UNIÃO EDUCACIONAL DE MINAS GERAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIÃO EDUCACIONAL DE MINAS GERAIS"

Transcrição

1 UNIÃO EDUCACIONAL DE MINAS GERAIS CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TRABALHO DE FINAL DE CURSO GERÊNCIA DE REDES Marcelo Fernandes Correia 2004

2 UNIÃO EDUCACIONAL DE MINAS GERAIS CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Marcelo Fernandes Correia GERÊNCIA DE REDES Projeto de final de curso apresentado à UNIMINAS como requisito parcial à obtenção do título de Bacharel em Sistemas de Informação. Orientador: Prof. Alexandre Campos. Uberlândia 2004

3 ii Marcelo Fernandes Correia GERÊNCIA DE REDES Projeto de final de curso apresentado à UNIMINAS como requisito parcial à obtenção do título de Bacharel em Sistemas de Informação. Banca Examinadora: Uberlândia, 13 de Dezembro de 2004 Prof. Prof. Prof.

4 iii Agradecimentos Agradeço à Deus pelas oportunidades que tem me dado durante a vida. A minha mãe que foi sempre um exemplo de vida para mim, a quem eu devo tudo que tenho e que sou. A meu avô e a meu pai que me ajudaram na formação de meu caráter e acreditaram que eu poderia chegar aqui. A minha esposa e filhas que sempre acreditaram em mim, tiveram paciência e torceram muito para que este sonho se tornasse realidade.

5 iv Resumo. Este trabalho tem como principal objetivo mostrar um estudo sobre o gerenciamento de redes, os principais itens gerenciados, os protocolos e como utilizar deste benefício a favor das empresas. Estudos mostram que todas as empresas, não importa o tamanho tem que ter uma rede bem projetada e gerenciada com eficácia, para atender as exigências atuais no mercado. O serviço de gerenciamento de redes já é tão imprescindível para as empresas como serviços de água, luz e telefonia.

6 v Abstract This work has the main objective to show a study of the network management, main itens managed, the protocols and the use of this benefit in favor of the companies. Studies show that all the companies, independent of size, must have a well designed and managed network with effectiveness, to take care of the current requirements of the market. The service of network management already is so essential for the companies as services of water, light and telephony.

7 vi SUMÁRIO p. Resumo... iv Abstract... v Lista de Figuras... viii Lista de siglas e abreviaturas... ix Lista de Tabelas... xi 1.INTRODUÇÃO A EMPRESA Características da rede Centro de Operações de Redes (COR) GERENCIAMENTO DE REDES Camada de Inter-Redes Camada de Transporte TCP UDP Camada de Aplicação TMN (Telecommunication Management Network) Fault (Falhas) Configuration (Configuração) Accounting (Contabilização) Performance (Desempenho) Security (Segurança) SNMP (Simple Network Management Protocol) Definição dos Relacionamentos Administrativos Operações SNMP... 27

8 vii Formato SNMP Versões SNMP Management Information Base (MIB) Arquiteturas de Gerenciamento Arquitetura centralizada Arquitetura Hierárquica Arquitetura Distribuída Ferramentas de Gerência HP Open View MRTG IDS SNORT CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 48

9 viii Lista de Figuras p. Figura 1 - Atual Área de Cobertura da CTBC... 5 Figura 2 - Bolograma da DTO Figura 3 - Estrutura Operacional do COR... 6 Figura 4 - Sala de Operações do COR... 8 Figura 5 - Arquitetura TCP/IP Figura 6 - O que gerenciar? Figura 7 - Gerência de Rede Figura 8 - Modelo SNMP Figura 9 - Gerenciamento SNMP Figura 10 - Formato da mensagem SNMP Figura 11 - Estrutura de Árvore da MIB Figura 12 - Arquitetura Centralizada Figura 13 - Arquitetura Hierárquica Figura 14 - Arquitetura Distribuída Figura 15 - Gerencia Ericsson HP Open View Figura 16 - MRTG Figura 17 - SNORT... 44

10 ix Lista de siglas e abreviaturas ACIUB ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE UBERLÂNDIA ACS ALGAR CALL CENTER ADSL ASSYMETRICAL DIGITAL SUBSCRIBER LINE AGP ASSESSORIA GESTÃO DE PROCESSOS AGR ASSESSORIA PARA GARANTIA DE RECEITA ANATEL AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES API APLICATION PROGRAMMING INTERFACE ASN.1 ABSTRACT SYTAX NOTATION 1 ATM ASSYNCHRONOUS TRANSFER MODE BA BOLETIM DE ANORMALIDADE BVQI BUREAU VERITAS QUALITY INTERNATIONAL CEG COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CGR COORDENAÇÃO DE GERÊNCIA DE REDES CMIP COMMON MANAGEMENET INFORMATION PROTOCOL CMOT CMIP OVER TCP/IP CNA COORDENAÇÃO DE NÚCLEO DE ACESSO COP CENTRO DE RESULTADO OPERAÇÃO E PROCESSAMENTO COR CENTRO DE OPERAÇÕES DE REDES CPA CENTRAL ELETRÔNICA DE PROGRAMA ARMAZENADO CPL COORDENAÇÃO DE PLANEJAMENTO CSS CENTRO DE RESULTADO DE SISTEMAS CTBC COMPANHIA DE TELECOMUNICAÇÕES DO BRASIL CENTRAL DBMS DATABASE MANAGEMENT SYSTEM DNS DOMAIN NAME SERVER DOS DENY OF SERVICE DTO DIRETORIA TÉCNICA OPERACIONAL DWDM DENSE WAVE DIVISION MULTIPLEXER EGP EXTERIOR GATEWAY PROTOCOL FAPESP FUNDO DE AMPARO E PESQUISA DO ESTADO DE SÃO PAULO FCAPS FAULT, CONFIGURATION, ACCOUNTING, PERFORMANCE SECURITY. FTP FILE TRANSFER PROTOCOL GMG GRUPO MOTOR GERADOR

11 x HP HTML HTTP ICMP IETF IP ISO ITU-T LAN MIB MRTG NIDS NMS O&M OID OSI PCM PDU RFC SDH SGPI SLA SMI SMTP SNMP STFC TCP TMN UDP USP VPN WAN WWW HEWLETT-PACKARD COMPANY HIPER TEXT MARK-UP LANGUAGE HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL INTERNET CONTROL MESSAGE PROTOCOL INTERNET ENGINEERING TASK FORCE INTERNET PROTOCOL INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION INTERNATIONAL TELECOMMUNICATION UNION TELECOMMUNICATION LOCAL AREA NETWORK MANAGEMENT INFORMATION BASE MULTI ROUTER TRAFFIC GRAPHER NETWORK INTRUSION DETECTION SYSTEM NETWORK MANAGEMENT STATIONS OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO OBJECT IDENTIFIER OPEN SYSTEM INTERCONNECTION PULSE CODE MODULATION PROTOCOLO DE UNIDADE DE DADOS REQUEST FOR COMMENT SYNCHRONOUS DIGITAL HIERARCHY SISTEMA DE GESTÃO DE PARALISAÇÕES SERVICE LEVEL AGREEMENT STRUCTURE OF MANAGEMENT INFORMATION SIMPLE MAIL TRANSFER PROTOCOL SIMPLE NETWORK MANAGEMENT PROTOCOL SISTEMA TELEFÔNICO FIXO COMUTADO TRANSMISSION CONTROL PROTOCOL TELECOMUNICATION MANAGEMENTE NETWORK USER DATAGRAM PROTOCOL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO VIRTUAL PRIVATE NETWORK WIDE AREA NETWORK WORLD WIDE WEB

12 xi Lista de Tabelas p. Tabela 1 - Tipo de Dados da MIB Tabela 2 - Grupos da MIB II

13 UNIÃO EDUCACIONAL DE MINAS GERAIS CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1. INTRODUÇÃO O tema desta monografia é a Gerência de Redes e tem como objetivo aplicar conceitos estudados durante o curso de Bacharelado em Sistemas de Informação e ampliar os conhecimentos na área de gerenciamento de redes corporativas, LANS, WANS e Internet. O trabalho foi desenvolvido na empresa CTBC Telecom em Uberlândia, na área de Operações e está dividido em quatro capítulos. No capítulo 2 é apresentada a história da empresa CTBC que este ano de 2004 está comemorando 50 anos de fundação e também o COR (Centro de Operações de Rede), um Centro de Resultado da Diretoria Técnico Operacional onde é gerenciada toda a planta da empresa e de seus clientes. No capítulo 3 aborda-se o tema Gerenciamento de Redes, onde é apresentado as cinco áreas funcionais definidas pela OSI, o FCAPS (Fault, Configuration, Accounting, Performance e Security) para definição de como será feita a gerencia de redes, o protocolo TCP/IP (Transmission Control Protocol / Internet Protocol) que é o protocolo de fato da Internet e utilizado por grande parte das redes corporativas e de gerência das corporações, o SNMP (Simple Network Management Protocol) que é o protocolo de gerenciamento mais utilizado para gerência, assim como a MIB (Management Information Base) que é a base de dados onde são armazenadas as informações de gerência, as arquiteturas de gerenciamento hoje utilizadas e algumas ferramentas de gerência. No capítulo 4 será feita a conclusão da monografia, detalhando a importância da gerência de redes.

14 2 2. A EMPRESA A CTBC Telecom é uma das principais empresas do Grupo Algar, o qual está, há vários anos, entre as melhores empresas para se trabalhar no Brasil, segundo a revista Exame. A CTBC representa hoje 59% da arrecadação do grupo Algar, que também atua nas áreas de Contact Center, Entretenimento Agrobusiness, pecuária, dentre outros. Sua história tem início em 30 de setembro de 1941, quando a Empresa Telefônica Teixeirinha inaugurou a primeira central telefônica automática de Uberlândia, com capacidade para 500 linhas, em prédio próprio na Avenida João Pinheiro. Em 18 de fevereiro de 1952 é assinada renovação dos contratos entre a Prefeitura Municipal de Uberlândia e a Empresa Telefônica Teixeirinha para instalação de novos telefones automáticos em Uberlândia. A instalação seria financiada pela Ericsson do Brasil, que desistiu da operação impossibilitando a telefônica de cumprir o contrato. Como ela só tinha 500 telefones e não estava conseguindo atender a demanda da cidade, a Associação Comercial e Industrial de Uberlândia assumiu a telefônica. Foi criada uma comissão para gerir esse negócio e o Sr. Alexandrino Garcia, que já era presidente da ACIUB, foi convidado para ser presidente da empresa que passou a se chamar Cia de Telefones do Brasil Central (CTBC). Um das primeiras ações para obter dinheiro para a melhoria dos serviços telefônicos de Uberlândia foi a venda de ações da empresa para toda a sociedade Uberlandense. Em 15 de março de 1954 Alexandrino Garcia construiu uma sociedade com Helvio Cardoso, Francisco Caparelli e Aristides de Freitas, sociedade esta que comprou todo o acervo da Teixeirinha. Em 1957 foi construído um prédio na Av. João Pinheiro com uma central de 2 mil linhas e inaugurados mais de mil telefones na cidade. Naquele ano entraram em uma concorrência em Itumbiara para montar uma central naquela cidade e ganharam. Assim levaram a antiga central de 500 telefones pra lá. A partir daí a CTBC não parou mais de ampliar seus serviços levando telefonia para muitas cidades que não eram atendidas. A Empresa também é conhecida por seu pioneirismo, como pode ser verificado nos exemplos abaixo:

15 3 Em 1980 foi uma das primeiras empresas do Triângulo Mineiro a conceder o benefício do salário educação para seus colaboradores. Em 22 de novembro de 1985 foi ativada em Uberlândia, a primeira Central Telefônica Computadorizada (CPA) do interior brasileiro. Uberlândia foi a segunda cidade do País a receber esse equipamento. Em 1990 já atuava em mais de 250 localidades, operando terminais telefônicos com densidade de 11,2 terminais por 100 habitantes. Em 5 de fevereiro de 1993 foi ativada oficialmente o serviço móvel celular em Uberlândia, antes de Belo Horizonte (MG), São Paulo (SP) e outras capitais brasileiras. Em 8 de Junho foi ativada em Franca sendo esta a primeira cidade do Estado de São Paulo e a oitava do Brasil a contar com o serviço. Em 31 de agosto de 1993 entra em operação regular o serviço celular rural fixo em Uberlândia, Uberaba e Franca. A planta de telefonia rural era a maior do país. Em 14 de agosto de 1996 a CTBC recebe do Bureau Veritas Quality International (BVQI) indicação para o certificado de qualidade ISO A CTBC foi a primeira empresa da América Latina a receber a certificação ISO 9002 nas áreas de Atendimento ao Cliente e Operação de Sistemas. Em 1998 a CTBC Celular lança, em parceria com as empresas Nec do Brasil e Gradiente Eletrônica, um produto inédito no Brasil: o kit Pré- Pago CTBC Celular. O serviço permite aos clientes da telefonia celular o pagamento antecipando de suas despesas, sem a emissão de conta telefônica no final do processo. Em 1998 também a CTBC Telecom recebe o título de "Operadora do Ano" no setor de telecomunicações, conferido pela Revista Nacional de Telecomunicações. Em 2000 foi a primeira operadora da América Latina a implantar o sistema de reconhecimento de fala em sua central de atendimento.

16 4 Hoje a empresa atende uma população de cerca de 3,5 milhões com pontos de presença no Triângulo Mineiro, Brasília, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Goiás e Paraná, com mais de 1 milhão de clientes. Ela possui um backbone óptico de 8,5 mil km, e está presente em mais de 350 localidades em todo o país, através de redes metropolitanas e de longa distância. A CTBC oferece a seus clientes a mais avançada rede de telecomunicações disponível em todo o mundo, com tecnologia de ponta e plataformas sofisticadas com alto poder de gerenciamento. As parcerias com empresas líderes em seus setores como Alcatel, Cisco, Juniper, ECI, Huawei, Siemens, HP, IBM, Ericsson, EMC, BMC, dentre outras, fazem da CTBC uma empresa no mesmo grau de competitividade das grandes corporações de telecomunicações em todo o país. (CTBC, 20/08/04) 2.1 Características da rede Seguem algumas características da topologia das redes gerenciadas pela CTBC: - existência de backbones SDH, DWDM, ATM, Frame Relay, IP e VPN nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul, atingindo 82% do PIB brasileiro; km de backbone óptico próprio de longa distância e metropolitanos; - backbone nacional e internacional por meio de alianças estratégicas com redes de terceiros; - capacidade de backbone óptico até 16 lambdas e 2,5Gbps; - mais de 23 pontos de presença espalhados por todo backbone óptico; - redes de acesso em fibra óptica nas principais cidades brasileiras como Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Ribeirão Preto, Belo Horizonte, Campinas, Uberlândia, Franca e várias outras; - três Data Centers de alta capacidade; - digitalização da rede: 91% para celular e73,58% para telefonia fixa;

17 5 - teledensidade: 36,64% para celular e 14,96% para telefonia fixa; - mais de 100 enlaces digitais; Figura 1 - Atual Área de Cobertura da CTBC 2.2 Centro de Operações de Redes (COR) O Centro de Resultado (CR) responsável pela manutenção e operação da planta da CTBC, é o COR (Centro de Operação de Redes) que tem como objetivo principal: Manter e garantir a qualidade de serviço em um ambiente dinâmico, com uma supervisão de redes eficiente durante 24 horas por dia e 7 dias por semana. Nele estão supervisionados todas as redes de Telefonia Fixa e Celular, Energia, Infra-Estrutura, Comunicação de Dados, Transmissão e a rede Inteligente.

18 6 O COR está enquadrado na DTO (Diretoria Técnica Operacional) que é responsável pelo desempenho da planta e está dividida em núcleos conforme bolograma abaixo: Figura 2 - Bolograma da DTO Na figura 3 observa-se a estrutura funcional do COR: Figura 3 - Estrutura Operacional do COR

19 7 Os Analistas fazem a gerência das versões de software e hardware, análise e remoção de falhas na raiz, implantação de novas funcionalidades, análise de fim de seleção, pesquisa de Falhas, definir os procedimentos para aceitação de equipamentos, tratar relatórios de performance dos equipamentos e dar suporte ao comercial e demais áreas. O pessoal de O&M (Operação e Manutenção On-line) executa análise e diagnóstico das falhas, dá suporte técnico às áreas: comercial, planejamento, engenharia, interconexão e outras e executa correções de categorias indevidas em terminais. O Núcleo de Controle faz a gerência de BA s (Boletins de Anormalidades) de operadoras e terceiros, controle das Ordens de Serviços de O&M interno, das interrupções do STFC (Anatel), de Intervenções Programadas, de Ocorrências Graves, despacho de Ordens de Serviço e gerência de disponibilidade de mão de obra. O pessoal de Turno faz a supervisão e operação da planta 7x24 (sete dias na semana e vinte e quatro horas por dia), controle de interrupções nãoprogramadas, contato com outras áreas como Mercado, AGP, AGR e ACS, alimentam o sistema SGPI (controle de paralisações) e dá apoio técnico ao acesso regional. A área de Sistemas gerencia todos os sistemas sob a responsabilidade do COR, garante que novos elementos, redes ou serviços estejam gerenciados analisa a parte operacional de sistemas operacionais, bases de dados e aplicativos, faz a interface com COP/CSS para atualização de sistemas e garante a performance dos sistemas de gerência. A estrutura física do COR é composta por 3 salas, uma delas é o Auditório que é destinada a apresentação do COR para visitante, a Sala de Servidores é a sala destinada para a locação de sistemas de gerenciamento de redes e a Sala de Operação destinada para a operação & manutenção da planta CTBC.

20 8 Figura 4 - Sala de Operações do COR Para o funcionamento 24 horas por dia, o COR necessita de uma infraestrutura especial: sistema de aterramento na sala de servidores e operação; sistema de refrigeração redundante; sistema de nobreak; sistema GMG Grupo Motor Gerador; (COR, 20/08/04)

21 9 3. GERENCIAMENTO DE REDES As redes de computadores têm crescido assustadoramente nos últimos anos, hoje empresas de qualquer porte necessitam de uma rede de computadores para seu bom funcionamento, maximização de margens e de produtividade. A maioria destas redes são baseadas em protocolos TCP/IP (Transmission Control Protocol / Internet Protocol) pois estes protocolos são de fácil implementação e manutenção, além de permitirem a interligação de redes locais através de outras redes de longa distância com um desempenho considerável. 3.1 TCP/IP O TCP/IP foi criado visando atender a necessidade de endereçamentos e problemas de interconexão de redes permitindo a interoperabilidade entre os diferentes tipos de LANs e Mainframes. O TCP/IP é um protocolo transparente aos diferentes hardwares das diversas plataformas, protocolos e interfaces do nível físico existentes, disponibilizando uma gama extensa de endereçamentos. O início do desenvolvimento do protocolo TCP/IP se deu no Departamento de Defesa Americano, na década de 70. A rede internetwork, utilizando este protocolo, conectando todos os órgãos do governo americano, teve o nome de ARPANET. O TCP/IP é um conjunto de protocolos padrão, utilizado em redes interconectadas, visando disponibilizar acessos como: , emulação de terminais, transferência de arquivos e outros. A arquitetura TCP/IP é o conjunto destes protocolos, que interagindo entre si na rede, levam os dados de uma ponta à outra. (Souza, 27/08/04).

22 10 A figura abaixo mostra as camadas da arquitetura TCP/IP: Figura 5 - Arquitetura TCP/IP Camada de Inter-Redes É a camada que integra toda a arquitetura, sua tarefa é permitir que os hosts injetem pacotes em qualquer rede e garantir que eles sejam transmitidos independentemente do destino (que pode ser outra rede). É possível inclusive que estes pacotes cheguem em outra ordem diferentes daquela que foram enviado, obrigando as camadas superiores reorganizá-los, caso a entrega tenha que respeitar algum tipo de ordem. A camada inter-redes define um formato de pacote chamado IP (Internet Protocol). A tarefa da camada inter-redes é entregar pacotes IP onde eles são necessários. O protocolo IP, padrão para redes Internet, é baseado em um serviço sem conexão. Sua função é transferir blocos de dados, denominados datagramas, da origem para o destino, onde a origem e o destino são hosts identificados por endereços IP. Este protocolo também fornece serviço de fragmentação e remontagem de datagramas longos, para que estes possam ser transportados em redes onde o tamanho máximo permitido para os pacotes é pequeno.

23 11 Como o serviço fornecido pelo protocolo IP é sem conexão, cada datagrama é tratado como uma unidade independente que não possui nenhuma relação com qualquer outro datagrama. A comunicação é nãoconfiável, pois não são utilizados reconhecimentos fim-a-fim ou entre nós intermediários. Não são empregados mecanismos de controle de fluxo e de controle de erros. Apenas uma conferência simples do cabeçalho é realizada, para garantir que as informações nele contidas, usadas pelos gateways para encaminhar datagramas, estão corretas. (SiliconValley, 22/08/04) Camada de Transporte A finalidade dessa camada é permitir que as entidades par (peer entity) dos hosts de origem e de destino mantenham uma conversação, exatamente como acontece na camada de transporte OSI. Dois protocolos fim a fim foram definidos aqui: o TCP e o UDP TCP O protocolo é orientado a conexão e fornece um serviço confiável de transferência de arquivos fim-a-fim. Ele é responsável por inserir as mensagens das aplicações dentro do datagrama de transporte, reenviar datagramas perdidos e ordenar a chegada de datagramas enviados por outro micro. O TCP foi projetado para funcionar com base em um serviço de rede sem conexão e sem confirmação, fornecido pelo protocolo IP. O protocolo TCP interage de um lado com processos das aplicações e do outro com o protocolo da camada de rede da arquitetura Internet. A interface entre o protocolo e a camada superior consiste em um conjunto de chamadas. Existem chamadas, por exemplo, para abrir e fechar conexões e para enviar e receber dados em conexões previamente estabelecidas. Já a interface entre o TCP e a camada inferior define um mecanismo através do qual as duas camadas trocam informações assincronamente. Este protocolo é capaz de transferir uma cadeia (stream) contínua de octetos, nas duas direções, entre seus usuários. Normalmente o próprio

24 12 protocolo decide o momento de parar de agrupar os octetos e de, consequentemente, transmitir o segmento formado por esse agrupamento. Porém, caso seja necessário, o usuário do TCP pode requerer a transmissão imediata dos octetos que estão no buffer de transmissão, através da função push. Conforme mencionado, o protocolo TCP não exige um serviço de rede confiável para operar, logo, responsabiliza-se pela recuperação de dados corrompidos, perdidos, duplicados ou entregues fora de ordem pelo protocolo de rede. Isto é feito associando-se cada octeto a um número de seqüência. O número de seqüência do primeiro octeto dos dados contidos em um segmento é transmitido junto com o segmento e é denominado número de seqüência do segmento. Os segmentos carregam "de carona" (piggybacking) um reconhecimento. O reconhecimento constitui-se do número de seqüência do próximo octeto que a entidade TCP transmissora espera receber do TCP receptor na direção oposta da conexão. Por exemplo, se o número de seqüência X for transmitido no campo Acknowledge (ACK), ele indica que a estação TCP transmissora recebeu corretamente os octetos com número de seqüência menores que X, e que ele espera receber o octeto X na próxima mensagem (SiliconValley, 22/08/04) UDP Muitas vezes não são necessários todos os recursos do protocolo TCP e alguns outros protocolos mais simples são utilizados em seu lugar. A alternativa mais comum é o protocolo UDP, designado para aplicações onde o usuário não necessita enviar seqüências longas de datagramas. Ele trabalha como o protocolo TCP, porém ele não divide os dados em múltiplos datagramas. Além disto, o protocolo UDP só mantém controle sobre os dados enviados quando o reenvio for necessário. Na montagem do datagrama pelo protocolo UDP, o cabeçalho inserido é muito menor do que aquele inserido pelo protocolo TCP. O protocolo UDP opera no modo sem conexão e fornece um serviço de datagrama não confiável,

25 13 sendo, portanto, uma simples extensão do protocolo IP. O UDP recebe os pedidos de transmissão de mensagens entregues pelos processos de aplicação da estação de origem, e os encaminha ao IP que é o responsável pela transmissão. Na estação de destino, o processo inverso ocorre. O protocolo IP entrega as mensagens (datagramas) recebidas ao UDP que as entrega aos processos de aplicação, sem nenhuma garantia. (SiliconValley, 22/08/04) Camada de Aplicação Esta camada está acima da camada de transporte, ela contém protocolos de alto nível. Dentre eles estão o protocolo de terminal virtual (TELNET), o protocolo de transferência de arquivos (FTP), o protocolo de correio eletrônico (SMTP), protocolo de gerenciamento (SNMP) estudado a seguir e outros que foram incluídos com o decorrer dos anos como o DNS (Domain Name Service) que mapeia os nomes de host para seus respectivos endereços, o NNTP usado para mover novos artigos, o HTTP usado para buscar páginas na WWW (World Wide Web) entre outros. 3.2 TMN (Telecommunication Management Network) Com redes cada vez maiores a administração ficou muito complicada, então se torna fundamental um esquema de gerenciamento de redes capaz de detectar e corrigir possíveis erros além de monitorar e controlar o crescimento e bom funcionamento das redes. Um bom gerenciamento de redes deve incluir a disponibilização, a integração de elementos de hardware e software para monitorar, testar, consultar, configurar, avaliar, analisar e controlar os recursos da rede e de elementos a fim de satisfazer as exigências operacionais, de desempenho e de qualidade de serviço em tempo real e custo razoável. (SiliconValley, 22/08/04).

26 14 O primeiro passo para gerenciar uma rede é saber o que se quer gerenciar, a figura abaixo mostra os vários tipos de equipamentos que podem ser gerenciados: Figura 6 - O que gerenciar? Com o propósito de gerenciar redes foi instituído pela ITU-T em 1998 o padrão TMN (Telecommunication Management Network) que encontra-se descrito no ITU M3010 Standard, este é o mais famoso padrão de gerencia em telecomunicações. O TMN foi desenvolvido com o propósito de gerenciar redes, serviços e equipamentos heterogêneos, operando sobre os mais diversos fabricantes e tecnologias que já possuem alguma funcionalidade de gerência. O TMN é baseado no modelo OSI (Open Systems Interconection), um modelo de referência para interconexão de sistemas abertos criado pela ISO (International Organization for Standardization) em Com a complexidade natural das redes de computadores, gerenciá-las de forma eficiente e eficaz representa um grande desafio. O padrão TMN propõe a

27 15 divisão das tarefas e processos de gerenciamento em cinco áreas funcionais, o FCAPS: 1. Fault (Falhas) 2. Configuration (Configuração) 3. Accounting (Contabilização) 4. Performance (Performance) 5. Security (Segurança) Fault (Falhas) O gerenciamento de falhas engloba as funções que possibilitam a detecção, isolação e correção de operações anormais na rede de telecomunicações. As falhas impedem os sistemas de cumprir seus objetivos operacionais. As funções de gerenciamento de falhas podem ser divididas em: supervisão de alarmes: gerenciamento de informações sobre as degradações de desempenho que afetam o serviço; teste: o usuário pode solicitar a execução de um teste específico, podendo inclusive estabelecer os parâmetros deste. Em alguns casos, o tipo e os parâmetros do teste podem ser designados automaticamente; relatório de problemas: utilizado para rastrear e controlar as ações tomadas para liberar alarmes e outros problemas. Algumas funções do gerenciamento de falhas são: manter logs de erros; receber e agir sobre notificações de erros; rastrear e identificar falhas; gerar seqüências de testes de diagnóstico; corrigir falhas.

28 Configuration (Configuração) Se caracteriza pelo conjunto de operações necessárias para a inicialização, término, alteração e armazenamento da configuração dos equipamentos da rede. Como benefício do gerenciamento de configuração tem-se: fácil alteração na configuração dos equipamentos, fácil acesso a documentação sobre a configuração dos equipamentos, manutenção de um inventário atualizado. Para o gerenciamento de configuração tem-se as seguintes opções básicas: a coleta de dados da rede; a inicializar e alterar a configuração de equipamentos; a manter banco de dados sobre configuração de equipamentos da rede; Funções importantes que devem ser observadas pelo gerente: documentação das configurações realizadas; ter sempre duas pessoas que realizem o mesmo trabalho; documentação da rede; Problemas comuns relacionados a configuração: configurações erradas acarretam em falhas; upgrades;

29 Accounting (Contabilização) É a área responsável por fazer medições na rede visando estabelecer parâmetros quanto a utilização da rede, para se necessário determinar cotas grupos e usuários procurando uma melhor distribuição dos recursos da rede. Dentre os muitos recursos que podem ser gerenciados tem-se: espaço em disco, tempo de conexão, quantidade de conexões, tempo de processamento, utilização da banda. básicas: Para o gerenciamento de contabilização deve-se fazer 3 operações coletar dados da rede; analisar os dados coletados; contabilizar por usuários. Funções importantes que devem ser observadas pelo gerente, como manter ativos os logs das principais aplicações: servidor de contas; servidor de ; servidor proxy; firewall; backup; Um dos problemas comuns relacionados a contabilização é a falta de informação para auxiliar no gerenciamento da rede: espaço em disco; tempo de conexão; quantidade de conexões; tempo de processamento; utilização da banda;

30 18 uso indevido dos recursos de navegação e ; Performance (Desempenho) Define-se pelo conjunto de funções necessárias para o gerente de rede monitorar e analisar as atividades na rede, fazendo os devidos ajustes necessários. A prevenção de congestionamentos na redes e a necessidade de prever o crescimento da rede são benefícios oferecidos por esta atividade do gerenciamento. Para esta tarefa é necessário a coleta de dados na rede, de forma aleatória, respeitando regras estatísticas que possibilitarão avaliar a situação da rede. Funções importantes que devem ser observadas pelo gerente: manter em funcionamento aplicativos de monitoramento dos segmentos da rede; construir um baseline da rede; perfil sobre comportamento da rede; limiares mínimos e máximos sobre utilização; manter servidores atualizados ao seu contexto; indicadores operacionais; tráfego de redes; Problemas comuns: tempo de resposta das aplicações muito longo; sistemas que demandam muito processamento; demora na realização dos serviços; acesso a Web; recebimento ou envio de um ;

31 Security (Segurança) É o conjunto de funções que o gerente de rede deve executar, para identificar e proteger equipamentos e dados da rede, de ataques e violações oriundas de pessoas não autorizadas (hackers, crackers). Para isto deve-se limitar o acesso a hosts, contas de usuários e base de dados com ferramentas adequadas como firewall, proxy e outros softwares de segurança. Os principais procedimentos que devem ser executados para o gerenciamento de segurança são: identificar informações e equipamentos que devem ser protegidos; encontrar possíveis pontos vulneráveis de acesso a rede e protegê-los; manter a rede protegida; Funções importantes que devem ser observadas pelo gerente: implementar / instalar ferramentas para auxílio no monitoramento da rede; análise diária dos logs dos servidores; firewall; contas; ter um sistema de backup implementado e funcionando; software; hardware; Problemas comuns: ataques; vírus; perdas de dados; perda de Servidores ou estações;

Gerenciamento de Redes - Evolução. Gerenciamento de Rede. Gerenciamento de Rede NOC NOC

Gerenciamento de Redes - Evolução. Gerenciamento de Rede. Gerenciamento de Rede NOC NOC s - Evolução 1970s 1970s 1980s 1980s Dispositivos 1990s 1990s Browser A Web Server Mainframe Estação Gerenciadora Browser C Browser B NOC (Network( Operation Center) Conjunto de atividades para manter

Leia mais

Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA

Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA O Protocolo SNMP Por Lécia de Souza Oliveira Índice Página 2... O que é SNMP? Histórico Página 3 e 4... Estrutura Geral do Sistema

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Gerência e Segurança de Redes

Gerência e Segurança de Redes Gerência e Segurança de Redes Modelos filipe.raulino@ifrn.edu.br SNMP e CMIP SNMP x CMIP O ambiente de gerenciamento OSI é composto por gerentes, agentes e objetos gerenciados. Um gerente transmite operações

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Gestão de redes. Protocolo SNMP. Maio de 2010 1 Gestão de redes Gestão de redes refere-se neste contexto às actividades relacionadas com a manutenção do bom funcionamento de um conjunto

Leia mais

Protocolos de gerenciamento

Protocolos de gerenciamento Protocolos de gerenciamento Os protocolos de gerenciamento têm a função de garantir a comunicação entre os recursos de redes homogêneas ou não. Com esse requisito satisfeito, operações de gerenciamento

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 SNMPv1 Limitações do SNMPv1 Aspectos que envolvem segurança Ineficiência na recuperação de tabelas Restrito as redes IP Problemas com SMI (Structure Management Information)

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Slide 1 Gerenciamento de Redes Gerenciamento de redes inclui o fornecimento, a integração e a coordenação de hardware, software e elementos humanos para monitorar, testar, configurar,

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento)

5º Semestre. AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) Disciplina: Gerência de Redes Professor: Jéferson Mendonça de Limas 5º Semestre AULA 02 Introdução a Gerência de Redes (Arquitetura e Áreas de Gerenciamento) 2014/1 Agenda de Hoje Evolução da Gerência

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

SENAI - FATESG. Gerência de Redes. Prof. Antônio Pires de Castro Jr, M.Sc.

SENAI - FATESG. Gerência de Redes. Prof. Antônio Pires de Castro Jr, M.Sc. SENAI - FATESG Gerência de Redes Prof. Antônio Pires de Castro Jr, M.Sc. Introdução Redes de Computadores É um conjunto de computadores autônomos interconectados [Tanenbaum, 1997] Introdução Mainframe

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores Gerência de Redes de Computadores As redes estão ficando cada vez mais importantes para as empresas Não são mais infra-estrutura dispensável: são de missão crítica, ou

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 4 Ferramentas de Gerência de Redes Sistema de Gerência

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciência da Computação Lista de exercícios Gerência de Redes,Turma A, 01/2010 Marcelo Vale Asari 06/90708 Thiago Melo Stuckert do Amaral

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 3 Gerenciamento de Redes Cenário exemplo Detecção de

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Nível de Aplicação Responsável por interagir com os níveis inferiores de uma arquitetura de protocolos de forma a disponibilizar

Leia mais

Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento

Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Sumário Padronizações Gerência OSI Gerência TCP/IP SNMP MIB-II RMON SNMPv2 11/5/2007 Gerência

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes

Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes Aula 5 - Projeto de Lei 2126/11 (Marco Civil da Internet). Gerência de Redes de Computadores Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes Objetivos Específicos - Entender

Leia mais

Desafios de Gerência e Segurança de Redes

Desafios de Gerência e Segurança de Redes Desafios de Gerência e Segurança de Redes Elias Procópio Duarte Jr. DInfo /UFPR Itaipu - Julho de 2003 E.P. Duarte Jr. - UFPR Roteiro Sistemas Integrados de Gerência de Redes Funcionalidade O Desafio da

Leia mais

Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro

Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Arquiteturas de Redes Organizações de padronização Modelos de referência Modelo OSI Arquitetura IEEE 802 Arquitetura

Leia mais

Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP

Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP Diego Fraga Contessa, Everton Rafael Polina Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 - CEP 91040-600 - Porto

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Princípios de Gerência de Redes Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Maio de 2011 1 / 13 Introdução Foi mostrado que uma rede de computadores consiste

Leia mais

Capítulo 9. Gerenciamento de rede

Capítulo 9. Gerenciamento de rede 1 Capítulo 9 Gerenciamento de rede 2 Redes de computadores I Prof.: Leandro Soares de Sousa E-mail: leandro.uff.puro@gmail.com Site: http://www.ic.uff.br/~lsousa Não deixem a matéria acumular!!! Datas

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Aplicação ao Gerenciamento de Redes de Telecomunicações

Aplicação ao Gerenciamento de Redes de Telecomunicações Aplicação ao Gerenciamento de Redes de Telecomunicações Este tutorial apresenta o modelo TMN (Telecommunications Management Network) para gerenciamento de redes de Telecomunicações criado pelo ITU-T (International

Leia mais

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES 1 Resumo 2 INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES Parte 7 Introdução à Gerência de Redes Introdução Segurança SNMPv1, SNMPv2 Segurança SNMPv3 Prof. Pedro S. Nicolletti (Peter), 2013 Introdução 3 4 Com o

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capítulo 9. Gerenciamento de rede 9-3. 2005 by Pearson Education

Redes de computadores e a Internet. Capítulo 9. Gerenciamento de rede 9-3. 2005 by Pearson Education Redes de computadores e a Internet Capítulo 9 Gerenciamento de rede 9-3 Gerenciamento de rede Objetivos do capítulo: Introdução ao gerenciamento de redes Motivação Componentes principais Ambiente de gerenciamento

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Network Management. Joao.Neves@fe.up.pt. João Neves, 2009

Network Management. Joao.Neves@fe.up.pt. João Neves, 2009 Network Management Joao Neves Digitally signed by Joao Neves DN: cn=joao Neves, o=feup, ou=deec, email=joao.neves@fe. up.pt, c=pt Date: 2009.12.16 00:12:07 Z G tã de Gestão d R Redes d Joao.Neves@fe.up.pt

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Técnico em Informática. Redes de Computadores 2ºE1/2ºE2

Técnico em Informática. Redes de Computadores 2ºE1/2ºE2 Técnico em Informática Redes de omputadores 2ºE1/2ºE2 SUMÁRIO 2.1 Introdução 2.2 Vantagens do Modelo de amadas 2.3 Modelo de inco amadas 2.4 Funções das amadas 2.5 Protocolos de Rede 2.6 Arquitetura de

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Filosofia da Internet

Arquitetura TCP/IP. Filosofia da Internet Arquitetura TCP/IP Filosofia da Internet foi projetada p/: ser aberta o bastante p/ permitir a execução em uma grande variedade de equipamentos de resistir a possíveis danos que prejudicassem seu funcionamento

Leia mais

Gerência de Redes Áreas Funcionais

Gerência de Redes Áreas Funcionais Gerência de Redes Áreas Funcionais Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Sumário Áreas Funcionais Falhas Configuração Contabilização Desempenho Segurança Ferramentas de Gerenciamento

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Gerência de Redes. Arquitetura de Gerenciamento. filipe.raulino@ifrn.edu.br

Gerência de Redes. Arquitetura de Gerenciamento. filipe.raulino@ifrn.edu.br Gerência de Redes Arquitetura de Gerenciamento filipe.raulino@ifrn.edu.br Sistema de Gerência Conjunto de ferramentas integradas para o monitoramento e controle. Possui uma interface única e que traz informações

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas. Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. TCP/IP x ISO/OSI

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas. Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. TCP/IP x ISO/OSI Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas TCP/IP x ISO/OSI A Internet não segue o modelo OSI. É anterior a ele. Redes de Computadores

Leia mais

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 11: Redes de Computadores Prof.: Roberto Franciscatto REDES - Introdução Conjunto de módulos de processamento interconectados através de um sistema de comunicação, cujo objetivo é compartilhar

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES O QUE É PROTOCOLO? Na comunicação de dados e na interligação em rede, protocolo é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas. Sem protocolos, uma rede

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

3. Arquitetura TCP/IP

3. Arquitetura TCP/IP 3. Arquitetura TCP/IP A arquitetura internet foi criada pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos, com o objetivo de se ter uma rede interligando várias universidades e órgãos do governo de maneira

Leia mais

Modelos de Redes em Camadas

Modelos de Redes em Camadas Modelos de Redes em Camadas Prof. Gil Pinheiro 1 1. Arquitetura de Sistemas de Automação Sistemas Centralizados Sistemas Distribuídos Sistemas Baseados em Redes Arquitetura Cliente-Servidor 2 Sistemas

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Open Systems Interconnection Modelo OSI No início da utilização das redes de computadores, as tecnologias utilizadas para a comunicação

Leia mais

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1 Redes de Computadores e Teleinformática Zacariotto 4-1 Agenda da aula Introdução Redes de computadores Redes locais de computadores Redes de alto desempenho Redes públicas de comunicação de dados Computação

Leia mais

Camada de Transporte

Camada de Transporte Camada de Transporte Conceitos Básicos Redes de Computadores A. S. Tanenbaum Mário Meireles Teixeira. UFMA-DEINF Protocolos Protocolo: Conjunto de regras e formatos usados para comunicação entre entidades,

Leia mais

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.)

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Unidade 3 3.1 Introdução 3.2. Definições 3.3. Motivações 3.4. Problemas 3.5. Desafios 3.6. Padronização e Arquitetura 3.7. Gerência

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

The Simple Network Management Protocol, version 1

The Simple Network Management Protocol, version 1 SNMPv1 The Simple Network Management Protocol, version 1, 2007 1 O Protocolo A versão original do SNMP derivou do Simple Gateway Monitoring Protocol (SGMP) em 1988 RFC1157, STD0015 A Simple Network Management

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes Introdução ao Gerenciamento de Redes O que é Gerenciamento de Redes? O gerenciamento de rede inclui a disponibilização, a integração e a coordenação de elementos de hardware, software e humanos, para monitorar,

Leia mais

Rede de Computadores

Rede de Computadores Escola de Ciências e Tecnologia UFRN Rede de Computadores Prof. Aquiles Burlamaqui Nélio Cacho Luiz Eduardo Eduardo Aranha ECT1103 INFORMÁTICA FUNDAMENTAL Manter o telefone celular sempre desligado/silencioso

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 08/2013 Material de apoio Conceitos Básicos de Rede Cap.1 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica.

Leia mais

Camadas da Arquitetura TCP/IP

Camadas da Arquitetura TCP/IP Camadas da Arquitetura TCP/IP A arquitetura TCP/IP divide o processo de comunicação em quatro camadas. Em cada camada atuam determinados protocolos que interagem com os protocolos das outas camadas desta

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR TELEPROCESSAMENTO E REDES PROF: MARCO ANTÔNIO CÂMARA ALUNO: ANDREI GALVÃO DO NASCIMENTO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR TELEPROCESSAMENTO E REDES PROF: MARCO ANTÔNIO CÂMARA ALUNO: ANDREI GALVÃO DO NASCIMENTO UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR TELEPROCESSAMENTO E REDES PROF: MARCO ANTÔNIO CÂMARA ALUNO: ANDREI GALVÃO DO NASCIMENTO Introdução ao SNMP No final dos anos 70 as redes de computadores cresceram de simples

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet.

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet. Origem: Surgiu na década de 60 através da DARPA (para fins militares) - ARPANET. Em 1977 - Unix é projetado para ser o protocolo de comunicação da ARPANET. Em 1980 a ARPANET foi dividida em ARPANET e MILINET.

Leia mais

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Eduardo Júnior Administração de redes com GNU/Linux Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Eduardo Júnior - ihtraum@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento

Leia mais

Anderson Alves de Albuquerque

Anderson Alves de Albuquerque SNMP (Simple Network Management Protocol) Anderson Alves de Albuquerque 1 Introdução: O que é SNMP (Basicamente): Através de variáveis ou estruturas certos acontecimentos podem ser contabilizados (contados).

Leia mais

Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos

Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos seu proprietários. A sua rede deve está rigorosamente

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores - SNMPv1 & SNMPv2c

Gerência de Redes de Computadores - SNMPv1 & SNMPv2c Gerência de Redes de Computadores - SNMPv1 & SNMPv2c Prof.: Helcio Wagner / Iguatemi Eduardo Agosto de 2009. p.1/50 Gerência Internet = Introdução Nos primórdios da Internet, as únicas ferramentas utilizadas

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

Programação TCP/IP. Protocolos TCP e UDP

Programação TCP/IP. Protocolos TCP e UDP Programação TCP/IP Protocolos TCP e UDP Tecnologia em Redes de Computadores Unicesp Campus I Prof. Roberto Leal Visão Geral da Camada de Transporte 2 1 Protocolo TCP Transmission Control Protocol Protocolo

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

INTERNET. Surgimento da Internet. Cenário antes do Projeto Arpanet. Aula 04 Prof. André Cardia andre@andrecardia.pro.br. Surgimento da ARPANET

INTERNET. Surgimento da Internet. Cenário antes do Projeto Arpanet. Aula 04 Prof. André Cardia andre@andrecardia.pro.br. Surgimento da ARPANET INTERNET Aula 04 Prof. André Cardia andre@andrecardia.pro.br Surgimento da Internet Projeto militar dos Estados Unidos, em 1969 o departamento de defesa norte americano (DoD), por meio da ARPA (Advanced

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

LDAP - Tópicos. O que é um Diretório? Introdução. História do LDAP. O que é o LDAP? 5/22/2009

LDAP - Tópicos. O que é um Diretório? Introdução. História do LDAP. O que é o LDAP? 5/22/2009 LDAP - Tópicos Leoncio Regal Dutra Mestre em Engenharia Elétrica Telecomunicações leoncioregal@gmail.com Introdução Definições Funcionamento Segurança Otimizações do LDAP Exemplos Conclusão 2 Introdução

Leia mais

CONTROLE DE REDE. Prof. José Augusto Suruagy Monteiro

CONTROLE DE REDE. Prof. José Augusto Suruagy Monteiro CONTROLE DE REDE Prof. José Augusto Suruagy Monteiro 2 Capítulo 3 de William Stallings. SNMP, SNMPv2, SNMPv3, and RMON 1 and 2, 3rd. Edition. Addison-Wesley, 1999. Baseado em slides do Prof. Chu-Sing Yang

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Software

Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Software Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Software Disciplina: Redes de Computadores 2. Arquiteturas de Redes: Modelo em camadas Prof. Ronaldo Introdução n Redes são

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

Aula 3. Objetivos. A internet.

Aula 3. Objetivos. A internet. Aula 3 Objetivos A internet. Uma rede é... usando Um ambiente onde pessoas se comunicam e trocam idéias que requerem Um conjunto de aplicações e serviços distribuídos criando realizada através de Uma disciplina

Leia mais

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1 Descritivo Técnico 16/02/2011 Página 1 1. OBJETIVO O SLAview é um sistema de análise de desempenho de redes IP por meio da monitoração de parâmetros de SLA (Service Level Agreement, ou Acordo de Nível

Leia mais

Protocolos. Prof. Wladimir da Costa

Protocolos. Prof. Wladimir da Costa Prof. Wladimir da Costa Introdução Até o presente momento discutimos sobre a infraestrutura de redes (hardware, sistema operacional e cabeamento). Agora vamos ver como realmente é feito a troca de informação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores SNMP Simple Network Management Protocol 1 Histórico No final dos anos 70 não haviam protocolos de gerenciamento. A única ferramenta efetivamente usada para gerenciamento foi o Internet

Leia mais

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade I Principais tecnologias da rede digital Computação cliente/servidor Comutação de pacotes TCP/IP Sistemas de informação

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Redes de Computadores - Capitulo II 2013. prof. Ricardo de Macedo 1 ISO INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDZATION

Redes de Computadores - Capitulo II 2013. prof. Ricardo de Macedo 1 ISO INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDZATION Capitulo 2 Prof. Ricardo de Macedo ISO INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDZATION Organização Internacional para Padronização. Definição de um padrão de interoperabilidade. Modelo OSI OSI OPEN SYSTEM

Leia mais

3. O protocolo SNMP 1

3. O protocolo SNMP 1 3. O protocolo SNMP 1 Veicula informações de gerência transporte de valores das MIBs Interações sem conexão Mensagens em UDP/IP portas 161 e 162 pacotes de tamanho variável Mensagens auto-contidas formato

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 30 de novembro de 2010. Exercício 1: Considere:

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 30 de novembro de 2010. Exercício 1: Considere: TE090 - Prof. Pedroso 30 de novembro de 2010 1 Questões de múltipla escolha Exercício 1: Considere: I. O serviço de DNS constitui-se, em última instância, de um conjunto de banco de dados em arquitetura

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais