Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas"

Transcrição

1 ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas TOPOLOGIA DE REDES FIBRA ÓPTICA E WIRELESS José Vitor Nogueira Santos FT11 Ficha de trabalho nº 1 Mealhada, 2009

2 II

3 A luz passa através de um cabo de fibra óptica dos seguintes modos: O sinal luminoso é transmitido para a fibra óptica sob a forma de pulso '0'/'1' representando uma sequência de símbolos binários. As ondas passam através do núcleo do cabo, cobertas por uma camada chamada cladding (ver figuras 4.1 e 4.2). Fig Visão longitudinal do cabo de fibra óptica. A refracção do sinal é cuidadosamente controlada pelo desenho do cabo, os receptores e os transmissores. O sinal luminoso não pode escapar do cabo óptico porque o índice de refracção no núcleo é superior ao índice de refracção do cladding. Deste modo, a luz viaja através do cabo num caminho todo ele espelhado. Fig Visão transversal do cabo de fibra óptica A fonte emissora da luz é usualmente um laser ou um LED. Os lasers proporcionam para uma grande largura de banda, um rendimento da capacidade que é significativamente maior do que outros métodos. Por exemplo, um cabo de dois fios tem um parâmetro de distância de largura de banda de 1Mhz/Km, um cabo coaxial tem 20 Mhz/Km, e a fibra óptica tem 400 Mhz/Km. O sinal é emitido a partir de microchips compostos por materiais semicondutores que transmitem III

4 sinais com comprimentos de onda perto dos infra-vermelhos. Os detectores de luz de silica são usados para receber os sinais e converter os raios luminosos nos pulsos eléctricos '0'/'1' originais que são usados no terminal, computador ou modem. Há vários métodos para transmitir os raios luminosos através da fibra. Na fibra step index multimode, o núcleo e a cladding estão claramente definidos. Os raios de luz refletem no cladding em vários angulos, resultando em comprimentos de caminhos diferentes para o sinal. Isto causa o espalhamento do sinal ao longo da fibra e limita o step index do cabo para aproximadamente 35 Mhz/Km. Este fenómemo é chamado dispersão modal. Fig Step Index Multimode. Num desenvolvimento melhor, chamado graded index multimode, o interface núcleo/cladding é alterado para proporcionar índices de refracção diferentes dentro do núcleo e do cladding (ver figura 4.4). Os raios de luz viajam no eixo do cabo encontrando uma grande refracção, sendo a sua velocidade de transmissão baixa. Os raios que viajam na direcção do cabo tem um índice de refracção menor e são propagados mais rapidamente. O objectivo é ter todos os modos do sinal à mesma velocidade no cabo de modo a reduzir a dispersão modal. Este desenvolvimento pode resultar em larguras de banda até 500 Mhz/Km. IV

5 Fig Graded Index Multimode. A fibra step index single mode vai um passo à frente (ver figura 4.5), o tamanho do núcleo, 8 micrómetros (µm) de diâmetro, e o índice núcleo/cladding permite que apenas um modo seja propagado através da fibra. Este desenvolvimento fornece uma grande largura de banda e vem na senda do desenvolvimento de lasers de modo simples. Fig Step Index Signal Mode. A transmissão óptica está também sujeita à dispersão espectral ou cromática. A luz que passa na fibra é feita de diferentes frequências e comprimentos de onda. O índice de refracção difere para cada comprimento de onda e permite às ondas viajarem a diferentes velocidades. Os LEDs, que possuem um grande espalhamento de comprimento de onda, estão sujeitos a uma dispersão de espectro considerável. Os lasers exibem uma luz quase monocromática (número limitado de comprimentos de onda) e não sofre qualquer dispersão cromática significativa. Os comprimentos de onda de sinais ópticos próximos de 1.33 µm viajam todos mais ou menos á mesma velocidade. De qualquer forma, os comprimentos de onda mais curtos resultam na parte vermelha da luz viajando ligeiramente mais rápidos que a parte 'azul' da luz. O efeito oposto é encontrado em comprimentos de onda maiores que 1.33 µm. A perca de sinal óptico pode também ocorrer. O próprio cabo também absorve e espalha luz devido às impurezas que poderão ter sido introduzidas durante o seu fabrico. O comprimento de onda óptimo, que evita a dispersão cromática é 1.33 µm; para evitar perca óptica é preferível um comprimento de onda de 1.55 µm. Um laser 'completamente' monocromático (a 1.33 µm) resolveria o problema, mas um laser tecnicamente realizável e economicamente viável exibe sempre alguma velocidade no comprimento de onda. V

6 As fibras ópticas consistem em pequenos fios de vidro ou material tipo vidro que podem carregar luz da fonte até ao destino. As fontes luminosas usadas são LEDs (Light Emitting Diodes) ou LDs (Laser Diodes). Os dados a serem transmitidos são modulados num feixe de luz usando técnicas de modulação da frequência. Os sinais podem depois ser tratados no receptor por um pin FET (Field Effect Transistor) e um demodulador. A largura de banda do meio é potencialmente muito alta (até 5 Ghz) e tende a ser limitada pela taxa de modulação máxima da fonte luminosa. Para os LEDs estas taxas variam entre 20 e 150 Mbps e taxas mais altas são possíveis usando LDs. A tecnologia está-se a desenvolver continuamente e não sabemos com precisão até onde poderá chegar. Os maiores problemas com as fibras ópticas estão associados com a sua instalação tendo no entanto melhorado bastante nos últimos anos. Os cabos de fibra óptica são muito frágeis e podem precisar de blindagem para torná-los suficientemente robustos de modo a poderem suportar os ambientes de trabalho. Este problema está a tentar ser resolvido através do uso de plástico ou fibra de vidro/plástico. Ligar duas fibras ou uma fonte de luz a uma fibra é um processo difícil. Fibras mais grossas fazem este processo facilmente, mas isto tende a ter uma maior atenuação de sinal e uma mais pequena largura de banda. Equipamento especial é usualmente necessário para alinhar as fibras antes de as juntar. VI

7 Se os nodos numa LAN estão conectados numa configuração anel em fibra óptica e um nodo avaria, deve ser desviado. Em sistemas usando o cobre isto pode ser feito usando um simples e barato engenho de permuta. Os permutadores de desvios em fibra óptica estão ainda sob desenvolvimento e são muito caros. Lei de Snell é a lei pela qual os feixes de luz incidentes e refractados, e o normal à superfície, num ponto de incidência se encontram no mesmo plano, e a razão entre os senos dos ângulos de incidência e a refracção é uma constante para esses meios. Nos tempos que ocorrem, a fibra óptica está a ser muito utilizada, como exemplo disso, são: no nosso trabalho, nos automóveis, na engenharia civil, na medicina, nas telecomunicações, em todo o mundo utiliza-se a fibra óptica. O uso de fibras ópticas em aplicações médicas tem evoluído bastante desde as aplicações pioneiras do Fiberscope, onde um feixe de fibras de vidro servia basicamente para iluminar e observar órgão no interior do corpo humano. Hoje em dia, tem-se uma variedade de aplicações de sistemas sensores com fibras ópticas em diagnóstico e cirurgia. Inseridos através de cateteres ou subcutaneamente, sensores de fibras ópticas miniaturizados permitem monitorar funções biológicas internas dos pacientes. Estes sensores, que podem permanecer aplicados no paciente durante um longo tempo, permitem testar e acompanhar processos biológicos em tempo real, de vital importância, por exemplo, em cirurgias. Dentre os sistemas sensores com fibras ópticas em aplicações médicas podem ser destacados os seguintes: 1. Sensores de temperatura: têm sido utilizados, por exemplo, em terapia hipertérmica radiológica de tumores cancerígenos, onde as qualidades de imunidade electromagnética das fibras ópticas são únicas, face à radiação VII

8 de microondas da fonte de calor utilizada. A faixa de actuação típica dos sensores de temperatura para aplicações médicas é de 0 a 100ºC e com precisão de 0,01ºC; 2. Sensores de pressão: utilizados para monitorar a pressão intracraniana, cardiovascular, uretral ou rectal. A faixa de actuação é de 0 a 300mm de mercúrio com precisão de 0,5%; 3. Sensores magnéticos: permitem obter o mapeamento dos campos magnéticos gerados pelo cérebro, útil no tratamento de ataques de epilepsia; 4. Sensores de ph: utilizados para monitorar o nível de oxigénio do sangue, permitindo, por exemplo, acompanhar o comportamento de feto numa cirurgia cesariana. Actua tipicamente numa faixa de ph entre 7 e 7,4 com precisão de 0,001, sendo que o nível de asfixia é indicado por ph 7,2. A figura ilustra este tipo de sensor. Sensor de ph com fibras ópticas para monitorização de nível de oxigénio no sangue. 5. Sensores de vazão: utilizados para monitorar a vazão sanguínea em aspersões para diagnósticos em cirurgias vasculares ou plásticas, para monitorar o sistema de circulação ou para avaliar grau de queimaduras com precisão e presteza. Além dos sensores acima descritos, as fibras ópticas têm sido utilizadas como instrumentos cirúrgicos (cateteres), por exemplo, monitorizando e controlando com precisão a limpeza de artérias cardiovasculares ou a destruição de tumores. As aplicações médicas de fibras ópticas podem ainda incluir redes de comunicações locais em grandes hospitais ou redes de distribuição de recursos concentrados num hospital especialista para assistência de médicos em localidades remotas. As fibras ópticas suportam transferências de dados de alta velocidade e comunicações visuais utilizadas para monitorização remota de pacientes ou equipamentos, na consulta às informações sintomáticas especializadas ou ainda em procedimentos cirúrgicos. Interferências electromagnéticas dos equipamentos hospitalares de alta tensão (por exemplo, raio-x) são evitadas com o uso de fibras ópticas. Uma característica importante que torna a fibra óptica indispensável em muitas aplicações é o facto de não ser susceptível à interferência electromagnética, pela razão de que não transmite pulsos eléctricos, como ocorre com outros meios de transmissão que empregam os fios metálicos, como o cobre. Para o VIII

9 desenvolvimento das estruturas ópticas e das suas aplicações muito tem contribuído a engenharia óptica, este contributo veio permitir desenvolver cada vez mais os cabos ópticos, cabos estes que tem cada vez mais dimensões reduzidas. Com o contributo da engenharia óptica, a fibra óptica aplica-se cada vez mais em outras áreas que não a comunicação, uma das áreas onde se tem aplicado cada vez mais a fibra óptica e a medicina. Por ser flexível, a fibra óptica pode ser empregada também em instrumentos médicos que precisam penetrar o organismo, como endoscópios. Nesse sistema, uma fibra penetra numa veia do braço de um paciente e, seguindo um complicado percurso, chega ao coração e a outros órgãos. Assim é possível que os médicos analisem o paciente "por dentro", possibilitando maior precisão em seu diagnóstico. Sistemas com fibras ópticas vêm sendo bastante utilizados já há algum tempo, por exemplo, para guiar a luz nos mostradores de painel dos automóveis. Entretanto, com a introdução dos sistemas de controlo do motor e da transmissão, pilotados por microcomputador de bordo (microprocessadores), as fibras ópticas ganharam um novo e mais importante papel na indústria automobilística. Com suas qualidades de tamanho e peso reduzidos, isolação eléctrica e completa imunidade sobre interferências electromagnéticas, as fibras ópticas podem substituir, vantajosamente, os fios metálicos como meio de transmissão na supervisão e controle principalmente: Do funcionamento do motor e da transmissão 9potência do motor, consumo de combustível, regulagem automática de suspensão, etc.); Das facilidades associadas aos acessórios (aquecimento e refrigeração de ar, controle das janelas e portas, controle dos bancos etc.). A tecnologia de fibras ópticas para este tipo de aplicação é obviamente distinta daquela usada nos sistemas de comunicações. Em geral, núcleo e casca de plástico que têm dimensões e perdas maiores, mas implicam uma relação custodesempenho mas favorável a este tipo de aplicação em distâncias muito curtas. Um outro requisito importante é que os conectores e dispositivos sejam robustos, duráveis e resistentes à corrosão e vibração. IX

10 Em telecomunicações, as fibras ópticas são úteis porque não conduzem electricidade, evitando interferências indesejáveis, sendo assim elas estão a tomar lugar dos cabos de cobre. Essa maior eficiência e a grande capacidade de transmissão tornam a fibra óptica ideal para sistemas telefónicos, ou para a transmissão de dados entre computadores (isso ocorre pois nas fibras ópticas a atenuação não aumenta com a frequência, algo que ocorre com os cabos de cobre, portanto este meio é capaz de transmitir altas taxas de transmissão por longas distâncias). A maioria da indústria televisiva é baseada em sinais analógicos e foram investidos muitos milhões de euros em infra-estruturas analógicas. Assim o desafio de passar dessas infra-estruturas para infra-estruturas digitais, o que se torna complicado, dispendioso e que leva muito tempo, mas que garante com certeza uma melhor televisão. A passagem para digital veio oferecer uma grande variedade de entretenimento e satisfação, assim isto também possibilita o aparecimento de novas tecnologias o que faz com que a concorrência dentro do mundo da televisão aumente. Sendo assim, o serviço de IPTV terá de oferecer soluções adaptadas à realidade e suficientemente atractivas para que consiga ser um concorrente à altura dos serviços de transmissão televisiva já existentes. Um dos desafios bem recentes no serviço de IPTV é garantir uma largura de banda que seja suficientemente larga para cobrir todos os serviços e todas as funcionalidades disponíveis. Presentemente assiste-se à instalação de fibra óptica nalgumas zonas do País, vindo desta forma aumentar a largura de banda disponível e tornar este serviço mais capaz. Espera-se que nos próximos anos o serviço de IPTV venha a dominar o mercado de entretenimento, pois este possui atributos suficientes para singrar neste mercado. X

11 As aplicações industriais de sistemas sensores com fibras ópticas incluem principalmente os sistemas de telemetria e supervisão em controlo de processos. Estes sistemas envolvem instrumentos de medida e controle onde a sensibilidade, a resistência a ambientes hostis e a compacticidade são requisitos essenciais. Em fábricas com operação intensiva de máquinas e dispositivos eléctricos, em ambientes fortemente corrosivos ou explosivos (refinarias petroquímicas etc.), a confiabilidade do sistema de controlo distribuído é função, fundamentalmente, do tipo de meio de transmissão utilizado. As fibras ópticas têm constituído então uma alternativa bastante adequada aos sistemas de controlo de processos em ambientes industriais, não apenas como meio de transmissão alternativo aos cabos metálicos, na realização dos próprios elementos sensores. Numa primeira fase, o uso de fibras ópticas em sistemas de telemetria e supervisão de controlo de processos pode se restringir à simples substituição dos cabos metálicos que formam o meio de transmissão. Consegue-se, desse modo, aumentar a confiabilidade do sistema, melhorando-se as condições de transmissão dos sinais de dados e de controlo. Entretanto, numa segunda fase, as fibras ópticas permitem conceber-se uma solução global para o sistema, incluindo não apenas os enlaces de transmissão, mas os próprios elementos sensores, acoplados directamente ao meio de transmissão. Elimina-se, assim, a necessidade de conjuntos sensores / transdutores eléctricos, vulneráveis às interferências e anomalias eléctricas. Sistemas de telemetria, supervisão e controle em aviões, navios, diversos processos de manufactura são os principais candidatos ao uso desta tecnologia. Os tipos de sensores com fibras ópticas incluem a maior parte dos parâmetros medidos em ambientes industriais, dentre os quais destacam-se os seguintes: Temperatura: baseados em vários mecanismos de sensoreamento e operando em diferentes faixas de temperatura, são utilizados, por exemplo, para monitorar turbinas a gás, fornos industrias, processos de fabricação de semicondutores (deposição epitaxial) ou células electroquímicas em ambiente carregado de ruído eléctrico, de hidrogénio explosivo e gases ou líquidos corrosivos. Atingem temperaturas típicas de 400 a 500ºC, podendo, em casos especiais, operar na faixa de 300 a 2000ºC. Têm sensibilidade típica da ordem de 0,1ºC, mas podem, em casos especiais, detectar variações de temperatura da ordem de 0,000001ºC. Além disso, podem ser projectados para responderem a variações com frequência muitas vezes superior àquelas medidas por outras tecnologias de sensores. A figura ilustra um tipo de sensor de temperatura com fibra óptica utilizando uma lâmina bimetálica. XI

12 Pressão: também podendo ser construídos segundo diversas técnicas, são utilizados tipicamente, para medição de pressão em áreas críticas, tais como poços de petróleo e navios petroleiros. Têm precisão típica da ordem de 0,5% e funcionamento conforme ilustrado na figura. Nível de líquidos: são baseados principalmente na variação de índice de refracção e podem ser do tipo medida de nível discreto (presença ou não de líquido) ou contínua. A faixa de actuação do tipo discreto, ilustrado na figura, depende do número de sensores imersos no líquido e tem uma precisão da ordem de ±0,05mm, enquanto os de medida contínua alcançam vários metros com uma precisão de ±1mm. São utilizados, por exemplo, para monitorar vazamento de óleo em oleodutos. Vazão de líquidos: baseiam-se em várias técnicas, dentre as quais a do velocímetro Doppler a laser, e oferecem possibilidades de medidas de vazão em lugares inacessíveis ou hostis, sem perturbar o fluxo do líquido. Actuam em várias faixas entre 10-6 m/s e 10 5 m/s com uma precisão de ±1%. A figura mostra um tipo de sensor para vazão de líquidos em ductos. Posição ou rotação: podem ser utilizados para medir deslocamentos com uma precisão típica da ordem de ±0,003cm numa faixa linear de 0 a 15cm, ou ainda para medir rotações entre 0 e 40º com precisão de ±0,04º. A figura mostra uma das técnicas utilizadas para a medida de deslocamentos. Aceleração ou vibração: têm sido usados especialmente em sistemas de navegação, perfuração de poços de petróleo e detecção de perturbações sísmicas. Os sensores do tipo modulação em intensidade têm uma faixa típica de actuação entre 0,01 a 32g com uma precisão de ±0,1%. Poluição: usados para detecção de poluentes no ar ou em líquidos. Têm faixa de actuação típica de 15 a mais de 1000ppm com precisão da ordem de ±5%. A figura ilustra o princípio de funcionamento deste tipo de sensor para a detecção de fumaça. Giroscópios: oferecem vantagens com relação aos XII

13 dispositivos convencionais por não possuírem partes móveis, além do pequeno peso e longa vida útil. As suas aplicações incluem brocas de perfuração de poços, sistemas de referências em robôs, sistemas de navegação e assentos ejectáveis em aeronaves. Fadiga: uma variante interessante baseada nos princípios de medição de pressão com fibras ópticas é a dos sensores de fadiga (stress) em materiais compostos, utilizados, principalmente, na fabricação de helicópteros, aviões e outras estruturas aeroespaciais. Sensores com fibras ópticas implantados durante a fabricação do material composto provêm "estruturas inteligentes" com capacidade de monitorar sua própria fadiga. As aplicações militares de fibras ópticas incluem, desde sistemas de comunicações de voz e dados a baixa velocidade, onde as fibras ópticas simplesmente substituem suportes metálicos convencionais, até aplicações específicas envolvendo sistemas de navegação e controle de mísseis ou torpedos guiados por cabo. Os sistemas sensores com fibras ópticas também encontram uma boa gama de aplicações militares em navios e aeronaves de um modo em geral, ou em aplicações específicas, por exemplo, de defesa submarina. Comunicações Uma das aplicações militares pioneira no uso da tecnologia de fibras ópticas consiste na simples substituição de suportes de transmissão metálicos nos sistemas de comunicação de voz e dados de baixa velocidade em instalações militares. Além de um melhor desempenho em termos de alcance, banda passante e imunidade ao ruído, as fibras ópticas oferecem a esses sistemas vantagens exclusivas. Por exemplo, a informação transportada pela fibra óptica é dificilmente violada ao longo do sistema de transmissão, em razão da característica de isolação electromagnética e pelas facilidades de localização de derivações de potência óptica ao longo do cabo, garantindo assim um alto grau de privacidade na transmissão de dados "sensíveis" o meio de transmissão pode percorrer sem riscos lugares de armazenamento de combustíveis ou explosivos; o reduzido volume e peso dos cabos ópticos provêm importantes facilidades operacionais no transporte e instalação dos sistemas. Esta última qualidade das fibras ópticas é particularmente vantajosa em sistemas tácticos de comando e comunicações, permanentes ou móveis, interligando armamentos sofisticados e unidades militares dispersas. As conexões remotas entre um radar e a estação de processamento de sinais podem, por exemplo, ser mais longas garantindo maior segurança ao pessoal de operação. A aplicação de fibras ópticas em sistemas de comunicações militares a longa distância, além das motivações básicas das aplicações civis (maior alcance e XIII

14 capacidade de transmissão), busca usufruir das suas qualidades operacionais e de segurança. Por exemplo, nos EUA um enlace óptico 147km suporta o sistema primário de comunicações para controlo e testes de mísseis MX e na Coreia do Sul foi construída uma rede de comunicações tácticas com 667km de cabos ópticos. Em nível local, uma das grandes aplicações de fibras ópticas em sistemas militares de comunicações é na realização de barramentos de dados em navios e aviões. Além da melhor performance, este tipo de aplicação das fibras ópticas tem na redução de volume e peso uma das suas principais motivações. Um avião bombardeiro, por exemplo, pode ter seu peso reduzido de 1 tonelada se na sua cabeação interna forem utilizadas apenas fibras ópticas. Nos EUA está sendo desenvolvido um helicóptero, o HLX (light helicopter, experimental), onde os sistemas de controlo de voo, de armamentos e de dados internos são totalmente baseados na tecnologia de fibras ópticas. Aplicações Específicas Uma aplicação específica das fibras ópticas no domínio militar é a dos mísseis teleguiados por cabo. Neste tipo de sistema, ilustrado na figura abaixo, um enlace com fibra óptica de alta resistência à tracção liga (bidireccionalmente) o míssil a um centro de controlo, permitindo um melhor controlo de pintaria através da monitorização visual do alvo. As qualidades das fibras ópticas em termos de grande banda passante, imunidade a interferências e não vulnerabilidade face aos radares inimigos são essenciais a este tipo de aplicação. Considerando actualmente o maior mercado militar da tecnologia de fibras ópticas, este tipo de aplicação, considerando-se apenas o programa FOG-M (Fiber Optic Guided Missible) nos EUA, deve consumir cerca de km de fibras ópticas até Sistemas sensores com fibras ópticas também têm encontrado uma variedade de aplicações no domínio militar. Um dos mais utilizados é o giroscópio óptico que oferece vantagens com aos mecânicos, em termos de maior precisão, peso reduzido e maior segurança. A aplicação militar de giroscópios ópticos inclui sistemas de navegação automática em aviões, navios, submarinos, mísseis, porta-aviões, satélites, etc. outro sistema sensor de interesse para a Marinha é o acústico. Acoplados a redes de cabos ópticos submarinos, os sensores acústicos permitirem implantar, por exemplo, sofisticados sistemas de defesa submarina. XIV

15 Míssil teleguiado por fibra óptica. XV

16 BIBLIOGRAFIA /04/fiber-opticfiber.jpg&imgrefurl=http://eideguimaraes.wordpress.com/2009/04/21/fibra-optica-arede-dofuturo/&usg= tsbyhaedoyqhwmhvzof_mzawgpu=&h=300&w=400&sz=11&hl =pt- PT&start=2&um=1&tbnid=6iMI5QwCbRSC0M:&tbnh=93&tbnw=124&prev=/image s%3fq%3dfibra%2boptica%26hl%3dpt-pt%26client%3dfirefoxa%26rls%3dorg.mozilla:pt-pt:official%26sa%3dg%26um%3d1 tel-quer-acabar-com-standards-de-perifericos/comment-page-1/&usg= N- hgj2c6mrls4vsjhg7uif5ouck=&h=369&w=425&sz=65&hl=pt- PT&start=12&um=1&tbnid=9hf_Nm ynctrm:&tbnh=109&tbnw=126&prev=/image s%3fq%3dfibra%2boptica%2bnas%2bcomunica%25c3%25a7%25c3%25b5es %26hl%3Dpt-PT%26client%3Dfirefox-a%26rls%3Dorg.mozilla:pt- PT:official%26sa%3DG%26um%3D1 rodutos/g_endoscopia%252090%2520g.jpg&imgrefurl=http://www.resisteferr amentas.com.br/loja/produtos.asp%3fproduto%3d1698&usg= 8UZYY1Z9Daiun FBBkO-eF6kZTZ8=&h=208&w=217&sz=7&hl=pt- PT&start=2&um=1&tbnid=R6IywVF- 2t wm:&tbnh=103&tbnw=107&prev=/images%3fq%3dendosc%25c3%25b3pio %2Bde%2Bfibra%2Boptica%26hl%3Dpt-PT%26client%3Dfirefoxa%26rls%3Dorg.mozilla:pt-PT:official%26sa%3DN%26um%3D1 XVI

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede.

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Conceito Importância É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Qualquer meio físico capaz de transportar

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Meios de Transmissão Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Abril de 2012 1 / 34 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte

Leia mais

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores:

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores: Classificação quanto ao meio de transmissão Os meios físicos de transmissão são os cabos e as ondas (luz, infravermelhos, microondas) que transportam os sinais que, por sua vez, transportam a informação

Leia mais

IFRS Campus POA. Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite. Prof. Sergio Mittmann. Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira. Caroline Silva Tolfo

IFRS Campus POA. Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite. Prof. Sergio Mittmann. Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira. Caroline Silva Tolfo IFRS Campus POA Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite Prof. Sergio Mittmann Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira Caroline Silva Tolfo Claudia Silva Machado Marcelo Lucas A Fibra Óptica é um filamento extremamente

Leia mais

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte Sistema de comunicação óptica Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte História A utilização de transmissão de informação através de sinais luminosos datam de épocas muito remotas. Acredita-se que os gregos

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

Física das redes de computadores

Física das redes de computadores Física das redes de computadores Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Ricardo Cassiano Fagundes Professor: Benhur Borges Rodrigues Física aplicada a computação www.caractere13.com.br/fredes Site

Leia mais

INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA

INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA PESQUISA CABO COAXIAIS ASPECTOS TECNICOS FIBRA OPTICA SISTEMA TIPICO DE COMUNICAÇÃO PTICA ESTRUTURA DE UMA FIBRA OPTICA TIPOS DE FIBRA OPTICA Por Ítalo da Silva Rodrigues

Leia mais

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra Cabeamento Óptico Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Vantagens de utilização Total imunidade às interferências eletromagnéticas; Dimensões reduzidas; Maior segurança no tráfego

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão Comunicação de Dados Aula 9 Meios de Transmissão Sumário Meios de Transmissão Transmissão guiada Cabo par trançado Coaxial Fibra ótica Transmissão sem fio Ondas de rádio Micro ondas Infravermelho Exercícios

Leia mais

Automação industrial Sensores

Automação industrial Sensores Automação industrial Sensores Análise de Circuitos Sensores Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina O que são sensores?

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção Fenómenos Ondulatórios Reflexão, refracção, difracção Natureza dualística da radiação electromagnética A radiação electromagnética é um fenómeno ondulatório envolvendo a propagação de um campo magnético

Leia mais

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon Indrodução SENSORES são dispositivos que mudam seu comportamento sob a ação de uma grandeza física, podendo fornecer

Leia mais

Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Componentes do processo de comunicação.

Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Componentes do processo de comunicação. Meios de transmissão Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Quando enviamos uma informação para um destino, ela vai por um canal de comunicação. Esse canal de comunicação tem um limite

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 1/26 2.2 Meios físicos de transmissão de dados 2/26 Tipos de meios de transmissão Pares de fios Pares entrançados Cabo coaxial Fibras

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 04. Meios Físicos de Transmissão Prof. Ronaldo Introdução n

Leia mais

Sensores e Atuadores (1)

Sensores e Atuadores (1) (1) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Introdução Sensores Fornecem parâmetros sobre o comportamento do manipulador, geralmente em termos de posição e velocidade

Leia mais

Meios de transmissão. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Meios de transmissão. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Meios de transmissão Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Meios de transmissão Redes de Computadores 1 Meios de transmissão Asseguram

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com COMUTAÇÃO CIRCUITOS PACOTES É necessário estabelecer um caminho dedicado entre a origem e o

Leia mais

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA PCS 2476 Introdução - 1 Meios Físicos e Suas Características PCS 2476 Introdução - 2 Linhas Físicas Linhas Bifilares Par de fios Cabo de Pares Linha Aberta Linha de Alta Tensão

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Informática Prof. Macêdo Firmino Redes de Computadores Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Sistema Computacional Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 2 / 41 O que é

Leia mais

História da Fibra Óptica

História da Fibra Óptica História da Fibra Óptica Em 1870, o físico inglês Jonh Tyndall, demonstrou o princípio de guiamento da luz através de uma experiência muito simples, utilizando um recipiente furado com água, um balde e

Leia mais

Camada Física: Meios de transmissão guiados. Meios de transmissão guiados Fibra óptica

Camada Física: Meios de transmissão guiados. Meios de transmissão guiados Fibra óptica Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Fibra Óptica Mas afinal de onde veio essa ideia de transmitir dados no vidro? Isso é coisa de Extraterrestre! 1 O termo Fibra

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com 2/16 Nível Físico Tem a função de transmitir uma seqüência de bits através de um canal e comunicação. Este nível trabalha basicamente

Leia mais

Linhas de transmissão

Linhas de transmissão Linhas de transmissão 1 - Introdução Linha de transmissão é um termo genérico utilizado para referenciar qualquer tipo de meio físico construído para transmissões de sinais elétricos ou óticos. No setor

Leia mais

Sistemas de Comunicações Ópticas. 1870 : O físico inglês John Tyndall demonstrou o princípio de guiamento da luz,

Sistemas de Comunicações Ópticas. 1870 : O físico inglês John Tyndall demonstrou o princípio de guiamento da luz, Capítulo 1 1. INTRODUÇÃO AS FIBRAS ÓPTICAS 1.1 Histórico 1870 : O físico inglês John Tyndall demonstrou o princípio de guiamento da luz, através de uma experiência que consistia em injetar luz em um jato

Leia mais

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão Tecnologia em Jogos Digitais Mídias (meios) de transmissão DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES Mídias físicas: composta pelo cabeamento e outros elementos componentes utilizados na montagem

Leia mais

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta.

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta. Escola Secundária Vitorino Nemésio Terceiro teste de avaliação de conhecimentos de Física e Química A Componente de Física 11º Ano de Escolaridade Turma C 13 de Fevereiro de 2008 Nome: Nº Classificação:

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica Meios físicos de transmissão Objetivos: 1 - Definir os termos referentes a cabeamento. 2 - Identificar os principais tipos de cabos de rede. 3 - Determinar o tipo de cabeamento apropriado para cada tipo

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

SISTEMAS DE COMUNICAÇÕES ÓPTICAS. Raio refletido: raio incidente, ao atingir a superfície S, poderá refletir, e esta

SISTEMAS DE COMUNICAÇÕES ÓPTICAS. Raio refletido: raio incidente, ao atingir a superfície S, poderá refletir, e esta Capítulo. FUNDAMENTOS E CONCEITOS BÁSICOS DAS FIBRAS ÓPTICAS. Propagação de Radiações Ópticas.. Definições Raio incidente: conforme observa-se na Fig.., a radiação que se aproxima da superfície S é o raio

Leia mais

Possíveis soluções para o gargalo da última milha são: instalação de fibra óptica diretamente para todos os clientes; uso de tecnologia de rádio

Possíveis soluções para o gargalo da última milha são: instalação de fibra óptica diretamente para todos os clientes; uso de tecnologia de rádio 1 Introdução O estudo da propagação óptica no espaço livre recebeu considerável impulso após a Segunda Guerra Mundial com a descoberta do laser. Os cientistas iniciaram diversas pesquisas nessa área com

Leia mais

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Na comunicação de dados são usados muitos tipos diferentes de meios de transmissão. A escolha correta dos meios de transmissão no projeto

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Par trançado Cabo coaxial Fibra óptica Meios Não-guiados Transmissão por rádio Microondas

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Objetivos: Camada física

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Cabeamento Óptico (Norma ANSI/TIA-568-C.3) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Meio de Transmissão Meio de transmissão é o caminho físico (enlace) que liga

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

Modos de Propagação. Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F.

Modos de Propagação. Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F. Modos de Propagação Tecnologia em Redes de Computadores 5º Período Disciplina: Sistemas e Redes Ópticas Prof. Maria de Fátima F. Bueno Marcílio 1 Modos de Propagação Antes de iniciarmos o estudo dos tipos

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 03 Cabeamento

Leia mais

DESCRIÇÃO DETALHADA DO ANALISADOR DE CO E DE SEU FUNCIONAMENTO

DESCRIÇÃO DETALHADA DO ANALISADOR DE CO E DE SEU FUNCIONAMENTO DESCRIÇÃO DETALHADA DO ANALISADOR DE CO E DE SEU FUNCIONAMENTO O analisador de CO para baixas concentrações (ppm - partes por milhão) no ar ambiente é um instrumento de alta sensibilidade, usado para monitorar

Leia mais

O Polarímetro na determinação de concentrações de soluções

O Polarímetro na determinação de concentrações de soluções O Polarímetro na determinação de concentrações de soluções 1. O polarímetro Polarímetros são aparelhos que medem directamente a rotação de polarização, através da medição do ângulo de rotação de um analisador.

Leia mais

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO CAVALCANTI SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

Leia mais

2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS

2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS 2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS Neste capítulo vamos apresentar um breve estudo de técnicas e sistemas de detecção de vazamentos mais utilizados atualmente. Nosso objetivo é demonstrar que

Leia mais

Os encoders ópticos convertem deslocamentos angulares em uma sequência de pulsos digitais, contando com um só bit ou decodificando um conjunto deles,

Os encoders ópticos convertem deslocamentos angulares em uma sequência de pulsos digitais, contando com um só bit ou decodificando um conjunto deles, Encoders ópticos O que é: Os encoders ópticos convertem deslocamentos angulares em uma sequência de pulsos digitais, contando com um só bit ou decodificando um conjunto deles, os pulsos podem ser convertidos

Leia mais

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Setembro 2006 Conceitos fundamentais Evolução das Redes (parte I) Sumário???? Módulo I: Conceitos fundamentais Evolução das redes Tipos de Redes Sistemas de Cablagem

Leia mais

AUTOMATION. Soluções em sensoriamento industrial. Sensores fotoelétricos e laser, digitais e analógicos

AUTOMATION. Soluções em sensoriamento industrial. Sensores fotoelétricos e laser, digitais e analógicos Sensores fotoelétricos e laser, digitais e analógicos Sensores Indutivos, capacitivos e ultrassônicos Sistemas de medição laser e visão industrial Cabos e conectores de campo AUTOMATION. Soluções em sensoriamento

Leia mais

Automação Industrial Parte 5

Automação Industrial Parte 5 Automação Industrial Parte 5 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Sensores capacitivos -Sensores de proximidade capacitivos estão disponíveis em formas e tamanhos

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Introdução. Criar um sistema capaz de interagir com o ambiente. Um transdutor é um componente que transforma um tipo de energia em outro.

Introdução. Criar um sistema capaz de interagir com o ambiente. Um transdutor é um componente que transforma um tipo de energia em outro. SENSORES Introdução Criar um sistema capaz de interagir com o ambiente. Num circuito eletrônico o sensor é o componente que sente diretamente alguma característica física do meio em que esta inserido,

Leia mais

ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS - END Ensaios realizados em materiais, acabados ou semi acabados, para verificar a existência ou não de descontinuidades ou defeitos, através de princípios físicos definidos, sem

Leia mais

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado Prof. Alexandre Beletti Ferreira Cabo Coaxial COMPOSTO POR: Fio de cobre rígido que forma o núcleo Envolto por um material isolante, O isolante, por

Leia mais

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Porque é importante comunicar? - Desde o «início dos tempos» que o progresso e o bem estar das sociedades depende da sua capacidade de comunicar e aceder

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

Noções de Cabeamento Estruturado Óptico

Noções de Cabeamento Estruturado Óptico Noções de Cabeamento Estruturado Óptico Roteiro Fibras ópticas Cuidados com cabos ópticos Elementos do Cabeamento Estruturado Fibras Ópticas Desde seu desenvolvimento, as fibras ópticas representaram um

Leia mais

Fibras Ópticas Medição da abertura numérica de uma fibra óptica multimodo

Fibras Ópticas Medição da abertura numérica de uma fibra óptica multimodo Fibras Ópticas Medição da abertura numérica de uma fibra óptica multimodo Equipamento: * Mesa óptica * Fibra multimodo, 50/125 µm * Laser de He-Ne * Microscópio * Multímetro óptico * Cortador de fibra

Leia mais

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU d 1 diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 diâmetro da fibra óptica (núcleo + casca) de 125 µm a 280 µm (tipicamente 125 µm)

Leia mais

Módulo 4 Testes de Cabos

Módulo 4 Testes de Cabos CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 4 Testes de Cabos Fundamentos para o Teste de Cabos em Frequência Ondas Uma onda é energia que se propaga de um lugar para outro. Pode ser definida como um distúrbio

Leia mais

Comunicações por Computador

Comunicações por Computador Comunicações por Computador António Nabais Grupo de Sistemas e Tecnologias de Informação Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico do Cávado e do Ave anabais@ipca.pt 2006/2007 Componentes de

Leia mais

Fundamentos de Automação. Sensores 17/03/2015. Sensores. Sensores Analógicos e Sensores Digitais. Sensores Analógicos e Sensores Digitais

Fundamentos de Automação. Sensores 17/03/2015. Sensores. Sensores Analógicos e Sensores Digitais. Sensores Analógicos e Sensores Digitais Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Sensores

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS À medida que uma onda se propaga, por mais intensa que seja a perturbação que lhe dá origem, uma parte da sua energia será absorvida pelo meio de propagação,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

PROJECTO BRAGG Um projecto na área dos sensores de fibra óptica Revista de Inovação Tecnológica, Outubro/Dezembro de 2001

PROJECTO BRAGG Um projecto na área dos sensores de fibra óptica Revista de Inovação Tecnológica, Outubro/Dezembro de 2001 PROJECTO BRAGG Um projecto na área dos sensores de fibra óptica Revista de Inovação Tecnológica, Outubro/Dezembro de 2001 O projecto Bragg teve como objectivo principal o desenvolvimento de cablagens avançadas

Leia mais

RELATÓRIO DE CONECTIVIDADE FIBRA OPTICA MULTIMODO

RELATÓRIO DE CONECTIVIDADE FIBRA OPTICA MULTIMODO Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática JOÃO VITOR ANDRADE RELATÓRIO DE CONECTIVIDADE

Leia mais

SENSORES INDUSTRIAIS. Prof. Jeferson L. Curzel 2013/01

SENSORES INDUSTRIAIS. Prof. Jeferson L. Curzel 2013/01 SENSORES INDUSTRIAIS Prof. Jeferson L. Curzel 2013/01 Tópicos 1. Chaves fim de curso 2. Sensores de proximidade indutivos 3. Sensores de proximidade capacitivos 4. Sensores fotoelétricos 5. Seleção de

Leia mais

NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA

NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA 1844 Demonstração pública bem sucedida do TELÉGRAFO, inventado por SAMUEL MORSE. Transmitida a mensagem What hath God wrought entreo Capitólio em Washington e Baltimore NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA

Leia mais

ANEXO IV EQUIPAMENTOS RELATIVOS AO SISTEMA AUTOMÁTICO DE DETECÇÃO DE INCÊNDIOS

ANEXO IV EQUIPAMENTOS RELATIVOS AO SISTEMA AUTOMÁTICO DE DETECÇÃO DE INCÊNDIOS ANEXO IV EQUIPAMENTOS RELATIVOS AO SISTEMA AUTOMÁTICO DE DETECÇÃO DE INCÊNDIOS A - DETECTORES AUTOMÁTICOS Segundo [2], os detectores de incêndio são os aparelhos de detecção de incêndio que registam, comparam

Leia mais

Sensores Ultrasônicos

Sensores Ultrasônicos Sensores Ultrasônicos Introdução A maioria dos transdutores de ultra-som utiliza materiais piezelétricos para converter energia elétrica em mecânica e vice-versa. Um transdutor de Ultra-som é basicamente

Leia mais

Luis Filipe Baptista MEMM 2

Luis Filipe Baptista MEMM 2 INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO CAPÍTULO V Transdutores Optoelectrónicos 2012/2013 Índice do capítulo Introdução Transdutores ópticos Transdutores optoelectrónicos - Absolutos - Incrementais Aplicações industriais

Leia mais

Módulo 2 Comunicação de Dados

Módulo 2 Comunicação de Dados URCAMP - CCEI - Curso de Informática Transmissão de Dados Módulo 2 Comunicação de Dados cristiano@urcamp.tche.br http://www.urcamp.tche.br/~ccl/redes/ Para SOARES (995), a transmissão de informações através

Leia mais

fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23

fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23 fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 23 Fibra Óptica fibra optica:layout 1 27-01-2011 00:23 Page 24 FIBRA ÓPTICA Fibra Óptica é um pedaço de vidro com capacidade de transmitir luz. Tal filamento

Leia mais

CABE DE REDE. Abaixo segue uma descrição de todas as categorias de cabos de par trançado existentes:

CABE DE REDE. Abaixo segue uma descrição de todas as categorias de cabos de par trançado existentes: CABE DE REDE Existem basicamente 3 tipos diferentes de cabos de rede: os cabos de par trançado (que são, de longe, os mais comuns), os cabos de fibra óptica (usados principalmente em links de longa distância)

Leia mais

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD )tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD Óptica Geométrica ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD Exercício 1: Um feixe de luz cujo comprimento de onda é 650 nm propaga-se no vazio. a) Qual é a velocidade da luz desse feixe ao propagar-se num

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 2 Meio Físicos A automação no meio produtivo Objetivos: Facilitar os processos produtivos

Leia mais

são aplicadas num objeto cuja massa é 8,0 kg, sendo F» 1 mais intensa que F» 2

são aplicadas num objeto cuja massa é 8,0 kg, sendo F» 1 mais intensa que F» 2 Física Unidade Movimentos na Terra e no spaço QUSTÕS PROPOSTS 4. Duas forças F» e F» 2 são aplicadas num objeto cuja massa é 8,0 kg, sendo F» mais intensa que F» 2. s forças podem atuar na mesma direção

Leia mais

ENCODERS. Fig 1 - Princípio de funcionamento de um encoder rotativo.

ENCODERS. Fig 1 - Princípio de funcionamento de um encoder rotativo. ENCODERS Este é sem dúvida nenhuma um dos equipamentos mais usados em Automação Industrial e Mecatrônica, pois com ele conseguimos converter movimentos angulares e lineares em informações úteis à nossa

Leia mais

Processamento de Dados

Processamento de Dados Processamento de Dados Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e outros dispositivos conectados entre si de modo a poderem compartilhar seus serviços, que podem

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Transmissão de Dados Digitais Comunicação em rede 1 Transmissão de dados Objetivo: transportar informação mesmo que fosse usado um meio de transporte clássico seria

Leia mais

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Prof. Roberto Leal Sensores Dispositivo capaz de detectar sinais ou de receber estímulos de natureza física (tais como calor, pressão, vibração, velocidade, etc.),

Leia mais

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da Definição De acordo com a Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos, ABENDE, os Ensaios Não Destrutivos (END) são definidos como: Técnicas utilizadas no controle da qualidade, d de materiais ou

Leia mais

RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA. Daniel C. Zanotta 23/03/2015

RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA. Daniel C. Zanotta 23/03/2015 RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA Daniel C. Zanotta 23/03/2015 O QUE É A REM? A radiação eletromagnética é uma oscilação, em fase, dos campos elétricos e magnéticos. As oscilações dos campos magnéticos e elétricos

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 16 MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Microeletrônica equipamentos microprocessados necessidade

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

Sistemas automáticos de detecção de intrusão

Sistemas automáticos de detecção de intrusão EB 2,3 Ciclos de Gondomar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GONDOMAR Sistemas automáticos de detecção de intrusão A instalação de sistemas automáticos de detecção de intrusão é, hoje em dia, um facto generalizado

Leia mais

FREDY HENRIQUE BENITES NEUGEBAUER MEIOS DE TRASMISSÃO. CABEAMENTO DE FIBRA ÓTICA Monomodo

FREDY HENRIQUE BENITES NEUGEBAUER MEIOS DE TRASMISSÃO. CABEAMENTO DE FIBRA ÓTICA Monomodo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática FREDY HENRIQUE BENITES NEUGEBAUER MEIOS

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts

Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts Multicast: Ex; Precisamos enviar mensagem para grupo de computadores. Atualizar antivirus Para 70 maquinas, criamos um grupo multicast

Leia mais

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões Considerações Finais Capítulo 8 Capítulo 8 Considerações Finais 8.1- Principais conclusões Durante esta tese foram analisados diversos aspectos relativos à implementação, análise e optimização de sistema

Leia mais

Instrumentação Industrial. Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições

Instrumentação Industrial. Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições Instrumentação Industrial Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições Instrumentação Industrial De acordo com a organização norte-americana Instrument Society of America -

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 7

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 7 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 7 Índice 1. Fibras ópticas...3 1.1 Vantagens das fibras ópticas... 3 1.2 Desvantagens das fibras ópticas... 3 1.3 Instalação... 4 1.4 Aplicações... 4 2.

Leia mais

Sistemas Ópticos de Sensorização em Larga Escala

Sistemas Ópticos de Sensorização em Larga Escala Sistemas Ópticos de Sensorização em Larga Escala Campus da FEUP Rua Dr. Roberto Frias, 378 4200-465 Porto Portugal 351 222 094 000 www.inescporto.pt Rua Vasconcelos Costa, 277 4470-640 Maia Portugal 351

Leia mais

Sensoriamento A UU L AL A. Um problema. Exemplos de aplicações

Sensoriamento A UU L AL A. Um problema. Exemplos de aplicações A UU L AL A Sensoriamento Atualmente, é muito comum nos depararmos com situações em que devemos nos preocupar com a segurança pessoal e de nossos bens e propriedades. Daí decorre a necessidade de adquirir

Leia mais

Fibras Ópticas Medição da atenuação de uma fibra óptica multimodo

Fibras Ópticas Medição da atenuação de uma fibra óptica multimodo Fibras Ópticas Medição da atenuação de uma fibra óptica multimodo Equipamento: * Mesa óptica * Fibra multimodo, 50/125 µm * Laser de He-Ne * Microscópio * Multímetro óptico * Cortador de fibra óptica *

Leia mais

Propulsão: Aeroespacial: Mecanismo Eletro Explosivo:

Propulsão: Aeroespacial: Mecanismo Eletro Explosivo: Aplicações: Propulsão: Esforço dinâmico, pressão, medição de alongamento; Teste de resistência Estrurutal; R&D Atividades com condições adversas de temperatura, corrosão, alta temperatura ou sensibilidade

Leia mais