CENTRO UNIVERSITÁRIO POSITIVO MELHORIA DO PROCESSO PRODUTIVO DE UMA EMPRESA DE ESTAMPARIA AUTOMOBILÍSTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO POSITIVO MELHORIA DO PROCESSO PRODUTIVO DE UMA EMPRESA DE ESTAMPARIA AUTOMOBILÍSTICA"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO POSITIVO MELHORIA DO PROCESSO PRODUTIVO DE UMA EMPRESA DE ESTAMPARIA AUTOMOBILÍSTICA CURITIBA 2006

2 FÁBIO KURIYAMA FERNANDO HIRSCH DE MEDEIROS MELHORIA DO PROCESSO PRODUTIVO DE UMA EMPRESA DE ESTAMPARIA AUTOMOBILÍSTICA Monografia apresentada para obtenção do título de Engenheiro Mecânico, no Curso de Graduação em Engenharia Mecânica do Centro Universitário Positivo. Orientadora: Profª. Adriana Regina Tozzi. CURITIBA 2006

3 DEDICATÓRIA Dedicamos este trabalho aos nossos pais, aos nossos irmãos e a todos aqueles que contribuíram de alguma forma para conclusão deste projeto.

4

5 AGRADECIMENTOS Agradecemos a professora e orientadora, Adriana Regina Tozzi, pela colaboração no desenvolvimento deste estudo, e pelas sugestões e críticas que nos levaram a grandes melhorias neste trabalho. Agradecemos a Gestamp Paraná S.A., por permitir e colaborar com a realização deste trabalho. Agradecemos ao Engenheiro Jefferson Luis Bassi e a toda equipe de trabalho, por compartilharem suas experiências profissionais e auxiliarem no estudo realizado.

6 SUMÁRIO LISTA DE ILUSTRAÇÕES...iv LISTA DE TABELAS...v LISTA DE GRÁFICOS...vi LISTA DE SIGLAS... vii RESUMO... viii ABSTRACT...ix 1 INTRODUÇÃO PROBLEMATIZAÇÃO TEMA E OBJETIVO MÉTODO DE TRABALHO LIMITAÇÕES DE TRABALHO ESTRUTURA DO TRABALHO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA QUALIDADE E CONFIABILIDADE Ferramentas para Análise de Problemas FMEA Relação Causa-Efeito Tipos de FMEA Aplicação da FMEA Etapas para a Aplicação Planejamento Acompanhamento CULTURA ORGANIZACIONAL E TREINAMENTO NOÇÕES DE ESTAMPAGEM DESCRIÇÃO DO PROCESSO ESTRUTURA SETORIAL Engenharia de Processos Setor de Qualidade Setor de PCP/Logística Setor de Produção PREPARO DA PRODUÇÃO...36 ii

7 3.3 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS EQUIPE DE TRABALHO ANÁLISE DO PROCESSO Priorização da Peça Crítica Detecção dos Modos Potenciais de Falha Detecção das Causas Potenciais de Falha Ações Recomendadas Problema de estampo Problema de prensas Matéria-prima não conforme ANÁLISE DOS MODOS E EFEITOS DE FALHAS POTENCIAIS CONCLUSÕES FINAIS SUGESTÕES PARA TRABALHOS FUTUROS...62 REFERÊNCIAS...63 OBRAS CONSULTADAS...64 ANEXO 01 - MODELO DE FMEA...65 ANEXO 02 - FMEA APLICADO PARTE ANEXO 03 - FMEA APLICADO PARTE ANEXO 04 - FMEA APLICADO PARTE ANEXO 05 - FMEA APLICADO PARTE ANEXO 06 - FMEA APLICADO PARTE ANEXO 07 EXEMPLO DE LISTA DE VERIFICAÇÃO...71 iii

8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1 - PLANTA DA GESTAMP PARANÁ S.A....2 FIGURA 2 - LINHA DE PRENSAS FIGURA 3 EXEMPLO DE HISTOGRAMA...13 FIGURA 4 EXEMPLO DE GRÁFICO DE PARETO...14 FIGURA 5 ESPINHA DE PEIXE...15 FIGURA 6 DISPERSÃO DA UMIDADE EM FUNÇÃO DA TEMPERATURA...15 FIGURA 7 AMPLITUDE DE UM MEIO DE MEDIÇÃO...16 FIGURA 8 - ESTAMPO DE CORTE...25 FIGURA 9 - CORTE DE CHAPA...26 FIGURA 10 - ESTAMPO DE DOBRA...27 FIGURA 11 - REPUXO...27 FIGURA 12 OPERAÇÃO DE REPUXO...30 FIGURA 13 OPERAÇÃO DE CORTE...30 FIGURA 14 OPERAÇÃO DE RECORTE E FURAÇÃO...31 FIGURA 15 OPERAÇÃO DE CALIBRAGEM...31 FIGURA 16 LAYOUT DA LINHA DE PRENSAS FIGURA 17 PEÇA DE ASPECTO PORTAS DO RENAULT SCÉNIC...36 FIGURA 18 PONTE ROLANTE...37 FIGURA 19 MESA MÓVEL...38 FIGURA 20 PALETE COM BLANKS...38 FIGURA 21 MESA ABASTECEDORA...39 FIGURA 22 GARRA DO ROBÔ...40 FIGURA 23 MESA DE BOLAS...41 FIGURA 24 ROBÔ RB FIGURA 25 TÚNEL DE LUZ...42 FIGURA 26 CAÇAMBA DE REFUGO...43 FIGURA 27 DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO - ESTAMPO...50 FIGURA 28 DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO - PRENSAS...51 FIGURA 29 DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO MATÉRIA-PRIMA...52 FIGURA 30 RELÓGIO DE NÍVEL DE ÓLEO...59 iv

9 LISTA DE TABELAS TABELA 1 INDICADORES DE PRODUÇÃO...5 TABELA 2 CONTROLE DE PRODUÇÃO TRIMESTRAL DA LINHA DE PRENSAS TABELA 3 SEVERIDADE DO EFEITO...21 TABELA 4 PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA...22 TABELA 5 PROBABILIDADE DE DETECÇÃO DO MODO DE FALHA...22 TABELA 6 SIGLAS DE REFERÊNCIA DA LINHA DE PRENSAS TABELA 7 TEMPOS E CUSTOS MÉDIOS DE PARADAS IMPREVISTAS JAN AGO TABELA 8 RESUMO DAS CAUSAS E AÇÕES PROPOSTAS...57 TABELA 9 DADOS DE PRODUÇÃO ESTIMADOS PÓS-IMPLEMENTAÇÃO DAS AÇÕES...61 v

10 LISTA DE GRÁFICOS GRÁFICO 1 - ÍNDICE DE PARADAS IMPREVISTAS DA LINHA DE PRENSAS 02 EM GRÁFICO 2 - ÍNDICE DE PARADAS IMPREVISTAS DA LINHA DE PRENSAS 01 EM GRÁFICO 3 CUSTO MÉDIO MENSAL DE PARADAS IMPREVISTAS JAN A AGO GRÁFICO 4 FREQUÊNCIA DE PARADAS IMPREVISTAS JAN A AGO 2006 (PEÇA 27)...48 vi

11 LISTA DE SIGLAS ANFAVEA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS FABRICANTES DE VEÍCULOS AUTOMOTORES ABB ASEA BROWN BOVERI CP CADÊNCIA DE PRODUÇÃO D DETECÇÃO FMEA FAILURE MODE and EFECTS ANALYSIS FTA FAUT TREE ANALYSIS ICP ÍNDICE CADÊNCIA DE PRODUÇÃO IPI ÍNDICE DE PARADAS IMPREVISTAS IPP ÍNDICE DE PARADA PREVISTA O OCORRÊNCIA OF ORDEM DE FABRICAÇÃO OP OPERAÇÃO R RISCO S SEVERIDADE 6M MÁQUINA, MATÉRIA-PRIMA, MÃO DE OBRA, MÉTODO, MEIO AMBIENTE, MEDIÇÃO TAF TROCA AUTOMÁTICA DE FERRAMENTAS TO TEMPO DE OCUPAÇÃO TOTAL TPI TEMPO DE PARADAS IMPREVISTAS TPP TEMPO DE PARADAS PREVISTAS TPT TEMPO DE PARAD TOTAL TQC TOTAL QUALITY CONTROL vii

12 RESUMO Com o incessante crescimento do mercado automobilístico no Brasil, tornase cada vez mais importante aumentar a capacidade produtiva de empresas do ramo. Para melhorar o desempenho dos processos, muitas dessas empresas utilizam ferramentas da qualidade, como o FMEA e Ishikawa, para auxiliar na solução de falhas. Esse estudo mostra a utilização do FMEA, para uma proposta de redução de paradas imprevistas no processo produtivo de uma linha de estamparia automobilística. Palavras-chave: Melhoria do Processo Produtivo, FMEA, Redução de Paradas Imprevistas, Estamparia, Melhoria do Processo Produtivo. viii

13 ABSTRACT With the incessant growth of the automotive market in Brazil, becomes more and more important to increase the productivity of companies of the branch. To improve the acting of the processes, many of those companies use quality tools, like FMEA and Ishikawa, to aid to solve the failures. That study shows the use of FMEA, for a proposal of reduction of unexpected stops in the productive process of an automobile stamping. Keywords: Improvement of the Productive Process, FMEA, Reduction of Unexpected Stops, Stamping. ix

14

15 1 INTRODUÇÃO Atualmente, o Brasil desponta como uma das potências econômicas emergentes e ocupa a décima terceira posição na economia mundial 1, demonstrando grande potencial de crescimento em diversos setores, dentre eles o automotivo. Segundo a matéria [...] Indústria automotiva tem recorde de produção e exportação 2 [...], a indústria automotiva teve em 2006 o melhor janeiro da história em termos de produção e exportação, superando recordes anteriores registrados em As vendas para o mercado interno só perderam para janeiro de A produção do mês de janeiro atingiu 198 mil veículos e foi 20% superior à de janeiro de As exportações alcançaram US$ 633 milhões, com alta de 16,8% na comparação com janeiro do ano anterior. Para o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores ANFAVEA, Rogelio Golfarb, as expectativas para 2006 são: [...]crescimento de 4,5% na produção em relação a 2005, chegando a 2,6 milhões de veículos; as vendas devem subir 7% este ano, chegando a 1,8 milhões de unidades; e as exportações devem subir 2,7%, para US$ 11,5 bilhões 3 [...]. Com o mercado automobilístico em alta, surge a necessidade das empresas produzirem mais, mantendo a qualidade sem aumentar os custos da montagem. Muitas das indústrias automobilísticas têm enfrentado alguns problemas de capacidade produtiva. Esses problemas provêm da ineficiente e incorreta utilização dos recursos disponíveis para a produção, sejam estes operacionais ou humanos. Sendo assim, a necessidade de produzir em elevada escala em conjunto com constante exigência por redução de custos e investimentos, valoriza o surgimento e 1 PASSOS M. J., Brasil é 13ª economia do mundo. gentedeopiniao.com. Disponível em: <http://www.portovelhonet.com.br/opiniao/ver.php?manchete=12162&editorial=12> Acesso em: 22 abr Caderno AUTOS, Jornal Folha de São Paulo, São Paulo, 7 fev STUANI R., Indústria automotiva tem recorde de produção e exportação. estadao.com.br. Disponível em: <http://www.estadao.com.br/autos/noticias/2006/fev/07/119.htm> Acesso em: 10 abr

16 2 implantação de métodos e conceitos de qualidade que conduzam a uma utilização eficaz dos recursos existentes para fabricação. Empresas como a Gestamp Paraná S.A., que atua no setor de peças automotivas, assim como muitos outros fornecedores de autopeças, encontram problemas de capacidade produtiva, isto é, produzir cada vez mais sem que a qualidade e o custo do produto final sejam alterados. Faz-se necessário, então, a implementação de sistemas de gestão que possibilitem que estas empresas continuem competitivas dentro de seu mercado de atuação. 1.1 PROBLEMATIZAÇÃO A empresa Gestamp Paraná S.A. foi constituída em 16 de Julho de 1997, para suprir a demanda do mercado por estamparias no sul do Brasil. Com sede em São José dos Pinhais, Paraná, tem como objetivo social a industrialização de componentes automotivos (estamparia pesada), sua importação e exportação. Dentro da planta, atualmente conta com 4 unidades de negócio: Ferramentaria de Construção, Estamparia, Conjuntos Soldados e Solda à Laser. A Figura 1 apresenta a planta da Gestamp Paraná S.A., que está situada em São José dos Pinhais - PR. FIGURA 1 PLANTA DA GESTAMP PARANÁ FONTE: GESTAMP PARANÁ S.A.

17 3 A Gestamp Paraná S.A. atualmente possui, dentro de sua unidade de estamparia, duas linhas de prensas 4, uma denominada de Linha de Prensas 01, com seis prensas em linha interligadas por robôs suspensos 5 para estampagem de grandes painéis, e outra chamada de Linha de Prensas 02, com cinco prensas também interligadas por robôs suspensos para estampagem de painéis médios, além de contar com uma máquina de Solda Laser 6 com duas zonas para soldagem de blanks 7 e uma célula de Solda Ponto utilizada para produção de conjuntos soldados, para a indústria automobilística. A Figura 2 a seguir apresenta a Linha de Prensas 01 de estampagem. FIGURA 2 LINHA DE PRENSAS 01 FONTE: OS AUTORES, Atualmente, ambas as linhas de estamparia estão saturadas, já que os números de peças e clientes vêm aumentando constantemente. Como a ampliação da fábrica não é viável por enquanto, e muito menos a compra de uma nova linha de estampagem para que haja um respiro na produção, surge à necessidade de se estudar maneiras de aperfeiçoar as linhas existentes de modo a diminuir ou quase que extinguir as paradas imprevistas do processo. estampagem. 4 Prensas mecânicas de simples ação da marca Schuler, modelo Link Drive 2000 T e 910 T. 5 Marca Asea Brown Boveri - ABB. 6 Solda laser CO 2 do tipo linear da marca Trumpf. 7 Chapas de aço planas, cortadas nas dimensões necessárias para o processo de

18 4 De acordo com o Gráfico 1, estas paradas representam hoje quase que 18% do total de horas produtivas mensais na Linha de Prensas 02 e 24,6% na Linha de Prensas 01, conforme pode ser observado no gráfico 2. GRÁFICO 1 - ÍNDICE DE PARADAS IMPREVISTAS DA LINHA DE PRENSAS 02 EM 2006 FONTE: GESTAMP PARANÁ S.A. NOTA: Dados trabalhados pelos autores. GRÁFICO 2 - ÍNDICE DE PARADAS IMPREVISTAS DA LINHA DE PRENSAS 01 EM 2006 FONTE: GESTAMP PARANÁ S.A. NOTA: Dados trabalhados pelos autores.

19 5 As paradas imprevistas 8 recaem diretamente sobre o Índice de Cadência de Produção - ICP, conforme pode ser observado na Tabela 1. Sendo assim, o enfoque deste estudo é detectar as possíveis falhas responsáveis pelo número de paradas durante o processo e indicar planos de ação que diminuam estas paradas e conseqüentemente aumentem a produtividade na Linha de Prensas 01, que hoje se mostra a mais problemática. TABELA 1 - INDICADORES DE PRODUÇÃO Indicador de Produção Sigla 1) Obtenção de dados Unidade Tempo de Produção TP Tempo Líquido de Produção horas Tempo de Set-Up TSU Tempo de Preparação de Linha horas Parada Prevista TPP Tempo de Paradas Previstas (Programadas) horas Parada Imprevista TPI Tempo de Paradas Imprevistas horas Parada Total TPT TPP + TPI horas Tempo de Ocupação TO TP + TSU + TPI horas Índice de Parada Prevista IPP TPP / TO % Índice de Parada Imprevista IPI TPI / TO % Cadência de Produção CP TO / Nº de peças produzidas peças / hora FONTE: GESTAMP PARANÁ S.A. NOTA: Dados trabalhados pelos autores. 1.2 TEMA E OBJETIVO O presente trabalho tem como objetivo determinar as causas potenciais de falha durante o processo de produção da Linha de Prensas 01 da empresa Gestamp Paraná S.A., localizada em São José dos Pinhais, região metropolitana de Curitiba no estado do Paraná, de forma a reduzir o Índice de Paradas Imprevistas - IPI da linha de prensas 01 e aumentar o Índice de Cadência de Produção. Para tanto, será utilizada uma ferramenta para análise de modos potenciais de falha denominada de 8 Para o cálculo do tempo das paradas imprevistas, não são considerados os tempos de preparação da linha para o início de produção, também conhecido como Set-Up.

20 6 Failure Mode and Effects Analysis FMEA 9. A FMEA atua, através desta análise, nas causas que originaram os modos de falhas em determinado processo e permite propor ações de melhoria que contribuam para o controle ou eliminação das falhas detectadas. A Tabela 2 a seguir apresenta os dados, com os Indicadores de Paradas Imprevistas e de Índice de Cadência de Produção, durante os anos de 2005 e TABELA 2 CONTROLE DE PRODUÇÃO TRIMESTRAL DA LINHA DE PRENSAS 01 DADOS PERÍODO INDICADORES Paradas Imprevistas (horas) % de Parada do Tempo Total de Produção Índice de Cadência de Produção - ICP 1º Trimestre de 2005 FONTE: GESTAMP PARANÁ S.A. NOTA: Dados trabalhados pelos autores. 2º Trimestre de º Trimestre de º Trimestre de º Trimestre de ,40 102,19 113,05 74,94 75,79 27,50% 23,00% 24,40% 19,90% 23,70% Com a análise dos modos potenciais de falha, acredita-se que seja possível alcançar uma média anual de paradas inferior a 20% da produtividade total, conseguindo chegar aos índices atingidos pela Linha de Prensas MÉTODO DE TRABALHO O trabalho foi desenvolvido seguindo as seguintes etapas: Primeira etapa: Levantamento da literatura existente sobre qualidade, FMEA e planos de ação e de melhoria. 9 FMEA é uma técnica utilizada para a Análise de Modos e Efeitos de Falhas, muito aplicada nas indústrias de manufatura e tem a finalidade de aumentar a confiabilidade de produtos e serviços.

21 7 Segunda etapa: Estudo do processo de estamparia de peças, através de desenho, fluxograma e de forma descritiva. Terceira etapa: Avaliação do processo atual, levando-se em conta os dados de produção, observação e entrevistas com peritos no processo, objetivando detectar os problemas causadores das paradas imprevistas no processo estudado. Quarta etapa: Desenvolvimento da tabela de FMEA com base nos resultados obtidos na terceira etapa e propostas de melhoria para o bloqueio das falhas de maior severidade no processo. 1.4 LIMITAÇÕES DO TRABALHO Este estudo está voltado somente à otimização da Linha de Prensas 01 e dos processos de estampagem em série da empresa Gestamp Paraná, com base na análise das falhas potenciais responsáveis pelo atraso na produção de peças, que causam atrasos no processo, ficando em segundo plano a questão de análise da qualidade do produto, mas sem prejudicá-la. 1.5 ESTRUTURA DO TRABALHO Este trabalho está estruturado em cinco capítulos, sendo que o Capítulo 1 apresenta a introdução, tema e objetivos do estudo, justificando suas importâncias no meio em que se insere atualmente. Neste capítulo são também apresentados, os métodos de trabalho e suas limitações. O Capítulo 2 apresenta a revisão de literatura sobre o método utilizado, a FMEA, Diagrama de Causa e Efeito 10, e outros métodos aplicados para auxiliar a identificação dos problemas. O Capítulo 3 descreve o atual processo de fabricação, análise dos dados de entrada e o estudo prático da FMEA de processo. 10 O diagrama de Causa e Efeito, é também conhecido como diagrama-espinha de peixe, em função de seu formato característico. É uma ferramenta gráfica usada para identificar as causas dos problemas, proposta inicialmente pelo engenheiro químico Kaoru Ishikawa.

22 8 O Capítulo 4 contempla os resultados obtidos na FMEA, propondo planos de ação para solução ou redução dos problemas. O Capítulo 5 apresenta a conclusão final do estudo e sugestões para trabalhos futuros.

23 9 2 REVISÃO DE LITERATURA A revisão literária foi executada através de pesquisa literária na busca de ferramentas para a Análise e Solução de problemas, utilizadas principalmente no ramo industrial. 2.1 QUALIDADE E CONFIABILIDADE De acordo com Campos (1992), a garantia da qualidade dentro do Total Quality Control TQC 11, pode ser descrita como: [...] uma conquista que pode ser alcançada pelo gerenciamento correto e obstinado de todas as atividades de qualidade, buscando sistematicamente a eliminação total de falhas, com vistas à satisfação total das necessidades dos consumidores, mobilizando a participação de todos na empresa [...] (CAMPOS, V.F. 1992). A eliminação de desperdícios também está ligada diretamente à qualidade de uma empresa. Através da redução de desperdícios, a empresa pode gerar recursos para alavancar seu Sistema de Melhoria da Qualidade. Pode-se dizer então que, para obter qualidade dentro de uma empresa, o Sistema da Qualidade desenvolvido deve permitir que as falhas sejam identificadas, os clientes, tantos externos como internos, estejam satisfeitos e os desperdícios sejam eliminados. Para que isto aconteça, o que se deve salientar que não é tão simples quanto parece, é necessário um planejamento e operacionalização deste para que o objetivo final seja alcançado. A qualidade pode ser conseguida com a padronização dos processos utilizados pela empresa. Este seria o primeiro passo para a busca da excelência, porém, o fato de que os clientes percebem serviços de forma diferenciada deve ser observado, sendo necessário um trabalho de marketing para definir qual a melhor forma de abordar diferentes tipos de consumidores. Para implantar programas de gestão da qualidade é necessário um bom planejamento e gerenciamento deste plano, de forma que todos os processos 11 TQC é o Controle da Qualidade Total.

24 10 possam ser controlados e as falhas identificadas e eliminadas. Existem várias ferramentas que possibilitam esta identificação, como ferramentas de análise, diagramas de causa e efeito, gráfico de Pareto 12, dentre outros. Saber utilizar as técnicas de pesquisa e o que fazer com os resultados é apenas uma parte do problema. Há necessidade de se implementar um plano de ação e efetuar as ações corretivas para a eliminação dos problemas identificados através da participação de todos os responsáveis pelo processo. É comum que este processo de melhoria, muitas vezes, seja interrompido exatamente neste ponto, devido às barreiras para o envolvimento destes. Se os funcionários e a gerência não estiverem envolvidos na aplicação da qualidade, pouco será possível de se fazer. Por isso, fala-se muito hoje em dia nos aspectos culturais como as maiores barreiras para as transformações, isto é, a criação de procedimentos para padronização de processos dentro de uma organização é uma etapa muito importante, porém, para que estes procedimentos sejam implantados, a alta administração deve considerar o indivíduo, suas necessidades e seus temores, além de proporcionar treinamentos para que o desempenho humano seja aperfeiçoado. Philip B. Crosby, juntamente com Deming e Juran, são considerados um dos papas do movimento da Qualidade. Crosby fixou vários pontos a serem observados na implantação de programas de qualidade. Ao total, são quatorze pontos, que ele denominou de etapas. São elas: 1. Comprometimento da Gerência; 2. A equipe de Melhoria da Qualidade; 3. Cálculo da Qualidade; 4. Avaliação do Custo da Qualidade; 5. Conscientização; 6. Ação Corretiva; 7. Estabelecimento de um Comitê Especial para o Programa Zero Defeito; 8. Treinamento de Supervisores; 9. Dia Zero Defeito; 10. Estabelecimento de Meta; dos problemas. 12 Pareto é uma ferramenta estatística, em forma gráfica, nas quais se reflete a freqüência

25 Remoção das Causas de Erros; 12. Reconhecimento; 13. Conselhos da Qualidade; 14. Fazer tudo de novo. Estas etapas demonstram resumidamente o que é necessário para obter qualidade dentro de uma empresa. De acordo com Los Casas (1997): [...] uma organização é feita por pessoas, portanto nada mais óbvio do que fazer a implantação do processo através da comunicação. A primeira cabeça a ser feita é a da Alta Administração [...]. Aliados a isto, no estudo da engenharia de confiabilidade podem ser encontradas diversas ferramentas que auxiliam na busca da excelência dentro de um processo. A FMEA e a Faut Tree Analysis - FTA 13 são algumas das técnicas que auxiliam na busca pelo sucesso de determinado processo. A FMEA tem como objetivo reconhecer e avaliar as falhas potenciais, que podem surgir em um produto ou processo, identificar ações que eliminem ou reduzam a chance de ocorrência destas falhas e por último documentar o estudo realizado de forma que seja criado um referencial técnico. A FTA é usada para a partir de determinado evento, identificar todas as combinações de causas que podem originá-lo. Também pode auxiliar no estudo da probabilidade de ocorrência destas causas e ainda priorizar ações que visam bloquear estas causas. Ambas as técnicas revelam os pontos fracos de um determinado sistema e, assim, fornecem subsídios para as atividades de melhoria contínua. Podem auxiliar a detectar e eliminar falhas, assim como determinar ações para que as mesmas não voltem a acontecer. O uso de uma destas técnicas vai depender do problema que estiver sendo estudado. Por exemplo, a FMEA pode ser utilizada a partir de um item inicial, isto é, a partir de uma operação dentro de um processo que apresente modos 13 FTA também é conhecida como Análise da Árvore de Falhas, é uma análise sistemática de possíveis falhas e suas conseqüências, orientando na adoção de medidas corretivas ou preventivas, e visa melhorar a confiabilidade de produtos e processos.

26 12 potenciais de falha. A FTA pode ser aplicada em casos em que um efeito indesejável apresente relações que englobem diversos componentes ou operações Ferramentas para Análise de Problemas Além do FMEA e da FTA, existem também outras ferramentas que auxiliam na identificação e análise de problemas. As mais conhecidas e usadas são: estratificação, lista de verificação, histograma, diagrama de Pareto, diagrama de causa e efeito, diagrama de dispersão, gráfico de controle e brainstorming 14. A decisão de escolha da ferramenta depende dos objetivos, da situação e das prioridades da empresa. É preciso lembrar que elas são um meio para resolver os problemas e devem ser usadas com critério e bom senso para o resultado ser o melhor possível. a) Estratificação A estratificação é o método usado para separar (ou estratificar) um conjunto de dados de modo a perceber que existe um padrão. Quando esse padrão é descoberto, fica fácil detectar o problema e identificar suas causas. A estratificação ajuda a verificar o impacto de uma determinada causa sobre o efeito estudado e ajuda a detectar um problema. b) Lista de Verificação A lista de verificação é uma ferramenta usada para o levantamento de dados sobre a qualidade de um produto ou o número de ocorrências de um evento qualquer. Na realidade, é uma ferramenta muito comum, usada a todo o momento. c) Histograma A Figura 3 apresenta um modelo de histograma, que é outra ferramenta que pode ser utilizada para registrar, cronologicamente, a evolução de um grupo. 14 Brainstorming ou tempestade de idéias, técnica utilizada para solucionar problemas em

27 13 fenômeno dentro de certo período de tempo, ou as freqüências de vários fenômenos em um momento ou período definido. É um gráfico estatístico de colunas que mostra a variação de um grupo de dados relativos a uma mesma variável, por meio da distribuição de freqüência. FIGURA 3 - EXEMPLO DE HISTOGRAMA 15 Índice 100% 80% 60% TAXA DE INADIMPLÊNCIA Taxa de Inadimplência em % 20% 0% Meses FONTE: OS AUTORES, NOTA: Dados simulados pelos autores. d) Brainstorming É a clássica técnica de trabalho em grupo, onde ocorre uma tempestade de idéias, onde todos podem dar a sua sugestão para resolver um determinado problema, a crítica é rejeitada e a criatividade é sempre bem vinda, onde no final as melhores idéias são registradas em uma ata de reunião e aplicadas. e) Diagrama de Pareto A Figura 4 demonstra um exemplo de aplicação do diagrama de Pareto, que é um gráfico de colunas nas quais se reflete a freqüência dos problemas. Nele, os eventos indesejáveis ou os custos ligados à qualidade e a produtividade são estratificados, de acordo com as causas ou 15 Todos os gráficos citados como exemplos servem apenas para ilustrar a aplicação das ferramentas e não refletem em nenhuma hipótese a veracidade dos dados ou até do objeto em estudo.

28 14 manifestações, e organizados em ordem decrescente de importância da esquerda para a direita. O diagrama de Pareto, também apresenta a linha do acumulado, ou seja, a somatória de cada um dos itens ordenados. FIGURA 4 - EXEMPLO DE GRÁFICO DE PARETO FONTE: GESTAMP PARANÁ S.A. f) Diagrama de Causa e Efeito A ferramenta Diagrama de Causa e Efeito, também como Diagrama de Ishikawa, permite descobrir problemas que geram a má qualidade de um produto ou serviço. Este diagrama tem o formato de uma grande seta apontando para um problema. Os ramos que saem dessa seta representam as principais categorias das causas potenciais de problemas de qualidade, chamadas de 6M, conforme descrito a seguir; Máquina; Matéria-prima; Mão-de-obra; Método; Meio Ambiente e Medição Esta técnica é utilizada para a análise das causas profundas, na transição entre a descrição do problema e a formulação de soluções, auxiliando na

29 15 identificação e justificativa das causas, e nas melhorias de determinados processos, de modo que possam ser corrigidas e eliminadas. A Figura 5 apresenta um modelo de Diagrama de Causa e Efeito que é usualmente utilizado na investigação das causas das falhas encontradas em um processo de modo a evitar sua reincidência. FIGURA-5 DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO FONTE: OS AUTORES, g) Diagrama de Dispersão A Figura 6 é um exemplo de gráfico que correlaciona duas características ou variáveis, como, por exemplo, peso e altura, quantidade e pressão, aumento de temperatura, velocidade, dentre outros, a fim de estabelecer a existência de uma relação real de causa e efeito. FIGURA 6 - DISPERSÃO DA UMIDADE EM FUNÇÃO DA TEMPERATURA Variação de Temperatura UMIDADE EM % 100% 80% 60% 40% 20% 0% TEMPERATURA EM ºC FONTE: OS AUTORES, 2006.

30 16 h) Gráfico de Controle A Figura 7 mostra um exemplo de gráfico de controle, que é usado para pesquisar tendências e padrões que acontecem ao longo do tempo. É usado também para monitorar um processo, verificando se ele está sob controle estatístico e indicando a faixa de variação incluída no sistema. Isto é, ele ajuda a descobrir se ocorreu alguma mudança significativa no processo, bem como as causas de variação no momento em que essa mudança ocorre. FIGURA 7 AMPLITUDE DE UM MEIO DE MEDIÇÃO FONTE: GESTAMP PARANÁ S.A. NOTA: Adequado pelos autores FMEA A metodologia de análise de modo e efeito potencial de falha, conhecida como FMEA, é uma ferramenta que busca, através da análise das falhas potenciais e de propostas de ações de melhoria, evitar a ocorrência de falhas, tanto no projeto de um produto quanto no processo, isto é, o objetivo é o de detectar falhas antes que se produza uma peça ou produto de forma que as chances de não conformidades durante o processo de fabricação sejam reduzidas buscando aumentar sua confiabilidade. Esta dimensão da qualidade, a confiabilidade, tem se tornado cada vez mais importante para os consumidores, uma vez que a falha de um produto, mesmo que

31 17 prontamente reparada pelo serviço de assistência técnica e totalmente coberta por termos de garantia, causa, no mínimo, uma insatisfação ao consumidor. Tem sido empregada também em aplicações específicas tais como análises de fontes de risco em engenharia de segurança e na indústria de alimentos. A norma QS especifica a tabela de FMEA, utilizada para a análise das falhas, como um dos documentos necessários para um fornecedor submeter um componente ou conjuntos à aprovação da montadora Relação Causa-Efeito Nas análises de FMEA, o ponto problemático é enfocado a partir da causa, passando pelos modos de falha e raciocinando na direção do efeito. Os modos de falha são os mais fáceis de serem identificados, pois são os eventos que levam um processo ou produto a não desempenhar o esperado. Como exemplo de modo de falha, pode-se citar um televisor que, ao ser ligado, não funciona. As causas que originaram esta falha podem ser inúmeras, e devem ser listadas em um relatório, analisadas e utilizadas durante a fabricação de outros televisores, para que o mesmo problema não torne a ocorrer. Sendo assim, podemos definir causa como o evento que gera o aparecimento de uma falha. Utilizando o exemplo anterior, pode-se dizer que o efeito causado pelo não funcionamento do televisor afeta exclusivamente o cliente, que ao comprar um produto que não atende suas necessidades, sente-se lesado e, dependendo do tipo de falha, pode ter sua segurança comprometida. Desta forma, o efeito de uma falha nada mais é do que a forma como um modo de falha pode afetar o desempenho de um sistema do ponto de vista do cliente. Segundo Hellman (1995), na FMEA raciocina-se de baixo para cima, isto é, procura-se determinar os modos de falha de um produto ou processo, suas causas e a maneira pelas quais estas afetam todo o sistema estudado. Para auxiliar na busca destas falhas, os autores apresentam um roteiro de perguntas básicas sobre quais maneiras um componente pode falhar. São elas: 16 QS Requisitos de um Sistema da Qualidade, baseado na norma ISO 9000 criado por fabricantes de automóveis dos Estados Unidos.

32 18 i. Que tipos de falhas são observadas? ii. Que partes do sistema são afetadas? iii. Quais são os efeitos da falha sobre o sistema? iv. Qual a importância da falha? v. Como prevení-la? Tipos de FMEA A técnica de análise dos modos potenciais de falha pode ser aplicada tanto no desenvolvimento do projeto do produto como do processo. As etapas e a maneira de realização da análise são as mesmas, ambas diferenciando-se somente quanto ao objetivo. Assim as análises FMEA s são classificadas em dois tipos: FMEA DE PRODUTO: na qual são consideradas as falhas que poderão ocorrer com o produto dentro das especificações do projeto. O objetivo desta análise é evitar falhas no produto ou no processo decorrentes do projeto. É comumente denominada também de FMEA de projeto. FMEA DE PROCESSO: são consideradas as falhas no planejamento e execução do processo, ou seja, o objetivo desta análise é evitar falhas do processo, tendo como base às não conformidades do produto com as especificações do projeto. A preocupação em ambos os tipos de FMEA é única: o impacto dos efeitos provenientes das falhas de projeto ou processo no produto final. Há ainda um terceiro tipo, menos comum, que é o FMEA de procedimentos administrativos. Nele as falhas potenciais de cada etapa do processo são analisadas com o mesmo objetivo que as análises anteriores, ou seja, diminuir os riscos de falha Aplicação da FMEA Pode-se aplicar a análise FMEA nas seguintes situações: Para diminuir a probabilidade da ocorrência de falhas em projetos de novos produtos ou processos;

33 19 Para diminuir a probabilidade de falhas potenciais (ou seja, que ainda não tenham ocorrido) em produtos/processos já em operação; Para aumentar a confiabilidade de produtos ou processos já em operação por meio da análise das falhas que já ocorreram; Para diminuir os riscos de erros e aumentar a qualidade em procedimentos administrativos. A distinção entre a FMEA de produto e a de processo é extremamente importante para nortear a análise que será conduzida. Em uma FMEA de produto, por exemplo, as falhas encontradas serão aquelas pertinentes a problemas de projeto, já na FMEA de processo, a análise tem como foco as falhas durante a fabricação do produto final ou execução de um serviço. Para utilizar a FMEA de processo, recomenda-se, sempre que possível, realizar o estudo antes do processo ser realizado, e não após a ocorrência de falha. Sendo assim, o correto a se fazer seria elaborar um fluxograma do processo que se possibilita uma visão geral de como este processo é afetado pelas diversas áreas da empresa facilitando, ao estudar os modos de falha, buscar a causa do problema. Com o desenho do processo em mãos, torna-se menos complicada a análise de todo o sistema. Hellman (1995) sugere que as seguintes etapas para elaboração da análise da FMEA: Definir a equipe responsável pela execução; Definir os itens do sistema que serão considerados; Preparação prévia: coleta de dados; Análise Preliminar; Identificação dos tipos de falha e seus efeitos; Identificação das causas das falhas; Identificação dos controles atuais; Análise das falhas para determinação de índices; Análise das recomendações; Revisão dos procedimentos; Preenchimento dos formulários da FMEA; Reflexão sobre o processo.

34 20 Para aplicar-se a análise FMEA em um determinado produto/processo, portanto, forma-se um grupo de trabalho que irá definir a função ou a característica daquele produto/processo relacionando todos os tipos de falhas que possam ocorrer, descrevendo para cada tipo de falha, suas possíveis causas e efeitos, relacionar as medidas de detecção e prevenção de falhas que estão sendo, ou já foram tomadas, e, para cada causa de falha, atribuir índices para avaliar os riscos e, por meio destes riscos, discutir medidas de melhoria Etapas para aplicação Durante a aplicação da FMEA em um processo, este deve ser registrado em uma tabela padrão apresentada no Anexo 01. Basicamente, pode-se dizer que esta tabela é uma espécie de roteiro que reúne os possíveis modos potenciais de falha associados com suas causas, efeitos, ações corretivas, dentre outros. Os campos utilizados na tabela são os seguintes: i. Nome da Peça: Identifica o processo a ser estudado; ii. Veículo: Identifica o automóvel da peça em questão; iii. Data Revisão: Data da última alteração; iv. Criação Documento: Data da criação; v. Responsável: Identifica o responsável pelo estudo; vi. Elaborado por: Apresenta o nome do responsável pela elaboração do estudo; vii. Função do Processo: Esta coluna deve ser preenchida com uma descrição simples de cada operação a ser analisada; viii. Modo Potencial de falha: Maneira pela qual a operação pode falhar. Trata-se de uma possível não conformidade que possa ser detectada durante o processo. Podem existir mais de um modo potencial de falha para cada operação; ix. Efeito Potencial de falha: Os efeitos são as conseqüências dos modos potenciais de falha; x. Severidade (S): A severidade é definida, em termos de impacto que o efeito do modo potencial de falha tem sobre a operação do sistema, e, por

35 21 conseguinte, sobre a satisfação do cliente. A severidade é estimada em uma escala de 1 a 10, conforme mostra a Tabela 3; TABELA 3 SEVERIDADE DO EFEITO SEVERIDADE DO EFEITO MUITO ALTA - Quando compromete a segurança da operação ou envolve infração a regulamentos governamentais. ALTA - Quando provoca alta insatisfação do cliente. MODERADA - Quando provoca alguma insatisfação devido à queda do desempenho ou mau funcionamento do sistema. BAIXA - Quando provoca uma leve insatisfação, o cliente observa apenas uma leve deteorização ou queda no desempenho. ESCALA MÍNIMA - Falha que afeta minimamente o desempenho do sistema, e a 2 maioria dos clientes talvez nem mesmo note sua ocorrência. 1 FONTE: FMEA TERCEIRA EDIÇÃO, xi. Classificação: Esta coluna é utilizada para classificar qualquer operação como crítica para a segurança ou para a qualidade. Nestes casos, podem ser necessários controles especiais sobre a operação; xii. Causa/Mecanismos potenciais de falha: Nesta coluna devem ser identificadas as origens de cada modo potencial de falha. É considerada uma das etapas mais importantes do FMEA; xiii. Ocorrência (O): Está relacionada com a freqüência em que ocorrem as causas/mecanismos de falha listadas na coluna anterior. A avaliação da ocorrência é feita utilizando-se uma escala de 1 a 10, conforme mostra a Tabela 4;

36 22 TABELA 4 PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA 2) Probabilidade de Ocorrência Taxa de Falha Escala Muito Alta Falha quase inevitável Alta Falhas ocorrem com freqüência Moderada Falhas ocasionais Baixa Falhas raramente ocorrem 1/2 10 1/3 9 1/8 8 1/20 7 1/80 6 1/ / / Mínima Falha muito improvável 1/ / FONTE: FMEA TERCEIRA EDIÇÃO, xiv. Controles atuais no projeto: Forma com a qual é detectada uma falha em determinada etapa do processo; xv. Detecção (D): Nesta coluna busca-se fazer uma estimativa da eficiência de cada controle atual em detectar um modo potencial de falha. Assim como na coluna de severidade e ocorrência, é utilizada uma escala de 1 a 10 para avaliar a habilidade de cada controle, conforme mostra a Tabela 5; TABELA 5 - PROBABILIDADE DE DETECÇÃO DO MODO DE FALHA Probabilidade de Detecção do Modo de Falha Quase impossível de detectar os controles não irão detectar este defeito, ou não existe controle Muito baixa o defeito provavelmente não será detectado Baixa Há uma baixa probabilidade dos controles detectarem o defeito Moderada Os controles podem detectar o defeito Escala Alta Há uma boa probabilidade dos controles detectarem o defeito 3 Muito Alta É quase certo que os controles irão detectar este defeito FONTE: FMEA TERCEIRA EDIÇÃO,

37 23 xvi. Ações Recomendadas: Devem ser recomendadas ações para os itens de maior risco dentro do processo estudado. Estas ações devem reduzir a severidade do efeito, a probabilidade de ocorrência ou a probabilidade de não detecção; xvii. Responsável e Data (para ação): Deve ser identificado o grupo ou indivíduo responsável por cada ação recomendada e as datas para a conclusão de cada tarefa Planejamento Antes de criar a tabela de FMEA, o responsável pela aplicação da metodologia deve planejar como a ferramenta será aplicada. Esta etapa compreende: Descrição dos objetivos e abrangência da análise: em que se identifica qual (ais) produto(s)/processo(s) será(ão) analisado(s); Formação dos grupos de trabalho: em que se define os integrantes do grupo, que deve ser preferencialmente pequeno (entre 4 a 6 pessoas) e multidisciplinar (contando com pessoas de diversas áreas como qualidade, desenvolvimento e produção); Planejamento das reuniões: as reuniões devem ser agendadas com antecedência e com o consentimento de todos os participantes para evitar paralisações; Preparação da documentação necessária Acompanhamento Terminada a análise do processo e tendo em mãos os registros da tabela de FMEA, o responsável pela aplicação da metodologia deve assegurar que todas as ações recomendadas tenham sido implementadas de forma efetiva. O formulário FMEA é um documento que necessita ser atualizado constantemente, ou seja, uma vez realizada uma análise para um produto/processo qualquer, esta deve ser revisada sempre que ocorrerem alterações neste produto/processo específico. Além disso, mesmo que não haja alterações deve-se

38 24 regularmente revisar a análise confrontando as falhas potenciais imaginadas pelo grupo com as que realmente vem ocorrendo no dia-a-dia do processo e uso do produto, de forma a permitir a incorporação de falhas não previstas, bem como a reavaliação, com base em dados objetivos, das falhas já previstas pelo grupo. 2.2 CULTURA ORGANIZACIONAL E TREINAMENTO Cultura organizacional é [...] o conjunto de concepções, normas e valores submersos à vida de uma organização e que devem ser comunicados as seus membros através de formas simbólicas tangíveis [...] ( Fleury, 1991). Isto é, dentro de uma empresa existem diferentes tipos de comportamentos, porém existe um processo de socialização em que os valores e crenças são transmitidos aos demais membros ou novos componentes de uma organização. Como a idéia de qualidade pode ser algo completamente novo para algumas empresas, o correto seria realizar um trabalho gradual para obter resultados. A melhor forma de fazer isto é através de palestras e treinamentos elaborados pela própria empresa. Para que isto seja feito, os processos de produção devem estar bem padronizados e conforme procedimento, fazendo com que seja possível desenvolver treinamentos iniciais, dirigidos aos novos funcionários da empresa, e treinamento de reciclagem, com o objetivo de reeducar os antigos funcionários aos novos padrões estabelecidos. O treinamento é [...] um processo que auxilia o empregado a adquirir eficiência no seu trabalho presente ou futuro, através de apropriados hábitos de pensamento, ação, habilidades, conhecimentos e atitudes [...] (Carvalho; Nascimento, 1997). Ou ainda, [...] o treinamento pode ser visto como um instrumento administrativo de vital importância para o aumento da produtividade do trabalho, e também como um fator de auto-satisfação do treinando, constituindo-se um agente motivador comprovado [...] (Magalhães; Borges, 2001). Abrange uma somatória de atividades que vão desde a aquisição de habilidade motriz até o desenvolvimento de um conhecimento técnico complexo, incluindo também a assimilação de novas atitudes, bem como modificações de comportamentos em função de problemas sociais amplos.

39 NOÇÕES DE ESTAMPAGEM A estampagem é o processo de converter finas chapas metálicas em peças ou produtos, sem fratura ou concentração de micro trincas. Dentro do processo de estampagem incluem-se os processos de corte, dobra e embutimento (repuxo) de chapas. As chapas utilizadas neste processo devem ser bastante dúcteis (com alta resistência ao impacto). O estampo é a ferramenta usada nos processos de corte e de dobra. Compõe-se de um conjunto de peças ou placas que, associado a prensas ou balancins, executa operações de corte e de dobra para produção de peças em série. Na Figura 8 a seguir pode ser observado um estampo de corte em vista explodida. FIGURA 8 ESTAMPO DE CORTE FONTE: APOSTILA PROFISSIONALIZANTE TELECURSO 2000 REPUXO CORTE E DOBRA. Durante o processo, o material é cortado de acordo com as medidas das peças a serem estampadas, a que se dá o nome de tira ou blank. Quando uma tira de material é cortada na forma necessária, a parte útil obtida recebe o nome de

40 26 peça. O restante de material que sobra, chama-se retalho, como pode ser verificado na Figura 9. FIGURA 9 CORTE DE CHAPA FONTE: APOSTILA PROFISSIONALIZANTE TELECURSO 2000 REPUXO CORTE E DOBRA. O estampo de dobra é também conhecido como dobrador. É formado de punção e matriz e, geralmente, guiado pelo cabeçote da prensa ou placa-guia. O punção é uma peça de aço, temperada e revenida, cuja parte inferior tem um perfil que corresponde à superfície interna da peça. Pode ser fixado diretamente no cabeçote da prensa ou por meio da espiga. A matriz é de aço e sua parte superior tem a forma da parte exterior da peça. Pode ser fixada diretamente sobre a mesa da prensa. Geralmente, é sobre a matriz que se fixam as guias do material da pela que são elementos adaptados ao estampo para dar uma posição adequada de trabalho. Repuxo é um processo de fabricação, pelo qual uma chapa metálica adquire formas volumétricas, ocas, previamente definidas. As ferramentas que executam esse trabalho têm as mesmas características dos estampos de corte e dobra. São formadas basicamente por um punção, matriz e sujeitador. O sujeitador, também chamado de pisador, tem a função de travar as bordas da chapa no momento do

41 27 golpe da prensa, em que o punção desce sobre a matriz, estirando ou alongando o material. A Figura 10 apresenta um exemplo de estampo de dobra. FIGURA 10 ESTAMPO DE DOBRA FONTE: APOSTILA PROFISSIONALIZANTE TELECURSO 2000 REPUXO CORTE E DOBRA. Uma ferramenta de repuxo simples, conforme mostra a Figura 11, pode ser utilizada para a fabricação de um recipiente. FIGURA 11 - REPUXO FONTE: APOSTILA PROFISSIONALIZANTE TELECURSO 2000 REPUXO CORTE E DOBRA.

42 28 Existem também, estampos mistos cujas estruturas são o resultado da união dos estampos de corte, de dobra e de repuxo. Os estampos mistos realizam as várias operações ao mesmo tempo, tanto de corte como de dobra quanto de repuxo. No caso da Gestamp Paraná, por se tratar de uma estamparia de peças de grande porte, as ferramentas (ou estampos) são do tipo misto, e dependendo da concepção das ferramentas, as peças podem necessitar de 3 a 6 operações de estampagem, para serem produzidas. Ou seja, quanto mais operações estas ferramentas tiverem dentro de um mesmo estampo, menor é a quantidade de operações externas. Mas, isso depende do projeto de cada ferramenta, pois, não se pode mudá-las depois de confeccionadas.

43 29 3 DESCRIÇÃO DO PROCESSO A atividade de estamparia faz parte do setor metal-mecânico, tendo como principal equipamento produtivo a prensa. Na área automotiva, a atividade de estampar abrange uma grande diversidade de produtos como dobradiças, longarinas, caixas de roda, alavancas, suportes, travessas de suspensão, bem como partes internas e externas da carroceria. No Brasil, teve início recentemente o processo de transferência desta atividade de dentro das montadoras (fabricação in-house 17 ) para empresas especializadas, definindo um mercado em crescimento. A Gestamp Paraná S.A., empresa objeto deste estudo produz painéis metálicos que são enviados às montadoras para a montagem da carroceria dos veículos automotores. Estes painéis podem ser peças de aspecto do veículo, como teto, laterais, capô, porta-malas, portas, dentre outros, ou peças internas ou estruturais, como a estrutura do capô, assoalho, túnel, pilares, colunas, etc. Na montadora, estes painéis são unidos pelo processo de solda ou grafagem 18. A estamparia caracteriza-se pelo elevado investimento em prensas e em desenvolvimento e construção de ferramentas. Estabelecido um novo modelo de veículo, há um trabalho fundamental de desenvolvimento das ferramentas que vão dar o formato das peças. Na Gestamp Paraná S.A., a estampagem dos painéis é feita a partir de chapas metálicas enviadas pela empresa Gonvarri, especializada em laminação e corte localizada no município de Araucária. Esta empresa envia a matéria-prima em fardos com a quantidade e formato da chapa, também chamada de blank, pré-definido pela engenharia de processos da Gestamp. Como o foco da empresa são peças médias e grandes, os blanks passam por uma série de grandes prensas, em geral de 3 a 6, onde é feita a conformação da chapa, dando-lhe o formato de uma porta, teto, capô, lateral, assoalho, paralamas, etc. As figuras 12, 13, 14 e 15, a seguir, mostram um exemplo de estampagem da lateral de um veículo, a lateral esquerda do Clio Hatch 4 portas, produzida na Gestamp Paraná S.A.. Podem-se observar nas figuras, quatro operações realizadas 17 Significa que é fabricado dentro das próprias instalações da montadora. 18 Dobra das extremidades.

44 30 na linha de produção, são elas respectivamente: operação de repuxo, operação de corte, operação de recorte e furação e operação de calibragem. FIGURA 12 OPERAÇÃO DE REPUXO FONTE: OS AUTORES, FIGURA 13 OPERAÇÃO DE CORTE FONTE: OS AUTORES, 2006.

45 31 FIGURA 14 OPERAÇÃO DE RECORTE E FURAÇÃO FONTE: OS AUTORES, FIGURA 15 OPERAÇÃO DE CALIBRAGEM FONTE: OS AUTORES, ESTRUTURA SETORIAL A fábrica da Gestamp Paraná S.A. possui, atualmente, quatro setores responsáveis pelo processo produtivo, sendo eles: Engenharia de Processos, Qualidade, PCP/Logística e Produção Engenharia de Processos O setor de Engenharia de Processos é responsável pelo recebimento das informações e detalhes do cliente sobre a peça a ser produzida. Estas informações,

46 32 chamadas de especificações, são partilhadas com os outros quatro setores a fim de possibilitar uma definição correta sobre o processo produtivo a ser utilizado na fabricação da peça em questão. Após definir o processo, a Engenharia de Processos ainda é responsável pela validação do mesmo e do produto junto ao Cliente Setor da Qualidade O setor da Qualidade é subdividido em três áreas: Administrativa, Túnel de Luz e Metrologia. A área administrativa é responsável pela qualidade do produto final, funcionando como suporte às outras duas áreas junto ao cliente. O túnel de luz é a área responsável pela inspeção e liberação da produção conforme o estado da peça. Localizado no final da linha, o túnel de luz verifica visualmente o aspecto na primeira peça produzida para certificar de que a mesma se encontra conforme ou não - conforme, com base em uma peça padrão produzida na fase de integração do ferramental e assinada junto ao cliente, que fica disponível no túnel para que seja feita a comparação pelos inspetores. Após a liberação de aspecto inicia-se a produção. Os inspetores do túnel levam a peça inicial até o dispositivo de controle dimensional e com a ajuda de relógios comparadores, utilizados para medir 19 possíveis diferenças de até 15 mm entre peças com resolução de 0,01 mm, verificam como está o dimensional da peça (Volume e Linha de corte). Com um medidor por ultra-som capaz de medir espessuras de 0 até 7 mm e com resolução de 0,001 mm, verifica-se se não há estiramentos (perda de espessura) nas regiões críticas já pré-definidas para determinada peça. Os inspetores seguem esta mesma ordem de verificações para mais uma peça no meio e uma ao final do lote, visualizando se a qualidade da mesma se mantém durante a produção, para poder ser enviada ao cliente. A área de Metrologia é responsável pelas medições e controle dos equipamentos de medição existentes na fábrica. Quando o túnel de luz ou alguma área necessita de uma medição mais precisa de alguma peça ou equipamento, o 19 O processo de medição efetuado pelos inspetores, é assegurado através dos estudos de capacidade dos meios de medição pelo setor de Metrologia.

FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha. José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar

FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha. José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha 1 1 Introdução

Leia mais

FMEA (Failure Model and Effect Analysis)

FMEA (Failure Model and Effect Analysis) Definição FMEA (Failure Model and Effect Analysis) Conceitos Básicos A metodologia de Análise do Tipo e Efeito de Falha, conhecida como FMEA (do inglês Failure Mode and Effect Analysis), é uma ferramenta

Leia mais

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha)

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) FMEA FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) Técnica auxiliar no projeto de sistemas, produtos, processos ou serviços. Flávio Fogliatto Confiabilidade 1 FMEA - Definição

Leia mais

a norma utiliza o termo PANE para expressar falha.

a norma utiliza o termo PANE para expressar falha. FMEA Prof. Andréa CONCEITO DE FMEA CONCEITO DE FMEA ABNT, na norma NBR 5462 (1994), adota a sigla originária do inglês FMEA (Failure Mode and Effects Analysis) e a traduz como sendo Análise dos Modos de

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE

FERRAMENTAS DA QUALIDADE FERRAMENTAS DA QUALIDADE FEMEA Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 1 Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 2 -

Leia mais

PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DE FMEA EM UMA EMPRESA DE MÁQUINAS - FERRAMENTA

PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DE FMEA EM UMA EMPRESA DE MÁQUINAS - FERRAMENTA PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DE FMEA EM UMA EMPRESA DE MÁQUINAS - FERRAMENTA Afrânio Quintino da SILVA 1 Denner TRINDADE 1, Eduardo Araújo de PAULA 1, Israel do Nascimento BATISTA 1 Jevion Prates MARTINS 1

Leia mais

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Fortaleza, 28 de novembro de 2012. Análise de Causa-Raiz É um método utilizado na engenharia, nas investigações de acidentes industriais, nucleares,

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO Auxiliam no: controle dos processos; identificação os problemas ou desvios; objetivo de avaliar e analisar; Facilitando a tomada de decisão. Coleta de dados confiáveis: a ferramenta

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

Comercial. Gestão da Qualidade

Comercial. Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Comercial Ferramentas da Qualidade: Ações preventivas são tomadas em problemas potenciais, aqueles que ainda não ocorreram, mas que podem vir a ocorrer no futuro caso não seja tomada

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO 1 ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO Solange de Fátima Machado 1 Renato Francisco Saldanha Silva 2 Valdecil de Souza 3 Resumo No presente estudo foi abordada a análise das ferramentas

Leia mais

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA Disciplina: FATEC - IPATINGA Gestão de ISSO TQC - Controle da Total Vicente Falconi Campos ISO 9001 ISO 14001 OHSAS 18001 Prof.: Marcelo Gomes Franco Conceitos TQC - Total Quality Control Controle da Total

Leia mais

Organograma, funcionograma, fluxograma

Organograma, funcionograma, fluxograma CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA CURSO DE NUTRIÇÃO ADMINISTRAÇÃO DE UNIDADES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO AULA 28 Profa. M.Sc Vanessa Vasconcelos Fonseca Mestre em Ciência de Alimentos Especialista MBA

Leia mais

Gestão da qualidade. Conceito e histórico da qualidade. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento

Gestão da qualidade. Conceito e histórico da qualidade. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Gestão da qualidade Conceito e histórico da qualidade Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Como é vista a qualidade Redução de custos Aumento de produtividade Conceito básico de qualidade Satisfação

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu

Universidade São Judas Tadeu Universidade São Judas Tadeu São Paulo, 01 de Outubro de 2010 Nomes: Cícero Marcelino RA: 200509458 Daniele Teixeira RA: 200605045 Edson Pereira RA: 200607727 Matheus Monteiro RA: 200709765 Rodrigo Pavin

Leia mais

Aplicabilidade das Data: FMEA Falta de Energia Elétrica. 3º SEPAGE - Coren-SP 22/07/2011

Aplicabilidade das Data: FMEA Falta de Energia Elétrica. 3º SEPAGE - Coren-SP 22/07/2011 Aplicabilidade das Ferramentas Título da da Palestra: Qualidade Data: FMEA Falta de Energia Elétrica 3º SEPAGE - Coren-SP 22/07/2011 História dos Riscos Construção do Empire State 1930 102 andares Cenário

Leia mais

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos)

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Curso e-learning FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos F-MEA Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos ADPO ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1 F-MEA Failure Mode and Effects Analisys Conceito É uma metodologia analítica utilizada para garantir que problemas

Leia mais

Inovação e Tecnologia

Inovação e Tecnologia 1 Inovação e Tecnologia A Prensas Schuler instalou-se no Brasil em 1965, época de grande desenvolvimento da indústria, em particular a automotiva, assumindo imediatamente a posição ocupada até hoje: líder

Leia mais

Análise de Modo e Efeito de Falha Potencial - FMEA. Apostila e Tabelas Recomendadas para Severidade Ocorrência e Detecção

Análise de Modo e Efeito de Falha Potencial - FMEA. Apostila e Tabelas Recomendadas para Severidade Ocorrência e Detecção Análise de Modo e Efeito de Falha Potencial - FMEA Apostila e Tabelas Recomendadas para Severidade Ocorrência e Detecção Professores: Diego Mondadori Rodrigues Ernani Matschulat Viviane Dorneles Tobias

Leia mais

FMEA: ORIENTAÇÕES CONCEITUAIS PARA A APLICAÇÃO DE UMA FERRAMENTA DE ANTECIPAÇÃO DE FALHAS

FMEA: ORIENTAÇÕES CONCEITUAIS PARA A APLICAÇÃO DE UMA FERRAMENTA DE ANTECIPAÇÃO DE FALHAS FMEA: ORIENTAÇÕES CONCEITUAIS PARA A APLICAÇÃO DE UMA FERRAMENTA DE ANTECIPAÇÃO DE FALHAS Flávio Zorzan (FAHOR) fz000872@fahor.com.br Leandro Dorneles (URI-Santo Ângelo) leandro1902@gmail.com Marcos Eduardo

Leia mais

FMEA. Definição Medição Análise Melhoria Controle. Pág 1

FMEA. Definição Medição Análise Melhoria Controle. Pág 1 FMA Controle de Qualidade FMA Pág 1 FMA que vamos aprender... FMA Ferramentas de Definição Pág 2 FMA FMA Failure Mode & ffects Analysis FMA é um método sistemático para identificar, analisar, priorizar

Leia mais

CONSULTORIA. Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias

CONSULTORIA. Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias CONSULTORIA Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias PADRÃO DE QUALIDADE DESCRIÇÃO ISO 9001 Esse Modelo de Produto de Consultoria tem por objetivo definir e melhorar todos os processos da empresa,

Leia mais

- PLACA DE CHOQUE: É construída com material Aço 1045, podendo levar um tratamento térmico para alcançar uma dureza de 45-48 HRC, se necessário.

- PLACA DE CHOQUE: É construída com material Aço 1045, podendo levar um tratamento térmico para alcançar uma dureza de 45-48 HRC, se necessário. Estampagem A estampagem é o processo de fabricação de peças, através do corte ou deformação de chapas em operação de prensagem geralmente a frio. A conformação de chapas é definida como a transição de

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS

FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS Priscila Pasti Barbosa 1, Sheila Luz 2, Fernando Cesar Penteado 3, Generoso De Angelis Neto 4, Carlos

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

8.3. FMEA (Failure Mode and Effects Analysis)

8.3. FMEA (Failure Mode and Effects Analysis) seu produto nas unidades respectivas de cada grandeza, isto é, o produto tem $4,50 na característica "custo", 170 mm na característica "dimensão", e assim por diante. As colunas "concorrente };' e "concorrente

Leia mais

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu.

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu. Determinação do momento ótimo para a realização da manutenção preventiva em equipamentos de uma indústria metalúrgica: um estudo voltado para a redução de custos Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR)

Leia mais

Corte e dobra. Nesta aula, você vai ter uma visão geral. Nossa aula. Princípios do corte e da dobra

Corte e dobra. Nesta aula, você vai ter uma visão geral. Nossa aula. Princípios do corte e da dobra A U A UL LA Corte e dobra Introdução Nesta aula, você vai ter uma visão geral de como são os processos de fabricação por conformação, por meio de estampos de corte e dobra. Inicialmente, veremos os princípios

Leia mais

Telecurso 2000 Processos de fabricação Peça; Retalho; Tira.

Telecurso 2000 Processos de fabricação Peça; Retalho; Tira. Conjunto de processos: Corte, Dobramento/curvamento (calandragem), Embutimento (estamp. profunda), Cunhagem, Perfilamento, Repuxamento. Processo a frio, Produto acabado, Matéria prima laminada, Forma volumétrica,

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

MÓDULO 7 Ferramentas da Qualidade

MÓDULO 7 Ferramentas da Qualidade MÓDULO 7 Ferramentas da Qualidade Os modelos de Qualidade Total apresentam uma estrutura teórica bem consistente, pois: não há contradições entre as suas afirmações básicas; há uma estrutura bem definida

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

UNITON MUITO MAIS QUE UMA PONTE ROLANTE

UNITON MUITO MAIS QUE UMA PONTE ROLANTE PONTES ROLANTES INDUSTRIAIS EQUIPAMENTOS PARA USINAS NUCLEARES GUINDASTES PORTUÁRIOS EMPILHADEIRAS PESADAS SERVIÇOS MUITO MAIS QUE UMA PONTE ROLANTE 2 Konecranes A PONTE CERTA PARA VOCÊ 2 5 41 9 3 6 4

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Aplicação do Método Fmea no Processo de Climatização de uma Indústria Automobilística

Aplicação do Método Fmea no Processo de Climatização de uma Indústria Automobilística Aplicação do Método Fmea no Processo de Climatização de uma Indústria Automobilística Helena Ávila Ramos avila.helena@yahoo.com.br UFF Carlos Alberto Chaves cachaves@quick.com.br UFF Nilson Brandalise

Leia mais

Aplicação da teoria das restrições um estudo de caso

Aplicação da teoria das restrições um estudo de caso Aplicação da teoria das restrições um estudo de caso Marco Antonio dos Reis (ABB Ltda) marco.reis@br.abb.com Resumo Este trabalho apresenta uma aplicação prática da teoria das restrições no setor industrial

Leia mais

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves QUALIDADE II Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor

Leia mais

MBA em Administração e Qualidade

MBA em Administração e Qualidade MBA em Administração e Qualidade Sistemas ISO 9000 e Auditorias da Qualidade Aula 5 Prof. Wanderson Stael Paris Olá! Confira no vídeo a seguir alguns temas que serão abordados nesta aula. Bons estudos!

Leia mais

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO MBA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE SÃO PAULO 2009 Gerson C. Anis e grupo de trabalho SUMÁRIO RESUMO...2

Leia mais

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL Luiz Rodrigo Carvalho de Souza (1) RESUMO O alto nível de competitividade exige que as empresas alcancem um nível de excelência na gestão de seus

Leia mais

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 NOTÍCIAS CARREIRAS & GESTÂO CURSOS & SEMINÁRIOS LIVROS DANÇA DAS CADEIRAS PESQUISAS COMPRAS ENTREVISTAS EM VÍDEO LAZER & TURISMO HOME Artigos Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO Autora: LUCIANA DE BARROS ARAÚJO 1 Professor Orientador: LUIZ CLAUDIO DE F. PIMENTA 2 RESUMO O mercado atual está cada vez mais exigente com

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADA NA NORMA NBR ISO 9001:2000 EM EMPRESAS SITUADAS EM PÓLOS OFFSHORE.

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADA NA NORMA NBR ISO 9001:2000 EM EMPRESAS SITUADAS EM PÓLOS OFFSHORE. GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADA NA NORMA NBR ISO 9001:2000 EM EMPRESAS SITUADAS EM PÓLOS OFFSHORE. Ivan Santos de Lima Engenheiro Naval pela Universidade Federal do Rio

Leia mais

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº 151 30 de novembro 2015 Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Renata Maciel da Silva renata.maciel55@gmail.com

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA REVISÃO DOS DADOS 04 RELAÇÃO DE CARGOS Auxiliar de Montagem Montador Supervisor de Produção Técnico de Programação da Produção Coordenador de Produção IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Prof. Cleber Ricardo Paiva. Sistemas de Gestão Integrados Pós-graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial. Sistemas de Gestão Integrados.

Prof. Cleber Ricardo Paiva. Sistemas de Gestão Integrados Pós-graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial. Sistemas de Gestão Integrados. 1 Sistemas de Gestão Integrados Gestão da Qualidade Pós graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial Ribeirão Preto E-mail: crpaiva@faap.br CONTEÚDO Introdução Sistemas de Gestão da Qualidade Ações Gerenciais

Leia mais

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001 Capítulo 8 Gerenciamento da Qualidade do Projeto O Gerenciamento da Qualidade do Projeto inclui os processos necessários para garantir que o projeto irá satisfazer as necessidades para as quais ele foi

Leia mais

Módulo 2. 2ª. Ferramenta: Diagrama Ishikawa (Espinha de Peixe) 3ª. Ferramenta: Folha de Verificação Exercícios

Módulo 2. 2ª. Ferramenta: Diagrama Ishikawa (Espinha de Peixe) 3ª. Ferramenta: Folha de Verificação Exercícios Módulo 2 2ª. Ferramenta: Diagrama Ishikawa (Espinha de Peixe) 3ª. Ferramenta: Folha de Verificação Exercícios 2ª. Ferramenta: Diagrama de Ishikawa Finalidade: Explorar e indicar todas as causas possíveis

Leia mais

PROGRAMA MAXION WHEELS DE SUSTENTABILIDADE

PROGRAMA MAXION WHEELS DE SUSTENTABILIDADE PROGRAMA MAXION WHEELS DE SUSTENTABILIDADE Marcelo Rodrigues Dias Carneiro IOCHPE-MAXION S.A.- Divisão Maxion Wheels - Fumagalli RESUMO No mundo atual, o tema sustentabilidade é bastante discutido e incentivado

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL

PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL PDCA FERRAMENTA GERENCIAL AMBIENTAL Importância PDCA Diretriz para a organização; Aproveitamento de novos espaços e layout; Redução e controle de riscos; Gerenciamento dos recursos com maior eficiência,

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Páginas: 1 de 13 APROVAÇÃO Este Manual de Gestão está aprovado e representa o Sistema de Gestão Integrada implementado na FOX Comércio de Aparas Ltda. Ricardo Militelli Diretor FOX Páginas: 2 de 13 1.

Leia mais

POLÍTICA. Localizador Revisão Folha:

POLÍTICA. Localizador Revisão Folha: 1/13 1. INTRODUÇÃO Esta norma tem por finalidade descrever os deveres do EPG para o cumprimento de seu trabalho diário dentro dos objetivos da Instituição. 2. OBJETIVO Estabelecer as regras para a realização

Leia mais

FMEA de processo para garantia da qualidade dos resultados em um laboratório de ensaios

FMEA de processo para garantia da qualidade dos resultados em um laboratório de ensaios FMEA de processo para garantia da qualidade dos resultados em um laboratório de ensaios Process FMEA for quality assurance results in a testing laboratory Jéssica Fredi Cocco 1, Carla Hartmann Sturm 1,

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CONCEITOS SOBRE CUSTOS DA QUALIDADE (APOSTILA) Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ Grupo

Leia mais

Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso

Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso Cristian Dekkers Kremer (UTFPR) cristian_dk@ig.com.br João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br

Leia mais

PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN

PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN 1 SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO Manutenção Produtiva Total MANTER CONSERVAR PREVENIR REPARAR SUBSTITUIR ADEQUAR MELHORAR PRODUÇÃO

Leia mais

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008 1 Sumário 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. Introdução...3 Ferramentas da Qualidade...4 Fluxograma...5 Cartas de Controle...7 Diagrama de Ishikawa...9 Folha de Verificação...11 Histograma...13 8. 9. 10. Gráfico de

Leia mais

Nos últimos 20 anos a atividade de manutenção tem passado por mais mudanças do que qualquer outra. Dentre as principais causas, podemos citar:

Nos últimos 20 anos a atividade de manutenção tem passado por mais mudanças do que qualquer outra. Dentre as principais causas, podemos citar: 1. INTRODUÇÃO: O nível da organização da manutenção reflete as particularidades do estágio de desenvolvimento industrial de um país. A partir do momento em que começa a ocorrer o envelhecimento dos equipamentos

Leia mais

Ferramentas da qualidade: uma aplicação em uma IES para desenvolvimento de artigos científicos

Ferramentas da qualidade: uma aplicação em uma IES para desenvolvimento de artigos científicos Ferramentas da qualidade: uma aplicação em uma IES para desenvolvimento de artigos científicos Diana Michele Pilz (FAHOR) dp000682@fahor.com.br Beatriz Simone Dockhorn (FAHOR) bd000684@fahor.com.br Eliane

Leia mais

Aplicação de FMEA para Revisão da Estratégia de Manutenção dos Tornos de Rodeiros 165CNC

Aplicação de FMEA para Revisão da Estratégia de Manutenção dos Tornos de Rodeiros 165CNC Aplicação de FMEA para Revisão da Estratégia de Manutenção dos Tornos de Rodeiros 165CNC Renato David 1, Allan James Ferreira Maciel 2 *, Jediel Grangeiro 3, Josenilson Rocha 4 1,2,3,4 Planejamento e recursos

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Serviços e Soluções para Estamparias

Serviços e Soluções para Estamparias Serviços e Soluções para Estamparias 1 BEM VINDO À PRENSAS SCHULER - BRASIL Inovação e Tecnologia Área total: 103,220 m² Área construída: 32,727 m² A Prensas Schuler instalou-se no Brasil em 1965, época

Leia mais

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011 Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 6/4/211 PRODUTIVIDADE O que é o melhoria contínua? Quando se tem o Gerenciamento da Rotina implantado temos a melhoria tipo escada sempre melhorando o resultado

Leia mais

Ferramentas da Qualidade. Professor: Fabrício Maciel Gomes fmgomes@usp.br

Ferramentas da Qualidade. Professor: Fabrício Maciel Gomes fmgomes@usp.br Ferramentas da Qualidade Professor: Fabrício Maciel Gomes fmgomes@usp.br ABORDAGENS DA QUALIDADE ABORDAGENS DA QUALIDADE Desde que a Qualidade se tornou um atributo do processo produtivo, ela vem sendo

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Excelência na Gestão de Ativos

Excelência na Gestão de Ativos Excelência na Gestão de Ativos 2015 Mudanças em Tempos Difíceis Em tempos difíceis é que as mudanças são necessárias, e a habilidades dos navegantes são testadas. Neste contexto a NT Desenvolvimento Gerencial

Leia mais

ANO 6 Nº 06, AGOSTO 2015. Daniel Carlos Viana André Luiz Palhardi

ANO 6 Nº 06, AGOSTO 2015. Daniel Carlos Viana André Luiz Palhardi Ano 06 Daniel Carlos Viana André Luiz Palhardi APLICAÇÃO DE SISTEMÁTICA DE MELHORIA CONTÍNUA EM PROCESSO DE SOLDAGEM n. 06 p.61-70 Faculdade de Engenharia e Arquitetura FEA Centro Universitário Nossa Senhora

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE AR COMPRIMIDO VIII SEMINÁRIO PARANAENSE DE MANUTENÇÃO CURITIBA 2008

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE AR COMPRIMIDO VIII SEMINÁRIO PARANAENSE DE MANUTENÇÃO CURITIBA 2008 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE AR COMPRIMIDO VIII SEMINÁRIO PARANAENSE DE MANUTENÇÃO CURITIBA 2008 Roteiro: Apresentação do Grupo Renault; Introdução; Problemas encontrados nos sistemas; Geração

Leia mais

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo.

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. A Manutenção Produtiva Total (TPM) tem sido uma ferramenta muito importante para os setores de manufatura intensivos em equipamentos.

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam definir termos e conceitos da qualidade. Para tal, pretende-se discutir a relação que se estabelece

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL E PADRONIZAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMA DE GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL E PADRONIZAÇÃO NA EMPRESA SISTEMA DE GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL E PADRONIZAÇÃO NA EMPRESA Andréia Pereira da Fonseca, Unisalesiano de Lins, e-mail: andreia.fonseca@bertin.com.br Ariane de Carvalho Naya, Unisalesiano de Lins, e-mail:

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES.

O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES. O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES. Evandro de Paula Faria, Claudia Cristina de Andrade, Elvis Magno da Silva RESUMO O cenário competitivo exige melhoria contínua

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Química. Qualidade Total

Química. Qualidade Total Química Qualidade Total Guarulhos 2012 Günter Wilhelm Uhlmann CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Conceitos Básicos - Qualidade - Produtividade - Competitividade Qualidade evolução histórica Gestão da Qualidade Total

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Manutenibilidade: É a característica de um equipamento ou instalação permitir um maior ou menor grau de facilidade na execução dos serviços

Leia mais

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Andréia Guaracho Ramos (1) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação

Leia mais

Engenharia do Produto

Engenharia do Produto Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Departamento de Eletrônica Engenharia do Produto Slides elaborados a partir de Rozenfeld et al. (2006) AULA 6 Favor colocar

Leia mais

Caderno de Encargos de Ferramental

Caderno de Encargos de Ferramental Caderno de Encargos de Ferramental TEV-MM-TLL 09.2009 Página 1 de 11 Índice 1. Objetivo 3 2. Procedimento 3 3. Escopo 3 4. Condições 4 5. Custos 4 6. Protótipo da ferramenta 4 7. Construção da ferramenta

Leia mais

Eficiência Energética Aplicada na Indústria. Dr. Pedro Magalhães Sobrinho

Eficiência Energética Aplicada na Indústria. Dr. Pedro Magalhães Sobrinho Eficiência Energética Aplicada na Indústria Dr. Pedro Magalhães Sobrinho Eficiência 1 - Virtude de se obter um determinado efeito. 2 - Atitude, competência, eficácia em um cargo que se ocupa ou trabalho

Leia mais

Gestão da Qualidade e Produtividade. Métodos de Gerenciamento da Qualidade. Aula 3. O que é um problema? Contextualização

Gestão da Qualidade e Produtividade. Métodos de Gerenciamento da Qualidade. Aula 3. O que é um problema? Contextualização Gestão da Qualidade e Produtividade Aula 3 Métodos de Gerenciamento da Qualidade Prof. Me. Elton Ivan Schneider O que é um problema? Contextualização É um resultado indesejável de um processo. Problema

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

Guia de Manutenção de Edificações

Guia de Manutenção de Edificações PROJETO DE PESQUISA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PESQUISA TÍTULO ENTIDADE Abraman Associação Brasileira de Manutenção COMITÊ DE ESTUDOS Comitê de Manutenção Centrada na Confiabilidade COORDENAÇÃO Eng.

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício Exemplo de Manual da Qualidade (Quality Manufacturing - Empresa Fictícia) Baseado nos 20 elementos da qualidade ISO 9001, existe uma correspondência de um para um entre os sistemas da qualidade da ISO

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE

FERRAMENTAS DA QUALIDADE FERRAMENTAS DA QUALIDADE Docente: Dr. José Carlos Marques Discentes: Estêvão Andrade N.º 2089206 Maria da Luz Abreu N.º 2405797 Teodoto Silva N.º 2094306 Vitalina Cunha N.º 2010607 FERRAMENTAS DA QUALIDADE

Leia mais