AS DISCIPLINAS ESCOLARES NAS ESCOLAS ELEMENTARES DE MATO GROSSO ( ) RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS DISCIPLINAS ESCOLARES NAS ESCOLAS ELEMENTARES DE MATO GROSSO (1873-1874) RESUMO"

Transcrição

1 3869 AS DISCIPLINAS ESCOLARES NAS ESCOLAS ELEMENTARES DE MATO GROSSO ( ) Paula Regina Moraes Martins 1 Pascoal de Aguiar Gomes 1 Nicanor Palhares Sá 2 Universidade Federal de Mato Grosso RESUMO A presente comunicação é o resultado parcial de pesquisa em andamento: Ler e Escrever: a instrução pública primária e o ensino de primeiras letras no Estado de Mato Grosso ( ), desenvolvida junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso. Este trabalho tem como tema primordial às disciplinas escolares, denominadas nesse período, de matérias ou conteúdos de ensino trabalhados nas escolas elementares. Pretende-se investigar as disciplinas escolares ensinadas na instrução primária na Província de Mato Grosso, no final do Império, a partir da relação entre a legislação em vigor e as práticas escolares. Assim, procurou-se comparar a maneira como estavam organizadas e distribuídas as disciplinas escolares no conjunto de leis com os relatórios dos inspetores da instrução pública. Foi possível perceber como essas disciplinas estavam sendo ensinadas nas escolas. O período escolhido para realizar esse estudo justifica-se por concordar com os argumentos de Sá e Siqueira (2000), segundo os quais, 1870 marca o fim da Guerra da Tríplice Aliança contra o Paraguai e, com isso, o Estado redefine-se econômica, social e politicamente. Logo, essas mudanças certamente refletem no setor educacional. Para alcançar os objetivos propostos, foram consultados e confrontados documentos, que permitiram perceber, quais eram as disciplinas escolares regulamentadas em lei, aplicadas nas escolas elementares de Mato Grosso, e documentos avulsos que relatavam a realidade cotidiana das escolas e o real estado do ensino dessas disciplinas no período escolhido. Esses documentos foram gerados na Província de Mato Grosso entre os anos de 1873 e 1874: o Regulamento Orgânico da Instrução Pública de 1873; o Regimento Interno das Escolas Públicas de Instrução Primária do mesmo ano de 1873; e, por último, o relatório apresentado, à Presidência da Província, pelo Inspetor Geral das Aulas, no ano de 1874, aclarando as condições reais em que se encontrava o ensino público mato-grossense. A partir da leitura desse núcleo empírico, as informações referentes ao arranjo e ensino das disciplinas escolares, bem como dos conteúdos veiculados por cada uma delas, foram comparados entre o que se preconizava e aquilo que era realizado. Os resultados do cotejamento entre o arranjo legal e o formal, são analisados de acordo com os fundamentos teóricos da história cultural, seguindo as trilhas abertas pelos estudos referentes à história das disciplinas escolares, apresentadas por Chervel (1990), que interroga o quanto à sociedade influencia a escola no que concerne à escolha dos conteúdos ensinados. A partir do cotejo entre a disposição legal e a prática referente à forma como as disciplinas escolares foram organizadas no interior do Regulamento, do Regimento, chegando ao Relatório do Inspetor-Geral das Aulas de 1874, observou-se que o discurso dos dirigentes, fortemente presente nos relatórios e também na legislação relativa ao sistema de ensino público mato-grossense, eram prospectivos, pois, estavam além do alcance dos sujeitos escolares daquele período. Isto ocorreu por inúmeros motivos: falta de profissionais capacitados ao magistério e que tivessem domínio do método de ensino regulamentado; escassez de recursos da 1 Alunos do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso, na Área de Concentração: Educação, Cultura e Sociedade, pelo Grupo de Pesquisa Educação e Memória - GEM. 2 Professor Doutor em Educação do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso, na Área de Concentração: Educação, Cultura e Sociedade, pelo Grupo de Pesquisa Educação e Memória - GEM.

2 3870 Província; falta de material e local adequado para realizar as aulas; e, muitas vezes, insuficiência de alunos, fator que dificultava a abertura de novas escolas; foram problemas freqüentemente enfrentados pelos dirigentes provinciais na tarefa de construir o processo de instrução pública. No entanto, verificou-se que a idéia de se ter pelo menos normatizado um sistema de ensino em Mato Grosso, revelou-se como prioridade nas atenções dos Presidentes da Província. Inúmeras tentativas foram feitas, embora, às vezes, insuficientes, pois, em grande parte das ocasiões correspondiam somente a formulações de leis. Contudo, os estudos de Castanha (2005) nos indicam que o aparelho legislativo se revelou num instrumento necessário e eficiente para o processo de construção do sistema educativo público mato-grossense. O descompasso entre as condições oferecidas aos professores e alunos e o conjunto de leis revela o caráter não só antecipatório do discurso dos dirigentes, mas também, as dificuldades que até mesmo os professores, encontravam para realizá-lo, pois, muitas vezes, executavam seu trabalho pedagógico à revelia do corpo legal. TRABALHO COMPLETO A presente comunicação é resultado parcial da pesquisa em andamento: O ensino das primeiras letras em Mato Grosso ( ), desenvolvida junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso. Este trabalho tem como objeto as disciplinas escolares trabalhadas nas escolas elementares. O período escolhido para realizar este estudo justifica-se por concordar com os argumentos de Sá e Siqueira (2000, p. 8-9), segundo os quais, 1870 marca o fim da Guerra da Tríplice Aliança contra o Paraguai e, com isso, o Estado redefine-se econômica, social e politicamente. Logo, essas mudanças certamente refletiram no sistema educacional mato-grossense. Na presente comunicação propôs-se investigar, conhecer e analisar as disciplinas escolares ensinadas na instrução primária na Província de Mato Grosso, no final do Império, a partir da relação entre a legislação em vigor e as práticas escolares. É importante ressaltar que naquele período as disciplinas escolares eram denominadas de matérias ou conteúdos de ensino. De acordo com Chervel (1990, p. 177), no seu uso escolar, o termo disciplina e a expressão disciplina escolar não designaram até o final do século XIX mais do que a vigilância dos estabelecimentos e a coibição dos comportamentos prejudiciais à boa ordem dos alunos. A palavra disciplina, tal como se conhece hoje, é uma criação recente. É só após a 1ª Guerra Mundial que o termo disciplina vai perder a força que o caracterizava até então. Torna-se uma rubrica que classifica as matérias de ensino, fora de qualquer referência às exigências da formação do espírito. Para alcançar os objetivos propostos, foram consultados e confrontados documentos, que permitiram perceber, quais eram as disciplinas escolares, regulamentadas em lei, para serem aplicadas nas escolas elementares de Mato Grosso, e documentos avulsos que relatavam a realidade cotidiana das escolas e as condições em que essas disciplinas eram ensinadas nas escolas. Tais documentos foram elaborados na Província de Mato Grosso nos anos de 1873 e 1874, sendo: o Regulamento Orgânico da Instrução Pública da Província de Mato Grosso aprovado pela Lei Nº. 15 de 4 de julho de criada pelo então governador da Província José de Miranda da Silva Reis; o Regimento Interno das Escolas Públicas de Instrução Primária da Província de Mato Grosso, de 7 de setembro de 1873, organizado pelo Inspetor-Geral das Aulas, Protonotário Apostólico Ernesto Camilo Barreto, que no ano seguinte preparou o relatório assinalando as condições da instrução pública matogrossense à Presidência da Província. Ao escolher tais documentos, consideraram-se os argumentos de Correia e Silva (2004) sobre a utilização da legislação como fonte para o desenvolvimento de pesquisa. Para os autores:

3 3871 Um texto legal pode, em pouco tempo, sofrer transformações bastante significativas (transmutar-se), por alterações em artigos, parágrafos etc., publicadas separadamente. Ao fim de um período, alguns mais parecem um quebra-cabeças sendo difícil de reconhecer se o que foi ordenado no texto inicial permanece ou não em vigor. Há casos também de leis, decretos, ou similares que nunca foram colocados em prática, mas acabam sendo incorporados em reflexões posteriores como emblemáticos [...] (CORREIA e SILVA, 2004, p. 51). Assim, procurou-se eleger entre os documentos para análise, além da legislação (Regulamento e Regimento), o relatório feito pelo Inspetor Geral das Aulas em 1874, um documento em que a realidade cotidiana das escolas é relatada, o que evidencia o ensino das disciplinas escolares. De acordo com Castanha (2005, p. 1) não tem como negar a importância dos relatórios e inspetores de instrução pública para compreender o processo de organização da instrução pública na província de Mato Grosso, enquanto política do Estado. Esses relatórios constituem-se como fontes importantes de pesquisas para os historiadores da educação. Esses relatórios descrevem diversos aspectos da instrução pública, uns de maneira mais aprofundada, outros mais superficiais. Destacam-se os seguintes temas: inspetores paroquiais, criação de escolas, mobílias, funcionamento da escola, matrículas, freqüência, exames, alunos carentes, premiação dos melhores alunos, métodos de ensino, disciplina nas escolas, formação dos professores, concurso, salário, condições de trabalho, currículos, inspeções de escolas, orçamento, ensino secundário, particular, escolas femininas, enfim, são documentos completos e amplos, que oferecem muitas possibilidades de estudos (CASTANHA, 2005, p. 1). A partir da leitura desse núcleo empírico, as informações referentes ao arranjo e ensino das disciplinas escolares, bem como dos conteúdos veiculados por cada uma delas, foram comparados entre o que se preconizava e aquilo que era realizado. Na tentativa de compreender a prática da sala de aula e como as disciplinas escolares estavam sendo ensinadas na prática pedagógica, procurou-se analisar os resultados do cotejo entre o arranjo legal e sua aplicabilidade no cotidiano escolar, de acordo com os fundamentos teóricos da história cultural, seguindo os referenciais teóricos dos estudos referentes à história das disciplinas escolares, apresentadas por Chervel (1990). Recentemente tem-se manifestado uma tendência entre os docentes, em favor de uma história de sua própria disciplina (CHERVEL, 1990, p. 177). De acordo com o autor (1990, p. 184), uma disciplina escolar comporta além das práticas docentes da sala de aula, as grandes finalidades que presidiram sua constituição e o fenômeno de aculturação de massa que ela determina, então a história das disciplinas escolares pode desempenhar um papel importante não somente na história da educação, mas na História Cultural [...]. O crescimento desse novo campo da pesquisa, ligado à história das disciplinas escolares, ocorreu entre 1970 e 1980 devido às transformações curriculares. A escola passou a ser pensada como espaço de produção de saber e não de reprodução de conhecimentos impostos externamente. Nessa nova produção, as disciplinas escolares são objetos importantes das pesquisas referentes às práticas cotidianas. (BITTENCOURT, 2003, p ). Deste modo, é necessário ressaltar que este trabalho possui como alicerce os estudos desenvolvidos sob a perspectiva das disciplinas escolares. Todavia, as expressões como matérias ou

4 3872 conteúdos de ensino serão mantidos, por fazerem parte do cotidiano escolar em estudo naquele momento na Província de Mato Grosso. A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA EDUCACIONAL DE MATO GROSSO NO INÍCIO DE 1870 Antes de realizar a análise dos documentos, buscou-se demonstrar primeiramente como era delicada a situação da Província de Mato Grosso naquele período, justamente por acreditar que alguns fatores e acontecimentos interferiram no processo de construção da instrução pública mato-grossense, e nas decisões e atitudes tomadas pelos dirigentes da província a partir de tais episódios. O processo de construção e organização da instrução pública mato-grossense passou por muitas dificuldades, inúmeras tentativas foram feitas, embora às vezes insuficientes, pois, na maior parte das ocasiões correspondiam somente a formulações de leis. Conforme Castanha (2005, p. 20), essas leis, decretos e regulamentos constituíram-se, ao longo do período, em instrumentos necessários e eficientes para dar um corpo organizacional a esse setor do serviço público. A situação tornou-se delicada, quando em conseqüência da Guerra Tríplice do Paraguai ( ), o território mato-grossense foi invadido pelas tropas inimigas. Conforme Marcílio (1963, p. 71), começam por se desconsertar os negócios públicos à medida que o avanço das forças invasoras se projeta para o interior da região sulina. Em conseqüência da guerra ficam sem exercício vários professores, pois as escolas encerraram suas atividades. Além dos problemas já deflagrados em conseqüência da guerra, a Província de Mato Grosso enfrentou um período de estagnação a partir da década de De acordo com Castanha (2005, p ), isso decorreu, sem dúvidas, devido às dificuldades enfrentadas pela população naquele período. A Guerra do Paraguai, a enchente do rio Cuiabá e a epidemia de varíola foram acontecimentos que marcaram definitivamente a história da Província, em todos os aspectos. Essa conjuntura pode ser confirmada pelo relatório da Inspetoria Geral dos Estudos de 28 de março de 1867, em que Joaquim Gaudie Ley descreveu que as escolas de [...] Corumbá, Albuquerque, Miranda e Santana do Paranaíba não funcionam desde o princípio do ano de 1865, as três primeiras em conseqüência da invasão paraguaia e a última por falecimento do respectivo professor Acontecimentos como esses, tiveram reflexo cruciforme no desenvolvimento da disposição da instrução pública, visto que o Inspetor Geral dos Estudos queixava-se da: [...] devastadora epidemia das bexigas que infelizmente assolou esta Província fez notavelmente sentir seus terríveis efeitos no quadro dos Inspetores dos Estudos, privando-o de bons servidores. [...] Bem sensíveis foram também às perdas que a mesma epidemia causou na classe dos professores. [...] Das 20 cadeiras criadas em toda a Província, quinze somente tiveram exercício no ano passado, sendo 10 no ano todo, e 5 em parte dele (MATO GROSSO, Inspetoria Geral dos Estudos, Relatório, 1869). A situação de atraso que indubitavelmente ficou a Província de Mato Grosso e as preocupações com os reflexos desanimadores destes acontecimentos nos negócios públicos e na instrução estavam estampados nos relatórios de Presidentes e Inspetores de Estudos à Assembléia Legislativa daquele período. Apesar da situação de insegurança econômica, política e social refletir no cenário educacional mato-grossense, era necessário tentar equacionar os problemas enfrentados pela instrução pública.

5 3873 Em 1873, foi criado pelo então Governador da Província José de Miranda da Silva Reis, o Regulamento Orgânico da Instrução Pública da Província de Mato Grosso. Este Regulamento previa, no Capítulo 21 parágrafo 12, a elaboração do Regimento Interno das Escolas Públicas de Instrução Primária da Província de Mato Grosso pelo Inspetor Geral das Aulas, cargo que naquele momento era ocupado pelo Pe. Ernesto Camilo Barreto. De acordo com Castanha (2005, p ) [...] Mato Grosso obteve a partir do Ato Adicional de 1834, o direito de legislar sobre a instrução pública. Esta prerrogativa possibilitou o encaminhamento e produção de alguns regulamentos, leis e decretos que tiveram como fim um ordenamento da instrução.. Dentre todos os regulamentos produzidos, o autor considera como basilar para a consolidação desse processo, a Lei provincial Nº 15, de 4 de julho de 1873, pois apresenta as funções definidas de cada segmento envolvido, bem como os objetivos pedagógicos, administrativos e políticos, além dos mecanismos de controle dos setores que compunham o quadro da instrução pública provincial (CASTANHA, 2005, p. 20). Conforme o Art. 1º do Regulamento Orgânico da Instrução, a instrução pública dividia-se em primária e secundária. Em parágrafo único acrescentou-se que a instrução primária seria dada em escolas de um só grau, para um e outro sexo, devendo essa legislação abranger escolas públicas e privadas. No que concerne à organização e arranjo das disciplinas escolares que deveriam ser ministradas, o capítulo 2º da Instrução Primária Pública - Instrução Elementar, em seu artigo 9º regulamentou que: O ensino primário elementar compor-se-á 1º - De instrução Primária e Religiosa. 2º - De Leitura e Escrita. 3º - De elementos de Gramática da Língua Nacional. 4º - De elementos de Aritmética até proporções. 5º - De generalidades de Geografia e História universal, principalmente na parte referente à Geografia e História do Brasil. 6º - Do estudo do sistema de pesos e medidas do Império. 7º - De trabalhos de agulha, e outros análogos, para o sexo feminino (SÁ e SIQUEIRA, 2000, p. 31). Ao analisar a organização das disciplinas escolares no Regulamento de 1873, é possível notar que, além das disciplinas tidas nesse momento como fundamentais ao ensino primário do século XIX, como é o caso da leitura e da escrita, da aritmética e da instrução religiosa, surgem novas disciplinas escolares como a geografia e a história universal e do Brasil, além do estudo do sistema de pesos e medidas do Império (XAVIER, 2005, p. 41). Em Mato Grosso, segundo Castanha (1999, p. 84): A introdução de novos conteúdos vem demonstrar a preocupação com a construção da soberania Imperial ao valorizar a história e a geografia nacional, bem como ao sistema de pesos e de medidas do Império. A educação estava a serviço da construção do Estado Nacional. Mato Grosso, na década de 1870, acabava de sair de uma guerra, e lutava para tornar irrisórias as conseqüências da Guerra do Paraguai para seu território, desta forma destaca-se a importância da introdução de tais disciplinas, como uma tentativa de reforçar e resguardar as fronteiras de suas terras a partir do ensino.

6 3874 Referente às matérias de ensino, o Regimento Interno das Escolas Públicas de Instrução Primária, de 7 de dezembro de 1873, declarou em seu Art. 1º, que o ensino primário de um e outro sexo, na província de Mato Grosso [...] abrangerá a instrução elementar, literária e religiosa, dadas em escolas públicas de um só grau pelo método simultâneo. O regimento mencionado conta com uma riqueza de detalhes, pois nele é possível notar, além das disciplinas escolares, os conteúdos que deveriam ser trabalhados em cada uma delas. A disposição das oito disciplinas escolares que deveriam ser trabalhadas nas escolas de instrução pública primária, mencionadas no Art. 2º, denominadas naquele ato de seções, foram assim descritas: Leitura, de Escrita, de Aritmética, de Doutrina, de Gramática, de Geografia, de História Universal especialmente na parte relativa ao Brasil, de Estudos de pesos e medidas em uso no Império. (SÁ e SIQUEIRA, 2000). Consta ainda que em concordância com o parágrafo 7º do Art. 9º do Regulamento Orgânico, o Art. 3º do Regimento Interno reza que nas escolas públicas do sexo feminino deveria adicionar mais uma seção sob o título de seção de trabalhos de prendas Diante da riqueza de detalhes referentes às disciplinas e aos conteúdos que deveriam ser trabalhados em cada uma das disciplinas escolares, desde a Leitura até os trabalhos de prendas para o sexo feminino, que constam tanto no Regulamento Orgânico quanto no Regimento Interno, pode-se dizer que são precisos e ideais. Entretanto, quando confrontados aos documentos que relatam o cotidiano escolar nota-se que tais legislações não passaram de pretensões. Tal comparação é importante, pois, enquanto os primeiros regiam sobre o que deveria ser ensinado, o relatório descrevia como e o que era ensinado nas escolas de instrução pública primária. Este último documento, elaborado em 1874, pelo Inspetor Geral dos Estudos, Pe. Ernesto Camilo Barreto, é caracterizado por tamanho volume e minúcias de informações. Siqueira (2000) destaca que o relatório: [...] traçou as diretrizes e os rumos da instrução na província, pois discutiu não somente alguns pontos teóricos como a questão da obrigatoriedade do ensino, do racional aproveitamento do tempo, estabelecendo um novo calendário escolar, mas, descortinou de forma concreta as imperfeições dos estabelecimentos escolares no tocante ao mobiliário, às condições de higiene, revelando, sobretudo, a inexistência de métodos e técnicas de ensino, fatores que, em seu ponto de vista, colaboravam para espantar a população pobre dos estabelecimentos escolares (SIQUEIRA, 2000, p ). Pe. Ernesto Camilo Barreto, evidencia que a falta de informações com que trabalhava, dificultava e atrasava o cumprimento de suas responsabilidades como Inspetor Geral dos Estudos. Para tanto afirmou que: [...] não limitando-se a esta Capital os trabalhos da repartição e o movimento da instrução pública e particular, sem auxílio das informações dos inspetores paroquiais me era impossível preparar o trabalho, que devia oferecer a consideração de V. Exª, até o último dia do ano passado; tanto mais, quanto urgia a necessidade de organizar o Regimento Interno das escolas, a fim de fazêlas entrar no ano seguinte no método estabelecido pelo Regulamento orgânico (MATO GROSSO, Inspetoria Geral dos Estudos, Relatório, 1874).

7 3875 No relatório apresentado ao Presidente da Província, José de Miranda Reis em 1874, o Inspetor mostra-se indignado com a situação do ensino. Seus sentimentos são expressos no início do texto, em que diz: Direi a verdade toda inteira, exporei o enfermo com todas as suas chagas, a fim de que a cura, em vez de proveitosa, não lhe seja nociva. É lamentável, Exm o Sr., o estado deste ramo do serviço público entre nós qualquer que seja o lado pelo qual o encaremos (MATO GROSSO, Inspetoria Geral dos Estudos, Relatório, 1874). Conforme Siqueira (2000), esse trabalho cuidadoso só pode ser realizado pelo Inspetor, em virtude de seus conhecimentos da realidade escolar existente da província, tendo em vista ser ele o autor do primeiro Regimento Interno das Escolas Primárias em Em relação ao ensino dos conteúdos previstos em cada disciplina escolar o relatório do Pe. Ernesto Camillo Barreto é bastante desanimador. O Regulamento e o Regimento de 1873 não mudaram a ordem da aplicabilidade dos conteúdos lingüísticos presentes, no ensino de ler e escrever. afirmou: Um ano após a promulgação do Regimento de 1873, o Inspetor Geral dos Estudos, Não obstante o Regulamento, que reformou as escolas entre nós, elas continuaram a ter na prática o sistema antigo. Limitaram-se à leitura, a escrita, contas e catecismo; mas a uma leitura imperfeita na forma e na compreensão, a uma escrita incorreta, quanto à gramática e ortografia, a papaguear o catecismo sem consciência da beleza moral de seus preceitos, e a simples prática das quatro primeiras operações de aritmética, sem dar a conhecer, ao menos, os usos e aplicações das mesmas operações. Os princípios de gramática, os de história, de geografia, as noções de aritmética, sua prática, até as proporções, e o sistema de pesos e medidas, ainda não passam do preceito regulamentar ao ensino (MATO GROSSO, Inspetoria Geral dos Estudos, Relatório, 1874). Um ano após o acréscimo do número de disciplinas escolares pelo regulamento de 1873, o Pe. Ernesto Camilo Barreto afirma no relatório que tal ampliação não obteve de imediato a aceitação na Província. Diante do desconforto o Inspetor declara Contra este acréscimo nas matérias do ensino, grande celeuma tem levantado os amigos da escola histórica e uma barreira surda se tem pretendido colocar diante da escola do progresso. O posicionamento de Pe Ernesto Camilo Barreto (1874) contrário a essa resistência é claro, ao afirmar que as escolas primárias não deveriam restringir-se ao ensino da leitura, escrita, doutrina e das quatro operações básicas de aritmética, tendo em vista que para ele o progresso estava vinculado aos princípios sedimentares da escola pública moderna. As críticas são ainda mais contundentes quando o Inspetor diz que representar o que é pelo que não é, e vice versa, em matéria de instrução, é prejudicar ao indivíduo a quem se dá, com uma bula falsa, o diploma de capacidade, e a sociedade que o acredita em virtude desse título. Para o Pe. Ernesto Camillo Barreto se o ensino deve ser um sacerdócio, o julgamento de capacidade deve ser uma verdade. A mentira, que nunca foi uma virtude, cumpre que seja banida especialmente da educação e da instrução (MATO GROSSO, Inspetoria Geral dos Estudos, Relatório, 1874). Argumenta ainda, que ao ter aceitado o cargo de Inspetor tratou de percorrer as escolas da Capital a fim de examinar os alunos delas e conhecer o estado de instrução de cada um. Em suas constatações diz que nenhum aluno ou aluna foi encontrado provecto, ainda mesmo nas matérias exigidas pelo antigo Regulamento (Regulamento de 1854). Pelo contrário, a comissão examinadora mandou voltar à 1ª classe de aritmética e doutrina alunos que se diziam de 4ª classe [grifo nosso]. A partir do cotejo entre a disposição legal e a prática referente à forma como as disciplinas escolares foram organizadas pelo Regulamento e Regimento, até a análise do Relatório do Inspetor-Geral

8 3876 das Aulas de 1874, observou-se que o discurso dos dirigentes, fortemente presente nos relatórios e também na legislação relativa ao sistema de ensino público mato-grossense, eram prospectivos, pois, estavam além do alcance dos sujeitos escolares daquele período. Tudo isso ocorreu por inúmeros motivos: o problema da falta de pessoas capacitadas que exercessem o magistério, e que tivessem o domínio do método de ensino regulamentado em lei para que se instruísse a mocidade; a escassez de recursos da Província; a falta de materiais e locais adequados para a realização das aulas; e muitas vezes, a insuficiência de alunos que dificultava a abertura de novas escolas. Tais dificuldades contribuíram para que as leis, decretos e regulamentos, referentes à organização da instrução pública mato-grossense, não se efetivassem de forma concreta. No entanto, não é correto afirmar que no período colonial e imperial a instrução pública não tenha dado seus passos rumo ao processo de consolidação desse serviço do setor público. Verificou-se que a idéia de se ter pelo menos normatizado um sistema de ensino em Mato Grosso ocupou amplo lugar nas atenções dos Presidentes. Os estudos de Castanha (2005) também nos indicam que o aparelho legislativo se revelou como um instrumento necessário e eficiente para o processo de construção do sistema educativo público mato-grossense. O descompasso entre as condições oferecidas aos professores e alunos e o conjunto de leis, revela o caráter não só antecipatório do discurso dos dirigentes, mas também, as dificuldades que até mesmo os professores, encontravam para realizá-lo, pois, muitas vezes, executavam seu trabalho pedagógico à revelia do corpo legal. REFERÊNCIAS ALVES, Gilberto Luiz. Educação e História em Mato Grosso: ed., Campo Grande-MS: Editora UFMS, BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Disciplinas Escolares: História e pesquisa. In: OLIVEIRA, Marcus Aurélio Taborda de.; RANZI, Serlei Maria Fischer. (Orgs.). História das Disciplinas Escolares no Brasil: contribuições para o debate. Bragança Paulista: EDUSF, p CASTANHA, Paulo André. Pedagogia da Moralidade: o Estado e a Organização da Instrução Pública na Província de Mato Grosso ( ). Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, A Organização da Instrução Pública na Província de Mato Grosso ( ). In: SÀ, Nicanor Palhares, SIQUIERA, Elizabeth Madureira, REIS, Rosinete Maria. (Orgs.). Instantes & Memórias da Educação. Cuiabá, MT p (No Prelo). CHARTIER, Roger. A História Cultural: Entre práticas e representações. Lisboa: Difel; Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1990.

9 3877 CHERVEL, André. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Revista Teoria & Educação. Porto Alegre-RS, n. 2, MARCÍLIO, Humberto. História do ensino em Mato Grosso. Cuiabá: Secretaria de Educação, Cultura e Saúde do Estado, MATO GROSSO. Relatório: O Inspetor Geral dos Estudos, Joaquim Gaudie Ley, apresentava relatório ao Presidente da Província, Dr. José Vieira Couto Magalhães. Cuiabá 28 mar APMT Livro n Relatório: O Inspetor Geral dos Estudos, Joaquim Gaudie Ley, apresentava relatório, referente aos anos de 1867 e 1868, ao Presidente da Província, General Barão de Melgaço. Cuiabá 31 jul APMT Caixa Inspetoria Geral dos Estudos. Relatório O Inspetor Geral dos Estudos, Pe. Ernesto Camillo Barreto, apresenta relatório ao Presidente da Província, José de Miranda Reis. Cuiabá 14 abr In:. Governo. Relatório Relatório apresentado pelo Presidente da Província à Assembléia Legislativa Provincial no dia 3 de maio de Cuiabá: Typ. da "Situação" de Souza Neves & C.a, [n.d.]. Anexo 3. Disponível em: APMT Microfilme Relatório: O Inspetor Geral dos Estudos, Pe. Ernesto Camillo Barreto, apresentava relatório ao Presidente da Província, Hermes Ernesto da Fonseca. Cuiabá 13 abr Disponível em APMT Microfilme, rolo OLIVEIRA, Marcus Aurélio Taborda de.; RANZI, Serlei Maria Fischer. (Orgs.). História das Disciplinas Escolares no Brasil: contribuições para o debate. Bragança Paulista: EDUSF, SÁ, Nicanor Palhares.; SIQUEIRA, Elizabeth Madureira. (Orgs.). Leis e Regulamentos da Instrução Pública do Império em Mato Grosso. Campinas: Editores Associados; SBHE; INEP, SÀ, Nicanor Palhares, SIQUIERA, Elizabeth Madureira, REIS, Rosinete Maria. (Orgs.). Instantes & Memórias da Educação. Cuiabá, MT (No Prelo). SIQUEIRA, Elizabeth Madureira. Luzes e Sombras: modernidadee educação pública em Mato Grosso ( ). Tese (Doutorado) Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, Luzes e Sombras: modernidadee educação pública em Mato Grosso ( ). Cuiabá, INEP; COMPED; EDUFMT, 2000.

10 3878 VIDAL, Diana Gonçalves; HILSDORF, Maria Lúcia Spedo. (Orgs.). Brasil 500 Anos: tópicas em história da educação. São Paulo: Edusp, XAVIER, Ana Paula da Silva. A Leitura e a Escrita na Cultura Escolar Primária de Mato Grosso ( ). Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2005.

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG Autor: Gefferson Luiz dos Santos Orientadora: Angela Marta Pereira das Dores Savioli Programa de Pós-Graduação

Leia mais

GD5 História da matemática e Cultura. Palavras-chave: Ensino de Matemática. Escola Normal. Cultura Escolar.

GD5 História da matemática e Cultura. Palavras-chave: Ensino de Matemática. Escola Normal. Cultura Escolar. Curso de Formação de Professores Primários da Escola Normal de Caetité Ba no Período de 1925 a 1940: Análise das Transformações Curriculares do Ensino de Matemática. Márcio Oliveira D Esquivel 1 GD5 História

Leia mais

CULTURA ESCOLAR DICIONÁRIO

CULTURA ESCOLAR DICIONÁRIO CULTURA ESCOLAR Forma como são representados e articulados pelos sujeitos escolares os modos e as categorias escolares de classificação sociais, as dimensões espaço-temporais do fenômeno educativo escolar,

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA BARREIRA ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA BARREIRA ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA BARREIRA ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA Natássia Contrera Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: natassiac@hotmail.com Giseli Bueno Berti Universidade

Leia mais

Deliberação CEE-120, de 20-5-2013

Deliberação CEE-120, de 20-5-2013 44 São Paulo, 123 (94) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I terça-feira, 21 de maio de 2013 Deliberação CEE-120, de 20-5-2013 Dispõe sobre pedidos de reconsideração e recursos referentes aos resultados

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

PROCESSO N. 515/08 PROTOCOLO N.º 5.673.675-1 PARECER N.º 883/08 APROVADO EM 05/12/08 INTERESSADA: SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTES

PROCESSO N. 515/08 PROTOCOLO N.º 5.673.675-1 PARECER N.º 883/08 APROVADO EM 05/12/08 INTERESSADA: SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTES PROCESSO N. 515/08 PROTOCOLO N.º 5.673.675-1 PARECER N.º 883/08 APROVADO EM 05/12/08 CÂMARA DE LEGISLAÇÃO E NORMAS INTERESSADA: SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTES MUNICÍPIO: ITAIPULÂNDIA

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

OS SABERES DOS PROFESSORES

OS SABERES DOS PROFESSORES OS SABERES DOS PROFESSORES Marcos históricos e sociais: Antes mesmo de serem um objeto científico, os saberes dos professores representam um fenômeno social. Em que contexto social nos interessamos por

Leia mais

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Moysés Kuhlmann :A educação da criança pequena também deve ser pensada na perspectiva de

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 Regina Beatriz Bevilacqua Vieira 1 SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 BRASIL/INEP. SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior:

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

Discurso: Avaliação dos resultados das políticas públicas de educação em MT

Discurso: Avaliação dos resultados das políticas públicas de educação em MT Discurso: Avaliação dos resultados das políticas públicas de educação em MT Senhor presidente, Senhores e senhoras senadoras, Amigos que nos acompanham pela agência Senado e redes sociais, Hoje, ocupo

Leia mais

DECRETO nº 53.464 de 21-01-1964

DECRETO nº 53.464 de 21-01-1964 DECRETO nº 53.464 de 21-01-1964 Regulamenta a Lei nº 4.119, de agosto de 1962, que dispõe sobre a Profissão de Psicólogo. O Presidente da República, usando das atribuições que lhe confere o art.87, item

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

1.1 Sobre o I Colóquio

1.1 Sobre o I Colóquio 1.1 Sobre o I Colóquio Em 2004, a CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) recomendou o Programa de Mestrado em Educação do Unisal (Centro Universitário Salesiano de São Paulo),

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

TRABALHO DOCENTE VIRTUAL NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

TRABALHO DOCENTE VIRTUAL NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TRABALHO DOCENTE VIRTUAL NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA É o trabalho educativo desenvolvido pelo docente numa modalidade de ensino na qual os sujeitos envolvidos estabelecem uma relação pedagógica em que a comunicação

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando:

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando: GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Educação e Cultura Conselho Estadual de Educação RESOLUÇÃO Nº 198/2010 REGULAMENTA AS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E O

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO ISSN 2316-7785 PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO RESUMO Karen Rodrigues Copello Universidade Federal de Santa Maria karen_keruso@hotmail.com Debora Silvana Soares Universidade

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. A Faculdade Moraes Júnior Mackenzie Rio FMJ Mackenzie Rio, proporcionará aulas de Nivelamento

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a A FORMAÇÃO CONTINUADA E O CONHECIMENTO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE O TEMA DA INCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS LIMA, Lana Ferreira de UFG GT-15: Educação Especial Introdução

Leia mais

SER PROFESSOR NO BRASIL DO SÉCULO XIX. André Paulo Castanha * - PPG-UFSCar/UNIOESTE

SER PROFESSOR NO BRASIL DO SÉCULO XIX. André Paulo Castanha * - PPG-UFSCar/UNIOESTE SER PROFESSOR NO BRASIL DO SÉCULO XIX André Paulo Castanha * - PPG-UFSCar/UNIOESTE Puro nos costumes, no dever exato Modesto, polido, cheio de bondade, Paciente, pio, firme no caráter, Zeloso, ativo e

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

O PNE (2014-2024) E OS DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO

O PNE (2014-2024) E OS DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO O PNE (2014-2024) E OS DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO Silmara Cássia Barbosa Mélo Universidade Federal da Paraíba silmaracassia2008@hotmail.com Angela Maria Dias Fernandes Universidade Federal da Paraíba

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 Marta Luz Sisson de Castro PUCRS O Banco de Dados Produção do conhecimento na área de Administração da Educação: Periódicos Nacionais 1982-2000

Leia mais

DELIBERAÇÃO N.º 007/99 APROVADO EM 09/04/99

DELIBERAÇÃO N.º 007/99 APROVADO EM 09/04/99 PROCESSO N.º 091/99 DELIBERAÇÃO N.º 007/99 APROVADO EM 09/04/99 CÂMARAS DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO INTERESSADO: SISTEMA ESTADUAL DE ENSINO ESTADO DO PARANÁ ASSUNTO: Normas Gerais para Avaliação do Aproveitamento

Leia mais

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES Marcos Aurélio Alves e Silva- UFPE/CAA Alcicleide Ramos da Silva- UFPE/CAA Jucélia Silva Santana- UFPE/CAA Edelweis José Tavares Barbosa- UFPE/CAA

Leia mais

Yahoo Grupos e Educação Matemática. Meios Computacionais no Ensino da Matemática. Professor: Dr. Jaime Carvalho e Silva

Yahoo Grupos e Educação Matemática. Meios Computacionais no Ensino da Matemática. Professor: Dr. Jaime Carvalho e Silva Yahoo Grupos e Educação Matemática Meios Computacionais no Ensino da Matemática Professor: Dr. Jaime Carvalho e Silva Débora Naiure Araujo Costa Mestrado em Ensino da Matemática 2012-2013 Introdução Vendo

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Celso João Ferretti: o processo de desintegração da educação atingiu em menor escala as escolas técnicas.

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

OS CANAIS DE PARTICIPAÇÃO NA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO PÓS LDB 9394/96: COLEGIADO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

OS CANAIS DE PARTICIPAÇÃO NA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO PÓS LDB 9394/96: COLEGIADO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO 1 OS CANAIS DE PARTICIPAÇÃO NA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO PÓS LDB 9394/96: COLEGIADO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Leordina Ferreira Tristão Pedagogia UFU littledinap@yahoo.com.br Co

Leia mais

Dispõe sobre a oferta de cursos de pós-graduação lato sensu pela Universidade Federal do Pará

Dispõe sobre a oferta de cursos de pós-graduação lato sensu pela Universidade Federal do Pará Dispõe sobre a oferta de cursos de pós-graduação lato sensu pela Universidade Federal do Pará O REITOR DA, no uso das atribuições que lhe conferem o Estatuto e o Regimento Geral, obedecidas a legislação

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087

PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087 PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087 Consulta oriunda da Gerência da Educação Básica da FIEMG com pedido de orientações de ordem prática para cumprimento da Lei Federal nº 11.114,

Leia mais

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA O Fórum das universidades públicas participantes do PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA vem, por meio desta, defender

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 John Locke (1632-1704) Biografia Estudou na Westminster School; Na Universidade de Oxford obteve o diploma de médico; Entre 1675 e 1679 esteve na França onde estudou Descartes (1596-1650); Na Holanda escreveu

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 0 ÍNDICE NATUREZA E FINALIDADE 2 COORDENAÇÃO DOS CURSOS 2 COORDENAÇÃO DIDÁTICA 2 COORDENADOR DE CURSO 2 ADMISSÃO AOS CURSOS 3 NÚMERO

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 95/2011 Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento de Educação Especial, por meio do Programa INCLUI, instituído pelo Decreto nº 51.778, de 14 de setembro de 2010, e dá outras providências.

Leia mais

Núcleo de Informática Aplicada à Educação Universidade Estadual de Campinas

Núcleo de Informática Aplicada à Educação Universidade Estadual de Campinas Núcleo de Informática Aplicada à Educação Universidade Estadual de Campinas Resumo Tradicionalmente os alunos ingressantes no bacharelado de Ciência da Computação da UNICAMP aprendem a programar utilizando

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT.

RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT. RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT. Fixa normas complementares, para o Sistema Estadual de Ensino, à lmplementação das Diretrizes Curriculares para a Formação de Professores da Educação Infantil e dos anos iniciais

Leia mais

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1 1 O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA Élcio Aloisio FRAGOSO 1 Resumo O novo acordo ortográfico já rendeu uma série de discussões sob pontos de vistas bem distintos. O acordo

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE ESTUDANTES PÚBLICO ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ENSINO SUPERIOR

CARACTERIZAÇÃO DE ESTUDANTES PÚBLICO ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ENSINO SUPERIOR CARACTERIZAÇÃO DE ESTUDANTES PÚBLICO ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ENSINO SUPERIOR JOSILENE APARECIDA SARTORI ZAMPAR 1 TÂNIA MARIA SANTANA DE ROSE 2 Universidade Federal de São Carlos UFSCar INTRODUÇÃO

Leia mais

O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo

O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo 2010 Parece, a muitos de nós, que apenas, ou principalmente, o construtivismo seja a ideia dominante na Educação Básica, hoje. Penso, ao contrário, que, sempre

Leia mais

Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon

Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon Tempo e psicologia: a concepção de desenvolvimento na teoria de Wallon Soraya Vieira SANTOS; Marília Gouvea de MIRANDA (PPGE/FE/UFG) soraya_vieira@hotmail.com marília.ppge@uol.com.br Palavras-chave: Wallon;

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção para a Salvaguarda do patrimônio Cultural Imaterial Assunto: Proteção do Patrimônio Cultural Imaterial Decreto: 5208 Entrada

Leia mais

ELEMENTOS HISTÓRICOS DO ENSINO SECUNDÁRIO DA MATEMÁTICA NO CONTEXTO DA PROVÍNCIA DE MATO GROSSO (1831-1859)

ELEMENTOS HISTÓRICOS DO ENSINO SECUNDÁRIO DA MATEMÁTICA NO CONTEXTO DA PROVÍNCIA DE MATO GROSSO (1831-1859) ELEMENTOS HISTÓRICOS DO ENSINO SECUNDÁRIO DA MATEMÁTICA NO CONTEXTO DA PROVÍNCIA DE MATO GROSSO (1831-1859) Kátia Guerchi Gonzales 1 Universidade Federal de Mato Grosso do Sul kguerchi@yahoo.com.br Luiz

Leia mais

CONCEPÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA MANTIDAS POR ESTUDANTES DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP DE MARÍLIA 1

CONCEPÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA MANTIDAS POR ESTUDANTES DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP DE MARÍLIA 1 CONCEPÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA MANTIDAS POR ESTUDANTES DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP DE MARÍLIA 1 Carla Cristina MARINHO 2. Sadao OMOTE 3. Faculdade de Filosofia e Ciências,

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1.

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ÂMBITO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL Régis Henrique dos Reis Silva UFG e UNICAMP regishsilva@bol.com.br 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem como objeto de análise o processo de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre a oferta de cursos de pósgraduação lato sensu

Leia mais

Índice. 1. A educação e a teoria do capital humano...3. Grupo 7.2 - Módulo 7

Índice. 1. A educação e a teoria do capital humano...3. Grupo 7.2 - Módulo 7 GRUPO 7.2 MÓDULO 7 Índice 1. A educação e a teoria do capital humano...3 2 1. A EDUCAÇÃO E A TEORIA DO CAPITAL HUMANO Para Becker (1993), quando se emprega o termo capital, em geral, o associa à ideia

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 19/2007

RESOLUÇÃO CONSEPE 19/2007 RESOLUÇÃO CONSEPE 19/2007 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO, DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, MODALIDADE LICENCIATURA DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Vice-Reitor

Leia mais

Faculdade de Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação RESUMO EXPANDIDO DO PROJETO DE PESQUISA

Faculdade de Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação RESUMO EXPANDIDO DO PROJETO DE PESQUISA RESUMO EXPANDIDO DO PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: TRABALHO DOCENTE NO ESTADO DE SÃO PAULO: ANÁLISE DA JORNADA DE TRABALHO E SALÁRIOS DOS PROFESSORES DA REDE PÚBLICA PAULISTA RESUMO O cenário atual do trabalho

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

Regulamento de 1890 e Provas de Concurso para Professores do Ensino Primário no Estado de Sergipe

Regulamento de 1890 e Provas de Concurso para Professores do Ensino Primário no Estado de Sergipe Regulamento de 1890 e Provas de Concurso para Professores do Ensino Primário no Estado de Sergipe Heloísa Helena Silva 1 Wilma Fernandes Rocha 2 RESUMO No presente artigo apresentamos o exame do Decreto

Leia mais

Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada

Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada Art. 1º Os Cursos ofertados pela Diretoria de Educação Continuada da Universidade Nove de Julho UNINOVE regem-se pela legislação vigente, pelo

Leia mais

Portaria nº 69, de 30/06/2005

Portaria nº 69, de 30/06/2005 Câmara dos Deputados Centro de Documentação e Informação - Legislação Informatizada Portaria nº 69, de 30/06/2005 O PRIMEIRO-SECRETÁRIO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU (Regimento aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fiocruz em 28/08/2008) 1. Dos Objetivos 1.1. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) oferece programas de pós-graduação

Leia mais

TÍTULO DA FUTURA MONOGRAFIA: SUBTÍTULO, SE HOUVER.

TÍTULO DA FUTURA MONOGRAFIA: SUBTÍTULO, SE HOUVER. 1 UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE HUMANIDADES E DIREITO CURSO DE DIREITO NOME DO AUTOR TÍTULO DA FUTURA MONOGRAFIA: SUBTÍTULO, SE HOUVER. SÃO BERNARDO DO CAMPO 2014 2 NOME DO AUTOR TÍTULO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE ALMEIDA 1, Leonardo Rodrigues de SOUSA 2, Raniere Lima Menezes de PEREIRA

Leia mais

A CITOLOGIA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES

A CITOLOGIA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES A CITOLOGIA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES Tailene Kommling Behling(Acadêmica de Licenciatura em Ciências Biológicas Universidade Católica de Pelotas/UCPEL Bolsista PRONECIM) Viviane Barneche Fonseca

Leia mais

Políticas de Educação a Distância

Políticas de Educação a Distância Políticas de Educação a Distância Prof. Fernando Jose Spanhol Prof. Fernando Jose Spanhol LED/UFSC/ABED- Avaliador SESU-INEP-CEE/SC A Evolução da Legislação 1930 - Criação do Ministério dos Negócios e

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º - As atividades dos Cursos de Pós-Graduação abrangem estudos e trabalhos de formação

Leia mais

ORATÓRIA ATUAL: desmistificando a idéia de arte

ORATÓRIA ATUAL: desmistificando a idéia de arte ORATÓRIA ATUAL: desmistificando a idéia de arte Autora: ADRIJANE ALVES DE AMORIM Introdução Estabelecer objetivamente a medida de um bom orador não é tarefa fácil. Para muitos, falar bem guarda a ideia

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

Este artigo é uma breve resenha da tese de mestrado em economia de Albernaz,

Este artigo é uma breve resenha da tese de mestrado em economia de Albernaz, AMELHORIA DA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: UM DESAFIO PARA O SÉCULO XXI Introdução ANGELA ALBERNAZ* Este artigo é uma breve resenha da tese de mestrado em economia de Albernaz, 2002, 1 cujo objetivo

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Resolução CME n 20/2012 Comissão de Ensino Fundamental Comissão de Legislação e Normas organização Define normas para a dos três Anos Iniciais do Ensino Fundamental das Escolas

Leia mais

O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO

O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO Elisa Machado Matheussi elisa@rla01.pucpr.br Sirley Terezinha Filipak sirley@rla01.pucpr.br Pontifícia Universidade Católica do Paraná RESUMO Este estudo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA No. 01/2013 DE 21 DE MAIO DE 2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA No. 01/2013 DE 21 DE MAIO DE 2013 Programa aprovado pelo Conselho Superior de Ensino e Pesquisa da UFPA Resolução 2545/98. Reconhecido nos termos das Portarias N. 84 de 22.12.94 da Presidente da Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento

Leia mais

ISSN 2316-7785 UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A APRENDIZAGEM GEOMÉTRICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

ISSN 2316-7785 UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A APRENDIZAGEM GEOMÉTRICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A APRENDIZAGEM GEOMÉTRICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Tawana Telles Batista Santos Instituto Federal do Norte de Minas Gerais Campus Salinas tawanatelles@yahoo.com.br

Leia mais

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 RESOLUÇÃO Nº.06/2008 Dispõe sobre a Normatização do Programa. de Cursos de Pós-Graduação Lato

Leia mais

A Necessidade de Realizar a Avaliação de Desempenho dos Recursos Humanos: O Ponto de Concórdia

A Necessidade de Realizar a Avaliação de Desempenho dos Recursos Humanos: O Ponto de Concórdia A Necessidade de Realizar a Avaliação de Desempenho dos Recursos Humanos: O Ponto de Concórdia Alexandre Pires DREAlentejo "Aprender sem pensar é tempo perdido." Confúcio A avaliação é-nos familiar a todos.

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

PROJETO DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL N.º, DE 2011 (Da Sra. Rosinha da Adefal)

PROJETO DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL N.º, DE 2011 (Da Sra. Rosinha da Adefal) PROJETO DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL N.º, DE 2011 (Da Sra. Rosinha da Adefal) Altera o art. 6º da Constituição Federal para incluir o direito à Acessibilidade entre os direitos e garantias fundamentais

Leia mais

NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS

NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS NOSSA ESCOLA... 29 ANOS DE TRADIÇÃO E QUALIDADE, FAZENDO HISTÓRIA NO PRESENTE E NO FUTURO!!! Do Maternal I ao 5º ano SERVIÇOS E CURSOS QUE OFERECEMOS EDUCAÇÃO INFANTIL Maternal I ao jardim II Faixa etária:

Leia mais