A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO NO PROCESSO DE ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NA VISÃO DE PROFESSORES DE ESCOLAS PÚBLICAS DE SERGIPE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO NO PROCESSO DE ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NA VISÃO DE PROFESSORES DE ESCOLAS PÚBLICAS DE SERGIPE"

Transcrição

1 1 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO NO PROCESSO DE ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NA VISÃO DE PROFESSORES DE ESCOLAS PÚBLICAS DE SERGIPE GT8 - Espaços Educativos, Currículo e Formação Docente (Saberes e Práticas) Hélio Magno Nascimento dos Santos 1 Antonio Hamilton dos Santos 2 Aline de Oliveira Santos 3 Resumo. O presente trabalho foi desenvolvido no objetivo de verificar as concepções de professores da educação básica, de escolas públicas de Sergipe, sobre as contribuições para o exercício da prática pedagógica, proporcionadas pela utilização do Planejamento, no ensino das Ciências Naturais. A pesquisa foi realizada com 22 professores de escolas públicas municipais de Sergipe, utilizando-se de questionário (Anexo I) com questões abertas e fechadas. Que após analisadas, foram categorizadas, constatando-se que elaboração do Planejamento é uma etapa importante na execução da prática de ensino. Observou-se a partir das respostas dos educadores, que o planejamento às vezes é prejudicado pela falta de recursos didáticos e pelas deficiências de infra-estrutura das escolas. Também verificouse que dentre os métodos e estratégias de ensino mais utilizadas na elaboração do planejamento, se inserem as aulas expositivas com o uso do livro didático e a inserção de jogos lúdicos e vídeos. Palavras chave: Escolas Públicas, Ciências Naturais, Planejamento. Abstract: This study was conducted in order to verify the concepts of basic education teachers in public schools in Sergipe, on contributions to the practice of teaching practice, resulting from the use of Planning, in the teaching of Natural Sciences. The survey was conducted with 22 teachers from public schools in Sergipe, using a questionnaire (Appendix I) with open and closed questions. That after analyzed were categorized, noting that the development planning is an important step in the implementation of teaching practice. It was observed from the responses of educators, that planning is sometimes hampered by lack of teaching resources and weaknesses in infrastructure of schools. Also it was found that among the methods and teaching strategies commonly used in the preparation of planning, fit into the lectures with the use of the textbook and the insertion of fun games and videos. Keywords: Public Schools, Natural Sciences, Engineering. 1 Licenciado em Química / UFS; Especialista em Metodologias de Ensino para Educação Básica/UFS; Mestrando NPGECIMA/UFS; Bolsista de mestrado/capes; voluntário do Projeto Desempenho Escolar Inclusivo na Perspectiva Multidisciplinar do Observatório de Educação da CAPES/UFS. 2 Licenciado em Química / UFS, Especialista em Gestão e Educação / Faculdade Pio Décimo; Mestrando NPGECIMA/UFS, Professor da Educação Básica Secretaria de Estado da Educação Sergipe. 3 Mestranda em Ensino de Ciências e Matemática(NPGECIMA) na Universidade Federal de Sergipe. Graduação em Química Licenciatura pela Universidade Federal de Sergipe.

2 2 INTRODUÇÃO Considerando o processo de ensino como um conjunto de métodos e estratégias, organizadas e estruturadas pelos educadores a fim de transmitir os conteúdos científicos de determinadas disciplinas, buscando desenvolver nos alunos e alunas as habilidades necessárias a construção do conhecimento, é consenso entre alguns teóricos como Libaneo (1991) e Fusari (1998) que o planejamento se insere como etapa fundamental deste processo. Desta forma, mesmo que para alguns profissionais, discutir o planejamento de ensino se configure como um assunto ultrapassado, em razão das acomodações que a experiência em sala de aula lhes propicia, com o passar do tempo, diante da realidade atual em que os indivíduos estão inseridos, o ato de planejar as ações cotidianas é algo imprescindível para o desenvolvimento de um trabalho significativo. Sendo assim, a importância de um trabalho planejado no mundo globalizado, tem um novo sentido, já que a organização das tarefas mudou bastante, da forma como ocorria há 20 anos, conforme aponta Hernández (1998, p. 63) [...] quando não existia a síndrome do excesso de informação, ou há 40, quando se pensava que as disciplinas se articulavam por regras estáveis, ou há 80, quando muitos campos disciplinares estavam em fase de definição. Observa-se, portanto que o tempo altera a forma e a necessidade de se refazer os nossos planejamentos. O ato de planejar é parte da história do ser humano, pois, o desejo de transformar aspirações em realidade concreta é uma preocupação que acompanha boa parte das pessoas. Ao iniciar o dia, o homem pensa e distribui suas atividades de acordo com o seu tempo e com suas necessidades: o que tem que fazer, Como irá fazer, Para que fazer e com o que fazer. Por isso, nas ações mais simples do ser humano em seu cotidiano, quando o homem pensa de forma a compreender seus objetivos, ele está planejando, sem necessariamente registrar de forma técnica as ações que irá executar durante o dia. Assim, pode-se dizer que a ação de planejar, ou o planejamento, faz parte da vida. Aquele que não mais planeja, corre o risco de realizar as coisas de forma mecânica, alienada e, como consequência, sua ação não ter um sentido lógico. Portanto, a realização de uma ação significativa no campo pedagógico ou em outros setores da sociedade, exige de seus idealizadores a utilização de um prévio planejamento. Mas, afinal, para que se planeja? Segundo Gandin (2005, p. 17) [...] a primeira coisa que nos vem à mente quando perguntamos sobre a finalidade do planejamento é a eficiência, que segundo ele é a execução perfeita de uma tarefa que se realiza.

3 3 Então, pode-se dizer que quando se planeja independentemente do que está sendo planejado, busca-se o melhor resultado, pois, o objetivo principal deste ato, é alcançar a satisfação própria e também daqueles que irão usufruir da realização do trabalho posto em pratica. É por isso que Gandin (2005, p. 17) aponta que além da eficiência, [...] o planejamento visa também à eficácia. Partindo especificamente para o campo educacional, ao tratar do planejamento nesta área, diversos termos sobre este assunto são utilizados no cotidiano das instituições escolares, como o planejamento educacional, planejamento escolar, planejamento de ensino e planejamento curricular. Ha princípio, tem-se a impressão de que tais termos não estão relacionados com o ato de ensinar propriamente dito. Ficando o seguinte questionamento, existem diferenças entre esses termos? E antes disso, o que os teóricos falam sobre o termo planejamento? As idéias sobre planejamento são amplamente discutidas na atualidade, mas para por em prática, faz se necessário entender os conceitos atribuído a esse termo. Desta forma, é imprescindível não se deter a apenas um conceito, mas tentar dentre os diversos pensamentos expostos, equalizar uma definição que permita um entendimento global sobre este tema, assim os diversos conceitos expostos a seguir possuem algumas variações, mas colaboram significativamente para uma estruturação de idéias. Segundo Libâneo (1991, p.221) [...] O planejamento escolar é uma tarefa docente que inclui tanto a previsão das atividades didáticas em termos da sua organização e coordenação em face dos objetivos propostos, quanto a sua revisão e adequação no decorrer do processo de ensino. O planejamento é um meio para se programar as ações docentes, mas é também um momento de pesquisa e reflexão intimamente ligado à avaliação [...]. Já na concepção de Padilha (2001, p. 30) [...] Planejamento é processo de busca de equilíbrio entre meios e fins, entre recursos e objetivos, instituições, setores de trabalho, organizações grupais e outras atividades humanas. O ato de planejar é sempre processo de reflexão, de tomada de decisão sobre a ação; processo de previsão de necessidades e racionalização de emprego de meios (materiais) e recursos (humanos) disponíveis, visando à concretização de objetivos, em prazos determinados e etapas definidas, a partir dos resultados das avaliações. Percebe-se a partir desta ideia, que o ato do planejamento, apesar de se configurar como inicio de todas as etapas a serem realizadas, refletirá concretamente no resultado final. Logo, para que os educadores desenvolvam suas ações pedagógicas de forma que o processo

4 4 de ensino inclua os educandos, é necessário refletir sobre os diversos aspectos que intervém neste processo procurando se antecipar de forma estruturada das possíveis necessidades de seus alunos e alunas, sendo assim planejamento é o processo de estruturação e organização da ação aponta Lück (2002). Dessa forma, visando à necessidade de enfatizar a relação professor-aluno no processo de ensino, Fusari (1998, p. 46) define o [...] planejamento como o processo que envolve a atuação concreta dos educadores no cotidiano de seu trabalho, relacionando todas as suas ações e situações, envolvendo a permanente interação entre os educadores e entre os próprios educando [...]. 35) No que se referem ao planejamento educacional, conforme Xavier (2000, p. 34- [...] O planejamento da Educação, no Brasil, tem sido entendido tanto como numa acepção macro em nível sistêmico, governamental, etc., quanto na acepção micro em nível escolar ou mesmo de sala de aula. No primeiro caso, há duas vertentes principais. A primeira denomino aqui de governamental (envolvida diretamente com as políticas públicas em nível federal, estadual ou municipal). São várias as instituições (Conselhos de Educação, Secretarias, Ministérios, Planos de Governo) e são vários pesquisadores (Pedro Demo é um exemplo recente) que se ocupam em estudar, propor e divulgar planos (estratégicos, tácitos e operacionais) para dar conta dos problemas educacionais brasileiros. A segunda vertente micro denomino de acadêmica, não só pelos objetivos a que se dispõe, mas, também, pela estrutura do discurso que utiliza; Na acepção micro, vamos identificar também duas vertentes, mas com um recorte diferente do anterior; tratam-se de dois enfoques distintos: uma vertente tecnicista e outra que denomino de participativa ou crítica. Ambas se ocupam do planejamento e da avaliação focados na escola e na sala de aula. Portanto, é se faz necessário por parte dos educadores uma visão ampla sobre a importância de planejar sua prática, visto que, o processo não deve ser pautado apenas no sentido de atender as necessidades da sala de aula, e sim é preciso que os docentes estejam conscientes da amplitude de sua ação observando o planejamento a partir da organização e estruturação da escola e da comunidade a qual esteja inserido. Já o planejamento de ensino, é uma previsão bem feita do que será ministrado em classe, pois ajuda o aprendizado dos alunos e aprimora a prática pedagógica do professor. Desta maneira o planejamento deve conter várias intenções e objetivos, para que não se torne um ato simplesmente burocrático, como acontece em muitas escolas. A forma de se planejar não deve ser repetitiva, pelo contrário, na realização do planejamento devem ser considerados

5 5 diversos aspectos: alunos como indivíduos com características próprias, levar em consideração as concepções dos alunos e procurar entender os interesses da turma. Conforme Xavier (2000, p. 117) [...] Para considerar os conhecimentos dos alunos é necessário propor situações em que possam mostrar os seus conhecimentos, suas hipóteses durante as atividades implementadas, para que assim forneçam pistas para a continuidade do trabalho e para o planejamento das ações futuras. Por esta razão, nos últimos anos, a discussão a sobre maneira como se ensina tem se direcionado para a questão de como se aprende. A aprendizagem nos dias atuais é compreendida dentro de uma visão construtivista como um resultado do esforço de encontrar significado ao que se está aprendendo. E esse esforço é obtido através da construção do conhecimento, que acontece com a assimilação e acomodação dos conteúdos, que são relacionados com antigos conhecimentos que constantemente vão sendo reformulados e ou reestruturados na mente dos alunos e alunas. Desta forma, numa perspectiva construtivista, há de se levar em conta os conhecimentos prévios dos alunos, a aprendizagem a partir da necessidade, do conflito, da inquietação e do desequilíbrio, fatores estes abordados na teoria de Piaget. Logo, partindo de visões como a de Piaget, é que o professor, como mediador do processo de ensino aprendizagem, precisa se planejar definindo os objetivos e os rumos da ação pedagógica, responsabilizando-se pela qualidade do ensino. Sendo assim este trabalho configura-se como um instrumento importante na área da educação básica, pois, refletir sobre a importância do planejamento no processo de ensino e aprendizagem, é fundamental para que os educadores e demais profissionais que integram o sistema educacional reavaliem suas ações, no sentido de realizar um trabalho que contribua para o desenvolvimento dos alunos. Portanto o objetivo geral deste trabalho é descrever as concepções de 22 educadores da educação básica, a partir de suas experiências profissionais, sobre as contribuições para o exercício das ações pedagógicas proporcionadas pela utilização do planejamento de ensino, já que, em razão da sala de aula ser um ambiente dinâmico e imprevisível, considera-se como fator primordial para o sucesso prática de ensino, a organização e estruturação das atividades pautadas em um planejamento previamente elaborado e discutido no transcorrer do ano letivo. METODOLOGIA

6 6 O presente trabalho que tem por objetivo focalizar o processo de ensino de ciências e a relevância do planejamento neste processo, este é resultado de uma pesquisa de campo realizado a partir da aplicação de um questionário com 22 professores da educação básica, mais precisamente das series iniciais do ensino fundamental, sendo o principal tema abordado nas questões, à importância do planejamento na pratica pedagógica dos educadores especificamente durante as aulas de ciências naturais. O questionário (Anexo I) construido para realização da pesquisa era composto de 10 questões a abertas e fechadas. Os professores sujeitos da pesquisa atuam em escolas de redes municipais de Sergipe, visto que, de acordo com a nova lei de diretrizes e Bases da educação (LDB nº 9394/96) é prerrogativa dos municípios oferecerem o ensino básico das series iniciais do fundamental. Das dez questões respondidas pelos professores, seis eram fechadas, buscando a partir das informações obtidas pelas mesmas, verificar qual a formação inicial destes profissionais, a participação em processos de formação continuada como Especialização, Mestrado e Doutorado, pois, é consenso que há uma influencia positiva entre aqueles que buscam a formação continuada no desenvolvimento de suas ações pedagógicas. Estas questões também procuravam verificar a quantidade de vínculos e o tempo de exercício da profissão docente. As quatro questões restantes eram abertas, e procuravam analisar através da opinião dos professores, qual a relevância que o planejamento exerce na organização e efetivação das ações pedagógicas realizadas no cotidiano destes profissionais, já que, as questões visavam se inteirar de situações como a carga horária destinada à aplicação do planejamento nas aulas de ciências, a frequência com a qual se discutia o planejamento entre os educadores, as principais dificuldades encontradas para realizar o planejamento, e o as metodologias e estratégias usadas nas aulas. RESULTADOS E DISCUSSÕES Os resultados obtidos através dos questionários foram categorizados e estão apresentados na forma de gráficos, também são apresentadas discussões sobre as respostas dos educadores que possibilitam uma reflexão sobre o tema proposto no trabalho. A pesquisa nos mostra através da analise de seus resultados, que em relação ao tempo de exercício da profissão, os sujeitos investigados, possuem uma experiência considerável na área pedagógica, visto que, dos 22 profissionais, dezesseis exercem a profissão efetivamente a mais de quinze anos, sendo que, 18 deles possuem formação inicial

7 7 específica em pedagogia alem de terem buscado em processos de formação continuada se aprimorar na área da educação básica infantil. Desta forma ao se inteirar do tempo de experiência profissional dos investigados, é possibilitado uma avaliação dos argumentos destes profissionais de maneira mais precisa, pois, refletir sobre a importância que o ato de planejar exerce sobre o bom desenvolvimento da pratica docente, vai requerer relatos com base em vivencias que apenas educadores com significativo tempo de profissão pode oferecer. No gráfico 1 abaixo, é apresentado a visão dos professores sobre a relação entre os conteúdos e atividades propostas no planejamento de ensino de ciências e a carga horária disponível para efetivação desta ação, percebe-se a partir dos resultados mostrados no gráfico, que as opiniões se dividem, demonstrando visões distintas sobre a necessidade em se trabalhar os conteúdos científicos referentes as ciências naturais. Gráfico 1: Execução do planejamento com a atual carga horária de ciências no ensino fundamental % 50% 10% Período Suficiente, conteúdo abordado superficialmente. Período Insuficiente para efetivação do planejamento. Depende do conteúdo e da participação do aluno. Os resultados do gráfico acima expressam de forma categorizada, as respostas dos educadores, de acordo com o grau de importância que estes atribuíam à transmissão dos conteúdos de ciências organizados previamente no planejamento, onde se observa nas respectivas respostas que 40% dos educadores concordam com a carga horária atual, já que abordam os conteúdos de forma superficial, pois estes afirmaram que priorizam os conteúdos de português e matemática por entenderem que são mais importantes para vida do aluno. Para os demais professores, a carga horária é insuficiente ou depende do conteúdo especifico, neste caso, os docentes afirmaram em suas respostas que consideram o ensino de ciências relevante para a vida dos alunos e alunas, pois consideram os temas trabalhados nas ciências naturais, como meio de inserir na mente dos educandos a conscientização em relação

8 8 a diversos aspectos como cuidados com o corpo humano, preservação da natureza, respeito aos animais, o desperdício e poluição dos mananciais e muitos outros. Desta forma na concepção de 60% dos educadores, a atual carga horária é insuficiente, pois parte considerável dos assuntos não é trabalhada como deveria, o que iria permitir aos educandos já na infância uma reflexão maior sobre seu papel perante a sociedade a qual estão inseridos, e também sobre o meio ambiente. Portanto fica evidente nas respostas, que alguns educadores em face das deficiências de sua formação inicial ou ate mesmo, por carregarem consigo concepções errôneas anteriores a sua formação profissional, acabam direcionando suas ações pedagógicas de forma que seus alunos e alunas não percebam a importância dos conteúdos das ciências naturais em seu cotidiano, o que também irá influenciar de forma negativa na ação pedagógica dos professores em series posteriores do ensino fundamental e médio. No gráfico 2, o presente estudo vai tratar sobre a frequência com qual o planejamento é discutido entre os professores de mesma disciplina, lotados numa mesma escola ou num mesmo município, pois, considerando que a sala de aula é um ambiente dinâmico e imprevisível, não basta apenas ter um planejamento é interessante que ele seja flexível e discutido constantemente Gráfico 2: Frequencia com a qual é discutido o planejamento entre a equipe de professores 10% 40% 45% 5% Semanal Quinzenal Mensal Semestral Os resultados observados no gráfico 2, mostram que os educadores sujeitos da pesquisa, costumam discutir o planejamento do ensino de ciências com uma regularidade, visto que, mais de 80% deles afirmam discutir o planejamento entre quinze e trinta dias. Dessa forma, espera-se que a partir dos resultados destas discussões surjam ideias sobre novas metodologias a serem postas em pratica, o que contribuirá para uma reflexão sobre a própria ação pedagógica destes profissionais.

9 9 Portanto, a ação de planejar o processo de ensino, vai alem da escolha de um método e da organização de metodologias a serem postas em prática na sala, já que, é necessário um dialogo constante entre os educadores, no sentido de aperfeiçoar as ações, pois ao expor aos colegas de trabalho suas experiências da sala de aula e a forma como se utilizam de seu planejamento os docentes estarão estruturando significativamente o ato de ensinar. No gráfico 3, é apresentado as respostas dos docentes em relação as principais dificuldades encontradas para aplicação efetiva do planejamento durante o cotidiano de suas ações em sala. A partir dos resultados obtidos foram organizadas em categorias as diversas opiniões relatadas pelos educadores, o que resultou na análise de três situações citadas com maior frequência, possibilitando uma avaliação do processo de ensino de algumas escolas através de diferentes aspectos externos a sala de aula. Percebe-se através dos resultados, que o principal obstáculo encontrado pelos professores para aplicação efetiva do planejamento de ensino de ciências, esta na falta de recursos didáticos pedagógicos, material este que contribui para dinamizar o ensino. Gráfico 3: Dificuldades encontradas para efetivação do planejamento do ensino de ciências % 32% 13% Recursos didáticos insuficientes Planejamento imposto pela direção sem a participação dos professores Falta apoio da equipe pedagógica Por essa razão, muitos educadores passam a trabalhar os conteúdos de ciências superficialmente, causando o desestímulo dos alunos na busca deste conhecimento, e consequentemente tornando a ação pedagógica num ato de memorização, de forma que os alunos apenas se preocupem em memorizar os conceitos trabalhados em sala de aula para responder as avaliações, esquecendo posteriormente tudo àquilo que foi visto, pois os alunos não conseguem relacionar tais conceitos com situações de seu cotidiano.

10 10 Outro ponto preocupante observado nas respostas se dá em razão da falta de autonomia de alguns professores, que acabam recebendo um planejamento já pronto das secretarias de educação de seus respectivos municípios, o que implicará em um trabalho pedagógico pautado na visão de profissionais que estão fora da sala de aula, partindo de uma visão generalizada, já que estas pessoas não conhecem na maioria dos casos a clientela a ser trabalhada, e acaba construido um planejamento sem considerar as concepções prévias dos educandos. Ainda sobre as dificuldades encontradas para efetivação do planejamento em sala de aula, foi citada pelos educadores a falta de apoio da equipe pedagógica em algumas escolas, sendo que, a ausência deste apoio ocorre por vários motivos, pois, os professores alegam que em algumas escolas não contam com coordenadores pedagógicos, em outras escolas este profissional não comparece na instituição ou quando comparece não exerce de fato a função, muitas vezes por não saberem, já que estão no cargo por indicação política. Diante desta situação, onde algumas instituições de ensino básico ainda estão intrinsecamente atreladas a vinculações políticas, que não contribuem para o desenvolvimento dos educandos, devem-se fortalecer ainda mais o debate sobre a Gestão Escolar Democrática, pois, muitos dos problemas que hoje interferem significativamente no desenvolvimento do processo de ensino, seriam solucionados ou amenizados a partir da implantação da gestão democrática nas escolas. Portanto, percebe-se que idealizar um planejamento de ensino e colocá-lo em pratica, vai muito alem da vontade do professor, pois o processo educacional requer uma ação conjunta, em que os profissionais da educação que compõem as instituições de ensino, devem trabalhar em regime de cooperação. Alem disso, é importante que o professor tenha a sua disposição, os recursos didáticos necessários para abordagem de determinados conteúdos de ciências, que exigem por parte dos alunos uma visão abstrata. Desta forma, fica evidente que a construção do conhecimento científico, sobretudo no ensino de ciências, que muitas vezes é deixado em segundo plano, em razão de alguns educadores priorizarem os conteúdos de português e matemática, necessita de fato da construção de um planejamento, e posteriormente, que seja disponibilizado aos educadores as condições básicas necessárias a realização de ações pedagógicas que envolvam alunos e alunas, no sentido de mostrar aos discentes a importância das ciências naturais em suas vidas. No gráfico 4, o presente trabalho verificou quais os principais métodos e recursos didáticos, utilizados pelos professores na construção do planejamento para o ensino de

11 11 ciências, a análise das respostas obtidas possibilitou que fossem categorizadas em grupos, sendo posteriormente discutidas Gráfico 4: Principais métodos e recursos didáticos usados no planejamento do ensino de ciências 50% 36% 14% Aulas expositivas, Livro didático e jogos. Aulas expositivas, Textos e Videos aulas expositivos com enfase interdisciplinar e contextuailização. Percebe-se através do gráfico acima, que dentre as metodologias e estratégias citadas na décima questão (Anexo I), pelas quais os educadores norteiam o exercício de sua prática docente, fica evidente que todos partem de aulas expositivas no sentido de atrair a atenção dos alunos e alunas na exposição dos conteúdos científicos, e consequentemente procurando construir o conhecimento. Observa-se também a forte influência que o livro didático, apesar da inserção das novas tecnologias, ainda exerce sobre os educadores, já que, 50 por cento dos profissionais sujeitos da pesquisa, admitem a utilização do livro como um dos principais recursos utilizados na sala de aula, sendo que esta influência ocorre por diversas razões, incluindo as deficiências da formação inicial, a falta de tempo para planejar as aulas, e ate mesmo em razão do comodismo, pois, muitos educadores exercem sua prática, com base nos anos de experiência, acreditando que não precisam buscar novos conhecimentos. Por esta razão, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB nº 9394/96) cita em um de seus artigos, que municípios, Estados e União devem oferecer a formação inicial, a formação continuada e a capacitação de seus educadores, proporcionando a estes profissionais uma frequente reflexão sobre a própria prática, algo que irá favorecer um ensino significativo aos discentes. A análise das respostas apresentadas no gráfico 4, nos permitem observar como os demais recursos didáticos disponibilizados pelas escolas são utilizados pelos educadores, onde percebeu-se que a utilização de vídeos e jogos lúdicos, vem se configurando como importantes ferramentas de auxilio para construção do conhecimento, visto que, tais recursos

12 12 são utilizados por mais de oitenta por cento dos professores pesquisados. É importante ressaltar também a utilização dos textos, recurso este que contribui não apenas para transmissão dos conteúdos de ciências, como no desenvolvimento do hábito da leitura. Apesar de serem citados numa proporção inferior, deve-se ressaltar a relevância que alguns educadores atribuem ao processo de ensino caracterizado pela interdisciplinaridade e contextualização, pois, ao envolver as diferentes disciplinas na transmissão dos conhecimentos, incluindo o contexto sócio-cultural e econômico dos educandos, os professores na condição de mediadores do ensino, contribuem para que os alunos possam assimilar os conteúdos trabalhados relacionando os mesmos com ações vivenciadas em seu cotidiano. Dessa forma, analisando as visões dos educadores através dos quatro gráficos, percebe-se que o planejamento do ensino das ciências, é imprescindível para o desenvolvimento do processo educacional, mas, é fundamental que os professores tenham a sua disposição os recursos básicos para efetivação deste planejamento, caso contrário o ato de planejar irá se configurar como ação burocrática do cotidiano dos educadores. CONSIDERAÇÕES FINAIS Ao pesquisar sobre as contribuições que o planejamento proporciona aos educadores, no exercício de sua prática pedagógica, percebe-se a importância que a pesquisa exerce no campo educacional, pois, a partir da observação e divulgação dos resultados obtidos nestes trabalhos, os educadores são estimulados a refletirem sobre suas ações, e consequentemente buscarem o aperfeiçoamento didático, no sentido de desenvolver uma prática em que os discentes construam o processo de ensino e aprendizagem com o professor. Desta forma, cabem a todos os profissionais que compõem o sistema educacional, auxiliar os educadores no desenvolvimento de um projeto de ensino, em que a construção do planejamento seja apenas a etapa inicial do trabalho a ser desenvolvido, sendo necessárias discussões posteriores, para que as ideias planejadas e organizadas no papel possam ser adaptadas no transcorrer do ano, no intuito de atender as carências de cada turma, já que, considerando as diversidades de cada grupo, nem sempre o planejamento pode ser aplicado da mesma forma em todas as salas de aulas. Portanto, ao verificar como os professores visualizam o desenvolvimento do trabalho pedagógico a partir da construção e aplicação efetiva do planejamento de ensino, observa-se que diversos fatores influenciam diretamente este processo, desde a formação inicial e continuada dos educadores, a estrutura física e os recursos didáticos disponibilizados

13 13 pelas escolas, alem da necessidade do engajamento das direções escolares e suas equipes pedagógicas, para que o planejamento possa de fato ser posto em pratica, contribuindo para que os educandos percebam a importância dos conteúdos abordados no ensino das ciências naturais em seu cotidiano. REFERENCIAS FUSARI, J. C. O Planejamento do Trabalho Pedagógico: Algumas. Indagações e Tentativas de Respostas. Série Ideias, n. 8. São. Paulo: FDE, p Disponível em: <www.cienciaemtela.nutes.ufrj.br/artigos/0208cassab.pdf>. Acesso: 23/08/2012. GANDIN, D. Planejamento como prática educativa. 10. ed. São Paulo: Loyola, HERNÁNDEZ, F. Transgressão e mudança na Educação: os projetos de trabalho. Porto Alegre: Artmed, LIBÂNEO, J. C. O planejamento escolar. LIBANEO, J. C. Didática. (Coleção Magistério 2º Grau Série Formação do Professor). São Paulo: Cortez, p , ISNB LÜCK, H. Planejamento em orientação educacional. 10. ed. Petrópolis: Vozes, PADILHA, R. P. Planejamento dialógico: como construir o projeto político-pedagógico da escola. São Paulo: Cortez; Instituto Paulo Freire, XAVIER, M. L. M.; ZEN, M. I. H. D. Planejamento em destaque: análises menos convencionais. Cadernos Educação Básica 5. Porto Alegre: Mediação, 2000.

14 14 ANEXO I QUESTIONÁRIO IDENTIFICAÇÃO. Pseudônimo: Sexo: ( )Masculino. ( )Feminino. Idade: Município onde nasceu: Município onde mora: Município em que trabalha: DESENVOLVIMENTO. 1. Qual sua área de formação? ( ) Química ( ) Física ( ) Biologia ( ) Pedagogia ( ) Normal superior ( ) Curso de formação em magistério (Ensino médio).qual? 2. Possui pós-graduação?. ( ) Especialização (Lato-sensu) ( ) Mestrado ( ) Doutorado 3. Há quantos anos atua no magistério? ( ) 01 ano ( ) 02 a 3anos ( ) 04 a 5 anos ( ) Outros. Quantos? 4. Com relação a sua situação profissional você é? ( ) Efetivo ( ) Contratado ( ) Outros. Qual? 5. O senhor (a) possui quantos vínculos na função de professor? ( ) Apenas um ( ) Dois ( ) Três ( ) Outros. Qual? 6. A carga horária de ciências no ensino fundamental é satisfatória, para realização das atividades propostas no planejamento? ( ) Sim. Porquê ( ) Não. Porquê ( ) Talvez. Porquê 7. Com qual frequência o Senhor (a) discute o planejamento de ensino, com outros professores da área? ( ) Toda aula ( ) Toda Semana ( ) Uma vez no mês ( ) Uma vez no semestre ( ) Uma vez no ano ( ) Nunca discute ( ) outros. Qual? 8. Existe alguma dificuldade para realização do planejamento de ensino? Qual? 9. O senhor (a) costuma participar de eventos (congressos, seminários, encontros, palestras) da área? Em caso afirmativo com qual frequência e que tipo de evento? 10. Quais metodologias e estratégias de ensino o senhor (a) utiliza no planejamento das suas aulas? Por quê? ( ) Aulas expositivas ( ) Experimentação ( ) Utilização de textos ( ) Contextualização ( ) Interdisciplinaridade ( ) Vídeo didático ( ) Jogos didático ( ) Seminário ( ) Outros. Qual?

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico Vanessa Lopes da Silva 1 Leandro Marcon Frigo 2 Resumo A partir do problema dicotômico vivenciado pelo Ensino Técnico Integrado,

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Introdução à Pedagogia Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) A disciplina se constitui como

Leia mais

como tutor, com a finalidade de estimular o processo de aprendizagem dos estudantes da

como tutor, com a finalidade de estimular o processo de aprendizagem dos estudantes da PROJETO FEIRA DE ITABAIANA: RELATOS DE UMA ATIVIDADE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DO FUTURO PROFESSOR Crislaine Barreto de Gois (UFS) 1 Antônio Carlos Pinto Oliveira (UFS) Sérgio Matos Santos (UFS)

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Planejamento e Avaliação da Educação Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário resumo) Aspectos históricos

Leia mais

AS DIFICULDADES ENFRENTADAS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS EM ESCOLAS MUNICIPAIS DO SUL DE SERGIPE E O PROCESSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA

AS DIFICULDADES ENFRENTADAS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS EM ESCOLAS MUNICIPAIS DO SUL DE SERGIPE E O PROCESSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA AS DIFICULDADES ENFRENTADAS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS EM ESCOLAS MUNICIPAIS DO SUL DE SERGIPE E O PROCESSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA Resumo SANTOS, Antonio Hamilton dos 1 - UFS SANTOS, Hélio Magno

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHSADCSAMT04 A MONITORIA COMO SUBSÍDIO AO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM: O CASO DA DISCIPLINA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NO CCHSA-UFPB Moisés de Assis Alves Soares (1) ; Kadidja Ferreira Santos (3) ;

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO ESCOLAR (Ênfase em Coordenação Pedagógica) PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO ESCOLAR (Ênfase em Coordenação Pedagógica) PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO ESCOLAR (Ênfase em Coordenação Pedagógica) PROJETO PEDAGÓGICO Campo Limpo Paulista 2012 1 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO ESCOLAR Marcos Legais Resolução

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Gestão Escolar III Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Gestão escolar democrática. Gestão

Leia mais

AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO

AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO Francelina Elena Oliveira Vasconcelos (france.vasconcelos@gmail.com) Rosilda Teixeira de Freitas (rosildafreitas@farrapo.com.br) Resumo Neste trabalho

Leia mais

O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ.

O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ. O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ. Alessandra da Costa Marques; Najara Siva; Lúcia Maria Assunção

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Alfabetização Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) História

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II EDITAL Nº 001/2011/CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ALFABETIZAÇÃO NO TEMPO CERTO NAs REDES MUNICIPAIS DE ENSINO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a

necessidades destes alunos, a despeito das tendências jurídico-normativas e das diretrizes educacionais. Em face disso, este estudo analisou a A FORMAÇÃO CONTINUADA E O CONHECIMENTO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE O TEMA DA INCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS LIMA, Lana Ferreira de UFG GT-15: Educação Especial Introdução

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DOS EGRESSOS O Instituto de Ensino de Garça,

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

Utilização do jogo didático Bingo Periódico no processo de ensinoaprendizagem de Química na Escola Estadual Professor Gerson Lopes de Apodi-RN.

Utilização do jogo didático Bingo Periódico no processo de ensinoaprendizagem de Química na Escola Estadual Professor Gerson Lopes de Apodi-RN. Utilização do jogo didático Bingo Periódico no processo de ensinoaprendizagem de Química na Escola Estadual Professor Gerson Lopes de Apodi-RN. Gustavo Daniel S. Souza (IC)1, Alidna Mosana S. de Oliveira

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001 ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA: EDUCAÇÃO FÍSICA (Portaria de Reconhecimento nº 428 de 28 de julho de 2014) E PEDAGOGIA (Portaria de Reconhecimento nº 286 de 21 de dezembro de 2012) ORIENTAÇÕES

Leia mais

OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores

OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores Laboratório Multidisciplinar de Ensino de Ciências e Matemática (LabMEC), vinculado ao Instituto de Ciências Exatas:

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar

SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar Mariely Rodrigues Anger 1 Ana Carla Ferreira Nicola Gomes 2 Jussara Aparecida da Fonseca 3 Resumo: Apresentam-se

Leia mais

A MEDIAÇÃO DOCENTE E PROCESSO DE CATÁLISE COMO PERSPECTIVA DE MUDANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR

A MEDIAÇÃO DOCENTE E PROCESSO DE CATÁLISE COMO PERSPECTIVA DE MUDANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR A MEDIAÇÃO DOCENTE E PROCESSO DE CATÁLISE COMO PERSPECTIVA DE MUDANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR Resumo SILVEIRA, Lisiane Fernandes da 1 - UFPR FINK, Rosane 2 - UFPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias

Leia mais

CONTRATEMPOS E QUESTIONAMENTOS QUE INTERFEREM NO PLANEJAMENTO DA AULA: EXPERIÊNCIAS DOS ALUNOS DO PIBID MATEMÁTICA

CONTRATEMPOS E QUESTIONAMENTOS QUE INTERFEREM NO PLANEJAMENTO DA AULA: EXPERIÊNCIAS DOS ALUNOS DO PIBID MATEMÁTICA CONTRATEMPOS E QUESTIONAMENTOS QUE INTERFEREM NO PLANEJAMENTO DA AULA: EXPERIÊNCIAS DOS ALUNOS DO PIBID MATEMÁTICA Amanda Aparecida Rocha Machado Universidade Federal do Triângulo Mineiro E-mail: amandamachado_56@hotmail.com

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES CAMARGO, Victor Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva ZUTTIN, Fabiana Docente da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Paloma Rodrigues Cunha¹, Larissa Costa Pereira¹, Luã Carvalho Resplandes², Renata Fonseca Bezerra³, Francisco Cleiton da Rocha 4

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

O FUTURO PROFISSIONAL DOS TÉCNICOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS CAMBORIÚ

O FUTURO PROFISSIONAL DOS TÉCNICOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS CAMBORIÚ O FUTURO PROFISSIONAL DOS TÉCNICOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS CAMBORIÚ Caroline Estercio 1 ; Valéria Machado 2 ; Roberta Raquel 3 RESUMO O presente trabalho tem como objetivo identificar o

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Flávia Nascimento de Oliveira flavinhamatematica@hotmail.com Rivânia Fernandes da Costa Dantas rivafern@hotmail.com

Leia mais

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO José da Silva de Lima¹; José Rodolfo Neves da Silva²; Renally Gonçalves da Silva³; Alessandro Frederico da Silveira

Leia mais

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Neide Santos neide@ime.uerj.br 2º Seminário de Pesquisa em EAD Experiências e reflexões sobre as relações entre o ensino presencial e a distância

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO.

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO. A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO. Alessandra Ramos Barbosa Joseane Ataíde de Jesus RESUMO Reconstruir o aprender requer mudanças

Leia mais

AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES

AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES AS TICs NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE EDUCADORES Morilo Aquino Delevati 1 Vanessa Lopes da Silva 2 Leandro Marcon Frigo 3 Resumo: A elaboração de oficinas está incorporada à formação inicial e continuada

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

1 Acadêmico, formando do Curso de Licenciatura com Habilitação em Música da UDESC. 2 Professora Mestra do Departamento de Música da UDESC.

1 Acadêmico, formando do Curso de Licenciatura com Habilitação em Música da UDESC. 2 Professora Mestra do Departamento de Música da UDESC. 1 O ensino de música extracurricular na Escola Técnica Federal em Florianópolis/SC: relato de experiência sobre uma oficina de improvisação musical realizada Maycon José de Souza 1 Universidade do Estado

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

Pedagogia Estácio FAMAP

Pedagogia Estácio FAMAP Pedagogia Estácio FAMAP # Objetivos Gerais: O Curso de Graduação em Pedagogia da Estácio FAMAP tem por objetivo geral a formação de profissionais preparados para responder às diferenciadas demandas educativas

Leia mais

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um 1 TURISMO E OS IMPACTOS AMBIENTAIS DERIVADOS DA I FESTA DA BANAUVA DE SÃO VICENTE FÉRRER COMO TEMA TRANSVERSAL PARA AS AULAS DE CIÊNCIAS NO PROJETO TRAVESSIA DA ESCOLA CREUSA DE FREITAS CAVALCANTI LURDINALVA

Leia mais

Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação

Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Os cursos oferecidos pela instituição de Ensino Superior IES devem ter seus projetos pedagógicos construídos

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO SOUZA, Caio Henrique Bueno de 1 RODRIGUES, Davi 2 SANTOS, Edna Silva 3 PIRES, Fábio José 4 OLIVEIRA, Jully Gabriela

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA.

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA. De acordo com às determinações constantes do Plano de Estágio Supervisionado, submeto à apreciação de V.Sª o plano de aula que foram desenvolvidas no Estágio de Licenciatura em Matemática no período de

Leia mais

FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL

FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL Área Temática: Educação Modalidade: Comunicação Oral. Rosangela Maria Boeno (Coordenadora da Ação de Extensão) 1 Rosangela Maria Boeno 2 Adrieli Signorati

Leia mais

Anexo II CARGOS DE DCA

Anexo II CARGOS DE DCA Anexo II CARGOS DE DCA CARGO: COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE EDUCAÇÃO INFANTIL COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE ENSINO FUNDAMENTAL Coordenar atividades específicas de área, participando

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA Jessica Kelly Sousa Ferreira PPGFP-UEPB jessicaferreiraprofe@gmail.com INTRODUÇÃO A presente pesquisa embasa-se nos pressupostos de que o uso

Leia mais

Metodologia Para a realização desse trabalho foi analisado o Documento orientador

Metodologia Para a realização desse trabalho foi analisado o Documento orientador FORMAÇÃO CONTINUADA: UMA ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO SISMÉDIO NA ESCOLA PROFESSOR JOSÉ SOARES DE CARVALHO- GUARABIRA-PB Gyslâynne Mary dos Santos Hermenegildo Rodrigues EEEFM Professor José Soares de Carvalho

Leia mais

Formação, desafios e perspectivas do professor de música

Formação, desafios e perspectivas do professor de música Formação, desafios e perspectivas do professor de música João Alderlei Leite da Silva email: joaoderlei17@hotmail.com Lucas Roberto Guedes email: lucasrobertoguedes@gmail.com Verônica Agnelli Chiarelli

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS I Mostra de Iniciação Científica I MIC 23 e 24 de setembro de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS

ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS CARGO: PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS - Ministrar aulas de

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenador Geral de Estágio: Prof. Ricardo Constante Martins

Leia mais

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento.

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento. CORPO E MOVIMENTO: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL Tamiris Andrade dos Santos (UEL) tamiris_152@hotmail.com Gilmara Lupion Moreno gilmaralupion@uel.br RESUMO: Sabe-se da importância

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) -

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) - CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as atividades inerentes ao processo

Leia mais

ENSINO COLABORATIVO: POSSIBILIDADES PARA INCLUSÃO ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL

ENSINO COLABORATIVO: POSSIBILIDADES PARA INCLUSÃO ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL 1003 ENSINO COLABORATIVO: POSSIBILIDADES PARA INCLUSÃO ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL Cristina Angélica Aquino de Carvalho Mascaro Carla Fernanda Siqueira Vanessa Cabral Amanda Carlou Andrade Santos Fundação

Leia mais

Licenciatura em Educação Física

Licenciatura em Educação Física Licenciatura em Educação Física Estágio Curricular O Estágio Curricular talvez seja um dos primeiros grandes desafios do acadêmico que optou pelo Curso de licenciatura em Educação Física. As situações

Leia mais

Jogos e Aprendizagem Matemática: A utilização de jogos com alunos do 6º ano do Ensino Fundamental

Jogos e Aprendizagem Matemática: A utilização de jogos com alunos do 6º ano do Ensino Fundamental Jogos e Aprendizagem Matemática: A utilização de jogos com alunos do 6º ano do Ensino Fundamental Camila Schimite Molero e-mail: ca_schi@hotmail.com Italo Gonçalves da Silva e-mail: igsilva423@gmail.com

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS Prof. Dra. Simone Sendin Moreira Guimarães Instituto de Ciências Biológicas/ICB Universidade Federal

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA ADJUNTA DE ENSINO SECRETARIA ADJUNTA DE PROJETOS ESPECIAIS QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO URE: ESCOLA:

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais