PLANEJAMENTO EM EDUCAÇÃO FÍSICA: UM ESTUDO DE CASO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANEJAMENTO EM EDUCAÇÃO FÍSICA: UM ESTUDO DE CASO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA)"

Transcrição

1 0 UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DHE DEPARTAMENTO DE HUMANIDADES E EDUCAÇÃO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM EDUCAÇÃO FÍSICA PLANEJAMENTO EM EDUCAÇÃO FÍSICA: UM ESTUDO DE CASO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) GESSICA BALESTRIN Ijuí RS 2015

2 1 GESSICA BALESTRIN PLANEJAMENTO EM EDUCAÇÃO FÍSICA: UM ESTUDO DE CASO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como requisito parcial para obtenção do grau de licenciado em Educação Física da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul UNIJUÍ. Orientador: Prof. Dr. Paulo Evaldo Fensterseifer Ijuí RS 2015

3 2 GESSICA BALESTRIN PLANEJAMENTO EM EDUCAÇÃO FÍSICA: UM ESTUDO DE CASO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) Trabalho de Conclusão de Curso defendido e aprovado em sua forma final pelo professor orientador e pelos membros da banca examinadora. Prof. Dr. Paulo Evaldo Fensterseifer Orientador Prof. Paulo Carlan Banca Ijuí, janeiro de 2015

4 3 AGRADECIMENTOS Nesta caminhada renuncia-se a muitas coisas, mas acredito ser possível acima de tudo, ter vontade para buscar o aprendizado. Valeu a pena por tudo que aprendi e conquistei no decorrer desta jornada acadêmica. Agradeço a todos os professores, que foram a razão maior do meu aprendizado, que orientaram e acompanharam meu trabalho com muito carinho e dedicação, apostando no meu potencial, criando um vínculo de amizade entre alunos e professores. Ao meu Professor Orientador Paulo Evaldo Fensterseifer, pela competência, conhecimento, paciência e compreensão, contribuindo diretamente para a construção deste trabalho. Aos colegas que sempre estiveram ao meu lado, pela amizade, pelas conquistas, pelo companheirismo, sempre presentes, tanto nas horas de alegrias como nas de angústias, o meu muito obrigado. Aos meus pais e namorado, que sempre estiveram do meu lado, me apoiando e me dando força no que era preciso. A Deus, por ter me iluminado, mostrando os rumos certos para a realização da conclusão deste curso.

5 4 RESUMO Este trabalho de pesquisa investigou o currículo e a prática pedagógica em Educação Física no contexto da Educação de Jovens e Adultos (EJA). A investigação foi realizada através de uma pesquisa de campo, de natureza exploratória e qualitativa, realizando uma entrevista semiestruturada com o professor de Educação Física do Centro de Educação de Jovens e Adultos (CEJA) da cidade de Itapiranga SC, além de investigar o currículo da escola. Os dados coletados foram analisados de forma qualitativa, por meio de categorização, relacionando as informações coletadas e a realidade pesquisada com a literatura. Após a investigação, a um entendimento de como o professor planeja suas aulas para uma turma diferenciada onde se encontra alunos de diferentes classes sociais, idades e objetivos. Para tanto, é possível fazer um bom planejamento, porém deve-se conhecer a realidade da turma antes de planejar. Percebe-se também que o professor prioriza conteúdos relacionados a saúdes, por ser alunos mais velhos demostram mais interesse pelo assunto. Palavras-chave: Educação Física Escolar; EJA; Planejamento; Prática Pedagógica.

6 5 ABSTRACT This research investigated the curriculum and teaching practice in physical education in the context of adult education. The research was conducted through field research and case study of exploratory and qualitative nature, conducting a semi-structured interview with the teacher of Physical Education of Youth and Adult Education Center (CEJA) of the city of Itapiranga SC, and to investigate the school's curriculum. The collected data were analyzed qualitatively by means of categorization, relating the information collected and the reality researched the literature. After research, an understanding of how the teacher plans his classes to a different class where students from different social classes, ages and objectives. Therefore, it is possible to make good planning, however one should know the reality of the class before planning. It is also noticed that the teacher prioritizes related to healths content, being older students demonstrate more interest in the subject. Keywords: Physical Education. EJA. Planning. Pedagogical Practices.

7 6 SUMÁRIO INTRODUÇÃO REVISÃO DA LITERATURA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR EDUCAÇÃO FÍSICA DO NOTURNO A EDUCAÇÃO FÍSICA NA EJA OBJETIVOS DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA EJA METODOLOGIA ABORDAGENS DA PESQUISA TIPO DE PESQUISA CONTEXTO DA PESQUISA OS SUJEITOS DA PESQUISA OS INSTRUMENTOS DA PESQUISA ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA APRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E A EJA A Educação Física no CEJA Metodologia e Conteúdos Avaliação A FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA O PLANEJAMENTO E A PRÁTICA PEDAGÓGICA CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS... 32

8 7 INTRODUÇÃO A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei nº 9.394/1996, alterada pela Lei nº /2013), em seu artigo nº 26, 3º, destaca a Educação Física como componente curricular da educação básica da seguinte forma: A Educação Física, integrada à proposta pedagógica da escola, é componente curricular obrigatório da educação básica, sendo sua prática facultativa ao aluno: I que cumpra jornada de trabalho igual ou superior a seis horas; II maior de trinta anos de idade; III que estiver prestando serviço militar inicial ou que, em situação similar, estiver obrigado à prática da Educação Física; IV amparado pelo Decreto-Lei nº 1.044, de 21 de outubro de 1969; V (VETADO); VI que tenha prole. No entanto, o que se observa nas turmas da Educação de Jovens e Adultos (EJA) é que a maioria dos alunos tem a prática em Educação Física facultativa amparados por lei, criando a concepção de uma disciplina de pouca importância, desmotivando-os a sua prática. Levando em consideração todas estas dificuldades encontradas na turma da EJA, o objetivo desta pesquisa é investigar o currículo e entrevistar o professor, procurando saber como ele faz o planejamento para esta turma, se ele consegue por em prática este planejamento e que instrumento usa para avaliação. Sendo assim, parti do seguinte problema: Como o professor planeja as aulas de Educação Física para uma turma de diferentes realidades, objetivos e classe social? Tendo como objetivo investigar o currículo e a prática pedagógica em Educação Física na EJA.

9 8 Verificando assim, através de investigação ao currículo e questionamento ao professor de Educação Física do CEJA da cidade de Itapiranga SC, como é construído o planejamento das aulas para estes alunos. Com este propósito serão seguidos alguns objetivos específicos para subsidiar minha pesquisa: - investigar o currículo existente na escola; - investigar as formas de operacionalização dos planejamentos do professor; - investigar como é avaliado um aluno que amparado por lei não participa das práticas realizadas nas aulas; - realizar observações juntamente com o questionamento ao professor, buscando saber se o planejamento é aplicado conforme descrito; - verificar o nível de participação nas aulas de Educação Física. Foi em meados de 1940 que a EJA se torna uma modalidade de ensino e sua procura foi bastante grande por pessoas de mais idade que não tiveram a oportunidade de estudar, abrangendo também alunos expulsos de escolas públicas, alunos em busca de uma formação para o mercado de trabalho. Amparados por leis, alunos que estudam na EJA, alunos estes de diferentes idades, culturas e classe social, alunos com objetivos diferentes. Sendo sua prática facultativa tornou a Educação Física uma disciplina pouco importante, desmotivando alunos à sua prática, sem mesmo conhecer os benefícios e conhecimentos que a mesma pode lhes proporcionar. Foram esses e outros argumentos que me despertaram a este tema, a Educação Física na EJA, como os professores constroem o currículo e planejam estas aulas, levando em consideração as diferenças encontradas na turma. Tive a experiência de trabalhar como professora seis meses com uma turma da EJA, chegando lá me deparei com alunos de diferentes níveis físicos e objetivos, foi uma experiência rápida, mas prazerosa, todos os conteúdos propostos foram bem aceitos e aparentemente novos. Voltando com o meu projeto, busquei entender a prática pedagógica da EJA.

10 9 1 REVISÃO DA LITERATURA 1.1 EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Para melhor entendermos a Educação Física Escolar farei um breve histórico baseado no autor Soler (2004). Segundo ele a Educação Física surgiu na Europa no fim do século XVIII e início do século XIX. Sendo neste século que surge no Brasil com o nome de ginástica, ligada à classe militar e médica, em decorrência da necessidade de formar homens fortes, preparados para guerra e também em auxílio à medicina higiênica (combater surtos epidêmicos) e a medicina eugênica (buscar a raça pura, forte e sadia). No final do século XIX surgiu outro termo para as aulas de ginástica: Educação Física, que é usado até hoje. A Educação Física por muito tempo até o fim da escravidão era privilégio da elite dominante que tinha acesso à educação escolar. A partir do ano de 1920, com a invenção dos métodos ginásticos europeus (sueco, alemão e francês, que eram fundamentados pelos princípios biológicos), a Educação Física era exclusivamente prática, o que a afastava do currículo escolar. Até 1939 todos os profissionais de Educação Física tinham apenas formação militar, foi nesta época que foi criada a primeira escola civil de formação de professores de Educação Física. Em 1971 surge o Decreto-Lei nº /71, que marginaliza a Educação Física Escolar, pois considerou essa disciplina como atividade, que, por seus meios, processos e técnicas que desenvolvem e aprimoram forças físicas, morais, cívicas, psíquicas e sociais do educando. O decreto dava ênfase para a aptidão física e ao esporte na busca de novos talentos. A Educação Física Escolar dessa época seguia os modelos esportivos, excluindo os alunos menos aptos para a prática esportiva. Nos anos 80 acontece um novo marco na Educação Física Escolar, surgindo idealizadores que começam falar, discutir, propor e escrever uma nova proposta para essa disciplina: abrangente da cultura corporal e inclusiva, contando com a participação de todos. É nesta época que a Educação Física passa por uma crise positiva como forma de voltar-se para dentro e mudar. A concepção do professor treinador já não é bem-vinda. É necessário o educador tar consciente de seu papel como mediador de conhecimentos, visando a formação de um ser humano integral. É abolida a ideia

11 10 que a Educação Física Escolar é responsável por ganhar troféus e elevar o nome da escola. Surgem, nessa época, livros, trabalhos e artigos que discutem de forma mais filosófica e pedagógica os rumos da Educação Física Escolar. Nos anos noventa foi possível sentir a evolução da Educação Física Escolar, surgindo novas propostas de trabalho e profissionais com uma nova consciência da responsabilidade da disciplina. A história da Educação Física brasileira foi marcada pelo seu caráter obrigatório. Segundo Catellani (apud CORRÊA; MORO, 2004, p. 42): A obrigatoriedade da Educação Física tem seu marco no parecer nº 224 de 1882, de Ruy Barbosa. [...]. A Educação Física obrigatória é regulamentada pelo decreto nº /71, que estende a sua obrigatoriedade a todos os níveis de ensino e a caracteriza como uma atividade desportiva e recreativa escolar. Assim, a inclusão da Educação Física na escola é dada por lei. No entanto, com o passar dos anos a Educação Física deixa de ser obrigatória para aqueles que já trabalhavam para quem estivesse cumprindo serviço militar obrigatório, para mulheres com prole e para alunos maiores de 30, a Educação Física torna-se facultativa. Com a Lei nº 9.394/96, a Educação Física mantém-se obrigatória, porém ajustando-se às faixas etárias e às condições da população, sendo ela facultativa nos cursos noturnos. Para Catellani (apud CORRÊA; MORO, 2004, p. 43) a obrigatoriedade da Educação Física fazia sentido a uma sociedade industrial que se apoiava na necessidade da capacitação física do trabalhador ao lado daquela natureza técnica. Assim tinha a Educação Física a finalidade de: Formatação do corpo produtivo, portanto, forte e saudável, que fosse ao mesmo tempo dócil o bastante para submeter-se a lógica do trabalhador fabril sem questioná-la, portanto, obediente e disciplinado nos padrões hierárquicos da instituição militar. Destaco que a Educação Física Escolar continua em estudo e estruturação, pois ainda existe uma forte tendência do esporte predominar como conteúdo, sem acontecer uma fundamentação teórica das práticas corporais que são executadas. Mas em relação ao passado já aconteceu uma grande evolução e há tendência de

12 11 melhora cada vez mais pelos estudos que vem se desenvolvendo sobre a Educação Física Escolar. Outras formas culturais aparecem nos currículos de Educação Física, não sendo mais uma disciplina preocupada somente com os esportes de competições, mas envolvendo outros componentes da cultura corporal do movimento: lutas, danças, esportes, jogos, ginásticas, atividades expressivas e atividades na natureza. Junto a isso surge a necessidade de abordar conteúdos de conhecimento científico, de forma a entender o que está praticando, pois qualquer movimento é resultado de uma manifestação cultural, trabalha a saúde do corpo relacionada à aptidão física e as habilidades motoras. E falando em Educação Física Escolar destaca-se também a importância da mesma e o papel do educando. A Educação Física Escolar não trata apenas do esporte, mas sim do conhecimento do movimento humano, de uma prática socioeducativa, vinculada com a educação para a saúde e o esporte. Para atingir estas demandas o profissional desta área deve buscar aperfeiçoamento didático pedagógico para atender as diferentes demandas sociais e culturais dos nossos alunos. Na atualidade, pensar as funções da escola, significa, na medida do possível, adequar práticas e princípios do ensino à realidade local, para que a instituição assuma sua autonomia na elaboração de seu Projeto Político Pedagógico, respeitando a base comum conforme determina a lei, de acordo com os anseios e necessidades sociais e intelectuais da comunidade escolar, contando com a participação e o comprometimento de todos de forma democrática, tanto nas exigências dos direitos como no cumprimento dos deveres. Falando sobre de quem é a responsabilidade de educar Schonardie Filho (2001, p ) relata: Na escola, não é só a Educação Física a responsável pelas informações e prática de atividade física em benefício da saúde e do esporte. As demais disciplinas, bem como todos os setores da escola, também são responsáveis em beneficiar e informar o aluno e a comunidade em geral. A escola é mais um veículo de informações que pode fornecer aos seus usuários, professores, alunos, funcionários, parentes e comunidade de modo geral, os quesitos necessários para que o interessado tenha uma vida ativa. Todo o sujeito que tem uma vida ativa e adquire o hábito de praticar atividade física na escola e fora dela, tem menor chance de ter distúrbios orgânicos comparados com as pessoas sedentárias. Além disto, pode abolir ou evitar o hábito do tabagismo, do álcool e outros vícios prejudiciais à saúde.

13 12 Já na opinião de Bracht et al. (2003), a Educação Física Escolar é referida como a única disciplina inerente ao discurso de formação integral do ser humano. Segundo Bracht et al. (2003, p. 54): Um deles diz respeito à contribuição da Educação Física para formação integral do ser humano. O discurso da formação integral não é excluído da Educação Física, nem mesmo se constitui em um argumento recente na história da educação. Porém, em termos de história recente da Educação Física, ele foi usado com um sentido peculiar. 1.2 EDUCAÇÃO FÍSICA DO NOTURNO Segundo Teixeira (2006), analisando os fatos sobre a Educação Física Escolar, é possível justificar a Lei nº /2003, a qual tornou a Educação Física como componente curricular obrigatório no Ensino Médio noturno, no momento em que a escola, o professor e o aluno tenham um entendimento da função pedagógica da disciplina e que considerem esta prática como formadora e responsável por ensinar conhecimentos específicos de forma participativa e consciente, acontecendo uma relação de troca entre professor e aluno, cada um sendo consciente de sua função e nesse conjunto de relações contribuírem para uma educação cidadã e potencializadora da sociedade. A Educação Física no noturno pode conquistar seu espaço justificando a importância desse componente curricular nas funções educativas, produtoras de saberes e construtora da sociedade. Assim é possível que a disciplina deixe de ser vista como responsável pela formação integral do aluno, compensatórias das atividades em sala de aula e passe a ser vista e entendida como responsável por trabalhar conhecimentos específicos de sua área de forma significativa, tematizada e progressiva, contribuindo como as demais disciplinas na formação intelectual, social e cultural do ser humano. Falando em Educação Física no noturno, as discussões são muitas, pois o docente que vai trabalhar no noturno tem este período de trabalho como um complemento salarial. Também os menos experientes na profissão de docente são indicados para ministrar estas aulas de Educação Física no noturno. Ainda hoje na realidade que vivemos existem escolas que não consideram a disciplina de Educação Física como outra qualquer. Com relação aos discentes, este justifica o desinteresse pelas aulas após uma jornada de trabalho. Também, o pouco

14 13 conhecimento da diversidade de atividades que a disciplina pode lhes proporcionar, a falta de orientação sobre a importância da prática de atividades físicas. Segundo Silva e Silva (2007, p. 1): No Brasil segundo a LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação), artigo 26, 3º, a Educação Física, integrada à proposta pedagógica da escola, é componente curricular obrigatório da educação básica, sendo sua prática facultativa ao aluno que cumpra jornada de trabalho igual ou superior a seis horas; que seja maior de trinta anos de idade; que estiver prestando serviço militar inicial ou que, em situação similar, estiver obrigada à prática da Educação Física; que seja amparado pelo Decreto-Lei nº 1.044, de 21 de outubro de 1961 e que tenha prole. Percebe-se aí que na história a Educação Física foi perdendo a importância, não é a escola que decide se o aluno deve ou não praticar Educação Física, é a legislação que os ampara. Percebe-se que a maioria dos alunos que estudam à noite é porque trabalham durante o dia, sendo assim, não precisam praticar atividades impostas pelos professores e cabe a nós professores respeitar a decisão. Martins (apud LIMA, 2012, p. 26) ressalta que o fato de a Educação Física ser uma disciplina facultativa no ensino noturno é um dos pontos negativos para esta disciplina que já é discriminada e tem tão pouco espaço e valor nas escolas. Porém, se o professor desenvolver um bom trabalho, conquistando assim seus alunos e provando a todos que a aula de Educação Física não é só para descansar os professores de outras disciplinas, tapar buraco de outra aula, esta disciplina tem suas especificidades, objetivos e valores, daí a importância do profissional da área defendê-la e a melhor forma de se fazer isso é trabalhando e mostrando a todos que o espaço conquistado na escola não é por acaso, portanto, toda a oportunidade dada à disciplina de Educação Física precisa ser abraçada, tendo sempre claro que o mais importante nisso tudo é o aluno, é ele quem precisa ser valorizado. Com estes alertas sobre a Educação Física no período noturno buscaremos informações sobre o objetivo da Educação Física na EJA. 1.3 A EDUCAÇÃO FÍSICA NA EJA A educação vem sofrendo grandes mudanças ao longo dos anos, nos tempos passados a educação era apenas para pessoas da elite socioeconômica, sendo assim, muitas pessoas se tornavam adultos analfabetos.

15 14 Apenas em meados de 1940 a EJA se torna uma modalidade de ensino e sua procura foi bastante grande por pessoas mais velhas que não tiveram a oportunidade de estudar. A educação para todos se tornou um direito garantido por lei em 1988 pela instituição da Constituição Federal como podemos observar no capítulo III que diz respeito à educação, cultura e desporto, seção I da educação no artigo 205, onde se encontra escrito nas seguintes palavras: Art A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho (GOMES; SILVA; GUNTHER, 2009, p. 3). Sendo a educação um direito de todos, a procura foi maior, pois pessoas que não tiveram acesso à rede de ensino no passado estão à procura e sua inserção é na EJA. Não há somente pessoas desta classe inserida na EJA, há também jovens que trabalham durante o dia e estudam à noite, há também alunos que foram expulsos da educação básica por disciplina, enfim alunos de idades diferentes, culturas diferentes e objetivos diversos. E a Educação Física como é vista nesta modalidade de ensino? Como já mencionado anteriormente a legislação ampara a não obrigação da atividade física para alunos maiores de 30 anos e alunos que trabalham seis horas ou mais durante o dia, dando assim o direito ao aluno de optar pela realização ou não da prática. Levando isto em consideração, a Educação Física é vista como uma disciplina menos importante, pois sua prática é facultativa e isto acaba desmotivando o professor da mesma e, consequentemente, os alunos. Muitas vezes professores sem formação na área, que consideram este trabalho noturno como um bico. Tudo isso mencionado leva a um agravamento muito grande, professores desmotivados, alunos desmotivados, alunos que muitas vezes não sabem os benefícios que uma atividade física pode trazer para a saúde, muitas vezes prejudicando alunos que estão ali em busca de um saber, proporcionando um mau entendimento sobre a disciplina, entendendo a mesma como diversão e descontração. Nesta concepção, a EJA, pela sua complexidade, tem aspiração resumida em: aprender a conviver, aprender a ser e aprender a fazer.

16 15 Hoje se tem a concepção de que a Educação Física tem enorme contribuição no desenvolvimento intelectual, porém ainda existam valores retrógrados em relação a sua prática. Menciono aqui o problema como o professor planeja suas aulas para uma turma diferenciada, onde se encontra alunos de diferentes classes sociais, idades e objetivos? 1.4 OBJETIVOS DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA EJA A Educação Física trabalha com o movimento humano, alicerçando-se na crença de que este contribui para a promoção da saúde, mas na escola este componente curricular deve assumir outras funções educativas e formadoras que vão além da área de saúde. No entanto, o objetivo nunca foi só manter e promover a saúde, mas atingir o pleno desenvolvimento do que podemos chamar de potencialidades do homem, do ser humano. Isso porque um dos importantes instrumentos identificados pelos médicos para concretizar seus objetivos era a educação do povo, por isso a promoção da saúde foi, por assim dizer, pedagogizada. Dessa forma, as afirmações e conclusões da medicina são interpretadas pedagogicamente e traduzidas em estratégias de ações que envolvem também a escola, a educação do povo para a saúde. [...] dentro dessa perspectiva, a Educação Física vai ser considerada importante instrumento da promoção da saúde do povo (BRACHT, 2001, p ). A Educação Física não pode ser vista como um fazer por fazer. Deve ter objetivos claros, conteúdos selecionados integrados à proposta pedagógica da escola, a realidade social que a instituição escolar está inserida e as expectativas e necessidades dos alunos, para que o educando possa vivenciar práticas corporais de forma reflexiva, crítica e construtora de saberes. A Educação Física é um componente curricular como os demais obrigatórios que tem a função de criar condições de aprendizagens. É uma área de conhecimento que movimenta, educa, tematiza, questiona, critica e busca formar pessoas humanas e cidadãs, o que diferencia da prática da atividade física fora da escola. No ambiente escolar não pode existir um fazer por fazer. Devem-se estabelecer objetivos, propondo uma prática planejada em que o educando possa conhecer a diversidade da cultura corporal de movimento, seu corpo e refletir sobre a prática que executa.

17 16 Como qualquer outra disciplina a Educação Física na EJA também tem seus objetivos, como consta no portal do Ministério da Educação estes objetivos são: - Valorizar a participação e a integração de todos os alunos, disponibilizando espaço para vivência de práticas esportivas. - Valorizar, apreciar e desfrutar da cultura corporal de movimento. - Perceber e compreender as relações entre a cultura corporal e o exercício. - Usufruir do lazer, resgatando o prazer enquanto aspecto fundamental para a saúde e melhoria da qualidade de vida. - Valorizar, por meio do conhecimento sobre o corpo, a formação de hábitos de autocuidado. - Compreender e ser capaz de analisar criticamente os valores sociais como os padrões de beleza, as relações de gênero e preconceitos da cidadania. Na linha do construtivismo temos Freire (apud SILVA; SILVA, 2007, p. 1) que coloca, em relação ao seu papel pedagógico, que a Educação Física deve atuar como qualquer outra disciplina da escola e não desintegrada dela. As habilidades motoras precisam ser desenvolvidas, sem dúvida, mas devem estar claras quais serão as consequências disso do ponto de vista cognitivo, social e afetivo. Sem se tornar uma disciplina auxiliar de outras, a Educação Física precisa garantir que, de fato, as ações físicas e as noções lógico-matemáticas que a criança usará nas atividades escolares e fora da escola possam se estruturar adequadamente. Observa-se que quando o professor de Educação física entra na sala de aula ele se depara com diferentes realidades, muitas vezes não sabendo que conteúdo trabalhar que possa envolver a todos, percebesse aí uma necessidade de investimento nas áreas de macroplanejamento, sendo que as medidas impostas nas propostas de reformas curriculares exigem mudanças na seleção. O que se observa como fim para a educação e para a Educação Física é o desenvolvimento das competências básicas, que permita desenvolver a capacidade de continuar aprendendo. Isto demanda sistematizar um conjunto de disposições e atitudes como pesquisar, selecionar informações, analisar, sintetizar, argumentar, negociar significados, de forma que o aluno possa participar do mundo social e político, incluindo-se a cidadania, o trabalho e a continuidade dos estudos (COSTA; JESUS; SILVA, 2007, p. 18). E tratando de objetivos ressaltamos aqui também a importância que a mesma tem para nossas vidas. A Educação Física é muito mais do que práticas repetitivas de movimentos com objetivo de desenvolver qualidades físicas.

18 17 Considerando essa perspectiva a Educação Física para a EJA, poderia ter como objeto de estudo e pesquisa, o homem e sua produção cultural, no tocante a reflexão sobre o corpo, a sociedade, a ética, a estética e as relações inter e intrapessoais (COSTA; JESUS; SILVA, 2007, p. 27). Os objetivos da educação física escolar contemplam o desenvolvimento motor, afetivo-social e cognitivo, que podem assumir diferentes relações nos conteúdos, conforme a faixa etária dos alunos. Portanto, espera-se que os alunos por meio da Educação Física Escolar, possam melhorar, adquirir, ampliar e ter acesso a alguns componentes essenciais da Educação Física Escolar.

19 18 2 METODOLOGIA 2.1 ABORDAGENS DA PESQUISA A pesquisa caracteriza-se como qualitativa, ou seja, busca descrever a complexidade de determinado problema e a interação de certas variáveis, compreendendo e classificando os processos dinâmicos e suas particularidades. A pesquisa qualitativa envolve a redução dos dados, a categorização desses dados, sua interpretação e a redação do relatório (GIL, 2009, p. 133). 2.2 TIPO DE PESQUISA De acordo com Gil (2009), a pesquisa de campo procura o aprofundamento de questões propostas a partir de características da população pesquisada, segundo determinadas variáveis. Estuda um único grupo ou comunidade em termos de sua estrutura social, ressaltando a interação entre seus componentes. Já o estudo de caso, conforme Gil (2009, p. 54) consiste no estudo profundo e exaustivo de um ou poucos objetos, de maneira que permita seu amplo e detalhado conhecimento. Assim, optou-se pela abordagem exploratória que tem como objetivo: [...] proporcionar maior familiaridade com o problema, com vistas a torná-lo explícito [...]. Na maioria dos casos, essas pesquisas envolvem: (a) levantamento bibliográfico; (b) entrevistas com pessoas que tiveram experiências práticas com o problema pesquisado (GIL, 2009, p. 41). 2.3 CONTEXTO DA PESQUISA Assim, para esta pesquisa, o contexto de estudo foi o CEJA, localizada no município de Itapiranga SC. O universo diz respeito a professores de Educação Física do Ensino Fundamental da EJA. 2.4 OS SUJEITOS DA PESQUISA A entrevista foi realizada com o professor de Educação Física do Ensino Fundamental da EJA, da cidade de Itapiranga SC.

20 OS INSTRUMENTOS DA PESQUISA Segundo Gil (1999), entrevista é uma técnica de pesquisa que visa obter informações de interesse a uma investigação, onde o pesquisador formula perguntas orientadas, com um objetivo definido, frente a frente com o respondente e dentro de uma interação social. A entrevista foi realizada por meio de diálogo e questionário que foi aplicado ao professor de Educação Física da EJA. 2.6 ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA Inicialmente foram escolhidas a escola e a turma que fizeram parte da pesquisa. Em seguida foi contatado com cada um deles sobre a disponibilidade de participarem da pesquisa. A partir da aceitação da direção, professor e alunos, os mesmos preencheram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (ANEXO B) para ser entregue à pesquisadora. Num segundo momento foi analisado o currículo da escola, após observação das aulas da Educação Física e em seguida entrevista semiestruturada com o professor de Educação Física. O professor não precisou se identificar no questionário, garantindo o anonimato de sua participação.

21 20 3 APRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS Os resultados obtidos nessa pesquisa foram interpretados com base na revisão bibliográfica. Desta forma, foram analisadas de forma individual e posteriormente global as informações recolhidas com as observações e entrevistas semiestruturadas com o sujeito da pesquisa. Assim sendo, os dados foram analisados com base em uma análise de conteúdo. A análise de conteúdo tem como objetivo captar um saber que está por trás da superfície textual, onde o pesquisador se propõe a desvendar a subversão escondida, procurando reproduzir e disseminar a realidade encontrada, ou seja, verificar uma determinada realidade. 3.1 PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E A EJA Com este título, neste capítulo será apresentada a estrutura da escola, o seu funcionamento, as principais intenções e a realidade da EJA descrita e praticada. Considerando os parágrafos 1º e 2º do artigo 1º da LDB nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, observa-se que a educação escolar vê o aluno como sujeito que em sua vivência cotidiana se organiza de forma social por ser este seu instinto natural. A educação é, então, um meio de agilizar os processos formativos do ser humano em suas diferentes organizações, inclusive no mundo do trabalho. Conforme a mesma Lei em seu art. 4º, inciso VII, a oferta de educação escolar regular para jovens e adultos, com características e modalidades adequadas às suas necessidades, deixa bem claro que o trabalho pedagógico a ser desenvolvido com os mesmos deve respeitar suas origens, seu projeto de vida, seu desenvolvimento cognitivo até então complementado pelas vivências sociais ou de ofício/trabalho. Nesta concepção o trabalho com jovens e adultos deve ser norteado por um planejamento coletivo e uma avaliação participativa A Educação Física no CEJA Considerando o Projeto Político Pedagógico e o regimento escolar do CEJA vê-se no componente curricular Educação Física as responsabilidades iguais aos

22 21 demais componentes da escola. A escola, em seu programa, destaca o seu papel com o aluno: A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9.394/96, complementada pela Lei nº 170/98, Sistema Estadual de Educação de Santa Catarina, atribui aos estabelecimentos de ensino a incumbência de elaborar e executar a sua proposta pedagógica, abrindo possibilidades para a introdução de mudança de novas práticas, visando uma aprendizagem de qualidade. Na construção desse processo, a legislação pressupõe que todas as instâncias do sistema de ensino, num processo de construção coletiva, busquem a partir da discussão, da análise e da interpretação dos dispositivos legais, a consolidação do Projeto Político Pedagógico, onde conste e assegure os direitos e princípios, para uma educação dinâmica que corresponda às necessidades individuais e coletivas. Além de representar um desafio para a comunidade escolar envolvida, representa uma importante decisão política, pois estabelece um compromisso de fortalecimento para a cidadania e constitui-se num instrumento de gestão democrática. Esse instrumento organizará e orientará toda a ação da escola e deverá retratar efetivamente a realidade escolar, contribuindo para a formação de sua identidade e a sua autonomia. O Projeto Político Pedagógico objetiva nortear todo o trabalho da comunidade escolar, contribuindo para o crescimento e a legitimidade do processo de ensino e aprendizagem, com adoção de critérios próprios de organização da vida escolar, enfatizando a produção e a socialização do conhecimento das ciências, das letras, das artes, da política e da cultura, capaz de participar do processo de construção da sociedade. Embora as aulas de Educação Física na EJA sejam ministradas na sextafeira à noite (quatro períodos de 45 minutos de duração), elas são diversificadas de conteúdos e participativas, segundo o professor é um tempo bom onde consegue passar a teoria e a prática Metodologia e Conteúdos As aulas partiram do princípio do diálogo, da exposição, com espaço para vivências em torno do tema abordado. Segundo a metodologia as aulas são

23 22 ministradas de forma diversificada, levando em consideração a fase motora dos alunos, usando metodologias para despertar nos alunos o interesse e a vontade de aprender. Os conteúdos são trabalhados através de aulas expositivas, dialogadas, teoria associada com a prática individual, coletiva, pequenos e grandes grupos e jogos de interação. Conforme programação elaborada pelo professor para o desenvolvimento no bloco D (03/10 a 12/12) ficam estabelecidos os seguintes conteúdos: - voleibol de quadra e areia (fundamentos, teoria e prática, toques, recepção, levantamento, saque, manchete, bloqueio, cortada, fundamentação tática de defesa/ataque e regras); - atletismo (fundamentação teórica e prática, corridas, revezamento com bastão, salto em altura e distância, arremesso de peso, dardo, disco, martelo e regras); - jogos de raciocínio lógico (baralho, trilha, dama, dominó, banco imobiliário, stop, três Marias e general, fundamentação teórica e prática). Conteúdos estes descritos no plano de estudo do professor e repassados nas aulas observadas, porém um jogo repassado não consta no plano que é o taco. Em questionamento ele relata que o plano foi feito no início do ano e com o andar das aulas resolveu trazer algo diferente que foi o taco, jogo que os alunos demonstraram muito interesse em aprender Avaliação Compreendida como processo dinâmico, a avaliação aconteceu na produção e vivências, tanto individual como em grupo. Despertar o interesse de cada aluno para as provas individuais e em grupos, pela pesquisa e pela reflexão coletiva, principalmente no final de cada aula. Para avaliar o desempenho e participação dos alunos foram estabelecidos os seguintes critérios: - avaliação será constante, contínua e gradativa; - comportamento, postura, interesse, dedicação, respeito, responsabilidade, esforço, participação, relacionamento, criatividade, conhecimento e assiduidade;

24 23 - empenho e desenvolvimento nas aulas práticas; - pontualidade na entrega dos trabalhos; - alunos com problema de saúde devem apresentar atestado médico; - roupas adequadas para a prática. Durante as aulas observadas foram avaliados todos estes critérios. Em entrevista foi questionado como acontece a avaliação dos alunos que amparados por lei não participam da prática: Até o momento todas as turmas que trabalhei e trabalho não teve este problema, claro teve atestado, já tive um caso de aluno com dor muscular que não participou pela dor, não porque não queria fazer, por preguiça, não, todos sempre participaram, a avaliação destes alunos com dor muscular foi a mesma que os demais alunos que participam da prática (PROF. CARLOS). Como visto anteriormente a maioria dos alunos tem sua pratica facultativa, mas mesmo assim participam e demostram interesse pelas aulas de Educação Física do professor Carlos. 3.2 A FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA Em relação ao professor Carlos ele relata que é casado, tem 34 anos e não possui filhos. E falando da sua formação ele relata que o curso de graduação de Educação Física, realizado na Universidade do Noroeste de Santa Catarina (UNOESC), concluído no ano de 2004, lhe proporcionou uma boa capacitação, a base necessária, porém não foi o bastante, teve que buscar mais conhecimento para se sentir mais seguro para dar aula. Sobre sua formação a luz das demandas de trabalho em seu início de carreira, relata que teve bastantes dificuldades, por ser tudo novo, porque muita coisa não havia visto na faculdade e teve que correr atrás, hoje se sente mais seguro pela questão da experiência que adquiriu. E sobre sua chegada nesta escola relata que faz um ano que está no CEJA. Esteve afastado por um tempo e este ano retornou, a sua expectativa mudou um pouco na questão da carga horária, trabalha 10 horas por semana, sendo que são

25 24 quatro aulas por noite, ele salienta que na questão do planejamento mudou bastante, porque anteriormente trabalhava em escola do município onde havia três aulas de Educação Física por semana em dias diferentes. Na EJA trabalha com duas turmas, Ensino Fundamental e Médio. O Ensino Fundamental é dividido em dois blocos, o C e o D, que correspondem ao 8º e 9º anos, e o Ensino Médio é dividido em três blocos, A, B e C, que são 1º, 2º e 3º anos, isso fecha a carga horária de 10 horas semanais, quintas e sextas à noite. Sobre suas aulas o professor menciona que trabalha bastante com a teoria, por serem alunos mais velhos preferem mais a teoria, principalmente relacionados com a saúde. Complementando ele esboça que é de suma importância o profissional estar sempre em busca de conhecimentos. Assim sendo relata sobre suas buscas: Sempre que possível faço cursos, quando tenho dúvidas de algo antes de repassar para o aluno vou pesquisar. Considero muito importante o professor estar sempre em busca de conhecimento, mas confesso, deveria ler mais, devido a minha carga horária, a compromissos externos, família, estou buscando muito pouco conhecimento (PROF. CARLOS). As evidências encontradas em relação à ênfase pela formação continuada podem ser sustentadas por Fensterseifer e Silva (2011, p. 124): A formação do professor é um ato contínuo, não termina ao concluir a graduação ou qualquer outra etapa de seu processo formativo, estende-se, na literal acepção do termo processo, por toda sua trajetória profissional, que é, portanto, singular. Por ter se formado há 10 anos apenas relata que na sua formação não teve prioridades de disciplinas, foram trabalhadas todas as disciplinas por igual. Apesar de estar trabalhando na EJA, uma experiência nova em sua vida, relata que nunca pensou em desistir, apesar das dificuldades. Nada é mais satisfatório para mim do que fazer a prova final e ver que o aluno foi bem, que realmente ele aprendeu alguma coisa, que meu trabalho não foi em vão (PROF. CARLOS). Enfim, o professor tem um papel fundamental no processo de ensino e aprendizagem e está muito além da simples transmissão de informação, pois mesmo

26 25 com todos os recursos eletrônicos e didáticos, nada substituirá a capacidade de dar afeto, passar emoção, vibrar com cada conquista do aluno, isso sim é privilégio. 3.3 O PLANEJAMENTO E A PRÁTICA PEDAGÓGICA Em entrevista com o professor Carlos ele menciona que o planejamento deve ser feito, e que pelo fato da idade deles ele prioriza conteúdos sobre a qualidade de vida: Eu planejo e considero o planejamento algo para qualificar meu trabalho. O próprio aluno percebe se você planejou ou não, isso é uma coisa clara, você percebe nitidamente, e aqui no CEJA como são cinco aulas por noite, por serem alunos com mais idade a gente foca muito a questão da teoria sobre qualidade de vida, com eles então meu planejamento é dividido nesta questão de idade deles e pelo tempo que tenho em sala para trabalhar (PROF. CARLOS). Relata que chegou a esta conclusão através de experiências de trabalho, não só no CEJA, mas em outras escolas que atua e atuou. Além do mais, salienta que jamais pensou em se acomodar em seu trabalho por falta de apoio da equipe diretiva ou pela desvalorização da sua disciplina por parte dos outros profissionais do ensino: Jamais pensei em me acomodar, a equipe diretiva sempre me auxiliou no que foi preciso. Muitas vezes acontecia, principalmente anos atrás, o pessoal achar que a Educação Física qualquer um pode vim aqui e dar essa aula, hoje está se percebendo que não é bem assim, tem que ter conhecimento na área para passar para os alunos, não é simplesmente chegar lá e fazer o que eles querem. O pessoal hoje em dia eu vejo que estão valorizando um pouco mais esta área (PROF. CARLOS). Em sua graduação relata que teve uma disciplina que tratou de planejamento que era a didática, mas teve muito pouco, não era tão valorizado. No entanto, relata que como aprendeu na graduação e como faz tem diferença, porque muita coisa teve que buscar, teve muita pouca vivência neste tema. Menciona também que como fazia no começo e faz agora também tem diferença, porque muita coisa se vai vendo com outros olhos e buscando ao longo dos anos.

27 26 Além do mais, utiliza como suporte pedagógico para o planejamento de suas aulas, PCNs de Educação Física e alguns livros que adquiriu durante sua graduação. Acrescentando, afirma que o planejamento é realizado individualmente, cada um faz o seu, até porque ele é o único professor de Educação Física na EJA: Não temos nenhum planejamento específico da Educação Física, cada um faz o seu. O plano de estudo é feito e entregue à direção da escola no começo do ano, passando por uma autoavaliação, já o plano de aula cada professor fica com o seu (PROF.CARLOS). Além do mais, menciona que na escola acontece um planejamento participativo, onde todos os professores participam, mas este planejamento trata de assuntos gerais da escola e não o planejamento em si. Questionado se leva em consideração os planos de anos anteriores, ele cita que: Não levo em consideração, porque tudo depende da realidade da turma, tem turmas que tu vai trabalhar de uma maneira, e ano que vem pega outra realidade bem diferente, tendo que mudar todo o planejamento (PROF. CARLOS). Acrescentando, ele também fala que para planejar leva em consideração conhecimentos anteriores, a realidade social e motora dos alunos, relata que por serem de idades diferentes, condições físicas, antes de planejar entra em contato com a turma para ver a realidade dos alunos e depois planeja. Em relação à priorização de conteúdos, ele salienta que trabalha bastante teorias ligadas à qualidade de vida e saúde, priorizando a saúde, pois é uma turma com alunos mais velhos, gostam mais da teoria e demonstram bastante interesse pelo tema. Também ressalta que a equipe pedagógica da escola não interfere no seu planejamento, ficando a critério de cada professor sua forma de trabalhar. O professor Carlos, questionado sobre o planejamento de suas aulas, relata que costuma fazer isso em casa, nos finais de semana, pois na escola não tem hora atividade. Em relação a isso menciona que isto é uma das suas dificuldades, pois o único tempo que você tem para ficar com a família tem que planejar e corrigir provas. Questionado sobre a elaboração do Projeto Político Pedagógico, ele relata: Esta pergunta não posso te responder no momento, pois não tenho conhecimento de como acontece a elaboração, nunca participei (PROF. CARLOS). Continuando, ele relata que em nenhum dos documentos escolares teve a participação/elaboração

28 27 da equipe pedagógica, pelo menos enquanto ele está ali. O Projeto Político Pedagógico está pronto, o plano de estudo cada um faz o seu e o regimento escolar não tenho conhecimento (PROF. CARLOS). De certo modo, o professor Carlos afirma que não tem mais tanta dificuldade de aplicar o planejamento, por questão de tempo de serviço: Agora no momento por questão de tempo de serviço não vejo mais tanta dificuldade, claro tem coisas que às vezes a gente se depara com turmas diferentes, tendo que mudar o planejamento, mas hoje não me vejo com tanta dificuldade como no início, tipo às vezes você vem com uma modalidade diferente e a turma não se adapta, aí você acaba mudando toda sua metodologia de trabalho, até às vezes você vem com uma modalidade que eles nunca vivenciaram, aí no início até eles compreenderem, conhecerem as regras não é de um dia para o outro que consegue se enturmar toda a turma, conquistar eles é uma realidade que a gente se depara diariamente (PROF. CARLOS). E, falando sobre planejamento e implementação, relata que sua maior dificuldade é a questão da disparidade da idade deles, tem alunos novos e alguns com idades muito avançada, então isso é o maior cuidado que devo ter e por isso sinto dificuldade em planejar (PROF. CARLOS). E na implementação do planejamento é esta a dificuldade, segundo ele, principalmente os mais velhos, além da questão da idade, eles vêm muito cansados para a escola por questão de trabalho do dia a dia, então tem que ter um cuidado muito grande para não lesionar ninguém, menciona. Quando questionado sobre a relação entre planejamento e o professor de Educação Física, o que lhe motiva em realizar um trabalho comprometido e organizado com seus alunos e escola, ele salienta: O que me motiva é ver que em todas as aulas eles estão dando conta, é sinal que eu estou vindo com as coisas planejadas e estão tirando notas boas, também a satisfação de ver que estão aprendendo (PROF. CARLOS).

29 28 CONSIDERAÇÕES FINAIS Ao chegar às considerações finais, enfatizo como a Educação Física é vista na EJA, como já mencionado anteriormente a legislação ampara a não obrigação da atividade física para alunos maiores de 30 anos e alunos que trabalham seis horas ou mais durante o dia, dando assim o direito ao aluno de optar ou não pela prática. Foi isto que me instigou a pesquisar este tema, uma turma amparada por lei com alunos de idades muito diferentes, como o professor planeja a aula para esta turma? Após um estudo de caso se constatou que o planejamento é muito importante e deve ser feito por todos os professores de todas as disciplinas, sem o planejamento você não tem um rumo a seguir, o aluno percebe que você não planejou e dá menos importância para sua aula. Portanto, o planejamento de aula é algo norteador para as ações docentes e é uma maneira de fortalecer a legitimidade da Educação Física Escolar. Além do mais, o planejamento de aula contribui para um trabalho docente comprometido e ético e, principalmente, para o êxito do processo de ensino e aprendizagem, pois é através dele que serão direcionadas as ações dentro da sala de aula, enfocando o aprendizado e a evolução do aluno. Apesar das dificuldades encontradas na turma da EJA, por ter alunos com idades diferentes, capacidade física, é possível realizar um trabalho bom, mas é necessário primeiramente conhecer a realidade da turma para depois planejar. Mesmo conhecendo a realidade da turma o professor encontra dificuldades no planejamento e implementação do mesmo. Por se deparar com uma disparidade da idade, tem alunos novos e alguns com idades muito avançadas, então isso é o maior cuidado que o professor deve ter e por isso sente dificuldades em planejar e

30 29 na implementação do planejamento é esta a dificuldade encontrada, é difícil encontrar um conteúdo onde todos consigam se adaptar. Mesmo assim, com tantas dificuldades o professor não desiste, não pensa em se acomodar, faz cursos e pesquisas, aprofundando seus conhecimentos para melhor repassar para os alunos, pois sabe que no fim vem a recompensa, a satisfação de ver que seu aluno aprendeu o que lhe foi repassado. O professor da EJA, durante o diálogo, ressaltou que no período da graduação da licenciatura pouco se tratou sobre EJA. Talvez deva a isso a carência de metodologias voltadas à EJA. Tudo isso dificulta o trabalho do professor em sala de aula. O fato do professor da EJA ter metodologias apropriadas a esta faixa etária é essencial para que ele garanta a permanência desses alunos na escola, usando técnicas e recursos que o façam sentir parte desse novo mundo, o mundo de conhecimentos e oportunidades. O professor da EJA utiliza muito pouco livro didático, porque não está de acordo com a realidade dos alunos da EJA, visto que possuem tópicos que não inclui o sociocultural dos alunos em questão, por isso ele faz seu próprio material didático, adaptado ao cotidiano dos alunos. Esse planejamento ocorre em casa, pois não tem hora atividade na escola, sendo isto uma das dificuldades citadas por ele. Sem dúvida é um desafio trabalhar com a EJA, mas com muita dedicação e interesse por parte dos professores é possível realizar um trabalho bom, onde há planejamento e apoio da direção no que for necessário. As considerações e os resultados obtidos nessa pesquisa (que aborda um estudo de caso sobre planejamento da prática pedagógica na Educação Física da EJA no município de Itapiranga SC) têm a intenção de contribuir para o campo educacional, principalmente para a reflexão sobre a importância do planejamento na prática pedagógica dos docentes de Educação Física no âmbito escolar. E que possa servir, também, como instrumento útil para debates e reflexões acerca da problemática por mim estudada.

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Luis Ricardo Silva Queiroz Presidente da ABEM presidencia@abemeducacaomusical.com.br

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO Eixo Temático 2 - Pesquisa e Práticas Educacionais Autora: Beatriz de Oliveira Abuchaim Orientadora: Maria Malta

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

A VISÃO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO ÀS ATIVIDADES LÚDICAS COMO MEIO DE ENSINO DE ESPORTES.

A VISÃO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO ÀS ATIVIDADES LÚDICAS COMO MEIO DE ENSINO DE ESPORTES. A VISÃO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO ÀS ATIVIDADES LÚDICAS COMO MEIO DE ENSINO DE ESPORTES. FERNANDES, Jaqueline S. da S. & FONSECA, Viviane S. O. 1, Márcia Regina Walter 2. 1- Acadêmico do

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA Vera Lúcia de Brito Barbos Mestranda em Educação Lúcia de Araújo R. Martins UFRN 1. INTRODUÇÃO Podemos considerar que estamos atravessando um dos maiores

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

O PROFESSOR EM SITUAÇÃO DE ESTÁGIO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ALUNOS

O PROFESSOR EM SITUAÇÃO DE ESTÁGIO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ALUNOS O PROFESSOR EM SITUAÇÃO DE ESTÁGIO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ALUNOS Bruna Silvestre Estevam Graduanda do curso de Licenciatura em Educação Física Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu GTT: Escola O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu Almir Zandoná Júnior 1 Fernando Henrique Silva Carneiro 2 Justificativa/Base teórica A entrada da Educação

Leia mais

A REPRESENTAÇÃO SOCIAL SOBRE O ESPORTE SEGUNDO OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO NA UNED - FLORIANO José Carlos de Sousa 1

A REPRESENTAÇÃO SOCIAL SOBRE O ESPORTE SEGUNDO OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO NA UNED - FLORIANO José Carlos de Sousa 1 A REPRESENTAÇÃO SOCIAL SOBRE O ESPORTE SEGUNDO OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO NA UNED - FLORIANO José Carlos de Sousa 1 1 Professor Curso de Educação Física,UESPI garotopi@uespi.br RESUMO O presente trabalho

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL Nome: ALDINÉA GUARNIERI DE VASCONCELLOS Escolaridade: Super Completo/ Pós- Graduação Idade: 44 anos Profissão: Assistente Social Local de Trabalho:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

ALONGAMENTO: INVESTIGAÇÃO ENTRE

ALONGAMENTO: INVESTIGAÇÃO ENTRE ALONGAMENTO: INVESTIGAÇÃO ENTRE ACADÊMICOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA REGIÃO DE CAMPINAS Marcy Garcia Ramos 1 João Gomes Tojal 2 1 Universidade Estadual de Campinas Departamento de Ciências do Esporte,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico Vanessa Lopes da Silva 1 Leandro Marcon Frigo 2 Resumo A partir do problema dicotômico vivenciado pelo Ensino Técnico Integrado,

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS, UMA METODOLOGIA ESPECIAL PARA ALUNOS E PROFESSORES NA PERSPECTIVA DA ESCOLA INCLUSIVA

A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS, UMA METODOLOGIA ESPECIAL PARA ALUNOS E PROFESSORES NA PERSPECTIVA DA ESCOLA INCLUSIVA A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS, UMA METODOLOGIA ESPECIAL PARA ALUNOS E PROFESSORES NA PERSPECTIVA DA ESCOLA INCLUSIVA ROSEMARY BARBEITO PAIS rosebarbeito@hotmail.com ORIENTADORA PEDAGÓGICA - CP2 DOUTORANDA EM

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO ISSN 2316-7785 PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO RESUMO Karen Rodrigues Copello Universidade Federal de Santa Maria karen_keruso@hotmail.com Debora Silvana Soares Universidade

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Ministério do Esporte

Ministério do Esporte A CULTURA CORPORAL DO MOVIMENTO HUMANO E O ESPORTE EDUCACIONAL Ministério do Esporte OBJETIVOS: 1. Reivindicar e demarcar as fronteiras da cultura corporal do movimento humano (CCMH) como um espaço próprio

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade?

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? Discente em formação do curso de Licenciatura Plena em Educação Física, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, Campus Jequié.

Leia mais

09/12/2014 JUSTIFICATIVAS A PROMOÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA NA ESCOLA. Questões norteadoras SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM ESTILOS DE VIDA & SAÚDE

09/12/2014 JUSTIFICATIVAS A PROMOÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA NA ESCOLA. Questões norteadoras SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM ESTILOS DE VIDA & SAÚDE SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM ESTILOS DE VIDA & SAÚDE PROMOÇÃO DE ESTILOS DE VIDA SAUDÁVEIS NA ESCOLA Prof. Mario Renato de Azevedo Júnior A PROMOÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA NA ESCOLA Questões norteadoras

Leia mais

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO Silvana Sousa Andrade - UESC 1 GT15 - O Professor e a Pesquisa RESUMO: Este estudo aborda a relação entre

Leia mais

A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PINTO 1,SIMONE P; VIANNA 2,DEISE M. 1 Programa de Pós Graduação em Ensino de Biociências e Saúde. Instituto Oswaldo Cruz. 2 Instituto de Física. Universidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

Educação física inclusiva como prática de inclusão social e qualidade de vida para todos

Educação física inclusiva como prática de inclusão social e qualidade de vida para todos JORGE STEINHILBER 1 Educação física inclusiva como prática de inclusão social e qualidade de No Brasil, a Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva assegura acesso ao

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

FILOSOFIA NA ESCOLA, POR QUE NÃO?

FILOSOFIA NA ESCOLA, POR QUE NÃO? FILOSOFIA NA ESCOLA, POR QUE NÃO? Bruna Jéssica da Silva Josélia dos Santos Medeiros José Teixeira Neto (UERN) Resumo: A filosofia, amor pela sabedoria, enquanto componente curricular do Ensino Médio busca,

Leia mais

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO AUTOR(ES): THAIS

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

JOGOS ESCOLARES E ESPORTE: DITANDO AS REGRAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR?

JOGOS ESCOLARES E ESPORTE: DITANDO AS REGRAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR? RESUMO JOGOS ESCOLARES E ESPORTE: DITANDO AS REGRAS PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR? Luís César Souza 1 Letícia de Queiroz Rezende 2 Ricardo Tavares de Oliveira 3 A presente pesquisa é realizada dentro

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES Tamiris Andrade Nascimento (Mestranda do Programa Educação Cientifica e Formação de Professores da Universidade

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente Leandro Pedro de Oliveira¹ INTRODUÇÃO A introdução à carreira docente tem sido objeto de

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA Apresentação e contextualização da Educação Física e da cultura universitária em geral; Discussão

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

O PENSAR E FAZER EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO COTIDIANO ESCOLAR

O PENSAR E FAZER EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO COTIDIANO ESCOLAR O PENSAR E FAZER EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO COTIDIANO ESCOLAR Ana Paula da Silva Graduanda em Pedagogia -UFPB- Campus IV- Marcklene S. Lima Graduanda em Pedagogia -UFPB- Campus IV Rosineide da Silva Chaves Graduanda

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E AS DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA

A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E AS DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E AS DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA Gabriela de Aguiar Carvalho, UFC Orientadora: Maria José Costa dos Santos, UFC INTRODUÇÃO

Leia mais

Regulamento de Estágio Curricular

Regulamento de Estágio Curricular Regulamento de Estágio Curricular REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR O presente regulamento normatiza o Estágio Curricular em acordo com a Lei nº 11.788, de 25/09/2008, componente do Projeto Pedagógico

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS

FORMAÇÃO CONTINUADA NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS FORMAÇÃO CONTINUADA NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS Ana Patrícia de Souza; Keila Gomes Tavares; Graciene Matos Lopes; Denilson Diniz Pereira Universidade Federal do Amazonas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

METODOLOGIA UTILIZADA PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE JATAÍ-GO RESUMO

METODOLOGIA UTILIZADA PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE JATAÍ-GO RESUMO METODOLOGIA UTILIZADA PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE JATAÍ-GO LIMA, Raiane Ketully Vieira Acadêmica do curso de Educação Física licenciatura da Universidade

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE ESTABELECIMENTO: CEEBJA TOLEDO DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA - 2014 ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO INDIVIDUAL E COLETIVO

PLANO DE TRABALHO DOCENTE ESTABELECIMENTO: CEEBJA TOLEDO DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA - 2014 ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO INDIVIDUAL E COLETIVO CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA PARA JOVENS E ADULTOS - TOLEDO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua Guarani, 1640 Centro Fone/Fax: 45 3252-7479 Toledo Paraná tooceebjatoledo@seed.pr.gov.br PLANO DE TRABALHO

Leia mais

Procuramos verificar o que propõem alguns professores que ministram disciplinas relacionadas aos temas em questão nos cursos de licenciatura em

Procuramos verificar o que propõem alguns professores que ministram disciplinas relacionadas aos temas em questão nos cursos de licenciatura em A SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR RELACIONADA AOS TEMAS JOGOS E BRINCADEIRAS E CAPOEIRA, NA PERSPECTIVA DE DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR André Barros Laércio Iório Luciana Venâncio

Leia mais

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS 1. Princípios Teórico-Filosóficos A Faculdade da Região dos Lagos vem se destacando como uma das principais instituições na formação de administradores, empresários e gerentes em nossa região. Além disso,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ALUNOS DO PRÉ VESTIBULAR: A VISÃO DE PROFESSORES DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS DE FORTALEZA 1

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ALUNOS DO PRÉ VESTIBULAR: A VISÃO DE PROFESSORES DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS DE FORTALEZA 1 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ALUNOS DO PRÉ VESTIBULAR: A VISÃO DE PROFESSORES DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS DE FORTALEZA 1 Renata Pereira Moreira 2 Heraldo Simões Ferreira 3

Leia mais

Faculdade de Alta Floresta - FAF REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE ALTA FLORESTA - FAF

Faculdade de Alta Floresta - FAF REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE ALTA FLORESTA - FAF REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE ALTA FLORESTA - FAF Alta Floresta/2011 Sumário DA FINALIDADE E DA COORDENAÇÃO 03 DOS OBJETIVOS 04 DO CURRÍCULO E DA CARGA HORÁRIA

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

A pesquisa na formação do professor

A pesquisa na formação do professor A pesquisa na formação do professor Karen Maria Jung Introdução Este trabalho tem por objetivo mostrar como a pesquisa, na formação de novos professores, é abordada nos diferentes cursos de Licenciatura

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA

A IMPORTÂNCIA DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2010, v. 11, n. 11, p. 61 66 A IMPORTÂNCIA DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA Flávia Bastos 1, Fernanda Martins 1, Mara Alves 1, Mauro

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

MARCAS DA AVALIAÇÃO ESCOLAR: FRUSTRAÇÕES E CONQUISTAS

MARCAS DA AVALIAÇÃO ESCOLAR: FRUSTRAÇÕES E CONQUISTAS MARCAS DA AVALIAÇÃO ESCOLAR: FRUSTRAÇÕES E CONQUISTAS Deise de Lima 1 Orientadora - Fernanda Bertoldo 2 Resumo Este artigo tem por objetivo relatar os caminhos da pesquisa desenvolvida durante o curso

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

PALAVRAS-CHAVES: Estágio supervisionado II, educação física, jogo.

PALAVRAS-CHAVES: Estágio supervisionado II, educação física, jogo. O JOGO COMO CONTEÚDO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO FUNDAMENTAL I: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO II QUEIROZ, Bruna Leite de Discente do 7º período do curso de Licenciatura

Leia mais

CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL

CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL 2013 1. IDENTIFICAÇÃO GRUPO DE EDUCAÇÃO FISCAL ESTADUAL DE GOIÁS GEFE/GO 2. APRESENTAÇÃO O curso a distância de Disseminadores de Educação Fiscal constitui

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ponte Alta Processo Seletivo Edital 001/2014 Monitor Desportivo

Prefeitura Municipal de Ponte Alta Processo Seletivo Edital 001/2014 Monitor Desportivo 1 CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Em seu Artigo 1º, a Lei Orgânica da Assistência Social LOAS, explica que a assistência social é: a. Uma política de seguridade social que provê os mínimos sociais

Leia mais

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Eduardo Vargas Pereira (IC) 1*, Diego Soares de Moura (IC) 1, Caroline Pereira Dutra (IC) 1, Roberta Almeida dos Santos

Leia mais

ANÁLISE DO NÍVEL DE MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESCOLA ESTADUAL NILO PEÇANHA: UM ESTUDO DE CASO.

ANÁLISE DO NÍVEL DE MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESCOLA ESTADUAL NILO PEÇANHA: UM ESTUDO DE CASO. ANÁLISE DO NÍVEL DE MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESCOLA ESTADUAL NILO PEÇANHA: UM ESTUDO DE CASO. Débora Cristina da Silva Sebriam¹ Resumo Através desse estudo,

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais