz: Objetivo: estimular o consumo de alimento, melhorar o crescimento e adapta-los ao ambiente do galpão. -18h/luz/dia: (acender às 4h, apagar ao clarear e acender ao entardecer até 22horas) -20h/luz/dia: ( acender as 22horas e apagar ao clarear) -Luz diária, mais controle intermitente à noite, 1hora e escuro e 3 horas de claro) -Luz 24h por dia -Somente luz natural Intensidade = lumens/m2

41 Arraçoamento segundo a forma física da ração: Exemplo de programa de arraçoamento segundo a forma física da ração PROGRAMA TIPO DE RAÇÃO 01 Farelada em todas as fases (PI-I-C-E-F) 02 Farelada (PI), Triturada (I), Peletizada (C-E-F) 03 Triturada (PI-I), Peletizada (C-E-F) 04 Triturada (PI-I), Peletizada (C-E), Farelada (F) PI- Pré-inicial I- Inicial C - Crescimento E - Engorda F - Final

42 Programas de alimentação Evolução do arraçoamento em frango de corte FASES/ÉPOCA Inicial 01-35dias Crescimento Final Retirada Fonte: CAFÉ & LEANDRO, 1994 (mimeo).

43 Fábrica de ração

44 Densidade de alojamento: Aviários abertos: 30-34kg/m2(Peso Final) Época quente:27kg/ave Criação c/ separação de sexo Ajuste de equipamentos e densidade A partir de 35 dias - ajuste de 20 % a + de comedouros e bebedouros para machos ou adicionar 20% a mais de fêmeas. Machos e fêmeas juntos misto = machos ou fêmeas Na mesma instalação = 45% fêmeas + 55% machos

45 Manejo do 12º dia a saída do lote : -Cuidados na regulagem de equipamentos -Programa - de luz deve se manter o programa iniciado no princípio - Cama livre de empastamentos, níveis de água dos bebedouros e possíveis vazamentos -Cuidados com os equipamentos de controle ambiental -- Destino das aves mortas

46 Equipamentos de Controle Ambiental -Aspersores -Ventiladores(1m do piso) -Nebulizadores(TºC>34ºC) -Exaustores ( pad cooling ) Capacidade dos exaustores=comp(m)xalt(m)xlarg(m) Tempo de troca do ar(1min) Nº de exaustores = Capacidade dos exaustores (m3/min) Capacidade de cada exaustor

47 Frango de corte Fase final

48

49 Frango de corte Fase final

50 Frango de corte Fase final

51 Frango de corte Fase intermediária

52 Descrição Quant. C.O. Nº de módulos 175 Animais por módulo Capac. alojamento Frango de corte

53 Frango de corte - Biossegurança

54 Frango de corte - Biossegurança

55 Frango de corte - Biossegurança

56 Frango de corte - Biossegurança

57 Frango de corte - Alojamento

58 Frango de corte - Produto final

59 Frango de corte - Alojamento

60 TRATADOR Atributos básicos: responsabilidade, sensibilidade, iniciativa e criatividade. Passar informação correta. 2- Não orientar o funcionário quando o mesmo estiver trabalhando. 3- Preparar o funcionário para ouvilo. 4- Dar oportunidade ao funcionário para emitir sua opinião a respeito do manejo. 5- Justificar os porquês do manejo. 6- Dar participação nos resultados.

61 Manejo na saída do lote : PRÉ-ABATE - hematomas e lesões de peito: 3,85% - de coxa: 0,57% - fratura de asa: 0,92% - mortalidade no transporte: 0,16%, PERDAS (CONY, 1997) Principais Fatores: - tempo de jejum alimentar - método de apanha,

62 Programação da retirada do lote: - estabelecer o calendário e proporcionar a logística para a retirada das aves - é necessário conhecer : distribuição física das granjas distância entre a granja - abatedouro tipo de pavimento da estrada número de aves alojadas

63 Jejum pré -abate - Período antes da apanha em que as aves não devem ter acesso à ração - Razões Reduzir o conteúdo gastro-intestinal das aves < possibilidade de contaminação da carcaça na evisceração.

64 8 a 12 horas esvaziamento do trato digestório das aves. 8 horas ocasiona uma perda de peso em torno de 3%. após 6 horas de jejum a perda de peso 0,2 a 0,5% por hora. perda poderá < ou > tº ambiente, qualidade da água, estresse, tempo e modo de apanha (noturno ou diurno).

65 fase fundamental perdas excessivas de peso ou altas contaminações no abatedouro deverá ser ajustado entre 7 e 9 horas água retirada no momento do carregamento meses muito calor retirada escalonada mínimo possível sem a disponibilidade de água

66 Preparação da granja padrão para a divisão dos aviários na granja divisão em grupos auxiliar na apanha < o impacto da movimentação das demais aves parcial ou total a noite usar luz azul comedouros e bebedouros fora da área de movimento das aves e dos carregadores evitar golpes peito e nas pernas das aves acidentes com o pessoal da apanha

67 proporcionar o mínimo de estresse possível às aves. O seu aumento é diretamente proporcional à perda de peso e ao número de contusões cercar um número de aves por vez, 200 a 250 aves (diurno) levar as caixas até os frangos, nunca levar os frangos até as caixas

68

69

70

71 Pelas pernas: - causa de lesões externas e internas nos músculos e pernas pelo movimento brusco que se faz com os membros - é menos eficiente e ocasiona maiores perdas

72

73 Pelo dorso: pelo dorso sobre as asas com firmeza oferece maior proteção a integridade física das aves. manejadas e colocadas cuidadosamente nas caixas. resultado final melhor qualidade de carcaça

74

75 Pelo pescoço: mais de treinamento da equipe são apanhadas 2 a 3 aves em cada mão. lesões hemorrágicas e o nível de fraturas semelhantes dorso. desvantagem arranhões no dorso e coxas introdução da ave na caixa dias quentes > a mortalidade no transporte modo de apanha processo de asfixia

76

77

78 Sistema de Gaveta

79 Apanha Automática Lewis/Mola PH2000 Apanhador Compatível com módulos de gaiolas de carregamento lateral aves/hora; 3-4 pessoas

80 Easyload System

81

82

83

84 Lewis/Mola Transport Modules

85 Carregamento e transporte Número de aves por caixa: - sexo e o peso das aves - clima - distância do aviário ao abatedouro Número de fraturas ósseas < quando menos as aves moverem-se no interior das caixas.

86 Disponibilidade de oxigênio: - quantidades reduzidas asfixia das aves, - coloração anormal fatigada Circulação do ar: -espaços entre as fileiras das caixas -caixas limpas excretas e penas dificultam a passagem do ar Manejo carregamento e transporte na manutenção ou na perda da qualidade da carcaça.

87 30% das lesões antes do carregamento definição da qualidade da carcaça e da carne diferença de 0.5% até 10% no rendimento total no verão transporte noturno < mortalidade carne melhor qualidade

88

89

90

91

92

93

94

95

96

97

98

99

100

101

102

Instalações e Equipamentos para Frangos de Corte

Instalações e Equipamentos para Frangos de Corte Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias Instalações e Equipamentos para Frangos de Corte Considerações Iniciais Capital disponível; Funcionários; Assistência técnica;

Leia mais

Benefícios e Pontos Críticos da Implantação do Sistema de Pressão Negativa para Frangos de Corte

Benefícios e Pontos Críticos da Implantação do Sistema de Pressão Negativa para Frangos de Corte Benefícios e Pontos Críticos da Implantação do Sistema de Pressão Negativa para Frangos de Corte Sebastião Florêncio Pereira Neto CRMV-SP 20766 Itabom - SP Pontos Primordiais para a Produção de Frangos

Leia mais

Manejo pré-abate de aves

Manejo pré-abate de aves Jejum Alimentar Manejo pré-abate de aves Reduz a taxa de mortalidade e evita vômito durante o transporte. Segurança alimentar: previne a liberação e a disseminação de contaminação bacterina pelas fezes

Leia mais

FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO. Irenilza de Alencar Nääs

FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO. Irenilza de Alencar Nääs FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO Irenilza de Alencar Nääs 1 O Brasil é um dos maiores produtores de aves no mundo. Crescimento mundial do consumo Preocupação

Leia mais

Manejo de pré-abate em frangos de corte

Manejo de pré-abate em frangos de corte Manejo de pré-abate em frangos de corte Dr. Rafael Monleón, Veterinário da Aviagen, Ásia Fevereiro 2013 Resumo Introdução Existem muitos fatores durante o manejo de pré-abate que têm o potencial de afetar

Leia mais

Código Sanitário de Animais Terrestres da OIE

Código Sanitário de Animais Terrestres da OIE Comissão Técnica Permanente de Bem-estar Animal Departamento de Sistemas de Produção e Sustentabilidade Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Código Sanitário de Animais Terrestres da OIE

Leia mais

Manejo inicial e seus reflexos no desempenho do frango

Manejo inicial e seus reflexos no desempenho do frango 1 de 6 20/7/2009 14:35 Manejo inicial e seus reflexos no desempenho do frango Valéria Maria Nascimento Abreu, DSc Pesquisadora Sistema de Produção de Aves - Embrapa Suínos e Aves O manejo inicial dos frangos

Leia mais

Ações de higienização geral

Ações de higienização geral Ações de higienização geral Limpeza e consciência ampla de higiene são as regras mais importantes na limpeza e desinfecção de granjas suinícolas e conseqüentemente o requisito essencial para uma desinfecção

Leia mais

www.aviculturainteligente.com.br frangos de corte Manual de Manejo de Frangos de Corte cobb-vantress.com www.aviculturainteligente.com.

www.aviculturainteligente.com.br frangos de corte Manual de Manejo de Frangos de Corte cobb-vantress.com www.aviculturainteligente.com. Manual de Manejo de Frangos de Corte frangos de corte cobb-vantress.com Introdução O compromisso da Cobb com o aperfeiçoamento genético continua aumentando o potencial de desempenho de frangos e matrizes

Leia mais

FICHA TÉCNICA - MASSA LEVE -

FICHA TÉCNICA - MASSA LEVE - FICHA TÉCNICA - MASSA LEVE - Massa Leve é um aditivo capaz de produzir concreto poroso de baixa massa especifica aparente, com ótima estabilidade, isto é, com reduzida queda de volume na aplicação. Características

Leia mais

JOSÉ HENRIQUE CARVALHO MORAES Médico-Veterinário CRMV 5/1995 Gerente de Pequenos e Médios Animais da EMATER-RIO

JOSÉ HENRIQUE CARVALHO MORAES Médico-Veterinário CRMV 5/1995 Gerente de Pequenos e Médios Animais da EMATER-RIO JOSÉ HENRIQUE CARVALHO MORAES Médico-Veterinário CRMV 5/1995 Gerente de Pequenos e Médios Animais da EMATER-RIO INFORMAÇÕES SOBRE AVESTRUZES CRIAÇÃO DE RATITAS: - EMA Vivem na América do Sul e são menores.

Leia mais

CRIAÇÃO E MANEJO DE AVES POEDEIRAS

CRIAÇÃO E MANEJO DE AVES POEDEIRAS CRIAÇÃO E MANEJO DE AVES POEDEIRAS INTRODUÇÃO Galinhas poedeiras ou de postura são aquelas destinadas à produção de ovos, sendo este considerado de alto valor nutricional, podendo a sua qualidade ser influenciada

Leia mais

PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES

PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES Pablo Zotti AMADOR 1 ; Maribel Barbosa da CUNHA 2 1 Instituto Federal Catarinense, Concórdia/SC; 2 Instituto Federal Catarinense, Concórdia/SC

Leia mais

Tratamento de cama de aves para sua reutilização

Tratamento de cama de aves para sua reutilização Tratamento de cama de aves para sua reutilização Valéria M. N. Abreu Cuiabá, 04 de maio 2010 Introdução evitar o contato direto das aves com o piso; servir de substrato para a absorção da umidade do ambiente;

Leia mais

Orientaçõ es de manejõ para Criaça õ de Perus de Cõrte

Orientaçõ es de manejõ para Criaça õ de Perus de Cõrte Orientaçõ es de manejõ para Criaça õ de Perus de Cõrte Conteúdo Orientações de manejo para Criação de Perus de Corte... 2 Introdução e Bem Estar Animal... 4 Biosseguridade... 5 Limpeza e Desinfecção...

Leia mais

CUSTOS DE PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS PARANÁ

CUSTOS DE PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS PARANÁ CUSTOS DE PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS PARANÁ Curitiba, 2007 ÍNDICE CUSTO DE PRODUÇÃO DE FRANGO DE CORTE... 1 I CARACTERÍSTICAS DA PROPRIEDADE... 1 II CARACTERÍSTICAS DA EXPLORAÇÃO... 1 III CONSTRUÇÕES...

Leia mais

Mai/2010. Cama de Aviário. shaping tomorrow s nutrition

Mai/2010. Cama de Aviário. shaping tomorrow s nutrition Mai/2010 Cama de Aviário Cama de Aviário Introdução O objetivo do uso da cama de aviário é evitar o contato direto da ave com o piso, servir de substrato para a absorção da água, incorporação das fezes

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária

Universidade de Brasília. Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Universidade de Brasília Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Relatório de Estágio de Acompanhamento de Rotina em Granja de Integração Comercial Monografia apresentada para conclusão do curso

Leia mais

AviagenBrief. Manejo da Fase de Crescimento - Frango de Corte. Resumo. Aviagen Brief - Optimizing Broiler FCR, June 2011.

AviagenBrief. Manejo da Fase de Crescimento - Frango de Corte. Resumo. Aviagen Brief - Optimizing Broiler FCR, June 2011. Aviagen Brief - Optimizing Broiler FCR, June 2011 AviagenBrief Manejo da Fase de Crescimento - Frango de Corte Equipe Técnica da Turquía, Oriente Médio e África Janeiro / 2012 Resumo Introdução Melhorias

Leia mais

COMPORTAMENTO DE FRANGOS DE CORTE EM SISTEMAS DE AQUECIMENTO

COMPORTAMENTO DE FRANGOS DE CORTE EM SISTEMAS DE AQUECIMENTO ISSN 0100-8862 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Suínos e Aves Ministerio da Agricultura e do Abastecimento Caixa Postal 21, 89700-000, Concórdia, SC Telefone:

Leia mais

Componente curricular: Zootecnia II. Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli

Componente curricular: Zootecnia II. Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli Componente curricular: Zootecnia II Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli Sistema de produção, instalações e manejo da avicultura. 1. Introdução. Avicultura: criação de

Leia mais

INCUBAÇÃO ARTIFICIAL. Alexandre Pires Rosa. alexandreprosa@smail.ufsm.br. Elenice Zucuni Franco. elenicefranco@mail.ufsm.br

INCUBAÇÃO ARTIFICIAL. Alexandre Pires Rosa. alexandreprosa@smail.ufsm.br. Elenice Zucuni Franco. elenicefranco@mail.ufsm.br INCUBAÇÃO ARTIFICIAL alexandreprosa@smail.ufsm.br Elenice Zucuni Franco elenicefranco@mail.ufsm.br QUALIDADE DA CASCA Segurança Considerações iniciais CUIDADOS NA INCUBAÇÃO ARTIFICIAL NA ARMAZENAGEM Posição:

Leia mais

ECOFOGÃO MODELO CAMPESTRE 3. Manual de instalação, uso e manutenção.

ECOFOGÃO MODELO CAMPESTRE 3. Manual de instalação, uso e manutenção. ECOFOGÃO MODELO CAMPESTRE 3 Manual de instalação, uso e manutenção. Parabéns, ao adquirir o Ecofogão, você tem em mãos uma das tecnologias mais simples, eficiente e limpa atualmente disponível, para o

Leia mais

Instalações Para Frangos de Corte Localização das edificações

Instalações Para Frangos de Corte Localização das edificações Instalações Para Frangos de Corte Localização das edificações A escolha do local adequado para implantação do aviário visa otimizar os processos construtivos, de conforto térmico e sanitários. O local

Leia mais

MODELOS DE AQUECIMENTO

MODELOS DE AQUECIMENTO MODELOS DE AQUECIMENTO Paulo Giovanni de Abreu D.Sc. - Área de Construções Rurais e Ambiência Embrapa Suínos e Aves Introdução Nos primeiros dias de vida, o sistema termorregulador das aves ainda não está

Leia mais

Aviagen Brief - Optimizing Broiler FCR, June 2011

Aviagen Brief - Optimizing Broiler FCR, June 2011 Aviagen Brief - Optimizing Broiler FCR, June 2011 AviagenBrief Dezembro / 2011 Otimizando a Taxa de Conversão Alimentar do Frango de Corte Este artigo foi elaborado especificamente para produtores de aves

Leia mais

INSTALAÇÕES PARA AVES

INSTALAÇÕES PARA AVES INSTALAÇÕES PARA AVES I. INTRODUÇÃO A evolução da avicultura nos últimos anos colocou a atividade em posição privilegiada em relação a outras explorações animais, já que esta detém grande parte do acervo

Leia mais

AQUECIMENTO SOLAR PISCINA RESIDENCIAL GRANDE PORTE CDT

AQUECIMENTO SOLAR PISCINA RESIDENCIAL GRANDE PORTE CDT CONHECENDO O SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR CENTER SOL Componentes do Sistema de Aquecimento Reservatório de Água Fria: É o reservatório principal de água que possui uma ligação direta com o Reservatório

Leia mais

Manejo de ambiência para melhor produção avícola. Paulo Giovanni de Abreu - pabreu @cnpsa.embrapa.br

Manejo de ambiência para melhor produção avícola. Paulo Giovanni de Abreu - pabreu @cnpsa.embrapa.br Manejo de ambiência para melhor produção avícola Paulo Giovanni de Abreu - pabreu @cnpsa.embrapa.br Homeotermia Energia utilizada pelos homeotermos 20 % Manter a homeotermia 80% Produção ZONA DE SOBREVIVÊNCIA

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA CONSTRUÇÃO DE GALPÕES

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA CONSTRUÇÃO DE GALPÕES MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA CONSTRUÇÃO DE GALPÕES PARA CRIAÇÃO DE FRANGO TIPO CAIPIRA CUIABÁ MT Agosto/2008 TECNOLOGIAS APROPRIADAS ESCOLHA DO LOCAL Na hora de escolher o local para construção do galpão

Leia mais

MANEJO DE SUÍNOS 14/03/2013 INTRODUÇÃO. Maiara Braga Pereira Braz Graduanda do 2º ano de Zootecnia SISTEMA DE PRODUÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO

MANEJO DE SUÍNOS 14/03/2013 INTRODUÇÃO. Maiara Braga Pereira Braz Graduanda do 2º ano de Zootecnia SISTEMA DE PRODUÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO INTRODUÇÃO MANEJO DE SUÍNOS Sistema de produção Produtividade Monitorias Sanitária Limpeza e desinfecção Manejo do leitão Maiara Braga Pereira Braz Graduanda do 2º ano de Zootecnia SISTEMA DE PRODUÇÃO

Leia mais

INSTALAÇÕES PARA AVES

INSTALAÇÕES PARA AVES Universidade Federal de Goiás Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos Setor de Engenharia Rural INSTALAÇÕES PARA AVES Construções e Eletrificação Rural Prof. Dr. Regis de Castro Ferreira rcastro@agro.ufg.br

Leia mais

07/07 276-05/00 072446 REV.2. www.britania.com.br sac@britania.com.br ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR MANUAL DE INSTRUÇÕES

07/07 276-05/00 072446 REV.2. www.britania.com.br sac@britania.com.br ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR MANUAL DE INSTRUÇÕES 07/07 276-05/00 072446 REV.2 www.britania.com.br sac@britania.com.br ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR MANUAL DE INSTRUÇÕES SOLUÇÃO DE PROBLEMAS Problema Luz que indica o funcionamento está apagada Odores estranhos

Leia mais

Manual de Manejo MATRIZES. Seção 2. Uma marca Aviagen

Manual de Manejo MATRIZES. Seção 2. Uma marca Aviagen MATRIZES Seção 2 Manual de Manejo Uma marca Aviagen Prefácio Sobre este Manual Este manual tem por finalidade ajudar os clientes da Aviagen a otimizar a performance de suas matrizes. Não de destina a dar

Leia mais

Bem-estar de suínos. Manejo pré-abate

Bem-estar de suínos. Manejo pré-abate Bem-estar de suínos Manejo pré-abate Etapas a serem observadas 1. Jejum e dieta hídrica... 04 2. Carregamento... 05 3. Transporte... 06 4. Espera no frigorífico... 06 5. Banho de aspersão... 06 6. Condução

Leia mais

PINTOS DE CORTE (01 a 14 DIAS)

PINTOS DE CORTE (01 a 14 DIAS) MKT-SET/2011 Guia Prático do Granjeiro PINTOS DE CORTE (01 a 14 DIAS) MOD. REV. O3 - DATA 01/08/2011 INTRODUÇÃO O desenvolvimento genético mundial aponta para melhores resultados econômicos do frango,

Leia mais

FUNDAMENTOS DA PRODUÇÃO ANIMAL SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE E GALINHAS POEDEIRAS

FUNDAMENTOS DA PRODUÇÃO ANIMAL SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE E GALINHAS POEDEIRAS FUNDAMENTOS DA PRODUÇÃO ANIMAL SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE E GALINHAS POEDEIRAS FUNDAMENTOS DA PRODUÇÃO ANIMAL Sistemas de Produção de Frangos de Corte Manejo de Frangos de Corte Manejo de

Leia mais

Criação de galinha caipira

Criação de galinha caipira Criação de galinha caipira CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA 1 Introdução A criação de galinhas caipiras sempre foi para os pequenos produtores uma importante fonte de produção de alimentos proteicos (carne e

Leia mais

AVICULTURA ALTERNATIVA

AVICULTURA ALTERNATIVA AVICULTURA ALTERNATIVA Principais doenças e métodos de prevenção São várias as doenças que atacam as aves, a maioria são doenças respiratórias. Aspergilose é uma infecção que ataca as aves, sendo provocada

Leia mais

ECOTELHADO BRANCO. Revestimento Reflexivo

ECOTELHADO BRANCO. Revestimento Reflexivo ECOTELHADO BRANCO Revestimento Reflexivo 2 Especificações Quando se trata de problemas com elevadas temperaturas devido a incidência solar e falta de estrutura para telhado verde, a refletância é a melhor

Leia mais

Desenvolvimento ótimo de frangos de corte. Um guia prático para assegurar o desempenho inicial correto de frangos de corte

Desenvolvimento ótimo de frangos de corte. Um guia prático para assegurar o desempenho inicial correto de frangos de corte Desenvolvimento ótimo de frangos de corte Um guia prático para assegurar o desempenho inicial correto de frangos de corte Índice Introdução Objetivos 4. Indicadores finais de desempenho 4.1. Mortalidade/pesos

Leia mais

AR CONDICIONADO. Componentes

AR CONDICIONADO. Componentes AR CONDICIONADO AR CONDICIONADO Basicamente, a exemplo do que ocorre com um refrigerador (geladeira), a finalidade do ar condicionado é extrair o calor de uma fonte quente, transferindo-o para uma fonte

Leia mais

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL A ampla linha de tanques de armazenamento e aquecimento de asfalto da Terex

Leia mais

Melhorar A Eclodibilidade De Ovos Armazenados

Melhorar A Eclodibilidade De Ovos Armazenados Melhorar A Eclodibilidade MELHORAR A ECLODIBILIDADE USANDO PERÍODOS DE INCUBAÇÃO CURTOS DURANTE A ARMAZENAGEM DE OVOS (SPIDES) 09 Ovos armazenados por longos períodos não eclodem tão bem quanto os ovos

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE CRIAÇÃO

MANUAL PRÁTICO DE CRIAÇÃO MANUAL PRÁTICO DE CRIAÇÃO Legítimo Frango Caipira Brasileiro Paraiso Pedrês Pescoço Pelado Pedrês- Rubro Mista Tropical 1 O legítimo frango caipira brasileiro Paraiso Pedrês apresenta qualidade e rusticidade

Leia mais

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES.

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES. CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA São planos horizontais que suportam cargas VARIÁVEIS e PERMANENTES. 1 CARGAS NBR 6120 PERMANENTES (g) Peso próprio da estrutura Peso dos elementos

Leia mais

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO:

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO: INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível de alta adesividade para áreas internas e externas. Assenta e rejunta pastilhas de porcelana e cerâmica até 7,5 x 7,5 cm,

Leia mais

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica.

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica. Descrição VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica. Características Densidade: 1,02 g/cm 3 Aparência: Cor preta Composição básica: emulsão asfáltica modificada com elastômeros

Leia mais

MANEJO PRÉ-ABATE DE SUÍNOS E AVES

MANEJO PRÉ-ABATE DE SUÍNOS E AVES Prejuízos decorrentes do manejo préabate inadequado MANEJO PRÉ-ABATE DE SUÍNOS E AVES Canadá: perda de 1.500 toneladas Austrália: prejuízo de U$ 20 milhões Estados Unidos: U$ 60 milhões causado pela anomalia

Leia mais

Comunicado Técnico 01

Comunicado Técnico 01 Comunicado Técnico 01 Sistema Intensivo de Suínos Criados ao Ar Livre (Siscal) Instruções Técnicas para Implantação. Responsável: Evandro José Rigo Zootecnista; MSc. Produção Animal; Professor FAZU evandro@fazu.br

Leia mais

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO Página 1 de 12 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 14/05/09 19/12/09 Emissão inicial Estruturação geral Emissão Aprovada N/A OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS

Leia mais

Chamamos de sistema individual quando um equipamento alimenta um único aparelho.

Chamamos de sistema individual quando um equipamento alimenta um único aparelho. AULA 11 SISTEMA PREDIAIS DE ÁGUA QUENTE 1. Conceito e classificação O sistema de água quente em um edificação é totalmente separado do sistema de água-fria. A água quente deve chegar em todos os pontos

Leia mais

Armazenamento de energia

Armazenamento de energia Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica 3 º. trimestre, 2015 A energia solar é uma fonte de energia dependente do tempo. As necessidades de energia

Leia mais

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível, de alta adesividade, para áreas internas e externas. O Maxijunta Pastilhas de Porcelana é indicado principalmente para

Leia mais

Desumidificador. Desidrat Plus IV Desidrat Plus V

Desumidificador. Desidrat Plus IV Desidrat Plus V Desumidificador Desidrat Plus IV Desidrat Plus V Obrigado por escolher esse produto. Por favor, leia esse manual de instrução antes de usar o aparelho. Índice: Introdução do Produto... 1 Instrução de Uso...

Leia mais

Manejo de ovos férteis: Cuidados da coleta até o nascimento

Manejo de ovos férteis: Cuidados da coleta até o nascimento CHAPTER 5 Manejo de ovos férteis: Cuidados da coleta até o nascimento Introdução A avicultura moderna é caracterizada pela obtenção de máximo desempenho e rendimento da ave, sendo fundamental o processo

Leia mais

PAINEL DE SECAGEM RÁPIDA TITÃ VI

PAINEL DE SECAGEM RÁPIDA TITÃ VI *Imagens meramente ilustrativas PAINEL DE SECAGEM RÁPIDA TITÃ VI Manual de Instruções 1. FUNÇÃO DO PAINEL DE SECAGEM Acelerar a secagem de componentes da pintura em veículos. Massa, fundo, tinta, poliéster,

Leia mais

Condensação. Ciclo de refrigeração

Condensação. Ciclo de refrigeração Condensação Ciclo de refrigeração Condensação Três fases: Fase 1 Dessuperaquecimento Redução da temperatura até a temp. de condensação Fase 2 Condensação Mudança de fase Fase 3 - Subresfriamento Redução

Leia mais

PROJETO DE CHOCADEIRA PARA 84 OVOS DE GALINHA CAIXA DE MADEIRA Autor: Randolfo Ribeiro

PROJETO DE CHOCADEIRA PARA 84 OVOS DE GALINHA CAIXA DE MADEIRA Autor: Randolfo Ribeiro PROJETO DE CHOCADEIRA PARA 84 OVOS DE GALINHA CAIXA DE MADEIRA Autor: Randolfo Ribeiro PROJETO DE CHOCADEIRA EM CAIXA DE MADEIRA Capacidade 84 ovos de galinha Autor: Randolfo Ribeiro Este projeto contém

Leia mais

Manual de Manejo de Matrizes

Manual de Manejo de Matrizes Manual de Manejo de Matrizes 2008 Edição Atualizada PREFÁCIO Manual O objetivo deste manual é contribuir com informações técnicas ao corpo docente de universidades e técnicos de granjas de matrizes que

Leia mais

O CAMINHÃO O DE TRANSPORTE

O CAMINHÃO O DE TRANSPORTE O CAMINHÃO O DE TRANSPORTE QUEM É O RESPONSÁVEL PELA MORTE DE UM SUÍNO DURANTE O TRANSPORTE??? 55 % 19 % 25 % 1 TRANSPORTE : É UM STRESS! ritmo cardíaco (l/min) 200 150 100 50 0 Embarque Desembarque -10

Leia mais

Circular. Técnica PROCEDIMENTO DE OPERAÇÃO, MANUTENÇÃO E VERIFICAÇÃO DA ESTUFA ELETROLAB MODELO 112FC. Brasília, DF Dezembro 2007.

Circular. Técnica PROCEDIMENTO DE OPERAÇÃO, MANUTENÇÃO E VERIFICAÇÃO DA ESTUFA ELETROLAB MODELO 112FC. Brasília, DF Dezembro 2007. Circular Técnica 65 Brasília, DF Dezembro 2007 Autor PROCEDIMENTO DE OPERAÇÃO, MANUTENÇÃO E VERIFICAÇÃO DA ESTUFA José Cesamildo Cruz Magalhães Letras, B.Sc, Assistente, Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia

Leia mais

Vamos Poupar Energia!!! www.facebook.com/experimenta.energia

Vamos Poupar Energia!!! www.facebook.com/experimenta.energia Vamos Poupar Energia!!! www.facebook.com/experimenta.energia Que podemos nós fazer? Eficiência Energética Utilização Racional da Energia, assegurando os níveis de conforto e de qualidade de vida. Como?

Leia mais

Desumidificador. Desidrat Plus IV Desidrat Plus V

Desumidificador. Desidrat Plus IV Desidrat Plus V Desumidificador Desidrat Plus IV Desidrat Plus V Lista de instrução de uso. Painel de controle. Introdução à estrutura. Instrução de Uso. Proteção e Manutenção. Solução de problemas. Referência. Obrigado

Leia mais

Profa. Dra. Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Ovinocultura 2013

Profa. Dra. Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Ovinocultura 2013 INSTALAÇÕES PARA OVINOS Profa. Dra. Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Ovinocultura 2013 Temperaturas e ZCT Cordeiros TCI 6oC ; TCS 34oC ; ZCT 25 a 30oC (Baêta e Souza,1997) Ovinos adultos TCI -20

Leia mais

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO O produto OXY-PRIMER é um tipo de tinta de cobertura cimentosa que não é composto de resinas normais, mas que adere como cimento. O cimento adere

Leia mais

Gerenciamento Ambiental em Uma Granja de Frangos

Gerenciamento Ambiental em Uma Granja de Frangos Página II Reconhecimento O conteúdo principal desta publicação é de autoria do Professor James O. Donald, da Universidade de Auburn. O Professor Donald é um engenheiro agrícola amplamente reconhecido como

Leia mais

Densificação da Madeira

Densificação da Madeira Densificação da Madeira Carlos Fraza Diretor da Ipaussu Briquetes MADEN 2008-1º Seminário Madeira Energética 02 e 03 de Setembro de 2008 - Rio de Janeiro - RJ Histórico 1983 Montagem da primeira marcenaria

Leia mais

11/13 1094-09-05 783912 REV.1. www.philco.com.br SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Manual de Instruções

11/13 1094-09-05 783912 REV.1. www.philco.com.br SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Manual de Instruções 11/13 1094-09-05 783912 REV.1 www.philco.com.br 0800 645 8300 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO PCL1F Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de mais um produto da linha Philco. Para garantir o

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. CONSTITUIÇÃO DA COLÔNIA. A constituição de uma colônia é a seguinte: 60000 a 80000 abelhas operárias; 1 rainha e 0 a 400 zangões.

1. INTRODUÇÃO 2. CONSTITUIÇÃO DA COLÔNIA. A constituição de uma colônia é a seguinte: 60000 a 80000 abelhas operárias; 1 rainha e 0 a 400 zangões. Obtenção do Mel Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO Abelhas

Leia mais

Institucional. Madeira e Biomassa

Institucional. Madeira e Biomassa Institucional Instalada na cidade de Curitiba há 46 anos, a Probat Leogap emprega aproximadamente 160 funcionários em instalação própria, com terreno de 33.000 m² e área construída de 7.000 m². Atua nos

Leia mais

Aquecedores são aparelhos que consomem muita energia elétrica. Por isso, evite deixar o seu sempre ligado.

Aquecedores são aparelhos que consomem muita energia elétrica. Por isso, evite deixar o seu sempre ligado. Aquecedor central Aquecedores são aparelhos que consomem muita energia elétrica. Por isso, evite deixar o seu sempre ligado. Planeje seu uso e habitue-se a ligá-lo apenas o tempo necessário para que você

Leia mais

Introdução. Conceitos. Conceitos de aviários Pressão Negativa

Introdução. Conceitos. Conceitos de aviários Pressão Negativa Conceitos de aviários Pressão Negativa Julho / 2009 Por Nilton Pedro Vieira - Vice-Presidente e Consultor Técnico de Manejo Avícola da JAPFA COMFEED INDONESIA. Introdução Diante dos desafios enfrentados

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ SEÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA E DO PRODUTO Produto: Empresa: TWISTER OFFICER INDÚSTRIA QUÍMICA LTDA R.Senador Giovanni Agnelli, 927-galpão

Leia mais

Melhorias Construtivas. Sustentáveis

Melhorias Construtivas. Sustentáveis Melhorias Construtivas Sustentáveis O que é sustentabilidade? O Projeto Melhorias Habitacionais Sustentáveis na Bomba do Hemetério, foi criado com o objetivo de reduzir o consumo e melhor aproveitar os

Leia mais

Disciplina: Criação e Exploração de Aves Prof. Msc. Alício José Corbucci Moreira

Disciplina: Criação e Exploração de Aves Prof. Msc. Alício José Corbucci Moreira Produção de Frangos de Corte: Manejo Disciplina: Criação e Exploração de Aves Prof. Msc. Alício José Corbucci Moreira 1ª Etapa: Limpeza e Desinfecção Fonte: Imagem de domínio público Limpeza e Desinfecção

Leia mais

Recebendo seus Alevinos

Recebendo seus Alevinos Recebendo seus Alevinos 1. Cuidados contra entrada e saída de peixes no viveiro O primeiro cuidado a ser tomado é a prevenção da entrada de peixes predadores nos viveiros. É possível fazer isso, protegendo

Leia mais

ÍNDICES DE PRODUTIVIDADE ATUAIS E PRECONIZADOS

ÍNDICES DE PRODUTIVIDADE ATUAIS E PRECONIZADOS 1 de 9 10/17/aaaa 08:36 Caracterização do produtor Índices de produtividade atuais e preconizados Operações que compõe o sistema Raças e manejo Identificação dos animais Controle zootécnico e econômico

Leia mais

Projeto Aceleração de Negócios FACCAMP 2012

Projeto Aceleração de Negócios FACCAMP 2012 Projeto Aceleração de Negócios FACCAMP 2012 Objetivos e Metas Alavancar a empresa de uma forma sustentável, não apenas ambiental mas financeiramente. Introdução Histórico Tijolo Muralha da China construída

Leia mais

PISO DE AVIÁRIO: CONCRETO OU CHÃO BATIDO?

PISO DE AVIÁRIO: CONCRETO OU CHÃO BATIDO? PISO DE AVIÁRIO: CONCRETO OU CHÃO BATIDO? Valéria Maria Nascimento Abreu, DSc, área de produção de aves Paulo Giovanni de Abreu, DSc, área de construções rurais e ambiência, Fátima Regina Ferreira Jaenisch,

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo IV Aula 01 1. Introdução Vamos estudar as torres de refrigeração que são muito utilizadas nas instalações de ar condicionado nos edifícios, na

Leia mais

SISTEMA INTENSIVO DE SUÍNOS CRIADOS AO AR LIVRE SISCAL: CABANAS DE MATERNIDADE

SISTEMA INTENSIVO DE SUÍNOS CRIADOS AO AR LIVRE SISCAL: CABANAS DE MATERNIDADE ISSN 0100-8862 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Suínos e Aves Ministerio da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Caixa Postal 21, 89700-000, Concórdia, SC Telefone:

Leia mais

AMBIÊNCIA PLANEJAMENTO DO AMBIENTE EM UAN TIPOS DE ILUMINAÇÃO EM UAN 20/11/2010 FONTES DE ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL ÍNDICE DE REPRODUÇÃO DE CORES (IRC)

AMBIÊNCIA PLANEJAMENTO DO AMBIENTE EM UAN TIPOS DE ILUMINAÇÃO EM UAN 20/11/2010 FONTES DE ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL ÍNDICE DE REPRODUÇÃO DE CORES (IRC) PLANEJAMENTO DO AMBIENTE EM UAN Iluminação Cores Ventilação Temperatura AMBIÊNCIA Umidade Ruído Material de revestimento Profa. Flávia Milagres Campos Ambiente aconchegante e agradável para clientese funcionários:

Leia mais

Sandra Heidtmann 2010

Sandra Heidtmann 2010 Sandra Heidtmann 2010 Definições: Amostra: Pequena parte ou porção de alguma coisa que se dá para ver, provar ou analisar, a fim de que a qualidade do todo possa ser avaliada ou julgada; Coleta: Ato de

Leia mais

PAINEL DE SECAGEM RÁPIDA TITÃ III P. Manual de Operação. www.v8brasil.com.br

PAINEL DE SECAGEM RÁPIDA TITÃ III P. Manual de Operação. www.v8brasil.com.br PAINEL DE SECAGEM RÁPIDA TITÃ III P Manual de Operação www.v8brasil.com.br Pág. 1 FUNÇÃO DO PAINEL DE SECAGEM Acelerar a secagem de componentes da pintura em veículos. Massa, fundo, tinta, poliéster, verniz,

Leia mais

MANUAL DE CONSERVAÇÃO DOS PRODUTOS CRIARE

MANUAL DE CONSERVAÇÃO DOS PRODUTOS CRIARE MANUAL DE CONSERVAÇÃO DOS PRODUTOS CRIARE Para que a vida útil do seu produto seja maior, recomendamos que estas informações sejam transmitidas às pessoas que executam a limpeza da sua casa. DE OLHO NA

Leia mais

CALDEIRA A BIOMASSA SERIE CIC-B

CALDEIRA A BIOMASSA SERIE CIC-B CALDEIRA A BIOMASSA SERIE CIC-B CIC-BL CIC-BL PLUS CIC-BX ADVANCED Caldeira para queima de biomassa de alta performance. Caldeira flamotubular com fornalha aquatubular. Sistemas combustão de cavacos etc.

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico - FISPQ

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico - FISPQ Produto: Antiderrapante para Correias Página 1 de 5 1 Informação do Produto e da Empresa Nome do Produto: Antiderrapante para Correias Fornecedor Nome: Ultralub Química Ltda. Endereço: Estrada dos Crisântemos,

Leia mais

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Björn Qvarfordt Técnico habilitado realizando manutenção preventiva no equipamento de ordenha Medidas práticas para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Por: Renata Travaglini Gonçalves

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Presidente: Fernando Henrique Cardoso Ministro da Agricultura e do Abastecimento: Arlindo Porto Neto EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA Presidente: Alberto

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

EQUIPAMENTOS. Transferência mecânica:

EQUIPAMENTOS. Transferência mecânica: EQUIPAMENTOS Transferência mecânica: Objetivos do equipamento: a) Garantir o acesso seguro à piscina para qualquer pessoa, b) Previnir possíveis riscos de acidente nas transferências ou manipulações, c)

Leia mais

Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES. Desenvolvido por:

Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES. Desenvolvido por: Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES Desenvolvido por: Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. FUNÇÕES BÁSICAS... 4 3. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS... 5 4. CONDIÇÕES DE SEGURANÇA... 7 5. COMPONENTES

Leia mais

Máquinas para Pecuária

Máquinas para Pecuária Máquinas para Pecuária Thaís Nascimento Santos 1 ; Bruno Silva Torquato 1 ; Karen Cappi do Carmo Brig 1 ; Maria Alexandra Estrela 2 Aluno (a) do Curso de Zootecnia da Faculdade de Imperatriz FACIMP, Imperatriz

Leia mais

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009. Construção de cisternas

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009. Construção de cisternas Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009 Tema 3: Construção de cisternas Rodolfo Luiz Bezerra Nóbrega Universidade Federal de Campina Grande Financiadores:

Leia mais

TORRES DE RESFRIAMENTO

TORRES DE RESFRIAMENTO TORRES DE RESFRIAMENTO Torres de Resfriamento Introdução Em muitos sistemas de refrigeração, ar condicionado e processos industriais, gera-se calor que deve ser extraído e dissipado. Geralmente utiliza-se

Leia mais

Nome do produto: BIOAGLOPAR

Nome do produto: BIOAGLOPAR Data da última revisão: 09/02/2011 Pagina 1/5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Bioaglopar NCM: 3905.21.00 - Código interno de identificação do produto: 1.3.2.002 - Nome da empresa:

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Característico, irritante ph ( Puro ) 0,45 0,65 Densidade 0,980 1,040 ( 25ºC )

RELATÓRIO TÉCNICO. Característico, irritante ph ( Puro ) 0,45 0,65 Densidade 0,980 1,040 ( 25ºC ) Elaboração: 03/12 Revisão: 0-03/12 RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: LIMPA BAÚ Sinônimo: Detergente Ácido Composição: Linear Alquil Benzeno Sulfonado, Ácido Clorídrico, Ácido Cítrico,

Leia mais

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Giorgia Francine Cortinovis (EPUSP) Tah Wun Song (EPUSP) 1) Introdução Em muitos processos, há necessidade de remover carga térmica de um dado sistema

Leia mais